Universidade Gama Filho. Dione Mary de Cerqueira Barbosa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Gama Filho. Dione Mary de Cerqueira Barbosa"

Transcrição

1 Universidade Gama Filho Dione Mary de Cerqueira Barbosa REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A ATUAÇÃO DO TCU Brasília DF 2009

2 Dione Mary de Cerqueira Barbosa REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A ATUAÇÃO DO TCU Trabalho de monografia, como quesito necessário à obtenção do título de especialista em Gestão da Educação Corporativa. Orientadora: Ms. Emmily Flügel Mathias Brasília DF 2009

3 Autor: Dione Mary de Cerqueira Barbosa Rede de Controle da Gestão Pública: Contribuições para a atuação do TCU Este trabalho de monografia, quesito para obtenção do título de especialista na Universidade Gama Filho, será apreciado por uma Banca Examinadora constituída pelos professores: Ms. Emmily Flügel Mathias - Orientadora Ms. Rafael Lacerda Ms. Vinicius Pinto Corrêa Brasília, dezembro de 2009.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço aos colegas e professores do curso de Especialização em Gestão da Educação Corporativa pela oportunidade de aprendizado mútuo. Agradeço ao Instituto Serzedello Corrêa do Tribunal de Contas da União pela oportunidade de realizar este estudo. Agradeço aos meus pais por plantarem no coração de cada filha o valor da educação como caminho para a libertação, felicidade e realização pessoal. Agradeço finalmente, ao meu companheiro de desafios e de caminhada e aos meus filhos por me apoiarem sempre no meu desenvolvimento profissional.

5 RESUMO O objetivo da presente pesquisa foi o de identificar aspectos que devem ser observados pelo Tribunal de Contas da União - TCU na implementação das ações da Rede de Controle da Gestão Pública, com o objetivo de potencializar e aperfeiçoar as ações de controle da Administração Pública. Para identificar os aspectos a serem observados pelo TCU na implantação da Rede de Controle, utilizou-se revisão bibliográfica sobre o tema redes, de onde se extraiu importantes conceitos e características desse fenômeno. A revisão de literatura foi organizada em um marco de referência para implantação de redes, que serviu de parâmetro para análise das práticas adotadas pelo TCU. Os resultados do presente estudo assinalam ambiente propício para implantação da Rede de Controle, bem como a necessidade de se adotar princípios e práticas de gestão que venham a dar sustentabilidade a essa importante iniciativa. De modo geral, os resultados trazem informações que podem auxiliar o TCU a planejar futuras estratégias para a Rede de Controle, como também, auxiliar o Instituto Serzedello Corrêa, unidade promotora das oficinas de trabalho da rede de controle no âmbito do Programa Educacional Diálogo Público, a propor práticas de gestão adequadas ao funcionamento desta iniciativa. Palavras-Chave: Redes, Rede de Controle da Gestão Pública e Redes de Políticas Públicas.

6 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Conceitos de redes Quadro 2 Classificação de vínculos Quadro 3 - Analogia entre sistemas biológicos e redes de trabalho Quadro 4 - Trabalhos da Rede de Controle da Gestão Pública Quadro 5 Quadro resumo das atividades da Rede de Controle Quadro 6 Programação de eventos da Rede de Controle na esfera estadual... 52

7 LISTA DE ABREVIAÇÕES ABRACOM - Associação Brasileira dos Tribunais de Contas dos Municípios AGU - Advocacia Geral da União AMPCON - Associação Nacional do Ministério Público de Contas ASDI - Agência Sueca de Cooperação Internacional ATRICON - Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil BACEN - Banco Central do Brasil CD - Câmara dos Deputados CFJ - Conselho da Justiça Federal CGU - Controladoria-Geral da União CNJ - Conselho Nacional de Justiça DPF - Departamento da Polícia Federal FOCCO - Fórum Permanente de Combate à Corrupção IBRAOP - Instituto Brasileiro de Obras Públicas ISC - Instituto Serzedello Correa ISO - International Organization for Standardization KTH - Escola Superior de Tecnologia da Suécia MARCCO - Movimento Articulado de Combate à Corrupção MF - Ministério da Fazenda MIT - Massachusetts Institute of Technology MJ - Ministério da Justiça MPF - Ministério Público Federal MPOG - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão MPS - Ministério da Previdência Social ONG Organização não governamental PIFFS - Programa de Integração e Formação para Futuros Servidores PPP - Public-Private Partnership RCP - Rede de Controle da Gestão Pública SF - Senado Federal TCE Tribunal de Contas do Estado TCU Tribunal de Contas da União TSE - Tribunal Superior Eleitoral WEB - World Wide Web

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativa Problema da pesquisa FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Redes Estudos iniciais Abordagens conceituais e características Estruturas planejadas e estruturas emergentes Aplicação do conceito de redes em organizações públicas Exemplos de Redes Delineamento do conceito e perspectivas de redes para o trabalho de pesquisa O Tribunal de Contas da União e a implantação da rede de controle Levantamento de Expectativas Oficinas de Trabalho METODOLOGIA APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS CONCLUSÃO E CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 67

9 1 INTRODUÇÃO O ambiente da administração pública se caracteriza por recursos escassos e problemas complexos, múltiplos atores públicos e privados, locais e centrais envolvidos no planejamento e execução de políticas públicas, e crescente demanda por participação cidadã. As instituições que exercem o controle dos gastos públicos necessitam encontrar novas formas de atuação para este ambiente complexo onde se materializam as políticas e programas públicos. Um arranjo interorganizacional que se adéqua ao tipo de ambiente acima referido é a organização em redes. Segundo Castells: Redes são estruturas abertas capazes de expandir de forma ilimitada, integrando novos nós desde que consigam comunicar-se dentro da rede, ou seja, desde que compartilhem os mesmos códigos de comunicação, valores e objetivos. Uma estrutura social com base em redes é um sistema aberto altamente dinâmico, suscetível de inovação, sem ameaças para seu equilíbrio. (CASTELLS, 1999, apud DEBONI, 2003, p.1) As redes podem ser entendidas também, com uma organização social estruturada em relações horizontalizadas e com ambiente animado por trocas internas e externas, permeado por iniciativas, criatividade, experimentações, colaboração e cooperação. A flexibilidade adquirida pela comunicação distribuída facilita, a cada mudança, os ajustes em busca da harmonia e dos melhores resultados a partir das interações dos elementos que compõem a rede. Nos estudos do campo das políticas públicas, parte-se do pressuposto de que a ação estatal é fruto da interação de diferentes atores e interesses que moldam a política pública final oferecida ao público. Segundo Powell, as formas de organização em redes são caracterizadas por padrões recíprocos de comunicação e trocas. Conforme Kenis e Schneider: Redes de políticas públicas são novas formas de governança política que refletem uma relação modificada entre Estado e sociedade [...] Redes de políticas públicas são mecanismos de mobilização de recursos políticos em situações em que a capacidade de tomada de decisão, de formulação e implementação de programas é amplamente distribuída ou dispersa entre atores públicos e privados. (KENIS; SCHNEIDER, 1991, p. 40). Entender os conceitos e características de redes, bem como as possibilidades de implementação desse arranjo interorganizacional pelo Tribunal de Contas da União - TCU 8

10 que definiu uma estratégia de implementação de uma Rede de Controle Público da Gestão Pública é o que motivou este estudo. Pretende-se identificar aspectos que devem ser observados pelo TCU na implementação da Rede de Controle a partir da literatura sobre o tema. 1.1 Objetivos Objetivo Geral Identificar aspectos que devem ser observados pelo Tribunal de Contas da União na implementação das ações da Rede de Controle da Gestão Pública, com o objetivo de potencializar e aperfeiçoar as ações de controle da Administração Pública Objetivos Específicos Desenvolver um referencial teórico com os diversos conceitos e características de redes, a partir de estudos da sociologia, psicologia, administração e ciência política, que sirvam de parâmetro aos órgãos de controle público para atuação em rede. Descrever o histórico de ações de implementação da Rede de Controle da Gestão Pública, no TCU. Apresentar sugestões que podem ser usadas para a tomadas de decisão na implementação da Rede de Controle da Gestão Pública com vistas a sua efetividade Justificativa No contexto de descentralização e de nova forma de organização das políticas públicas, mais amplas que o Estado, onde este é o articulador e integra um conjunto híbrido de fluxos, redes e organizações em que se combinam e interpenetram elementos estatais e não estatais, nacionais, locais e globais, novas formas de atuação que propiciem efetividade na atuação devem ser buscadas também, pelas Instituições responsáveis pelo Controle Público no Brasil. No art. 70 da Carta de 1988, foi instituído um sistema de fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional, e patrimonial da União a ser exercido pelo Congresso 9

11 Nacional, mediante o controle externo, e pelo sistema de controle interno de cada poder. A Casa Legislativa conta com o Tribunal de Contas da União, órgão de auxílio ao Congresso no controle externo dos recursos públicos. Por sua vez, o Tribunal de Contas da União, em 2008, realizou amplo diagnóstico interno institucional, junto a seus próprios servidores, denominado Projeto Áquila, de processos, estratégias e pessoas. Este diagnóstico identificou uma ruptura definida como compreensão parcial ou inadequada dos papéis das instituições que integram o sistema de controle. As principais causas relacionadas pelos diversos participantes deste diagnóstico foram: inexistência de uma rede de controle com atuação efetiva; disputas de poder/prestígio entre as instituições que integram o sistema de controle; pouca integração do TCU com outros órgãos que exercem o controle, como Ministério Público Federal, Polícia Federal, Controladoria Geral da União ou Tribunais de Contas nos Estados. Além disso, verificou-se que as ações de controle externo exercidas pelo TCU são descasadas de ações similares exercidas por outros órgãos, de tal forma que é possível o TCU realizar uma fiscalização sobre a mesma matéria investigada por outro ente de controle, sem coordenação ou troca de informações. Apesar da existência de acordos e convênios com algumas entidades, esses mecanismos não funcionam a contento, ou simplesmente não funcionam. Existe duplicação de esforços, desperdício de recursos e falta de efetividade. Dentre as propostas apresentadas por esse projeto consta a criação de um Fórum de Discussão e, posteriormente, de uma Rede integrando os principais órgãos relacionados ao controle, com o objetivo de potencializar e aperfeiçoar as ações de controle da Administração Pública. A atual gestão do TCU, no ano de 2009, atribuiu à sua Unidade de Educação Corporativa, o Instituto Serzedello Corrêa, a meta de implementar a Rede de Controle da Gestão Pública, como instrumento de integração e cooperação entre as instituições responsáveis pelo Controle Público. Neste sentido, o Instituto Serzedello Corrêa, como unidade responsável pela coordenação da Rede de Controle da Gestão Pública (RCP), iniciou uma série de ações de implementação da Rede, inseridas no escopo do Programa Educacional Diálogo Público, que tem por objetivos: aprimorar relacionamento com outros órgãos públicos, propiciando maior intercâmbio de informações, procedimentos e técnicas; promover a integração e o 10

12 intercâmbio de conhecimento em assuntos de interesse do controle externo; estimular o controle social; informar sobre as competências, estratégias, diretrizes, serviços e produtos do TCU. A opção pelo desenvolvimento do presente estudo se insere neste contexto, na medida em que, por meio dele, será possível apresentar uma contribuição ao processo de tomada de decisões para a institucionalização da rede de controle. Desta forma, pretende-se identificar aspectos que devem ser observados pelo Tribunal de Contas da União na implementação das ações da Rede de Controle da Gestão Pública, com o objetivo de potencializar e aperfeiçoar as ações de controle da Administração Pública. 1.2 Problema da pesquisa Pretende-se responder a questão: Que aspectos devem ser observados pelo Tribunal de Contas da União na implementação das ações da Rede de Controle da Gestão Pública? 11

13 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Redes Estudos iniciais Ao abordar o histórico do fenômeno Redes, Fleury e Ouverney (2007), dispõe que o conceito de redes nas ciências sociais, data de 1930, quando foram realizados estudos, baseados na técnica de sociometria, que se fundamentaram na noção da existência de estrutura relacional multicêntrica subjacente a organização social. Fundamentado teoricamente nos estudos da psicologia social, Jacob Moreno em 1934, buscava descrever e analisar a estrutura interpessoal presente no comportamento de pequenos grupos. Por meio de um sistema de composição gráfica, cada indivíduo é um ponto numa escala bidimensional que delineia a estrutura de relações do grupo. Essa técnica evoluiu conceitualmente e incorporou instrumentos matemáticos e estatísticos, sendo adotada em estudos antropológicos, políticos e organizacionais. Em estudos sociológicos de 1960, na Universidade de Harvard, foram modeladas matrizes de papéis sociais para mapear padrões de homogeneidade das relações sociais em grupos, compará-los, e definir características da estrutura social. Antropólogos de Manchester, nas décadas de 1950 e 1960, diferentemente da perspectiva sociométrica, enfatizaram a importância de padrões estruturais quanto a presença do contexto cultural no qual essas estruturas se inserem. Para eles, o tecido social é um conjunto de papéis (ou redes) que formam e definem identidades em processos interativos com os respectivos contextos socioculturais. Já no campo das ciências políticas, nos EUA, nessa mesma época, foram desenvolvidos estudos sobre a natureza das relações entre grupos de interesses e a burocracia estatal tendo como tema central a autonomia do estado. Borzel (1998) observou padrões regulares de intercâmbio entre grupos de interesse políticos e burocratas que suscitou críticas tanto ao pluralismo quanto ao corporativismo como modelos de intermediação de interesses entre estado e sociedade, entendendo-se pluralismo e corporativismo como modelos de grupos de intermediação de interesses entre estado e sociedade. Esses modelos podem tornar-se dominantes e impedir a presença de outros grupos. Na visão de Borzel (1998:256) a abordagem de redes é uma alternativa ao pluralismo e corporativismo, já que a dicotomia entre os dois impede a compreensão de que se tratava de coisas distintas. Dessa forma, a 12

14 concepção americana de redes, assim como na literatura britânica, é a de que são padrões de intercâmbio de recursos entre atores públicos e privados por meio de relações de interdependência. Também na ciência política, por meio de estudos desenvolvidos na década de 1990, na literatura alemã e holandesa, define-se rede em sentido amplo, associando-a a forma de governança alternativa, seja em relação à organização burocrática, seja em relação aquela proporcionada pelo mercado. Ainda no contexto de Redes de Políticas, O toole (1997) destacou a necessidade de organizar agendas de conteúdo conceitual, descritivo e teórico, sobre o fenômeno das redes no ambiente da administração pública. Marsh (1997a) e outros levantaram importantes questões sobre diferenças conceituais nos estudos de redes de políticas públicas, esses autores apontaram sete pontos principais para a evolução dos estudos de redes de políticas: conceito de rede é uma ferramenta útil para a compreensão do desenvolvimento de políticas públicas? As ações de uma rede de políticas afetam os resultados da política? Como mudam as redes de políticas? Qual a importância, dentro das redes das relações interpessoais, em comparação com as estruturais? Podem certos grupos dominar as redes? Que métodos são apropriados para estudar as redes? Que evidências existem de que as redes são uma nova forma de governança? A busca de respostas a essas indagações ainda se faz presente. Observa-se, a partir do final da década de 1990, que esse fenômeno de Redes, perpassa vários ramos das ciências demonstrando multidisciplinaridade dos estudos de redes em administração pública Abordagens conceituais e características Para Fleury e Ouverney (2007), como a maioria dos trabalhos sobre redes em administração pública parte de um conceito implícito sobre um fenômeno, ou seja, alguns autores raramente mencionam qual definição de redes estão empregando em seus estudos, o ponto comum é a idéia de redes como estruturas policêntricas. Essa composição estrutural emprega a idéia de dois elementos básicos que se replicam: os nós ou nódulos e os vínculos. 13

15 Os nós são os diferentes pontos ou grupos que formam a teia e se interligam numa rede e os vínculos são os interesses, ações ou metas comuns. Para O toole (1997) as redes são estruturas de interdependência envolvendo múltiplas organizações ou partes delas. As redes exigem certa estabilidade estrutural, mas se estendem além dos vínculos formalmente estabelecidos e das ligações legítimas de política pública. A noção de redes exclui meras hierarquias formais e mercados perfeitos, mas inclui um amplo conjunto de estruturas. O vínculo institucional que sustenta as relações em rede pode incluir cadeias de autoridade, relações de troca e coalizões baseadas em interesses comuns, todas fazendo parte de uma estrutura policêntrica singular. Borzel, (1998:254), que trás elementos comuns de diversas outras definições, relata que todos os conceitos partilham um entendimento comum, um mínimo denominador comum de definição de rede de políticas como um conjunto de relações estáveis, de natureza nãohierárquica e interdependente, vinculando uma série de atores com um interesse comum em relação a uma política e que intercambiam recursos para concretizar esses interesses, reconhecendo que a cooperação é a melhor forma de atingir objetivos. Fleury e Ouverney (2007) descrevem, com base em análise da literatura internacional, quatro abordagens que auxiliam no entendimento do fenômeno de redes e que se associam às dimensões de reconstrução do Estado, estudados na década de Essas abordagens envolvem aspectos tanto internos como externos, relacionando o processo de gestão do estado com a dinâmica de suas relações externas: 1. Estruturas interorganizacionais em arranjos de provisão de bens e serviços: arranjos interorganizacionais articulados que visam ordenar as bases de recursos e fornecer racionalidade sistêmica é um dos aspectos fundamentais das redes. 2. Modelo de concepção e coordenação do ciclo de políticas públicas: nessa abordagem o conceito de redes é entendido como sistemas de centros decisórios subjacentes às políticas públicas, dentro e fora do estado. Essa concepção é comum na literatura européia que evidencia a natureza do contexto decisório da União Européia, onde instâncias supranacionais se sobrepõem a um conjunto heterogêneo de organização nacional. A composição das instâncias decisórias da União Européia inclui oito instituições principais, O Parlamento Europeu, Comissão Européia, Conselho da 14

16 União Européia, três órgãos financeiros, dois órgãos consultivos e 22 agências descentralizadas. 3. Formas de intermediação de interesse entre Estado e sociedade civil: é a perspectiva mais amplamente difundida, principalmente na literatura britânica. É um conceito alternativo aos modelos corporativos e pluralistas de intermediação entre os grupos de interesse atuantes na sociedade civil e o Estado. Enquanto modelos corporativos organizam grupos de interesse de forma hierarquizada e monopolizada, a organização em rede possibilita a representação política competitiva e horizontalizada. No que se refere a modelos pluralistas supõem baixo nível de agregação dos grupos, a organização em rede se efetua por meios de convergência de interesses e intercâmbio de recursos entre grupos setoriais. 4. Modelo de governança democrática: essa perspectiva de conceituação está presente na literatura de administração pública e associa a noção de redes a relações específicas entre atores dentro e fora do Estado através da mobilização de recursos necessários ao exercício da governança democrática. Esse exercício da governança requer relações de interdependência e intercâmbio de recursos com base em uma visão de complementaridade de interesse e confiança. Explorando um pouco mais os aspectos conceituais, as redes de políticas são arranjos interorganizacionais para a formulação e execução de políticas públicas, dada a estratégia de descentralização de recursos e de competências na sua execução. Assim, múltiplos atores são envolvidos nos processos de formulação, implementação, controle e avaliação de políticas. A diversidade de contextos institucionais cria uma dependência, visto que o controle dos recursos e do processo não é de propriedade de um só ator. Neste ambiente, diversas questões aparecem, tais como: Como combinar planejamento e coordenação com autonomia dos participantes da rede? Que estruturas e processos decisórios são originados neste contexto? Quais competências são necessárias do gestor de uma rede? Como gerar megaobjetivos e consensos? 15

17 Fleury Ouverney (2007) registra que o contexto que favorece a formação de redes é aquele onde se têm que administrar políticas e projetos onde recursos são escassos e os problemas, complexos; onde existem múltiplos atores envolvidos; há interação de agentes públicos e privados, locais e centrais, demanda por participação cidadã. Relacionando os diferentes conceitos de redes trazidos pela autora, elaborou-se a o Quadro 1 a seguir: Conceitos de Redes Psicologia Social Sociologia Administração Universo relacional do indivíduo, conjunto de relações e estruturas de apoio socioafetivo de cada um. Como características estruturais têm-se: tamanho, densidade, composição, dispersão, homogeneidade/heterogeneidade, funções exercidas. Redes são novas formas de organização social, do Estado ou sociedade, intensivas em tecnologia da informação e baseadas na cooperação entre unidades dotadas de autonomia. Combinação de pessoas, tecnologias e conhecimento que substitui a corporação hierarquizada do modelo fordista, baseado em trabalho, capital e gerenciamento. Ciência Política Forma de governança alternativa, seja em relação a organização burocrática, seja em relação aquela proporcionada pelo mercado. Quadro 1 - Conceitos de redes Fonte: Elaborada pela autora Na visão da psicologia social, assumida por Rovere (1998:30), as pessoas constituem as redes, pois são estas que são capazes de se conectar e criar vínculos, o que não ocorre com instituições e cargos. Um esquema ascendente para classificação de vínculos elaborada pelo autor permite monitorar os graus de profundidade de uma rede: Nível Ações Valor 5. Associar-se Compartilhar objetivos e projetos Confiança 4. Cooperar Compartilhar atividades e recursos Solidariedade 3. Colaborar Prestar ajuda esporádica Reciprocidade 2. Conhecer Conhecimento do que o outro faz Interesse 1. Reconhecer Reconhecer que o outro existe Aceitação Quadro 2 Classificação de vínculos Fonte: Rovere (1998, p. 30) A gestão das redes, por sua vez, impõe desafios relacionados a diferentes processos, tais como, negociação e geração de consensos, estabelecimento de regras de atuação, 16

18 distribuição de recursos de interação, construção de mecanismos decisórios coletivos, estabelecimento de prioridades e acompanhamento. Segundo, Amaral (2009), a compreensão dos fenômenos das organizações em rede resulta da afluência de uma série de estudos e da ação inovadora de pesquisadores em diversos campos das ciências físicas e naturais, da cibernética, da informática e das ciências sociais. A identificação do padrão rede como um elemento comum e constituinte dos sistemas vivos e a abordagem sistêmica de diversos campos do conhecimento, favorecem essa compreensão. Fritjof Capra oferece uma visão detalhada e panorâmica das contribuições para o novo paradigma das organizações em rede, em seus livros, Teia da Vida e Conexões Ocultas. No campo da sociologia e da análise das redes sociais, nos últimos 30 anos, alguns estudiosos vêm se dedicando à tarefa de pensar os coletivos, as redes sociais e sua dinâmica própria, sendo os mais citados M. Granovetter, M. Olson, B. Wellman, M.Authier, K. Arrow, E. Rogers, T. Valente e Stanley Milgram. Em relação à inteligência coletiva: Norbert Wiener, Steve Johnson, Pierre Levy. No Brasil, podemos destacar Rogério Costa, Augusto de Franco, Eugênio Trivinho, Ana Maria Nicolaci-da-Costa (AMARAL, 2009) Explorando um pouco Fritjof Capra, em palestra realizada no Distrito de Mill Valley, Estados Unidos, em 1997, explica que: Na medida em que o conceito de trabalhos em rede tornou-se mais e mais proeminente na Ecologia, pensadores de sistemas começaram a usar modelos de trabalho de rede em todos os níveis de sistemas, vendo organismos como redes de trabalho de órgãos e células, assim como ecossistemas são entendidos como redes de trabalho de organismos individuais. Isto levou à explicação chave de que rede de trabalho é um padrão que é comum a tudo que é vivo. Onde quer que haja vida, vemos redes de trabalho. (CAPRA,1997, apud, AMARAL, 2009, p.3) Já o sociólogo alemão, Niklas Luhmann (apud AMARAL, 2009) descreve a comunidade humana como uma rede de trabalho de diálogos. Comparando os dois sistemas de rede, o biológico e o cultural, uma diferença essencial, relacionada à natureza dos objetivos, entre os dois sistemas de rede, é que os fluxos e ciclos das redes sociais estão permeados e são canais de circulação de informação, conhecimento e valores (sistemas simbólicos), enquanto que nos sistemas vivos os fluxos são e energia e matéria. No quadro 3, Amaral (2009) realiza a analogia entre os dois sistemas, tendo como eixo comum as características do padrão rede. 17

19 Sistemas Vivos Princípios comuns Redes operativas Foco nas relações Morfologia em padrão rede Foco nas relações, capacidade de realizar conexões, compartilhamento, foco nos processos, tensão entre estruturas verticais e processos horizontais. Dependência mútua Interdependência Dependência mútua, ações articuladas, objetivos e estratégias de ação compartilhadas, acordos de convivência, relações laterais, produção coletiva. Reciclagem permanente de energia e materiais Estabilidade e mudança, ordem e liberdade, tradição e inovação Parceria e evolução conjunta Organização articulada em múltiplos níveis Natureza cíclica dos processos Flexibilidade e diversidade Cooperação e coevolução Complexidade Quadro 3 - Analogia entre sistemas biológicos e redes de trabalho Fonte: Amaral (2009, p.3) Reprodução permanente do padrão de organização: acordos de convivência, regras de adesão, sistemas de coordenação, construção de identidade e imaginário coletivos. Sistemas simbólicos diversos, fluxos de informação, comunicação todos - todos, presencial & virtual, articulação de diferentes, laços fortes e laços fracos, emergências. Inteligência coletiva, comunidades de aprendizagem e de prática, competição e cooperação, parcerias, produção coletiva. Diferentes articulados em relações de compartilhamento, cooperação e competição em múltiplos níveis, dinâmica de opostos complementares. A morfologia da rede facilita e potencializa a horizontalidade, mas não a cria. Ela é fruto das relações entre as pessoas. Assim existem diversos desenhos de redes operativas, adequados aos objetivos que as inspiraram e moldados pela cultura e prática política de seus membros. Como características das redes operativas têm-se:. Objetivos compartilhados, construídos coletivamente. Múltiplos níveis de organização e ação. Dinamismo e intencionalidade dos envolvidos. Coexistência de diferentes. Produção, reedição e circulação de informação. Fortalecimento dos participantes. Desconcentração do poder. 18

20 Estímulo e sustentação de múltiplas iniciativas. Tensão entre estruturas verticais & processos horizontais. Tensão entre comportamentos de competição & cooperação. Compartilhamento de experiência, afetos, informação e conhecimento. Composição multi-setorial. Formação permanente. Ambiente fértil para parcerias, oportunidade para relações multilaterais. Evolução coletiva & individual para a complexidade. Configuração dinâmica e mutante Estruturas planejadas e estruturas emergentes Um aspecto importante para o entendimento das dinâmicas de redes e de sua gestão, para o qual Capra (1997, apud AMARAL, 2009) chama atenção, é o da existência das estruturas emergentes (espontâneas) e das estruturas planejadas. O autor explica que no processo da evolução, todas as criaturas vivas do planeta evoluíram em emergências. Todo sistema vivo ocasionalmente encontra pontos de instabilidade, nos quais algumas de suas estruturas se quebram e novas estruturas, ou novas formas de comportamento, emergem. A emergência espontânea de demanda de novas estruturas e novas formas de comportamento - é um dos marcos da vida. Este fenômeno, chamado de emergência, tem sido reconhecido como a base do desenvolvimento, aprendizagem e evolução. Em outras palavras, criatividade a geração de formas que sejam constantemente novas é uma propriedade chave de todos os sistemas vivos. (CAPRA, 1997, apud AMARAL, 2009 p.6) Para Amaral (2009) nas organizações humanas, inclusive nas redes, os dois tipos de estruturas estão sempre presentes. As estruturas planejadas são as estruturas formais de organização, representadas em seus documentos oficiais e descrevem a missão da organização, suas políticas formais, seus objetivos, suas estratégias e regras. Paralelamente, há estruturas emergentes. São as estruturas informais da organização as parcerias e amizades, as redes de influência de cada integrante da organização, os canais informais de comunicação, as habilidades tácitas e fontes de conhecimento que estão em contínuo 19

Conectando pessoas, tecendo redes

Conectando pessoas, tecendo redes Conectando pessoas, tecendo redes Vivianne Amaral 1 Atualmente ouvimos falar muito em redes produtivas, organizações em rede, rede de supermercados, rede de comunicação, redes de conhecimento, como se

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto Análise dos três níveis: Governança Corporativa Governança de TI Gerenciamento da Área de TI ORGANIZAÇÃO Governança Corporativa Governança

Leia mais

Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública

Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública Disciplina: INSTITUIÇÕES, ORGANIZAÇÕES E DESENVOLVIMENTO Profs.: Luiz Fernando Paulillo e Mauro Rocha Côrtes Doutoranda: Aldara da Silva César Texto:

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação Programa de Aperfeiçoamento para Carreiras 2013 Curso: Redes de Políticas Públicas O Desafio da Governança Turma: 01 Professores: Paulo Carlos Du Pin Calmon Arthur Trindade Maranhão Costa ROTEIRO PARA

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007 FACULDADE DE CUIABÁ Curso GESTÃO PÚBLICA Disciplina GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Dr. RUBEM JOSÉ BOFF, Ph.D. rubemboff@yahoo.com.br Aulas: 4 e 5/5/2007 Dr. Rubem José Boff, Ph.D. Cuiabá-MT,

Leia mais

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5 2 Para acessar cada item do Sumário, clique nele. Para retornar ao sumário, clique na logo do ecolega em qualquer página. Sumário 1. Visão Geral do EcoLega 3 2. Alinhamento Estratégico 3 3. Orientações

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

20 de junho de 2013.)

20 de junho de 2013.) 20 de junho de 2013.) Tecnologias Educacionais (G.E.N.T.E.) _ 2 _ > Rio de Janeiro 20 de junho de 2013 Proposta elaborada pelo IETS _Contextualização O projeto Ginásio Experimental de Novas Tecnologias

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Overview Dynamising National Innovation Systems As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE. Elas são disponíveis livremente na biblioteca

Leia mais

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

Gestão de Redes Sociais

Gestão de Redes Sociais Gestão de Redes Sociais Célia Schlithler Introdução Gerir é administrar, dirigir, governar. Então seria este o termo mais apropriado para as redes sociais? Do mesmo modo que governança, este termo está

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia

A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia IV Seminário Rio-Metrologia Rio de Janeiro, 20 de abril de 2006 A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES Resumo Este texto tem por objetivo discutir as novas formas de gestão da educação no sentido

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

POR QUE AS PPP NÃO ACONTECEM?

POR QUE AS PPP NÃO ACONTECEM? POR QUE AS PPP NÃO ACONTECEM? Maria Aparecida Aiko Ikemura Objetivo Discorrer sobre os principais entraves ao estabelecimento de PPP e relatar a proposta adotada pelo TCEMG para acompanhamento dessas contratações.

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ 1 A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ Mayara de Freitas Orientadora Profa. Dra. Sandra Aparecida

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE

DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE Fernando Luiz Abrucio DIMENSÃO DO ESTADO Principais Problemas Precariedade das informações Falta de Bancos de Dados compartilhados

Leia mais

Missão dos Órgãos de Controle Interno, Desafios e Visão de Futuro. Renato Santos Chaves

Missão dos Órgãos de Controle Interno, Desafios e Visão de Futuro. Renato Santos Chaves Missão dos Órgãos de Controle Interno, Desafios e Visão de Futuro Renato Santos Chaves Sumário 1) Conceitos Básicos: Controle Interno e Externo, Controles Internos Administrativos, Auditoria Interna e

Leia mais

PARCERIAS INSTITUCIONAIS NA GESTÃO DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA

PARCERIAS INSTITUCIONAIS NA GESTÃO DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA PARCERIAS INSTITUCIONAIS NA GESTÃO DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA Escola de Contas José Borba Pedreira Lapa Tribunal de Contas do Estado da Bahia A Escola de Contas Conselheiro José Borba Pedreira Lapa (ECPL)

Leia mais

Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil

Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil Brasília, 18 a 20 de agosto de 2004 Mesa I - PARCERIAS ENTRE GOVERNO, ONGs e PRODUTORES RURAIS

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Conceito de rede. Redes organizacionais. Redes e o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) Características da atuação em rede

ÍNDICE. Apresentação. Conceito de rede. Redes organizacionais. Redes e o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) Características da atuação em rede #10 ATUAÇÃO EM REDE ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Conceito de rede Redes organizacionais Redes e o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) Características da atuação em rede Sobre a FNQ Apresentação

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ)

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) Gestão do SUS: aspectos atuais A reforma sanitária brasileira,

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA

Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA Concurso de Auditor da Receita Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA I. A liderança, a direção e a gerência são um mesmo papel que necessariamente deve ser desempenhado pelo administrador. II.

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO Susan Dignart Gestora Governamental - MT Cuiabá MT, dezembro de 2008 GESTÃO o que é? Muitas interpretações... Gestão = Administração: organizar os meios para atingir fins; Políticas

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2015 Controle de Revisão Ver. Natureza Data Elaborador Revisor

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

InovarH Rede de inovação e aprendizagem em gestão hospitalar. Autoria: Vera Lúcia Peixoto Santos Mendes RESUMO INTEGRADOR

InovarH Rede de inovação e aprendizagem em gestão hospitalar. Autoria: Vera Lúcia Peixoto Santos Mendes RESUMO INTEGRADOR InovarH Rede de inovação e aprendizagem em gestão hospitalar Autoria: Vera Lúcia Peixoto Santos Mendes RESUMO INTEGRADOR Esta sessão coletiva tem como objetivo apresentar para a comunidade de estudiosos

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais