A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA PARA O CONTINENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA PARA O CONTINENTE"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA ROBERTO ANTONIO DE ASSIS A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA PARA O CONTINENTE AFRICANO Rio de Janeiro 2011

2 ROBERTO ANTONIO DE ASSIS A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA PARA O CONTINENTE AFRICANO Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentado ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia Orientador: CMG (RM1) Francisco José de Matos Rio de Janeiro 2011

3 C2011 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários ou citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG. Assis, Roberto Antonio de A Política Externa Brasileira para o Continente Africano / Roberto Antonio de Assis. - Rio de Janeiro: Escola Superior de Guerra, p. Orientador: CMG (RM1) Francisco José de Matos Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Política Externa. 2. Continente Africano. I. Título. Biblioteca General Cordeiro de Farias

4 RESUMO Esta pesquisa tem como objetivo geral a identificação dos benefícios que a condução da Política Externa Brasileira (PEB) com a África do Sul e a Namíbia trouxe para a segurança e o desenvolvimento do Brasil. Como objetivos específicos teremos: a identificação de quais as ações realizadas pelo governo brasileiro a fim de estreitar as relações Brasil-África do Sul e Brasil-Namíbia; as contribuições que esse estreitamento trouxe para o fortalecimento do Poder Nacional, manifestado em suas cinco Expressões (Política, Econômica, Psicossocial, Militar e Científico-Tecnológica); e a sugestão de ações que contribuirão para o fortalecimento supracitado. Inicialmente será apresentado um breve histórico das relações diplomáticas entre o Brasil e o continente africano da década de 60 até o primeiro governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que permitirá o acompanhamento da evolução histórica da PEB e as suas consequencias para o Brasil. Em seguida serão listados todos os tipos de cooperação existentes entre os três países, separadamente, por cada expressão do Poder Nacional, de modo que se tenham dados que possam ser mensurados e comparados. O acompanhamento das mudanças na PEB e suas repercussões nas relações Brasil-África permitirão uma perfeita compreensão de quanto uma influenciou na outra, e também mostrará que a contribuição até então verificada ainda é pouco expressiva mas existe um vasto campo a ser explorado desde que os produtos e serviços brasileiros se tornem mais competitivos. Palavras-chave: Política Externa, Namíbia, África do Sul.

5 ABSTRACT This research aims to identify the overall benefits that the conduct of Brazilian Foreign Policy (PEB) with South Africa and Namibia to bring security and development in Brazil. The specific objectives we have: the identification of the actions taken by the Brazilian government in order to strengthen relations Brazil-South Africa-Namibia and Brazil, for which contributions that brought closer to the strengthening of national power, manifested in its five Expressions (Political, Economic, Psychosocial, Military and Scientific-Technological), and the suggestion of actions that contribute to the building above. Initially we present a brief history of diplomatic relations between Brazil and Africa of the 60s to the first government of President Luiz Inacio Lula da Silva, who will monitor the historical evolution of PEB and its consequences for Brazil. Then they will list the types of cooperation between the three countries separately, for each expression of national power, so that they have data that can be measured and compared. The monitoring of changes in PEB and its effects on relations between Brazil and Africa will allow a full understanding of how one influenced the other, and also show that the contribution so far verified is weak but there is a vast field to be explored since the products Brazilian and services become more competitive. Keywords: Foreign Policy, Namibia, South Africa

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO BREVE HISTÓRICO DAS RELAÇÕES ENTRE O BRASIL E O CONTINENTE AFRICANO RELAÇÃO ENTRE O BRASIL E A ÁFRICA DO SUL COOPERAÇÃO POLÍTICA COOPERAÇÃO MILITAR COOPERAÇÃO ECONÔMICA COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA COOPERAÇÃO PSICOSSOCIAL RELAÇÃO ENTRE O BRASIL E A NAMÍBIA COOPERAÇÃO POLÍTICA COOPERAÇÃO MILITAR COOPERAÇÃO ECONÔMICA COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA COOPERAÇÃO PSICOSSOCIAL CONCLUSÃO...35 REFERÊNCIAS...41

7 A todos da família que durante o meu período de formação contribuíram com ensinamentos e incentivos. A minha gratidão, em especial a minha esposa Iara pela compreensão, como resposta aos momentos de minhas ausências e omissões, em dedicação às atividades da ESG.

8 AGRADECIMENTO Ao meu orientador, CMG (RM1) Francisco José de Matos, agradeço pela paciência, insistência e dedicação a mim dispensadas, desde o início das pesquisas, mesmo nos momentos de superação de dificuldades pessoais, que foram fundamentais para a conclusão desse trabalho.

9 LISTA DE TABELAS Tabela Importações sul-africanas Tabela Comércio bilateral Brasil-África do Sul Tabela Importações namibianas Tabela Comércio bilateral Brasil-Namíbia... 32

10 8 1 INTRODUÇÃO No governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Brasil aumentou sua importância e participação no cenário internacional. Sendo a maior economia do MERCOSUL 1, o que já confere ao país uma representatividade na América Latina, e o recrudescimento do pleito por um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU. A indústria vem se especializando e diversificando de modo que se fazem latentes as necessidades de investimento em infra-estrutura de modo a dar mais competitividade internacional aos produtos brasileiros. Em paralelo, a recente descoberta de petróleo na camada do pré-sal e a possibilidade de exportação, atraem a atenção do mundo para o Brasil. A luta por um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU demanda a necessidade de busca por apoio internacional para a questão. A busca da liderança brasileira no continente sul-americano, renderá ao país o aumento desejado na sua relevância internacional. Uma aproximação mais incisiva entre o Brasil e o continente africano surge como uma possibilidade de aumentar a influência brasileira no cenário mundial. A afinidade entre o Brasil e a África vai desde a língua, em relação aos países que falam o português, como a cultura, devido à utilização, no país, de mão de obra escrava proveniente daquele continente e a permanência de seus descendentes no país mesmo após a abolição da escravidão. Esses fatos fazem com que uma aproximação Brasil-África seja um caminho natural a ser seguido. Antecedentes Desde o início da história do mundo as Nações têm sempre procurado o seu desenvolvimento, o que tem uma relação direta com o acúmulo de riquezas. O comércio propiciava esse acúmulo e as relações entre os países se resumiam ao 1 Mercado Comum do Sul Bloco econômico da América do Sul, formado inicialmente, em 26 mar 1991, pelo Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

11 9 mercado de especiarias, que motivou uma expansão marítima e a busca do domínio dos mares e das rotas comerciais. O acúmulo de capitais e o consequente advento da revolução industrial dividiram o mundo entre as colônias subjugadas e fornecedoras de matéria prima e os países desenvolvidos fornecedores de produtos industrializados. Tal divisão persiste até nossos dias, a diferença é que as colônias conquistaram suas independências mesmo permanecendo ainda, em sua maioria, como meros exportadores de matéria prima. O comércio internacional ainda é o foco principal no relacionamento entre os países. Atualmente, ao invés da força, tem-se buscado a diplomacia, na maioria dos casos, para se atingir os objetivos nacionais. Como exemplo, podemos citar a formação de blocos comerciais como ALCA 2, MERCOSUL, União Européia 3, entre outros. Daí a importância do estreitamento das relações entre países em busca de benefícios políticos, econômicos, psicossociais, militares e científico-tecnológicos. O desenvolvimento desse estudo permitirá que se conheça a profundidade do relacionamento entre o Brasil e dois importantes países do continente africano (África do Sul e Namíbia), bem como se o estreitamento dessas relações tem trazido benefícios ao país. Esta pesquisa tem como objetivo geral a identificação dos benefícios que a condução da Política Externa Brasileira (PEB) com a África do Sul e a Namíbia trouxe para a segurança e o desenvolvimento do Brasil, e se balizará nos seguintes objetivos específicos: a identificação das ações realizadas pelo governo brasileiro a fim de estreitar as relações Brasil-África do Sul e Brasil-Namíbia; 2 Área de livre comércio das Américas criada pelos EUA em dez de 1994 com o objetivo de eliminar as barreiras alfandegárias entre 34 países americanos. 3 União Européia é uma união econômica e política de 27 estados-membros, estabelecida após a assinatura do Tratado de Maastricht em fev de 1992.

12 10 a identificação das contribuições que esse estreitamento trouxe para o fortalecimento do Poder Nacional, manifestado em suas cinco Expressões (Política, Econômica, Psicossocial, Militar e Científico-Tecnológica); e a sugestão, caso sejam identificadas, da implantação e/ou incremento de ações que contribuirão para o fortalecimento supracitado. O limite temporal considerado dentro da evolução da política externa brasileira com a África do Sul e Namíbia foi o primeiro governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ( ), abordando a influência do estreitamento dessas relações para o fortalecimento do nosso Poder Nacional. Será discorrido também um pequeno histórico da PEB com a África, a partir da década de 60, para enriquecer o trabalho e permitir uma maior compreensão do que ocorreu nesse passado recente e os motivos que levaram a algumas ações do governo Lula no período considerado.

13 11 2 BREVE HISTÓRICO DAS RELAÇÕES ENTRE O BRASIL E O CONTINENTE AFRICANO A Política Externa Brasileira (PEB) para o Continente Africano sofreu uma gama de variações caracterizadas por períodos onde se buscou uma maior aproximação e outros em que ela deixava de ser prioridade. Essas variações deviam-se às mudanças conjunturais, às influências externas no Brasil e às variações na política interna do país. Apesar dessas flutuações, o Brasil sempre buscou uma aproximação com os países do continente africano mantendo um mínimo de relações comerciais, culturais, políticas e sociais. A análise da Política Externa Brasileira no Continente Africano se dará da década de 1960 ao início do primeiro governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tendo em vista que antes desse período a PEB teve pouca relevância devido a marcante posição hegemônica norte-americana pós-guerra que sufocava as iniciativas diplomáticas sul-americanas (SANTOS, 2011, p. 2). Um fato relevante anterior a esse período foi o lançamento da Política Externa Independente (PEI), nos governos Jânio Quadros e João Goulart que, entre outros pontos, apoiava a descolonização da África. Essa política foi duramente criticada, não sendo vista com bons olhos pelos Estados Unidos da América (EUA). (SANTOS, 2011, p. 3) A partir daí o Brasil observou um período de retraimento nas suas concepções internacionais anteriores renunciando às suas pretensões comerciais e políticas no continente africano, demonstrando seu apoio à colonização portuguesa na África e seu alinhamento com a política norte-americana. (CERVO, 2002, p ) Porém, um fato relevante obrigou o presidente Castelo Branco a rever sua política externa. O Brasil havia montado o maior parque industrial da América Latina, porém sem mercado. (CERVO, 2002, p. 377) Buscou, o então presidente uma

14 12 aproximação com os países terceiromundistas e com a África, por meio de um discurso anticolonialista e contrário ao regime do apartheid 4, em busca de novos mercados. (CERVO, 2002, p. 379) Nesse período, no auge da Guerra Fria, qualquer movimento insurrecional, embora sem o caráter comunista, assim poderia ser encarado o que explicava à posição dos EUA favorável a manutenção da colonização na África. (SANTOS, 2011, p. 7) Até a década de 1970 a maior aproximação do Brasil com a África foi demonstrada pela PEI de Jânio Quadros. Em que pese o seu governo ter sido curto e polêmico, pela primeira vez o país demonstrou estar seguindo o caminho correto para buscar um maior estreitamento com o continente africano. Apesar de alguns países já terem conseguido suas independências, Portugal ainda mantinha suas colônias e o Brasil, até então, o seu apoio ao país. Este posicionamento em muito dificultava à aproximação brasileira com o continente. Fica claro assim que a PEB, com a África, ainda era muito deficitária, demonstrando haver apenas interesses comerciais sem o compromisso do tão desejado apoio político. Em que pesem as novas aspirações brasileiras outras barreiras surgiram, fruto da política de isolamento anterior do Brasil com o continente, do apoio prestado à Portugal na manutenção de suas colônias e das relações comerciais com a África do Sul, onde vigorava o regime do apartheid. (CERVO, 2002, p. 420) Como tentativa de reversão desse quadro, o governo brasileiro enviou, em 1972, o Ministro Mário Gibson Barboza numa missão a nove países africanos com um discurso de conciliação que frisava os seguintes pontos: reconhecia a contribuição africana a ética e cultura brasileiras; proclamava a rejeição a qualquer tipo de racismo (atingindo a África do Sul); e 4 Apartheid foi um regime de segregação racial adotado de 1948 a 1994, na África do Sul, no qual os direitos da maioria da população foram cerceados pelo governo formado por uma minoria branca.

15 13 divulgava a intenção de realizar comércio e cooperação tecnológicacultural bilateral. (SANTOS, 2011, p. 8) A missão teve boa repercussão e, no ano seguinte, uma comitiva brasileira foi enviada a também nove países africanos para negociar a participação de empresas brasileiras em obras de infra-estrutura e venda de equipamentos pesados. (SANTOS, 2011, p. 9) Mas a consolidação de uma política considerada prioritária, de fato, ao continente africano só veio a ocorrer logo após, no início do governo do presidente Ernesto Geisel, quando em seu discurso de posse declarou que as prioridades para a sua política externa eram a América Latina e a África. (CERVO, 2002, p ) Geisel enviou o Embaixador Ítalo Zappa à África com a missão de preparar o terreno para a ida do chanceler Azeredo da Silveira ao Senegal. (SANTOS, 2011, p. 9) Em entrevista a repórteres locais percebeu-se que a tarefa ia ser árdua. (SANTOS, 2011, p. 9) [...] a missão de Zappa constituía um claro gesto diplomático para mostrar aos africanos que o Brasil reconhecia o erro histórico, mas que as coisas iam mudar. Os africanos tinham muitas dúvidas. Quando o Min. Azeredo da Silveira visitou o Senegal, em novembro de 1974, pode sentir como os ressentimentos estavam à flor da pele. Um jornalista lhe perguntou: O senhor diz que o seu país não é racista. Então, como pode manter relações diplomáticas com a África do Sul? [...]. (Ao final da entrevista) reconhece, sem hesitações, que o Brasil teve que pagar um preço pelos laços de amizade que o ligam a Portugal Verificou-se que os ressentimentos ainda eram grandes e em seu discurso o chanceler expôs os seguintes pontos da nova PEB: (SANTOS, 2011, p. 9) - repúdio ao apartheid; - apoio total à descolonização; - oferecimento de ampla cooperação; - não-ingerência; - política realista ( fazer as coisas ). A partir daí deu-se um estreitamento das relações com a África, materializado pela abertura nove novas embaixadas no continente. (SANTOS, 2011, p. 9)

16 14 Uma demonstração de que a PEB com a África ia além de um discurso foi o pronto reconhecimento, pelo governo brasileiro, das independências da Guiné- Bissau e Angola. (SANTOS, 2011, p. 10) Como resultado prático dessa política foi a constatação do crescimento anual da venda dos produtos brasileiros para a África como dito por Cervo (2002, p. 423): Entre 1972 e 1981, as exportações brasileiras para a África passaram de 90,4 milhões a 1,96 bilhão de dólares, [...] O balanço positivo das exportações brasileiras para a África, nos governos militares, mostra o aumento das cifras fruto de um reajuste no rumo da PEB para o continente. Inicialmente foi citado a PEI de Jânio e Goulart que, apesar de ser uma política favorável a uma aproximação Brasil-África, foi totalmente exterminada com o regime militar. A necessidade de uma ampliação do mercado brasileiro, diante de um mundo protecionista foi crucial para nortear esse ajuste e alguns dos preceitos da extinta PEI tiveram que ser reativados. No governo do presidente José Sarney, em que pesem as dificuldades econômicas vigentes, o Brasil conseguiu manter um bom relacionamento com a África, evidenciado pelas visitas do presidente a Cabo Verde, Angola e Moçambique, em apoio às dificuldades enfrentadas face às investidas sul-africanas e à guerra civil. Sarney promoveu, em 1988, a I Conferência do Atlântico Sul, no Rio de Janeiro, com 19 países africanos participantes e manteve, como pontos importantes de sua política, o apoio à independência da Namíbia, o fim do apartheid e a paz em Angola. Nesse contexto o Brasil apresentou, em assembléia da ONU, a proposta de criação de uma Zona de Paz e Cooperação no Atlântico Sul (ZPCAS) que foi aprovada. Assim ficou definida a colaboração das grandes potências em não estender seus conflitos para a região, e a representatividade brasileira frente aos países africanos e latino-americanos na questão. (PEREIRA, 2011, p. 3) (CERVO, 2002, p. 452) O presidente Fernando Collor de Mello optou por um novo distanciamento da África, voltando a prioridade da sua PEB para o MERCOSUL. (PEREIRA, 2010a, p. 3)

17 15 Já Itamar Franco buscou uma nova aproximação, promovendo o Encontro dos Chanceleres de Países de Língua Portuguesa em Brasília e apoiando o processo de paz e reconstrução em países africanos como Angola. (PEREIRA, 2010a, p. 3) Fernando Henrique Cardoso manteve uma modesta PEB com a África, mesmo tomando ações importantes como o envio de tropas do Exército brasileiro em missões de paz em Angola. (PEREIRA, 2010a, p. 4) Com o fim do apartheid, o então presidente sentiu-se mais a vontade para aproximar-se da África como um todo, buscando uma maior aproximação com a África do Sul, fechando acordos em diversas áreas com o país, culminando, em 2000, com a assinatura de um Acordo Quadro 5 entre o MERCOSUL e a SACU 6. (PEREIRA, 2010a, p. 4) Outro ponto crucial desse período foi a luta pela quebra das patentes dos medicamentos que combatiam a AIDS, favorecendo o continente africano que era arrasado por essa doença. (PEREIRA, 2010a, p. 4) O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, iniciado em 2003, mostrou, logo no início, que a África era prioridade em sua PEB. No primeiro ano de seu mandato visitou cinco importantes países africanos, repetindo a visita, nos dois anos seguintes ao continente. Buscou manter o apoio aos processos de pacificação e reconstrução e perdoou a dívida de diversos países com o Brasil. Demonstrando assim um grande gesto de boa vontade na procura de uma maior aproximação. (PEREIRA, 2010a, p. 4) Os países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) também eram sua preocupação com os quais promoveu programas de cooperação bilateral como a abertura de centros de ensino técnico brasileiros no Timor e Angola e a disponibilização de urnas eletrônicas nas eleições em Guiné-Bissau. (PEREIRA, 2010a, p. 6) 5 Acordo Quadro é aquele composto por dois grupos ou entre um grupo e indivíduos. 6 SACU Southern African Customs Union ou União Aduaneira da África Austral.

18 16 No mundo atual, alguns dos fundamentos da PEI seriam muito apropriados pois defendem a ampliação de mercados sem se prender a ideologias políticas. Porém em pleno mundo bipolar e num dos períodos mais tensos da Guerra Fria, qualquer alusão a liberdade e independência poderia soar como um discurso ideologicamente não alinhado com os EUA. Tanto Jânio Quadros como seu sucessor João Goulart, ensaiaram uma aproximação com a União Soviética, inicialmente aproximando-se de Cuba e depois de modo mais veemente. Jânio defendia que o Brasil seria o elo de ligação entre a África e o mundo ocidental. Essa aproximação não repercutiu bem, tanto nos campos interno como externo. A falta de apoio político e as pressões internas fizeram com que Jânio renunciasse. (CERVO, 2002, p. 315) Nessa época quase todos as colônias africanas já tinham conquistado sua independência e o Brasil apesar de suas afinidades culturais perdia a oportunidade de cerrar novas parcerias comerciais. Nos governos que se seguiram tentou-se recuperar o tempo perdido. A PEB no continente africano experimentava, até então, flutuações que em nada asseguravam a evolução desejada em uma relação comercial. As ex-colônias buscavam parcerias comerciais pois queriam se tornar independentes de fato e precisavam tanto de mercado para suas abundantes matérias primas e recursos naturais como de importar produtos manufaturados e de parcerias para intercâmbios tecnológicos. O Brasil se apresentaria como um parceiro ideal por suas afinidades culturais, porém seu relacionamento com a África não favorecia essa evolução. A aproximação comercial com a África do Sul, em pelo regime do apartheid, também minava nossas relações com os demais países africanos e o Brasil só passou a dar passos definitivos na direção do bom relacionamento quando deixou de apoiar a colonização portuguesa e se manifestou contrário à segregação racial sul-africana. Um passo importante foi o pronto reconhecimento e total apoio prestado pelo Brasil às independências da Guiné-Bissau e Angola. Essas medidas tiveram como consequencia um aumento nas relações comerciais entre o Brasil e África.

19 17 Ao assumir seu governo, o Presidente Lula deixou claro que a África seria uma prioridade na política externa, conforme demonstrado em seus discursos voltados para o continente (GARCIA, 2007, p ): A África é uma referência indispensável para a formação do nosso povo e da nossa cultura. E é mais do que isso. É um continente que, como o Brasil, anseia e luta por liberdade, justiça social, democracia e desenvolvimento. Temos muito a aprender uns com os outros, temos muito a contribuir uns com os outros. Temos experiências para compartilhar. Temos inúmeras riquezas, materiais, espirituais e simbólicas para trocar. E tenho certeza de que vamos fazer isso, cada vez mais. Quero deixar aqui uma mensagem de muito otimismo em relação ao futuro de nossa amizade. O caminho entre a África e o Brasil já foi um caminho de escravidão. Que essa rota seja agora utilizada para proporcionar prosperidade e felicidade para o povo brasileiro e para o povo africano. O Brasil tem uma dívida com a África. Uma dívida de reconhecimento pela contribuição, em condições de sofrimento e opressão, que milhões de africanos deram para a construção do Brasil. Associamo-nos ao renovado compromisso do continente africano em tomar em suas próprias mãos a responsabilidade de encontrar respostas para os seus problemas. Nesse discurso o presidente ressalta as semelhanças entre o Brasil e a África. Dessa forma, busca conseguir um maior estreitamento nas relações deixando claro que o que é bom para o Brasil será bom para a África também. Ao falar de um passado de escravidão e reconhecendo a dívida moral com o continente buscou evidenciar ainda mais esses laços com o comprometimento de empreender ações com o intuito de amenizar essa dívida. A esses discursos seguiram-se visitas ao continente, tanto do presidente como de diplomatas e empresários, buscando, com o espírito de cooperação, ampliar as relações comerciais entre o Brasil e o continente africano. Política externa não se faz apenas com palavras e discursos, o mais importante são os fatos e as ações. O Brasil, no período analisado, sempre teve um discurso de apoio à autonomia das colônias africanas e de repúdio ao preconceito e racismo. Apesar disso, permanecia apoiando à colonização portuguesa e mantinha relações comerciais com a África do Sul segregacionista. As ações mais incisivas de aproximação devem-se aos ex-presidentes Jânio Quadros, com sua PEI; Ernesto Geisel; e Lula. Geisel em sua tentativa de aproximação percebeu claramente que existia um grande ressentimento do continente para com o Brasil devido a sua, até então, falta de comprometimento político com as causas africanas.

20 18 Para os africanos era latente que os interesses brasileiros no continente eram apenas de cunho comercial, deixando a desejar nos demais aspectos. Hoje a preocupação brasileira é mais abrangente. O país vê a África como um grande parceiro comercial e um mercado cada vez mais promissor para o seu parque industrial. Outro fator relevante é o de que o Brasil tem crescido de importância no cenário mundial. É o país líder do MERCOSUL e tem pleiteado um assento no Conselho de Segurança da ONU. Em que pese o fato do Brasil ser ainda uma economia emergente, não se pode negar a sua potencialidade. O fato de ser possuidor de dimensões continentais e de vastos recursos naturais o inclui num seleto clube de países, dentre as grandes potências mundiais. O Brasil aprendeu que os acordos sejam eles econômicos, tecnológicos, militares, entre outros, para terem efeito, é necessário que haja um comprometimento político e como durante muito tempo a PEB não retratava em ações, os discursos pronunciados por seus governantes. A conquista de um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU), segue o mesmo caminho. A possibilidade dos países do continente africano apoiarem a candidatura do Brasil poderá fortalecer a posição brasileira para o pleito. (REBELO, 2004, p. 371) A falta de coerência entre discurso e ação prejudicou e continuará prejudicando o Brasil na consecução dos objetivos da sua PEB. Os governantes brasileiros precisam demonstrar um maior compromisso com as causas mundiais. Fortalecer suas Forças Armadas de modo a tê-las prontas a agir, juntamente com outras potências, nos casos em que seja necessário o uso da força para resguardar os princípios humanitários em países que não os reconhecem, é uma boa maneira de se aumentar a inserção mundial de um país, e não a simples, nem menos importante, participação em missões de paz sem que seja criada uma necessidade de demonstrar um melhor poderio militar brasileiro. Os cinco países membros do CSNU são potências militares e possuem submarinos nucleares. O aumento do poder militar brasileiro torna-se assim um ponto crucial para o fortalecimento da posição do país na conquista desse assento permanente.

21 19 As seções seguintes versarão particularmente das relações do Brasil com a África do Sul e Namíbia durante o primeiro mandato do presidente Lula, nos campos político, militar, econômico, tecnológico e psicossocial. 3 RELAÇÃO ENTRE O BRASIL E A ÁFRICA DO SUL Esse capítulo será iniciado por um discurso do presidente Lula na África do Sul, conjuntamente com o daquele país em outubro de (NAPOLEÃO, 2010, p. 140) No passado, celebramos a luta do povo sul-africano contra o apartheid. Hoje, homenageamos líderes como o companheiro Zuma, que sacrificaram a própria liberdade em defesa da liberdade de seu povo. Admiramos a diversidade da democracia que estão construindo. Como o Brasil, a África do Sul está agora engajada em outra batalha. Nossas nações estão superando uma herança de séculos de exclusão. Temos pressa em eliminar todas as formas de discriminação. O governo e a sociedade brasileira estão mobilizados para derrotar o racismo, essa forma particular e perversa de exclusão. Esse objetivo é mais que um imperativo da democracia. É o reconhecimento do legado maior da África à nossa cultura: a capacidade de moldar uma rica comunidade de diferentes etnias, de distintas religiões, de diversas origens nacionais. [...] A África do Sul e o Brasil se inserem soberanamente no mundo. Queremos ser mais parceiros. Nosso comércio triplicou em poucos anos, chegando a US$ 2,5 bilhões, em Empresas brasileiras como a Marcopolo, a Vale e a Odebrecht já fazem investimentos na África do Sul. Firmas sul-africanas apostam no Brasil. Criamos um Grupo de Trabalho para catalisar essas iniciativas. [...] O futuro de nossa parceria também passa por setores de ponta como a biotecnologia, astronomia, nanotecnologia e informática. Este é o sentido das atividades do Comitê Conjunto de Cooperação Científica e Tecnológica, que realizou sua 1a reunião em maio deste ano. Outro campo de enorme potencial é o energético. A experiência brasileira em biocombustíveis e o domínio sul-africano em matéria de liquefação de carvão e gás natural nos fazem parceiros naturais no momento em que a comunidade internacional busca alternativas energéticas limpas e renováveis. Queremos incluir nossos vizinhos em nossa parceria. É o que estamos fazendo com a assinatura, este ano, do Acordo de Comércio Preferencial entre o Mercosul e a União Aduaneira da África Austral. [...] Estamos construindo um mundo mais justo, mais democrático e multipolar, no qual os países em desenvolvimento sejam protagonistas. Queremos um mundo sem guerras e, por essa razão, também cooperamos no campo da defesa, zelando pela paz no Atlântico Sul. Esse discurso foi selecionado pelo fato de ser um bom resumo das relações Brasil-África do Sul. Em suas palavras o presidente Lula ressaltou a questão racial que outrora dificultava não só o relacionamento com a nação sul-africana como com as demais nações do continente, mas que agora era vista pelo governante como um exemplo de luta pela liberdade e democracia. Os demais pontos do discurso serão

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 75 Discurso no almoço em homenagem

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015

A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015 A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015 Recomendações da Terceira Reunião de Cúpula do IBAS para questões empresariais, apresentadas aos

Leia mais

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994.

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. Promulga o Tratado Geral de Cooperação e Amizade e o Acordo Econômico Integrante do Tratado Geral de Cooperação e Amizade, entre a República Federativa do Brasil

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 DE NOVEMBRO PALÁCIO DA REPÚBLICA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso em almoço oferecido ao

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe.

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe. 1 iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, decretada no ano de 1948 após uma decisão da assembléia geral da onu de 1947, presidida pelo brasileiro osvaldo

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República de Cabo Verde, doravante designadas por Partes : Animadas pela vontade

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso no encerramento do Fórum

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad

Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad Debate sobre Política Geral da 34 a. Conferência Geral da UNESCO Paris, Unesco, Sessão Plenária, 18 de outubro de 2007 Senhor Presidente,

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

MENSAGEM N o 557, DE 2006

MENSAGEM N o 557, DE 2006 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 557, DE 2006 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo de Cooperação no Domínio do Turismo entre a República Federativa

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Reunião de Foz do Iguaçu Excelentíssimo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 28 DE MAIO GRANDE PALÁCIO DO POVO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA A ANGOLA Encontro com Deputados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO

República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique, por ocasião do Banquete de Estado

Leia mais

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO RELATÓRIO Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 93, de 2011 (Mensagem nº 212, de 17/06/2011, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação do Senado

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 63 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

A Cúpula Afro-Indiana de 2011 e a Inserção da Índia na África

A Cúpula Afro-Indiana de 2011 e a Inserção da Índia na África BRICS Monitor A Cúpula Afro-Indiana de 2011 e a Inserção da Índia na África Junho de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Cimeira do Fórum Índia África

Cimeira do Fórum Índia África REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Presidência da República Cimeira do Fórum Índia África Intervenção de Sua Excelência Senhor José Mário Vaz Presidente da República Nova Delhi, 29 de Outubro de 2015 Excelência,

Leia mais

Geografia/Profª Carol

Geografia/Profª Carol Geografia/Profª Carol Recebe essa denominação porque parte dos territórios dos países platinos que constituem a região é banhada por rios que compõem a bacia hidrográfica do Rio da Prata. Países: Paraguai,

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil ǀ Minas Gerais. Há mais de 16 anos estreitando laços entre Minas Gerais e Portugal

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil ǀ Minas Gerais. Há mais de 16 anos estreitando laços entre Minas Gerais e Portugal Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil ǀ Minas Gerais Há mais de 16 anos estreitando laços entre Minas Gerais e Portugal A História e o papel da Câmara A Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - Minas

Leia mais

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais 1 von 6 31.05.2010 10:06.: DAI - Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 2.579, DE 6 DE MAIO DE 1998. Promulga o Acordo Básico de Cooperação Técnica, celebrado entre o Governo da República Federativa

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

TIGRES ASIÁTICOS e CHINA

TIGRES ASIÁTICOS e CHINA TIGRES ASIÁTICOS e CHINA China Muito importante economicamente para o Brasil e para o mundo. Em muitos produtos vimos escrito: Made In China. O que os produtos chineses podem acarretar à produção dos mesmos

Leia mais

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira.

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Discurso do Ex-Presidente Lula Outorga do Título de Doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira 1 de Março de 2013 Recebo com emoção o título de doutor

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010 COOPERAÇÃO SUL SUL SEMINARIO BOAS PRÁTICAS NA INSPEÇÃO DO TRABALHO Brasília, 7 de dezembro de 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O que se entende por Cooperação Sul-Sul 2. Princípios da Cooperação Sul-Sul

Leia mais

CHINA e TIGRES ASIÁTICOS

CHINA e TIGRES ASIÁTICOS CHINA e TIGRES ASIÁTICOS Os Tigres Asiáticos Hong kong Os Novos Tigres Asiáticos FAZEM PARTE DOS TIGRES ASIÁTICOS 1º GERAÇÃO ( DÉCADA DE 1970) CINGAPURA, CORÉIA DO SUL, HONG KONG, MALÁSIA E FORMOSA (TAIWAN)

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Segurança Daniel Mendes 21 de outubro de 2004 Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Comércio

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 2 DE JULHO PALÁCIO DO ITAMARATY BRASÍLIA

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 61 Discurso no almoço em homenagem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO OUI- IOHE MISSÃO OUI DE UNIVERSIDADES CANADENSES NO BRASIL 28 de novembro a 2 de dezembro de 2011 Programa preliminar A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO À luz dos excelentes

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio Análise Desenvolvimento Jéssica Silva Fernandes 15 de dezembro de 2009 A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

Mensagem do senhor presidente da República para a 3ª Fispal Latino e ao 28º Congresso Hemisférico das Câmaras do Comércio e Indústrias Latinas:

Mensagem do senhor presidente da República para a 3ª Fispal Latino e ao 28º Congresso Hemisférico das Câmaras do Comércio e Indústrias Latinas: Íntegras da mensagem do Presidente Lula e do discurso da ministra Marta Suplicy no encerramento do XXVIII Congresso Hemisférico de Câmaras de Comércio e Indústrias Latinas Miami 02/06/2007. Antes de tudo,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca II. POLÍTICA INTERNACIONAL RIO DE

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 388, DE 2014 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo de Cooperação Técnica entre o Governo da República Federativa

Leia mais

I CONFERÊNCIA ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CPLP. Sessão de Abertura. Lisboa, 24 de junho de 2015

I CONFERÊNCIA ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CPLP. Sessão de Abertura. Lisboa, 24 de junho de 2015 I CONFERÊNCIA ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CPLP Sessão de Abertura Lisboa, 24 de junho de 2015 Intervenção do Secretário Executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade

Leia mais

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br Panorama Recente do Comércio Exterior Brasileiro: Um Estudo Comparativo (2003 2006) Entre as Cinco Principais Cidades Exportadoras do Estado de São Paulo. THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com ORIENTADOR:

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc Mercadante_ANEXOS.indd 225 10/4/2006 12:00:02 Mercadante_ANEXOS.indd 226 10/4/2006 12:00:02 QUADRO COMPARATIVO POLÍTICA EXTERNA Fortalecimento e expansão

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo*

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Carlos Sidnei Coutinho** Cenário Mundial na primeira década do século XXI Os Estados soberanos se destacam como garantidores,

Leia mais