Serge Michel e Michel Beuret O SAFARI CHINÊS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serge Michel e Michel Beuret O SAFARI CHINÊS"

Transcrição

1 Serge Michel e Michel Beuret O SAFARI CHINÊS

2

3 Serge Michel e Michel Beuret O SAFARI CHINÊS Pequim à conquista do continente negro Fotografias de Paolo Woods Tradução de Manuel Marques

4

5 capítulo 2 os chineses encontraram o seu faroeste «Todos nós nos ocupamos de várias coisas, é esse o segredo do nosso sucesso. Vocês faziam o mesmo, há cinquenta anos na Europa, quando ainda tinham vontade de trabalhar, não é verdade?» Benjamin Chen, Lagos, Abril de Dois carros azuis da polícia sobem esforçadamente a torrente de carroçarias formada pelos engarrafamentos de Lagos, uma lava solidificada mas ainda fumegante. Sirenas, movimentos bruscos e ultrapassagens pela berma: pouco importa o método, desde que se avance, metro a metro, na direcção da península de Lekki. Depois da ponte de Falomo, entre dois enormes outdoors de uma rede de telemóveis, um outro veículo da polícia, bloqueado no sentido inverso, dirige -lhes uma saudação hesitante. Tal deve -se certamente ao facto de o condutor do veículo dianteiro, um Mercedes todo -o -terreno, não ser um polícia negro fardado, mas um homenzinho de negócios chinês com óculos. Jacob Wood, nascido em Xangai há 59 anos, leva -nos a visitar o estaleiro dos 544 pavilhões cuja construção uma das suas empresas, a Golden Swan Nigeria Ltd, está a ultimar a 25 quilómetros dali. Depois das últimas manobras para escapar aos veículos aglutinados à saída da megalópole de 16 milhões de habitantes, ele roda a boa velocidade na via rápida de Lagos a Epe. À esquerda 45

6 O Safari Chinês sucedem -se os supermercados e os armazéns de materiais de construção. À direita, a sede do número um mundial do petróleo, a Exxon -Mobil, é uma fortaleza parda flanqueada por quatro torres. «Eu sou o primeiro chinês da China continental que veio trabalhar para a Nigéria», diz ele. «O meu pai teve de fugir de Xangai em 1949, por causa da vitória de Mao. Eu era bebé. Ele passou por Hong Kong antes de, em 1953, abrir uma fábrica de têxteis em Lagos, que era ainda colónia britânica. Durante toda a minha adolescência, não tive direito a mais que uma carta dele por semana, obviamente aberta pela polícia. Com a morte de Mao em 1976, a pressão abrandou e eu pude finalmente sair do país. Vim para cá no ano seguinte, para conhecer finalmente o meu pai.» O reencontro será de curta duração: o filho é de imediato enviado para Toronto, onde permanecerá três anos para estudar Economia. Aprende inglês, trabalha encarniçadamente e consegue um passaporte canadiano. Algumas horas antes de ele subir para o avião de regresso à Nigéria, o pai organizou -lhe uma pequena surpresa. Jacob tem um encontro num café com uma rapariga que não conhece, Amy, nascida numa boa família de Hong Kong e que está então a começar os seus estudos no Canadá. Os pais de ambos os lados consideraram que eles fariam o par ideal e, de facto, o jovem fica logo apaixonado. Será, no entanto, necessário esperar cinco anos e multiplicar os telefonemas intercontinentais até que ela se lhe junte. Enquanto espera, e desde a sua chegada a Lagos em 1980, Jacob Wood assume a direcção do restaurante Shangri -La, no topo do hotel Eko, um lugar que então pertencia ao «multimilionário vermelho» Armand Hammer, patrão da Occidental Petroleum. «Um homem extraordinário», avalia o jovem chinês, que terá a oportunidade de servir uma fiada de personalidades, entre as quais George Bush pai, quando era vice -presidente de Ronald Reagan. 46

7 2. Os chineses encontraram o seu faroeste No começo dos anos 90, quando a Nigéria mergulha nas horas mais negras da ditadura militar e o hotel decai por falta de clientes estrangeiros, Jacob Wood constrói um restaurante na cidade, o Golden Gate (1500 lugares sentados), especializado em banquetes para as grandes fortunas do país, lançando depois uma empresa de construção. É também nessa época que a China se torna uma potência económica mundial. É verdade que a ele sempre repugnou a ideologia comunista, mas descobre nessa altura que pode apoiar -se no seu país de origem para investir em África e recrutar engenheiros de grande qualidade para cada um dos seus projectos industriais. Está hoje à cabeça de um grupo que emprega mais de 1500 pessoas, entre as quais 300 chineses, e presta tantos serviços ao governo nigeriano que recebeu, entre outras, permissão para colocar em toda a sua frota de veículos todo -o -terreno matrículas de polícia. «É muito prático para os go slow [expressão do pidgin english o inglês local para designar os engarrafamentos]», sussurra ele, «e não pago nada por isso. Tenho apenas de organizar, uma vez por ano, um banquete para a associação das mulheres dos oficiais da polícia. A cada ano aumenta o apetite delas, mas continua a ser um bom negócio.» Festins cujo preço não se justifica somente pela possibilidade de dispor de uma passagem na megalópole asfixiada pelos engarrafamentos. Circular rodeado de polícias armados serve sobretudo para evitar imprevistos no país mais populoso, e sem dúvida mais perigoso, de África. A Nigéria, o primeiro produtor de petróleo do continente, conhece uma taxa espectacular de criminalidade, mais a mais reforçada pela existência de guerrilha no delta do Níger, onde se concentram os poços de petróleo. A cada semana, ou quase, os guerrilheiros dos MEND (Movimentos para a Emancipação do Delta do Níger) raptam expatriados das grandes companhias de petróleo, como os britânicos da Shell e os italianos da ENI, que no entanto mantêm verdadeiros exér- 47

8 O Safari Chinês citos privados para a sua segurança. O gigante petrolífero chinês CNOOC chegou já tardiamente à Nigéria, mas com um investimento maciço de 2,3 mil milhões de dólares, em Janeiro de 2006, numa concessão gerida pela companhia francesa Total. Quatro meses depois, por ocasião de uma visita do presidente Hu Jintao, a CNOOC assinou contratos de exploração de quatro blocos petrolíferos suplementares, contra a promessa de investir quatro mil milhões de dólares nas infra -estruturas nigerianas. A reacção da guerrilha não se fez esperar. Três dias depois da passagem do presidente chinês, em Maio de 2006, explodiu um veículo armadilhado em frente da refinaria de Warri, no Sul da Nigéria, com a seguinte mensagem: «Os cidadãos chineses que encontrarmos nas instalações petrolíferas serão tratados como ladrões.» Ao longo dos dois anos que se seguiram, o movimento capturou reféns chineses por três vezes, libertando -os contra resgate. Chegados à elevação onde fica a sede nigeriana da Chevron Texaco, no meio a península de Lekki, os dois veículos viram à esquerda e penetram num matagal de casinhas, todas parecidas. No seio desse bairro que poderia ter brotado no Dubai ou na Califórnia, Jacob Wood detém -se num átrio juncado de cabos eléctricos e ferros para betão armado. Um engenheiro chinês abre a porta de um barracão rudimentar, onde a mobília são três mesas. Chama -se Reagan Zhu. Trabalhou numa empresa estatal na China antes de se lançar à aventura. Depois de ter estendido 185 quilómetros de linhas de alta tensão no Suriname e passado três anos no Kuwait, estabeleceu contacto com Jacob Wood, que dispõe de um gabinete de recrutamento em Xangai. Em Lagos, supervisiona o acabamento dos 544 pavilhões (construídos em menos de dois anos), na expectativa de que o seu patrão consiga uma extensão do projecto: mais 500 moradias. «Já está tudo vendido», diz ele a sorrir. «A Chevron ficou com a maior parte para o seu pessoal nigeriano.» 48

9 2. Os chineses encontraram o seu faroeste Advertência para aqueles que julgam que, em África, os chineses não se interessam senão pelas matérias -primas como contrapartida de empreitadas gigantes de infra -estruturas financiadas pelo seu governo: são também eles os novos empreendedores e os novos investidores no continente negro, em negócios privados e assaz prósperos. Por que razão se aventuram os chineses nos lugares onde os ocidentais se abstêm por excesso de prudência ou por indiferença? Porque os chineses se sentem nos apertos como em casa, porque a África se lhes apresenta como uma terra virgem, repleta de promessas, e porque não têm medo dos pequenos investimentos, muito pelo contrário: um salão de massagens, um restaurante, uma pequena oficina de costura, uma farmácia, tudo é bom para fazer frutificar rapidamente o dinheiro que, muitas vezes, toda uma família na China reuniu para enviar um dos seus à aventura. Num continente subdesenvolvido a procura é elevada e a concorrência fraca ou mesmo inexistente. Os governos africanos compreenderam -no bem, pois multiplicam as zonas francas em que investidores e industriais chineses beneficiam de isenções fiscais e não têm de se preocupar com o impacte ambiental. A Nigéria conta já com três dessas zonas, entre as quais Calabar, na fronteira com os Camarões, é a mais importante. A região depende do muito dinâmico governador do estado de Cross River, que efectuou já visitas numerosas à China. Harry Broodman, economista sénior no Banco Mundial 1, com quem nos encontrámos em Washington em preparação para as viagens que constituem este livro, nunca ouvira falar de Jacob Wood. É pena: os bons negócios do segundo fornecem uma ilustração perfeita das teorias do primeiro. «Se examinar os valores 1 Harry Broadman, Africa s Silk Road, Banco Mundial,

10 O Safari Chinês absolutos dos investimentos chineses na África subsariana, é claramente o petróleo a dominar. Porém, se se concentrar no petróleo, passará ao lado do essencial do que os chineses fazem em África. Eles investiram nos sectores mais fundamentais: as infra- estruturas, as telecomunicações, o têxtil, o turismo, a indústria alimentar.» Eis aí investimentos que possuem as «virtudes multiplicadoras» com que sonham os economistas liberais, aos olhos deles mais fomentadoras de empregos, estabilidade e transferência de tecnologia que a ajuda humanitária. Separado do Banco Mundial por algumas avenidas, Mauro de Lorenzo, investigador no seio do muito conservador think tank American Enterprise Institute, vai ainda mais longe. «Os chineses estão em vias de nos mostrar que se pode fazer dos negócios em África negócios rentáveis», diz ele, «ao passo que nós, ocidentais, sofremos de uma visão humanitarista. É a moda: Bono, o cantor, e todo o seu bando querem pôr pensos nas chagas dos africanos, ajudá -los, chorar com eles porque têm sida, porque são pobres e puros. Mas o humanitarismo é também um método de controlo: alimenta uma relação de domínio.» «De resto», continua o analista americano, «as únicas histórias africanas que temos o direito de contar são derivadas de O Coração das Trevas, de Joseph Conrad: genocídios, doenças pavorosas, violações de rapariguinhas no Leste do Congo, limpezas étnicas por todo o lado, ou seja, as piores atrocidades que homens podem infligir a outros homens. Os chineses não têm essas limitações mentais. Eles vão para África fazer negócios. Contanto que isso nos abra os olhos e que nós procedamos do mesmo modo! É que o nosso humanitarismo fez estragos consideráveis.» * * * 50

11 2. Os chineses encontraram o seu faroeste O auxílio humanitário constitui, de facto, a última preocupação de Jacob Wood. Ele recorda os polícias que lhe servem de guarda -costas e põe a tónica noutro componente do seu império industrial. «O têxtil era um bom negócio», diz ele. «Pense -se que são necessários sete metros de tecido para fazer um trajo africano! Não é como a minha t shirt Mas a fábrica do meu pai decaiu devido às importações chinesas demasiado baratas. Em 2003, o Governo nigeriano tomou medidas proteccionistas e com razão. O que é preciso é produzir em África! Importar equivale a desperdício para todo o mundo. Vejam -se as motorizadas. Em 2005, a China vendeu à Nigéria por 100 milhões de dólares. No ano seguinte, vende pelo mesmo preço! Toda a gente fica contente, sobretudo as províncias chinesas que querem valorizar -se aos olhos da capital graças às suas estatísticas de exportação. Pondere -se, porém, todo o metal e electricidade que é preciso para fabricar uma moto, enquanto a China tem tanta necessidade de metal e de electricidade! Eu tenho acesso às mais altas autoridades em Pequim, mas quando afirmo isto tomam -me por louco.» A sinceridade do senhor Wood é tanto mais tocante quanto, dois dias depois, viríamos a descobrir que o grande importador de motos chinesas para a Nigéria é ele. De momento, leva -nos a entrar numa fábrica de máquinas de construção, a Golden Eagle Ltd, cujo hangar principal abriga dezenas de operários nigerianos que cortam, perfuram e soldam as peças que formarão betoneiras, separadoras de gravilha, misturadoras e placas vibradoras. Só o motor dessas máquinas é importado da China. A máscara de soldar deixa por vezes antever um encarregado ou um técnico chinês, a trabalhar entre os nigerianos nas peças delicadas, mas também para manter a cadência. Na parede, um regulamento estipula que uma falta por mês implica a perda do prémio de 1500 nairas (nove 51

12 O Safari Chinês euros), que uma segunda falta conduz à redução de salário e uma terceira ao despedimento. «Que é que querem», suspira Jacob Wood, que aprendeu muita coisa no Canadá, mas não a correcção política. «Os africanos são preguiçosos, muito preguiçosos. Ficam à espera de ter fome para subir a uma árvore e colher uma manga.» Mais longe, no mesmo recinto, ergue -se a Golden Ever Ltd, que fabrica janelas e lambris em PVC. «Utilizo uma parte destas janelas nas minhas construções e vendo as restantes como pãezinhos quentes», afirma ele diante dos operários que carregam um camião. «Sabem que, em média, são necessárias 17 portas para uma casa? Também abri uma fábrica de portas.» Jacob Wood é, sem dúvida, um caso particular. É proveniente de uma antiga família de empreendedores e a duração da sua permanência na Nigéria permitiu -lhe construir uma rede formidável. Em 2001, doou uma escola para 4000 alunos no bairro de Ikeja, próximo do aeroporto de Lagos, o que lhe valeu o título de chefe africano, bem visível no seu cartão de visita. A participação na reunião mensal dos chefes tradicionais «em que se fala de negócios e beneficência» não é, de resto, a sua única concessão aos costumes nigerianos: tornou -se também bígamo. Amy, a sua primeira esposa, aquela que tanto amou, não pôde ter filhos. Desposou então uma segunda, mais jovem, também ela chinesa, que lhe deu um rapaz que tem hoje sete anos. O interessado nunca diz «tenho duas mulheres», mas apresenta sem embaraço uma e depois a outra. E não se pode deixar de pensar que esta situação convém na perfeição à estrutura dos seus negócios: a segunda esposa ocupa -se do Golden Gate, o seu hotel em Abuja, a capital política, enquanto que a primeira dirige o Millenium Inn, o seu hotel em Lagos, coração económico do país. 52

13 2. Os chineses encontraram o seu faroeste Um caso particular, mas longe de ser o único homem de negócios chinês que tem importância na Nigéria. Muitos outros vieram de Hong Kong nos anos 80. O mais importante, o senhor Li Wenlong, dirige a empresa Hongkong Huachang. Abriu cerca de 40 fábricas e oficinas na Nigéria, sobretudo em Kano, no Norte, onde um milhar de chineses e três vezes mais nigerianos produzem cimento, aço e principalmente sandálias de plástico que calçam quatro pessoas em cada dez na África Ocidental. O senhor Chu está instalado em Lagos, onde possui uma série de empresas que vão da pastelaria industrial às fundições de aço. Sem esquecer os representantes da nova geração, originários da China comunista, tão jovens quanto determinados. Roy Zhang, 26 anos, nascido na província do Hunan, é secretário da Associação dos Produtores Chineses de Lagos, que conta com cerca de 200 membros. «Vim para cá há sete anos, depois de uma passagem pela África do Sul. Comecei, como toda a gente, por vender quinquilharia chinesa. Quando o Governo limitou as importações, montei uma pequena fábrica de sapatos que conta actualmente com 70 empregados.» De seguida, Roy reúne capital e, em Março de 2007, abre um restaurante de luxo, o Mr. Chang, em Owolowo, a principal artéria comercial de Lagos. Os materiais são nobres, o decorador é célebre em Xangai, o cozinheiro é reputado pelos seus pratos do Hunan. O lugar torna -se imediatamente ponto de encontro para os políticos e as grandes fortunas nigerianas. Esta noite, Roy Zhang recebe os seus colegas da associação dos empresários chineses. O novo cônsul, Guo Kun, está presente, bem como o repórter do West Africa United Business Weekly, primeiro jornal chinês da Nigéria, que chega a uma tiragem de 7000 exemplares e de que Roy é um dos fundadores. Preparou, para os seus convidados, uma ementa pantagruélica e dezenas 53

14 O Safari Chinês de garrafas de bai jiu (forte bebida alcoólica chinesa). Depois de sair, por fim e a cambalear, o último conviva, Roy deixou -se ficar a acompanhar -nos numa última cerveja. «Vocês, ocidentais, são muito paternalistas. Quando aqui chegaram, falaram aos africanos dos direitos do homem, dos direitos de reprodução, de toda a espécie de direitos. Vocês olham -nos de cima. Nós vamos direitos ao assunto, falamos de negócios.» Jane, a esposa dele, é também natural da província do Hunan. Ela tranca a porta do restaurante, apaga as luzes do salão e traz três cervejas para a nossa mesa. França é uma grande nação prossegue o marido. Adoro fazer compras em Paris. Mas quando vejo como os nigerianos que pedem um visto são humilhados no consulado! Não é sagaz da vossa parte; alguns são até bastante ricos. O consulado chinês faz melhor? Decerto! Distingue os bons e os maus. Quando persiste a dúvida, consulta -nos, faz -se uma pesquisa. Se o fulano é importante, se tem bons negócios, terá o seu visto de bandeja. Nem imaginam tudo o que o consulado faz por nós e tudo o que fazemos por eles. E vocês, com todas as informações que recolhem, espero que a embaixada de França vos pague bem Ah, não, nada! Nós somos jornalistas. A embaixada nem sequer respondeu às questões que lhe colocámos por e mail. Isso não é inteligente. Assim não me espanta que a Alcatel ou a Bolloré tenham perdido tanto mercado na Nigéria. O nosso Governo ajuda -nos por todos os meios ao seu alcance. Informações, aconselhamento jurídico, créditos sem juros. E quando regressarmos à China, vender -nos -á terrenos por preços irrisórios, pelos serviços que prestámos em África. Roy Zhang acabara de resumir, em poucos palavras, a complementaridade dos esforços chineses, privados e públicos, para conquistar uma posição de primeiro plano em África. Os aventu- 54

15 2. Os chineses encontraram o seu faroeste reiros avançam e investem. Durante esse tempo, o Estado chinês assina contratos avantajados para infra -estruturas e exploração de matérias -primas. Pode apoiar -se numa diáspora chinesa cada vez mais numerosa e organizada, a qual, em contrapartida, é encorajada pelo voluntarismo de Pequim. * * * «Em Setembro de 2006, o nosso presidente, o Senhor Hu Jintao, deu -nos ordem para abrir linhas em África, onde quiséssemos. Encarregaram -me de encontrar um bom destino.» Jiang Nan fuma cigarros chineses Panda e narra a sua história com um sorriso triunfante, mergulhado na poltrona de couro do seu escritório de Victoria Island, o bairro de negócios de Lagos. Até esse dia em que recebeu as instruções do seu chefe de Estado, ele era director comercial da China Southern Airlines no Dubai, a maior companhia aérea chinesa, aquela que aguarda com impaciência os cinco Airbus A380 que encomendou. Informa -se então sobre o Cairo e Nairobi, mas ouve falar de Lagos e vem fazer a sua pequena prospecção. «Descobri que havia 50 mil chineses na Nigéria e que os maiores projectos chineses no país iriam trazer muitos mais milhares.» Jiang Nan é o primeiro a citar estatísticas relativas ao número de chineses na Nigéria: nem os homens de negócios nem mesmo o consulado puderam ou quiseram fornecer -nos tais números. Quanto aos grandes projectos de que fala, trata -se sobretudo da construção de uma linha férrea entre Lagos e Kano, que fará vir 11 mil técnicos chineses, bem como uma central hidroeléctrica de 2600 megawatts (três vezes a actual produção eléctrica nacional) no planalto de Mambilla. A ligação trissemanal Pequim -Lagos, via Dubai, abriu então a 31 de Dezembro de 2006 e foi a primeira de uma companhia 55

16 O Safari Chinês chinesa em África. As taxas de ocupação são satisfatórias (60 por cento), e brevemente virá reforçá -la uma linha Cantão -Lagos. «Vamos também criar uma primeira classe, pois a comercial não satisfaz os africanos», acrescenta a rir o seu chefe de vendas, Hoffman Chang Chongqing. Próxima abertura para a China Southern: Pequim -Luanda. «O nosso maior concorrente em África são os Emirados», reconhece Jiang Nan. «Mas vamos engoli -los. Temos uma enorme vantagem no nosso mercado e nem imaginam quantos chineses querem vir para África!» Isso não impede que o êxito dos chineses na Nigéria continue a ser um mistério, até mesmo para Pat Uomi, considerado o melhor economista do país, candidato vencido às presidenciais de Abril de 2007 e director da Lagos Business School. «Não percebo como eles fazem. Os nossos empresários fecham as suas fábricas, enquanto eles não param de abrir mais. Pedi um relatório aos meus estudantes.» Estes ficariam bem inspirados se fizessem uma visita à fábrica de biscoitos Newbisco, propriedade do senhor Chu, em Ikeja, próximo do aeroporto de Lagos, fundada por um britânico antes da descolonização que, por sua vez, a cedeu a um grupo nigeriano nos anos 70, passando rapidamente para as mãos de um homem de negócios indiano. Quando o senhor Chu, que não deseja revelar senão as iniciais do seu primeiro nome, Y. T., tomou conta dela no ano 2000, estava em ruína e falida. Yechang Wang, o seu engenheiro -electricista vindo da China há 15 anos, foi encarregado de a recuperar. «Substituímos metade das linhas de produção por máquinas chinesas, quatro vezes mais baratas que as equivalentes europeias. São também as únicas ainda compatíveis com o material inglês dos anos 50», diz ele. «Instalámos também um gasoduto por nossa conta, somente para a fábrica, para substituir os fornos a gasóleo. Construímos este hangar para podermos ter muita fari- 56

17 2. Os chineses encontraram o seu faroeste nha, óleo e açúcar armazenados, para nunca termos de atrasar ou parar a produção. Fizemos análises de qualidade muito exigentes e motivámos os 700 operários, que trabalham agora em duas equipas de doze horas.» A fábrica produz actualmente mais de 70 toneladas de biscoitos por dia, que servem sobretudo de pequeno -almoço às crianças das escolas de todo o país. E deseja expandir -se. Pela manhã, na sua casa virada para o porto de Lagos, mobilada à maneira rural inglesa, Y. T. Chu discorreu incansavelmente acerca da diferença entre os chineses de Hong Kong, «abertos, educados, sofisticados» e os do continente, que é ainda preciso educar. Após a visita à fábrica, convida os seus dois engenheiros, Yechang Wang e Benjamin Chen, originários da China comunista, a partilhar café e alguns biscoitos num gabinete do andar superior. E percebe -se a que ponto aqueles dois são sobretudo dedicados: a par da produção dos biscoitos, Yechang Wang ocupa -se também dos problemas técnicos das duas fundições do grupo. Está modestamente alojado no bairro e não vai à China senão uma vez por ano, para ver a mulher e o filho. Quanto a Benjamin Chen, responsável pelas compras de farinha e açúcar, compra também os equipamentos da fábrica de material eléctrico, os desperdícios de aço e todas as máquinas chinesas. «Todos nós temos múltiplas actividades, é esse o segredo do nosso êxito», diz ele. «Vocês faziam o mesmo na Europa, há cinquenta anos, quando ainda tinham vontade de trabalhar, não é verdade?» A mulher já veio visitá -lo, mas ele prefere que ela permaneça na China a cuidar do filho. «Não existe escola chinesa na Nigéria, embora nós sejamos dezenas de milhares», intervém de novo Yechang Wang. «E está muito bem assim. Não é nossa intenção instalarmo -nos definitivamente. Estamos aqui pelos negócios. Não pretendemos impor uma cultura. Não somos colonos.» 57

18 O Safari Chinês Alguns minutos depois de encher as chávenas, a assistente nigeriana volta para dar a assinar ao seu patrão uma ficha em quatro exemplares: 512 nairas (três euros) pelo café. O trabalho com afinco não é o único segredo do sucesso chinês, há também a parcimónia! No hotel Millenium de Jacob Wood, encontrámos também, na mesa -de -cabeceira, um documento plastificado que apresenta o preço dos 35 objectos existentes no quarto, a fim de que o cliente saiba quanto lhe custará levar ou quebrar o fervedor eléctrico (3000 nairas, 17,50 euros), o cinzeiro (300), o televisor (32 000), as cortinas (3500), o tapete da banheira (1200), o aplique (1500) ou o cofre (12 000). Contudo, não é o dinheiro aquilo que falta aos chineses de Lagos. Para o avaliar, não existe balanço anual, montante de facturação ou matéria colectável. Os critérios disponíveis são a dimensão das fábricas, o número de empregados, a frota de viaturas e os projectos em curso. Por altura da nossa passagem, Jacob Wood estava em vias de construir uma fábrica de montagem de televisores na zona franca de Calabar, próximo da fronteira com os Camarões, onde possui já uma unidade que monta aparelhos de ar condicionado. Por seu lado, Roy Zhang vai lançar -se na hotelaria em Lagos. «África é, de facto, uma vasta oportunidade que nos vem mesmo a calhar», afirma ele. «É o último lugar assim no planeta, onde ainda é possível fazer tantos negócios.» Jacob Wood vai mais longe: «Vou dizer -vos a verdade. A China utiliza África para chegar ao nível dos Estados Unidos e depois ultrapassá -los. Para isso, está pronta a tudo, como construir um caminho -de -ferro nigeriano que será sempre deficitário [contrato de 8,3 mil milhões de dólares assinado em Novembro de 2006, nota nossa] e até mesmo colocar em órbita um satélite nigeriano [algo que foi feito em 14 de Maio de 2007].» 58

19 2. Os chineses encontraram o seu faroeste Outro meio de avaliar a fortuna dos chineses da Nigéria: observar a dos seus clientes nigerianos. Certa noite, Amy Wood convidou -nos para a festa do 70. o aniversário de Anthony Mogbonjula Soetan, o presidente do Senado, que havia alugado todo o último andar do Golden Gate de Lagos para, no mínimo, 300 convidados, dos quais alguns haviam vindo expressamente de Londres ou Baltimore, perto de Washington, para a ocasião. Todos transpiravam petrodólares: quilos de relógios suíços nos pulsos e ouro a envolver os pescoços, trajos de uma riqueza inacreditável nas imponentes mulheres, no meio das quais Amy Wood parecia um ratinho. Abundava a comida nos bufetes chinês, nigeriano e continental, tudo regado com champanhe e Saint -Émilion. No seu discurso, Anthony Soetan lamentou que os filhos de um homem tão patriota como ele estejam todos instalados nos Estados Unidos e em Inglaterra, onde frequentam as melhores universidades. Depois agradeceu aos proprietários do Golden Gate. «Oferecemos -lhe toda esta recepção», murmurou- nos então Amy Wood. «É que ele é um amigo.» De facto, os chineses são inimitáveis em não fazerem política, mas estarem sempre do lado dos vencedores. Y. T. Chu considera- se amigo pessoal do antigo presidente Olusegun Obasanjo. No seu salão, uma fotografia mostra -os a ambos à sombra de uma árvore. «Fui também convidado para os três dias de celebração do aniversário dele em Abril», declara. «Só que nessa altura estava em Londres e fui lá no dia seguinte entregar -lhe o presente, à quinta dele, que não fica longe da minha fundição de aço.» Essa proximidade entre a fábrica e a residência presidencial tem outra vantagem, que é a de poder fazer pequenas visitas imprevistas: são ambos alimentados pela mesma linha eléctrica de alta tensão. «Como nunca ninguém se atreverá a mergulhar o presidente na escuridão, a minha oficina tem sempre corrente», sorri Y. T. 59

20 O Safari Chinês Chu. O seu amigo Jacob Wood, por seu lado, é conselheiro do antigo presidente em matéria de pequenas e médias empresas, encontrou -se com ele muitas vezes e gosta de trabalhar com o novo, Umaru Yar Adua. Esta familiaridade com o poder permite não perder as ocasiões cruciais para os negócios que constituem o arranque de cada nova administração. «Há um novo presidente e novos governadores. Vão lançar muitos projectos, para despender o máximo de dinheiro logo à partida e obter um máximo de comissões. É agora que tudo se decide e nós estamos prontos!», afirma Jacob Wood. O seu amigo Y. T. Chu lamenta a época dos repetidos golpes de Estado militares. «Cada novo ditador anulava os projectos do precedente e lançava novos», conta ele. «O aço que recuperávamos das construções interrompidas era de grande qualidade; fundíamo -lo e voltávamos a vendê -lo a preço de ouro!» * * * Mais uma viatura da polícia, mais um trajecto na megalópole. Desta vez é de noite. Amy Wood aborrece -se. O marido está em Abuja. Ela quer mostrar -nos Lagos à noite. «A primeira vez que vim à Nigéria», recorda, «viajei em primeira classe no voo da Swissair. Foi em Ao meu lado vinha um homem que ressonava ruidosamente. Acordei -o. Ele podia ter ficado arreliado, mas demo -nos bem. Quando desci, a hospedeira disse -me: Sabe quem ele é? Eu não fazia a mínima ideia. O general Obasanjo, segredou -me ela. Vemo -lo muitas vezes nesta linha!» Nessa época, o futuro presidente está na reserva da República. Em 1976, decorrido um ano sobre o primeiro golpe de Estado militar, exerce as funções supremas, mas em 1979 vai entregar o poder a um civil democraticamente eleito. Que por sua vez será 60

21 2. Os chineses encontraram o seu faroeste derrubado quatro anos depois. Os ditadores sucedem -se, mas nenhum chegará ao nível de crueldade e corrupção do general Sano Abacha, que se apodera do poder em Obasanjo quebra então o seu silêncio e critica abertamente a repressão que se abate sobre grande parte do país. Isso valer -lhe -á uma estadia na prisão, de onde sairá pouco antes de ser eleito presidente em «Após a minha chegada a Lagos, reencontrámos Obasanjo», continua Amy Wood. «E eu tornei -me muito amiga da esposa dele, que levei várias vezes à China. Também a ajudei a gerir um hotel em Lagos.» Stella Obasanjo, considerada a principal esposa do futuro chefe de Estado, faleceu a 24 de Outubro de 2005, quando se submetia a uma operação de cirurgia estética em Málaga, Espanha. Entramos pela Rua Idowu Tailor, na ilha Victoria. «É o bairro das lanternas vermelhas», diz Amy Wood num jogo involuntário de palavras para se referir ao red light district de Lagos. Com efeito, as prostitutas são numerosas, mas afastam -se à aproximação do nosso carro de polícia. Aguarda -nos um ajuntamento diante do Tower Casino, que conta com um karaoke, um casino e um restaurante chinês. No meio da multidão ruidosa, um asiático corpulento grita e empurra um negro bastante mais franzino. Informados, ficamos a saber que o chinês abriu a porta do seu automóvel sem se acautelar; o nigeriano estava a chegar numa okada (moto -táxi) com a mulher e a filhinha. Os três voaram por vários metros e a pequenita não se está a sentir bem. O nigeriano exige algum dinheiro para ir ao hospital ver se está tudo bem. O chinês recusa qualquer responsabilidade no acidente e acusa a multidão de se querer aproveitar de ele ser chinês. Sozinho contra todos, manda a sua mulher calar -se e prepara -se para o pugilato. «Não precisamos de gente como vocês por cá!», grita 61

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT)

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) AJUDA DE MÃE APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) Objectivos: Informar, apoiar, encaminhar e acolher a mulher grávida. Ajudar cada

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas)

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Nome: Data: A Importa-se de responder a umas perguntas? Está bem. Obrigado. 1 Como é que se chama? 2 O que é que faz? 3 Vive aqui agora? 4 Há quanto tempo

Leia mais

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros ???????? Apoio: Rica Eu quero ser... Um guia para encontrar a rota da prosperidade por Mara Luquet 81 Era uma vez... Era uma vez uma princesa, dessas que passeiam pelos campos e bosques e são muito bonitas

Leia mais

Os negócios chineses que vieram para ficar

Os negócios chineses que vieram para ficar Made in China Os negócios chineses que vieram para ficar Do sector da restauração à importação de palitos e à exportação de cortiça, muitos investidores chineses decidiram tentar a sua sorte em Portugal,

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos DECLARAÇÕES AOS JORNALISTAS DO MINISTRO PAULO PORTAS, EM VIANA DO CASTELO, APÓS REUNIÕES DE TRABALHO COM O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E COM A COMISSÃO DE TRABALHADORES DOS ESTALEIROS NAVAIS DE VIANA DO

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Learning by Ear Aprender de Ouvido Globalização 04 Empregada doméstica no Burundi

Learning by Ear Aprender de Ouvido Globalização 04 Empregada doméstica no Burundi Learning by Ear Aprender de Ouvido Globalização 04 Empregada doméstica no Burundi Autor: Justine Bitagoye Redacção: Yann Durand 3 vozes: - um locutor 1 Daniel Machava - uma locutora 1 Nádia Issufo - uma

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

Segredo 11 Como investir em ações para construir riqueza

Segredo 11 Como investir em ações para construir riqueza Segredo 11 Como investir em ações para construir riqueza Um tempo atrás, escrevi um ensaio curto sobre como Warren Buffett havia enriquecido tanto, mas não mencionei o quão rico ele havia se tornado. Com

Leia mais

Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School,

Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School, Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Excelência, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School, Exma. Senhora Directora da Oeiras International School,

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA Uma Aventura na Serra da Estrela Coleção UMA AVENTURA Atividades Propostas Leitura em voz alta de um ou dois capítulos por aula. Preenchimento das fichas na sequência

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

No dia 21 de setembro as aulas iniciaram e eu estava super emocionada!

No dia 21 de setembro as aulas iniciaram e eu estava super emocionada! No dia 21 de setembro as aulas iniciaram e eu estava super emocionada! Hoje já não me dou conta mas foi assim era uma nova escola, novos colegas, novos desafios e, para desafio, tinha de estar cheia de

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Cerimónia de entrega de Certificados do Exame Nacional de Qualificação

Leia mais

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa.

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa. Angra dos Reis Agosto 2013 Depois da viagem a Londres, Lisboa, Praga e Genebra, esta seria a primeira travessia marítima que eu iria participar. Como o pessoal do grupo Maratonas Aquáticas tinha conseguido

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

Bons empregos e cosmopolitismo atraem brasileiros a Dubai

Bons empregos e cosmopolitismo atraem brasileiros a Dubai Bons empregos e cosmopolitismo atraem brasileiros a Dubai Emirado permite ter padrão de vida semelhante ao da classe alta do Brasil. Estrangeiros vão a festas 'ocidentalizadas' e pouco interagem com locais.

Leia mais

Técnicas de fecho de vendas

Técnicas de fecho de vendas Técnicas de fecho de vendas Índice Estratégias para a conversão de prospectos em clientes... 3 Algumas estratégias e técnicas de fecho de vendas... 4 Recolha de objecções... 4 Dar e depois 5rar o rebuçado

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da 19º Plano de Aula 1-Citação as Semana: Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. 2-Meditação da Semana: Ajudar o próximo 5 47 3-História da Semana: Uma lição a aprender 4-Música da Semana:

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias Ima Sempre em Frente Eric Peleias Baseado em uma história real CAPÍTULO 1 LETÔNIA, DÉCADA DE 1940. 8 PODEM PARAR DE CAVAR! QUERO TODOS ENFILEIRADOS! O QUE ESTÃO ESPERANDO? ENFILEIRADOS, ANDEM LOGO! MUITO

Leia mais

O ENSINO ESPECIAL A LENDA DA SERRA DA ESTRELA DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 A MARIA CASTANHA A TURMA DO O DIA DE S.MARTINHO O PÃO NA NOSSA

O ENSINO ESPECIAL A LENDA DA SERRA DA ESTRELA DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 A MARIA CASTANHA A TURMA DO O DIA DE S.MARTINHO O PÃO NA NOSSA VOLUME 1, EDIÇÃO 1 DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 NESTA EDIÇÃO: A MARIA CASTANHA 2 A TURMA DO 2.º 2.ª 3 O DIA DE S.MARTINHO 4 O PÃO NA NOSSA ALIMENTAÇÃO A TURMA DO 1.º 2.ª 5 6 O ENSINO ESPECIAL 7 SOLIDARIEDADE

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS

1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS 1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS - Quem explora o site Pixel4Winner.com? - Onde está sedeada a sociedade anónima? - Posso ter confiança no site Pixel4Winner.com? - A participação a uma lotaria

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006

Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006 Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006 Um pouco de história: Em 1934, Charles B. Darrow da cidade de Germantown no estado da

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Midas. Toque de. [entrevista]

Midas. Toque de. [entrevista] [entrevista] Toque de Midas Tem 29 anos, nasceu no Porto e é apostador profissional. Pelo menos, para o Estado inglês onde está colectado, porque para as finanças nacionais não passa de um indivíduo com

Leia mais

A NUVEM. O Sétimo Anjo

A NUVEM. O Sétimo Anjo A NUVEM O Sétimo Anjo PARADO NA BRECHA 1963 - Jeffersonville - Indiana - E.U.A. - Tradução: GO 82 E agora, eu não sabia naquela época, que eles estavam tirando fotos daquilo, os cientistas que estavam

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

Na faculdade (Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz") fui muito bem recebida, a professora que me orientou esteve sempre disponível, os

Na faculdade (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) fui muito bem recebida, a professora que me orientou esteve sempre disponível, os O que me levou a participar no programa de mobilidade foi a vontade de sair do país, aproveitando as oportunidades daí decorrentes, para ver como é lá fora, poder ter um termo de comparação, além da oportunidade

Leia mais

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Novo Negócio 12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Vinícius Gonçalves Equipe Novo Negócio Espero sinceramente que você leia este PDF até o final, pois aqui tem informações muito importantes e que

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências)

ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Educação (PRODEP III) Objectivos: Reduzir

Leia mais

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke.

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Brincar às guerras Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Os amigos sentaram-se à sombra do salgueiro a decidir o que fazer. Tens mais balões de água? perguntou Danny.

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT Desde já, agradecemos a sua participação nesta nova etapa do Projecto de Tutoria a Estudantes ERASMUS versão OUT. Com este inquérito, pretendemos

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 4

Transcrição de Entrevista nº 4 Transcrição de Entrevista nº 4 E Entrevistador E4 Entrevistado 4 Sexo Masculino Idade 43 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

Apaixonado. Pessoal. Serviço.

Apaixonado. Pessoal. Serviço. Apaixonado. Pessoal. Serviço. sobre nós Privileged (Privilegiado) é um serviço de gestão global padrão luxo que oferece uma linha de serviços padronizados, 24 horas por dia, 365 dias por ano, ou seja,

Leia mais

Caridade quaresmal. Oração Avé Maria. Anjinho da Guarda. S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos!

Caridade quaresmal. Oração Avé Maria. Anjinho da Guarda. S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos! 2ª feira, 09 de março: Dar esmola Esta semana iremos tentar aprender a dar. A dar aos que mais precisam. E vamos ver que Dar é BRU TAL!!!! Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorria as ruas

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo IV

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo IV Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo IV Capítulo Quatro O Guia Definitivo para enfrentar suas Dívidas Em algum nível, mesmo que rudimentar, todos sabemos que o endividamento é perigoso.

Leia mais

Quando for grande... QUERO SER PAI!

Quando for grande... QUERO SER PAI! Quando for grande... QUERO SER PAI! Ficha Técnica Autora Susana Teles Margarido Título Quando for grande...quero SER PAI! Ilustrações Joana Dias Paginação/Design Ana do Rego Oliveira Revisão Brites Araújo

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Protocolo da Entrevista a Maria

Protocolo da Entrevista a Maria Protocolo da Entrevista a Maria 1 O que lhe vou pedir é que me conte o que é que aconteceu de importante desde que acabou o curso até agora. Eu... ah!... em 94 fui fazer um estágio, que faz parte do segundo

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos por Por Dentro da África - quarta-feira, julho 29, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/brasileira-percorre-7-mil-quilometros-para-contar-historias-derefugiados-africanos

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria,

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, O Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, preocupada, pois nunca tinha visto o primo assim tão mal

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 97 Discurso no banquete oferece/do

Leia mais