Relatório Intermédio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Intermédio"

Transcrição

1 Relatório Intermédio Lisa Afonso, Nutricionista Estágio PEPAC Programa de Estágios Profissionais na Administração Central Escola Secundária do Castêlo da Maia Clube Saúde A. S

2 Índice Introdução. 3 Objectivos.. 4 Descrição do Estágio Local de estágio... 5 Actividades realizadas Gabinete de aconselhamento alimentar 5 2. Comemoração de dias temáticos Sessões de esclarecimento Serviço de alimentação Avaliação do estado nutricional dos alunos Horta pedagógica Projecto A Jogar e a Conhecer, 5 ao dia vamos comer I Fórum Promoção da Saúde na Escola Check-up de Saúde Curso de culinária Apoio aos alunos da área projecto.. 16 Parcerias. 16 Conclusão Bibliografia Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 2

3 Introdução A escola constitui o ambiente propício para a aplicação de programas de educação para a saúde, uma vez que se insere em todas as dimensões da criança e do jovem: ensino, relações larescola-comunidade, ambiente físico e emocional (1,2). O desenvolvimento de programas efectivos de saúde nas escolas, baseados no pressuposto de que a adopção de hábitos saudáveis trará melhor qualidade de vida, capacita as crianças e adolescentes a fazer as escolhas mais correctas para a promoção da saúde, ao trabalharem de forma eficaz conhecimentos, atitudes, comportamentos e habilidades. Para que estes programas, relativos à promoção de hábitos alimentares saudáveis, sejam eficazes é fundamental que haja uma integração da equipa de saúde, da escola, da criança e da família, tendo como ponto-chave os conteúdos trabalhados ao longo e no momento de expressão das práticas, crenças, saberes e vivências da criança ou adolescente, de forma integrada e não dissociados em práticas pedagógicas exclusivamente teóricas (1,3). Este estágio pretende ser isso mesmo, uma oportunidade de actuar ao nível da prevenção da doença através da promoção de bons hábitos alimentares envolvendo, para isso, todos os intervenientes da vida dos jovens. Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 3

4 Objectivos Objectivo Contribuir para a melhoria dos hábitos alimentares dos alunos, envolvendo todos os intervenientes da escola e a comunidade envolvente e actuando na escola em todos os seus domínios, de forma construtiva e positiva. Objectivos específicos 1. Fazer um estudo de prevalência de sobrecarga ponderal (excesso de peso e obesidade) nos alunos da Escola Secundária de Castêlo da Maia, avaliando no mínimo 90% da amostra. 2. Acompanhar em atendimento individual os alunos sinalizados com obesidade e outros alunos que padeçam de patologia ou sintomatologia que necessite de apoio alimentar, contribuindo para a redução de 10% dos casos de obesidade dos alunos acompanhados. 3. Avaliar a oferta alimentar da escola (refeitório escolar, bar dos professores, bufete e máquinas de venda) em termos qualitativos, quantitativos e de higiene e segurança alimentar, através de auditorias, análise das ementas e alimentos/refeições disponibilizados e questionários de avaliação dos utentes, propondo em formato de relatório melhoria de todos os parâmetros. 4. Sensibilizar a comunidade escolar e a comunidade local para a importância da prática de uma alimentação saudável através da realização pelo menos 1 curso de culinária, 5 palestras, dinamização de 3 dias temáticos e realização de 1 rastreio. 5. Criar a Cozinha Experimental sendo este um espaço de exploração de conteúdos do Programa Curricular de Biologia, Física e Química e simultaneamente de exploração das características nutricionais de alimentos específicos, dinamizando pelo menos 4 sessões. Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 4

5 Descrição do Estágio O estágio insere-se no Programa de Estágios Profissionais na Administração Central e decorre na Escola Secundária do Castêlo da Maia, num período de 35 horas semanais. Tem a duração de 12 meses, havendo iniciado a 1 de Setembro de 2010 e terminando a 31 de Julho de A orientação do estágio é da responsabilidade da Dr.ª Esmeralda Pinto. LOCAL DE ESTÁGIO A Escola Secundária do Castêlo da Maia é uma das três escolas secundárias com terceiro ciclo do concelho da Maia, de regime diurno. O espaço escolar interior é constituído por seis blocos de construção idêntica, com uma área total de m 2. Inicialmente concebida para receber alunos do Ensino Secundário, entrou em funcionamento no ano lectivo de 1992/93 com 74 alunos. Posteriormente recebeu alunos do ensino básico (7º, 8º e 9º anos) por imposição superior. No ano lectivo de 2008/2009 frequentaram a escola cerca de 1055 alunos, distribuídos por 46 turmas. O estágio decorre no Clube de Saúde, Ambiente e Segurança. Este clube existe na escola desde o ano lectivo de 2005/2006 e tem por principal objectivo a promoção da saúde, ambiente e segurança na comunidade escolar e envolvente à escola. ACTIVIDADES REALIZADAS 1. Gabinete de Aconselhamento Alimentar No início do ano lectivo criou-se no Clube Saúde o Gabinete de Aconselhamento Alimentar, um espaço que alunos, docentes e não docentes podem frequentar e que consiste na avaliação do estado nutricional e no aconselhamento para a melhoria através da mudança de comportamentos alimentares (ANEXO 1). Os alunos com baixo peso, excesso de peso e obesidade, detectados no diagnóstico do estado nutricional serão encaminhados para este gabinete. Os seus familiares podem também usufruir, mediante solicitação, deste acompanhamento. O objectivo primordial será tratar o desvio ponderal e prevenir danos de Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 5

6 Efectuadas Adiadas Faltas Efectuadas Adiadas Faltas Efectuadas Adiadas Faltas Efectuadas Adiadas Faltas Efectuadas Adiadas Faltas Número de Sessões Nº alunos saúde que podem advir deste excesso ou défice, a longo prazo. Será ainda dado um reforço na melhoria do auto conceito de imagem corporal dos jovens. Desde o início do ano lectivo e até ao dia 14 de Janeiro foram realizadas 98 sessões de aconselhamento alimentar. Foram adiadas 6 sessões e registadas 30 faltas. Os utentes seguidos tinham idades compreendidas entre os 12 e os 54 anos, com uma média de idades de 21 anos. A maioria dos alunos em seguimento frequenta o ensino secundário (73%) Gráfico 1. Distribuição dos utentes em aconselhamento alimentar por ano de escolaridade. O mês que registou mais sessões foi o mês de Novembro (Gráfico 1) Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Gráfico 2. Número de sessões de aconselhamento alimentar efectuadas, adiadas e faltas por mês. Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 6

7 O mês em que se iniciaram mais seguimentos foi o mês de Novembro (Gráfico 2) Primeiras sessões de aconselhamento alimentar Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Gráfico 3.Distribuição das primeiras sessões de aconselhamento alimentar por mês. A maioria (62%) dos seguimentos devem-se à procura de aconselhamento alimentar. Apenas 2 dos 24 alunos em seguimento foram encaminhados pelo director de turma. Motivo de procura da consulta de nutrição Gráfico 4.Motivo de procura da consulta de nutrição. Maioritariamente os alunos foram seguidos com frequência semanal e, no máximo, quinzenal. Os alunos são seguidos individualmente ou em grupo (dupla de 2 amigas (os) ou um conjunto de 3 a 4 alunos). O aconselhamento apenas acontece em grupo se a avaliação revelar que tal pode ser favorável para o objectivo pretendido. Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 7

8 É preenchida uma ficha individual (ANEXO 2) para cada utente e os dados são arquivados em pasta própria. A evolução ponderal é ainda registada em formato digital, sendo efectuados gráficos de evolução discutidos com os utentes. 2. Comemoração de dias temáticos É objectivo celebrar, ao longo do ano lectivo, 3 dias temáticos: Dia Mundial da Alimentação (16 de Outubro) Dinamização de actividade no refeitório escolar e venda de pratos apelativos e saudáveis na sala dos professores (com informações sobre o valor calórico e nutricional); Dia Mundial da Água (22 de Março) Dinamização de actividade para promoção do consumo de água; Dia Mundial da Saúde (7 de Abril) - Realização de check-up de saúde para a comunidade. Para celebrar o Dia Mundial da Alimentação realizaram-se as seguintes actividades: 1. Dia 15 de Outubro (10h00-17h00): Construção da Roda dos Alimentos com os alunos no Centro de Trabalho Autónomo O jogo consistia na base da roda dos alimentos com os respectivos compartimentos delineados e os alunos tinham que atribuir um grupo de alimentos a cada compartimento e Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 8

9 colocar os alimentos destacáveis no respectivo grupo. Os alunos constituíram grupos e ganhava aquele que construísse a roda dos alimentos em menos tempo e com menos erros. 2. Dia 15 de Outubro (12h00 às 14h15): O Jogo dos Alimentos no Refeitório Escolar Exploração do Jogo dos Alimentos no Refeitório Escolar. Neste jogo eram testados os conhecimentos dos alunos, através de perguntas de escolha múltipla e verdadeiro/falso. Os alunos escolhiam uma imagem do nível 1 e respondiam à respectiva questão. Se respondessem correctamente faziam o mesmo para o nível 2 e assim sucessivamente. Quem respondesse correctamente às 5 questões ganhava um prémio simbólico. Os prémios foram cedidos pela direcção da escola e consistiam em afias, lapiseiras, cadernos de notas e borrachas. Cada resposta errada consistia numa oportunidade de explorar tema com os alunos. 3. Dia 18 de Outubro (9h00 às 17h00): alterações da ementa no bar dos professores e sensibilização Foi alterada a oferta alimentar no bar dos professores. Foram oferecidos alimentos apelativos e nutritivos, tais como: pão escuro com sementes, salmão, queijo fresco, fiambre de carnes brancas, nozes, azeitonas, oregãos e fruta variada, inseridos em sandes e saladas. Foram ainda disponibilizados batidos de fruta, espetadas de fruta e molho de iogurte para as saladas. Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 9

10 Disponibilizou-se a informação calórica e nutricional dos menus introduzidos, assim como outra informação que foi afixada no balcão do bar dos professores (ANEXO 3). 3. Sessões de esclarecimento É objectivo a execução de duas sessões de esclarecimento dirigidas a alunos, encarregados de educação, docentes e não docentes ao longo do ano lectivo. No dia 10 de Novembro de 2010, pelas 18h30, realizou-se a palestra Como poupar na Alimentação (ANEXO 4). Esta actividade teve a duração de 90 minutos e realizou-se no Auditório da Escola. Esta palestra foi organizada em parceria com a Associação de Pais e contou ainda com a colaboração das alunas do grupo da Área Projecto 12º De Alimentação a Z. As Juntas de Freguesia de Santa Maria de Avioso e de São Pedro de Avioso participaram também na divulgação do evento. Teve por objectivo sensibilizar a comunidade escolar para a prática de uma alimentação económica, sem descurar a qualidade nutricional. Os tópicos desenvolvidos foram: Evolução da Alimentação Humana Alimentos a promover e a limitar para praticar uma alimentação saudável e económica Os grupos de alimentos: como desfrutar ao máximo da sua qualidade alegrando a carteira Como fazer pão em casa Gestão de compras e de refeições Visita virtual ao supermercado. Aprenda a proteger-se das tentações. Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 10

11 Exploração do tema através de exemplos práticos. Várias foram as dicas para poupar na alimentação: fazer pão em casa, resistir às tentações no supermercado, aproveitar as sobras, etc. Foi elaborado um folheto com estas dicas que foi oferecido aos participantes (ANEXO 5). As alunas do grupo da área projecto participaram na apresentação da sessão, explorando com o público alguns exemplos práticos. 4. Serviço de Alimentação O objectivo é melhorar o serviço de alimentação da escola tornando a oferta mais apelativa, equilibrada nutricionalmente e segura. Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 11

12 O serviço de alimentação da Escola é constituído por: Bar dos alunos e dos professores Máquinas de venda de alimentos Refeitório escolar O trabalho com o Serviço de Alimentação ocorre em 3 fases: Fase 1. Diagnóstico O diagnóstico consistirá nos seguintes tópicos: Avaliação geral da oferta alimentar disponibilizada no refeitório escolar (análise das ementas, etc.) Avaliação da satisfação global dos utentes do refeitório escolar e do bar dos alunos/professores Auditoria ao refeitório escolar e bar dos alunos/professores Fase 2. Intervenção Dinamização de actividades no refeitório escolar (jogos pedagógicos, etc.) Melhorar a qualidade nutricional das ofertas do serviço de alimentação. Propor melhorias no refeitório escolar depois de efectuada a auditoria. Acompanhar o momento de refeição no refeitório escolar incentivando o consumo de sopa e salada/legumes. Propor melhoria das ementas escolares. Fase 3. Monitorização Avaliação do número de refeições vendidas no refeitório escolar. Avaliação da satisfação dos alunos com os pratos propostos. Avaliação do desperdício de alimentos, no refeitório escolar. Desde o início do ano lectivo várias foram as actividades desenvolvidas no refeitório escolar: Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 12

13 Foram realizadas avaliações à qualidade das ementas e propostas melhorias (ANEXO 6). Foi implementada no início do 2º período um plano de 8 semanas elaborado em conjunto com a direcção e aprovado pela empresa (ANEXO 7). Será avaliada a satisfação por parte dos alunos com os novos pratos sugeridos pela escola. Foram realizadas 2 auditorias ao refeitório escolar durante o 1º período. Destas melhorias foram efectuados 2 relatórios com propostas de melhorias apresentados à empresa e à DREN (ANEXO 8 e 9). Foi aplicado um questionário de satisfação global a 90 utentes do refeitório escolar (ANEXO 10). Estes questionários foram analisados no programa SPSS versão 18 e desta análise resultou um relatório apresentado à empresa e à DREN (ANEXO 11). Depois de postas em prática algumas das sugestões resultantes da primeira auditoria aplicou-se um questionário a 92 utentes do refeitório escolar, de avaliação das melhorias no serviço prestado (ANEXO 12). Estes questionários foram analisados no programa SPSS versão 18 e desta análise resultou um relatório (ANEXO 13). Fez-se um levantamento dos alimentos vendidos nas máquinas de venda de alimentos e está agendada reunião com a responsável das máquinas para sugerir melhorias na oferta alimentar. Está a efectuar-se um levantamento dos alimentos vendidos no bar dos alunos e dos professores do qual resultará um relatório a apresentar à direcção. Semanalmente à terça e quinta-feira é preenchido o registo diário de funcionamento do refeitório escolar e os alunos são incentivados na linha de distribuição a levar sopa, salada/legumes, fruta e água. Foi elaborada uma avaliação deste registo diário para apresentação à Direcção da Escola e à DREN (ANEXO 14). Em colaboração com a empresa de restauração Eurest será levado a cabo o Projecto Consumo consciente, Respeita o Ambiente. Este projecto pretende sensibilizar para a redução do desperdício alimentar. Consiste na atribuição de um vale de 10g de alimentos a todos aqueles que, no final do almoço, entreguem o tabuleiro vazio. Estes vales serão convertidos em bens alimentares, que serão oferecidos no final do ano lectivo a famílias desfavorecidas sinalizadas na escola. O projecto iniciará e estará activo na primeira semana de cada mês, a partir do mês de Fevereiro. Este projecto será apresentado em sala de aula ao 7º ano e aos directores de turma do 8º e 9º ano, de modo a que possam passar palavra aos alunos. Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 13

14 Duas alunas com fenilcetonúria frequentam o refeitório escolar. Desde o início do ano que se articula com o refeitório escolar o que servir quando as alunas almoçam na escola. Foi ainda definida a ementa a servir às alunas em conjunto com as alunas e encarregados de educação, com a nutricionista que a segue no Instituto de Genética Médica, com a Direcção e com a empresa Eurest (ANEXO 15). 5. Avaliação do estado nutricional dos alunos Tem sido organizado desde o início do ano, em conjunto com um grupo da área projecto, o projecto de avaliação da composição corporal. Este projecto consiste na avaliação de peso, altura, perímetro de cintura e aplicação de um breve questionário de avaliação dos hábitos de vida ais alunos da escola. Aguarda-se, neste momento, a autorização dos encarregados de educação para que se possa proceder à avaliação dos alunos 6. Horta Pedagógica Esta actividade consiste no cultivo de árvores, hortícolas e ervas aromáticas nos espaços verdes da escola. Será realizada no mês de Março. Neste sentido colabora-se na organização dos cursos de compostagem da Lipor, a realizar na escola. Foram já recolhidas as inscrições para que se possam agendar os cursos. 7. Projecto A Jogar e a Conhecer, 5 ao dia vamos comer Este projecto foi elaborado com a Enfermeira Manuela Rodrigues do Centro de Saúde do Castêlo da Maia e com o Professor de Educação Física, Eduardo Silva. Tem como público-alvo os alunos do 7º ano e decorrerá em 2 sessões de 45 minutos e 3 de 90 minutos, para cada turma (ANEXO 16). Tem por objectivo a promoção do consumo de 5 porções diárias de fruta e hortícolas. Vários estudos comprovam o efeito do consumo de 5 porções diárias de hortofrutícolas (cerca de 400g) na prevenção de doenças crónicas, como a obesidade e a diabetes. O adequado consumo deste grupo de alimentos traz impacto positivo na saúde uma vez que contribui para a redução do consumo de alimentos ricos em açúcar, gordura e sal e para o aporte Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 14

15 de vitaminas, minerais e fibras, essenciais para o pleno funcionamento do organismo. Este projecto promove ainda a prática de actividade física e a higiene oral. Serão avaliados os hábitos de vida dos alunos e de dois familiares directos, através de questionários, na primeira e última sessão e 3 meses após a aplicação do projecto (anexo 17). Será ainda avaliado o seu estado nutricional. Para proceder a estas avaliações foi pedida autorização aos encarregados de educação. Os dados dos questionários estão a ser introduzidos no programa SPSS, para posterior análise e realização de artigo científico. 8. I Fórum Promoção da Saúde na Escola Está a organizar-se o I Fórum Promoção da Saúde na Escola que terá por objectivo a partilha de experiências na área da Promoção da Saúde entre profissionais de diferentes ramos. Este evento ocorrerá no dia 20 de Maio de 2011 no auditório da Escola Secundária do Castêlo da Maia. Terá como público-alvo profissionais da área da Educação, Saúde e Educação Física (professores, enfermeiros, nutricionistas, profissionais da área da Educação Física, etc.) e serão esperados cerca de 100 participantes. Neste momento, esperam-se as confirmações de alguns palestrantes. Prevê-se confirmar o programa até ao final do mês de Fevereiro, de modo a iniciar a divulgação no mês de Março (ANEXO 18). A Associação de Pais é parceira na organização do evento e contribuirá com a oferta de alguns materiais aos inscritos. 9. Check-up de Saúde Este check-up a realizar no Dia Mundial da Saúde, dia 7 de Abril, será aberto à comunidade escolar e à comunidade envolvente à escola (ANEXO 19). Realizar-se-á nas instalações da escola e decorrerá em parceria com diferentes entidades: centro de saúde, farmácia, faculdades, Juntas de Freguesia e Associação de Pais. O objectivo será avaliar peso, altura, índice de massa corporal e massa gorda, colesterol, glicemia, densitometria óssea e tensão arterial dos participantes. A participação decorre mediante inscrição. Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 15

16 10. Curso de Culinária Está a organizar-se um curso de culinária, a realizar no mês de Maio (ANEXO 20). Este curso terá a duração de 3 horas, realizar-se-á ao sábado e vários serão os tópicos a explorar: cozinhar em microondas, receitas saborosas sem adição de sal, etc. Este curso será aberto para a comunidade escolar e envolvente e terá o custo de 10 euros. Está a ser organizado em parceria com a Associação de Pais. 11. Apoio aos alunos da área projecto Todas as sextas-feiras de manhã é dado apoio aos 3 grupos da área projecto. É dado auxílio a estes grupos: Na definição das actividades a desenvolver Na construção de materiais para a execução das actividades Na revisão técnica das actividades/acções/materiais desenvolvidos. PARCERIAS Para o sucesso de algumas das actividades realizadas foi fundamental o apoio da Associação de Pais, que desde logo se prestou a colaborar. Foram ainda estabelecidas outras parcerias, como com a Juntas de Freguesia da Barca, de São Pedro de Avioso e de Santa Maria de Avioso e com a farmácia do Castêlo da Maia. Conclusão O estágio tem sido bastante enriquecedor uma vez que tem permitido actuar ao nível da prevenção da doença, através do envolvimento em actividades de diferentes naturezas. Por um lado permite uma actuação a nível individual, no gabinete de aconselhamento alimentar, e simultaneamente uma abordagem comunitária, através da realização de cursos, palestras, rastreio, etc. Permite a compilação e análise de informação para posterior realização de trabalho de investigação. Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 16

17 A inserção no Clube de Saúde, Ambiente e Segurança tem sido muito positiva pois permite a colaboração em diferentes actividades, com professores de áreas distintas, que se tem revelado bastante prestáveis, sendo de salientar o crucial apoio do Professor Eduardo Silva e da Professora Manuela Azevedo. A colaboração da enfermeira Manuela Rodrigues do Centro de Saúde do Castêlo da Maia foi ainda preciosa para a execução de diversas actividades. Todas estas experiências são apenas possíveis graças ao apoio da Direcção da Escola e da orientadora Esmeralda Pinto que tem apoiado e orientado todas as actividades com grande dedicação. Bibliografia 1. Vargas VS, Lobato RC. O desenvolvimento de práticas alimentares saudáveis: uma estratégia de educação nutricional no ensino fundamental. Vita et Sanitas. 2007; 1(01): U.S. Department of Health and Human Services, Public Health Service. Guidelines for School Health Programs to Promote Lifelong Healthy Eating [Internet]. Georgia; [citado em: 2008 Nov]. Disponível em: 3. Roblin L. Childhood obesity: Food, nutrient, and eating-habit trends and influences. Applied Physiology, Nutrition and Metabolism. 2007; 32(4): Relatório Intermédio de Estágio Lisa Afonso 17

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa.

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa. Administração Regional de Saúde do Alentejo, IP Centro de Saúde de Montemor-o-Novo Crescer Saudável O Programa de Educação para a Saúde Crescer Saudável surge no âmbito do Programa Nacional de Saúde r

Leia mais

Hábitos saudáveis na creche

Hábitos saudáveis na creche 11 Hábitos saudáveis na creche Elvira Bezerra Pessoa: elvirabe@gmail.com Patrícia Edióne da Silva Graduada edionne.jp@hotmail.com Adeilson Paulino de Barros UEPB 1.INTRODUÇÃO No Brasil o atendimento á

Leia mais

Plano Anual Saúde Escolar

Plano Anual Saúde Escolar Escola Básica e Secundária de Velas Plano Anual Saúde Escolar 2015- Equipa de Saúde Escolar INTRODUÇÃO A Escola Básica e Secundária de Velas, através da Equipa de Saúde Escolar e conjuntamente com o Centro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2008/2009 ANEXO III 2008/2009

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2008/2009 ANEXO III 2008/2009 Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2008/2009 ANEXO III 2008/2009 ÍNDICE Pág. INTRODUÇÃO........ 3 OBJECTIVOS........ 4 ACTIVIDADES/ESTRATÉGIAS...... 4 MATERIAL........ 5 RECURSOS HUMANOS.......

Leia mais

GABINETE DE SAÚDE E CONDIÇÃO FÍSICA

GABINETE DE SAÚDE E CONDIÇÃO FÍSICA GABINETE DE SAÚDE E CONDIÇÃO FÍSICA 1 O problema do sedentarismo não reside nos jovens, mas sim nos diferentes sistemas e subsistemas que enquadram a sua formação e desenvolvimento e influenciam a família.

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Preâmbulo No âmbito dos novos desafios, exigências e problemas que se colocam às universidades nacionais e internacionais e aos

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

SubProjecto. Educação para a Saúde Escola ConVida

SubProjecto. Educação para a Saúde Escola ConVida SubProjecto Educação para a Saúde Escola ConVida Ano lectivo 2008/2009 Preâmbulo Nos últimos anos, a escola EB 2, 3 da Maia tem vindo a realizar um trabalho interventivo no âmbito da Educação para Saúde,

Leia mais

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3 ÍNDICE: 1. Introdução. 1 2. CONTEXTUALIZAÇÃO - Caracterização do meio 2 - Caracterização do espaço ATL... 2 3. Grupo - Caracterização do grupo. 3 - Caracterização da equipa/horário. 3 4. OBJETIVOS: - Objetivos

Leia mais

PROJECTO ESCOLA ACTIVA

PROJECTO ESCOLA ACTIVA PROJECTO ESCOLA ACTIVA INTRODUÇÃO A obesidade infantil tornou-se, desde os princípios dos anos 80 a doença nutricional pediátrica mais prevalente a nível mundial, não atingindo apenas os países desenvolvidos

Leia mais

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA O FAZ DE CONTA PROJETO ANUAL DA LUDOTECA ANO LECTIVO 2014/2015 Inês Matos ÍNDICE I- INTRODUÇÃO 3 II- PROJETOS 5 2.1. Semana da Alimentação 4 2.2. Formação Técnica 6 2.3. Acompanhamento às famílias 6 2.4.

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

AÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NA PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS ENTRE ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA ARTICULAÇÃO COM A ESCOLA

AÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NA PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS ENTRE ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA ARTICULAÇÃO COM A ESCOLA AÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NA PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS ENTRE ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA ARTICULAÇÃO COM A ESCOLA Margareth Machado e Silva Sousa (1), Maria Rizoneide Araújo Belarmino

Leia mais

PROC. Nº 0838/06 PLL Nº 029/06 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 0838/06 PLL Nº 029/06 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A obesidade é uma das patologias nutricionais que mais tem apresentado aumento em seus números, não apenas nos países ricos, mas também nos países industrializados. Nos últimos anos,

Leia mais

Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas nº 05/2013 Assunto: - Processo de Ingresso Pronatec-Tec/RS e Idiomas 02/2013

Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas nº 05/2013 Assunto: - Processo de Ingresso Pronatec-Tec/RS e Idiomas 02/2013 Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas nº 05/2013 Assunto: - Processo de Ingresso Pronatec-Tec/RS e Idiomas 02/2013 1- Encontros de Formação Regional de Gestores Locais Pronatec Tec e Idiomas nas CREs

Leia mais

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 2009/2010 Índice ÍNDICE... 1 1. IDENTIFICAÇÃO... 2 2. FUNDAMENTAÇÃO... 2 3. FINALIDADES/OBJECTIVOS... 3 4. ESTRATÉGIA OPERATIVA/METODOLOGIA... 3 4.1. PÚBLICO-ALVO... 3 4.2.

Leia mais

PROJECTO CURRICULAR 1

PROJECTO CURRICULAR 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI GONÇALO DE AZEVEDO PROJECTO CURRICULAR 1 Documento de orientação e organização pedagógica para o ano letivo 2013/14 Aprovado em Conselho Pedagógico 3 Julho 2013 1 O Projecto

Leia mais

Plano Anual de Actividades

Plano Anual de Actividades 2016 2016 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Actividades Resposta Social: Centro Comunitário Porto, 2016 1. INTRODUÇÃO O presente plano tem como objectivo definir e delinear estratégias

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para

Leia mais

Planificação das Atividades do Projeto de Educação para a Saúde

Planificação das Atividades do Projeto de Educação para a Saúde Planificação das Atividades do Projeto de Educação para a Saúde 1 - Educação Alimentar gerais - Ausência do hábito de tomar o pequenoalmoço. - Consequências de uma alimentação desequilibrada. - Sensibilizar

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias RELATÓRIO FINAL Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias Introdução Pontos Conteúdos Explicação dos objetivos do

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto Planeamento Familiar e Educação Afectivo-sexual No quadro normativo nacional, aplicável à Região Autónoma

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE UM MODELO INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E DO DESEMPENHO DE EDUCADORES E DOCENTES DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Exposição de motivos A avaliação

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia BOMBARRAL. Regulamento Interno Centro de Recursos de Ajudas Técnicas

Santa Casa da Misericórdia BOMBARRAL. Regulamento Interno Centro de Recursos de Ajudas Técnicas Santa Casa da Misericórdia BOMBARRAL Regulamento Interno Centro de Recursos de Ajudas Técnicas CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1 º CENTRO DE Recursos DE AJUDAS TÉCNICAS O Centro de Recursos de Ajudas

Leia mais

Projecto Educação Para a Saúde

Projecto Educação Para a Saúde AGRUPAMENTO VERTICAL FERNANDO CASIMIRO Escola Básica Integrada Fernando Casimiro Introdução Projecto Educação Para a Saúde No seguimento do Ofício-Circular nº 69 de 20 de Outubro de 2006 procedente do

Leia mais

Atividades do Projeto Educação para a Saúde

Atividades do Projeto Educação para a Saúde Atividades do Projeto Educação para a Saúde A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera que a saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, não consistindo somente numa ausência de

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Cria o Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Exposição de motivos A Escola defronta-se hoje com uma multiplicidade de tarefas a que a sociedade e principalmente

Leia mais

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA Instituição Particular de Solidariedade Social Pessoa Colectiva de Utilidade Pública Fundada a 8 de Agosto de 1995 FUNDAÇÃO A ideia nasce através de um grupo de amigos

Leia mais

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento Enquadramento Lei nº 39/2010, de 2 de Setembro «CAPÍTULO VI Mérito escolar Artigo 51.º -A Prémios de mérito 1 Para efeitos do disposto na alínea h) do artigo 13.º, o regulamento interno pode prever prémios

Leia mais

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL REGULAMENTO INTERNO CENTRO SOCIAL DA PARÓQUIA DE MIRAGAIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I (Objeto) O Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental,

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável ANO LECTIVO 2010/2011 Alimentação Saudável Turma: 8º A Elaborado por: Adriana nº1, Carolina Pereira nº8 e Cátia nº10 Disciplina: Área de Projecto e Formação Cívica Professores: Eurico Caetano e Helena

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº. 2 alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação ESCOLA SECUNDÁRIA DAS LARANJEIRAS Proposta de PLANO DE TRABALHO Do Serviço de Psicologia e Orientação A Psicóloga: Sara Quaresma ANO LECTIVO 2010/2011 PLANO DE TRABALHO Ao longo deste ano lectivo serão

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CAT

REGULAMENTO INTERNO DO CAT REGULAMENTO MISERICÓRDIA DA FREGUESIA DE SANGALHOS INTERNO DO CAT CAPITULO I Norma I Natureza do Estabelecimento Tipo de Estabelecimento: Centro de Acolhimento Temporário de Crianças e Jovens em Risco

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

Comer bem, Viver melhor

Comer bem, Viver melhor Unidade Cuidados Comunidade ACES Gondomar Comer bem, Viver melhor Enf.º José Lima josebarbosalima@gmail.com 01-02-2011 01-02-2011 ACeS GRANDE PORTO II GONDOMAR UCC INOVAR Início de Funções 1 de fevereiro

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira Regimento ÂMBITO A lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b) a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

Avanços profundos na área da Medicina e da Qualidade de Vida conduziu a um relevante aumento do número de indivíduos com idade superior a 65 anos (considerados idosos e já agrupados em distintos escalões)

Leia mais

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC www.estagiostic.gov.pt 1 Índice 1 Introdução 3 1.1 Programa de Estágios TIC 3 1.2 Objectivo da plataforma 3 1.3 Perfis 4 1.3.1 Escola 4 1.3.2 Empresa 4 1.3.3

Leia mais

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS ESTATUTO DO ALUNO DIREITOS E DEVERES - LEI 39/2010, DE 2 DE SETEMBRO Artigo 7.º Responsabilidade dos alunos 1. Os alunos são responsáveis, em termos adequados à sua idade e capacidade de discernimento,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Administração Regional de Saúde d Agrupamento de Centros de Saúde XXXXXXXX REGULAMENTO INTERNO Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Localidade Mês / Ano Índice Introdução... 3 Capítulo I: Disposições

Leia mais

Um projecto voltado para o futuro

Um projecto voltado para o futuro Enriquecimento Curricular Évora, 8 de Maio de 2009 Um projecto voltado para o futuro Educação para a Cidadania Projecto pioneiro Câmara Municipal de Évora entidade promotora do Programa de Actividades

Leia mais

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA PLANO TEIP 2014-2015 AÇÕES (a vermelho, ações propostas, mas que, por motivos de vária ordem, não é possível dinamizar, na totalidade ou nos s ou turmas referidos)

Leia mais

http://www.aege.pt/avaliacao/lists/avaliar%20plano%20de%20actividades%201%2...

http://www.aege.pt/avaliacao/lists/avaliar%20plano%20de%20actividades%201%2... Page 1 of 17 Documentos e listas Criar Definições do site Ajuda Até AEGE Autoavaliação Avaliar Plano de Actividades 1.º Per - 2010-2011 Seleccione uma vista Descrição geral Resumo gráfico Todas as respostas

Leia mais

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA )

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Preâmbulo O regulamento da Universidade Sénior de Almada (USALMA) foi aprovado pela Associação de Professores do Concelho de Almada (APCA) em reunião

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento Normas Orientadoras BAIRRO Co-financiamento Índice Capítulo I - Âmbito...1 Artigo 1.º - Objecto...1 Artigo 2.º - Definições...1 Artigo 3º - Apelos Bairro 21...1 Artigo 4.º - Objectivos dos Apelos Bairro

Leia mais

Centro de Atendimento Nutricional - CAN

Centro de Atendimento Nutricional - CAN FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS FACULDADES INTEGRADAS DO SUDOESTE MINEIRO CURSO DE NUTRIÇÃO Centro de Atendimento Nutricional - CAN Núcleo de Apoio à Criança com Obesidade NACO Responsável: Profª

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011. A Coordenadora: Maria José Castro Inácio. Ano Lectivo 201o/2011 1

Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011. A Coordenadora: Maria José Castro Inácio. Ano Lectivo 201o/2011 1 Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011 A Coordenadora: Maria José Castro Inácio Ano Lectivo 201o/2011 1 Pode não passar de uma banalidade de senso comum, mas nem por isso é menos

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola Projeto Educativo de Escola Professor 2012-2016 Índice 1. Identificação 02 2. Introdução 03 3. Princípios... 04 4. Valores.. 06 5. Objetivos Metas Estratégias... 07 6. Avaliação 11 7. Bibliografia 12 8.

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ ESCOLAR E DO SERVIÇO DE REFEIÇÕES NO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO, DE GESTÃO DIRECTA DO MUNICÍPIO DE LEIRIA Aprovado em reunião de Câmara a 30

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

16-31 OUTUBRO 2008 MADEIRA

16-31 OUTUBRO 2008 MADEIRA OLGA RORIZ - INTRODUÇÃO AO PRINCÍPIO DAS COISAS por Rui Simões PÁG. 10 16-31 OUTUBRO 2008 EXPOSIÇÃO 3 13 EDITORIAL O equilíbrio é o tema central da Agenda da Fnac Madeira para esta segunda quinzena de

Leia mais

Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus

Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus Projecto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde Equipa Coordenadora: Dr.ª Leonor

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

CONCURSO. A nossa escola pela não violência

CONCURSO. A nossa escola pela não violência CONCURSO A nossa escola pela não violência O concurso A nossa escola pela não violência pretende premiar produtos e acções de sensibilização produzidos por alunos e alunas do 3º Ciclo do Ensino Básico

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

JOVENS PROMOTORES DE SAÚDE

JOVENS PROMOTORES DE SAÚDE AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO JOVENS PROMOTORES DE SAÚDE Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz e Fernanda Cunha Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivos Gerais e Específicos

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Plano de Acção 2009/2010 Planificação e calendarização das actividades

Plano de Acção 2009/2010 Planificação e calendarização das actividades Recursos Intervenientes Calendarização Água Resíduos Energia Transport es Ruído Espaços Exteriores Agricultur a Biológica Biodiversi dade Plano de Acção 2009/2010 Planificação e calendarização das actividades

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013 RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO DO PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES RELATIVO A 2012/2013 1 - Enquadramento O presente relatório tem enquadramento legal no artigo 13.º alínea f, do Decreto -Lei nº 75/2008, de 22

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra. Regulamento Interno PREÂMBULO

Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra. Regulamento Interno PREÂMBULO Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra Regulamento Interno PREÂMBULO A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo (Lei n.º147/99 de 1 de Setembro) regula a criação, competência

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO Introdução O Centro para a Qualificação e Ensino Profissional (CQEP) do Agrupamento de Escolas nº1 de Gondomar encontra-se sedeado na Escola-sede do Agrupamento, a Escola Secundária

Leia mais

PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS

PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS RESUMO Maria Márcia Melo de Castro Martins 1 Leandra Fernandes Nascimento 2 Maria Gorete de Gois 3

Leia mais

Relatório de Actividades no Agrupamento de Escolas de Arraiolos Ano lectivo 2007-2008 Projecto ParticipAR Inovação para a inclusão em Arraiolos

Relatório de Actividades no Agrupamento de Escolas de Arraiolos Ano lectivo 2007-2008 Projecto ParticipAR Inovação para a inclusão em Arraiolos Relatório de Actividades no Agrupamento de Escolas de Arraiolos Ano lectivo 2007-2008 Projecto ParticipAR Inovação para a inclusão em Arraiolos Arraiolos Outubro 2008 Introdução O presente documento apresenta

Leia mais