Escola Secundária de Oliveira do Bairro. Ano Lectivo 2010/2011 QUEDA LIVRE FÍSICO-QUÍMICA. Mariana Figueiredo 11ºB nº17

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Secundária de Oliveira do Bairro. Ano Lectivo 2010/2011 QUEDA LIVRE FÍSICO-QUÍMICA. Mariana Figueiredo 11ºB nº17"

Transcrição

1 Ano Lectivo 2010/2011 FÍSICO-QUÍMICA QUEDA LIVRE Mariana Figueiredo 11ºB nº17

2 QUESTÕES PRÉ-LABORATORIAIS Escola Secundária de Oliveira do Bairro 1- a) Na queda, o movimento é uniformemente acelerado porque a velocidade aumenta uniformemente o longo do tempo, provocando no corpo uma aceleração constante. b) Na subida, o movimento é uniformemente retardado porque a velocidade diminui uniformemente ao longo do tempo, provocando no corpo uma aceleração constante. 2- Sim. Apesar da Terra estar em queda livre à volta do Sol esta tem uma determinada velocidade, a qual a impede cair sobre o Sol. Como a força que actua sobre a Terra é perpendicular à velocidade, ela só faz variar a direcção da velocidade e não o seu módulo; daí que o movimento da Terra à volta do Sol seja aproximadamente circular. 2

3 «Dois atletas com pesos diferentes, em queda livre, experimentam ou não a mesma aceleração?» A aceleração é sempre igual a g=9,8m/s2 e é independente das massas dos corpos. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A queda livre ou queda de um grave é o movimento de um corpo que, partindo do repouso e desprezando a resistência do ar, está sujeito, apenas à interacção gravítica (F g ). Nestas condições, corpos largados da mesma altura chegam ao solo ao mesmo tempo, independentemente das suas massas. Uma maçã ou uma pena largados de uma mesma altura, caem lado a lado se não houver resistência do ar. Desprezando a resistência do ar, sabemos que os corpos, quer estejam a cair ou a subir, variam a sua velocidade devido à força gravítica. Quando cai, o corpo adquire movimento uniformemente acelerado, pois a força resultante é a força gravítica, constante, o que lhe provoca uma aceleração constante. A aceleração gravítica não depende da massa dos corpos, como se pode demonstrar. Assim, para um corpo próximo da superfície da Terra, a uma altura h, a força a que está sujeito é: Por outro lado, a Segunda Lei da Dinâmica permite-nos escrever. Neste caso, a força resultante é a força gravítica e a aceleração da gravidade,. Vem, portanto: Simplificando, podemos obter a expressão para a aceleração da gravidade: Substituindo a massa da Terra,, o raio da Terra, e da contante de gravitação universal,, encontramos: 3

4 Concluíndo-se que todos os objectos em queda à superfície da Terra e não sujeitos à resistência do ar caem com a mesma aceleração porque o valor de do corpo em queda livre. não depende da massa Características do Vector : Direcção: vertical; Sentido: de cima para baixo; Valor: depende da latitude, da latitude e do planeta; à superfície da Terra o seu valor médio é 9,8 m/s 2. OBJECTIVOS Distinguir força, velocidade e aceleração. Reconhecer que, numa queda livre, corpos com massa diferente experimentam a mesma aceleração. Manipular com correcção e segurança material e equipamento. Organizar os dados numa tabela. Determinar, a partir das medições efectuadas, o valor da aceleração da gravidade e comparar com o valor tabelado. Analisar criticamente os resultados obtidos. Na actividade experimental, para simular os corpos em queda, utilizaram-se duas placas de massa diferente, medindo-se, com um digitímetro e duas células fotoeléctricas, o tempo de queda. Por medição da velocidade inicial e final para a altura y, determina-se a aceleração que foi imprimida a cada uma das placas, através da expressão: Sendo: 4

5 ESQUEMA DE MONTAGEM Escola Secundária de Oliveira do Bairro REGISTO E TRATAMENTO DE DADOS s Δt i (s) Δt i (s) Δt f (s) Δt f (s) Δt queda (s) V i (m/s) V f (m/s) ΔV (m/s) G (m s -2 ) 5,00 0,0461 0,0133 0,0460 0,0463 0,0134 0,0469 0,0132 0,0133 0,2876 1,08 3,76 2,68 9,32 Grupos Placas Pesadas: Grupo 1: 9,39 m/s 2 Grupo 2: 9,32 m/s 2 Grupos Placas Leves: Grupo 1: 9,24 m/s 2 Grupo 2: 9,37 m/s 2 5

6 QUESTÕES PÓS-LABORATORIAIS Escola Secundária de Oliveira do Bairro 6

7 CONCLUSÃO 7

8 8

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.1 FÍSICA 11º ANO

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.1 FÍSICA 11º ANO Página 1 de 6 ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.1 FÍSICA 11º ANO DOIS ATLETAS COM MASSAS DIFERENTES, EM QUEDA LIVRE, EXPERIMENTAM OU NÃO A MESMA ACELERAÇÃO? O que se pretende 1. Distinguir força, velocidade e

Leia mais

Professora Bruna. Caderno 13 Aula 28. Quem atinge o solo primeiro? Página 291

Professora Bruna. Caderno 13 Aula 28. Quem atinge o solo primeiro? Página 291 Caderno 13 Aula 28 Quem atinge o solo primeiro? Página 291 Quem atinge o solo primeiro? Vimos na aula anterior, que o tempo de queda para um corpo lançado horizontalmente não depende da sua velocidade

Leia mais

Física e Química A. Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina

Física e Química A. Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina Física e Química A Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina Ano lectivo de 2009/2010 Índice Sumário 3 I Relatório 1.1. Objectivos.. 4 1.2. Planeamento 5 1.3. Execução. 6 1.4. Resultados

Leia mais

3.1. Classifique: 3.1.1. o tipo de movimento da formiga. 3.1.2. o tipo de movimento da barata.

3.1. Classifique: 3.1.1. o tipo de movimento da formiga. 3.1.2. o tipo de movimento da barata. Escola Secundária Vitorino Nemésio Segundo teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 10 de Dezembro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre

Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre Cursinho da ETEC Prof. Fernando Buglia 1. (Unifesp) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após

Leia mais

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Ano Letivo 2015/ 2016 Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Objeto de avaliação O teste tem por referência o programa de Física e Química A para

Leia mais

SIMULAÇÃO DO MOVIMENTO DE QUEDA DE UM CORPO COM E SEM RESISTÊNCIA DO AR

SIMULAÇÃO DO MOVIMENTO DE QUEDA DE UM CORPO COM E SEM RESISTÊNCIA DO AR FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE FÍSICA- FORMAÇÃO CONTÍNUA 29 SIMULAÇÃO DO MOVIMENTO DE QUEDA DE UM CORPO COM E SEM RESISTÊNCIA DO AR Actividades de sala de aula com a calculadora

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA Questão: Como projectar um escorrega para um parque aquático, de um, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina?

Leia mais

Velocidade à saída do escorrega, v 0. Altura de lançamento, H. Alcance, d

Velocidade à saída do escorrega, v 0. Altura de lançamento, H. Alcance, d SALTO PARA A PISCINA O que se pretende Projetar um escorrega para um aquaparque, cuja rampa termina num troço horizontal a uma altura apreciável da superfície da água, de modo a que os utentes caiam em

Leia mais

SERÁ NECESSÁRIA UMA FORÇA PARA

SERÁ NECESSÁRIA UMA FORÇA PARA Ano Lectivo 2010/2011 Professora Fátima Pires FÍSICO-QUÍMICA SERÁ NECESSÁRIA UMA FORÇA PARA QUE UM CORPO SE MOVA? Avaliação: Professora: Observações: 11ºB «Será necessária uma força para que um corpo se

Leia mais

a) O movimento do ciclista é um movimento uniforme, acelerado ou retardado? Justifique.

a) O movimento do ciclista é um movimento uniforme, acelerado ou retardado? Justifique. NOME: Nº. Progressão Parcial da1 a série (EM) TURMA: 21D DATA: 23/ 03/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio ASSUNTO: Exercício de revisão sobre movimento acelerado VALOR: NOTA: 1) Escreva no espaço abaixo

Leia mais

Física CPII. Exercícios p/ prova de Apoio de Física 2 a. Trim. 1 a. série Data / / Coordenador: Prof. Alexandre Ortiz Professor: Sérgio F.

Física CPII. Exercícios p/ prova de Apoio de Física 2 a. Trim. 1 a. série Data / / Coordenador: Prof. Alexandre Ortiz Professor: Sérgio F. COLÉGIO PEDRO II - UNIDADE CENTRO Exercícios p/ prova de Apoio de Física 2 a. Trim. 1 a. série Data / / Coordenador: Prof. Alexandre Ortiz Professor: Sérgio F. Lima Aluno(a): Nº Turma 1) Um bombeiro deseja

Leia mais

Lista de Exercícios - Unidade 8 Eu tenho a força!

Lista de Exercícios - Unidade 8 Eu tenho a força! Lista de Exercícios - Unidade 8 Eu tenho a força! Forças 1. (UFSM 2013) O uso de hélices para propulsão de aviões ainda é muito frequente. Quando em movimento, essas hélices empurram o ar para trás; por

Leia mais

Considerando o seguinte eixo de referência:

Considerando o seguinte eixo de referência: FORÇA É uma interacção que se estabelece entre dois corpos capaz de alterar o seu estado de movimento ou de repouso ou de lhes causar deformação. Podem ser interacções à distância ou interacções de contacto.

Leia mais

Recuperação. - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos;

Recuperação. - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos; Recuperação Capítulo 01 Movimento e repouso - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos; - Um corpo está em movimento quando sua posição, em relação a um referencial escolhido, se altera com o

Leia mais

Escola Secundária de Oliveira do Bairro

Escola Secundária de Oliveira do Bairro Ano Lectivo 2010/2011 Professora Fátima Pires Como projectar um escorrega para um parque aquático, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina, através de uma rampa

Leia mais

Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013. Nome: Nº: turma: 11E

Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013. Nome: Nº: turma: 11E Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013 Nome: Nº: turma: 11E CLASSIFICAÇÃO: Valores Professor: Cotação - 10V 1. Observa a figura 1 seguinte, que representa um corpo em movimento,

Leia mais

1. (Espcex (Aman) 2012) Um elevador possui massa de 1500 kg. Considerando a

1. (Espcex (Aman) 2012) Um elevador possui massa de 1500 kg. Considerando a 1. (Espcex (Aman) 01) Um elevador possui massa de 1500 kg. Considerando a aceleração da gravidade igual a 10 m s, a tração no cabo do elevador, quando ele sobe vazio, com uma aceleração de 3 m s, é de:

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA FÍSICA AULA. Aula 6.1 Conteúdo: Lançamento Vertical.

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA FÍSICA AULA. Aula 6.1 Conteúdo: Lançamento Vertical. Aula 6.1 Conteúdo: Lançamento Vertical. Habilidades: Compreender os conceitos físicos que se relacionam ao movimento dos corpos. Saber calcular as grandezas físicas relacionados com o lançamento vertical.

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE Como pode cair no enem? celeração de 5 g (ou 50 m/s²), ocorrendo o enrijecimento dos músculos devido a força que o sangue exerce na volta

Leia mais

Teste 2 Colégio Módulo 3 o Ano do Ensino Médio Prof.: Wladimir

Teste 2 Colégio Módulo 3 o Ano do Ensino Médio Prof.: Wladimir Teste 2 Colégio Módulo 3 o Ano do Ensino Médio Prof.: Wladimir Questão 01 Três blocos A, B, e C, de massa,, estão numa superfície lisa e horizontal, desprovida de atritos. Aplica-se no bloco A uma força

Leia mais

Lista 13: Gravitação. Lista 13: Gravitação

Lista 13: Gravitação. Lista 13: Gravitação Lista 13: Gravitação NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder a questão

Leia mais

O ATRITO E A VARIAÇÃO DE ENERGIA MECÂNICA

O ATRITO E A VARIAÇÃO DE ENERGIA MECÂNICA O ATRITO E A VARIAÇÃO DE ENERGIA MECÂNICA O que se pretende Observar o efeito da força de atrito no movimento de um corpo que parte do repouso, desce um plano inclinado e desloca se em seguida sobre um

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS FQA Ficha 3 - Forças fundamentais, leis de Newton e Lei da gravitação universal 11.º Ano Turma A e B 1 outubro 2014 NOME Nº Turma 1. Associe um número da coluna 1 a uma

Leia mais

QUEDA LIVRE. Permitindo, então, a expressão (1), relacionar o tempo de queda (t), com o espaço percorrido (s) e a aceleração gravítica (g).

QUEDA LIVRE. Permitindo, então, a expressão (1), relacionar o tempo de queda (t), com o espaço percorrido (s) e a aceleração gravítica (g). Protocolos das Aulas Práticas 3 / 4 QUEDA LIVRE. Resumo Uma esfera metálica é largada de uma altura fixa, medindo-se o tempo de queda. Este procedimento é repetido para diferentes alturas. Os dados assim

Leia mais

Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011. Movimento Linear

Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011. Movimento Linear Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011 Movimento Linear Nome: Nome: Nome: Nome: Nº: Nº: Nº: Nº: Leia com atenção a totalidade deste enunciado antes de começar, e responda

Leia mais

(S.I.) = 10 + 6 3) (FP) O

(S.I.) = 10 + 6 3) (FP) O Lista Cinemática 1) (FP) Um motorista pretende realizar uma viagem com velocidade média de 90 km/h. A primeira terça parte do percurso é realizada à 50km/h e os próximos 3/5 do restante é realizado à 80

Leia mais

III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.)

III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.) III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.) 1. INTRODUÇÃO Ao caminhar por praias do Nordeste brasileiro, uma pessoa, com certeza, passa junto de coqueiros bem carregados de cocos verdes. Em meio à bela paisagem,

Leia mais

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA:

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: NOME: Nº 1 o ano do Ensino Médio TURMA: Data: 11/ 12/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio L. de Freitas ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: INSTRUÇÕES (Leia com atenção!)

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013

Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013 Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013 01 - A figura mostra uma série de fotografias estroboscópicas de duas esferas, A e B, de massas diferentes. A esfera A foi abandonada em queda livre

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

Física - UFRGS 2010. 02. Alternativa D Afirmativa I Um ano corresponde à distância percorrida pela luz durante um ano.

Física - UFRGS 2010. 02. Alternativa D Afirmativa I Um ano corresponde à distância percorrida pela luz durante um ano. Física - UFRGS 2010 01. Alternativa E De acordo com as leis de Kepler, a órbita de cada planeta é uma elipse com o Sol em um dos focos. A reta que une um planeta e o Sol, varre áreas iguais em tempos iguais

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta Questão 11 Acredita-se que desde o século XIV acrobatas chineses já usavam uma versão primitiva do pára-quedas. É certo que, no ocidente, Leonardo da Vinci (145-1519) já o havia imaginado. que a velocidade

Leia mais

Actividade 1 Uma direcção, dois sentidos...

Actividade 1 Uma direcção, dois sentidos... 1 Actividade 1 Uma direcção, dois sentidos... Duas partículas A e B movem-se rectilineamente, de acordo com as equações: x A = 4,0-2,0 t (SI) x B = -2,0 + 4,0 t (SI). a) Esboce as trajectórias das partículas

Leia mais

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial.

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial. INSTITUTO DE FÍSICA DA UFRGS 1 a Lista de FIS01038 Prof. Thomas Braun Vetores 1. Três vetores coplanares são expressos, em relação a um sistema de referência ortogonal, como: sendo as componentes dadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular. Ensino Recorrente de Nível Secundário

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular. Ensino Recorrente de Nível Secundário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Ensino Recorrente de Nível Secundário Programa de Física e Química A 11º ano Cursos Científico-Humanísticos de: Ciências

Leia mais

LOGO FQA. Da Terra à Lua. Leis de Newton. Prof.ª Marília Peres. Adaptado de Serway & Jewett

LOGO FQA. Da Terra à Lua. Leis de Newton. Prof.ª Marília Peres. Adaptado de Serway & Jewett LOGO Da Terra à Lua Leis de Newton Prof.ª Marília Peres Adaptado de Serway & Jewett Isaac Newton (1642-1727) Físico e Matemático inglês Isaac Newton foi um dos mais brilhantes cientistas da história. Antes

Leia mais

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON 1. (Pucrj 2013) Sobre uma superfície sem atrito, há um bloco de massa m 1 = 4,0 kg sobre o qual está apoiado um bloco menor de massa m 2 = 1,0 kg. Uma corda puxa o bloco menor com uma força horizontal

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 3ª Série

Mecânica 2007/2008. 3ª Série Mecânica 2007/2008 3ª Série Questões: 1. Se o ouro fosse vendido a peso, preferia comprá-lo na serra da Estrela ou em Lisboa? Se fosse vendido pela massa em qual das duas localidades preferia comprá-lo?

Leia mais

A FÍSICA EM DESAFIOS

A FÍSICA EM DESAFIOS A FÍSICA EM DESAFIOS DESAFIO 3 O nosso projecto: Porque também achamos a Física divertida, lá conseguimos arranjar um pouquinho de espaço e tempo, para respondermos ao Desafio 3 proposto. AS LEIS de NEWTON.

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10 Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano ectivo 09/10 Duração da Actividade: 90 minutos Data: 04/ 12 / 09 Responda com clareza às questões

Leia mais

Guia de Trabalhos Laboratoriais UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

Guia de Trabalhos Laboratoriais UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Guia de Trabalhos Laboratoriais UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Conteúdo 1 Estudo do Movimento Uniformemente Acelerado: Velocidade Média - Velocidade Instantânea 1 1.1 Introdução..........................................

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Posição e Coordenada de Referência Posição é o lugar no espaço onde se situa o corpo. Imagine três pontos

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER RECURSO DISCIPLINA FÍSICA

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER RECURSO DISCIPLINA FÍSICA 26) Sejam as seguintes grandezas físicas: 1 Massa 2 Energia Cinética 3 Frequência I4 Temperatura alternativa correta que indica as grandezas cuja definição depende do tempo, é: 1 e 3 B 1 e 4 C 3 e 4 D

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA MECÂNICA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA MECÂNICA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Página 1 de 10 Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior dos maiores de 3 anos, Decreto-Lei n.º 64/006,

Leia mais

Capítulo 2 CINEMÁTICA

Capítulo 2 CINEMÁTICA Capítulo CINEMÁTICA DISCIPLINA DE FÍSICA CAPÍTULO - CINEMÁTICA.1 Uma partícula com movimento rectilíneo desloca-se segundo a seguinte equação: x = 0,5 t.1.1 Desenhe o gráfico da função r(t), no intervalo

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Cinemática: É a parte da mecânica que estuda os movimentos, procurando determinar a posição, velocidade e aceleração do corpo a cada instante. Ponto Material: É todo corpo que não possua dimensões a serem

Leia mais

e) Primeira Lei de Kepler. c) Lei de Ampére;

e) Primeira Lei de Kepler. c) Lei de Ampére; Física Módulo 2 - Leis de Newton 1) De acordo com a Primeira Lei de Newton: a) Um corpo tende a permanecer em repouso ou em movimento retilíneo uniforme quando a resultante das forças que atuam sobre ele

Leia mais

MCU Movimento Circular Uniforme Sem transmissão de movimento

MCU Movimento Circular Uniforme Sem transmissão de movimento MCU Movimento Circular Uniforme Sem transmissão de movimento 1. (Pucrj 2013) A Lua leva 28 dias para dar uma volta completa ao redor da Terra. Aproximando a órbita como circular, sua distância ao centro

Leia mais

www.enemdescomplicado.com.br

www.enemdescomplicado.com.br Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução:

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução: PRATICA 2: Corpos em queda livre PRATICA EXPERIMENTAL Introdução: Ao deixar um corpo cair próximo da terra, este corpo será atraído verticalmente para baixo. Desprezando-se se a resistência do ar, todos

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) Cursos Gerais Programa novo implementado em 2005/2006 PROVA 615/16 Págs. Duração da prova: 120 minutos

Leia mais

Ciências Físico - Químicas. Planificação de uma Actividade Laboratorial No contexto dos Novos Programas

Ciências Físico - Químicas. Planificação de uma Actividade Laboratorial No contexto dos Novos Programas ESCOLA SECUNDÁRIA NUNO ÁLVARES CASTELO BRANCO Ciências Físico - Químicas Planificação de uma Actividade Laboratorial No contexto dos Novos Programas Trabalho elaborado por: Célia Maria Antunes Dias Castelo

Leia mais

Aula de apresentação 2011/2012

Aula de apresentação 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO RODRIGUES LOBO Aula de apresentação 2011/2012 1 Apresentação O programa: planificação; recursos. Física em Acção. Trabalho experimental. Avaliação. Teste diagnóstico. 2 1.º

Leia mais

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS EXERCÍCIOS ª SÉRIE - LANÇAMENTOS 1. (Unifesp 01) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após um período de aceleração, ao atingir a altura de

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS QUEDA LIVRE E MOV. VERTICAL

LISTA DE EXERCÍCIOS QUEDA LIVRE E MOV. VERTICAL GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Competência, ética e cidadania SECRETARIA DE EDUCAÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS QUEDA LIVRE E MOV. VERTICAL UPE Campus Mata Norte Aluno(a): nº 9º ano 01- (PUC-MG) Dois corpos

Leia mais

SALTO EM E M DISTÂNCIA

SALTO EM E M DISTÂNCIA SALTO EM DISTÂNCIA Salto em Distância O salto em distancia é uma prova de potência, sua performance está diretamente relacionada com a velocidade de impulso O saltador deve produzir o máximo de velocidade

Leia mais

Unidade Didática Movimento Física 9 ano

Unidade Didática Movimento Física 9 ano Unidade Didática Movimento Física 9 ano Duração: 3 aulas de 50 minutos. Objetivos: Após o término dessas aulas, os alunos devem ser capazes de: Ao final desta aula o aluno deve ser capaz de: Reconhecer

Leia mais

Lista de Exercício 3 MUV

Lista de Exercício 3 MUV Nome: Curso: Disciplina: FÍSICA I / MECÂNICA CLÁSSICA Lista de Exercício 3 MUV 1) Um móvel, cujo espaço inicial é S0 8m, se desloca a favor da trajetória, em movimento acelerado, com velocidade inicial

Leia mais

PSICOLOGIA B 12º ANO

PSICOLOGIA B 12º ANO PSICOLOGIA B 12º ANO TEXTO DE APOIO ASSUNTO: Piaget Piaget apresenta uma teoria que privilegia o aspecto cognitivo do desenvolvimento, encarado como processo descontínuo, uma evolução por 4 estádios que

Leia mais

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo.

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo. (MECÂNICA, ÓPTICA, ONDULATÓRIA E MECÂNICA DOS FLUIDOS) 01) Um paraquedista salta de um avião e cai livremente por uma distância vertical de 80 m, antes de abrir o paraquedas. Quando este se abre, ele passa

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) Prof.: João Arruda e Henriette Righi. Atenção: Semana de prova S1 15/06 até 30/06

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) Prof.: João Arruda e Henriette Righi. Atenção: Semana de prova S1 15/06 até 30/06 Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) Prof.: João Arruda e Henriette Righi Maio/2015 Atenção: Semana de prova S1 15/06 até 30/06 LISTA DE EXERCÍCIOS # 2 1) Um corpo de 2,5 kg está

Leia mais

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli 1. A figura abaixo mostra o mapa de uma cidade em que as ruas retilíneas se cruzam perpendicularmente e cada quarteirão

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do primeiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do primeiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA Concórdia, desenvolvendo conhecimento com sabedoria Mantenedora: Comunidade Evangélica Luterana Cristo- Niterói Material de apoio para as aulas de Física do primeiro ano Professor

Leia mais

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica.

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica. Lista para a Terceira U.L. Trabalho e Energia 1) Um corpo de massa 4 kg encontra-se a uma altura de 16 m do solo. Admitindo o solo como nível de referência e supondo g = 10 m/s 2, calcular sua energia

Leia mais

visão do mundo como varia a energia Juízos de valor: mecânica durante o a experiência permite verifimovimento

visão do mundo como varia a energia Juízos de valor: mecânica durante o a experiência permite verifimovimento PARTE CONCEPTUAL QUESTÃO FOCO PARTE METODOLÓGICA visão do mundo como varia a energia Juízos de valor: mecânica durante o a experiência permite verifimovimento de um car que durante o movimenpêndulo gravítico?

Leia mais

Física. Pré Vestibular / / Aluno: Nº: Turma: ENSINO MÉDIO

Física. Pré Vestibular / / Aluno: Nº: Turma: ENSINO MÉDIO Pré Vestibular ísica / / luno: Nº: Turma: LEIS DE NEWTON 01. (TEC daptada) Dois blocos e de massas 10 kg e 20 kg, respectivamente, unidos por um fio de massa desprezível, estão em repouso sobre um plano

Leia mais

FÍSICA. Figura 5.1 Ventilador

FÍSICA. Figura 5.1 Ventilador FÍSICA 1 MECÂNICA MECÂNICA I II Mecânica Gráfica para alunos do ensino 3. médio Pêndulo utilizando simples o PUCK 5. Movimento circular NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA QUESTÃO PRÉVIA No ventilador

Leia mais

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força?

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força? Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 02: Segunda Lei de Newton Como você acaba de ver no Tópico 1, a Primeira Lei de Newton ou Princípio da Inércia diz que todo corpo livre da ação de forças ou

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2. Cinemática. Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2. Cinemática. Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2 Cinemática Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção Cinemática Na cinemática vamos estudar os movimentos sem

Leia mais

Lançamento Horizontal

Lançamento Horizontal Lançamento Horizontal 1. (Ufsm 2013) Um trem de passageiros passa em frente a uma estação, com velocidade constante em relação a um referencial fixo no solo. Nesse instante, um passageiro deixa cair sua

Leia mais

Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento

Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento Quando aplicamos uma força sobre um corpo, provocando um deslocamento, estamos gastando energia, estamos realizando um trabalho. Ʈ

Leia mais

Departamento de Física Universidade do Algarve PÊNDULO SIMPLES

Departamento de Física Universidade do Algarve PÊNDULO SIMPLES Departamento de Física Universidade do lgarve PÊNDULO SIMPLES 1. Resumo Um pêndulo é largado de uma determinada altura, medindo-se a sua velocidade linear quando passa pela posição mais baixa. Este procedimento

Leia mais

Série 1º ANO. Colégio da Polícia Militar de Goiás - Hugo. MAT Disciplina: FISICA Professor: JEFFERSON. Aluno (a): Nº

Série 1º ANO. Colégio da Polícia Militar de Goiás - Hugo. MAT Disciplina: FISICA Professor: JEFFERSON. Aluno (a): Nº Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Hugo de Carvalho Ramos Ano Letivo - 2015 Série 1º ANO Lista de Exercícios 4º Bim TURMA (S) ABC Valor da Lista R$ MAT Disciplina: FISICA Professor: JEFFERSON Data:

Leia mais

Queda livre de um corpo

Queda livre de um corpo Experiência 3 Dizemos que um corpo se encontra em queda livre quando a única força que actua nele é a força gravítica terrestre. Não pode haver actuação de outras forças; em particular, não pode existir

Leia mais

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES CAPÍTULO 4 67 4. MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES Consideremos um bloco em contato com uma superfície horizontal, conforme mostra a figura 4.. Vamos determinar o trabalho efetuado por uma

Leia mais

22-05-2015. Sumário. Energia em movimentos. A Energia de Sistemas em Mov. de Translação 20/05/2015

22-05-2015. Sumário. Energia em movimentos. A Energia de Sistemas em Mov. de Translação 20/05/2015 Sumário Unidade temática 2 A energia de sistemas em movimento de translação. - Teorema da energia cinética. A força com que a Terra atrai os corpos realiza trabalho. - Trabalho realizado pelo peso dum

Leia mais

Cinemática sem fórmulas?

Cinemática sem fórmulas? Cinemática sem fórmulas? Prof. Fernando Lang da Silveira IF-UFRGS Segundo Piaget a idéia de velocidade nas crianças é geneticamente anterior a de espaço percorrido, de deslocamento. Einstein, ao assistir

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas

Problemas de Mecânica e Ondas Problemas de Mecânica e Ondas (LEMat, LQ, MEiol, MEmbi, MEQ) Tópicos: olisões: onservação do momento linear total, conservação de energia cinética nas colisões elásticas. onservação do momento angular

Leia mais

Questão 2 Uma esfera de cobre de raio R0 é abandonada em repouso sobre um plano inclinado de forma a rolar ladeira abaixo. No entanto, a esfera

Questão 2 Uma esfera de cobre de raio R0 é abandonada em repouso sobre um plano inclinado de forma a rolar ladeira abaixo. No entanto, a esfera Questão 1 Na figura abaixo, vê-se um trecho de uma linha de produção de esferas. Para testar a resistência das esferas a impacto, são impulsionadas a partir de uma esteira rolante, com velocidade horizontal

Leia mais

FÍSICA PROF. WILSON QUEDA LIVRE

FÍSICA PROF. WILSON QUEDA LIVRE QUEDA LIVRE 1. (Unifesp 01) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após um período de aceleração, ao atingir a altura de 100 m, sua velocidade

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades dos móveis variam com o decurso do tempo, introduz-se o conceito de uma grandeza

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 13 CINEMÁTICA VETORIAL E COMPOSIÇÃO DE MOVIMENTOS

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 13 CINEMÁTICA VETORIAL E COMPOSIÇÃO DE MOVIMENTOS FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 13 CINEMÁTICA VETORIAL E COMPOSIÇÃO DE MOVIMENTOS Como pode cair no enem (UERJ) Pardal é a denominação popular do dispositivo óptico-eletrônico utilizado para fotografar veículos

Leia mais

Os mecanismos da circulação oceânica: acção do vento força de Coriolis e camada de Ekman. Correntes de inércia.

Os mecanismos da circulação oceânica: acção do vento força de Coriolis e camada de Ekman. Correntes de inércia. Os mecanismos da circulação oceânica: acção do vento força de Coriolis e camada de Ekman. Correntes de inércia. OS MECANISMOS DA CIRCULAÇÃO OCEÂNICA A acção do vento nas águas superficiais Quando o vento

Leia mais

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20.

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20. 11 FÍSICA Um bloco de granito com formato de um paralelepípedo retângulo, com altura de 30 cm e base de 20 cm de largura por 50 cm de comprimento, encontra-se em repouso sobre uma superfície plana horizontal.

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL YVONE PIMENTEL DISCIPLINA: FÍSICA (Professor Ronald Wykrota) EJA INDIVIDUAL 1ª SÉRIE - AULAS 01 e 02

COLÉGIO ESTADUAL YVONE PIMENTEL DISCIPLINA: FÍSICA (Professor Ronald Wykrota) EJA INDIVIDUAL 1ª SÉRIE - AULAS 01 e 02 EJA INDIVIDUAL 1ª SÉRIE - AULAS 01 e 02 FÍSICA: Física é a ciência exata que tem por objeto de estudo os fenômenos que ocorrem na natureza. Através do entendimento dos fenômenos da natureza, podemos entender

Leia mais

Tipos de Movimento. Classificam-se se de acordo com: ria descrita pelo corpo a velocidade do corpo

Tipos de Movimento. Classificam-se se de acordo com: ria descrita pelo corpo a velocidade do corpo Tipos de Movimento Classificam-se se de acordo com: a trajectória ria descrita pelo corpo a velocidade do corpo A velocidade mantémse constante Movimento Rectilíneo Uniforme Movimento Rectilíneo Uniformemente

Leia mais

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FÍSICA PROFESSORES: Erich/ André NOME COMPLETO: I N S T R U Ç Õ E S DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 1 a EM Circule a sua turma: Funcionários:

Leia mais

Resumo do Curso: CST Física Geral / Primeira parte

Resumo do Curso: CST Física Geral / Primeira parte Resumo do Curso: CST Física Geral / Primeira parte Notas: Rodrigo Ramos 1 o. sem. 2015 Versão 1.0 Em nossa introdução à Física falamos brevemente da história dessa ciência e sua relevância no desenvolvimento

Leia mais

Intensivo 2015.2. Trabalho, potência e Energia mecânica. Obs: cada andar do edifício tem aproximadamente 2,5m.

Intensivo 2015.2. Trabalho, potência e Energia mecânica. Obs: cada andar do edifício tem aproximadamente 2,5m. Intensivo 2015.2 Trabalho, potência e Energia mecânica 01 - (PUC PR) Uma motocicleta de massa 100kg se desloca a uma velocidade constante de 10m/s. A energia cinética desse veículo é equivalente ao trabalho

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL

COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL Marcelo Rolim EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE CIÊNCIAS (FÍSICA) 8ª SÉRIE ENSINO FUNDAMENTAL 2º TRIMESTRE/2012 Exercícios de Revisão 01. Calcule a distância percorrida por um móvel

Leia mais

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA F Í S I C A II - DINÂMICA ALUNO: RA: 1 - OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DINÂMICA A Dinâmica é a parte da Mecânica que estuda os movimentos e as causas que os produzem ou os modificam.

Leia mais

Assinale a alternativa que contém o gráfico que representa a aceleração em função do tempo correspondente ao movimento do ponto material.

Assinale a alternativa que contém o gráfico que representa a aceleração em função do tempo correspondente ao movimento do ponto material. Física 53. O gráfico da velocidade em função do tempo (em unidades aritrárias), associado ao movimento de um ponto material ao longo do eixo x, é mostrado na figura aaixo. Assinale a alternativa que contém

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431 4200-072 Porto. Tel.

Leia mais

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2.1. Num instante t i um corpo parte de um ponto x i num movimento de translação a uma dimensão, com módulo da velocidade v i e aceleração

Leia mais

Capítulo 2 A Cinemática

Capítulo 2 A Cinemática Capítulo 2 A Cinemática ACinemática é a parte da Física que tenta descrever os movimentos, sem levar em consideração as suas causas. Para isso, organiza informações sobre a posição, o deslocamento, o espaço

Leia mais

Análise da percepção da sinalização vertical utilizando ambientes simulados de direção. Um estudo de caso na rodovia BR-116.

Análise da percepção da sinalização vertical utilizando ambientes simulados de direção. Um estudo de caso na rodovia BR-116. Análise da percepção da sinalização vertical utilizando ambientes simulados de direção. Um estudo de caso na rodovia BR-116. 1. OBJETIVO DA PESQUISA 2 2. ESCOPO DA PESQUISA Montagem do simulador Experimento

Leia mais

A intensidade da força gravitacional (peso) é dada por: P = m g m = = constante g Assim: g g 1,6 9,8. Resposta: 80 N

A intensidade da força gravitacional (peso) é dada por: P = m g m = = constante g Assim: g g 1,6 9,8. Resposta: 80 N 01 A intensidade da força gravitacional (peso) é dada por: P P = m g m = = constante g Assim: PL P PL 490 = = P = 80 N g g 1,6 9,8 L Resposta: 80 N 1 0 Numa balança de dois pratos, a medida da massa de

Leia mais