Universidade Gama Filho. Dione Mary de Cerqueira Barbosa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Gama Filho. Dione Mary de Cerqueira Barbosa"

Transcrição

1 Universidade Gama Filho Dione Mary de Cerqueira Barbosa REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A ATUAÇÃO DO TCU Brasília DF 2009

2 Dione Mary de Cerqueira Barbosa REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A ATUAÇÃO DO TCU Trabalho de monografia, como quesito necessário à obtenção do título de especialista em Gestão da Educação Corporativa. Orientadora: Ms. Emmily Flügel Mathias Brasília DF 2009

3 Autor: Dione Mary de Cerqueira Barbosa Rede de Controle da Gestão Pública: Contribuições para a atuação do TCU Este trabalho de monografia, quesito para obtenção do título de especialista na Universidade Gama Filho, será apreciado por uma Banca Examinadora constituída pelos professores: Ms. Emmily Flügel Mathias - Orientadora Ms. Rafael Lacerda Ms. Vinicius Pinto Corrêa Brasília, dezembro de 2009.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço aos colegas e professores do curso de Especialização em Gestão da Educação Corporativa pela oportunidade de aprendizado mútuo. Agradeço ao Instituto Serzedello Corrêa do Tribunal de Contas da União pela oportunidade de realizar este estudo. Agradeço aos meus pais por plantarem no coração de cada filha o valor da educação como caminho para a libertação, felicidade e realização pessoal. Agradeço finalmente, ao meu companheiro de desafios e de caminhada e aos meus filhos por me apoiarem sempre no meu desenvolvimento profissional.

5 RESUMO O objetivo da presente pesquisa foi o de identificar aspectos que devem ser observados pelo Tribunal de Contas da União - TCU na implementação das ações da Rede de Controle da Gestão Pública, com o objetivo de potencializar e aperfeiçoar as ações de controle da Administração Pública. Para identificar os aspectos a serem observados pelo TCU na implantação da Rede de Controle, utilizou-se revisão bibliográfica sobre o tema redes, de onde se extraiu importantes conceitos e características desse fenômeno. A revisão de literatura foi organizada em um marco de referência para implantação de redes, que serviu de parâmetro para análise das práticas adotadas pelo TCU. Os resultados do presente estudo assinalam ambiente propício para implantação da Rede de Controle, bem como a necessidade de se adotar princípios e práticas de gestão que venham a dar sustentabilidade a essa importante iniciativa. De modo geral, os resultados trazem informações que podem auxiliar o TCU a planejar futuras estratégias para a Rede de Controle, como também, auxiliar o Instituto Serzedello Corrêa, unidade promotora das oficinas de trabalho da rede de controle no âmbito do Programa Educacional Diálogo Público, a propor práticas de gestão adequadas ao funcionamento desta iniciativa. Palavras-Chave: Redes, Rede de Controle da Gestão Pública e Redes de Políticas Públicas.

6 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Conceitos de redes Quadro 2 Classificação de vínculos Quadro 3 - Analogia entre sistemas biológicos e redes de trabalho Quadro 4 - Trabalhos da Rede de Controle da Gestão Pública Quadro 5 Quadro resumo das atividades da Rede de Controle Quadro 6 Programação de eventos da Rede de Controle na esfera estadual... 52

7 LISTA DE ABREVIAÇÕES ABRACOM - Associação Brasileira dos Tribunais de Contas dos Municípios AGU - Advocacia Geral da União AMPCON - Associação Nacional do Ministério Público de Contas ASDI - Agência Sueca de Cooperação Internacional ATRICON - Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil BACEN - Banco Central do Brasil CD - Câmara dos Deputados CFJ - Conselho da Justiça Federal CGU - Controladoria-Geral da União CNJ - Conselho Nacional de Justiça DPF - Departamento da Polícia Federal FOCCO - Fórum Permanente de Combate à Corrupção IBRAOP - Instituto Brasileiro de Obras Públicas ISC - Instituto Serzedello Correa ISO - International Organization for Standardization KTH - Escola Superior de Tecnologia da Suécia MARCCO - Movimento Articulado de Combate à Corrupção MF - Ministério da Fazenda MIT - Massachusetts Institute of Technology MJ - Ministério da Justiça MPF - Ministério Público Federal MPOG - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão MPS - Ministério da Previdência Social ONG Organização não governamental PIFFS - Programa de Integração e Formação para Futuros Servidores PPP - Public-Private Partnership RCP - Rede de Controle da Gestão Pública SF - Senado Federal TCE Tribunal de Contas do Estado TCU Tribunal de Contas da União TSE - Tribunal Superior Eleitoral WEB - World Wide Web

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativa Problema da pesquisa FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Redes Estudos iniciais Abordagens conceituais e características Estruturas planejadas e estruturas emergentes Aplicação do conceito de redes em organizações públicas Exemplos de Redes Delineamento do conceito e perspectivas de redes para o trabalho de pesquisa O Tribunal de Contas da União e a implantação da rede de controle Levantamento de Expectativas Oficinas de Trabalho METODOLOGIA APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS CONCLUSÃO E CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 67

9 1 INTRODUÇÃO O ambiente da administração pública se caracteriza por recursos escassos e problemas complexos, múltiplos atores públicos e privados, locais e centrais envolvidos no planejamento e execução de políticas públicas, e crescente demanda por participação cidadã. As instituições que exercem o controle dos gastos públicos necessitam encontrar novas formas de atuação para este ambiente complexo onde se materializam as políticas e programas públicos. Um arranjo interorganizacional que se adéqua ao tipo de ambiente acima referido é a organização em redes. Segundo Castells: Redes são estruturas abertas capazes de expandir de forma ilimitada, integrando novos nós desde que consigam comunicar-se dentro da rede, ou seja, desde que compartilhem os mesmos códigos de comunicação, valores e objetivos. Uma estrutura social com base em redes é um sistema aberto altamente dinâmico, suscetível de inovação, sem ameaças para seu equilíbrio. (CASTELLS, 1999, apud DEBONI, 2003, p.1) As redes podem ser entendidas também, com uma organização social estruturada em relações horizontalizadas e com ambiente animado por trocas internas e externas, permeado por iniciativas, criatividade, experimentações, colaboração e cooperação. A flexibilidade adquirida pela comunicação distribuída facilita, a cada mudança, os ajustes em busca da harmonia e dos melhores resultados a partir das interações dos elementos que compõem a rede. Nos estudos do campo das políticas públicas, parte-se do pressuposto de que a ação estatal é fruto da interação de diferentes atores e interesses que moldam a política pública final oferecida ao público. Segundo Powell, as formas de organização em redes são caracterizadas por padrões recíprocos de comunicação e trocas. Conforme Kenis e Schneider: Redes de políticas públicas são novas formas de governança política que refletem uma relação modificada entre Estado e sociedade [...] Redes de políticas públicas são mecanismos de mobilização de recursos políticos em situações em que a capacidade de tomada de decisão, de formulação e implementação de programas é amplamente distribuída ou dispersa entre atores públicos e privados. (KENIS; SCHNEIDER, 1991, p. 40). Entender os conceitos e características de redes, bem como as possibilidades de implementação desse arranjo interorganizacional pelo Tribunal de Contas da União - TCU 8

10 que definiu uma estratégia de implementação de uma Rede de Controle Público da Gestão Pública é o que motivou este estudo. Pretende-se identificar aspectos que devem ser observados pelo TCU na implementação da Rede de Controle a partir da literatura sobre o tema. 1.1 Objetivos Objetivo Geral Identificar aspectos que devem ser observados pelo Tribunal de Contas da União na implementação das ações da Rede de Controle da Gestão Pública, com o objetivo de potencializar e aperfeiçoar as ações de controle da Administração Pública Objetivos Específicos Desenvolver um referencial teórico com os diversos conceitos e características de redes, a partir de estudos da sociologia, psicologia, administração e ciência política, que sirvam de parâmetro aos órgãos de controle público para atuação em rede. Descrever o histórico de ações de implementação da Rede de Controle da Gestão Pública, no TCU. Apresentar sugestões que podem ser usadas para a tomadas de decisão na implementação da Rede de Controle da Gestão Pública com vistas a sua efetividade Justificativa No contexto de descentralização e de nova forma de organização das políticas públicas, mais amplas que o Estado, onde este é o articulador e integra um conjunto híbrido de fluxos, redes e organizações em que se combinam e interpenetram elementos estatais e não estatais, nacionais, locais e globais, novas formas de atuação que propiciem efetividade na atuação devem ser buscadas também, pelas Instituições responsáveis pelo Controle Público no Brasil. No art. 70 da Carta de 1988, foi instituído um sistema de fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional, e patrimonial da União a ser exercido pelo Congresso 9

11 Nacional, mediante o controle externo, e pelo sistema de controle interno de cada poder. A Casa Legislativa conta com o Tribunal de Contas da União, órgão de auxílio ao Congresso no controle externo dos recursos públicos. Por sua vez, o Tribunal de Contas da União, em 2008, realizou amplo diagnóstico interno institucional, junto a seus próprios servidores, denominado Projeto Áquila, de processos, estratégias e pessoas. Este diagnóstico identificou uma ruptura definida como compreensão parcial ou inadequada dos papéis das instituições que integram o sistema de controle. As principais causas relacionadas pelos diversos participantes deste diagnóstico foram: inexistência de uma rede de controle com atuação efetiva; disputas de poder/prestígio entre as instituições que integram o sistema de controle; pouca integração do TCU com outros órgãos que exercem o controle, como Ministério Público Federal, Polícia Federal, Controladoria Geral da União ou Tribunais de Contas nos Estados. Além disso, verificou-se que as ações de controle externo exercidas pelo TCU são descasadas de ações similares exercidas por outros órgãos, de tal forma que é possível o TCU realizar uma fiscalização sobre a mesma matéria investigada por outro ente de controle, sem coordenação ou troca de informações. Apesar da existência de acordos e convênios com algumas entidades, esses mecanismos não funcionam a contento, ou simplesmente não funcionam. Existe duplicação de esforços, desperdício de recursos e falta de efetividade. Dentre as propostas apresentadas por esse projeto consta a criação de um Fórum de Discussão e, posteriormente, de uma Rede integrando os principais órgãos relacionados ao controle, com o objetivo de potencializar e aperfeiçoar as ações de controle da Administração Pública. A atual gestão do TCU, no ano de 2009, atribuiu à sua Unidade de Educação Corporativa, o Instituto Serzedello Corrêa, a meta de implementar a Rede de Controle da Gestão Pública, como instrumento de integração e cooperação entre as instituições responsáveis pelo Controle Público. Neste sentido, o Instituto Serzedello Corrêa, como unidade responsável pela coordenação da Rede de Controle da Gestão Pública (RCP), iniciou uma série de ações de implementação da Rede, inseridas no escopo do Programa Educacional Diálogo Público, que tem por objetivos: aprimorar relacionamento com outros órgãos públicos, propiciando maior intercâmbio de informações, procedimentos e técnicas; promover a integração e o 10

12 intercâmbio de conhecimento em assuntos de interesse do controle externo; estimular o controle social; informar sobre as competências, estratégias, diretrizes, serviços e produtos do TCU. A opção pelo desenvolvimento do presente estudo se insere neste contexto, na medida em que, por meio dele, será possível apresentar uma contribuição ao processo de tomada de decisões para a institucionalização da rede de controle. Desta forma, pretende-se identificar aspectos que devem ser observados pelo Tribunal de Contas da União na implementação das ações da Rede de Controle da Gestão Pública, com o objetivo de potencializar e aperfeiçoar as ações de controle da Administração Pública. 1.2 Problema da pesquisa Pretende-se responder a questão: Que aspectos devem ser observados pelo Tribunal de Contas da União na implementação das ações da Rede de Controle da Gestão Pública? 11

13 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Redes Estudos iniciais Ao abordar o histórico do fenômeno Redes, Fleury e Ouverney (2007), dispõe que o conceito de redes nas ciências sociais, data de 1930, quando foram realizados estudos, baseados na técnica de sociometria, que se fundamentaram na noção da existência de estrutura relacional multicêntrica subjacente a organização social. Fundamentado teoricamente nos estudos da psicologia social, Jacob Moreno em 1934, buscava descrever e analisar a estrutura interpessoal presente no comportamento de pequenos grupos. Por meio de um sistema de composição gráfica, cada indivíduo é um ponto numa escala bidimensional que delineia a estrutura de relações do grupo. Essa técnica evoluiu conceitualmente e incorporou instrumentos matemáticos e estatísticos, sendo adotada em estudos antropológicos, políticos e organizacionais. Em estudos sociológicos de 1960, na Universidade de Harvard, foram modeladas matrizes de papéis sociais para mapear padrões de homogeneidade das relações sociais em grupos, compará-los, e definir características da estrutura social. Antropólogos de Manchester, nas décadas de 1950 e 1960, diferentemente da perspectiva sociométrica, enfatizaram a importância de padrões estruturais quanto a presença do contexto cultural no qual essas estruturas se inserem. Para eles, o tecido social é um conjunto de papéis (ou redes) que formam e definem identidades em processos interativos com os respectivos contextos socioculturais. Já no campo das ciências políticas, nos EUA, nessa mesma época, foram desenvolvidos estudos sobre a natureza das relações entre grupos de interesses e a burocracia estatal tendo como tema central a autonomia do estado. Borzel (1998) observou padrões regulares de intercâmbio entre grupos de interesse políticos e burocratas que suscitou críticas tanto ao pluralismo quanto ao corporativismo como modelos de intermediação de interesses entre estado e sociedade, entendendo-se pluralismo e corporativismo como modelos de grupos de intermediação de interesses entre estado e sociedade. Esses modelos podem tornar-se dominantes e impedir a presença de outros grupos. Na visão de Borzel (1998:256) a abordagem de redes é uma alternativa ao pluralismo e corporativismo, já que a dicotomia entre os dois impede a compreensão de que se tratava de coisas distintas. Dessa forma, a 12

14 concepção americana de redes, assim como na literatura britânica, é a de que são padrões de intercâmbio de recursos entre atores públicos e privados por meio de relações de interdependência. Também na ciência política, por meio de estudos desenvolvidos na década de 1990, na literatura alemã e holandesa, define-se rede em sentido amplo, associando-a a forma de governança alternativa, seja em relação à organização burocrática, seja em relação aquela proporcionada pelo mercado. Ainda no contexto de Redes de Políticas, O toole (1997) destacou a necessidade de organizar agendas de conteúdo conceitual, descritivo e teórico, sobre o fenômeno das redes no ambiente da administração pública. Marsh (1997a) e outros levantaram importantes questões sobre diferenças conceituais nos estudos de redes de políticas públicas, esses autores apontaram sete pontos principais para a evolução dos estudos de redes de políticas: conceito de rede é uma ferramenta útil para a compreensão do desenvolvimento de políticas públicas? As ações de uma rede de políticas afetam os resultados da política? Como mudam as redes de políticas? Qual a importância, dentro das redes das relações interpessoais, em comparação com as estruturais? Podem certos grupos dominar as redes? Que métodos são apropriados para estudar as redes? Que evidências existem de que as redes são uma nova forma de governança? A busca de respostas a essas indagações ainda se faz presente. Observa-se, a partir do final da década de 1990, que esse fenômeno de Redes, perpassa vários ramos das ciências demonstrando multidisciplinaridade dos estudos de redes em administração pública Abordagens conceituais e características Para Fleury e Ouverney (2007), como a maioria dos trabalhos sobre redes em administração pública parte de um conceito implícito sobre um fenômeno, ou seja, alguns autores raramente mencionam qual definição de redes estão empregando em seus estudos, o ponto comum é a idéia de redes como estruturas policêntricas. Essa composição estrutural emprega a idéia de dois elementos básicos que se replicam: os nós ou nódulos e os vínculos. 13

15 Os nós são os diferentes pontos ou grupos que formam a teia e se interligam numa rede e os vínculos são os interesses, ações ou metas comuns. Para O toole (1997) as redes são estruturas de interdependência envolvendo múltiplas organizações ou partes delas. As redes exigem certa estabilidade estrutural, mas se estendem além dos vínculos formalmente estabelecidos e das ligações legítimas de política pública. A noção de redes exclui meras hierarquias formais e mercados perfeitos, mas inclui um amplo conjunto de estruturas. O vínculo institucional que sustenta as relações em rede pode incluir cadeias de autoridade, relações de troca e coalizões baseadas em interesses comuns, todas fazendo parte de uma estrutura policêntrica singular. Borzel, (1998:254), que trás elementos comuns de diversas outras definições, relata que todos os conceitos partilham um entendimento comum, um mínimo denominador comum de definição de rede de políticas como um conjunto de relações estáveis, de natureza nãohierárquica e interdependente, vinculando uma série de atores com um interesse comum em relação a uma política e que intercambiam recursos para concretizar esses interesses, reconhecendo que a cooperação é a melhor forma de atingir objetivos. Fleury e Ouverney (2007) descrevem, com base em análise da literatura internacional, quatro abordagens que auxiliam no entendimento do fenômeno de redes e que se associam às dimensões de reconstrução do Estado, estudados na década de Essas abordagens envolvem aspectos tanto internos como externos, relacionando o processo de gestão do estado com a dinâmica de suas relações externas: 1. Estruturas interorganizacionais em arranjos de provisão de bens e serviços: arranjos interorganizacionais articulados que visam ordenar as bases de recursos e fornecer racionalidade sistêmica é um dos aspectos fundamentais das redes. 2. Modelo de concepção e coordenação do ciclo de políticas públicas: nessa abordagem o conceito de redes é entendido como sistemas de centros decisórios subjacentes às políticas públicas, dentro e fora do estado. Essa concepção é comum na literatura européia que evidencia a natureza do contexto decisório da União Européia, onde instâncias supranacionais se sobrepõem a um conjunto heterogêneo de organização nacional. A composição das instâncias decisórias da União Européia inclui oito instituições principais, O Parlamento Europeu, Comissão Européia, Conselho da 14

16 União Européia, três órgãos financeiros, dois órgãos consultivos e 22 agências descentralizadas. 3. Formas de intermediação de interesse entre Estado e sociedade civil: é a perspectiva mais amplamente difundida, principalmente na literatura britânica. É um conceito alternativo aos modelos corporativos e pluralistas de intermediação entre os grupos de interesse atuantes na sociedade civil e o Estado. Enquanto modelos corporativos organizam grupos de interesse de forma hierarquizada e monopolizada, a organização em rede possibilita a representação política competitiva e horizontalizada. No que se refere a modelos pluralistas supõem baixo nível de agregação dos grupos, a organização em rede se efetua por meios de convergência de interesses e intercâmbio de recursos entre grupos setoriais. 4. Modelo de governança democrática: essa perspectiva de conceituação está presente na literatura de administração pública e associa a noção de redes a relações específicas entre atores dentro e fora do Estado através da mobilização de recursos necessários ao exercício da governança democrática. Esse exercício da governança requer relações de interdependência e intercâmbio de recursos com base em uma visão de complementaridade de interesse e confiança. Explorando um pouco mais os aspectos conceituais, as redes de políticas são arranjos interorganizacionais para a formulação e execução de políticas públicas, dada a estratégia de descentralização de recursos e de competências na sua execução. Assim, múltiplos atores são envolvidos nos processos de formulação, implementação, controle e avaliação de políticas. A diversidade de contextos institucionais cria uma dependência, visto que o controle dos recursos e do processo não é de propriedade de um só ator. Neste ambiente, diversas questões aparecem, tais como: Como combinar planejamento e coordenação com autonomia dos participantes da rede? Que estruturas e processos decisórios são originados neste contexto? Quais competências são necessárias do gestor de uma rede? Como gerar megaobjetivos e consensos? 15

17 Fleury Ouverney (2007) registra que o contexto que favorece a formação de redes é aquele onde se têm que administrar políticas e projetos onde recursos são escassos e os problemas, complexos; onde existem múltiplos atores envolvidos; há interação de agentes públicos e privados, locais e centrais, demanda por participação cidadã. Relacionando os diferentes conceitos de redes trazidos pela autora, elaborou-se a o Quadro 1 a seguir: Conceitos de Redes Psicologia Social Sociologia Administração Universo relacional do indivíduo, conjunto de relações e estruturas de apoio socioafetivo de cada um. Como características estruturais têm-se: tamanho, densidade, composição, dispersão, homogeneidade/heterogeneidade, funções exercidas. Redes são novas formas de organização social, do Estado ou sociedade, intensivas em tecnologia da informação e baseadas na cooperação entre unidades dotadas de autonomia. Combinação de pessoas, tecnologias e conhecimento que substitui a corporação hierarquizada do modelo fordista, baseado em trabalho, capital e gerenciamento. Ciência Política Forma de governança alternativa, seja em relação a organização burocrática, seja em relação aquela proporcionada pelo mercado. Quadro 1 - Conceitos de redes Fonte: Elaborada pela autora Na visão da psicologia social, assumida por Rovere (1998:30), as pessoas constituem as redes, pois são estas que são capazes de se conectar e criar vínculos, o que não ocorre com instituições e cargos. Um esquema ascendente para classificação de vínculos elaborada pelo autor permite monitorar os graus de profundidade de uma rede: Nível Ações Valor 5. Associar-se Compartilhar objetivos e projetos Confiança 4. Cooperar Compartilhar atividades e recursos Solidariedade 3. Colaborar Prestar ajuda esporádica Reciprocidade 2. Conhecer Conhecimento do que o outro faz Interesse 1. Reconhecer Reconhecer que o outro existe Aceitação Quadro 2 Classificação de vínculos Fonte: Rovere (1998, p. 30) A gestão das redes, por sua vez, impõe desafios relacionados a diferentes processos, tais como, negociação e geração de consensos, estabelecimento de regras de atuação, 16

18 distribuição de recursos de interação, construção de mecanismos decisórios coletivos, estabelecimento de prioridades e acompanhamento. Segundo, Amaral (2009), a compreensão dos fenômenos das organizações em rede resulta da afluência de uma série de estudos e da ação inovadora de pesquisadores em diversos campos das ciências físicas e naturais, da cibernética, da informática e das ciências sociais. A identificação do padrão rede como um elemento comum e constituinte dos sistemas vivos e a abordagem sistêmica de diversos campos do conhecimento, favorecem essa compreensão. Fritjof Capra oferece uma visão detalhada e panorâmica das contribuições para o novo paradigma das organizações em rede, em seus livros, Teia da Vida e Conexões Ocultas. No campo da sociologia e da análise das redes sociais, nos últimos 30 anos, alguns estudiosos vêm se dedicando à tarefa de pensar os coletivos, as redes sociais e sua dinâmica própria, sendo os mais citados M. Granovetter, M. Olson, B. Wellman, M.Authier, K. Arrow, E. Rogers, T. Valente e Stanley Milgram. Em relação à inteligência coletiva: Norbert Wiener, Steve Johnson, Pierre Levy. No Brasil, podemos destacar Rogério Costa, Augusto de Franco, Eugênio Trivinho, Ana Maria Nicolaci-da-Costa (AMARAL, 2009) Explorando um pouco Fritjof Capra, em palestra realizada no Distrito de Mill Valley, Estados Unidos, em 1997, explica que: Na medida em que o conceito de trabalhos em rede tornou-se mais e mais proeminente na Ecologia, pensadores de sistemas começaram a usar modelos de trabalho de rede em todos os níveis de sistemas, vendo organismos como redes de trabalho de órgãos e células, assim como ecossistemas são entendidos como redes de trabalho de organismos individuais. Isto levou à explicação chave de que rede de trabalho é um padrão que é comum a tudo que é vivo. Onde quer que haja vida, vemos redes de trabalho. (CAPRA,1997, apud, AMARAL, 2009, p.3) Já o sociólogo alemão, Niklas Luhmann (apud AMARAL, 2009) descreve a comunidade humana como uma rede de trabalho de diálogos. Comparando os dois sistemas de rede, o biológico e o cultural, uma diferença essencial, relacionada à natureza dos objetivos, entre os dois sistemas de rede, é que os fluxos e ciclos das redes sociais estão permeados e são canais de circulação de informação, conhecimento e valores (sistemas simbólicos), enquanto que nos sistemas vivos os fluxos são e energia e matéria. No quadro 3, Amaral (2009) realiza a analogia entre os dois sistemas, tendo como eixo comum as características do padrão rede. 17

19 Sistemas Vivos Princípios comuns Redes operativas Foco nas relações Morfologia em padrão rede Foco nas relações, capacidade de realizar conexões, compartilhamento, foco nos processos, tensão entre estruturas verticais e processos horizontais. Dependência mútua Interdependência Dependência mútua, ações articuladas, objetivos e estratégias de ação compartilhadas, acordos de convivência, relações laterais, produção coletiva. Reciclagem permanente de energia e materiais Estabilidade e mudança, ordem e liberdade, tradição e inovação Parceria e evolução conjunta Organização articulada em múltiplos níveis Natureza cíclica dos processos Flexibilidade e diversidade Cooperação e coevolução Complexidade Quadro 3 - Analogia entre sistemas biológicos e redes de trabalho Fonte: Amaral (2009, p.3) Reprodução permanente do padrão de organização: acordos de convivência, regras de adesão, sistemas de coordenação, construção de identidade e imaginário coletivos. Sistemas simbólicos diversos, fluxos de informação, comunicação todos - todos, presencial & virtual, articulação de diferentes, laços fortes e laços fracos, emergências. Inteligência coletiva, comunidades de aprendizagem e de prática, competição e cooperação, parcerias, produção coletiva. Diferentes articulados em relações de compartilhamento, cooperação e competição em múltiplos níveis, dinâmica de opostos complementares. A morfologia da rede facilita e potencializa a horizontalidade, mas não a cria. Ela é fruto das relações entre as pessoas. Assim existem diversos desenhos de redes operativas, adequados aos objetivos que as inspiraram e moldados pela cultura e prática política de seus membros. Como características das redes operativas têm-se:. Objetivos compartilhados, construídos coletivamente. Múltiplos níveis de organização e ação. Dinamismo e intencionalidade dos envolvidos. Coexistência de diferentes. Produção, reedição e circulação de informação. Fortalecimento dos participantes. Desconcentração do poder. 18

20 Estímulo e sustentação de múltiplas iniciativas. Tensão entre estruturas verticais & processos horizontais. Tensão entre comportamentos de competição & cooperação. Compartilhamento de experiência, afetos, informação e conhecimento. Composição multi-setorial. Formação permanente. Ambiente fértil para parcerias, oportunidade para relações multilaterais. Evolução coletiva & individual para a complexidade. Configuração dinâmica e mutante Estruturas planejadas e estruturas emergentes Um aspecto importante para o entendimento das dinâmicas de redes e de sua gestão, para o qual Capra (1997, apud AMARAL, 2009) chama atenção, é o da existência das estruturas emergentes (espontâneas) e das estruturas planejadas. O autor explica que no processo da evolução, todas as criaturas vivas do planeta evoluíram em emergências. Todo sistema vivo ocasionalmente encontra pontos de instabilidade, nos quais algumas de suas estruturas se quebram e novas estruturas, ou novas formas de comportamento, emergem. A emergência espontânea de demanda de novas estruturas e novas formas de comportamento - é um dos marcos da vida. Este fenômeno, chamado de emergência, tem sido reconhecido como a base do desenvolvimento, aprendizagem e evolução. Em outras palavras, criatividade a geração de formas que sejam constantemente novas é uma propriedade chave de todos os sistemas vivos. (CAPRA, 1997, apud AMARAL, 2009 p.6) Para Amaral (2009) nas organizações humanas, inclusive nas redes, os dois tipos de estruturas estão sempre presentes. As estruturas planejadas são as estruturas formais de organização, representadas em seus documentos oficiais e descrevem a missão da organização, suas políticas formais, seus objetivos, suas estratégias e regras. Paralelamente, há estruturas emergentes. São as estruturas informais da organização as parcerias e amizades, as redes de influência de cada integrante da organização, os canais informais de comunicação, as habilidades tácitas e fontes de conhecimento que estão em contínuo 19

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Conectando pessoas, tecendo redes

Conectando pessoas, tecendo redes Conectando pessoas, tecendo redes Vivianne Amaral 1 Atualmente ouvimos falar muito em redes produtivas, organizações em rede, rede de supermercados, rede de comunicação, redes de conhecimento, como se

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE

DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE Fernando Luiz Abrucio DIMENSÃO DO ESTADO Principais Problemas Precariedade das informações Falta de Bancos de Dados compartilhados

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007 FACULDADE DE CUIABÁ Curso GESTÃO PÚBLICA Disciplina GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Dr. RUBEM JOSÉ BOFF, Ph.D. rubemboff@yahoo.com.br Aulas: 4 e 5/5/2007 Dr. Rubem José Boff, Ph.D. Cuiabá-MT,

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Os atores e as redes: construindo espaços para inovação

Os atores e as redes: construindo espaços para inovação Os atores e as redes: construindo espaços para inovação Flávia Charão Marques WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS FAMILIARES Pelotas, 31 de agosto de 2011 Av.

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação Programa de Aperfeiçoamento para Carreiras 2013 Curso: Redes de Políticas Públicas O Desafio da Governança Turma: 01 Professores: Paulo Carlos Du Pin Calmon Arthur Trindade Maranhão Costa ROTEIRO PARA

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia

A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia IV Seminário Rio-Metrologia Rio de Janeiro, 20 de abril de 2006 A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública

Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública Disciplina: INSTITUIÇÕES, ORGANIZAÇÕES E DESENVOLVIMENTO Profs.: Luiz Fernando Paulillo e Mauro Rocha Côrtes Doutoranda: Aldara da Silva César Texto:

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL Projeto FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL PROTOCOLO DE

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

P11 Proposta da equipe. Abril/2013

P11 Proposta da equipe. Abril/2013 P11 Proposta da equipe Abril/2013 Matriz SWOT AMBIENTES Interno FORÇAS Comprometimento da Diretoria com as questões ambientais; Capacidade da ANTAQ em interagir com os demais setores; Possibilidade da

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Os caminhos para o Brasil de 2022

Os caminhos para o Brasil de 2022 Os caminhos para o Brasil de 2022 GOVERNANÇA PARA A COMPETITIVIDADE Gustavo Morelli Sócio diretor da Macroplan Informação confidencial e proprietária da Macroplan Prospectiva Estratégia e Gestão. Não distribuir

Leia mais

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INSTITUTOS QUE OPERAM NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO 189-01/2012 RELATÓRIO 1 30.09.2012

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 Tendências de pesquisa acadêmica na área de Gestão Pública e Fontes de Informação para Pesquisa Foco em CASP Prof. Ariel

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação PRO-REG/IBI PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM REGULAÇÃO Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação Pedro Farias Especialista Lider em Modernização do Estado Banco Interamericano de Desenvolvimento Sebastian

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Encontro do 1º Ciclo de Debates Direito e Gestão Pública Núcleo Regional de São Paulo São Paulo-SP 23.10.09 Painel: LIMITES DA AUTONOMIA

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II 10/08/2007 SUMÁRIO Conceitos... 2 1. Missão... 2 2. Negócio... 3 3. Visão... 3 4. Valores... 5 5. Cenários...

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais