"Mudanças e continuidades na gestão urbana brasileira: os impactos dos megaeventos esportivos"

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""Mudanças e continuidades na gestão urbana brasileira: os impactos dos megaeventos esportivos""

Transcrição

1 "Mudanças e continuidades na gestão urbana brasileira: os impactos dos megaeventos esportivos" Erick S. Omena de Melo Introdução A promulgação da Constituição Federal brasileira de 1988 representou passo fundamental para a criação de um marco jurídico que amparou as demandas por maior democratização da gestão pública. No que concerne a algumas políticas sociais, por exemplo, seu artigo de número 204 procura garantir a participação da população por meio de organizações representativas na formulação das políticas e no controle das ações em todos os níveis. De forma semelhante, o artigo 227 admite a participação de organizações não governamentais na elaboração e avaliação de determinadas políticas setoriais. Tais indicações podem ser consideradas verdadeiras inovações no âmbito do arcabouço institucional brasileiro, desempenhando papel precursor na construção da história da nova república. É importante ressaltar, entretanto, que estes avanços não se deram em função de simples benevolências por parte do Estado e seus legisladores. Ao contrário, representam o fruto de mobilizações de diversos segmentos sociais que buscavam a redemocratização do país ao longo das décadas de 1970 e 1980, num contexto de administração pública bastante centralizada e verticalizada. Certamente o ambiente de repressão e de forte controle ditatorial contribuiu para a emergência de movimentos sociais que priorizavam reivindicações democráticas. Em decorrência disso, registrou se a proliferação de novos arranjos institucionais destinados à descentralização da administração pública e a ampliação da participação e do controle social durante as décadas de 1990 e 2000 (SANTOS JUNIOR, AZEVEDO, RIBEIRO, 2004). Experiências como a dos Conselhos Gestores de Políticas Públicas, articuladas nas três esferas de poder e que cobrem uma gama de setores de atuação como saúde, educação, moradia, meio ambiente, transporte, cultura, turismo, cidades, dentre outros, se tornaram referências de institucionalidade democrática. Esse processo foi acompanhado pela incorporação de alguns movimentos sociais e entidades do terceiro setor nestas novas estruturas, embora diversas análises tenham apontado para problemas quanto à sua elitização, seu domínio pelos representantes governamentais e seu mero formalismo. Paralelamente, foi nesse mesmo período histórico que uma forma particular de gestão das cidades chamada de empreendedorismo urbano e calcada na adoção de técnicas empresariais, na competição entre

2 cidades e na atração de novos capitais e consumidores através da espetacularização do território (HARVEY, 1996), se estabeleceu como hegemônica na conjuntura nacional. Em especial, nota se ultimamente a promoção de megaeventos como ferramenta privilegiada de suas ações e objetivos. E é justamente esta ferramenta que vem contribuindo para a consolidação de tal ideário frente à opinião pública. Após algumas experiências malsucedidas, governos locais e nacionais, apoiados por empresários e integrantes de organizações supranacionais, conseguiram trazer para o país eventos esportivos globais de primeira grandeza, isto é, os Jogos Pan americanos de 2007, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de Embora estes acontecimentos programados sejam comumente legitimados pela expectativa gerada em torno de sua suposta capacidade de promover mudanças sócio econômicas, sendo entendido por muitos como panaceia para problemas seculares das sociedades anfitriãs, há vários registros de violação de direitos humanos na preparação de países sede para suas edições (COHRE, 2007). Particularmente, chama a atenção o recrudescimento de práticas autoritárias e sem transparência nos períodos que antecedem tais competições esportivas. Neste sentido, o presente artigo tem como objetivo principal contribuir com as análises sobre as contradições e conflitos envolvidos na convergência de duas tendências da governança urbana brasileira, verificadas ao longo das últimas décadas: o aprofundamento da participação institucionalizada da sociedade civil na construção de políticas públicas e o crescimento hegemônico do empreendedorismo urbano, sobretudo através da adoção dos megaeventos esportivos, cuja marca principal tem sido repetidas práticas anti democráticas. Especificamente, intenciona se analisar os impactos dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014 e para os Jogos Olímpicos de 2016 sobre a ampliação dos espaços institucionais de participação sociopolítica e os processos de organização de movimentos sociais. Para tanto, serão levados em conta tanto as peculiaridades dos megaeventos esportivos no atual contexto de globalização quanto os levantamentos em curso realizados pela rede Observatório das Metrópoles sobre os novos arranjos institucionais criados para hospedar ou influenciar os processos decisórios envolvendo os grandes projetos urbanos voltados às competições esportivas internacionais de 2014 e 2016, bem como sobre as articulações dos movimentos sociais na esfera nacional em torno dos megaeventos e de suas consequências. Primeiramente, será traçado um panorama da crescente importância destes eventos esportivos na reestruturação urbana das cidades sede e da participação popular no planejamento de seus projetos, considerando os principais impactos abordados pela literatura especializada. Em seguida, serão utilizadas fontes de ordem primária, isto é, documentos legais, projetos oficiais, atas de

3 reunião, entrevistas e sites institucionais relacionados à nova estrutura institucional de governança na esfera federal e à mobilização de movimentos sociais na mesma esfera. A partir desta base de dados, buscar se á averiguar em que medida 1) estes novos arranjos institucionais tem procurado criar canais de diálogo e participação efetiva da sociedade civil organizada nos processos decisórios e 2) até que ponto os movimentos sociais têm buscado novas formas de articulação em função das mudanças trazidas pelos megaeventos. Megaeventos esportivos na atualidade A trajetória dos megaeventos esportivos no século XX revela um enorme crescimento de sua importância tanto do ponto de vista sócio econômico quanto político, geográfico e simbólico, em especial ao longo das últimas décadas. Tal fato se deve à sua projeção a nível global, proporcionada por transformações intrinsicamente relacionadas ao chamado processo de globalização, como o advento das transmissões por TV a cabo e via satélite, a expansão das fronteiras de acumulação de capital e a consolidação da chamada governança empreendedorista empresarial. Em virtude disso, estes acontecimentos programados passaram a ser caracterizados como negócios cada vez mais rentáveis e interessantes para suas instituições organizadoras e para corporações nacionais e multinacionais (SHORT, 2004; ROCHE, 2009). Por outro lado, o incremento do orçamento dos jogos tem implicado no crescimento do investimento público direcionado à viabilização de infra estrutura e demais exigências de organismos internacionais como o COI e a FIFA e empresas parceiras (IPEA, 2008). raramente isto pode acabar ocorrendo de forma traumática, como demonstram os casos de Montreal e de Atenas. No primeiro, a dívida assumida pelo Estado para os Jogos de 1976 só terminou de ser paga 25 anos depois (RUBIO, 2005). No segundo exemplo, o governo grego arca até o presente momento com as consequências de sediar um dos megaeventos mais caros da história, fato agravado pelo contexto macroeconômico europeu e mundial desfavorável dos últimos anos. Frequentemente, no entanto, mesmo ônus desta grandeza têm sido justificados pela dinamização econômica que tais investimentos trazem às cidades e países sede, sobretudo quando considerada a geração de emprego e renda para a população residente, e pela infraestrutura urbana implementada nestas ocasiões. Ainda que não haja um consenso quanto à vantagem ou desvantagem relacionadas ao custo benefício destas experiências na literatura especializada, estudos de diferentes linhas tendem a concordar que há custos cada vez mais altos para os cofres públicos. Acompanhando a evolução econômica destes eventos houve um simultâneo recrudescimento dos custos sociais para países anfitriões. Em geral, megaeventos esportivos estão associados a intervenções

4 urbanas estruturais nos setores de mobilidade, moradia e demais equipamentos urbanos, cujos impactos mais imediatos têm se traduzido no deslocamento forçado e violento de milhares, ou até milhões, de pessoas. Há, ainda, consequências sociais adversas indiretamente relacionadas às intervenções, como a chamada gentrificação, isto é, a expulsão de população vulnerável em decorrência do aumento dos custos de vida. Tais impactos são exacerbados pela criminalização de trabalhadoras do sexo, de moradores de rua e de vendedores ambulantes. Todos esses problemas são usualmente acompanhados de repressão ou, ao menos, desconsideração das demandas da população afetada, além de alteração de várias leis e da ausência de transparência nas ações públicas (COHRE,2007). Particularmente, alguns casos chamam a atenção, como o das Olimpíadas de Pequim, onde mais de um milhão de pessoas foram forçosamente desalojadas e violentamente reprimidas em suas tentativas de se manifestarem. Vale ressaltar que, mesmo nos casos geralmente avaliados de forma positiva pela opinião pública e por parte da literatura especializada há registros de violações de direitos humanos. A experiência de Barcelona é um exemplo nesse sentido, já que, embora não tenha ocorrido um grande volume de remoções diretas, boa parte da população mais vulnerável presente nas áreas de intervenção foi expulsa para regiões periféricas em função da rápida valorização imobiliária e consequente aumento do custo de vida 1. Fica claro, portanto, que embora haja enorme envolvimento das populações de muitos países na audiência dos Jogos Olímpicos e elevados ganhos financeiros para corporações em nível global e nacional, ainda há muito a se avançar no que tange à garantia de direitos dos habitantes das cidades sede. A ampliação da participação popular e da transparência no planejamento das ações voltadas para a preparação de megaventos é identificada por ampla literatura especializada como ponto central para se contrabalancear as enormes desigualdades de poder entre as corporações internacionais investidoras e boa parte dos habitantes anfitriões de forma a evitar, ou ao menos minimizar, os impactos negativos recorrentemente registrados, em especial a violação de direitos humanos. Neste sentido, a atual relatora para o direito à moradia adequada da Organização das Nações Unidas, Raquel Rolnik, nas conclusões de seu último relatório sobre o tema entregue ao Conselho de Direitos Humanos daquela instituição, recomenda às autoridades nacionais e locais dar chance de participação no 1 Enquanto o valor das novas construções na cidade saltou de 67 pesetas/m² em 1985 para 228 pesetas/m² em 1992, o valor das antigas construções subiu de 69 pesetas/m² para 216 pesetas/m² no mesmo período (IPEA, 2008).

5 processo de planejamento, desde a fase de licitação, a todas as pessoas que se verão afetadas pela preparação do evento, e levar verdadeiramente em consideração suas opiniões. A urbanista afirma ainda que a participação deve estar também aberta às organizações da sociedade civil, em particular àquelas que se dedicam a promover o direito à moradia adequada. Da mesma forma, sugere ao COI e à FIFA a exigir que os candidatos (a sediar os jogos) façam processos abertos e transparentes de planejamento e licitação, com a participação da sociedade civil, em particular as organizações que representam o setor de moradia e as pessoas afetadas (ONU, 2010, p.19 e 21). Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil Tendo se em vista fatores econômicos, os megaeventos no Brasil parecem seguir a tendência verificada nas edições anteriores. No caso do evento organizado pela FIFA, o valor total previsto na matriz de responsabilidades, documento onde constam os projetos e seus respectivos custos, é de quase R$ 24 bilhões. Deste total, 75 % provem do governo federal, na forma de empréstimos ou investimentos diretos, e 23 % das demais esferas do poder público. Já a iniciativa privada contribui com apenas 2 % do orçamento. Quanto à divisão setorial, chama a atenção o fato de praticamente metade dos investimentos estarem destinados à mobilidade urbana, enquanto um quarto está alocado para a construção ou reforma de estádios 2. Já no caso dos preparativos para as competições organizadas pelo COI, o custo total previsto ultrapassa os R$ 31 bilhões, de acordo com o dossiê de candidatura. Destes, mais de R$ 14 bilhões (45%) serão utilizados apenas para estradas, ferrovias e legado urbano, enquanto em torno de R$ 4,5 bilhões (15%) serão gastos na construção de instalações esportivas e vilas olímpica e de mídia. Analisando os dados descritos acima, destaca se, em primeiro lugar, a contribuição maciça de dinheiro público frente à participação praticamente residual da iniciativa privada, embora estas informações tenham sido divulgadas apenas no que se refere à Copa do Mundo. Além disso, é notável a soma dos investimentos direcionados à implementação de nova infraestrutura urbana. Portanto, parece se confirmar a tendência de orçamentos públicos inflados, constatada na análise das edições anteriores, formados majoritariamente por investimentos com grande potencial de ocasionar reestruturações urbanas, isto é, por grandes projetos de mobilidade e de equipamentos coletivos. 2 Ver

6 No que tange aos custos sociais relacionados a tais investimentos e projetos, os dados aferidos também indicam a tendência à repetição dos registros encontrados nas últimas décadas. Algumas estimativas apontam que cerca de pessoas terão sido removidas de suas casas até 2016 no país. Há, ainda, diversos depoimentos de moradores em situação de ameaça de remoção reclamando por maior transparência nos atos do poder público (SANTOS JUNIOR, 2011). Nas doze cidades sede tem se percebido a repetição de determinados padrões de atuação do Estado envolvendo a repressão a famílias que procuram resistir à violação de seu direito à moradia, o que geralmente está vinculado à valorização e especulação imobiliária local. Organizações defensoras de direitos humanos também têm articulado denúncias sobre impactos sofridos por outros grupos vulneráveis. Trabalhadores informais estão sendo sistematicamente excluídos das futuras áreas de restrição comercial em torno dos estádios através de inovações legislativas nacionais e locais. O mesmo se aplica ao caso dos direitos do torcedor, cujas associações representativas vêm denunciando processos de elitização e de cerceamento da liberdade de expressão atualmente em curso nos estádios, prevendo inclusive uma agudização durante as competições internacionais dos próximos anos. Portanto, a repetição de práticas de planejamento de megaeventos esportivos no Brasil baseadas em orçamentos públicos inflados, grandes projetos urbanos e várias violações de direitos humanos reforça a necessidade premente e já anunciada de que os novos arranjos institucionais responsáveis por este planejamento possuam canais de ampla participação popular em seus processos decisórios, sobretudo daqueles grupos mais vulneráveis. Novos arranjos institucionais e megaeventos no Brasil De forma geral, as agências, órgãos e estruturas paralelas criados em função dos preparativos para os megaeventos esportivos são de dois tipos: aqueles de natureza deliberativa/executiva e aqueles de caráter consultivo. Enquanto os primeiros são as instâncias legalmente responsáveis por decidir e implementar diretrizes e ações relacionadas aos projetos voltados ao megaevento em questão, cabe aos últimos contribuir com informações, pareceres, estudos e representações de interesses de grupos específicos que subsidiem a tomada de decisões dos entes efetivamente responsáveis. Além disso, estas entidades também podem ser divididas em governamentais e não governamentais. Conforme pode ser visualizado na tabela e no diagrama abaixo, foram criadas dezenas delas para os projetos da Copa do Mundo e das Olimpíadas, sendo que sua ampla maioria é representada por aquelas de caráter consultivo e governamental. O poder efetivo de decisão está concentrado em um número bastante

7 reduzido de órgãos estatais e não estatais deliberativos, ligados diretamente às instituições supranacionais, que dialogam e deliberam entre si de acordo com suas respectivas responsabilidades estipuladas nos acordos e contratos firmados entre governo federal/municipal, FIFA ou COI e comitês locais. Novos Arranjos Institucionais para a Copa do Mundo 2014 Escala nacional Órgão Função Composição Criado em Form I Min. do Esporte(coord.);II Advocacia Geral da União;III Casa Civil da Presidência da República;IV Controladoria Geral da União;V Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República;VI Min. das Cidades;VII Min. da Ciência e Tecnologia;VIII Min. das Comitê Comunicações;IX Min. da Cultura;X Min. da Defesa;XI Min. do Desenvolvimento, Indústria e Gestor da Estabelecer as diretrizes do Plano Estratégico das Ações do Comércio Exterior;XII Min. da Fazenda;XIII Min. da Justiça;XIV Min. do Meio Ambiente;XV Copa do Governo Brasileiro para a realização da Copa do Mundo Min. do Planejamento, Orçamento e Gestão;XVI Min. das Relações Exteriores;XVII Min. da Mundo FIFA 2014, bem como supervisionar os trabalhos do Saúde;XVIII Min. do Trabalho e Emprego;XIX Min. dos Transportes;XX Min. do Turismo;XXI 2014 GECOPA Sec. de Direitos Humanos da Presidência da República;XXII Sec. de Políticas de Promoção da CGCOPA Igualdade Racial da Presidência da República; XXIII Sec. de Portos da Presidência da República;XXIV Sec. de Aviação Civil da Presidência da República; e XXV Sec. de Com. Social da Presidência da República. 14/01/2010 Deliber Grupo Executivo da Copa do Mundo 2014 GECOPA I instituir o Plano Estratégico das Ações do Governo Brasileiro para a realização da Copa 2014;II estabelecer metas e monitorar os resultados de implementação e execução do Plano a que se refere o item I;III discriminar as ações do Orçamento Geral da União vinculadas às atividades governamentais relacionadas à Copa 2014;IV coordenar e aprovar as atividades governamentais referentes à Copa 2014 desenvolvidas por órgãos e entidades da administração federal direta e indireta ou financiadas com recursos da União, inclusive mediante patrocínio, incentivos fiscais, subsídios, subvenções e operações de crédito. I Ministério do Esporte, que o coordenará;ii Casa Civil da Presidência da República;III Ministério das Cidades;IV Ministério da Fazenda;V Ministério da Justiça;VI Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão;VII Ministério do Turismo; e VIII Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 14/01/2010 Deliber Comitê Organizado r Local Conselho FIFA COL Comitê de responsabil idades Consórcio Copa 2014 Câmara Temática Estádios Câmara Temática Transparên cia Câmara Temática Segurança Entidade brasileira responsável frente a FIFA por organizar os preparativos para as competições no país. Decidir sobre aspectos operacionais da preparação para os torneios e outros eventos relacionados às competições Fazer cumprir as exigências, prazos e metas para a preparação do evento, em especial a viabilização da infraestrutura esportiva nas diferentes cidades sede Prestar serviços de Apoio ao Gerenciamento para Organização e Realização da Copa do Mundo de futebol FIFA Responável pelos primeiros estudos de viabilidade. Discutir os planos de operação e gestão das arenas e seu entorno para a Copa das Confederações 2013 e a Copa 2014 Discutir, formular e por em prática na esfera governamental as políticas e instrumentos de transparência na preparação e realização da Copa do Mundo de 2014, contando com a participação das cidadessede e estados. Discutir o modelo de operação da segurança em grandes eventos e o alinhamento entre os diversos órgãos de segurança, criando sinergias entre as diferentes polícias e forças de segurança. Ricardo Teixeira e CBF 14/04/2008 Deliber Representantes da diretoria sênior da FIFA e do COL (Coords. Ricardo Teixeira e Jêrolme Valcke) SD Deliber Ministérios dos Esportes, Governadores e Prefeitos das Cidades sede 02/01/2010 Deliber Empresa Brasileira de Engenharia e Infraestrutura, Ltda. (EBEI); Galo Publicidade, Produção e Marketing Ltda.; Value Partners Brasil Ltda.; ValuePartners Management Consulting Ltda.; Enerconsult S.A., 30/07/2009 Consu SD 02/06/2010 Consu Ministério dos Esportes, Advocacia Geral da União, Controladoria geral da União e Instituto Ethos 18/08/2011 Consu Ministério dos Esportes, Ministério da justiça, Polícia Federal, COL/FIFA 10/05/2010 Consu Câmara Temática Saúde Promover a coordenação nacional da preparação das ações de saúde para o evento através da definição de diretrizes organizacionais, apoio à elaboração de projetos e acompanhamento da execução das ações. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e cidades e Estados que receberão os jogos. 10/05/2011 Consu

8 Câmara Temática Turismo Melhorar a qualidade do turismo brasileiro não só durante a Copa, mas futuramente,além de promover debates que terão como foco a preparação da sede do mundial. Ministério dos Esportes, Conselho Nacional de Turismo (4), Ministério do Turismo (4), EMBRATUR, Advocacia Geral da União, Controladoria geral da União, Ministério da Cidades e FGV 29/05/2010 Consu Câmara Temática Infraestrut ura Selecionar e definir, juntamente com todos os entes federativos e a iniciativa privada, os projetos de infraestrutura essenciais para Copa do Mundo da FIFA 2014, bem como discutir os planos de operação que serão executados ao longo do evento. Ministério dos Esportes, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão SD Consu Câmara Temática Promoção Comerc.e Tec. Apresentar as ferramentas disponíveis, como incentivos fiscais, para estimular a participação das cidades sede na estratégia de promoção do país e garantir que o impacto econômico do Mundial, calculado em R$ 47 bilhões, seja alcançado. Ministério dos Esportes, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos (Apex), instituições dedicadas à promoção de produtos e serviços e as 12 cidades sede. 14/10/2010 Consu GT da Sec. de Direitos Humanos (Direito à moradia Digna Copa/Olim píadas) Receber denúncias, monitorar e propor diretrizes com vistas a garantir o direito humano à moradia adequada e prevenir remoções forçadas, em decorrência das atividades para a Copa do Mundo de 2014 e para os Jogos Olímpicos de 2016 I Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana; II Representante da Sec. Geral da Presidência da República; III Ouvidor da Sec. de Direitos Humanos da Presidência da República;IV Representante do Min. Público Federal;V Representante da Caixa Econômica Federal; VI Representante do Min. das Cidades;VII Representante do Min. do Esporte;VIII Representante do Min. dos Transportes; IX Representante do Min. da Integração Nacional;X Representante do Min. do Turismo;XI Representante do Min. do Meio Ambiente;XII Representante do Min. da Saúde;XIII Representante da Confed. Nacional das Associações de Moradores (CONAM);XIV Representante do Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM); XV Representante da União Nacional por Moradia Popular; XVI Representante da Central de Movimentos Populares (CMP); XVII Representante do Movimento Nacional da População de Rua;XVIII representante do Fórum de Entidades Nacionais de Direitos Humanos (FENDH); e XXIX Representante do Fórum Nacional de Reforma Urbana. 06/10/2011 Consu GT do MinC Propor diretrizes e ações de promoção e difusão cultural a serem desenvolvidas durante a preparação e a realização da Copa do Mundo I Assessoria Especial do Gabinete da Ministra de Estado da Cultura (presidente do GT e relatoria dos trabalhos); II Sec. de Políticas Culturais;III Sec. de Institucional;IV Sec. de Cidadania Cultural;V Sec. de Identidade e da Diversidade Cultural;VI Sec. do Audiovisual;VII Sec. de Fomento e Incentivo à Cultura;VIII Fund. Biblioteca Nacional;IX Fund. Nacional de Artes;X Inst. Brasileiro de Museus;XI Inst. do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional;XII Fund. Cultural Palmares; e XIII Fund. Casa de Rui Barbosa. 16/06/2011 Consu GT Comunic.e m Grandes eventos MinC Preparar as comunicações do país para a realização da Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016, sobretudo na área de telecomunicações. Secretaria Executiva; Secretaria de Telecomunicações; Secretaria de Serviços de Comunicações Eletrônicas; Secretaria de Inclusão Digital; Subsecretaria de Serviços Postais e de Governança de Empresas Vinculadas 05/08/2011 Consu GT do MPF GT do Ministério da Saúde CIT 14 MTur Secretaria Extraordin ária de Segurança Para Grandes eventos Min. da Justiça Acompanhar a aplicação de verbas federais para a realização da Copa 2014 I estabelecer diretrizes gerais, ações estratégicas e metas para preparação das ações de saúde para a Copa do Mundo FIFA 2014;II acompanhar a mplementação das ações de preparação de saúde para a Copa do Mundo FIFA 2014; e III prover material técnico para representação do Ministério da Saúde na Câmara Temática de Saúde da Copa do Mundo FIFA 2014 no Brasil. Pesquisar, coletar, armazenar e distribuir informações sobre a preparação do País para a Copa 2014, sobretudo quanto à qualificação profissional dos trabalhadores em turismo e ao conhecimento de idiomas inglês e espanhol Programa Olá Turista. Coordenar e planejar as ações de segurança para os eventos que o Brasil receberá nos próximos anos Procuradores da República que atuam nos Estados que sediarão a Copa 01/08/2009 Consu I 1 (um) representante da Sec.Exec. (SE/MS); II 1 (um) representante da Sec. de Atenção à Saúde (SAS/MS); III 1 (um) representante da Sec. de Vigilância em Saúde (SVS/MS); IV 1 (um) representante da Sec. de Gestão Estratégica e Participativa (GEP/MS); V 1 (um) representante da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA); VI 1 (um) representante da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS); VII 1 (um) representante do Conselho Nac. de Secretários de Saúde (CONASS); e VIII 1 (um) representante do Conselho Nac. de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS). I Gabinete do Ministro;II Secretaria Nacional de Políticas de Turismo SNPTur; III Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo SNPDTur; 1. Diretoria de Operações;2. Diretoria de Inteligência;3. Diretoria de Logística; e 4. Diretoria de Projetos especiais; 10/05/2011 Consu 26/07/2011 Consu 02/08/2011 Deliber

9 Comissão Externa Câmara dos Deputados Copa e Olímpiadas Analisar e discutir o legado a ser deixado pela Copa do Mundo de 2014 e pelos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016 para o Rio de Janeiro e sua região e fiscalizar a execução de obras. Deputados Alessandro Molon (PT RJ), Arolde de Oliveira (DEM RJ), Liliam Sá (PR RJ), Filipe Pereira (PSC RJ), Vitor Paulo (PRB RJ), Marcelo Matos (PDT RJ) e Glauber Braga (PSB RJ) 13/04/2011 Consu Subcomiss ão Temporári a do Senado Federal Copa e Olimpíadas Acompanhar, avaliar e fiscalizar todas as ações empreendidas para a realização da Copa do Mundo de Futebol em 2014 e dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos em 2016 PRESIDENTE: Senadora Lídice da Mata PSB BA VICE PRESIDENTE: Senador Zeze Perrella PDT MG; José Pimentel(PT); Vital do Rêgo(PMDB); Eduardo Amorim(PSC); Eunício Oliveira(PMDB); Cícero Lucena(PSDB) 05/07/2011 Consu Comissão Especial da Lei Geral da Copa Câmara dos Deputados Analisar e propor possíveis alterações necessárias a Lei Geral da Copa proposta pelo executivo. PT:Titulares: José Guimarães (CE), Vicente Candido relator (SP), Waldenor Pereira (BA) e (Deputado do PMN ocupa uma vaga) PMDB:Titulares: Alceu Moreira (RR), Edio Lopes (RR), Renan Filho presidente (AL) e Solange Almeida (RJ) PSDB: Titulares: Carlaile Pedrosa (MG), Otavio Leite (RJ), Rui Palmeira (AL)DEM:Titulares: Fábio Souto (BA), Rodrigo Maia (RJ)PP:Titulares: Simão Sessim (RJ), Afonso Hamm (RS)PR:Titulares: José Rocha (BA), Maurício Quintella Lessa (AL)PSB:Titulares: Jonas Donizette (SP), Romário (RJ)PDT:Titulares: André Figueiredo (CE)Bloco PV, PPS:Titulares: Rubens Bueno (PPS PR)PTB:Titulares: Arnaldo Faria de Sá (SP)PSC:Titulares: Deley (RJ)PCdoB:Titulares: Jô Moraes (MG)PRB:Titulares: Acelino Popó (BA)PMN:Titular: Fábio Faria (PMN) Fontes: Sites Institucionais e órgãos de imprensa, Tabulação: Observatório das Metrópoles, SD: Dados não disponíveis 11/10/2011 Consu NOVOS ARRANJOS INSTITUCIONAIS PARA AS OLIMPÍADAS 2016

10 Fontes: Sites Institucionais e órgãos de imprensa, Tabulação: Observatório das Metrópoles, SD: Dados não disponíveis No geral, é nítida a ausência de representantes da sociedade civil e, sobretudo, das camadas populares. Nota se que os procedimentos, conselhos e instâncias participativas que integram o aparato institucional legal brasileiro, consolidados ao longo das duas últimas décadas, estão destituídos de qualquer

11 papel nas novas agências criadas para dar conta dos projetos urbanos atrelados à Copa do Mundo e às Olimpíadas. Nos poucos canais institucionais de participação registrados nas estruturas de governança descritas acima, são oferecidas oportunidades desiguais para atores do setor corporativo e do campo popular, em detrimento deste. Nas mais de duas dezenas de estruturas organizacionais criadas para a Copa do Mundo na esfera Federal, apenas em uma delas, isto é, no Grupo de Trabalho criado pela Secretaria Federal de Direito Humanos, há a presença de representantes de movimentos sociais, marcada por limitações, sendo meramente consultiva. Por outro lado, identificou se a presença maciça de representantes dos mais variados órgãos federais. Neste âmbito, o Ministério dos Esportes desempenha papel central, coordenador dos principais órgãos deliberativos e consultivos. Percebe se uma espécie de descentralização centralizada, em que o governo federal chama seus mais variados componentes a participar das decisões, sem, no entanto, promover uma descentralização efetiva através de aberturas institucionais para a sociedade civil. O mesmo ocorre no que tange aos preparativos para os Jogos Olímpicos, onde é a Autoridade Pública Olímpica que assume a função de descentralização governamental desacompanhada de participação. As raras aberturas limitam se à participação de instituições vinculadas a empresas privadas em câmaras temáticas, como o Instituto Ethos, e o Consórcio Brasil 2014, que auxiliou o Ministério dos Esportes na elaboração de estudos preliminares e de diretrizes. Nos poucos momentos em que a sociedade civil foi chamada a participar no processo decisório, isso esteve restrito apenas à face corporativa e as ONGs empresariais foram privilegiadas. Neste sentido, o caso do Conselho de Legado para as Olimpíadas é emblemático, pois possui em sua composição cinco representantes da prefeitura do Rio de Janeiro, um representante do governo estadual, representantes dos comitês organizadores da Copa do Mundo e das Olimpíadas, cinco representantes do setor privado e quatro representantes da sociedade civil (Associação Comercial do Rio de Janeiro, Instituto dos Arquitetos do Brasil, Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário, ONG Rio Como Vamos). O Conselho Consultivo da CDURP, empresa pública constituída para gerenciar o processo de concessão de serviços a empresas privadas na área portuária do Rio de Janeiro, também aponta para a mesma direção. Com função restrita à aprovação de relatórios trimestrais, o conselho é composto por um representante da CDURP, três representantes da prefeitura e três representantes da sociedade civil, sendo eles o vice presidente do IAB RJ, o superintendente geral da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário e um membro do Conselho de Segurança do Bairro da Gamboa.

12 Assim, as instâncias ad hoc nacionalmente criadas para gerir os preparativos para os megaventos no país até o momento possuem três características fundamentais. Em primeiro lugar, são relativamente descentralizadas do ponto de vista do compartilhamento de responsabilidades entre esferas e órgãos de governo. Em segundo lugar, são extremamente fechadas à participação popular, fato reforçado pela total exclusão de mecanismos participativos previamente consolidados no arcabouço jurídico institucional federal. As únicas entidades apresentadas pelo Estado como participativas parecem apenas fazer parte de uma simples simulação, o que constitui a terceira peculiaridade dessa estrutura excepcional de governança. Particularmente quanto ao último ponto, cabe destacar que a atuação dos conselhos consultivos e câmaras temáticas destinados a tratar de assuntos ligados à Copa do Mundo e às Olimpíadas, além de muito limitada do ponto de vista da influência sobre os processos decisórios relevantes, apresenta enormes disparidades de representação entre os grupos da sociedade civil. A mera formalidade também é uma característica destas escassas instâncias participativas, remetendo ao estágio mais baixo da escada de participação elaborada por Arnstein (1969) para avaliar a abertura do Estado à sociedade civil. Movimentos Sociais e Megaeventos no país Os impactos dos megaeventos nas cidades brasileiras inevitavelmente colocaram em pauta novos problemas a serem enfrentados pelos movimentos sociais atuantes no Brasil. Os processos vinculados à reestruturação urbana, ao direcionamento de consideráveis montantes de recursos públicos para grandes projetos e a violação de direitos humanos neste âmbito influenciam os seus campos de luta e mobilização. Partindo desse pressuposto, a rede Observatório das Metrópoles iniciou a realização de levantamento sobre os diferentes movimentos sociais com ações em escala nacional diretamente voltadas às consequências dos megaeventos esportivos. O resultado, embora ainda preliminar, está expresso na tabela abaixo e traz algumas informações relevantes para a compreensão das possíveis alterações na dinâmica de articulação destes movimentos em função da Copa do Mundo e das Olimpíadas. No quadro geral, constata se, por um lado, uma expressiva fragmentação de organizações, mesmo que seja considerado apenas um campo específico de lutas, como a defesa dos direitos do trabalho, de moradia ou de transparência. Esta é, na verdade, uma herança da dinâmica de atuação dos movimentos sociais previamente consolidada. Em contrapartida, destaca se a emergência de redes de articulação destinadas a agregar uma boa parte destas organizações em torno de reivindicações comuns, de maneira a tornar suas estratégias mais efetivas através de ações conjuntas.

13 Movimentos Sociais e Megaeventos no Brasil Organização Criação vinculada aos megaeventos Setor de Atuação Principais reivindicações ABRACCI Combate à corrupção As mesmas do projeto Jogos Limpos Amarribo Brasil Combate à corrupção As mesmas do projeto Jogos Limpos ANCOP ( Nacional dos Comitês Populares da Copa do Mundo) Sim Intersetorial 1) Efetiva participação popular nas decisões sobre projetos,2) transparência total de documentos públicos, 3) "de zero" na realização dos eventos, 4) respeito à legislação atual e 5) manutenção de políticas sociais, independentem das demandas para megaeventos, dentre outros. Assembléia Popular Intersetorial Busca chamar a atenção para problemas orçamentários e de violação de direitos (Contestação do legado sugerido governo e empresários em função dos megaeventos). Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais Direitos de orientação sexual Criação de campanha contra a homofobia na Copa do Mundo, nos mesmos moldes em que houve campanha con racismo em outras copas. Associação Nacional dos Torcedores e Torcedoras ANT Sim Direitos dos torcedores 1) Manutenção de espaços populares nos estádios destinados aos "principais protagonistas da Cultura do Futeb Brasil", isto é, os seus torcedores. 2)democratização das decisões acerca do futebol brasileiro com a participação torcedores e 3) respeito aos direitos de comunidades de trabalhadores ameaçadas de remoção em nome da Cop Mundo e das Olimpíadas Atletas pela cidadania Inclusão social pelo esporte 1) Aumentar a prática de esportes nas escolas e 2)Incentivar a população em geral a praticar esportes Central dos Movimentos Populares CMP intersetorial As mesmas da ANCOP Central Única dos Trabalhadores Direitos do Trabalho 1) incluir na Lei Geral da Copa autorização para ambulantes cadastrados nas prefeituras trabalharem nas imediaçõ estádios, 2)incluir na Lei Geral da Copa artigo que garanta o mapeamento da cadeia de fornecedores dos produtos CBF, prestadores de serviços e parceiros comerciais para identificação e punição de casos de trabalho escravo, in e/ou degradante, 3)proibir o trabalho voluntário nos casos de profissões regulamentadas ou em atividades que p colocar em risco a segurança do público, 4) incluir a expressão "trabalho decente" no tema social da Copa do Mun impedir a aprovação do projeto de lei 728, de CDES intersetorial Garantia do direito à cidade e à moradia nos preparativos da Copa e das Olimpíadas CONAM Direito à cidade Respeito à função social da cidade, ao direito à moradia e ao planejamento das cidades por parte dos megaeven Confederação Sindical das Américas setorial Direitos dotrabalho Pisos salariais unificados; cesta básica de R$ 300; participação nos lucros e resultados de dois salários base; plan saúde extensivo aos familiares; hora extra de 80% de segunda a sexta feira; 100% aos sábados e 150% aos domin feriados; garantia de organização por local de trabalho; adicional noturno de 50%; folga familiar de cinco dias úteis 60 dias trabalhados; implantação de melhores condições de saúde e trabalho nas frentes de serviço; e contrato experiência de 30 dias Confelegis Regulação e representação de categorias profissionais As mesmas do projeto Jogos Limpos Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (CONFEA) Regulação e representação de categorias profissionais Ampliação da transparência nos projetos e combate à corrupção através de: garantias do governo com apresenta prestação de contas de todos os empreendimentos para a Copa, por meio do GDF; participação dos CREAs no C balanço público, a cada três meses, monitorando e aperfeiçoando o processo, visando fazer ajustes e correções necessárias na organização global, centralizada e unificada; a não aprovação do RDC. Escritorio das Nações Unidas para Drogas e Crime (UNDOC) Combate à corrupção e drogas As mesmas do projeto Jogos Limpos Escritório das Nações Unidas para o Pacto Global Responsabilidade Social As mesmas do projeto Jogos Limpos ETTERN Direito à cidade As mesmas da ANCOP Fórum de Entidades Nacionais de Direitos Humanos FENDH intersetorial SD FNRU setorial Direito à cidade Respeito ao direito à cidade no contexto dos megaeventos. Copa do Mundo sem remoções.

14 Frente Nacional dos Torcedores Sim Direitos dos torcedores de futebol 1) A manutenção de espaços populares nos estádios destinados aos "principais protagonistas da Cultura do Futeb Brasil", isto é, os seus torcedores em detrimento da "modernização do futebol" trazida também pelos megaeven 2)democratização das decisões acerca do futebol brasileiro com a participação dos torcedores. Frente de Resistência Urbana setorial Direito à cidade Realização de um plebiscito popular sobre os temas da Copa para que todos possam opinar acerca das decisõe Fundação AVINA INESC Desenvolvimento sustentável intersetorial Monitorar e influenciar os investimentos para a Copa 2014 e Olimpíadas 2016 visando a sustentabilidade, transpar legado social. IBASE SD SD Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor IDEC Direito do consumidor Mudanças na Lei Geral da Copa: alteração do art. 11 do substitutivo para limitar o monopólio comercial da Fifa no oficiais de competição e evitar a privatização dos espaços públicos; inclusão de um artigo com os deveres e responsabilidades da Fifa; inserção do pagamento de danos morais e patrimoniais aos torcedores prejudicados, n I, do art. 27; exclusão do inciso II, do art. 27, que permite a venda casada, proibida pelo art. 39, I, do CDC; exclu inciso III, do art. 27, que estabelece cláusula penal (multa aos consumidores) que desistirem do ingresso, mesmo o comprarem pela Internet, o que contraria o art. 49, do CDC. inclusão do Código de Defesa do Consumidor com legislação subsidiária. Instituto ETHOS Responsabilidade Social e combate à corrupção As mesmas do projeto Jogos Limpos Instituto Observatório Social Direito do trabalho As mesmas do projeto Jogos Limpos PACS intersetorial As mesmas da ANCOP ICM setorial Direitos do trabalho Fortalecimento das práticas de consulta e de participação popular nos processos de planejamento e de avaliação da e das remoções. Fim da violação de direitos trabalhistas e de moradia. Justiça Global intersetorial As mesmas da ANCOP, contidas em Megaeventos e Violações de Direitos Humanos no Brasil Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas MLB setorial Direito à cidade SD Movimento Nacional da População de Rua Direitos dos moradores de rua 1)A participação da organização em todas as decisões que dizem respeito à população de rua, 2)A liberação de re para implementação de políticas habitacionais e de trabalho e 3)Empenho do governo federal, por intermédio para as violações de direitos. MNLM Direito à cidade SD MTST Direito à cidade Realização de um plebiscito popular sobre os temas da Copa para que todos possam opinar acerca das decisõ Observatório Nacional Criança não é de Rua Setorial Direito das Crianças de Rua Contra a internação compulsoria de crianças e adolescentes, em virtude dos megaeventos esportivos. Observatório das Metrópoles Direito à cidade As mesmas da ANCOP Projeto Jogos Limpos: Sim Artticulação Intersetorial Identificação clara de todo investimento relacionado com a realização da Copa do Mundo de 2014 na Lei Orçame Anual para o ano de Explicitação da relação com o campeonato mundial da FIFA em todas as formas de divu dos investimentos projetados para este fim, como nos editais de contratação e nas placas informativas presente obras. Rede Jubileu Sul Brasil Intersetorial A sua principal reivindicação em conjunto com a Nacional dos Comitês Populares da Copa (ANCOP) diretamente relacionada com o tema do financiamento e dívida pública, além dos dez pontos do documento da A Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis setorial Direito à participação e transparência SD

15 StreetNet rede internacional de vendedores ambulantes Direito ao Trabalho 1) Reuniões com as organizações representativas de vendedores informais com o governo para discutir sobre os im das obras de infra estrutura propostas e programas de revitalização e zoneamento urbano previstos para a Cop Mundo; 2) Planos de remanejamento dos locais de vendas afetados por projetos relacionados à Copa, que sejam elaborad consulta com as organizações de vendedores informais e 3) Resistir aos planos de criação de zonas de exclusão em dos parques de torcedores (fan parks) durante a Copa do Mundo Terra de Direitos intersetorial As mesmas da ANCOP Uniao Nacional por Moradia Popular UNMP Direito à cidade Imediata Retomada dos Repasses para as Associações e Cooperativas Habitacionais,considerando que é inaceitá inexplicável e arbitrária a suspensão destes repasses, PARA PRODUÇÃO SOCIAL DA MORADIA, uma vez que os crité seleção, contratação e desenvolvimentos dos projetos são amplamente transparentes e obedecem tanto a lógica q rito processual dos sistemas governamentais e jurídicos, com efetivo CONTROLE SOCIAL (Carta 1.12) (*) Fonte: Sites institucionais e entrevistas. (**) Tabulação: Observatório das Metrópoles (***) SD: Sem dados Foram registradas 42 instituições diferentes atuando nacionalmente com demandas diretamente relacionadas aos megaeventos esportivos e provenientes de variados setores. Deste total, apenas quatro (10%) tiveram sua criação vinculada ao anúncio dos megaeventos no Brasil, sendo que duas dessas se constituem como redes de articulação de várias entidades em torno de demandas relacionadas à Copa do mundo e Olimpíadas. As outras duas consistem em movimentos representantes dos direitos dos torcedores, denotando um aspecto mais específico, já que se trata não apenas de novas organizações, mas sobretudo da abertura de um novo campo, até então inexplorado. Assim, pode se afirmar que o principal fenômeno identificado é o surgimento de duas grandes redes de articulação para dar conta das novas demandas, isto é, a Nacional dos Comitês Populares da Copa do Mundo (ANCOP) e o Projeto Jogos Limpos. Enquanto a primeira reúne 13 das 40 organizações identificadas, a última envolve 17 entidades. Chama a atenção, particularmente, suas respectivas capacidades de agregação, pois as duas juntas abarcam ¾ do total de movimentos e organizações mobilizados nacionalmente em torno dos megaeventos, além de ambas possuírem representações locais nas 12 cidades sede. Apesar destas semelhanças, suas diferenças também são bem demarcadas. A ANCOP está especialmente baseada em movimentos populares e grupos universitários que lutam pelo direito à cidade e nas recém criadas organizações de defesa do direito dos torcedores. Já o Projeto Jogos Limpos se apresenta como uma articulação bastante vinculada a iniciativas de responsabilidade social de empresas, voltadas ao combate à corrupção e à ampliação da transparência, sendo capitaneada pelo Instituto Ethos e financiada pela Siemens.

16 Conclusão As transformações espaciais que acompanham a preparação de cidades sede para megaeventos possuem semelhanças com o processo conhecido por urbanização turística. Isso significa que suas características centrais residem na adequação do território à ascensão ao poder local de coalizões de certas frações de capital representadas sobretudo pelos setores turístico, imobiliário, da construção civil, financeiro e de serviços especializados em detrimento de outros setores econômicos. Porém, os megaeventos representam mais do que uma oportunidade única de agregação de interesses entre diferentes frações de capital no nível local, mas proporcionam a possibilidade concreta da construção interescalar de uma ampla coalizão de agentes corporativos. Tal processo envolve o alinhamento de empreiteiras, construtores, especuladores imobiliários e conglomerados turísticos locais com megacorporações transnacionais das áreas de marketing, bancos, produtos industrializados diversos e governos locais. As instituições supranacionais organizadoras destes eventos, isto é, o COI e a FIFA não só fazem parte desta coalizão, como possuem papel central na sua construção. Para responder às demandas de adequação do território aos projetos desta coalizão, têm ocorrido abruptas transformações no aparato jurídico institucional brasileiro. Concretamente, isto tem consistido na criação de estruturas excepcionais de governança que aliam a descentralização intra governamental com o esvaziamento da participação da sociedade civil nos processos decisórios. Há, portanto, um retrocesso na tendência verificada ao longo das décadas de 1990 e 2000 de proliferação de novos arranjos institucionais abertos à participação da sociedade civil, como os conselhos criados em diferentes esferas após a promulgação da constituição federal em Esta mudança de trajetória aliada à violação de variados direitos humanos, (à informação pública, à moradia digna, ao trabalho, ao lazer e esporte, etc) registrada na preparação das metrópoles brasileiras para megaeventos, aparenta estar estimulando o surgimento de um novo ciclo de organização e atuação dos movimentos sociais urbanos. Particularmente, a construção de duas grandes redes de articulação em torno dos impactos da Copa do Mundo e das Olimpíadas com o intuito de agregar as reivindicações de grupos bastante diversos indica uma tentativa de contraposição da sociedade civil a este novo cenário de recrudescimento da exclusão social promovido por uma ampla coalizão interescalar de agentes corporativos. O fato de tanto a ANCOP quanto o Projeto Jogos Limpos terem em comum a ênfase nas demandas por maior transparência e participação nos processos decisórios reforça a constatação de retrocesso democrático na institucionalidade brasileira.

17 Cabe, por último, lembrar que a tendência de constituição de redes de agregação de movimentos sociais já havia sido apontada por Maria Gohn (2010), antes do início do ciclo dos megaeventos no Brasil. Outro antecedente importante foi a criação da Plenária dos Movimentos Sociais do Rio de Janeiro e do Comitê Social do Pan em função dos Jogos pan americanos de 2007 (MELO e GAFFNEY, 2010). Portanto, o processo atual de estratégias de mobilização ao redor da Copa do Mundo e das Olimpíadas parecem apontar muito mais para a agudização de um movimento anterior do que propriamente para a criação de uma nova dinâmica. Referências Bibliográficas ARNSTEIN, Sherry R. A Ladder of Citizen Participation, JAIP, Vol. 35, No. 4, July 1969, pp COHRE CENTRE ON HOUSING RIGHTS AND EVICTIONS. Fair play for housing rights. Suíça: COHRE, Disponível em events. Acesso em nov 2009 GOHN, M. G. Movimentos sociais e redes de mobilizações civis no Brasil contemporâneo. Petrópolis, RJ: Vozes, HARVEY, David. Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. In Espaço & Debates, São Paulo, n. 39, p.48 64, IPEA INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Leitura Econômica dos Jogos Olímpicos: financiamento, organização e resultados. IPEA, MELO, Erick S. O.; GAFFNEY, Christopher. Mega eventos esportivos: reestruturação urbana para quem? Revista Proposta. Rio de Janeiro: FASE, ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Report of the Special Rapporteur on adequate housing as a component of the right to an adequate standard of living, and on the right to non discrimination in this context, Raquel Rolnik. Disponível em HRC 13 20/A HRC 13 20_EN.pdf. Acesso em dez 2011.

18 ROCHE, Maurice. Mega event mediation, governance and the Olympics in PSA Annual Conference, Manchester University, Disponível em RUBIO, K. Os jogos olímpicos e a transformação das cidades: os custos sociais de um megaevento. Scripta Nova. Revista electrónica de geografía y ciencias sociales. Barcelona: Universidad de Barcelona, 1 de agosto de 2005, vol. IX, núm. 194 (85). Disponível em htm. Acesso em fev SANTOS JUNIOR, Orlando. Relatório da Missão da Relatoria do Direito à Cidade. Plataforma DHESCA. Rio de Janeiro, ; RIBEIRO, Luiz César de Queiroz; AZEVEDO, Sergio de. Democracia e gestão local: a experiência dos conselhos municipais no Brasil. In: SANTOS JUNIOR, Orlando Alves dos; AZEVEDO, Sergio de; RIBEIRO, Luiz César de Queiroz (Orgs.). Governança democrática e poder local: a experiência dos conselhos municipais no Brasil. Rio de Janeiro: FASE: Ed. Revan: Observatório IPPUR/UFRJ FASE, p SHORT, J.R. Global Metropolitan: Globalizing Cities in a Capitalist World London: Routledge, , 2004

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P0 Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P1 O Brasil recebe os grandes eventos esportivos em um contexto favorável COPA OLIMPÍADAS Brasil

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br À SECRETARIA ESPECIAL DE DIREITOS HUMANOS Ministro Paulo de Tarso Vannuchi E-mail: paulo.vannuchi@sedh.gov.br e valeria.silva@sedh.gov.br AO MINISTÉRIO DAS CIDADES Ministro Márcio Fortes de Almeida E-mail:

Leia mais

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Code-P0 Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Encontro Nacional - Abracen Eventos Esportivos e os Impactos para o país São Paulo, 7 de março de 2012 Code-P1 O Brasil

Leia mais

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Copa, Olimpíadas e Porto Maravilha Observatório das Metrópoles Profs. Mauro Santos e Erick Omena Megaeventos e planejamento A lógica do empreendedorismo

Leia mais

DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO AS ENTIDADES E MOVIMENTOS DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA PRESENTES NA AUDIÊNCIA PÚBLICA

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato Programa Mínimo de Governo de João Pavinato João Pavinato e Cidinha Pascueto, candidatos a prefeito e vice-prefeita, respectivamente, da coligação A Vitória do Povo, formada pela união dos partidos PSDB,

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

O que são as diretrizes para Discussão Temática?

O que são as diretrizes para Discussão Temática? O que são as diretrizes para Discussão Temática? As diretrizes para Discussão Temática apresentam conteúdos exclusivos desenvolvidos por meio de pesquisas para a Fundação 1º de Maio. As informações aqui

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o Fundo Municipal de Turismo - Fumtur - e dá outras providências.

Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o Fundo Municipal de Turismo - Fumtur - e dá outras providências. Terça-feira, 30 de Junho de 2015 Ano:XXI - Edição N.: 4832 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo LEI Nº 10.823, DE 29 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o

Leia mais

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS PAINEL : FERRAMENTA PARA A GESTÃO DA ÉTICA E DOS DIREITOS HUMANOS RONI ANDERSON BARBOSA INSTITUTO OBSERVATORIO SOCIAL INSTITUCIONAL

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional

Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional Objetivos Objetivo Geral: Ampliar capacidade da força de trabalho se inserir no processo de desenvolvimento econômico da RMBH, com

Leia mais

Copa do Mundo 2014: ações da Prefeitura de São Paulo. 12ª Câmara Temática de Transparência Copa 2014

Copa do Mundo 2014: ações da Prefeitura de São Paulo. 12ª Câmara Temática de Transparência Copa 2014 : ações da Prefeitura de São Paulo 12ª Câmara Temática de Transparência Copa 2014 Copa em São Paulo: a gestão municipal SPCOPA: Comitê Integrado de Gestão Governamental Especial para a Copa do Mundo de

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

Comunicação Institucional Visão de Futuro

Comunicação Institucional Visão de Futuro Comunicação Institucional Visão de Futuro Organograma Presidente Comunicação Institucional Assistente Imagem Corporativa e Marcas Comitê Estratégico Imprensa Planejamento e Gestão Atendimento e Articulação

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

Visão para o Rio Rede das Redes Projetos Transformadores / Negócios

Visão para o Rio Rede das Redes Projetos Transformadores / Negócios PROJETO 2015-2017 O Projeto Associação Comercial do Rio de Janeiro 2015 2017 consiste em um conjunto de conceitos, diretrizes e convergências de ações que vão orientar a atuação da ACRio para os próximos

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios

Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios Instituto Ethos Apoio: Siemens Integrity Initiative www.jogoslimpos.org.br Objetivos O objetivo geral do projeto é promover maior transparência e integridade sobre

Leia mais

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural Universidade Federal da Paraíba - UFPB / Centro de Ciências Agrárias - CCA / Campus II Areia, Paraíba - 27 a 30 de outubro de 2014. Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

Copa do Mundo no Brasil: oportunidades, desafios e atuação do Governo Federal

Copa do Mundo no Brasil: oportunidades, desafios e atuação do Governo Federal BRA-MEB001-091126-1 Copa do Mundo no Brasil: oportunidades, desafios e atuação do Governo Federal Brasília, 26 novembro de 2009 BRA-MEB001-091126-2 Conteúdo do documento O que é a Copa do Mundo Atuação

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

Prefeitura Municipal de Conceição da Feira-BA

Prefeitura Municipal de Conceição da Feira-BA ANO. 2014 DO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DA FEIRA - BAHIA A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. 1 LEI Nº 625/2014 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO

Leia mais

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos O que é a SEDUR A Secretaria de Desenvolvimento Urbano - SEDUR, foi criada pela Lei nº 8.538, de 20 de dezembro de 2002, e tem por finalidade formular

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS Palmas/TO, setembro 2013 Relatório de conclusão: Plano

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014

INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014 INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014 Por Milton Karam 06.outubro.2010 COPA FIFA 2014 CRONOLOGIA 2003 03 de junho - a Confederação Sul-Americana de Futebol CONMEBOL anuncia Argentina, Brasil e Colômbia 2006

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP ESPORTE O partido Solidariedade está atento à necessidade do esporte na vida da população. Entendemos que ele é uma importante ferramenta para retirar crianças das ruas e assim, reduzir a violência e o

Leia mais

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Code-P0 AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Agenda de Trabalho Junho 2011 Claudio Langone Code-P1 OPORTUNIDADE PARA O BRASIL 2011 - Jogos Militares Mundiais 2012 - RIO + 20 - Cúpula das

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Futebol alemão X Futebol brasileiro

Futebol alemão X Futebol brasileiro Futebol alemão X Futebol brasileiro Um fez sua revolução. Outro nem começou! Novembro de 2015 A revolução na Alemanha Eliminação precoce na Eurocopa de 2000 impulsionou as mudanças. Plano de longo prazo

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012.

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012. PROJETO: 13 - VOLUNTÁRIOS PARA A COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar junto ao COL/FIFA (Comitê Organizador Local da FIFA) a seleção e recrutamento dos voluntários para atuarem na Copa do Mundo 2014.

Leia mais

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DO CONTROLE E DA TRANSPARÊNCIA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, nos termos

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE A QUESTÃO METROPOLITANA: problemas comuns, soluções compartilhadas INTRODUÇÃO A QUESTÃO METROPOLITANA: um desafio

Leia mais

Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social

Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social Missão do Instituto Ethos Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente responsável, tornando-as parceiras

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Remígio Todeschini 1 1.Introdução O presente texto pretende ser uma contribuição inicial da relação de cooperação entre a Educação

Leia mais

Gabinete de Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo/SECOPA

Gabinete de Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo/SECOPA Gabinete de Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo/SECOPA RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS PERÍODO DE REFERÊNCIA: 2011 Belo Horizonte, maio de 2012 SUMÁRIO ITEM PÁGINA

Leia mais

Participação Social em Políticas Públicas de Esporte e Lazer no Brasil: O Exemplo das Conferências Nacionais do Esporte

Participação Social em Políticas Públicas de Esporte e Lazer no Brasil: O Exemplo das Conferências Nacionais do Esporte Capítulo 2 Participação Social em Políticas Públicas de Esporte e Lazer no Brasil: O Exemplo das Conferências Nacionais do Esporte Renato Francisco Rodrigues Marques Doutor em Educação Física UNICAMP Docente

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Paulo Itacarambi 6º Encontro de Lideranças CONFEA Brasília, 21 de fevereiro de 2011

Paulo Itacarambi 6º Encontro de Lideranças CONFEA Brasília, 21 de fevereiro de 2011 Combate à corrupção Promovendo uma economia responsável Paulo Itacarambi 6º Encontro de Lideranças CONFEA Brasília, 21 de fevereiro de 2011 Instituto Ethos Quem somos? Fundado em 1998 Missão Mobilizar,

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS

CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS O Fórum de Inovação Tecnológica, Inclusão Social e Redes de Cooperação realizou-se nas dependências do Complexo Poli Esportivo Gothard Kaesemodel Junior Ferraz de Vasconcelos

Leia mais

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD Instrumento de Solicitação de Manifestação de Interesse- Qualificação de Parceiros para a Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva 2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD 1. OBJETO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

Leia mais

Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás

Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás Ana Paula Grether Consultora da Gerência de Orientações e Práticas de Responsabilidade Social Gerência Executiva de

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei:

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei: PROJETO DE LEI N /2009 Institui a Política sobre Mudança do Clima do Estado da Bahia e dá outras providencias. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção. 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA

Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção. 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA O Instituto Ethos Fundado em 1998 por um grupo de empresários Conselho Deliberativo

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.102, DE 6 DE SETEMBRO DE 2013 Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções

Leia mais

Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011

Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011 Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011 Maio 2012 A BDO é a quinta maior empresa de auditoria e consultoria do Brasil, e realiza estudos e análises sobre a Indústria do Esporte, por meio de sua

Leia mais

FATORES MOTIVADORES DA CRIAÇÃO DO CODEFOZ

FATORES MOTIVADORES DA CRIAÇÃO DO CODEFOZ FATORES MOTIVADORES DA CRIAÇÃO DO CODEFOZ 1) A falta de focoda sociedade civil organizada, da administração municipal e demais órgãos públicos para definir os rumose as políticas de desenvolvimento do

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

II. CONDIÇÕES PARA PROMOVER UMA BOA GOVERNANÇA

II. CONDIÇÕES PARA PROMOVER UMA BOA GOVERNANÇA ! Governança I. O QUE ENTENDEMOS POR GOVERNANÇA O conceito de governança significa articular Para que esta relação seja harmoniosa, devem o sistema político-administrativo, que rege ser respeitadas as

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 Lei n 763/2010. EMENTA: Dispõe sobre a política municipal de segurança alimentar e nutricional sustentável do município de Parnamirim-PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais