SOLUÇÕES DE CONTENÇÃO PERIFÉRICA E FUNDAÇÕES DO EDIFÍCIO BAÍA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOLUÇÕES DE CONTENÇÃO PERIFÉRICA E FUNDAÇÕES DO EDIFÍCIO BAÍA"

Transcrição

1 Morada: Avenida de Portugal, nº 36, Luanda Telefone e Fax: Contribuinte nº Data de Constituição: 10/2/2006 Capital Social Kz ($ USD) Certidão do Registo Comercial de Luanda n.º Certificado de Registo Estatístico nº Alvará de Construção Obras Públicas: 97/EOP/2006 Alvará de Industrial de Construção Civil: 579/ICC/2009 Alvará Comercial: 825/2007 Certificado de Autorização do Exercício da Actividade Comercial Externa /04/2007 SOLUÇÕES DE CONTENÇÃO PERIFÉRICA E FUNDAÇÕES DO EDIFÍCIO BAÍA

2 SOLUÇÕES DE CONTENÇÃO PERIFÉRICA E FUNDAÇÕES DO EDIFÍCIO BAÍA EM LUANDA - ANGOLA Pinto, Alexandre, JetSJ Geotecnia, Lisboa, Portugal, Pita, Xavier, JetSJ Geotecnia, Lisboa, Portugal, Teixeira, Nuno, Alves Ribeiro, S.A., Rosa, Nuno, Construções ARC, S.A., RESUMO No presente artigo são descritos os principais critérios de concepção e de execução adoptados nas soluções de contenção periférica e de fundações, implementadas no edifício Baía, localizado na zona baixa de Luanda. Em concreto, são abordados os principais condicionalismos verificados, designadamente a necessidade de construção de 5 pisos enterrados, as condições geológicas e hidrogeológicas (areias submersas) e as condições de vizinhança. São ainda descritos os princípios de dimensionamento das soluções adoptadas, nomeadamente a solução de contenção periférica por paredes moldadas, travada, durante os trabalhos de escavação, inferiormente por um tampão de fundo, constituído por colunas de jet-grouting, e superiormente, por dois níveis de bandas de laje e de treliças metálicas. Por último, são apresentados e analisados os principais resultados da instrumentação e observação da obra. 1. INTRODUÇÃO No presente artigo são apresentadas as soluções propostas e executadas para os trabalhos de escavação, contenção periférica e fundações, adoptados no âmbito da execução dos cinco pisos enterrados e vinte e quatro pisos elevados do edifício Baía, em construção na Rua Major Kanhangulo, junto ao Largo do Ambiente e bastante próximo da baía de Luanda em Angola. (Figura 1). A área de construção dispõe de uma configuração rectangular em planta de 36.5x26.5m 2, perfazendo uma área 967.3m 2 e dispondo de uma altura de escavação máxima de cerca de 12.0m. A informação geológico-geotécnica relativa aos terrenos ocorrentes no local da escavação, revelou a presença de solos incoerentes, de compacidade média e baixa e de média a alta permeabilidade, associados à presença de nível freático quase superficial. A experiência menos positiva recolhida em escavações com características semelhantes, na mesma zona da baixa de Luanda, tem confirmado a dificuldade associada à realização de ancoragens no ambiente hidrogeológico referido, bem como a dificuldade de controlar o afluxo de água pelo fundo da escavação. No sentido de facilitar os trabalhos de escavação abaixo do nível da água, procurou-se conceber uma solução de contenção periférica e de fundações que resultasse num processo construtivo menos susceptível de ser afectado pelo complexo cenário hidrogelógico, tendo-se definido em conjunto com o Dono de Obra, os seguintes princípios de concepção das soluções a propor: - Não realização de ancoragens abaixo do nível freático; - Limitação e eventual eliminação do fluxo de água afluente pelo fundo da escavação.

3 Figura 1 Localização da área de intervenção e corte tipo da solução No enquadramento descrito, optou-se por propor a execução de uma parede de contenção periférica, realizada pela tecnologia de paredes moldada, travada, durante a fase de escavação, por meio de diafragmas constituídos por bandas de laje e treliças metálicas. Para limitar a afluência de água ao interior da escavação e assegurar um travamento rígido das paredes, imediatamente abaixo da cota final da escavação, foi realizado um tampão de fundo, constituído por colunas de jet grouting (Figura 1). 2. PRINCIPAIS CONDICIONAMENTOS 2.1. Geologia e geotecnia As soluções desenvolvidas foram apoiadas num estudo geológico - geotécnico que consistiu na realização de 2 furos de sondagem à percussão acompanhados da execução de ensaios SPT e de permeabilidade tipo Lefranc. Devido à proximidade da baía, foi efectuada igualmente a leitura dos níveis de água numa das sondagens, durante vários dias consecutivos, de modo a aferir a influência das marés no nível freático. Os elementos obtidos com os trabalhos de prospecção permitiram definir a ocorrência de diversos complexos lito - geotécnicos com as características indicadas na Figura 2. Figura 2 Principais parâmetros geomecânicos e correspondência com o zonamento geológico

4 2.2. Condições de vizinhança De acordo com a informação disponível, foi possível identificar as seguintes principais confrontações do recinto de escavação (Figura 1 e 3): - Sul: Edifício Clínica da Sonangol, com 2 pisos elevados e 1 cave; - Norte: Rua Major Kanhangulo; - Poente: Largo do Ambiente. Antes do início dos trabalhos foram ainda realizadas vistorias ao edifício vizinho, assim como executados poços de reconhecimento com vista à determinação da geometria e cota de fundação deste. As soluções adoptadas foram ainda concebidas tendo por base a necessidade de serem compatíveis com a preservação da integridade, antes, durante e depois dos trabalhos, de todas as estruturas e infra-estruturas vizinhas, bem como a de minimização das interferências com o funcionamento das mesmas. Figura 3 Principal condicionamento de vizinhança: edifício Clínica da Sonangol 3. PRINCIPAIS SOLUÇÕES 3.1. Contenção periférica De acordo com os condicionalismos descritos, no âmbito da solução estudada, propôs-se a execução da contenção periférica constituída por uma parede de betão armado, com 0,60m de espessura mínima. Esta parede foi executada de acordo com a tecnologia de paredes moldadas, recomendada em cenários com as características do presente, nomeadamente no que se refere às características geomecânicas e hidrogeológicas dos solos interessados, bem como às condições de vizinhança. A parede de contenção assumiu assim três funções simultâneas: a) Elemento de contenção, de forma a permitir a realização da escavação na vertical, preservando a estabilidade das estruturas e infra-estruturas localizadas a tardoz do perímetro da escavação; b) Elemento de fundação dos elementos estruturais verticais, localizados sobre a mesma parede periférica;

5 c) Elemento de limitação da afluência de água ao interior da escavação nas fases de construção e de exploração, em conjunto com o tampão de fundo. Por motivos de estabilidade da contenção e de fundação dos elementos que descarregam sobre a mesma, a ficha dos painéis foi prolongada no mínimo 8,0m abaixo da cota final da escavação. Figura 4 Plantas dos travamentos, do tampão de fundo e das fundações 3.2. Travamento da contenção periférica durante a escavação Face ao já referido nível freático quase superficial e à dificuldade que, à partida, a execução de ancoragens em terrenos saturados e de elevada permeabilidade poderia oferecer, optou-se por conceber uma solução em que o travamento da contenção fosse conseguido à custa do tampão de fundo e diafragmas de travamento, constituídos por troços de laje horizontais e por treliças metálicas onde por razões arquitectónicas não puderam ser executadas as lajes horizontais. Procurou-se com a referida redução dos trabalhos de execução de ancoragens, bem como com a execução do tampão de fundo, garantir uma maior previsibilidade e controlo sobre o processo de escavação e a programação da obra. (Pinto et al., 2008 a e b). Os diafragmas referidos consistem assim num conjunto de vigas que, na globalidade, formaram um quadro fechado e rígido, à mesma cota, e desta forma resistiram aos impulsos actuantes na contenção. De modo a facilitar o processo construtivo e a permitir uma maior economia, adoptaram-se no referido quadro fechado, sempre que possível, elementos estruturais que integraram, na fase definitiva, a estrutura dos pisos enterrados do edifício. Em concreto, adoptaram-se troços das lajes dos pisos enterrados para constituir as vigas do travamento provisório da contenção.

6 Figura 5 Vista do 1º nível de travamento e dos trabalhos de escavação O tampão de fundo, para além da função de limitação da permeabilidade do fundo da escavação, desempenhou ainda uma função de travamento da contenção, materializando um apoio elástico localizado ao nível do fundo da escavação, e equilibrando assim, parte do impulso hidrostático e do terreno contido pela parede de contenção. Atendendo aos condicionamentos existentes, nomeadamente os condicionamentos geotécnicos e os de vizinhança, considerou-se necessário a realização de travamentos ao nível do piso -2 e do piso -4. A concepção geral destes travamentos, teve em conta não só a resistência e rigidez necessárias para garantir as condições de segurança, mas também o processo construtivo associado, quer à fase de escavação, mas também à fase de execução da estrutura dos pisos enterrados. Neste sentido, a geometria dos troços de laje foi definida de modo a interferir o mínimo possível com a execução dos pilares e outros elementos da estrutura dos pisos enterrados. Figura 6 Vistas da evolução da escavação em diferentes fases No enquadramento descrito, o travamento tipo da contenção consistiu num quadro fechado, constituído, em geral, por troços de laje com 0,30m de espessura e largura de 6,00m nos alçados

7 de maior dimensão e de 4,0m nos restantes. Os troços de laje foram apoiados, durante a fase de escavação, na parede de contenção e em perfis metálicos do tipo HEB, os quais foram instalados em conjunto com a execução das barretas de fundação, ficando embebidos no interior destas. Porém, no alçado confrontante com o edifício vizinho, considerou-se importante a realização de um nível de ancoragens, localizado na viga de coroamento e acima do nível freático, de modo a melhor controlar as deformações da parede. Em fase definitiva, no que toca ao equilíbrio das paredes de contenção, a própria estrutura das lajes das caves é responsável pela estabilidade da parede, face aos impulsos provocados pelo terreno, pelos edifícios vizinhos e pelas sobrecargas rodoviárias, sendo os sistemas de escoramento provisórios, com excepção dos troços de laje de travamento, desactivados após conclusão da referida estrutura. Os impulsos verticais ascendentes devidos à pressão hidrostática, actuantes ao nível da laje de fundo, são equilibrados pela laje de fundo, a qual apoia nas barretas de fundação, transmitindo a carga para estas Tampão de fundo Face à presença de nível freático elevado instalado em terrenos arenosos, de média e baixa compacidade e de média a alta permeabilidade, até cerca de 20.0m de profundidade, seria de esperar, à partida, um elevado caudal afluente ao interior do recinto de escavação. Com vista a garantir uma maior previsibilidade e controlo sobre o processo de escavação, optou-se por propor a realização de um tampão de fundo, de modo a limitar o afluxo de água ao interior da obra nas fases de obra e de exploração e a garantir um travamento rígido das paredes imediatamente abaixo da cota final da escavação (Pinto et al., 2008 c). O tampão de fundo foi definido de modo a equilibrar os impulsos hidrostáticos ascendentes devidos à cota elevada do nível freático. Em virtude das elevadas pressões hidrostáticas actuantes sob o tampão, previu-se que este fosse pregado tirando partido, para tal efeito, das barretas de fundação previstas para a laje de fundo e para a superstrutura. Figura 7 Vista da execução da laje de fundo e do início da construção da estrutura dos pisos enterrados Previu-se inicialmente que o tampão fosse constituído por colunas de 1100mm de diâmetro mínimo e 3,00m de comprimento (espessura do tampão), dispostas numa malha em quincôncio com 0,80m de afastamento de forma a acomodar um desvio de verticalidade máximo de

8 1%.durante a respectiva execução Porém, especificou-se que este diâmetro poderia ser incrementado, caso os resultados das colunas de teste assim o indicassem. Efectivamente, tal aconteceu, tendo a empresa adjudicatária dos trabalhos de jet-grouting, conseguido confirmar a realização de colunas de diâmetro 1500mm, o que veio traduzir-se num aumento do rendimento e da economia da obra. Numa óptica de optimização da contenção periférica, previu-se que a laje de tampão de fundo também fosse utilizada como travamento desta em conjunto com os troços de laje, constituindo em termos estruturais, um apoio elástico, de elevada rigidez, localizado na base da escavação, executado a partir da superfície (Figura 7). De forma a melhorar a eficácia das juntas dos painéis de parede moldada em termos de limitação da afluência de água, foram, sempre que possível, executadas colunas de jet-grouting como elemento de selagem das referidas juntas Fundações Atendendo ao cenário geológico da obra, assim como ao valor e tipo de cargas a transmitir pela superstrutura às fundações, foi estudada e adoptada uma solução de fundações dos pilares e paredes interiores através de barretas de betão armado. Esta solução permitiu a racionalização dos equipamentos mobilizados para a obra, uma vez que as barretas de fundação foram executadas pele mesma tecnologia das paredes moldadas. A disposição, dimensões e profundidade das barretas foi definida de modo a assegurar a eficaz transferências das cargas da estrutura do edifício aos estratos de fundação competentes, bem como a limitação das deformações do mesmo. Nesse sentido, foi adoptada uma entrega mínima de 5,0m no interior do estrato competente C2B (N SPT superior a 60 pancadas). Salienta-se que, durante a fase de escavação, as barretas desempenharam ainda, o papel de elementos de pregagem do tampão de fundo, resistindo aos impulsos hidrostáticos actuantes na base deste (Figuras 1 e 4). 4. DIMENSIONAMENTO O comportamento das estruturas de contenção e de fundação, em termos de esforços e de deformações, foi analisado, para todas as fases construtivas, através do programa de elementos finitos PLAXIS V8 Professional Edition, vocacionado para o efeito. A análise realizada consistiu no estudo das secções representativas de cada alçado da contenção, com o intuito de avaliar as deformações, estados de tensão e a estabilidade do maciço a conter, bem como estimar os incrementos de deformação em estruturas vizinhas à escavação. Esta análise permitiu ainda a determinação de esforços na parede de contenção e a avaliação das cargas que, em cada alçado, os elementos constituintes do quadro fechado de travamento estariam sujeitos. Já as estruturas de travamento, nomeadamente os troços de laje, que funcionam num sistema estrutural equivalente a um quadro fechado, foram analisados recorrendo ao programa de cálculo automático de estruturas SAP2000 v.14. As acções actuantes sobre os quadros fechados de travamento, foram as determinadas através de um processo em que, de forma simplificada, se procurou ter em conta a interacção entre a parede de contenção e os travamentos. Explica-se no ponto 4.1, o procedimento adoptado para a determinação destas acções.

9 4.1. Interacção parede moldada/troços de laje O estudo do travamento da parede de contenção foi efectuado tendo em conta, de forma simplificada, a interacção entre a parede moldada e as bandas de laje que constituem o travamento. De modo a concretizar este objectivo, foram introduzidos apoios elásticos no modelo de análise da contenção periférica, cuja rigidez permitiu simular o efeito do quadro fechado constituído pelos troços de laje de travamento. As forças a que estes apoios elásticos ficavam sujeitos no decorrer das análises levadas a cabo no modelo bidimensional da contenção, eram posteriormente introduzidas no modelo do quadro fechado (sob a forma de cargas distribuídas no plano do quadro), tendo-se obtido assim, e de forma coerente e compatibilizada, os esforços de dimensionamento dos elementos que o constituem (figura 8). Figura 8 Principais modelos de cálculo e Plano de Instrumentação e Observação 5. INSTRUMENTAÇÃO E OBSERVAÇÃO Tendo por base o enquadramento da obra, assim como o tipo de soluções adoptado, foi implementado um Plano de Instrumentação e Observação (PIO), com o objectivo de assegurar a realização dos trabalhos em condições de segurança para a obra e para as estruturas e infrastruturas vizinhas, bem como para validar os pressupostos de dimensionamento, através do comportamento da estrutura. No âmbito descrito, foram instalados os seguintes aparelhos: - 18 alvos topográficos, distribuídos pela parede de contenção periférica e pela fachada do edifício vizinho; - 1 célula de carga (C), numa das ancoragens do alçado que confronta com o edifício vizinho; - 1 inclinómetro (I), a tardoz da contenção periférica. Os aparelhos instalados foram lidos com uma periodicidade quinzenal durante os trabalhos de escavação e de construção dos pisos enterrados. A partir dos resultados dos cálculos realizados para o dimensionamento das soluções foram definidos critérios de alerta e de alarme, assim como medidas de reforço, caso os referidos critérios viessem a ser atingidos. Verificou-se que, na sua generalidade, os critérios de alerta não foram atingidos, tendo sido apenas ultrapassados, embora ligeiramente, no que toca aos deslocamentos verticais ascendentes da contenção, tendo

10 tal sido verificado nas fases finais da escavação (movimento máximo de 18mm no alçado confrontante com a construção vizinha) podendo estes ser atribuídos ao aumento da resultante do impulso vertical, devido à redução do peso de terras (acção descendente) em relação ao impulso hidrostático instalado. Contudo, a evolução destes deslocamentos verticais apresentou uma tendência de estabilização, e inversão com o início dos trabalhos relativos à construção da estrutura do edifício, pelo que esta situação, apesar de inspirar um acompanhamento atento, não se revelou crítica. A referida interpretação foi reforçada pelas leituras da instrumentação referentes aos deslocamentos no plano horizontal, quer da contenção, como da construção vizinha, as quais revelaram movimentos abaixo dos limites de alerta (movimentos máximos de cerca de 7mm no edifício vizinho e movimentos máximos de cerca de 10mm na parede de contenção - Figura 9). Figura 9 Principais resultados do Plano de Instrumentação e Observação Ainda no âmbito da observação da obra, embora não directamente relacionado com a instrumentação, refere-se que durante os trabalhos de escavação, nomeadamente nos últimos níveis de escavação, foram detectadas, isoladamente, algumas aberturas no tampão de fundo, as quais terão sido consequência, à partida, de deficiências ocorridas durante a implantação das colunas de jet-grouting. Dado o carácter pontual das aberturas, estas foram eficaz e prontamente colmatadas, permitindo o prosseguimento dos trabalhos, tal como planeado.

11 6. PRINCIPAIS QUANTIDADES As principais quantidades associadas aos trabalhos descritos são apresentadas na Figura 10. Figura 10 Principais quantidades e vista da obra na fase final da construção dos pisos enterrados. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS O recurso ao travamento de contenções periféricas tirando partido do efeito de diafragma proporcionado por troços de laje, apresenta-se como uma solução vantajosa e de maior previsibilidade de comportamento em cenários onde, por razões de natureza técnica e/ou administrativa, a realização de travamento generalizado das paredes com recurso a ancoragens, pode apresentar dificuldades ou até mesmo não ser exequível. A solução com recurso a travamentos interiores destaca-se ainda pela sua rigidez e, consequentemente, pelo controlo de deformações no interior e no exterior do recinto de escavação. O caso apresentado no presente artigo ilustra o cenário descrito, uma vez que a realização de ancoragens nas condições hidrogeológicas referidas (solos medianamente a muito permeáveis, associados com nível freático quase superficial) apresentaria, à partida, diversas dificuldades técnicas. A opção desta solução apresentou, para além de vantagens económicas, derivadas da maximização da integração na solução estrutural final de elementos utilizados na fase provisória da obra, não menos importantes, e já referidas, vantagens do ponto de vista de rigidez de travamento. Porém, importa referir que, uma vez que o travamento da contenção faz uso de elementos que são integrados na estrutura dos pisos enterrados, pelo que esta solução obriga uma imprescindível articulação entre as diversas especialidades, nomeadamente com o projecto de Estabilidade e com o projecto de Arquitectura. No caso descrito, a referida compatibilização determinou a instalação de uma treliça metálica, na zona das rampas de acesso aos pisos enterrados, bem como a limitação da largura das bandas de laje, no sentido de interferir o menos possível com a realização dos pilares e paredes dos pisos enterrados (Figura 7 e 9). A adopção do tampão de fundo em colunas de jet grouting, revelou-se como uma medida eficaz no controlo das deformações das paredes periféricas e, sobretudo, do afluxo de água ao interior da escavação, tendo permitido a realização da escavação dos pisos enterrados praticamente em condições secas, o que se traduziu num desenrolar mais facilitado e previsível dos trabalhos de escavação. Destaca-se, contudo, a grande importância da rigorosa implantação das colunas

12 de jet-grouting que materializam a laje de tampão de fundo, como factor crítico para o sucesso da solução. Atendendo à forma como decorreram os trabalhos de escavação da obra apresentada, validada pelos resultados da instrumentação da mesma, considera-se que a tecnologia de paredes moldadas, associada ao travamento com recurso a diafragmas rígidos, constituídos por bandas de laje, complementados pela execução de um tampão de fundo em colunas de jet grouting, constitui uma solução de comportamento previsível e, em geral, menos susceptível de ser afectada pelas vicissitudes relacionadas a execução de escavações profundas em cenários caracterizados por terrenos de permeabilidade elevada e nível freático quase superficial. REFERÊNCIAS Pinto, A.; Tomásio, R.; Xavier, P. (2008 a). Soluções de travamento de contenções periféricas recorrendo a elementos estruturais. BE 2008 Encontro Nacional de Betão Estrutural, Guimarães, pp (resumo), artigo publicado em CD ROM, Tema 7 Realizações. Pinto, A; Tomásio, R.; Cabaço, J. (2008 b). Edifício Centenário em Lisboa, Contenção Periférica e Recalçamento. Actas do 11º Congresso Nacional de Geotecnia - Volume 3, Taludes e Estruturas de Suporte: pp Coimbra. Pinto, A.; Pereira, A.; Cardoso, D.; Sá, J. (2008 c) - Sana Torre Vasco da Gama Royal Hotel: Soluções de Tratamento de Solos, Contenção Periférica e Fundações Engenharia e Vida, nº49, Setembro 2008, pp

13 MEMÓRIA DESCRITIVA DA OCORRÊNCIA DE UMA RUPTURA LOCALIZADA NO TAMPÃO DE FUNDO DO EDIFÍCIO BAÍA EM LUANDA DATA DA OCORRÊNCIA: 25 DE SETEMBRO DE 2009 DESCRIÇÃO DA OCORRÊNCIA: No dia 25 de Setembro de 2009, pelas 21:15 horas, quando estavam a ser realizados os trabalhos de escavação de terras do último nível (cave -5), no âmbito dos trabalhos incluídos na empreitada de Contenções Periféricas em Parede Moldada, Barretas de Fundação, Tampão de Fundo e Escavação do Edifício Baía em Luanda, verificou-se uma forte entrada de água pelo tampão de fundo, que havia sido construído em colunas de Jet-Grouting com 3 metros de espessura, resultando na completa inundação da plataforma de trabalho. A entrada de água deu-se num local aonde ainda não se haviam sido iniciados os trabalhos de movimento de terras daquele nível. O tampão de fundo que deveria conferir uma impermeabilização do fundo da escavação em conjunto com a parede moldada, rompeu localizadamente (com um furo que aparentava visualmente uma secção de 50 cm de diâmetro) permitindo a entrada de água, que inundou a plataforma de trabalho situada á cota -7,55m. Cerca de 15 horas depois, a água encontravase à cota 0,50m, ou seja aproximadamente 8,05m acima da plataforma de trabalho.

14 Os procedimentos adoptados para a reparação foram os seguintes: 1. Rebaixamento o nível da água, através da mobilização de diversas bombas submersíveis, até ao fundo da escavação, isolando a zona da rotura e encaminhando a água para o poço de bombagem (26/09/2009 a 2/10/2009); 2. Remoção parcial de areias circundantes do buraco de passagem de água com o auxilio de uma mini-giratória, para verificação da sua forma e diâmetro e para certificação de se tratar de apenas um caso isolado (2/10/2009); 3. Após se verificar que o caudal de entrada de água através da passagem no Tampão de Fundo era superior a 1000,00m3/h, abandonou-se a ideia de reparar a passagem de água a seco, optando-se por deixar de bombear água, permitindo que o nível da água subisse até à cota do nível freático. Decidiu-se que a reparação da passagem de água seria efectuada com a plataforma de trabalho

15 submersa, com o auxílio de uma equipa de mergulhadores (3/10/2009 a 6/10/2009). 4. A equipa de mergulho (a mesma que interveio com sucesso no acidente do metropolitano do Terreiro do Paço em Lisboa) começou por efectuar os trabalhos de limpeza na zona a intervir, através da aspiração das areias com um equipamento adequado. Após a limpeza da boca do furo, colocou-se uma micro-estaca envolvida em obturadores, em toda a extensão da passagem de água, envolvendo o topo por uma manta geotextil com o objectivo de manter a passagem de água limpa, permitindo posteriormente o preenchimento do espaço com calda de cimento (7/10/2009 a 13/10/2009); 5. Colocação de betão de limpeza para regularização da superfície, com o apoio da equipa de mergulho e tubos trémis (13/10/2009);

16 6. Colocação de três níveis de anéis de metro em betão armado, com 1,5m de diâmetro, com a respectiva armadura e betonagem submersa dos mesmos, com o apoio da equipa de mergulho e tubos trémis (14/10/2009 a 15/10/2009); 7. Injecção com calda de cimento do orifício em toda sua extensão através da micro-estaca e dos obturadores deixados conforma descrição efectuada no ponto 4 (16/10/2009 a 17/10/2009).

17 8. Rebaixamento do nível freático com recurso ás bombas submersíveis e colocação de uma retroescavadora na Plataforma de trabalho, repondo as condições de trabalho anteriores á ocorrência (21/10/2009 a 23/10/2009); 9. Conclusão dos trabalhos de escavação e de execução da laje de fundo tal como previsto;

18 10. Corte do maciço de betão, através de fio diamantado (11/02/2010 a 18/02/2010); 11. Betonagem da zona afectada no sentido de se concluir a laje de fundação (18/02/2010). Luanda, 8 de Abril de 2010

Soluções de Reforço de Fundações e Melhoramento de Solos em Edifícios Patrimoniais da Cidade de Aveiro

Soluções de Reforço de Fundações e Melhoramento de Solos em Edifícios Patrimoniais da Cidade de Aveiro Soluções de Reforço de Fundações e Melhoramento de Solos em Edifícios Patrimoniais da Cidade de Aveiro Edifício C. M. Aveiro Edifício da Antiga Capitania de Aveiro Teatro Aveirense Edifício na Av. Dr.

Leia mais

EDIFÍCIO EM LISBOA: CONTENÇÃO PERIFÉRICA, FUNDAÇÕES E TRATAMENTO DE SOLOS SOBRE O TÚNEL DO METROPOLITANO

EDIFÍCIO EM LISBOA: CONTENÇÃO PERIFÉRICA, FUNDAÇÕES E TRATAMENTO DE SOLOS SOBRE O TÚNEL DO METROPOLITANO EDIFÍCIO EM LISBOA: CONTENÇÃO PERIFÉRICA, FUNDAÇÕES E TRATAMENTO DE SOLOS SOBRE O TÚNEL DO METROPOLITANO BUILDING IN LISBON: PERIPHERAL WALLS, FOUNDATIONS AND SOIL IMPROVEMENT OVER THE METRO TUNNEL Pinto,

Leia mais

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL João F. Almeida Júlio Appleton Tiago Abecassis João N. Silva José N. Camara Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil JSJ, IST AP, IST TALPROJECTO AP JSJ,

Leia mais

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA Vitor C. França a, André A. Machado 2 b, Ângela S. Rodrigues 3 c e Hugo M. Sousa 4 d a Director de Projecto, TRIEDE S.A. b,c,d Chefe de

Leia mais

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho. ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.pt 1 Mestranda e Bolseira de investigação do Departamento

Leia mais

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Tipos de Fundações Técnicas de Reforço Técnicas de Execução de Caves Casos Práticos Considerações Finais Tipos de Fundações

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOCALIZAÇÃO DA OBRA Neste projecto é proposta a ligação entre o bloco de aulas da Faculdade de Engenharia do Porto (FEUP), e o novo edifício da Associação de Estudantes

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ESCORAMENTO DE LAJES 2 DESCRIÇÃO Os elementos horizontais são executados com recurso a cofragem apoiada em suportes verticais destinados a sustentá-la,

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA

CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA A Intervenção no Património. Práticas de Conservação e Reabilitação 173 CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA ESMERALDA PAUPÉRIO Engenheira IC-FEUP ANÍBAL COSTA Engenheiro Prof.

Leia mais

Fundação de uma grua com capacidade de carga de 2500t no cais 2 do estaleiro da Paenal em Porto Amboim, Angola

Fundação de uma grua com capacidade de carga de 2500t no cais 2 do estaleiro da Paenal em Porto Amboim, Angola Fundação de uma grua com capacidade de carga de 2500t no cais 2 do estaleiro da Paenal em Porto Amboim, Angola Hugo Leite, WW Consultores de Hidráulica e Obras Marítimas, S.A. Ricardo Guimarães, Conduril

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE Ribeira de Santa Natália Concelho de Celorico de Basto Acesso rodoviário Açude Canal e conduta forçada Câmara de carga Central hidroeléctrica O aproveitamento hidroeléctrico

Leia mais

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Fernando Pardo de Santayana Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Lisboa, Portugal RESUMO:

Leia mais

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas António F. M. Oliveira 1, Paulo B. Lourenço 2 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES A. Serra Neves NOTA TÉCNICA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES Por:

Leia mais

INTERVENÇÃO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA NA REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO TEATRO LETHES

INTERVENÇÃO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA NA REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO TEATRO LETHES Carlos A. P. Martins Área Departamental de Engenharia Civil EST/UAlg José Paulo Costa s.t.a.p. S.A. INTERVENÇÃO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA NA REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO TEATRO LETHES 1. Introdução

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 5 Remodelação de Edifícios Remodelação de Edifícios Património histórico ou arquitectónico; Novas necessidades funcionais;

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE VALAS OU TRINCHEIRAS 2 DESCRIÇÃO Nos trabalhos realizados em valas ocorrem com frequência acidentes graves e fatais devido principalmente

Leia mais

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO Manuel Baião ANIPB Seminário sobre Marcação CE das vigotas Coimbra, CTCV, 9 de Dezembro de 2010 ENSAIOS DE TIPO INICIAIS

Leia mais

Projetos de Fundação

Projetos de Fundação Projetos de Fundação PROF. LUIS FERNANDO P. SALES Engenheiro Civil - Mestre em Geotecnia CREA/SC 039.164-3 TERMINOLOGIA: SEMINÁRIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES AREA/IT 20 DE AGOSTO DE 2014 Fundação

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

Galeria inferior sob o Palácio

Galeria inferior sob o Palácio Recuperação do Palácio Sotto ayor em Lisboa Galeria inferior Galeria inferior sob o Palácio Zona escavada para a construção da galeria inferior 6 7 E 8 F N G 9 H I Escavação da galeria inferior sob o Palácio

Leia mais

Bentofix BFG 5000 Geocomposto de bentonite para impermeabilização de estruturas.

Bentofix BFG 5000 Geocomposto de bentonite para impermeabilização de estruturas. Bentofix BFG 5000 Geocomposto de bentonite para impermeabilização de estruturas. Descrição BENTOFIX BFG 5000 é um geocomposto bentonítico impermeabilizante de expansão controlada. O suporte inferior, formado

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR

O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR 1 INTERVIR NAS 1. 2. TÉCNICAS REFORÇO 3. DISPOSITIVOS LIGAÇÃO Ã NIKER 4. MECANISMO COLAPSO. COLAPSO MÉTODO - ESTUDO CASO ESTUDO CASO O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR 1. INTERVIR

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GRUAS TORRE 2 DESCRIÇÃO As gruas torre são máquinas utilizadas para elevação de cargas (por meio de um cabo), e transporte dentro de um raio

Leia mais

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são:

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Molde: dar forma ao concreto; Conter o concreto fresco e sustentá-lo até que atinja resistência mecânica necessária; Proporcionar

Leia mais

16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO 16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Neste grupo inclui-se, o fornecimento dos meios e dos equipamentos explicitamente incluídos no contrato, e necessários ao apoio logístico

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA

CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA Coimbra, Portugal, 2012 CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA Paula R. C. Lamego 1,2 *, Paulo B. Lourenço 2 1: GuITTS, Área Departamental de Engenharia Civil Instituto Superior de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SOIL COMPOSITE /CONCRETE SYSTEMS: CHARACTERIZATION OF THE GEOCOMPOSITE- SOIL INTERFACE Carlos, Karina Gonçalves, UM, Guimarães,

Leia mais

CONTENÇÕES PERIFÉRICAS COM RECURSO A CORTINA DE ESTACAS E JET-GROUTING UM CASO DE OBRA E APLICAÇÃO A SÃO PAULO

CONTENÇÕES PERIFÉRICAS COM RECURSO A CORTINA DE ESTACAS E JET-GROUTING UM CASO DE OBRA E APLICAÇÃO A SÃO PAULO CONTENÇÕES PERIFÉRICAS COM RECURSO A CORTINA DE ESTACAS E JET-GROUTING UM CASO DE OBRA E APLICAÇÃO A SÃO PAULO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. CONDICIONALISMOS GEOLÓGICO - GEOTÉCNICOS 3. SOLUÇÃO ADOTADA 4. DIMENSIONAMENTO

Leia mais

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Raquel Cristina Borges Lopes de Albuquerque Escola Politécnica, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP.

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP. Ficha de Produto Edição de janeiro de 2015 Nº de identificação: 07.201 Versão nº 3 Lâminas em PVC-p para selagem de juntas Descrição do produto Lâminas flexíveis em PVC-p, produzidas em perfis específicos

Leia mais

Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores

Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores Aníbal Costa Professor Associado da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Porto,

Leia mais

INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO

INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO António Costa Instituto Superior Técnico AVALIAÇÃO DO ESTADO DA ESTRUTURA Identificação das anomalias e caracterização da segurança e do estado de deterioração

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP

Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP Teixeira, A.H. Teixeira, A.A.H. A H Teixeira Consultoria e Projetos S/C Ltda Souza, G.J.T. Pitta, C.A. Zirlis, A.C. Dechen, M. Solotrat Engenharia Geotécnica

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções Spot Picker V 0.1 Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Lda Rua D. Luís de Noronha n.º 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel. (+351)

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas A. Jorge Sousa Mestrando IST Portugal a.jorge.sousa@clix.pt Jorge de Brito ICIST/IST Portugal jb@civil.ist.utl.pt Fernando Branco

Leia mais

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão Memorial Descritivo Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão GALPÃO EM AÇO ESTRUTURAL ATERRO SANITÁRIO MUNICIPAL DE CATALÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: RAFAEL FONSECA MACHADO CREA: 18702

Leia mais

Prevenção e Segurança na Construção Ferroviária: Execução de Passagens Superiores à Via Férrea em Exploração

Prevenção e Segurança na Construção Ferroviária: Execução de Passagens Superiores à Via Férrea em Exploração Prevenção e Segurança na Construção Ferroviária: Execução de Passagens Superiores à Via Férrea em Exploração Anabela Canelas: Coordenadora de SHST na WS Atkins, Portugal (ar-canelas@netcabo.pt) Mafalda

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO ESCORADAS EM SOLOS MOLES

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO ESCORADAS EM SOLOS MOLES PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO ESCORADAS EM SOLOS MOLES CÉSAR MANUEL FERREIRA DE SOUSA Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de MESTRE EM ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO

INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO INSTALAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL NO VIADUTO DO LOUREIRO Manuel Lorena 1 1 COBA, Consultores de Engenharia e Ambiente, Serviço de Vias de Comunicação, Núcleo Rodoviário Av. 5 de Outubro

Leia mais

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Rita BENTO e Mário LOPES IST, Lisboa, Março 2007 1. DESCRIÇÃO 2. MODELAÇÃO DE UM EDIFÍCIO

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

No âmbito do projecto para elaboração

No âmbito do projecto para elaboração >>Boletim do IGeoE N.º 72 Novembro 2010 Levantamento de dados de aeródromos, heliportos e rádio Introdução No âmbito do projecto para elaboração do Manual VFR (Visual Flight Rules), responsabilidade do

Leia mais

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO DE ACORDO COM O EC3-1-3 NUNO SILVESTRE DINAR CAMOTIM Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Instituto Superior Técnico RESUMO

Leia mais

FORMAÇÃO CURSO PRÁTICO DE TRICALC CABO VERDE 2014

FORMAÇÃO CURSO PRÁTICO DE TRICALC CABO VERDE 2014 FORMAÇÃO CURSO PRÁTICO DE TRICALC CABO VERDE 2014 SESSÃO 2 EDIFÍCIOS BETÃO ARMADO Arktec Apresentação Bem Vindos ao Curso Prático de Tricalc Cabo Verde 2014 Ao longo de 4 Sessões, a Arktec vai realizar

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CONSTRUÇÃO AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA AUTORIA: MANUEL J. C. MOLARES D ABRIL & TERESINHA BERNARDA GASPAR

Leia mais

RECUPERAÇÃO DO PALÁCIO SOTTO MAYOR ESCAVAÇÃO, CONTENÇÃO E RECALÇAMENTO. Recuperação do Palácio Sotto Mayor em Lisboa

RECUPERAÇÃO DO PALÁCIO SOTTO MAYOR ESCAVAÇÃO, CONTENÇÃO E RECALÇAMENTO. Recuperação do Palácio Sotto Mayor em Lisboa RECUPERAÇÃO DO PALÁCIO SOTTO MAYOR ESCAVAÇÃO, CONTENÇÃO E RECALÇAMENTO ÍNDICE Introdução Principais Condicionamentos Soluções Adoptadas Plano de Instrumentação e Observação Considerações Finais Palácio

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Figura 1 Modelo de cálculo.

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Figura 1 Modelo de cálculo. MEMÓRIA DE CÁLCULO Análise e dimensionamento O estudo do comportamento global da estrutura consistiu numa análise não linear efectuada com o programa Robot Millenium v.17. Nesta análise, a estrutura de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O cimento é um dos materiais de construção mais utilizados em obras civis. Com relação a esse aglomerante, julgue os itens a seguir. 61 No recebimento em uma obra, os sacos devem

Leia mais

16.04 - OBRAS ACESSÓRIAS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

16.04 - OBRAS ACESSÓRIAS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO 16.04 - OBRAS ACESSÓRIAS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Neste grupo incluem-se os trabalhos que embora não fazendo parte do conjunto tradicionalmente considerado como trabalhos rodoviários,

Leia mais

Poços de Grande Diâmetro. Carlos Augusto Campanhã CJC Engenharia / Figueiredo Ferraz

Poços de Grande Diâmetro. Carlos Augusto Campanhã CJC Engenharia / Figueiredo Ferraz Poços de Grande Diâmetro Carlos Augusto Campanhã CJC Engenharia / Figueiredo Ferraz Poços de Grande Diâmetro Poços executados essencialmente com: Tela metálica Concreto projetado Diâmetro de escavação

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA?

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? INDICE - Enquadramento legislativo PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? - Princípios Gerais da Prevenção - Orientações da directiva estaleiros - O custo dos acidentes - Análise de riscos das

Leia mais

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO DE FRONTAIS POMBALINOS SOB ACÇÃO DE CARGAS HORIZONTAIS

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO DE FRONTAIS POMBALINOS SOB ACÇÃO DE CARGAS HORIZONTAIS Revista da Associação Portuguesa de Análise Experimental de Tensões ISSN 1646-7078 AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO DE FRONTAIS POMBALINOS SOB ACÇÃO DE CARGAS HORIZONTAIS Maria João Teixeira 1,

Leia mais

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17 DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 207 17. DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17.1 INTRODUÇÃO Para que os investidores, operadores e ocupantes possam usufruir dos edifícios

Leia mais

Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos

Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Boletim Lisboa Urbanismo - Ano 1999 Boletim nº 3 Fernando Domingues* Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos A acção e, cumulativamente, a falta de acção do Homem tem conduzido e agravado

Leia mais

Listagem de Erros e Omissões

Listagem de Erros e Omissões Listagem de Erros e Omissões - No ponto 13 do caderno de encargos - Critérios de adjudicação, factor preço, uma fórmula matemática, em que uma das parcelas, nomeadamente a PREm - o menor preço proposto,

Leia mais

Acórdão nº205 /05-6.Dez-1ªS/SS

Acórdão nº205 /05-6.Dez-1ªS/SS Acórdão nº205 /05-6.Dez-1ªS/SS Proc. nº 2 496/05 1. A Câmara Municipal de Lisboa remeteu para fiscalização prévia deste Tribunal o Adicional ao contrato da empreitada de Recuperação e Reabilitação da Fonte

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE CABOUCOS PARA MACIÇOS DE FUNDAÇÃO 2 DESCRIÇÃO A construção dos maciços de fundação para os pórticos e torres metálicas das linhas

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Válido até 05/05/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Freguesia CARAPINHEIRA Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.206620, -8.649000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

SISTEMAS DE TERÇAS PARA COBERTURAS E FECHAMENTOS A MBP oferece ao mercado um sistema de alto desempenho composto de Terças Metálicas nos Perfis Z e U Enrijecidos, para uso em coberturas e fechamentos laterais

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE 1 - Introdução A construção de vias públicas com o objectivo primordial de maximizar o escoamento de grandes volumes de tráfego e o conforto dos ocupantes dos veículos, aliada aos progressos da industria

Leia mais

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação Os problemas da utilização de métodos de simulação de cargas térmicas e consumo energético na auditoria energética para verificação dos Requisitos Energéticos dos edifícios por Luís Roriz e Alexandre Gonçalves

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Válido até 14/04/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Freguesia MONTIJO E AFONSOEIRO Concelho MONTIJO GPS 38.710800, -8.986600 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

16.08 - Obras de Arte

16.08 - Obras de Arte 16.08 - Obras de Arte Especiais DICIONÁRIO DE RUBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO 16.08 DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO O presente capítulo integra as denominadas OBRAS de ARTE ESPECIAIS considerando-se,

Leia mais

Tubulão TIPOS/MODELOS. De acordo com o método de escavação os tubulões se classificam em: a céu aberto e ar comprimido.

Tubulão TIPOS/MODELOS. De acordo com o método de escavação os tubulões se classificam em: a céu aberto e ar comprimido. Tubulão CONCEITO São fundações de forma cilíndrica com base alargada ou não, que resistem por compressão a cargas elevadas. São compostos por três partes: cabeça, fuste e base. A cabeça é executada em

Leia mais

Pré-esforço em lajes de edifícios

Pré-esforço em lajes de edifícios Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Pré-esforço em lajes de edifícios Paulo Oliveira 1 João Vinagre 2 Bernardo Lôbo 3 RESUMO O principal objetivo do presente trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Compactável (BAC) Miguel Oliveira / Elson Almeida. Faro, 2007

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Compactável (BAC) Miguel Oliveira / Elson Almeida. Faro, 2007 UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Betão Auto-Compact Compactável (BAC) Miguel Oliveira / Elson Almeida Faro, 2007 Conceito de Betão Auto-Compact Compactável O seu conceito deve-se ás

Leia mais

Estudo Acústico Plano de Pormenor do Parque Mayer Situação de Referência Mapa de Conflitos do Ruído Global Período Nocturno (Ln)

Estudo Acústico Plano de Pormenor do Parque Mayer Situação de Referência Mapa de Conflitos do Ruído Global Período Nocturno (Ln) Valores acima do limite - 53 db(a) Valor regulamentar 0-5 db(a) 5-10 db(a) > 10 db(a) Situação de Referência Mapa de Conflitos do Ruído Global Período Nocturno (Ln) DESENHO N.º 04 DATA Maio 2010 Lden db(a)

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO SÍSMICA 2010 8º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO CARLOS SOUSA OLIVEIRA Prof. Catedrático ICIST/IST Lisboa-Portugal MÓNICA AMARAL

Leia mais

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Diogo Mateus (dm@contraruido.com) Conteúdo da apresentação: Enquadramento e objectivos do trabalho Problemas típicos na execução de soluções construtivas

Leia mais

DRENAGEM DE ESCAVAÇÕES

DRENAGEM DE ESCAVAÇÕES DRENAGEM DE Autor: Eng.ª Rita Miranda Coordenação: Prof. F. A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Prof. Pedro Vaz Paulo e Prof. João Pedro Correia 1/59 ÍNDICE DECivil 1. INTRODUÇÃO 2. CLASSIFICAÇÃO DAS TÉCNICAS

Leia mais

de limpeza frontal com corrente

de limpeza frontal com corrente GRELHA MECÂNICA DE BARRAS de limpeza frontal com corrente tipo GV ou GSV Aplicações As águas de descarga civis podem conter vários lixos. Tudo o que puder ser deitado no esgoto, e mesmo o que não se puder,

Leia mais

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA 1. ÂMBITO DA NOTA TÉCNICA A presente nota técnica diz respeito aos princípios gerais orientadores

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

www.eurotec-eu.com RESIFIX ANCORAGENS QUÍMICAS

www.eurotec-eu.com RESIFIX ANCORAGENS QUÍMICAS RESIFIX ANCORAGENS QUÍMICAS 2 01 EUROTEC Índice 04 RESIFIX 06 RESIFIX SPIN-IN 08 RESIFIX HAMMER-IN 10 RESIFIX CAR-IN 01 RESIFIX 02 RESIFIX Spin-In 03 RESIFIX Car-In 02 03 3 4 01 RESIFIX DESCRIÇÃO Ancoragens

Leia mais

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR António Costa REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR Aplicação Alteração do sistema estrutural Aumento da capacidade resistente Correcção do comportamento em serviço Exemplos

Leia mais

demonstração de metodologias para o tratamento e reintegração de revestimentos parietais antigos

demonstração de metodologias para o tratamento e reintegração de revestimentos parietais antigos técnicas tradicionais de revestimento da teoria às práticas de conservação 19 a 21 Setembro 2007 CENFIC Câmara Municipal de Beja técnicas tradicionais de revestimento da teoria às práticas de conservação

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Válido até 08/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Freguesia SESIMBRA (SANTIAGO) Concelho SESIMBRA GPS 38.444432, -9.105156 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo.

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo. N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO Estudo Comparativo Mafalda Ramalho EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. CARLOS GUERRA AUTO-ESTRADAS DO ATLANTICO, S.A.. FERNANDO PALMA RUIVO DIRECTOR TÉCNICO, CERTIPROJECTO, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA

Leia mais

O Interface de Transportes

O Interface de Transportes O Interface de Transportes Tipologias de funcionamento e morfologia espacial - aplicação ao projecto Resumo Alargado Inês Isabel do Nascimento Piedade Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura

Leia mais

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 APRESENTAÇÃO A POLICONSULT Associação Politécnica de Consultoria apresenta o

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

Estruturas Pré-fabricadas em Betão

Estruturas Pré-fabricadas em Betão Filipe Saraiva Fevereiro 2012 Introdução A pré-fabricação de edifícios surge na Europa, após a II Guerra Mundial, como forma de resposta rápida à falta de habitação nos países mais destruídos. O desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS.

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS Documento Justificativo Fevereiro de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel:

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais