MANUAL DO USUÁRIO Abril/2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO USUÁRIO Abril/2010"

Transcrição

1 MANUAL DO USUÁRIO Abril/2010

2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO O QUE É A NFE-E GNF-E DESKTOP EDITION FUNCIONALIDADES CARACTERÍSTICAS FLUXO DO PROCESSO PREPARANDO O AMBIENTE PARA O ENVIO DE NF-E REQUISITOS Certificado Digital MODELO OPERACIONAL PADRÃO DE COMUNICAÇÃO VALIDAÇÃO DE SCHEMA WEB SERVICE REGRAS DE VALIDAÇÃO RECEPÇÃO DE LOTE DE NF-E CONSULTA AO PROCESSAMENTO DE LOTE DE NF-E CANCELAMENTO DE NF-E INUTILIZAÇÃO DE NUMERAÇÃO DE NF-E CONSULTA À SITUAÇÃO ATUAL DA NF-E CONSULTA AO STATUS DO SERVIÇO CONSULTA CADASTRO INSTALAÇÃO DA FONTE DO CÓDIGO DE BARRA INSTALAÇÃO DO GNF-E DESKTOP EDITION GNF-E WIZARD DE CONFIGURAÇÃO TRABALHANDO COM O GNF-E DESKTOP EDITION TELA PRINCIPAL MENU SISTEMA Sistema Usuários Usuários do Sistema Sistema Usuários Alterar Senha

3 Sistema Parâmetros do Sistema MENU CADASTROS Cadastros Estados Cadastros Esquemas Cadastros Empresas Alterar Cadastros Empresas Incluir Cadastros Web Services Cadastros Estado X Esquemas MENU CONSULTAS Consultas Repositório Consultas LOG Consultas Fila de Processos Consultas NF-e de Entrada Assim são visualizadas as NF-es importadas, conforme processo do item Processos Importação NF-e de Entrada MENU PROCESSOS Processos Inutilização Processos Importar Retorno DPEC Processos Importação NF-e de Entrada Processos Importação NF-e de Saída MENU FERRAMENTAS Ferramentas Registro do Sistema Ferramentas Check List de Verificação MENU AJUDA Ajuda Sobre o Ajuda Visite nosso site MENU DE ACESSO RÁPIDO CONSULTA LOG PARÂMETROS Parâmetros do Sistema Geral Parâmetros do Sistema Sistema Parâmetros do Sistema Executáveis Parâmetros do Sistema Diretórios Parâmetros do Sistema Proxy Parâmetros do Sistema Justificativas

4 Parâmetros do Sistema Contingência Parâmetros do Sistema Parâmetros do Sistema ESQUEMAS EMPRESAS USUÁRIOS NF-E ENTRADA MAIS OPÇÕES EMITIR DANFE ATIVAÇÃO DO GNF-E DESKTOP EDITION DANFE IMPRESSÃO DO DANFE EMISSÃO DO DANFE EM CONTINGÊNCIA COMO CONFIGURAR O GNFETAREFAS PARA EMITIR DANFE AUTOMATICAMENTE O QUE PRECISO FAZER PARA DISPONIBILIZAR ESTA OPÇÃO NO ERP? CONFIGURANDO O GNFEPRINTERSETUP.EXE CONFIGURANDO OS PARÂMETROS GERAIS DO GNF-E VALIDAÇÃO DO PROTOCOLO (STATUS) DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA ABRIR A TELA DE DETALHES DA NF-E VERIFICAR O RESULTADO DO CONSULTA PROTOCOLO AÇÕES POSSÍVEIS NA CONSULTA DE PROTOCOLO PROCESSO DE ATUALIZAÇÃO DO GNF-E DESKTOP EDITION INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DANFE ESPECÍFICO PARA MEDICAMENTOS MANUTENÇÃO DE NF-E SISTEMA DE CONTINGÊNCIA ELETRÔNICA DPEC COMO TRABALHAR COM O GNF-E DESKTOP EDITION UTILIZANDO O DPEC CONTINGÊNCIA EM FS-DA TROCA DE ESQUEMA AUTOMATICAMENTE NF-E ENTRADA

5 23.1 MONITORAMENTO DE CONTA DE PARA DOWNLOAD DE ARQUIVOS IMPORTAÇÃO MANUAL DE NF-E DE ENTRADA IMPORTAÇÃO AUTOMÁTICA DE NF-E DE ENTRADA REUTILIZAÇÃO DE NF-E NOTIFICAÇÕES DE NF-E PARA RESPONSÁVEIS LAYOUT SITUAÇÃO E PROCESSAMENTO NF-E CONSULTA CADASTRO DE EMPRESAS VERIFICA SERVIÇO DA SEFAZ IMPRESSÃO DO DANFE EM CONTINGÊNCIA GNF-E TAREFAS POR EMPRESA PREENCHIMENTO DE NF-E EMITIDA POR CONTRIBUINTES DO SIMPLES NACIONAL GNF-E EXPORTADOR GNF-E INTEGRADOR SEM MENSAGENS SUPORTE GNF-E DESKTOP EDITION

6 ÍNDICE DE FIGURAS Tela 1 Fluxo do processo Fonte: SEFAZ Tela 2 Arquitetura de Comunicação Fonte: SEFAZ Tela 3 Serviço assíncrono Fonte: SEFAZ Tela 4 Serviço síncrono Fonte: SEFAZ Tela 5 Pacote de Fontes Linha Base Tela 6 Contrato de Licença Tela 7 Diretório de Instalação de Fontes Tela 8 Instalação da Fonte do código de barra Tela 9 Processo de Instalação Tela 10 Instalação da fonte concluída Tela 11 Executável Tela 12 Instalação do Tela inicial Tela 13 Instalação do Diretório de Instalação Tela 14 Instalação do Criando diretório Tela 15 Instalação do Confirmação de instalação Tela 16 Instalação do Instalação Concluída Tela 17 Instalação do Tela final Tela 18 GNF-e Wizard Tipo de Instalação Tela 19 GNF-e Wizard Configurações do Banco de Dados Tela 20 GNF-e Wizard Testando Conexão com o Banco de Dados Tela 21 GNF-e Wizard Dados da Empresa Tela 22 GNF-e Wizard Configurações Avançadas e de Contingência Tela 23 GNF-e Wizard Configurações de Proxy Tela 24 GNF-e Wizard Configurações de Tela 25 GNF-e Wizard Conector XML e Justificativas Tela 26 GNF-e Wizard Finalizando o processo Tela 27 GNF-e Wizard Executar Reorganização Tela 28 GNF-e Wizard Reorganização completada

7 Tela 29 Processo do Check List Tela 30 Check List de Verificação do GNF-e Verificação Tela 31 Tratamento de Erros do Tela 32 GNF-e Wizard Solicitação de Licença Tela 33 GNF-e Wizard Processo concluído Tela 34 Janela de Login do Sistema Tela 35 Termo de Utilização do Módulo de Informações Gerencias Tela 36 Janela principal do Sistema Tela 37 Menu Principal Sistema Tela 38 Consulta Usuários Tela 39 Cadastro de Usuários Tela 40 Acessos ao Objeto Tela 41 Usuários do Objeto Tela 42 Consulta Usuários X Objetos Tela 43 Sistema Usuários X Objetos Tela 44 Alteração de Senhas Tela 45 Menu Principal Cadastros Tela 46 Consulta de Estados Tela 47 Consulta de Esquemas Tela 48 Esquemas Geral Tela 49 Esquemas Geral Tela 50 Esquemas Geral Tela 51 Consulta de Empresas/Clientes Tela 52 Empresas/Clientes Geral Tela 53 Empresas/Clientes NF-e de Entrada Tela 54 Empresas/Clientes Geral Tela 55 Empresas/Clientes Sistema Tela 56 Empresas/Clientes Diretórios Tela 57 Empresas/Clientes Proxy Tela 58 Empresas/Clientes Justificativas Tela 59 Empresas/Clientes Contingência Tela 60 Empresas/Clientes

8 Tela 61 Empresas/Clientes Tela 62 Empresas/Incluir Tela 63 GNF-e Wizard inclusão de empresa Tela 64 Lista de Web Services Tela 65 Web Services Produção/Rio Grande do Sul Tela 66 Configurador de Endereços de WebServices Tela 67 Lista de Estado do Cliente x Esquema Tela 68 Estado do cliente X Esquema Schema XML Tela 69 Caracteres Válidos do Esquema Tela 70 Menu Principal Consultas Tela 71 Consulta Repositório Tela 72 Consulta LOG do Gerenciador Tela 73 Fila de Processos Complementares Tela 74 Consulta das Notas Fiscais de entrada Tela 75 Menu Principal Processos Tela 76 Enviar Faixa de Inutilização SEFAZ Tela 77 Justificativa de Inutilização Tela 78 Importa arquivo de retorno do DPEC Tela 79 Importa arquivo de NF-e Entrada Tela 80 Importa arquivo de NF-e Saída Tela 81 Menu Principal Ferramentas Tela 82 Check List de Verificação Tela 83 Menu Principal Ajuda Tela 84 Ajuda Tela 85 Página Inicial Tela 86 Parâmetros Gerais Tela 87 Parâmetros do Sistema Geral Tela 88 Parâmetros do Sistema Sistema Tela 89 Parâmetros do Sistema Executáveis Tela 90 Parâmetros do Sistema Diretórios Tela 91 Parâmetros do Sistema Proxy Tela 92 Parâmetros do Sistema Serviços

9 Tela 93 Parâmetros do Sistema Contingência Tela 94 Parâmetros do Sistema Tela 95 Parâmetros do Sistema Tela 96 Acesso Rápido Esquemas Tela 97 Acesso Rápido Empresas Tela 98 Acesso Rápido Usuários Tela 99 Acesso Rápido NF-e Entrada Tela 100 Tela Principal Mais Opções Tela 101 Tela Principal Mais Opções Tela 102 Tela Principal Emitir DANFE Tela 103 Emissão do DANFE Tela 104 Registro do Sistema Tela 105 DANFE Tela 106 Confirmar Emissão de DANFE Tela 107 Abrindo GNFePrinterSetup.exe Tela 108 Adicionando uma impressora no GNFePrinterSetup Tela 109 Configurando uma impressora no GNFePrinterSetup Tela 110 Detalhes da configuração do GNFePrinterSetup Tela 111 Lista de Impressoras Configuradas Tela 112 Modo de Impressão Tela 113 Detalhes da Nota Fiscal Eletrônica Tela 114 Consultando o protocolo da Nota Fiscal na SEFAZ Tela 115 Validando o retorno da SEFAZ Tela 116 Ação possível na consulta protocolo Tela 117 Confirmação da necessidade de atualização Tela 118 Confirmação da reorganização Tela 119 Reorganização do banco de dados de uma versão Tela 120 Atualização dos Reorgs Tela 121 Finalizando Atualização da versão Tela 122 Tela de LOGIN Tela 123 Exemplo das Colunas Medicamentos Tela 124 Detalhes da Nota Fiscal Eletrônica

10 Tela 125 Receber senha e gerar contra-senha Tela 126 Parâmetros Gerais Contingência Tela 127 Tela Inicial do DPEC Tela 128 Salvar arquivo DPEC Tela 129 Após arquivo informado deve gerar o DPEC Tela 130 DPEC gerado com sucesso no diretório selecionado Tela 131 Processo da NF-e com Status Tela 132 Página de importação da NF-e em contingência Tela 133 Busca pelo arquivo gerado no momento do DPEC Tela 134 Confirmando importação da NF-e Tela 135 Arquivo de retorno da SEFAZ Tela 136 Salvando o arquivo gerado da exportação Tela 137 Adicione o local para salvar o arquivo XML de retorno Tela 138 Importando o arquivo de retorno do DPEC Tela 139 Selecionando destino do arquivo de retorno do DPEC Tela 140 Imprimindo o DANFE de retorno do DPEC Tela 141 Exemplo de FS-DA Modo Paisagem Tela 142 Exemplo de FS-DA Modo Retrato Tela 143 Registro do Sistema Tela 144 Confirmação de alteração do Ambiente (Licença) Tela 145 Confirmação de alteração do Ambiente (Esquema) Tela 146 Mudando para Ambiente de Produção Tela 147 Troca de ambiente realizada com sucesso Tela 148 NF-e de Entrada Consulta Tela 149 Detalhes das NFs de entrada Tela 150 NF-e de Entrada Tela 151 Seleciona nota fiscal de Entrada Tela 152 Mensagem de sucesso Tela 153 NF-e Entrada Diretório Tela 154 Mensagem de problema Tela 155 Reaproveitar Número de NF-e Rejeitado Tela 156 NF-e Rejeitada e Não Processada

11 Tela 157 NF-e com falha no schema Tela 158 Falha na Assinatura Tela 159 NF-e Efetivada e Processada Tela 160 Cadastro de Empresa responsáveis Tela 161 Parâmetros Gerais dos Responsáveis Tela 162 Efetivado Processado Tela 163 Inutilizado Processado Tela 164 Inutilizado Aguardando Tela 165 Cancelado Processado Tela 166 Contingência Aguardando Tela 167 Contingência Em Processamento Tela 168 Pendente Não Processado Tela 169 Pendente Em Processamento Tela 170 Pendente Aguardando Tela 171 Denegado Processado Tela 172 Consulta Cadastro de Empresa Tela 173 Configuração de Impressora Tela 174 Configuração de Impressora Tela 175 GNF-e Tarefas por empresa Tela 176 GNF-e Exportador Tela 177 Processos Exportar NF-es Tela 178 Exportação de NF-es Tela 179 GNF-e Integrador sem mensagens

12 APRESENTAÇÃO Esse manual foi elaborado pela empresa Migrate Company Sistemas de Informações Ltda. e todos os Direitos Autorais são Reservados. Não é autorizada à distribuição ou reprodução desta publicação. O conteúdo tem por objetivo servir como instrumento de auxílio para utilização do Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas, destinado ao usuário final. Termos e abreviaturas utilizados no manual CNPJ Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas. CPF Cadastro de Pessoas Físicas. RG Registro Geral. DANFE Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. ERP Enterprise Resource Planning (SIGE Sistemas Integrados de Gestão Empresarial). GNF-e Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas. Imposto Sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre ICMS Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação. IE Inscrição Estadual. Layout Esboço mostrando a distribuição física, tamanhos e pesos do texto. NF-e Nota Fiscal Eletrônica. Web Services. Um serviço que fica rodando na web aguardando que uma SOAP aplicação solicite sua execução. É um procedimento que recebe valores, processa e dá um retorno. SEFAZ Secretaria da Fazenda. WS Web Service. XML Extended Markup Language (estruturas utilizadas para envio de dados através de comunicação web). TXT Arquivo de Texto 12

13 1 O QUE É A NFE-E A Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) chega ao mercado para inovar o modelo atual de emissão de documentos fiscais impressos. Seu grande objetivo é substituir o documento em papel por um documento eletrônico, devidamente certificado e seguro, simplificando as obrigações dos contribuintes e ao mesmo tempo facilitando o acompanhamento das operações comerciais pelo fisco. 13

14 2 GNF-E DESKTOP EDITION 2.1 Funcionalidades Após altos investimentos em pesquisa e desenvolvimento, a Migrate Company lança para o mercado seu Gerenciador de NF-e. O (Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas) é uma solução complementar ao ERP do cliente, que permite o gerenciamento completo do ciclo de envio e retorno das Notas Fiscais Eletrônicas à SEFAZ. A integração com o ERP pode ser realizada através de conexão XML, TXT ou integrada diretamente com o Banco de Dados do ERP. A solução segue os requisitos padrões exigidos pela SEFAZ. 2.2 Características O sistema foi projetado para se integrar com o seu ERP e para isso possui um alto nível de parametrização com as seguintes características: Conectores: Mecanismos de integração do Gerenciador NF-e com o ERP. São disponibilizadas duas formas para a integração: Conector XML: Integra os sistemas através de arquivos XML, conforme o layout fornecido pela Migrate Company. O ERP deve exportar as informações da sua nota fiscal em arquivo XML que é processado pelo Gerenciador NF-e. Conector TXT: Integra os sistemas através de arquivos TXT, conforme o layout fornecido pela Migrate Company. O ERP deve exportar as informações da sua nota fiscal em arquivo TXT que é processado pelo Gerenciador NF-e. Conector Banco de Dados: Integra os sistemas através de tabelas temporárias do gerenciador, onde os dados são inseridos pelo ERP. 14

15 Conector Personalizado: É uma customização desenvolvida especificamente para possibilitar a integração on-line entre o Gerenciador NF-e e o seu ERP. As opções de bancos de dados possíveis são: SQL Server, MySQL, Oracle e PostgreSQL. Listener NF-e: É um serviço automático que detecta a existência de notas fiscais pendentes de processamento e dispara as ações necessárias dentro do gerenciador. Validação de Esquemas: Para garantir a integridade das informações a serem enviadas para a SEFAZ, o Gerenciador NF-e submete a nota fiscal eletrônica a uma prévia validação, a qual irá identificar e listar os erros existentes de estrutura. Lotes de NF-e: Gera lotes de NF-e para envio à SEFAZ. Características gerais: Assinatura Digital da NF-e Cancelamento da NF-e Inutilização da NF-e Consulta de status Impressão do DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica) Repositório Armazenagem das NF-e em um banco de dados SQL Server, PostgreSQL, Oracle ou MySQL Consulta das NF-e Backup das NF-e Sistema multi-empresa 2.3 Fluxo do processo De maneira simplificada, a empresa emissora de NF-e gera um arquivo eletrônico contendo as informações fiscais da operação comercial, o qual deve ser assinado digitalmente de maneira a garantir a integridade dos dados e a autoria do emissor. Este arquivo eletrônico, que corresponde à Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), é então transmitido 15

16 utilizando a Internet para a Secretaria da Fazenda Estadual de jurisdição do contribuinte emitente, que faz uma pré-validação do arquivo e devolve uma Autorização de Uso, sem o qual não pode haver o trânsito da mercadoria. Tela 1 Fluxo do processo Fonte: SEFAZ. Após o recebimento da NF-e, a Secretaria da Fazenda Estadual disponibiliza a consulta através da Internet para o destinatário e outros legítimos interessados que detenham a chave de acesso do documento eletrônico. Este mesmo arquivo da NF-e é ainda transmitido pela Secretaria da Fazenda Estadual para a Receita Federal, que é um repositório nacional de todas as NF-e emitidas e, no caso de uma operação interestadual, para a Secretaria da Fazenda Estadual de destino da operação. Para acobertar o trânsito da mercadoria é impressa uma representação gráfica simplificada da Nota Fiscal Eletrônica, intitulado DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica) em papel comum e via única, que contém impressa em destaque a chave de acesso para consulta da NF-e na Internet e um código 16

17 de barras bidimensional que facilita a captura e a confirmação de informações da NF-e pelos Postos Fiscais. O DANFE não é uma nota fiscal, nem a substitui, servindo apenas como instrumento auxiliar para consulta da NF-e, pois contém a chave de acesso da NF-e, que permite ao detentor desse documento confirmar a efetiva existência da NF-e, através do site da Secretaria da Fazenda Estadual na Internet. Apesar disto, no primeiro momento de implantação do projeto, o contribuinte destinatário, não emissor de NF-e, poderá escriturar este documento, sendo que sua validade fica vinculada à efetiva existência da NF-e nos arquivos das administrações tributárias envolvidas no processo. Fonte: (http://www.nfe.fazenda.gov.br/portal/) A nota fiscal eletrônica pode ser enviada no momento da emissão no ERP ou posteriormente. Para obter mais detalhes, consulte o Manual de Integração. 17

18 3 PREPARANDO O AMBIENTE PARA O ENVIO DE NF-E 3.1 Requisitos Para a instalação e utilização efetiva do software é necessário atender algumas necessidades técnicas: - Microsoft Windows XP x86 (32bits) ou 2003 x86 (32bits), Windows Installer 3.0, browser compatível (Internet Explorer 6.0 ou superior); - Microsoft.NET Framework 2.0 (C# e J#), para maiores informações de instalação acesse: Microsoft.NET Framework Version 2.0 Redistributable Package (x86) (C#): 8edd-aab15c5e04f5&displaylang=en Microsoft Visual J # Version 2.0 Redistributable Package (J#): ae63-2f0e42501be1&displaylang=en - Microsoft SQL Server 2000 SP4 ou superior, PostgreSQL 8.0, MySQL , Oracle ou superior. - Criar uma base de dados específica para o GNF-e; - Acesso total à internet para os endereços da SEFAZ e da Migrate Company; - Instalação da fonte do código de barra; - Certificado Digital tipo A1 ou A3; - Adobe Reader 7.0 ou superior; - Possuir o serviço de Tarefas do Windows ativado; - Fontes do Windows em XP. 18

19 3.1.1 Certificado Digital O certificado digital utilizado no Projeto Nota Fiscal eletrônica deve ser emitido por Autoridade Certificadora credenciada pela Infra estrutura de Chaves Públicas Brasileira ICP-Brasil, tipo A1 ou A3. Os certificados digitais são exigidos em 2 (dois) momentos distintos para o projeto: a) Assinatura de Mensagens: O certificado digital utilizado para essa função deve conter o CNPJ do estabelecimento emissor da NF-e ou o CNPJ do estabelecimento matriz. Por mensagens, entenda-se: o Pedido de Autorização de Uso (Arquivo NF-e), o Pedido de Cancelamento de NF-e, o Pedido de Inutilização de Numeração de NF-e e demais arquivos XML que necessitem de assinatura. O certificado digital deve ter o uso da chave previsto para a função de assinatura digital, respeitando a Política do Certificado. b) Transmissão (durante a transmissão das mensagens entre os servidores do contribuinte e do Portal da Secretaria de Fazenda Estadual): O certificado digital utilizado para identificação do aplicativo do contribuinte deve conter o CNPJ do responsável pela transmissão das mensagens, mas não necessita ser o mesmo CNPJ do estabelecimento emissor da NF-e, devendo ter a extensão Extended Key Usage com permissão de "Autenticação Cliente". Para o processo de assinatura, o contribuinte não deve fornecer a Lista de Certificados Revogados, já que a mesma é montada e validada por cada Portal da Secretaria de Fazenda Estadual no momento da conferência da assinatura digital. adotados: A assinatura digital do documento eletrônico deve atender aos seguintes padrões Padrão de assinatura: XML Digital Signature, utilizando o formato Enveloped (http://www.w3.org/tr/xmldsig-core/); 19

20 Certificado digital: Emitido por AC credenciada no ICP-Brasil (http://www.w3.org/2000/09/xmldsig#x509data); Cadeia de Certificação: EndCertOnly (Incluir na assinatura apenas o certificado do usuário final); Tipo do certificado: A1 ou A3 (o uso de HSM é recomendado); Tamanho da Chave Criptográfica: Compatível com os certificados A1 e A3 (1024 bits); Função criptográfica assimétrica: RSA (http://www.w3.org/2000/09/xmldsig#rsasha1); Função de message digest : SHA-1 (http://www.w3.org/2000/09/xmldsig#sha1); Codificação: Base64 (http://www.w3.org/2000/09/xmldsig#base64); Transformações exigidas: Útil para realizar a canonicalização do XML enviado para realizar a validação correta da Assinatura Digital. 20

21 4 MODELO OPERACIONAL A forma de processamento das solicitações de serviços no projeto Nota Fiscal Eletrônica pode ser síncrona, caso o atendimento da solicitação de serviço seja realizada na mesma conexão, ou assíncrona, quando o processamento do serviço solicitado não é atendido na mesma conexão, nesta situação torna-se necessária a realização de mais uma conexão para a obtenção do resultado do processamento. Tela 2 Arquitetura de Comunicação Fonte: SEFAZ A chave de acesso completa é composta por 44 dígitos: Código da UF do emitente = 02 dígitos, ano e mês da emissão = 04 dígitos (AAMM), CNPJ do emitente = 14 dígitos, modelo do documento fiscal = 2 dígitos, série do documento fiscal = 03 dígitos, número do documento fiscal = 09 dígitos, código numérico = 09 dígitos, dígito verificador da chave de acesso = 01 dígito. As solicitações de serviços que exigem processamento intenso são executadas de forma assíncrona e as demais solicitações de serviços de forma síncrona. Assim, os serviços da NF-e são implementados da seguinte forma: Serviço Recepção de NF-e Implementação Assíncrona 21

22 Cancelamento de NF-e Inutilização de Numeração de NF-e Consulta da situação atual da NF-e Consulta do status do serviço Síncrona Síncrona Síncrona Síncrona Tela 3 Serviço assíncrono Fonte: SEFAZ Tela 4 Serviço síncrono Fonte: SEFAZ 22

23 5 PADRÃO DE COMUNICAÇÃO 5.1 Validação de Schema Na formação dos arquivos XML, o Gerenciador submete o arquivo da NF-e e as demais mensagens XML para validação pelo Schema do XML (XSD XML Schema Definition), disponibilizado pela Secretaria de Fazenda Estadual antes de seu envio. A comunicação entre o aplicativo e a Secretaria de Fazenda Estadual é baseada em Web Services disponibilizados nos Portais das respectivas Secretarias de Fazenda da circunscrição do contribuinte. O meio físico de comunicação utilizado é a Internet, com o uso do protocolo SSL, que além de garantir um duto de comunicação seguro na Internet, permite a identificação do servidor e do Gerenciador através de certificados digitais, eliminando a necessidade de identificação do usuário através de nome ou código de usuário e senha. O modelo de comunicação segue o padrão de Web Services definido pelo WS-I Basic Profile. A troca de mensagens entre os Web Services do Portal da Secretaria de Fazenda Estadual e o aplicativo do contribuinte é realizada no padrão SOAP, com troca de mensagens XML. 23

24 6 WEB SERVICE 6.1 Regras de Validação As regras de validação aplicadas nos Web Services estão agrupadas da seguinte forma (Grupo Aplicação): A B C D E F G H I J K L Validação do Certificado Digital utilizada no protocolo SSL geral Validação da Mensagem XML no serviço assíncrono geral Validação da área de cabeçalho da Mensagem XML geral Validação da área de dados da Mensagem XML geral Validação do Certificado Digital utilizada na Assinatura Digital geral Validação da Assinatura Digital geral Validação da NF-e específica Validação do Pedido de Cancelamento de NF-e específica Validação do Pedido de Inutilização de numeração de NF-e específica Validação do Pedido de Consulta de situação de NF-e específica Validação do Pedido de Consulta de Status de Serviço específica Validação do Pedido de Consulta de Cadastro de Contribuintes específica As regras do grupo A, B, C, D, E e F são de aplicação geral e aplicadas em todos os Web Services existentes, as regras do grupo G, H, I, J, K e L são específicos de cada Web Services existente. Abaixo estão listados os códigos de erros retornados pela SEFAZ, que estão de acordo com a versão 3.0 do Manual do Contribuinte da SEFAZ. CÓDIGO RESULTADO DO PROCESSAMENTO DA SOLICITAÇÃO 100 Autorizado o uso da NF-e 101 Cancelamento de NF-e homologado 102 Inutilização de número homologado 103 Lote recebido com sucesso 104 Lote processado 105 Lote em processamento 106 Lote não localizado 107 Serviço em Operação 24

25 108 Serviço Paralisado Momentaneamente (curto prazo) 109 Serviço Paralisado sem Previsão 110 Uso Denegado 111 Consulta cadastro com uma ocorrência 112 Consulta cadastro com mais de uma ocorrência CÓDIGO MOTIVOS DE NÃO ATENDIMENTO DA SOLICITAÇÃO 201 Rejeição: O numero máximo de numeração de NF-e a inutilizar ultrapassou o limite 202 Rejeição: Falha no reconhecimento da autoria ou integridade do arquivo digital 203 Rejeição: Emissor não habilitado para emissão da NF-e 204 Rejeição: Duplicidade de NF-e 205 Rejeição: NF-e está denegada na base de dados da SEFAZ 206 Rejeição: NF-e já está inutilizada na Base de dados da SEFAZ 207 Rejeição: CNPJ do emitente inválido 208 Rejeição: CNPJ do destinatário inválido 209 Rejeição: IE do emitente inválida 210 Rejeição: IE do destinatário inválida 211 Rejeição: IE do substituto inválida 212 Rejeição: Data de emissão NF-e posterior a data de recebimento 213 Rejeição: CNPJ-Base do Emitente difere do CNPJ-Base do Certificado Digital 214 Rejeição: Tamanho da mensagem excedeu o limite estabelecido 215 Rejeição: Falha no schema XML 216 Rejeição: Chave de Acesso difere da cadastrada 217 Rejeição: NF-e não consta na base de dados da SEFAZ 218 Rejeição: NF-e já esta cancelada na base de dados da SEFAZ 219 Rejeição: Circulação da NF-e verificada 220 Rejeição: NF-e autorizada há mais de 60 dias 221 Rejeição: Confirmado o recebimento da NF-e pelo destinatário 222 Rejeição: Protocolo de Autorização de Uso difere do cadastrado 223 Rejeição: CNPJ do transmissor do lote difere do CNPJ do transmissor da consulta 224 Rejeição: A faixa inicial é maior que a faixa final 225 Rejeição: Falha no Schema XML da NFe 226 Rejeição: Código da UF do Emitente diverge da UF autorizadora 227 Rejeição: Erro na Chave de Acesso - Campo ID 228 Rejeição: Data de Emissão muito atrasada 229 Rejeição: IE do emitente não informada 230 Rejeição: IE do emitente não cadastrada 231 Rejeição: IE do emitente não vinculada ao CNPJ 232 Rejeição: IE do destinatário não informada 233 Rejeição: IE do destinatário não cadastrada 234 Rejeição: IE do destinatário não vinculada ao CNPJ 235 Rejeição: Inscrição SUFRAMA inválida 25

26 236 Rejeição: Chave de Acesso com dígito verificador inválido 237 Rejeição: CPF do destinatário inválido 238 Rejeição: Cabeçalho - Versão do arquivo XML superior a Versão vigente 239 Rejeição: Cabeçalho - Versão do arquivo XML não suportada 240 Rejeição: Cancelamento/Inutilização - Irregularidade Fiscal do Emitente 241 Rejeição: Um número da faixa já foi utilizado 242 Rejeição: Cabeçalho - Falha no Schema XML 243 Rejeição: XML Mal Formado 244 Rejeição: CNPJ do Certificado Digital difere do CNPJ da Matriz e do CNPJ do Emitente 245 Rejeição: CNPJ Emitente não cadastrado 246 Rejeição: CNPJ Destinatário não cadastrado 247 Rejeição: Sigla da UF do Emitente diverge da UF autorizadora 248 Rejeição: UF do Recibo diverge da UF autorizadora 249 Rejeição: UF da Chave de Acesso diverge da UF autorizadora 250 Rejeição: UF diverge da UF autorizadora 251 Rejeição: UF/Município destinatário não pertence a SUFRAMA 252 Rejeição: Ambiente informado diverge do Ambiente de recebimento 253 Rejeição: Digito Verificador da chave de acesso composta inválida 254 Rejeição: NF-e referenciada não informada para NF-e complementar 255 Rejeição: Informada mais de uma NF-e referenciada para NF-e complementar 256 Rejeição: Uma NF-e da faixa já está inutilizada na Base de dados da SEFAZ 257 Rejeição: Solicitante não habilitado para emissão da NF-e 258 Rejeição: CNPJ da consulta inválido 259 Rejeição: CNPJ da consulta não cadastrado como contribuinte na UF 260 Rejeição: IE da consulta inválida 261 Rejeição: IE da consulta não cadastrada como contribuinte na UF 262 Rejeição: UF não fornece consulta por CPF 263 Rejeição: CPF da consulta inválido 264 Rejeição: CPF da consulta não cadastrado como contribuinte na UF 265 Rejeição: Sigla da UF da consulta difere da UF do Web Service 266 Rejeição: Série utilizada não permitida no Web Service 267 Rejeição: NF Complementar referencia uma NF-e inexistente 268 Rejeição: NF Complementar referencia outra NF-e Complementar 269 Rejeição: CNPJ Emitente da NF Complementar difere do CNPJ da NF Referenciada 270 Rejeição: Código Município do Fato Gerador: dígito inválido 271 Rejeição: Código Município do Fato Gerador: difere da UF do emitente 272 Rejeição: Código Município do Emitente: dígito inválido 273 Rejeição: Código Município do Emitente: difere da UF do emitente 274 Rejeição: Código Município do Destinatário: dígito inválido 275 Rejeição: Código Município do Destinatário: difere da UF do Destinatário 26

27 276 Rejeição: Código Município do Local de Retirada: dígito inválido 277 Rejeição: Código Município do Local de Retirada: difere da UF do Local de Retirada 278 Rejeição: Código Município do Local de Entrega: dígito inválido 279 Rejeição: Código Município do Local de Entrega: difere da UF do Local de Entrega 280 Rejeição: Certificado Transmissor inválido 281 Rejeição: Certificado Transmissor Data Validade 282 Rejeição: Certificado Transmissor sem CNPJ 283 Rejeição: Certificado Transmissor - erro Cadeia de Certificação 284 Rejeição: Certificado Transmissor revogado 285 Rejeição: Certificado Transmissor difere ICP-Brasil 286 Rejeição: Certificado Transmissor erro no acesso a LCR 287 Rejeição: Código Município do FG - ISSQN: dígito inválido 288 Rejeição: Código Município do FG - Transporte: dígito inválido 289 Rejeição: Código da UF informada diverge da UF solicitada 290 Rejeição: Certificado Assinatura inválido 291 Rejeição: Certificado Assinatura Data Validade 292 Rejeição: Certificado Assinatura sem CNPJ 293 Rejeição: Certificado Assinatura - erro Cadeia de Certificação 294 Rejeição: Certificado Assinatura revogado 295 Rejeição: Certificado Assinatura difere ICP-Brasil 296 Rejeição: Certificado Assinatura erro no acesso a LCR 297 Rejeição: Assinatura difere do calculado 298 Rejeição: Assinatura difere do padrão do Projeto 299 Rejeição: XML da área de cabeçalho com codificação diferente de UTF Rejeição: CPF do remetente inválido 402 Rejeição: XML da área de dados com codificação diferente de UTF Rejeição: O grupo de informações da NF-e avulsa é de uso exclusivo do Fisco 404 Rejeição: Uso de prefixo de namespace não permitido 405 Rejeição: Código do país do emitente: dígito inválido 406 Rejeição: Código do país do destinatário: dígito inválido 407 Rejeição: O CPF só pode ser informado no campo emitente para a NF-e avulsa 453 Rejeição: Ano de inutilização não pode ser superior ao Ano atual 454 Rejeição: Ano de inutilização não pode ser inferior a Rejeição: Local da entrega não informado para faturamento direto de veículos novos Rejeição: Erro não catalogado (informar a mensagem de erro capturado no tratamento da exceção) CÓDIGO MOTIVOS DE DENEGAÇÃO DE USO 301 Uso Denegado: Irregularidade fiscal do emitente 302 Uso Denegado: Irregularidade fiscal do destinatário 27

28 Para cada serviço oferecido, há um Web Service específico. Um Web Service (ou serviço Web) é uma aplicação baseada em mensagens XML publicada, localizada e chamada através da internet. Sua função é de encapsular, contratar funções e objetos remotos oferecidos via um protocolo padrão e reconhecido. Na SEFAZ o fluxo de comunicação é sempre iniciado pelo aplicativo do contribuinte através do envio de uma mensagem ao Web Service com a solicitação do serviço desejado. Em contrapartida, o Web Service sempre devolve uma mensagem de resposta confirmando o recebimento da solicitação de serviço ao aplicativo do contribuinte na mesma conexão. A solicitação de serviço pode ser atendida na mesma conexão ou ser armazenada em filas de processamento nos serviços mais críticos para um melhor aproveitamento dos recursos de comunicação e de processamento da SEFAZ. Web Services NF-e: a SEFAZ disponibiliza um WS por serviço, isto é, existe um método para cada serviço. 6.2 Recepção de Lote de NF-e Serviço destinado à recepção de mensagens de lote de NF-e, responsável por receber as mensagens de envio de lotes de NF-e e colocá-las na fila de entrada. 6.3 Consulta ao Processamento de Lote de NF-e A Consulta ao processamento é destinado a retornar o resultado do processamento do lote de NF-e, responsável por receber as mensagens de consulta do resultado do processamento do lote de NF-e, e retornar mensagem com o resultado da consulta. 6.4 Cancelamento de NF-e O cancelamento é um serviço voltado ao atendimento de solicitações de cancelamento de Notas Fiscais Eletrônicas, responsável por receber e processar as 28

29 mensagens de cancelamento de NF-e, retornando mensagem como resultada do processamento. 6.5 Inutilização de Numeração de NF-e Serviço de atendimento de solicitações de inutilização de numeração, responsável por receber e processar as mensagens de inutilização de NF-e, retornando mensagem como resultado do processamento. 6.6 Consulta à Situação Atual da NF-e Serviço destinado ao atendimento de solicitações de consulta da situação atual da NF-e na Base de Dados da SEFAZ Virtual, responsável por receber as mensagens de consulta à situação atual da NF-e e retornar mensagem com o resultado da consulta. 6.7 Consulta ao Status do Serviço A Consulta ao status do serviço é prestado pelo Portal da Secretaria de Fazenda Estadual, responsável por receber as mensagens de consulta ao status do serviço e retornar mensagem com o resultado da consulta. 6.8 Consulta Cadastro Através deste serviço, prestado pelo Portal da Secretaria de Fazenda Estadual, o contribuinte pode verificar o seu cadastro assim como de outros contribuintes, o qual é responsável por receber as mensagens de consulta ao cadastro e retornar mensagem com o resultado da consulta. 29

30 7 INSTALAÇÃO DA FONTE DO CÓDIGO DE BARRA A impressão do código de barras no DANFE tem a finalidade de facilitar e agilizar a captura da chave de acesso da NF-e para consulta da veracidade da mesma nos portais estaduais e da Receita Federal. Para que no DANFE possa ser impresso o código de barras corretamente, a empresa deve efetuar download da fonte de código de barra no link disponibilizado pela Migrate Company e instalá-lo no computador onde está instalado o sistema GNF-e Desktop Edition, como procedimentos apresentados a partir da tela 5 à tela 10, podendo ser local ou no servidor, quando é trabalhado via Terminal Server. Tela 5 Pacote de Fontes Linha Base 30

31 Tela 6 Contrato de Licença Tela 7 Diretório de Instalação de Fontes 31

32 Tela 8 Instalação da Fonte do código de barra Tela 9 Processo de Instalação 32

33 Tela 10 Instalação da fonte concluída 33

34 8 INSTALAÇÃO DO GNF-E DESKTOP EDITION Primeiramente é necessário efetuar o download do arquivo de instalação. Em seguida, acesse o caminho onde foi salvo o arquivo para inicializar a instalação. Acesse o ícone do GNF-e, como no exemplo da imagem abaixo para Banco SQL Server, ícone GNFe_v2.4_MSSQL.exe efetuando um duplo clique sobre o mesmo. Tela 11 Executável Após acessar o ícone do instalador, surge uma tela de saudação de Bem-vindo ao cliente, conforme imagem abaixo, clique em Próximo > Tela 12 Instalação do Tela inicial 34

35 É necessário informar um diretório para a instalação, por exemplo, C:\Migrate\GNFe ou clicar no botão para escolher outro diretório. Nota! O nome do diretório de instalação do não deve possuir espaços em branco. Tela 13 Instalação do Diretório de Instalação Em seguida, clique em Próximo >. Se o diretório não existe, será solicitado para que o mesmo seja criado. Para que o instalador mesmo crie o diretório, basta confirmar a mensagem que aparecerá conforme exemplo abaixo. 35

36 Tela 14 Instalação do Criando diretório Após escolher o diretório, você está pronto para instalar o. Clicando em Instalar, inicia-se a instalação, conforme mensagem mostrada na imagem abaixo: Tela 15 Instalação do Confirmação de instalação Clique em Próximo > para concluir a instalação, conforme imagem seguinte: 36

37 Tela 16 Instalação do Instalação Concluída Tela 17 Instalação do Tela final 37

38 Pronto! O Programa foi instalado com sucesso! Agora você pode localizá-lo em Iniciar Programas. Após a instalação já é possível fazer a configuração do GNF-e com a base de dados através do GNF-e Wizard, como apresentado no Item

39 9 GNF-E WIZARD DE CONFIGURAÇÃO Dentro do diretório padrão de instalação do existe um executável com o nome de GNFeWizard.exe, o qual é responsável pela configuração dos principais cadastros do gerenciador, também pode ser encontrado após a instalação em Iniciar Programas GNF-e Wizard. O GNF-e Wizard possibilita ao usuário selecionar o tipo de instalação que deseja realizar. A criação da empresa em uma nova base de dados identifica que as tabelas do GNF-e serão criadas em uma Base de Dados nova, ou seja, usa-se essa opção quando se deseja fazer a criação da primeira empresa para utilização do GNF-e. É importante frisar que se a Base de Dados já contiver tabelas, as mesmas serão apagadas pelo processo de reorganização automática do GNF-e. Caso o usuário selecione a segunda opção, para criação da nova empresa em base de dados existente, identifica a criação de uma nova empresa em base de dados que já possui outra(s) cadastrada(s), ou seja, não haverá a criação das tabelas, apenas a inicialização da nova empresa (por exemplo, uma filial). Tela 18 GNF-e Wizard Tipo de Instalação 39

40 Na tela 19 fica a configuração do servidor, base de dados e usuário de acesso padrão do gerenciador com o Banco de Dados. Servidor: Endereço IP ou Host onde está instalado o Banco de Dados; DataBase: Nome do Banco de Dados; Porta: Número da Porta Padrão Postgres. Ex: 5432; Porta: Número da Porta Padrão MySQL. Ex: 3306; Porta: Número da Porta Padrão Oracle. Ex: 1521; Usuário: Nome do usuário padrão do banco de dados. Senha: Senha do usuário do banco de dados. Tela 19 GNF-e Wizard Configurações do Banco de Dados Na tela 20 é apresentado o teste de conexão que o GNF-e Wizard realiza com o banco de dados do cliente ao clicar no botão Testar Conexão. 40

41 Tela 20 GNF-e Wizard Testando Conexão com o Banco de Dados Clicando em Fechar, após a confirmação de teste de conexão realizado com sucesso, pode-se passar ao próximo passo. Tela 21 GNF-e Wizard Dados da Empresa 41

42 Na tela 21, temos a configuração dos dados básicos da empresa que emitirá notas fiscais eletrônicas. Código: Código da empresa dentro do ERP. Assume valores 1-999; Tipo de Pessoa: Jurídica ou Física; Razão Social: Razão social da empresa emitente; CNPJ/CPF: CNPJ da empresa jurídica ou CPF da pessoa física; UF: Unidade Federativa da empresa; Certificado: Arquivo.cer que compõe o certificado digital (antes do cadastro, o certificado deve ser exportado para extensão.cer); Esquema: Web Services que serão utilizados pela empresa; Conector: Qual conector será utilizado; O usuário poderá marcar o checkbox das informações avançadas para configurar outras opções do sistema Tela 22, ou passar para o próximo passo e preencher as informações dentro do próprio gerenciador após o processo de cadastro. Tela 22 GNF-e Wizard Configurações Avançadas e de Contingência 42

43 Nas informações avançadas, o Wizard possibilita ao usuário efetuar configurações relevantes ao envio da NF-e e geração do DANFE. Impressão do DANFE: Orientação da página a ser impressa o DANFE; Modo de Impressão: Impressora cadastrada permite automação, sem prévia confirmação e visualização do DANFE; Logo do DANFE: Arquivo.jpg de tamanho 145 X 89 pixels; Reaproveita Número: ERP poderá sanar possíveis erros e reenviar a mesma numeração da NF-e; Forma de Execução dos Processos Complementares: Agilizar o envio de NF-e a SEFAZ pela execução dos processos complementares em fila (forma Agendado) ou executar os processos complementares envio de ao destinatário, impressão automática do DANFE e geração de cópia dos arquivos XML e DANFE em diretório simultaneamente ao processo de envio (forma Normal); Configurações de Contingência: Consultar item 13.2, 20/21 e 29 deste manual. Tela 23 GNF-e Wizard Configurações de Proxy Empresas que mantém Proxy ativo na rede poderão configurar as informações necessárias, de acordo com a Tela 23, ou avançar para o próximo passo. É recomendado 43

44 consultar o Administrador da Rede de cada empresa para preencher corretamente os campos, pois isso depende da política de acesso dos usuários. Tela 24 GNF-e Wizard Configurações de Conforme Tela 24, o oferece ao usuário maior facilidade de envio da NF-e ao destinatário através de . Devem ser configuradas todas as informações de acordo com o servidor de do emitente, assim como escolher quais os documentos que serão encaminhados ao destinatário da NF-e (DANFE, Arquivo XML da NF-e e Arquivo XML de Compartilhamento da NF-e). Ainda poderão ser inclusos outros s dos Responsáveis, que receberão os avisos de eventos de notificações do sistema separados por ; e sem espaço mais detalhes vide item

45 Tela 25 GNF-e Wizard Conector XML e Justificativas Quando a opção do usuário de conector for XML ou TXT, devem ser criados os diretórios de entrada e saída onde o ERP e o GNF-e irão processar os arquivos enviados e recebidos para SEFAZ. Esses diretórios não poderão conter espaços, nem qualquer caractere especial. A justificativa de inutilização ou cancelamento de uma NF-e é obrigatório ser enviada para a SEFAZ. O GNF-e criou motivos padrões, os quais serão preenchidos automaticamente. O usuário pode alterá-los no próprio Wizard ou dentro do gerenciador nos Parâmetros Gerais do GNF-e, desde que permaneçam com limite mínimo de 15 caracteres. Ainda terá a possibilidade de incluir as justificativas individualmente a cada pedido de envio, nos respectivos campos conforme Manual de Integração. XML/TXT Entrada: Diretório de entrada dos XML ou TXT do conector XML ou TXT; XML/TXT Saída: Diretório de saída dos XML ou TXT do conector XML ou TXT; Just. Inutilização: Inutilização por motivos de erros ou rejeição; Just. Cancelamento: Cancelamento por motivos de erro de dados; 45

46 No próximo e último passo, o usuário finaliza a execução do Wizard. Caso opte por Executar Check List de Verificação, o GNF-e irá verificar a inicialização do sistema, procurando por problemas de conexão ou pendências para o uso do sistema, após a reorganização. Tela 26 GNF-e Wizard Finalizando o processo Ao Finalizar, abre-se o executável da reorganização dos dados (caso o usuário tenha optado por fazer uma nova instalação em uma Base de Dados nova), responsável por criar as tabelas dentro do Banco de Dados configurado no primeiro passo. O usuário deve Executar para criar as tabelas do Gerenciador. 46

47 Tela 27 GNF-e Wizard Executar Reorganização Depois de completar a criação das tabelas do gerenciador, aparecerá uma imagem semelhante à tela 28 informando-lhe que a reorganização foi completada. Então basta Fechar o processo para continuar. 47

48 Tela 28 GNF-e Wizard Reorganização completada Quando fechar a tela de reorganização, o usuário visualiza o processo confirmado de todas as configurações feitas pelo GNF-e Wizard e a reorganização completada. Caso tenha deixado marcada a opção para executar check list de verificação, abrirse-á automaticamente a tela onde o usuário vai iniciar a verificação. O objetivo será confirmar se todas as conexões estão em conformidade: vai testar a conexão com o Banco de Dados onde está localizada a base criada para o GNF-e, a validade da certificação digital da empresa para emissão de NF-e setado no passo 3, a comunicação com o servidor de licenças da Migrate de acordo com as configurações de Proxy do passo 5, a comunicação com a SEFAZ através do acesso aos Web Services, a licença para o uso do sistema e o cadastro do emissor junto a SEFAZ para emissão de NF-e. 48

49 Tela 29 Processo do Check List Para isso, o usuário deverá iniciar a execução do processo. Tela 30 Check List de Verificação do GNF-e Verificação 49

50 dos eventos. Se houver inconsistência no teste executado pelo GNF-e, o usuário visualiza o Log Tela 31 Tratamento de Erros do Para cada resultado será apresentado o log de operação, sendo que selecionando a imagem com um clique duplo, o GNF-e identifica o código de tratamento, a descrição e a causa/sugestão. O usuário poderá sanar algumas inconsistências detectadas, como certificado e licença através da Ação Padrão. Caso houver falha quanto ao certificado da empresa, é proporcionado ao usuário a possibilidade de acessar a tela do cadastro para setá-lo novamente. A licença de uso também poderá ser solicitada e a tela do Registro do Sistema será aberta. 50

51 Tela 32 GNF-e Wizard Solicitação de Licença No de integração enviado pelo suporte, o usuário receberá a chave do parceiro, o qual deverá ser inserida para solicitar a Licença junto ao servidor da Migrate. Haverá disponível dois tipos de licença para cada CNPJ no ambiente de homologação: Teste e Homologação, as quais poderão ser administradas uma pelo parceiro e outra no próprio cliente. Quando o emissor da NF-e desejar iniciar o envio de notas para a SEFAZ com validade jurídica, deverá cadastrar a empresa no ambiente de produção, assim como sua respectiva licença. Outras informações podem ser consultadas no item 12/22 deste manual. Após efetuar todas as verificações ou ações possíveis, a tela de tratamento pode ser fechada e o check list iniciado novamente. Não sendo necessário, a tela do check list também pode ser fechada, onde o usuário volta à última tela do GNF-e Wizard. 51

52 Tela 33 GNF-e Wizard Processo concluído O GNF-e irá concluir o processo e o usuário poderá fechar o Wizard e acessar o. 52

53 10 TRABALHANDO COM O GNF-E DESKTOP EDITION Depois de ocorrida a instalação e a empresa inserida através do Wizard, acesse o com o usuário SUP e sua respectiva senha: 1234 Nota! Esta senha deve ser alterada após o primeiro acesso. Tela 34 Janela de Login do Sistema Depois de inserida a senha, o exibirá uma tela com o TERMO DE ACEITE do GNF-e IG (Informações Gerenciais), na qual o usuário poderá optar por Aceitar ou Não. Este módulo tem como objetivo catalogar os dados do sistema e gerar informações gerenciais para auxiliar o Suporte na prevenção e identificação de possíveis problemas. O sistema tomará como base as quantidades de Notas Fiscais Eletrônicas emitidas, catalogando em: - Pendentes - Canceladas - Inutilizadas - Efetivadas 53

54 - Contingência - Denegadas - Rejeitadas Tela 35 Termo de Utilização do Módulo de Informações Gerencias Aceitando o termo, o GNF-e automaticamente iniciará a catalogação em toda a base de dados do usuário e enviará as Informações Gerencias ao suporte (nenhuma outra informação a não ser a quantidade de documentos fiscais emitidos). O processo poderá levar alguns minutos na primeira vez, não impactando no tempo de atualização da versão e nem de emissão de Notas Fiscais que deixe o processo mais demorado. Sua execução será paralela, justamente para não influenciar em nenhum outro processo. As informações serão reunidas no Servidor da Migrate, o qual criará um Data Warehouse com os dados catalogados. O GNF-e IG foi criado a fim de prevenir futuros problemas. Altos índices de NF-e cancelada, por exemplo, pode vir a gerar uma atenção especial em relação ao fisco, visto que a partir de 2010 a fiscalização será efetuada com maior intensidade. 54

55 10.1 Tela Principal Após aceitar o termo ou não, visualiza-se a janela principal do sistema, composta pelo menu Principal, menu de Acesso Rápido, Filtros de Pesquisa, Guia Notas Fiscais e outras opções. Tela 36 Janela principal do Sistema Na tela principal do GNF-e encontra-se a barra do menu principal, com as opções Sistema, Cadastros, Consultas, Processos, Ferramentas e Ajuda Menu Sistema Oferece acesso ao submenu Usuários, Parâmetros do Sistema e Sair. 55

56 Tela 37 Menu Principal Sistema Sistema Usuários Usuários do Sistema Explorando o menu Sistema, pode-se acessar a opção Usuários Usuários do Sistema, o qual irá consultar os usuários cadastrados no gerenciador. Tela 38 Consulta Usuários Para proceder o cadastro de um usuário, deve-se clicar no botão Incluir, passando assim, a efetuar o registro na tela seguinte. 56

57 Tela 39 Cadastro de Usuários O Tipo de usuário pode ser Usuário ou Administrador, se é um grupo ou não e a qual grupo pertence (Grupo), se está Ativo ou Inativo, se é usuário corporativo (isto significa se o acesso dele é permitido para somente a empresa principal ou para as filiais) e a Autenticação Sistema ou LDAP. Verifique o capítulo Parâmetros Gerais para maiores elucidações sobre o LDAP. Na lista embaixo estarão relacionadas às empresas que o usuário possui acesso. Ainda na tela 38, a imagem de um cadeado no canto superior direito dará acesso aos usuários do objeto. Tela 40 Acessos ao Objeto 57

58 O GNF-e abre uma tela informando os usuários e suas respectivas permissões de acesso a este configurador de contas. Tela 41 Usuários do Objeto O proporciona o controle de acesso mais específico para cada perfil de usuário, ou seja, cada usuário poderá receber acesso para consulta (CON), inclusão (INC), alteração (ALT), execução (EXE) e exclusão (EXC). Acessando a opção Permissões da tela 38, o usuário poderá altera e consultar as condições de usuários X objetos. 58

59 Tela 42 Consulta Usuários X Objetos Para configurar, selecione o objeto, clicando na caixa de seleção da coluna X e então clique no primeiro botão da coluna do meio, para que as configurações sejam carregadas no perfil do usuário. As configurações selecionadas são carregadas no perfil do usuário e neste momento o responsável pelo controle do sistema na empresa deverá marcar o tipo de permissão que será dado ao usuário, marcando a caixa de seleção de cada objeto e em seguida clique em Atualiza Permissões. 59

60 Tela 43 Sistema Usuários X Objetos Para bloquear um usuário, basta acessar a sua conta e inativá-la por meio do filtro Ativo. Após cadastrar o Login e o Usuário, clique no botão Insere. Para cadastrar a senha desse usuário, clique em Fechar, retornando à tela principal do sistema, clique para sair na imagem do cadeado ou acessando o menu Sistema Sair Sistema Usuários Alterar Senha Entre novamente no sistema, logando agora com a conta do novo usuário do sistema, sem informar senha. Quando houver a tentativa de entrar, o sistema trará a tela de Alteração de Senhas. Insira uma senha no campo Nova Senha e a repita no campo Confirmar Senha. Clique em Alterar clicando em Fechar novamente para retornar ao menu Sistemas Usuários Alterar Senha. 60

61 Tela 44 Alteração de Senhas O sistema retorna ao anterior, bastando agora inserir a senha cadastrada pra acessar o sistema Sistema Parâmetros do Sistema Para alterar configurações pertinentes aos parâmetros do sistema, o usuário poderá acessar no submenu, no menu de acesso rápido ou ainda pelo atalho de tecla Ctrl + K. Outras informações sobre os parâmetros, vide item Menu Cadastros O menu Cadastros permite o acesso às telas para cadastro de: Estados, Esquemas, Empresas, Web Services, Estados X Esquemas. Tela 45 Menu Principal Cadastros 61

62 Cadastros Estados Para cadastrar um Estado, acesse na barra de ferramentas o menu Cadastros e em seguida selecione o submenu Estados. Abre-se a tela abaixo: Tela 46 Consulta de Estados Insira no campo Código o código da UF conforme tabela do IBGE correspondente ao Estado que estiver cadastrando (item Tabelas), o nome do Estado por extenso e o código alfabético (sigla) Cadastros Esquemas No GNF-e encontramos por meio do menu ESQUEMAS, representado na tela abaixo, as opções para definir o ambiente de trabalho: Homologação ou Produção. 62

63 Tela 47 Consulta de Esquemas Os campos configuráveis da guia Geral devem estar preenchidos da seguinte forma: Esquema: número e Nome-do-esquema; Tipo: Homologação ou Produção; Status: Ativo ou Inativo; Conector: XML, TXT ou Banco de Dados e ERP; O esquema é criado automaticamente pelo Wizard, de acordo com as configurações feitas pelo usuário. Como pode ser visualizado nas telas abaixo, alterando o Esquema é aberto a tela com as três abas Geral, onde encontram-se os Web Services e as suas respectivas Versões Layout, também como as opções de Conector. Web Service: a SEFAZ disponibiliza um WS por serviço, isto é, existe um método para cada serviço: Recepção, Retorno da Recepção, Cancelamento, Inutilização, Consulta Status Serviço, Consulta Cadastro (rever detalhes no capítulo SEFAZ); Versão Layout: versão do leiaute do arquivo XML. 63

64 Tela 48 Esquemas Geral 64

65 Tela 49 Esquemas Geral 2 65

66 Tela 50 Esquemas Geral Cadastros Empresas Alterar Acessando o menu Cadastro Empresas, o usuário poderá efetuar alterações ou incluir outras informações que ainda não estejam informadas. Quando o usuário quiser consultar ou alterar os dados referentes à empresa selecionada, deverá clicar em alterar, onde será aberta uma nova tela contendo novas guias como Empresa, NF-e de Entrada, Geral, Sistema, Diretórios, Proxy, Justificativas, Contingência, e 2, estas guias poderão ser configuradas de acordo com cada empresa, ou seja, cada empresa poderá ter configurações diferenciadas. 66

67 Tela 51 Consulta de Empresas/Clientes Os campos que compõe a tela de Empresa são: Empresa (código na empresa), Descrição, Razão Social, Tipo de Pessoa, CNPJ ou CPF, CNAE Fiscal, UF, Inscrição Estadual, Versão do Layout (versão do XML), Esquema (informar o esquema para relacionamento), Arquivo Certificado (diretório onde está salvo o arquivo, por exemplo: C:\Migrate\Migrate.cer). 67

68 Tela 52 Empresas/Clientes Geral Na aba NF-e Entrada, devem ser cadastradas as configurações do que irá gerenciar as notas recebidas dos fornecedores, para depois ser executado o GNF-e Listener. Maiores informações, item 23 deste manual. 68

69 Tela 53 Empresas/Clientes NF-e de Entrada As configurações disponíveis na aba Geral por empresa servem para definir alguns parâmetros principais relativas à impressão do DANFE, modelo de impressão (Retrato ou Paisagem), modo de impressão (Manual ou automático), opção de imprimir ou não o valor do desconto e valor do ICMSST, texto de informações complementares que são impressas no DANFE sem serem enviadas para a SEFAZ, pode-se escolher a utilização de imprimir as informações complementares no verso da folha, o tamanho da fonte a ser impresso a informação do produto, na opção Modelo Impressora Formulário Contínuo o usuário pode selecionar a impressora desejada, nesta aba também a empresa poderá escolher para utilizar o reaproveitamento de NF-e e ainda selecionar o logotipo que será impresso no DANFE. Na aba geral também poderá ser configurado os itens para usar as configurações dos parâmetros gerais, desta forma todas as empresas utilizarão as mesmas configurações. 69

70 Tela 54 Empresas/Clientes Geral No é possibilitado executar por empresa os processos complementares referentes ao envio de uma NF-e através do agendamento do executável GNFeProcessador.exe, o qual você pode consultar item Parâmetros do Sistema Sistema, desta Manual. Ainda é possível selecionar o diretório de origem de atualização do GNF-e para empresas que utilizam o GNF-e em mais de uma estação, selecionando este diretório o usuário poderá fazer a atualização automática do sistema, atualizando nesta máquina raiz, apontada neste diretório o GNF-e nas outras estações identificará este local e buscará os arquivos da estação raiz para atualizar as outras estações. 70

71 Tela 55 Empresas/Clientes Sistema Nesta aba Diretórios encontra-se a lista dos diretórios utilizados para a gravação do XML ou TXT, ou seja, os arquivos com a codificação necessária para o envio das notas para a SEFAZ. Maiores informações consultem Parâmetros do Sistema Diretórios, deste documento. 71

72 Tela 56 Empresas/Clientes Diretórios Na guia Proxy, é possível a empresa configurar as informações, como o tipo de autenticação, porta, usuário e senha por empresa cadastrada no GNF-e, estas configurações são importantes para a segurança da conexão. 72

73 Tela 57 Empresas/Clientes Proxy Para o preenchimento destes campos, utilize o mínimo de quinze caracteres para o texto de justificativa. Não caracteres especiais (como pontuação). 73

74 Tela 58 Empresas/Clientes Justificativas O serviço de contingência é definido pela parametrização, de acordo com a intervenção do usuário. Sendo assim, existem configurações possíveis para o processo de emissão de NF-e em contingência, também sendo por empresa ou ainda é possível utilizar as configurações dos Parâmetros Gerais, sendo a mesma configuração para todas as empresas. 74

75 Tela 59 Empresas/Clientes Contingência No cadastro de empresas do GNF-e é possível configurar os dados de , para que estes dados possam fazer o envio do DANFE e dos arquivos da NF-e por ao destinatário. 75

76 Tela 60 Empresas/Clientes É possível informar textos de autorização e relativos ao número da nota, série e chave de acesso, para verificar configurações consulte item Parâmetros do Sistema 2 deste Manual. 76

77 Tela 61 Empresas/Clientes Cadastros Empresas Incluir Na inclusão de uma nova empresa (opção Incluir da tela 62), o GNF-e vai executar novamente o GNF-e Wizard, permitindo que o cadastro seja completo, ou seja, quando o usuário clicar sobre Incluir irá abrir a tela como segue: 77

78 Tela 62 Empresas/Incluir Portanto, o usuário poderá incluir a empresa pela opção Incluir ou executando o GNF-e Wizard novamente externo ao gerenciador. Tela 63 GNF-e Wizard inclusão de empresa 78

79 Cadastros Web Services Estas configurações são inicializadas durante a instalação do sistema, de forma que ao consultar a opção, os WS principais para a comunicação com a SEFAZ já estão cadastrados, de acordo com a finalidade de cada uma. Tela 64 Lista de Web Services 79

80 Tela 65 Web Services Produção/Rio Grande do Sul janela: Na tela temos a opção de incluir um Web Service, onde será visualizada a seguinte 80

81 Tela 66 Configurador de Endereços de WebServices Os dados registrados nos campos acima são exibidos na grade da janela anterior, na seguinte ordem: código do WS, protocolo (HTTP ou HTTPS), porta, autenticação (sim/não), tipo de autenticação (Basic ou Digest), usuário, tempo espera, território, senha, servidor, descrição ws, base url. O botão Modifica permite que as alterações efetuadas sejam gravadas. Cadastre a URL endereço de homologação/produção, de acordo com o ambiente e com o Estado, bem como protocolo e servidor Cadastros Estado X Esquemas Esta configuração faz um relacionamento entre duas outras configurações: Estado (menu Cadastros Estados) e Esquemas (menu Cadastros Esquema). Quando o 81

82 usuário inclui o estado X esquema, o processamento vai criar os itens conforme o estado do esquema, com os campos obrigatórios e não obrigatórios. Esta configuração possibilita a exportação dos dados corretos para o arquivo XML ou TXT que é enviado à SEFAZ, contendo as informações das Notas Fiscais emitidas. No cabeçalho da tela Lista de Estado do Cliente x Esquema tem três filtros para a grade da janela: UF (número do código UF do IBGE), Esquema (número do cadastro do esquema), Versão (versão do esquema). Após inserir os dados em um ou mais campos de filtro, tecle F5 para atualizar a consulta. Tela 67 Lista de Estado do Cliente x Esquema Ao clicar no botão Alterar ou Incluir, abre uma janela com várias guias, de acordo com o Estado e o Esquema selecionado. 82

83 Estas guias compreendem todos os campos requeridos pela SEFAZ para estruturar o Schema XML de cada processo realizado: recepção, retorno da recepção, cancelamento, inutilização, consulta de protocolo, status do serviço e cadastro. Tela 68 Estado do cliente X Esquema Schema XML Os campos são definidos conforme as orientações da SEFAZ e podem ser consultados no Manual de Integração XML, Manual de Integração TXT ou Manual de Banco de Dados. Nestas opções, nomeiam-se os campos iniciando por NF-e (relativos à Nota Fiscal Eletrônica). Conforme o Esquema utilizado pelo estado emissor de NF-e é possível configurar quais os caracteres válidos são permitidos pela SEFAZ. Para configurar os caracteres, basta alterar o cadastro de Estados X Esquemas, no qual existe um botão Caracteres Válidos. Ao clicar no botão Caracteres Válidos, abre uma janela que contém os caracteres validados pela SEFAZ do estado, a qual permite que sejam enviadas nos campos 83

84 alfanuméricos. A seqüência dos caracteres deve ser manual, sempre respeitando o último cadastrado. Tela 69 Caracteres Válidos do Esquema A SEFAZ impede que alguns caracteres sejam validados, por isso o GNF-e traz somente 42 caracteres por padrão. Caso o usuário tenha interesse de que mais algum seja enviado e impresso no DANFE deverá incluir nesta lista, por meio da tecla TAB, sempre observando que nem todos poderão ser inclusos Menu Consultas A guia Consultas oferece a opção do Repositório, LOG, Fila de Procesos e NFe de Entrada, conforme imagem abaixo. 84

85 Tela 70 Menu Principal Consultas Consultas Repositório Todas as Notas Fiscais assinadas através de envio do lote, de solicitação de cancelamento e solicitação de inutilização com assinatura, ou seja, homologadas /autorizadas - são guardadas neste repositório, para possível averiguação do fisco e é necessária a localização destas no banco de dados. A tela serve somente para consulta, sendo que, assim que a nota é enviada, seu arquivo fica registrado. Tela 71 Consulta Repositório Consultas LOG 85

86 Esta consulta dispõe do registro das situações das notas fiscais enviadas, tendo como filtro a empresa e a origem da(s) nota(s) a consultar: Tela 72 Consulta LOG do Gerenciador Todas: consulta as notas de todas as origens; Consulta Status Serviço: solicitação de cancelamento de NF-e; Assinatura: log do processo externo que solicita assinatura; Envio do Lote: solicitação de envio de lote; Consulta do Lote: solicitação de consulta do lote; Cancelamento: solicitação de cancelamento de NF-e; Inutilização: solicitação de inutilização da NF-e; Carga: verifica os dados oriundos do ERP para validar o Esquema. Também verifica se os campos obrigatórios não estão nulos; Genérico: registra informações sobre início e fim de processo ou qualquer outra modificação no sistema, como uma atualização, por exemplo. 86

87 A consulta também relata o trâmite da(s) nota(s) e informa os erros. Se o erro for diferente de 100 (Autorizado o uso da NF-e), ao selecionar a nota na grade da consulta, a descrição do erro é relatada no campo abaixo da grade Consultas Fila de Processos Para agilizar o envio das notas fiscais eletrônicas à SEFAZ, o GNF-e possibilita ao usuário executar os processos complementares (envio de ao destinatário, impressão automática do DANFE, armazenamento de cópia dos arquivos XML e do DANFE em diretório) através do GNF-e Processador, que deve ser agendado nas tarefas do Windows. No submenu Fila de Processos, pode ser consultado a lista dos mesmos. Tela 73 Fila de Processos Complementares Conforme tela 73, o sistema oferece filtros por empresa, NF-e, série e período de inclusão. Além disso, há o filtro do Status dos processos complementares como: Não Iniciada, Em processamento, Concluída e Erro no Processamento. Após o envio da NF-e a SEFAZ, o usuário poderá consultar o status de cada processo complementar. Também tem a opção de visualizar o log da NF-e e executar a ação que possa ter ficado pendente. 87

88 Consultas NF-e de Entrada Ao consultar este submenu, o GNF-e irá abrir uma tela listando todas as notas fiscais de Entrada. Tela 74 Consulta das Notas Fiscais de entrada Assim são visualizadas as NF-es importadas, conforme processo do item Processos Importação NF-e de Entrada Menu Processos Ao usuário, são oferecidas no menu Processos as opções Inutilização, Importar Retorno DPEC, Importar NF-e de Entrada e Importar NF-e de Saída. 88

89 Tela 75 Menu Principal Processos Processos Inutilização O pedido de inutilização da numeração de uma NF-e é uma mensagem enviada para a SEFAZ, onde deverá ser transmitido um documento eletrônico assinado digitalmente pelo emitente da NF-e, e para cada inutilização de numeração de NF-e homologada é criado um novo protocolo de status para NF-e, com atribuição de um número de protocolo único. Tela 76 Enviar Faixa de Inutilização SEFAZ Esta configuração é usada ao solicitar a inutilização de numeração de NF-e, e funciona de modo síncrono, isto significa que a solicitação independe de envio de lote, pois é encaminhada pelo Gerenciador diretamente à SEFAZ que, ao receber a solicitação, processa as informações e devolve o resultado do processamento para o aplicativo do transmissor. 89

90 No documento enviado a SEFAZ deve constar a justificativa da inutilização, sendo que sem ela, o processo não é concluído, ou seja, a SEFAZ não valida. É comum a emissão de uma NF-e pulada, onde o emissor, sem intenção, envia uma NF-e com numeração superior a correta. Para estes casos, o processo de inutilização é apropriado. Tela 77 Justificativa de Inutilização Conforme imagem acima, o GNF-e irá trazer por padrão a mensagem que o usuário cadastrou no GNF-e Wizard, também sugerida pelo sistema. Como cada caso deve ser tratado individualmente, é aberto a possibilidade para o usuário alterar esta justificativa em cada caso individualmente. O motivo será enviado à SEFAZ e deve obedecer o limite mínimo de 15 caracteres Processos Importar Retorno DPEC Ao acessar o Processo de DPEC, o GNF-e exibirá a seguinte tela para que o usuário faça a importação do arquivo de retorno DPEC: 90

91 Tela 78 Importa arquivo de retorno do DPEC Maiores informações do processo de Emissão de NF-e em modo de Contingência DPEC, consultar item 20 deste manual Processos Importação NF-e de Entrada Através deste processo, é possível realizar a importação de NF-e Entrada. O GNFe Desktop Edition executa a validação da NF-e na SEFAZ para certificar-se de que a mesma esteja Autorizada e Processada. Tela 79 Importa arquivo de NF-e Entrada 91

92 manual. Maiores informações sobre o processo de NF-e entrada acessem ao item 23 deste Processos Importação NF-e de Saída Para a importação de Notas Fiscais de Saída, o procedimento deve ser efetuado através do Menu Processos - Importar NF-e de Saída, no qual o usuário vai precisar selecionar o diretório onde contém armazenadas as Notas Fiscais de Saída que deseja importar. O GNF-e irá importar todas os XML s das NF-es válidas presentes nesse diretório, verificando se a empresa selecionada é a mesma do emitente da nota. Tela 80 Importa arquivo de NF-e Saída Após a importação da NF-e, o GNF-e irá consultar o status da mesma junto a SEFAZ, podendo ser visualizada a NF-e de Saída na tela inicial do GNF-e. Caso não consiga consultar a situação da nota junto a SEFAZ, irá importar a mesma com o status de pendente - não processada, sendo possível visualizar o LOG da NF-e nos Detalhes da NF-e Menu Ferramentas O usuário tem acesso ao Registro do Sistema e ao Check List de Verificação. 92

93 Tela 81 Menu Principal Ferramentas Ferramentas Registro do Sistema Após ter configurado e cadastrado as empresas que irão utilizar o gerenciador é necessário solicitar uma licença de uso. Para poder solicitar estas licenças é necessário que se tenha em mãos a Chave do Parceiro, que é o código que identifica o cliente junto à Migrate Company. Melhores informações acessem item 12 Ativação GNF-e Desktop Edition Ferramentas Check List de Verificação O processo de Check List de Verificação pode ser executado junto ao GNF-e Wizard ou dentro do gerenciador. Tela 82 Check List de Verificação 93

94 Outras informações já foram esclarecidas no item Menu Ajuda Em acesso ao menu Ajuda, é proporcionado ao usuário: Sobre o GNF-e Desktop Edition e Visite nosso site... Tela 83 Menu Principal Ajuda Ajuda Sobre o Será visualizada uma consulta ao conteúdo e demais informações do sistema. Tela 84 Ajuda 94

95 Ajuda Visite nosso site... Outras soluções do GNF-e poderão consultadas através do site, Tela 85 Página Inicial 95

96 11 MENU DE ACESSO RÁPIDO 11.1 Consulta LOG Conforme apresentado no item Consultas LOG, deste manual, o GNF-e trará nesta opção as informações registradas de cada NF-e enviada Parâmetros Os parâmetros gerais do sistema podem ser acessados através do menu da Tela Principal em Sistema Parâmetros do Sistema, ou através do menu de acesso rápido Parâmetros Gerais. Tela 86 Parâmetros Gerais Parâmetros do Sistema Geral As configurações disponíveis nesta opção servem para definir alguns parâmetros principais relativas à impressão do DANFE, envio do DANFE por , texto de informações complementares que são impressas no DANFE sem serem enviadas para a SEFAZ e o logotipo que deve ser utilizado no DANFE. 96

97 Tela 87 Parâmetros do Sistema Geral Parâmetros do Sistema Sistema Edition. Na guia Sistemas podemos encontrar a versão atual do sistema GNF-e Desktop 97

98 Tela 88 Parâmetros do Sistema Sistema No é possibilitado ao usuário executar os processos complementares referentes ao envio de uma NF-e através do agendamento do executável GNFeProcessador.exe: 1. Envio de ao destinatário; 2. Impressão automática do DANFE; 3. Armazenamento da cópia de arquivos; Dessa forma as empresas que tiverem grande número de emissão de NF-e, através do GNF-e Tarefas, poderão agilizar o processo de envio de notas a SEFAZ executando os demais processos mencionados anteriormente em outro momento. Essa funcionalidade é parametrizada nos Parâmetros Gerais - Guia Sistema - Forma de execução dos processos complementares: Normal ou Agendado. Na opção Normal, o GNF-e Tarefas irá executar todos os processos normalmente; na opção Agendado, o GNF-e Tarefas apenas fará o envio da NF-e, condicionando o usuário a realizar com mais rapidez a emissão. Então, será necessário agendar nas tarefas do Windows o executável GNFeProcessador.exe, o qual ficará responsável pelos demais processos complementares em fila como: 1. Envio de ao destinatário; 2. Impressão do DANFE automática; 3. Armazenamento da cópia de arquivos. O método de autenticação LDAP serve para não precisar cadastrar e controlar senhas de usuário novamente. Desta forma basta informar o usuário que a senha será validada perante o servidor de LDAP e não no Banco de Dados do Gerenciador. 98

99 O GNF-e oferece ao usuário a utilização de um servidor LDAP para autenticação, desta forma basta informar o servidor onde está instalado, o método de conexão e porta, que o GNF-e automaticamente identifica a senha que está no servidor Parâmetros do Sistema Executáveis Nesta guia o usuário informa através do botão de busca (detalhe) o diretório. Para habilitar um novo filtro para a escolha de uma Situação de Log, clique no cabeçalho da coluna Situação de Log e após, clique no botão de busca para selecionar o diretório onde se encontra o executável para cada situação. O diretório padrão para o executável utilizado por todas as situações de Log é C:\ERP\RetornoNfegnfe.exe. Este arquivo é chamado pelo Gerenciador quando o processo de envio é finalizado. Tela 89 Parâmetros do Sistema Executáveis Parâmetros do Sistema Diretórios 99

100 Nesta primeira parte da tela encontra-se a lista dos diretórios utilizados para a gravação do arquivo XML ou TXT, ou seja, os arquivos com a codificação necessária para o envio das notas para a SEFAZ. Tela 90 Parâmetros do Sistema Diretórios No Diretório de Envio permanecem os arquivos XML ou TXT gerados pelo ERP e que ainda não foram enviados, no Diretório de Retorno encontra-se os recibos de entrega de lote da SEFAZ e no diretório de Assinatura é guardado o Certificado Digital e a Assinatura Digital da empresa para complementação dos arquivos a serem enviados. Primeiramente deve ser criado um diretório onde o foi instalado (c:\migrate\gnfe\repositorio\xml), que por sugestão pode ser criado como Repositório com um subdiretório XML. Na segunda parte, como o recebe o XML ou o TXT da NF-e gerado a partir do ERP e envia para a SEFAZ, é necessário informar um local para ele ser armazenado. 100

101 O diretório de entrada recebe o arquivo XML ou TXT após ter sido gerado do ERP e o diretório de saída armazena o retorno da SEFAZ. Primeiramente, é necessário criar dois diretórios, que podem ser criados onde o está instalado com o nome de Entrada e Saída, respectivamente. Após ter criado um diretório de entrada e saída, clicar no botão correspondente a linha Diretório Entrada e informar o caminho de onde foi criado o diretório de entrada e em seguida clicar em OK. Em seguida, repita informe o caminho para o diretório de saída Parâmetros do Sistema Proxy Aqui o usuário identifica as configurações de acesso à internet para o WS da SEFAZ. Algumas informações, como o tipo de autenticação, porta, usuário e senha são importantes para a segurança da conexão. Tela 91 Parâmetros do Sistema Proxy 101

102 Parâmetros do Sistema Justificativas Para o preenchimento destes campos, utilize o mínimo de quinze caracteres para o texto de justificativa. Não use acento ou caracteres especiais (como pontuação). Tela 92 Parâmetros do Sistema Serviços Parâmetros do Sistema Contingência O serviço de contingência é definido pela parametrização, de acordo com a intervenção do usuário. Existem configurações possíveis para o processo de Contingência, quando o usuário solicitar o serviço a SEFAZ (envio da NF-e) e não obtiver resposta (nota-se que a 102

103 nota ainda não chegou à SEFAZ, seu status é Aguardando retorno, porque não obteve resposta), pode retornar ações ao usuário: Nada: aborta o envio, a NF-e fica pendente de envio; Automático: entra em contingência no modo escolhido no status (Erro 108/109); Usuário: pergunta para o usuário deseja deixar a NF-e em Contingência, se a opção escolhida for Sim: conforme status Erro 108/109 fica em Contingência, se optar por Não: NF-e fica com status Pendente. Tela 93 Parâmetros do Sistema Contingência Configurações possíveis para o processo de contingência por Tempo, ao solicitar consulta e o serviço retornou Erro 107, e o tempo médio de processamento (retornado pela SEFAZ) for maior que o tempo máximo configurado no campo Máximo em aguardo (seg), entra nas opções: Nada: envia a nota em modo normal e aguarda o processamento da nota; Automático: entra em Contingência no modo escolhido no status (Erro 108/109); 103

104 Usuário: pergunta para o usuário se deseja deixar a NF-e em modo de Contingência, se optar Sim: retorno de Erro 108 /109 conforme status, se optar por Não: a NF-e permanece como Pendente. Para impressão do DANFE em Contingência, consulte o título DANFE Parâmetros do Sistema No GNF-e é possível o envio do DANFE por ao destinatário e para esta funcionalidade são necessárias algumas configurações nos parametros gerais. A primeira delas é na guia Geral onde deve-se configurar o campo: Enviar DANFE por , e a segunda são os dados do servidor de envio como a que segue: Tela 94 Parâmetros do Sistema Autenticação: Autenticação do servidor de ; SMTP Host: Host do smtp para envio do ; Porta: Porta do servidor de ; TimeOut: Tempo máximo para resposta do servidor; 104

105 Usuário: Endereço de de origem; Password: Senha do de origem; Título: Título padrão do ; Parâmetros do Sistema 2 Tela 95 Parâmetros do Sistema 2 Texto Autorizado: Texto padrão para autorização de nota; Texto Rejeitado: Texto padrão para rejeição de nota; Os textos de autorização e rejeição podem ter campos relativos ao numero da nota, série e chave de acesso @NfeChaAcesso, onde estes valores serão substituídos pelos valores da nota que está sendo emitida naquele momento.exemplo: Foi emitida uma Nota e Chave de Em anexo DANFE e arquivo de compartilhamento. Atenciosamente, Empresa Emitente Este exemplo resultará em: 105

106 Foi emitida uma Nota Fiscal: Serie: 001 e Chave de Acesso: Em anexo DANFE e arquivo de compartilhamento. Atenciosamente, Empresa Emitente 11.3 Esquemas Consultar item Cadastros Esquemas, deste manual. Tela 96 Acesso Rápido Esquemas 11.4 Empresas Verificar item Cadastros Empresas, deste manual. Tela 97 Acesso Rápido Empresas 11.5 Usuários Vide item Sistema Usuários Usuários do Sistema, deste manual. 106

107 11.6 NF-e Entrada Tela 98 Acesso Rápido Usuários Conforme apresentado no item Processos Importação NF-e de Entrada, deste manual. Tela 99 Acesso Rápido NF-e Entrada 11.7 Mais Opções O, apresenta no painel à alternativa Mais Opções, onde abrirá uma tela para o usuário selecionar uma ação desejada, como: - Reenviar ; - Reenviar NF-e (Pendentes); - Inutilizar número de NF-e - Consultar Status na SEFAZ; - Emitir DANFE. 107

108 Tela 100 Tela Principal Mais Opções. Tela 101 Tela Principal Mais Opções. 108

109 11.8 Emitir DANFE Tela 102 Tela Principal Emitir DANFE tela 95: A opção Emitir DANFE do GNF-e irá apresentar ao usuário três opções, conforme - Gerar DANFE em Diretório: Esta opção permitirá que o usuário salve os arquivos do DANFE das NF-es selecionadas na grade principal do GNF-e. - Imprimir: A opção de Imprimir oferece ao usuário a impressão da NF-e. Caso não tiver impressora configurada, é possível também adicionar uma nova impressora. - Visualizar DANFE: O usuário pode utilizar esta opção para visualizar o DANFE de uma ou mais NF-es. 109

110 Tela 103 Emissão do DANFE 110

111 12 ATIVAÇÃO DO GNF-E DESKTOP EDITION Para utilização do GNF-e é necessário solicitar uma licença de uso. Para poder solicitar essa licença é necessário que se tenha em mãos a Chave do Parceiro, que é o código que identifica o parceiro junto à Migrate Company. Para solicitar uma licença de uso, acesse o em Ferramentas Registro do Sistema. Tela 104 Registro do Sistema de uso: Nesta tela, os seguintes campos devem ser informados para solicitação da licença Chave do Parceiro esta chave é enviada ao responsável do parceiro solicitante juntamente com o de integração; Nome do solicitante nome do solicitante responsável pela instalação do GNF-e Desktop Edition; endereço do no qual será enviada a situação do uso do sistema (aprovação ou rejeição). 111

112 Deverá ser selecionada a(s) empresa(s) para qual está sendo solicitando a licença de uso. No campo tipo de ambiente, informar o tipo de licença desejado (Testes, Homologação ou Produção). Após informar estes dados clicar no botão Enviar. Nota! A licença de Testes e Homologação pode ser utilizada durante período de apenas 15 dias enquanto que a licença de Produção é permanente. O serviço de solicitação de licenças utilizado pelo é assíncrono, ou seja, é necessário aguardar até que a solicitação da licença seja processada pela Migrate Company. O processamento da licença pode retornar as situações: Aprovada, Rejeitada ou Cancelada. 112

113 13 DANFE O DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica) é uma representação simplificada da NF-e. Tem as seguintes funções: conter a chave numérica com 44 posições para consulta das informações da Nota Fiscal Eletrônica (Chave de Acesso); acompanhar a mercadoria em trânsito, fornecendo informações básicas sobre a operação em curso (emitente, destinatário, valores, etc.); auxiliar na escrituração das operações documentadas por NF-e, no caso do destinatário não ser contribuinte credenciado a emitir NF-e; colher a firma do destinatário/tomador para comprovação de entrega das mercadorias ou prestação de serviços. Fonte: SEFAZ 13.1 Impressão do DANFE A impressão do DANFE é possível através da tela principal do Gerenciador, para os casos de envio de nota única ou em lotes, através do GNF-e Tarefas e ainda GNF-e Integrador após a Nota Fiscal Eletrônica ser autorizada. O DANFE é impresso em papel comum e contém informações relativas ao arquivo digital (XML ou TXT) enviado a SEFAZ. O DANFE impresso pelo GNF-e é apenas um resumo da Nota Fiscal Eletrônica, ou seja, somente serão impressos os campos que a SEFAZ exige, conforme o Modelo padrão divulgado no manual do contribuinte. Pode ser emitida em mais de uma folha (assim um DANFE pode ter tantas folhas quantas forem necessárias para discriminação das mercadorias) e tem um código de barras bidimensional para facilitar a captura da chave de acesso da NF-e, como enfatizado na próxima tela. 113

114 Tela 105 DANFE A impressão do DANFE poderá ser feita novamente acessando o GNF-e Desktop Edition, selecionando a NF-e na guia Notas Fiscais e clicando no botão Emitir DANFE, onde irá aparecer a mensagem de confirmação. 114

115 Tela 106 Confirmar Emissão de DANFE O formato Retrato/Paisagem é definido nos Parâmetros Gerais. Outra possibilidade de imprimir o DANFE é através do GNF-e Integrador, com a ação I Emissão do DANFE em Contingência As condições para que a SEFAZ aceite uma NF-e em contingência devem ser dos retornos 108 Serviço Paralisado Momentaneamente (curto prazo) e 109 Serviço Paralisado sem Previsão, os quais referem-se quando a SEFAZ está sem disponibilidade dos WebServices. Esta situação poderá ser confirmada no endereço: Para isso, o usuário deverá configurar a aba contingência em Usuário para Ação USUÁRIO, caso emitir pelo Integrador (opção DPEC ou FS-DA) e Ação AUTOMÁTICO, caso emitir pelo Tarefas (opção FS-DA). Outro retorno da SEFAZ é o 107 Serviço em Operação, é porque o retorno foi mais demorado do que o previsto, quando os WebServices estiver com um tempo maior que o normal, ou até mesmo a Internet do usuário estiver um pouco lenta. Nesses casos, a nota pode ser efetivada, com o aguardo desse retorno, pois a SEFAZ não está inativa. Porém, se o emitente tenha urgência na emissão da NF-e deverá configurar a aba contingência em Tempo colocando um limite conforme necessidade, por exemplo, 60 segundos, e Ação USUÁRIO ou AUTOMÁTICO, conforme seu tipo de emissão também. Lembrando que é importante a consulta do endereço acima citado, para confirmar se há mesmo uma demora no tempo de retorno. 115

116 Portanto, as configurações de contingência deverão ser escolhidas conforme cada caso e retorno da SEFAZ, sendo que as opções explicadas anteriormente podem ser configuradas permanentemente, sem a necessidade de o usuário ficar modificando. É válido lembrar que o usuário que utilizar o GNF-e Tarefas somente tem a possibilidade emitir em FS-DA (formulário de segurança) e opção automático, assim como se o usuário optar por deixar a opção para automático no tempo (sem a intervenção da confirmação se deseja ou não entrar em contingência) para retornos 107. O DANFE em modo Contingência vai possuir dois códigos de barra, sendo necessário imprimir os dados adicionais da NF-e em nove blocos de quatro dígitos cada. Outras informações vide itens 20 e 21 deste manual. 116

117 14 COMO CONFIGURAR O GNFETAREFAS PARA EMITIR DANFE AUTOMATICAMENTE A impressão através do GNFeTarefas.exe consiste no envio automático do DANFE para a impressora conforme configuração do GNFePrinterSetup.exe, sem a necessidade de uma ação do usuário. Para que o processo funcione, é necessário efetuar as configurações nos executáveis GNFePrinterSetup.exe e GNFe.exe. As configurações devem ser feitas nas máquinas que irão executar o GNFeTarefas.exe, caso contrário o processo de impressão não irá funcionar e o DANFE precisará ser impresso manualmente O que preciso fazer para disponibilizar esta opção no ERP? Para que a impressão do DANFE automática funcione, é necessário que o ERP alimente os atributos correspondente dentro do Conector de integração (se for no XML no atributo UsuImpPadrao, se for no BD CbdUsuImpPadrao), sendo que o mesmo nome selecionado deve ser o configurado conforme as indicações nos próximos passos Configurando o GNFePrinterSetup.exe Abra o executável GNFePrinterSetup.exe que está no diretório raiz do gerenciador como no exemplo: C:\Migrate\GNFe\ ou através do Iniciar Todos os Programas GNF-e Desktop Edition Configurar Impressoras. 117

118 Tela 107 Abrindo GNFePrinterSetup.exe Após o executável estar aberto, clique no botão NEW para vincular uma impressora ou OPTIONS para editar uma impressora já existente. 118

119 Tela 108 Adicionando uma impressora no GNFePrinterSetup Digite um nome em "FORM NAME", lembrando que este deve ser o nome enviado pelo ERP em um dos conectores (XML ou Banco de Dados), e após clique em "Configure Printer" para selecionar a impressora que está instalada no computador ou conectada a rede: 119

120 Tela 109 Configurando uma impressora no GNFePrinterSetup Após selecionar a impressora, é possível ajustar algumas configurações apresentadas na tela Form Configuration, como configurar a tela de confirmação (Show printer dialog), comando de ejeção da página e OffSet, caso não seja necessário mudar estas propriedades, clique em OK. 120

121 Tela 110 Detalhes da configuração do GNFePrinterSetup Veja que agora aparece a impressora configurada na lista de impressoras e caso não seja necessário vincular outra impressora, basta clicar em OK. 121

122 Tela 111 Lista de Impressoras Configuradas 14.3 Configurando os parâmetros gerais do GNF-e Para a impressão automática no GNFe.exe também será necessário alterar o cadastro de parâmetros gerais no campo Modo de Impressão: Automático ou Manual. 122

123 Tela 112 Modo de Impressão Neste campo tem duas possibilidades de configuração: Automático e Manual. O valor Automático só deve ser utilizado caso o ERP envie para o conector o atributo correspondente ao nome da impressora (CbdUsuImpPadrao - Conector Banco de Dados e UsuImpPadrao - Conector XML). Caso selecione o valor Manual, o GNF-e entende que a impressão será feita de forma manual pelo painel principal, mesmo que a impressora seja enviada pelo ERP. 123

124 15 VALIDAÇÃO DO PROTOCOLO (STATUS) DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Eventualmente o usuário pode desejar consultar o protocolo (status) de uma NF-e na SEFAZ. O permite ao usuário através dos "Detalhes da Nota" verificar a situação, sem a necessidade de visitar os sites do portal NF-e ou SEFAZ origem. Nesta consulta podem ocorrer divergências de status e, se por motivo estas ocorrerem, o GNF-e permite ao usuário tomar uma ação no mesmo momento que esta seja identificada. Para consultar o protocolo de uma Nota Fiscal Eletrônica devem ser seguidos os seguintes passos: 15.1 Abrir a tela de detalhes da NF-e Tela 113 Detalhes da Nota Fiscal Eletrônica 124

125 Veja que dentro do grupo EMISSÃO existe um botão com o nome "Consultar Status", ao clicar o gerenciador faz comunicação com a SEFAZ pelo WebService NFeConsultaProtocolo enviando a chave de acesso da Nota Fiscal Eletrônica. Tela 114 Consultando o protocolo da Nota Fiscal na SEFAZ Verificar o resultado do Consulta Protocolo Tela 115 Validando o retorno da SEFAZ 125

126 Na tela acima vemos um exemplo do resultado desta consulta mostrando que a NF-e dentro do SEFAZ está autorizada, porém dentro do GNF-e ela encontra-se pendente. Ao lado esquerdo do retorno, existe um questionamento (O que você deseja fazer?) para o usuário tomar uma ação (que por padrão exibe "Nenhuma Ação"). Esta ação poderá atualizar tanto o GNF-e quanto a SEFAZ Ações possíveis na consulta de protocolo Tela 116 Ação possível na consulta protocolo As ações desta seletora permitem ao usuário as seguintes situações: Nenhuma Ação - O gerenciador mantém o status atual da nota devido este não ser divergente, sem a necessidade de efetuar nenhuma modificação no status da NF-e. Atualizar o GNF-e - O gerenciador toma por ação trocar o status da NF-e dentro do gerenciador conforme o status consultado na SEFAZ. Atualizar SEFAZ - O gerenciador toma por ação trocar o status da NF-e para "Não Processado", isto significa re-enviar para o SEFAZ as informações cabíveis a situação do gerenciador (exemplo: se estiver Efetivada com status Processada e a nota no SEFAZ está com status Inexistente na Base de Dados do SEFAZ, o gerenciador irá deixá-la como Pendente - Não processada para enviála a SEFAZ, e retornará a informação ao ERP). Observações: As ações podem variar de acordo com o status que retornar do SEFAZ, se a NF-e estiver Efetivada no gerenciador e seu status retornar 100-Autorizado Uso da NF- 126

127 e, Cancelamento de Nota Fiscal Homologado ou Uso Denegado, a única ação disponível será "Nenhuma Ação". 127

128 16 PROCESSO DE ATUALIZAÇÃO DO GNF-E DESKTOP EDITION O GNF-e permite ao usuário a possibilidade de atualizar a base de dados e todos os programas de inicialização de atributos e tabelas de forma automática. Para os usuários que estão nas versões posteriores a 1.7 o GNF-e irá efetuar todos os processos de atualização sem a necessidade de instalar uma a uma das versões posteriores até a mais atual. O em sua inicialização verifica sempre se foi instalada uma versão atualizada e quando isso ocorre aparece uma mensagem para confirmar se o usuário deseja efetuar sua atualização: Tela 117 Confirmação da necessidade de atualização Ao clicar em "Yes" o gerenciador abrirá uma tela mostrando os passos que ele está executando, e caso a reorganização do Banco de Dados seja necessário abrirá a seguinte mensagem: 128

129 Tela 118 Confirmação da reorganização Ao confirmar esta mensagem o gerenciador irá inicializar os processos de reorganização do Banco de Dados, lembre-se de fazer backup antes de confirmar esta mensagem. Caso existam versões anteriores antes da versão que é necessário reorganizar, o gerenciador atualiza-a e logo após passa para a versão posterior. Ao identificar uma reorganização o processo de execução é aberto: 129

130 Tela 119 Reorganização do banco de dados de uma versão Neste momento clique em Executar para permitir ao gerenciador atualizar o Banco de Dados. Após o processo de reorganização ocorrer, basta clicar em Fechar. exibida: Se não existir mais nenhuma outra versão do gerenciador, a seguinte tela será 130

131 Tela 120 Atualização dos Reorgs Nesta tela podemos ver que o gerenciador atualizou com sucesso a versão, caso existam versões anteriores a esta os itens da versão serão mostrados nesta tela, basta clicar no botão Fechar para seguir o processo. Tela 121 Finalizando Atualização da versão Após todos os processos finalizarem, o gerenciador automaticamente carrega a tela de login, confirmando assim que todo o processo de atualização ocorreu com sucesso. 131

132 Tela 122 Tela de LOGIN 132

133 17 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES O espaço dos Dados Adicionais, no final do DANFE, é destinado à impressão das Informações Adicionais de Interesse do Fisco e Informações Complementares de interesse do Contribuinte. O GNF-e faz automaticamente a quebra de linhas referente a esses campos e também das Informações Adicionais do Produto, dentro do quadro Dados do Produto/Serviço. Caso o usuário deseje fazer uma quebra manualmente, o GNF-e permite que o ERP insira um caractere específico, como o (PIPE) após o texto de cada linha, identificando o pulo (ENTER) para a próxima linha. 133

134 18 DANFE ESPECÍFICO PARA MEDICAMENTOS O GNF-e tem a possibilidade de imprimir mais colunas extras para medicamentos no DANFE. Neste caso basta informar o valor 2 (medicamentos) no atributo UsuModDanfe (conector XML) ou CbdUsuModDanfe (conector Banco de Dados), que no momento da impressão serão impressos dados relevantes aos medicamentos (Nro do Lote, data de fabricação e PMC). Deverá ser verificada no manual de integração dos conectores a posição correta do atributo necessário para ser informado. Tela 123 Exemplo das Colunas Medicamentos 134

135 19 MANUTENÇÃO DE NF-E É aceitável realizar a manutenção de uma nota, evitando acessar o Banco de Dados. Esse procedimento pode ser feito através da aba Manutenção que está localizada na tela WNFE010 (A tela se abrirá ao clicar em detalhes da nota) do GNF-e. Tela 124 Detalhes da Nota Fiscal Eletrônica Quando for necessária a manutenção do status, esta aba Manutenção será utilizada pelo Suporte GNF-e. Para tanto, o usuário irá fornecer uma senha para que a equipe de suporte, através de uma contra-senha, faça as devidas correções. 135

136 Tela 125 Receber senha e gerar contra-senha 136

137 20 SISTEMA DE CONTINGÊNCIA ELETRÔNICA DPEC O modelo de Contingência Eletrônica foi idealizado como alternativa que permita a dispensa do uso do formulário de segurança para impressão do DANFE e a não alteração da série e numeração da NF-e emitida em contingência. Esta modalidade de contingência é baseada no conceito de Declaração Prévia de Emissão em Contingência DPEC, que contém as principais informações da NF-e que serão emitidas em contingência, que será prestada pelo emissor para SEFAZ. A Declaração Prévia de Contingência Eletrônica DPEC é uma alternativa para que a empresa não tenha que interromper a emissão de notas fiscais por motivos de indisponibilidade dos Web Services, ou problemas de comunicação internos. Assim, é possível a geração do arquivo no formato DPEC, contendo o resumo da nota fiscal, e após isso Upload do arquivo no site da SEFAZ através de um computador com conexão com a internet. Depois do Upload do arquivo junto ao site da SEFAZ, é necessária a importação do arquivo de retorno para o, para que seja possível a impressão do DANFE. Após a cessação dos problemas, a nota deve ser enviada normalmente a SEFAZ do emitente Como trabalhar com o utilizando o DPEC Inicialmente deve-se configurar o para que trabalhe com o modo de contingência DPEC. Para isso é necessário entrar no GNF-e, abrir a tela de Parâmetros Gerais, guia contingência, Setar ação Usuário (para haver a ação do usuário) e Tipo DPEC (para o sistema adotar o modelo de contingência DPEC). O modo de contingência DPEC não pode ser utilizado com ação automática, pois é necessária a interação constante do usuário com o sistema. 137

138 Tela 126 Parâmetros Gerais Contingência Se a opção de DPEC estiver configurada no GNF-e como imagem acima, a empresa poderá utilizar o modo de contingência DPEC quando emitidas notas pelo GNFeIntegrador e não existir comunicação com a SEFAZ.. É importante ressaltar que só é possível emitir notas fiscais no modo de contingência pelo GNFeIntegrador. Em seguida é demonstrada a emissão de notas em Contingência através do GNF-e Desktop Edition. 138

139 Tela 127 Tela Inicial do DPEC Para ser gerado o arquivo de DPEC é necessário selecionar um diretório e informar um nome para salvar o arquivo de DPEC, o qual é gerado automaticamente pelo GNF-e. Recomenda-se a criação de uma pasta padrão para armazenamento dos arquivos gerados no formato DPEC, que posteriormente devem ser enviados a SEFAZ através dos Upload dos arquivos na respectiva URL. Caso seja marcada a opção Abrir browser para Upload do arquivo DPEC, o sistema automaticamente irá abrir a página da SEFAZ para Upload do arquivo (desde que exista conexão com a internet). Na tela 128 selecionou-se o diretório C:\Migrate\DPEC e após aplicou-se o nome NFE.xml, posteriormente se realizará o Upload deste arquivo no site da SEFAZ. 139

140 Tela 128 Salvar arquivo DPEC Após selecionar o local e informar o nome do arquivo, segue o processo onde é necessário gerar o XML de DPEC, através do botão Gerar. Caso seja clicado no botão Cancelar, o processo será abortado e a nota ficará como pendente e não processada. Tela 129 Após arquivo informado deve gerar o DPEC Aplicando um clique sobre o botão Gerar o arquivo é gerado com sucesso se estiver conforme exigências da SEFAZ, o mesmo é criado no diretório específico escolhido anteriormente e a mensagem de geração é exibida na tela. 140

141 Tela 130 DPEC gerado com sucesso no diretório selecionado Após o arquivo gerado com sucesso é informado ao usuário que o Processo da NF-e está Paralisado Momentaneamente, devido a SEFAZ estar sem comunicação, ou Paralisado sem Previsão, conforme o caso. Tela 131 Processo da NF-e com Status 108 Depois de finalizado o processo de gerar o arquivo de DPEC no GNF-e Desktop Edition, é necessário que o usuário se desloque a um local com acesso a Internet (caso 141

142 exista problemas de comunicação internos da empresa) para acessar a SEFAZ pelo link https://www.nfe.fazenda.gov.br/portal/dpec/uploaddpec.aspx o qual será possível levar o arquivo em um dispositivo móvel para poder importar o arquivo da NF-e salvo no diretório selecionado pelo usuário. Caso haja a indisponibilidade dos Web Services da SEFAZ e existir comunicação da empresa com a internet, poderá ser marcada a opção para abrir o site da SEFAZ e realizar-se o Upload do arquivo. Quando o site da Secretaria da Fazenda for acessado, deve-se abrir a guia de DPEC Upload DPEC e importar o arquivo. Tela 132 Página de importação da NF-e em contingência Na tela 133 é apresentado o arquivo, depois de selecionado deve-se abrir para inserir no sistema da SEFAZ. 142

143 Tela 133 Busca pelo arquivo gerado no momento do DPEC Tela 134 Confirmando importação da NF-e 143

144 Após o arquivo ser inserido no site da SEFAZ e confirmado, será gerado um hiperlink de retorno, o qual deve ser aberto e salvo para posteriormente ser importado no e imprimir o DANFE. Tela 135 Arquivo de retorno da SEFAZ Tela 136 Salvando o arquivo gerado da exportação 144

145 Tela 137 Adicione o local para salvar o arquivo XML de retorno Após ser salvo o arquivo de retorno do site da SEFAZ, como demonstrado anteriormente, é necessário a importação do mesmo para o permitir a impressão do DANFE (caso o retorno não demonstre nenhum tipo de inconsistência no arquivo). Para fazer a importação do arquivo, deve-se acessar o menu Processos e em seguida a opção Importar Retorno DPEC. Tela 138 Importando o arquivo de retorno do DPEC 145

146 O exibirá então a seguinte tela para que o usuário faça a importação do arquivo de retorno DPEC: Tela 139 Selecionando destino do arquivo de retorno do DPEC Tela 140 Imprimindo o DANFE de retorno do DPEC Ao clicar no botão importar o irá validar o arquivo de retorno verificando se não existe nenhum problema. Caso o retorno seja positivo será oferecida a opção para impressão do DANFE, a nota passará para o estado de Contingência em Processamento e ficará com o status do SEFAZ igual a 124 (DPEC recebido pelo sistema de contingência Eletrônico). Caso o arquivo de retorno apresente algum problema, a opção de imprimir o DANFE não será permitida e a nota ficará com estado de 146

147 Contingência Aguardando, o sistema ainda apresentará o erro ao usuário, e irá registrar o mesmo no LOG. A impressão dos DANFE das NF-e que constam da DPEC enviado ao SCE deverá ser em papel comum, constando no corpo a expressão DANFE impresso em contingência - DPEC regularmente recebida pela Receita Federal do Brasil (o GNF-e imprime automaticamente), tendo as vias a seguinte destinação: I - uma das vias permitirá o trânsito das mercadorias e deverá ser mantida em arquivo pelo destinatário pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda de documentos fiscais; II - outra via deverá ser mantida em arquivo pelo emitente pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda dos documentos fiscais. Após a cessação dos problemas técnicos que impediam a transmissão da NF-e para UF de origem, deve-se: transmitir as NF-e emitidas em Contingência Eletrônica para a SEFAZ de origem, observando o prazo limite de transmissão na legislação; tratar as NFe transmitidas por ocasião da ocorrência dos problemas técnicos que estão pendentes de retorno. Poderão ser normalmente pelo GNF-e Tarefas, caso estiver programado para ser executado. Do contrário, o ERP poderá chamar o envio novamente, passando os parâmetros, para o GNF-e Integrador ou então, acessar o gerenciador das NF-e e clicar em enviar todas. Além disso, o emissor de NF-e deve lembrar que de lavrar termo circunstanciado no livro Registro de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência RUDFTO, modelo 6, para registro da contingência, informando: I - o motivo da entrada em contingência; II - a data, hora com minutos e segundos do seu início e seu término; III - a numeração e série da primeira e da última NF-e geradas neste período; IV identificar a modalidade de contingência utilizada. 147

148 21 CONTINGÊNCIA EM FS-DA Este procedimento de contingência será adotado pelos emissores que adquirirem o Formulário de Segurança para impressão de Documento Auxiliar de Documento Fiscal FS-DA, e substitui a contingência com o uso do formulário de segurança. O FS-DA é um modelo operacional similar ao modelo operacional da contingência com uso de Formulário de Segurança FS, a única diferença é a substituição do FS pelo FS-DA. Pelo GNF-e, não é mais possível ser impresso um DANFE em contingência no antigo modelo, pois já está adaptado para somente o uso do FS-DA, o qual foi criado para aumentar a capilaridade dos pontos de venda do Formulário de Segurança com a criação da figura do estabelecimento distribuidor do FS-DA que poderá adquirir FS-DA dos fabricantes para distribuir para os emissores de NF-e de sua região. Abaixo constam as imagens do FS-DA. Tela 141 Exemplo de FS-DA Modo Paisagem 148

149 Tela 142 Exemplo de FS-DA Modo Retrato Sendo identificada a existência de qualquer fator que prejudique ou impossibilite a transmissão das NF-e e/ou obtenção da autorização de uso da SEFAZ, a empresa pode acionar a Contingência com FS-DA, através do processo similar ao DPEC, selecionando nos parâmetros a escolha pelo formulário e o tipo de ação que será tomada (Automático ou Usuário). Conforme a SEFAZ, para esta contingência também deve ser observado algumas providências, como imprimir o DANFE em pelo menos duas vias do FS-DA constando no corpo a expressão DANFE em Contingência - impresso em decorrência de problemas técnicos (GNF-e fará automaticamente esta impressão), tendo as vias a seguinte destinação: 149

150 I - uma das vias permitirá o trânsito das mercadorias e deverá ser mantida em arquivo pelo destinatário pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda de documentos fiscais; II - outra via deverá ser mantida em arquivo pelo emitente pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda dos documentos fiscais. O emissor também deverá lavrar termo circunstanciado no livro Registro de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência RUDFTO, modelo 6, para registro da contingência, informando: I - o motivo da entrada em contingência; II - a data, hora com minutos e segundos do seu início e seu término; III - a numeração e série da primeira e da última NF-e geradas neste período; IV identificar a modalidade de contingência utilizada. Além disso, transmitir as NF-e imediatamente após a cessação dos problemas técnicos que impediam a transmissão da NF-e, observando o prazo limite de transmissão na legislação; e, tratar as NF-e transmitidas por ocasião da ocorrência dos problemas técnicos que estão pendentes de retorno. 150

151 22 TROCA DE ESQUEMA AUTOMATICAMENTE A troca de ambiente do GNF-e serve para migrar de Homologação para Produção automaticamente, sendo que a partir daí, toda Nota Fiscal Eletrônica enviada para a SEFAZ passará a ter validade jurídica, pois os WebServices são diferentes. Deve-se alterar em Ferramentas Registro do Sistema o tipo Ambiente de Homologação para Produção e, desta forma, o vai cadastrar todas as informações que estavam em Homologação para Produção. Através desse processo, os registros de NF-e estarão sendo removidos dos diretórios. Portanto, é necessário realizar um backup do e do banco de dados. As imagens a seguir apresentam os passos de como efetuar a troca de ambiente sem ser necessária uma nova instalação do. Tela 143 Registro do Sistema 151

152 Quando a empresa estiver em homologação e o período acabou deve-se começar a emitir em Produção, conforme obrigatoriedades instituídas pela SEFAZ. As configurações para mudança de Esquemas e Web Services podem ser realizadas automaticamente, solicitando a licença em produção. Tela 144 Confirmação de alteração do Ambiente (Licença) Conforme tela 144, será apresentada uma mensagem ao usuário de confirmação do processo. Se o desejo for realmente alterar o Esquema deverá clicar em Yes, confirmando a alteração da licença de uso. O GNF-e ainda apresenta novamente uma mensagem para informar ao usuário o que deve estar realizando antes do processo de troca, como fazer backup das NF-es em homologação, se assim achar necessário. 152

153 Tela 145 Confirmação de alteração do Ambiente (Esquema) Após a confirmação da operação de troca de ambiente de Homologação para Produção é mostrado o script de alterações realizadas no processo. Tela 146 Mudando para Ambiente de Produção 153

154 Quando os scripts forem finalizados, mostrará que a troca de ambiente foi realizada com sucesso. Tela 147 Troca de ambiente realizada com sucesso 154

155 23 NF-E ENTRADA O fluxo do processo ocorre quando a empresa cadastrada no GNF-e recebe a NFe de entrada de um fornecedor, importa para o GNF-e através do GNFeTarefas ou do Menu Processos Importar NF-e Entrada. No processo de importação o GNF-e verifica se o CNPJ do destinatário da NF-e é o mesmo da empresa cadastrada no sistema e faz a consulta da nota junto a SEFAZ do emitente. Se o layout da nota estiver correto, a nota será importada independente de sua situação na SEFAZ do emitente, cabendo a empresa que está importando a nota à responsabilidade de confirmar a validade da NF-e junto a SEFAZ. Se o resultado da consulta do status da nota junto a SEFAZ for diferente de 100 (Autorizado o uso da NF-e) o GNF-e enviará um aos responsáveis do sistema informando o ocorrido. Os dados das notas ficarão armazenados nas tabelas de entrada do GNF-e. Tela 148 NF-e de Entrada Consulta O GNF-e irá apresentar todas as Notas Fiscais de entrada no acesso ao menu Consultas NF-e de Entrada. Poderá ser feito o filtro por empresa, por NF-e, por data de inclusão ou pelos dados do fornecedor, como CNPJ ou Nome. 155

156 O usuário ainda tem possibilidade de visualizar os Detalhes da NFe. Tela 149 Detalhes das NFs de entrada O GNF-e irá apresentar os dados da NF-e, dados do emitente, destinatário, Produtos/Serviços, Totais, Transporte, Cobrança e Informações Adicionais que tenham a nota selecionada na grade de relação. É importante frisar que na aba NFe o usuário poderá visualizar o Retorno da SEFAZ, como status e descrição Monitoramento de conta de para download de arquivos Para a NF-e de Entrada, o GNF-e proporciona a opção de configurar uma conta de própria para as notas que a empresa recebe de seus fornecedores (NF-e de Entrada), onde o GNF-e irá monitorar esta conta e fazer o download dos arquivos anexos ao automaticamente através do protocolo POP3. Para isso é necessário o cadastro dos dados da conta de e de um diretório onde serão salvos os arquivos baixados do . A fim de configurar esta conta, o usuário deverá acessar o menu Cadastros Empresas NF-e de Entrada (tela 150). O download dos arquivos da conta de 156

157 configurada será feito pelo executável GNF-e Listener que poderá ser agendado como tarefa do Windows, por exemplo, com objetivo de fazer o download dos arquivos do pelo tempo determinado. Tela 150 NF-e de Entrada É aconselhável que a empresa crie uma conta de dedicada apenas ao recebimento de NF-es de seus fornecedores, para que seja feito o download de apenas arquivos XML válidos Importação manual de NF-e de Entrada Através do menu Processos Importação de NF-e Entrada, o usuário irá selecionar a NF-e para importação ou o diretório com as NF-e à serem importadas, desta forma o vai verificar se o CNPJ do destinatário da nota é o mesmo da empresa cadastrada no sistema e se o layout do XML é válido, e irá importar a nota para as tabelas de entrada. 157

158 Tela 151 Seleciona nota fiscal de Entrada Selecionando a empresa, optando por qual seleção deseja utilizar Seleção de Arquivo ou Seleção de Diretório, e indicando qual o arquivo da NF-e ou o diretório de NF-es que deseja importar é necessário clicar sobre o botão IMPORTAR. Após a validação é exibida a mensagem se NF-e importada com sucesso e desta forma o GNF-e grava a mesma dentro de uma pasta PROC que será criada automaticamente pelo GNF-e dentro do diretório escolhido no cadastro de empresas onde serão armazenadas as NF-e processadas. 158

159 Tela 152 Mensagem de sucesso O diretório citado acima referente às notas de entrada deverá ser criado conforme preferência do usuário. Abaixo segue a imagem de um exemplo. 159

160 Tela 153 NF-e Entrada Diretório Caso a NF-e de entrada escolhida para importação estiver com problemas (tela 154), o GNF-e grava o processo de erros ocorridos no LOG do sistema, e armazena a NF-e na pasta Proc, mas com uma nomenclatura de erros, exemplo: NFe.xml-ERR. 160

161 Tela 154 Mensagem de problema 23.3 Importação automática de NF-e de Entrada Para as NF-e de Entrada pode-se configurar para que o GNF-e monitore uma conta de através do GNFeListener. Este monitoramento fará o download dos anexos dos s que serão armazenados em um diretório específico (este diretório pode ser configurado para cada empresa) ou nos parâmetros gerais. A importação automática das notas de entrada para o GNF-e é feita através da execução do GNF-e Tarefas, o qual irá ler todos os arquivos presentes na pasta de entrada e importar todas as notas válidas, transferindo os arquivos para uma pasta PROC criada dentro do diretório onde se localizam as notas de entrada. Caso haja erros, os mesmos serão gravados no log e será enviado aos responsáveis contendo as informações pertinentes. Caso os arquivos presentes no diretório tenham o layout válido serão importados para as tabelas de entrada e poderão ser visualizados na tela de consulta de NF-e de entrada. 161

162 Além de poder habilitar o monitoramento da conta de também é possível que a empresa grave manualmente os arquivos XML das NF-es recebidas no mesmo diretório. Isso também fará com que o GNF-e Tarefas processe as notas. 162

163 24 REUTILIZAÇÃO DE NF-E O possibilita em situações de rejeição da NF-e, poder reutilizar o número da mesma. Somente não pode ser reutilizado quando é a NF-e for Denegada. Nota! A reutilização de uma nota rejeitada é legal somente no mesmo dia, no dia seguinte deve ser inutilizada, caso ainda não foi autorizada. Para haver a possibilidade de reutilização deve-se selecionar nos Parâmetros Gerais, na Aba Geral, a opção Reaproveita Número: Sim Tela 155 Reaproveitar Número de NF-e Rejeitado Quando no a opção de Reaproveita Número estiver selecionada para Sim, o reenvio da NF-e com mesmo número poderá ser realizado, como processo a seguir demonstra emissão de uma NF-e com falha de assinatura. 163

164 Tela 156 NF-e Rejeitada e Não Processada Devido à ausência do elemento Código do Município de Ocorrência do Fato Gerador (cmunfg), a NF-e de empresa 1, número 58 e série 90 foi rejeitada e não processou, pois o GNF-e estava configurado para reaproveitar a numeração. Caso contrário (se estivesse como NÃO reaproveita número) a mesma seria inutilizada. Tela 157 NF-e com falha no schema 164

165 A mensagem acima será exibida ao usuário no momento do envio. Quando ocorrido erro em uma NF-e o mesmo é apresentado na tela de Consulta LOG, para que o usuário emissor possa verificar o erro e corrigir a mesma para um reenvio. Neste caso da nota 58, o erro estava no código do município. Tela 158 Falha na Assinatura Nessas condições, o ERP poderá tratar o erro apresentado pelo GNF-e, corrigir a falha e reenviar a nota com a mesma numeração. 165

166 Tela 159 NF-e Efetivada e Processada Após as correções efetuadas a NF-e 58 foi reenviada pelo ERP e a mesma efetivada e processada contendo seus dados na base de dados da SEFAZ. 166

167 25 NOTIFICAÇÕES DE NF-E PARA RESPONSÁVEIS Quando no processo de envio de NF-e ocorrer qualquer falha, tais como: não envio de ao destinatário, NF-e inutilizada por erro (quando o GNF-e não estiver configurado para reaproveitar numeração), falha no cancelamento de uma NF-e ou NF-e denegada, o responsável cadastrado no GNF-e receberá um contendo a informação da falha. Para isto ocorrer, deverá ser preenchido no cadastro de empresas o(s) (s) correspondente. Tela 160 Cadastro de Empresa responsáveis Também é possível adicionar os responsáveis em Parâmetros Gerais , conforme tela 160 e 161, no caso de uma única empresa cadastrada no GNF-e. É possível adicionar mais de um como responsável, separando por ; ponto e vírgula e sem espaços. 167

168 Na notificação encaminhada por aos responsáveis é contido o relatório de erros ocorridos com a NF-e. Tela 161 Parâmetros Gerais dos Responsáveis 168

169 26 LAYOUT SITUAÇÃO E PROCESSAMENTO NF-E O GNF-e possui um layout modificado para cada Situação e Processamento da NF-e. Através da imagem (acionada quando o usuário clica sobre a imagem da situação), o usuário poderá identificar de forma mais clara a situação atual da NF-e, como nos exemplos: Tela 162 Efetivado Processado Tela 163 Inutilizado Processado 169

170 Tela 164 Inutilizado Aguardando Tela 165 Cancelado Processado Tela 166 Contingência Aguardando 170

171 Tela 167 Contingência Em Processamento Tela 168 Pendente Não Processado Tela 169 Pendente Em Processamento 171

172 Tela 170 Pendente Aguardando Tela 171 Denegado Processado 172

173 27 CONSULTA CADASTRO DE EMPRESAS Este novo serviço possibilita ao ERP importar da Receita Federal as informações de cadastro de empresas. Foi implementado este serviço para facilitar aos clientes o cadastro de empresas em seus ERPs. O serviço de Consulta Cadastro vai poder ser utilizado pelo ERP no momento em que o usuário necessite cadastrar um cliente, fornecedor, entre outros. Basta realizar uma chamada ao GNFeIntegrador.exe passando por parâmetro os filtros. O GNF-e fará a consulta na Receita Federal e irá gerar um XML de retorno, conforme diretório de saída informado nos parâmetros gerais, onde o ERP poderá efetuar a leitura do mesmo. Segue abaixo um exemplo de como utilizar o serviço: Executar a chamada ao GNFeIntegrador.exe com os seguintes parâmetros: <empresa> <Tipo de Argumento (1-IE, 2-CPF, 3-CNPJ)> <Argumento de Pesquisa (IE, CPF ou CNPJ)> <UF do Pesquisado> P Exemplo: GNFeIntegrador.exe RS P Tela 172 Consulta Cadastro de Empresa O resultado desta operação será um arquivo XML contendo as informações do CNPJ pesquisado. 173

174 28 VERIFICA SERVIÇO DA SEFAZ O disponibiliza um executável para verificar a situação dos serviços WebServices da SEFAZ, para que o ERP possa chamá-lo com o objetivo de efetuar a consulta. Assim, deve ser executado o GNFeStatusServico com o código da empresa, caminho do arquivo de retorno e nome de um arquivo XML. Após execução, o GNF-e modifica o arquivo, atualizando para o novo status da SEFAZ. Este arquivo pode ter um nome significativo para que o GNF-e salve as informações de consulta nele. Exemplo: Tela 173 Configuração de Impressora 174

175 29 IMPRESSÃO DO DANFE EM CONTINGÊNCIA É possível que o ERP informe também uma nova impressora para quando a NF-e entrar em contingência. Desta forma foi criado o campo UsuImpCont (Conector XML e TXT) e CbdUsuImpCont (Conector Banco de Dados). Efetuando o preenchimento deste campo quando o GNF-e detectar que a nota será impressa em contingência será lido os dados do campo UsuImpCont, sendo assim as empresas podem ter uma impressora preparada com o papel moeda, o qual é adequado para ser impresso uma NF-e em modo Contingência. Tela 174 Configuração de Impressora 175

176 30 GNF-E TAREFAS POR EMPRESA No GNF-e Tarefas foi implantado o envio de NF-e por empresa, sendo feito a passagens de parâmetros das empresas para a execução. Passar intervalo de empresas para execução do GNF-e Tarefas. Ex: GNFeTarefas.exe 1-9, sendo este intervalo todas as notas pendentes serão enviadas, também é possível passar somente da empresa desejada, como exemplo, GNFeTarefas.exe 1;3;4. Tela 175 GNF-e Tarefas por empresa Quando a NF-e estiver em contingência e depois voltar o serviço e mesma for enviada e processada será encaminhado um para os responsáveis informando o ocorrido. Para as empresas que precisam enviar todas as NF-e pelo GNF-e Tarefas, agora será possível enviar pelo GNFeTarefas as NF-e em Contingência, desta forma quando estiver sem comunicação as notas poderão ser enviadas pelo GNF-e Tarefas, ficando com status de contingência. Se existir impressora configurada será impresso o DANFE na impressora específica escolhida. 176

177 31 PREENCHIMENTO DE NF-E EMITIDA POR CONTRIBUINTES DO SIMPLES NACIONAL Conforme Nota Técnica 2009/004 da SEFAZ, a qual divulga orientações de preenchimento da NF-e que trata de emissores do Simples Nacional, são recomendações para o preenchimento da NF-e por ME/EPP. 1) Grupo de tributos de PIS Informar o valor 99 ( outras operações ) no campo CST. Exemplo de XML: <PIS> <CST_pis>99</CST_pis> <vbc_pis>0.00</vbc_pis> <ppis>0.00</ppis> <vpis>0.00</vpis> <qbcprod_pis>0.0000</qbcprod_pis> <valiqprod_pis>0.0000</valiqprod_pis> </PIS> 2) Grupo de tributos de COFINS Informar o valor 99 ( outras operações ) no campo CST. Exemplo de XML: <COFINS> <CST_cofins>99</CST_cofins> <vbc_cofins>0.00</vbc_cofins> <pcofins>0.00</pcofins> <vcofins>0.00</vcofins> <qbcprod_cofins>0.0000</qbcprod_cofins> <valiqprod_cofins>0.0000</valiqprod_cofins> </COFINS> 3) Grupo de tributos de ICMS (Normal ou ST) 3.1) Operações normais 3.1.1) Emissão de NF-e em operação tributada normalmente pelo Simples Nacional e com permissão de crédito de ICMS (art. 2º-A da Resolução CGSN nº 10/2007): 177

178 ) Informar o valor 41 ( não tributada ) no campo CST. Exemplo de XML de operação normal: <ICMS> <orig>? </orig> (? = informar a origem da mercadoria: 0, 1 ou 2) <CST>41</CST> </ICMS> ) Indicar, no campo de Informações Complementares, as expressões: DOCUMENTO EMITIDO POR ME OU EPP OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL ; NÃO GERA DIREITO A CRÉDITO FISCAL DE IPI.. Obs.: Na NF-e relativa à operação não enquadrada em qualquer das hipóteses previstas no art. 2º-B da Resolução CGSN nº 10/2007, além das expressões anteriores deverá ser indicada também a expressão: PERMITE O APROVEITAMENTO DO CRÉDITO DE ICMS NO VALOR DE R$...; CORRESPONDENTE À ALÍQUOTA DE...%, NOS TERMOS DO ART. 23 DA LC 123/2006 (devem ser indicados, nos respectivos espaços, o valor do ICMS e a alíquota utilizada no cálculo) ) Sem permissão de crédito de ICMS (art. 2º-B da Resolução CGSN nº 10/2007): ) Informar o valor 41 ( não tributada ) no campo CST. Exemplo de XML de operação normal: <ICMS> <orig>? </orig> (? = informar a origem da mercadoria: 0, 1 ou 2) <CST>41</CST> </ICMS> ) Indicar, no campo de Informações Complementares, as expressões: DOCUMENTO EMITIDO POR ME OU EPP OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL"; NÃO GERA DIREITO A CRÉDITO FISCAL DE IPI. ; 3.2) Operações com substituição tributária 3.2.1) NF-e emitida por contribuinte na condição de substituto tributário (art. 2º, 4º, da Resolução CGSN nº 10/2007): ) Informar o valor 30 ( isenta ou não tributada e com cobrança do ICMS por substituição tributária ) no campo CST. Exemplo de XML de operação com substituição tributária: 178

179 <ICMS> <orig>? </orig> (? = informar a origem da mercadoria: 0, 1 ou 2) <CST>30</CST> <modbcst>? </modbcst> (? = informar a modalidade) <vbcst>? </vbcst> (? = informar o valor) <picmsst>? </picmsst> (? = informar a alíquota) <Vicmsst_icms>? </vicmsst_icms> (? = informar o valor) </ICMS> ) Indicar, no campo de Informações Complementares, as expressões: DOCUMENTO EMITIDO POR ME OU EPP OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL ; NÃO GERA DIREITO A CRÉDITO FISCAL DE IPI.. Obs.: Na NF-e relativa à operação não enquadrada em qualquer das hipóteses previstas no art. 2º-B da Resolução CGSN nº 10/2007, além das expressões anteriores, deverá ser indicada também a expressão: PERMITE O APROVEITAMENTO DO CRÉDITO DE ICMS NO VALOR DE R$...; CORRESPONDENTE À ALÍQUOTA DE...%, NOS TERMOS DO ART. 23 DA LC 123/2006 (devem ser indicados, nos respectivos espaços, o valor do ICMS e a alíquota utilizada no cálculo) ) NF-e emitida por contribuinte substituído ou nas operações em que o imposto já tenha sido retido anteriormente: ) Informar o valor 60 ( ICMS cobrado anteriormente por substituição tributária ) no campo CST: Exemplo de XML de operação com substituição tributária: <ICMS> <orig>? </orig> (? = informar a origem da mercadoria: 0, 1 ou 2) <CST>60</CST> <vbcst>? </vbcst> (? = informar o valor) <vicmsst_icms>? </vicmsst_icms> (? = informar o valor) </ICMS> ) Indicar, no campo de Informações Complementares, as expressões: DOCUMENTO EMITIDO POR ME OU EPP OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL ; NÃO GERA DIREITO A CRÉDITO FISCAL DE IPI. ; 3.3) Emissão de NF-e na devolução de mercadorias para contribuinte não optante pelo Simples Nacional (art. 2º, 5º, da Resolução CGSN nº 10/2007): 3.3.1) Informar o valor 41 ( não tributada ) no campo CST. 179

180 Exemplo de XML de operação normal: <ICMS> <orig>? </orig> (? = informar a origem da mercadoria: 0, 1 ou 2) <CST>41</CST> </ICMS> 3.3.2) Indicar, no campo de Informações Complementares, a base de cálculo, o imposto destacado e o número da Nota Fiscal referente à aquisição da mercadoria devolvida, além das mensagens: DOCUMENTO EMITIDO POR ME OU EPP OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL ; NÃO GERA DIREITO A CRÉDITO FISCAL DE IPI. ; 3.4) Emissão de NF-e por estabelecimento impedido de recolher o ICMS por ultrapassagem do sublimite estadual de receita (art. 2º, 2º-A, da Resolução CGSN nº 10/2007): 3.4.1) os campos de CST deverão ser preenchidos como se o emitente não fosse optante pelo Simples Nacional, isto é, com os códigos aplicáveis à operação (00, 10, 20, 30, 40, 41, 50, 51, 60, 70 ou 90, conforme o caso) e o preenchimento dos demais campos pertinentes; 3.4.2) Indicar, no campo de Informações Complementares, as expressões: DOCUMENTO EMITIDO POR ME OU EPP OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL ; ESTABELECIMENTO IMPEDIDO DE RECOLHER O ICMS/ISS PELO SIMPLES NACIONAL, NOS TERMOS DO 1º DO ART. 20 DA LC 123/2006 ; NÃO GERA DIREITO A CRÉDITO FISCAL DE IPI. A Nota Técnica descrita acima pode ser encontrada no endereço: %20SIMPLES%20NACIONAL.pdf 180

181 32 GNF-E EXPORTADOR O contêm um executável Exportador.exe o qual pode ser utilizado para efetuar a exportação de todas as NF-e emitidas num determinado período, com intuito de enviar as NF-e a contabilidade. A chamada ao Exportador deve partir de dentro do diretório do GNF-e, em seguida é necessário inserir o código da empresa como exemplo abaixo 1, informar a data dos arquivos que deseja exportar aos contadores como 01/09/09 a 30/09/09, informar o diretório que os arquivos vão ser exportados e último parâmetro é 3, o qual representa a exportação dos arquivos com extensão -procnfe.xml. Tela 176 GNF-e Exportador Caso o usuário queira exportar os arquivos com extensão NFe.xml deverá ser usado o parâmetro 1. Para realizar a exportação de todos os arquivos assinados pela SEFAZ como NFes efetivadas, canceladas e inutilizadas, o usuário deverá utilizar o parâmetro 4. Ainda é possível utilizar o GNF-e Exportador acessando o Menu Processos Exportar NF-es. 181

182 Tela 177 Processos Exportar NF-es É necessário selecionar a empresa a qual se deseja exportas as NF-es, após é possível optar pela Rotina de Exportação, onde existe três possibilidades de exportação o arquivo de NF-e, o arquivo de compartilhamento de NF-e e exportar todos os arquivos assinados, estes poderão ser armazenados em um diretório indicado pela empresa. Tela 178 Exportação de NF-es 182

183 33 GNF-E INTEGRADOR SEM MENSAGENS O possibilita utilizar o GNF-e Integrador no momento do envio sem apresentar as mensagens de resultado do processamento das NF-es. A chamada ao GNFeIntegrador.exe deve partir de dentro do diretório do GNF-e, em seguida é necessário passar as informações de acordo com os parâmetros abaixo. Código da Empresa Número da Série da Nota Fiscal Eletrônica + Número da NF-e + 9 (Parâmetro que desabilita a apresentação das mensagens) 0 0 (Uso do GNF-e) + E (Ação de Envio). Tela 179 GNF-e Integrador sem mensagens 183

Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e.

Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e. Conhecimento de Transporte Eletrônico OBJETIVO Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário Manual do Usuário Produto: EmiteNF-e Versão: 1.2 Índice 1. Introdução... 2 2. Acesso ao EmiteNF-e... 2 3. Configurações Gerais... 4 3.1 Gerenciamento de Usuários... 4 3.2 Verificação de Disponibilidade

Leia mais

Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.01 Maio 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO GERAL... 3 MODELO OPERACIONAL... 4 REGISTRO DE SAÍDA - SITUAÇÃO NORMAL...

Leia mais

5. Web Services Informações Adicionais

5. Web Services Informações Adicionais 5. Web Services Informações Adicionais 5.1 Regras de validação As regras de validação aplicadas nos Web Service estão agrupadas da seguinte forma: Grupo Aplicação A Validação do Certificado Digital utilizada

Leia mais

DF-e Manager 2.6. NF-e / NFC-e Manual de Integração. Versão 1.1 Dezembro de 2015

DF-e Manager 2.6. NF-e / NFC-e Manual de Integração. Versão 1.1 Dezembro de 2015 DF-e Manager 2.6 NF-e / NFC-e Manual de Integração Versão 1.1 Dezembro de 2015 Confidencial: Documento de uso restrito a clientes e parceiros Synchro Atualização: 17/12//2015 Índice 1. Introdução... 4

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 8 1 O QUE É A NF-E... 9 2 GNF-E SAAS EDITION...10 3 REQUISITOS...13 4 PADRÃO DE COMUNICAÇÃO...14 5 WEB SERVICE...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 8 1 O QUE É A NF-E... 9 2 GNF-E SAAS EDITION...10 3 REQUISITOS...13 4 PADRÃO DE COMUNICAÇÃO...14 5 WEB SERVICE... MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 8 1 O QUE É A NF-E... 9 2 GNF-E SAAS EDITION...10 2.1 FUNCIONALIDADES... 10 2.2 FLUXO DO PROCESSO... 11 3 REQUISITOS...13 - POSSUIR IE 7 (INTERNET EXPLORER) OU

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO Fevereiro/2013

MANUAL DO USUÁRIO Fevereiro/2013 MANUAL DO USUÁRIO Fevereiro/2013 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 1 O que é a NF-e... 12 2 GNF-e SAAS EDITION... 13 2.1 Funcionalidades... 13 2.2 Fluxo do processo... 13 3 REQUISITOS... 16 4 PADRÃO DE COMUNICAÇÃO...

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Versão 3.10 Sumário 1 Funções do Emissor... 3 1.1 Aba Inicial... 4 1.2 Aba Sistema... 5 1.2.1 Mensagem Sistema... 5 1.2.2 Extras... 6 1.2.3 Contingência... 6 1.2.4 Execução... 7 1.3

Leia mais

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Procedimentos de Configuração no CalcExpress....2 Procedimentos de Configuração no Emissor de Nota Fiscal Eletrônica...3 Gerando Arquivo

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. NF-e e NFS-e

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. NF-e e NFS-e Bloco Comercial NF-e e NFS-e Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos NF-e e NFS-e, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Instalação da Aplicação Java...2 Instalação do Emissor...5 Instalação do Framework...7 Instalação das DLL s URL, SCHEMAS, CADEIA DE CERTIFICADO

Leia mais

Programa

Programa <AssinadorRS> Programa 01. FUNÇÃO: O programa tem as funções que seguem: Assinatura digital de Nota Fiscal e de Lote de Notas, no padrão XML Signature da W3C; Verificação da Assinatura

Leia mais

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e?

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e? O QUE MUDA COM A NF-e 1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? De maneira simplificada, a empresa emissora de NF-e, previamente credenciada segundo as normas ditadas pela Secretaria de Fazenda de

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Instalação do certificado digital Para cada empresa certificadora existe um manual de instalação. Antes de emitir o certificado no cliente, leia atentamente as instruções do manual.

Leia mais

Gestão inteligente de documentos eletrônicos

Gestão inteligente de documentos eletrônicos Gestão inteligente de documentos eletrônicos MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS VISÃO EMPRESAS - USUÁRIOS (OVERVIEW) No ELDOC, o perfil de EMPRESA refere-se aos usuários com papel operacional. São

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO GNF-E DESKTOP EDITION. Versão 3.13.0.0

MANUAL DO USUÁRIO GNF-E DESKTOP EDITION. Versão 3.13.0.0 MANUAL DO USUÁRIO GNF-E DESKTOP EDITION Versão 3.13.0.0 Agosto/2013 TABELA DE REVISÕES Nº. Versão Data Descrição da Revisão 1.0.0.0 04/11/2010 Versão Inicial 2.1.0.0 16/09/2009 Impressão do DANFE em contingência;

Leia mais

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Outlook XML Reader Versão 8.0.0 Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Add-in para o Outlook 2003, 2007 e 2010 responsável pela validação e armazenamento de notas fiscais eletrônicas. Atenção,

Leia mais

e-nota NFC-e PR Nota Fiscal de Consumidor eletrônica Versão Gratuita - Paraná

e-nota NFC-e PR Nota Fiscal de Consumidor eletrônica Versão Gratuita - Paraná e-nota NFC-e PR Nota Fiscal de Consumidor eletrônica Versão Gratuita - Paraná Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página1 Índice 1. O que é NFC-e?... 03 2. Safeweb enota NFC-e PR...

Leia mais

A implantação da Nota Fiscal Eletrônica NF-e e seus Benefícios à empresa e a sociedade.

A implantação da Nota Fiscal Eletrônica NF-e e seus Benefícios à empresa e a sociedade. A implantação da Nota Fiscal Eletrônica NF-e e seus Benefícios à empresa e a sociedade. Cristiane Mamede Gislene Medrado Hapoliana Batista Lindemberg Ruiz Centro Universitário Candido Rondon Unirondon

Leia mais

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7)

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Introdução Desde abril de 2008 a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) se tornou obrigatória para diversos setores da economia nacional. A cada 6 meses,

Leia mais

UNIMAKE p SOFTWARES SOLUÇÕES CORPORATIVAS. UniNFe Versão 2.2. Manual de Utilização do Software UniNFe e de Integração com Sistemas de ERP

UNIMAKE p SOFTWARES SOLUÇÕES CORPORATIVAS. UniNFe Versão 2.2. Manual de Utilização do Software UniNFe e de Integração com Sistemas de ERP UNIMAKE p SOFTWARES SOLUÇÕES CORPORATIVAS UniNFe Versão 2.2 Manual de Utilização do Software UniNFe e de Integração com Sistemas de ERP 2009 Conteúdo Introdução... 4 Instalando o UniNFe... 5 Utilizando

Leia mais

Manual XML Center DESENVOLVENDO SOLUÇÕES. Autora: Laila Maria Doc. Vrs. 01 Revisão: Aprovado em: Outubro de 2015.

Manual XML Center DESENVOLVENDO SOLUÇÕES. Autora: Laila Maria Doc. Vrs. 01 Revisão: Aprovado em: Outubro de 2015. Manual XML Center DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Laila Maria Doc. Vrs. 01 Revisão: Aprovado em: Outubro de 2015. Nota de copyright Copyright 2015 Teorema Informática, Guarapuava. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Max Fatura Sistema de Gestão

Max Fatura Sistema de Gestão Sumário 1 Tela Inicial... 2 2 Tela de Pesquisa... 3 3 Tela de Vendas... 4 5 Aproveitamento de Icms... 5 6 Salvar... 5 9 Para emissão da nota fiscal... 7 10 Impressão de relatórios... 10 11 Contas a Pagar

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE?

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? O que é a Nota Fiscal Eletrônica? Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) tem como intuito emitir e armazenar eletronicamente, para fins fiscais,

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Tutorial de Notas Fiscais Eletrônicas

Tutorial de Notas Fiscais Eletrônicas Tutorial de Notas Fiscais Eletrônicas Geração e transmissão de NF-e Após preencher os dados da nota fiscal, se não houver alguma informação faltando, o sistema sugere a geração do arquivo texto necessário

Leia mais

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual de Registro de Saída Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.0 Dezembro 2010 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO REGISTRO DE SAÍDA - SIARE... 3 2.1 SEGURANÇA... 4 2.2

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

MA009. Página 1 de 58. Responsável. Revisão F de 13/10/2014. Cantú & Stange Software. Página

MA009. Página 1 de 58. Responsável. Revisão F de 13/10/2014. Cantú & Stange Software. Página Manual de instalação de NFe MA009 Responsável Revisão F de 13/10/2014 FL Página 01 de 58 Página 1 de 58 Revisão F de 13/10/2014 MA009 Responsável: FL Manual de instalação de NFe Manual de instalação de

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Certificado Digital e Nota

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa Tributada NF-e Avulsa

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa Tributada NF-e Avulsa Nota Fiscal Eletrônica Avulsa Tributada NF-e Avulsa 1 TRIBUTADA. MANUAL PARA EMISSÃO. 2014. INTRODUÇÃO A Nota Fiscal Eletrônica Avulsa - NF-e avulsa implementada pela Secretaria de Estado da Fazenda do

Leia mais

NF-e. O Sistema de Emissão de NF-e do Gosocket. Manual de Usabilidade Gadget GoNF-e - Brasil. versão 1.00 2015. Gosocket - GoNF-e v1.

NF-e. O Sistema de Emissão de NF-e do Gosocket. Manual de Usabilidade Gadget GoNF-e - Brasil. versão 1.00 2015. Gosocket - GoNF-e v1. NF-e O Sistema de Emissão de NF-e do Gosocket. Manual de Usabilidade Gadget GoNF-e - Brasil versão 1.00 2015 Gosocket - GoNF-e v1.00 Página 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Ativação do GoNF-e... 4 3. Visão

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO (Sistema NFSE) Acesse nossos manuais em: ead.sempretecnologia.com.br

GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO (Sistema NFSE) Acesse nossos manuais em: ead.sempretecnologia.com.br GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO () Acesse nossos manuais em: ead.sempretecnologia.com.br Sumário Configurações iniciais... 3 Acessando o sistema... 3 Alterando a senha de acesso... 3 Cadastrando clientes... 4 Cadastrando

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO DA CL-e

MANUAL DE EMISSÃO DA CL-e PROJETO CAPA DE LOTE ELETRÔNICA (CL-e) MANUAL DE EMISSÃO DA CL-e Versão 1.5 Outubro de 2010 1/13 SUMÁRIO Informações Gerais... 3 Acessando o Portal da CL-e... 4 Acessando o Módulo Emissor da CL-e... 5

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário:

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA (NFA-e) - Preenchimento por não Contribuinte do ICMS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA

Leia mais

Manual de Orientação do Contribuinte Padrões Técnicos de Comunicação do Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais

Manual de Orientação do Contribuinte Padrões Técnicos de Comunicação do Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Projeto Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Manual de Orientação do Contribuinte Padrões Técnicos de Comunicação do Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Versão 1.00a Dezembro, 2014 Controle

Leia mais

- Nota Fiscal Eletrônica -

- Nota Fiscal Eletrônica - Manual Portal de Clientes e Transportadores - Nota Fiscal Eletrônica - ÍNDICE. INTRODUÇÃO 3. OBJETIVO 3.2 ABRANGÊNCIA 3 2. FUNCIONALIDADES 3 2. CADASTRO DE CLIENTES NO PORTAL 3 2.2 CONSULTA NOTAS FISCAIS

Leia mais

EDIG MANUAL DO USUÁRIO

EDIG MANUAL DO USUÁRIO EDIG MANUAL DO USUÁRIO Av. Duque de Caxias, 882 - Maringá, PR Telefone: (44) 3033-6300 SÚMARIO Introdução... 4 Cadastros... 4 Empresas... 4 Certificados... 5 Doc. Emitidos... 7 Monitor de Operações...

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA DOCUMENTAÇÃO ELETRONICA NO BRASIL. Aula 4 - Documentos eletrônicos 07/mai/2012. Prof. Apresentador: José Maria Ribeiro

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA DOCUMENTAÇÃO ELETRONICA NO BRASIL. Aula 4 - Documentos eletrônicos 07/mai/2012. Prof. Apresentador: José Maria Ribeiro EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA DOCUMENTAÇÃO ELETRONICA NO BRASIL Aula 4 - Documentos eletrônicos 07/mai/2012 Prof. Apresentador: José Maria Ribeiro Agenda Anterior: Conceitos da NF-e Objetivo Histórico Modelo Operacional

Leia mais

Referência: Decreto Estadual-RJ nº 44.785/14 - ICMS - NFC-e - Emissão, autorização, contingência e outros Alterações.

Referência: Decreto Estadual-RJ nº 44.785/14 - ICMS - NFC-e - Emissão, autorização, contingência e outros Alterações. Rio de Janeiro, 13 de maio de 2014. Of. Circ. Nº 137/14 Referência: Decreto Estadual-RJ nº 44.785/14 - ICMS - NFC-e - Emissão, autorização, contingência e outros Alterações. Senhor Presidente, Fazendo

Leia mais

Pergunte à CPA. Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência

Pergunte à CPA. Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência 30/04/2013 Pergunte à CPA Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência Apresentação: Helen Mattenhauer Oliveira 2 Conceito de Contingência para a NF- e A contingência é apenas de comunicação ou de

Leia mais

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e?

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? 1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito Federal e o

Leia mais

ANEXO IX - DOS DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS E AUXILIARES

ANEXO IX - DOS DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS E AUXILIARES ANEXO IX - DOS DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS E AUXILIARES CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e E DO DOCUMENTO AUXILIAR DA NF-e DANFE Art. 1º A Nota Fiscal Eletrônica - NF-e, modelo 55, poderá ser

Leia mais

SISTEMA/MÓDULO: SYSMO S1 IMPLANTAÇÃO DO SERVIDOR DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA (NF-E) VERSÃO: 1.03 DATA: 14/08/2009

SISTEMA/MÓDULO: SYSMO S1 IMPLANTAÇÃO DO SERVIDOR DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA (NF-E) VERSÃO: 1.03 DATA: 14/08/2009 SISTEMA/MÓDULO: SYSMO S1 ASSUNTO: IMPLANTAÇÃO DO SERVIDOR DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA (NF-E) VERSÃO: 1.03 DATA: 14/08/2009 1 DESCRIÇÃO Este documento tem por objetivo mostrar os requisitos e procedimentos

Leia mais

MANUAL. Certificado de Origem Digital PERFIL ENTIDADE. Versão 2.2.15

MANUAL. Certificado de Origem Digital PERFIL ENTIDADE. Versão 2.2.15 MANUAL Certificado de Origem Digital PERFIL ENTIDADE Versão 2.2.15 Sumário 1. Inicializando no sistema... 4 2. Perfil de Emissores do Sistema... 4 3. Analisando os certificados emitidos... 5 3.1. Certificados

Leia mais

Manual do Emissor RPS

Manual do Emissor RPS Manual do Emissor RPS Fly E-Nota 1/14 Índice 1.Instalação...3 1.1.Pré-requisitos da instalação...3 1.2.Baixar e instalar do Emissor RPS...3 1.3.Carregar as configurações do prestador...4 1.4.Instalação

Leia mais

e-nota NF-e (Nota Fiscal eletrônica)

e-nota NF-e (Nota Fiscal eletrônica) Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Sistema e-nota Safeweb Este manual (versão completa) apresenta as informações do Sistema Safeweb e-nota NF-e. O que é preciso para acessar

Leia mais

Web Service de Distribuição de DF-e de Interesse dos Atores do MDF-e (PF ou PJ)

Web Service de Distribuição de DF-e de Interesse dos Atores do MDF-e (PF ou PJ) Projeto Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Web Service de Distribuição de DF-e de Interesse dos Atores do MDF-e (PF ou PJ) Versão 1.00 Maio 2015 Índice 1. Resumo... 3 2. Web Service MDFeDistribuicaoDFe...

Leia mais

Respostas - Perguntas Frequentes - versão 02/2009

Respostas - Perguntas Frequentes - versão 02/2009 Conhecimento de Transporte Eletrônico CTe Respostas Perguntas Frequentes versão 02/2009 I. Conceito, uso e obrigatoriedade da CTe 1. O que é o Conhecimento de Transporte Eletrônico CTe? Podemos conceituar

Leia mais

Emissor de Nota Fiscal Eletrônica. Novembro de 2007. Equipe Nota Fiscal Eletrônica Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Emissor de Nota Fiscal Eletrônica. Novembro de 2007. Equipe Nota Fiscal Eletrônica Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Novembro de 2007 Equipe Nota Fiscal Eletrônica Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Índice I - Instalação do Software Emissor NF-e... 3 II Software Emissor NF-e

Leia mais

Tel. (0xx11) 3038-1150 Fax (0xx11) 3038-1166

Tel. (0xx11) 3038-1150 Fax (0xx11) 3038-1166 Sistema Nota Já Este manual tem por objetivo apresentar o sistema NotaJá a fim de auxiliar o usuário com todos os processos de cadastro, lançamentos de notas, cancelamentos, inutilizações, notas complementares

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML 1. Conceitos e termos importantes XML Empresarial: é um sistema web (roda em um servidor remoto) de armazenamento e distribuição de documentos

Leia mais

Manual do módulo Hábil NFC-e Emissor de Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

Manual do módulo Hábil NFC-e Emissor de Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica Manual do módulo Hábil NFC-e Emissor de Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica Hábil Empresarial 2014 by Ltda (0xx46) 3225-6234 I Hábil Empresarial NFC-e Índice 1 Cap. I Introdução 1 O que é... o Hábil NFC-e

Leia mais

Manual. Manifestação Destinatário

Manual. Manifestação Destinatário Manual Manifestação Destinatário Sr.Farmacista Evite fraudes em seu CNPJ 1 Você dono de um estabelecimento sabe que hoje o governo disponibiliza gratuitamente para você um programa onde é possível visualizar

Leia mais

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2.

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2. 2014 Web Service - NFS-e Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService Este manual tem como objetivo orientar os usuários, sobre os procedimentos relativos

Leia mais

Módulo NF-e. Manual de Utilização

Módulo NF-e. Manual de Utilização Módulo NF-e Manual de Utilização 1 Conteúdo Passo-a-passo para emissão de NF-e... 3 1. Obtendo seu Certificado Digital... 3 2. Registrando-se na Secretaria da Fazenda para Homologação (testes)... 4 3.

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA 1. Comprei mercadoria com NF-e denegada. Qual o procedimento para regularizar essa situação? Resposta: Preliminarmente, temos que esclarecer o que é uma NF-e Denegada:, A Denegação

Leia mais

Manual de Integração

Manual de Integração Manual de Integração Versão 1.0 Conteúdo 1 Obtendo e Instalando o MD-e... 4 1.1 Obtendo o Instalador... 4 1.2 Instalando Componentes... 4 1.3 Instalando o MD-e... 4 2 Padrões de Arquivos... 7 2.1 Arquivos

Leia mais

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda Versão para atualização do Gerpos Retaguarda A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível.

Leia mais

Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Nota Técnica 2011/006 Cancelamento da NF-e como Evento da Nota Fiscal Eletrônica Versão 1.00 Dezembro 2011 Controle de Versões Versão Data 0.00 14/09/2011 SP 1.00 07/10/2011

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo:

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: GUIA DE ORIENTAÇÃO 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: 1.1 - ACESSAR O SITE DA PREFEITURA: 1.2 - CLICAR NA OPÇÃO: SERVIÇOS >> NOTA FISCAAL ELETRÔNICA 1.3 - Aguarde carregar

Leia mais

Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 8

Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 8 Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 O QUE É GISSONLINE?... 6 FILOSOFIA DA GISSONLINE... 6 BENEFÍCIOS QUE A GISSONLINE OFERECE... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Rotinas úteis e diárias para facilitar o uso do sistema Winsati pelo usuário.

Rotinas úteis e diárias para facilitar o uso do sistema Winsati pelo usuário. Rotinas úteis e diárias para facilitar o uso do sistema Winsati pelo usuário. Rotina para quando clicar no ícone do Winsati e ele não inicializar Podem acontecer dois casos: 1. Caso 1: No caso de clicar

Leia mais

DF-e Manager 2.6 Manual de integração manifestação do destinatário Fevereiro de 2016

DF-e Manager 2.6 Manual de integração manifestação do destinatário Fevereiro de 2016 DF-e Manager 2.6 Manual de integração manifestação do destinatário Fevereiro de 2016 Copyright 2015 Synchro Solução Fiscal Brasil Conteúdo 1. Introdução... 1 2. Conceitos da manifestação do destinatário...

Leia mais

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE Versão 1.0.5 Março/2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 6 2.

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

Localização Brasil. Nota Fiscal Eletrônica. Versões: MFG/PRO eb2, eb2.1 e QAD 2007. Brasil, São Paulo/SP 2008

Localização Brasil. Nota Fiscal Eletrônica. Versões: MFG/PRO eb2, eb2.1 e QAD 2007. Brasil, São Paulo/SP 2008 Localização Brasil Versões: MFG/PRO eb2, eb2.1 e QAD 2007 Brasil, São Paulo/SP 2008 1 Índice. 1 Objetivo. 04 2 Legislação 05 2.1 Ajuste Sinief 07/05. 05 2.2 Ato Cotepe 14/07. 13 3 Definição. 14 4. 16 4.1

Leia mais

Megasale NFe. 2013 Aob Software Informatica ltda

Megasale NFe. 2013 Aob Software Informatica ltda 2 Tabela de Conteúdo Nota Fiscal Eletrônica 3 1 Tela de... Acesso 4 Digitalizando o Pedido 4 1 Preenchendo... o Item 6 2 Recebimento... A Vista 7 3 Recebimento... A Prazo 7 Gerando Proposta Comercial Emissão

Leia mais

Manual do Usuário. Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA

Manual do Usuário. Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA Livro Super Simples Manual do Usuário Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA Secretarias de Fazenda Estaduais, do Distrito Federal e Comitê Gestor do Simples

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas NFC-e NOTA FISCAL DE CONSUMIDOR ELETRÔNICA Perguntas e Respostas Versão 1.1 Atualizada em 03/2016 SUMÁRIO I) INFORMAÇÕES INICIAIS... 3 1. O que é a Nota Fiscal De Consumidor Eletrônica - NFC-e?... 3 2.

Leia mais

Manual de Instruções ISS WEB SISTEMA ISS WEB. Sil Tecnologia LTDA

Manual de Instruções ISS WEB SISTEMA ISS WEB. Sil Tecnologia LTDA SISTEMA ISS WEB Sil Tecnologia LTDA Sumário INTRODUÇÃO 3 1. ACESSO AO SISTEMA 4 2. AUTORIZAR USUÁRIO 5 3. TELA PRINCIPAL 6 4. ALTERAR SENHA 7 5. TOMADORES DE SERVIÇO 7 5.1 Lista de Declarações de Serviços

Leia mais

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0)

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0) Parte:Manual Atualização: OriginalPágina 1 Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária () Instalação Se houver alguma versão do FireBird Instalada na máquina desinstale antes de

Leia mais

COMUNICADO IMPORTANTE

COMUNICADO IMPORTANTE COMUNICADO IMPORTANTE Rio de Janeiro, 17 de julho de 2009. Sr. Responsável pelo recebimento das Notas Fiscais REF.: NOTA FISCAL ELETRÔNICA (NF-e) Prezado Cliente, Informamos que, a partir do dia 1º de

Leia mais

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Sumário: 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EFD 1. 1 APRESENTAÇÃO 1. 2 LEGISLAÇÃO 1. 3 DA APRESENTAÇÃO DO ARQUIVO DA EFD 1. 4

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica... 5. Conceitos... 6. DANFE comum e DANFE em contingência... 7. Principais dúvidas... 8. Considerações... 9

Nota Fiscal Eletrônica... 5. Conceitos... 6. DANFE comum e DANFE em contingência... 7. Principais dúvidas... 8. Considerações... 9 Cartilha NF-e 1 Sumário Nota Fiscal Eletrônica... 5 Conceitos... 6 DANFE comum e DANFE em contingência... 7 Principais dúvidas... 8 Considerações... 9 Procedimento para operacionalização da NF-e... 10

Leia mais

DF-e Manager 2.6 Manual de integração CTe Outubro de 2015

DF-e Manager 2.6 Manual de integração CTe Outubro de 2015 DF-e Manager 2.6 Manual de integração CTe Outubro de 2015 Copyright 2015 Synchro Solução Fiscal Brasil Conteúdo 1. Introdução... 1 2. Considerações iniciais... 1 3. Arquitetura de comunicação... 1 4. Web

Leia mais

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Página1 e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é MDF-e?... 03 2. Safeweb e-nota MDF-e... 04 3. Acesso e-nota

Leia mais

e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais eletrônicos

e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais eletrônicos Página1 e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais eletrônicos Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é o e-nota R?... 03 2. Configurações e Requisitos...

Leia mais

e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais Eletrônicos

e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais Eletrônicos Página1 e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais Eletrônicos Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é o e-nota R?... 03 2. Configurações e Requisitos...

Leia mais

Tutorial Report Express. Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença.

Tutorial Report Express. Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença. Tutorial Report Express Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença. Índice Apresentação Pág. 3 Passo 1 Pág. 4 Instalação do MasterDirect Integrações Passo 2 Pág. 8 Exportar clientes Linha Contábil

Leia mais

Acesso ao Credenciamento

Acesso ao Credenciamento 2 1 Credenciamento Para todas as pessoas jurídicas que acessarem o sistema da NFS-e, será necessário inicialmente efetuar o credenciamento. O credenciamento é obrigatório para todas as empresas estabelecidas

Leia mais

Manual de Instruções. Programa para Baixar e Transmitir Arquivos XML XML CONQUER MÓDULO TRANSMISSOR

Manual de Instruções. Programa para Baixar e Transmitir Arquivos XML XML CONQUER MÓDULO TRANSMISSOR 1 Manual de Instruções Programa para Baixar e Transmitir Arquivos XML XML CONQUER MÓDULO TRANSMISSOR Sumário Apresentação... 2 Instalação... 3 Utilização... 4 Menu Cadastro... 5 XML NFE Notas Emitidas

Leia mais

Conhecimento de Transporte

Conhecimento de Transporte Página1 Conhecimento de Transporte No menu de navegação, este item é a opção para emissão e administração dos Conhecimentos de Transporte do sistema. Para acessar, posicione o mouse no local correspondente

Leia mais

Manual de instalação e utilização do programa Faróis Vinco Pedidos

Manual de instalação e utilização do programa Faróis Vinco Pedidos Página 1 de 23 SUMÁRIO 1. Pré-requisitos do computador para instalação do sistema Faróis Vinco Pedidos... 2 2. Instalação do... 3 3. Executando o sistema pela primeira vez... 5 4. Menus do sistema... 6

Leia mais

AJUDA IMPORTAÇÃO NFe GERENCIADOR e PORTAL NFe PREMIUM CONTABILIDADE

AJUDA IMPORTAÇÃO NFe GERENCIADOR e PORTAL NFe PREMIUM CONTABILIDADE AJUDA IMPORTAÇÃO NFe GERENCIADOR e PORTAL NFe PREMIUM CONTABILIDADE 1º - Acesse o programa NF-e Prosoft Gerenciador, através de um duplo clique com o mouse, que esta na tela de seu computador, ícone igual

Leia mais

Manual Operacional. Esys NF-e 2. Esys N F-e 2

Manual Operacional. Esys NF-e 2. Esys N F-e 2 Manual Operacional Esys NF-e 2 Esys N F-e 2 Esys NF-e 2 2011 - Esys Colibri Todos os direitos reservados. Nenhum conteúdo deste material - textos e ilustrações podem ser reproduzidos por qualquer forma

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

Sistema de Devolução Web

Sistema de Devolução Web Manual Sistema de Devolução Web Usuário Cliente ÍNDICE Sumário 1. Prazos...3 2. Solicitação de Devolução... 4 3. Autorização de Devolução... 4 4. Coleta de Mercadoria... 4 5. Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito Federal e o

Leia mais

Importação de lote SUFRAMA

Importação de lote SUFRAMA Importação de lote SUFRAMA DFe Manager 1.8 Agosto de 2008 Confidencial: Documento de uso restrito a clientes e parceiros Synchro Atualização: 05/08/2008 Índice 1. Descrição da Funcionalidade para geração

Leia mais

OASyS Informática Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0.7

OASyS Informática Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0.7 OASyS Informática Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0.7 Manual desenvolvido pela OASyS Informática, baseado na versão 2.0 da Nota Fiscal Eletrônica do SEFAZ. 1 Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0 Título

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física Acesso ao Sistema - Pessoa Física Página 2 de 37 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 4 1.1. DEFINIÇÃO... 4 1.2. OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DA NFS-E... 4 1.3. CONTRIBUINTES IMPEDIDOS DA EMISSÃO

Leia mais

MÓDULO DE NOTA FISCAL ELETRONICA

MÓDULO DE NOTA FISCAL ELETRONICA MANUAL DO SISTEMA Versão 6.08 Introdução... 2 Requisitos para Utilização do Módulo NF-e... 2 Termo de Responsabilidade... 2 Certificados... 2 Criação de Séries... 2 Framework... 3 Teste de Comunicação...

Leia mais