ORGANIZAÇÃO DO MATERIAL / 2014 MARISE LECHETA VENSKE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORGANIZAÇÃO DO MATERIAL / 2014 MARISE LECHETA VENSKE"

Transcrição

1 ORGANIZAÇÃO DO MATERIAL / 2014 MARISE LECHETA VENSKE

2 EGITO

3 EGITO - Lei da frontalidade - Arte tumular - Utilização de materiais resistentes para garantir a perpetuação das obras. - Estilização da pintura e da escultura. A pintura era sempre chapada, ou seja, sem o uso de gradações. - Reprodução da hierarquia social através da proporção dos personagens representados. Faraó Sahuré - Pintura simbolizando sua ressurreição

4 EGITO Cena familiar testemunha o estilo de vida e a hierarquia no Egito antigo. Jovens com instrumentos musicais.

5 EGITO Exército de mercenários Núbios.

6 EGITO ESCULTURAS EM DIORITO E GRANITO MATERIAIS PREFERIDOS Faraó Miquerinos e sua esposa Khamerernebti II.

7 Reino Congo M'Banza Kongo é uma cidade e município da província do Zaire, em Angola. Tem cerca de 68 mil habitantes. Foi a capital do antigo reino do Kongo e designou-se São Salvador do Congo até 1975.

8 Reino Congo - Nove grupos formavam o reino Kongo, cuja capital Mbanza Congo foi rebatizada pelos portugueses de São Salvador. Situava-se na atual Angola. Fundado em 1400 foi convertido ao cristianismo em 1512, ano em que o rei Kongolês envia uma missão a Roma com a finalidade de prestar obediência ao Papa. O rei era autoridade suprema e também um curandeiro de dimensão cósmica. ARTE FUNERÁRIA Esculturas em pedra - Representa o rei, ao mesmo tempo em que fazem uma homenagem à sua memória, procura estabelecer uma reação material entre o mundo dos vivos e dos mortos. A escultura é o próprio rei, o seu duplo imortalizado. Estatueta funerária esteatita 42 cm (Bélgica)

9 Reino Congo Esculturas em madeira -Eram depositadas sobre os túmulos de pessoas importantes e revelam o pertencimento social do homenageado através da vestimenta, das jóias e das escarificações*. -Garrafas e cálices esculpidos também eram depositados nos mesmos túmulos. Madeira e pigmento 69 cm (Bruxelas coleção particular)

10 Reino Congo * Escarificação As escarificações, marcas feitas com cortes na pele, registram fases importantes na vida de uma pessoa. Os cortes são feitos na pele e quando cicatrizam parecem uma renda. As cicatrizes tem função estética e também podem indicar status social e o pertencimento a um determinado grupo étnico. Em algumas regiões da Nigéria, as marcas começam a serem feitas cedo, a partir dos 5 anos de idade, em partes específicas do corpo, obedecendo uma sequência. As jovens só são consideradas adultas e aptas para o casamento quando toda a sequência de desenhos estiverem completas.

11 Esculturas com pregos -Representam a força do mundo invisível e devem ser invocadas através de certos rituais. Determinadas substâncias mágicas são introduzidas nessas peças pelos sacerdotes. A cor vermelha indica o poder mediador do morto. Substitutas do rei, sua função é caçar as forças do mal e restabelecer verdade. A lâmina ou prego encravado encerra a discussão. Reino Congo Madeira, ferro, conchas, tecido e fibras vegetais 117 cm (Bélgica)

12 Reino Congo Máscaras - Geralmente antropomórficas eram usadas por sacerdotes para evocarem o mundo dos espíritos, pois acreditavam em seu poder intermediador. Podiam ser femininas ou masculinas e quando pintadas de branco eram associadas ao luto. Essa cor também era besuntada ao corpo do sacerdote antes de começar o encantamento. Eram usadas em funerais de chefes ou pessoas importantes para o reino. Madeira e pigmento 1 23, 5 cm 2 42 cm 3 55 cm (Bruxelas coleção particular)

13 REINO CONGO ARTE DA CORTE - Compreendia a confecção de cetros, abanadores de moscas, espadas, tecidos, instrumentos musicais e esculturas representando o rei. - Os materiais utilizados eram bem diversificados: madeira, marfim, prata, pérola, penas, fibras vegetais, vidro, cobre, latão e tecidos. Casal Lemba Sec. XIX 17 cm Madeira, pigmento, ouro e caulim (Bruxelas coleção particular)

14 REINO KUBA Foi fundado no séc XVII e ocupou parte da atual República Democrática do Congo. Era composto por 19 tribos diferentes; dentro elas os Bushoong são os mais poderosos e significativos. O Reino Kuba ou Federação Kuba existiu entre Era limitado pelos rios Sankuru, Lulua e Kasai localizado no sudeste do que é hoje a República Democrática do Congo (antigo Zaire). O Reino Kuba foi um conglomerado de vários principados menores de diversas origens étnicas(compreendendo uma coleção de aproximadamente vinte grupos étnicos Bantu). Os primeiros habitantes migraram para Kuba a partir do norte durante o século 16.

15 REINO KUBA Arte Kuba -O gosto pela decoração incitou a exploração e praticamente todas as possibilidades geométricas, quaisquer que fossem os suportes. Máscaras reais 1 Madeira, cobre, contas de vidro e pele de animal. 75 CM (Bruxelas coleção particular) 2 Madeira, tecido, pérolas, penas e fibras vegetais. 40 cm (Bélgica) - Três facetas da arte Kuba são as mais destacadas: as máscaras, os cálices antropomórficos e os tecidos de ráfia utilizados como moeda de troca ou como símbolo de ostentação.

16 REINO KUBA Cálice Antropomórfico - Destinado a receber o vinho comemorando a vitória. Tinha a forma de uma cabeça. Poderia ser o retrato de um rei. Apenas pessoas de muito prestígio utilizavam esses cálices. Cálice Antropomórfico Madeira 22 cm (Bruxelas coleção particular)

17 REINO KUBA Escultura de chefe sentado 1850 (aprox.) 45 cm Museu Etnográfico - Lisboa

18 Reino Iorubá Os iorubás, iorubas, iorubanos ou nagôs (em iorubá: Yorùbá) constituem um dos maiores grupos étnicos linguísticos da Africa Ocidental, com mais de 30 milhões de pessoas em toda a região. Trata-se do segundo maior grupo étnico na Nigéria, correspondendo a aproximadamente 21% da sua população total.

19 Reino Iorubá Máscara pendente Séc. XVIII Marfim 19 cm (Bruxelas coleção particular) - De acordo com Muniz Sodré foram os últimos a serem trazidos para o Brasil na condição de escravizados; - Era composto por 16 cidades-estado, sendo Ilê-Ife a cidade sagrada onde o poder real era legitimado; - Dominavam técnicas avançadas de entalhe e fundição de metais. Sua produção artística estava associada ao poder real e a religião. As obras produzidas tinha caráter utilitário.

20 Reino Iorubá Portadoras de cálice Madeira (Bruxelas coleção particular) Cálice de adivinhação Madeira 29 cm (Bruxelas coleção particular)

21 Reino Iorubá Máscara Gelede de face dupla Madeira 50 cm (Bruxelas coleção particular) Máscara Gelede Séc. XIX Madeira 21 cm (Bruxelas coleção particular)

22 Reino Zimbabué

23 Esculturas em pedra - Zimbabué Macaco Pedra 52 X 20 X 15 cm Animal Pedra 13 X 10 X 30 cm Cabeça Pedra 29 X 9 X 9 cm A escultura em pedra do Zimbabué é uma forma de Arte Africana Contemporânea que veio a luz do dia no início da década de Desde então, tornou-se um dos mais importantes movimentos artísticos africanos.

24 ARTISTAS AFRICANOS CONTEMPORÂNEOS Henry MUNYARADZI Zimbabué Palm Girl X 98 X 16 cm Good Samaritan 188 X 64 X 28 cm

25 Arte Africana Contemporânea Bernard Matemera Zimbabué Man Changing Into Spirit Blind Woman 120 X 40 X 70 cm

26 Arte Africana Contemporânea Sylvester MUBAYI Zimbabué Protecting Spirit Rhino Protecting Spirit 91 X 79 cm

27 Arte Africana Contemporânea A 52ª (1968) Bienal de Veneza premiava Malick Sidibé, do Mali, com o prémio Lion d or, o primeiro artista africano a receber este prêmio. Un yeye em position Fotografia Dance thetwist Fotografia

28 Arte Africana Contemporânea Rosemary Karuga Nasceu no início da década de 1930, no Kenya. Na década de 1940 seu pai mudou-se para Nairobi e a levou com ele pois sabia da importância de enviar seus filhos à escola, inclusive as filhas. Ela foi matriculada em uma das poucas escolas para negros em Nairobi, onde começou a se interessar por arte. De Nairobi, seu pai mudou-se para Uganda e novamente levou Karuga com ele. Em Uganda, continuou com seus estudos e se tornou professora de escola primária. Em 1950 graduou-se pela High School. Tentou tornar-se uma artista comercial, fazendo esculturas e pinturas, mas não conquistou o sucesso que esperava. Então, decidiu desistir e dedicar-se plenamente ao ensino. O reconhecimento só aconteceu no final da década de 1980 quando passou a trabalhar com colagens. Sua primeira exposição aconteceu em 1990.

29 Arte Africana Contemporânea Rosemary Karuga Rosemary Karuga Kenya Landscape With Blue Trees Colagem 60 X 42 cm Rosemary Karuga Kenya Heron Colagem 34 X 22 cm Rosemary Karuga Kenya Landscape With Birds Colagem 60 X 44 cm

30 Arte Africana Contemporânea Kivuthi Mbuno Kivuthi Mbuno nasceu no Quênia, no ano de Ele é um mestre reconhecido da cena artística internacional. Já nos primeiros anos da década de 1990 seus trabalhos foram expostos em importantes museus e galerias na Europa (Saatchi Collection, Londres, Alemanha) e nos Estados Unidos (Center for Africano Art, New York).

31 Arte Africana Contemporânea Kivuthi Mbuno Safari Ya Make Pastel, Crayon e Caneta Colorida Sobre papel 90 X 60 cm (aprox.) Safari yake Pastel, Crayon e Caneta Colorida Sobre papel 90 X 60 cm (aprox.)

32 Arte Africana Contemporânea Esther Mahlangu Foi a primeira artista da etnia Ndebele que transpôs os murais pintados nas paredes das casas de sua comunidade, para as telas e levou o seu trabalho para outros públicos. A artista começou a ganhar visibilidade após um grupo de pesquisadores franceses conhecerem seu trabalho em Em 1989 Esther viajou até Paris para criar os murais da exposição "Magiciens de la Terre", e a partir daí virou sensação: fez trabalhos pra diversos museus e outros edifícios públicos, desenhou pra BMW e para a Fiat.

33 Arte Africana Contemporânea Esther Mahlangu Casas tradicionais da etnia Ndebele África do Sul

34 Arte Africana Contemporânea Esther Mahlangu BMW 525 i Sou Esther Esta é minha casa Pintura

35 Materiais extraídos da palestra Estereótipos e Invisibilização, de 2010, ministrada pelo professor Marco de Oliveira da UFPR. BIBLIOGRAFIA FORMAÇÃO ARTE 2014 BERND, Zilá. Racismo e anti-racismo. São Paulo. Editora Moderna, NEYT, François; VANDERHAEGHE, Catherine. A arte das cortes da África Negra no Brasil. Arte afro-brasileira mostra do redescobrimento. São Paulo, Fundação Bienal de São Paulo, Catálogo de exposição. MENESES, Maria Paula Guttierrez. Os espaços criados pelas palavras: racismos, Etnicidades e o encontro colonial. In: GOMES, Nilma Lino (org.). Um olhar além das fronteiras educação e relações raciais. Belo Horizonte, Autêntica, MOURA, Carlos Eugênio Marcondes. A travessia da Calunga grande três séculos de imagens sobre o negro no Brasil. São Paulo, Edusp, SALUM, Marta Heloísa Leuba. Cem anos de arte afro-brasileira. Arte afro-brasileira mostra do redescobrimento. São Paulo, Fundação Bienal de São Paulo, Catálogo de exposição.

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

Press Release 21 de junho de 2013

Press Release 21 de junho de 2013 Press Release 21 de junho de 2013 O Instituto Sacatar tem a satisfação de anunciar a chegada de um novo grupo de seis artistas premiados, cada um, com um período de residência de oito semanas de duração

Leia mais

Quem Foi Pablo Picasso?

Quem Foi Pablo Picasso? FICHA Nº3 Pablo PICASSO Quem Foi Pablo Picasso? Você está para conhecer como surgiram os desenhos, pinturas e esculturas de Picasso. Quem foi esse homem? Picasso era um homem baixinho, gordo e muito inteligente.

Leia mais

Roteiro de visita: A mão afrobrasileira nas Artes Visuais

Roteiro de visita: A mão afrobrasileira nas Artes Visuais Esse roteiro propõe um percurso pelo Núcleo de Artes da exposição permanente do Museu Afro Brasil. Com ele, o visitante terá oportunidade de conhecer e observar obras de arte produzidas por mãos afro-brasileiras.

Leia mais

Coleguium -3ºEM 1ª etapa

Coleguium -3ºEM 1ª etapa Coleguium -3ºEM 1ª etapa CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA: - Desenvolvida às margens do Nilo, na África; - Organização social complexa e rica em realizações culturais; - Escrita bem estruturada; Hieróglifos na parede

Leia mais

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo:

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo: Quem é quem? Um investigador deve ter um conhecimento sólido não apenas das obras, mas também dos artistas. Lê as frases e identifica o pintor a quem se referem. 1. Foi ordenado cavaleiro da Ordem de Santiago.

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

PARECER Nº 13/2009 1- APRESENTAÇÃO

PARECER Nº 13/2009 1- APRESENTAÇÃO PARECER Nº 13/2009 Manifesta-se sobre a declaração de interesse público e social do acervo de Abdias Nascimento, sob a guarda do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros - IPEAFRO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA PARA O HISTORIADOR GREGO HERÓDOTO: O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO DÁDIVA = PRESENTE SIGNIFICADO = Sem as cheias do Nilo, o Egito seria um grande deserto PARA O HISTORIADOR FRANCÊS JEAN

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

Arte e História: O museu Afro Brasil e o papel da Curadoria na construção da narrativa museal

Arte e História: O museu Afro Brasil e o papel da Curadoria na construção da narrativa museal Arte e História: O museu Afro Brasil e o papel da Curadoria na construção da narrativa museal Isla Andrade Pereira de Matos 1 Introduça o O Museu Afro Brasil foi criado no ano de 2004 através da iniciativa

Leia mais

FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA

FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA Isabella Cristina de Souza UFSC 1 RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

ARTE NO EGITO ANTIGO

ARTE NO EGITO ANTIGO ARTE NO EGITO ANTIGO Ao longo do rio Nilo e principalmente na região norte - o Delta - ; e na região sul dos rios Eufrates e Tigre, desenvolveram-se as primeiras civilizações. No Egito desenvolveu-se um

Leia mais

GRACINDA CANDEIAS RETROSPECTIVA DOS ANOS 70 A 2010

GRACINDA CANDEIAS RETROSPECTIVA DOS ANOS 70 A 2010 GRACINDA CANDEIAS RETROSPECTIVA DOS ANOS 70 A 2010 O Beijo (capa) 1. Das 4 estações em corpo de mulher, 1978 Técnica mista s/ tela, tríptico, 50x50 cm / cada ANOS 70 2. Sem título, 1983 Acrílico s/ lona,

Leia mais

Arte Africana e Afro-Brasileira em sala de aula

Arte Africana e Afro-Brasileira em sala de aula Bi@ - Biblioteca do Instituto de Artes UNESP Arte Africana e Afro-Brasileira em sala de aula AULA 1 Yinka Shonibare Como explodir duas cabeças de uma vez 2006 Profª Renata Ap. Felinto dos Santos Grupo

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador Pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 6º ano. TURMA 603 NOME: nº ARTE DA PRÉ-HISTÓRIA As primeiras manifestações artísticas

Leia mais

Exposição Transit_SP traz ao Brasil recorte da arte africana contemporânea

Exposição Transit_SP traz ao Brasil recorte da arte africana contemporânea Exposição Transit_SP traz ao Brasil recorte da arte africana contemporânea A mostra apresenta 35 obras de 19 artistas a partir de 20 de julho, no Pavilhão da Oca, com destaque para trabalhos do angolano

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

C U L T. A arte. e os orixás 1. CULTURA Abdias Nascimento* 80 DEMOCRACIA VIVA Nº 34 FOTO: MARCUS VINI

C U L T. A arte. e os orixás 1. CULTURA Abdias Nascimento* 80 DEMOCRACIA VIVA Nº 34 FOTO: MARCUS VINI C U L T CULTURA Abdias Nascimento* A arte e os orixás 1 FOTO: MARCUS VINI 80 DEMOCRACIA VIVA Nº 34 U R A Minha pintura requer como básico o universo conceitual afro-brasileiro, a diferença cultural do

Leia mais

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES Ver nunca é um ato inocente. Ver é sempre um aprendizado. Diante de um quadro, uma foto, uma escultura ou um edifício, nosso corpo e nosso olhar informam a cena, isto é, tomam parte nela e leem cada um

Leia mais

Título da Exposição - O Corpo na Arte Africana

Título da Exposição - O Corpo na Arte Africana Título da Exposição - O Corpo na Arte Africana Descrição da exposição A cooperação com os países do continente africano trouxe um efeito positivo inesperado para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Além

Leia mais

Festival de Arte e Cultura Negra - no período de 15 a 30 de

Festival de Arte e Cultura Negra - no período de 15 a 30 de Confira a programação geral do 9o CaraECULTURANEGRA O Instituto MARKA apresenta o 9a edição do CaraECULTURANEGRA - Festival de Arte e Cultura Negra - no período de 15 a 30 de novembro. Serão 15 dias de

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

1 O problema 1.1 Contextualização do problema

1 O problema 1.1 Contextualização do problema 1 O problema 1.1 Contextualização do problema A arte africana é concebida por Blier (2001) como a totalidade das artes visuais do continente africano, e deveria englobar os povos ao norte do Saara, por

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

RoteiRo visita a mão afro-brasileira nas artes visuais

RoteiRo visita a mão afro-brasileira nas artes visuais Roteiro de visita A mão afro-brasileira nas Artes Visuais 1 Grande parte das pessoas que participaram da construção do nosso país foi trazida à força, na condi-ção de escravizada, da África para o Brasil.

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro.

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Prof.ª Sonia Helena Carneiro Pinto Justificativa: Este projeto

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professora: Yáskara Beiler Dalla Rosa Disciplina: Artes Série: 2ª Tema da aula: Surrealismo Objetivo da aula: Conhecer alguns dos principais artistas do Surrealismo.

Leia mais

A arte reflete a vida

A arte reflete a vida A arte reflete a vida A arte é uma constante na vida. Ela faz parte da história de todos nós. Aquele general autoritário, aquele padre severo, aquela mulher bondosa e aquela criança endiabrada são todos

Leia mais

África: 1. Cultura material e História

África: 1. Cultura material e História África: 1. Cultura material e História Para compreender a cultura material das sociedades africanas, a primeira questão que se impõe é a imagem que até hoje perdura da África, como se até sua "descoberta",

Leia mais

Máscaras da liberdade: reputação a salvo na rua ou no salão.

Máscaras da liberdade: reputação a salvo na rua ou no salão. Máscaras da liberdade: reputação a salvo na rua ou no salão. Os palhaços apaixonados, afresco, Giovanni Domenico Tiepolo, 1793, Camera dei Pulcinella Villa Tiepolo, Zianigo. O carnaval nasceu na Antiguidade,

Leia mais

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano DICAS DO PROFESSOR História 7º Ano A REFORMA PROTESTANTE AS PRINCIPAIS CRÍTICAS DE LUTERO Vida desregrada; Opulência; Luxo do alto clero; Venda de cargos; Venda de relíquias sagradas; Venda de indulgências.

Leia mais

Exposição Expressões Africanas

Exposição Expressões Africanas Exposição Expressões Africanas apresenta Exposição Expressões Africanas De 13 a 20 de outubro de 2011 Salão Branco do Congresso Nacional, Brasília/DF MINISTÉRIO DA CULTURA Ministra Ana de Hollanda FUNDAÇÃO

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO

A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO O ISLÃ CHEGA À ÁFRICA A partir do séc. VII, os árabes muçulmanos construíram um grande império na África: Oriente Médio, norte da África até grande parte da Península

Leia mais

Paletas. Episódio: Pintado por Eufrônio. Palavras-chave Arte grega, cerâmica, mitologia grega, utensílios.

Paletas. Episódio: Pintado por Eufrônio. Palavras-chave Arte grega, cerâmica, mitologia grega, utensílios. Paletas Episódio: Pintado por Eufrônio Resumo Este episódio, de Paletas, aborda a análise de um antigo utensílio cerâmico grego, produzido e pintado por volta dos anos 515-510 a.c, chamado Cratera de Héracles

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

MARCIA XAVIER QUERIDA

MARCIA XAVIER QUERIDA MARCIA XAVIER QUERIDA Abertura: 2 de agosto das 14 às 18 horas Período da exposição: de 5 a 23 de agosto de 2014 Local: Casa Triângulo Rua Pais de Araújo 77 [Itaim Bibi] 04531-090 São Paulo/SP Tel.: 55

Leia mais

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO 1 Legislação e orientações jurídicas sobre o exercício da liberdade religiosa, o combate à discriminação religiosa e a proteção do patrimônio cultural afro-brasileiro. Eu sou do Axé! Eu sou de Saravá!

Leia mais

Tecidos Plano e Malha. Nºde Chamada:677 W462c. Informativo Bibliográfico nº 2-2011

Tecidos Plano e Malha. Nºde Chamada:677 W462c. Informativo Bibliográfico nº 2-2011 Informativo Bibliográfico nº 2-2011 Tecidos Plano e Malha WILSON, Janet. Classic and modern fabrics: the complete illustrated sourcebook. London: Thames & Hudson, 2010. Inclui glossário. Guia de referência

Leia mais

Em Salvador / Bahia. Centro de Mú'usica Negra. www.mondomix.com/cmn

Em Salvador / Bahia. Centro de Mú'usica Negra. www.mondomix.com/cmn 2009 Centro de Mú'usica Negra Em Salvador / Bahia www.mondomix.com/cmn Inauguração em novembro 2009 Manifestação do Ano da França.Br 2009 Ano da França no Brasil Criação do primeiro Centro de Música Negra

Leia mais

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico).

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Arte 1º. Ano do Ensino Médio 1º. Trimestre - Conteúdo Avaliativo: Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Períodos Artísticos: Pré-História/Idade Antiga

Leia mais

SUMÁRIO. Lista das Ilustrações...11 Prefácio à Edição em Língua Inglesa... 15 Prefácio à Edição em Língua Portuguesa...19

SUMÁRIO. Lista das Ilustrações...11 Prefácio à Edição em Língua Inglesa... 15 Prefácio à Edição em Língua Portuguesa...19 SUMÁRIO Lista das Ilustrações...11 Prefácio à Edição em Língua Inglesa... 15 Prefácio à Edição em Língua Portuguesa...19 1. África: O Berço da Humanidade.............................. 23 2. Artefatos Líticos

Leia mais

Guerras tribais ou conflitos étnicos?

Guerras tribais ou conflitos étnicos? Guerras tribais ou conflitos étnicos? O continente africano padece das conseqüências de um longo e interminável processo de exploração que espoliou a maior parte de suas nações, determinando, na maioria

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO: SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

MEMORIAL DESCRITIVO: SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA MEMORIAL DESCRITIVO: SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA IRATI NOV/2014 Durante o ano letivo de 2014 foram desenvolvidas diversas atividades referentes aos temas: Cultura Afro-Brasileira e Africana, Cultura Indígena,

Leia mais

Museu Nacional da Arte Antiga

Museu Nacional da Arte Antiga Museu Nacional da Arte Antiga Índice 1. Horários e localização: 2. Ingresso 3. História do museu 4. Informações acerca do museu 5. As 10 obras de referência do MNAA 6. Coleções 1 - Horário e Localização

Leia mais

PLANO DE EXECUÇAO DE USO DO MATERIAL EM ATIVIDADES EXTRAS 6º ANO 1 FOLHA DE CARTOLINA DUPLA FACE PRETA; 02 METROS DE TECIDO ALGODÃOZINHO

PLANO DE EXECUÇAO DE USO DO MATERIAL EM ATIVIDADES EXTRAS 6º ANO 1 FOLHA DE CARTOLINA DUPLA FACE PRETA; 02 METROS DE TECIDO ALGODÃOZINHO PLANO DE EXECUÇAO DE USO DO MATERIAL EM ATIVIDADES EXTRAS 6º ANO MÊS DATA COMEMORATIVA MATERIAL JUSTIFICATIVA OBJETIVO JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL 14/02- DIA DA AMIZADE; 21/03- DIA DO TEATRO; 27/03-

Leia mais

Arte africana & Arte indígena. Histórias, mitos, crenças e filosofias

Arte africana & Arte indígena. Histórias, mitos, crenças e filosofias Arte africana & Arte indígena Histórias, mitos, crenças e filosofias ARTE AFRICANA Asartes das sociedades da África foram, antes, rotuladas no singular,porterem sido chamadas de "arte primitiva" ou "selvagem

Leia mais

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império;

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; ROMA Roma Antiga O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; Sua queda, em 476, marca o início da Idade Média. O mito

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A diáspora africana na América do Sul por imagens

A diáspora africana na América do Sul por imagens A diáspora africana na América do Sul por imagens Marcos Rodrigues 1 jmbr@bol.com.br TAVARES. Julio Cesar de. Diásporas Africanas na América do Sul: uma ponte sobre o Atlântico. GARCIA, Januário (fotografia

Leia mais

fernando vilela catálogo de obras

fernando vilela catálogo de obras fernando vilela catálogo de obras Índice gravuras esculturas cadernos fotos 4 132 166 190 gravuras 1. instalações 2. foto gravuras 3. xilogravuras sobre papel 4. ações em espaços públicos 5. primeiras

Leia mais

PROJETO CRIANÇA Laboratórios de Arte

PROJETO CRIANÇA Laboratórios de Arte Andújar Y Navarro Republica Federativa do Brasil Associação Ritmos, Origens, Desenvolvimento e Aprendizagem PROJETO CRIANÇA Laboratórios de Arte Relatório Final INDICE INDICE...1 1. A RODA ASSOCIAÇÃO RITMOS,

Leia mais

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Julho Agosto 2014

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Julho Agosto 2014 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua vigésima primeira edição. Este veículo tem a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o MI, destacando ainda as atividades e ações

Leia mais

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da CAPOEIRA A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da escravatura no Brasil. No século XVI, Portugal tinha

Leia mais

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas TURMA 601 Aula 07 Formas Geométricas As figuras geométricas sempre chamaram a atenção dos artistas plásticos. As composições com figuras geométricas é um trabalho de buscar o equilíbrio entre as formas.

Leia mais

RoteiRo visita a mão afro-brasileira nas artes visuais

RoteiRo visita a mão afro-brasileira nas artes visuais Roteiro de visita A mão afro-brasileira nas Artes Visuais 1 Arte O Núcleo de Educação do Museu Afro Brasil convida você a conhecer algumas obras de seu acervo por meio de um roteiro virtual. A exposição

Leia mais

Autor (1); S, M, R INTRODUÇÃO

Autor (1); S, M, R INTRODUÇÃO PROJETOS EDUCATIVOS E AS RELAÇÕES ÉTNICOS-RACIAIS: DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES PRODUZIDOS NOS ESPAÇOS EDUCATIVOS NÃO- FORMAIS E O SISTEMA DE ENSINO BÁSICO ESCOLAR INTRODUÇÃO Autor (1); S, M, R Universidade

Leia mais

Alabê Ketujazz: espiritualidade, jazz e referências africanas sobre o palco

Alabê Ketujazz: espiritualidade, jazz e referências africanas sobre o palco Alabê Ketujazz: espiritualidade, jazz e referências africanas sobre o palco por Por Dentro da África - terça-feira, novembro 24, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/alabe-ketujazz-espiritualidade-jazz-e-referencias-africanassobre-o-palco

Leia mais

Arte Egípicia ARQUITETURA

Arte Egípicia ARQUITETURA Arte Egípicia Uma das principais civilizações da Antigüidade foi a que se desenvolveu no Egito. Era uma civilização já bastante complexa em sua organização social e riquíssima em suas realizações culturais.

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 9 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 9 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 1 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Observe as tabelas e responda à questão. CARVÃO ano Grã-Bretanha alemanha estados unidos 1871 117 29 42 1880 147 47 65 1890

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre ALUNO: Nº - ANO - TURMA - DATA \ \ 201 Profª Ana Lúcia Leal Ficha de Aula de Arte I Trimestre Arte no Antigo Egito Uma das principais civilizações da Antiguidade foi a que se desenvolveu no Egito. Era

Leia mais

universidade estadual de campinas

universidade estadual de campinas UNICAMP universidade estadual de campinas GALERIA DE ARTE» UNICAMP GALERIA DE ARTE < UNICAMP ODILLA MESTRINER AQUARELAS E DESENHOS SETEMBRO/85 APRESENTAÇÃO A primeira característica impressionante na personalidade

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

SOCIEDADE COLONIAL O escravo negro Livro 1 / Aula 2 (parte II)

SOCIEDADE COLONIAL O escravo negro Livro 1 / Aula 2 (parte II) SOCIEDADE COLONIAL O escravo negro Livro 1 / Aula 2 (parte II) CENTRO EDUCACIONAL UNIÃO DE PROFESSORES 3º ano/prévest Ano 2014 Profº. Abdulah ESCRAVIDÃO: o trabalho compulsório Por que a escravidão? Ø

Leia mais

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 Pintura 452 "CENA DA PAIXÃO DE CRISTO", óleo sobre tela, moldura em madeira pintada de negro e

Leia mais

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG casa Wilderness A construção, assimétrica, quebrada, composta por múltiplos volumes, que se contraem ou se expandem do corpo principal, reinventa, contemporânea, as tradicionais casas de campo britânicas.

Leia mais

PORTEFÓLIO. » eventos. Museu de Lamego Largo de Camões 5100-147 Lamego

PORTEFÓLIO. » eventos. Museu de Lamego Largo de Camões 5100-147 Lamego Museu de Lamego Largo de Camões 5100-147 Lamego (+351) 254 600 230 mlamego@culturanorte.pt www.museudelamego.pt www.facebook.com/museu.de.lamego PORTEFÓLIO O Museu de Lamego...... está instalado no antigo

Leia mais

06. Explique o método de pintura impressionista. Neste texto, correlacione a escolha da cor com o formato da pincelada?

06. Explique o método de pintura impressionista. Neste texto, correlacione a escolha da cor com o formato da pincelada? Estudo dirigido para o segundo ano do ensino médio, Artes Milton Gomes Coelho A arte do Impressionismo 01. Liste fatos que modificaram o ritmo das cidades no século XIX. Resposta: pág. 223 02. Relacione,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015 Considerando que José Christiano de Freitas Henrique Júnior foi um açoriano, nascido e criado nos Açores,

Leia mais

O mais importante é tentar criar algo novo, sem negar a fonte que serviu de inspiração.

O mais importante é tentar criar algo novo, sem negar a fonte que serviu de inspiração. O que é releitura? A proposta dessa mostra é fazer um convite para se conhecer obras de arte em profundidade e, ao mesmo tempo, usar ao máximo a criatividade individual ao tentar recriá-las. Um exemplo

Leia mais

Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e

Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e distorcida. Para os membros da sociedade africana, eram objetos

Leia mais

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES JUSTIFICATIVA Este projeto tem como objetivo maior: Criar mecanismos para efetivar a implementação

Leia mais

FERNANDO AUGUSTO. Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012

FERNANDO AUGUSTO. Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012 FERNANDO AUGUSTO Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012 Conjunto de 100 fotografias de umbigos feitos ao longo de 10 anos em várias partes

Leia mais

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Setembro Outubro 2014

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Setembro Outubro 2014 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua vigésima segunda edição. Este veículo tem a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o MI, destacando ainda as atividades e ações

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 中 華 人 民 共 和 國 澳 門 特 別 行 政 區 與 葡 萄 牙 共 和 國, 以 下 稱 為 合 作 綱 要 協 定 修 訂 協 議 書 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 中 華 人 民 共 和 國 澳 門 特 別 行 政 區 與 葡 萄 牙 共 和 國, 以 下 稱 為 合 作 綱 要 協 定 修 訂 協 議 書 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 N.º 22 3-6-2014 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 321 中 華 人 民 共 和 國 澳 門 特 別 行 政 區 與 葡 萄 牙 共 和 國 合 作 綱 要 協 定 修 訂 協 議 書 中 華 人 民 共 和 國 澳 門 特 別 行 政 區 與 葡 萄 牙 共 和 國, 以 下 稱 為

Leia mais

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou 1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou dano de várias relíquias, obras e sítios arqueológicos

Leia mais

Art Nouveau/ Secessão de Viena

Art Nouveau/ Secessão de Viena 1760 Revolução Francesa 1789 Revolução Industrial 1819 Rainha Vitória 1840 1901 1874 Arts and Crafts 1880 1890 Primeira Guerra Mundial 1914 1918 1924 Art Déco Impressionismo 1925 Art Nouveau/ Secessão

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS

EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS QUAL É A NOSSA COR? Sala 3 Interdisciplinar EF I EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS Professoras Apresentadoras: DÉBORA CARLA M S GENIOLE ELIZABETH REGINA RIBEIRO FABIANA MARTINS MALAGUTI FERNANDA MARIA DE OLIVEIRA

Leia mais

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador.

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador. I ENCONTRO, CAPOEIRA e PATRIMÔNIO IMATERIAL no BRASIL: perspectivas para a implementação de políticas públicas de salvaguarda da Capoeira. Local: UFF Niterói RJ Data: 3 de setembro de 2006 às 16:00 h Tema:

Leia mais

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO Artista paulistano inaugura Re-subtrações - Paulo Climachauska, no Oi Futuro no Flamengo dia 14 de janeiro e Fluxo de

Leia mais

O que é o Surrealismo?

O que é o Surrealismo? Contexto histórico Contexto histórico Num ambiente totalmente fragilizado, aparece o Surrealismo. Desestabilizador e desestruturador de toda a idéia de cultura existente até então, propõe a junção de imagens

Leia mais

Cultura Afro-Indígena Brasileira. Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho

Cultura Afro-Indígena Brasileira. Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho Cultura Afro-Indígena Brasileira Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho Religiões Afro-Brasileiras Introdução - Escravidão miscigenação e sincretismo (Angola, Moçambique, Congo) - 3 a 5 milhões de africanos

Leia mais

Ouidah: Parada obrigatória no Benim para aprender sobre vodum e tráfico de escravos

Ouidah: Parada obrigatória no Benim para aprender sobre vodum e tráfico de escravos Ouidah: Parada obrigatória no Benim para aprender sobre vodum e tráfico de escravos por Por Dentro da África - sábado, março 08, 2014 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/ouidah-parada-obrigatoria-no-benim-para-aprender-sobre-acultura-fon-vodum-e-trafico-de-escravos

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL DISCIPLINA: ARTE PROFESSORA: Cristiana de Souza DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 6º ANO TURMA: ALUNO (A): RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL Nº: 01.

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO FAMÍLIA NA PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA DISCIPLINA: SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR FAMÍLIA NA PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA Como instituição social, a família é definida pelas funções sociais

Leia mais

«OS RELÓGIOS DA CGD» O espaço e o tempo

«OS RELÓGIOS DA CGD» O espaço e o tempo «OS RELÓGIOS DA CGD» O espaço e o tempo No prosseguimento da política de divulgação do património cultural da Caixa Geral de Depósitos, demos a conhecer uma seleção de relógios que fazem parte da sua coleção,

Leia mais