LA NUIT DE LA VERITÉ: POSSIBILIDADES DE UM CINEMA PAN- AFRICANO EM FANTA RÉGINA NACRO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LA NUIT DE LA VERITÉ: POSSIBILIDADES DE UM CINEMA PAN- AFRICANO EM FANTA RÉGINA NACRO."

Transcrição

1 LA NUIT DE LA VERITÉ: POSSIBILIDADES DE UM CINEMA PAN- AFRICANO EM FANTA RÉGINA NACRO. Lincoln Nascimento Cunha Júnior 1 Marlúcia Mendes da Rocha 2 Nesse trabalho nos propomos analisar possíveis características pan-africanas no longametragem da cineasta de Burkina Faso, Fanta Régina Nacro, La Nuit de la Verité (2004). A partir de algumas discussões sobre os cinemas produzidos no continente africano, buscamos não classificar o filme de Nacro como pertencente a essa ou aquela corrente teórico-ideológica, mas tentar entender aspectos do filme que podem ser caracterizados, ou não, dentro da questão pan-africana. O pan-africanismo foi um movimento criado por intelectuais da diáspora negro-africana no início do século XX. As ideias pan-africanistas já existiam no século anterior, mas foi em 1900, época do I Congresso Pan-africano, que o movimento oficializou esse nome. Seus idealizadores partiram do desejo de recuperar os laços com o continente do qual seus antepassados foram expatriados, sequestrados e levados a outros continentes na condição de escravizados. Entre suas ideias, a questão de que todos os negros que estavam espalhados pelos continentes faziam parte do povo africano. A África era, portanto, a pátria de todos os negros, tanto aqueles que estavam no continente africano, quanto daqueles da diáspora. O Pan-africanismo trouxe a percepção de que a África tornou-se uma comunidade global 3 (Tradução nossa) 4. Cresce, portanto, a necessidade de religação com o continente africano, bem como a intenção de retornar, homens e mulheres livres, ao continente de seus antepassados. Com o fim da escravidão nas Américas, principalmente do Norte, o sentimento de repatriação tornava-se cada vez mais latente e intenso, fazendo proliferar vários movimentos negros que tinham como principal reivindicação o retorno às terras africanas. No Brasil, em Cuba e nos EUA, milhares de pessoas retornaram à África, segundo Tony Martin, Além desse ideal, o pan-africanismo tornou-se uma rede de promoção de solidariedade entre os sujeitos da diáspora e do continente. Dessa forma, surgiram movimentos pela libertação da África e seus povos. À medida 1 Mestrando. UESC Universidade Estadual de Santa Cruz. 2 Doutora em Comunicação e Semiótica. UESC Universidade Estadual de Santa Cruz. 3 TONY MARTIN. Pan-Africanism, 1441 to the 21st Century: Building on the Vision of Our Ancestors Disponível em: < au_intellectuals.html>. Acesso em: 12 ago No original: Pan-Africanism brought the realization that Africa had become a global community. Trata-se de um artigo corrido, sem marcação de página. 1

2 em que o século XX vai avançando, o empreendimento Pan-africano tornou-se, cada vez mais, uma troca de duas vias, de pessoas e de ideias 5 (Tradução nossa) 6. Em 1900, ocorreu a primeira Conferência Pan-africana, em Londres. Algumas personalidades principais do advento do ideal e de seu fortalecimento no século XX são William E.B. Du Bois, Marcus Garvey, Aimé Cesaire, Frantz Fanon, entre outros; nas lutas pelas independências, temos Lèopold Sedar Senghor, do Senegal, Kwame Nkrumah de Gana, que, segundo Joseph Ki-Zerbo, teve esta idéia luminosa Africa must unite 7 ; e Amílcar Cabral, da Guiné-Bissau. Dentre os ideais pan-africanistas encontrava-se a união dos povos e territórios nas lutas pelas independências e na reestruturação do continente. No entanto, as pressões internacionais, os processos de independências, bem como os golpes de Estado apoiados e planejados, também, pelos colonizadores, não permitiram que as ideias pan-africanistas fossem postas em prática por muito tempo e em muitos países. Atualmente, as concepções pan-africanas ainda estão presentes nos ideais de muitos intelectuais africanos como, por exemplo, Ki-Zerbo, historiador e político nascido em Burkina Faso, falecido em dezembro de Sobre o ideal pan-africanista, Ki-Zerbo afirma que: Há uma questão da unidade e da fragmentação da África. Minha idéia, como você sabe, é que a África deve constituir-se através da integração, que não existe verdadeiramente hoje. É pelo seu ser que a África poderá realmente vir a tê-la; mas é preciso um ter autêntico, não um ter de esmola, de mendicidade. Trata-se do problema da identidade e do papel a desempenhar no mundo. Sem identidade, somos um objeto da história, um instrumento utilizado pelos outros, um utensílio. 8 Benjamin Sam Kilson, atual diretor executivo do Centro Memorial DuBois de Cultura Panafricana, em Accra, capital de Gana, afirma 9 que a partir da cooperação pan-africana, o continente colocará em prática suas possibilidades de resolver seus problemas. Para Kilson, o principal objetivo do pan-africanismo seria a ideia de que os países precisavam urgentemente entrar num acordo de cooperação mútua, na qual cada país, com suas riquezas, ajudaria aqueles que não as têm, fazendo com que, assim, todos pudessem se reerguer dos anos de dominação e exploração, aspectos do colonialismo europeu. Dessa forma, diminuir-se-iam as desigualdades. 5 MARTIN, op. cit. 6 No original: As the nineteenth century wore on the Pan-African enterprise increasingly became a two-way exchange of persons and ideas. 7 JOSEPH KI-ZERBO. Para quando a África?: Entrevista com René Holenstein. Tradução Carlos Aboim de Brito. Rio de Janeiro: Pallas, 2009, p Ibid., p Em entrevista concedida ao site < Acesso em: 12 ago

3 Se no campo da política, portanto, o ideal pan-africanista está longe de ser uma realidade, nas artes esteve sempre presente. Veremos, então, as possibilidades da presença do ideal panafricanista nos cinemas africanos. Iniciamos a investigação com a entrevista de Cheick Oumar Sissoko 10, cineasta do Mali e um dos mais premiados do continente africano, considerando as características de sua filmografia; em seguida, abordaremos alguns teóricos que percebem características comuns entre os filmes produzidos em diversos países do continente; tentaremos compreender o cinema enquanto espaço de atuação e presença do pan-africanismo; e, por fim, levantaremos algumas questões sobre o filme La Nuit de la Verité, da burkinabê Fanta R. Nacro. Ainda que seja complicado falar em um cinema continental ou, ainda, de cinemas nacionais, como nos adverte Mahomed Bamba (2007), nosso intuito é, baseando-nos em alguns teóricos e críticos de cinema africanos, entender e encontrar características similares ou comuns entre a produção cinematográfica, tanto da África negra, quanto do Magreb, por exemplo. No entanto, tendo consciência do caminho que iremos trilhar, esse trabalho tem a pretensão, apenas, de exprimir uma ideia germinal daquilo que poderemos desenvolver no decorrer da pesquisa. Na entrevista de Sissoko, um dos aspectos abordados pelo cineasta é a necessidade do cinema reafirmar sua importância para a sociedade africana. Para o diretor, o cinema tem um papel fundamental na conscientização da sociedade no que se refere aos direitos e deveres dos cidadãos, bem como sua afirmação perante às demais comunidades e a si próprio. Na entrevista supracitada, Sissoko nos afirma que, o cinema tem que criar uma mentalidade, tem que permitir o desenvolvimento da consciência, pois, tem essa capacidade pedagógica de abrir os olhos e de fazer com que as pessoas entendam o papel da África na humanidade 11. Assim, o cinema africano como um todo precisaria cada vez mais se autoafirmar, provocando, por conseguinte, a autoafirmação da sociedade e de seus indivíduos em particular. O diretor, por sua vez, tem o papel de trabalhar nas telas as questões particulares e sociais, uma vez que, de acordo com Ngugi Wa Thiong o, a experiência interna, não importando quão íntima e pessoal seja, não é independente da esfera pública, da vida pública e política Entrevista concedida ao site afreaka.com, em janeiro de 2014, Bamako, Mali. Disponível em: < cheick-oumar-sissoko-e-o-cinema-da-verdade/>. Acesso em: 12 jun Ibid. 12 NGUGI WA THIONG O. A descolonização da mente é um pré-requisito para a prática criativa do cinema africano? In: MELEIRO, Alessandra (Org.). Cinema no mundo: indústria, política e mercado. São Paulo: Escrituras, p (Coleção Cinema no mundo; v. 1), p

4 Indagado sobre como escolheu os temas para seus filmes, Sissoko afirmou que estes partiram de problemas sociais presentes em seu país, fazendo parte, por um lado, de sua experiência de vida; e, por outro, da realidade de tantos outros países africanos ajudando, assim, o posicionamento crítico do povo do Mali acerca das decisões sociais. Quando questionado a respeito do contexto do cinema africano atual, o diretor afirma a importância do Cinema da Verdade, que precisa continuar, ganhar mais força, uma vez que os problemas fundamentais do continente ainda não foram resolvidos, devendo ser encarados pela sociedade na tentativa de provocar debates, bem como a busca de soluções. Nessa direção, o Cinema da Verdade, aquele que esteja engajado com as questões sociais e culturais, poderia, quem sabe, se caracterizar também enquanto cinema pan-africanista. Os problemas de uma comunidade não estão limitados apenas a ela, mas se estendem sobre vários estados africanos; então, o cinema militante continua sendo imprescindível no continente. A ideia do pan-africanismo, ainda de acordo com Sissoko, deveria voltar a ser fortalecido, uma vez que o cinema tem as armas necessárias para empreender um combate pan-africanista diante dos aspectos da colonização que continuam presentes. Esse combate também deve se dar diante das questões políticas, civis e de identidade presentes em todo o território. A afirmação feita por Guy Hannebelle acerca dos cineastas argelinos, entre as décadas de 1960 e 1970, exemplifica essa mesma questão entre estes cineastas: Repetiam que a conquista da independência nacional não significava chegar ao fim do caminho, que era preciso avançar até a libertação social e econômica 13. Para essa libertação, se faz necessária a descolonização da mente, como afirma Thiong o (2007). Os cineastas africanos precisariam continuar criando e produzindo a partir de suas experiências e das vivências dos povos no que diz respeito à cultura e relações políticas, por exemplo. Essa criação deve ser desenvolvida com os olhares dos sujeitos africanos (claro, considerando aqui as particularidades de cada um) que, ao mesmo tempo em que olha para si mesmo, enxerga a realidade do continente e de seus povos. De acordo com nosso entendimento, a descolonização da mente passa pelo campo do pan-africanismo no sentido de tratar da cultura, política, economia e outras áreas da vida a partir do olhar afrocentrado 14, libertando-se daquelas referências ocidentais que acabam subjugando o continente. Após analisar os temas que 13 GUY HENNEBELLE. Os cinemas nacionais contra Hollywood. Tradução Paulo Vidal e Julieta V. Medeiros. Rio de Janeiro: Paz e terra, (Coleção Cinema; v. 6), p A esse respeito ver: Elisa Larkin Nascimento (org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, (Sankofa: matrizes africanas da cultura brasileira, vol. 4). 4

5 circunscrevem os cinemas da África negra 15, Hannebelle constata que: os cinemas da África negra estão próximos da realidade concreta que vive a grande massa de espectadores 16. Mesmo que seja imprescindível a continuidade do movimento de descolonização, ainda encontra-se presente um fator que pode ser considerado como inibidor de uma total independência: a falta de políticas públicas voltadas para o setor cinematográfico. Esse cenário que leva à dependência de financiamentos cedidos por governos europeus, principalmente o francês, não permite uma efetiva descolonização dos países africanos. Como afirma Paulo Soares: Num e noutro caso, das coproduções e do incremento de políticas públicas, há que se reconhecer que o caráter autônomo dos filmes dependerá da efetiva liberdade, econômica e política, para que o cineasta possa melhor se lançar à aventura experimental. A referência aos novos modos de dizer o não-dito, de assumir o lugar da fala pós-colonial, depende disso. Vencer o dirigismo econômico empresarial ou político estatal torna-se um grande desafio para o cinema periférico em contexto global 17 Ainda que seja, nesse caso, um cinema produzido por africanos, muitas vezes o cineasta está sob o julgo do financiador, que sempre espera encontrar nesses filmes os aspectos voltados para uma prática cultural pré-colonial ou mítica, além de questões que fortaleçam os ideais ocidentais em relação aos povos da África. Tomando a França como exemplo, Roy Armes (2014) nos apresenta as condições dos financiamentos franceses no cinema africano: muitos filmes africanos atuais resultam, de fato, da política cultural francesa, que, Apesar da boa intenção, isso resultou na produção de filmes de gueto 18. A política cinematográfica francesa, em parte em resposta ao cinema de Hollywood, acabou por incentivar a produção de filmes com pouca expressão dentro do continente africano, uma vez que não representavam a realidade dos povos envolvidos, mas sim aspectos esperados pelo público europeu. Segundo Raphaël Millet (apud Armes, 2014, p. 31), não é a política de apoio francesa que ajuda a cinematografia do sul, mas é esta que ajuda a política cultural francesa. Daí o 15 HANNEBELLE, op. cit., p. 156, afirma que as temáticas e estilo que são encontrados nos filmes da África negra são, geralmente os seguinte: 1) A luta contra o apartheide sul-africano e contra o ultra-colonialismo português (...). 2) A antiga resistência à agressão colonial (...). 3) As doenças infantis da independência (...). 4) O futuro decepcionante (...). 5) O novo tráfico negro (...). 6) A subordinação da mulher (...). Análise também desenvolvida por Ferid Boughedir, Ibid., p PAULO M. F. SOARES. Um cinema à margem. In: Estudos de Sociologia: revista do Programa de Pós- Graduação em Sociologia da UFPE, Pernambuco, v. 15, n. 2, p , 2009, p ROY ARMES. O cinema africano: uma tentativa de definição. In: FERREIRA, C. Overhoff (Org.). África: um continente no cinema. São Paulo: Fap-Unifesp, 2014, p

6 cinema africano continuar desenvolvendo também um cinema representante das realidades africanas e não da realidade forjada e esperada pelos ocidentais 19. Thiong o (2007), indo além do cinema militante ou pedagógico, afirma que ele (o cinema) deve ser feito de forma a dar prazer àquele que assiste ao filme, uma vez que é o cinema uma arte e, como toda arte, tem um papel fundamental na sociedade na qual está inserida. A arte deve representar o artista, sua cultura e seu povo; o cinema deve mostrar as belezas e os problemas sem cair no estereótipo construído pelo ocidente. Estereótipo esse, por exemplo, de que a África é uma terra de pessoas atrasadas e que se resume à sua ligação com a natureza e seus fenômenos, ou a práticas religiosas e mágicas que influenciam na economia, educação e no modo de vida em geral, ou ainda a safaris, doenças e fome. Esse estereótipo foi exposto de forma absurdamente clara e direta pelo ex-presidente da França, Nicola Sarcozy em 2007, na capital do Senegal, Dakar. Na Universidade Cheikh Anta Diop, Sarkozy afirmou que: O drama da África é que o homem africano não entrou o suficiente na história. O camponês africano que depois de milênios, vive ao sabor das estações, em que o ideal de vida é estar em harmonia com a natureza, só conhece o eterno recomeço do tempo ritmado pela repetição sem fim dos mesmos gestos e das mesmas palavras. Nesse imaginário, em que tudo sempre recomeça, não há lugar nem para a aventura humana, nem para a ideia de progresso. Nesse universo em que a natureza tudo comanda, o homem escapa à angústia da história que pinça o homem moderno 20. Uma das questões curiosas desse discurso regado por inconsistências históricas é, justamente, ter sido pronunciado na universidade que leva o nome do filósofo, cientista e historiador que está entre os mais importantes do continente. Acreditamos que, seguindo a ideia de Thiong o (2007), o cinema tem as possibilidades de tornar visíveis esses aspectos tão característicos da persistente colonização da mente que atua de forma rasteira, mas que, no entanto, tem consequências sérias para o continente africano; pois, A arte cinematográfica tem o dever de desmascarar a descolonização parcial da maioria dos estados na África 21. Entre as consequências da descolonização parcial, podemos citar a invisibilidade histórica, a imposição do pensamento ocidental, a inferiorização dos povos e, ainda, a dissimulação das 19 Por outro lado, devemos considerar a seguinte questão: por qual motivo ainda classificamos o cinema do continente africano como Cinema Africano? Não deveríamos, por outro lado, classificar de acordo com sua temática? No entanto, não temos condições de desenvolver essa discussão no trabalho presente. 20 Discurso disponível em <<www.youtube.com>>, sob o título «Discurso de Dakar (2007)», com legenda em português. Acesso em: 01 jun THIONG O, op. cit., p

7 causas dos problemas continentais. No decorrer de seu discurso, o ex-presidente francês afirma que a colonização não é responsável pelo genocídio existente naquele continente, muito menos pelos ditadores, pela corrupção, pela prevaricação, pelos desperdícios e pela poluição. De certo que não podemos isentar os sujeitos e grupos africanos que perpetuam e sustentam tais ações, no entanto, também não podemos excluir o colonizador de ter provocado a disseminação das práticas acima descritas. Em todo seu discurso para os jovens estudantes daquela universidade, Sarcozy aborda as tradições, a arte, a culinária, o pensamento mítico, a tradição oral como únicas heranças do povo africano; deixando de lado o conhecimento científico, botânico, medicinal, astronômico, filosófico e arquitetônico, por exemplo. E vai mais além ao afirmar que aqueles jovens têm dentro de si duas identidades, uma africana e outra europeia, sendo a europeia responsável pelo apelo da liberdade, da emancipação, da justiça e da igualdade. Os três pilares da Revolução Francesa não poderiam existir, então, fora do Velho Mundo sem que seus agentes os levassem às terras bárbaras, salvando-as do animalesco, da falta de organização e do limbo do atraso ideológico. Outro exemplo da colonização da mente é abordado por Ki-Zerbo, ao falar sobre a educação escolar que recebera na infância: Ainda pequenos, tínhamos de utilizar um livro de História francês que começa assim: Nossos antepassados, os gauleses... Assim, no início da formação, houve deformação 22. De acordo com Mahomed Bamba (2008), O engajamento político e panafricanista do cineasta africano não se traduz apenas por uma volta incessante e esquizofrênico para o passado, mas o situa também no presente. Nos filmes africanos os temas fortes de atualidade são abordados sem complacência. O espaço fílmico funciona de maneira genérica e simbólica. A representação de um fato e de uma realidade sócio-política em um determinado país não vale apenas por este país, ela concerne simbolicamente a todos os países africanos 23. Os cinemas que apresentam características pan-africanas oferecem as possibilidades de uma arte que traz à tona os problemas do continente, mobilizando a população em busca de soluções; mas também oferece um sentimento de pertencimento, de reconhecimento e autoafirmação dos povos e de suas identidades. As temáticas que são desenvolvidas por muitos cineastas africanos 22 KI-ZERBO, op. cit., p MAHOMED BAMBA. Os cinemas africanos: entre construção identitária nacional e sonho panafricanista. 2008, p. 6. Disponível em: <malembemalembe.ceart.udesc.br/textos/bamba. doc>. 7

8 sempre envolvem questões voltadas às identidades nacionais e à realidade política e cultural. Vejamos alguns exemplos: os governos ditatoriais e corruptos, como em Guimba: um tirano, uma época (1995), de Sissoko; a situação degradante que muitas mulheres estão expostas, como em Moolaadé (2004), de Ousmane Sembène; a oposição tradição e modernidade, como em Touki Bouki (1973), de Djibril Diop Mambéty, ou em Keita! O legado do griot (1996), de Dany Kouyaté. Encontramos filmes, no entanto, que saem dessas temáticas, como Dakan (1997), de Mohamed Camara, que conta a história de dois jovens homossexuais e os conflitos que vivem por conta do amor que sentem um pelo outro. Acredito que essa última questão, de longe, limita-se ao continente negro, mas está presente no dia a dia de tantos jovens que sofrem o conflito de não se adequarem à sociedade heteronormativa na qual estamos imersos. Os limites territoriais dos estados africanos, como sabemos, foram impostos pelo colonizador, muitas vezes dividindo o mesmo povo em territórios diferentes, ou reunindo povos rivais em um mesmo Estado. Essas fronteiras, no que diz respeito ao cinema, não servem como limitações; as histórias narradas são plurinacionais, pan-africanas. Pois, assim como, por um lado, afirma Bamba (2007) que o cinema africano apresenta uma diversidade tanto nas temáticas quanto nos territórios em que são filmados; Armes (2007), por seu turno, concorda com a ideia de que cineastas de países como Burkina Fasso, Senegal, Argélia, entre outros, se aproximam entre si no que diz respeito também às temáticas e a forma como são trabalhadas. Esses cineastas, segundo Hennebelle, não se contentam, porém, em refletir passivamente uma situação. Sentimos na maioria dos autores, ao contrário, a vontade de atuar sobre a realidade, com a intenção de modificá-la. 24 Permitam-me ilustrar esse cenário com o filme Finzan (1989), de Cheick Oumar Sissoko. Nele, deparamo-nos com um problema que diz respeito a vários países africanos, a excisão, a mutilação genital sofrida pelas mulheres e, em um contexto mais amplo, também a violência moral e intelectual que muitas delas sofrem; problema que não é, obviamente, restrito à África. Sobre essa questão, a UNESCO, UNICEF, OMS e outas entidades lançaram uma declaração conjunta, intitulada Eliminação da Mutilação Genital Feminina (2009) 25, na qual informam que a prática da excisão ainda é realizada em alguns países da Ásia, oriente médio, Américas e, predominantemente, em várias regiões da África. Finzan, segundo informação do cineasta, presente na entrevista citada no início desse trabalho, teve a intenção não apenas de mostrar o problema, mas de fazer germinar nas consciências dos sujeitos a possibilidade de lidar com o assunto e resolvê-lo Hennebelle, op. cit., p. 157 In: 8

9 Consideremos, agora, outro tema que, também, faz parte da realidade de tantos países da maioria dos continentes: a guerra. O que podemos falar a respeito da experiência da guerra? Provavelmente, um tema além do pan-africanismo e que atinge ou atingiu, em algum momento, a maioria dos povos do mundo. É sobre essa experiência que a cineasta de Burkina Faso, Fanta Régina Nacro desenvolve seu longa-metragem, La Nuit de la Verité, lançado em Após passarem 10 anos em uma guerra sangrenta, os Nayaks, etnia do presidente, e os Bonandes, etnia comandada pelo Coronel Theo reúnem-se com a proposta de selarem um acordo de paz. No entanto, durante uma noite festiva na comunidade dos Bonandes, a experiência e os tormentos da guerra assolarão os indivíduos de ambas as etnias. Como lidar com o trauma da perda cruel e desumana provocada pela guerra? La Nuit de La Verité se passa em um país fictício, pois não é indicado no filme um território oficial. Esse aspecto torna a história sem fronteiras, sem limitações, sem nacionalidade. Em entrevista concedida a Piter Scarlet 26, Fanta Nacro fala de sua inspiração, sua intenção, bem como sua experiência com o filme. Abordaremos aqui apenas alguns pontos da entrevista que se referem à ideia de criar a história e sua expectativa com a película. Vale ressaltar que não é nossa intenção fazer uma análise do filme no que diz respeito aos cenários, interpretações ou técnicas de filmagem; mas, como um exercício inicial, tentar perceber o contexto geral e enredo de forma que nos possibilite encontrar, se possível, características pan-africanas. De acordo com a cineasta, após tomar conhecimento do fato de que mulheres na Iugoslávia, durante a guerra, eram estupradas e tinham suas vaginas queimadas com ácido, voltou a refletir sobre as barbaridades cometidas pelo ser humano. Ela não se conteve em conhecer aquele fato, mas a angústia a fez procurar respostas sobre as causas que impulsionam as pessoas a se odiarem do dia para a noite. Após assistir ao documentário sobre a Iugoslávia, vários episódios de guerra também aconteceram na África, como o genocídio de Ruanda, por exemplo; daí sentiu a necessidade de falar sobre a guerra, ou melhor, sobre a experiência da guerra ou, como diz a própria cineasta na entrevista citada acima: Muito rapidamente eu percebi que eu não poderia fazer um filme sobre a guerra, mas sim sobre a fragilidade da paz, porque no momento em que eu estava refletindo, havia também os tribunais de reconciliação em curso na África do Sul, com pessoas a dizer para as mães de luto como eles mataram os seus filhos, mas 26 Entrevista concedida no período da exibição de La Nuit de la Verité nos Estados Unidos da América, disponibilizada em 19 de maio de 2008, no site < https://www.youtube.com/watch?v=thyrzjm0vsq>. Acesso em: 11 ago

10 com um tal sentimento de desapego que eu tentei me colocar no lugar dessas mães que estavam ouvindo aquilo. (Tradução nossa) La Nuit de la Verité nos coloca de frente ao desejo mais perseguido pela humanidade, a paz; porém, nos faz perceber quão frágil ela é. A personagem Edna, da etnia Nayak, interpretada pela atriz Naky Sy Savane, sofre muito por ter perdido seu filho na guerra, assassinado pelos bonadês e, obviamente, não se sente à vontade em festejar a paz com esse grupo. Verdades vêm à tona durante o banquete e, junto a elas, o desejo de vingança, movido pela lembrança do filho alegre e pela imagem da criança assassinada. A dor dessa mãe ilustra a dor dos povos que sofrem com a guerra. Ela precisa permanecer forte, equilibrada, negando sua dor e seu desejo de vingança. Até que ponto nós somos capazes de perdoar uma atrocidade como aquela que fora cometida contra o filho de Edna? Como assegurar um acordo de paz, se as feridas ainda estão abertas? O que fazer para sanar as diferenças e dar início a esse estado tão esperado por toda a humanidade? Essas questões são jogadas ao expectador e ruminadas pelas personagens do filme que, além de ser impulsionado pela memória da guerra, contém um aspecto fundamental da vida da cineasta. Fanta Nacro, em sua entrevista, afirma que perdera seu tio, assassinado de maneira brutal. Esse é único fato verdadeiro que faz parte do filme. Seu tio morreu em um acampamento militar da mesma forma como morre o coronel Theo. Assim, é a experiência particular que se cruza às experiências e situações dos povos, aproximando, então, de forma absurdamente verdadeira da sociedade em geral. La Nuit de la Verité possibilita que todos aqueles que passaram pela experiência da guerra ou que, ao menos, sejam humanos o suficiente para se compadecerem com tal situação, sintam-se parte daquela história. Pois, As experiências pessoais devem também ser vistas no contexto histórico em que se desenvolvem. Escravidão, colonialismo, neocolonialismo, racismo e ditaduras são partes inseparáveis da realidade africana e não podemos nunca ser seduzidos pelos nossos financiadores a agirmos como se única realidade na África fosse a de nossos anciãos sentados sob um baobá exsudando sabedoria, ou de elementos sobrenaturais da vida africana. 27 E, mais uma vez, vem à tona o papel do cinema e a possibilidade de considerar La Nuit de la Verité um filme com elementos pan-africanos. No entanto, pode-se considerar também como um trabalho que ultrapassa as fronteiras africanas; representando e, de certa maneira, denunciando as angústias que se relacionam a todos os povos que experienciaram a guerra. Mais ainda, La Nuit de 27 THIONG O, op. cit., p

11 la Verité é uma película dirigida por um olhar feminino, que narra a angústia de uma mãe que perdera seu pequeno filho para uma guerra, que como toda guerra, desumana. Esse último aspecto nos abre para novas investigações na continuação desse trabalho, como por exemplo, a representação do feminino no FESPACO (Festival Pan-africano de Cinema e Televisão de Ougadougou), cujo principal prêmio homenageia a princesa Yennenga 28, demonstrando a importância das mulheres na sociedade de Burkina Faso. Fanta Régina Nacro, é uma dessas mulheres burkinabê que, neste filme, vêm representando a ótica do feminino no cinema do continente africano, sobretudo no tocante ao sofrimento humano causado pelas desigualdades e desumanidades provocadas, contraditoriamente, pela própria humanidade. Referências ARMES, Roy. O cinema africano: uma tentativa de definição. Termo In: FERREIRA, C. O. (Org.). África: um continente no cinema. São Paulo: Fap-Unifesp, p BAMBA, Mahomed. O papel dos festivais na recepção e divulgação dos cinemas africanos. Termo In: MELEIRO, A. (Org.). Cinema no mundo: indústria, política e mercado. São Paulo: Escrituras, p (Coleção Cinema no mundo; v. 1). BAMBA, Mahomed. Os cinemas africanos: entre construção identitária nacional e sonho panafricanista. In: Mostra de Cinema Africano de Manaus Malembe Malembe, 2008, Manaus. Anais eletrônicos... Disponível em: <malembemalembe.ceart.udesc.br/textos/bamba.doc>. Acesso em: 20 jul BOUGHEDIR, Ferid. O cinema africano e a ideologia: tendências e evolução. Termo In: MELEIRO, A. (Org.). Cinema no mundo: indústria, política e mercado. São Paulo: Escrituras, p (Coleção Cinema no mundo; v. 1). HENNEBELLE, Guy. Os cinemas nacionais contra Hollywood. Tradução Paulo Vidal e Julieta V. Medeiros. Rio de Janeiro: Paz e terra, (Coleção Cinema; v. 6). KI-ZERBO, Joseph. Para quando a África?: entrevista com René Holenstein. Tradução Carlos Aboim de Brito. Rio de Janeiro: Pallas, MARTIN, Tony. Pan-Africanism, 1441 to the 21st Century: Building on the Vision of Our Ancestors Disponível em: < au_intellectuals.html>. Acesso em: 12 ago Yenenga, filha do rei de Na Nedega (por volta do século XI), foi uma grande guerreira muito importante na história de Burkina Faso. Ver. História geral da África, IV: África do século XII ao XVI / editado por Djibril Tamsir Niane. 2.ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010, cap

12 SOARES. Paulo M. F. Um cinema à margem. Termo In: Estudos de Sociologia: revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE, Pernambuco, v. 15, n. 2, p , THIONG O, Ngugi Wa. A descolonização da mente é um pré-requisito para a prática criativa do cinema africano? Termo In: MELEIRO, A. (Org.). Cinema no mundo: indústria, política e mercado. São Paulo: Escrituras, p (Coleção Cinema no mundo; v. 1). 12

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.org.br

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.org.br GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.org.br África -Físico Segundo maior continente (Ásia), tanto em população quanto em extensão. Maior deserto do planeta: Saara, desconsiderando a Antártica

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 57 Imprimir 2015-09-24 Rádio Vaticana Francisco no Congresso Americano acolhido com grandes aplausos. É a primeira vez que um Papa

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

Professor Thiago Espindula - Geografia. África

Professor Thiago Espindula - Geografia. África África A seguir, representação cartográfica que demonstra a localização da África, em relação ao mundo. (Fonte: www.altona.com.br) Europeus partilham a África A Conferência de Berlim, entre 1884 e 1885,

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro.

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Prof.ª Sonia Helena Carneiro Pinto Justificativa: Este projeto

Leia mais

Guerras tribais ou conflitos étnicos?

Guerras tribais ou conflitos étnicos? Guerras tribais ou conflitos étnicos? O continente africano padece das conseqüências de um longo e interminável processo de exploração que espoliou a maior parte de suas nações, determinando, na maioria

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 157 A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 Somos a continuação de um fio que nasceu há muito tempo atrás... Vindo de outros lugares... Iniciado por outras pessoas...

Leia mais

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados,

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Conhecemos as desigualdades raciais no Brasil, que estão inequivocamente

Leia mais

MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU

MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU OS REFUGIADOS: * A MAIOR TRAGÉDIA HUMANA DA NOSSA ÉPOCA * A AMEAÇA DE MORTE VIOLENTA DOS REFUGIADOS * E A MORTE CERTA PELA MISÉRIA E PELA FOME * DESAFIO DE UMA UNIVERSIDADE

Leia mais

África. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Blaise Pascal 30. www1.folha.uol.com.br

África. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Blaise Pascal 30. www1.folha.uol.com.br África Acredita-se que a situação atual da África seja resultado da maneira em que foi colonizado pelos Europeus. Por meio de colônia de exploração de recursos mineiras, separação dos territórios tribais

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Quais seriam, então, essas condições? Vejamos:

Quais seriam, então, essas condições? Vejamos: Discurso do Presidente da África do Sul, Thabo Mbeki, na inauguração do Instituto de Renascimento Africano (Pretória, 11 de outubro de 1999) P residente, Ilustres Dignatários da África, Secretário Geral

Leia mais

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido Universidade Federal de Uberlândia Este trabalho apresenta resultados

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Conflito do Tibete. Resenha Segurança

Conflito do Tibete. Resenha Segurança Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 O Tibete voltou a ser palco de conflitos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

Aula 10 O CINEMA AFRICANO

Aula 10 O CINEMA AFRICANO O CINEMA AFRICANO META Apresentar ao aluno o lugar do cinema na história da África contemporânea. Analisar o cinema enquanto expressão cultural e de identidade, bem como um espaço privilegiado para a elaboração

Leia mais

CINEMA E RACISMO: O FILME COMO FONTE VISUAL PARA O ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA CONTEMPORÂNEA

CINEMA E RACISMO: O FILME COMO FONTE VISUAL PARA O ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA CONTEMPORÂNEA CINEMA E RACISMO: O FILME COMO FONTE VISUAL PARA O ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA CONTEMPORÂNEA Mainara Duarte Eulálio Universidade Federal da Paraíba PROLICEN (Bolsista) mainaraduarte@hotmail.com Resumo

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO Profa. Dra. Luci Bonini Desde a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns órgãos da sociedade têm se manifestado no sentido de promover as garantias

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Vanessa Carla Bezerra de Farias Discente do curso de Direito UFRN Prof. Orientador Thiago Oliveira Moreira Docente do curso de Direito UFRN Introdução:

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014.

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. DEDICATÓRIA Para todas as crianças negras e de classes populares que são vítimas das atrocidades

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria.

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. 1 Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. Quem somos: A Abrasa Associação Brasileiro-Afro-Brasileira para o Desenvolvimento da Dança, Cultura Educação e Arte, é uma Instituição

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Shusterman insere cultura pop na academia

Shusterman insere cultura pop na academia São Paulo, quinta, 21 de maio de 1998 Shusterman insere cultura pop na academia PATRICIA DECIA da Reportagem Local O filósofo americano leva a cultura pop à academia. Em "Vivendo a Arte - O Pensamento

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

A LEI Nº. 10.639/03 NO CURRÍCULOESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA E AFRODESCENDENTE

A LEI Nº. 10.639/03 NO CURRÍCULOESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA E AFRODESCENDENTE A LEI Nº. 10.639/03 NO CURRÍCULOESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA E AFRODESCENDENTE Cícera Nunes ciceranunes@hotmail.com Doutoranda em Educação Brasileira - UFC Professora

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

(RE)PENSANDO SOBRE O ENSINO DA TEMÁTICA AFRICANA

(RE)PENSANDO SOBRE O ENSINO DA TEMÁTICA AFRICANA (RE)PENSANDO SOBRE O ENSINO DA TEMÁTICA AFRICANA FRITZEN, Vanessa Mestranda em Letras - Literatura Comparada Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões vane.fritzen@gmail.com Resumo:

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET 1 HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET Marlesson Castelo Branco do Rêgo IFPE Doutorando em Ciências Humanas pela UFSC Introdução Em 2004, o governo federal lançou

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO

RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO Adriana Rosicléia Ferreira CASTRO Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/ UERN - CAMEAM Pós-graduanda em Psicopedagogia

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam

Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam direção_adriano Esturilho e Fábio Allon Longa-metragem digital de ficção contemplado pelo Prêmio Estadual de

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 10 - Para uma educação antirracista Objetivos: Analisar o conceito de multiculturalismo;

Leia mais

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS PRISCILA NUNES FRANÇA DE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO), CARLA TATIANA MUNIZ SOUTO MAIOR (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO).

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E UNIVERSALIDADE Gisele Aparecida Pereira da Silva (Advogada, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Bauru/SP)

DIREITOS HUMANOS E UNIVERSALIDADE Gisele Aparecida Pereira da Silva (Advogada, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Bauru/SP) DIREITOS HUMANOS E UNIVERSALIDADE Gisele Aparecida Pereira da Silva (Advogada, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Bauru/SP) A concepção contemporânea dos direitos humanos fundamentais nasceu

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira.

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Discurso do Ex-Presidente Lula Outorga do Título de Doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira 1 de Março de 2013 Recebo com emoção o título de doutor

Leia mais

A A A A A A A A A A A A A A A

A A A A A A A A A A A A A A A SOCIOLOGI 1 Nas democracias modernas, a cidadania se concretiza pelo acesso aos direitos constitucionais. Na sociedade brasileira, o texto da Constituição Federal de 1988 estende os direitos ao conjunto

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 9 o ano Unidade 7

Sugestões de avaliação. Geografia 9 o ano Unidade 7 Sugestões de avaliação Geografia 9 o ano Unidade 7 Nome: Unidade 7 Data: 1. Sobre o relevo e a hidrografia da África, marque V (verdadeiro) ou F (falso) nas sentenças a seguir. ( ) a maior parte do relevo

Leia mais

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006 PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Observe os

Leia mais

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO Eliany Alvarenga de Araújo' 1 1 - INTRODUÇÃO Inicialmente eu gostaria de agradecer a Comissão Organizadora do 15 Painel Biblioteconomia em Santa Catarina,

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Do vosso apoio saio revigorado para

Leia mais

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA Prof.ª Dra. Irizelda Martins de Souza e Silva UEM Caroline Mari de Oliveira UEM Kethlen Leite de Moura UEM Thaís Godoi de Souza UEM Agência Financiadora:

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática

Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática Celebramos os 40 anos do 25 de Abril. Durante um ano celebrámos os valores de Abril de Liberdade, de Justiça, de Solidariedade.

Leia mais

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola (Mônica Pereira dos Santos) 1 Introdução A perspectiva da relação entre família e escola pouco tem sido tratada na literatura do ponto de vista educacional,

Leia mais

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES Resumo O texto em questão é parte da pesquisa em desenvolvimento (mestrado) que tem como objetivo

Leia mais

Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal

Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA MODALIDADE EAD CURSOS DE GRADUAÇÃO Pró-Reitoria de Ensino ORGANIZADORAS: Aparecida Cristina Cardoso Cristina Herold Constantino

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO

GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO Preletora: Antônia dos Santos Alves Quem é o Gestor? Ajustar a mente no início do dia. Escola é uma empresa com características próprias O ato de orar antes das

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Autogestão Autonomia E Inclusão social

Autogestão Autonomia E Inclusão social Autogestão Autonomia E Inclusão social Moira Sampaio Rocha moyrahelmer@hotmail.com Terapeuta Ocupacional Especialista em Educação Especial Inclusiva Especializanda em Tecnologia Assistiva A pessoa com

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais