PLANO DO SECTOR DE TURISMO RELATÓRIO FINAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DO SECTOR DE TURISMO RELATÓRIO FINAL"

Transcrição

1 PLANO DIRECTOR DO DESENVOLVIMENTO DA INFRA- ESTRUTURA REGIONAL DA SADC PLANO DO SECTOR DE TURISMO RELATÓRIO FINAL Novembro de 2012 Versão Final

2 ÍNDICE Lista de Tabelas Lista de Figuras Lista de Anexos Abreviações 6 SUMÁRIO EXECUTIVO 7 1. INTRODUÇÃO Propósito Sectorial e Objectivos Propósito Objectivos Políticas/Base Legal Orientando o Sector Plano Estratégico Indicativo de Desenvolvimento Regional (RISDP) Protocolos, Outros Documentos e Estatutos ANÁLISE DA SITUAÇÃO Tendências do Turismo Tendências Globais Tendências Africanas Tendências da SADC Áreas de Conservação Transfronteiriças Ambiente Propício e Arranjos Institucionais Internacional Cooperação Regional (políticas, estratégias e planos) Estados Membros Previsões e Tendências até Impulsionadores Importantes do Crescimento do Turismo durante o Período de Previsão Avaliação GAP (distância entre onde estamos e queremos chegar) Situação Actual Requisitos para ESTRUTURA ESTRATÉGICA Estratégias para Resolver o Hiato e os Resultados Esperados até Significado do Sector e as Metas Prioritárias Estrutura de Políticas e Regulamentos Arranjos Institucionais Projectos e Intervenções Ligações aos outros sectores de infra- estrutura Riscos e Pressupostos 40 1

3 3.3.1 Riscos Pressupostos Preparação para as Tendências Futuras do Sector (além de 2027) Mudanças na Ordem Económica Mundial Mudanças Demográficas Globais Procura de Experiências de Auto- realização Desenvolvimentos nas TIC e Inovações Procura da Conservação e Preservação do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO Plano de Acção Projectos Prioritários, Requisitos de Recursos e Prazos Estruturados Modalidades de Implementação Factores críticos relativos à implementação bem sucedida Vontade política dos Estados Membros em continuar a cooperar no programa Instabilidade política na região Fluxos benéficos do programa para as comunidades locais Sustentabilidade financeira do programa Melhoria da economia global CONCLUSÃO CAMINHO PARA O FUTURO REFERÊNCIAS 56 2

4 LISTA DE TABELAS Comunidade de Desenvolvimento da África Austral Tabela 1: Participação do Mercado da SADC nas Entradas de Turistas Tabela 2: Contribuição Económica do Turismo nas Economias da África Austral (2010) 16 Tabela 3: TFCA existentes e potenciais na região da SADC 19 Tabela 4: Ligações do Sector de Turismo aos outros Sectores de Infra-estruturas 39 Tabela 5: Classificação global dos países em termos do PIB em relação ao período 2020 e para além. 42 Tabela 6: Despesas pelos Mercados de Origem no Turismo Internacional Tabela 7: Projectos Planeados de Infra-estrutura Física 46 Tabela 8: Prioridade da harmonização de políticas e projectos de elaboração de estratégias 46 Tabela 9: Marcos e Etapas Principais relativos ao período até Tabela 10: Mecanismos de Monitorização para os Projectos das TFCA durante o período até

5 LISTA DE FIGURAS Comunidade de Desenvolvimento da África Austral Figura 1: entradas internacionais de turistas e receitas internacionais de turistas Figura 2: Localização das TFCA na SADC 18 Figura 3: Entradas de Turistas e Previsão até Figura 4. Organograma Proposto para a Direcção de I&S 36 Figura 5. Organograma Proposto para a RETOSA 37 4

6 LISTA DE ANEXOS Comunidade de Desenvolvimento da África Austral Anexo 1: Projectos de Infra- estrutura do Sector 57 Anexo 2: Projectos de Produtos de Turismos 72 5

7 ABREVIATURAS E ACRÓNIMOS ARTP BRICS BSA CBT CITIES COMESA CRS CREST DBSA DEA EAC ECOWAS EU FANR FDI FTA GDP GDS GHG GLTP GMTFCA I&S ICP IDP KAZA MDG MoU NCA NGO OUZIT PIDA PPP RETOSA RIDMP RSIDP SADC SDI S- M TFCA TFCA ToR UNCCD UNFCC UNWTO WHS WTTC WWF YD ZAWA ZIMOZA Parque Transfronteiriço de /Ai/Ais Richertsveld Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul Boundless Southern Africa Turismo com Base na Comunidade Convenção sobre Comércio Internacional em Espécies em Perigo de Extinção Mercado Comum da África Oriental e Austral Sistema Central de Reservas Centro de Viagens Responsáveis Banco de Desenvolvimento da África Austral Departamento de Assuntos Ambientais Comunidade da África Oriental Comunidade Económica dos Estados Africanos do Ocidente União Europeia Direcção de Alimentos, Agricultura e Recursos Naturais Investimento Directo do Estrangeiro Zona de Comércio Livre Produto Interno Bruto (PIB) Sistema de Distribuição Global Gás de Estufa Parque Transfronteiriço do Grande Limpopo Área de Conservação Transfronteiriça do Grande Mapungubwe Infra- estrutura e Serviços Parceiros Internacionais de Cooperação Planos de Desenvolvimento Integrado Área de Conservação Transfronteiriça Kavango Zambeze Objectivos de Desenvolvimento do Milénio Memorando de Entendimento (MdE) Agência Nacional de Coordenação Organizações Não- Governamentais (ONG) Iniciativa de Turismo Internacional do Okavango Alto Zambezi Programa de Desenvolvimento de Infra- estruturas em África Parcerias Públicas- Privadas Organização Regional de Turismo da África Austral Plano Director de Desenvolvimento das Infra- estruturas Regional Plano Regional Indicativo de Desenvolvimento Regional Comunidade de Desenvolvimento da África Austral Iniciativa de Desenvolvimento Espacial Songimvelo- Malolotja Áreas de Conservação Transfronteiriça Áreas de Conservação Transfronteiriças Termos de Referência (TdR) Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Convenção de Estrutura das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Organização Mundial de Turismo das Nações Unidas (OMT) Sítio de Património Mundial Conselho Mundial de Viagens e Turismo World Life Fund Decisão de Yamoussoukro Autoridade Zambiana de Vida Selvagem Zimbabué, Moçambique, Zâmbia 6

8 SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Comunidade de Desenvolvimento da África Austral O capítulo sobre o sector de turismo tem como finalidade definir o plano integrado para o desenvolvimento sustentável das Áreas de Conservação Transfronteiriças (TFCA) na região da SADC relativo ao período até O desenvolvimento das TFCA, como um instrumento para a conservação da biodiversidade e a emancipação económica das comunidades rurais através do turismo, é destacado como uma intervenção prioritária no Plano Estratégico Indicativo de Desenvolvimento Regional (RISDP) ANÁLISE DA SITUAÇÃO Tendências Internacionais de Turismo As entradas de turistas internacionais aumentaram de 882 milhões em 2009 para 940 milhões em 2010 e atingiu 980 milhões em As receitas do turismo melhoraram de EUA$ 852 biliões em 2009 para EUA$ 940 biliões em 2010 (Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas (UNWTO), 2012). A Organização Mundial do Turismo (OMT) prevê um aumento de 3% para o sector em 2012 e espera que as chegadas de turistas internacionais alcancem um bilião. As tendências no mercado do turismo indicam uma mudança do turismo em massa à procura do sol, mar e praia, para umas férias mais individuais, responsáveis e repletas de experiências. Os turistas são orientados por valores éticos associados à responsabilidade social, cultural e ambiental nos destinos visitados e nos produtos utilizados. Além disso, o crescimento nos diferentes segmentos do mercado do sector é influenciado pela procura de experiências autênticas pelo consumidor Tendências de Turismo Africano As entradas de turistas no continente africano aumentaram de 46 milhões em 2009 para 49,8 milhões em Registou- se o maior crescimento na região Subsariana com um aumento de 14% face ao período homólogo. O total das chegadas de turistas à região da SADC ascendeu de 20,5 milhões em 2009 para 21,5 milhões em 2010 (Relatório Anual da RETOSA ). Áreas de Conservação Transfronteiriças A região da SADC adoptou as TFCA como uma opção de desenvolvimento. A gestão transfronteiriça dos recursos naturais tem o potencial de realçar a conservação da biodiversidade, melhorar os sustentos das comunidades locais e, simultaneamente, tornar a região num destino importante do turismo verde. Considerando que as TFCA abarcam as fronteiras nacionais, o seu desenvolvimento é um impulsionador principal rumo à integração regional. Estratégias Regionais de Cooperação As estratégias e os planos regionais actuais relativos ao desenvolvimento das TFCA são constituídas por: Estratégias de infra- estruturas e desenvolvimento do produto; 7

9 Estratégias de marketing e promoção; e Estratégias de desenvolvimento institucional. Tendências das Entradas de Turistas relativas ao período até 2027 Utilizando os dados da previsão da Visão 2020 da OMT, a previsão indicativa apresentada no projecto de relatório da RETOSA sobre o estudo de Desenvolvimento do Crescimento do Turismo e as tendências recentes nas entradas internacionais de turistas, a perspectiva para 2027 é a seguinte: Perspectivas das Tendências de Entradas de Turistas: (milhões) Ano Mundo África SADC 21, World Africa SADC O crescimento do turismo na região no período em consideração será impulsionado por factores endógenos e exógenos. Avaliação GAP (distância entre onde estamos e queremos chegar) Desde o estabelecimento da primeira TFCA em 2000, as TFCA têm sido operadas como projectos individuais geridos pelos países vinculados pelo Tratado/MoU que as estabeleceu. Para a região implementar com êxito o programa das TFCA durante o período do plano, será necessário adoptar uma visão, missão e objectivos comuns. 8

10 ESTRUTURA ESTRATÉGICA Projectos e Intervenções: Os projectos do sector são compostos de: Projectos de infra- estruturas materiais: estradas, aeroportos, electricidade, instalações de TIC, etc; Projectos Materiais de Turismo hotéis e unidades de hotelaria, estâncias, instalações turísticas, etc.; Estratégias de marketing e promoção; Harmonização das Políticas e Estruturas Legais; Arranjos Institucionais. Riscos e Pressupostos O plano que visa desenvolver o turismo sustentável nas TFCA provavelmente enfrentará vários riscos durante o período sob análise. Os resultados previstos do plano baseiam- se sobre certos pressupostos, como por exemplo, que a boa vontade política actual entre os Estados Membros continuará durante o período sob análise. IMPLEMENTAÇÃO Os projectos do sector a serem implementados durante o período do plano estão divididos em três grupos: Projectos de infra- estruturas materiais; Harmonização das políticas e projectos de desenvolvimento de estratégias; e Projectos de produtos de turismo. A implementação com êxito do programa das TFCA na região depende de vários factores críticos, entre os quais os mais importantes são: A vontade política entre os Estados Membros em continuarem a cooperar no programa; A estabilidade política da região; A implementação do sistema UNIVISA; A protecção e a segurança dos turistas; Os fluxos benéficos para as comunidades locais do programa; A sustentabilidade financeira do programa; e A melhoria na economia mundial. 9

11 1. INTRODUÇÃO Comunidade de Desenvolvimento da África Austral 1.1 Propósito Sectorial e Objectivos Propósito O capítulo sobre o sector de turismo tem como finalidade expor o plano integrado para o desenvolvimento sustentável das Áreas de Conservação Transfronteiriças (TFCA), que são os impulsionadores principais da conservação da biodiversidade transfronteiriça, e da melhoria dos sustentos rurais através do turismo baseado na comunidade. As TFCA devem incentivar o investimento do sector privado nas áreas rurais, e a promoção da integração regional durante o período até O Protocolo sobre a Conservação da Vida Selvagem e a Aplicação da Lei de 1999 define as TFCA como a área ou o componente de uma região ecológica extensiva que abrange as fronteiras de dois ou mais países, incorporando uma ou mais áreas protegidas, assim como áreas de utilização de múltiplos recursos Objectivos O capítulo sobre o Turismo tem por objectivo: Analisar a situação actual do desenvolvimento do turismo a nível internacional, continental e regional; Rever a natureza e as características de desenvolvimento das Áreas de Conservação Transfronteiriças na região; Realçar as ligações transversais sobre as políticas e os regulamentos que regem a implementação das TFCA; Destacar o tipo e a escala dos projectos infra- estruturais a serem desenvolvidos nas TFCA; Sublinhar a necessidade do desenvolvimento infra- estrutural turístico tomando em consideração as mudanças climáticas e o seu impacto a longo prazo sobre a sustentabilidade do sector; Estabelecer uma visão comum para o desenvolvimento das TFCA na região; Promover campanhas de sensibilização sobre a necessidade de inserir o turismo nas estruturas regionais e nacionais e nas estratégias de desenvolvimento; Delinear a contribuição do sector do turismo em geral e do programa das TFCA/Locais de Património Mundial (WHS) o programa das Ilhas (Baunilha) do Oceano Índico em atingir as metas e os objectivos do Plano Estratégico Indicativo de Desenvolvimento Regional (RSIDP) durante o período até 2027; Posicionar o turismo como um pilar económico importante na agenda de desenvolvimento e integração da região da SADC; Desenvolver uma estrutura estratégica relativa às TFCA/ Locais de Património Mundial/Rotas Turísticas Transnacionais (TTR) e ao programa das Ilhas da Baunilha durante o período até 2027; e Delinear o plano de acção a ser seguido nas TFCA/ Locais de Património Mundial / Rotas 10

12 Turísticas Transnacionais (TTR) e no programa das Ilhas da Baunilha durante o período até Políticas/Base Legal Orientando o Sector Plano Estratégico Indicativo de Desenvolvimento Regional (RISDP) O desenvolvimento das TFCA, como um instrumento para a conservação da biodiversidade e a emancipação económica das comunidades rurais através do turismo, é destacado como uma intervenção prioritária no RISDP. O objectivo geral da intervenção ambiental é a seguinte: Assegurar a utilização equitativa e sustentável do meio ambiente e dos recursos naturais em prol das gerações presentes e vindouras (RISDP- 4). A secção relativa ao turismo realça a necessidade de: Encorajar o desenvolvimento das Áreas de Conservação Transfronteiriças (TFCA) da SADC e as Iniciativas de Desenvolvimento Espacial (IDE) baseadas no turismo, como variedades de produtos turísticos. A relação simbiótica entre o desenvolvimento do turismo e o desenvolvimento das TFCA é ainda sublinhado no documento, onde se afirma que a região deve utilizar o turismo como um instrumento para alcançar o desenvolvimento socioeconómico sustentável, erradicar a pobreza e como um incentivo importante para a conservação e utilização dos recursos naturais da região (SADC, 2001:87) Protocolos, Outros Documentos e Estatutos O desenvolvimento das Áreas de Conservação Transfronteiriças é regido e orientado pelo Protocolo sobre a Vida Selvagem e a Aplicação da Lei (1999) que foi ratificado em Um dos objectivos do protocolo é: Promover a conservação dos recursos de vida selvagem partilhada através do estabelecimento das Áreas de Conservação Transfronteiriças (Artigo 40, 2 (f)). O Protocolo define a Área de Conservação Transfronteiriça do seguinte modo: Uma área ou um componente de uma região ecológica extensiva que abrange as fronteiras de dois ou mais países, incorporando uma ou mais áreas protegidas, assim como áreas de utilização de múltiplos recursos. Todavia, considerando a natureza transversal do programa das TFCA, existem outros instrumentos regulamentares que têm um impacto directo e indirecto sobre a implementação com sucesso da iniciativa. Estes incluem os seguintes: Protocolo sobre os Recursos Florestais (2002) que visa promover o desenvolvimento, a conservação, a gestão e a utilização sustentável dos diferentes tipos de florestas. O protocolo promove o desenvolvimento do ecoturismo no âmbito das TFCA. Protocolo sobre os Recursos Hídricos Partilhados (2002) destina- se à promoção de maior cooperação em relação à gestão, protecção, e utilização sustentável e coordenada dos cursos 11

13 hídricos partilhados. Os cursos hídricos transfronteiriços na região constituem a base do turismo de aventura. A sua gestão efectiva deverá realçar o crescimento do turismo transfronteiriço na região. Protocolo sobre o Desenvolvimento do Turismo (1998) defende a promoção do desenvolvimento do turismo ecológico e social sustentável. Protocolo sobre as Trocas Comerciais (1996) promove o estabelecimento de uma Zona de Comércio Livre (FTA) na região da SADC. A implementação completa de uma FTA na região incentivará o crescimento do turismo nas TFCA. Protocolo sobre a Livre Circulação das Pessoas (2005) prevê a liberalização dos regimes de vistos aplicáveis aos cidadãos da SADC e o uso de um posto único de entrada para os turistas em visita às TFCA. Protocolo sobre o Transporte, Comunicações e Meteorologia (1996) defende, entre outras questões, a liberalização das políticas das linhas aéreas da região. O desenvolvimento bem sucedido do turismo nas TFCA será determinado, em larga medida, pela conectividade aos pólos das linhas aéreas regionais. A Carta da RETOSA (1997) estabelece a estrutura administrativa para a cooperação entre os Estados Membros no domínio do desenvolvimento e promoção do turismo, incluindo as actividades dentro das TFCA. Estratégia sobre a Biodiversidade da SADC (2006) prevê a estrutura de cooperação entre os Estados Membros no domínio da gestão e conservação da biodiversidade. As TFCA constituem o instrumento ideal para a implementação da estratégia. 12

14 2. ANÁLISE DA SITUAÇÃO 2.1 Tendências do Turismo Tendências Globais De acordo com o relatório de 2011 do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC), o sector do turismo contribuiu 9% para o PIB da economia mundial e representou 8% do emprego global em Em termos absolutos, a indústria foi responsável por 235 milhões de postos de trabalho a nível internacional. A indústria do turismo demonstrou a sua resistência ao registar um crescimento anual de 7% nas entradas internacionais de turistas em 2010, após registar um declínio de 3.8% em Esta tendência ascendente permaneceu em 2011, com uma taxa de crescimento anual de 4.4% acima das entradas internacionais de turistas de A recuperação da indústria após o colapso económico global de 2009 foi maior do que a recuperação geral da economia mundial, que registou apenas 2% de crescimento anual em 2010 face ao período de Em termos absolutos, as entradas internacionais de turistas aumentou de 882 milhões em 2009 para 940 milhões em 2010, e alcançou 980 milhões em As receitas do turismo melhoraram em relação ao resultado de 2009 de EUA$ 852 biliões para EUA$ 940 biliões em 2010 (OMT, 2012). A OMT antecipou um crescimento de 3% para o sector em 2012 e esperava que as entradas internacionais atingissem o marco de um bilião. A Figura 1 ilustra a tendência nas entradas de turistas e as receitas turísticas internacionais relativas ao período de Figura 1: entradas internacionais de turistas e receitas internacionais de turistas Fonte: UNWTO Barómetro de Turismo As tendências no mercado do turismo indicam uma mudança do turismo de massas de sol, mar e praia, para umas férias mais individuais, responsáveis e repletas de experiências. Os turistas são 13

15 orientados por valores éticos associados à responsabilidade social, cultural e ambiental nos destinos visitados e dos produtos utilizados. Além disso, o crescimento nos diferentes segmentos do mercado no sector é influenciado pela procura do consumidor de experiências autênticas. Os segmentos chave do mercado incluem o seguinte: Turismo ecológico (incluindo ecoturismo) Este segmento representa 20-40% dos turistas internacionais (Centre For Responsible Travel - CREST, 2009). A população urbana crescente nos mercados tradicionais, assim como nos novos mercados de origem procuram restabelecer uma ligação com a natureza. O segmento aumentou a procura pelas férias de caminhadas, campismo, observar animais selvagens, snorkeling e mergulho de scuba. Turismo Cultural. Concentra- se principalmente no turismo baseado na comunidade (TBC). Registou- se um aumento considerável da América do Norte, Europa e Oceânia (CREST, 2009). Mochileiros e Turismo de Jovens. Este segmento tem registado mudanças importantes na sua composição e características com um grande número de viajantes incluindo jovens maduros na faixa etária dos anos. As principais motivações desde segmento são: explorar outras culturas, procurar aventura e aumentar o conhecimento (CREST, 2009:82). Voluntariado e Turismo de Educação. Este segmento incorpora actividades participativas não remuneradas durante as férias, por exemplo, construir instalações sociais, como escolas e clínicas, nos destinos visitados. Turismo de Aventura. Este segmento concentra- se na experiência ao ar livre de alta adrenalina. As actividades mais comuns incluem, ciclismo de montanha, rafting em rápidos, caminhadas, passeios, canoagem, observar os animais selvagens e salto com elástico. Cada um dos segmentos do mercado tem características e perfis específicos. Os destinos devem, por conseguinte, tomar em consideração estas características ao desenvolverem as suas estratégias e programas de marketing. Além da necessidade de responder às mudanças na procura dos diversos segmentos do mercado, os destinos e as empresas de turismo devem responder efectivamente ao impacto das mudanças climáticas. A indústria do turismo contribui, directa e indirectamente, para as mudanças climáticas, e é simultaneamente afectada pelas mudanças climáticas. A OMT em colaboração com os sectores público e privado no turismo, comprometeu- se à Declaração de Davos, que entre outros assuntos, afirma que o sector do turismo deve responder rapidamente às mudanças climáticas, no âmbito da estrutura da ONU, e reduzir progressivamente a sua contribuição de gases com efeito de estufa, se quiser crescer de forma sustentável (OMT, 2007). No seu comunicado de Durban (Dezembro, 2011), o Conselho Mundial de Viagens e Turismo reiterou a necessidade dos países inserirem o sector de turismo nas políticas sobre as mudanças climáticas a fim de garantir que as estruturas políticas possam permitir às empresas calcular os custos e avaliar o risco climático do investimento num país ou tecnologia específica. Considerando as tendências globais actuais na procura de novos pacotes de férias, a África Austral está bem posicionada para atrair mais turistas durante o período sob análise, se implementar e desenvolver o turismo nas TFCA. A grande variedade de atracções nas TFCA da região serve de base 14

16 para pacotes de férias na moda (CREST, 2009). Ao mesmo tempo, é necessário criar políticas orientadoras relativas ao sector privado que investe nas TFCA, que ajudaram as empresas a adaptarem- se às mudanças climáticas e à adopção de práticas mitigadoras para limitar a contribuição do sector à poluição e degradação ambiental Tendências Africanas África é a única região que não registou um declínio nas entradas de turistas em 2009, e a tendência de crescimento continuou em As entradas de turistas aumentaram de 46 milhões em 2009 para 49,8 milhões em O maior crescimento foi verificado na região da África Subsariana, que registou um crescimento de 14% durante o período sob análise. O total permaneceu estagnante em 49,8 em 2011 devido ao decréscimo de 12% registado na África do Norte. As receitas do turismo aumentaram de EUA$ 28 biliões em 2009 para EUA$ 34,2 biliões em 2010 (Barómetro de Turismo da OMT, 2011) Tendências da SADC A região registou um crescimento anual de 12.6% nas entradas de turistas em 2010 quando comparado com A taxa de crescimento elevada foi devida em parte ao Campeonato do Mundo de Futebol em 2010 na África do Sul, que atraiu muito adeptos de futebol à região. O total das entradas de turísticas aumentou em 20,5 milhões em 2009 para 21,5 milhões em 2010 (Relatório Anual de 2011 da RETOSA). Tabela 1 Participação do Mercado da SADC nas Entradas de Turistas Ano Mundo África Participação do África Participação do Participação do Mercado de Austral Mercado da África Mercado da África África (%) (milhões) Austral no mercado mundial Austral no mercado africano (%) (%) ,1 3,5 2,6 0, ,8 8,8 1, ,9 4,1 12,6 1,8 45, ,3 4,7 16,1 2,0 43, ,7 5,1 19,8 2,1 42, ,2 5,2 Fonte: Relatório de 2010 da Retosa e o Barómetro de Turismo de 2011 da OMT A participação do mercado da região nas entradas dos turistas em África estagnou desde Por exemplo, em 1995 era 44%, em 2000 a participação aumentou ligeiramente para 45%, e em 2005 tinha diminuído para 42.3%. Em 2010, a participação do mercado da região era 43.6% das entradas de turistas em África (OMT 2011, Relatório de 2010 da RETOSA). Uma análise da participação do mercado da região em termos das entradas internacionais de turistas revela um padrão semelhante ao resto do continente africano. Desde 1995, a região não regista uma mudança considerável. Por exemplo, embora a participação da região no mercado internacional de entradas de turistas fosse 1.7% em 1995, este número era 2.2% em Existem vários factores que justificam a incapacidade da região em aumentar a sua participação global e africana no mercado das entradas de turistas, designadamente: Concorrência de destinos de pequena distância como a África do Norte; 15

17 Concorrência de destinos de longa distância como o sudeste asiático e a América do Sul; Falta de marketing e promoção regional intensiva que corresponde ao trabalho das outras regiões, como as Caraíbas; Recursos inadequados para a organização regional do turismo, RETOSA, a fim de cumprir eficientemente o seu mandato; Falta de prioridades no sector de turismo em alguns dos Estados Membros da SADC. Uma análise comparativa com outras regiões turísticas, tanto em África como no mundo, é impedida por vários factores. Em primeiro lugar, várias regiões africanas, por exemplo, a CEDEAO e a África Central, carecem de dados actualizados sobre as entradas de turistas e receitas em divisas do turismo. Em segundo lugar, regiões como a África do Norte e as Caraíbas estão mais próximas do mercado europeu e norte- americano respectivamente, e por conseguinte, ocupam uma posição competitiva para atrair mais turistas desses mercados do que a região da SADC. Por último, as disparidades no acesso aéreo aos diferentes destinos regionais, por exemplo, a SADC, África do Norte, CEDEAO, e as Caraíbas, significam que as áreas com o maior número de linhas aéreas têm a capacidade de atrair mais turistas do que as áreas concorrentes. Por conseguinte, a região da SADC enfrenta concorrência da África do Norte e da África Oriental. A nível global, a região deve comparar o seu desempenho com os desenvolvimentos em regiões como o sudeste asiático (Tailândia, Singapura, Vietname, Filipinas, Camboja, e Indonésia) que registaram crescimento extraordinário durante a última década. Por exemplo, em 2002 a região recebeu um total de 36,1 milhões de entradas de turistas. O número aumentou para 448,5 milhões em 2005 e era 69,6 em 2010 (OMT, 2011 Highlights). Os Estados Membros da SADC tiram diferentes níveis de benefícios económicos do sector do turismo, conforme indicado na tabela apresentada abaixo. Tabela 2 Contribuição Económica do Turismo nas Economias da África Austral (2010) País População (milhões) PIB/ Capita PIB (US biliões) Receitas de Turismo Receitas de Turismo como % do PIB Exportações (EUA$ biliões) R/T como % exp Angola 19, , ,4 Botswana 2, , RDC 65, Lesoto 2, ,9 Malawi 14, , ,8 Maurícias , ,8 Moçambique , ,8 Namíbia , ,8 Seicheles 0, ,2 428 África do Sul , ,7 Suazilândia Tanzânia , ,4 Zâmbia , ,5 Zimbabué , ,9 SADC , Fonte: UNWTO: 2011,Relatorio de 2011 do Banco Mundial 16

18 Embora os Estados Membros da SADC reconheçam a importância do turismo como um pilar económico principal no desenvolvimento nacional, ainda é necessário inserir o turismo na agenda de desenvolvimento nacional. São poucos os países na região onde o turismo tem um ministério autónomo (Angola, Maurícias, Moçambique, África do Sul e Zimbabué), e por conseguinte, o sector não é concedido prioridade na atribuição dos recursos nacionais. 17

19 2.1.4 Áreas de Conservação Transfronteiriças Figura 2: Localização das TFCA na SADC Fonte: Peace Parks Foundation (Fundação dos Parques da Paz) A região da SADC adoptou as TFCA como uma opção de desenvolvimento. A gestão transfronteiriça dos recursos naturais tem o potencial de realçar a conservação da biodiversidade, melhorar os sustentos das comunidades locais e simultaneamente, manter a região no topo dos destinos do turismo verde. Considerando que as TFCA abrangem as fronteiras nacionais, o seu desenvolvimento constitui um impulsionador chave à integração regional. As tendências internacionais do mercado do turismo indicam que os turistas que viajam para destinos longínquos preferem pacotes de férias de múltiplos destinos a pacotes de férias de destinos únicos (RETOSA, 2009). A implementação efectiva do programa das TFCA pode aumentar o interesse da região como um destino de férias para os turistas internacionais. A origem do desenvolvimento das Áreas de Conservação Transfronteiriças na região da SADC remonta à assinatura de um Tratado Internacional entre o Botswana e a África do Sul em 1999, que levou ao estabelecimento do Parque Transfronteiro de Kgalagadi. Desde então têm- se feito grandes esforços através da região para estabelecer Áreas Transfronteiriças de Conservação (TFCAs) adicionais. Os esforços para coordenar a promoção da conservação estão a ser complementados com iniciativas para aumentar o número de turistas para essas TFCAs. Em 2005, o Conselho de Ministros da SADC aprovou a Estratégia TFCA 2010 que tinha sido elaborada 18

20 pelo sector do turismo para promover as TFCA como destinos de turismo e investimento na África Austral. A África do Sul foi encarregada a estabelecer uma estrutura para fiscalizar a implementação da estratégia. Boundless Southern Africa foi estabelecida como uma unidade enquadrada no Departamento de Assuntos Ambientais e Turismo. Esta unidade está presentemente localizada no Departamento de Assuntos Ambientais (DEA). A região dispõe presentemente de 18 TFCA que abrangem uma área de 500,000km 2. As TFCA encontram- se em diversas fases de desenvolvimento e operam ao abrigo de Memorandos de Entendimento bilaterais ou trilaterais. Tabela 3 TFCA existentes e potenciais na região da SADC NOME DA TFCA PAÍSES PARTICIPANTES PONTO DA SITUAÇÃO 1. /Ai- /Ais- Richtersveld Namíbia e África do Sul MoU assinado 17 de Agosto de Tratado assinado em 1 de Agosto de INVESTIMENTO PRODUTOS DE TURISMO PLANEADO EM EUA$ 13,6 milhões Instalações de hotelaria e construção de estradas 2. Kgalagadi Botswana e África do Sul 3. Greater Mapungubwe Botswana, África do Sul e Zimbabué 4. Great Limpopo Moçambique, África do Sul e Zimbabué 5. Lubombo Moçambique, África do Sul e Suazilândia 6. Maloti- Drakensberg 7. Iona- Skeleton Coast Lesoto e África do Sul Angola e Namíbia Tratado assinado em Maio de 2000 MdE assinado a 13 de Junho de 2006 MoU assinado em 10 de Novembro de Tratado assinado em 9 de Dezembro de 2002 Tratado assinado em 22 de Junho de 2000 MoU assinado em 11 de Junho de 2001 MdE assinado em 1 de Agosto de ,92 milhões Instalações de hotelaria e construção de estradas 11,4 milhões Instalações de hotelaria, e outras a ser verificadas 28,8 milhões Instalações de hotelaria e construção de estradas 146,2 milhões Hotéis, campos de tendas, estâncias de turismo 221 milhões Hotéis, locais de campismo, estâncias de turismo. N/A N/A 8. Liuwa Plain - Angola e Zâmbia Fase de conceito N/A N/A 19

Temas: Recomendações: Observações:

Temas: Recomendações: Observações: TI12653 CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA INDÚSTRIA (CAMI) Recomendações da 18 a Sessão Ordinária da Conferência dos Ministros da Indústria da UA (CAMI 18) a Nível de Altos Funcionários Durban, República

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

Conferência da UA dos Ministros da Indústria - 20ª Sessão Ordinária

Conferência da UA dos Ministros da Indústria - 20ª Sessão Ordinária Conferência da UA dos Ministros da Indústria - 20ª Sessão Ordinária Acelerar a Industrialização em África no Âmbito da Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Reunião de Ministros 13-14 Junho de 2013 Pontos:

Leia mais

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE ESBOÇO MARÇO DE 2014 Esta publicação foi produzida para revisão pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

PARA ALEM FRONTEIRAS

PARA ALEM FRONTEIRAS PARA ALEM FRONTEIRAS Opções de Política para a Biodiversidade, Meios de Subsistência e Gestão de Doenças Transfronteiriças dos Animais na África Austral Um dos desenvolvimentos de conservação mais ambiciosos

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA

DECLARAÇÃO DE LUANDA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5525849 Fax: (251-11) 5525855 Website: www.africa-union.org SEGUNDA SESSÃO DA CONFERÊNCIA DOS MINISTROS

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

OFFICE OF THE SPECIAL ENVOY OF THE SECRETARY-GENERAL FOR THE GREAT LAKES REGION

OFFICE OF THE SPECIAL ENVOY OF THE SECRETARY-GENERAL FOR THE GREAT LAKES REGION OFFICE OF THE SPECIAL ENVOY OF THE SECRETARY-GENERAL FOR THE GREAT LAKES REGION Comunicado da Conferência de Consulta Regional sobre as Oportunidades de Investimento no Sector Privado da Região dos Grandes

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, COM(2008)XXX COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES UE, África e

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 Introdução A África alcançou um ponto de viragem crítico na sua luta contra a malária este ano à medida que objectivos, estratégias e planos globais e regionais

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO Instituição: Comissão da Bacia do Zambeze (ZAMCOM) Local de Trabalho: Harare, Zimbabwe Duração: Inicialmente um ano com possibilidade de renovação

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada,

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Declaração de Libreville sobre a Saúde e o Ambiente em África

Declaração de Libreville sobre a Saúde e o Ambiente em África Declaração de Libreville sobre a Saúde e o Ambiente em África Libreville, 29 de Agosto de 2008 REPUBLIQUE GABONAISE Organização Mundial da Saúde Escritório Regional Africano Declaração de Libreville sobre

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Província de Cabinda

Província de Cabinda Província de Cabinda Conselho de Ministros Decreto-Lei n.º 1/07 De 2 de Janeiro Considerando a necessidade da aprovação do Estatuto Especial para a Província de Cabinda estabelecido nos termos do Memorando

Leia mais

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com Paisagem: designa uma parte do território, tal como é apreendida pelas

Leia mais

Ministério do Ambiente

Ministério do Ambiente Ministério do Ambiente Decreto-Lei n.º 4/09 de 18 de Maio A Lei Constitucional da República de Angola no seu artigo 24.º assegura que «todos os cidadãos têm o direito de viver num meio ambiente sadio e

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência. Consultoria Nacional Guiné-Bissau

Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência. Consultoria Nacional Guiné-Bissau Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência Consultoria Nacional Guiné-Bissau Identificação da Consultoria Contratação de consultoria

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Contribuições das Federações de Pequenos Agricultores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

O Secretariado da SADC é agora cumpridor dos padrões internacionais de boa prática de gestão institucional.

O Secretariado da SADC é agora cumpridor dos padrões internacionais de boa prática de gestão institucional. O Secretariado da SADC é agora cumpridor dos padrões internacionais de boa prática de gestão institucional. 1 Intervenção 1: Capacitação durante a reforma institucional Contexto O Secretariado da SADC

Leia mais

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável A educação é de importância crítica para promover o desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, é essencial mobilizar os

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Agricultura e o CAADP: Uma Nova Visão para a África Se quisermos fazer com que a

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental Estudo sobre o Papel das Convenções Internacionais sobre meio ambiente no Alívio a Pobreza em

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA O EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS (O FUNDO)

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA O EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS (O FUNDO) FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA O EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS (O FUNDO) SELECÇÃO PROVISÓRIA DOS PAÍSES ELEGÍVEIS PARA O FUNDO NO CONTEXTO DO 2º APELO PARA SUBMISSÃO DE PROPOSTAS 24 DE NOVEMBRO DE 2010

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo da rápida integração

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS AFRICANOS DA ENERGIA DECLARAÇÃO DE JOANESBURGO

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS AFRICANOS DA ENERGIA DECLARAÇÃO DE JOANESBURGO CONFERÊNCIA DOS MINISTROS AFRICANOS DA ENERGIA DECLARAÇÃO DE JOANESBURGO Preâmbulo Nós, os Ministros Africanos responsáveis pela Energia, reunidos em Joanesburgo, África do Sul nos dias 15 e 16 de Setembro

Leia mais

Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001

Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001 Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001 Reconhecendo que os poluentes orgânicos persistentes possuem propriedades tóxicas, são

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA

PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA SA11757 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA Antecedentes/Introdução: 1. Em 2004,

Leia mais

National Meeting on the Mozambique Case Study on Trade in Services and Sustainable Development

National Meeting on the Mozambique Case Study on Trade in Services and Sustainable Development National Meeting on the Mozambique Case Study on Trade in Services and Sustainable Development Venue: VIP Hotel, Maputo, Mozambique 6-7 November 2006 Estrutura da Apresentacao 1. Observacoes sobre a Economia

Leia mais

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA Programa de Cooperação Trilateral para o Desenvolvimento Agrário do Corredor de Nacala (ProSAVANA) Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL Relatório dos seminários de definição das prioridades do GEF 5 para Moçambique 1. INTRODUÇÃO Moçambique beneficiou- se dos fundos

Leia mais

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Madalena Dray Consultora Socio-Ambiental Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ZAMORA

DECLARAÇÃO DE ZAMORA V CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTROS DE TURISMO "A Cooperação Turística como instrumento de desenvolvimento económico e social da Comunidade Ibero-Americana" 6 e 7 DE SETEMBRO DE 2005, ZAMORA (ESPANHA)

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu RESUMO Ao longo dos séculos, as bibliotecas, os arquivos e os museus em toda a

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS ECOSSISTEMAS FLORESTAIS

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS ECOSSISTEMAS FLORESTAIS TRATADO RELATIVO à CONSERVAÇÃO à GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS ECOSSISTEMAS FLORESTAIS de ÁFRICA CENTRALE INSTITUINDO a COMISSÃO DAS FLORESTAS de ÁFRICA CENTRAL (COMIFAC) PREÂMBULO A década passada conhe u profundas

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais Carlos Manuel Serra Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais destaque para os petrolíferos e mineiros

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água no Mundo Como pode a PPA contribuir para uma melhor consolidação.

Leia mais

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com Plano de Atividades 2014 (Revisão) www.andonicanela.com PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2014 REVISTO INTRODUÇÃO e VERTENTE ESTRATÉGICA A LPN como a mais antiga e mais consistente organização não governamental

Leia mais

RESUMO DE GEOGRAFIA 9º ANO

RESUMO DE GEOGRAFIA 9º ANO RESUMO DE GEOGRAFIA 9º ANO A Revolução industrial iniciou-se no séc. XVIII. Indústria - consiste na transformação de matérias-primas em produtos acabados ou é uma actividade económica que consiste na transformação

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 05.09.2005 COM(2005) 408 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália 1. INTRODUÇÃO 1.1

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

HELLO CABO VERDE EXPO 2011

HELLO CABO VERDE EXPO 2011 New Bedford, 31 de Janeiro de 2011 HELLO CABO VERDE EXPO 2011 Exposição sobre as Oportunidades de Negócios e Turismo em Cabo Verde New Bedford, MA 27 a 29 de Maio de 2011 OBJECTIVO O objectivo da exposição

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS (Versão revista de 20 de Julho de 2009) ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS Da minha língua vê-se o mar Vergílio Ferreira INTRODUÇÃO Os Estados membros da Comunidade

Leia mais

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM MOÇAMBIQUE. Maputo, Moçambique 20 Março 2014

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM MOÇAMBIQUE. Maputo, Moçambique 20 Março 2014 IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM MOÇAMBIQUE Maputo, Moçambique 20 Março 2014 Conteúdo 1. Introdução e contexto 2. Separação de funções políticas, regulador, operações

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais