CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL"

Transcrição

1 CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL Ana Paula Fernandes de Lima Larissa de Medeiros Luana Ferreira Maristela Oliveira. Carla Villwock Resumo: O presente trabalho tem como objetivo fazer uma reflexão sobre as Intervenções em Crises em diferentes âmbitos e abordar algumas questões de revisão bibliográfica. Visando um contra ponto para discussão, paralelamente ao referencial teórico, foram utilizadas neste trabalho entrevistas semi-estruturadas com dois profissionais da área que trabalham com Psicoterapia Breve (PB) em contextos diferentes: Psicóloga, especialista em Psicoterapia de Orientação Psicanalítica, trabalha com psicoterapia breve no consultório; Psicólogo, Mestre em Psicologia Clínica trabalha com psicoterapia breve de grupo em uma Unidade Básica de Saúde. Palavras-chave: psicoterapia breve; grupos; atendimento individual 1 INTRODUÇÃO Crises ocorrem na vida de todas as pessoas. São momentos nos quais por algum motivo, há um pico de mudança daquilo que é conhecido e ao qual estamos habituados, para aquilo que não conhecemos e que por motivos conscientes e inconscientes rejeitamos. Muitas vezes as crises não são necessariamente ruins, mas são momentos em que temos que posicionarmos para adequarmo-nos as mudanças que estão ocorrendo em nossas vidas. Exemplos dessas situações são as crises vitais como a gravidez, casamento, e morte, ocasiões em que modificações ocorrem na vida, e que mesmo que não sejam para pior, podem gerar alterações do funcionamento normal ou próprio do sujeito em questão. Estas são chamadas crises horizontais, que ocorrem de forma natural no processo vital. No entanto, existem *Acadêmicos do Curso de Psicologia da Universidade Luterana do Brasil. * Professora MS. Curso de Psicologia da Universidade Luterana do Brasil e orientadora deste trabalho.

2 2 também as crises verticais (VIEIRA, 2012), que são aquelas situações não esperadas naturalmente, que interrompem o ciclo vital, como patologias, mortes trágicas, divórcios, etc. TIPOS DE INTERVENÇÕES De acordo com Aguiar (2007), as intervenções em crise podem ser divididas em dois tipos: as supressoras de ansiedade ou de apoio e as provocadoras de ansiedade ou de insight. A intervenção em crise que busca suprimir a ansiedade tem como técnicas principais o reasseguramento, clarificação, encorajamento, apoio de familiares, técnicas de relaxamento, hospitalização breve e tratamento medicamentoso, se necessário. Já a intervenção que busca o insight do paciente, usa técnicas que visam a confrontação e a interpretação. Ainda segundo Aguiar (2007), a escolha de determinada técnica em detrimento da outra, acontece por razões referentes ao paciente e sua história clínica. À pacientes com poucos recursos psiquicos, com relações interpessoais confusas, com quadros psiquiatricos graves, ou por razões circunstanciais inadequadas, como internação hospitalar por exemplo, são indicadas intervenções de apoio. As intervenções provocadoras de ansiedade, são recomendadas para pacientes que tinham uma situação psiquica mais favoráveis, antes de entrarem em crise. A intervenção poderá ser breve, mas deve ser intensa o bastante para que possa apontar questões centrais para esse sujeito (CAMPOS E GUERRERO, 2010). Aguiar (2007) ainda se refere à importancia de atendimentos de intervenção em crise em ambito comunitário, citando experiencias positivas neste aspecto na Jamaica, Finlandia e Inglaterra. 2 PSICOTERAPIA BREVE INDIVIDUAL COMO INTERVENÇÃO EM CRISE A psicoterapia breve utiliza o conceito de foco. Segundo Cordiolli (1998), durante um período de tempo concentra-se na resolução de um foco principal que esteja gerando um conflito. A intervenção em crise se deriva das psicoterapias breves, já que busca ajudar pessoas em momentos de crise, onde é exigida certa rapidez para evitar possíveis rupturas. Cordiolli (1998) aponta vários fatores como determinantes para a psicoterapia breve. Primeiramente ele trás a importância de ter uma queixa circunscrita, ou seja, delimitada. Ele também aponta a inteligência e ter no mínimo uma relação interpessoal significativa na

3 3 infância. A motivação para uma mudança, e não apenas uma necessidade de alivio momentâneo também é vista como um dos indicadores principais. O paciente também deve ser capaz de tolerar ansiedade e frustração e é claro, ter a capacidade de desenvolver uma relação com o terapeuta e de se relacionar com ele. A psicoterapia breve é usada mundialmente e segundo Hegenberg (2010) impõe-se por causa do tempo limitado. Comumente, ela é utilizada em serviços prestados por instituições e entidades que promovem ações preventivas de promoção de saúde. Nestes locais, o atendimento individual é realizado tanto por profissionais, bem como por universitários. Assim como em outras técnicas, o paciente deve passar por uma avaliação diagnóstica. Segundo profissional que faz atendimento em uma instituição de forma individual, é realizada a avaliação clínica, mais exame das funções do ego, havendo às vezes a necessidade de acionar a rede de apoio para uma escuta. Durante o atendimento, muitas vezes se faz necessário uma avaliação sobre o risco de suicídio do paciente. Muitos pacientes com risco de suicídio e psicóticos foram atendidos. Isso porque, segundo Cordiolli: Os casos de psicoses são considerados contra-indicações ao tratamento analítico, bem como os casos agudos ou emergências (o paciente com tendência suicida por exemplo) (CORDIOLLI, 1998). Isso porque, tais pacientes imporiam dificuldades a esses tratamentos, pois são mais demorados e os mesmos dificilmente permaneceriam ou evoluiriam dentro do tratamento, precisando assim uma intervenção mais curta. Em casos como esse, além do atendimento psicoterápico se fazem necessários encaminhamentos tanto para psiquiatras, como até mesmo internação. Seja qual for a linha teórica usada pelo profissional, a motivação do paciente deve ser considerada. Para isso, uma das profissionais entrevistadas, Psicóloga, especialista em Psicoterapia de Orientação Psicanalítica, usa a entrevista motivacional tentando vincular o paciente a um ambiente mais empático e, com isso, visa conseguir que ele venha aderir ao tratamento. Segundo Cordiolli: [...] deve ser considerada a motivação do paciente para o tratamento, além de sua capacidade de estabelecer uma aliança terapêutica, seus recursos para manejar a ansiedade, sua capacidade de introspecção e de distinguir a fantasia da realidade (CORIOLLI, 1998). Como se trata de uma intervenção pontual, com foco definido, o número de sessões deve ser previamente definido. No contrato o terapeuta já estabelece o número de sessões com o paciente, e dentro deste período ele confirma ou refuta a hipótese psicodinâmica formulada

4 4 a partir dos sintomas apresentados por ele Segundo o autor: Parece portanto, que um limite de duração fixado no início é mais benéfico do que prejudicial, essencialmente por que deste modo a questão da alta é trabalhada desde o início. (CORDIOLLI, 1998) De acordo com a instituição o terapeuta estabelece o número de sessões e estabelece as regras com os pacientes. Entre os autores, a etapa da alta é discutida. Segundo Mann (1977) apud Cordiolli (1998), o paciente deve entender que o caráter da alta é definitivo, sem entrevistas adicionais. Já Malan(1976) apud Cordiolli (1998), aponta que o mais importante é determinar no início o numero de sessões, pois sem essa delimitação paciente-terapeuta tendem a se envolver demais um com o outro. Ele acredita que se desde o início esta etapa for discutida, a última sessão torna-se interiormente como o fim da relação, não sendo necessário ter uma postura mais rígida por parte do terapeuta. Nos casos em que o paciente atinge o benefício terapêutico mas, no entanto, surgem novas demandas, segundo a profissional, de acordo com o local, ela o recontrata para uma nova etapa ou trabalha com um novo encaminhamento. 3 PSICOTERAPIA BREVE DE GRUPO COMO INTERVENÇÃO EM CRISE Atualmente, os pacientes que chegam a uma Unidade de Saúde, costumam chegar com uma estrutura desorganizada (psíquica e socialmente), com muitos sintomas (ordem somática), ansiedade generalizada. Segundo Campos e Guerrero (2010): Uma demanda importante relacionada à saúde mental chega diariamente na Atenção Básica, que é a porta de entrada do sistema de saúde, com a expectativa de que o profissional possa dar resposta ao seu sofrimento de forma rápida e eficaz (CAMPOS; GUERRERO, 2010). O profissional entrevistado, Psicólogo, Mestre em Psicologia Clínica, que trabalha com intervenção em crise no SUS, primeiramente procura organizar a dinâmica de atendimento, delimitando o foco, as prioridades, para então montar uma estrutura de atendimento que possa atender a demanda do serviço, mas que também seja um Plano Terapêutico que atenda as individualidades do sujeito, independente se o atendimento será feito em grupo. Na maioria das vezes, os usuários que chegam para atendimento em saúde mental estão em momento de crise. É um momento delicado, pois o sujeito se encontra muito fragilizado, com sensação de impotência ante a resolução de seu problema e despejando que o outro dê conta de acabar com seu sofrimento. (CAMPOS E GUERRERO, 2010).

5 5 A intervenção em grupos como forma de apoio e tratamento psicoterápico vem tendo ascensão no que diz respeito à saúde pública, muito provavelmente em correlação ao processo de desinstitucionalização da saúde, e a promoção da reforma psiquiátrica. Deste modo é imprescindível ressaltar a importância deste modelo de atuação nas Unidades de atendimento da rede pública de saúde, em que a demanda é muito elevada e na maioria das vezes há defasagem de recursos humanos. O que podemos constatar é que atualmente as principais crises que chegam até a UBS são advindas de separação, luto, desemprego, sentimento de incapacidade, problemas de relacionamento, depressões, transtornos de estresse pós-traumáticos (TEPT), transtorno de ansiedade generalizada (TAG). Independente da crise, os pacientes são acolhidos e é feita a avaliação de risco. Para Campos e Guerrero: É claro que existem diferentes tipos de crise e diversos graus de vulnerabilidade diante delas, no entanto, de maneira geral o sujeito precisa ser acolhido pelo serviço neste momento. O tempo da intervenção na crise é um outro tempo, sua intensidade faz possíveis intervenções muito potentes e não necessariamente crônicas (CAMPOS; GUERRERO, 2010). O atendimento grupal vem como forma de potencializar o atendimento às pessoas e também agrega novas técnicas psicoterápicas ao tratamento. De acordo com o relato de profissionais o grupo de apoio pode ajudar seus participantes de uma forma diferente do que em um atendimento individual, pois propicia aos pacientes um lugar de escuta, onde há também o benefício do ouvir ao outro como modelo de identificação, e assim, de forma empática, buscar juntos maneiras de enfrentar os seus problemas. O Grupo de Apoio, desenvolvido pelo Psicólogo entrevistado em Unidade Básica de Saúde, busca muito mais do que atender uma grande demanda existente, propiciar ao paciente um tratamento em que ele possa desenvolver a socialização, sua capacidade de insight, buscar o outro como modelo e ter o benefício da escuta de outros pacientes. As práticas grupais constituem importante recurso no atendimento aos usuários da Atenção Básica. (...) O Trabalho grupal não deve ser pensado somente como uma forma de dar conta da demanda, mas, sim, como tendo características que propiciem socialização, integração, apoio psíquico, trocas de experiências, troca de saberes e construção de projetos coletivos. O pertencimento a um grupo favorece a saúde mental do sujeito (CAMPOS E GUERRERO, 2010).

6 6 Não há como negar que a identificação que ocorre em grupos terapêuticos de apoio é um fator potencializador da cura, pois permite aos indivíduos perceber o outro, e assim, encarar sua crise sabendo que não é o único a passar por dificuldades. 4 DISCUSSÃO A Psicoterapia Breve tem sido amplamente utilizada por profissionais em diversos contextos. Tendo em vista o cotidiano estressante de hoje em dia, vemos que as situações de crise têm acontecido cada vez mais, e a PB vem ao encontro como um auxilio rápido que muitas vezes os pacientes necessitam encontrar para resolver seus conflitos. Tratando-se de uma Unidade de Saúde, constatamos que muitas das crises que surgem, são relacionadas com aspectos de cunho social. O tratamento em grupo, além de suprir a demanda existente também procura trabalhar com os principais focos de conflito fazendo uma relação com o contexto em que o paciente está inserido, proporcionando um espaço de troca de experiências vitais. Conforme entrevista, fica explícito o quanto é favorável esse tipo de tratamento para o paciente quanto para o serviço. Utilizada amplamente por profissionais e estagiários, a PB, acaba por ser a porta para o atendimento individual. Devido à brevidade do atendimento, ela é ofertada por entidades que fornecem o serviço de forma quase gratuita quando não gratuita, possibilitando que pessoas e até famílias possam ter apoio em momentos de crise. No atendimento individual, ela permite que o sujeito através da relação terapêutica passe a ter uma maior compreensão do que provocou a crise e com isso, uma melhora na relação interpessoal. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Em consonância com os aspectos discutidos, podemos afirmar que tanto a Psicoterapia Breve individual como a de grupo, tem sido bastante utilizada. O trabalho teve a intenção de provocar uma reflexão acerca do assunto, fazendo um link da teoria com as entrevistas realizadas com os profissionais da área. Pensando na nossa formação acadêmica é de fundamental importância o conhecimento sobre o assunto, para que possamos sair da faculdade com o embasamento necessário para atuar no mercado de trabalho. Através deste trabalho, pudemos perceber que cada um dos modelos apresentados (PB individual ou em grupos) tem seus benefícios. Seja qual for a técnica utilizada, elas devem ser

7 7 utilizadas visando o bem-estar dos pacientes. Devemos ser sensíveis estarmos atentos as necessidades daqueles que procuram ajuda. Nem todos os pacientes serão atingidos com o trabalho grupal, bem como individualmente nem todos terão o crescimento esperado. Devemos estar atentos e na medida do possível fazer as indicações corretas. Sabemos que nem sempre o atendimento individual é acessível a todos, e que, poucos são os lugares que fazem atendimento deste tipo para as comunidades de baixa renda; assim, os grupos, que por serem capazes de atingir demandas maiores, são utilizados em maior escala em serviços de atenção básica à saúde. 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS Ana Caroline Sari Vieira, P. G. (2012). Ninho Cheio: perspectivas de pais e filhos. Revista Psicologia - Teoria e Prática. Acesso em 24 de Junho de 2012, disponível em Aguiar, R. W. (2007). Intervenções em crise. In: A. V. Cordioli, Psicoterapias Abordagens Atuais. Artmed. CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa; GUERRERO, André Vinicius Pires/organizadores. Manual de práticas de atenção: saúde ampliada e compartilhada. Autores Adriana Cosser... (et al.). 2 ed. São Paulo: Aderaldo & Rpthschild, p. (Saúde em debate; 190) CORDIOLI, Aristides Volpato. Psicoterapias abordagens atuais. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, GUANAES,C.; Japur, M. Fatores terapêuticos em um grupo de apoio para pacientes psiquiátricos ambulatoriais. Rev. Bras. Psiquiatr., Acesso em 24 de Junho de 2012, disponível em HEGENBERG, Mauro. Psicoterapia Breve. São Paulo. Casa do Psicólogo. 3ª Ed Acesso: // ulbra.bv3.digitalpages.com.br; em 26. jun h.

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

Regulamento do Plantão Psicopedagógico FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO

Regulamento do Plantão Psicopedagógico FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO Regulamento do Plantão Psicopedagógico FUNDAÇÃO FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO 2011 Regulamento do Plantão Psicopedagógico da Faculdade Presidente Antônio Carlos de

Leia mais

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA Ferreira CLB¹ 1 *, Gabarra LM². Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago,

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR

RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR 178 RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR Renan Meirelles da Silva Luciano Haussen Pinto Centro Universitário Franciscano Resumo

Leia mais

TRABALHANDO COM GRUPOS: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL COM MULHERES GRÁVIDAS. 1. SOBRE GRAVIDEZ E O TRABALHO COM GRUPOS EM SAÚDE MENTAL.

TRABALHANDO COM GRUPOS: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL COM MULHERES GRÁVIDAS. 1. SOBRE GRAVIDEZ E O TRABALHO COM GRUPOS EM SAÚDE MENTAL. TRABALHANDO COM GRUPOS: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL COM MULHERES GRÁVIDAS. Raiza Barros de Figuerêdo (raizafigueredo@gmail.com) Karina Pontes Santos Lima (karypontes@hotmail.com) Maria

Leia mais

O PSICÓLOGO NO CONTEXTO DE SAÚDE COLETIVA E A PRÁTICA DA VISITA DOMICILIAR 1

O PSICÓLOGO NO CONTEXTO DE SAÚDE COLETIVA E A PRÁTICA DA VISITA DOMICILIAR 1 O PSICÓLOGO NO CONTEXTO DE SAÚDE COLETIVA E A PRÁTICA DA VISITA DOMICILIAR 1 MIRANDA, Cezar P. 2 ; SILVA, Naiana G. ²,SILVA, Ticiane R. ² JAEGER, Fernanda P. 3 1 Trabalho vinculado ao projeto Psicologia

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail. CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.com RESUMO Este artigo teve como foco o termo depressão infantil, que é

Leia mais

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Disciplina: Med 8834 - Psiquiatria Roteiro de Estudo de Caso Prof. Aristides Volpato Cordioli 1. DADOS DA IDENTIDADE DO PACIENTE

Leia mais

GRUPO DE ADESÃO AO TRATAMENTO DE PESSOAS VIVENDO COM HIV E AIDS (PVHA): RELATO DE EXPERIÊNCIA

GRUPO DE ADESÃO AO TRATAMENTO DE PESSOAS VIVENDO COM HIV E AIDS (PVHA): RELATO DE EXPERIÊNCIA GRUPO DE ADESÃO AO TRATAMENTO DE PESSOAS VIVENDO COM HIV E AIDS (PVHA): RELATO DE EXPERIÊNCIA GIL, kelli Ariel da Silva; CAVALCANTI, Pacífica Pinheiro; FLORES, Cezar Augusto da Silva; LIMA, Denise Lúcia

Leia mais

O OLHAR DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL E DA TEORIA DE BASE PSICANALÍTICA SOBRE PACIENTES HIPERTENSOS NO CONTEXTO HOSPITALAR

O OLHAR DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL E DA TEORIA DE BASE PSICANALÍTICA SOBRE PACIENTES HIPERTENSOS NO CONTEXTO HOSPITALAR O OLHAR DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL E DA TEORIA DE BASE PSICANALÍTICA SOBRE PACIENTES HIPERTENSOS NO CONTEXTO HOSPITALAR ¹Marcela da Costa Garcia, FADAP/FAP ²José Carlos Scaliante Junior, FADAP/FAP

Leia mais

& PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I

& PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I & PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I Marli Maria Loro 1 Ethiane Roever 2 Adriane Cristina Bernat Kolankiewicz 3 Aline Neli Bernat

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE

A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE Artigo sobre Dissertação de Mestrado em Aconselhamento Dinâmico (2007) Ana Cristina Ferreira da

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Trabalho de curso 2014 Herminia Dias de Freitas Lahana Giacomini de Vasconcellos Luciana Stefano Acadêmica

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO

POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO 465 POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO Bruno de Morais Cury 1 ; Ana Carla Gomes Toledo 2 ; Gabriel Lauriano De Souza Hilário 2 ; Marco Aurélio

Leia mais

PSICODIAGNÓSTICO: FERRAMENTA DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA¹

PSICODIAGNÓSTICO: FERRAMENTA DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA¹ PSICODIAGNÓSTICO: FERRAMENTA DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA¹ OLIVEIRA, Micheli Viera de 2 ; MELLO, Lauren Machado 2 ; OLIVEIRA, Vânia Fortes³. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicólogas graduadas pelo Centro

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A Temporalidade no Serviço de Residência Terapêutica Maria Aparecida Souza Rosa Vanessa Idargo Mutchnik Associação Saúde da Família. Pça. Mal.Cordeiro de Farias, 65. Higienópolis SP Brasil Centro de Atenção

Leia mais

FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II

FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II SILVIA MARIA BONASSI - DE Adjunto I Psicologia Clínica /UFMS/CPAR FONE: 67-81903430 silviabonassi@gmail.com ORIGEM HISTÓRICA DAS PSICOTERAPIAS

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONSENTIMENTO

DECLARAÇÃO DE CONSENTIMENTO DECLARAÇÃO DE CONSENTIMENTO TEMA DO ESTUDO: Adesão Terapêutica numa Mulher com Depressão Major: Perspetiva da doente. CONSENTIMENTO INFORMADO Eu, aceito de minha livre vontade, participar neste estudo

Leia mais

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE ALEXANDRE DE ARAÚJO PEREIRA Na última década, a Estratégia de Saúde da Família (ESF) - e a Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB) têm trazido

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O IDOSO INSTITUCIONALIZADO COMO FOCO DE SUA ATENÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA BERGAMO, Vinicius M. 1 DALL AGNOL, Crístyan C. 2 PIMENTEL, Cauê F. 3 PAZ, Késia M. R. 4 RUPOLO, Denize. J. 5 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA MORFOFISIOLOGIA E COMPORTAMENTO HUMANO Estudo anátomo-funcional de estruturas orgânicas na relação com manifestações emocionais. HISTÓRIA E SISTEMAS

Leia mais

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS SOB A ÓTICA PSICANALÍTICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ACADÊMICAS DE PSICOLOGIA

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS SOB A ÓTICA PSICANALÍTICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ACADÊMICAS DE PSICOLOGIA 111 MEDIAÇÃO DE CONFLITOS SOB A ÓTICA PSICANALÍTICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ACADÊMICAS DE PSICOLOGIA Francine Rocha de Freitas Graziela Miolo Cezne Jóice Maristela Hübner Kélen Medianeira Pozzobon

Leia mais

PSICÓLOGO 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 35. 11. Sobre a Entrevista Motivacional (EM), é INCORRETO afirmar:

PSICÓLOGO 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 35. 11. Sobre a Entrevista Motivacional (EM), é INCORRETO afirmar: PSICÓLOGO 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 35 11. Sobre a Entrevista Motivacional (EM), é INCORRETO afirmar: a) O objetivo principal da EM é auxiliar nos processos de mudanças comportamentais,

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA

A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA 2012 Nara Saade de Andrade Psicóloga graduada pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Charlisson Mendes Gonçalves Mestrando em Psicologia pela

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho UNIDADE DE INTERNAÇÃO PSIQUIÁTRICA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE: relatório de estágio curricular

Leia mais

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023 Pausa no cotidiano L692 Lhullier, Raquel Barboza Pausa no cotidiano: reflexões para pais, educadores e terapeutas / Raquel Barboza Lhullier. Novo Hamburgo : Sinopsys, 2014. 88p. ISBN 978-85-64468-27-6

Leia mais

POR QUE USAR A TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA?

POR QUE USAR A TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA? POR QUE USAR A TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA? WILSON VIEIRA MELO TCD EM DIFERENTES TRANSTORNOS (wilsonmelo1@gmail.com) 1 TCD NOS TRANSTORNOS DE ANSIEDADE O melhor tratamento para transtornos de ansiedade

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTAGIÁRIAS DE PSICOLOGIA NO CENTRO DE REABILITAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTAGIÁRIAS DE PSICOLOGIA NO CENTRO DE REABILITAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA 86 RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTAGIÁRIAS DE PSICOLOGIA NO CENTRO DE REABILITAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA Amanda Mendes Silva - Uni-FACEF Marília Batarra Lima - Uni-FACEF Thais Silva Cintra -

Leia mais

Psicoterapia Procedimento sistemático e cientificamente fundamentado que visa auxiliar o indivíduo a lidar com seu sofrimento emocional.

Psicoterapia Procedimento sistemático e cientificamente fundamentado que visa auxiliar o indivíduo a lidar com seu sofrimento emocional. Maricelma Bregola Psicoterapia Procedimento sistemático e cientificamente fundamentado que visa auxiliar o indivíduo a lidar com seu sofrimento emocional. O sofrimento resulta da dificuldade de recrutar

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE Gabriele Gris Kelly Cristina da Silva Cardoso Luciana

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA NA INSERÇÃO SOCIAL DOS PACIENTES COM TRANSTORNO MENTAL

A IMPORTANCIA DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA NA INSERÇÃO SOCIAL DOS PACIENTES COM TRANSTORNO MENTAL A IMPORTANCIA DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA NA INSERÇÃO SOCIAL DOS PACIENTES COM TRANSTORNO MENTAL 1 SANTOS, Kassila Conceição Ferreira; SOUZA, Ana Lúcia Rezende; NOGUEIRA, Douglas José. Palavras-chave:

Leia mais

Núcleo 2.3 - O atendimento de grupos: psicodrama, suas técnicas e aplicações

Núcleo 2.3 - O atendimento de grupos: psicodrama, suas técnicas e aplicações Núcleo 2.3 - O atendimento de grupos: psicodrama, suas técnicas e aplicações DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Psicodinâmica e Desenvolvimento COORDENADOR: Marcia Almeida Batista PROFESSORES: Adrianna Loduca Ribeiro

Leia mais

A Psicologia e a Saúde Coletiva nas Políticas de Saúde Mental ¹

A Psicologia e a Saúde Coletiva nas Políticas de Saúde Mental ¹ A Psicologia e a Saúde Coletiva nas Políticas de Saúde Mental ¹ LARA, M. P. 2 ; TRAESEL, E. S. 3 1 Relato de Estágio Específico- UNIFRA 2 Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA),

Leia mais

O PLANO DE CUIDADOS EM SAÚDE MENTAL. Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014

O PLANO DE CUIDADOS EM SAÚDE MENTAL. Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014 O PLANO DE CUIDADOS EM SAÚDE MENTAL Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014 O PLANO DE CUIDADOS EM SAÚDE MENTAL Em busca da atenção integral, a Atenção Primária como ordenadora da rede deve coordenar

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

NUNCA É TARDE PARA COMEÇAR : A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO DE IDOSOS QUE PRATICA O ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL

NUNCA É TARDE PARA COMEÇAR : A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO DE IDOSOS QUE PRATICA O ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL NUNCA É TARDE PARA COMEÇAR : A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO DE IDOSOS QUE PRATICA O ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL SANTOS, Leidyane Cristina 1, OLIVEIRA, Luma Laiane 2 ; PEREIRA, Geovanna Líscio 2 ; SINTRA,

Leia mais

FAMÍLIA E DEFICIÊNCIA: REFLEXÕES SOBRE O PAPEL DO PSICÓLOGO NO APOIO AOS FAMILIARES DE PESSOAS COM DEFICIENCIA

FAMÍLIA E DEFICIÊNCIA: REFLEXÕES SOBRE O PAPEL DO PSICÓLOGO NO APOIO AOS FAMILIARES DE PESSOAS COM DEFICIENCIA FAMÍLIA E DEFICIÊNCIA: REFLEXÕES SOBRE O PAPEL DO PSICÓLOGO NO APOIO AOS FAMILIARES DE PESSOAS COM DEFICIENCIA ELISÂNGELA SOUSA PIMENTA DE PADUA UENP-CP 1 LUZIA RODRIGUES UENP-CP/UTFPR-CP 2 RESUMO: O presente

Leia mais

PARECER TÉCNICO. Núcleo de Apoio à Vítima de Estupro (NAVES) Rua Tibagi, 779, Gabinete 803, Centro, Curitiba PR, telefone 3250-4022.

PARECER TÉCNICO. Núcleo de Apoio à Vítima de Estupro (NAVES) Rua Tibagi, 779, Gabinete 803, Centro, Curitiba PR, telefone 3250-4022. PARECER TÉCNICO Atendendo à solicitação da Procuradora de Justiça Coordenadora do Núcleo de Apoio à Vítima de Estupro (NAVES), Dra. Rosângela Gaspari, eu, Erica A. C. M. Eiglmeier, psicóloga, venho apresentar

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE

A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE 6 A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE Ana Paula Santos; Camile Haslinger Cássia Ferrazza Alves Elenara Farias Lazzarotto Da Costa Ligia Andrea Rivas Ramirez Cristina

Leia mais

mente definidas as motivações do meu estar aqui e agora, como pesquisadora da temática em questão.

mente definidas as motivações do meu estar aqui e agora, como pesquisadora da temática em questão. INTRODUÇÃO i A minha vivência com o doente hanseniano ao longo do meu exercício profissional e a consciência da facticidade do ser Hanseniano enquanto portador de doença estigmatizante influenciaram, de

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: PSICODRAMA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÕES COM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS DENTRO DE UM SERVIÇO DE SAÚDE PÚBLICA

TÍTULO: PSICODRAMA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÕES COM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS DENTRO DE UM SERVIÇO DE SAÚDE PÚBLICA TÍTULO: PSICODRAMA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÕES COM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS DENTRO DE UM SERVIÇO DE SAÚDE PÚBLICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção a violência intrafamiliar e de gênero do Instituto Noos. Carlos Eduardo Zuma

PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção a violência intrafamiliar e de gênero do Instituto Noos. Carlos Eduardo Zuma Congreso Iberoamericano de Masculinidades y Equidad: Investigación y Activismo Panel 2: Violencia y masculinidad/segunda sesión Barcelona, 8 de outubro de 2011 PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção

Leia mais

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL Patrícia de Bitencourt Toscani 1 Durante a década de 70, o processo da Reforma Psiquiátrica possibilitou construir uma nova política de saúde

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 RECÉM NASCIDO PRÉ-TERMO DE MÃE ADOLESCENTE: UM RELATO DE CASO AUTORES: Giovanna Carolina Guedes 1 Cláudia Silveira Viera Jéssica Chritina Acosta Kamila Lubenow Vanessa Rosseto RESUMO: INTRODUÇÃO: Anualmente

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social Lillyan Justino Tanaka Comorbidade em pessoas com transtorno mental: perfil crescente

Leia mais

TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS

TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO

Leia mais

ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012

ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012 ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012 Andréa Cristina Oliveira Ferreira 1, Edna Maria Querido de Oliveira Chamon 2 1 Mestranda em Desenvolvimento

Leia mais

IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA Geordany Rose de Oliveira Viana Esmeraldo Enfermeira e Mestranda em Saúde PúblicaUECE

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

Estudo de Casos. Alexandre Pereira

Estudo de Casos. Alexandre Pereira Estudo de Casos Alexandre Pereira Caso 1 Cena 1: Dona Ivone de 54 anos é encaminhada pelo seu clínico para um serviço de psiquiatria no hospital universitário da cidade onde mora. A paciente é acolhida

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

Coordenadora do NPA: Profª. Ms. Elquissana Quirino dos Santos. Diretora Pedagógica: Profª Ms. Stefane Barbosa

Coordenadora do NPA: Profª. Ms. Elquissana Quirino dos Santos. Diretora Pedagógica: Profª Ms. Stefane Barbosa PROJETO DE EXTENSÃO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO Coordenadora do NPA: Profª. Ms. Elquissana Quirino dos Santos Diretora Pedagógica: Profª Ms. Stefane Barbosa 1 2011/1 Santos, E Q ; Barbosa, S. - Núcleo

Leia mais

COMPORTAMENTO AGRESSIVO DO ADOLESCENTE: A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA E A INTERVEÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NESTE CONTEXTO

COMPORTAMENTO AGRESSIVO DO ADOLESCENTE: A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA E A INTERVEÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NESTE CONTEXTO COMPORTAMENTO AGRESSIVO DO ADOLESCENTE: A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA E A INTERVEÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NESTE CONTEXTO Carla Regina de Oliveira SANTELLO 1 Mayara Lima LOPES 2 Valderes Maria ROMERA 3 RESUMO: O

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a atuação de um psicólogo em equipe 57 O casal em psicoterapia deverá ser treinado a identificar seus multidisciplinar de saúde de um órgão público e as normas éticas

Leia mais

A Educação Permanente na articulação de uma rede de cuidado integral à saúde: A experiência da Estratégia Saúde da Família na AP 3.

A Educação Permanente na articulação de uma rede de cuidado integral à saúde: A experiência da Estratégia Saúde da Família na AP 3. Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Atenção Primária, Coordenação de Área Programática 3.2 Estratégia Saúde da Família na AP 3.2 Coordenadoria de Educação Permanente SPDM A Educação

Leia mais

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Profa. Mestre Cláudia Galvão Mazzoni Fabiana Lima Rosinski Lisiane Botelho Ferreira Patrícia dos Santos Silveira Resumo:

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Um dos potenciais econômicos do município de Campo Belo do Sul é a silvicultura, desenvolvida com destaque pela Fazenda Gateados. Tal atividade baseia-se em: a. Investimento

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO AO ACADÊMICO

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO AO ACADÊMICO SERVIÇO DE ACOLHIMENTO AO ACADÊMICO Bárbara Danubia da Silva Roman¹; Camila Capriata Vargas²; Evelyn Gilmara Wishah Scherer³; Jaqueline Souza Ventura⁴; Thais Borges Luna⁵. UFGD/FCH Caixa Postal 533, 79.804-970

Leia mais

Cuidados com o cuidador

Cuidados com o cuidador IV Fórum Multidisciplinar em Saúde da Mama para Voluntários, Leigos e Profissionais de Saúde Cuidados com o cuidador Rita de Cassia Macieira Quem é o cuidador? Cuidadores Cuidadores formais: profissionais

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES Período Junho a Agosto de 2013 Novembro 2013 2 INTRODUÇÃO O excesso de pacientes com problemas médicos

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Proposta: Propor mudanças nas leis que regem a publicação, desenvolvimento e divulgação dos testes no Brasil, de forma que se padronizem e ofereçam subsídios do alcance e limites dos testes. Proposta:

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV).

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). Maria Mabel Nunes de Morais; Raiany Augusto Carvalho; Samara Pereira de Sousa; Édja Larissa Simão de Lacerda; Maria

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL MORAIS 1, Alexsandra Dias LIMA 2, Aline Cristine da Silva GOMES 3, Inalígia Figueiredo FRANCA 4, Juliana Monteiro da OLIVEIRA 5,

Leia mais

A importância do palhaço cuidador na assistência à criança em. hospitalização: Relato de Experiência do Projeto PalhaSUS

A importância do palhaço cuidador na assistência à criança em. hospitalização: Relato de Experiência do Projeto PalhaSUS A importância do palhaço cuidador na assistência à criança em hospitalização: Relato de Experiência do Projeto PalhaSUS BRITO JUNIOR¹, José Félix CORREIA², Bruna Valério COSTEIRA³, Aldenildo A.M.F NASCIMENTO

Leia mais

CONSULTA Nº 3.188/2011

CONSULTA Nº 3.188/2011 1 CONSULTA Nº 3.188/2011 Assunto: Sobre internações compulsórias. Relator: Conselheiro Mauro Gomes Aranha de Lima. Ementa: Não se pretende esgotar todos os procedimentos previstos em lei para a internação

Leia mais

apropriados para uma relação terapeuta e cliente possa ser segura.

apropriados para uma relação terapeuta e cliente possa ser segura. QUESTÕES ÉTICAS EM PSICOTERAPIA Dilemas éticos para o século XXI Roberto Faustino de Paula ÉTICA O termo ética vem do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa), significando um conjunto de valores

Leia mais

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo 1 PROGRAMA DA ESCOLA DE PAIS I. Introdução A escola de pais apresenta-se com um espaço de formação para famílias (preferencialmente famílias de crianças com necessidades especiais), estando igualmente

Leia mais

Curso de Psicologia CÓDIGO B108478 PROGRAMA

Curso de Psicologia CÓDIGO B108478 PROGRAMA Curso de Psicologia 1º período DISCIPLINA: ELEMENTOS DE ANATOMIA B108478 EMENTA: - Estudo de todos os órgãos e sistemas do organismo humano, destacando as funções pertinentes a cada estrutura. DISCIPLINA:

Leia mais

UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL

UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL Danila Rafaela do Nascimento Jeane Aparecida de Oliveira Silva Maria Betânia Soares da Rocha

Leia mais

O JOGO TERAPÊUTICO COMO EM PEDIATRIA

O JOGO TERAPÊUTICO COMO EM PEDIATRIA O JOGO TERAPÊUTICO COMO INSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃO EM PEDIATRIA Faculdade de Psicologia/UNISA Joana d`arc Marinho Corrêa Sakai CRP 06-18972/2 BRINQUEDO: INSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃO O ato de brincar: atividade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I - DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I - DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I - DO PROGRAMA Art. 1. O Programa de Atendimento Psicopedagógico visa oferecer atendimento psicoterapêutico,

Leia mais

QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL

QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Marcela Maria Medeiros De Melo Silvia Karla Bezerra De Lima Estima-se que em torno de 1 milhão de pessoas sejam acometidas por

Leia mais

10 ANOS DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA EM LONDRINA: avanços e desafios na Saúde Pública

10 ANOS DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA EM LONDRINA: avanços e desafios na Saúde Pública 10 ANOS DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA EM LONDRINA: avanços e desafios na Saúde Pública MARIA DA GRAÇA PEDRAZZI MARTINI Coordenadora e intervisora Márcia Santana Fonseca, auxiliar de enfermagem, 07/10/05

Leia mais

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA 1 ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA Périsson Dantas do Nascimento RESUMO O trabalho tem como objetivo principal elaborar um diálogo entre a Psicossomática e a Análise Bioenergética,

Leia mais

GRUPO DE TERAPIA COMUNITÁRIA: Sementes para Re-Significar a Vida

GRUPO DE TERAPIA COMUNITÁRIA: Sementes para Re-Significar a Vida GRUPO DE TERAPIA COMUNITÁRIA: Sementes para Re-Significar a Vida CENTRAL DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS DE SANTOS O que as pessoas dizem, como elas sentem e o que elas pensam e conhecem,são fatos tão

Leia mais

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade.

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade. Tratamento do TCAP Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito História individual, singularidade Psicoterapia: Tratamento: multidisciplinar Equipe coesa Importância de entender

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

Concurso Público Psicologia Clínica Caderno de Questões Prova Discursiva 2015

Concurso Público Psicologia Clínica Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 Homem de 38 anos de idade chegou ao atendimento por pressão de amigos, pois está convencido de que em seu caso não se trata de doença. Lúcido, fala espontaneamente

Leia mais

GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites

GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites 1 GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites O presente artigo retrata, antes de tudo, um aprendizado de amor, o qual estou tendo a

Leia mais

Atendimento Domiciliar

Atendimento Domiciliar Atendimento Domiciliar Definição da Unimed Porto Alegre sobre Home Care O Home Care é um beneficio de prestação de serviço de assistência à saúde, a ser executado no domicilio do paciente com patologias

Leia mais