PARQUES DE CAMPISMO E DE CARAVANISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARQUES DE CAMPISMO E DE CARAVANISMO"

Transcrição

1 O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: PARQUES DE CAMPISMO E DE CARAVANISMO ÂMBITO Os parques de campismo e de caravanismo estão integrados na tipologia dos empreendimentos turísticos, cujo regime jurídico está regulado pelo Decreto-Lei n.º 39/2008 de 7 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 228/2009, de 14 de setembro. DEFINIÇÃO: Os Parques de Campismo e Caravanismo são empreendimentos instalados em terrenos devidamente delimitados e dotados de estruturas destinadas a permitir a instalação de tendas, reboques, caravanas ou autocaravanas e demais material e equipamento necessários à prática do campismo e caravanismo. Nos Parques de Campismo e de Caravanismo podem coexistir instalações destinadas a alojamento, desde que não ultrapassem 25% da área total do parque destinada aos campistas. Podem ser de uma dupla natureza: de carácter público ou privativo: São Parques de Campismo Públicos: os empreendimentos destinados ao público em geral, mediante remuneração. Os Parques de Campismo Privativos: são aqueles que se destinam apenas a ser utilizados por associados ou beneficiários das entidades proprietárias ou exploradoras. Considerando a sua localização, a qualidade das suas instalações e equipamentos e os serviços que ofereçam, os Parques de Campismo e de Caravanismo podem ainda classificar-se, a requerimento do promotor ou da entidade exploradora, nas categorias de 3, 4 ou 5 estrelas, cujos requisitos mínimos estão definidos em anexos à portaria de regulamentação. Os Parques de Campismo Privativos necessitam de uma autorização da Direção Geral do Turismo. Os promotores deverão apresentar um requerimento dirigido a esse organismo, solicitando a autorização para que o parque de campismo seja privativo, devendo ser acompanhado dos estatutos da entidade requerente. Os conceitos e os requisitos mínimos de instalação e funcionamento dos Parques de Campismo e de Caravanismo encontram-se definidos em regulamento próprio, mas importa ter em atenção a legislação específica e geral dos empreendimentos turísticos, uma vez que são uma das tipologias enunciadas na lei. Importa, pois, distinguir os requisitos gerais de instalação no âmbito de licenciamento dos empreendimentos turísticos e os requisitos específicos da instalação, classificação e funcionamento dos parques de campismo e de caravanismo. Relativamente aos requisitos gerais de instalação dos empreendimentos turísticos, impõe-se referir que estes estão definidos em ficha de licenciamento própria, subordinada ao tema EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS. R.L.G. atualizado em: 10 de setembro de

2 De referir, sucintamente a necessidade de: A instalação de empreendimentos turísticos que envolvam a realização de operações urbanísticas, conforme definição regulada no regime jurídico da urbanização e da edificação devem cumprir as normas constantes daquele regime bem como as normas técnicas de construção aplicáveis às edificações em geral, designadamente em matéria de segurança contra incêndio, saúde, higiene, ruído e eficiência energética, sem prejuízo do disposto no presente decreto-lei e respetiva regulamentação, tendo em conta que no âmbito deste regime jurídico os procedimentos administrativos se processam de acordo com as seguintes fases: Pedido de Informação Prévia (facultativo), Pedido de Licenciamento ou Comunicação prévia de Operações Urbanísticas, Autorização ou comunicação de Utilização para fins turísticos e Vistoria de Aprovação de Classificação. N.B: No tocante aos Parques de Campismo e Caravanismo, a câmara municipal, juntamente com a emissão do alvará de licença ou a admissão da comunicação prévia para a realização de obras de edificação, fixa a capacidade máxima e atribui a classificação de acordo com o projeto apresentado. Requisitos específicos dos Parques de Campismo e de Caravanismo No âmbito da especificidade de critérios legalmente previstos para a instalação, classificação e funcionamento dos parques de campismo e de caravanismo, destacam-se os seguintes: Quanto à localização: Os parques de campismo e de caravanismo devem situar-se em locais adequados aos fins a que se destinam, pelo que os respetivos terrenos terão que ter as seguintes características: -não estarem situados em zonas de condutas de combustíveis; -não estarem situados em zona de atmosfera poluída; -não estarem a menos de 1000m de locais onde existam indústrias insalubres, incómodas, tóxicas ou perigosas; os terrenos têm que ser suficientemente drenados para facilitar o escoamento das águas pluviais, -não estarem a menos de 1000m de condutas abertas, de esgotos, de lixeiras, ou de aterros sanitários. Por outro lado, devem ser arborizados e dispor de boas sombras, devendo ser crida nova arborização quando esta não exista, ou sendo insuficiente, a entidade exploradora deve criar sombras por processo artificiais, sobretudo nas áreas destinas ao convívio. Quanto às áreas destinadas ao acampamento esta não pode exceder 60% da área total do parque. A área destinada a vias de circulação interna, instalações e equipamento não pode exceder 25% da área total do parque, e relativamente à área destinada a espaços livres e instalações de zonas desportivas e de lazer terá que representar no mínimo 15% da área total do parque. São requisitos das instalações: Acesso à via pública Os parques de campismo e de caravanismo terão que ter um acesso fácil à via pública para qualquer tipo de veículo automóvel. Delimitação dos terrenos Em relação aos terrenos dos parques de campismo terão de ser vedados de forma a preservar a segurança e tranquilidade dos utentes, devendo ser utilizados materiais não cortantes que não ponham em causa a integridade física dos seus utentes. Também terão que existir portões de entrada e saída em número suficiente, a definir de acordo com o plano de emergência, com a largura mínima de 3,5 m, de forma a possibilitar o acesso ao parque de veículos de socorro e emergência. Superfície destinada à instalação de equipamentos de campista R.L.G. atualizado em: 10 de setembro de

3 A área mínima do terreno cujo fim se destina á instalação de cada equipamento para acampamento não pode ser inferior a 25m 2, podendo nesse espaço ser instalado equipamento adicional, desde que os seus utilizadores integrem o mesmo grupo de utentes. Vias de circulação interna: Estes espaços terão que dispor de vias de circulação interna, em bom estado de conservação, que permitam o trânsito de qualquer veículo automóvel, nomeadamente veículos de emergência ou de socorro, devendo ter uma largura mínima de 3m ou 5m, conforme sejam, respetivamente, de um ou dois sentidos. A lei estabelece que entre a vedação do parque de campismo e de caravanismo e a área destinada às instalações e equipamento dos campistas deve existir uma via de circulação com a largura mínima de 3m, e, sendo interdito o estacionamento de quaisquer veículos ou equipamentos nestas vais que impossibilitem ou limitem o trânsito, em particular os veículos de emergência ou de socorro. N.B.: Podem ser estabelecidos por instrumentos de gestão territorial requisitos mais exigentes quantos a estas matérias, nomeadamente quanto à capacidade dos parques, às áreas de acampamento, vias de circulação interna e espaços livres. Circulação e estacionamento de veículos automóveis A circulação de veículos particulares no espaço dos parques deve limitar-se ao transporte de equipamento e bagagem, sendo que a velocidade máxima permitida não pode exceder os 30km por hora, devendo recorrer-se à instalação de lombas ou mecanismos redutores da velocidade. Quanto ao estacionamento de veículos automóveis particulares dentro dos parques só é permitido nas áreas expressamente previstas para o efeito. Rede de energia elétrica Os parques de campismo e de caravanismo devem dispor de uma rede interna de energia elétrica, que assegure o fornecimento de eletricidade aos campistas e a iluminação do parque em geral, dispondo de um sistema de iluminação de emergência e luz permanente durante os períodos de silêncio nomeadamente junto das entradas e saídas dos parques, das instalações sanitárias e das vias de comunicação. Abastecimento de água Os parques de campismo e de caravanismo devem dispor de um sistema de abastecimento de água potável adequado e suficiente, que cumpra as normas relativas à qualidade da água destinada ao consumo humano. O sistema de abastecimento de água para consumo humano, devendo ser assegurado o fornecimento de pelo menos 80 l de água por dia e por campista. Também neste domínio importa mencionar que os locais de distribuição de água devem estar revestidos com materiais impermeabilizados e dispor de drenagem de águas residuais. Se não existir rede pública de abastecimento de água para consumo humano nos parques de campismo e de caravanismo, estes devem ter à sua disposição reservatórios de água próprios, com capacidade suficiente para satisfazer as necessidades mínimas e ainda de uma reserva de emergência. Condições gerais de instalação A instalação de infraestruturas e, de um modo geral, de todo o equipamento necessário ao funcionamento dos parques de campismo e de caravanismo deve efetuar-se de modo a não produzir ruídos, vibrações, fumos ou cheiros suscetíveis de perturbar ou afetar, quer o ambiente, quer a segurança e tranquilidade dos utentes dos parques de campismo, proibindo-se a instalação de coberturas laterais e a instalação de muros artificiais à volta das tendas, caravanas ou outros equipamentos utilizados pelos campistas ou caravanistas. Instalações sanitárias R.L.G. atualizado em: 10 de setembro de

4 As instalações sanitárias de uso comum terão que ser dotadas de água corrente e devendo apresentar determinadas características como por: separadas por sexo, sendo necessário que as paredes, pavimentos e tetos das mesmas ser revestidas de materiais resistentes, impermeáveis, não inflamáveis e de fácil limpeza., devendo dispor de fraldários, possuir comunicação direta para o exterior ou serem dotadas de ventilação artificial permitindo a contínua renovação do ar. Devem ainda as instalações sanitárias ser ligadas por a uma rede de esgotos que conduzam as águas residuais a sistemas adequados ao seu escoamento. Relativamente à sua localização estas têm que estar distribuídas em blocos pelos parques de campismo e de caravanismo, facilitando a utilização pelos campistas, devendo existir um bloco por cada 2 ha da área destinada ao acampamento. Neste âmbito as instalações não podem estar situadas juntos das zonas destinadas a preparar e a cozinhar alimentos. Equipamentos de utilização comum Os parques de campismo e de caravanismo devem possuir, pelos menos, os seguintes equipamentos de utilização comum: o Receção, situada junto à entrada principal do parque; o Café/bar; o Loja de conveniência/minimercado/supermercado para os parques de campismo com capacidade superior a 90 campistas; o Sala de convívio; o Parque infantil; o Área para a prática de desportos ao ar livre; o Espaços próprios e de utilização comum destinados à lavagem e ao tratamento de roupa e louça com características específicas. Recipientes para o lixo Os parques de campismo e de caravanismo têm que possuir recipientes para o lixo, colocados em locais de fácil acesso e devidamente sinalizados, que permitam a deposição seletiva dos resíduos, tendo em consideração os sistemas de recolha de fluxos que operem na área de localização do parque, sendo obrigatória a lavagem e manutenção dos contentores, devidamente isolado. Instalações de alojamento Nos parques de campismo e de caravanismo podem existir instalações destinadas a alojamento desde que não ultrapassem a 25% da área total do parque destinada a campistas, não podendo ter mais de 2 pisos nem ocupar uma superfície superior a 75m2.em que as divisões das instalações têm que possuir determinadas características. Nestes casos, cada uma das instalações poderá ter até um limite de 3 quartos, sendo reguladas as respetivas áreas mínimas. Requisitos de Funcionamento: Receção É obrigatória a existência de uma receção, cujas funções mínimas estão reguladas com pormenor no diploma legal, destacando-se, entre muitos outros aspetos, a obrigatoriedade de registo das entradas e saídas dos campistas, recolha de mensagens e correspondência dos campistas, prestação de informações sobre as regras de funcionamento do parque e existência de regulamento (o horário de funcionamento da receção, os preços de serviços, a lotação do parque, os períodos de silêncio), indicação dos contactos de farmácia e postos de correio mais próximos, a existência de um telefone com ligação ao exterior. Primeiros socorros e vigilância Os parques de campismo e de caravanismo devem ter disponível, vinte e quatro horas por dia, equipamento de primeiros socorros ou um posto médico para a prestação de assistência, devidamente sinalizado e, dispor de um serviço permanente de vigilância ou videovigilância. R.L.G. atualizado em: 10 de setembro de

5 Serviços de limpeza e remoção de lixo Todas as instalações comuns dos parques, incluindo as sanitárias e contentores do lixo, devem ser limpos e desinfetados diariamente. Deveres dos campistas e caravanistas Os campistas e caravanistas ficam sujeitos às regras estabelecidas na presente portaria e regulamento interno do parque, mormente, cumprir os preceitos de higiene especialmente os referentes ao lixo e às águas sujas, pautar o seu comportamento pelas regras de boa vizinhança, abster-se de atos suscetíveis de incomodar os restantes campistas e de fazer ruído, cumprir a sinalização do parque e as indicações relativas ao estacionamento e à instalação de equipamento de campismo e caravanismo, entre outros deveres referidos no diploma. Regulamento Interno Os parques de campismo e de caravanismo devem ter um regulamento interno elaborado pela respetiva entidade exploradora, do qual deve ser dado a conhecer à câmara municipal competente e, no caso dos parques de campismo privativos deve ser dado conhecimento à Federação de campismo e Montanhismo de Portugal. O regulamento interno deve estar afixado de forma bem visível, na receção dos parques e redigido em português e noutra língua oficial da União Europeia. Caso os campistas e caravanistas desrespeitem o regulamento interno podem ser expulsos dos parques. É o regulamento interno que irá estabelecer as regras relativas ao funcionamento e utilização dos mesmos, especialmente no que se refere: À admissão de animais; Às condições em que é permitida a permanência no parque de material de campismo e caravanismo desocupado; Aos deveres dos campistas; Ao período de funcionamento do parque; aos períodos de silêncio; aos equipamentos de queima autorizados pelo parque para a confeção de alimentos; Às condições para a circulação de veículos particulares e limite máximo de velocidade no parque. Quanto aos parques que admitam Caravanas e Autocaravanas, devem dispor de estações de serviços na proporção de uma para cada 30 unidades, localizadas em zona do parque de fácil acessibilidade e revestidas de material impermeabilizado. A superfície do terreno destinado à instalação destas deve ter uma área mínima de 50m 2 dispondo dos seguintes equipamentos como instalação elétrica, ponto de água e esgoto. Parques de Campismo Rural Os parques de campismo rural, nos terrenos que lhe são destinados, integrados ou não em explorações agrícolas, não podem ter uma área superior a 5000m 2. A capacidade máxima dos parques de campismo rural não podem exceder as 30 instalações, tendas, caravanas ou outros veículos habitáveis, nem o número de 90 campistas. Devem este tipo de parques assegurar o seguinte: Fornecimento de água potável, Fornecimento de energia elétrica; Instalação de recipientes para lixos em locais adequados e sua remoção; Escoamento eficaz de águas residuais e esgotos; Sistema de segurança contra riscos de incêndio; Ligações telefónicas, postais e de socorros médicos a pelo menos 5 km de distância da sua localização; Equipamento de primeiros socorros; Fácil acesso a ambulâncias; R.L.G. atualizado em: 10 de setembro de

6 Possuir um bloco de instalações sanitárias de utilização comum por cada 2 ha de área destinada ao acampamento dotadas de água corrente e cumprindo os requisitos gerais; Espaço de utilização comum destinado à lavagem e ao tratamento de loiça e roupa. Requisitos dos parques de campismo e de caravanismo de 3 estrelas: São condições mínimas de instalação para esta tipologia, as seguintes: Localização - estar situado em terreno muito arborizado; Capacidade - a área útil destinada por campista é de 18 m 2 ; Superfície de terreno para a instalação de equipamento campista área mínima de 40m 2 ; Equipamentos diversos como: restaurante-bar, sala de convívio, sala de jogos, mesas e bancos para refeições ao ar livre, espaços ajardinados; Instalações sanitárias com determinadas características onde se destacam lavatórios com água quente para cada 30 campistas e cabinas individuais equipados com chuveiros de água quente na proporção de um por cada 30 campistas; Água canalizada 4 locais de distribuição de água canalizada por cada hectare de área destinada ao campismo. Requisitos dos parques de campismo e de caravanismo de 4 estrelas: São condições mínimas de instalação para esta tipologia, as seguintes: Localização - estar situado em terreno muito arborizado; Capacidade - a área útil destinada por campista é de 22m 2 ; Superfície de terreno para a instalação de equipamento campista área mínima de 60 m 2 ; Equipamentos diversos como: restaurante-bar, sala de convívio com televisão, sala de jogos, mesas e bancos para refeições ao ar livre, espaços ajardinados, parques de estacionamento, tabacaria, cabinas telefónicas, máquinas de lavar roupa, ferros elétricos; equipamento de cozinha para preparação de refeições, piscinas para adultos e crianças, campo de jogos vedado, serviço de guarda de valores na receção, e posto médico aberto de 16 horas; Instalações sanitárias com determinadas características onde se destacam lavatórios com água quente para cada 10 campistas e cabinas individuais equipados com chuveiros de água quente na proporção de um por cada 25 campistas; Água canalizada - 5 locais de distribuição de água canalizada por cada hectare de área destinada ao campismo. Requisitos dos parques de campismo e de caravanismo de 5 estrelas: São condições mínimas de instalação para esta tipologia, as seguintes: Localização - estar situado em terreno muito arborizado e ajardinado com envolvente paisagística; Capacidade - a área útil destinada por campista é de 26 m 2 ; Superfície de terreno para a instalação de equipamento campista área mínima de 80m 2 ; Equipamentos diversos como: restaurante-bar, sala de convívio com televisão, sala de jogos, mesas e bancos para refeições ao ar livre, espaços ajardinados, parques de estacionamento, tabacaria, cabinas telefónicas, máquinas de lavar roupa, ferros elétricos; equipamento de cozinha para preparação de refeições, piscinas para adultos e crianças, campo de jogos vedado, serviço de guarda de valores na receção, e posto médico aberto de 24 horas, Instalações sanitárias com determinadas características onde se destacam lavatórios com água quente para cada 5 campistas e cabinas individuais equipados com chuveiros de água quente na proporção de um por cada 15 campistas; Água canalizada - 6 locais de distribuição de água canalizada por cada hectare de área destinada ao campismo. R.L.G. atualizado em: 10 de setembro de

7 PROCESSO DE LICENCIAMENTO O licenciamento ou autorização dos processos respeitantes à instalação dos Empreendimentos Turísticos decorre na Câmara Municipal da área da sua implantação e segue o regime jurídico da urbanização e da edificação, observando ainda as especialidades constantes na legislação do setor. A Câmara Municipal deverá deliberar sobre a concessão de autorização de utilização para fins turísticos e emitir o alvará no prazo de 20 dias a contar da data de apresentação do requerimento, salvo quando haja lugar a vistoria nos termos previstos na lei. A emissão do alvará deve ser notificada, pela câmara municipal, ao requerente e ao Turismo de Portugal, I.P. No caso dos Parques de Campismo e de Caravanismo é à Câmara Municipal que compete fixar, juntamente com a emissão do alvará de licença ou admissão de comunicação prévia para a realização de obras de edificação, a capacidade máxima e atribuir a classificação dos parques. Após a realização da auditoria, o presidente da Câmara Municipal, consoante os casos, fixa a classificação do empreendimento turístico e atribui a correspondente placa identificativa. A classificação dos Empreendimentos Turísticos deve ser obrigatoriamente revista de quatro em quatro anos e o respetivo pedido deve ser formulado pelo interessado ao órgão competente 6 meses antes do fim do prazo. A classificação pode, ainda, ser revista a todo o tempo, oficiosamente ou a pedido do interessado, quando se verificar alteração dos pressupostos que determinaram a respetiva atribuição. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Diploma Legal Portaria n.º 4/2012, de 23 de janeiro, da Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Decreto Legislativo Regional n.º 11/2010/M Lei n.º 28/2010, de 02 de setembro Decreto - Lei n.º 26/2010, de 30 de março Decreto-Lei n.º 118/2009, de 19 de maio Portaria n.º 1532/2008 de 29 de dezembro Assunto Aprova as taxas a aplicar pela prestação de serviços de segurança contra incêndios. Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto- Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro, que estabelece o regime jurídico da segurança contra incêndios em edifícios. Primeira alteração, por apreciação parlamentar, ao Decreto-Lei n.º 26/2010, de 30 de março, que procede à décima alteração ao Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de dezembro, que estabelece o regime jurídico da urbanização e edificação, e procede à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º 107/2009, de 15 de Maio Regime jurídico da urbanização e da edificação (Procede a 10ª alteração ao DL 555/99 de 16 de dezembro) Estabelece a obrigatoriedade de disponibilização do livro de reclamações a todos os estabelecimentos onde se forneçam bens e se prestem serviços aos consumidores (procede à 2.ª alteração ao Decreto- Lei n.º 156/2005, de 15 de setembro) Regulamenta técnica das condições de segurança contra incêndio em edifícios e recintos, a que devem R.L.G. atualizado em: 10 de setembro de

8 Portaria n.º 1320/2008, de 17 de novembro Decreto Lei n.º 220/2008 de 12 de novembro Retificação n.º 24/2008, de 02 de maio Portaria n.º 232/2008, de 11 de março Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de março Lei n.º 60/2007 de 4 de setembro Lei n.º 37/ 2007 de 14 de agosto Portaria n.º 25/2000, de 26 de janeiro Decreto Lei n.º 555/99 de 16 de dezembro obedecer os projetos de arquitetura, os projetos de SCIE e os projetos das restantes especialidades a concretizar em obra, designadamente no que se refere às condições gerais e específicas de SCIE referentes às condições exteriores comuns, às condições de comportamento ao fogo, isolamento e proteção, às condições de evacuação, às condições das instalações técnicas, às condições dos equipamentos e sistemas de segurança e às condições de autoproteção, sendo estas últimas igualmente aplicáveis aos edifícios e recintos já existentes à data de entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. Estabelece os requisitos específicos de instalação, classificação e funcionamento dos parques de campismo e caravanismo Estabelece o regime jurídico da segurança contra incêndios em edifícios Retifica a Portaria n.º 232/2008, de 11 de março, dos Ministérios do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional e das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, que determina quais os elementos que devem instruir os pedidos de informação prévia, de licenciamento e de autorização referentes a todos os tipos de operações urbanísticas, e revoga a Portaria n.º 1110/2001, de 19 de setembro, publicada no Diário da República, 1.ª série, n.º 50, de 11 de março de Determina quais os elementos que devem instruir os pedidos de informação prévia, de licenciamento e de autorização referentes a todos os tipos de operações urbanísticas. Estabelece o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos (alterado pelo Decreto-Lei n.º 228/2009, de 14 de setembro) Procede à 6ª alteração do DL 555/99,16-12 Aprova as normas para a proteção dos cidadãos da exposição involuntária ao fumo do tabaco e medidas de redução da procura relacionadas com a dependência e a cessação do seu consumo. Aprovação dos modelos de placas de classificação de vários tipos de estabelecimentos hoteleiros, maxime, os parques de campismo Estabelece o regime jurídico da urbanização e edificação R.L.G. atualizado em: 10 de setembro de

9 ENTIDADES COMPETENTES Câmaras Municipais competentes da área de localização Direção Regional do Turismo tel Fax.: Avenida Arriga Funchal Turismo de Portugal, IP Rua Ivone Silva, Lote Lisboa Tel.: Linha Azul de apoio ao empresário Fax: URL: Federação de campismo e Montanhismo de Portugal Av. Coronel Eduardo Galhardo, 24 D, Lisboa Tel.: /1 Fax: Site: Horário de atendimento: A FCMP está aberta ao Público de 2ª a 6ª Feira, das 10:00 às 17:30 horas. R.L.G. atualizado em: 10 de setembro de

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MI- NISTÉRIOS DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO E DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS.

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MI- NISTÉRIOS DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO E DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS. 7992 Diário da República, 1.ª série N.º 223 17 de Novembro de 2008 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MI- NISTÉRIOS DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO E DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS.

Leia mais

N. o 60 12 de Março de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2175

N. o 60 12 de Março de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2175 N. o 60 12 de Março de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2175 ANEXO (a que se refere o n. o 3 do artigo 1. o ) Tabela que estabelece os requisitos mínimos das instalações e de funcionamento dos hóteis

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local

Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local Preâmbulo A Portaria nº 138/2012, de 14 de maio, veio proceder à adaptação do regime do alojamento

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos;

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL Empreendimentos Turísticos CAE 55111 a 55119, 55121

Leia mais

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas.

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL RECINTOS COM DIVERSÕES AQUÁTICAS CAE REV_3: 93210

Leia mais

NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS No passado dia 7 de Março foi publicado o Decreto-Lei nº 39/2008, que entrará em vigor no próximo dia 6 de Abril de 2008 e que veio

Leia mais

Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Normas Parque Municipal Campismo da Golegã

Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Normas Parque Municipal Campismo da Golegã Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Introdução Nos termos do Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março, alterado pelo Decreto-Lei nº. 228/2009, de 14 de Setembro, que

Leia mais

CAE 47730 e 47784 - COMÉRCIO DE MEDICAMENTOS NÃO SUJEITOS A RECEITA MÉDICA FORA DAS FARMÀCIAS

CAE 47730 e 47784 - COMÉRCIO DE MEDICAMENTOS NÃO SUJEITOS A RECEITA MÉDICA FORA DAS FARMÀCIAS O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 47730 e 47784 - COMÉRCIO DE MEDICAMENTOS NÃO

Leia mais

Camping Card Internacional), devidamente validada, que identifique o seu titular como praticante da modalidade.

Camping Card Internacional), devidamente validada, que identifique o seu titular como praticante da modalidade. 1 REGULAMENTO INTERNO do Parque de Campismo de Fão INDICE Artigo 1.º - Objecto Artigo 2.º - Natureza e Fins Artigo 3.º - Lotação Artigo 4.º - Período de Funcionamento Artigo 5.º - Admissão Artigo 6.º -

Leia mais

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007. Registado com o n.º 699/2007 no livro de registo de diplomas

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007. Registado com o n.º 699/2007 no livro de registo de diplomas Registado com o 699/2007 no livro de registo de diplomas da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007 O presente decreto-lei consagra o novo regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 172/2015, Série I, de 03/09, Páginas 6947-6982.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 172/2015, Série I, de 03/09, Páginas 6947-6982. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 186/2015, de 03 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL Os parques de campismo são empreendimentos turísticos definidos no Decreto- lei nº 39/2008, de 7 de março alterado pelo Decreto-Lei nº 228/2009, de 14

Leia mais

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012 S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012 Ao abrigo dos artigos 5.º, n.º 2, 30.º, n.º 11, 35.º, nº 1, e 62.º, n.º 1, alínea b), iii), todos do Decreto Legislativo Regional n.º 7/2012/A,

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA 1212 Diário da República, 1.ª série N.º 41 27 de fevereiro de 2015 tências que lhe foram delegadas nos termos do disposto nos n. os 3.1, 3.4 e 3.5 do Despacho n.º 12100/2013, do Ministro da Economia, publicado

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

Leia mais

Gestão de Complexos Desportivos

Gestão de Complexos Desportivos Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Complexos Desportivos Módulo 5 Curso profissional de técnico(a) de L/O/G/O apoio à gestão desportiva ÍNDICE 1. Complexos desportivos 1.1. Definição 1.2. Tipologias

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO Índice PREÂMBULO...3

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 Dispõe sobre Regulamento Técnico que estabelece requisitos sanitários para estabelecimentos destinados a eventos esportivos. A Diretora Técnica do Centro de Vigilância

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL Regulamento da Instalação, Exploração e Funcionamento dos estabelecimentos de Hospedagem designados por Hospedarias, Casas de Hóspedes e por Quartos Particulares O

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto OBJETIVOS Alojamento Local como categoria autónoma Eficiência Simplificação Redução

Leia mais

Documento de Identificação N.º: Estado civil. Código Postal Telefone E-mail. PLV-ET: 02/GTP/NEPAE/2010 Versão: 01/2010 Revisão: 02 Data: 2010-09-23

Documento de Identificação N.º: Estado civil. Código Postal Telefone E-mail. PLV-ET: 02/GTP/NEPAE/2010 Versão: 01/2010 Revisão: 02 Data: 2010-09-23 LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS EMPREENDIMENTO Identificação Tipologia NIPC Localização Concelho Distrito IDENTIFICAÇÃO Morada Código Postal: Telefone/Fax: E-mail (se aplicável) Representante

Leia mais

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei nº63/2015, de 23 abril OBJETIVOS

Leia mais

Nota Introdutória. Capítulo I Disposições Gerais

Nota Introdutória. Capítulo I Disposições Gerais Nota Introdutória De acordo com o Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, com as alterações introduzidas pelo Decreto- Lei n.º 305/99, de 6 de Agosto e pelo Decreto-Lei n.º 55/2002, de 11 de Março, que

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

reconversão de empreendimentos turísticos

reconversão de empreendimentos turísticos reconversão de empreendimentos turísticos 01. Reconversão de Empreendimentos Turísticos Com o objectivo de requalificar a oferta turística nacional, foi aprovado um novo regime jurídico dos empreendimentos

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 63/2015, de 23 abril OBJETIVOS Alojamento

Leia mais

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO EM

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA. Diário da República, 1.ª série N.º 229 26 de novembro de 2014 5977

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA. Diário da República, 1.ª série N.º 229 26 de novembro de 2014 5977 Diário da República, 1.ª série N.º 229 26 de novembro de 2014 5977 c) Atualização dos planos a que se refere a alínea a): 130 ; d) Atualização dos planos a que se refere a alínea b): 1230. 2 As importâncias

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97. EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97. EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97 EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território DATA : Segunda-feira, 31 de Março de 1997 NÚMERO : 75/97 SÉRIE I-A PÁGINAS DO DR

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA FEIRA ANUAL DE SÃO JOÃO 2016

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA FEIRA ANUAL DE SÃO JOÃO 2016 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA FEIRA ANUAL DE SÃO JOÃO 2016 I DISPOSIÇÕES GERAIS 1.º Data e Eventos Entre os dias 22 e 26 de junho de 2016, realizar-se-á no Parque Municipal de Exposições da Lousã e ruas envolventes,

Leia mais

(nome do requerente) contribuinte (pessoa singular ou coletiva) nº, residente em (Rua, Avª )

(nome do requerente) contribuinte (pessoa singular ou coletiva) nº, residente em (Rua, Avª ) REQUERIMENTO DE PEDIDO DE VISTORIA DE: UNIDADES MÓVEIS DE TRANSPORTE E VENDA DE CARNE, PEIXE, FRUTA E PRODUTOS HORTÍCOLAS; CAIXAS ISOTÉRMICAS E ISOTÉRMICO-FRIGORÍFICAS; TRENS DE SINTRA. 1/6 ( nº SM ) Exmº

Leia mais

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada Requerente Nome/Designação: Morada: Código Postal: - Freguesia: NIF/NIPC: Nº. Identificação civil: Tipo: BI CC Passaporte Validade: / / Telefone:

Leia mais

Guia Técnico para Projetos Particulares

Guia Técnico para Projetos Particulares 1. OBJETIVO Esta especificação decorre da instrução de trabalho IT045 e tem como objetivo definir a forma como devem ser instruídos os projetos particulares de redes de abastecimento de água, e de drenagem

Leia mais

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente;

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente; RLG Atualizado a: 18 de julho de 2012 1 O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL LAVANDARIAS

Leia mais

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE?

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Regime Extraordinário da Regularização de Atividades Económicas RERAE Perguntas Frequentes 1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Podem apresentar pedido de regularização das atividades económicas

Leia mais

CAE Rev_3: 70220 - SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO

CAE Rev_3: 70220 - SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 70220 - SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO

Leia mais

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER OUTUBRO 2015 Índice GLOSSÁRIO... 3 1. BREVE HISTORIAL LEGISLATIVO... 4 1.1. Principais alterações introduzidas pela revisão do Sistema da

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA

MINISTÉRIO DA ECONOMIA N. o 60 12 de Março de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I ÉRIE-B 2169 protecção da maternidade e da paternidade ou da lei sindical.» 5. o On. o 4don. o 52. o da Portaria n. o 1098/99, de 21 de Dezembro, passa

Leia mais

Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços. Nota Justificativa

Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços. Nota Justificativa Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços Nota Justificativa O Regulamento dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática

CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática Local: Sala da Assembleia Municipal da Câmara

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde (doravante ERS) conferidas pelo artigo 3.º do Decreto-Lei n.º

Leia mais

NORMAS DE ACESSO E DE FUNCIONAMENTO CÓDIGO CAMPISTA

NORMAS DE ACESSO E DE FUNCIONAMENTO CÓDIGO CAMPISTA NORMAS DE ACESSO E DE FUNCIONAMENTO CÓDIGO CAMPISTA O Campista adopta e observa o seguinte código: - Usa sempre da maior cortesia e afabilidade para com os habitantes das regiões que visita e para com

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO Regulamento n.º S/N.º Data de Publicação em D.R. 2.ª Série, n.º 198: a 12/10/2012 (Aviso n.º 13640/2012). Aprovado em Assembleia

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE Novembro de 2014 REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE NOTA JUSTIFICATIVA

Leia mais

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa 1 Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Nota justificativa a) Designação - Projecto

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO Desp. 21/95 - O Dec. Regul. 42/93, de 27-11, que estabeleceu o regime do licenciamento e da fiscalização das unidades privadas com ou sem fins lucrativos, que actuem

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO Registo n.º Data / / O Funcionário AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra maiúscula) Nome/Designação Domicílio/Sede

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES 2434 Diário da República, 1.ª série N.º 91 12 de maio de 2015 n.º 197/2013, de 28 de maio, é prorrogado pelo prazo de um ano. Artigo 3.º Entrada em vigor e produção de efeitos A presente portaria entra

Leia mais

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações:

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações: I DISPOSIÇÕES GERAIS Preâmbulo O presente regulamento estabelece as normas gerais e as condições de cedência e utilização do complexo de piscinas municipais de Pombal, subordinando-se às disposições legais

Leia mais

Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora

Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora Página 1 de 12 Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora Nota Justificativa No final de 2011, entrou em vigor

Leia mais

Direção de Serviços de Saúde e Proteção Animal PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE

Direção de Serviços de Saúde e Proteção Animal PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE Lista e número das perguntas P1 - Como ser um dono responsável de um animal de companhia? P2 - Qual o número máximo de animais

Leia mais

CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS

CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 2. Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS

Coleção Cadernos Práticos - 2. Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS Coleção Cadernos Práticos - 2 Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas 02 Critérios específicos 04 Condições Gerais 06 Zonas de Proteção Específica 1 Todo o mobiliário de apoio a esplanadas, nomeadamente, estrados,

Leia mais

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente.

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A.

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, no seu artigo 79.º estipula que é da competência

Leia mais

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas.

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 79110 AGÊNCIAS DE VIAGENS ÂMBITO: São agências

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO UNIDADE DE VALORIZAÇÃO DO TEATRO THALIA. Regulamento de cedência e utilização.

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO UNIDADE DE VALORIZAÇÃO DO TEATRO THALIA. Regulamento de cedência e utilização. DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO UNIDADE DE VALORIZAÇÃO DO TEATRO THALIA Regulamento de cedência e utilização Secção Iª Disposições Gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora.

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui FUNCHAL a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. CAE Rev_3: 49310, 49391 e 49392 TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Ser utilizada para divulgação de atividades ou eventos de interesse

Leia mais

ANEXO I NORMAS E PROCEDIMENTOS

ANEXO I NORMAS E PROCEDIMENTOS ANEXO I NORMAS E PROCEDIMENTOS ÍNDICE: 1 CALENDÁRIO E LOCALIZAÇÃO... Pág. 2 2 HORÁRIO... Pág. 2 3 HORA_H... Pág. 2 4 TIPOLOGIAS DE PAVILHÃO NORMALIZADO... Pág. 3 5 ESTRADOS PARA AS LATERAIS... Pág. 4 6

Leia mais

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS ÍNDICE CAPITULO I DISPOSIÇÕES COMUNS ART. 1º ÂMBITO DE APLICAÇÃO 6 SESSÃO I LOTEAMENTOS, OBRAS DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO ART. 2º

Leia mais

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil EXMO. (A) SENHOR(A) PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DA TROFA COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação Fiscal Código da Certidão Comercial Permanente Código Postal N.º

Leia mais

CAE Rev_3: 93294 ASSISTÊNCIA AOS BANHISTAS

CAE Rev_3: 93294 ASSISTÊNCIA AOS BANHISTAS O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 93294 ASSISTÊNCIA AOS BANHISTAS ÂMBITO:

Leia mais

Ministério d DL 205/2014 2014.05.19

Ministério d DL 205/2014 2014.05.19 DL 205/2014 2014.05.19 A figura do alojamento local foi criada pelo -Lei 39/2008, de 7 de março, para permitir a prestação de serviços de alojamento temporário em estabelecimentos que não reunissem os

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Adequar-se à forma

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo. Envie-se a presente informação ao Senhor Diretor do Departamento Municipal de Gestão Urbanística, Arq. Duarte Lema. Anabela Moutinho Monteiro Chefe da Divisão Municipal

Leia mais

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n. o 150/2001 A Assembleia Municipal de Santarém aprovou em 20

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ANOBRA

JUNTA DE FREGUESIA DE ANOBRA JUNTA DE FREGUESIA DE ANOBRA (CONDEIXA-A-NOVA) REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Índice CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1.º (Objeto)... 3 Artigo 2.º (Sujeitos)... 3 Artigo 3.º (Isenções)...

Leia mais

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VILA REAL

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VILA REAL Proposta de Projeto de REGULAMENTO DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VILA REAL NOTA JUSTIFICATIVA Em ordem a dar cumprimento ao disposto

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011 REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL APROVADO EM REUNIÃO DE CÂMARA MUNICIPAL DE 06 DE ABRIL DE 2011 APROVADO EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 21 DE ABRIL DE 2011 PUBLICADO ATRAVÉS DE

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO Julho 2013 PREÂMBULO A Barragem de Vascoveiro foi construída com o objetivo de fornecer água à cidade de Pinhel e a algumas freguesias do Concelho.

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

REGIME JURÍDICO DA INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS REGIME JURÍDICO DA INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 39/2008, DE 07 DE MARÇO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - DECLARAÇÃO DE RECTIFICAÇÃO

Leia mais

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO Artigo 1.º Operação de loteamento a) - Apresentação do requerimento TAXA 113,53 b) Entrada do aditamento 40,54 c) Emissão do alvará 15,13 c.1) Acresce uma

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa Regulamento de Concessão de Incentivos ao Investimento REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Nota Justificativa A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas

Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas Nota justificativa Com a publicação da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, foram transferidas para as Freguesias novas competências, até então

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O Presente Regulamento estabelece as condições

Leia mais

TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS

TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS Descrição Taxa proposta (em euros) TABELA ANEXA QUADRO I Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento e obras de

Leia mais

TABELA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS DO MUNICÍPIO DE SINTRA PARA O ANO DE 2015 CAPÍTULO I ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS

TABELA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS DO MUNICÍPIO DE SINTRA PARA O ANO DE 2015 CAPÍTULO I ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS CAPÍTULO I ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS Artigo 1.º - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1. Alvarás não especialmente contemplados na presente tabela, exceto os de nomeação ou de exoneração nos termos do art. 62º da Lei

Leia mais

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A seleção dos textos legislativos disponibilizados no sitio

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais