A COMPATIBILIDADE DO ENSINO TRADICIONAL DE DESENHO COM AS NOVAS TECNOLOGIAS.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COMPATIBILIDADE DO ENSINO TRADICIONAL DE DESENHO COM AS NOVAS TECNOLOGIAS."

Transcrição

1 A COMPATIBILIDADE DO ENSINO TRADICIONAL DE DESENHO COM AS NOVAS TECNOLOGIAS. Jesonias da Silva Oliveira UFRN, Departamento de Arquitetura Mônica Maria Fernandes de Lima UFRN, Departamento de Arquitetura Sheila Oliveira de Carvalho UFRN, Departamento de Arquitetura Resumo Este trabalho relata uma experiência didática auxiliada por um projeto de monitoria que explora situações de aprendizagem a partir do senso comum dos estudantes e das necessidades e motivações pessoais que, no campo da expressão gráfica, se traduz por representar estruturas formais em sintonia com o cotidiano do aluno. O projeto explora a possibilidade de desenvolver procedimentos para o ensino do desenho técnico, integrando os recursos tradicionais e informatizados, nos cursos da área tecnológica da UFRN, onde os autores desenvolvem suas práticas docentes. Considerando as dificuldades na adoção de uma metodologia de ensino, desenvolve-se uma abordagem fundamentada na aprendizagem baseada em problemas do dia a dia, relacionados à representação da forma. Para a fundamentação teórica e análise do contexto situacional, será utilizada a perspectiva histórico-cultural e também o construtivismo cognitivo, através das teorias de Vigotski e Piaget. Para isso, os alunos integrados ao projeto são envolvidos no processo de criação e acompanhamento dos exercícios, de forma a despertar o interesse pela prática docente. A essência do projeto consiste em produzir instrumentos operacionais de aprendizagem, baseados no repertório do aluno, explorando os meios tradicionais de representação gráfica em harmonia com as inovações tecnológicas, identificando momentos oportunos e adequados de sua aplicação. Palavras-chave: instrumentos operacionais, gráfica, representação.

2 Abstract / resumen This paper reports a didactic experience aided by a monitory project that explores learning situations from the common sense of the students and of the needs and personal motivations that, in the field of graphic expression, is similar to represent formal structures in line with the everyday life of the student. The project intend to develop procedures for teaching of technical drawing, integrating traditional and computerized resources course of technological area where the authors develop their teaching practices. From the difficulties in adopting a traditional teaching methodology, it developed an approach based on problem-based learning, related to the representation of the shape. For the theoretical foundation and analysis of situational context, is used the historical-cultural perspective and also the cognitive constructivism, through Vygotsky and Piaget theories. To developed these practices, the students integrated into the project are involved in the process of creating and monitoring, in order to awaken interest in teaching practice. The essence of the project is to produce learning operating instruments, based on the student's repertoire, exploring the traditional means of graphic representation in harmony with technological innovation, identifying appropriate and opportune time to apply them. Keywords: operational instruments, graphics, representation. 1 Introdução Ao longo dos anos, a concepção reducionista do desenho levou à sua quase completa exclusão dos currículos do ensino fundamental e médio no Brasil. Consequentemente, segundo a avaliação nacional da educação básica o conhecimento dos estudantes do ensino fundamental e médio apresentou baixos índices de rendimento escolar, com graves distorções e dificuldades em geometria (ENADE, 2005). Nesse sentido, o objetivo geral deste trabalho é desenvolver um ambiente integrado de aprendizagem, envolvendo as ferramentas tradicionais e digitais. Para a consolidação desse objetivo geral serão perseguidos objetivos específicos tais como: -Resgatar os fundamentos básicos do desenho e teoria geral das projeções; - Sistematizar o processo de investigação dos procedimentos básicos de representação gráfica; - Desenvolver procedimentos didáticos na proposição de exercícios, envolvendo temas, objetivos, procedimentos e resultados, de forma que o aluno possa compreender a lógica do desenho;

3 - Compreender o fundamento das teorias e normas que regem o desenho projetivo; - Aplicar essa lógica do desenho na resolução de problemas gráficos por meio digital, induzindo os alunos à utilização de ferramenta computacional com a aplicação de softwares de geometria (GEOGEBRA), de representação gráfica (CAD) e sites interativos (EDUCACION PLÁSTICA); - Envolver o monitor no processo de criação e acompanhamento dos exercícios, de forma a despertar o interesse pela prática docente. Os procedimentos metodológicos adotados para fundamentação teórica e análise do contexto situacional, se baseiam na perspectiva histórico-cultural e também no construtivismo cognitivo, através das teorias de Vigotski e Piaget, procurando explorar situações de aprendizagem de acordo com a experiência dos alunos e sua interrelação com o ambiente. O trabalho está estruturado de forma a mostrar uma rápida visão atual do ensino de desenho nas universidades e o propósito do projeto dentro desse contexto, apresentando alguns trabalhos desenvolvidos pelos alunos. 2 Situação atual do ensino de desenho As disciplinas de representação gráfica nas universidades vêm desenvolvendo suas práticas pedagógicas com qualidade, baseadas num modelo didático que teve suas origens nos anos 60 e 70 do século passado. Embora se reconheça o indiscutível valor dessas práticas, reconhece-se também a necessidade de uma reavaliação crítica desse modelo, tendo em vista o novo contexto tecnológico que impõe mudanças e oferece novas tecnologias voltadas para a questão da representação gráfica. Por outro lado, a adoção de recursos da informática promoveu o desenvolvimento de uma postura automatizada, levando os alunos a apresentarem suas propostas de representação gráfica de forma mecânica, a partir de um roteiro que se assemelha a uma receita culinária, negligenciando os aspectos teóricos que fundamentam os princípios básicos do desenho, conforme atestam diversos encontros técnicos sobre o ensino nessa área (GRAPHICA, 2011). Essa situação é mais preocupante quando se tem um ensino massificado, fruto do aumento do número de vagas oferecidas nos cursos tradicionais da área tecnológica bem como a criação de novos cursos que têm em sua estrutura curricular alguma(s) disciplina(s) da área de representação e linguagem do desenho. Alia-se a este contexto a supressão do ensino de desenho no curso médio, fazendo com que os alunos cheguem às universidades sem a noção de visão espacial que se espera necessária para a construção de uma linguagem gráfica capaz de comunicar ideias e projetos. Concursos recentes para docentes na área de

4 expressão gráfica têm revelado o despreparo de candidatos que, embora desenvolvam práticas de desenho compatíveis com o universo exigido pelas normas técnicas, apresentam falhas ou inseguranças com relação às bases teóricas fundamentais do desenho. Nesse momento, o papel do monitor no desenvolvimento do projeto é importante, por estabelecer uma aproximação com o educando, através da similaridade de vivências e uma ligação mais direta com o docente, auxiliando na criação e acompanhamento de exercícios que traduzam essa vivência. Dessa forma, o projeto dá continuidade a outras práticas pedagógicas desenvolvidas pela área de representação e linguagem, ao longo dos últimos anos, como outros projetos de monitoria na área de desenho e a criação do laboratório de informática, onde os alunos desenvolvem e aplicam os conteúdos da expressão gráfica. 3 O propósito dos instrumentos operacionais O construtivismo cognitivo de Piaget considera que os conceitos adquiridos pelos indivíduos advêm das interrelações com o ambiente e sua intervenção para transformá-lo. Apesar de reconhecer a escola como espaço de busca que interfere de forma positiva na vida dos alunos, a construção do conhecimento surge com o desenvolvimento da tendência sociointerativa que trabalha o ensino a partir das condições de vida dos estudantes e de suas relações com o entorno. Dessa forma, o projeto procura explorar situações de aprendizagem a partir do senso comum dos agentes envolvidos e das necessidades e motivações pessoais que, no campo da expressão gráfica, se traduz por representar estruturas formais em sintonia com o cotidiano do aluno. Outros aspectos metodológicos que fundamentam o presente projeto baseiam-se nos estudos de Vigostski (1996) sobre a formação social da mente, a seguir apresentados, resumidamente, sob a forma de itens: -O aprendizado começa antes dos alunos freqüentarem a escola e os processos mentais como dedução, compreensão, interpretação da causalidade física, o domínio das formas lógicas de pensamento e da linguagem abstrata ocorrem por si mesmo, sem a interferência escolar; -O experimento pode ser considerado válido quando não fornecido diretamente pelo professor, mas que seja resultante de aplicações de algum método auxiliar ou símbolo novo por parte do educando, que passa a ser incorporado em suas observações; - A linguagem utilizada como instrumento para a solução de problemas, possibilita que os estudantes apelem a si mesmos, ao invés de recorrerem ao professor, forçando seu uso intrapessoal, além do seu uso interpessoal;

5 -As palavras informações teóricas podem moldar uma atividade em uma determinada estrutura que pode ser mudada, de forma que os alunos possam ir além das suas experiências prévias. A essência do projeto consiste em produzir instrumentos operacionais de aprendizagem, levando em consideração o repertório do aluno, suas experiências pessoais e a sua capacidade de interpretação do ambiente imediato, de forma a visualizar o mundo com sentido e significado e, no campo das disciplinas técnicas de representação gráfica, corresponde a explorar com coerência os meios tradicionais e as inovações tecnológicas, identificando momentos oportunos e adequados de sua aplicação. Esses instrumentos são constituídos por uma sequência de exercícios que fundamentam o processo do desenho, estabelecem um roteiro para a interpretação dos dados, induz o aluno à tomada de decisões para a solução de problemas gráficos e consolidam as informações teóricas e práticas sobre o universo projetual. 3.1 Alguns instrumentos operacionais desenvolvidos pelos alunos O papel do monitor na dinâmica do projeto é o de auxiliar o professor na condução das disciplinas que exploram a expressão gráfica, desenvolvendo propostas de exercícios, envolvendo as construções fundamentais do desenho, a representação em projeções cilíndricas e exercícios voltados para o desenho básico em arquitetura, explorando os vários sistemas de representação: mongeano, axonométrico e ortoblíquo e ajustados às especificidades de cada curso para os quais as disciplinas são oferecidas. O exercício mostrado a seguir (Figura 1) trata-se da aplicação dos comandos básicos do AutoCAD para um esquema de produção de um produto, desenvolvido para os alunos do curso de Engenharia de Alimentos, explorando um universo bem próximo das atividades dos discentes daquele curso. Figura 1: Esquema de produção de um produto alimentício.

6 O outro exemplo (Figura2) explora um exercício que utiliza os recursos básicos do AutoCAD, associados aos fundamentos do desenho geométrico, envolvendo construção de polígonos e criação de figuras com base nas propriedades estudadas. Figura 2: Construções geométricas a partir do círculo. Outro modelo de exercício criado pelo monitor explora a aplicação do conceito de arco-capaz. A partir de um esquema em que a fachada do edifício é simbolizada por um segmento de reta AB, pede-se para identificar posições pontuais, a partir do enunciado seguinte: Minutos antes do atentado de 11/08/2001, dois fotógrafos registraram em foto a fachada AB de uma das torres do World Trade Center, em posições diferentes, mas com o mesmo ângulo de abertura da lente (30 ). Sabendo que o primeiro fotógrafo estava a 45m do ponto A e a 90m do segundo fotógrafo, defina, no desenho, as suas posições. Outros exercícios foram desenvolvidos pelos monitores, baseados na filosofia do projeto, de aproveitar a experiência do aluno para criar situações de aprendizagem relacionadas ao campo da representação gráfica. 4 Conclusão A experiência de participação dos discentes nas atividades da monitoria tem demonstrado que a presença do aluno em sala de aula, auxiliando os colegas, melhora muito o diálogo destes com o professor, assim como desperta o interesse pela disciplina. Além disso, contribui para a formação no que diz respeito ao diálogo com os outros e estimula o monitor a refletir sobre as possibilidades de sua inserção no universo da

7 docência em desenho que, atualmente, se encontra carente de profissionais preparados para atuar nessa área. Espera-se que a prática de execução de desenhos em bases teóricas bem sedimentadas tenha continuidade ao longo de todo o curso, apresentando conteúdos desenvolvidos em disciplinas subseqüentes, na forma de trabalhos gráficos, dentro das normas técnicas e da boa prática profissional. Agradecimentos Agradecemos ao discente Rui Alexander Ramos Duarte do Rosário, por ceder material de sua produção (ROSÁRIO, 2012), enquanto monitor envolvido num dos programas de monitoria na área de expressão gráfica. Referências ENADE Manual de exame nacional de desempenho dos estudantes. Brasília: INEP/MEC, Disponível em Acesso em 31/10/11. GRAPHICA XX Simpósio Nacional de Geometria Descritiva e Desenho Técnico e IX International Conference in Graphics Engineering for arts and design. ANAIS. Rio de Janeiro: UFRJ/ Escola de Belas Artes, ROSÁRIO, Rui A. D. do. Uma experiência de ensino de desenho técnico associado ao software AutoCAD. Natal, 2012.Trabalho apresentado no Congresso de Iniciação Científica da UFRN (CIC 2012), realizado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, de 05 a 06 de novembro de VIGOTSKI, Lev. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR Maria Aparecida Monteiro Deponti (cida_mw@yahoo.com.br) Carlos Henrique Campanher (carloscampanher@oi.com.br ) Resumo O presente trabalho

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UFRN A PARTIR DAS DISSERTAÇÕES E PERFIL DOS EGRESSOS

O ESTADO DA ARTE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UFRN A PARTIR DAS DISSERTAÇÕES E PERFIL DOS EGRESSOS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O ESTADO DA ARTE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA

Leia mais

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2 Estudo da reta em geometria analítica: uma proposta de atividades para o Ensino Médio a partir de conversões de registros de representação semiótica com o uso do software GeoGebra Raquel Santos Silva 1

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA Resumo MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Clara Celina Ferreira Dias Universidade Federal de Santa Maria UFSM claracelinafd@professor.rs.gov.br

Leia mais

OFICINA : Escolha e Avaliação de Materiais Didáticos Digitais em contexto de uso

OFICINA : Escolha e Avaliação de Materiais Didáticos Digitais em contexto de uso OFICINA : Escolha e Avaliação de Materiais Didáticos Digitais em contexto de uso AUTORA Katia Alexandra de Godoi SOFTWARE(S) SUGERIDOS PARA EXPLORAÇÃO E ANÁLISE Softwares disponíveis no netbook; Objetos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS.

CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Flávio de Paula Soares Carvalho. (UNIPAM E-mail: flavioscarvalho@unipam.edu.br)

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

INFORMÁTICA: UMA NOVA FERRAMENTA PARA A EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA: UMA NOVA FERRAMENTA PARA A EDUCAÇÃO INFORMÁTICA: UMA NOVA FERRAMENTA PARA A EDUCAÇÃO SANTOS, Lucimeire Silva 1 SANTOS, Luciana Silva 2 ALMEIDA, Douglas Ribeiro 3 BARBARESCO, Bárbara Lima 4 SANTOS, Luiz Alberto Alves 5 RESUMO Atualmente para

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

Professores de Matemática e o Uso do Computador

Professores de Matemática e o Uso do Computador Secretaria de Estado da Educação SEED Superintendência da Educação - SUED Diretoria de Políticas e Programas Educacionais DPPE Programa de Desenvolvimento Educacional PDE SILVIA VILELA DE OLIVEIRA RODRIGUES

Leia mais

UM TUTORIAL DE CAD 3D FOCADO NOS CONCEITOS E NAS PRÁTICAS DO PROJETO DE ENGENHARIA

UM TUTORIAL DE CAD 3D FOCADO NOS CONCEITOS E NAS PRÁTICAS DO PROJETO DE ENGENHARIA UM TUTORIAL DE CAD 3D FOCADO NOS CONCEITOS E NAS PRÁTICAS DO PROJETO DE ENGENHARIA Liang-Yee Cheng Viviane Caroline Abe Rodrigo Duarte Seabra EPUSP Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Departamento

Leia mais

As respostas devem ser assinadalas na Folha de Resposta, a qual deverá ser entregue ao Fiscal de Sala Itapetininga, 04 de Dezembro de 2015

As respostas devem ser assinadalas na Folha de Resposta, a qual deverá ser entregue ao Fiscal de Sala Itapetininga, 04 de Dezembro de 2015 As respostas devem ser assinadalas na Folha de Resposta, a qual deverá ser entregue ao Fiscal de Sala Itapetininga, 04 de Dezembro de 2015 1) Moraes (2014) apresenta em seu texto Tecnologias digitais e

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM José Cícero Santos (UFAL) [cjnego2007@gmail.com] Aldisío Alencar Gomes (UFAL) [aldisioalencar@gmail.com] Ana Paula Perdigão Praxedes

Leia mais

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO 63 TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO CARLOS FERNANDO DE ARAUJO JR 1 ÁDERSON GUIMARÃES PEREIRA 2 RESUMO O trabalho procura demonstrar que a aplicação das tecnologias

Leia mais

O CURSO DE BACHARELADO EM EXPRESSÃO GRÁFICA DA UFPR

O CURSO DE BACHARELADO EM EXPRESSÃO GRÁFICA DA UFPR O CURSO DE BACHARELADO EM EXPRESSÃO GRÁFICA DA UFPR Luzia Vidal de Souza Luzia@ufpr.br Deise Maria Bertholdi Costa deise@ufpr.br Resumo O presente trabalho tem por objetivo apresentar a implantação do

Leia mais

SEM AULAS? E AGORA?... JOGOS MATEMÁTICOS COMO ESTRATÉGIA DE VALORIZAÇÃO DO AMBIENTE ESCOLAR

SEM AULAS? E AGORA?... JOGOS MATEMÁTICOS COMO ESTRATÉGIA DE VALORIZAÇÃO DO AMBIENTE ESCOLAR SEM AULAS? E AGORA?... JOGOS MATEMÁTICOS COMO ESTRATÉGIA DE VALORIZAÇÃO DO AMBIENTE ESCOLAR Eliane Santana de Souza 1 - UEFS annystar_@hotmail.com Nadson de Jesus Lima 2 -UEFS nado_19jl@hotmail.com Orientadora:

Leia mais

INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA

INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA RESUMO Elissandra de Campos Viegas; Cibelle de Fátima Castro de Assis Universidade

Leia mais

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 Jamile Tábata Balestrin Konageski 2, Solânge Lopes Ferrari 3, Luana

Leia mais

PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS

PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS Ewelanny Louyde Ferreira de Lima¹; Daiane Rodrigues Soares². Alunas de graduação

Leia mais

SIMULADOR DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO: NECESSIDADES E DESEJOS DE UM ENSINO PRÁTICO 1 INTRODUÇÃO

SIMULADOR DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO: NECESSIDADES E DESEJOS DE UM ENSINO PRÁTICO 1 INTRODUÇÃO SIMULADOR DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO: NECESSIDADES E DESEJOS DE UM ENSINO PRÁTICO Juslley Pereira Riander 1, Thamires Rodrigues Ribeiro 2, Maira Patrícia de Ávila 3, Silvio Soares da Rosa 4 1 Discente

Leia mais

A PRÁTICA DA INTERDICIPLINARIEDADE NO ENSINO DE PROJETOS DE MOLDES E MATRIZES NO CURSO DE TECNOLOGIA EM MECÂNICA DO IST

A PRÁTICA DA INTERDICIPLINARIEDADE NO ENSINO DE PROJETOS DE MOLDES E MATRIZES NO CURSO DE TECNOLOGIA EM MECÂNICA DO IST A PRÁTICA DA INTERDICIPLINARIEDADE NO ENSINO DE PROJETOS DE MOLDES E MATRIZES NO CURSO DE TECNOLOGIA EM MECÂNICA DO IST Carlos Maurício Sacchelli sacchelli@sociesc.com.br Leonidas Mamani Gilapa leonidas@sociesc.com.br

Leia mais

UM PANORAMA DAS PRODUÇÕES CIENTÍFICAS DO XI EPREM

UM PANORAMA DAS PRODUÇÕES CIENTÍFICAS DO XI EPREM UM PANORAMA DAS PRODUÇÕES CIENTÍFICAS DO XI EPREM Jéssica de Paula Silva Universidade Tecnológica Federal do Paraná Jeh_kaka_@hotmail.com Rebeca Rúbia Honório Pinafo Universidade Tecnológica Federal do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTANCIA PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP 2007 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROJETO PONTE DE MACARRÃO APLICADO AOS ALUNOS INGRESSANTES NA ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ

PROJETO PONTE DE MACARRÃO APLICADO AOS ALUNOS INGRESSANTES NA ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ PROJETO PONTE DE MACARRÃO APLICADO AOS ALUNOS INGRESSANTES NA ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ Luiz Roberto Marim 1,2 marim@maua.br Arnaldo Dal Pino Junior 2 dalpino@ita.br Rodrigo Cutri 1 rodrigo.cutri@maua.br

Leia mais

O Ensino Baseado em Projetos: Uma Revisão

O Ensino Baseado em Projetos: Uma Revisão O Ensino Baseado em Projetos: Uma Revisão Antônio Cláudio Gómez de Sousa Escola de Engenharia da UFRJ Ac@del.ufrj.br Resumo Há dez anos estamos desenvolvendo uma experiência de ensino de engenharia baseado

Leia mais

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LIMA, Márcia Regina Canhoto de - FCT/UNESP marcialima@fct.unesp.br LIMA, José Milton de - FCT/UNESP miltonlima@fct.unesp.br ORLANDI, Leonardo

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC : Formação Básica em Desenho Técnico Auxiliado por Computador

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC : Formação Básica em Desenho Técnico Auxiliado por Computador MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

CROQUI DIGITAL E INTERATIVO

CROQUI DIGITAL E INTERATIVO CROQUI DIGITAL E INTERATIVO Luisa Felix Adriane Borda Almeida da Silva Neusa Rodrigues Felix Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Desenho Técnico e Gráfica Computacional, Brasil Isa_luls@universia.com.br,

Leia mais

Modelagem Matemática e Interdisciplinaridade como Estratégia de Aprendizado Significativo: Solução de um Circuito em série RLC.

Modelagem Matemática e Interdisciplinaridade como Estratégia de Aprendizado Significativo: Solução de um Circuito em série RLC. [~][/~][~][/~][~] [/~][~] [/~] Modelagem Matemática e Interdisciplinaridade como Estratégia de Aprendizado Significativo: Solução de um Circuito em série RLC. Ramos, G. B. G.; Gonzaga, B.R. Coordenadoria

Leia mais

A utilização de jogos no processo de ensino aprendizagem de matemática no Ensino Fundamental

A utilização de jogos no processo de ensino aprendizagem de matemática no Ensino Fundamental A utilização de jogos no processo de ensino aprendizagem de matemática no Ensino Fundamental Adaiane Cristina Calegari Unisalesiano adaiane_calegari@yahoo.com.br Ana Luiza Viscovicce Unisalesiano analuiza_viscovicce@yahoo.com.br

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO QUALIDADE DE SOFTWARE Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1 GT2 O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Renato Fares Khalil Marco Aurélio Bossetto José Fontebasso Neto.br Orientadora: Profa. Dra. Irene Jeanete Lemos

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014 1 FACULDADE SENAI CETIQT COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO O SENAI CETIQT, atento ao seu compromisso com a excelência de ensino,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS NO ENSINO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS PARA ENGENHARIA

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS NO ENSINO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS PARA ENGENHARIA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS NO ENSINO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS PARA ENGENHARIA Marcelo Biancão Crivelaro biancao@yahoo.com Thais Tanigami Hashimoto thais_hashimoto@yahoo.com.br Dalva Maria Villareal dalva@fqm.feis.unesp.br

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NO CONTEXTO TECNOLÓGICO: DESAFIOS VINCULADOS À SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NO CONTEXTO TECNOLÓGICO: DESAFIOS VINCULADOS À SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NO CONTEXTO TECNOLÓGICO: DESAFIOS VINCULADOS À SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Márcia Corrêa Sotolani 1 Glaucineide Silva de Souza 2 EIXO TEMÁTICO: Formação Inicial e Continuada

Leia mais

Simulador de Robô para Auxílio ao Ensino de Programação

Simulador de Robô para Auxílio ao Ensino de Programação 96 Simulador de Robô para Auxílio ao Ensino de Programação Marco T. Chella, Claudio M. Oliveira, José Caique O. da Silva Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe (UFS) São Cristóvão,

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 AVALIAÇÃO DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO DE GEOMETRIA: REFLEXÃO DA PRÁTICA NA ESCOLA. Eimard Gomes Antunes

Leia mais

CENTRO DE MASSA: A PRÁTICA COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL

CENTRO DE MASSA: A PRÁTICA COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL CENTRO DE MASSA: A PRÁTICA COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL Maris Stela C Silveira mstela@unifei.edu.br Wlamir C Oliveira wlamir@unifei.edu.br Universidade Federal de Itajubá, UNIFEI, Instituto de Engenharia

Leia mais

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO Jorge, A. M. UEM alinemjorge@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS

PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS PIAIA, Thaís; RICHTER, Luciana Iniciação Científica - Curso de Ciências Biológicas financiado pelo Programa PEIPSM/UFSM Universidade Federal de Santa

Leia mais

Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem

Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem André R. Moreira¹, Paulo H. Tirabassi², Vinicius R. Dogo³,4 ¹Técnico em Administração, Escola Técnica Estadual Sales

Leia mais

LISTA DAS CONFERÊNCIAS QUE SERÃO OFERECIDAS AOS PARTICIPANTES DO III EREM:

LISTA DAS CONFERÊNCIAS QUE SERÃO OFERECIDAS AOS PARTICIPANTES DO III EREM: LISTA DAS CONFERÊNCIAS QUE SERÃO OFERECIDAS AOS PARTICIPANTES DO III EREM: CF01 A via história tortuosa ou a via matemática direta: qual é a mais proveitosa? Profº Drº John Andrew Fossa (UFRN) Investigaremos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER CNE/CES 1.304/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/12/2001, publicado no Diário Oficial da União de 7/12/2001, Seção 1, p. 25. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA

FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ARTE-EDUCAÇÃO 1. Nome do Curso e Área do Conhecimento Curso de Especialização Lato Sensu

Leia mais

Acompanhamento de um Projeto Didático

Acompanhamento de um Projeto Didático Acompanhamento de um Projeto Didático Carlos Eduardo de Brito Novaes carlos.novaes@usp.br Universidade de São Paulo, Escola Politécnica Av. Professor Luciano Gualberto, travessa 3, n 380 05508-010 São

Leia mais

Métodos de ensino-aprendizagem aplicados às aulas de ciências: Um olhar sobre a didática.

Métodos de ensino-aprendizagem aplicados às aulas de ciências: Um olhar sobre a didática. Métodos de ensino-aprendizagem aplicados às aulas de ciências: Um olhar sobre a didática. Saulo Nascimento de MELO 1, Ediane Aparecida de Melo Gonçalves 2, Ariana Caroline da SILVA 3, Khemyli de Mendonça

Leia mais

Bingo Químico em Braille.

Bingo Químico em Braille. Bingo Químico em Braille. Carine Fernanda Drescher * (IC), Julieta Saldanha Oliveira (PQ) e Liana da Silva Fernandes (PQ). E-mail: carinedrescher@gmail.com Rua Riachuelo, CEP- 97050011, 115, apto 305.

Leia mais

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO José Jailson Lima Bezerra (1); Joseclécio Dutra Dantas (2) (1) Discente. Licenciatura em Ciências

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE PARA AQUISIÇÃO DE HABILIDADES NO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS

A FORMAÇÃO DOCENTE PARA AQUISIÇÃO DE HABILIDADES NO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS TIC Y EDUCACIÓN A FORMAÇÃO DOCENTE PARA AQUISIÇÃO DE HABILIDADES NO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS Vanessa de Fátima Silva Moura 1 Teresinha de Jesus Nogueira 2 Sibelle Gomes Lima 3 Maria Fernanda

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER Autores RESUMO LIMA 1, Matheus OCCHIUZZO 2, Anna Rosa Centro de Ciências da Saúde Departamento de Enfermagem Psiquiatria

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

O uso de jogos no ensino da Matemática

O uso de jogos no ensino da Matemática 607 O uso de jogos no ensino da Matemática Cyntia Luane Silva Godoy 1 Marlene Menegazzi 2 RESUMO Neste trabalho irei abordar a importância do uso de jogos no ensino da Matemática como um recurso didático

Leia mais

COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE

COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE 1 COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE São Paulo - SP 05/2015 Vitória Kachar Unidade de Educação a Distância

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE ESTÉRIOSCOPIA PARA APRESENTAÇÃO DE CONCEITOS DE GEOMETRIA DESCRITIVA

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE ESTÉRIOSCOPIA PARA APRESENTAÇÃO DE CONCEITOS DE GEOMETRIA DESCRITIVA UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE ESTÉRIOSCOPIA PARA APRESENTAÇÃO DE CONCEITOS DE GEOMETRIA DESCRITIVA Henrique José Souza Coutinho coutinho@univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI, Engenharia de Computação.

Leia mais

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE Gilmara Gomes MEIRA 1 1 Departamento de Matemática Mestrado em Ensino de Ciências

Leia mais

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 INSTITUIÇÃO PROPONENTE: Ministério da Educação CNPJ: 00.394.445/0124-52 SETOR RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Secretaria de Educação Básica(SEB) ENDEREÇO: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA José Carlos da Silva Souza (1), Kélvia Vieira dos Santos (2), Maria

Leia mais

O ENSINO DA FUNÇÃO AFIM COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DA FUNÇÃO AFIM COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DA FUNÇÃO AFIM COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA Conceição BRANDÃO de Lourdes Farias FACIG clfb_05@hotmail.com Evanilson LANDIM Alves UFPE evanilson.landim@ufpe.br RESUMO O uso das tecnologias

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Unidade III MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Ciclo de Vida de Sistemas Engenharia de Software Aplicações de Software Diagramação de Software Ciclo

Leia mais

O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO

O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO PLAY CHESS AS EDUCATIONAL RESOURCE FOR SCHOOL LEARNING OF 6 YEAR STUDENTS Letícia Alessandra Cavalcante-Graduanda

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA Padrões de Qualidade para Cursos

Leia mais

Software livre e Educação: vantagens e desvantagens das novas tecnologias

Software livre e Educação: vantagens e desvantagens das novas tecnologias Software livre e Educação: vantagens e desvantagens das novas tecnologias Poliana Cristina Fideles ad Silveira Neste artigo será discutido o uso das novas tecnologias e como o software livre pode ser usado

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA RESUMO

CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA RESUMO XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA Laura Andrade Santiago

Leia mais

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR 1 O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR Renato Fares Khalil (Universidade Católica de Santos UNISANTOS) (Mestrado em Educação renato.khalil@unisantos.br) Orientadora: Profa.

Leia mais

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO CARNEIRO, Trícia Oliveira / Centro Universitário Leonardo da Vinci SODRÉ, Marta Patrícia Faianca / Universidade do Estado do

Leia mais

UNIFEB - CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTES

UNIFEB - CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTES UNIFEB - CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTES A Pró-Reitora de Graduação do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos

Leia mais

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD Ednei Nunes de Oliveira A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD UFGD/Faculdade de Educação a Distância Dourados MS, E-mail: edneioliveira@ufgd.edu.br Professor da FACED, Bolsista PIBID/EaD/UFGD. RESUMO Esta

Leia mais

Plano de aula: ferramenta pedagógica da prática docente

Plano de aula: ferramenta pedagógica da prática docente Plano de aula: ferramenta pedagógica da prática docente MANOEL CIPRIANO OLIVEIRA Mestre em Educação, graduado e especialista em Direito e graduando em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia/MG.

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DA INFORMÁTICA EM SAÚDE: A SIGNIFICAÇÃO DE CONTEÚDOS ATRAVÉS DE CENÁRIOS

UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DA INFORMÁTICA EM SAÚDE: A SIGNIFICAÇÃO DE CONTEÚDOS ATRAVÉS DE CENÁRIOS UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DA INFORMÁTICA EM SAÚDE: A SIGNIFICAÇÃO DE CONTEÚDOS ATRAVÉS DE CENÁRIOS Yuuky Cláudio Iwata 1, Rosalie Barreto Belian 2 1 Curso de Medicina/Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 O PROJETO DE EXTENSÃO MATEMÁTICA LEGAL

Leia mais

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias Denice Aparecida Fontana Nisxota MEMEGAIS 1 denice@unemat.br, Adriana Cristina da SILVA 2 crystinaadri@hotmail.com Cleyton Borges dos SANTOS 3 cleyton.borges@gmail.com

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Comunicação Social

Padrões de Qualidade para Cursos de Comunicação Social MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Padrões de Qualidade

Leia mais

CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS

CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS Danielle Cenci - PUCRS 1 Sônia Maria de Souza Bonelli - PUCRS 2 Resumo: Este artigo é o recorte de um trabalho de conclusão de curso da Especialização

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NO CONTEXTO ENSINO APRENDIZAGEM REPORTADA POR ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NO CONTEXTO ENSINO APRENDIZAGEM REPORTADA POR ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO A IMPORTÂNCIA DO PIBID NO CONTEXTO ENSINO APRENDIZAGEM REPORTADA POR ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO Rothchild Sousa de Morais Carvalho Filho 1 Naiana Machado Pontes 2 Laiane Viana de Andrade 2 Antonio

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores, software livre e TIC s.

Palavras-chave: Formação de professores, software livre e TIC s. INFORMÁTICA EDUCATIVA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM UMA ESCOLA PÚBLICA: PROCESSOS DE POTENCIALIZAÇÃO DOS SABERES E PRÁTICAS Jardel Silva 1 Alex Sandro C. Sant Ana 2 RESUMO Aliada às discussões

Leia mais

CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO?

CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO? CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO? Autor(a): Fernando Antonio Pereira Leite Coautor(es): Fernanda Guarany Mendonça Leite Email: fernando.leite1@gmail.com Este trabalho está

Leia mais

Linguagem de programação como eixo do processo de aprendizagem

Linguagem de programação como eixo do processo de aprendizagem Linguagem de programação como eixo do processo de aprendizagem Orientadora: Olinda Mioka Chubachi Matrícula SIAPE: 1153156 Orientando: Yago de Jesus Vitória Matrícula UFF: 012005/06 Palavras-chave: Linguagem

Leia mais

PRODUÇÃO COLETIVA DE CONHECIMENTO EM INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS EM GRUPOS ONLINE

PRODUÇÃO COLETIVA DE CONHECIMENTO EM INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS EM GRUPOS ONLINE Capítulo 5. Uso de los recursos tecnológicos en el proceso de aprendizaje de las matemáticas PRODUÇÃO COLETIVA DE CONHECIMENTO EM INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS EM GRUPOS ONLINE Felipe Pereira Heitmann, Sueli

Leia mais

A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo SILVEIRA, Lisiane Fernandes da 1 - UFPR FINK, Rosane 2 - UFPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias

Leia mais

Palavras-chave: aprendizagem da docência, formação inicial, sala de aula

Palavras-chave: aprendizagem da docência, formação inicial, sala de aula A OBSERVAÇÃO DE AULA COMO CAMPO DE APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA: Relato de experiencia T. A. Silva ¹; F. J. Lima 2 1 Aluna do Curso de Licenciatura em Matemática do IFCE campus de Cedro e- mail: thamy.2019@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO USO DO LABORATÓRIO DE GEOMETRIA NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES

A IMPORTÂNCIA DO USO DO LABORATÓRIO DE GEOMETRIA NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES A IMPORTÂNCIA DO USO DO LABORATÓRIO DE GEOMETRIA NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES Kacieli de Lima Silva; Anne de Souza Cunha; Graciana Ferreira Dias; Jussara Patrícia Andrade Alves Paiva

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) LOURENÇO, Érica Simone 1 PELOZO, Rita de Cassia Borguetti 2 VIEIRA, Kátia Solange Borges 3 VIEIRA, Rosimeire Garcia 4 RESUMO Este artigo tem como

Leia mais

Projeto Inovaeduc Perguntas Frequentes

Projeto Inovaeduc Perguntas Frequentes Projeto Inovaeduc Perguntas Frequentes 1) O que é o projeto Inovaeduc? O projeto Inovaeduc é um projeto pedagógico / educacional que contempla um conjunto de soluções tecnológicas educacionais que objetivam

Leia mais

SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO

SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO Vanessa Torres dos Santos (vanessa.torres@live.com)¹ Emelynne Gabrielly de Oliveira Santos (nellynha_15@hotmail.com)¹ Izaac Batista Lima (izaac-15@hotmail.com)¹ Marília

Leia mais

ANÁLISE DA INTERAÇÃO COMUNICATIVA DO PROFESSOR COM O ALUNO DEFICIENTE AUDITIVO

ANÁLISE DA INTERAÇÃO COMUNICATIVA DO PROFESSOR COM O ALUNO DEFICIENTE AUDITIVO ANÁLISE DA INTERAÇÃO COMUNICATIVA DO PROFESSOR COM O ALUNO DEFICIENTE AUDITIVO PALAVRAS CHAVE: DEFICIENCIA AUDITIVA, EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO. INTRODUÇÃO Discute-se no panorama nacional, na área da Educação,

Leia mais

PROJETO DE TUTORIA DE FÍSICA I DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS (ICA UFMG)

PROJETO DE TUTORIA DE FÍSICA I DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS (ICA UFMG) PROJETO DE TUTORIA DE FÍSICA I DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS (ICA UFMG) Daniele Macedo Soares dannyele_macedo@hotmail.com Universidade Federal de Minas Gerais Campus Montes Claros Avenida Universitária,

Leia mais

AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO GRUPO PET E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO GRUPO PET E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO GRUPO PET E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA Felipe Alves Amancio felipeaamancio@hotmail.com Universidade Federal de Roraima

Leia mais

IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar RESUMO

IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar RESUMO 1 IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar Hugo Fortes 1 Sandra Souza 2 RESUMO Este trabalho apresenta uma reflexão sobre imagens complexas da biologia disponíveis no site www.visualcomplexity.com.

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

PROJETO MATEMÁGICA JOGOS MATEMÁTICOS COMO AUXILIO DIDÁTICO NO ENSINO MÉDIO

PROJETO MATEMÁGICA JOGOS MATEMÁTICOS COMO AUXILIO DIDÁTICO NO ENSINO MÉDIO PROJETO MATEMÁGICA JOGOS MATEMÁTICOS COMO AUXILIO DIDÁTICO NO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO: ¹ OLIVEIRA; Verônica Araújo de. ² SILVA; Romaro Antonio. IF-SEMG Campus Rio Pomba ¹ veve-a@hotmail.com ; ² romaro18cefet@yahoo.com.br.

Leia mais

A modelagem e a simulação computacional, como recurso didático na disciplina de Física em cursos técnicos integrados ao ensino médio

A modelagem e a simulação computacional, como recurso didático na disciplina de Física em cursos técnicos integrados ao ensino médio A modelagem e a simulação computacional, como recurso didático na disciplina de Física em cursos técnicos integrados ao ensino médio Cibeli Marzari Bertagnolli (1), Orildo Luis Battistel (2), Sheila Magali

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA 04/2006 CRIAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

INFORMAÇÃO TÉCNICA 04/2006 CRIAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ESTUDOS E DE COOPERAÇÃO DEPARTAMENTO DE COOPERAÇÃO INFORMAÇÃO TÉCNICA 04/2006 CRIAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Informação preparada pelos Professores Daniela

Leia mais