Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013"

Transcrição

1 Economia Digital e Direito Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Carolina Leão Oliveira 19 Novembro 2013

2 Matéria em causa: Uso do correio electrónico fornecido pela empresa Direitos em causa: Trabalhador: privacidade e autonomia VS Empresa: propriedade privada; liberdade de iniciativa e de empresa; direito de controlo

3 Direitos liberdades e garantias Legislação relevante Protecção de dados

4 Convenção Europeia dos Direitos do Homem Artigo 8.º 1- Qualquer pessoa tem direito ao respeito da sua vida privada e familiar, do seu domicílio e da sua correspondência. 2- Não pode haver ingerência da autoridade pública no exercício deste direito senão quando esta ingerência estiver prevista na lei e constituir uma providência que, numa sociedade democrática, seja necessária para a segurança nacional, para a segurança pública, para o bem estar económico do país, a defesa da ordem e a prevenção das infracções penais, a protecção da saúde ou da moral, ou a protecção dos direitos e das liberdades de terceiros.

5 Tribunal Europeu dos Direitos do Homem Noção de «privacidade»: Caso Niemietz, contra a Alemanha, de 23/11/1992: não há qualquer razão de princípio para interpretar a noção de «vida privada» de forma a dela excluir as actividades comerciais ou profissionais; para além de tudo, é nas relações de trabalho que a maioria das pessoas tem muitas e grandes ocasiões para estreitar as suas relações com o mundo exterior ; Caso Halford, contra Reino Unido, de 27/5/1997: Escutas telefónicas profissionais. As chamadas telefónicas provenientes do local de trabalho, tal como aquelas que são feitas do domicílio, podem encontrar-se compreendidas nas noções de «vida privada» e de correspondência previstas no artigo 8.º Noção de «correspondência»: Decisão de 27 de Julho de 1994: o artigo 8.º protege a correspondência, no sentido mais amplo do termo, incluindo os mais sofisticados meios de comunicação de mensagens

6 Constituição da República Portuguesa Artigo 26.º Outros direitos pessoais 1. A todos são reconhecidos os direitos à identidade pessoal, ao desenvolvimento da personalidade ( ) à reserva da intimidade da vida privada e familiar ( ). Artigo 34.º Inviolabilidade do domicílio e da correspondência 1. O domicílio e o sigilo da correspondência e dos outros meios de comunicação privada são invioláveis. 4. É proibida toda a ingerência das autoridades públicas na correspondência, nas telecomunicações e nos demais meios de comunicação, salvos os casos previstos na lei em matéria de processo criminal. Artigo 32.º Garantias de processo criminal 8. São nulas todas as provas obtidas mediante tortura, coacção, ofensa da integridade física ou moral da pessoa, abusiva intromissão na vida privada, no domicílio, na correspondência ou nas telecomunicações.

7 Artigo 35.º Utilização da informática 1. Todos os cidadãos têm o direito de acesso aos dados informatizados que lhes digam respeito, podendo exigir a sua rectificação e actualização, e o direito de conhecer a finalidade a que se destinam, nos termos da lei. 2. A lei define o conceito de dados pessoais, bem como as condições aplicáveis ao seu tratamento automatizado, conexão, transmissão e utilização, e garante a sua protecção, designadamente através de entidade administrativa independente. 3. A informática não pode ser utilizada para tratamento de dados referentes a convicções filosóficas ou políticas, filiação partidária ou sindical, fé religiosa, vida privada e origem étnica, salvo mediante consentimento expresso do titular, autorização prevista por lei com garantias de não discriminação ou para processamento de dados estatísticos não individualmente identificáveis. 4. É proibido o acesso a dados pessoais de terceiros, salvo em casos excepcionais previstos na lei.

8 Título II da Parte I da Constituição Direitos Liberdades Garantias Artigo 18.º Força jurídica 1. Os preceitos constitucionais respeitantes aos direitos, liberdades e garantias são directamente aplicáveis e vinculam as entidades públicas e privadas. 2. A lei só pode restringir os direitos, liberdades e garantias nos casos expressamente previstos na Constituição, devendo as restrições limitar-se ao necessário para salvaguardar outros direitos ou interesses constitucionalmente protegidos.

