Rafael Poloni * foi o primeiro fármaco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rafael Poloni * foi o primeiro fármaco"

Transcrição

1 Anlgésicos fitotrápicos: rlidd ou o ilusão? Rfl Poloni * As plnts mdiciniss constitum o primiro mrco histórico crc d prvnção, trtmnto ou cur d divrsos mls. Sgundo Agênci Ncionl d Vigilânci Snitári (ANVISA), fitotrápicos são mdicmntos obtidos prtir d plntss mdiciniss são obtidos, xclusivmnt, mprgndo-s drivdos d drog vgtl (xtrto, tintur, ólo, cr, xsudto, suco outros). A plnt mdicinl ou sus prtss (pós procssos d colt, c stbilizção scgm, podndo sr íntgr, rsurd, triturd ou pulvrizd) não são considrdos objtos d rgistro como mdicmnto fitotrápico. Os mdicmntos fitotrápicos têm gnhdoo tnção spcil m todo t o mundo. No Brsil, há inúmros grupos d psquis nst ssunto, finl stmos flndo do pís ond s locliz mior biodivrsidd do mundo, com flor quivlnt mis d 56 mil spécis d plnts ctlogds. Acrdit-s qu crc mtd dos mdicmntos disponívis no mrcdo form origindos dirt ou indirtmnt d produtos nturis (Bluns Kinghorn, 2005). O lbortório frmcêutico lmão Byr, m 1897, conjugou quimicmnt o ácido slicílico com ctto, crindo o ácido ctilslicílico (Aspirin), qu dscobrirm sr mnos tóxico qu os sliciltos provnints d plnt Slix Alb, slguiro. O ácido ctilslicílico foi o primiro fármco sr sinttizdo n históri d frmáci, sndo s primir crição d indústri frmcêutic. Foi tmbém o primiro fármco vndido m tblts. Outros xmplos, comoo digoxin (d Digitis purpur), fisostigmin (d Physiostigmin vnnosum), vincristin vimblstin (d Cthrnthus rosus) tmbém podm sr citdos. Além disso, há tmbém o uso populr d divrss plnts, finl qum é qu nunc tomou um chá d mliss (Mliss officinlis) pr diminuir nsidd, bls d gngibr (Zingibr officinlis) pr dor d grgnt, comprimidos com substâncis provnints do mrcujá (Pssiflor lt; Pssiflor incrnt) ) pr clmr ou té msmo um comprimido d Ginkgo bilob pr vitr o "squcimnto"? No ntnto, qui noo Brsil, utilizção d plntss com finlidd mdicinl ind é modst, visto qu o único mdicmnto industril totlmnt provnint d flor brsilir é o ntiinflmtórioo Achfln, provnint d rv-blir (Cordi vrbnc), ncontrd n mt tlântic. Est mdicmnto é utilizdo como pomd já ultrpssou s vnds d su concorrnt nss ctgori. Em númros, o Brsil, por não dsfrutr ficintmnt su ric flor, dix d fturr muito dinhiro, pois nãoo invst o suficint mm psquis dsnvolvimnto d fármcos origindos dss su mior riquz. Psquisdors rclmm d flt d invstimnto m inovção, pois um mdicmnto inovdor d qulidd, msmo qu fitotrápico, tri lugr grntido no mrcdo mundil. O sgmnto d fitotrápicos movimnt nulmnt, no mundo, crc d 22 bilhõs d dólrs, com umm crscimnto d 12% o no. No mrcdo brsiliro, ss sgmnto rspond por p crc d 7% do mrcdo frmcêutico brsiliro, ou sj, s 400 milhõs d dólrs/no, grndo g m torno d 100 mil mprgos dirtos indirtos. Sb-s qu há mis d 420 rgistros d fitotrápicos d 60 plnts difrnts n ANVISA. No ntnto, inflizmnt, pns 10 dls são plnts ncioniss os mdicmntos não form dsnvolvidos qui. É vrdd qu qundo s fl d produção d fitotrápicos inovdors no Brsil, lê-s ncssidd d invstimnto xorbitnt, flt d intrss dos invstidors plo lto riscoo nvolvido, prcridd d biotérios dqudos ns árs d psquis lgislção ind nbulos qunto à xprimntção niml, dificuldd d csso à flor, lém d burocrtizção xcssiv ds lis contr biopirtri qu, msmo sm intnção, cbm tornndo psquis muito dispndios, não comptívl com c 1

2 Contr- indicçõs miori dos cntros d psquis do nosso pís. Pr s tr idéi, o Achfln custou os invstidors crc d 15 milhõs d ris st nos d studo árduo plos psquisdors nvolvidos. Cb slintr qu miori ds psquiss mm mdicmntos fitotrápicos pr nts msmo do início dos tstss pré-clínicos no Brsil, pois dst tp m dint, há ncssidd d prcris industriis qu nmm smpr stão intrssds /ou disponívis pr invstir nsts psquiss. D long, o Brsil é o píss ltino-mricno qu mis public trblhos dst tm,, sndo um dos xponts mundiis m studos n ár, conduzidos m grnd prt plos sus divrsos progrms d pós-grdução dstindos à formção d rcursos humnos qulificdos pr studos ds plnts mdicinis. Historicmnt, primir norm rlciond fitotrápicos no Brsil é Portri nº 22, mitid m 30 d outubro d 1967 plo Ministério d Súd (MS), ond s stblcm norms pr o mprgo d prprçõs fitotrápics. Décds mis trd, m 19 d outubro d 1994, o MS lnçou Portri nº 123, stblcndo norms crc do rgistro d fitotrápicos. Um no dpois, trvés d Portri nº 6, publicd m 31 d jniro d 1995, ANVISAA instituiu normtizou o rgistro d produtos fitotrápicos, prmncndo m vigor por pns cinco nos, té qu foi mitid RDC 17, d 24 d fvriro d 2000, qu rvogou tods s norms ntriors. Est prdurouu por mis qutro nos, qundo foi rvogd pl RDC 488 d 16 d mrço d (vignt té hoj). Est dispõ sobr o rgistro d mdicmntos fitotrápicos, ond ficáci sgurnç dos msmos é vlidd mdint lvntmntos tnofrmcológicos d utilizção, documntçõs tcnocintífics m publicçõs ou nsios clínicos d fs três (studos comprtivos, grlmnt multicêntricos s, ncssários pr dmonstrr sgurnç, ficáci bnfício trpêutico d um novo mdicmnto por comprção com um mdicmnto pdrão /ou plcbo). A RDC 48 dispõ ind qu não sj considrdo mdicmnto fitotrápico qul qu, n su s composição, inclu substâncis tivs isolds, d qulqur origm, nm s ssociçõs dsts com xtrtos vgtis. Com tod ss scl volutiv n lgislção brsilir brngndo mdicmntos fitotrápicos, produçãoo dos msmos é submtid à rigoros vigilânci, o qu fvorc os strngiros usufruir d nosss plnts pr produzir lnçr mdicmntos for do Brsil, ond lgislção é mnos rigoros, lvndo-nos divulgdos possum indicção pr dor, msmo qu frquntmnt st indicção não tnh fundmntção cintífic. Sb-s qu dorr é um dos principis motivos no mundo qu lvm um pcint o consumo d mdicmntos, principlmnt quls qu possum p dor crônic, o qu importr o mdicmnto produzido com s nosss riquzs nturis. Muitos dos fitotrápicos té ntão conhcidos stimul sss pcints crditrm /ou utilizrm tudo qu lhs for ofrcidoo com promss d lívio do su sofrimnto. s A ANVISA, prcbndo o vnço do uso populr d fitotrápicos, lnçou um list dtlhd com mis d 600 fitotrápicos com uso já dmonstrdo cintificmnt (Instrução Normtiv nº 5, d 11 d d dzmbroo d 2008). Como o fito dsss mdicmntos stá stritmnt rlciondo com o modo d prpro, Agênci fz qustão d dstrinchr o modo d prpro d cd c um dls. Além disso, indic, tmbém, qul é prt d plnt sr utilizd, posologi, indicçõs contr- fitotrápicos utilizdos pr trpêutic d dor, utilizndo st indicçõs, lém dos possívis fitos dvrsos. Nós slcionmos os mdicmntos list: Nomncltur botânic Agrtum Tbl 1: Mdicmntos fitotrápicos utilizdos pr o trtmnto d dor Nomncltur populr Mntrsto, Prt utilizd Prts Form d utilizção Posologi modo d usr Vi Uso Indicçõs Orl A Dors D dv sr Efitos E dvrsos 2

3 conyzoids *1 Arctium lpp Csri sylvstris Cordi vrbnác Cting d érs bod sm flors Brdn Guçton g, Erv-d- bugr, Erv- d-lgrto Ervblir Rízs 2-3 g (2-3 col chá) m 150 ml (xíc d chá) Dcocção : 2,5 g (2,5 col chá) m 150 ml Infusão 2 4 g (1 2 col d sobrms ) m 150 ml sop) m xíc chá d 2 3 x o di xíc chá 2 3 x o di xíc chá 3-4 x o di xíc, 3 x di Aplicr comprss n rgião ftd 3 x di rticulrs ( Artrit, rtros) rumtismo Orl A Disppsi D ( Distúrbios digstivos). d Como C diurético d como c ntiinflmt ório ó ns dors d rticulrs ( rtrit) Tópic A/I Dor D o lsõs, como c ntiséptico s cictriznt c tópico Orl A Inflmção m contusõs c dor d Tópic o utiilizdo por pssos com problms hpáticos n utilizr grvidz llctção Hrpgophytu m procubns Slix Alb *2 Uncri tomntos *3 Vrnoni condnst Vrnoni polynths Grr dibo Slguiro Unh-d- gto Boldobino Ass-pix do Riz Csc cul Entrcsc do 1 g (1 colhr d chá) m sop) m Dcocção : 0,5 g (1 col cfé) m 150 ml (xíc chá) sop) m Aplicr sobr ár ftd 2 x di durnt 2 hors d cd vz xíc, 2 3 X di xíc, 2 3 X di xíc chá d 2 3 x o di xíc, 3X di, nts ds principis rfiçõs Tópico Orl A Dors D Articulrs A ( Artrit, rtros, rtrlgi) Orl A Inflmção, dor d fbr. Grip G rsfridos. Orl A Dors D rticulrs ( rtrit rtros) musculrs m guds, como c ntiinflmt ório. ó Orl A Dor D disppsi. d Orl A Dors D musculrs. m mm utilizr portdors d úlcrs stomcis duodnis utilizr junto com Mrcujá Noz moscd. é O uso u pod rcomndd provocr o o uso nts cnsço, dpois d fbr, quimiotrpi dirréi,, nm m constipção pcints. Alts hmofílicos. doss podm cusr utilizr sintoms mm mnors pncrático d 3 nos. s ltrçõs do nrvo. *1 Nunc usr por mis d três smns conscutivs *2 Usr cutlosmnt junto nticogulnts,, corticóids ntiinflmtórios não stroidis *3 Evitr o uso concomitnt com imunossuprssors m pcints trnsplntdos ou sprndo trnsplnts Lgnd: A = dulto, I = infntil, col c = colhr (s), xíc = xícr (s) Font: dptdo d list d ANVISA d plnts mdicinis 3

4 obstnt, divrss outrs plnts com uso bsdo m crnç c populr form objtos d studos qu pontm fitos nlgésicos /ou ntiinflmtórios, tis como: Bálsmo (Sdum dndroidum): : pr dors d ouvido su ção provvlmnt s dv à prsnç d flvonóids f no suco d su frut sc (Mlo, 2005); Brgmotir (Citrus sp.): contém Hspridin, flvonóid provvlmnt rsponsávl plo su fito contr dors d cbç d stômgo ( Glti, 1994); Lcnt (Solidgo chilnsis): é utilizd pr dor d dnt studoo pont o gênro não pns como nlgésico ms, tmbém, como ntimicrobino ntioxidnt (Liz, 2009); Losn (Artmisi bsinthium): é utilizd pr dor no stômgo ss fito prc sr dvido os sus flvonóids f sbidmnt ntiinflmtórios (L,, 2004); Erv-snt (Schinus polygmus): plnt cujos xtrtos possum tividd ntipirétic nlgésic, por issoo é utilizd pr dor noo stômgo (Erzo, 2006). Ms st pnorm stá mudndo, pois o Govrno Fdrl colocou à disposição ds prfiturs um vrb spcífic pr compr d mdicmntos fitotrápicos qu fzm prt d list d tnção básic à súd são distribuídos à populção trvés do SUS m mis d 100 cidds brsilirs. O govrno brsiliro tmbém dscobriu importânci dss importnt sgmnto d conomi lnçouu rcntmnt Polític Ncionl d Plnts Mdicinis Fitotrápicos. É um ção conjunt ntr o govrno (trvés d finncimntos), univrsidd (psquis dsnvolvimnto) indústri (fbricção) buscndo o dsnvolvimnto d novos mdicmntos dstindos à populção. A inicitiv do SUSS tmbém qur grntir qu populção tnh csso sguro rcionl o uso d mdicmntos fitotrápicos. Divrsos fitos indsjdos à súd são provocdos ploo uso incorrto d mdicmntos d origm vgtl sts têm sido constntmnt rltdos sndo, s inclusiv, st tm borddo d mnir bstnt brngnt por progrm d TV (vj rfrêncis bixo). É muito importnt rssltr qu os fitotrápicos são MEDICAMENTOS. Portnto, são pssívis d fitos coltris ou dvrsos. Podm intrfrir ngtiv ou positivmnt n ção d lgum outro mdicmnto só dvm sr utilizdos sob dvid orintção d médico spcilizdo no ssunto. Rfrêncis com-fitotrpicos.shtml Lif Scincs. BALUNAS, M. J., KINGHORN, D. Drug discovry from mdicinl plnts. 78. p ERAZO, S. Constitunts nd biologicl ctivitis of Schinus polygmus. Journl of Ethnophrmcology, v.107, n.3, p , MELO, G. Phytochmicl nd phrmcologicl study of Sdum dndroidum lf juic. Journl of Ethnophrmcology, v. 102, n.2, p , GALATI, E.M. Biologicl ffcts of hspridin, citrus flvonoid. (Not I): ntiinflmmtory nd nlgsic ctivity. Frmco, v.40, n.11, p , LEE, H.G. Ttrmthoxy hydroxyflvon p7f downrgults inflmmtory mditors vi th inhibition of f nuclr fctor kppb. Ann N Y Acd Sci, v.1030, p , LIZ, R. Evlution of ntimicrobil nd ntipltlt ggrgtion ffcts of Solidgo chilnsis Myn. Intrntionl Journl of Grn Phrmcy, v.3, p.35,

5 * Frmcêutico Industril, Mstrndo do Lbortório d Dor do Dpto. d Frmcologi d FMRP-USP 5

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy Implmntção d um sistm d control intlignt utilizndo lógic fuzzy Rsumo Mrclo Bilobrovc (UEPG - CEFET - PR) mbilo@upg.br Rui Frncisco Mrtins Mrçl (CEFET - PR) mrcl@pg.cftpr.br João Luis Kovlski (CEFET - PR)

Leia mais

Resumo Executivo. Análise da Cobertura

Resumo Executivo. Análise da Cobertura x f R T V z E s s FQ Z KL o H R ut K qw A O V B U r G M o z Rsumo Excutivo Anális d Cobrtur d Imprns sobr Mulhr Trblho Estudo coordndo pl ANDI Comunicção Diritos plo Instituto Ptríci Glvão no âmbito do

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min.

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min. Borbolts d vid. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2004, 38 min. BASTA um di. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2006, 55min. Brnic Bnto Univrsid Doutor m Brclon. Sociologi Autor pl Univrsid s livr A Rinvnção

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 ELETRONEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 SEGURANÇA DAS MÁQUINAS rincípio d sgurnç ds máquins: Grntir sgurnç súd ds pssos xposts durnt instlção,

Leia mais

Mais Saúde. estágio inicial. rpc.com.br/comercial

Mais Saúde. estágio inicial. rpc.com.br/comercial Mis Súd vz mis tnts com os com qu s pssos fiqum cd A busc por um vid sudávl fz s hábitos rotiniros. cuiddos d su súd os su é um dos ftors qu tm vrid sudávl blncd A limntção corrt com dit limntrs nutricionists

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

ESCOLA DE LÍDERES BRASIL

ESCOLA DE LÍDERES BRASIL ESCOLA DE LÍDERES BRASIL CURSO DE MARKETING MÓDULO I LEITURA COMPLEMENTAR (LC) [ D i g i o c o n ú d o d b r r l r l. T r - s d u m s u p l m n o O MERCADO 1. O Circuio Econômico Sgundo Armndo Krmr, produção

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO 1 L GLÓRI 2 IND QU FIGUIR 3 O RGURMOS 4 TRI O MU CORÇÃO 5 DUS É OM 6 M SPÍRITO, M VRDD 7 M TODO TMPO 8 U T QURO 9 LOUV 10 LOUV TI 11 MIS QU UM MIGO 12 M DLITO M TI 13 ND LÉM DO SNGU 14 O LÃO D TRIO D JUDÁ

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015 www.lmntos.com.br du dilignc slção d arogradors inspçõs d fábricas ngnharia do propritário projtos solars ntr outros 17 d abril d 2015 Sxta-Fira - # 1.528 Rio Grand do Nort trá maior ofrta d nrgia ólica

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS Fundo Municipal Sd cr Saúd ta- Comissão ria dprmannt Sa d RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS OBJETO: Aquisição d Kit HIV Hpatit (Rgistro d Prços). RETIFICA-SE através

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10 IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 d 01 10 PALESTRANTE: Domingos Poubl d Cstro Rio d Jniro, 28 d gosto

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

Editorial. Renata Reis Secretaria Técnica da Rede de Escolas Técnicas do SUS. RET-SUS outubro de 2005

Editorial. Renata Reis Secretaria Técnica da Rede de Escolas Técnicas do SUS. RET-SUS outubro de 2005 Editoril N dição dst mês, você vi sbr sobr o mp d dsiguldd socil no Brsil: o qu dizm dd do PNUD (Progrm ds Nçõs Unids pr o Dsnvolvimnto) outr dois rltóri, um d ONU outro do Bnco Mundil. A ntrvist é um

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR LCE2 Físic do mbint grícol CPÍTULO 6: UMIDDE DO R 6.1 PRESSÃO PRCIL E LEI DE DLTON O r é um mistur d gss, como foi visto m uls ntriors, o r s comport como um gás idl. Lmbrndo do concito d um gás idl (sus

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

Aprendizagem Significativa em Revista/Meaningful Learning Review V4(2), pp. 57-71, 2014

Aprendizagem Significativa em Revista/Meaningful Learning Review V4(2), pp. 57-71, 2014 AS IDEALIZAÇÕE DOS CÁLCUOS DE NEWTON E LEIBNIZ COO ORGANIZADORES PRÉVIOS COPARATIVOS PARA A DEFINIÇÃO DE DERIVADA (Clculus idliztions from Nwton nd Libniz s dvncd orgnizrs for drivbl s dfinition) José

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

"Kokumin Kenko Hoken" Seguro Nacional de Saúde

Kokumin Kenko Hoken Seguro Nacional de Saúde Numção 8-4-3 ClificçãoDonç Aunto Sguo Público p Aitênci Médic Tm "Kokumin Knko Hokn" Sguo Ncionl d Súd Nívl d conult 3 1 Pgunt Rpot Báic Não poo incv-m no guo d úd. Djo b ob o itm p pcv-m no 2 Pgunt Rpot

Leia mais

Vortice. Magnetismo. Espiritismo. Jornal. Informativo sobre Magnetismo

Vortice. Magnetismo. Espiritismo. Jornal. Informativo sobre Magnetismo Vortic Jornl Informtivo sobr Mgntismo ANO II, n.º 03 Arcju/Srgip/Brsil, gosto/2009 jvortic@gmil.com Mgntismo & Espiritismo Durnt um psquis qu rlizi nos Ests Unis sobr o Mgntismo, ncontri vários livros

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Govrno do Estdo do Rio Grnd do Nort Scrtrido d Estdo d Educção d Cultur SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritori d Psquis Pós-Grdução PROPEG Gbint do Pró-Ritor Cmpus Univrsitário

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

ABFO. Nova Diretoria ABFO: Gestão 2013 a 2017. Associe-se a ABFO. Acessem o site: www.abfo.org.br

ABFO. Nova Diretoria ABFO: Gestão 2013 a 2017. Associe-se a ABFO. Acessem o site: www.abfo.org.br Boltim 1 ABFO Stmbro 2013 Nov Dirtori ABFO: Gstão 2013 2017 Dirtor Prsidnt: Ptríci Viir Guds Figuir Dirtor Vic-Prsidnt: Crolin Mcil Ris Gonzg Dirtor Administrtivo Grl: Andr Thomzin Tufnin Dirtor Finnciro

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

PROBLEMAS E SOLUÇÕES NA MANUTENÇÃO DE MOTORES DIESEL DE ALTA ROTAÇÃO

PROBLEMAS E SOLUÇÕES NA MANUTENÇÃO DE MOTORES DIESEL DE ALTA ROTAÇÃO PROBLEMAS E SOLUÇÕES NA MANUTENÇÃO DE MOTORES DIESEL DE ALTA ROTAÇÃO CC(EN) André Luiz Brucks Vinn, MSc Arsnl d Mrinh do Rio d Jniro E-mil: vinn@mrj.mr.mil.br RESUMO No início do século XXI, otimizção

Leia mais

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis Arznnt d Snt d Milh Rcipint Rutilizávi Miz Sd Strg In Rubl Cntinr SANAZÁRIO, Ann Chritin 1. kinzri@yh.c.br; COELHO, Fábi Cunh 1. fclh@unf.br; VIEIRA, Hnriqu Durt 1. hnriqu@unf.br; RUBIM, RqulL Filh 1.

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

ALTERAÇÃO Nº1 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 12/SI/2015

ALTERAÇÃO Nº1 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 12/SI/2015 ALTERAÇÃO Nº1 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 12/SI/2015 SISTEMA DE INCENTIVOS INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO VALE I&D 30 DE JULHO DE 2015 Págin 1 d 3 Altrção o Aviso d

Leia mais

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00%

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00% Anxo V 1) Srá purd rlção conform bixo: = Folh d Slários incluídos ncrgos (m 12 mss) Rcit Brut (m 12 mss) 2) Ns hipótss m qu corrspond os intrvlos cntsimis d Tbl V-A, ond < signific mnor qu, > signific

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002.

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002. PREFEITURA i1 UN ICLPL I)I (;ARRI Prç Mrchl Dodoro d Fonsc s/ny Cntro. CEP: 49.830-0()0 CGC 13 112669/0001-17 * Tlfon (0'x79)354 1240 1 E-Mil: LEI n 45712002 D 29 d bril d 2002. Autoriz o Podr Excutivo

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

i.cismep completa dez anos de prestação de serviço Doação de órgãos UAPS Dom Bosco Programa Saúde na Escola 3ª EDIÇÃO INFORMATIVO DA PREFEITURA

i.cismep completa dez anos de prestação de serviço Doação de órgãos UAPS Dom Bosco Programa Saúde na Escola 3ª EDIÇÃO INFORMATIVO DA PREFEITURA 3ª EDIÇÃO INFORMATIVO DA PREFEITURA i.cismp complt dz nos d prstção d srviço A Instituição d Cooprção Intrmunicipl do Médio Propb (i.cismp) commor um décd d tndimnto à populção. O consórcio, qu intgr o

Leia mais

Seguradoras, corretores e interações De canais para redes

Seguradoras, corretores e interações De canais para redes Robrto Ciccon Insurnc Lr 27 11 2013 Sgurdors, corrtors intrçõs D cnis pr rs Rsumo N r do consumidor cpcitdo, s sgurdors prcism trblhr um form multicnl mntndo o ldo pssol s pssos confim mis m pssos Sgurdors,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

Origem dos Jogos Olímpicos

Origem dos Jogos Olímpicos Natal, RN / /04 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: Profssor: TESTE º Trimstr º M INSTRUÇÕES: Vrifiqu s sua avaliação contém 6 qustõs ( objtivas 04 discursivas). Caso haja

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Agora imagine pegar essas ondas com seus amigos

Agora imagine pegar essas ondas com seus amigos s v i d l M Com GABRIEL PASTORI Com certez você já sonhou com esse lugr... Agor imgine pegr esss onds com seus migos em um bot trip e um profissionl pr dr dics de surf... de do i Fer 9 1 9 0 UTubro O A

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA CONVERSÃO EETROMECÂNICA DE ENERGIA Ivn Cmrgo Rvisão 1 (mio d 007) Pr nális d um convrsor, é fundmntl o conhcimnto d forç ltromgnétic dsnvolvid plo convrsor. Existm divrss forms d cálculo dst forç (ou conjugdo),

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

hospital. pãg. 6 Cuidado: você pode adoecer no Saiba porque. Pág. 5 Rodar ou dez biriteiros, Estatuto da terra No Brasil, de cada não rodar..

hospital. pãg. 6 Cuidado: você pode adoecer no Saiba porque. Pág. 5 Rodar ou dez biriteiros, Estatuto da terra No Brasil, de cada não rodar.. UFSC Snt A librdd stá m fzr músic indpndnt pág JS ZE j DO Jornlismo Ctrin, bril/1985 Cuiddo: você pod docr no hospitl Sib porqu Pág 5 Esttuto d trr n pãg 6 No Brsil, d cd dz biritiros, um é lcoóltr Pág

Leia mais