Ivan Luiz Novaes Tânia Maria Hetkowski (orgs). GESTÃO, TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: construindo redes sociais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ivan Luiz Novaes Tânia Maria Hetkowski (orgs). GESTÃO, TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: construindo redes sociais"

Transcrição

1 1 Ivan Luiz Novaes Tânia Maria Hetkowski (orgs). GESTÃO, TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: construindo redes sociais 1

2 2 Ivan Luiz Novaes Tânia Maria Hetkowski (orgs). GESTÃO, TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: construindo redes sociais 1ª Edição 2

3 3 HETKOWSKI, Tânia Maria, NOVAES, Ivan Luiz (orgs). Gestão, Tecnologias e Educação: Construindo Redes Sociais. ISB : ) Educação; 2) Gestão; 3) Tecnologias; 4) Redes Sociais. 3

4 158 SECO D LIFE: CO TEXTUALIZAÇÃO E I SERÇÃO SOCIAL DO E SI O DA I FORMÁTICA Leonel Morgado Introdução a abstracção e isolamento da informática A informática, enquanto área de formação no ensino superior, é uma disciplina técnica: lida com objectos considerados técnicos (computadores, periféricos e equipamentos de comunicações), com produtos considerados técnicos (programas de vários géneros), e com profissionais considerados técnicos, a que geralmente se chama informáticos, como se fosse essa a sua essência, algo entre o humano e a máquina. Mas excepto quando focada nos equipamentos físicos (o hardware ), é uma técnica que não vê grande parte daquilo em que se centra e mesmo nos equipamentos físicos, apenas uma parcela mínima do que se passa é visível. Neste aspecto, é uma disciplina profundamente abstracta para os alunos que sobre ela se debruçam. Técnica e real na base e nos resultados, mas não nos meios. Um programa como o processador de texto onde escrevo não é estudado como um desenho, um mecanismo, um aspecto, um objectivo imediato: é um resultado ulterior de estruturas de dados, protocolos de comunicações, algoritmos, classes de objectos, normas de codificação e registo, mil e uma formas de aquisição de dados, reacção a problemas, tratamento de ocorrências inesperadas, palpites e estudos de comportamento humano, estimativas de desempenho das máquinas e dos sistemas operativos. Pura e simplesmente, o nível das funcionalidades a que todos acedemos, ainda que aprofundado às técnicas menos comuns, que só uma parcela dos utilizadores conhece e uma menor utiliza, está a níveis estratosféricos de distância da base, das ordens informáticas que os tornam reais, do equipamento que torna real um processador de texto aos nossos olhos sobre a base física dos circuitos integrados, teclado plástico e condutores metálicos, como a nossa consciência se torna real sobre a base física dos neurónios, impulsos eléctricos e intercâmbios químicos intra-celulares do nosso corpo (FODOR, 1981). 158

5 159 Para o aluno de informática do ensino superior, a aprendizagem é plena de conceitos que muitos não sabem quando utilizarão, nem sequer se alguma vez utilizarão. É muito frequentemente mais um caso da educação bancária criticada por Paulo Freire (1997): aprender a fazer de raiz algoritmos de ordenação que estão disponíveis, prontos a usar, na maior parte dos sistemas de desenvolvimento de código profissionais, por nalguns sistemas poderem não estar disponíveis ou por outros algoritmos serem demasiado complexos para alunos iniciantes; aprender conceitos estruturais de redes informáticas por um dia poderem ter de se adaptar a novos conceitos de redes, que surgirão explicados na literatura técnica assumindo os conceitos actuais como cultura geral informática; aprender as formas de escalonamento que o sistema operativo usa para fazer correr um processo/programa um bocadinho de cada vez, não porque um dia o aluno vá programar um sistema operativo (pode acontecer, mas a uma percentagem mínima de alunos), mas sim para o dia em que possa ter de ter esse comportamento interno em conta quanto tenta deslindar as causas de um comportamento anómalo de um sistema ou um erro de funcionamento de uma aplicação que só possa ser atribuível a factores externos; e a lista poderia continuar, atravessando transversalmente e esventrando os currículos e conceitos. Do ponto de vista de quem o pratica, o estudo da informática é geralmente solitário: o informático trabalha sozinho, mesmo em equipa. Os trabalhos em grupo são mais frequentemente o fruto de uma divisão de tarefas do que de verdadeira colaboração (WAITE et al., 2004). Isto apesar dos bons resultados obtidos em ambiente profissional de práticas como a programação aos pares, que não encontram contudo apoio generalizado nem na prática profissional, nem na prática pedagógica académica (WILLIAMS et al., 2000). Trata-se de um perfil de exclusão social que geralmente atinge as áreas científicas e tecnológicas em geral, o que afecta a percepção da relevância a nível social e pessoal (KELLY, 1998). E se o produto final de muitos técnicos pode ser apresentado em comunidade, explicado, anunciado em suma, ser alvo de orgulho pessoal e auto-valorização já o produto final da informática, quando não se trata de algo visual como uma aplicação a funcionar ou magia visual de séries televisivas, geralmente não pode ser apresentado a não informáticos, apenas explicado ou tentado explicar. Atente-se, neste particular, como todas as operações de buscas em bases de dados, quando apresentadas em séries televisivas ou no grande ecrã, são acompanhadas de pirotecnia visual, em contraste com 159

6 160 a experiência do dia-a-dia, que oscila apenas entre os sucintos apelos à espera e as barras de evolução ou as emocionantes ampulhetas giratórias; isto, mesmo em aplicações de carácter lúdico, de que se poderia esperar maior investimento visual. Durante os últimos 2 anos, desenvolvi na UTAD vários esforços de utilização do mundo virtual Second Life, de forma exploratória, visando contribuir para atenuar ou ultrapassar estes problemas, quer em disciplinas que coordenei, quer acompanhando o trabalho doutoral de Micaela Esteves, que a partir de Leiria, onde lecciona no Instituto Politécnico (IPLeiria), orientou trabalhos de programação em Second Life, com grupos de alunos situados fisicamente em Vila Real. Estes esforços permitem conhecer características deste meio em contextos de ensino presencial e à distância, tendo surgido diversos aspectos não previstos pelos investigadores, bom indicador de existência de matéria nova a investigar. Contudo torna-se necessário expor os princípios educativos que estão subjacentes a esta reflexão, o que faço nas próximas secções. O abstracto e o concreto, dois extremos interligados Um tema de fundo que informa as actividades realizadas é a perspectiva pela qual se encararam os conceitos abstractos de informática concretamente, conceitos de programação de computadores durante os últimos dois anos, nos ensaios e experiência realizados. Poderia pensar-se que a utilização de um ambiente tridimensional rico em aspectos visuais e de interacção visasse uma tentativa comum de transpor os conceitos abstractos para variantes concretas, através de metáforas visuais. Não foi esta a abordagem seguida, pois tais abordagens noutros contextos têm vindo a proporcionar resultados ambivalentes, não sendo adquirido que a animação de algoritmos proporcione uma melhor ou mais profunda compreensão do mesmo ou não seja mesmo prejudicial (PARKER & MITCHELL, 2006). O ponto de partida usado seguiu uma abordagem diferente, inspirada numa visão de continuidade entre o abstracto e o concreto como extremos da mesma realidade, não como conceitos opostos. Trata-se de uma perspectiva proposta por Uriel Wilensky, que partindo do conceito de objectos físicos como entidades concretas e ideias intangíveis como entidades abstractas os desmonta, demonstrando que objectos físicos podem ser 160

7 161 conceitos abstractos e que ideias intangíveis podem ter uma consistência concreta (WILENSKY, 1991; id., 1993, p ). Esta caneta que estou agora a usar, fabricada pela Papermate, que é preta, tem uma tampa cujo comprimento é cerca de um sexto do corpo e onde vejo marcas de dentadas, é muito mais concreta do que uma simples "caneta" ou mesmo uma "caneta Papermate". Estas descrições da minha caneta vão aumentando em nível de abstracção, sendo possível ainda abstraí-la mais avançando para os conceitos de "instrumento de escrita" e "ferramenta de comunicação". (WILENSKY, 1991). A proposta de Wilensky é de uma noção relativa do que é ou não ser concreto, a partir desta noção simples: a concretude, como no exemplo supra citado de caneta, caneta Papermate, instrumento de escrita e ferramenta de comunicação, pode ser vista como relativa ao número de objectos físicos a que um destes epítetos se aplique; mas esta associação entre epítetos e objectos é ditada pela cultura e perspectiva dos indivíduos. Cada indivíduo pode fatiar conceptualmente a realidade de formas próprias, gerando a sua própria ontologia do mundo, seja usando nomes diferentes para diferentes tipos de neve, tornando assim o conceito neve uma generalização, seja indo a extremos como considerar a visão que um vírus ou extraterrestre teria de um objecto aparentemente tão concreto como uma cadeira. Seguindo esta perspectiva, a concretude de um objecto não é uma propriedade dos objectos, mas da relação de cada pessoa com cada objecto. Consequentemente, também as ideias intangíveis, não físicas, se podem tornar concretas (ou, mantendo a visão de continuidade de Wilensky, mais concretas do que abstractas), por o impacte destas no raciocínio depender não das ideias em si, mas da relação pessoal de cada indivíduo com elas. Desta forma cada conceito pode ser abstracto para algumas pessoas, mas concreto para outras, mesmo aspectos tão imateriais como conceitos matemáticos ou de informática avançada. Uma consequência final destes aspectos é que, do ponto de vista de um indivíduo, na sua maior parte os conceitos começam por ser abstractos. À medida que esse indivíduo adquire mais métodos de interacção com um conceito, esse conceito vai-se tornando cada vez mais concreto. Assim, os conceitos mais avançados para cada pessoa são abstractos, mas não devido a características de abstracção que lhes sejam inerentes: pelo contrário, eles são abstractos para essa pessoa porque ela ainda não os conseguiu tornar concretos. 161

8 162 Cultura e sociedade na aprendizagem: a teoria dos sistemas ecológicos Mas se a noção de continuidade entre abstracção e concretude, exposta na secção anterior, nos pode ajudar a planificar abordagens de ensino-aprendizagem dos conceitos informáticos tradicionalmente mais abstractos, não abarca os aspectos sócio-culturais da aprendizagem desses conceitos, tal como apresentados na introdução deste texto. E dado que alguns dos aspectos mais interessantes destes dois anos de trabalho educativo no mundo virtual Second Life advieram precisamente dessa área, torna-se necessário expor ainda a perspectiva pela qual considero que estes podem e devem ser interpretados e analisados, nomeadamente, a teoria dos sistemas ecológicos proposta pelo investigador de origem russa Urie Bronfenbrenner. Este autor centra-se no desenvolvimento do ser humano, enquanto alteração duradoura na forma pela qual uma pessoa percepciona e lida com o ambiente que a rodeia (BRONFENBRENNER, 1979, p. 3), onde se utiliza um conceito de ambiente bastante abrangente, como irei explicar. Antes, note-se num elemento-chave desta afirmação: a ênfase dada à percepção pessoal do ambiente, não em eventuais características objectivas do mesmo. Trata-se de um conceito com semelhanças à continuidade entre abstracção e concretude, exposta na secção anterior. A partir desta noção inicial, Bronfenbrenner expandiu os aspectos e alcance do que constitui, neste particular, uma realidade relevante. A sua noção de ambiente vai além da mera situação presencial, da história quase imediata de uma pessoa e respectivo comportamento. A noção de ambiente que propõe inclui aspectos mais amplos. Desde logo, as relações entre várias situações onde uma pessoa é participante activa (por ex., a casa, a sala de aula ou local de trabalho). Mais ainda, locais onde a pessoa em análise não é sequer um participante activo e não está presente, não esteve presente ou possivelmente nunca esteve, mas onde têm lugar acontecimentos que afectam ou são afectados pelo que está a ocorrer nos locais onde se pode encontrar essa pessoa (id., 1979, p. 25). Por fim, é também tida em conta a relevância das influências globais em todos estes sistemas ambientais, como sejam as influências de culturas e subculturas, ou das relações sociais, aquilo a que chama coerências na forma e conteúdo dos sistemas de baixo nível (...), que existam ou possam existir, ao nível da cultura ou subcultura como um todo, juntamente com algum sistema de crença ou ideologia subjacente a 162

9 163 essas coerências (id., p. 26). O ambiente de Bronfenbrenner é, pois, esta globalidade hierarquizada. O impacte desta perspectiva sobre a prática educativa não se limita ao nível pedagógico-curricular, mas estende-se às políticas institucionais. Tal constatação deriva da da perspectiva de Bronfenbrenner sobre o que constitui um impacte ambiental no desenvolvimento: (...) uma abordagem ecológica ( ) requer uma reorientação da visão convencional acerca da relação adequada entre a ciência e as políticas públicas. (...) o que é necessário ( ) não é uma mera relação de complementaridade, mas sim a sua integração funcional (id., p. 8). Aspectos que não se podem (ou não se devem) ignorar nas actividades educativas realizadas no mundo virtual Second Life, como explicarei mais adiante. O metáfora, método de concretização Regressando à informática, as ideias apresentadas apontam para a noção de que os conceitos informáticos, mesmo os mais abstractos se podem tornar concretos para cada aluno, e que a sua percepção requer atenção às características ambientais em que tal processo ocorre. Por exemplo, a programação de computadores pode tornar-se concreta para o programador se o sistema de programação e o ambiente sócio-cultural que o rodeia fornecerem ao utilizador muitas formas de se ligar aos conceitos. Estas formas de ligação podem ser vistas como elementos do contexto da programação, ou, efectivamente, do contexto geral das actividades humanas. Uma técnica importante a este nível é a utilização de metáforas e analogias. Através delas, as pessoas conseguem ligar-se a áreas e conceitos novos, comparando-os e ligando-as a áreas ou conceitos com que estejam familiarizadas. Neste particular, tais ligações não são uma propriedade de qualquer metáfora: têm de ser criadas pela pessoa que usa a metáfora, seja de raiz, seja adaptando uma metáfora de outrem uma noção que pode ajudar a explicar a ausência de resultados significativos em experiências que comparam a usabilidade de sistemas de programação perante a presença ou ausência de metáforas (BLACKWELL & GREEN, 1999). Uma maneira diferente de olhar para esta questão é ver as ligações entre conceitos como sendo, em si mesmas, a própria metáfora. Isto pode começar por parecer ser confuso, caso se tenha em consideração apenas as metáforas no sentido clássico. 163

10 164 Tradicionalmente, uma metáfora era considerada uma mera técnica de estilo da linguagem: o emprego de uma palavra fora do sentido convencional. Por exemplo, a expressão frequente o processador é o cérebro do computador é uma metáfora clássica: como se considera que só há cérebros em organismos vivos, a utilização daquela palavra na frase pretende veicular a ideia de que o processador controla o computador da mesma forma que o cérebro controla o corpo. Mas a visão moderna conhecida como teoria contemporânea da metáfora (LAKOFF, 1992), vê a metáfora como uma ligação muito mais profunda entre elementos do que uma mera comparação elegante. A metáfora passa a ser uma perspectiva, um mapeamento entre domínios distintos, a ponto de por vezes a pessoa que a usa nem se aperceber de que está a empregar uma metáfora. Neste sentido, na sua maior parte o pensamento humano é metafórico. A metáfora passa a ser uma ferramenta básica da cognição, não um artifício linguístico (TRAVERS, 1996, p. 31). A noção geral aqui apresentada é que as metáforas, concebidas como modelos, não são apenas situações excepcionais usadas para clarificar um aspecto: são um elemento essencial da interpretação que cada pessoa faz do mundo. E embora alguns pensamentos sejam claramente metafóricos, noutros casos tão não é assim tão óbvio (LAKOFF, 1992, p. 212) Na mesma linha, as metáforas estão no cerne da informática. Como exemplos comuns, tem-se a actividade do computador como movimento espacial ( o processo está bloqueado ; o programa está a correr ) e a memória, geralmente concebida como espaço ( recolha de lixo, partição, compactação ). Estes exemplos de metáforas tornam-se tão prevalentes que se deixa de pensar nelas como tal. É frequente designá-las como metáforas mortas. Mas embora esta classificação seja aceitável no sentido clássico, é contestável à luz do conceito de metáfora de Lakoff aqui apresentado, da metáfora como mapeamento entre domínios conceptuais. Por este motivo alguns autores avançaram com a proposta de que este conceito passasse a ter o nome de metáforas transparentes (TRAVERS, 1996) ou metáforas adormecidas (VEALE, 1995). Não pretendo aqui ignorar críticas existentes ao conceito do pensamento metafórico aplicado à ciência (especificamente, à informática enquanto ciência de computadores). O famoso cientista informático Edsger Dijkstra tornou pública de forma 164

11 165 clara a sua posição de ser necessário abandonar as metáforas para interpretar novidades radicais (DIJKSTRA, 1989, p. 1398). Minha percepção é de que visões negativas da metáfora, como a de Dijkstra, são completamente coerente com o conteúdo desta secção. Referem-se ao emprego intencional de metáforas como ferramentas para compreensão de conceitos novos. Mas como aqui expliquei, o pensamento e linguagem humanos estão recheados de metáforas mortas/transparentes, que adquiriram profundamente o significado a que ficaram associadas num campo novo, a tal ponto que nem sequer são normalmente consideradas metáforas. Outro contributo para compreender a natureza quixotesca de qualquer tentativa para evitar completamente a metáfora também pode ser extraído da apresentação efectuada na secção anterior acerca da natureza do ser abstracto ou concreto. A noção de que cada indivíduo desenvolve a sua própria ontologia ou visão sobre o mundo implica que a comunicação entre dois indivíduos não pode ser alcançada sem uma conversão entre as ontologias distintas de ambos. Tal conversão só faz sentido incorporando os conhecimentos/informações novos na ontologia pessoal presente de cada indivíduo, e por consequência adquirindo uma propriedade metafórica neste processo. ( ) o formalismo não oferece verdadeiramente uma fuga à metáfora, por dois motivos distintos. Em primeiro lugar, até a matemática formal está recheada de termos e conceitos metafóricos, como as noções de declive de uma função (metáfora física) ou de bom comportamento (metáfora animada). Em segundo lugar, muito poucos matemáticos declararia que o uso de métodos formais os livraria da necessidade de utilizar a imaginação! (TRAVERS, 1996, p. 37). Por forma a resumir esta reflexão sobre abstracção, concretude e metáforas, apresento aqui uma consolidação destas ideias, associando-as aos conceitos avançados de informática: nenhum conceito informático é completamente formal/abstracto nem concreto, situando-se antes algures num espaço contínuo entre estes extremos, sendo o local exacto dependente da relação entre o informático e o conceito; consequentemente as capacidades de um conceito informático não estão ligadas a características hipotéticas de abstracção ou concretude, visto que 165

12 166 estas dependem da riqueza de ligações entre o conceito informático e o informático; a criação de riqueza nas ligações entre um conceito informático e o informático é um processo metafórico de mapeamento entre os elementos do conceito e os elementos conceptuais do informático; este processo metafórico é estimulado ou reprimido pelas propriedades do próprio conceito, mas também globalmente pelo ambiente (contexto e historial técnico-sociais) em que o conceito é apresentado ao informático e por ele ou ela usado. Segundo esta visão, para o ensino da informática NÃO é necessário tornar os conceitos informáticos mais simples, mais reduzidos, nem menos abragentes, mas sim conceber formas de apoiar o mapeamento metafórico entre os conceitos informáticos e as perspectivas habituais dos alunos. Serem mais simples, mais reduzidos ou menos abrangentes podem ser aspectos importantes nalgumas destas formas, mas não são aspectos determinantes nem obrigatórios. Não se julge, assim, que o recurso ao Second Life pretenda de alguma forma simplesmente, abonecar ou simplificar os conceitos: pelo contrário, pretende aprofundar a compreensão que cada aluno atinge, através do enriquecimento das ligações conceptuais e do ambiente. O mundo virtual Second Life Os mundos virtuais multi-utilizador estão num crescendo de utilização, sendo já utilizados mundialmente por milhões de utilizadores (WOODCOCK, 2008). A ideia de introduzir uma pessoa num mundo ou ambiente gerado por computador foi proposta originalmente por Ivan Sutherland em 1965 e implementada em 1968 através de um sistema de visão esteroscópia para aplicação na cabeça do utilizador (SUTHERLAND, 1968). Desde então vários sistemas foram desenvolvidos para disponibilizar mundos ou ambientes virtuais, mas interessa aqui atender especialmente aos que são concebidos para suportar acesso simultâneo e síncrono de vários utilizadores, que lhes permitem partilhar o mesmo espaço virtual e os mesmos objectos virtuais. Neste tipo de mundos, 166

13 167 quaisquer modificações efectuadas ao espaço virtual por um utilizador reflectem-se automaticamente na experiência vivenciada pelos demais. Nos primórdios do género durante as décadas de 70 e de 80 do séc. XX, receberam particular atenção os ambientes textuais de jogos de aventuras de fantasia, conhecidos como masmorras multi-utilizador ou MUD, Multi-User Dungeon (KOSTER, 2000), mas a banalização do acesso gratuito em banda larga à Internet, de equipamento informático com elevadas potencialidades gráficas e de dificuldades por parte de várias empresas na protecção da propriedade intelectual do software lúdico, levou a que durante a última década surgissem variados jogos que se desenrolam inteiramente na rede, frequentemente em ambientes tridimensionais, como sejam o World of Warcraft ou o EverQuest, entre outros (TAYLOR, 2007). A natureza multi-utilizador destes jogos, a frequente necessidade de coordenação de estratégias e o facto de serem ambientes persistentes, ou seja, que não são gerados especificamente para uma sessão de jogo, mas antes mantidos em funcionamento e evoluindo permanentemente ao longo do tempo pela intervenção dos jogadores on-line, tudo foram factores que levaram a que a conversação e socialização entre jogadores se tornassem uma parte muito activa da actividade destes (DUCHENEAUT & MOORE, 2004). Alguns mundos virtuais optaram claramente por se centrarem nesta vertente de socialização e conversação entre utilizadores. E digo utilizadores, não jogadores, por entender que já não se tratam de jogos, no sentido em que não oferecem objectivos nem outros elementos de suporte a jogos: não têm pontos, não têm vidas, não têm níveis, não têm missões. Tem, fundamentalmente, um espaço persistente que pode ser povoado pelos utilizadores que a eles acedem. São exemplos destes mundos virtuais de socialização: Second Life, Activeworlds, There, Club Penguin, Habbo Hotel, entre outros (VirtualWorldsNews.com, 2007). Mas estes mundos são mais do que meros ambientes de chat tridimensional: os utilizadores, representados por bonecos tridimensionais que controlam (avatares), podem interagir com objectos e outro tipo de elementos presentes no mundo, organizam eventos, associações, actividades diversas. Estas acções podem ser de natureza imersiva, ou seja, cujo significado se esgota dentro do mundo virtual, mas podem igualmente ser 167

14 168 aumentativas, ou seja, terem impacte na vida real dos utilizadores, utilizando o mundo virtual como ferramenta de comunicação e expressão (LLEWELYN, 2008). Por este motivo, estes espaços têm sido alvo da atenção de várias organizações, que optaram por criar presenças instituicionais nos mundos virtuais, por motivos diversos: divulgação da imagem organizacional; contacto com potenciais clientes; canal de venda de produtos e serviços; ferramenta de colaboração interna ou com parceiros; aquisição de saber fazer sobre o meio (BARNES, 2007). No entanto geralmente as actividades dos utilizadores são apenas de desfrute dos serviços disponibilizados: do serviço básico de comunicação e interacção fornecido pela entidade que concretiza o mundo virtual; e dos serviços disponibilizados por organizações que firmaram contratos de fornecimento de conteúdo para o mundo virtual e dessa forma os fazem chegar aos utilizadores. A criação e disponibilização de conteúdo pelos próprios utilizadores é, normalmente, bastante restrita, limitando-se geralmente à selecção de opções previamente definidas para personalização de avatares ou de espaços e não sendo uma verdadeira capacidade para criação de conteúdo (nalguns sistemas para crianças, como o ToonTown ou o mundo virtual da Barbie, até mesmo a conversação só pode ser efectuada a partir de pedaços de frases pré-definidos). Há sistemas que possibilitam a criação de conteúdo por qualquer utilizador, mas implicam a instalação de um servidor específico por parte de quem desejar disponibilizar tal serviço. Consequentemente, estes sistemas destinam-se a pequenos grupos de utilizadores, já que a ampliação do serviço a grandes grupos se depara com dois obstáculos de monta: em primeiro lugar, a necessidade de instalar e gerir um sistema técnico que consiga suportar um grande número de utilizadores, potencialmente em simultâneo; em segundo lugar, a necessidade de angariar os próprios utilizadores. Tal situação pode ser utilizada em ambientes de ensino, mas nesta situação não estamos a tirar partido das potencialidades culturais e sociais dos mundos virtuais abertos, tão relevantes para a aprendizagem, como se discutiu na secção anterior sobre o pensamento de Bronfenbrenner, e como se exporá mais adiante, na experiência adquirida. O Second Life é uma excepção assinalável, por combinar várias vertentes: um mundo virtual que suporta grandes números de utilizadores em simultâneo (concorrência média por hora, em Junho de 2008: utilizadores/hora Linden 168

15 169 Lab, 2008); um serviço de hospedagem de conteúdo virtual em grande escala (área de terreno virtual em Junho de 2008: km 2 - id.); ferramentas técnicas e jurídicas que permitem a qualquer utilizador efectivamente criar conteúdo tridimensional com comportamento programável (e não apenas seleccionar de entre conteúdo préseleccionado); uma micro-moeda e as ferramentas técnicas e jurídicas para permitir a compra e venda de serviços e bens virtuais assegurada de forma independente de quem os presta e/ou adquire; e a capacidade de comunicação directa de dados com o exterior por parte dos programas em execução dentro do mundo virtual. Aspectos sociais e culturais relevantes Ao contrário do que se verifica na sociedade física, onde as competências tecnológicas são respeitadas formalmente mas os seus praticantes colocados de certa forma à margem a nível social (como se descreveu na introdução deste texto), na cultura e sociedade actuais do Second Life, verifica-se o oposto: as competências técnicas são prezadas e valorizadas socialmente. A afirmação anterior pode parecer uma reflexão idealista. Não o é, mas tão-só uma constatação, que não afirma um facto definitivo ou permanente, mas se limita a documentar a realidade presente, alicerçando-se num factor específico: a necessidade de identidade. Torna-se necessário explicar que, quando um novo utilizador se regista no Second Life, escolhe o aspecto que terá, de entre um leque restrito de bonecos, o seu avatar. Atendendo ao número médio de utilizadores simultâneos (em Junho, mais ), se estes se restringissem aos bonecos disponibilizados quando do registo, tornar-se-iam dificeis identificar pela aparência a pessoa com quem se interage, já que a repetição visual seria grande. Também perante um desconhecido não se sabe se é um utilizador novo, provável fonte de perguntas morosas, ou um utilizador mais experiente, que vivencia plenamente o espaço virtual. Por este motivo a personalização do avatar utilizado é um aspecto central na identidade de cada utilizador. Um utilizador inexperiente terá um avatar baseado num dos bonecos originais, ou talvez apenas com uma ou outra modificação; um utilizador mais experiente já terá personalizado de forma elaborada o avatar que utiliza, com uma textura bem trabalhada para a pele, cabelos personalizados, roupas, calçado e acessórios elegantes, etc. a disponibilização de 169

16 170 produtos deste género é, com efeito, uma das áreas de maior actividade no Second Life, quer a nível empresarial, quer promocional. Mas a aparência não é a única forma de distinguir um utilizador experiente de um utilizador inexperiente. Um utilizador inexperiente limita-se a andar ou voar, e nas interacções humanas emprega apenas movimentos do leque restrito disponibilizado de origem: bater palmas, saltar, fazer vénias, etc. Um utilizador experiente terá modificado a forma de andar, individualizando-a; pode reagir com gestos próprios a um momento de conversa; pode apontar para um diapositivo ao fazer uma apresentação; enfim, dispor de uma panóplia de gestos expressivos, que tornem mais rica a interacção social. E muitos outros aspectos de distinção se poderiam apontar. Um utilizador com competências técnicas consegue ter então uma actuação que o destaca e individualiza. Exemplos com complexidade técnica progressiva: pode criar rapidamente uma camisola que celebre a qualificação da selecção nacional para o Campeonato Europeu de Futebol e distribui-la aos amigos; pode produzir uma decoração única para um espaço pessoal, que o torne mais acolhedor; pode criar uma pose ou animação para se exprimir de forma única ou para participar numa peça de teatro ou de bailado; pode adaptar um script (código de programação de computadores) para que um golfinho salte até à altura exacta pretendida, em frente à praia onde passa o tempo, ou para que uma saia tenha bom aspecto quando o avatar feminino que a usa se senta (Llewelyn, 2007); pode, por fim, programar directamente scripts ou soluções informáticas mais elaboradas, para dar resposta às necessidades emergentes de outros utilizadores, desde painéis de controlo de luzes para discotecas a formas de integração com sistemas informáticos exteriores ao Second Life (por ex., Madeira et al., 2008; Pereira, Á. et al., 2008). Dado que os elementos supra referidos são fáceis de distribuir por outros avatares além do criador, as competências técnicas são valorizadas não apenas por individualizarem quem as possui, mas porque torna os detentores dessas competências técnicas nos criadores do mundo: mais do que uma classificação genérica de informáticos, são costureiros, designers, coreógrafos, arquitectos. São, enfim, a panóplia de actividades criativas humanas. 170

17 171 Actividades de ensino de informática no Second Life As actividades que geraram a reflexão do presente texto iniciaram-se em 2006, tendo vindo desde então a decorrer a três níveis: a) Presencial b) À distância c) Projectos individuais ou de grupo Actividades de ensino presencial Estas actividades decorreram em disciplinas da Licenciatura em Informática da UTAD: Metodologias de Programação III (MP3) 2006/2007 e Laboratório de Informática III (LabIII) 2006/2007 e 2007/2008, e em disciplinas da Licenciatura em Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) da UTAD: MP3 2006/2007 e Laboratório de TIC III (LabIII) 2006/2007. Estas disciplinas visaram a aquisição e desenvolvimento de técnicas de programação por objectos em ambiente Windows e.net. As disciplinas Metodologias de forma mais teórica e aprofundando conceitos específicos aula a aula, as disciplinas Laboratório através do desenvolvimento de um projecto ao longo do semestre, com apoio semanal de docentes. O Second Life foi utilizado nestas disciplinas de forma temática: em 2006/2007, os alunos desenvolviam em poucas horas produtos inteligentes no mundo virtual Second Life, inspirados num possível supermercado do futuro próximo, com a generalização de tecnologia RFID em substituição de códigos de barras. Concretamente produtos que reagiam à presença de um avatar nas proximidades ou ao contacto com um avatar, enviando para um endereço de correio electrónico específico mensagens a dar conta da situação verificada. Depois ao longo de outras aulas ou sessões de laboratório, desenvolveram uma aplicação em ambiente Windows e plataforma.net, para permitir efectuar de forma simplificada uma gestão de marketing: saber quando é que cada produto foi analisado por um potencial cliente, quando é detectou a proximidade de um potencial cliente, a que horas, quais os produtos mais frequentes, etc. 171

18 172 Em 2008/2009 foi proposta uma situação mais real aos alunos: desenvolver componentes de um sistema de informação para uma loja virtual no Second Life de produtos de merchandising e de divulgação da UTAD e da Associação Académica da UTAD (AAUTAD), em colaboração com o curso de arquitectura de outra universidade portuguesa, que elaboraria a parte arquitectónica da loja. Tratou-se de uma situação real, não simulada: a loja seria erguida no espaço virtual da UTAD (http://slurl.com/secondlife/utopia%20portugal%20vi/51/86/28/), autorizada pela AAUTAD. Como aspectos não reais as vendas seriam a custo zero, dado que ainda não é claro de que forma se deveria registar na contabilidade de uma entidade pública receitas provenientes desta fonte, e os componentes dos alunos seriam apenas protótipos de gestão, não um sistema completo, cujas especificações seriam muito mais vastas do que o exigível para uma disciplina de segundo ano. Mas o local, a exposição pública, os destinatários dos produtos, os dados analisados e processados pelas aplicações dos alunos, tudo isto foi real. Os projectos dos alunos visavam a detecção e registo histórico de clientes presentes na loja, o envio e recepção de encomendas de produção a fornecedores de objectos para venda e o controlo de inventário, vendas e comissões. Em ambos os casos, grupos de dois alunos desenvolviam parte do trabalho autonomamente, nos computadores pessoais, mas semanalmente estavam presentes em aula, com o docente. Acediam ao Second Life se necessário para desenvolver o trabalho ou para gerar dados de teste, mas estavam presencialmente junto do docente. Actividades de ensino à distância Estas actividades decorreram integradas nas seguintes disciplinas da Licenciatura em Informática da UTAD: LabIII 2006/2007, LabI 2007/2008 e LabII 2007/2008 (Esteves et al., 2008). Consistiram no desenvolvimento de projectos de programação totalmente em Second Life, utilizando a linguagem de scripting própria deste mundo. Os projectos foram propostos aos alunos como alternativa a projectos-tipo propostos nas mesmas disciplinas, que pressuponham objectivos técnicos semelhantes mas a desenvolver em plataformas de programação tradicionais. Os alunos trabalharam em grupos de dois, podendo ao longo do semestre desenvolver livremente os projectos no horário e local que acharam mais adequado, mas com orientação docente uma vez por semana, durante duas horas, através do Second 172

19 173 Life (os professores estavam em Leiria, os alunos em Vila Real, mas quer o trabalho de programação quer a orientação e apoio decorria no interior do mundo virtual). Estas actividades utilizaram conceitos de programação de computadores quer a nível iniciante (LabI), quer a nível médio (LabII, LabIII). Os conceitos foram utilizados na programação de objectos tridimensionais com conteúdos próprios: equipas de robôs que comunicavam entre si, seguiam o dono e lhe obedeciam; bonecos de cães e gatos que reagiam a comandos; pistas ou carris onde andavam carros e comboios cumprindo regras diversas, como ir mostrando o nível de combustível, gastando-o, reabastecendo, evitando colisões, mantendo-se dentro da pista/carris, etc. Não havia um objectivo real ou de aplicação efectivo, mas apenas um espírito de aplicação de conceitos de forma visível. Projectos individuais ou de grupo Estas actividades decorreram em duas situações: integradas nas disciplinas Projecto das licenciaturas em Informática e TIC, e em actividades de estágio profissional de vários alunos de segundo ano no consórcio Beta Technologies, que se dedica ao desenvolvimento de conteúdo, ferramentas e serviços em Second Life (Beta Technologies, 2008). Durante o estágio profissional, os alunos permaneceram em Vila Real (onde continuavam a ter aulas) e desenvolveram as actividades profissionais através do Second Life e de outras ferramentas de trabalho colaborativo (como os documentos partilhados da Google, por exemplo). Neste estágio participaram em actividades diversas empresariais (propostas para clientes, análise de tecnologia nova, desenvolvimento de ferramentas internas, desenvolvimento de um produto). Quanto a disciplina Projecto, vários alunos desenvolveram projectos autonomamente, com orientação docente quando necessário. Alguns desses projectos foram já alvo de publicação (Cardoso et al., 2007; Pereira, A. et al., 2008; Salvado et al., 2008; Lopes et al., 2008; Ribeiro et al., 2008; Pereira, J. et al., 2008), outros não alcançaram esse patamar (MANDELBROT 1, 2008). Embora estes projectos tenham naturezas muito diversas, o facto de praticamente todos terem ligação directa a empresas exteriores a Vila Real (apenas em dois tal não 173

20 174 sucedeu), sob a forma de co-orientação formal por quadros técnicos ou directores, permitiu observar como decorreu a ligação a esses co-orientadores do meio empresarial, através do Second Life. Os aspectos contextuais, culturais e sociais encontrados Pretendo aqui efectuar uma reflexão sobre aquilo que se constatou, durante as actividades elencadas na secção anterior, relativamente aos aspectos contextuais, culturais e sociais de ensino-aprendizagem com que me deparei. Houve muitos outros dados e aspectos sob análise ou observação, nomeadamente quanto aos problemas práticos de gestão à distância das actividades ou de implementação no dia-a-dia das tarefas, ou ainda de ferramentas e técnicas para simplificar ou facilitar a coordenação entre docentes e alunos. A maior parte destes foi já alvo de publicação anterior (e.g., Esteves et al., 2008), não sendo aqui discutidos. O objectivo desta reflexão é permitir à comunidade científica tomar em consideração as observações e trabalho efectuado, com vista à elaboração de planos de investigação centrados no aproveitamento e exploração mais aprofundada destes aspectos (contextuais, culturais e sociais). Aspectos contextuais O contexto fornecido para as várias actividades visou possibilitar aos alunos o estabelecimento de ligaçãos variadas entre os conceitos e perspectivas por eles já dominados e os conceitos e perspectivas que constituiam os objectivos de aprendizagem, no sentido da progressão de abstracção para concretudo, conforme se descreveu em secção anterior. Num projecto tradicional de ensino de informática, o contexto é fornecido pelo enunciado ou protocolo de projecto, que geralmente define um caso hipotético de aplicação do produto final do projecto. Tal situação foi reproduzida numa das actividades desenvolvidas: ensino à distância na disciplina Laboratório de Informática II (2007/2008). Nesta actividade, os alunos criaram programas de gestão administrativa de uma farmácia: a maioria em ambientes de programação tradicionais, com interface textual (linha de comandos), tendo um pequeno grupo de 8 alunos desenvolveu soluções similares no mundo virtual Second Life. Por similares, entenda-se que não foi 174

Second Life: contextualização e inserção social do ensino da informática

Second Life: contextualização e inserção social do ensino da informática Second Life: contextualização e inserção social do ensino da informática Leonel Morgado UTAD Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro GECAD Grupo de Investigação em Engenharia do Conhecimento e Apoio

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Primeiro Teste 21 de Outubro de 2006, 9:00H 10:30H Nome: Número:

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software Neste artigo é apresentado um conjunto de regras de desenho um padrão de desenho universal associado ao princípio fundamental e aos requisitos axiomáticos.

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

ENERESCOLAS. Monitorizar, Experimentar e Aprender!

ENERESCOLAS. Monitorizar, Experimentar e Aprender! ENERESCOLAS Monitorizar, Experimentar e Aprender! Enquadramento As escolas são uma fracção não desprezável do consumo energético. A aprendizagem em âmbito escolar, tem efeitos multiplicativos em casa e

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

Metodologias de intervenção:

Metodologias de intervenção: Metodologias de intervenção: Algumas estratégias de intervenção Na intervenção directa com as crianças tenta-se reflectir o clima institucional da Casa da Praia. A dinâmica do funcionamento em Equipa,

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender João Torres, Miguel Figueiredo e Rosário Rodrigues Centro de Competência Nónio Séc. XXI da ESE de Setúbal 26 de Abril de 2005 1 2 3 4 5 24 Objectivos Debater

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto em Contexto Empresarial I VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha - Vila Nova de

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores A realização de pré-testes antes da distribuição dos materiais de extensão rural é um processo importante no desenvolvimento

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos.

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos. Capítulo I 19 20 21 1 Introdução 1.1. Motivos que conduziram ao estudo Ser um matemático já não se define como aquele que conhece um conjunto de factos matemáticos, da mesma forma que ser poeta não é definido

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor As profissões Introdução Preparação da visita A Casa Inacabada é um dos espaços que faz parte da exposição

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Revista Formar n.º 43 Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Os dados estão lançados. O IEFP lançou-se na formação a distância. O balanço inicial do curso a distância de Gestão da Formação

Leia mais

Caderno de Apresentação Franquia

Caderno de Apresentação Franquia Caderno de Apresentação Franquia A Empresa A Genial Books iniciou suas actividades em dez/95 depois de um dos sócios conhecer o "Livro Personalizado", numa viagem de férias aos Estados Unidos. Vislumbrando

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul Projeto educativo A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul A Ponte Entre a Escola e a Ciência Azul é um projeto educativo cujo principal objetivo é a integração ativa de estudantes do ensino secundário

Leia mais

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII Capítulo VII 7 Conclusões Este capítulo tem como propósito apresentar, por um lado, uma retrospectiva do trabalho desenvolvido e, por outro, perspectivar o trabalho futuro com vista a implementar um conjunto

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015 TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 204 / 205 SUBDOMÍNIO CC8.. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação

Tecnologias da Informação e Comunicação SUBDOMÍNIO CC8.1. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO E AS REGRAS DE CONDUTA E DE FUNCIONAMENTO DE

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 029/2014 PORTAL FPT Abertura aos atletas

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 029/2014 PORTAL FPT Abertura aos atletas Circular n.º 029/2014 PORTAL FPT Abertura aos atletas Exmo. Sr. Presidente, Após muitos meses de desenvolvimento e melhorias contínuas na nova plataforma informática onde se inclui o amplamente divulgado

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO 07-05-2013 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO Aula I Docente: Eng. Hercílio Duarte 07-05-2013 2 Objectivo Sistemas Modelos Dados Vs. Informação Introdução aos sistemas de Informação 07-05-2013 3 Introdução

Leia mais

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista Entrevista com Tetrafarma Nelson Henriques Director Gerente Luísa Teixeira Directora Com quality media press para Expresso & El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE EDUCAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA EDUCACIONAL Internet e Educação Ensaio: A Web 2.0 como ferramenta pedagógica

Leia mais

Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0)

Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0) Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0) Departamento de Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Um sistema SMS 1 simplificado

Um sistema SMS 1 simplificado 1 Introdução Um sistema SMS 1 simplificado Projecto de Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC IST, Tagus Park 10 de Setembro de 2007 Pretende-se com este projecto que os alunos implementem um sistema

Leia mais

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG)

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) 1. Plano Curricular do curso O curso de especialização tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão integra as componentes

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática 3ºAno Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/2010 GereComSaber Sistema de

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Guia do Professor/Tutor Online

Guia do Professor/Tutor Online Guia do Professor/Tutor Online INTRODUÇÃO E nsinar online é uma experiência única, muito estimulante para um Professor Tutor, mas requer algumas competências pedagógicas específicas. As notas que se seguem

Leia mais

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Modelo de domínio Introdução! 1 Modelos de Domínio! 1 Identificação de classes conceituais! 2 Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Passos para a elaboração do modelo de domínio! 2 Passo 1

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO de acção mediante a aquisição de novas formas de pensamento que lhes permitam levar a cabo diferentes acções. O percurso formativo do coach está dividido

Leia mais

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL UIFCUL Universidade de Lisboa Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL Versão 1.0 2 Janeiro de 2014 Versão Data Alterações / Notas Responsável 1.0 2014.01.07 Aprovação inicial

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0 Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia de Viseu Engenharia de Sistemas e Informática Sistemas Operativos - 2005/2006 Trabalho Prático v1.0 Introdução O presente trabalho prático visa

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade.

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Descritivo completo PHC dcrm Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Benefícios Acesso aos contactos

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Instalações Eléctricas PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Desenho Esquemático Escolas Proponentes / Autores E P de Vouzela E P de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Luís Manuel Borges Gouveia. www.ufp.pt/staf/lmbg/ lmbg@ufp.pt

Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Luís Manuel Borges Gouveia. www.ufp.pt/staf/lmbg/ lmbg@ufp.pt Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Luís Manuel Borges Gouveia www.ufp.pt/staf/lmbg/ lmbg@ufp.pt Questões Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Lições

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais

Modelos Conceptual e Mental

Modelos Conceptual e Mental Interfaces Pessoa Máquina 08-10-2012 Modelos Conceptual e Mental Cap. 6 Conceptualização da Interação 06 Melhor e Pior? 1 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Análise de Utilizadores O que é? Porquê? O

Leia mais

Para a disciplina de Área de Projecto. Prof.ª Ana Reis

Para a disciplina de Área de Projecto. Prof.ª Ana Reis Escola Secundária da Portela Loures Ensino Secundário Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias 12º Ano de Escolaridade Para a disciplina de Área de Projecto Prof.ª Ana Reis Relatório Individual

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho Final Reservas de viagens

Leia mais