A K D N LOCALIZAÇÃO POR PAÍSES ÁREAS DE ACTIVIDADE RÚSSIA REINO UNIDO CANADÁ FRANÇA SUÍÇA CAZAQUISTÃO BÓSNIA-HERZEGOVINA REPÚBLICA DE QUIRGIZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A K D N LOCALIZAÇÃO POR PAÍSES ÁREAS DE ACTIVIDADE RÚSSIA REINO UNIDO CANADÁ FRANÇA SUÍÇA CAZAQUISTÃO BÓSNIA-HERZEGOVINA REPÚBLICA DE QUIRGIZ"

Transcrição

1 A K D N R E D E A G A K H A N P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O D E S E N V O L V I M E N T O E C O N Ó M I C O D E S E N V O L V I M E N T O S O C I A L C U L T U R A

2

3 A K D N O desenvolvimento só é sustentável se os beneficiários assumirem, gradualmente, a apropriação do processo. Significa isto que as iniciativas não podem ser contempladas em termos exclusivamente económicos, mas antes, como programas integrados que também englobem as dimensões sociais e culturais. A educação e a aquisição de competências, os serviços públicos e os serviços de saúde, a conservação do património cultural, o desenvolvimento de infra-estruturas, o planeamento e a reabilitação urbanos, o desenvolvimento rural, a gestão da água e da energia, o controlo ambiental e até o desenvolvimento legislativo e político encontram-se entre os vários aspectos que devem ser tomados em consideração. INTERVENÇÃO DE SUA ALTEZA O AGA KHAN NA CONFERÊNCIA SOBRE CULTURA E DESENVOLVIMENTO DO FUNDO DO PRÍNCIPE CLAUS, AMSTERDÃO, 7 DE SETEMBRO DE NO DIA 11 DE JULHO DE 2007, AS CERIMÓNIAS DO JUBILEU DE OURO MARCARAM O QUINQUAGÉSIMO ANIVERSÁRIO DE SUA ALTEZA O AGA KHAN COMO 49 o IMAM (LÍDER ESPIRITUAL) HEREDITÁRIO DA COMUNIDADE MUÇULMANA ISMAILI. A AKDN, CRIADA SOB A SUA LIDERANÇA, JUNTAMENTE COM ALGUMAS DAS SUAS INSTITUIÇÕES ANTERIORMENTE EXISTENTES, SERVE PESSOAS DE TODAS AS FÉS E ORIGENS. À ESQUERDA, SUA ALTEZA VERIFICA OS TRABALHOS DE CONSTRUÇÃO DE UMA ACADEMIA AGA KHAN. 1

4 A K D N LOCALIZAÇÃO POR PAÍSES RÚSSIA CANADÁ REINO UNIDO FRANÇA SUÍÇA CAZAQUISTÃO BÓSNIA-HERZEGOVINA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESPANHA PORTUGAL TURQUIA UZBEQUISTÃO REPÚBLICA DE QUIRGIZ TAJIQUISTÃO SÍRIA AFEGANISTÃO IRÃO EGIPTO PAQUISTÃO CATAR MALI ÍNDIA BANGLADESH SENEGAL BURKINA FASO COSTA DO MARFIM UGANDA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO QUÉNIA TANZÂNIA MOÇAMBIQUE ILHAS MAURÍCIO MADAGÁSCAR ÁREAS DE ACTIVIDADE 2

5 ÍNDICE 4 INTRODUÇÃO 13 DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO Fundo Aga Khan para o Desenvolvimento Económico Serviços Financeiros Serviços de Comunicação Social Serviços de Aviação Serviços de Promoção Industrial Serviços de Promoção do Turismo 23 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Fundação Aga Khan Serviços Aga Khan para a Educação Academias Aga Khan Serviços Aga Khan para a Saúde Serviços Aga Khan para o Planeamento e a Construção Agência Aga Khan para a Microfinança Universidade Aga Khan Universidade da Ásia Central 51 CULTURA AKDN INFORMAÇÃO: P.O. Box Genebra, Suíça Telefone: (41.22) Facsimile: (41.22) Fundo Aga Khan para a Cultura Prémio Aga Khan para a Arquitectura Programa Aga Khan para as Cidades Históricas Programa de Educação e Cultura Departamento de Informação Aiglemont, Gouvieux, França Telefone: (33.3) Facsimile: (33.3)

6 INTRODUÇÃO DA ESQUERDA PARA A DIREITA: UM TÉCNICO DE SAÚDE COMUNITÁRIA DÁ FORMAÇÃO SOBRE HIGIENE ALIMENTAR A FAMÍLIAS DE DHAKA, BANGLADESH. A AKDN DISPONIBILIZA PROGRAMAS DE MELHORIA DA EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA NAS ÁREAS RURAIS DE SINDH, PAQUISTÃO. EM ZANZIBAR, AS ORGANIZAÇÕES DA AKDN OPERAM PARA MELHORAR A EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA, ESTIMULAR O DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E PRESERVAR E REABILITAR A ANTIGA CIDADE DE PEDRA, QUE É PATRIMÓNIO MUNDIAL. A TORRE MENARA MESINIAGA EM KUALA LUMPUR, QUE RECEBEU O PRÉMIO AGA KHAN PARA A ARQUITECTURA EM 1995, RESULTADO DE UM ESFORÇO DE 10 ANOS, EMPREENDIDO PELO ARQUITECTO KENNETH YEANG, NA SUA PROCURA DE ESTRATÉGIAS ARQUITECTÓNICAS EM HARMONIA COM O EQUILÍBRIO AMBIENTAL. A Rede Aga Khan para o Desenvolvimento é um grupo de agências privadas, internacionais, não- -denominacionais, que operam visando melhorar as condições de vida e o acesso a oportunidades de populações em regiões específicas do mundo em desenvolvimento. As organizações da Rede têm mandatos individuais que abarcam desde os campos da saúde e educação à arquitectura, ao desenvolvimento rural e à promoção do empreendedorismo no sector privado. Juntas, colaboram num trabalho que tem um objectivo comum criar instituições e programas que possam responder, em continuidade, aos desafios resultantes das mudanças sociais, culturais e económicas. Esta brochura apresenta os principais organismos da Rede e oferece uma perspectiva das suas actividades e objectivos. ORIGENS Algumas das componentes da Rede foram inicialmente criadas nos finais do século XIX por Sir Sultan Mahomed Shah, avô do actual Aga Khan e seu predecessor como Imam dos Muçulmanos Shia Imami Ismailis. As agências foram criadas para responder às necessidades da Comunidade Ismaili no Sul da Ásia e na África Austral. Hoje, sob a liderança do presente Imam, as instituições da Rede expandiram-se para além desse núcleo geográfico, aumentando tanto a dimensão como o âmbito do seu trabalho e, reunidas num sistema, resultaram na Rede Aga Khan para o Desenvolvimento. A Rede mantém a neutralidade política em todos 4

7 os países onde opera e os seus serviços estão disponíveis a pessoas de todos os credos e origens. O fulcro das actividades da Rede, porém, continua a ser a Comunidade Ismaili as suas tradições de serviço voluntário, de auto-suficiência, de generosidade e a liderança do Imam hereditário. Na tradição Ismaili, as responsabilidades do Imam envolvem não só a interpretação das questões de fé para a Comunidade Ismaili, cujos membros agora vivem em mais de vinte e cinco países tanto do mundo industrializado como do mundo em desenvolvimento, como também a relação dessa fé com as condições do presente. Para o Aga Khan, isto conduziu a um profundo envolvimento com o desenvolvimento, enquanto processo alicerçado na ética do Islão, no qual os factores económicos, sociais e culturais convergem para determinar a qualidade de vida. As instituições fundadas pelo Aga Khan desde 1957, quando foi designado pelo seu avô para lhe suceder como Imam, reflectem esta interpretação do desenvolvimento como processo complexo. Embora todas as agências actuem nos seus campos específicos, elas também trabalham identificando formas que permitam a interacção entre os seus esforços de modo a fortalecerem-se mutuamente. DA ESQUERDA PARA A DIREITA: NAS ÁREAS DO TAJIQUISTÃO ONDE OPERA A AKDN, A SEGURANÇA ALIMENTAR AUMENTOU DE 15 PARA 70 POR CENTO EM DEZ ANOS. PARA AJUDAR A REVITALIZAR O SECTOR DOS SERVIÇOS FINANCEIROS, O AKFED RECAPITALIZOU O DIAMOND TRUST BANK, QUÉNIA, COMO PARTE DE UMA REDE REGIONAL QUE COBRE A BANCA, OS SEGUROS E O DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO. NA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE AGA KHAN, 50 POR CENTO DOS ESTUDANTES DE MEDICINA E 44 POR CENTO DOS DOCENTES SÃO MULHERES. AS INSTITUIÇÕES DA AKDN OFERECEM SERVIÇOS DE EXTENSÃO AGRÍCOLA PARA AJUDAR OS AGRICULTORES DA ÁFRICA ORIENTAL A CULTIVAR, PROCESSAR, EMBALAR E COMERCIALIZAR OS SEUS PRODUTOS PARA EXPORTAÇÃO. VOLUNTARIADO As instituições da Rede partilham características comuns. Várias iniciativas começaram por existir graças à energia, à dedicação e 5

8 SUA ALTEZA O AGA KHAN E O PRESIDENTE HAMID KARZAI DO AFEGANISTÃO NO LANÇAMENTO DO REGRESSO À ESCOLA, EM CABUL. O AGA KHAN ENCONTRA-SE COM O PRIMEIRO MINISTRO AG HAMANI (À DIREITA), DIRIGENTES RELIGIOSOS E DIGNATÁRIOS LOCAIS, EM TOMBUCTU, MALI. O PRESIDENTE PERVEZ MUSHARRAF E O AGA KHAN NAS CERIMÓNIAS DE ENTREGA DE DIPLOMAS DA UNIVERSIDADE AGA KHAN, EM às competências de recursos humanos voluntários e, hoje em dia, ambos voluntários e colaboradores profissionais são essenciais ao funcionamento das agências da Rede. As agências contam com o talento de pessoas de todos os credos e procuram continuamente melhorar as competências dos seus quadros. Os diversos sectores da Rede também partilham princípios comuns. Seja na saúde, na educação, na revitalização arquitectónica, ou no desenvolvimento industrial, as agências da Rede procuram abranger populações sem acesso a serviços, complementando mas não substituindo os esforços de governos e outras entidades. As agências da Rede funcionam através da participação da população local a todos os níveis na definição dos serviços necessários, na sua prestação e na avaliação da sua eficácia. Os seus mandatos são ambos urbanos e rurais. As instituições da Rede estão presentes não apenas em muitas das cidades em expansão em África e no Sul da Ásia, mas também em áreas rurais, frequentemente muito remotas. Capacitar as populações das áreas rurais para que criem os serviços de que necessitam e tenham acesso às oportunidades que pretendem é um foco de especial atenção. CRITÉRIOS RIGOROSOS Os projectos da Rede devem responder a critérios rigorosos quanto a impacto, gestão e desenvolvimento organizacional. Frequentemente iniciados e sempre apoiados pelas comunidades que servem, estes projectos visam desenvolver instituições e programas viáveis que possam tornar-se auto-sustentáveis. Ao corporizar nos seus projectos, objectivos explicitamente institucionais, a Rede almeja criar capacidades permanentes para a prestação de serviços nas sociedades em desenvolvimento. Este objectivo de edificação institucional é prosseguido através dos elos que se estabelecem entre as instituições da Rede tanto intra como intersectorialmente. É, ainda, reforçado através de parcerias com instituições exteriores à Rede, tanto do Norte como do Sul. Neste processo de criação de laços, a disseminação geográfica e a diversidade cultural da Comunidade Ismaili têm um papel 6

9 extremamente relevante. A sua presença na América do Norte e na Europa, bem como na África e na Ásia, cria uma ponte única entre os mundos desenvolvido e em desenvolvimento e constitui um dos pontos mais fortes da Rede. CRIAR AMBIENTES PROPÍCIOS A Rede Aga Khan para o Desenvolvimento procura fortalecer o papel do sector privado no mundo em desenvolvimento. Na sua aproximação ao processo de desenvolvimento, o apoio às iniciativas do sector privado é de uma importância intrínseca. O sector privado pode ser especialmente eficaz na cooperação com os governos que promovam o que o Aga Khan tem chamado de ambiente propício estruturas fiscais, regulamentadoras e legislativas favoráveis. Em todas as áreas do desenvolvimento social, económico e cultural, a criação de ambientes propícios tem sido um dos principais objectivos da Rede. Tem-se avançado para este objectivo em anos recentes através do estabelecimento de acordos formais com os países onde as instituições da Rede operam. Já foram assinados alguns destes acordos com vários governos da Ásia e da África. O AGA KHAN E O PRESIDENTE HOSNI MUBARAK DISCUTEM OS PROJECTOS PARA A REVITALIZAÇÃO DO DISTRITO HISTÓRICO DO CAIRO, DARB AL- AHMAR. O PRESIDENTE PUTIN E O AGA KHAN DISCUTEM INICIATIVAS DE DESENVOLVIMENTO NA ÁSIA CENTRAL. O AGA KHAN E NELSON MANDELA ENCONTRAM-SE DURANTE O LANÇAMENTO DAS ACTIVIDADES DA AKDN EM MOÇAMBIQUE. FINANCIAMENTO Os modelos de desenvolvimento requerem tempo para demonstrar a sua eficácia e para permitir às comunidades locais assumirem a plena responsabilidade pelo seu próprio desenvolvimento futuro. As instituições da AKDN, por esta razão, assumem um compromisso a longo prazo com as áreas em que trabalham, orientadas pela filosofia de que um ambiente humano, sustentável, deve reflectir as escolhas feitas pelas próprias pessoas, no que respeita a como vivem em harmonia com o seu ambiente. A sustentabilidade é, pois, uma consideração central logo à partida. Recentemente, a Rede tem despendido uma quantia média anual de US$ 300 milhões em actividades não lucrativas. Estes fundos e desembolsos adicionais em apoio das actividades da Rede são gerados de variadas formas, incluindo a dotação de fundos, o pagamento pelos utilizadores e doações. O financiamento é providenciado pelo Imamat e pela Comunidade Ismaili e também 7

10 por instituições doadoras locais e internacionais. Os investimentos no capital social das actividades de desenvolvimento económico são igualmente financiados pelo Imamat e por parceiros tanto do sector público como do sector privado. O IMAMAT PORMENOR ORNAMENTAL DO PERÍODO FATIMIDA DESCOBERTO NA MESQUITA DE AL-HAKIM, NO CAIRO. SIR SULTAN MAHOMED SHAH TORNOU-SE O 48 o IMAM HEREDITÁRIO E O TERCEIRO AGA KHAN, AOS OITO ANOS DE IDADE. FOI O IMAM DA COMUNIDADE ISMAILI DURANTE 72 ANOS. As origens da Rede encontram-se na tradição de serviço observada pelos Muçulmanos Shia Imami Ismailis, geralmente conhecidos por Ismailis. Pertencem ao ramo Shia do Islão. O outro ramo, maior, é composto pelos Muçulmanos Sunni. Durante a sua longa história, a Comunidade Ismaili foi incluindo populações de muitas tradições culturais diferentes e a diversidade cultural continua a ser uma característica da comunidade actualmente. Os Ismailis, hoje, vivem principalmente na Ásia Central e do Sul, na África Austral, no Médio Oriente, na Europa e na América do Norte. Em comum com outros Muçulmanos Shia, os Ismailis afirmam que depois da morte do Profeta (Maomé) Muhammad (que a Paz esteja com ele), o seu primo e genro Ali foi designado como primeiro Imam, ou líder espiritual. Crêem que esta orientação espiritual, conhecida como Imamat, continua através da linha hereditária de Ali e da sua mulher Fátima, a filha do Profeta. De acordo com a doutrina e tradição Shia, a sucessão ao Imamat é feita por designação. É prerrogativa absoluta do Imam nomear o seu sucessor entre qualquer dos seus descendentes varões. O PERÍODO FATIMIDA Os historiadores, convencionalmente, dividem a história Ismaili em vários grandes períodos. As realizações do Império Fatimida dominam os relatos do primeiro destes períodos, que vai dos inícios do Islão, no século VII, até ao século XI. Derivando o seu nome de Fátima, a filha do Profeta, a Dinastia Fatimida criou um Estado que estimulou o desenvolvimento das artes, das ciências e do comércio no Próximo Oriente Mediterrâneo, ao longo de dois séculos. O seu centro era o Cairo, fundado pelos Fatimidas como sua capital. 8

11 Após o Período Fatimida, o centro geográfico dos Muçulmanos Ismailis mudou-se do Egipto para a Síria e para a Pérsia. O seu centro na Pérsia, Alamut, caiu sob os conquistadores Mongóis no século XIII. Depois deste acontecimento, os Ismailis viveram durante vários séculos em comunidades dispersas, principalmente na Pérsia e na Ásia Central, mas também na Síria, na Índia e noutros locais. OS SÉCULOS XIX E XX Na década de 1830, Aga Hassanaly Shah, o quadragésimo sexto Imam Ismaili, recebeu do Xá da Pérsia o título honorífico hereditário de Aga Khan. Em 1843, deixou a Pérsia, indo instalar- -se na Índia, onde já existia uma grande comunidade Ismaili. Nascido em Bombaim, o segundo Aga Khan faleceu em 1885, apenas quatro anos após ter acedido ao Imamat. Foi sucedido pelo avô do actual Imam, Sir Sultan Mohamed Shah, que se tornou no quadragésimo-oitavo Imam hereditário e no terceiro Aga Khan, aos oito anos de idade. PORMENOR FATIMIDA DESCOBERTO NA MESQUITA AL-SALIHIYA, NO CAIRO. O AGA KHAN III E A BEGUM AGA KHAN COM OS NETOS, PRÍNCIPE KARIM E PRÍNCIPE AMYN AGA KHAN, E MEMBROS DA COMUNIDADE ISMAILI EM Sir Sultan Mahomed Shah foi Imam durante setenta e dois anos, um período crítico da história moderna da comunidade Ismaili. A sua liderança teve um papel crucial na forma como a Comunidade se adaptou à mudança histórica, principalmente através da transformação das suas instituições. Durante este período, foram criadas instalações médicas, escolas, cooperativas de habitação e bancos cooperativos, com administração central, especialmente no sub-continente do Sul da Ásia e na África Austral. Várias ainda existem hoje, como partes da Rede Aga Khan para o Desenvolvimento. Sir Sultan Mahomed Shah teve também, um papel importante na evolução política do sub-continente e foi um dos delegados das conferências da Mesa Redonda, em Londres nos anos 30 do século passado. De 1937 a 1939, foi Presidente da Sociedade das Nações. O seu filho mais velho, o Príncipe Aly Khan, serviu como Embaixador do Paquistão nas Nações Unidas. 9

12 O actual Aga Khan, Sua Alteza o Príncipe Karim Aga Khan, o 49º Imam hereditário dos Muçulmanos Shia Imami Ismailis, tem também um importante papel diplomático. Outros membros da família do Aga Khan têm mantido esta tradição de serviço nos assuntos internacionais. O seu tio, o falecido Príncipe Sadruddin Aga Khan, foi Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Coordenador das Nações Unidas para a Assistência ao Afeganistão e o Delegado Executivo do Secretário Geral das Nações Unidas para um programa humanitário no Iraque, Koweit e nas áreas fronteiriças Iraque- -Irão e Iraque-Turquia. O LICEU FEMININO DIAMOND JUBILEE EM BOMBAIM SERVE A COMUNIDADE DESDE A GRANDE MAIORIA DAS SUAS ESTUDANTES TÊM SEGUIDO ESTUDOS SUPERIORES. O irmão do Aga Khan, o Príncipe Amyn, integrou o Departamento dos Assuntos Sociais e Económicos do Secretariado das Nações Unidas após a sua licenciatura pela Universidade de Harvard, em Desde 1968, o Príncipe Amyn tem estado estreitamente DA ESQUERDA PARA A DIREITA: RETRATO DE SIR SULTAN MAHOMED SHAH, AGA KHAN III, QUANDO PRESIDENTE DA LIGA DAS NAÇÕES, O PRÍNCIPE ALY KHAN ENQUANTO EMBAIXADOR DO PAQUISTÃO NAS NAÇÕES UNIDAS, EM SUA ALTEZA O PRÍNCIPE KARIM AGA KHAN DISCUTE QUESTÕES RELACIONADAS COM O DESENVOLVIMENTO RURAL COM AGRICULTORES, DURANTE UMA VISITA AO VALE DE HUNZA, PAQUISTÃO, EM COMO ALTO-COMISSÁRIO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA OS REFUGIADOS, O PRÍNCIPE SADRUDDIN AGA KHAN DIRIGE-SE À ASSEMBLEIA GERAL, EM

13 envolvido com a governação das principais instituições de desenvolvimento do Imamat. A Princesa Zahra, primogénita do Aga Khan, licenciou-se na Universidade de Harvard em 1994 (com um BA Honours Degree) em Estudos de Desenvolvimento do Terceiro Mundo e tem responsabilidades na coordenação das instituições do Imamat especificamente votadas ao desenvolvimento social, estando a sua actividade sediada no Secretariado do Aga Khan. O filho mais velho, o Príncipe Rahim, licenciou-se na Universidade Brown, EUA, em 1995 e detém responsabilidades idênticas nas instituições do Imamat dedicadas ao desenvolvimento económico. O segundo filho, o Príncipe Hussain, que se licenciou no Williams College e na Universidade de Columbia, nos EUA, está igualmente sediado no Secretariado do Aga Khan e envolve-se nas actividades culturais e sociais da Rede. O PRÍNCIPE AMYN AGA KHAN E O VIOLONCELISTA YO-YO MA DIALOGAM NUMA AULA DE MESTRADO QUE FAZ PARTE DA INICIATIVA AGA KHAN PARA A MÚSICA NA ÁSIA CENTRAL. DA ESQUERDA PARA A DIREITA: O PRESIDENTE BILL CLINTON E O AGA KHAN CONVERSAM DURANTE A CONFERÊNCIA SOBRE CULTURA E DIPLOMACIA PROMOVIDA PELA CASA BRANCA. O PRÍNCIPE RAHIM AGA KHAN EM VISITA ÀS INSTALAÇÕES DO AKFED NA COSTA DO MARFIM. A PRINCESA ZAHRA AGA KHAN CONVERSA COM ESTUDANTES E PROFESSORES NA UNIVERSIDADE AGA KHAN. O AGA KHAN E O PRÍNCIPE HUSSAIN VISITAM O DARB AL-AHMAR, CAIRO, ONDE UM VASTO LEQUE DE INICIATIVAS SOCIO-ECONÓMICAS EXPANDE OS TRABALHOS SUBJACENTES À CRIAÇÃO DO PARQUE AL-AZHAR. 11

14 12

15 DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO FUNDO AGA KHAN PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO (AKFED) O AKFED, única instituição da Rede Aga Khan para o Desenvolvimento com fins lucrativos, leva a cabo as actividades da AKDN ao nível do desenvolvimento económico. A sua rede de empresas e instituições financeiras agrupam-se por sector de actividade sob os Serviços de Promoção Industrial, os Serviços de Promoção do Turismo, os Serviços Financeiros, os Serviços de Aviação e os Serviços de Comunicação Social. O Fundo opera mais de 90 projectos empresariais diferentes, emprega mais de pessoas e tem receitas de US$ 1,5 milhares de milhões. As subsidiárias do AKFED situam-se na África Austral, na África Ocidental, no Sul da Ásia e na Ásia Central. Para além de dar suporte financeiro aos projectos de investimento, o AKFED envolve-se directamente no desenvolvimento de recursos humanos, principalmente na especialização técnica, financeira, de gestão e de marketing. O AKFED derivou das instituições financeiras fundadas pelo avô do Aga Khan, Sir Sultan Mahomed Shah, entre 1930 e O actual Aga Khan alargou e expandiu o âmbito destas instituições. O AKFED foi constituído em 1984 para reunir estas instituições sob um denominador comum, permitindo-lhes assim, beneficiar de uma herança e de um espírito subjacente ao desenvolvimento comuns. O Fundo concentra-se no desenvolvimento socialmente responsável, tecnologicamente apropriado, economicamente viável e ambientalmente sensível, para o benefício de uma base populacional tão vasta quanto possível. Distingue-se pelo envolvimento directo na gestão das empresas, a forte participação no capital social das mesmas e, consequentemente, no compromisso a longo prazo com os países onde opera. ROSHAN, A EMPRESA DE TELEMÓVEIS GSM QUE A AKDN LANÇOU EM 2003, INVESTIU MAIS DE US$ 160 MILHÕES NO AFEGANISTÃO, EXPANDINDO-SE POR MAIS DE 45 CENTROS URBANOS E 100 COMUNIDADES MAIS PEQUENAS. O NÚMERO DE SUBSCRITORES ATINGIU MAIS DE UM MILHÃO EM TRÊS ANOS. OS HOTÉIS SERENA, COMO ESTE EM ISLAMABAD, CONSTITUEM UMA OPORTUNIDADE DE EXPOSIÇÃO PARA O ARTESANATO E AS TRADIÇÕES ARQUITECTÓNICAS LOCAIS. NA PÁGINA ANTERIOR: FRIGOKEN, UM DOS PROJECTOS EMPRESARIAIS DO AKFED NA ÁFRICA AUSTRAL, APOIA AGRICULTORES QUENIANOS A CULTIVAR, PROCESSAR, EMBALAR E COMERCIALIZAR AS SUAS CULTURAS DE FEIJÃO NOS MERCADOS EUROPEUS. 13

16 SERVIÇOS FINANCEIROS (FS) O AKFED faculta apoio a diversos países em desenvolvimento através das suas comparticipações em várias instituições bancárias, e empresas seguradoras e do ramo imobiliário na África Austral e na Ásia Central e do Sul. Muitas das instituições de serviços financeiros do AKFED tiveram a sua origem como cooperativas criadas na primeira metade do séc. XX pelo avô e antecessor do presente Aga Khan, Sir Sultan Mahomed Shah Aga Khan. Sob a direcção do presente Aga Khan, estas instituições evoluíram, cresceram e expandiram-se como bancos e como companhias de seguros gerais e de vida. BANCOS O AKFED tem investimentos numa variedade de instituições do sector bancário. Incluem a detenção do controlo no Habib Bank Limited (HBL), o maior banco privado do Paquistão, que foi adquirido através de um programa de privatização levado a cabo pelo governo em COM A AJUDA DO AKFED, MUITAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS QUE COMEÇARAM COMO PEQUENAS COOPERATIVAS, DESENVOLVERAM- -SE E ALGUMAS TORNARAM-SE IMPORTANTES ENTIDADES BANCÁRIAS E SEGURADORAS DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO. O Banco, que foi fundado em 1941, em Bombaim, tornou-se no primeiro banco comercial a ser estabelecido no Paquistão em 1947 e, actualmente, assume a liderança no mercado bancário de negócios. O HBL tem mais de cinco milhões de clientes e um activo superior a US$ milhões. Pioneiro na introdução de novos produtos como as Caixas Multibanco (ATM) e outros serviços ao consumidor no mercado Paquistanês, o HBL tem mais de dependências e está presente em 25 países em cinco continentes. Na Índia, o Development Co-operative Bank foi criado através da junção de duas pequenas cooperativas e, em meados da década de 90 do século passado, foi convertido num banco comercial operando como Development Credit Bank Limited (DCB). O AKFED, que facilitara o crescimento do banco cooperativo, é o maior accionista do DCB, que hoje opera 63 dependências em oito estados por todo o país. 14

17 O AKFED é o fundador e o principal accionista do Kyrgyz Investment and Credit Bank (KICB), que abriu em 2001 como o maior banco comercial da República de Quirgiz. O KICB centra-se no sector empresarial e no financiamento a médio e longo prazo, sendo ambos factores que contribuirão para o crescimento da indústria bancária e para estimular a actividade empresarial. No Bangladesh, o AKFED é o principal proprietário da Industrial Promotion and Development Company (Companhia de Desenvolvimento e Promoção Industrial), que é uma das principais entidades de crédito e financiamento para negócios e projectos de maior destaque nesse país. O Diamond Trust Bank foi fundado na década de 30, no Quénia, para ajudar a converter as poupanças locais em créditos para a construção de habitação de pequenas actividades. Hoje, opera na Tanzânia e no Uganda e oferece uma gama de produtos bancários e inovadores para os negócios tais como o financiamento de activos. SEGUROS O Jubilee Insurance Group (estabelecido originalmente nas décadas de 30 e 40) opera numa base regional no Quénia, na Tanzânia e no Uganda. A companhia oferece seguros gerais e também seguros de vida e de saúde. Está cotada na Bolsa de Valores de Nairobi. As operações de seguros no Paquistão são conduzidas por duas sociedades anónimas: a New Jubilee Insurance, a terceira maior seguradora do país, que oferece seguros gerais. A New Jubilee Life oferece seguros de vida e de complemento de reforma. NO PAQUISTÃO, O AKFED PARTICIPOU NA PRIVATIZAÇÃO DO HABIB BANK LIMITED, O SEGUNDO MAIOR BANCO DO PAQUISTÃO. O BANCO POSSUI DEPENDÊNCIAS EM 25 PAÍSES. Em 2004, as actividades de microfinança operadas pelo AKFED foram transferidas para a Agência Aga Khan para a Microfinança. 15

18 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (MS) O Nation Media Group, fundado em 1960, tem a sua origem nos jornais Taifa e Nation do Quénia, que foram criados para oferecer uma voz independente durante os anos imediatamente anteriores à independência do país. A longa associação que o Aga Khan tinha com estes jornais foi institucionalizada em 2003, quando o AKFED se tornou no maior accionista do Grupo. As operações incluem um número crescente de jornais nacionais ingleses e suahilis, um semanário regional e estações de rádio e de televisão. Em anos recentes, o Grupo tem vindo a alargar as suas operações ao Uganda e à Tanzânia. DETIDO COM CONTROLO MAIORITÁRIO E GERIDO POR QUENIANOS, O NATION MEDIA GROUP É UMA DAS PRINCIPAIS EMPRESAS DO SECTOR NA ÁFRICA AUSTRAL. O AKFED INVESTIU NO SECTOR DA AVIAÇÃO NA ÁFRICA OCIDENTAL. O Grupo tem seis divisões principais. Os Nation Newspapers incluem os jornais diário e dominical Nation e Taifa, o semanário Coast Express e um semanário regional, The East African. A Nation Broadcasting Division opera a Nation TV e a estação de rádio Nation FM. O Grupo inclui o Monitor Publications Limited (Uganda), que publica o diário e o dominical Monitor e opera a estação de rádio Monitor FM. Na Tanzânia, Mwananchi Communications Limited publica a Mwananchi e investiu na Radio Uhuru. O Grupo engloba ainda a Nation Marketing and Publishing Limited e a Nation Carriers Division. SERVIÇOS DE AVIAÇÃO (AS) O AKFED tem feito investimentos no sector dos serviços de aviação, incluindo a sua posição na Air Burkina, como parte de um plano concebido para assegurar a viabilidade da linha aérea a longo prazo. Nos próximos anos, o AKFED fará investimentos adicionais neste sector. 16

19 SERVIÇOS DE PROMOÇÃO INDUSTRIAL (IPS) Os IPS foram instituídos em 1963 para encorajar e expandir a iniciativa privada nos países da África sub-sahariana e do Sul da Ásia. Mais de 70 projectos industriais foram lançados desde que o grupo se formou, nas áreas das indústrias agro-pecuária e alimentar, impressão e embalagem, produtos metálicos e têxteis. À medida que os governos vão olhando cada vez mais para o sector privado como prestador de serviços, o AKFED tem vindo a criar projectos de infra-estruturas de telecomunicações, água e saneamento e geração de energia. O conhecimento das condições locais e os rigorosos padrões de gestão têm tornado as subsidiárias nacionais dos IPS em parceiros atraentes para investidores estrangeiros. Empresas industriais operam no Afeganistão, Burkina Faso, Costa do Marfim, Mali, Paquistão, Quénia, República Democrática do Congo, Senegal, Tajiquistão, Tanzânia e Uganda. Os IPS investem actualmente em mais de 50 empresas criadas para projectos específicos no mundo em desenvolvimento. Contam também com um vasto programa social, que vai dos cuidados infantis ao saneamento básico. ALLPACK, NO QUÉNIA, PRODUZ EMBALAGENS DE CARTÃO ONDULADO DE ALTA QUALIDADE PARA O CRESCENTE COMÉRCIO HORTÍCOLA. NA COSTA DO MARFIM, UMA OUTRA EMPRESA DO AKFED PRODUZ PELÍCULA DE POLIETILENO E PRODUTOS MOLDADOS POR INJECÇÃO. QUANDO TERMINADO, O PROJECTO DE ENERGIA DO PAMIR, ORÇADO EM US$ 26 MILHÕES, PROPORCIONARÁ ENERGIA HIDROELÉCTRICA RENOVÁVEL A UMA REGIÃO QUE TEM ESTADO SEM ELECTRICIDADE NEM AQUECIMENTO ADEQUADOS DESDE O FIM DOS SUBSÍDIOS SOVIÉTICOS PARA COMBUSTÍVEIS DIESEL, EM

20 INVESTIR NA INDÚSTRIA Entre os exemplos de projectos de investimento, encontra-se uma indústria agrícola, Sosuco, que foi adquirida sob o programa de privatização de Burkina Faso. Sosuco cultiva as suas próprias plantações de cana-de-açúcar e opera a maior refinaria de açúcar do país. Integrando as actividades regionais tipográficas e de empacotamento do AKFED na África Austral, a Allpack, no Quénia, produz sacos de polipropileno e embalagens de cartão ondulado para uma grande variedade de exportações, incluindo produtos hortícolas. A produção de embalagens de plástico na África Ocidental oferece uma gama de embalagens para as indústrias alimentar e cosmética. As empresas do AKFED também produzem utensílios domésticos, folhas onduladas para coberturas de telhados, estruturas para janelas e cablagens. Outras empresas produzem redes de pesca e produtos farmacêuticos. UGANDA FISHNET MANUFACTURERS, UMA OUTRA EMPRESA DO AKFED, PRODUZ REDES DE NYLON PARA OS PESCADORES DO LAGO VITÓRIA. FILTISAC PRODUZ E EXPORTA EMBALAGENS DE JUTA E DE POLIPROPILENO. A EMPRESA ESTÁ COTADA NA BOLSA DE VALORES DE ABIDJAN. DESENVOLVIMENTO DE INFRA-ESTRUTURAS O primeiro investimento do AKFED no sector energético, o projecto Azito na Costa do Marfim, foi seguido por outros dois projectos, a Central Travo no Quénia e a aquisição, sob o programa de privatização do Mali, de Energie du Mali, uma instalação de energia hídrica. A central de Azito, um projecto de 18

21 288 megawatts, é a maior central de energia do sector privado da África sub-sahariana. Foi desenvolvido e é operado pela ABB, pela Electricité de France e pelos IPS. O financiamento de US$ 225 milhões do projecto privado de infra-estruturas foi obtido através de accionistas e empréstimos de organismos de desenvolvimento internacionais e bilaterais e bancos comerciais, incluindo a Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA) e o Banco Mundial. NOVAS INICIATIVAS Num investimento ambicioso e inovador de US$ 26 milhões, o AKFED juntou esforços com o International Finance Corporation (IFC) em 2002, para desenvolver um novo projecto de geração e distribuição de electricidade numa província remota no Tajiquistão oriental. O projecto aumentará substancialmente o fornecimento de energia à região, que se encontra perigosamente inadequado, melhorará as condições de saúde, reduzirá a degradação ambiental e contribuirá para a recuperação económica da região. A CENTRAL DE AZITO, DE 288 MEGAWATTS, QUE FOI DESENVOLVIDA PELO AKFED, PELA EMPRESA HELVÉTICO-SUECA ABB E A ELECTRICITÉ DE FRANCE, FORNECE 30% DAS NECESSIDADES ENERGÉTICAS DA COSTA DO MARFIM. O CENTRO DE GESTÃO DA REDE EM CABUL FAZ PARTE DA AVANÇADA REDE GSM SEM FIOS INSTALADA NO AFEGANISTÃO. No Uganda, o AKFED está a dirigir o Projecto Hidro-Eléctrico de Bujagali, de 220 megawatts, orçado em US$ 500 milhões, que ajudará a solucionar as graves carências de energia eléctrica da região. Nas telecomunicações, o AKFED levou os serviços GSM de telemóveis para o Afeganistão, um país onde as linhas fixas foram dizimadas pelos anos de conflito. A iniciativa seguir-se-á à instalação faseada de telecomunicações de qualidade por todo o país. No Tajiquistão, o AKFED tem vindo a investir em operadores GSM, estimulando uma cobertura alargada e preços mais reduzidos. Uma empresa IPS de capital de risco, sediada no Canadá, que investe em projectos industriais de dimensão média, também disponibiliza mão-de-obra e contactos técnicos para outras empresas IPS no mundo em desenvolvimento. O IPS Suíça age como ponto focal e sede de recurso técnico para as empresas IPS. Também mobiliza o apoio para empresas capazes de contribuir para o desenvolvimento das economias nacionais e regionais. 19

Temas: Recomendações: Observações:

Temas: Recomendações: Observações: TI12653 CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA INDÚSTRIA (CAMI) Recomendações da 18 a Sessão Ordinária da Conferência dos Ministros da Indústria da UA (CAMI 18) a Nível de Altos Funcionários Durban, República

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org WG11036 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org ANÚNCIO E CONVITE PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Protocolo de Cooperação entre o Governo da República Portuguesa e o Imamat Ismaili Preâmbulo

Protocolo de Cooperação entre o Governo da República Portuguesa e o Imamat Ismaili Preâmbulo Decreto n.º 11/2006 Aprova o Protocolo de Cooperação entre o Governo da República Portuguesa e o Imamat Ismaili e respectiva lista de compromissos existentes e iniciativas adicionais, assinados em Lisboa

Leia mais

As trabalham directamente com as questões de saúde ambiental e podem disponibilizar formação, materiais e outros tipos de apoio.

As trabalham directamente com as questões de saúde ambiental e podem disponibilizar formação, materiais e outros tipos de apoio. Apresentamos aqui uma selecção de organizações, materiais impressos e recursos da internet que podem fornecer alguma informação útil sobre saúde ambiental. Listámos as organizações e os materiais que são

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA: Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas)

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Pág. 1 de9 CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Gestão do Turismo nos Sítios com Significado Patrimonial 1999 Adoptada pelo ICOMOS na 12.ª Assembleia Geral no México, em Outubro de 1999 Tradução por

Leia mais

Maputo, 7 de Novembro 2013

Maputo, 7 de Novembro 2013 Maputo, 7 de Novembro 2013 Agenda Este seminário tem por objectivo apresentar o estudo sobre a situação do acesso a finanças rurais e agrícolas em Moçambique 1. Introdução 2. Perfil da População Rural

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data A Chevron e Angola Parceiros de Longa Data As oportunidades de crescimento e progresso nunca foram tão vastas nas seis décadas de história da Chevron em Angola. Biliões de dólares estão a ser investidos

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Agricultura e o CAADP: Uma Nova Visão para a África Se quisermos fazer com que a

Leia mais

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Bases SólidasS Educação e Cuidados na Primeira Infância Docente: Prof. Nuno Silva Fraga Cadeira: Educação Comparada A Educação Primária

Leia mais

HELLO CABO VERDE EXPO 2011

HELLO CABO VERDE EXPO 2011 New Bedford, 31 de Janeiro de 2011 HELLO CABO VERDE EXPO 2011 Exposição sobre as Oportunidades de Negócios e Turismo em Cabo Verde New Bedford, MA 27 a 29 de Maio de 2011 OBJECTIVO O objectivo da exposição

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE Fundamentação Originalmente, as micro-finanças (MF) surgiram como uma forma alternativa de finanças para os pobres que eram antes

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia A Experiência de uma Empresa de Engenharia Victor Carneiro Presidente da Comissão Executiva da COBA www.coba.pt Fundada em 1962, a COBA, S.A0 é hoje uma das maiores empresas de Consultores de Engenharia

Leia mais

rotary isto é rotary

rotary isto é rotary rotary isto é rotary rotary Organização dedicada à prestação de serviços humanitários e promoção da boa vontade e paz mundial, que congrega 1,2 milhão de líderes profissionais e comunitários em mais de

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Calendário 2015 Clima

Calendário 2015 Clima Calendário 2015 Clima 15 a 28 de Setembro - Assembléia Geral da ONU (Nova York) 70º Assembléia Geral Dia 28 de Setembro Relatório do Secretário Geral Ban Ki-Moom Principais temas: Clima e Objetivos do

Leia mais

Programa de Acção da Candidatura a Presidente

Programa de Acção da Candidatura a Presidente Programa de Acção da Candidatura a Presidente do Instituto Politécnico de Beja de Manuel Alberto Ramos Maçães 1 Índice I. O Porquê da Candidatura II. III. IV. Intenção Estratégica: Visão, Envolvimento

Leia mais

Linhas de Financiamento com Candidaturas abertas - Abril 2012 Regiões / Data países

Linhas de Financiamento com Candidaturas abertas - Abril 2012 Regiões / Data países Linhas de Financiamento com Candidaturas abertas - Abril 2012 Regiões / Links Financiador Tema Questões chave Data Montantes países importantes Notas 1 Gates Advocacy Melhorar o apoio da opinião pública

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS PORTUGUESE (PT) ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS A Fundação Rotária atesta que: 1. Suas metas visam aumentar a eficácia na outorga de subsídios e garantir a qualidade dos projetos; 2. As declarações

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

Rotary é uma organização internacional dedicada Onde existe uma necessidade, Rotary encontra

Rotary é uma organização internacional dedicada Onde existe uma necessidade, Rotary encontra isto é rotary servir Rotary é uma organização internacional dedicada à prestação de serviços humanitários. Os homens e as mulheres associados ao Rotary são líderes profissionais e empresários que dedicam-se

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 Dotação financeira: 2.155 M FEDER: 1.751

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Uma Rede de Academias Promovendo a Excelência na Educação

Uma Rede de Academias Promovendo a Excelência na Educação e x c e l ê n c i a n a EDUCAÇÃO Uma Rede de Academias Promovendo a Excelência na Educação Educar futuros líderes competentes é uma grande responsabilidade. Para fazê-lo bem, temos de olhar para além

Leia mais

Fundo Mundial para o Ambiente

Fundo Mundial para o Ambiente Check upon delivery Só a versão proferida faz fé Fundo Mundial para o Ambiente Comunicação Apresentada por Monique Barbut, directora geral e presidente Fundo Mundial do Ambiente Em visita à Guiné-Bissau

Leia mais

Press Release. 8 de Maio, 2008 PI 6234 RB Pr/Vi

Press Release. 8 de Maio, 2008 PI 6234 RB Pr/Vi Press Release Desenvolvimento positivo continuou em todo o Mundo: Bosch atinge o volume de vendas e os resultados esperados Bom início para 2008 / " largo espectro de crescimento " 8 de Maio, 2008 PI 6234

Leia mais

Comprometidos com o Futuro da Educação

Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Educação Assim se Constroem as Grandes Nações A educação é vital para criar uma cultura baseada na excelência. A demanda por

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

Noções Básicas do Rotary

Noções Básicas do Rotary Noções Básicas do Rotary www.rotary.org/pt/rotarybasics Guia de Envolvimento com o Rotary Bem-vindo ao Rotary! Agora você é parte de uma rede global de voluntários empresariais, profissionais e comunitários.

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

Powered by. Desenvolvimento

Powered by. Desenvolvimento Desenvolvimento de Sistemas Sustentáveis 1 Urbancraft Energia, S.A. FDO INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES, SGPS, S.A. ALEXANDRE BARBOSA BORGES, SGPS, S.A. 50% 50% A URBANCRAFT ENERGIA, S.A é uma sociedade

Leia mais

Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia

Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia Revisto por: Luís Neves Silva, WWF Mediterranean Portugal Félix Romero, WWF Spain Nora Berrahmouni, WWF Mediterranean O panda que simboliza

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * *

Leia mais

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA - CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI) E A A ELO - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA

Leia mais

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA FUNDO ESPECIAL DE AUTO-AJUDA DO EMBAIXADOR DOS E.U.A. Ajudando as Comunidades a Ajudar-se a Si Próprias Caro Candidato ao Fundo de Auto-Ajuda: Obrigado pelo seu

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros

LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros IP/05/1156 Bruxelas, 19 de Setembro de 2005 LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros A Comissão Europeia

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Versão actualizada dos estatutos da Fundação Aga Khan Portugal ( 1 )

Versão actualizada dos estatutos da Fundação Aga Khan Portugal ( 1 ) Versão actualizada dos estatutos da Fundação Aga Khan Portugal ( 1 ) Artigo 1.º DENOMINAÇÃO A Fundação denominada Fundação Aga Khan Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Dotação financeira reforçada: 2.155 M

Leia mais

Excelência, Sr Presidente da República, Senhoras e Senhores Ministros,

Excelência, Sr Presidente da República, Senhoras e Senhores Ministros, Discurso de sua excelência, o Primeiro Ministro, José Maria Neves, por ocasião da tomada de posse do novo Governo no âmbito da remodelação governamental anunciada no dia 24 de Fevereiro de 2010 Excelência,

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Apoios à Internacionalização. Lisboa, 27 de Março de 2014

Apoios à Internacionalização. Lisboa, 27 de Março de 2014 Apoios à Internacionalização Lisboa, 27 de Março de 2014 Tópicos Sistemas de Incentivos às Empresas (QREN) Novo Quadro (2014-2020) Gestão do Risco Instrumentos de Financiamento Multilaterais Financeiras

Leia mais

O que está no interior faz toda a diferença

O que está no interior faz toda a diferença BREVE APRESENTAÇÃO DA ZENTIVA O que está no interior faz toda a diferença Visão global da Zentiva Localizada no centro da Europa, a Zentiva opera em 32 mercados e fornece medicamentos a cerca de 800 milhões

Leia mais

Satellite Newspapers Portugal Distribuição de Imprensa, Jornais e Revistas, S.A.

Satellite Newspapers Portugal Distribuição de Imprensa, Jornais e Revistas, S.A. O que é a Satellite Newspapers? A Satellite Newspapers é uma multinacional presente em 8 grandes regiões: - Europa - África - América do Norte - América Central - América do Sul - Médio Oriente - Austrália

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais