Geografia 1ª série Ensino Médio v. 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geografia 1ª série Ensino Médio v. 3"

Transcrição

1 Geografia 1ª série Ensino Médio v. 3 Exercícios Prezado professor: Neste gabarito você encontrará resoluções das atividades propostas no material didático, bem como comentários atuais e contextualizados sobre os conteúdos e indicações de sites, vídeos, documentários e livros que vão enriquecer e complementar seu trabalho em sala de aula. Bom trabalho! 01) a) A Cerrado B Savana b) Uma das principais diferenças entre a savana e o cerrado brasileiro é a diversidade de espécies da flora que o cerrado apresenta e de mamíferos de grande porte que há na savana. Na imagem B é possível verificar uma fauna característica das savanas, representada pelas zebras. O cerrado brasileiro é parecido com a savana da África, mas muito mais rico, pois possui uma grande variedade de espécies animais e vegetais e uma hidrografia importante, como os rios São Francisco e Tocantins. Das espécies animais e vegetais do Planeta, cerca de 5% vivem no cerrado, mas segundo um estudo feito por uma ONG chamada Conservação Internacional, se as taxas de desmatamento não diminuírem, será grande o perigo de o cerrado brasileiro desaparecer até o ano 2030, pois sua vegetação está desaparecendo mais rápido que a da Mata Atlântica e da Amazônia. A principal diferença entre a savana africana e o cerrado brasileiro é a presença de mamíferos de grande porte, como elefante, girafa, rinoceronte e leão. Esses animais podem ser conhecidos durante safáris na savana, que contam atualmente com o apoio de grandes grupos empresariais e ocorrem em áreas de preservação ambiental. Mas infelizmente algumas áreas de savana ricas em fauna e flora têm sido devastadas pela biopirataria e pela caça predatória. 02) O bioma é a taiga, também conhecida como floresta de coníferas ou floresta boreal. Encontra-se em altas latitudes no Hemisfério Norte. É uma formação vegetal caracterizada pela presença predominante de coníferas (pinheiros), adaptadas ao frio intenso. No texto foram destacadas com vermelho as partes que apontam para as características da floresta temperada de taiga. Algumas características da taiga: localiza-se ao norte com a vegetação da tundra e ao sul com a floresta temperada; apresenta vegetação adaptada aos invernos muito frios e verões curtos; sua vegetação é constituída sobretudo por coníferas abetos (como o abeto do norte) e pinheiros (como o pinheiro silvestre). É importante lembrar que a taiga engloba partes do clima subpolar temperado continental e do clima polar. PERFIL DAS FORMAÇÕES VEGETAIS DESDE AS LATITUDES MÉDIAS ATÉ O CÍRCULO POLAR ÁRTICO S bosque caducifólio taiga tundra N Geografia 1

2 Nos biomas existe um tipo determinado de fauna e flora correspondente a cada clima, e eles adotam o nome da vegetação dominante. 03) O leão, cujo nome científico é Panthera leo, é encontrado na Ásia, na África e na Europa. Vive especialmente nas savanas africanas, onde caça principalmente zebras, búfalos, javalis. É um carnívoro conhecido por sua imponência, força e bravura. Vive em grupos de até 40 animais, compostos na maioria por fêmeas. O rinoceronte é um grande mamífero herbívoro. Seu nome vem das palavras gregas rhino ("nariz") e keros ("chifre"). Habita as savanas e florestas tropicais da África e da Ásia.Varia de peso e tamanho, apresenta pele muito grossa e chifres na ponta do nariz (por isso o seu nome) que podem ser um ou dois, dependendo da espécie. Atualmente existem apenas cinco espécies vivas de rinoceronte: rinoceronte-indiano, rinoceronte-branco, rinoceronte-java, rinoceronte-negro, rinoceronte-de-sumatra. O rinoceronte foi muito caçado pelo homem, pois acreditou-se durante muito tempo que o chifre do animal tinha importantes propriedades medicinais (atribuía-se a ele a capacidade de curar doenças e rejuvenescer pessoas). A arara pertence à fauna brasileira e é um dos mais belos pássaros. Podemos encontrá-la no Pantanal, na Floresta Amazônica e na região da Mata Atlântica. Possui penas coloridas e bico curvo e resistente que a ajuda a alimentar-se de frutos e sementes. Esse pássaro é muito cobiçado por traficantes devido ao fato de ser bastante procurado como animal de estimação. Assim, sua conservação está ameaçada em consequência do desaparecimento de seu hábitat. 04) Hipótese de Gaia Quando a Teoria de Gaia defendeu a ideia de que nosso planeta funciona como um ser vivo e possui capacidade de autossustentação, inicialmente foi aceita por ambientalistas e defensores da ecologia e negada por grande parte da comunidade científica. Porém, com o atual problema do aquecimento global, a teoria tem ganhado novos adeptos. James Lovelock publicou em 1979 a hipótese de Gaia, segundo a qual o Planeta se comporta como um organismo vivo. Em 2006 lançou um novo livro, a Vingança de Gaia, no qual expande suas ideias. No capítulo 1, O estado da Terra, ele diz: O que torna diferente este livro é que eu falo como um médico planetário cujo paciente, a Terra viva, se queixa de febre. Vejo o declínio da saúde da Terra como a nossa preocupação mais importante, nossas próprias vidas dependendo de uma Terra sadia. Nossa preocupação com ela deve vir em primeiro lugar, porque o bemestar das massas crescentes de seres humanos exige um planeta sadio. [ ] Duzentos anos atrás, quando a mudança era lenta ou nem sequer existia, talvez tivéssemos tempo para estabelecer o desenvolvimento sustentável, ou mesmo continuar por algum tempo deixando as coisas como estão, mas agora é tarde: o dano foi cometido. Esperar que o desenvolvimento sustentável ou a confiança em deixar as coisas como estão sejam políticas viáveis é como esperar que uma vítima de câncer no pulmão seja curada parando de fumar. (Disponível em: <http://gaianet.wordpress. com>. Acesso em: 18/ ago ) 05) E Na preservação da biodiversidade estão relacionados os interesses e a visão do observador, considerando-se os aspectos ecológicos, sociais e econômicos. 06) B A savana é uma vegetação composta por gramíneas, árvores espalhadas e de pequeno porte e arbustos. É típica de clima tropical e estendese do centro da África para o sul. É composta por herbívoros, como girafas, zebras, antílopes e rinocerontes, e predadores, como leões e leopardos. 07) A No trajeto destacado, deslocando-se do Nordeste (NO) ao Sudeste (SE) do território brasileiro, encontraremos na sequência, partindo de Rondônia (RO), a Floresta Amazônica, posteriormente a vegetação do complexo do Pantanal no Mato Grosso do Sul (MS), o Cerrado no Centro-Oeste e a Mata Atlântica em São Paulo (SP). 2 Geografia

3 08) C A figura abaixo representa a vegetação das áreas mais úmidas para as mais secas. 09) D A Mata Atlântica, também denominada Mata Tropical Úmida, está localizada em baixas e médias latitudes (3 de latitude S até cerca de 30 latitude S). Seu clima é tropical e subtropical úmido, e no seu relevo predominam áreas de planaltos irregulares, com elevações suavemente arredondadas, caracterizando topografia em "meia-laranja" (mamelonares), que recobrem os mares de morros do Sudeste brasileiro. Originalmente acompanhava toda a linha do litoral brasileiro do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte, mas encontra-se atualmente bastante reduzida em razão do desmatamento. 10) C Os elementos caracterizados na área I estão relacionados ao Sudeste brasileiro, onde existe grande concentração urbana e industrial, o que ocasiona grandes impactos ambientais, como poluição do ar, das águas, contaminação e erosão do solo. Esses impactos prejudicam o ecossistema da Mata Atlântica, que se encontra também cada vez mais reduzida por causa do desmatamento. Os elementos caracterizados na área II estão relacionados ao Sul do país, onde a atividade da pecuária e da agricultura (trigo e soja) é bastante intensa, afetando o ecossistema da Mata das Araucárias e dos campos, com erosão, desertificação, perda da fertilidade dos solos e realização de queimadas. Geografia 3

4 11) E Confira o mapa abaixo. 12) C Veja o mapa abaixo. 4 Geografia

5 13) 25 As florestas tropicais úmidas são encontradas principalmente na África, na Austrália, na Ásia e nas Américas Central e do Sul. Suas temperaturas variam entre 18 e 30 C, e é alto o índice pluviométrico, com média de 2000 mm de chuvas anuais. A diversidade biológica é a grande característica das florestas tropicais, que abrigam mais da metade das espécies de plantas e animais do Planeta, apesar de cobrirem apenas 6% da superfície da Terra. As árvores nessas florestas alcançam entre 18 e 46 metros de altura, e a vegetação é nitidamente estratificada. Com microclima, fauna e flora específica, seus solos possuem cobertura de húmus (de 30 a 50 cm), proveniente da decomposição de folhas, frutos, fezes e cadáveres de animais. Observe a figura ao lado: Geografia 5

6 14) A Conforme a sequência mostrada na questão, o curso do Rio São Francisco faz o seguinte trajeto: nasce na Serra da Canastra (MG), dirige-se para uma área de vegetação de cerrado (1), na sequência banha o sertão nordestino com vegetação de caatinga (2) e posteriormente "divide" Alagoas e Sergipe com bioma de Mata Atlântica (3), desaguando na zona costeira. 15) E Investimentos no aumento de produtividade e recuperação de áreas desmatadas impedem a expansão das fronteiras agrícolas, resultando na diminuição do desmatamento na Amazônia. 16) B A umidade despendida pelos vegetais de uma floresta tropical propicia um fluxo constante de evaporação e condensação, essenciais para a formação das chuvas. Assim, esses vegetais mantêm o ciclo hidrológico natural e atuam como importantes reguladores do clima. Outras fontes de pesquisa Livro: A vingança de Gaia Autor: James Lovelock Editora: Intrínseca Sinopse: Más notícias: o aquecimento global é um processo irreversível, e, para que a Terra não seja inabitável já nas próximas décadas, é bom começar a trabalhar agora para minimizar seus efeitos. Novo lançamento da Intrínseca, A vingança de Gaia é o alerta de que a Terra pode estar se preparando para tornar a vida difícil para o homem. Quem avisa é James Lovelock, um dos pais do movimento verde e autor e entusiasta da Teoria de Gaia, que acredita ser a Terra um organismo vivo, que sabe se defender do ataque de parasitas. E, neste momento, avisa ele, os parasitas somos nós, que exploramos sem dó os recursos naturais do Planeta e empesteamos a atmosfera com gases poluentes. Em A vingança de Gaia, Lovelock não se limita a apontar problemas. Também dá sugestões de soluções, entre elas a polêmica defesa da energia nuclear como um mal menor e uma forma de a humanidade ganhar tempo. E o tempo, alerta ele, é curto. Site: gaianet.wordpress.com Editor Rui Iwersen GaiaNet é o nome do boletim ecológico virtual de GaiaFloripa, o Núcleo Florianópolis do Grupo de Ação e Informação Ambiental GAIA. Mas o nome desse grupo ecológico é também, intencional e estrategicamente, uma referência a Gaia, ao Planeta Terra, à Teoria de Gaia e às contribuições científicas de James Lovelock sobre a origem, a vida, a idade, a saúde, as possibilidades e o futuro da Terra. 6 Geografia

7 Vídeos: Floresta tropical (Rain forest). Direção: David Hughes. Estados Unidos, National Geographic Society. Documentário, narrado em português, que mostra a fauna e a flora da floresta tropical na Costa Rica (América Central). Mar à vista, TV Cultura. Série de quatro programas que falam sobre os ecossistemas da costa brasileira. 17) E A percepção que temos de uma paisagem e a maneira como descrevemos os elementos que a compõem serão sempre diferentes da de outras pessoas. [...] Isso porque a percepção de cada indivíduo é moldada por sua história devida, por sua idade, pelo tipo de trabalho que exerce e pelo tipo de interesse que possui em relação às pessoas, aos objetos e aos lugares. (BOLIGIAN e ALVES, 2004, p. 5) 18) 28 O desmatamento, também conhecido como desflorestação ou desflorestamento, é um enorme problema, com sérios impactos sobre o clima, a biodiversidade e as pessoas. No Brasil ele tem sido constante desde a chegada dos portugueses, no ano de 1500, quando iniciaram a exploração da Mata Atlântica pelo interesse no lucro proveniente da venda do pau-brasil. Na Floresta Amazônica, empresas madeireiras se instalam e praticam a exploração ilegal de madeira. A quantidade média de madeira explorada de acordo com um relatório divulgado pelo governo federal em agosto de 2006 é de aproximadamente 40 milhões de m³, incluindo madeira serrada, carvão e lenha. Um relatório divulgado pela ONG ambientalista WWF no ano de 2000 apontou que o desmatamento na Amazônia já atinge 13% da cobertura original, e na Mata Atlântica apenas 9% da mata sobrevive à cobertura de O desmatamento não ocorre apenas na Floresta Amazônica e na Mata Atlântica, mas em diversas outras áreas do País. Existem três importantes fatores responsáveis por essa situação: as madeireiras, a pecuária e o cultivo de soja. Dados divulgados em março de 2010 pela FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) informam que o Brasil reduziu a área líquida desmatada em 20 anos, mas continua líder no ranking de desmatamento, seguido pela Indonésia e pela Austrália. Algumas consequências do desmatamento: destruição e extinção de diferentes espécies, erosão, desertificação, assoreamento de rios e lagos, diminuição dos índices pluviométricos e elevação das temperaturas. 19) C As novas relações do homem com o trabalho advindas da Revolução Industrial fizeram com que os trabalhadores reivindicassem melhorias nas condições de trabalho (através de mobilizações e greves) e ocorressem alterações nas leis trabalhistas. 20) A A redução de barreiras comerciais numa economia globalizada, ao mesmo tempo que estimula a economia, pode provocar a redução dos quadros de empregados nos setores que se modernizam, com dispensa de trabalhadores sem formação específica. Com isso cresce o desemprego, pois são necessários menos trabalhadores especializados nas empresas e esse problema assume proporções alarmantes na globalização. As grandes multinacionais procuram nos países subdesenvolvidos mão de obra barata de trabalhadores sem qualificação ou menos qualificados, que são facilmente descartáveis assim que os objetivos econômicos dessas empresas são atingidos, deixando de gerar riqueza nos locais onde se instalam e causando desemprego e outros problemas sociais. O desemprego não ocorre apenas nos países subdesenvolvidos, mas também nos países ricos, onde é causado pelo deslocamento de fábricas para países em que os custos de produção são baixos. Geografia 7

8 21) Falsa: o sistema de produção totalmente adaptado ao mercado e que realiza as diferentes etapas de produção, desde a entrada das matérias-primas até a saída do produto de forma combinada entre fornecedores, produtores e compradores, é conhecido pelo nome de just in time ("tempo justo"), ou toyotismo. 02. Falsa: o fordismo fracionava as etapas do processo produtivo.o trabalhador desenvolvia tarefas ultraespecializadas e repetitivas, diferenciando o trabalho intelectual do trabalho manual. O trabalhador perde suas qualificações, que são incorporadas à máquina. 22) D No just in time (toyotismo) o principal elemento é a flexibilização da produção, que tem como objetivo produzir um bem exatamente no momento em que ele for demandado. 23) D O monopólio da informação é um dos problemas causados pela globalização. A informação torna-se poderosa arma a serviço da globalização, pois a mídia é formadora de opinião e pode manipular os fatos de acordo com os interesses dos mais poderosos. A imposição de ideias como verdadeiras e oportunas reduz a avaliação, o discernimento e a escolha das pessoas, bem como a cidadania. 24) A 1ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 3ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Quando Final do século XVIII Final do século XIX Metade do XX Onde Inglaterra Europa, EUA e Japão Europa, EUA e Japão Principal invenção Máquina a vapor Motor a combustão Integração entre ciência, tecnologia e produção Energia Carvão Petróleo Petróleo e fontes alternativas Principal meio de transporte Trem Carro Trem-bala, jatos, carros velozes Horas de trabalho 16 horas/dia 8 horas/dia 6 a 3 horas/dia Principal segmento industrial Têxtil Base (siderúrgica, metalúrgica, petroquímica), automobilística e aeroespacial Informática, telecomunicações, microeletrônica, cibernética e aeroespacial 25) D O sistema de produção conhecido como just in time desenvolve métodos de produção mais flexíveis e ágeis, que relacionam diretamente as características das mercadorias à dinâmica do mercado. 8 Geografia

9 26) B O texto do geógrafo J. W. Vesentini refere-se à Segunda Revolução Industrial, que iniciou na segunda metade do século XIX (cerca de 1850 até 1970) e teve como principais fontes de energia a eletricidade e o petróleo. O aço, a metalurgia, a eletricidade, a eletromecânica, o petróleo, o motor a explosão e a petroquímica caracterizam a tecnologia desse período. 27) D As atitudes e as palavras expressas pelo personagem Calvin nos quadrinhos nos remetem à fragilidade do homem em relação à natureza e à impossibilidade de controlá-la. Para satisfazer suas múltiplas necessidades, o homem disputa os bens ambientais que são limitados, fato que está na raiz de grande parte dos conflitos que envolvem o meio ambiente e a sociedade. A busca por um processo de desenvolvimento fundado em bases sustentáveis, que combine crescimento econômico, equidade social e respeito ao meio, tem sido o grande desafio da sociedade contemporânea. 28) A James Hargreaves inventou em 1764 a Spinning Jenny, a primeira máquina de fiar que substituiu a roca, produzindo vários fios ao mesmo tempo e multiplicando a produção em 24 vezes em relação ao rendimento das antigas rocas. Porém, os fios eram finos e se partiam com facilidade. Posteriormente Richard Arkwright (ou Thomas Highs, segundo outros autores) inventou a waterframe (fiandeira hidráulica), capaz de produzir oito fios simultaneamente. Também surgiu a chamada "mula fiadora" (spinning mule), inventada por Samuel Cropton em 1789, uma combinação da Spinning Jenny de James Hargreaves com o bastidor de Richard Arkwright. E assim sucessivamente foram surgindo inovações que aceleraram o processo de substituição do trabalho humano por instrumentos mecânicos, o que melhorou os métodos de obtenção e elaboração de matérias-primas. 29) 13 A questão refere-se à Revolução Industrial ocorrida no século XVIII. O texto e o quadrinho evidenciam a divisão social do trabalho taylorismo e a importância da linha de montagem para o aumento da produção industrial. Na linha de montagem, o operário especializa-se a ponto de não ter conhecimento do todo (produto final), consequência de uma intensa divisão do trabalho dentro das fábricas. 30) As consequências são: diminuição dos custos da produção; aumento da produtividade pelo fato de o trabalhador ficar parado à espera da peça a ser montada; aumento do lucro e alienação do trabalhador porque este deixa de ter visão do todo, montando sempre e apenas a sua parte. Todas essas transformações no processo produtivo gerado pela divisão social do trabalho beneficiaram os donos dos meios de produção. 31) O capitalismo deseja o lucro e as revoluções industriais, através de suas tecnologias poderão maximizar os lucros. 32) A Terceira Revolução Industrial é marcada pela automação, pela tecnologia substituindo a mão de obra humana. Essa substituição em alguns momentos é tão intensa que chega a extinguir profissões, gerandodesemprego estrutural. E, de acordo com a charge, vale ressaltar que mesmo a própria tecnologia, representada pelo robô pedindo emprego, se torna rapidamente obsoleta na velocidade das tecnologias atuais. 33) Não, o mundo não encolheu, mas essa é a sensação que temos diante da evolução dos meios de transporte, que nos permite percorrer distâncias em tempo cada vez menor. Geografia 9

10 Outras fontes de pesquisa Vídeos Ford - o homem e a máquina. Direção: Robert Lacy. EUA, 1995, Alpha Filmes. A história de Henry Ford, o homem que criou a produção em série, revolucionando a indústria mundial, seu amor pelas máquinas e seu drama familiar. Tucker, um homem e seu sonho. Diretor: Francis Ford Coppola, EUA, História real de um inventor da indústria automobilística e sua luta contra os oligopólios do setor. Livros Indústria: um só mundo. Pierre Beckouche, Coleção Geografia Hoje, Ática. Apresenta a dinâmica da indústria moderna, a sua mundialização e a nova divisão internacional do trabalho. Fábricas e homens. Edgar de Decca e Cristina Meneguello, Atual, A revolução industrial e o cotidiano dos trabalhadores. Site Confederação Nacional da Indústria. 34) A A desconcentração industrial é uma tendência mundial, tratando-se de um processo que tende à nova lógica da organização industrial mundial. Segundo Castells (2000) esse fenômeno [...] caracteriza-se pela capacidade organizacional e tecnológica de separar o processo produtivo em diferentes localizações ao mesmo tempo que reintegra sua unidade por meio de conexões de telecomunicações. Atualmente observa-se forte processo de desconcentração industrial, afastando as indústrias de áreas tradicionais para áreas periféricas e do interior. Entre as principais causas do problema, destacam-se: falta de espaço físico para crescer, tráfego congestionado, salários elevados na área central, carência de mão de obra, preços de terra e tributos fiscais elevados, restrições legais e ambientais e intensidade da ação sindical. A tendência que já vem se delineando é 10 Geografia

11 haver desconcentração industrial dos grandes centros, como acontece no ABC paulista, e a procura por cidades de médio porte, geralmente localizadas no interior. A tecnologia, através da substituição do homem pela máquina, fez reduzir a necessidade de mão de obra, e com a evolução dos meios de transporte e das telecomunicações as indústrias conquistaram maior liberdade para sua localização. Elas já não precisam mais se estabelecer próximo aos locais em que se produz a matéria-prima e ao mercado consumidor, porque os meios de transporte rápidos e a globalização permitem essa conexão mesmo que distante. 35) C As indústrias têm buscado atualmente áreas que ofereçam vantagens competitivas visando à diminuição do custo de produção com: mão de obra mais barata; sindicatos menos organizados; terrenos mais baratos; infraestrutura menos saturada; menor carga tributária. 36) B No Brasil existe uma grande concentração espacial da indústria no Sudeste, em especial no Estado de São Paulo, por motivos históricos. Destaque para Osasco, Guarulhos, Mauá e Baixada Santista (principalmente indústria alimentícia). Em Minas Gerais há áreas industrializadas no Quadrilátero Ferrífero, no Vale do Rio Doce e em Belo Horizonte (alimentícia e extrativismo). No Rio de Janeiro, além da capital, merece menção Niterói, Duque de Caxias, Petrópolis, Teresópolis, Nova Friburgo (alimentícia, química e metalúrgica). O Estado de Mato Grosso enfrenta um grande desafio para as próximas décadas: promover a transição de economia agroexportadora para economia industrializada. Para sair da posição de economia periférica baseada na produção primária, é muito importante o desenvolvimento de uma indústria forte e diversificada, onde os setores de tecnologia sejam tão fortes quanto o setor agropecuário. 37) D Em 1930, com o colapso da atividade cafeeira e a crise internacional, houve um violento corte nas importações de bens de consumo, o que criou uma situação favorável para o desenvolvimento da indústria nacional. O Estado passou a incentivar a atividade industrial através da transferência de capital das atividades agrárias exportadoras para a indústria. A ideia era diversificar a produção industrial para atender ao mercado interno, através da substituição de importações. O parque industrial brasileiro até então se limitava principalmente à indústria têxtil e à alimentícia. O governo nessa época, ao mesmo tempo que facilitava a importação de máquinas e equipamentos, dificultava a importação de produtos que pudessem concorrer com a indústria nacional, desenvolvendo assim uma política fortemente nacionalista. No panorama internacional, devido à Segunda Guerra Mundial, as economias internacionais estavam desorganizadas e abriam caminho para o crescimento das exportações brasileiras. 38) A A indústria de base é também conhecida como indústria de bens de produção ou indústria pesada. Ela transforma matériaprima bruta em matéria-prima para outras indústrias. Inclui principalmente os ramos metalúrgico, petroquímico, cimenteiro e siderúrgico, que beneficiam o minério de ferro, transformando-o em aço, amplamente utilizado em construções, na fabricação de eletrônicos e ferramentas, etc. Exemplo: Companhia Vale do Rio Doce, Gerdau. Curiosidade: em 2007 a marca e o nome fantasia da Companhia Vale do Rio Doce passaram a ser apenas Vale, nome pelo qual sempre foi conhecida nas bolsas de valores, mas foi mantida a razão social Companhia Vale do Rio Doce. Em 22 de maio de 2009 foi aprovada a alteração da razão social da empresa para Vale S.A. Geografia 11

12 39) A Dos cinco setores abrangidos pelo Plano de Metas, priorizaram-se o de energia, com investimentos de 43,4%, e o de transportes, com 29,6%. 40) A O Plano de Metas do governo JK consistia em 30 metas, agrupadas em cinco setores: 1) Energia: 43,4% do investimento em cinco metas: energia elétrica, energia nuclear, carvão, produção de petróleo e refinação de petróleo. 2) Transportes: 29,6% do investimento nas seguintes metas: reequipamento e construção de estradas de ferro, pavimentação e construção de estradas de rodagem, portos e barragens, marinha mercante e transportes aéreos. 3) Alimentos: 3,2% do investimento em seis metas: trigo, armazéns e silos, frigoríficos, matadouros, mecanização da agricultura e fertilizantes. 4) Indústria de base: 20,4% do investimento em 11 metas: aço, alumínio, metais não ferrosos, cimento, álcalis, papel e celulose, borracha, exportação de ferro, indústria de veículos motorizados, indústria de construção naval, maquinaria pesada e equipamento elétrico. 5) Educação: 4,3% do investimento em meta única. (NOSSO SÉCULO , 2ª parte. São Paulo: Abril, 1985 [adapt.]). 41) D Só está incorreta a afirmativa III, pois o primeiro e principal meio de transporte industrial no Brasil foi o ferroviário, estimulado pelo cultivo do café, importante para a economia da época. Somente a partir da década de 1950 é que o transporte rodoviário veio a substituir o ferroviário. 42) E A região Sudeste ainda mantém expressiva participação no total da atividade industrial brasileira, apesar da diminuição das taxas de crescimento de parte de seus Estados e do processo de desconcentração industrial verificado em meados da década de ) A As indústrias de bens de consumo fabricam produtos voltados ao mercado consumidor. São classificadas de acordo com as mercadorias que produzem, dividindo-se em: Indústrias de bens de consumo duráveis: eletrodomésticos, aparelhos eletrônicos, móveis e automóveis; (são os que aparecem nas propagandas da revista Cruzeiro) Indústrias de bens de consumo não duráveis: alimentos, bebidas, vestuário, calçados. 44) A O Brasil é considerado uma nação industrializada, possuindo o maior parque industrial da América Latina, mas apesar disso é subdesenvolvido. Para se analisar o índice de desenvolvimento de um país é necessário, além dos indicadores econômicos, os indicadores sociais (expectativa de vida, analfabetismo, etc.). Crescimento econômico não é necessariamente sinal de desenvolvimento social, pois desenvolvimento tem um sentido mais amplo, envolvendo questões econômicas (aumento da produção, modernização tecnológica etc.) e sociais (melhora da qualidade de vida da população). A ONU tem levantado o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) de quase todos os países, tendo um relatório mais preciso da qualidade de vida das populações. O Brasil possui indicadores socioeconômicos muito baixos e, consequentemente, também o IDH. 12 Geografia

13 O gráfico abaixo nos mostra claramente a situação no mundo. POBREZA MUNDIAL INDICADORES SOCIAIS RELACIONADOS À POBREZA População vivendo com menos de US$ 1 por dia (em % sobretotal) com fortes quedas em termos percentuais e absolutos, Leste Asiático e China foram os principais responsáveis pela redução do índice de pobreza. 44,6 45,5 41, ,6 31,1 15,6 16,6 Quantidade de alunos que completam o primeiro grau. Na América Latina e Caribe, em %. 83 0,5 3,7 11,3 9,5 2,3 2,4 27,9 21,3 26,1 22,8 Leste asiático com China Só China Europa e Ásia Central América Latina e Caribe Oriente Médio e Norte da África Sul da África África subsaariana Mundo 1, Mundo excluindo China População vivendo com menos de US$ 1 por dia (em milhões de habitantes) Taxa de mortalidade infantil. Na América Latina e Caribe, por mil nascidos* Leste asiático com China Só China Europa e Ásia Central Fonte: Folha de S. Paulo, 23/abr/ América Latina e Caribe 6 7 Oriente Médio e Norte da África Sul da África África subsaariana Mundo Mundo excluíndo China *crianças mortas antes de completar 5 anos de idade. Fonte: Banco Mundial 45) D O item incorreto é o III. A industrialização do Brasil é classificada como tardia, e não como planificada. A industrialização planificada está inserida numa economia planificada, na qual as indústrias são propriedades do Estado. Esse modelo se esgotou com a queda do socialismo soviético. 46) A Indústria de base, de bens de produção ou de bens de capital transformação de matéria-prima bruta (minérios, origem fóssil ou vegetal), em matéria-prima processada que será fornecida aos outros ramos industriais. Exemplos: química (pesticida, fertilizantes, cimento), refinaria (querosene, óleo diesel, gasolina), metalúrgica, siderúrgica (coque, aço), papel e celulose, entre outros. Indústria de bens intermediários produção de máquinas e equipamentos que serão usados em outros segmentos: mecânica (motores automotivos, colheitadeiras, tratores, arados) autopeças (pneus, rodas, bancos automotivos). Indústria de bens de consumo fabrica bens que são consumidos pela população em geral. Está dividida em: indústria de bens de consumo duráveis ou não duráveis. Geografia 13

14 Indústria de bens de consumo duráveis eletrodomésticos, automobilística, moveleira. Indústria de bens de consumo não duráveis têxtil, alimentícia, cosméticos. 47) A O processo de industrialização brasileiro teve forte interferência do Estado, transformando-o no principal segmento de desenvolvimento e de modernização do País. No período de 1937 a 1945, o Estado Novo do presidente Getúlio Vargas investiu intensamente na indústria de base criando grandes empresas públicas: no setor siderúrgico, a CSN (Companhia Siderúrgica Nacional, instalada em Volta Redonda no Rio de Janeiro), no extrativismo, a Vale (Companhia Vale do Rio Doce, extração de ferro em Minas Gerais) e no petroquímico, a Petrobras. A criação desse parque industrial foi fundamental para o fornecimento de matérias-primas, necessárias ao desenvolvimento de outras indústrias. A década de 50 apresenta uma nova fase do desenvolvimento industrial com o governo de Juscelino Kubitschek ( ), que buscava diminuir a distância tecnológica em relação aos países mais industrializados. As multinacionais investiram sobretudo no setor de bens de consumo duráveis, e foram as montadoras de carros que marcaram essa fase do desenvolvimento. E com a industrialização e a ausência de definição de uma política agrícola, acelerou-se uma onda migratória do campo para os meios urbanos. Somente o item IV está incorreto, pois o período entre 1969 e 1973 foi denominado como os anos do "milagre econômico", quando o produto interno bruto brasileiro atingiu médias anuais acima de 10% ao ano. Além do crescimento econômico, pode-se destacar nesse período a grande diversificação ocorrida no parque industrial brasileiro. 48) A O que ocasiona a desconcentração industrial no Sudeste não está relacionado à incapacidade da região de gerar energia suficiente para atender a demanda industrial. Atualmente se observa esse forte processo de afastamento das indústrias de áreas tradicionais para as áreas periféricas e do interior. A tendência, que já vem se delineando, é a desconcentração industrial dos grandes centros, como acontece no ABC paulista, e a procura por cidades de médio porte, geralmente localizadas no interior. Entre as principais causas, destacam-se: a falta de espaço físico para crescer, o tráfego congestionado, salários elevados na área central, carência de mão de obra, preços de terra e tributos fiscais elevados, restrições legais e ambientais e intensidade da ação sindical. As indústrias têm buscado atualmente áreas que ofereçam vantagens competitivas visando à diminuição do custo de produção como: mão de obra mais barata, sindicatos menos organizados, terrenos mais baratos, infraestrutura menos saturada e menor carga tributária. 49) D I. Incorreta. No Hemisfério Sul também existem alguns países desenvolvidos, como a Austrália e a Nova Zelândia. Não podemos confundir hemisférios Norte e Sul com o critério de regionalização que leva em conta aspectos relacionados às desigualdades socioeconômicas entre as nações, ou seja, o seu nível de desenvolvimento. Esse critério de regionalização divide o mundo em países do Norte (desenvolvidos) e países do Sul (subdesenvolvidos). IV. Incorreta. O equilíbrio econômico entre os países do Norte e do Sul não ocorrerá tão cedo, muito menos até a próxima década. Na visão do geófrafo Demétrio Magnoli, por exemplo, essa diferença só tem crescido nos últimos tempos. A grande mutação na economia mundial e na geopolítica planetária agravou as desigualdades entre a acumulação de riquezas e a disseminação da pobreza. O desenvolvimento assume padrões crescentemente perversos, marginalizando parcelas maiores da população. Em escala mundial, a década de 80 presenciou uma ampliação da fratura econômica entre o Norte e o Sul. Atualmente, os 20% mais ricos da população do Planeta repartem entre si 82,7% da riqueza, enquanto os 20% mais pobres dispõem apenas de 1,4%. 14 Geografia

15 50) C O Enem é uma prova diferente, pois privilegia o raciocínio, e não a "decoreba". Avalia as 5 competências e as 21 habilidades previstas na Matriz de Competências criadas pelo Ministério da Educação. Os alunos, sem deixarem de estudar os conteúdos, têm agora que melhorar seu desempenho, entendendo e treinando as 21 habilidades. Para responder a esta questão, o aluno terá que analisar e compreender os mapas e gráficos, desenvolvendo a habilidade de compreender e utilizar variáveis, pois requer do participante a mobilização de leitura cartográfica, a habilidade de analisar dados estatísticos e a habilidade de compreender e utilizar gráficos. 51) F V F V F A afirmativa 1 é falsa. Os africanos possuem uma base produtiva relativamente fraca e frágil diante de um mundo globalizado e tecnologicamente sofisticado, legado do colonialismo europeu que criou uma estrutura econômica pouco diversificada e ancorada na exportação de produtos primários. A afirmativa 3 é falsa. Ao longo da história, os países da América Latina continuam a manter forte dependência comercial e tecnológica dos países desenvolvidos (países do Norte). A afirmativa 5 é falsa. No cenário geopolítico contemporâneo, o poder de uma nação é medido pela sua capacidade econômica. Os países desenvolvidos atuam como centros de poder financeiro, influenciando os países mais pobres (subdesenvolvidos) e mantendose no comando das decisões político-econômicas mundiais. 52) O mais importante da resposta dessa questão é a justificativa que o aluno irá apresentar, estimulando a utilização do conteúdo aprendido, e não a mera repetição. Considerando que atualmente um dos principais fatores de atração de multinacionais é a isenção de impostos, o país B é o mais adequado. Além da isenção de impostos, o país já dispõe de redes de transporte e telecomunicação articuladas, essenciais para o desenvolvimento das atividades, mercado consumidor em expansão e grandes áreas de florestas para exploração da madeira. Geografia 15

16 53) Na década de 1950 foi inaugurada uma nova fase do desenvolvimento industrial, com o governo de Juscelino Kubitscheck. O projeto desenvolvimentista propunha "50 anos em 5" e buscou implantar um modelo que visava diminuir a distância tecnológica em relação aos países industrializados, atraindo as multinacionais. O modelo era baseado na substituição das importações, e para atrair o capital estrangeiro foram realizados investimentos maciços por parte do governo em infraestrutura de transportes, indústria de base e capacidade de geração de energia elétrica. O papel do Estado na década de 50 foi decisivo para o desenvolvimento industrial brasileiro. O mercado consumidor estava em plena expansão porque não se tinha no Brasil abundância de produtos industrializados. No final da década de 90, após anos fechado às importações, o País abre suas portas aos produtos importados e aos investimentos estrangeiros, sem cerimônia. A indústria nacional sofre, pois, sem qualidade, seus produtos não conseguem competir no mercado nacional, quem dirá no internacional. O governo aponta para a diminuição do Estado, optando pelas privatizações das estatais que foram fundamentais no processo de industrialização do Brasil na década de ) a) A indústria siderúrgica, que é uma indústria de base, é fundamental para o desenvolvimento de outras, como as de bens de consumo duráveis ou não duráveis. b) As indústrias de base receberam grande incentivo do Estado na época do governo de Getúlio Vargas, pois a ideia era criar uma infraestrutura industrial com a fundação da Companhia Siderúrgica Nacional, da Companhia Vale do Rio Doce, da Companhia Nacional de Álcalis, da Fábrica Nacional de Motores e da Petrobras. 55) O corte das importações de bens de consumo criou um contexto favorável para o desenvolvimento da indústria nacional. O momento foi ideal porque houve uma proteção econômica, e sem a concorrência dos produtos externos restou ao consumidor aceitar as condições dos produtos fabricados no País. Outras fontes de pesquisa Vídeos Roger e eu. Direção de Michel Moore. EUA, O primeiro documentário de Michael Moore registra o fechamento da General Motors na cidade de Flint, em Michigan (EUA), que resultou na perda de 30 mil empregos. Mostra a tentativa de Moore de conseguir uma entrevista com o presidente da GM, Roger Smith. Ou tudo ou nada. Direção de Peter Cattaneo, Reino Unido, Apresenta os problemas das mudanças industriais e das reformas introduzidas pelo neoliberalismo no país. Livro Indústria e trabalho no Brasil. Waldemar Rossi e William Gerab. Atual. Aborda a trajetória da industrialização do Brasil desde o Período Colonial, analisando a questão do trabalho e do trabalhador. 56) E A alternativa que não contém apenas fontes de energia é a E, pois ferro e alumínio são metais. 57) C A turfa, de baixo conteúdo carbonífero, constitui um dos primeiros estágios do carvão, com teor de carbono na ordem de 45%; o linhito apresenta um índice que varia de 60% a 75%; o carvão betuminoso (hulha), mais utilizado como combustível, contém cerca de 75% a 85% de carbono; e o mais puro dos carvões, o antracito, apresenta um conteúdo carbonífero superior a 90%. 58) A A afirmativa 1 é falsa. Na energia eólica a poluição é zero. A afirmativa 2 é falsa. O carvão mineral não deve ser confundido com o carvão vegetal, que é obtido através da madeira carbonizada em fornos, e que é renovável. A afirmativa 5 é falsa. A energia geotérmica não é utilizada no Brasil. 16 Geografia

17 59) B A afirmativa 1 é falsa. Não existe ainda controle sobre a queima dos combustíveis fósseis. Dados indicam um aumento maior do que o previsto pelos últimos relatórios do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC), cujas estimativas ficavam em torno de um aumento anual de 2,3 % entre 2000 e Dentro desse panorama, com as emissões ultrapassando os piores cenários previstos, o aquecimento global poderá ser agravado. 60) A 61) C Fontes de energia renováveis ou inesgotáveis: podem ser repostas a curto ou médio prazo. Exemplos: Energia hídrica; Energia eólica; Energia solar; Energia geotérmica; Energia das ondas e marés; Energia da biomassa. Fontes de energia não renováveis: se encontram na natureza em quantidades limitadas e se extinguem com a sua utilização. Exemplos: Energia do carvão; Energia do petróleo; Energia do gás natural; Energia do urânio. 62) B A principal área de exploração de carvão mineral é o Vale do Rio Tubarão, em Santa Catarina, abrangendo os municípios de Criciúma, Lauro Müller, Siderópolis, Urussanga e Tubarão. É transportado pela Estrada de Ferro Tereza Cristina até o porto de Imbituba, de onde o produto é levado por cabotagem até a região Sudeste, para abastecer principalmente a CSN, em Volta Redonda (RJ) e a COSIPA, em Cubatão (SP). 63) A O carvão formou-se principalmente nos períodos Carbônico e Pérmico, há milhões de anos, quando extensas florestas foram submersas, fazendo com que restos de vegetais, que são ricos em carbono, se transformassem em um elemento rochoso. 64) E O petróleo é considerado uma fonte de energia de origem fóssil não renovável, pois sua formação demanda milhões de anos. Explorado em áreas continentais de origem marinha ou em áreas submarinas, é importante matéria-prima da indústria petrolífera e petroquímica. 65) C As energias renováveis ganham um espaço cada vez maior, pois não prejudicam a natureza e são perenes. É a energia que vem de recursos naturais, como sol, vento, chuva, marés e calor. A porcentagem das energias renováveis na geração de eletricidade é de cerca de 18%, com 15% da eletricidade global vindo de hidrelétricas e 3% de novas energias renováveis. Outro fator importante desse tipo de energia é que a maior parte delas pode gerar energia de forma descentralizada, diminuindo os custos de implantação, possibilitando o acesso à energia por comunidades em regiões isoladas e aumentando a eficiência e a rapidez de implantação do sistema, uma vez que podem ser dispensadas linhas de transmissão. 66) B O carvão tem importante papel no processo de produção do ferro, na medida em que fornece o carbono necessário para transformar e purificar o minério. O desenvolvimento da grande siderurgia mundial baseou-se, via de regra, na utilização de carvão mineral ou coque metalúrgico. A Votorantim Siderurgia é um dos principais representantes do setor de produção e comercialização de aço. Geografia 17

18 67) C A economia do Oriente Médio está vinculada diretamente com a extração e o refino do petróleo. A concentração maior do recurso está no Golfo Pérsico e na Mesopotâmia, os quais juntos possuem cerca de 60% de toda reserva do Planeta. Dentre os países do Oriente Médio, os maiores produtores de petróleo são: Arábia Saudita, Irã, Iraque, Kuweit, Emirados Árabes Unidos, Catar e Bahrain. árvores é de restos de animais mortos em ambientes que eram lacustres e de sedimentos que ao longo do tempo se depositaram em cima, somado à temperatura e à pressão. Outras fontes de pesquisa Sites Energia Brasil e Ministério das Minas e Energia: sites sobre as fontes de energia e os recursos minerais no país. Livros Fontes de Energia. Vilma A. Campanha e outros. Rio de Janeiro: Harbra, Biomassa: a eterna energia do futuro. Gilberto F. Vaconcellos. Senac, Vídeo 68) D O vapor é o fator responsável por fazer girar as turbinas que darão origem à energia elétrica. Há no processo a conversão de energia térmica em energia cinética que é convertida em energia elétrica. Processo este aplicado tanto em usinas nucleares quanto em usinas geotérmicas. 69) C A década de 1950, especialmente a sua segunda metade, foi marcada pelo avanço do processo de industrialização brasileiro, fortemente influenciado pelo vigoroso investimento público e, de maneira menos ostensiva, pelo capital internacional e privado nacional. Nesse contexto o petróleo teve o seu uso ampliado consideravelmente. 70) O carvão é formado em ambientes pantanosos com restos de árvores e deposição de material ao longo dos anos somada à pressão e temperatura. Já o petróleo também é formado por fósseis, porém em vez de ser de restos de O mundo contemporâneo: energia. Realização da BBC (Distribuição da TV Escola). Inglaterra, Analisa os desafios energéticos do futuro, mostrando os prós e contras de diferentes fontes de energia. 71) E O petróleo é encontrado nas bacias sedimentares, depressões que ao longo de milhões de anos foram preenchidas pelas rochas sedimentares. Essas bacias cobrem vasta área do território brasileiro, em terra e mar. 72) B Novas tecnologias são desenvolvidas na medida em que novos desafios surgem. O modelo energético atual é baseado no consumo de combustíveis fósseis (carvão, petróleo, gás natural), que causam danos ao meio ambiente, além de não serem renováveis. Portanto, as pesquisas científicas e tecnológicas atualmente estão direcionadas para a produção de energias alternativas (eólica, solar, biomassa etc.), que são menos poluidoras e causam menos impactos ambientais. 18 Geografia

19 73) C A queima de combustíveis fósseis (carvão ou derivados do petróleo) libera na atmosfera gases poluentes, que causam entre outras coisas a chuva ácida e o efeito estufa. 74) C O município de Angra dos Reis (RJ) é sede da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto complexo que abriga as duas usinas nucleares em funcionamento no Brasil, Angra 1 e Angra 2. Angra 3 está em construção, com previsão de entrar em operação em Angra 1 e 2, juntas, produziram 11,5 milhões de MWh em 2004, valor que representa cerca de 4% da produção total de energia elétrica do País, o suficiente para iluminar uma cidade de 7 milhões de habitantes. 75) E Uma das muitas discussões a respeito da geração de energia pelas usinas nucleares refere-se ao perigo de vazamento nuclear e ao destino do lixo radioativo. Os ambientalistas se opõem à energia nuclear justamente por causa do lixo radioativo, pois não existe uma solução definitiva para o seu tratamento e pouco se sabe das consequências da radiação para o meio ambiente. Já ambientalistas como o cientista britânico James Lovelock, autor da teoria de Gaia, defendem que a energia nuclear é a mais segura das fontes energéticas para se impedir o avanço do efeito estufa. Ela está disponível, é a mais segura de todas as fontes de energia, deixa o menor rastro e tem suprimento de combustível para milhares de anos. 76) D Os índices de energia per capita podem apresentar maiores distorções de acordo com o nível de industrialização e níveis de consumo, contribuindo para maiores necessidades de consumo energético, mesmo em países com IDH próximos. 77) B O hábitat de muitas espécies de animais terrestres é destruído com a construção de uma usina hidrelétrica, pois a obra inunda vastas áreas. 78) C Áreas impróprias ao desenvolvimento da agricultura, de acordo com o texto, podem alcançar uma elevada produção de combustível, ultrapassando o da Arábia Saudita se forem destinadas ao plantio de florestas reservadas para a produção de energia. 79) B O custo da construção de uma da hidroelétrica é de US$100 por quilowatt, e o da energia eólica de US$2000, fator que contribui para que a energia eólica tenha menor participação na matriz energética brasileira. 80) E A charge e o texto evidenciam a expansão na cultura de cana-de-açúcar com a alta tecnologia aplicada na agroindústria voltada para a produção de bioenergia, contrastando com a exploração da mão de obra, os precários processos de colheita manual e o desemprego provocado pela mecanização. 81) B Observando-se a oferta total de energia em 2002, a contribuição oriunda de recursos renováveis foi inferior a 50%, sendo que o aumento do uso de derivados da cana-deaçúcar e de hidroeletricidade não compensou a diminuição do uso de lenha e carvão vegetal. 82) O mais importante é o aluno pensar sobre a sua opção em relação ao custo benefício e desenvolver argumentos coerentes para dar sustentação a sua escolha. O que se espera é que o aluno, colocando como prioridade o meio ambiente, descarte a possibilidade dos combustíveis derivados dos fósseis (gasolina, diesel, gás natural). A escolha que teria menor impacto ambiental é a escolha do carro flex utilizando o álcool como combustível; mesmo com a lenda de que combustível rende menos por litro, dependendo do valor dele no mercado, compensa. 83) O preço do barril do petróleo não é nada estável, e hoje é impossível conceber desenvolvimento sem energia. Sendo assim, quem Geografia 19

20 tem energia disponível em seu país tem a possibilidade de gerar desenvolvimento. Caso contrário, o país fica refém do mercado internacional, ora tendo, ora não tendo energia abundante e barata, influenciando definitivamente no seu desenvolvimento e na sua estabilidade econômica. 84) a) O vento e a água são energias que se renovam e que são repostas na natureza em curto espaço de tempo. b) Um dos principais problemas ambientais é o alagamento de grandes áreas, o que acaba matando várias espécies que nelas vivem. c) Porque nem todos os países têm rede hidrográfica e relevo adequados para a construção de usinas como o Brasil, onde os rios caudalosos correm em planaltos, condições perfeita para a geração de energia hidrelétrica. 85) A preocupação com a extração da fortuna descoberta é procedente, porque não basta ter recursos naturais, é preciso saber administrálos. Existem vários fatores relacionados a essa mobilização inquietante: um é o mercado internacional se a extração for excessiva, cai o preço do petróleo, desequilibrando a balança comercial, desorganizando a economia e podendo levar rapidamente ao esgotamento da reserva. Outra questão são os Estados banhados pela região que será explorada. Não há consenso sobre o direito aos royalties, pois a exploração era restrita ao Estado onde localiza-se a reserva de petróleo, e a legislação foi mudada. Sendo assim, existe a preocupação de quem, além da Petrobras, vai explorar essas reservas. Muitos insistem que o domínio tem de retornar ao Estado produtor. Outras fontes de pesquisa Vídeo Síndrome da China. Direção de James Bridges. EUA, Aborda o delicado tema da produção de energia nuclear e os interesses relacionados à atividade, dentre os quais figuram o empresariado, a população e os jornalistas que lutam para investigar a gravidade de um acidente nuclear. Curiosidade: em 1979, Síndrome da China foi o filme mais comentado do ano, graças à enorme publicidade gerada na vida real pelo acidente da usina nuclear de Three Mile Island, que foi não apenas um espelho dos eventos retratados no longa, mas também por ter ocorrido justamente doze dias após a estreia do filme. Livro Energia nuclear: vale a pena? José Goldemberg. São Paulo: Scipione, Geografia

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS NATURAIS A palavra recurso significa algo a que se possa recorrer para a obtenção de alguma coisa,

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem?

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? A diversidade de vida no planeta Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? Domínios naturais terrestres São extensas áreas geográficas com

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Disciplina - Geografia 2 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio 1- Introdução Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se que, até 2030,

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Observe a figura

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

Profª: Sabrine V.Welzel

Profª: Sabrine V.Welzel Geografia 1 ano/ensino Médio Fontes Energéticas 1) Porque o setor energético é considerado estratégico? 2) (FGV) Sobre o consumo de energia no Brasil é correto afirmar que: a) a Região Sudeste não consegue

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 Correntes marítimas Correntes marítimas Nas aulas anteriores aprendemos sobre a importância do Sol em nossas vidas. Revimos os movimentos da

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA GABARITO 4ª Chamada Bim. DISCIPLINA: FÍS. I E II / GEO. COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

GEOGRAFIA. D) os países que apresentam as maiores taxas de emigração neste início de século.

GEOGRAFIA. D) os países que apresentam as maiores taxas de emigração neste início de século. GEOGRAFIA INSTRUÇÃO: Responder às questões 16 e 17 com base no mapa abaixo. NORTE ESCALA 0 2.448 4.896 km 16) Nas áreas destacadas no mapa, estão A) os maiores pólos econômicos do mundo. B) os membros

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano C Montanhas Rochosas

Leia mais

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns.

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. OS BIOMAS BIOMAS Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. ECOSSISTEMA Comunidade de organismos (biocenose) junto com o ambiente físico e químico (biótopo) no qual

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara PETRÓLEO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara CONCEITO E ORIGEM Petróleo: do latim petrus (pedra) + oleum (óleo) = óleo de pedra É uma substância de origem orgânica, oleosa, inflamável, geralmente menos densa

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL 1) (UDESC - 2012) São exemplos da indústria de bens de consumo (ou leve): a) Indústria de autopeças e de alumínio. b) Indústria de automóveis

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano D Montanhas Rochosas

Leia mais

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO Formações vegetais do globo AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO As Grandes Formações Vegetais da Superfície da Terra Tundra Vegetação

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

GEOGRAFIA. Brasil dos Recursos Minerais e Energéticos

GEOGRAFIA. Brasil dos Recursos Minerais e Energéticos Brasil dos Recursos Minerais e Energéticos GEOGRAFIA O Brasil apresenta um território dotado de recursos minerais e bem diversificado, porém não são bem aproveitados isso devido a uma falta de conhecimento

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.edu.br

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.edu.br GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.edu.br RECURSOS NATURAIS: ENERGIA A revolução industrial e a recente revolução tecnológica fez com que a pressão sobre os recursos naturais se torne cada vez

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DAS PAISAGENS NO BRASIL E NO MUNDO

CONFIGURAÇÃO DAS PAISAGENS NO BRASIL E NO MUNDO CONFIGURAÇÃO DAS PAISAGENS NO BRASIL E NO MUNDO Vegetações Mundiais A palavra fitogeografia quer dizer geografia dos vegetais ou como eles estão dispersos e classificados ao longo de um território. As

Leia mais

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes.

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS BACIAS INDEPENDENTES BACIAS SECUNDÁRIAS

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA)

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) BOM ESTUDO Profª Sueli Rocha CONTEÚDO: Os tipos de clima do continente Americano 01 Conceituar clima R: Clima é a seqüência

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio

Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Geografia Ementa Possibilitar a compreensão do conceito, do histórico e contextualização da Geografia.

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

Assinale a alternativa que identifica, corretamente, as paisagens 1 e 2 destacadas no mapa.

Assinale a alternativa que identifica, corretamente, as paisagens 1 e 2 destacadas no mapa. GEOGRAFIA 31 a Observe o mapa. Assinale a alternativa que identifica, corretamente, as paisagens 1 e 2 destacadas no mapa. a) b) c) d) e) I Desértica: baixa umidade do ar; grande amplitude térmica; vegetação

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico.

No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico. 11 GEOGRAFIA No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico. a) Cite o nome de três destas cidades e identifique o estado brasileiro onde

Leia mais

OS RECURSOS ENERGETICOS

OS RECURSOS ENERGETICOS OS RECURSOS ENERGETICOS Recursos energéticos Recursos energéticos são tudo o que o Homem pode retirar da Natureza onde se obtém energia. Os recursos energéticos dividem-se em dois grupos: Energéticos renováveis

Leia mais