9 Código Penal Artigo 194.º - Violação de correspondência ou de telecomunicações Pena de prisão até 1 ano ou pena de multa até 240 dias para quem abrir correspondência que não lhe seja dirigida + telecomunicações Mesma pena para divulgação de cartas/encomendas e telecomunicações; Código de Processo Penal Artigo 126.º - Métodos proibidos de prova 3 Ressalvados os casos previstos na lei, são igualmente nulas, não podendo ser utilizadas, as provas obtidas mediante intromissão na vida privada, no domicílio, na correspondência ou nas telecomunicações sem o consentimento do respectivo titular.

10 Lei da Protecção de Dados Pessoais Directiva nº 95/46/CE, de 24 de Outubro de 1995 Lei nº 67/98, de 26 de Outubro Lei da Protecção de Dados Pessoais Artigo 3.º - Definições a)«dados pessoais»: qualquer informação, de qualquer natureza e independentemente do respectivo suporte ( ) relativa a uma pessoa singular identificada ou identificável ( ). b)«tratamento de dados pessoais»: qualquer operação ou conjunto de operações sobre dados pessoais ( ) tais como a recolha, o registo, a organização, a conservação, a adaptação ou alteração, a recuperação, a consulta, a utilização, a comunicação ( ) bem como o bloqueio, apagamento ou destruição. c)«responsável pelo tratamento»: a pessoa singular ou colectiva, autoridade pública, serviço ou qualquer organismo que, individualmente ou em conjunto com outrem determine as finalidades e os meios do tratamento.

11 Requisitos do tratamento Tratamento lícito e com Com respeito pelo princípio da boa fé; Artigo 5.º (qualidade dos dados): Dados recolhidos para finalidades determinadas, explícitas e legítimas; Dados adequados, pertinentes e não excessivos relativamente às finalidades do tratamento; exactos; conservados apenas durante período necessário para prossecução do fim. Artigo 7.º (dados sensíveis) Proibido o tratamento de dados referentes a convicções filosóficas ou políticas, filiação partidária ou sindical, fé religiosa, vida privada e origem racial ou étnica, saúde e vida sexual. Excepções: autorização da CNPD + interesse público e indispensabilidade ao exercício das funções do responsável ou consentimento expresso do titular.

12 Código do Trabalho Dever de ambas as partes respeitarem. Artigo 16.º - Reserva da intimidade da vida privada Artigo 17.º - Protecção de dados pessoais Proibição da exigência de dados sobre vida privada, salvo estritamente necessário para aferir aptidão + fundamentação por escrito; Direito ao controlo dos respectivos dados pessoais: conhecimento do teor e fins + direito a exigir rectificação e actualização; Sujeição a legislação sobre dados pessoais.

13 Artigo 22.º Confidencialidade de mensagens e de acesso a informação 1 O trabalhador goza do direito de reserva e confidencialidade relativamente ao conteúdo das mensagens de natureza pessoal e acesso a informação de carácter não profissional que envie, receba ou consulte, nomeadamente através do correio electrónico. 2 O disposto no número anterior não prejudica o poder de o empregador estabelecer regras de utilização dos meios de comunicação na empresa, nomeadamente do correio electrónico. Regulação Regulamento interno artigo 99.º (regras fixam limites em relação à utilização de certos meios e/ou limitações à autonomia e criatividade).

14 CNPD Deliberação 1638/2013 Revisão da anterior Deliberação sobre o tratamento de dados em centrais telefónicas, o controlo de e do acesso à Internet (2002) Tratamento de dados pessoais sensíveis necessidade de autorização da CNPD; Proporcionalidade dos meios de controlo (mínimo indispensável para cumprimento da finalidade do tratamento + juízo de ponderação para evitar excesso: interesse empresarial sério ): métodos genéricos de controlo (ex: nº de mensagens enviadas, tipo de anexos) são suficientes para aferir desvio a regras estabelecidas; Segredo profissional deve ser preservado; Regulamento Interno (cumprimento de dever de informação prévio); Controlo a montante: exigência de criação pastas próprias; instruções para apagar mensagens; segredos comerciais; Acesso ao como medida de último recurso + presença de trabalhador visado + representante dos trabalhadores; apenas visualização de endereço, data e hora pois mero registo cumpre objectivo do tratamento consulta é acesso não autorizado porque extravasa finalidade do tratamento.

15 JURISPRUDÊNCIA DOS TRIBUNAIS PORTUGUESES Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 5 de Julho de 2007 Reveste natureza pessoal uma mensagem enviada via por uma secretária de direcção a uma amiga e colega de trabalho para um endereço electrónico interno afecto à Divisão de Após Venda, durante o horário de trabalho e a partir do seu posto de trabalho, utilizando um computador pertencente ao empregador, mensagem na qual a emitente faz considerações, em tom intimista e jocoso, sobre essa reunião e tais pessoas.

16 Fundamentação do Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça seguida de perto pelos Tribunais da Relação: Acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, de 5 de Junho de 2008 Acórdão do Tribunal da Relação do Porto, de 8 de Fevereiro de 2010 Acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa de 7 de Março de conversas no chat do MSN Messenger; - acrescenta perspectiva da liberdade de expressão (arts. 37.º da CRP e 14.º do CT); - conflito de direitos e deveres do trabalhador.

17 Em sentido contrário Acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa de 30 de Junho de 2011 Contraposição do direito à reserva da vida privada (art. 26.º CRP) com o dever de cooperação para a descoberta da verdade (art. 417.º CPC) : prevalência do segundo direito à prova no art. 20.º/1 da CRP (acesso ao direito e aos tribunais); Não estão em causa factos da vida privada uma vez que s em causa tratavam de matérias profissionais. Isto porque as mensagens em questão: - continham no Assunto indicações de matérias profissionais; - enviadas e/ou recebidas a partir do profissional, durante o horário de trabalho; - enviadas e/ou recebidas, quase na sua exclusividade, por trabalhadores e/ou pessoas/clientes/terceiros que com ela estão relacionados; - não tinham qualquer indicação de se tratar de matéria pessoal, seja por via da designação em Assunto, seja pelo seu arquivo em ficheiros designados como, por exemplo, Correspondência Privada.

18 Conclusão Perante suspeitas razoáveis de incumprimentos contratuais por parte do trabalhador, o empregador não poderá controlar o conteúdo sem uma prévia autorização judicial, nos termos do artigo 34.º da CRP, mesmo que o trabalhador tenha violado as regras estabelecidas pelo empregador, na medida em que a propriedade dos meios não retira a titularidade do direito e a infracção cometida pelo trabalhador é, quando muito, uma infracção disciplinar. Nota: todos os Acórdãos citados estão disponíveis em

19 Carolina Leão d Oliveira Manuel Lopes Rocha

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973);

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); SAÚDE E PROTECÇÃO DE DADOS 19/1/2010 Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); Convenção 108 do Conselho

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 86/VIII/2015 de 14 de Abril Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea

Leia mais

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP O Conselho de Administração do Instituto das Comunicações de Portugal (ICP), em reunião efectuada em 1 de Outubro de 2001, deliberou, ao abrigo da alínea j) do nº 1 e do nº 2,

Leia mais

***I PROJECTO DE RELATÓRIO

***I PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 23 de Maio de 2001 PRELIMINAR 2000/0189(COD) ***I PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta

Leia mais

A sua empresa pode ver o seu correio electrónico?

A sua empresa pode ver o seu correio electrónico? 14 de março de 2016 A sua empresa pode ver o seu correio electrónico? À esquerda, Rita Canas da Silva e à direita, Marta Salgado Areias da Sérvulo. No passado dia 12 de janeiro, o Tribunal Europeu dos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. JORGE AUGUSTO CORREIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. JORGE AUGUSTO CORREIA Curso de Educação e Formação de Adultos EFA C (50h)/2014-2015 CP 4 Processos Identitários / Formadora: Rita Melancia Actividade 3 Tema: Código Deontológico e Relações de Trabalho Formanda: Olga Ilyina

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

AUTORIZAÇÃO Nº ICP ANACOM 08/2008 - SP

AUTORIZAÇÃO Nº ICP ANACOM 08/2008 - SP Data de publicação - 30.7.2008 AUTORIZAÇÃO Nº ICP ANACOM 08/2008 - SP O Vice-Presidente do Conselho de Administração da Autoridade Nacional de Comunicações (ICP- ANACOM), decide, nos termos do artigo 5º

Leia mais

Direito à reserva sobre a intimidade da vida privada

Direito à reserva sobre a intimidade da vida privada Direito à reserva sobre a intimidade da vida privada 1) Fundamentos Jurídicos O direito à reserva sobre a intimidade da vida privada está consagrado no elenco de direitos, liberdades e garantias da nossa

Leia mais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Equifax do Brasil Ltda., empresa com mais de 100 anos de existência e presente em mais de 15 países, tendo iniciado suas atividades

Leia mais

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho REGULAMENTO DA 4ª EDIÇÃO DO CONCURSO "BES REALIZE O SEU SONHO" Capítulo I - Introdução e Objetivos 1.º(Introdução e Objetivos) O Concurso Realize o Seu

Leia mais

Lei nº. 109/91 de 17 de Agosto Lei da criminalidade informática

Lei nº. 109/91 de 17 de Agosto Lei da criminalidade informática Lei nº. 109/91 de 17 de Agosto Lei da criminalidade informática A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164º, alínea d), 168º, nº 1, alínea c), e 169º, nº. 3, da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Muitas firmas comerciais de Macau solicitam o fornecimento de

Leia mais

O MARKETING DIRECTO POR EMAIL

O MARKETING DIRECTO POR EMAIL O MARKETING DIRECTO POR EMAIL 1 AS IMPLICAÇÕES LEGAIS DO EMAIL MARKETING Enquadramento da questão Equilíbrio entre o poder e a eficácia do marketing directo por e-mail no contacto com os consumidores e

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei da Protecção de Dados Pessoais (transpõe para a ordem jurídica portuguesa a Directiva n.º 95/46/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de Outubro de 1995, relativa

Leia mais

1) Termos e Condições

1) Termos e Condições 1) Termos e Condições Termos e Condições Plataforma Compras Públicas A informação contida nesta área regula o uso da presente página de Internet www.compraspublicas.com e de todo o seu conteúdo. Recomenda-se

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 30 de Junho de 2010 Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com 1 LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 1. A videovigilância no local de trabalho 2. Confidencialidade e acesso à informação 3. Monitorização

Leia mais

Condições de utilização para a MediaPedia. 1 Generalidades/definições. 2 Objecto. 3 Registo, palavra-passe

Condições de utilização para a MediaPedia. 1 Generalidades/definições. 2 Objecto. 3 Registo, palavra-passe Condições de utilização para a MediaPedia 1 Generalidades/definições 1. A MediaPedia é um serviço que permite a publicação gratuita na plataforma de informação MediaPedia, bem como o acesso a contribuições

Leia mais

Bases legais do Passatempo A Promod, eu e Paris

Bases legais do Passatempo A Promod, eu e Paris Bases legais do Passatempo A Promod, eu e Paris Passatempo gratuito exclusivo, organizado para os clientes da Promod Portugal com obrigação de compra, organizado desde o 24 de Maio de 2016 até o 17 de

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL A República Portuguesa e Belize a seguir designadas por as Partes, Desejando facilitar a troca de informações em

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13 CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13 1. Introdução A actuação do Grupo 8, na qualidade de prestador de serviços de segurança privada pauta-se por valores

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E MARCO CIVIL DA INTERNET DANILO DONEDA

PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E MARCO CIVIL DA INTERNET DANILO DONEDA PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E MARCO CIVIL DA INTERNET DANILO DONEDA ANATEL ABRIL 2016 O QUE É PRIVACIDADE E PROTEÇÃO DE DADOS? POR QUE PROTEGÊ-LAS? COM O QUE PROTEGÊ-LAS? LEI E LEGISLAÇÃO O QUE É PRIVACIDADE

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS. Decreto n.º 25/95 Acordo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América Relativo à Assistência Mútua entre os Respectivos Serviços Aduaneiros Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição

Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição As presentes orientações aplicam-se ao tratamento de dados pessoais pelos candidatos a deputado da Assembleia Legislativa

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor realizar

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL Exposição de motivos O sigilo bancário foi instituído em Portugal, como noutros países, como uma garantia

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS Exposição de motivos Vários instrumentos de direito convencional comunitário, assim como diversas decisões-quadro

Leia mais

Código de Ética. 1. Apresentação

Código de Ética. 1. Apresentação Código de Ética 1. Apresentação A Missão, a Visão, os Princípios Gerais, os Valores e as Normas de Conduta constantes do Código de Ética integram a Cultura da Lusa, a qual deve presidir à conduta profissional

Leia mais

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal Samuel Fernandes de Almeida Introdução O problema político da humanidade écombinar três coisas: eficiência económica, justiça social e liberdade individual

Leia mais

Miguel Pupo Correia. Professor da Universidade Lusíada de Lisboa Advogado

Miguel Pupo Correia. Professor da Universidade Lusíada de Lisboa Advogado Miguel Pupo Correia Professor da Universidade Lusíada de Lisboa Advogado 1 Aspectos básicos 2 O conceito: Utilização de tecnologias de informação avançadas para aumento de eficiência de relações entre

Leia mais

Dados Pessoais nas Comunicações Electrónicas: Problemática subjacente aos Dados de Tráfego

Dados Pessoais nas Comunicações Electrónicas: Problemática subjacente aos Dados de Tráfego Dados Pessoais nas Comunicações Electrónicas: Problemática subjacente aos Dados de Tráfego Acórdão do Tribunal da Relação de Guimarães, de 12 de Abril de 2010, Proc. N.º 1341/08.4TA VCT (Anselmo Lopes)

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012. Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012. Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02 PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012 Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02 A Lei n.º 5/2008, de 12 de Fevereiro, aprovou a criação de uma base

Leia mais

As E.P.E. S do Sector da Saúde:

As E.P.E. S do Sector da Saúde: As E.P.E. S do Sector da Saúde: A) O que são. B) A função que desempenham. C) O Sector Público de que não fazem parte. D) Onde estão integradas. E) Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. F) Síntese.

Leia mais

OBSERVATÓRIO. Diploma Ministerial incoerente,ilegal e anti-constitucional. Sobre o Registo de Cartões SIM

OBSERVATÓRIO. Diploma Ministerial incoerente,ilegal e anti-constitucional. Sobre o Registo de Cartões SIM OBSERVATÓRIO de Suplemento do Boletim informativo - CIP Newsletter Edição 7 Sobre o Registo de Cartões SIM Diploma Ministerial incoerente,ilegal e anti-constitucional Em 15 de Setembro de 2010, foi publicado

Leia mais

Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc

Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc Ficha Informativa 3 Março 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS Quais são os serviços

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO. M&M s LEVA-TE AO CINEMA 2015 DE MARS PORTUGAL. 1. Descrição da Promoção

REGULAMENTO PROMOÇÃO. M&M s LEVA-TE AO CINEMA 2015 DE MARS PORTUGAL. 1. Descrição da Promoção REGULAMENTO PROMOÇÃO M&M s LEVA-TE AO CINEMA 2015 DE MARS PORTUGAL 1. Descrição da Promoção 1.1 A Promoção M&M s LEVA-TE AO CINEMA 2015, é promovida pela empresa Mars Portugal, Inc., doravante designada

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS 1/5 POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 2. DEFINIÇÕES... 1 3. PRINCÍPIOS E NORMAS DE ATUAÇÃO... 2 3.1. PRINCÍPIO DA NÃO DISCRIMINAÇÃO... 2 3.2.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. CÓDIGO DE ÉTICA APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. Índice 1. Preâmbulo 2. Disposições Gerais 2.1. Âmbito de aplicação 2.2. Objectos do 2.3. Dimensões éticas da empresa 2.4. Cumprimento

Leia mais

ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO

ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO Capitulo I Da denominação, sede, âmbito, natureza e fins Artigo 1º Da denominação e sede A União Distrital das

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet 2 Não há lei brasileira que regule a atividade de navegação na internet ou traga disposições específicas e exclusivas sobre os dados que circulam

Leia mais

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO Delegação de Viana do Castelo Direcção de Finanças de Viana do Castelo DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO CONFERÊNCIA jesuinoamartins@gmail.com 04.06.2015 Atribuições da AT No conjunto das actividades desenvolvida

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE

Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE P7_TA(2013)0322 Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE Resolução do Parlamento Europeu, de 4 de julho de 2013,

Leia mais

Regulamento (CE) nº 40/94 do Conselho, de 29 de Dezembro de 1993, sobre a marca comunitária

Regulamento (CE) nº 40/94 do Conselho, de 29 de Dezembro de 1993, sobre a marca comunitária Regulamento (CE) nº 40/94 do Conselho, de 29 de Dezembro de 1993, sobre a marca comunitária Alteração REGULAMENTO (CE) Nº 40/94 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 1993 sobre a marca comunitária O CONSELHO

Leia mais

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação Código de Ética da Parpública Âmbito de aplicação Aplica-se a todos os colaboradores da Parpública sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis ou a que por inerência do exercício

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE SEGURANÇA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE SEGURANÇA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE SEGURANÇA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE CABECEIRAS DE BASTO INTRODUÇÃO O presente Regulamento tem como objetivo estabelecer diretrizes e regular a utilização dos

Leia mais

Lei n.º 22/97 de 27 de Junho

Lei n.º 22/97 de 27 de Junho Lei n.º 22/97 de 27 de Junho (Alterada pelas Leis n. os 93-A/97, de 22 de Agosto, 29/98, de 26 de Junho e 98/2001, de 25 de Agosto) Classificação e licença de armas de defesa... 2 Armas de caça, precisão

Leia mais

Direito Processual Penal Especial

Direito Processual Penal Especial FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FREDERICO DE LACERDA DA COSTA PINTO Direito Processual Penal Especial Programa (Ano lectivo de 2013-2014, 2.º ciclo, 2.º semestre) Introdução 1. Objecto

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA FPP - FUNDAÇÃO PORTUGUESA DO PULMÃO 1/8

CÓDIGO DE CONDUTA FPP - FUNDAÇÃO PORTUGUESA DO PULMÃO 1/8 CÓDIGO DE CONDUTA DA FPP - FUNDAÇÃO PORTUGUESA DO PULMÃO Lisboa, Julho de 2015 1/8 I - ÂMBITO Artigo Primeiro Âmbito Pessoal O presente Código integra um conjunto de regras e princípios gerais de ética

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

Proteção de dados e acesso à informação. Mario Viola

Proteção de dados e acesso à informação. Mario Viola Proteção de dados e acesso à informação Mario Viola Seminário sobre a Lei de Acesso à Informação Anvisa 06 de agosto de 2013 Leis de Acesso à Informação David Banisar - 2013 Acesso à Informação Declaração

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador Política de TI A Política de segurança da informação da OPERARIO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO aplica-se a todos os colaboradores e prestadores de serviços, incluindo trabalhos executados externamente ou por

Leia mais

2008R0593 PT 24.07.2008 000.001 1

2008R0593 PT 24.07.2008 000.001 1 2008R0593 PT 24.07.2008 000.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 593/2008 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de Junho

Leia mais

SECRETARIADO-GERAL DO CONSELHO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE VIDEOVIGILÂNCIA

SECRETARIADO-GERAL DO CONSELHO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE VIDEOVIGILÂNCIA SECRETARIADO-GERAL DO CONSELHO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE VIDEOVIGILÂNCIA Índice 1. Objetivo e âmbito...3 2. Conformidade com as regras relativas à proteção de dados...3 3. Espaços vigiados...5

Leia mais

A LIBERDADE SINDICAL DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

A LIBERDADE SINDICAL DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A L IBERDADE SINDICAL - 1 A LIBERDADE SINDICAL DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Introdução Dos Princípios da Liberdade Sindical A liberdade sindical tem sido vista e discutida sobre diversas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 84 DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 84 DE 1999 PROJETO DE LEI Nº 84 DE 1999 (Do Sr. Luiz Piauhylino) Dispõe sobre os crimes cometidos na área de informática, suas penalidades e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1 DA ACEITAÇÃO DOS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO... 2 2 DA PLATAFORMA DIGITAL DE APRENDIZAGEM... 2 3 DO CADASTRO... 2 4 DO REGISTRO DE DADOS PESSOAIS... 3 5 DA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

Acessibilidade e Confidencialidade da Informação no novo CPA: Um Exercício Comparativo. João Gonçalves Caetano Faro, 29 Junho 2015

Acessibilidade e Confidencialidade da Informação no novo CPA: Um Exercício Comparativo. João Gonçalves Caetano Faro, 29 Junho 2015 Acessibilidade e Confidencialidade da Informação no novo CPA: Um Exercício Comparativo João Gonçalves Caetano Faro, 29 Junho 2015 O Novo CPA Porquê a necessidade da revisão do Código do Procedimento Administrativo?

Leia mais

TERMOS DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA WEDUC

TERMOS DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA WEDUC TERMOS DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA WEDUC 1. A WEDUC A WEDUC é uma marca registada da Lusoeduc Informação e Serviços S.A. (doravante "Weduc"), com sede na Rua Cunha Júnior, 41B-2.1 4250-186 Porto, Portugal.

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Organização da justiça - Portugal

Organização da justiça - Portugal Organização da justiça - Portugal OS TRIBUNAIS DE COMPETÊNCIA ESPECIALIZADA: Os Tribunais de família Os Tribunais de família são competentes para preparar e julgar: a) os processos de jurisdição voluntária

Leia mais

O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA. Acordo de Cooperação

O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA. Acordo de Cooperação O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO E A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA Acordo de Cooperação Preâmbulo A Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia (FRA) e o Instituto

Leia mais

Índice do Código Deontológico dos Técnicos Oficiais de Contas 1

Índice do Código Deontológico dos Técnicos Oficiais de Contas 1 Índice do Código Deontológico dos Técnicos Oficiais de Contas 1 Preâmbulo Capítulo I Artigo 1.º Âmbito de aplicação Artigo 2.º Deveres gerais Artigo 3.º Princípios deontológicos gerais Capítulo II Artigo

Leia mais

PRINCÍPIOS SOBRE A PRIVACIDADE NO LOCAL DE TRABALHO* O tratamento de dados em centrais telefónicas, o controlo do e-mail e do acesso à Internet

PRINCÍPIOS SOBRE A PRIVACIDADE NO LOCAL DE TRABALHO* O tratamento de dados em centrais telefónicas, o controlo do e-mail e do acesso à Internet 1 PRINCÍPIOS SOBRE A PRIVACIDADE NO LOCAL DE TRABALHO* O tratamento de dados em centrais telefónicas, o controlo do e-mail e do acesso à Internet Considerando que 1. As novas tecnologias têm um impacto

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302.

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302. PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 3 de Julho de 2001 PE 302.267/1-33 ALTERAÇÕES 1-33 PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO de Charlotte

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo O uso de perfis na empresa Os perfis são conjuntos de dados que caracterizam categorias de indivíduos destinados a serem

Leia mais

Código Civil Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Código Civil Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Código Civil Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 70. o (Tutela geral da personalidade) 1. A lei protege os indivíduos contra qualquer ofensa ilícita ou ameaça de ofensa à sua

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO. Portaria n.º /09,

PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO. Portaria n.º /09, PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO Portaria n.º /09, de O Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho, estabeleceu o regime jurídico aplicável à prestação de serviços

Leia mais

Código de Conduta da Fundação Comendador Almeida Roque 2015

Código de Conduta da Fundação Comendador Almeida Roque 2015 Preâmbulo A Fundação Comendador Almeida Roque adiante designada abreviadamente por Fundação é uma fundação privada de solidariedade social, sem fim lucrativo instituída pelo Comendador Almeida Roque e

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS (Conforme art.42º do Decreto Leinº18/2008 de 29 de Janeiro de 2008) Cláusula 1.ª Objecto 1. O presente

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006 I - Introdução A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) tem recebido, com muita frequência, um grande número de pedido de acessos a dados pessoais de saúde de titulares

Leia mais

RESPONSABILIDADE PENAL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE PENAL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE PENAL DOS ADMINISTRADORES: DA TEORIA AO BATER À PORTA! JOSÉ RICARDO GONÇALVES ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 A. POSIÇÃO DO ADMINISTRADOR FACE AO ACTUAL DIREITO PUNITIVO

Leia mais

Regulamento Blue Selfie

Regulamento Blue Selfie Regulamento Blue Selfie O passatempo Blue Selfie é uma iniciativa de Blue Portugal, dirigida aos fãs da sua página oficial no Facebook https://www.facebook.com/festablue.portugal/, com o objectivo de oferecer

Leia mais

REGULAMENTO PASSATEMPO IBIZA FLOWER POWER SUMMER

REGULAMENTO PASSATEMPO IBIZA FLOWER POWER SUMMER REGULAMENTO PASSATEMPO IBIZA FLOWER POWER SUMMER I. Descrição do Passatempo a. O passatempo «IBIZA FLOWER POWER SUMMER» (doravante «Passatempo») é promovido pela Reckitt Benckiser (Portugal), S.A. e tem

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CASTELO - SESIMBRA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CASTELO - SESIMBRA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CASTELO - SESIMBRA Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei

Leia mais

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores:

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Processo Eletrônico Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Princípio da Universalidade; Princípio da Uniquidade; Princípio da Publicidade; Princípio

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X Nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo apresenta à Assembleia da República a seguinte proposta de Resolução: Aprovar, para ratificação,

Leia mais

Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas 1.

Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas 1. Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas da MEO - Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A., com sede na Av. Fontes

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet

Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet Os alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de

Leia mais

REGIME JURÍDICO GERAL DOS ARQUIVOS

REGIME JURÍDICO GERAL DOS ARQUIVOS REGIME JURÍDICO GERAL DOS ARQUIVOS Lei nº 42/VI/2004 de 10 de Maio Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 174º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA Aprovado na 14ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 13 de Julho de 2006 e na 4ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais