PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO EDUCAÇÃO MORAL DO SÉCULO XXI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO EDUCAÇÃO MORAL DO SÉCULO XXI"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO EDUCAÇÃO MORAL DO SÉCULO XXI Profa. Dra. Isabel Cristina de Moura Carvalho Porto Alegre, Agosto de 2010

2 2 SUMÁRIO 1. Identificação da proposta Antecedentes Constituição da problemática Objetivos Geral Específicos Justificativa Perspectiva teórico-metodológica Procedimentos metodológicos Pesquisa bibliográfica e aprofundamento teórico Trabalho de campo Observação participante Entrevistas semi-estruturadas Análise de material didático e de divulgação Produção, análise e interpretação dos dados Principais contribuições científicas da proposta Indicação de colaborações ou parcerias já estabelecidas com outros centros de pesquisa na área Disponibilidade efetiva de infra-estrutura e de apoio técnico para o desenvolvimento do projeto Referências... 22

3 3 1. Identificação da proposta 1.1. Antecedentes Este projeto parte dos resultados da pesquisa anterior avança em direção às novas indagações que estes produziram. Naquela pesquisa, denominada Cultivo de si nas paisagens da ecologia e do sagrado, buscamos compreender os pontos de interseção entre práticas ecológicas e religiosas que dão origem a processos de sacralização da natureza e de naturalização do sagrado. Entre as conclusões identificamos a presença de um ethos religioso do tipo Nova Era que atravessa as experiências ecológicas e integra uma sensibilidade ecológica recorrente nas práticas religiosas estudadas. Os campos pesquisados privilegiaram grupos ecológicos (Ecovila Arca Verde, Rincão Gaia, Parque Estadual de Itapuã, Grupo Ecocaminhantes) e religiosos (Associação dos Amigos do Caminho de Santiago no Brasil, Centro Budista Caminho do Meio, Caminho das Missões Jesuíticas) que se situam no universo das práticas alternativas. Neste novo projeto de pesquisa, pretendemos centrar nossa observação no âmbito de um novo conjunto de práticas educacionais e religiosas que se caracteriza por um maior grau de institucionalização do que as anteriores. No contraponto do projeto anterior, desejamos verificar como o campo ambiental tanto como questão social quanto na dimensão de um habitus ecológico permeia o universo instituído. Neste caso, tomaremos a rede pública de educação (secretarias de educação, escolas, redes de formação de professores, ONGs educativas etc. ) e as igrejas cristãs (paróquias, pastorais sociais, CNBB, ONGs religiosas etc.) como o universo instituído que nos interessa investigar. Outro resultado do projeto anterior que queremos aprofundar foi o estabelecimento de um diálogo entre a antropologia e a educação, que repercutiu tanto na internalização de temas educacionais no campo da antropologia quanto de temas antropológicos no campo da educação. No campo da antropologia isto possibilitou a inclusão de monografias de graduação sobre práticas de Educação Ambiental no curso de Ciências Sociais e o ingresso de estudantes no mestrado e doutorado em antropologia no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFRGS. Na Educação este diálogo tem se dado também por meio da oferta de uma disciplina obrigatória, denominada Estudos antropológicos em educação, no curso de pedagogia e na formação de

4 4 estudantes de Iniciação Científica, mestrado e doutorado vinculados ao Programa de Pós-Graduação em Educação da PUCRS. Os alunos de ambas as instituições estão também vinculados ao Grupo de Pesquisa Cultura Ambiente e Educação (CNPq). Nosso propósito neste novo projeto é avançar ainda mais este diálogo aprofundando a dimensão teórico-metodológica das possibilidades de uma antropologia da educação. Destacamos finalmente neste novo ciclo de pesquisa a permanência dos alunos no Grupo de Pesquisa com a passagem de nível de alguns dos bolsistas de Iniciação Científica para o mestrado e de mestres que agora estão fazendo seu doutorado sob nossa orientação Constituição da problemática A problemática que recortamos como de interesse desta pesquisa está relacionada aos processos de ambientalização da sociedade. Estes podem ser identificados tanto na emergência de questões e práticas ambientais como um fenômeno novo na esfera social quanto na reconfiguração de questões, práticas e lutas tradicionais que se transformam ao incorporar aspectos ambientais. Observa-se, assim um deslocamento de uma cidadania política em direção a uma cidadania socioambiental. A ambientalização como processo de internalização da questão ambiental nas esferas sociais e nas consciências dos indivíduos se institui como um ethos que tende a se generalizar. A literatura sobre os movimentos sociais que nas ultimas décadas tem, cada vez mais, chamado a atenção para a incorporação de uma agenda ambiental por uma série de lutas sociais. Destacamos particularmente alguns estudos que tem indicado a conversão ambiental de alguns movimentos étnicos, movimentos sindicais e lutas de outros segmentos sociais como atingidos por barragens e populações rurais. No âmbito dos movimentos étnico-raciais poderíamos destacar os estudos pioneiros de Bullard (1996, 1999) e os trabalhos de Pellow & Brulle (2005) que mostram a imbricação entre os movimentos por direitos civis das populações não brancas (negros, asiáticos, latinos e índios) nos EUA com as questões ambientais. Estas populações se mobilizaram para que o governo parasse de mandar para suas comunidades empreendimentos poluidores 1, denunciando o fato de que a poluição 1 É interessante observar como o movimento por justiça ambiental ao incorporar os valores ecológicos não deixa de incluir a perspectiva ecológico-religiosa, como podemos ver na formulação dos seus princípios: Environmental justice affirms the sacredness of Mother Earth,

5 5 ambiental afeta diferentemente as populações brancas e não brancas, em prejuízo destas últimas. Tornou-se uma referência na trajetória destes movimentos sociais o relatório Toxic Wastes and Race in the United States: A National Report on the Racial and Socio-Economic Characteristics of Communities with Hazardous Waste Sites, lançado em 1987, que denunciava a correlação entre danos ambientais e bairros habitados por populações não brancas 2. No Brasil a Rede de Justiça Ambiental se institui em sintonia com este movimento norte-americano, apoiada por pesquisadores, militantes e ONGs. Esta Rede opera com os princípios da justiça ambiental, identificando e apoiando casos de conflitos nos quais a distribuição desigual dos custos ambientais atinge territórios e populações vulneráveis. O elemento racial também foi destacado pela Rede Brasileira que realizou o I seminário sobre Racismo Ambiental em No âmbito dos movimentos sindicais, Beynon (1999), no Reino Unido, e Leite Lopes (2006, 2004a, 2004b, 2000), no Brasil, vem discutindo em seus estudos a ambientalização dos conflitos no mundo do trabalho. Leite Lopes relaciona a ambientalização das lutas sindicais com as transformações no Estado e com as mudanças de comportamento no trabalho, na vida cotidiana e no lazer. Analisa este conjunto de mudanças como parte do fenômeno onde a emergência da questão ambiental opera como nova fonte de legitimidade social. Os estudos de Acselrad (2010, 2004) e Zhouri (2008, 2007, 2005) tem chamado a atenção para os conflitos ambientais como indutores de novas estratégias argumentativas nos conflitos sociais relacionados aos atingidos por barragens, movimentos rurais e no operariado urbano. ecological unity and the interdependence of all species, and the right to be free from ecological destruction. Principles of Environmental Justice, adopted at the First National People of Color Environmental Leadership Summit, October 24-27, 1991, Washington, D.C., disponível em 2 O relatório foi elaborado com o apoio da Igreja, através da Comissão para Justiça Racial da Igreja de Cristo (Commission for Racial Justice, United Church of Christ) e das pesquisas do próprio Robert Bullard desde a Universidade de Atlanta. No site do Centro de Pesquisa em Justiça Ambiental da Universidade de Atlanta dirigido por Bullard, além de diversos artigos sobre o tema, são indicadas algumas páginas na internet onde é possível comprovar os resultados de sua pesquisa. Ou seja, saber a localização e os danos ambientais a diversas populações negras que passaram a se mobilizar. 3 Chamamos de Racismo Ambiental às injustiças sociais e ambientais que recaem de forma desproporcional sobre etnias vulnerabilizadas. O Racismo Ambiental não se configura apenas através de ações que tenham uma intenção racista, mas igualmente através de ações que tenham impacto racial, não obstante a intenção que lhes tenha dado origem. (Herculano e Pacheco, 2006)

6 6 A Educação Ambiental no contexto da ambientalização da questão social que vimos apresentando poderia ser considerada ao mesmo tempo efeito e agente de ambientalização das práticas sociais. Como afirma Leite Lopes (2004) uma educação ambiental generalizada no programa de Educação Ambiental da Agenda 21 foi relevante na internalização da questão ambiental pelos sindicalistas, destacando-se como um dos fatores importantes de ambientalização do conflito social em Volta Redonda (RJ). Neste mesmo artigo Leite Lopes analisa o caráter prescritivo da Educação Ambiental, no sentido desta educação se caracterizar por uma larga oferta de preceitos de conduta cotidiana em relação ao ambiente. O recurso aos trabalhos de Norbert Elias (1990, 1003) e a analogia com a educação para as boas maneiras ou etiquetas sociais na formação de uma educação da corte que instituíram as condutas distintivas deste grupo social em relação ao povo inculto nos parece bastante pertinente. A educação ambiental também instaura distinções entre os sujeitos educados ambientalmente e aqueles cujos comportamentos não ecológicos são geralmente associados à barbárie. No âmbito dos conflitos e nas práticas pedagógicas associados aos processos de ambientalização a questão ambiental parece ser um importante operador de legitimidade social, de crença e de identidade cultural. Esta questão traz consigo a pretensão de expandir-se como um argumento ou idioma válido de orientação moral, ética e estética para o conjunto da sociedade. É neste horizonte dos processos de ambientalização da esfera social que situamos nossa pesquisa. Os modos de incorporação e, ao mesmo tempo de (re)formulação da questão ambiental pelas instituições, movimentos e indivíduos que a incorporam é o que propomos discutir nas etnografias das práticas sociais educativas que analisaremos. 3 Objetivos 3.1. Geral Partindo da premissa de que existe em curso um processo de ambientalização das esferas sociais o projeto se propõe a analisar como este processo configura práticas e experiências que se instituem como um habitus ecológico no âmbito de práticas e instituições, particularmente aquelas relacionadas aos campos educativo e religioso.

7 Específicos Discutir o ambiente ético-moral do apelo ecológico como horizonte de constituição de um sujeito e de uma cultura que deslocam a noção de cidadania política clássica para uma cidadania ambiental globalizada e inclusiva do ambiente como sujeito de direitos sustentada por uma educação ambiental e uma moral religiosa do século XXI. Compreender, a partir de etnografias de processos de ambientalização de praticas educativas e religiosas, a formação de um campo ambiental onde se configura um habitus ecológico internalizado como experiência pelos indivíduos e objetivado em estruturas institucionais. Contribuir para o diálogo interdisciplinar entre antropologia e educação, oferecendo elementos teóricos e metodológicos para uma antropologia da educação, centrada na análise cultural de uma modalidade educativa, a educação ambiental. 4. Justificativa O Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul vislumbra uma trajetória expressiva em Educação, discutindo temáticas referentes a teorias, culturas, políticas e práticas de formação de professores. O Programa tem por objetivos promover o debate crítico sobre a realidade educacional inserida no contexto da realidade sócio-político-econômico-cultural e qualificar profissionais para pesquisa científica em educação e para a docência no Ensino Superior. Consolidado em nível de Mestrado e de Doutorado, caracteriza-se pela flexibilidade e diversidade de perspectivas epistemológicas e veios teóricos. Neste sentido, esta proposta de pesquisa contribui para as diretrizes do Programa de um modo geral e particularmente fortalece as atividades de pesquisa e ensino da linha Teorias e Culturas em Educação, do Programa de Pós-Graduação em Educação que estuda, desde uma visão analítica e crítica, entrelaçamentos da antropologia, história, filosofia, sociologia com a educação, problematizando condicionantes políticos e culturais na esfera educativa. Articula estudos e pesquisas de cunho teórico e empírico visando à reflexão sobre os fundamentos da experiência humana, da educação bem como diferentes abordagens de formação. Do mesmo modo, esta proposta reforça os Grupos de Pesquisa (GPs)/CNPq liderados pelos professores que constituem esta linha: GP Cultura, ambiente e educação,

8 8 liderado pela profa. Isabel Cristina de Moura Carvalho; o GP Cultura, Subjetividade e Políticas de Formação, liderado pelo Profa Marcos Vilella e o GP Racionalidade e Formação, liderado pela profa. Nadja Mara Amilibia Hermann. Os bolsistas PNPD que vierem a ser integrados neste projeto poderão ser um importante reforço para investirmos nas áreas de interface que existem entre as pesquisas e os Grupos de Pesquisa relacionados aos estudos sobre teorias e culturas em educação. Por fim, vale destacar a crescente aproximação que se busca promover, entre o PPGE e a Graduação, através da integração progressiva de docentes aos Grupos de Pesquisa e do empenho na produção de conhecimentos relevantes e significativos para as particularidades emergentes nesse âmbito. Acreditamos que essas iniciativas culminam na qualificação da trajetória acadêmica de nossos alunos e pesquisadores, representando um aumento da consistência de nossa prática investigativa e uma maior riqueza de oportunidades para a realização de estudos e pesquisas dentro da realidade. Destacamos ainda que na relação com faculdade de educação, os professores do Programa, particularmente os da linha teoria e culturas em educação tem sido responsáveis pela inserção de novas temáticas na estrutura curricular do curso de pedagogia como é o caso da disciplina de Estudos Antropológicos em Educação e a disciplina recém implementada Educação Socioambiental. Esta pesquisa, seja pela orientação antropológica, seja pela questão ambiental contribui diretamente para renovação da formação de pedagogos, tornando-a atualizada e apta para enfrentar novas questões sociais que tem exigido tanto a formação de uma sensibilidade antropológica para a diversidade cultural quanto a aquisição de elementos conceituais para compreensão da problemática ambiental do ponto de vista das ciências humanas e da educação. 5. Perspectiva teórico-metodológica A ambientalização das práticas sociais está produzindo reformulações teóricas no campo da antropologia e da educação. Nesse sentido, para nós é importante manter e aprofundar a interlocução que já iniciamos no projeto anterior com os autores que trabalham com a perspectiva fenomenológica, a antropologia fenomenológica e com a antropologia ecológica. Identificamos em Merleau-Ponty, Csordas e Ingold respectivamente, contribuições que nos ajudam a relativizar a dicotomia natureza/cultura e imaginar as possibilidades de um caminho teórico que, em artigos

9 9 decorrentes da pesquisa anterior, temos chamado de epistemologias ecológicas (Carvalho & Steil, 2008; 2009; 2010). A teoria da prática de Bourdieu também tem sido uma importante referência teórico-metodológica nesta proposta investigativa. A associação entre Bourdieu e a perspectiva fenomenológica não é nova e já foi explorada por outros autores como na proposição do paradigma da corporeidade de Csordas (2008). Para compreensão dos processos de internalização da questão ambiental os conceitos de campo social e de habitus (Bourdieu, 1977, 1989) são particularmente adequados, pois nos permitem identificar ao mesmo tempo os rebatimentos institucionais e coletivos quanto os efeitos individuais sobre valores, atitudes e comportamentos. Neste sentido temos observado a formação de um habitus ecológico. Além da aplicação da noção de habitus para o campo ambiental, temos buscado também pensar as relações com o ambiente em termos de uma antropologia da paisagem. Neste sentido, propomos a transposição da noção de corpo como local da cultura (Csordas, 2008) para a de paisagem. Esta proposição se sustenta no deslocamento que o próprio Merleau-Ponty faz em seu livro O visível e o invisível (Merleau-Ponty 1968) ao introduzir a noção de carne, como corpo do mundo. Na mesma direção, incorporamos as contribuições de uma antropologia da paisagem (Anthropology of Landscape) em que as noções de espaços incorporados (embodied spaces, Low & Lawrence-Zúñiga 2006) ou paisagens incorporadas (embodied landscapes, Ingold 2000) são centrais para se repensar a relação natureza e cultura. Como afirma Ingold a habilidade (skill) não é uma propriedade do corpo humano individual como entidade biofísica, mas do campo total de relações constituídas pela presença de um organismo-pessoa, num ambiente ricamente estruturado (INGOLD 2000, p. 353). Ou seja, tomando como foco a perspectiva ecológica, acreditamos que se torna possível desdobrar a condição da corporeidade para o ambiente. Isto é, deslocar o olhar da preocupação com o corpo, visto como condição de existência do individuo no mundo, para a paisagem, como corpo do mundo. Este será um passo importante para a discussão teórica do fenômeno ambiental e para interpretação dos comportamentos e valores ecológicos que vêm se impondo como uma condição objetiva e subjetiva para os indivíduos e grupos sociais. Na presente proposta de pesquisa retomaremos as preocupações acima a luz de dois novos campos argumentativos: i) da sociologia da educação, com ênfase na contribuição de Durkheim e Dewey que destacam o papel da educação como formação

10 10 moral na sociedade secular; ii) da antropologia, discutiremos as relações entre o local e o global no fenômeno ambiental, tendo em vista a formação de um idioma ecológico na tradução de questões sociais e políticas. A seguir desenvolveremos cada um destes campos argumentativos. 5.1 Educação moral e cidadania A educação como via régia da formação de um sujeito socialmente responsável e cidadão de direitos e deveres é postulada por vários autores do pensamento social na modernidade. De Rousseau, no século XVIII, a Durkheim e Dewey, no final do século XIX e primeira metade do XX, há uma linha de continuidade que atribui à educação o papel de reprodução da vida social. Sobretudo em Durkheim e Dewey encontramos as bases filosóficas de uma moral secular e racional que busca garantir o vínculo social frente aos desafios antepostos pelas transformações produzidas pelo avanço da técnica, da industrialização e da urbanização. A crise da autoridade da religião, enquanto instituição garantidora do laço social e a emergência da ciência e da democracia como novo paradigma para a cidadania constituem o horizonte de preocupação destes dois pensadores. Em contextos diferentes Dewey no da democracia liberal nos Estados Unidos e Durkheim no do republicanismo francês ambos buscam na razão e no método científico experimental uma base de autoridade capaz de substituir a função até então exercida pela religião de manter coesa a sociedade plural. Como afirma Dill, no estudo comparativo que faz entre Durkheim e Dewey, o método científico proveu a autoridade que os séculos anteriores buscaram em doutrinas imutáveis (DILL, 2007, p. 225). Neste contexto, a educação será entendida como mecanismo imprescindível de transmissão cultural e societária. Como afirma Dewey, a sociedade existe por meio de um processo de transmissão semelhante ao da vida biológica. Esta transmissão ocorre por meio da comunicação de hábitos, fazeres, pensamentos e sentimentos da geração mais velha para a mais jovem (1997, p. 3). Do mesmo modo, Durkheim afirma que: toda prática educacional, qualquer que seja, tem em comum uma característica essencial: todas elas partem de uma influência exercida por uma geração sobre a geração seguinte com o intuito de adaptar esta última ao meio social no qual ela é chamada a viver (1956, p. 95). Neste sentido, ambos compreendem a educação como uma instituição genuinamente sociológica, capaz de prover o contexto no qual os padrões normativos do pensamento, do comportamento e da interação social podem ser aprendidos em comunidade (Dill, 2007, p. 223).

11 11 Diante do enfraquecimento e declínio das instituições religiosas e do conseqüente pluralismo moral que marca a sociedade moderna, Durkheim e Dewey, imbuídos de um projeto político libertador, buscam transferir para a educação o princípio de autoridade que a religião exercia até então. Tratava-se, como nos lembra McCluskey, em sua interpretação do pensamento destes autores, de libertar o ser humano do cancro do dogma (McCluskey, 1958). No entanto, se ambos os autores coincidem em estabelecer um princípio de autoridade fundado sobre o método racional e científico a ser transmitido de geração para geração por meio da educação, eles divergem em termos da sua fonte. Enquanto para Durkheim, a fonte se encontra na sociedade, como uma autoridade externa aos indivíduos; para Dewey, ela está na experiência dos indivíduos. Assim, se Durkheim funda a validade do ato moral na consciência coletiva, estabelecendo uma correspondência direta entre os conceitos simbólicos do pensamento e as categorias coletivas, advindas da organização social; Dewey interpõe, entre o indivíduo e a sociedade, a consciência individual, como a instância onde a validade do ato moral é testada e descoberta por meio da experiência. Portanto, a natureza desta autoridade e o modo como ela é criada e mantida representam o divisor de águas entre estes dois teóricos da moralidade secular e racional do século XX. Para Dewey, pensador emblemático 4 do pragmatismo progressista nos EUA, a democracia era tomada como a mais alta realização humana para a qual se exigia um sujeito cooperativo, solidário, comunitário e altruísta. A formação deste sujeito ideal, cujo modo de vida seria pautado pelo pensamento racional e cientifico, tornaria possível a felicidade humana e o progresso social. A missão da educação seria a de combater o individualismo hobbesiano, isto é, a natureza selvagem e competitiva que estaria na base da desordem moral dos processos de urbanização e industrialização. Desta forma, a escola, enquanto instrumento privilegiada da educação humana, assume um papel central na formação moral para a democracia em vista da constituição e consolidação do Estado de Bem Estar Social (welfare state). Esta missão civilizatória e progressista da educação, como bem demonstra Popkewitz (2008, 2005), esteve fortemente ligada à Reforma Protestante e aos conceitos de salvação puritana que encontraram nos ideias políticos da democracia e na valorização da ciência um novo idioma. A Sublime tecnologia encarnava a apoteose 4 Popkewitz (2008) toma Dewey como personagem-conceito ou pessoa-conceito que conferiu inteligibilidade ao pragmatismo progressista através de uma grade de práticas sociais e culturais.

12 12 da razão e seu rebatimento na educação foi a incorporação de uma idéia de ciência como modo de ordenação da vida individual e do planejamento da sociedade na reforma pedagógica. Interessa-nos, nas teses filosóficas e sociológicas de Dewey e Durkheim, explorar o contraste dessas teses culturais do pragmatismo progressista norte-americano e do racionalismo francês com aquelas de uma educação ambiental, produzida a partir das condições históricas da virada do século XX para o XXI. As condições históricas e culturais que tornam a educação ambiental razoável e inteligível como discurso moral hoje são muito diferentes daquelas da educação democrática do século XIX. A convicção de Durkheim e de Dewey na educação racional como instância moral contrasta hoje com a crise de fé no método racional e na autoridade moral da sociedade, pondo em xeque o papel da educação na coesão social. Se naquela época estava em jogo a consolidação do Estado Nação, hoje temos a crise deste dispositivo geopolítico e a emergência dos novos desafios de uma sociedade globalizada. No debate ecológico que é particularmente representativo destas novas configurações contemporâneas a aposta pedagógica numa educação para a cidadania ambiental transcende as fronteiras nacionais e incorpora as questões morais dentro de um quadro planetário. 5.2 Global e Local na constituição de práticas ecológicas. Na compreensão do que seja o ecológico, cabe destacar o imbricamento entre o local e o global, de modo a questionar uma visão bastante disseminada da força homogeneizadora dos processos globais e da passividade das culturas locais diante desta força. Afirmar uma hipotética sujeição das culturas locais aos discursos universalizantes sobre o ambiente seria o mesmo que desconsiderar sua autonomia e intencionalidade histórica e desconsiderar a potencialidade do local na conformação dos processos globais. A propósito das reflexões acerca da tensão entre o local e o global na constituição de práticas singulares, destacaremos a contribuição de Marshall Sahlins (1997ª, 1997b). Tomando como ponto de partida a inexorabilidade da noção de cultura enquanto objeto privilegiado da antropologia, Sahlins contrapõe aos paradigmas que aderem a um certo pessimismo sentimental, que tendem a conferir à globalização capitalista o poder de dissolver diversidade das culturais numa única aldeia global, onde a singularidade e a criatividade locais nada mais seriam do que versões locais da civilização Ocidental (Sahlins, 1997a: 42). Desde esta perspectiva, a expansão do

13 13 capitalismo desencadearia um processo de desculturação das populações locais que se tenderiam a desaparecer sob a força avassaladora dos processos hegemônicos globais. Na contramão desta perspectiva, respaldado por um grande número de exemplos etnográficos de diversas regiões do planeta, Sahlins contradiz esta hipótese do desaparecimento e da assimilação das culturas locais por uma hipotética cultura global. Estas etnografias, longe de evidenciarem a presença de um sistema mundial monológico e determinista, tornam patente a capacidade das culturas locais em manipularem e agenciarem, a partir de sua própria lógica e dinâmica, os elementos culturais exteriores e diversos de sua tradição que a globalização lhes torna acessíveis. Esta visão do processo de globalização desde a experiência local é o que permite perceber o papel ativo e contra-hegemônico das populações periféricas e de grupos vulneráveis, o qual Sahlins chamou de indigeneização da modernidade, em contraposição ao conceito de globalização. Este giro interpretativo da globalização para a indigeneização, proposto por Sahlins, será uma das balizas teóricas que deverá nortear nossa percepção e análise dos processos pelos quais a questão ambiental é incorporada na experiência coletiva de grupos e movimentos sociais e na formação de sujeitos ecologicamente orientados. Partindo, portanto, do olhar e da interpretação etnográficas sobre as práticas, as táticas e as estratégias locais de incorporação e institucionalização da questão ambiental nos campos da educação e da religião, esperamos poder compreender as transformações que vem ocorrendo na própria noção do que seja o ambiental. Ou seja, acreditamos que ao se inscrever no sistema de significados, crenças e valores dos campos religioso e educacional o ambiental assume características próprias das lógicas e regras destes campos, ao mesmo tempo em que esses são transformados pelo princípio relacional entre integração e diferenciação, exterior e interior, local e global. Assim, na medida em que tomamos como premissa que não há um sentido real ou originários de ambiental, ao qual todos os outros significados se distanciam ou se aproximam, procuramos compreender os seus múltiplos sentidos como parte de um jogo que funciona a partir de um conjunto de relações e agenciamentos locais de questões globais e vice-versa. Outra contribuição importante para a compreensão dos processos de ambientalização dos campos da educação e da religião será a dos antropólogos sulafricanos Jean e John Camaroff. A idéia de que o ambiental opera como um idioma franco da globalização, em lugar do idioma republicano e democrático que, como vimos, foi central no pensamento e no projeto político de Durkheim e Dewey, será

14 14 fundamental para compreendermos os usos e as apropriações táticas e estratégicas que as instituições fazem deste idioma em vista de fins próprios, nem sempre ecologicamente orientados. Num artigo sobre a relação entre uma catástrofe ambiental na África do Sul e a situação do Estado pós-colonial, John e Jean Comaroff nos oferecem um denso relato etnográfico com dados coletados na imprensa e a mídia que mostra como as questões ambientais podem servir como um idioma para intervir na arena das disputas políticas. O texto narra um incêndio ocorrido aos arredores da Cidade do Cabo, com grandes prejuízos para a fauna e a flora locais. Acompanhando os relatos da mídia sobre o evento, eles mostram que, se num primeiro momento o foco esteve direcionado para as especulações sobre por quem e como o fogo teria sido provocado; após algumas semanas do ocorrido, o debate tomou outra direção. Um aspecto inicialmente marginal da catástrofe a presença de plantas exóticas de origem estrangeira na floresta que incendiara passou a merecer todas as atenções. Como escrevem os autores, a opinião pública passou a acreditar que: fosse qual fosse a causa inicial do incêndio, o fogo atingiu proporções tão calamitosas apenas devido à presença de plantas estrangeiras invasoras que queimam mais e mais facilmente do que a flora nativa (Comaroff e Comaroff, 2001). A acusação de que as plantas exóticas, estrangeiras, tenham sido a causa do incêndio, cristalizou uma série de tensões que estavam latentes no contexto pós-colonial da África do Sul. A porosidade das fronteiras que ameaçava a soberania nacional, o pertencimento e a identidade nacionais foram algumas das questões levantadas pelos sul-africanos a propósito do desastre ecológico. Assim, questões referentes à autoctonia, tão caras à política do Estado pós-colonial, emergiram com o evento e foram expressas num idioma da natureza. Este idioma, como mostram Comaroff e Comaroff (2001), constitui-se num poderoso elemento capaz de aglutinar em torno da natureza questões relativas à política, educação, identidade e religião. Em certo sentido, a possibilidade da natureza engendrar disputas, conflitos e tensões que estariam seguindo uma dicotomia clássica para antropologia no pólo da cultura, nos conduz a questionar a segmentarização desses campos que possivelmente estejam bem mais imbricados, produzindo híbridos (LATOUR, 1994). No contexto brasileiro, o estudo de Rosane Prado (2003) sobre a introdução do turismo ecológico na Ilha Grande (RJ) retoma as contribuições dos Comaroff e Comaroff (2001). A autora apresenta as tensões entre os nativos da Ilha e os não-nativos

15 15 a partir da transformação daquele espaço num paraíso ambiental. Os não-nativos, muitas vezes ecologistas, defendiam a preservação da ilha e a proteção às espécies exóticas da fauna e flora naquele habitat. Os nativos, por sua, vez, eram alvos de uma série de investidas dos não-nativos no sentido de buscar civilizá-los ecologicamente. Estes conflitos contrapõem-se a noções de que o campo da ecologia é o campo da unanimidade, ou então, nos termos de Prado (2003), de conceber que proposições com finalidades ecológicas pairam acima de qualquer suspeita, sendo ungidas por seu próprio conteúdo: seriam o bem de todos. Parece ser assim sempre que se trata de algo proposto com a aura da ecologia, do prefixo eco é ecológico, é do bem; é eco, é bom (Prado, 2003:222). 6. Procedimentos metodológicos 6.1 Pesquisa bibliográfica e aprofundamento teórico Será realizado um levantamento bibliográfico da literatura de fundamentação teórica, contemplando as contribuições da Educação, da filosofia, da antropologia e da psicologia que convergem para a compreensão da problemática abordada nesta pesquisa, visando o aprofundamento das questões levantadas no projeto. Esta revisão de literatura será objeto de debate ao longo da pesquisa, envolvendo os orientandos associados aos professores coordenadores do projeto, ao Núcleo de Estudos da Religião NER/PPGAS/UFRGS e ao Grupo de Pesquisa Cultura Ambiente e Educação/CNPq. Este debate deverá se estender ainda para outros pesquisadores que serão convidados a discutir a temática em seminários e reuniões a serem promovidos no decorrer da pesquisa. A análise dessa literatura buscará aprofundar os conceitos centrais para se pensar os processos de ambientalização da sociedade e a convocação da educação na forma de uma educação ambiental como via régia para a formação de novas sensibilidades morais, éticas e estéticas. Desejamos compreender como a educação agencia a constituição de um habitus ecológico que pretende incorporar a dimensão ecológica como horizonte orientador do laço societário, social, interpessoal e intergeneracional.

16 Trabalho de campo Desde uma orientação qualitativa de investigação, elegemos o método etnográfico como via de acesso aos fenômenos pesquisados, uma vez que nos interessa, sobretudo, apreender as experiências que constituem as práticas ambientais e religiosas em questão. Neste sentido, será realizado trabalho de campo junto às experiências selecionadas com observação participante, entrevistas semi-estruturadas, e análise da produção escrita de divulgação destas práticas Observação participante Os procedimentos de análise empírica se concentrarão em dois grandes eixos. O primeiro refere-se a práticas educativas formais e não formais que têm como horizonte a preocupação ecológica. Já o segundo diz respeito a práticas que a partir de experiências religiosas internalizam um habitus ecológico e que neste sentido estão dentro do que chamamos uma educação associada à formação de sensibilidades ecológicas. O universo empírico abrange onze estudos de caso, sendo que serão orientados pela Profa. Isabel C. M. Carvalho: Educação Ambiental e Alimentar na escola AMBIAL; Formação de Si e a Espiritualidade Ambiental na teologia luterana; estudos sobre conceito de humanidade e animalidade no Parque Zoológico da Fundação Zoobotânica, Gramadozoo e Pampas Safari; Teia de Educação Ambiental Mata Atlântica e o Instituto de Educação Marista Nossa Senhora das Graças. Sob a orientação do Prof. Carlos Alberto Steil/UFRGS estarão os estudos: Pastoral da Ecologia; Caminho das Missões; Caminho das Graças; catadores de materiais recicláveis em zonas urbanas; Romaria da Águas; Cartilha pela Natureza; Caminhadas na Natureza e processo de implementação da cobrança pelo uso da água Entrevistas semi-estruturadas Serão realizadas entrevistas semi-estruturadas com participantes, educadores ambientais, promotores, organizadores, lideranças religiosas, staff institucional das organizações envolvidas, instituições parceiras, patrocinadoras e/ou co-promotoras das atividades pesquisadas. O objetivo destas entrevistas é perceber as trajetórias destas pessoas e seus deslocamentos profissionais e existenciais em direção a estas práticas, como integram nestas atividades suas experiências de vida, bem como seu capital

17 17 profissional e cultural anterior a estas atividades. Do mesmo modo, buscaremos identificar os caminhos institucionais, as redes de sociabilidade que tornaram possível estas trajetórias Análise de material didático e de divulgação Os materiais impressos e/ou virtuais produzidos como parte destas atividades, seja para divulgá-las seja para apoiá-las em sua dimensão formativa, como é o caso de materiais didáticos oferecidos nas atividades de educação ambiental, serão objeto de análise interpretativa. Os recursos analíticos para a compreensão destes materiais estarão orientados por uma postura hermenêutica, valorizando a interpretação dos sentidos atribuídos ao ambiental, bem como as prescrições e regulações dos comportamentos, atitudes e procedimentos de caráter moral ou religioso em relação ao ambiente Produção, análise e interpretação dos dados A análise do conjunto dos dados produzidos será desenvolvida a partir de procedimentos metodológicos articulados em três etapas durante o desenvolvimento da pesquisa: 1ª etapa: etnografia de cada experiência selecionada por membros da equipe da pesquisa, visando obter registro de campo dos eventos. Estas observações etnográficas estarão voltadas, sobretudo para aulas, oficinas, atividades escolares e não escolares, rituais, passeios e trilhas e outras práticas realizadas nas atividades educativas e religiosas selecionadas. 2ª etapa: análise dos dados de campo, associada à discussão conjunta da equipe, que se reunirá periodicamente em seminários de trabalho. Nesta etapa serão elaborados informes preliminares sobre os casos analisados, apresentando os resultados iniciais da pesquisa em forma de comunicações e pôsteres em eventos acadêmicos. Com isto, busca-se favorecer o intercâmbio e a discussão crítica entre os pesquisadoresorientandos bem como com outros colegas de áreas afins, incrementando o diálogo e as contribuições da comunidade científica durante a realização da pesquisa.

18 18 3ª etapa: Articulação teórico-empírica da informação etnográfica com a finalidade de comparar os casos à luz dos eixos mencionados anteriormente, retomando as perguntas e hipóteses iniciais de modo a avançar na elaboração teórica proposta. Será redigido, nesta etapa final, um relatório de trabalho de alcance amplo, de caráter etnográfico e conceitual, visando a disseminação dos resultados finais da pesquisa. 6. EQUIPE DE EXECUÇÃO Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Educação: Prof. Dr. Marcos Villela Pereira Pesquisadores Associados: Linha de Pesquisa TEORIAS E CULTURAS EM EDUCAÇÃO Profa. Drª. Isabel Cristina de Moura Carvalho Bolsa PQ Profª. Drª. Maria Helena Camara Bastos Bolsa PQ Profª. Drª. Nadja Mara Amelibia Hermann Bolsa PQ Bolsistas de mestrado e de doutorado Bolsistas de Pós-Doutorado Bolsistas de Iniciação Científica Pessoal Técnico 7. Principais contribuições científicas da proposta Apresentamos em seguida uma relação dos resultados mais relevantes que esperamos alcançar no decorrer e no final da pesquisa: 1. Organização de um livro com etnografias sobre os campos pesquisados, centrado na análise cultural de práticas educativas ambientais e religiosas 2. Publicação de artigos em periódicos científicos nacionais e internacionais e de capítulos de livros com o objetivo de divulgar os resultados da pesquisa e contribuir com a discussão crítica sobre a temática em pauta. 3. Organização do Seminário Cultura, percepção e ambiente com a presença do antropólogo Tim Ingold e pesquisadores do Cone Sul,

19 19 promovido pelo grupo desta pesquisa, envolvendo os Programas de Pós- Graduação de Antropologia da UFRGS e de Educação da PUCRS. 4. Apresentação de comunicações e conferências em congressos de educação, meio ambiente e antropologia tais como: Associação Nacional de Pesquisa em Educação (ANPED), Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ambiente e Sociedade (ANPPAS), Encontro de Pesquisa em Educação Ambiental (EPEA), Seminário Brasileiro de Estudos Culturais (SBEC). Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS), Reunião de Antropologia do Mercosul (RAM), Associação Brasileira de Antropologia (ABA), Jornadas da Associação de Cientistas Sociais da Religião do Mercosul (ACSRM), 5. Elaboração de pôsteres e comunicações em salões e feiras de iniciação científica a serem apresentados pelos bolsistas de iniciação científica. 6. Orientação de teses, dissertações, iniciação científica e monografias de conclusão de cursos de graduação dentro da temática da pesquisa. 7. Proposta de programas de disciplinas e seminários com enfoque multidisciplinar a serem oferecidas nos Programas de Pós-Graduação dos coordenadores do projeto.

20 8. Indicação de colaborações ou parcerias já estabelecidas com outros centros de pesquisa na área Este projeto será desenvolvido em parceria com o Núcleo de Estudos da Religião - NER, através do professor Carlos Alberto Steil, doutor em Antropologia, pesquisador do CNPq e professor do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e seus orientandos. Ambos os professores aqui envolvidos bem como seus orientandos constituem o grupo de pesquisa Cultura Ambiente e Educação, integrante do diretório de pesquisa do CNPq e liderado pela professora Isabel C. M. Carvalho. Também participará como pesquisadora colaboradora a professora Dra. Em educação pela UNESP de São Carlos, Carmen Roselaine Farias, que foi estagiária de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação da PUCRS com uma bolsa PNPD/CAPES de dezembro/2009 a maio/2010. Agora, na condição de professora adjunta da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Carmen seguirá participando da pesquisa com um campo específico a ser desenvolvido em recife, PE. 09. Disponibilidade efetiva de infra-estrutura e de apoio técnico para o desenvolvimento do projeto O presente projeto tem como base institucional o Programa de Pós-Graduação em Educação PPGEDU, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul UFRGS. Trata-se de um Programa consolidado, avaliado nos últimos triênios da CAPES com a nota cinco. Além da infra-estrutura física e do suporte institucional, garantidos pela PUCRS para o seu funcionamento, o PPGEDU conta ainda com financiamento da CAPES e do CNPq para bolsas para estudantes de mestrado e doutorado. Além dos aportes contínuos de financiamento da CAPES e do CNPq, o PPGEDU recebe financiamentos eventuais dessas agências federais de fomento à pesquisa e de outras congêneres, como a FAPERGS, na forma de bolsa de estudos, apoio à projetos de pesquisa, realização de eventos e participações de docentes em

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CENTRO DE RECURSOS HUMANOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CENTRO DE RECURSOS HUMANOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CENTRO DE RECURSOS HUMANOS Projeto de pesquisa: Significados e sentidos do trabalho docente: o caso da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Proponente:

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA? Jemis Sabrina Alves de Oliveira 1 Valdirene Alves de Oliveira 2 Resumo: O presente artigo pretende discutir

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV VILA VELHA 2010 1. BIBLIOTECAS DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ ESPÍRITO SANTO As Bibliotecas da Faculdade Estácio de Sá Espírito Santo, seguem

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE No dia 16 de novembro último, durante o 10o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em Porto

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

I. Espiritualidade: um tema emergente

I. Espiritualidade: um tema emergente I. Espiritualidade: um tema emergente O Homem entra no século XX com grande otimismo nas suas capacidades! Em meados do século XX anunciava-se o fim da religião. Deus está morto! Deus continua morto! E

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

I - Proposta do Programa

I - Proposta do Programa Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior SERVIÇO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE 04 Ano Base 01_02_03 SERVIÇO SOCIAL / ECONOMIA DOMÉSTICA CAPES Período de Avaliação: 01-02-03 Área

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Gilvan Charles Cerqueira de Araújo 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES 1 APRESENTAÇÃO Educadores(as) da Faculdade Canção Nova, Este Manual tem o propósito de aprimorar a aplicação da Pedagogia de Projetos nos períodos previstos

Leia mais

Linha 1: Estado, Território e Dinâmicas Sócio-ambientais na Amazônia. Linha 2: Produção Discursiva e Dinâmicas Sócio-Territoriais na Amazônia

Linha 1: Estado, Território e Dinâmicas Sócio-ambientais na Amazônia. Linha 2: Produção Discursiva e Dinâmicas Sócio-Territoriais na Amazônia Áreas de Concentração e Linhas de Pesquisa Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia Linhas de Pesquisa: Linha 1: Estado, Território e Dinâmicas Sócio-ambientais na Amazônia Investiga a região amazônica

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais:

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais: UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edital 01/2014 CREDENCIAMENTO DE DOCENTES 1. PREÂMBULO A Coordenação do Programa

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

(anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE

(anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE (anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE Dia 22 de maio de 2014 Local: Auditório da Biblioteca Mário de Andrade São Paulo Marcos de Referência O seminário é parte de um projeto de pesquisa coordenado

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN)

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) Dispõe sobre a criação do Programa Arte na Escola. O Presidente do Conselho Universitário CONSUN da Universidade do Contestado - UnC, no uso de

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus -

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus - EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO - práticas, saberes e habitus - Fabíola Santini Takayama do Nascimento Mestranda em Educação da PUCGOIÁS e Técnica em Assuntos Educacionais do IFG - Campus Inhumas

Leia mais