Trabalho infantil em Pelotas: perfil ocupacional e contribuição à economia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho infantil em Pelotas: perfil ocupacional e contribuição à economia"

Transcrição

1 Universidade Federal de Pelotas Departamento de Medicina Social Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia Trabalho infantil em Pelotas: perfil ocupacional e contribuição à economia Luiz Augusto Facchini Anaclaudia Gastal Fassa Marinel Dall Agnol Maria de Fátima Santos Maia II Seminário Internacional Universitat Autònoma de Barcelona Barcelona, de novembro de 2007

2 Perfil Ocupacional e Contribuição à Economia

3 Introdução O trabalho infantil deixou de ser um problema local e mesmo nacional É um fenômeno global de grandes proporções Principalmente em países em desenvolvimento,, onde vivem 96% das crianças e adolescentes trabalhadores ILO, 2002

4 Introdução No mundo 352 milhões de crianças e adolescentes eram economicamente ativos (ILO, 2002) No Brasil 5 milhões de crianças e adolescentes economicamente ativos (PNAD/IBGE( PNAD/IBGE,, 2001) Meninos = Meninas =

5 ILO, 1998 e 2002 Introdução Estes números são subestimados mas incluem atividades remuneradas, trabalho não pago, ilegal e no setor informal trabalham em atividades inadequadas para a idade que precisam ser eliminadas em respeito a convenções (138 idade mínima, 182 piores formas) e padrões internacionais estabelecidos pela OIT e firmadas por muitos países, incluindo o Brasil 88% das crianças de 5 a 14 anos e 42% dos adolescentes de 15 a 17 anos

6 Introdução A luta contra o trabalho infantil tem crescido na última década,, mostrando avanços importantes, em vários países do mundo, como p.ex. o Brasil (ILO, 2006). As intervenções ocorrem em um cenário globalizado, através de: Persuasões econômicas internacionais embargo, proibição, discriminação de produtos do TI Política nacionais orientadas por acordos e convenções internacionais - ILO

7 Introdução Mas a adequada formulação de políticas de controle e erradicação do TI depende da qualidade do debate teórico e das evidências empíricas sobre o problema. O que aumenta o TI e quais são suas conseqüências? Que intervenções podem erradicar o TI sem prejudicar as crianças? Uma política bem intencionada, mas precariamente delineada pode exacerbar a pobreza em que vivem as crianças trabalhadoras, com prejuízos à saúde e ao bem-estar estar infantil Basu and Tzannatos,, 2003.

8 Introdução No Brasil: redução de 30% no TI na última década boa parte devido aos programas de erradicação e prevenção do problema e a uma maior consciência social dos direitos de crianças e adolescentes (ILO, 2006). O decréscimo de crianças trabalhando ao longo da década foi maior nas faixas de idade superiores - 15 a 17 anos muito menor entre 10 e 14 anos (IBGE/PNAD,, 2005)

9 No Brasil Introdução Houve inclusive uma expansão no número de crianças trabalhando na faixa 10 a 14 anos 122 mil crianças e adolescentes de cinco a 15 anos de idade começaram a trabalhar de 2004 para ,3% a mais do que em 2004 IBGE/ PNAD, 2005 ILO, 2006 O trabalho ainda é uma realidade cotidiana para uma grande proporção das crianças e adolescentes 13% de 5 a 17 anos 19% de 10 a 17 anos

10 Objetivos da apresentação Avaliar o impacto econômico do TI em famílias de setores urbanos pobres de Pelotas-RS Discutir alternativas ao problema, subsidiando o debate sobre a eficácia e efetividade das políticas de controle e eliminação do TI

11 Questão teórica Avaliação de impacto econômico do trabalho infantil - categorias de impacto econômico 1)efeitos do TI no âmbito micro familiar, especialmente na pobreza familiar, tanto a curto quanto a longo prazo; 2) efeitos de longo prazo do TI no desenvolvimento econômico e familiar, através de diversos mecanismos de transmissão; 3) efeito econômico internacional do TI, particularmente nos investimentos externos direto; 4) efeitos do TI no mercado de trabalho adulto Galli,, The economic impact of child labour

12 Questões teóricas A investigação do efeito econômico do TI no âmbito familiar apresenta muitos desafios São grandes as dificuldades em obter informações de crianças, famílias e empregadores sobre a inserção infantil no trabalho, as tarefas que realizam, quanto ganham, qual o destino dos recursos obtidos e quais os problemas decorrentes da transformação de crianças em trabalhadores (ILO, 2000).

13 Questões teóricas Poucos estudos disponíveis sobre impacto econômico do TI Problemas amostras pequenas e resultados não são estratificados por idade, sexo, tipo e tamanho da família Achados as crianças contribuem com uma substancial proporção da renda familiar mesmo em realidades como a da América Latina, onde os rendimentos infantis são bastante baixos

14 Caracteriza O estudo de Pelotas diversas formas de uso da força de trabalho infantil e a utilização dos recursos produzidos pelas crianças para a economia familiar contexto de desindustrialização,, desemprego e trabalho informal Apresenta o perfil ocupacional e a contribuição econômica de crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos com destaque para aspectos relacionados à idade, ao gênero, à escolaridade e à situação socioeconômica de suas famílias

15 Metodologia

16 Metodologia Estudo transversal de base populacional População em estudo indivíduos entre 6 e 17 anos de idade de famílias residentes em setores urbanos populares de Pelotas setores populares: aqueles com proporção menor do que 1,5% dos chefes de família recebendo 20 salários mínimos ou mais (IBGE, 1992). Cálculo de tamanho da amostra - parâmetros prevalência de trabalho infantil = 10% problema de saúde de baixa prevalência = 3% em não trabalhadores + 15% para controle de fatores de confusão + 10% para controle de perdas Total = indivíduos

17 Metodologia Seleção da amostra - parâmetros média de 3,5 pessoas por domicílio 23% de indivíduos na faixa etária estudada (IBGE, 1992). 70 setores populares na cidade sorteio aleatório de 22 setores censitários visita a todos os domicílios em cada setor cerca de domicílios para localizar a amostra. todos os indivíduos ente 6 e 17 anos residentes em cada domicílio eram elegíveis para o estudo.

18 Metodologia Definição de trabalho infantil: trabalho no dia da entrevista e trabalho prévio qualquer atividade laboral regular, remunerada ou não, domiciliar ou não auxílio às demandas domésticas (cuidado da casa ou de irmãos menores) trabalho formal remunerado (comerciários) atividades informais (catadores de papéis, guardadores de carros). Estimativa de contribuição financeira trabalho remunerado atual de crianças e adolescentes inserção ocupacional de todos os membros da família e sua participação na renda familiar critério de exclusão trabalho doméstico realizado por crianças e adolescentes no próprio rio domicílio (na grande maioria das vezes não é remunerado)

19 Trabalho de campo Metodologia período: janeiro e junho de 1998 entrevistadores: 24 estudantes de medicina e de enfermagem, especialmente capacitados um auxiliar entrevistava a mãe e outro a criança. Aspectos éticos participação mediante consentimento informado dos entrevistados sigilo dos dados individuais identificados

20 Análise de dados Metodologia Perfil de trabalho de crianças e adolescentes e sua contribuição à economia familiar Descrição da amostra estudada Estratificação segundo Gênero Grupo etário Nível socioeconômico

21 Resultados

22 Amostra estudada domicílios localizados 22 setores censitários de baixa renda indivíduos entre 6 e 17 anos de idade Perdas = 7,5% Perfil demográfico sexo masculino = 51% brancos = 76% estudavam = 95%

23 Prevalência de trabalho infantil Havia trabalhado alguma vez = 21% (1.014) Trabalhava no momento da entrevista = 9,7% (476) Procurava trabalho = 3,4% (169)

24 Perfil dos trabalhadores (n=476( n=476) Idade 6 e 9 = 5,3% 10 e 13 = 25% 14 e 17 = 70% Gênero meninos = 71% meninas = 29% p<0,001; RP= 2.4; IC95% Inserção no mercado de trabalho Setor informal = 88% Setor formal (dos 14 aos 17 anos) 10% dos meninos 17% das meninas p=0,02; RP= 1.23; IC95%= ).

25 Trabalho infantil, idade e sexo trabalho infantil x idade Idade (anos) H (%) M (%) RP (IC95( IC95%) 6 e 9 anos = 1,5% 10 e 13 anos = 7% 14 e 17 anos = 21% 6 9 2,3 0,5 4,9 (1,7 14,1) ,5 (1,7 3,7) ,3 (1,9 2,8)

26 Tabela 1 Prevalência de trabalho infantil segundo a idade da criança e a renda familiar dos adultos.. Pelotas, RS, Prevalência de Trabalho/Idade 6-9 anos anos anos total Renda dos adultos (n=1479) (n=1474) (n=1410) (n=4363) menos de 3 sm (n=1718) a 6 sm (n=1426) mais de 6 sm (n=1219) Total (n=4363) p-valor tendência linear 0,53 0,02 0,80 0,80 s.m. = salários mínimos

27 Trabalho infantil x ramo econômico Maiores prevalências de trabalho infantil em comércio = 34% serviços não domésticos = 24% serviços domésticos = 20% construção civil = 13% indústria = 5% Comércio e serviços domésticos significativamente mais freqüentes entre as meninas,, em todas as faixas etárias Indústria, construção civil e serviços não domésticos altamente predominantes entre os meninos,, em todas as idades

28

29 Ocupações mais freqüentes Babá (6%) e empregada doméstica (5,3%) = 11,3% servente de pedreiro = 10% auxiliar em bares, mercearias e lanchonetes = 9,5% vendedor = 9,2% limpeza de pátios = 6,5%

30

31 Jornada de Trabalho Jornada de trabalho 40 horas ou mais semanalmente = 40% Até os 13 anos de idade meninas = 42% meninos = 21% (p=0.04). Entre 14 e 17 anos de idade meninas = 43% meninos = 43% Trabalho noturno (>10 h/semana) ) = 16%

32 Remuneração do TI A renda média mensal = R$ 72,00 10 aos 13 anos = R$ 27,00 Renda mensal (R$) % >= 60, ,00-120, , a 17 anos = R$ 91,00 não recebiam dinheiro 16 não informaram 7

33 Remuneração x idade e sexo Pagamento em dinheiro meninos = 77% meninas = 65% (p<0,05) 6 aos 13 anos - diferença não significativa 14 aos 17 anos a proporção de meninas trabalhando sem remuneração monetária era duas vezes maior do que a de meninos (p<0( p<0.01; RR= 2,1; IC95% % 1,2-3,7).

34 Remuneração x idade e sexo Renda média mensal meninos = R$ 79,00 meninas = R$ 54,00 (p<0( p<0,001). Dos 14 aos 17 anos meninos = R$ 102,00 meninas = R$ 65,00 (p<0( p<0,001). Dos 10 aos 13 anos meninos recebendo + de R$ 60,00 mensais era 2 vezes maior do que meninas (p<0( p<0,01) Dos 14 aos 17 anos meninos (32%) recebendo + de R$ 120,00 por mês era cerca de 3 vezes maior do que meninas (11%) (p<0( p<0,01)

35 Contribuição à renda familiar Contribuição média = 18% da renda familiar 50% das crianças TI >= 10% da renda familiar 25% das crianças TI >= 25% da renda familiar Contribuição média meninos = 19% meninas = 15% (p=0,20). Contribuição média à renda familiar 3% dos 6 aos 9 anos 14% dos 10 aos 13 anos 20% dos 14 aos 17 anos

36 Contribuição à renda familiar Até os 9 anos de idade a proporção da renda familiar oriunda da renda infantil era similar para meninos e meninas (3%). Idade H (%) M (%) ns <0,001 p

37 Tabela 2 Contribuição infantil à renda familiar conforme a renda familiar dos adultos. Pelotas, RS, Renda Familiar dos Adultos Contribuição Infantil (n) < 3 s.m. (n=150) 3 a < 6 s.m. (n=113) > 6 s.m. (n=117) Nada (49) < 5% (66) a < 10% (68) a < 25% (103) a 100% (94) Total (380) p<0,000; s.m.= salários mínimos

38 Contribuição infantil x renda familiar x gênero Independentemente da renda familiar dos adultos Meninas - maior proporção não contribuía para a renda familiar e não recebia salário Meninos - maior proporção contribuía com 25% ou mais da renda familiar Renda dos adultos entre 3 e 6 salários mínimos 8% dos meninos e 28% das meninas que trabalhavam não contribuíam para a renda familiar 7% das meninas e 24% dos meninos respondiam por 25% ou mais da renda familiar total (p=0( p=0,03) Renda dos adultos superior a 6 salários mínimos 11% dos meninos e 27% das meninas trabalhando não contribuíam para a renda familiar nenhuma menina e apenas 1% dos meninos aportavam 25% ou mais da renda familiar total (p=0( p=0,18)

39 Renda familiar x freqüência à escola e contribuição infantil Falta de freqüência à escola no ano anterior à entrevista segundo a renda familiar < 3 salários mínimos = 23% 3 e 6 salários mínimos = 16% 6 salários mínimos = 5% p<0,001 Contribuição de 25% ou mais da renda familiar e freqüência à escola fora da escola = 46% freqüentavam a escola = 27% p=0,10 Renda dos adultos x jornada de >= 40 horas semanais até 6 salários mínimos 50% das crianças e adolescentes trabalhadores > 6 salários mínimos 30% dos trabalhadores menores p<0,01

40 Impacto financeiro do TI Renda média familiar total com TI = R$ 746,00 A diferença de R$61,00 = a um acréscimo médio anual de R$ 732,00 na renda de famílias com TI sem TI = R$ 691,00 9% maior

41 Contribuição às despesas familiares A contribuição financeira de crianças e adolescentes para o pagamento de despesas (aluguel, luz, alimentos, roupas, saúde e educação) 10 aos 13 anos = 39% contribuíam 14 aos 17 anos = 50% contribuíam Gasto mensal médio de crianças e adolescentes trabalhadores com Despesas próprias e da família = R$ 26,00 25% gastavam mais de R$40,00 Gasto com despesas próprias média = R$16,00 10% > R$60,00 Gasto com despesas familiares média = R$10,00 10% > R$39,00

42 Contribuição às despesas familiares x idade e gênero Gasto médio com despesas - 14 a 17 anos: próprias = R$21,00 familiares = R$13,00 sem diferença de gênero Contribuição financeira para as despesas familiares: Meninas = R$33,00 Meninos = R$27,00 (p=0,30). Contribuição financeira para as despesas familiares: meninas = 48% meninos = = 35% p=0,02 RR=1,35; IC95%=1,1,1-1,71,7 14 a 17 anos de idade Meninas = 53% meninos = 41% p<0,05

43 Contribuição às despesas familiares A proporção de menores trabalhadores contribuindo para as despesas familiares decrescia linearmente à medida que aumentava a renda familiar dos adultos (p<0,001) ( (Tabela 3). 3 E o valor monetário médio também Valor monetário médio da contribuição infantil às despesas familiares (ptl=0,09). Renda familiar (em s.m.) Média (R$) < 3 36, ,00 > 6 24,00

44 Tabela 3 Contribuição de crianças e adolescentes trabalhadores às despesas familiares segundo a renda familiar dos adultos. Pelotas,, RS, Contribuíam com as despesas Renda dos adultos N % Menos de 3 sm a 6 sm Mais de 6 sm Total s.m. = salários mínimos, p=0,001

45 Discussão

46 Discussão % da contribuição infanto-juvenil à renda familiar total crescia, quando a renda familiar dos adultos diminuía A contribuição infantil à renda familiar foi similar a de outros estudos na AL e na Asia Facchini et al. (1998), Pelotas, média = 18% Cartwright & Patrinos (1999), Bolívia, média = 21% Usha and Devi (1997), Tamil Nadu (India), média = 20% Swaminathan (1998), Gujarat, India,, 40% das crianças contribuíam entre 10% e 20%

47 Discussão quanto menor a renda familiar dos adultos, maior a exclusão escolar de adolescentes trabalhadores (p<0( p<0,001) e maior a jornada de trabalho infanto-juvenil (p<0( p<0,01) a contribuição é mais crítica porque as crianças são obrigadas a trabalhar Porque os pais não conseguem ganhar o suficiente para garantir a sobrevivência da família, Ou para minimizar o impacto de desemprego dos pais, crises familiares (óbito, abandono,...), uma colheita frustrada, uma dívida importante Galli,, 2001

48 Discussão Assim, contesta-se se a controvérsia sobre o elo entre pobreza e trabalho infanto-juvenil juvenil,, (Fausto et al., 1996; Graitcer et al.,1998; Unicef, 1997) Baixa renda e fragilidade institucional são potentes determinantes do TI em todo o mundo Edmonds & Pavcnik,, 2005 Os achados mostraram que em um contexto familiar de maior pobreza,, as crianças trabalhadoras começam trabalhar mais jovens são mais essenciais para o incremento da renda familiar e correm um maior risco de não completar o ciclo escolar básico

49 Discussão O trabalho infantil tem forte relação com pobreza familiar discriminação de gênero ignorância social Famílias de muito baixa renda tem maior dependência do TI A desigualdade entre gêneros é persistente Meninos começam mais cedo e ganham mais Meninas são minoria, contribuem mais para as despesas da família, mas têm mais vínculo formal Dificuldade de manter vínculo com a escola Facchini, 2003

50 Discussão O impacto econômico da contribuição financeira de crianças e adolescentes está inversamente associado à pobreza familiar e seu objetivo mais óbvio é aumentar a renda familiar Galli,, 2001 Os achados de pesquisas e práticas sociais concordam a pobreza é o principal determinante do TI O TI aumenta significativamente a renda e as possibilidades de sobrevivência da família Galli,, 2001

51 Discussão O TI pode ser efetivamente reduzido através de políticas públicas O Relatório Global 2006 da OIT chama especial atenção para os avanços mundiais obtidos nos últimos 4 anos, com destaque especial ao Brasil Os exemplos da Ásia e do Brasil reforçam a mensagem de que a redução da pobreza e a educação universal constituem requisitos importantes para que os países possam chegar ao ponto de transição na eliminação do trabalho infantil. Entretanto, a eficácia e a efetividade das políticas públicas de redução e eliminação do TI precisam ser continuamente avaliadas Edmonds & Pavcnik,, 2005

52 Recomendações Políticas integradas esforços do combate ao TI associados a benefícios para a comunidade e o cidadão apoio às carências e necessidades sociais de comunidades, famílias e crianças Escola, merenda, transporte, Habitação, ambiente, saúde Bolsas e incentivos econômicos Oficinas, centros culturais, quadras esportivas secretária-executiva executiva do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Márcia Lopes: a integração do PETI com o Bolsa Família ajudará a identificar crianças no trabalho em todos os municípios brasileiros. Nós estamos incluindo todas as crianças que estavam no trabalho infantil ou que porventura estejam nessa situação no cadastro único. Acreditamos na erradicação do trabalho infantil na medida em que os municípios brasileiros identifiquem onde essas crianças estão, nós sabemos que ainda há uma dificuldade, o trabalho oculto das crianças, principalmente as meninas, como o trabalho doméstico ou mesmo na área rural

53 Recomendações Ações de melhoria da renda familiar Capacitação de adultos e jovens trabalhadores - bolsas Apoio aos negócios familiares crédito e micro-crédito, crédito, bolsa família, cooperativa, associações,... Ações de apoio às crianças trabalhadoras Bolsa família PETI Apoio a atividades educacionais fortalecimento dos vínculos com a escola, realização de tarefas escolares, atividades culturais, viagens e visitas,... Capacitação para o desenvolvimento de habilidades e criatividade arte e artesanato, música, informática, idiomas, economia,...

54 Recomendações Articulação entre as 3 esferas de governo Ações estratégicas e operacionais descentralizadas com foco no território país, estado, região, município, bairro retirada do trabalho bolsa para trabalhador prevenção do TI bolsa para não trabalhador secretária-executiva executiva do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, Isa Maria de Oliveira: A nossa proposta, agora no primeiro semestre de 2007, é voltar a pactuar, com os governadores eleitos e com o presidente da República, políticas públicas que realmente resultem numa redução significativa do trabalho infantil.

55 Bibliografia Basu and Tzannatos,, Cartwright & Patrinos,, 1999 Eric V. Edmonds,, Nina Pavcnik Child Labor in the Global Economy Journal of Economic Perspectives,, 2005, 19(1): Facchini et al, 2003 Galli R, The economic impact of child labour discussion paper. Geneva, International Institute for Labour Studies,, ILO, 2001 IBGE, PNAD 2001 IBGE, PNAD, 2005 ILO, 2000 ILO, 2002 ILO, 1998 e 2002 convenções ILO, 2006 relatório global Kaushik Basu and Zafiris Tzannatos. The Global Child Labor Problem: What Do We Know and What Can We Do? The World Bank Economic Review, 2003, 17(2): Swaminathan,, 1998 Usha and Devi, 1997

56

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES 1 CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA:

Leia mais

Trabalho Infantil no Brasil

Trabalho Infantil no Brasil Trabalho Infantil no Brasil ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1) Evolução do trabalho Infantil de 1992 a 2011. 2) Fatores que contribuíram para a queda. 3) Causas e as consequências do trabalho infantil. 4) Análise

Leia mais

ALMEIDA, Ana Roberta (IC) Administração Fecilcam, ana_robertaa@hotmail.com

ALMEIDA, Ana Roberta (IC) Administração Fecilcam, ana_robertaa@hotmail.com QUAIS AS CARACTERÍSTICAS SÓCIO-ECONÔMICAS DAS MULHERES DE HOJE, RESIDENTES NO PARANÁ, QUE FORAM INSERIDAS PRECOCEMENTE NO MERCADO DE TRABALHO: Uma análise da perpetuação da pobreza ALMEIDA, Ana Roberta

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

Projeção de estimativas de erradicação do trabalho infantil, com base em dados de 1992-2003 FICHA TÉCNICA. Coordenação Técnica

Projeção de estimativas de erradicação do trabalho infantil, com base em dados de 1992-2003 FICHA TÉCNICA. Coordenação Técnica O Brasil sem trabalho infantil! Quando? Projeção de estimativas de erradicação do trabalho infantil, com base em dados de 1992-2003 Resumo executivo 1 FICHA TÉCNICA Coordenação Técnica Dra. Marisa Masumi

Leia mais

Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil A Rede de Proteção e os Fóruns de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil.

Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil A Rede de Proteção e os Fóruns de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil. Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil A Rede de Proteção e os Fóruns de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil. Realidade e Desafios Considerações Iniciais O Trabalho Infantil

Leia mais

EMEI EMEI. Estudo de Monitoramento da Economia Informal. Catadores de Belo Horizonte: Realidades e Recomendações. Características e Forças Motrizes

EMEI EMEI. Estudo de Monitoramento da Economia Informal. Catadores de Belo Horizonte: Realidades e Recomendações. Características e Forças Motrizes Catadores e catadoras trazem importantes contribuições ambientais e econômicas para seus municípios. O Estudo de Monitoramento da Economia Informal (EMEI) examinou as realidades enfrentadas por catadores

Leia mais

Será uma carta entregue em mãos após uma marcha que terá início em São Paulo logo após a eleição e terminará no Palácio do Planalto em Brasília.

Será uma carta entregue em mãos após uma marcha que terá início em São Paulo logo após a eleição e terminará no Palácio do Planalto em Brasília. Pesquisa de Opinião CONTEXTO Carta de um Brasileiro é um movimento de mobilização social com objetivo de entregar à Presidente da República eleita em outubro de 2010 os principais desejos e necessidades

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

Agenda Nacional de Trabalho Decente

Agenda Nacional de Trabalho Decente Agenda Nacional de Trabalho Decente Brasília, 2006 Sumário Gerar Trabalho Decente para Combater a Pobreza e as Desigualdades Sociais A. Antecedentes...5 B. Prioridades...9 B.1. Prioridade 1: Gerar mais

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS BRASÍLIA, Julho de 2014 1 Proteção Social entre os Idosos (pessoas com 60 anos ou mais de idade) - Brasil 2 Cobertura Social entre os

Leia mais

Informações em Saúde. Dados de Inquéritos. Zilda Pereira da Silva

Informações em Saúde. Dados de Inquéritos. Zilda Pereira da Silva Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Inquéritos Populacionais Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Reportagem 1. Pobreza causa trabalho infantil (Germana Barata e Yurij Castelfranchi)

Reportagem 1. Pobreza causa trabalho infantil (Germana Barata e Yurij Castelfranchi) Reportagem 1 Pobreza causa trabalho infantil (Germana Barata e Yurij Castelfranchi) O trabalho infantil é repudiado por muitos, usufruído por outros tantos e exercido por cerca de 3,8 milhões de crianças

Leia mais

RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO

RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO Universidade Federal de Pelotas Departamento de Medicina Social Programa de Pós-graduação em Epidemiologia RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO Doutoranda: Elaine Thumé Orientador: Luiz Augusto Facchini Pelotas

Leia mais

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho RIO DE JANEIRO: TRABALHO E SOCIEDADE -Ano 1-Nº 1 JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO DO RIO DE JANEIRO* 1. Introdução DANIELLE CARUSI MACHADO** Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil***

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** BOLSA FAMÍLIA, ESCOLHA OCUPACIONAL E INFORMALIDADE NO BRASIL* Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** 1 INTRODUÇÃO O Bolsa Família (BF) é um programa assistencialista que visa

Leia mais

Trabalho infantil e adolescente_. Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul

Trabalho infantil e adolescente_. Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul Trabalho infantil e adolescente_ Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul A Convenção n o 182 da OIT de 1973 determina como idade mínima para iniciar

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Infantil

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Infantil Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Infantil Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

Trabalho infantil no Distrito Federal: diagnóstico, causas e soluções

Trabalho infantil no Distrito Federal: diagnóstico, causas e soluções Trabalho infantil no Distrito Federal: diagnóstico, causas e soluções Brasília Junho, 2013 Companhia de Planejamento do Distrito Federal Codeplan SAM Projeção H Ed. Sede CODEPLAN CEP: 70620-000 - Brasília-DF

Leia mais

Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil. Estratégias para o Enfrentamento ao Trabalho Infantil em 2016

Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil. Estratégias para o Enfrentamento ao Trabalho Infantil em 2016 Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil Estratégias para o Enfrentamento ao Trabalho Infantil em 2016 FNPETI Criado em 1994 é um movimento permanente de articulação, mobilização

Leia mais

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR)

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) LUÍS CARLOS BRAGA UNESP Presdiente Prudente l.karlos2009@hotmail.com

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

Situação do Trabalho Infantil no Distrito Federal

Situação do Trabalho Infantil no Distrito Federal Situação do Trabalho Infantil no Distrito Federal SEPLAN Situação do Trabalho Infantil no Distrito Federal Brasília Junho, 2012 Companhia de Planejamento do Distrito Federal Codeplan SAIN Projeção H Ed.

Leia mais

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Mesa: Cadastro Único, Bolsa Família e Brasil sem Miséria. Cadastro Único É um mapa representativo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

O Rol dos Sistemas de Proteção Social na Prevenção e Eliminação do Trabalho Infantil em ALC

O Rol dos Sistemas de Proteção Social na Prevenção e Eliminação do Trabalho Infantil em ALC O Rol dos Sistemas de Proteção Social na Prevenção e Eliminação do Trabalho Infantil em ALC Seminário Virtual Internacional sobre Proteção Social e Trabalho Infantil Lima/Peru Helmut Schwarzer Departamento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das INFORME-SE BNDES ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE Nº 48 NOVEMBRO DE 2002 EDUCAÇÃO Desempenho educacional no Brasil: O que nos diz a PNAD-2001 Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Trabalho infantil no Brasil

Trabalho infantil no Brasil Trabalho infantil no Brasil Simon Schwartzman Organização Internacional do Trabalho Brasil Copyright Organização Internacional do Trabalho, 2001 Primeira edição 2001 As publicação da Organização Internacional

Leia mais

TRABALHO INFANTIL E DIREITOS HUMANOS: REFLEXÕES A PARTIR DO PETI DE IJUÍ/RS 1

TRABALHO INFANTIL E DIREITOS HUMANOS: REFLEXÕES A PARTIR DO PETI DE IJUÍ/RS 1 TRABALHO INFANTIL E DIREITOS HUMANOS: REFLEXÕES A PARTIR DO PETI DE IJUÍ/RS 1 Lucas Alceu De Melo Leal 2, Solange Dos Santos Silva 3. 1 Monografia de Conclusão do Curso de Graduação em Serviço Social 2

Leia mais

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil Área 4 Economia e Movimentos Sociais: mercado de trabalho e sindicalismo; política agrária e movimentos sociais no campo; economia solidária; desigualdade étnico-racial e de gênero; movimento estudantil

Leia mais

QUESTIONÁRIO SÓCIO-FAMILIAR

QUESTIONÁRIO SÓCIO-FAMILIAR Universidade Federal de Pelotas Departamento de Medicina Social Centro de Pesquisas Epidemiológicas QUESTIONÁRIO SÓCIO-FAMILIAR 1 IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO 1. Questionário Sócio-Familiar 2. Modelo

Leia mais

Seminário. Combate à pobreza, crescimento inclusivo e a nova agenda social

Seminário. Combate à pobreza, crescimento inclusivo e a nova agenda social Seminário Combate à pobreza, crescimento inclusivo e a nova agenda social MDS 27 de novembro de 2015 Renda cresce para todas as faixas. Renda dos 10% mais pobres cresce quase 3x mais do que os 10% mais

Leia mais

Resumo. O que é que os países africanos podem aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil?

Resumo. O que é que os países africanos podem aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil? O que é que os países africanos podem aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil? Trabalho de pesquisa: O impacto do programa de formação vocacional do SENAI no emprego, salários

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) O Congresso Nacional decreta: 1 PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Nacional Pró-Infância Brasileira e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Artigo

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA

12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA 12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA Resumo O presente trabalho tem como objetivo relatar uma experiência desenvolvida no Programa

Leia mais

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Propostas Educação Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José

Leia mais

Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos

Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos capítulo 29 Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos Sergei Suarez Dillon Soares* Natália de Oliveira Fontoura* Luana Pinheiro* 1 INTRODUÇÃO * Os autores Sergei Suarez

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

PNE: análise crítica das metas

PNE: análise crítica das metas PNE: análise crítica das metas Profa. Dra. Gilda Cardoso de Araujo Universidade Federal do Espírito Santo Ciclo de Palestras do Centro de Educação 2015 Metas do PNE Contexto Foram 1.288 dias de tramitação,

Leia mais

Transferência de Renda no Brasil: Prestação Continuada. Tatiana Britto Senado Federal

Transferência de Renda no Brasil: Prestação Continuada. Tatiana Britto Senado Federal Transferência de Renda no Brasil: o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada Tatiana Britto Senado Federal Do que estamos tratando? Benefício de Prestação Continuada (BPC) Início: 1995 Público-alvo:

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília IE - Departamento de Estatística Avaliando o Impacto do Programa Bolsa Família no Trabalho Infantil e Frequência Escolar Infantil: Uma Abordagem de Regressão Descontínua Ana Paula

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

MATRIZ DOS INDICADORES

MATRIZ DOS INDICADORES MATRIZ DOS INDICADORES 1. DEMOGRAFIA Indicador: População infantojuvenil, de 0 a 19 anos, por sexo e cor/raça, residente nos setores urbano e rural. Definição: apresenta o número total de crianças e adolescentes,

Leia mais

TRABALHO. Sumário EMBARGO TENDÊNCIAS. Não publicar ou distribuir antes de Segunda-feira 7 de Março de 2016 às 17:00 GMT (18:00 CET)

TRABALHO. Sumário EMBARGO TENDÊNCIAS. Não publicar ou distribuir antes de Segunda-feira 7 de Março de 2016 às 17:00 GMT (18:00 CET) Sumário EMBARGO Não publicar ou distribuir antes de Segunda-feira 7 de Março de 216 às 17: GMT (18: CET) Organização Internacional do Trabalho MULHERES NO TRABALHO TENDÊNCIAS 216 Mulheres no trabalho Tendências

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 INFORME

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 INFORME Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 INFORME 4º Fórum SIPD Rio de Janeiro 30 de junho de 2008 Objetivos Investigar os Orçamentos Familiares combinados com outras informações sobre as Condições de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES PARA A ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS

A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES PARA A ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES PARA A ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS Maria Cecília Comegno POR QUE O INTERESSE CRESCENTE POR INDICADORES Retomada do planejamento como instrumento para a ação pública -

Leia mais

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JONATHAN ROCHA GUIMARÃES Avaliar a Política de Trabalho e juventude torna-se de extrema importância na medida em que representa um

Leia mais

O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos

O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos Brasília, 10 de maio de 2016 O que é? A quem se destina? Qual sua dimensão?

Leia mais

Minicurso sobre Trabalho Infanto-juvenil Grupo PET/SER/UnB

Minicurso sobre Trabalho Infanto-juvenil Grupo PET/SER/UnB Universidade de Brasília (UnB) Instituto de Ciências Humanas (IH) Departamento de Serviço Social (SER) Curso de graduação em Serviço Social Programa de pós-graduação em Política Social Minicurso sobre

Leia mais

O Jovem no Mercado de Trabalho: Clientes em potencial dos programas de primeiro emprego

O Jovem no Mercado de Trabalho: Clientes em potencial dos programas de primeiro emprego Ibmec MG Working Paper WP1 O Jovem no Mercado de Trabalho: Clientes em potencial dos programas de primeiro emprego André Braz Golgher (UFMG e UNI-BH) agolgher@hotmail.com Ari Francisco de Araujo Junior

Leia mais

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Washington, DC 13 de março de 2006 Senhoras e Senhores É com imensa satisfação que me dirijo aos Senhores para

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Aula 3 Introdução à Avaliação de Impacto

Aula 3 Introdução à Avaliação de Impacto Aula 3 Introdução à Avaliação de Impacto Avaliação de Impacto Identifica se o projeto social afetou um ou mais indicadores de impacto Plano de Aula Conceito de Mensuração e Causalidade; Conceito de Contrafactual

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014 Eixos de atuação Mapa da Pobreza Aumento das capacidades e oportunidades Garantia de Renda Inclusão

Leia mais

30 de setembro de 2010. Caderno: Ladeira dos Tabajaras

30 de setembro de 2010. Caderno: Ladeira dos Tabajaras 30 de setembro de 2010 Caderno: Ladeira dos Tabajaras Pesquisa nas favelas com Unidade de Polícia Pacificadora da cidade do Rio de Janeiro _Ladeira dos Tabajaras 2010 _ 2 _ > Rio de Janeiro 30 de setembro

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil Sumário executivo Mais de um bilhão de pessoas sofre com as consequências da inanição é mais que a população dos Estados Unidos, Canadá e União Européia juntas. Em julho desse ano, a reunião de cúpula

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Questionário de trabalho infantil

Questionário de trabalho infantil Questionário de trabalho infantil 17 de dezembro de 2013 18ª CIET Objetivos e escopo das estatísticas de trabalho infantil A população alvo para a investigação de trabalho infantil compreende todas as

Leia mais

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Ana Valéria Machado Mendonça¹ Grasiela de Sousa Pereira² Dyego Ramos Henrique Raelma Paz Silva Maria

Leia mais

ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012

ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012 ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012 Andréa Cristina Oliveira Ferreira 1, Edna Maria Querido de Oliveira Chamon 2 1 Mestranda em Desenvolvimento

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Rio de Janeiro, 19 / 06 / 2013 1 - Introdução 2 - Objetivos 3 - Coleta dos Dados 4 - Instrumentos de Coleta 5 - Temas abordados 6 - Universo da Pesquisa 7 - Análise

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS SOCIAIS SIM, ASSISTENCIALISMO NÃO

PROGRAMAS E PROJETOS SOCIAIS SIM, ASSISTENCIALISMO NÃO PROGRAMAS E PROJETOS SOCIAIS SIM, ASSISTENCIALISMO NÃO AMAURI CHAVES ARFELLI Promotor de Justiça de Itu SP CRISTINA FÁTIMA DE ATHAYDE ARFELLI Advogada A pena restritiva de direitos, consistente na prestação

Leia mais

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Belo Horizonte, outubro de 2007 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre as ações estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI no âmbito do Sistema Único da Assistência Social SUAS e o critério de

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Brasil livre de trabalho infantil. Fernanda Sucupira Repórter Brasil

Brasil livre de trabalho infantil. Fernanda Sucupira Repórter Brasil Brasil livre de trabalho infantil Fernanda Sucupira Repórter Brasil Brasil livre de trabalho infantil O Brasil é considerado uma referência mundial no combate ao trabalho infantil. O país reduziu significativamente

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES)

V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES) V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES) As famílias entrevistadas foram selecionadas entre a população cadastrada do PSF em processo composto por três etapas que considerou os seguintes procedimentos:

Leia mais

Tema do Projeto: REMUNERAÇÃO IGUAL PARA HOMENS E MULHERES

Tema do Projeto: REMUNERAÇÃO IGUAL PARA HOMENS E MULHERES Federação de Associações de Mulheres de Negócios do Brasil CNPJ- 32901555/0001-09 Nome do Projeto: TRABALHO IGUAL. SALÁRIO IGUAL Tema do Projeto: REMUNERAÇÃO IGUAL PARA HOMENS E MULHERES Nome das Organizações

Leia mais

CCSVP: ESTRATÉGIA DO SERVIÇO SOCIAL NA GARANTIA DE DIREITOS COM MULHERES CHEFES DE FAMÍLIAS.¹

CCSVP: ESTRATÉGIA DO SERVIÇO SOCIAL NA GARANTIA DE DIREITOS COM MULHERES CHEFES DE FAMÍLIAS.¹ CCSVP: ESTRATÉGIA DO SERVIÇO SOCIAL NA GARANTIA DE DIREITOS COM MULHERES CHEFES DE FAMÍLIAS.¹ TASCHETTO, Ketheni Machado²; MARQUES, MARQUES Nadianna Rosa ³ ; KAEFER Carin Otília 4 ¹Trabalho desenvolvido

Leia mais

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único Encontro Estadual da Assistência Social: Gestão dos Recursos Financeiros - IGDSUAS e IGDPBF Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único COORDENAÇÃO-GERAL DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DEOP

Leia mais

A maior parte deles se concentra mais em zonas urbanas que rurais (55,1% e 44,9% respectivamente).

A maior parte deles se concentra mais em zonas urbanas que rurais (55,1% e 44,9% respectivamente). Segundo a Enquete Nacional de Atividades de crianças e adolescentes (ENEA 2011) no Paraguay há 1.880.109 crianças e adolescentes de 5 a 17 anos de idade, que representam 40,8% da população total do país.

Leia mais

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP Maria Aurora D. Chrestani* Juraci A. Cesar** Nelson A. Neumann*** * Residência

Leia mais

TECNOLOGIA SOCIAL DO MICROCRÉDITO PRODUTIVO. José Nelio Monteiro Corsini

TECNOLOGIA SOCIAL DO MICROCRÉDITO PRODUTIVO. José Nelio Monteiro Corsini TECNOLOGIA SOCIAL DO MICROCRÉDITO PRODUTIVO José Nelio Monteiro Corsini APRESENTAÇÃO 1. ECONOMIA DA POBREZA E MICROCRÉDITO 2. PEQUENOS EMPREENDIMENTOS E MICROCRÉDITO 3. ELEMENTOS HISTÓRICOS 4. MICROCRÉDITO

Leia mais

10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas. 13/Outubro/2008

10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas. 13/Outubro/2008 10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas 13/Outubro/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar (atualizar) a taxa de mortalidade das empresas; Identificar os principais

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

XVII Congresso Brasileiro de Direito do Trabalho Rural O TRABALHO INFANTIL NO MEIO RURAL

XVII Congresso Brasileiro de Direito do Trabalho Rural O TRABALHO INFANTIL NO MEIO RURAL XVII Congresso Brasileiro de Direito do Trabalho Rural O TRABALHO INFANTIL NO MEIO RURAL LEGISLAÇÃO A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 7º, inciso XXXIII, veda qualquer tipo de trabalho a menores

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

SANTO ANTÔNIO ENERGIA SA

SANTO ANTÔNIO ENERGIA SA Pesquisador (apresente-se): Data: / / Setor censitário: Questionário: IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO DOMICÍLIO E DO ENTREVISTADO. Nome do responsável pela família: Telefone fixo: Telefone celular:.

Leia mais

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico NOME DA BOLSISTA: Clarice de Sousa Silva ORIENTADOR (A) DO PROJETO: Ana Cristina

Leia mais

Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas

Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas Após cada instituição produtora ter apontado as lacunas de informação em suas bases de dados, foi feito um segundo esforço para identificação de lacunas,

Leia mais

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE?

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** Daniele Fernandes** 1 INTRODUÇÃO Assume-se que idade avançada e invalidez resultam em perda da capacidade laboral, o que

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE José Albuquerque Constantino 1 Joselya Claudino de Araújo

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Nº 07 / 13 TEMA: As Crianças em Goiás

Nº 07 / 13 TEMA: As Crianças em Goiás TEMA: As Crianças em Goiás O dia das crianças foi instituído em 1924 pelo então presidente Arthur Bernardes, mas a data passou várias anos desprezada e apenas ganhou notoriedade na década de 1960. Infelizmente

Leia mais

Amapá 0 0 4 2 6. Amazonas 2 0 2 0 4. Bahia 15 10 9 16 50. Ceará 0 0 0 1 1. Distrito Federal 3 11 11 3 28. Espírito Santo 6 2 7 2 17

Amapá 0 0 4 2 6. Amazonas 2 0 2 0 4. Bahia 15 10 9 16 50. Ceará 0 0 0 1 1. Distrito Federal 3 11 11 3 28. Espírito Santo 6 2 7 2 17 Information about forced child labor, child labor, and government efforts (November 4, 2010) 1. Quantas inspeções foram feitas nos últimos 2 a 3 anos na produção de carvão vegetal, para verificar se ocorreram

Leia mais

Anexo VI. Formulário de avaliação semestral CADASTRO

Anexo VI. Formulário de avaliação semestral CADASTRO Anexo VI Formulário de avaliação semestral CADASTRO 1. Informação do Programa Coleta Seletiva Solidária 1.1 Data de criação da comissão: 1.2 Data da assinatura do Termo de Compromisso: 1.3 Data de implantação

Leia mais