UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia. MICROECONOMIA I 1º Semestre 2005/2006. CADERNO DE EXERCÍCIOS Resolução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia. MICROECONOMIA I 1º Semestre 2005/2006. CADERNO DE EXERCÍCIOS Resolução"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departaento de Gestão e Econoia MICROECONOMIA I º Seestre 5/6 CADERNO DE EXERCÍCIOS Resolução

2 A. TEORIA DO CONSUMIDOR A.. A RESTRIÇÃO ORÇAMENTAL DO CONSUMIDOR A... Defina os seguintes conceitos: a) Cabaz de bens Cobinação de quantidades consuíveis de u conjunto de bens. b) Conjunto de possibilidades de consuo Conjunto de cabazes que pode ser coprados pelo consuidor nu dado oento, gastando parcial ou totalente o seu rendiento onetário. c) Restrição orçaental Lugar geoétrico dos cabazes que pode ser coprados se todo o rendiento do consuidor for gasto. d) Custo de oportunidade de u be uantidade do outro be que é preciso sacrificar para consuir ais ua unidade do be. e) Be nuerário Be e relação ao qual é edido o preço do outro be e o rendiento do consuidor. A... Considere u consuidor que enfrenta os preços e e dispõe de u rendiento M. ara cada u dos casos seguintes, deterine, analítica e graficaente, o conjunto de possibilidades de consuo e a restrição orçaental. a) ; ; M CC: RO: b) ; 5 ; M 5 CC: 5 5 RO: 5 5 c) 5 ; ; M 5 CC: 5 5 RO: 5 5 d), 5 ; 6 ; M 5 CC:,5 6 5 RO:,5 6 5 e) ; 7 ; M 56 CC: 7 56 RO: 7 56

3 A... O que acontece à restrição orçaental se: a) o preço do be X duplica e o do be Y triplica A restrição orçaental torna-se enos inclinada e desloca-se para a esquerda b) o preço do be X quadruplica e o do be Y triplica A restrição orçaental torna-se ais inclinada e desloca-se para a esquerda c) abos os preços duplica A restrição orçaental desloca-se paralelaente para a esquerda d) abos os preços duplica e o rendiento triplica A restrição orçaental desloca-se paralelaente para a direita e) abos os preços triplica e o rendiento duplica A restrição orçaental desloca-se paralelaente para a esquerda f) o preço do be X e o rendiento duplica A restrição orçaental roda para a direita A... O aulo te ua esada de euros que lhe é paga pelos pais. A esada é gasta eclusivaente e jantares e bilhetes de teatro. a) Identifique foralente o conjunto de possibilidades de consuo do aulo, sabendo que cada jantar custa euros e cada bilhete de teatro custa euros. j b b) No ês de Agosto, o aulo será visitado pelos avós que lhe dão sepre euros. Durante esse ês, o aulo pretende ir a 8 jantares e assistir a 8 espectáculos de teatro. Será que vai conseguir? E se ele passar a ir jantar a restaurantes ais baratos, onde o preço édio da refeição é 5 euros? ual é, neste caso, o custo de oportunidade para o aulo de ir a u jantar? M (,b) ( 8,8) 8 8 > (,b) ( 8,8) < j não consegue consuir este cabaz. j consegue consuir este cabaz. 5 CO,5 c) Dadas as fracas notas obtidas nos eaes, os pais do aulo reduzira-lhe a esada para etade e proibira-no de ir a ais de jantares no ês de Agosto (os avós não sabe de nada). Identifique o conjunto de possibilidades de consuo do aulo nesta situação. M 6 6 j b 6 j

4 d) Suponha que o aulo pode beneficiar de % de desconto no preço dos bilhetes de teatro se adquirir o cartão jove. Sabendo que o cartão jove custa euros, deverá o aulo coprá-lo? M 6 5 b,9 9 j 9b 5 j Se adquirir o cartão, o aulo epande o seu conjunto de possibilidades de consuo, logo deverá adquiri-lo. e) Descreva o conjunto de possibilidades de consuo do aulo se o cartão jove lhe possibilitar entradas gratuitas e espectáculos de teatro, adicionalente ao desconto encionado na alínea anterior. M j 9b 68 j 7,5 j f) Durante as férias, o aulo fez u curso de Verão no qual tirou uito boas notas. Consequenteente, os pais decidira levantar-lhe as restrições aos jantares e subsidiare-lhe as idas ao teatro e 5 euros; no entanto, antivera a redução da esada. Aditindo que o aulo não te cartão jove, deterine de novo, analítica e graficaente, o conjunto de possibilidades de consuo do aulo. M 6 6 b 5 5 j 5b 6 A..5. Suponha que a Copanhia de Telefones cobra ensalente euros, o que garante aos seus assinantes o acesso à rede e a possibilidade de fazer inutos de chaadas por ês. Chaadas acia deste liite paga u preço unitário de 5 cêntios. a) Escreva e represente a restrição orçaental de u consuidor representativo que te u rendiento M para gastar e inutos de chaadas telefónicas (T) e nu be copósito (C) cujo preço é igual a.,5t C M,5,5T C M 5,5 M C C M

5 chaadas telefónicas be copósito b) Suponha que a copanhia pondera duas alterações relativas à actual estrutura de preços: i) diinuir para o núero de inutos oferecidos co a assinatura ensal; ou ii) auentar o preço unitário de chaadas acia dos inutos para cêntios. Represente graficaente as restrições orçaentais correspondentes às duas alternativas.,5t C M,5,5T C M 7 i) M C C M,T C M,,T C M ii) M C C M RO inicial alternativa i alternativa ii chaadas telefónicas be copósito A..6. A Ana consoe dois bens, carne (C) e peie (), abos adquiridos no hiperercado, aos preços c 7, 5 e. ara chegar ao hiperercado, a Ana deora 5 inutos. ara adquirir ua unidade de C deora ais 5 inutos, enquanto que para a aquisição de ua unidade de são precisos ais inutos. a) Represente o conjunto de possibilidades de escolha da Ana, aditindo que esta te u rendiento de 5 unidades onetárias e o seu tepo disponível para copras é de horas e eia.

6 7,5c p 5 5c p 6,5 5 7,5c p 5 5c p 5 peie 5 RO RT 5,5 5 7,5,5 5 7,5,5 carne b) A Ana uda de eprego e passa a não ter tepo para ir ao hiperercado. No seu prédio, há u superercado onde a Ana não perde tepo e enfrenta os preços c e p 5. Neste novo eprego, alé das 5 unidades onetárias, a Ana recebe unidades de C, que não pode vender. Represente o novo conjunto de possibilidades de escolha. c 5p 5 5 p 5 c 5p 55 p 8 peie 6,5 5 7,5,5 5 7,5,5 5 7,5 carne A..7. O João vive e Santana e desloca-se todos os dias ao Funchal, onde te ua pastelaria. O seu rendiento diário é de euros, que é gasto e bilhetes de autocarro (B) e outros bens (X). O bilhete custa euros, enquanto o preço dos outros bens é de euros. O tepo útil diário do João é de 8 horas, gastando hora na viage Santana Funchal e 5 inutos para adquirir ua unidade de X. a) Represente o conjunto de possibilidades de escolha do João. b b 8 b) Nos dias e que o João te de fazer ais de duas viagens entre Santana e o Funchal, fica de au huor. Isto reduz-lhe a clientela da pastelaria, 5

7 iplicando ua redução do rendiento diário do João de 5 euros. Represente de novo o conjunto de possibilidades de escolha. b se b b 5 se b > b 8 c) Depois da quarta viage, o João chega a casa depois do superercado fechar. Isso obriga-o a fazer as copras nu outro superercado, onde o estacionaento custa euro. b se b b 5 se < b b 9 se b > b 8 d) Suponha agora que, a partir da segunda passage, o João passa a ir na carrinha da pastelaria. Nesse caso, o tepo necessário para a viage é de eia hora e o custo do cobustível euro. Represente novaente o conjunto de possibilidades de escolha do João, considerando u rendiento de euros. b se b b se b > b 8 se b b 8 se b > 6

8 A.. UTILIDADE E REFERÊNCIAS A... Defina os seguintes conceitos: a) Be econóico roduto (ou serviço) definidos pelas suas características físicas, de localização e tepo, e que proporciona a satisfação de ua necessidade do consuidor. b) Mal econóico roduto (ou serviço) cujo consuo causa ua diinuição na satisfação do consuidor. c) Be neutral roduto (ou serviço) cujo consuo não afecta a satisfação do consuidor. d) Utilidade Fora de edir a satisfação dos desejos do consuidor. Valor atribuído ao uso de u ou ais bens. e) Utilidade arginal de u be Variação na utilidade total de u consuidor quando a quantidade consuida de u be auenta de ua fora infinitesial, antendo-se a quantidade consuida dos outros bens. f) Curva de indiferença Conjunto de cabazes de dois bens e relação aos quais o consuidor é indiferente, isto é, que proporciona o eso nível de utilidade. g) Taa arginal de substituição no consuo de Y por X Mede o núero de unidades de Y que tê de ser sacrificadas por unidade infinitesial a ais de X de fora a que o consuidor antenha o nível de satisfação. A... Enuere e eplique os aioas e hipóteses das relações de preferência e as propriedades das curvas de indiferença. Aioa da eaustão ou da relação copleta Ua orde de preferências é copleta se perite ao consuidor ordenar todas as cobinações possíveis de bens e serviços. Aioa da transitividade Dizer que ua orde de preferências é transitiva significa que, relativaente a três cabazes A, B e C, se o consuidor prefere A a B e B a C, então gostará ais de A que de C. Hipótese da não saciedade ou onotocidade Esta hipótese significa siplesente que, quando todo o resto se anté constante, ua aior quantidade de u be é elhor que ua enor quantidade desse eso be. 7

9 Hipótese da conveidade Seja cabazes, A, B e C tais que B é pelo enos tão bo coo A e C é estritaente preferido a A. A hipótese da conveidade iplica que qualquer cobinação linear dos cabazes B e C é preferível a A. Econoicaente, esta hipótese relaciona-se co a necessidade de u consuidor ser copensado co aiores quantidades de u be, à edida que sacrifica sucessivas unidades de outro. Ou seja: a taa arginal de substituição no consuo entre dois bens é decrescente. Hipótese da continuidade Os cabazes que são preferidos ou indiferentes a u deterinado cabaz e os cabazes que são enos preferidos ou indiferentes fora conjuntos fechados. Esta hipótese é eraente técnica. ropriedade : As curvas de indiferença tê inclinação negativa. ropriedade : As curvas de indiferença nunca se intersecta. ropriedade : Curvas de indiferença para NE representa níveis de satisfação ais elevados. ropriedade : As curvas de indiferença são conveas e relação à orige. ropriedade 5: As curvas de indiferença são densas e todo o espaço de bens. A... Diga, de entre as situações seguintes, aquelas que viola os aioas e hipóteses que rege as preferências. a) A Isabel gosta ais de chocolates que de caraelos e prefere caraelos a rebuçados; as entre rebuçados e chocolates, escolhe os prieiros. Viola o aioa da transitividade b) O Francisco não sabe se gosta ais de duas horas de vela ou três de natação. Viola o aioa da eaustão c) uanto ais toca piano, ais a Catarina gosta de tocar. Viola a hipótese da conveidade d) Depois de quatro horas de estudo, o Diogo já não estuda ais nenhua. Viola a hipótese da onotocidade e) A Beatriz coeçou a gostar ais de ir à praia depois de ir uitas vezes. Viola a hipótese da conveidade A... Represente graficaente os apas de indiferença para os seguintes casos: a) Dois bens econóicos 8

10 be be b) U be e u al econóico be al c) U be econóico e u neutro be neutro d) Eistência de u ponto de saciedade 9

11 e) Bens copleentares f) Bens substitutos A..5. Represente as preferências dos consuidores para os seguintes casos, verificando e cada u se se trata de preferências be coportadas. a) O Gonçalo bebe sepre u café co u copo de água.

12 6 5 copos de água 5 6 cafés b) A Graça é indiferente entre utilizar papel A pautado e papel A liso. 6 5 liso 5 6 pautado c) Ao aloço, a Maria não consegue coer ais de graas de carne, as bebe toda a Coca-Cola que lhe servire. coca-cola carne d) O edro é indiferente entre jogar ua hora de futebol ou duas horas de ténis.

13 5 ténis,5,5 futebol e) A D. Carlota bebe sepre cada chávena de chá co eio pacote de açúcar. açúcar,5,5,5 5 6 chá f) A Joaninha adora leite co torradas. Ao lanche, não consegue coer ais de torradas, as bebe todo o leite que lhe servire. leite,5,5,5,5 5 5,5 6 6,5 7 7,5 8 torradas A..6. Considere as seguintes funções utilidade: i.,5 U ii. U iii. U in{, }

14 iv. U ara cada ua delas: a) Indique o tipo de preferências. b) Represente o apa de indiferença. c) Calcule as utilidades arginais. d) Deterine a taa arginal de substituição de por. e) Encontre ua função que represente as esas preferências.,5 U U a) Cobb-Douglas in{,} Substitutos perfeitos U U Copleentares uasi-lineares b) be U U U be U U U be U U U U U U be be be c) d) e),5 Ug,5 Ug Ug Ug Ug Ug Ug Ug TMS, TMS, Não te TMS,,5 V V V in{,} V A..7. A utilidade que u consuidor retira da utilização de gás e de electricidade é dada pela função,5 U e que n.º de litros gás/dia e n.º Kw/hora. a) Identifique as diferentes cobinações de e que perite ao consuidor atingir o nível de utilidade de e. ual o conceito subjacente? U U O conceito aqui subjacente é o de curva de indiferença. b) Adita que este consuidor se encontra actualente a consuir 5 litros de gás por dia e, Kw/hora. ual a quantidade de electricidade que teria de sacrificar, se quisesse consuir u litro adicional de gás, de fora a anter o eso nível de satisfação? ( 5;, ) U 5, 6 6

15 A..8. O António te ua função de utilidade U. a) Suponha que inicialente consoe unidades do be e unidades do be. Se passar a consuir 8 unidades do be, quantas unidades terá de consuir do be de odo a que a sua utilidade de antenha constante? (, ) (,) U b) Calcule a TMS,. O que acontece ao valor desta taa quando o António auenta o consuo do be? Ug TMS, TMS, > Ug c) Responda novaente às alínea a) e b) aditindo que as preferências do António são descritas por U ln. (,) (,) U ln 6, 8 6,8 ln8, TMS Ug Ug TMS,, O consuo do be não influencia a taa a que o António se dispõe a trocar os bens. d) De entre os seus aigos, que te as esas preferências que o António? Considere o quadro abaio e a função utilidade inicial. Ana Filipa V W Z / F G / H Sofia ( ) Margarida Teresa Bernardo ( ) Ana Filipa Sofia Margarida Teresa Bernardo TMS, TMS, TMS ( ) ( ), TMS, TMS, TMS, A Teresa e o Bernardo não tê as esas preferências do António.

16 A..9. Coente as seguintes afirações: a) Não é possível que duas curvas de indiferença «be coportadas» se cruze. A frase é verdadeira. ara prová-lo assuaos que a frase é falsa ou seja que duas curvas de indiferença be coportadas se pode cruzar, confore ostrado na figura. A C BD U U or definição, diferentes curvas de indiferença representa diferentes níveis de utilidade. E ua curva de indiferença be coportada é aquela que respeita, entre outros, o aioa da transitividade e a hipótese da onoticidade. Se, no gráfico, as preferências não violare o aioa da onoticidade, então C será preferido a A porque te o eso de u dos bens, as ais do outro. Coo C e B estão na esa curva de indiferença são, por definição, indiferentes entre si. Então B deveria, sendo as preferências transitivas, ser preferível a A. Mas B e A estão sobre a esa curva de indiferença, significando isso que são indiferentes. Ou seja, duas curvas de indiferença que se intersecte viola o aioa da transitividade e a hipótese da onotocidade, logo não pode ser be coportadas. b) Se as preferências fore onotónicas, então a linha diagonal (no espaço dos bens) que passa pela orige cruza cada curva de indiferença apenas vez. Considereos que a frase é falsa. Se é falsa é porque a linha diagonal (no espaço dos bens) que passa pela orige pode cruzar cada curva de indiferença ais que vez. Vaos aditir que a cruza e dois pontos distintos, A e B. Se A e B estão sobre a diagonal, então u destes pontos te de estar acia e à direita do outro. Mas se está acia e à direita, então representa u cabaz co ais de abos os bens o que, pela hipótese da onotocidade, iplica ua utilidade superior. Mas se te utilidade superior não pode, por definição, estar sobre a esa curva de indiferença. Então, a frase te de ser verdadeira. c) Se dois bens fore substitutos perfeitos então a taa arginal de substituição ou é igual a zero ou é infinito. Se dois bens são substitutos perfeitos, então a utilidade arginal associada a cada u deles é constante. Logo, tabé é constante a taa arginal de substituição. 5

17 Se esta for zero ou infinito é porque ua das utilidades arginais é zero ou infinito. Mas isso não faz sentido. ortanto, a frase é falsa. d) A conveidade estrita das preferências pode ser entendida coo ua epressão foral de ua preferência dos consuidores por diversificação. A conveidade das curvas de indiferença decorre da hipótese de taa arginal de substituição (TMS) decrescente. Esta hipótese estabelece que, ao longo de qualquer curva de indiferença, quanto aior a quantidade de u be u consuidor possuir, tanto ais eige receber desse be, para renunciar a ua unidade do outro be. Ou seja, os consuidores estão, geralente, dispostos a prescindir de bens que já possue e grande quantidade, para obtere ais unidades daqueles que, naquele oento, detê e enor quantidade. Mas isso significa ua preferência dos consuidores por diversificação. e) ara que a taa arginal de substituição no consuo seja decrescente, é preciso que a utilidade arginal seja decrescente. Frase falsa coo facilente se constata pela análise do seguinte contra-eeplo. Ug TMS,. Se tiver ua utilidade arginal constante, para que a taa Ug arginal de substituição seja decrescente a utilidade arginal de terá de ser crescente. 6

18 A.. A ESCOLHA ÓTIMA DO CONSUMIDOR A... ara cada u dos consuidores i. deduza as funções procura de abos os bens; ii. deterine a escolha óptia; iii. calcule o nível de satisfação; e iv. avalie a taa arginal de substituição no ponto óptio. a) Consuidor A:,5 U 5 ; ; ; FUNÇÕES ROCURA a U 5, s.a. Γ 5 λ ( ) Γ Γ Γ λ 5 λ 5 λ,5 λ,5 λ,5 λ,5 λ ESCOLHA ÓTIMA 5 5 NÍVEL DE SATISFAÇÃO U ,9 TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO Ug 5 TMS,, ( 5;5 ) Ug ( ) 5 5;5 b) Consuidor B:,,6 U ; ; 6 ; 5 FUNÇÕES ROCURA,,6 a U, s.a. Γ,,6 λ ( ) 7

19 8 λ λ λ λ λ Γ Γ Γ,,8,6,,,,6,6,,,6,6 λ λ,5,,8,,,6,6,,6,5,5,5,5 ESCOLHA ÓTIMA 5, 5 6 5,6 5 6 NÍVEL DE SATISFAÇÃO 7, 5 U,6, TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO ( ) ( ) 6 5 Ug Ug TMS ;5 ;5, c) Consuidor C: U ; 5, ; ; 5 FUNÇÕES ROCURA ( ) s.a. U a, λ Γ λ λ λ λ λ Γ Γ Γ λ λ,6, p p ESCOLHA ÓTIMA 8,5 5,6,5 5, 5,5 NÍVEL DE SATISFAÇÃO 898,5 8 U TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO

20 Ug,5 TMS,,75 ( 8;,5 ) Ug ( ) 8 8;,5 d) Consuidor E: U ; ; ; 6 FUNÇÕES ROCURA a U, s.a. ESCOLHA ÓTIMA 6 NÍVEL DE SATISFAÇÃO U 6 > ; < 6 6 TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO Ug TMS, ( 6;) Ug ( ) 6; e) Consuidor F: U 5 ; ; ; FUNÇÕES ROCURA a U 5, s.a. ESCOLHA ÓTIMA NÍVEL DE SATISFAÇÃO U 5 5 > 5 ; 5 < TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO Ug 5 TMS, ( ;) Ug ( ) ; f) Consuidor G: U ; 6 ; 8 ; 5 ; 5 ; > < > 5 5 < FUNÇÕES ROCURA 9

21 a U, s.a. ESCOLHA ÓTIMA NÍVEL DE SATISFAÇÃO U 5 75 > ; < [ ;5] [ ;8,75] TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO Ug TMS, Ug g) Consuidor H: in{,5} U ; ; ; 7 ; > < FUNÇÕES ROCURA a U in,5, s.a.,5,5 { } 5,5,5 p,5 ESCOLHA ÓTIMA 7, 7 7,8,5 NÍVEL DE SATISFAÇÃO U in ;5,8 { } p TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO Não faz sentido h) Consuidor I: in{, } U ; 6 ; ; 8,,5 FUNÇÕES ROCURA { } a U in,, s.a. p p ESCOLHA ÓTIMA

22 NÍVEL DE SATISFAÇÃO { } ; in U TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO Não faz sentido i) Consuidor H: { }, in U ; ; ; FUNÇÕES ROCURA { } s.a., in U a, p p ESCOLHA ÓTIMA,5 5 NÍVEL DE SATISFAÇÃO { } 5,5; 5 in U TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO Não faz sentido j) Consuidor K: ln U ; ; ; 5 6, FUNÇÕES ROCURA ( ) ln s.a. ln U a, λ Γ λ λ λ λ λ Γ Γ Γ λ λ p ESCOLHA ÓTIMA

23 ,5 6,5 6,5 6 NÍVEL DE SATISFAÇÃO U 6 ln,5,9 TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO Ug TMS, ( 6;,5 ) Ug ( 6;,5 ),5 k) Consuidor L: U ; 6 ; ; 8 FUNÇÕES ROCURA a U, s.a. solução de canto : u u > u > > se se ESCOLHA ÓTIMA 6 8 > 8 NÍVEL DE SATISFAÇÃO U ( ) ( ) se se TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO Ug TMS, ( ;) Ug ( ) ; u l) Consuidor M: U ; ;, 5 ; FUNÇÕES ROCURA a U, s.a. Γ Γ Γ λ λ 6 λ λ 6 λ Γ λ ( ) λ 6 λ

24 ESCOLHA ÓTIMA 6 NÍVEL DE SATISFAÇÃO U 6 98 TAXA MARGINAL DE SUBSTITUIÇÃO NO ONTO ÓTIMO Ug TMS, ( ;6) Ug ( ;6) 6 6 A... A Joana te a seguinte função de utilidade:,5 U e aufere euros por seana que gasta no consuo dos bens X e Y, cujos preços são, respectivaente, e, abos denoinados e euros. a) Suponha que a Joana deté hoje,5 unidades do be X e 75 unidades do be Y. ual a TMSY, X nesse cabaz de dotações iniciais? Coo se copara co os preços relativos? Se a Joana puder realizar trocas no ercado, que trocas tenderá ela a fazer? Eplique a lógica do seu raciocínio. Ug X TMS, 6 > (,5;75) Ug ( ) (,5;75),5;75 Y A Joana dispõe-se a trocar 6 unidades de Y por de X. No ercado, para ter unidade adicional de X, eige unidades de Y. Logo, a Joana trocará Y por X. b) ual o cabaz seanal óptio da Joana? a U, s.a. Γ Γ Γ λ Γ 5 λ 5 λ λ 5 λ 5 λ ( ) 5 λ 5 λ

25 c) ual a utilidade arginal do rendiento da Joana? λ λ λ,5 U A... Suponha que, para u deterinado consuidor, a taa arginal de substituição avaliada na cobinação de consuo é TMS ( ), 5,. Sabendo que p / p, diga se este cabaz será escolhido pelo consuidor. E caso de resposta negativa, indique que tipo de trocas estará ele disposto a efectuar. Se para este consuidor os bens e fore substitutos perfeitos, então pode ser a escolha do consuidor desde que corresponda a u cabaz e que todo o rendiento é gasto no be. Caso contrário, não será o cabaz óptio e este consuidor dispõe-se a trocar o be pelo be. A... U consuidor te preferências descritas pela função utilidade U, adquire os bens aos preços e e dispõe de unidades onetárias de rendiento. a) Indique, se efectuar cálculos, a escolha óptia de consuo. ara este consuidor, os bens e são substitutos. O be te aior utilidade arginal e te enor custo, logo o cabaz óptio será afectar todo o rendiento ao consuo do be : (,) (,). b) Suponha que ua guerra obriga a u esquea de racionaento do be X, de acordo co o qual cada consuidor só pode adquirir 5 unidades desse be. ual é a escolha óptia do consuidor? O consuidor continua a escolher o áio que puder de, portanto o cabaz óptio será (,) ( 5). c) Responda de novo à questão anterior aditindo que, e vez do esquea de racionaento, o preço do be X sobe para unidades onetárias. TMS >,,5, A solução óptia continua a ser gastar todo o rendiento e : ( ) A..5. Seja o José edro co a seguinte função de utilidade U. a) Deterine os consuos óptios de X e Y, sujeitos à restrição orçaental 5.,

26 a U, Γ λ ( 5 ) s.a. 5 Γ 5λ 5λ 5λ Γ λ λ λ Γ λ 5 5 5,5,5,5,5 5 5,5 b) Suponha, agora, que o José edro está sujeito a u sistea de racionaento. Os preços das senhas de X e Y são e 6, respectivaente, eistindo u racionaento total de 8 senhas. Deterine os novos consuos óptios. oderá resolver-se a questão pelo étodo dos ultiplicadores de Lagrange? orquê? Serão abas as restrições activas no cabaz óptio? a U, 6 s.a. 8 Γ λ ( 6) μ( 8 ) As restrições sobre as variáveis não se pode epriir co equações. Assi, não se pode recorrer ao étodo dos ultiplicadores de Lagrange. Te de se fazer uso das condições de Kuhn-Tucker: () : λ μ ( ) : 6λ μ ( ) : 6 ( ) : 8 () 5 : λ( 6) ( 6) : μ( 8 ) ( 7) : λ ( 8) : μ Se λ () : μ μ ( ) μ : μ μ μ Substituindo e (6) ve: μ ( 8 μ μ) μ μ 8 μ não é solução μ viola (), não é solução. Se μ () : λ λ ( ),5 : 6λ 6λ λ Substituindo e (5) ve: λ ( 9λ 9λ) λ λ 8 μ λ não é solução, já se viu anteriorente λ 5

27 5 5 5 λ 5 não viola () 8 5 λ, μ > () 5 : λ( 6) 6 ( ) ( ) 6 : μ 8 8 Tabé não é solução. ortanto, (,) ( 5,5 ) 8 e μ, ou seja, a restrição do racionaento total de 8 senhas não é activa. c) Faça a representação gráfica dos dois equilíbrios X X RO a) RO b) RO b) U5 U77, A..6. Coente as seguintes afirações: a) A escolha óptia do consuidor caracteriza-se pela igualdade entre a taa arginal de substituição e o rácio dos preços. A frase é falsa. Ebora seja verdadeira para preferências be coportadas, não se aplica, por eeplo, a bens substitutos perfeitos. b) Dois indivíduos co cabazes de consuo idênticos tê certaente preferências idênticas. Considere-se dois consuidores cujas preferências são dadas por U e U e que dispõe abos de u.. Os preços são e. ara abos os consuidores a escolha óptia será e. Ou seja, eles escolhe o eso cabaz. No entanto, não apresenta a esa TMS pelo que as suas preferências não são idênticas. ortanto, este eeplo deonstra que a frase é falsa. α β c) Se a função utilidade de u consuidor é do tipo U (, ) percentage de rendiento gasta no consuo do be Y é sepre igual a β., a 6

28 7 A frase é falsa, pois co ua função utilidade do tipo ( ) β α, U a percentage de rendiento gasta no consuo do be Y será sepre igual a α β β. assando a deonstrar: ( ) s.a. U a, λ Γ β α β α λ β λ α λ β λ α λ Γ Γ Γ β α β α β α β α α β β α λ λ β α β α β α α β α β α β α β α β α β p p α β α α β β α β α α β α α β α β α β α β d) Se dois bens são copleentares perfeitos, o consuidor vai sepre escolher coprar igual quantidade de abos. Se dois bens são copleentares perfeitos serão consuidos sepre na esa proporção o que não significa que se consua igual quantidade de abos. Coo eeplo toe-se as alíneas g)-i) do eercício A... A frase é, então, falsa. e) uando as preferências são quasi-lineares, a escolha do consuidor é sepre ua solução de canto. Ua solução de canto é aquela e que o rendiento é gasto e apenas u dos bens. A frase é, obviaente, falsa: basta ver o eeplo das alíneas j)-l) do eercício A... f) Se dois bens são substitutos perfeitos e, TMS >, o consuo de X é nulo. A frase é verdadeira. Se a, TMS é aior que o preço relativo de, então, TMS é enor que o preço relativo de. Coo, TMS é o rácio da utilidade arginal de e de, dizer que aquela é enor que o rácio dos preços de e de significa que te u custo relativo superior à satisfação relativa que proporciona. E, coo tal, não copensa coprá-lo.

29 A.. ANÁLISE DE ESTÁTICA COMARADA A... Defina os seguintes conceitos: a) Curva consuo-rendiento Lugar geoétrico dos cabazes de equilíbrio do consuidor correspondentes a diferentes níveis de rendiento. b) Be noral Be cujo consuo varia proporcionalente enos ou na esa proporção do rendiento onetário. c) Be inferior Be cujo consuo varia inversaente co o rendiento. d) Curva de Engel Representação da relação entre a quantidade consuida de u be e o rendiento do consuidor. e) Curva consuo-preço Lugar geoétrico dos cabazes de equilíbrio de u consuidor que resulta de variações no preço de u be. f) Be de Giffen Be cuja procura varia directaente co o seu preço. g) Efeito substituição Variação na quantidade procurada de u be, resultante da variação no preço desse be, antendo-se constante o rendiento real do consuidor (se esse rendiento real estiver epresso e teros de poder de copra(nível de satisfação), te-se a abordage à Slutsk(Hicks)). h) Efeito rendiento Variação na quantidade procurada de u be, resultante da alteração do rendiento real do consuidor (se esse rendiento real estiver epresso e teros de poder de copra(nível de satisfação), te-se a abordage à Slutsk(Hicks)). A... Mostre que u be de Giffen é necessariaente inferior. A variação no consuo de u be devida a ua alteração do respectivo preço pode ser desdobrada e dois efeitos, o substituição e o rendiento: Δ Δ s Δ n ( p,) ( p,) [ ( p,) ( p,) ] [ ( p,) ( p,)] Enquanto o efeito substituição te de ser negativo isto é, por efeito substituição, a variação no consuo te sinal oposto ao da variação no preço o efeito rendiento pode ser negativo ou positivo. 8

30 U be de Giffen é aquele cuja procura ordinária varia directaente co o seu preço, ceteris paribus. ortanto, a variação total te de ter sinal positivo. Ora, para que a soa de ua parcela negativa co outra seja positiva, esta outra parcela te de ser positiva. Logo, para que u be seja de Giffen, o efeito rendiento te de ter sinal positivo. Mas u be só te efeito rendiento de sinal positivo se for inferior. Concluindo: u be de Giffen te de ser necessariaente inferior. A... Considere o espaço de consuo de bens, X e Y, relativo a u deterinado consuidor. Apresente ua interpretação gráfica dos efeitos substituição e rendiento nua situação e que o preço do be X diinui. O be X é u be noral. Efectue as eplicações que entender necessárias para acopanhar a leitura do gráfico. Reporte-se às abordagens de Hicks e Slutsk. ABORDAGEM DE HICKS ara decopor a variação total e efeito substituição e efeito rendiento, Hicks deterina a quantidade consuida de X nu cenário e que o preço deste be diinui, as o be-estar do consuidor anté-se. Ou seja, Hicks encontra ua restrição orçaental (a verde) co o eso declive que a restrição orçaental final (a azul claro) as que seja tangente à curva de indiferença que tabé o é à restrição orçaental inicial (a azul escuro). E E RO inicial RO final RO interédia CI ES ER EI ABORDAGEM DE SLUTSKY ara decopor a variação total e efeito substituição e efeito rendiento, Slutsk deterina a quantidade consuida de X nu cenário e que o preço deste be diinui, as o poder de copra do consuidor anté-se. Ou seja, Slutsk encontra ua restrição orçaental (a verde) co o eso declive que a restrição orçaental final (a azul claro) as que passa pelo cabaz inicial. Dada essa restrição orçaental (a verde), Slutsk calcula a quantidade óptia de X. 9

31 RO inicial RO final RO interédia ES ER E E EI A... Deterine e represente as curvas i. consuo-rendiento ii. consuo-preço do be X iii. consuo-preço do be Y iv. de Engel do be X v. de Engel do be Y para as seguintes situações: a),5 U 5 ; ; ; CURVA CONSUMO-RENDIMENTO TMS,, CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X TMS, 5 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y TMS, 5 CURVA DE ENGEL DO BEM X CURVA DE ENGEL DO BEM Y

32 b) c),,6,5 U ; ; 6 ; 5 CURVA CONSUMO-RENDIMENTO, TMS,,6 6 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X TMS,,, CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y, TMS,,5,6 5 5,5,5 5 CURVA DE ENGEL DO BEM X,,, CURVA DE ENGEL DO BEM Y,6,6 6, U ;, 5 ; ; 5 CURVA CONSUMO-RENDIMENTO,5 TMS, CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X TMS, ,5 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y,5 TMS,,5 5,5 5 8 CURVA DE ENGEL DO BEM X,6,6,5, CURVA DE ENGEL DO BEM Y 6 5,5 5

33 ,,, d) U ; ; ; 6 CURVA CONSUMO-RENDIMENTO < TMS, CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X se < 8 se 8 5 se > 8 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y se <,5 se,5 se >,5 CURVA DE ENGEL DO BEM X CURVA DE ENGEL DO BEM Y e) U 5 ; ; ; CURVA CONSUMO-RENDIMENTO > 5 TMS, CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X se <,5 se,5,5 se >,5 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y se <, se, se >,,5 CURVA DE ENGEL DO BEM X CURVA DE ENGEL DO BEM Y f) U ; 6 ; 8 ; 5 CURVA CONSUMO-RENDIMENTO É todo o espaço dos bens. CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X se < 6 se 6 8,75,75 se > 6 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y se < 8

34 se 8 se > 8 8,75,75 CURVA DE ENGEL DO BEM X É todo o espaço dos bens. CURVA DE ENGEL DO BEM Y É todo o espaço dos bens. g) in{,5} U ; ; ; 7 CURVA CONSUMO-RENDIMENTO 5, CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X 5, CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y 5, CURVA DE ENGEL DO BEM X,, 6 CURVA DE ENGEL DO BEM Y,5,5 5 h) U in{, } ; 6 ; ; 8 CURVA CONSUMO-RENDIMENTO CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y CURVA DE ENGEL DO BEM X 6 CURVA DE ENGEL DO BEM Y 6 i) U in{, } ; ; ; CURVA CONSUMO-RENDIMENTO CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y CURVA DE ENGEL DO BEM X,5 CURVA DE ENGEL DO BEM Y j) U ln ; ; ; 6, 5 CURVA CONSUMO-RENDIMENTO

35 k) l) TMS,,5 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X TMS, 6,5 6,5 6,5 6,5 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y TMS,,5 6,5 6,5,5 6,5 6,5 CURVA DE ENGEL DO BEM X,5 CURVA DE ENGEL DO BEM Y,5 U ; 6 ; ; 8 CURVA CONSUMO-RENDIMENTO Se 6 < 8 Se 6 6 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X Se 8 8 Se 8 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y Se Se 8 7 CURVA DE ENGEL DO BEM X Se 6 Se 6 6 CURVA DE ENGEL DO BEM Y Se 6 Se 6, U ; ;, 5 ; CURVA CONSUMO-RENDIMENTO TMS, 6 6 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM X TMS, 6

36 CURVA CONSUMO-REÇO DO BEM Y TMS, 6 ( 5 ) CURVA DE ENGEL DO BEM X 6 CURVA DE ENGEL DO BEM Y 6 A..5. Calcule: i. efeito substituição e efeito rendiento à Slutsk ii. efeito substituição e efeito rendiento à Hicks iii. variação no ecedente iv. variação copensatória v. variação equivalente para as seguintes situações:,5 a) U 5 ; ; ; ; 5 i 5 i 5 5 f f 5 5 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY i i ,5 5 7 ES 7,5 5 7,5 ER 7,5 7,5 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS 5

37 b) U i , ES 5,8 5 9, ER 5,8 5,8 VARIAÇÃO NO EXCEDENTE ΔXC XC f XCi d 5 5 ln ln ln 5 ln 5, [( ) ( )] 8 VARIAÇÃO COMENSATÓRIA VC VARIAÇÃO EUIVALENTE 5 5 U f VE 6 7,,6 U ; ; 6 ; 5 ; d 5 5 ln, 5,6 5 6 i i 5 6 5, 5,6 5 f f 7,5 5 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY 5 i i,6 6 ES 6 5 ER 7,5 6,5 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS 5 5 [ ] 5[ ln ] 6

38 c) U i,, 5,6,,,6,,5,6,6,6 9 5,85 9 ES 5,85 5,85 ER 7,5 5,85,65 VARIAÇÃO NO EXCEDENTE 6 5 7,5 7,5 ΔXC XC f XCi d 7,5 ln7,5 ln ln5 ln, [( ) ( )] 6 VARIAÇÃO COMENSATÓRIA VC 9 5 VARIAÇÃO EUIVALENTE U f,,,6,,6, 7,5,, VE 6 5,6,6, 5 9 5, 6 U ;, 5 ; ; 5 ;,6,, d 5 6 ln 7,5,5,6 5, 5 i 8 i,5,5 5,6 5, 5 f 9 f,5 5 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY 8,5 7 i i,6 7,8 7 ES,8 8 7, ER 9,8,8 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS,6, U i 8,5,6,6,,,6,6 7,5 5 [ ] [ ln ],,6 6,6 7

39 8,5,, 5,6 68,6 68 ES,6 8, ER 9,6,6 VARIAÇÃO NO EXCEDENTE 7 7, ΔXC XC f XCi d 9 7 ln 9 ln ln8 ln 8, [( ) ( )] 7 VARIAÇÃO COMENSATÓRIA VC 68 5 VARIAÇÃO EUIVALENTE U f,6, 5 9 8,5 7 d 8,5 7 ln,6,5 9,5,, VE 5 5 d) U ; ; ; 6 ; 6 i 6 i 6 6 f f 5 6 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY 6 8 i i 8 ES 6 6 ER, EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS Ui ES [ ] 7[ ln ] 8

40 ER VARIAÇÃO NO EXCEDENTE 6 se < 8 [ ;,5 ] se 8 se > 8 6 ΔXC XCf XCi,5 VARIAÇÃO COMENSATÓRIA VC ,5 6 d 6 6 ln VARIAÇÃO EUIVALENTE Uf 5,5 VE,5 6 7,5 e) U 5 ; ; ; ;, 8 i i,8 f f 5,8 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY,8 9,6 i i,8 9,6 ES ER 5 9,6,8 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS Ui 5 5 5,8 9,6,8 9,6 ES ER 5 9,6,8 VARIAÇÃO NO EXCEDENTE se <, [ ;] se, se >,,8 5 6 [ ] 6( ln6 ln,5 ) 58, 85,5 9

41 5 ΔXC XCf XCi d VARIAÇÃO COMENSATÓRIA VC 9,6, 5 ( 5 ),8 (,8 ) [ ln ] ( ln5 ln), 68 VARIAÇÃO EUIVALENTE Uf VE 5 f) U ; 6 ; 8 ; 5 ; 6 8 i [ ;5] i [ ;8,75] f 5 f 6 5 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY Indeterinado EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS Indeterinado VARIAÇÃO NO EXCEDENTE Indeterinada VARIAÇÃO COMENSATÓRIA Indeterinada VARIAÇÃO EUIVALENTE Indeterinada g) U in{,5}; ; ; 7 ; i i,8,, f 8 f 7,, 5 5,5 7 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY 5,8 8 i i 8 5,8 5,5 8 ES,8,8 ER 7,,8, EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS

42 Ui in,5 8,,5, 5 8 5,8 5,5 8 ES,8,8 ER 7,,8, VARIAÇÃO NO EXCEDENTE ,8 5 7, 7,,8 7 7 ΔXC XC f XCi 5 d 7, 5 5 d,8 7, 7,,8,8 [ ] [ 5] 6 7[ ln ] [ 5] 7 ln 8 ( ln7, ln,8 ) 5 ( 7,,8 ) 9, 7 VARIAÇÃO COMENSATÓRIA VC 8 7 VARIAÇÃO EUIVALENTE Uf in,5 8 8,,5, VE U in, ; 6 ; ; 8 ; h) { } i i f,8 f, 8 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY i i ES ER,8,8 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS Ui in,

43 ES ER,8,8 VARIAÇÃO NO EXCEDENTE ,8,8 8 8 ΔXC XC f XCi 6 d,8 6 d 6,8,8 [ ] [ 6] 9, 8[ ln ] [ 6] 8 ln ( ln,8 ln ) 6 (,8 ),8 8, 75 8 VARIAÇÃO COMENSATÓRIA VC 8 8 VARIAÇÃO EUIVALENTE Uf in,,8 57,6 6 VE 57,6 8 9,6 U in, ; ; ; ; 5 i) { } i,5 i 5 5 f f EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY 5,5 5,5 i i 5,5,5 5,5 ES,5,5 ER 9,5 5 8 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS Ui in, 5 5,5 5,5,5 5,5 ES,5,5

44 ER 9,5 5 8 VARIAÇÃO NO EXCEDENTE,5 5 9 ΔXC XC d 5 9 9,5 f XCi d,5 9 9,5,5 [ ] [ ] 5 9 [ ln ] [ ] ln 5 ( ln 9 ln,5 ) ( 9,5 ) 5 9 VARIAÇÃO COMENSATÓRIA VC,5,5 VARIAÇÃO EUIVALENTE U in, 9 8 VE 9 9 j) U ln ; ; ; 6, 5 ; f 6,5 i 6 i,5 6,5 6,5 f 6 f,5 6,5 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY 6,5 65 i i,5 65 ES,5,5,5 ER,5,5 EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS,5 U i ln 6 ln,5, ln,5,5 6, ES,5,5,5 ER,5,5 VARIAÇÃO NO EXCEDENTE, ,

45 k),5,5,5,5 ΔXC XC f XCi d,5,5 ln,5 ln ln,5 ln, [( ) ( )] 7 VARIAÇÃO COMENSATÓRIA VC 6, 6,5,7,5,5 d,5,5 ln VARIAÇÃO EUIVALENTE,5 U f ln 6 ln,5, ln,5 VE 6,77 6,5,7 U ; 6 ; ; 8 ; 6 8 i i 8 f 7 f EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY 8 i i 8 ES 7 7 ER EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS Ui o 5, 8 ES 5, 5, ER 7 5,,7 VARIAÇÃO NO EXCEDENTE 8 se se 6 7 ΔXC XCf XCi d VARIAÇÃO COMENSATÓRIA,5,5 [ ],5 [ ln ] 8 6,77 7 ( 7 8 ) 8[ ln ] ( 7 8 ) 8 VC 8 8 6,8

46 l) VARIAÇÃO EUIVALENTE Uf VE 8 U ; ;, 5 ; ; i i i 9 i EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À SLUTSKY 6 66 i i 66 ES 58 ER 9 58 i EFEITO SUBSTITUIÇÃO E EFEITO RENDIMENTO À HICKS 6 6 Ui i 5 58 ES 5 6 ER 9 5 VARIAÇÃO NO EXCEDENTE ( ) 6 ( ) d ( 9 ) ( ) ΔXC XCf XCi ln 6 57, VARIAÇÃO COMENSATÓRIA VC 58 VARIAÇÃO EUIVALENTE 5

47 Uf 9 6, VE 8 8 A..6. Coente as seguintes afirações: a) A curva de Engel de u be de Giffen é positivaente inclinada. U be de Giffen é necessariaente inferior. U be inferior é aquele cuja quantidade consuida varia inversaente co o rendiento. Logo, a curva que representa a relação entre quantidade consuida e rendiento, a curva de Engel, é negativaente inclinada. ortanto, a frase é falsa. b) A probabilidade de u be ser inferior para u dado consuidor auenta à edida que auenta o seu nível de rendiento. referências quasi-lineares iplica que a procura de u dos bens não dependa do rendiento. Se não depende do rendiento, tabé não te efeito rendiento. E se não te efeito rendiento não pode ser inferior. ortanto, a frase é falsa. c) A curva consuo-preço de u be noral nunca pode ser decrescente. A curva consuo-preço de u be é o lugar geoétrico dos cabazes de equilíbrio que resulta de variações no preço desse be. Aditaos, se perda de generalidade, que o be e questão é o X e é noral. Se é noral, terá de ser ordinário. U be ordinário é aquele cuja quantidade consuida varia inversaente co o seu preço. ortanto, à edida que o preço de X baia, a quantidade consuida vai estar cada vez ais à direita. Dizer que a curva consuo-preço não pode ser decrescente significa, neste conteto, que a quantidade consuida de Y ou não varia ou auenta. Mas não há nada que garanta que assi seja. Logo, a frase é falsa. d) ara u orçaento inteiraente gasto e dois bens, u auento no preço de u deles causará necessariaente u descréscio no consuo de abos, a não ser que pelo enos u dos bens seja inferior. Falso. Basta pensar e preferências Cobb-Douglas. Nenhu dos bens é inferior e, no entanto, quando o preço de u deles auenta, o consuo do outro não se altera. ortanto, apenas u dos bens vê o seu consuo reduzido. e) uando o efeito rendiento é superior ao efeito substituição as de sentido contrário a este, estaos na presença de u be de Giffen. A variação no consuo de u be devida a ua alteração do respectivo preço pode ser desdobrada e dois efeitos, o substituição e o rendiento: Δ Δ s Δ n ( p,) ( p,) [ ( p,) ( p,) ] [ ( p,) ( p,)] O efeito substituição te sepre sinal negativo. Se o efeito rendiento for positivo e de aior agnitude que o efeito substituição, o efeito total que é a 6

48 soa dos dois será positivo. Mas u efeito total positivo significa que a quantidade consuida varia positivaente co o preço. E isso é a definição de u be de Giffen. A frase é, pois, verdadeira. f) U be inferior é necessariaente u be de Giffen. A frase é falsa. A variação no consuo de u be devida a ua alteração do respectivo preço pode ser desdobrada e dois efeitos, o substituição e o rendiento: Δ Δ s Δ n ( p,) ( p,) [ ( p,) ( p,) ] [ ( p,) ( p,)] U be inferior é aquele cuja quantidade consuida varia inversaente co o rendiento. ara estes bens, o efeito rendiento é positivo. Ou seja, te sinal oposto ao do efeito substituição. Obviaente, o sinal do efeito total dependerá da agnitude dos dois efeitos referidos, podendo o be ser de ordinário ou de Giffen. g) Se u be é noral para qualquer nível de rendiento, então a curva de Engel é negativaente inclinada. U be noral é aquele cuja quantidade consuida varia positivaente co o rendiento. Logo, a curva que representa a relação entre quantidade consuida e rendiento, a curva de Engel, é positivaente inclinada. ortanto, a frase é verdadeira. h) A variação copensatória é, e teros absolutos, sepre superior à variação equivalente. Ebora geralente a variação copensatória seja, e teros absolutos, superior à variação equivalente, tal não sucede, por eeplo, co as preferências quasilineares, caso e que as duas edidas tê sepre o eso valor absoluto. Logo, a frase é falsa. 7

49 A.5. ROCURA DE MERCADO A.5.. Deterine a função procura do ercado do be X dadas as seguintes funções procura individuais: i,p i, K, p j j, K, 5 t 5,6p t, K, 5 i,p i p p j j 5 p j p 5,6 p 5,6 8,7 t X X 5 t 5 j i t j i 5 j i j i i t se 5,6 < p se < p i se p 5,6 5 ( 5,6 p) 5 ( 5 p ) (,p ) se p 5 5 ( 5 p ) (,p ) se 5,6 < p (,p ) se < p ( 65 76,5p ) ( 75,5 ) ( p) se p 5,6 ( 75,5p ) ( p) se 5,6 < p X p se < p 8 8 p se p 5,6 X 75,5p se 5,6 < p p se < p,6 A.5.. O edro e o Carlos são irãos co preferências usicais idênticas. A procura individual de CDs pode ser epressa pela função p 5. a) Deterine a função procura agregada dos dois. p 5 i i 5 p X i ( 5 p) p Suponha que cada CD custa u.. b) Calcule a elasticidade-preço da procura individual p d i p p ε ( ) i dp 5 p 5 p p ε c) Calcule a elasticidade-preço da procura agregada p dx p p ε ( ) X dp p 5 p p ε i 8

50 d) Copare e analise os resultados obtidos nas alíneas b) e c). A elasticidade-preço da procura individual é a esa da procura agregada. A.5.. Considere a seguinte função procura linear: p. a) Represente a função e indique e que zonas a procura é elástica, rígida e unitária. p 6 5 elástica rígida unitária p d p p ε dp p p ( ) p, 5 p >,5 ε > <,5 ε < b) Identifique o ponto da recta que corresponde ao áio da despesa total. DT p p ( p) p a DT DT p p p,5 A.5.. Seja a função de utilidade U. ara a copra de X e Y, o consuidor individual dispõe de u nível de rendiento M. Calcule: a) A elasticidade procura-preço do be X. d ε d b) A elasticidade procura-preço do be Y. d ε d c) A elasticidade procura-preço cruzada do be X e relação ao be Y. d ε d d) A elasticidade procura-preço cruzada do be Y e relação ao be X. d ε d e) A elasticidade procura-rendiento do be X. d η d f) A elasticidade procura-rendiento do be Y. 9

51 η d d g) Verifique que ε ε η, onde ε, ε e η representa, respectivaente, a elasticidade procura-preço directa do be X, a elasticidade procura-preço cruzada entre o be X e o be Y e a elasticidade procura-rendiento do be X. ε ε ηx 5

52 B. TEORIA DO RODUTOR B.. TECNOLOGIA B... Defina os seguintes conceitos: a) Factor produtivo b) rodutividade édia roduto total por unidade de factor. c) rodutividade arginal Acréscio do produto total por unidade adicional do factor, antendo-se o outro constante. d) Lei dos rendientos arginais decrescentes Lei segundo a qual se auentaros a quantidade de u dos factores produtivos, antendo fias as quantidades dos restantes, os resultantes acréscios do produto são cada vez enores, podendo atingir-se ua região de acréscios do produto negativos. e) Rendientos crescentes à escala Tecnologia e que o acréscio de % na utilização de todos os factores produtivos perite obter u acréscio do produto superior a %. f) Rendientos constantes à escala Tecnologia e que o acréscio de % na utilização de todos os factores produtivos perite obter u acréscio do produto igual a %. g) Rendientos decrescentes à escala Tecnologia e que o acréscio de % na utilização de todos os factores produtivos perite obter u acréscio do produto inferior a %. B... Deterinada epresa te a seguinte função de produção: L K L, e que K e L são factores de produção e é a quantidade produzida. A epresa encontrase a produzir na diensão K 8. a) Deterine a epressão analítica do produto total, produtividade édia e produtividade arginal do factor L. roduto total: 8L L rodutividade édia: 8L L L rodutividade arginal: 6L L L 5

53 b) Represente graficaente as funções encionadas, acopanhadas do respectivo estudo, e eplicando os zeros e andaento de tais funções. 8 6 T Me Mg L - A função produto total apresenta dois zeros, para L e L 8. É crescente até L ; neste ponto te u áio e a partir daí é decrescente. Os zeros da produtividade édia são tabé os da função produto total ( L e L 8 ). A função é crescente até L ; neste ponto te u áio e a partir daí é decrescente. A produtividade arginal apresenta dois zeros, para L e L. É crescente até L 6 ; neste ponto te u áio e a partir daí é decrescente. c) Faça a leitura geoétrica da produtividade édia e produtividade arginal do factor L a partir do gráfico da produção total. Os zeros da produtividade édia são os esos do produto total. Ou seja, produto total e produtividade édia tê o eso sinal. O prieiro zero da produtividade arginal coincide co o prieiro zero do produto total; o segundo ocorre no ponto e que o produto total é áio. ortanto, a produtividade arginal é positiva enquanto o produto total for crescente. d) Estabeleça as relações entre as funções produto total, produtividade édia e produtividade arginal do factor L. Os zeros do produto total e da produtividade édia coincide. O andaento da função produto total é dado pelo coportaento da sua derivada, que corresponde à produtividade arginal. Assi, a função produto total te u áio quando a produtividade arginal é zero. À esquerda desse ponto, a produtividade arginal é positiva, logo a função produto total é crescente; à sua direita, a produtividade arginal é negativa, pelo que a função produto total é decrescente. O áio da produtividade édia ocorre no ponto e que a curva desta intersecta a curva da produtividade arginal. À esquerda deste ponto, a 5

54 produtividade arginal é superior à produtividade édia, logo esta é crescente; à direita, a produtividade arginal é inferior à produtividade édia, portanto esta é decrescente. e) A partir de que nível de utilização do factor L se coeça a verificar a lei dos rendientos arginais decrescentes? Justifique. A partir de L 6, o auento da quantidade de trabalho resulta e acréscios do produto cada vez enores. O que corresponde ao estabelecido pela lei dos rendientos arginais decrescentes. f) ual o volue de produção para o qual é áia a produtividade édia do factor fio? e K K. Coo K está fio, a sua produtividade édia será áia quando o produto total for áio, o que ocorre para L. α β B... Ua função de produção Cobb-Douglas é dada por f (, ) A. O tipo de rendientos à escala desta função vai depender dos valores de αβ. Relacione-os co os diferentes tipos de rendientos à escala. f α β α α β β αβ α β αβ ( t,t) A( t) ( t) At t t ( A ) t f(,) Se α β < te-se rendientos decrescentes à escala (DRS). Se α β te-se rendientos constantes à escala (CRS). Se α β > te-se rendientos crescentes à escala (IRS). B... Considere a epressão genérica da função de produção do tipo Cobb-Douglas co dois factores, trabalho (L) e capital (K): α β AL K. a) Deterine as epressões algébricas da produtividade édia e da produtividade arginal de abos os factores. α e L L AL K β α g L L αal K e K K AL α K β g K K βal K α β β b) Verifique se se trata de ua função hoogénea. uais as condições que se tê de verificar para que o processo de produção que ela traduz adita rendientos constantes, decrescentes ou crescentes à escala? α β αβ α β αβ ( tl,tk) A( tl) ( tk) t ( AL K ) t ( L,K) fç hoogénea de grau αβ α β < função hoogénea de grau inferior a DRS α β função hoogénea de garu CRS α β > função hoogénea de grau superior a IRS 5

55 B..5. Caracterize as seguintes funções de produção quanto a rendientos à escala e produtividades arginais: a),5 K L ( tk,tl) ( tk) ( tl) t ( K, L) K K L K ( L K ) 5 L L L K ( K L ) 5 g CRS g Abas as produtividades arginais são positivas e obedece à LRMD. b) αk βl ( tk,tl) α( tk) β( tl) t g K K αk g L L βl IRS Abas as produtividades arginais não obedece à LRMD. O seu sinal depende dos parâetros α e β. c) in{ ak,bl} ( tk,tl) in{ atk,btl} t CRS g K g L Abas as produtividades arginais são nulas, não obedecendo à LRMD. d) K L ( tk,tl) tk tl t CRS g K K g L L Abas as produtividades arginais são positivas e não obedece à LRMD. e),5,6 K L,6, ( tk,tl) ( tk) ( tl) t ( K, L) IRS,6 K K L K ( L K) L,, L L,6L K,,,6 ( K L) K g g Abas as produtividades arginais são positivas e obedece à LRMD. B..6. Coente as seguintes afirações: a) Desde que seja usado u só factor na produção de u be e que a tecnologia apresente rendientos decrescentes à escala, a produtividade arginal do factor é decrescente. Considereos a seguinte função de produção f( L). O Teorea de Euler estabelece que se f(,, K, ) n é ua função n hoogénea de grau α, então i α. No caso da função de produção i i considerada ve L α. Coo a tecnologia é DRS, < α < pelo que L L <. Dividindo tudo por L fica < ou seja g L < el. L L L 5

56 Mas se g L < el, então a produtividade arginal é decrescente. ortanto, a frase é verdadeira. b) Se a tecnologia apresenta rendientos constantes à escala então duplicar a quantidade usada de u factor de produção duplica a quantidade produzida. Falso, coo se coprova pelo seguinte contra-eeplo.,5 K L é ua função de produção que eibe CRS. Se K e L 9, então 6. Duplicando apenas a quantidade de K, ve 8, 85 que não é, obviaente, o dobro da quantidade produzida inicial. c) Se a tecnologia apresenta rendientos decrescentes à escala, então ao duplicar a produção, passaos para ua isoquanta inferior. Falso. As isoquantas são lugar geoétrico das várias cobinações de factores que perite produzir ua esa quantidade. Se a tecnologia é DRS, para se duplicar a produção, ter-se-á de ais que duplicar as quantidades utilizadas de factores. Se se está a auentar as quantidades de factores, então está-se nua isoquanta superior. d) Se a tecnologia eibir rendientos constantes à escala, então a produtividade arginal dos factores é constante. Falso. Basta toar coo contra-eeplo a alínea a) do eercício B

57 B.. MINIMIZAÇÃO DE CUSTOS B... Defina os seguintes conceitos: a) Custo fio Custo que não varia co o nível de produção e que a epresa te de suportar ainda que nada produza. b) Custo variável Custo que varia co o nível de produção c) Custo total Soa dos custos variáveis e custos fios. d) Custo fio édio Custo fio por unidade produzida. e) Custo variável édio Custo variável por unidade produzida. f) Custo total édio Custo total por unidade produzida. g) Custo arginal Acréscio no custo total por produzir ais ua unidade. B... Eplique porque é que a curva de custo arginal intersecta as curvas de custo total édio e custo variável édio nos respectivos pontos ínios. Adita-se que se está a produzir nua zona e que o custo édio é decrescente. Então, nesta zona, o custo arginal te de ser inferior ao custo édio: a única fora de baiar ua édia é adicionando-lhe núeros que lhe são inferiores. Analogaente, se o custo édio é crescente, o custo arginal te de lhe ser superior. Sabe-se, então, que a curva do custo arginal fica abaio da do custo édio à esquerda do ínio desta; e acia à direita. O que iplica que no ponto ínio as duas curvas se intersecta. Este eso arguento se aplica ao caso da curva do custo variável édio. B... Os custos de ua epresa são ostrados parcialente na tabela abaio. Coplete os espaços que estão e branco. CT CF CV CTMe CFMe CVMe CMg

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

2.1. Um consumidor possui a função de utilidade do tipo Cobb-Douglas Considere um consumidor que possui a seguinte função de utilidade:

2.1. Um consumidor possui a função de utilidade do tipo Cobb-Douglas Considere um consumidor que possui a seguinte função de utilidade: Microeconoia I Ficha : Capítulos 5, 6 e 8 Exercícios propostos Capítulo 5.1. U consuidor possui a função de utilidade do tipo Cobb-Douglas U(x 1, x ) = x 1 1/3 x /3. a) Utilize o ultiplicador de Lagrange

Leia mais

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn IV Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler E Diagraas de Venn - 124 - Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler e Diagraas de Venn Para eplicar o que é o Método Sibólico e e que aspecto difere

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Nuérico Faculdade de ngenhari Arquiteturas e Urbaniso FAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronoia) VI Integração Nuérica Objetivos: O objetivo desta aula é apresentar o étodo de integração

Leia mais

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio:

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio: Monopólio Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções.

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções. Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Docuento de apoio Módulo Q 2 Soluções. 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante Dispersão Ua dispersão é ua istura de duas ou ais substâncias,

Leia mais

TEORIA DO CONSUMIDOR EXERCÍCIOS

TEORIA DO CONSUMIDOR EXERCÍCIOS Teoria do Consumidor Questões ráticas (Versão rovisória) TEOIA DO CONSUMIDO EECÍCIOS Exercício. estrição orçamental e efeitos da variação dos preços e do rendimento Suponha que um consumidor gasta a totalidade

Leia mais

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina Departaento de Engenharia Mecânica Rao de Terodinâica e fluidos Gestão da Energia Estudo da viabilidade econóica da ipleentação de ua icroturbina Coordenação do trabalho: Professor Fausto Freire André

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MICROECONOMIA I 1º Semestre 004/005 CADERNO DE EXERCÍCIOS 0. Modelos Económicos. Optimização 1. Suponha que y = 5000 10Py é a função que traduz

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura Questão 1 A lei da utilidade marginal decrescente diz-nos que, quanto maior for a quantidade

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2005/2006)

(Testes intermédios e exames 2005/2006) 158. Indique o conjunto dos números reais que são soluções da inequação log 3 (1 ) 1 (A) [,1[ (B) [ 1,[ (C) ], ] (D) [, [ 159. Na figura abaio estão representadas, em referencial o. n. Oy: parte do gráfico

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp.

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp. A empresa e o mercado Fernando Branco Ano lectivo 2003-2004 Trimestre de Inverno essão 4 A empresa produz para servir os seus clientes (o mercado). Não há uma teoria geral para prescrever as decisões óptimas

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

PROCON MICROECONOMIA - Prof. Rodrigo Pereira

PROCON MICROECONOMIA - Prof. Rodrigo Pereira PROCON MICROECONOMIA - Prof. I Introdução A teoria econômica é um instrumental extremamente útil para o entendimento de uma série questões do mundo moderno. Neste curso estudaremos o comportamento de consumidores,

Leia mais

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos ª aula Suário: licação da conservação da energia ecânica a ovientos e caos gravíticos. nergia oteial elástica. Forças não conservativas e variação da energia ecânica. licação da conservação da energia

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 2 O MERCADO O Mercado Os Economistas estudam e analisam o funcionamento de uma série de instituições, no

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

Caderno de Exercícios

Caderno de Exercícios UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO INTRODUÇÃO À MICROECONOMIA Licenciaturas em Economia, MAEG e Finanças 2005/2006 Caderno de Exercícios NOTA INTRODUTÓRIA: O conjunto

Leia mais

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA EM PORTFOLIOS PCH E BIOMASSA 48 4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA Confore explicado no capitulo anterior, a decisão do agente hidráulico de coo sazonalizar

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO Quando a istura apresenta as esas características e toda a extensão do recipiente teos ua istura hoogênea e, se tiver ais

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio.

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio. 1) O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é o da escassez. Explique porque, citando pelo menos um exemplo. A escassez é o problema fundamental da Economia, porque, dadas as necessidades

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

Capítulo 14. Fluidos

Capítulo 14. Fluidos Capítulo 4 luidos Capítulo 4 - luidos O que é u luido? Massa Especíica e ressão luidos e Repouso Medindo a ressão rincípio de ascal rincípio de rquiedes luidos Ideais e Moviento Equação da continuidade

Leia mais

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Aula 6 Abordagens da Teoria do Consumidor Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNESP Sorocaba -SP Historicamente, ao observar-se o desenvolvimento da

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014 Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira USP 28 de julho de 2014 Roberto Guena (USP) Discrim. & conc. monop. 28 de julho de 2014

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II DISCIPLINA: MACROECONOMIA 24/03/2015 Prof. João Basilio Pereima Neto E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II 1. Modelo OA - Mercado de Trabalho com flexibilidade de Preços

Leia mais

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER Pesquisa Operacional na Sociedade: Educação, Meio Aente e Desenvolviento 2 a 5/09/06 Goiânia, GO UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER E. Vendraini Universidade Estadual

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Coordenação Geral Maurício Tiono Tolasqui José Carlos de Miranda Farias Equipe Técnica Danielle Bueno de Andrade

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas www.engenhariafacil.weebly.co Resuo co exercícios resolvidos do assunto: Sisteas de Partículas (I) (II) (III) Conservação do Moento Centro de Massa Colisões (I) Conservação do Moento Na ecânica clássica,

Leia mais

4.2-Setor da Construção apresenta ao Governo proposta para resolver a questão do déficit habitacional.

4.2-Setor da Construção apresenta ao Governo proposta para resolver a questão do déficit habitacional. BOLETIM ECONÔMICO NOVEMBRO/07 Suário 1.Conjuntura: No ês de outubro, IPCA e INPC auenta, IGPM recua e INCC é o eso do ês anterior. IPCA cheio de outubro (0,30%) é superior ao de setebro (0,18%). As aiores

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MICROECONOMIA I CADERNO DE EXERCÍCIOS A. TEORIA DO CONSUMIDOR A.1. A RESTRIÇÃO ORÇAMENTAL DO CONSUMIDOR A.1.1. Defina os seguintes conceitos:

Leia mais

Professor: Sérgio Ricardo de Brito Gadelha Disciplina: Microeconomia Email: professor.sergio.gadelha@gmail.com Site: http://srbgadelha.wordpress.

Professor: Sérgio Ricardo de Brito Gadelha Disciplina: Microeconomia Email: professor.sergio.gadelha@gmail.com Site: http://srbgadelha.wordpress. SUMÁRIO 1 1. Introdução à Economia... 2 2. Teoria do Consumidor... 24 3. Teoria da Firma (Produção e Custos)... 38 4. Teoria de Mercados... 55 5. Teoria dos Jogos... 71 6. Equilíbrio Geral... 79 7. Bem

Leia mais

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE RINCÍIOS DE COMUNICAÇÃO II MODULAÇÃO EM AMLITUDE Vaos iniciar o rocesso a artir de ua exressão que define sinais de tensão cossenoidais no teo, exressos genericaente or : e () t = E cos ω () t x x x onde

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250 Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp.

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250 Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp. Discriminação de preços Fernando Branco Muitas vezes as empresas não praticam o mesmo preço para todas as unidades: raticam discriminação de preços. Exemplos de discriminação de preços. uais as vantagens

Leia mais

ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA

ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA Laboratório de Broatologia e Análises Broatológicas ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA Trabalho realizado por: Ana Gonçalves José Nogueira Luís Tavares Laboratório de Broatologia e Análises Broatológicas

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Teoria do Consumidor: Equilíbrio e demanda. Roberto Guena de Oliveira 18 de Março de 2017

Teoria do Consumidor: Equilíbrio e demanda. Roberto Guena de Oliveira 18 de Março de 2017 Teoria do Consuidor: Equilíbrio e deanda Roberto Guena de Oliveira 18 de Março de 2017 1 Estrutura geral da aula Parte 1: Restrição orçaentária Parte 2: Equilíbrio Parte 3: Deanda 2 Parte I Restrição orçaentária

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 17. AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação)

ECONOMIA MÓDULO 17. AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação) ECONOMIA MÓDULO 17 AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação) Índice 1. As Elasticidades da Demanda (continuação)...3 1.1. Elasticidade-preço cruzada da demanda... 3 1.2. Elasticidade-renda da demanda...

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departaento de Engenaria Elétrica AVALIAÇÃO DO MODELO DE TANSFOMADOES EM FUNÇÃO DA FEQUÊNCIA Por Alexandre de Castro Moleta Orientador: Prof.Dr. Marco Aurélio

Leia mais

2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7

2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7 Introdução à Microeconomia 6-1 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7 6-2 Principais aspectos A função de produção. A produção

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 26-03-2012 João Correia da Silva (joao@fe.u.t) 1. A EMPRESA 1.1. Tecnologia de Produção. 1.2. Minimização do Custo. 1.3. Análise dos Custos. 1.4. Maximização do Lucro.

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Apontamentos: Curso de Conhecimentos Básicos de Matemática Cursos do Departamento de Gestão Maria Cristina

Leia mais

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem.

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem. POTÊNCIA EM CARGAS GENÉRICAS Prof. Antonio Sergio C. de Menezes. Depto de Engenharia Elétrica Muitas cargas nua instalação elétrica se coporta de fora resistiva ou uito aproxiadaente coo tal. Exeplo: lâpadas

Leia mais

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO 113 17 TEORA ELETRÔNCA DA MANETZAÇÃO Sabeos que ua corrente elétrica passando por u condutor dá orige a u capo agnético e torno deste. A este capo daos o noe de capo eletro-agnético, para denotar a sua

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 0/ SUMÁRIO. FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL..... CONCEITO..... ZEROS DE UMA

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

Um Novo Sistema de Rastreamento de Pacotes IP contra Ataques de Negação de Serviço

Um Novo Sistema de Rastreamento de Pacotes IP contra Ataques de Negação de Serviço U Novo Sistea de Rastreaento de Pacotes IP contra Ataques de Negação de Serviço Rafael P. Laufer, Pedro B. Velloso 2 e Otto Carlos M. B. Duarte Grupo de Teleinforática e Autoação Universidade Federal do

Leia mais

Teoria da utilidade / CI. Sumário. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI

Teoria da utilidade / CI. Sumário. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI Sumário Teoria da utilidade Bens complementares Bens substitutos Vimos que os agentes económicos Confrontam-se com cabazes E que dos seus gostos/preferências resulta uma função de utilidade u: Se A f B

Leia mais

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída.

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída. Prof. Celso Módulo 0 83 SISTEMAS DE CONTOLE DE POSIÇÃO Objetivo: converter u coando de posição de entrada e ua resposta de posição de saída. Aplicações: - antenas - braços robóticos - acionadores de disco

Leia mais

MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de exercícios 1 (2012/2013)

MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de exercícios 1 (2012/2013) Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de eercícios (0/03). Determine o conjunto dos pontos interiores, eteriores e fronteiros dos seguintes conjuntos:

Leia mais

CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO

CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO TOMADA DE DECISÃO 36 Tomada de Decisões Primeiro Passo i. Identificar decisões alternativas. ii. Identificar consequências possíveis. iii. Identificar

Leia mais

MICROECONOMIA II. 1º Teste 04/04/2008 A. Licenciatura em Economia LEC106

MICROECONOMIA II. 1º Teste 04/04/2008 A. Licenciatura em Economia LEC106 Licenciatura em Economia MICROECONOMIA II LEC106 1º Teste 0/0/2008 A Antes de iniciar o exame, leia atentamente as observações que se seguem: a duração da prova é de 1 hora e 15 minutos; a prova é constituída

Leia mais

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO Modelage e Siulação de u Sistea de Counicação Digital via Laço Digital de Assinante no Abiente SIMOO Luciano Agostini 1 Gaspar Steer 2 Tatiane Capos 3 agostini@inf.ufrgs.br gaspar@inf.ufrgs.br tatiane@inf.ufrgs.br

Leia mais

Aula 9 Plano tangente, diferencial e gradiente

Aula 9 Plano tangente, diferencial e gradiente MÓDULO 1 AULA 9 Aula 9 Plano tangente, diferencial e gradiente Objetivos Aprender o conceito de plano tangente ao gráfico de uma função diferenciável de duas variáveis. Conhecer a notação clássica para

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio 5910187 Biofísica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 1 Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio Os experientos originais de Hodgkin e Huxley que os levara ao seu odelo era realizados e condições

Leia mais

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição Revisão 05 07/2015 NORMA ND.22 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejaento e Operação Rua

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

Instruções para a Prova de MATEMÁTICA APLICADA:

Instruções para a Prova de MATEMÁTICA APLICADA: Instruções para a Prova de : Confira se seu nome e RG estão corretos. Não se esqueça de assinar a capa deste caderno, no local indicado, com caneta azul ou preta. A duração total do Módulo Discursivo é

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta Revisões de análise odal e análise sísica por espectros de resposta Apontaentos da Disciplina de Dinâica e Engenharia Sísica Mestrado e Engenharia de Estruturas Instituto Superior Técnico Luís Guerreiro

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS Reynaldo Fernandes reynaldo.fernandes@fazenda.gov.br Ministério

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2010/2011)

(Testes intermédios e exames 2010/2011) (Testes intermédios e eames 00/0) 57. Na Figura, está parte da representação gráfica da função f, de domínio +, definida por f() = log 9 () Em qual das opções seguintes está definida uma função g, de domínio,

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Os Custos de Produção Prof.: Antonio Carlos Assumpção Tópicos Discutidos Medição de Custos: Quais custos considerar? Custos no Curto Prazo Custos no Longo Prazo Mudanças Dinâmicas nos Custos:

Leia mais

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida.

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. DEZ PRINCIPIOS DE ECONOMIA - Lista 1 GABARITO LISTAS 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. Exemplos de tradeoffs incluem tradeoffs em relação ao tempo (como estudar

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I PDRÃO DE RESPOST - FÍSC - Grupos H e a UESTÃO: (, pontos) valiador Revisor Íãs são frequenteente utilizados para prender pequenos objetos e superfícies etálicas planas e verticais, coo quadros de avisos

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 835/2.ª Fase 13 Páginas Duração

Leia mais

Características do Monopólio:

Características do Monopólio: Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita (os consumidores

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

Prova TRE/RJ 2012. Ao iniciar uma sessão plenária na câmara municipal de uma pequena cidade, apenas

Prova TRE/RJ 2012. Ao iniciar uma sessão plenária na câmara municipal de uma pequena cidade, apenas Prova TRE/RJ 202 Ao iniciar ua sessão lenária na câara unicial de ua equena cidade, aenas destinados aos vereadores fora ocuados o a chegada do vereador eron, a ficar ocuados Nessa situação hiotética,

Leia mais

(Exames Nacionais 2000)

(Exames Nacionais 2000) (Eames Nacionais 000) 1.a) Seja [ABC] um triângulo O ângulo, assinalado na figura, tem o seu vértice no centro isósceles em que BA = BC. Seja α da Terra; o seu lado origem passa no perigeu, o seu lado

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO 44 SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO Resuo Jair Sandro Ferreira da Silva Este artigo abordará a aplicabilidade das Equações Diferenciais na variação de teperatura de u corpo. Toareos

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 006. POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. 5. O gráfico ao lado ostra o total de acidentes de trânsito na cidade de Capinas e o total de

Leia mais

Curvas de oferta e demanda

Curvas de oferta e demanda Curvas de oferta e demanda Uma das definições de "curva de demanda" (procura) é a seguinte: "A curva de demanda é uma construção teórica ue nos diz uantas unidades de um determinado bem de consumo os consumidores

Leia mais

PARTE 1 O gráfico da função f(x) = ax + b está representado nessa figura. O valor de a + b é a) 2 b) 2 c) 7/2 d) 9/2 e) 6

PARTE 1 O gráfico da função f(x) = ax + b está representado nessa figura. O valor de a + b é a) 2 b) 2 c) 7/2 d) 9/2 e) 6 1) (PUC-MG) Ua função do 1 grau é tal que f(-1) = 5 e f(3) = -3. Então, f(0) é igual a 0 c) 3 4 e) 1 PARTE 1 O gráfico da função f() = a + b está representado nessa figura. O valor de a + b é c) 7/ 9/

Leia mais

5 Controle de Tensão através de Transformador com Tap Variável no Problema de Fluxo de Potência

5 Controle de Tensão através de Transformador com Tap Variável no Problema de Fluxo de Potência 5 Controle de Tensão através de Transforador co Tap Variável no Problea de Fluxo de Potência 5.1 Introdução E sisteas elétricos de potência, os ódulos das tensões sofre grande influência das variações

Leia mais

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma?

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? GUIÃO REVISÕES Equações e Inequações Equações Numa turma de 6 alunos, o número de raparigas ecede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? O objectivo do problema é determinar o número

Leia mais

O sinal de menos ( ) colocado antes de um número indica o oposto desse número. Assim: 11 é o oposto de 11.

O sinal de menos ( ) colocado antes de um número indica o oposto desse número. Assim: 11 é o oposto de 11. EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO 7º ANO º BIMESTRE MATEMÁTICA PROFº PAULO 1. Dois números de sinais contrários são opostos? Justifique. O sinal de menos ( ) colocado antes de um número indica o oposto desse número.

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 29-03-2012 João Correia da ilva (joao@fe.u.t) 2. Estruturas de Mercado 2.1. Concorrência Perfeita. 2.2. Monoólio. 2 CONCORRÊNCIA PERFEITA O modelo de concorrência erfeita

Leia mais

UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA

UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA 01 1 - INTRODUÇÃO COETERIS PARIBUS Para analisar determinado mercado isoladamente, supõe-se que todos os demais são constantes; ou seja,

Leia mais

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros.

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Ensino Fundaental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Autoria: Jaie Crozatti Resuo: Para contribuir co a discussão da gestão de políticas públicas

Leia mais