SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY"

Transcrição

1 SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY FELIPE NOGAROTO GONZALEZ ESTUDO E IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÃO DE VOZ SOBRE IP BASEADAS EM SOFTWARES LIVRES Joinville 2007

2 FELIPE NOGAROTO GONZALEZ ESTUDO E IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÃO DE VOZ SOBRE IP BASEADAS EM SOFTWARES LIVRES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Sistemas de Informações do Instituto Superior Tupy - como requisito parcial para a obtenção de grau de Bacharel, sob orientação do professor e mestre Alexandre Carvalho dos Reis Lima. Joinville 2007

3 FELIPE NOGAROTO GONZALEZ ESTUDO E IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÃO DE VOZ SOBRE IP BASEADAS EM SOFTWARES LIVRES Esse trabalho foi julgado e aprovado em sua forma final pela banca examinadora abaixo assinada. Joinville, 26 de julho de 2007 Prof. MSc. Alexandre Carvalho dos Reis Lima Prof. Rinaldo Pismel Franco Prof. André Luiz Garcia

4 GONZALEZ, FELIPE NOGAROTO ESTUDO E IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÃO DE VOZ SOBRE IP BASEADAS EM SOFTWARES LIVRES Joinville: SOCIESC, 2007.

5 À minha família, namorada e amigos pelo tempo que estive ausente na conquista de meu crescimento profissional.

6 AGRADECIMENTOS Primeiramente quero agradecer aos meus pais pela oportunidade de estar concluindo este curso. Ao apoio e incentivo no desenvolvimento deste trabalho, agradeço à toda minha família, ao professor Mehran Misaghi e à minha namorada Jennifer Zucco Bez, pela paciência e correções realizadas. Ao amigo Carlos Diego Russo Medeiros por compartilhar seus conhecimentos com softwares livre, por ter me encaminhado ao mundo Asterisk R e por sua colaboração no detalhamento técnico. Ao Anderson Marcondes Lopes por sua dedicação e por disponibilizar as informações nos ambientes da KaVo do Brasil. Ao professor Alexandre Lima, meu orientador que com sua experiência, ajudou-me na execução deste trabalho. Ao amigo Marcelo Renan Becher por compartilhar seus conhecimentos e a todos que não foram mencionados mas que de alguma forma colaboraram com o desenvolvimento deste trabalho.

7 RESUMO Este trabalho apresenta o estudo sobre a tecnologia de transmissão de Voz Sobre IP (VoIP) e o uso do programa de código-aberto Asterisk R na implementação da empresa KaVo do Brasil. A convergência tecnológica na área de comunicações é a conciliação do transporte de voz e dados em uma única rede, fornecendo novos recursos, aplicações, flexibilidade e economia de escala nos serviços disponibilizados. Essas características representam os fatores diferenciais comparados aos oferecidos pela telefonia convencional. Dentro das soluções possíveis a implantação de uma arquitetura de telefonia IP, baseada em softwares livres, foi a solução vencedora. Resolvendo os problemas e atendendo as necessidades na matriz e filial da KaVo. Na matriz a solução Asterisk R trabalha em conjunto com a central analógica, já na filial, a central foi substituída completamente. Isso possibilitou agregar vários benefícios tais como, melhoria do atendimento ao cliente e redução de custos. Os resultados obtidos, demonstram a qualidade da solução, sua estabilidade e flexibilidade. Além da implantação em diferentes ambientes, ela também permite adicionar novos recursos de forma modular. Palavras-chave: Convergência. Voz Sobre IP. PBX IP. Asterisk.

8 ABSTRACT This monograph presents the study about the technology of transmission of Voice Over IP (VoIP), the use of the open-source program Asterisk R in the implementation in the company KaVo of Brazil. The technological convergence in communications area is the conciliation of the voice transport and data in an only network, supplying new resources, applications, flexibility and economy of scale in the available services. These characteristics represent differential factors if compared to the offered ones for conventional telephony. Amongst of the possible solutions the implantation of an architecture of telephony IP, based on free softwares, was the winner solution. Solving the problems and attending of to the necessities in the matrix and branch office of the KaVo. In the matrix the Asterisk R solution works united with the analogical central office, in the branch office, however, the central was completely substituted. This made possible to add some benefits such as, attendance improvement to the customer and reduction of costs. The gotten results, demonstrate the quality of the solution, its stability and flexibility. Besides the implantation in different environments, it allows adding new resources of modular form. Keywords: Convergence. Voice Over IP. PBX IP. Asterisk.

9 LISTA DE SIGLAS adsl - Asymmetric Digital Subscriber Line AEL - Asterisk Extension Language AGI - Asterisk Gateway Interface API - Application Programming Interface ATA - Analog Telephone Adaptor AT&T -American Telephone & Telegraph Company BALUN - BALanced/ UNbalanced CODEC - COder/DECoder CPA - Centrais de Programa de Armazenamento CRM - Customer Relationship Management DDD - Discagem Direta a Distância DDI - Discagem Direta Internacional DSP - Digital Signal Processor EPROM - Erasable Programmable Read-only Memory ERP - Enterprise Resource Planning FOP - Flash Operator Panel FTP - File Transfer Protocol FXO - Foreign exchange Office FXS - Foreign exchange Station GPL - GNU General Public License HPC - High Performance Cluster HTTP -Hyper Text Markup Language IAX - Inter-Asterisk exchange IETF - Internet Engineering Task Force IM - Instant Messaging I/O - Input/Output IP - Internet Protocol IRQ - Interrupt Request ISDN - Integrated Service Digital Network ITU - International Telegraph Union ITU-T - ITU - Telecommunications Standardization Sector LAN - Local Area Networok LCD - Liquid Crystal Display MGCP - Media Gateway Control Protocol

10 MOS - Mean Opinion Score NAT - Network Address Translation OEM - Original Equipment Manufacturer ONU - United Nations OSI - Open System Interconnection PA - Posto de Atendimento PBX - Private Branch exchange PABX - Private Automatic Branch exchange PCM - Pulse Code Modulation PCMCIA - Personal Computer Memory Card International Association POTS - Plain Old Telephony System PSTN - Public Switched Telephone Network QoS - Quality Of Services RDSI - Rede Digital de Serviços Integrados RTCP - Real-Time Transport Control Protocol RTPC - Rede Telefônica Pública Comutada SIP - Session Initiation Protocol SMTP - Simple Mail Transfer Protocol TI - Tecnologia da Informação TCP - Transmission Control Protocol UDP - User Datagram Protocol URA - Unidade de Resposta Audível VoIP - Voice Over IP VPN - Virtual Private Network WAN - Wide Area Network WAP - Wireless Application Protocol WEP - Wired Equivalent Privacy

11 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Telégrafo de Morse com melhorias de Alfred Vail Figura 2 - Operadoras realizando chaveamento físico manual em Figura 3 - Telefone sueco com manivela de Figura 4 - Camadas do modelo de referência TCP/IP Figura 5 - Arquitetura do Asterisk R Figura 6 - Placa de telefonia analógica da Digium TM modelo TDM400P. 42 Figura 7 - Placa de telefonia digital da Digium TM modelo TE110P Figura 8 - Placa de telefonia digital da DigiVoice modelo VB6060-PCI.. 43 Figura 9 - Entroncamento de servidores Asterisk R Figura 10- Balun Adaptador 75/120 ohms Figura 11- Adaptador Análogo do Telefone da LinkSys Figura 12- SoftPhone X-Lite na versão Figura 13- SoftPhone IDEFISK na versão Figura 14- Telefone IP GrandStream BudgeTone Figura 15- Telefone IP Cisco Unified IP Phone 7970G Figura 16- Telefone IP wireless da Linksys modelo WIP330 IP Phone Figura 17- Asterisk R flash operator panel sendo utilizado Figura 18- Ambiente de comunicação da matriz Figura 19- Ambiente de comunicação da filial Figura 20- Ambiente de comunicação entre matriz e filial Figura 21- Novo ambiente de comunicação da matriz Figura 22- Novo ambiente de comunicação da filial Figura 23- Novo ambiente de comunicação entre matriz e filial Figura 24- Exemplo de de recebimento de FAX Figura 25- Exemplo de de mensagem na caixa postal

12 Figura 26- Ambiente da matriz com telefones IP Figura 27- Comunicação dos ramais analógicos com ramais IP Figura 28- Ambiente da matriz em Joinville com Call-Center Figura 29- Flash Operator Panel em utilização no Call-Center Figura 30- Fluxo da URA na matriz da KaVo em Joinville Figura 31- Fluxo da URA na filial da KaVo em São Paulo Figura 32- Quantidade de interrupções no processador secundário

13 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Escala de pontuação dos níveis de qualidade da voz (MOS).. 33 Tabela 2 - Comparativo entre os codificadores Tabela 3 - Estrutura de arquivos e diretórios Tabela 4 - Levantamento mensal de ligações da matriz Tabela 5 - Levantamento mensal de ligações da filial Tabela 6 - Custo total de investimento Tabela 7 - Análise de custo de ligações Tabela 8 - Custo do investimento na matriz Tabela 9 - Custo do investimento na filial

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO SISTEMA DE TELEFONIA Telegrafia Evolução dos sistemas telefônicos União internacional de telégrafos Centrais telefônicas Telefonia digital REDE DE DADOS Arquitetura de redes INTEGRAÇÃO DOS SERVIÇOS VOZ SOBRE IP Detalhes técnicos para qualidade da voz Largura de banda Jitter Perda de pacotes Protocolos Codificação do sinal de voz Operadoras VoIP ASTERISK R História Redução de custos Código aberto Controle sobre sistema de telefonia Aplicações e recursos

15 2.5.6 Novas funcionalidades Plano de discagem Organização no sistema de arquivos ARQUITETURA Canais Codificadores de áudio Protocolos EQUIPAMENTOS E PROGRAMAS UTILIZADOS EM VOIP Balun Adaptadores análogos de telefone SoftPhone Telefone IP Telefone IP simples Telefone IP avançado Telefone IP wireless Flash operator panel AMBIENTES DE ESTUDO DESCRIÇÕES DOS AMBIENTES KaVo - matriz em Joinville/S.C KaVo - filial em São Paulo/S.P COMUNICAÇÃO ENTRE MATRIZ E FILIAL Problema no recebimento de pedidos Problema nos recados Problema na comunicação com representantes Problema na utilização de programas de mensagens instantâneas Necessidade de música de espera personalizada Necessidade de ampliação de ramais

16 3.2.7 Necessidade de call-center Necessidade de unidade de resposta audível DEFINIÇÕES DOS CUSTOS IMPLANTAÇÃO DA SOLUÇÃO NOS AMBIENTES ESTUDADOS DESCRIÇÕES DOS NOVOS AMBIENTES KaVo - matriz em Joinville/S.C KaVo - filial em São Paulo/S.P NOVA COMUNICAÇÃO ENTRE MATRIZ E FILIAL Solução no recebimento de pedidos Solução nos recados Solução na comunicação com representantes Solução na utilização de programas de mensagens instantâneas Solução da música de espera personalizada Solução da ampliação de ramais Solução de call-center Solução da unidade de resposta audível PROBLEMAS ENCONTRADOS ANÁLISE DO INVESTIMENTO Benefícios adquiridos Projetos futuros CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS

17 17 1 INTRODUÇÃO A voz é um instrumento essencial para a comunicação e possibilita a troca de informações entre pessoas, mesmo que a distância através de ligações telefônicas, por meio da Rede Publica de Telefonia Comutada (RPTC). Com a implantação de uma Central Telefônica (PABX), as empresas tem como objetivo permitir a realização de ligações entre os ramais internos, bem como comunicar-se com a RPTC através de soluções proprietárias que possuem custos elevados. O crescimento de implantações das redes com o Protocolo Internet (IP) e o desenvolvimento de técnicas avançadas, como: digitalização de voz, mecanismos de controle, priorização do tráfego, protocolos de transmissão em tempo real e o estudo de novos padrões que permitam a qualidade de serviço, criam condições para a comunicação de Voz Sobre IP (VoIP), tecnologia que permite a transmissão da voz através dos pacotes das redes IP, como a Internet. A convergência na área de comunicações utiliza o compartilhamento de recursos através de uma única rede capaz de trafegar voz e dados, criando assim um novo conceito em telefonia. Este fato despertou um certo interesse nas indústrias computacionais e de telecomunicações, resultando em economia, além de possibilitar a ampliação dos serviços e equipamentos oferecidos aos clientes. O software livre Asterisk R, é um programa que utiliza o conceito de PABX IP, que além de possuir todas as funções básicas e ser uma solução de baixo custo, contém diversos recursos avançados encontrados somente nos PABX com nível de qualidade e custos elevados. Este trabalho será composto por cinco capítulos e demonstrará como a implantação da tecnologia VoIP e do Asterisk R será uma solução viável para a empresa KaVo do Brasil Indústria e Comércio LTDA nos ambientes da matriz e filial, que têm como objetivos resolver os problemas e atender as necessidades enfrentadas com aplicações avançadas em telefonia, assim como uma possível redução nos custos das ligações de longa distância. O primeiro capítulo será a introdução e o segundo capítulo abordará um histórico da telefonia, a arquitetura dos protocolos TCP/IP, a integração dos serviços, a tecnologia de Voz Sobre IP, os equipamentos utilizados em VoIP, a apresentação do Asterisk R e outras definições técnicas que serão utilizadas no decorrer do trabalho.

18 18 No terceiro capítulo será apresentado a primeira parte do estudo de caso na empresa KaVo do Brasil, onde serão feitas as definições dos ambientes de comunicação da matriz e filial, os problemas e as necessidades de comunicação, os orçamentos para as soluções e por fim as definições dos custos totais. O quarto capítulo apresentará a implantação do Asterisk R nos ambientes estudados pelos profissionais da itflex, Carlos Diego Russo Medeiros gerente do projeto e a minha pessoa Felipe Nogaroto Gonzalez responsável pelas tarefas de instalação, configuração e suporte da implantação, assim como, as aquisições e modificações necessárias, as soluções adotadas para cada problema e cada necessidade, análise do investimento utilizado, o comparativo com a solução proprietária, bem como os benefícios adquiridos e os projetos futuros, finalizando o trabalho com o quinto capítulo que será a conclusão através dos resultados obtidos com as soluções adotadas.

19 19 2 SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO Este capítulo apresenta um breve histórico da evolução dos sistemas de telefonia, a arquitetura de rede de dados e seus principais protocolos, assim como a integração destes meios de comunicação e os equipamentos e programas comumente utilizados em telefonia IP. 2.1 SISTEMA DE TELEFONIA O sistema telefônico público é atualmente o sistema de comunicação mais utilizado em todo o mundo. É responsável por estabelecer um circuito e transmitir através deste, a comunicação de voz entre o os pontos A (emissor) e o ponto B (receptor). Conhecida tecnicamente por Rede Telefônica Pública Comutada (RTPC), ou em inglês Public Switched Telephone Network (PSTN), é um serviço de telecomunicações por meio de transmissão de voz e de outros sinais, destinando-se à comunicação entre pontos, utilizando os processos de telefonia. Constituída por terminais que variam desde um simples aparelho telefônico residencial, aparelhos públicos ou sistemas telefônicos privados de empresas, centrais de comutação e rede de acesso Telegrafia Telegrafia é um acrônimo das palavras gregas, têle que significa longe e graphé que significa escrita e consiste em uma das formas de comunicação escrita à distância mais antigas. Consiste num sistema de transmissão de mensagens a distância, inventado por Samuel Morse, o qual realiza a representação de sons ou sinais e pelo envio e recebimento de ondas eletromagnéticas com amplitudes e freqüências constantes, geradas e recebidas pelo equipamento chamado telégrafo e os sinais representado do Código Morse (WIKIPEDIA, 2006a). O cientista Samuel Finley Breese Morse nasceu em 27 de Abril de 1791, em Charlestown, Massachusetts nos Estados Unidos da América.

20 20 Na mesma época em que cursava a Faculdade Yale, em New Haven, EUA, participou de uma viagem de navio e após uma conversa sobre o eletroímã, interessou-se pelo assunto e iniciou seus estudos. Em 1835 construiu o primeiro protótipo funcional de um telégrafo, conforme Figura 1, e dois anos mais tarde, decidiu dedicar-se inteiramente a esta invenção (SMITHSON, 1999). Em meados de 1838, finalizou o desenvolvimento de um sistema de códigos e o apresentou ao público batizando-o de Código Morse tornando-se responsável pelo início do desenvolvimento das comunicações (COLCHER, 2005). Figura 1: Telégrafo de Morse com melhorias de Alfred Vail Fonte: Smithson, 2006 Código Morse é um sistema de representação, composto por letras do alfabeto, algarismos arábicos e sinais de pontuação através da combinação adequada de dois tipos de sons ou sinais, um breve e um longo com intervalos convenientes. Possibilita a formação de palavras e frases inteiras e atualmente, embora ultrapassado, é utilizado no mundo inteiro pelo radioamadorismo (WIKIPEDIA, 2006b). Em 1843 conseguiu recursos financeiros para seu invento através do Congresso Norte-Americano e em 1844 construiu a primeira linha telegráfica ligando Baltimore e Washington DC. No dia 24 de Maio de 1844 enviou a primeira mensagem oficial utilizando seu sistema de telegrafia, cuja mensagem foi: - What hath God wrought! - Que obra fez Deus!. Aproximadamente dez anos depois, a telegrafia já era disponível em vários países como um serviço para o público em geral. A telegrafia foi muito utilizada pelas corporações militares, sendo que a partir da Segunda Guerra Mundial perdeu sua popularidade com a utilização do Single Side Band e sendo completamente extinta das corporações com a invenção do rádio (COLCHER, 2005).

21 Evolução dos sistemas telefônicos Na época de sua invenção, a telegrafia despertou um grande interesse nos cientistas. Foi quando Alexander Graham Bell nascido em 3 de Março de 1847, em Edimburgo, Escócia, um cientista e juntamente de seu jovem ajudante Thomas A. Watson dedicavam-se a um projeto relacionado ao sistema de telegrafia que a principio sem qualquer relação com o telefone. Estranhamente o aparelho em que trabalhavam, transmitiu um som totalmente diferente do esperado e após uma análise do que havia ocorrido, Graham Bell percebeu que a parte de recepção do equipamento, havia sido montada de forma errada porém conseguira produzir uma corrente elétrica cuja variação acontecia na mesma intensidade que o ar variava de intensidade junto ao transmissor (COLCHER, 2005). Em 14 de Fevereiro de 1876, após algumas melhorias, Graham Bell patenteou o telefone, descrevendo-o como "o método de, e o instrumento para, transmitir sons vocais ou outros telegraficamente, causando ondulações elétricas, similares às vibrações do ar que acompanham o som vocal." Em 1877 Graham Bell juntamente com Gardiner Greene Hubbard, Thomas Sanders e Thomas Watson fundaram a Bell Telephone Companys, que em 1879 fundiu-se com a New England Telephone Company originando à National Bell Telephone Company. Em 1880 formaram a American Bell Telephone Company e em 1885 a American Telephone & Telegraph Company (AT&T), com o objetivo de dominar e expandir o negócio de comunicações interurbanas (BELL, 2006). Em 1899 Graham Bell, adquiriu a propriedade da AT&T, sendo que existente até hoje, provendo serviços de telecomunicação de voz, vídeo, dados e Internet para empresas, particulares e agência governamentais. Em sua história já foi a maior companhia telefônica e a maior operadora de televisão à cabo do mundo (AT&T, 2007) União internacional de telégrafos A União Internacional de Telégrafos (ITU), foi fundada em Paris, no dia 17 de Maio de 1865 sendo atualmente a organização internacional mais antiga do mundo. O setor T do ITU é uma organização internacional destinada a padronização de técnica e de operação dos sistemas de telecomunicações, como a alocação de espectros de ondas de rádio e organizar os arranjo de interconexões entre os países permitindo a telecomunicação mundial.

22 22 O ITU-T é uma das agências especializadas da Organização das Nações Unidas (ONU), tendo sua sede em Genébra, na Suíça e seus padrões internacionais são referenciados como Recomendações ITU-T. Devido à longevidade como uma organização internacional e ser uma agência especializada da ONU, os padrões promovidos pela ITU possuem um grande valor de reconhecimento internacional sobre outras organizações que publicam especificações técnicas similares (ITU, 2004) Centrais telefônicas Com o crescimento da demanda pelos serviços de telefonia, não era mais possível crescer utilizando a invenção inicial de Graham Bell, com linhas diretas e dedicadas entre os pontos. A solução para atender a demanda foi a utilização de uma rede com recursos compartilhados chaveados, ou comutados entre as conversas, o PSTN é utilizada até hoje para referenciar ao sistema telefônico em geral. Para existir a comunicação entre o ponto A e o ponto B, era necessário realizar o chaveamento ou comutação de circuito, o qual estabelece o caminho entre a origem e o destino durante o tempo de conversação, forma tradicionalmente utilizada nos sistemas telefônicos. Nos primeiros sistemas telefônicos, o chaveamento do circuito era feito utilizando a técnica de chaveamento físico manual, realizado por operadores humanos, conforme Figura 2. As Centrais Telefônicas ou ainda Troca De Ramais Privados (PBX) recebiam os pedidos de ligações e eram encarregados de fechar fisicamente os circuitos entre o ponto A e o ponto B, bem como liberar o circuito de ambos após o término da conversação (JACKSON, 2007). Figura 2: Operadoras realizando chaveamento físico manual em 1951 Fonte: Jackson, 2007

23 23 Nesta época os equipamentos telefônicos possuíam uma manivela, para realizar uma chamada, o ponto A girava a manivela de seu telefone, conforme Figura 3, gerando uma corrente elétrica que fazia acionar um alarme na mesa do operador da central. A telefonista atendia e ao ser informada sobre o destino da ligação, fazia tocar a campainha no telefone desejado utilizando o mesmo princípio da manivela (RUNEBERG, 1997). Caso o ponto B fosse atendido, a telefonista poderia então completar a ligação utilizando um cordão condutor unindo os terminais do ponto A e do ponto B solicitado. Figura 3: Telefone sueco com manivela de 1896 Fonte: Runeberg, 2006 Foi então que Almon Brown Strowger, nascido em 26 de Maio de 1839, em Penfield, Nova York nos Estados Unidos da América, era um empresário e dono de uma agência funerária. Através de uma telefonista mal-intencionada de Laporte, Indiana, teve a motivação para inventar uma central automática eletromecânica. Essa telefonista era esposa de outro proprietário de uma funerária concorrente e sempre quando alguém solicitava uma ligação para a funerária de Strowger, ela completava a ligação para a empresa de seu marido (COLCHER, 2005). Em 1881 após descobrir o que estava acontecendo com a redução de ligações para sua funerária, Almon Strowger inventou um novo tipo de dispositivo de discagem para os telefones, o qual passaram a não utilizar mais a antiga manivela, os pontos poderiam indicar diretamente o número do destinatário. Com sua invenção Almon Strowger livrou-se da concorrência desleal e de telefonistas mal-intencionadas. Assim a primeira central automática eletromecânica de chaveamento, dispensando os operadores humanos fora inventada, possuindo a capacidade apenas para 56 terminais telefônicos.

24 24 A escala de oferecimento do serviço telefônico também começou a crescer no início do século XX. Em 1913, Paris já contava com cerca de 93 mil telefones manuais, com as ligações atendidas por telefonistas. Em Nova York, na mesma época, já havia uma rede com cerca de 500 mil telefones, sendo que automação do sistema se iniciaria em Em 1922 e 1925, antes mesmo de Paris e de Estocolmo, foram inauguradas no em Porto Alegre, Brasil, as duas primeiras centrais automáticas do país, sendo que a primeira delas foi a terceira central automática das Américas, depois apenas das de Chicago e Nova York. A invenção do dispositivo de discagem possibilitou automatizar as ligações com a utilização de Troca Automática De Ramais Privados (PABX) comumente conhecido por Central Telefônica. Permite efetuar ligações entre telefones internos sem intervenção manual, ou ainda telefonar e receber telefonemas da rede externa Telefonia digital Até a década de 1950 as redes telefônicas existentes eram totalmente baseadas na tecnologia analógica. Em 1948 três pesquisadores do laboratório da Bell inventaram o transistor e o evoluíram, até que Roberto Noyce em 1958 realizou a produção do circuito integrado, provocando mudanças nos sistemas computacionais e impulsionando a indústria de telecomunicações, possibilitando dessa forma a criação de novas centrais telefônicas mais robustas, rápidas e também mais baratas (COLCHER, 2005). Nessa época surgiram também centrais telefônicas baseadas em sistemas computacionais, conhecidas como Centrais de Programa de Armazenamento (CPA) com diversas vantagens, como termos de operação, manutenção e provisão de serviços de telefonia. O modo de configuração e programação das centrais tornaram-se mais flexíveis, facilitando alterações de parâmetros de configurações através de ferramentas e programas. Em 1960 as redes telefônicas começam a presenciar a introdução de circuitos para a transmissão de sinais digitais nas linhas entre as centrais, que duas décadas mais tarde começam tornando-se predominantemente digital, exceto pelas linhas dos assinantes (COLCHER, 2005). Com o sucesso da digitalização, presente nos sistemas telefônicos e em paralelo a tecnologia digital nos sistemas computacionais, começava a motivar a idéia de que a convergência dessas duas áreas traria benefícios incomparáveis.

25 REDE DE DADOS Inicialmente criada afim de possibilitar o compartilhamento de recursos em empresas corporativas, seu desenvolvimento tecnológico e a relação preço/desempenho viabilizou a disponibilização de novos recursos à pessoas físicas, como acesso as informações remotas e comunicação pessoa a pessoa (TANENBAUM, 1994). As Redes Locais (LAN) são redes privadas e contidas num espaço físico limitado, como num prédio ou em um campus que possui alguns quilômetros de extensão. São amplamente usadas para conectar computadores pessoais e estações de trabalho em escritórios e instalações industriais, permitindo o compartilhamento de recursos e troca de informações de maneira prática e rápida (CYCLADES, 2002). Já as Redes Geograficamente Distribuídas (WAN) possuem ramificações que contém um conjunto de máquinas ou equipamentos conectados, sua função é transportar mensagens de uma estação para outra, essa estrutura de rede é altamente simplificada, pois separa os aspectos de comunicação pertencentes à rede e sub-rede dos aspectos de aplicações como estações e servidores (XAVIER, 2000). Visando a simplificação de um projeto de redes, onde a maioria das redes são organizadas como uma série de camadas ou níveis e cada camada possui um nome, conteúdo e função específica. Existem duas importantes arquiteturas de redes baseadas em camadas: o modelo de referência de Interconexão de Sistemas Abertos (OSI) e o modelo de Protocolo de Controle de Transmissão e o Protocolo Internet (TCP/IP), este responsável por controlar todo o tráfego da Internet estando diretamente relacionado com este trabalho Arquitetura de redes O modelo TCP/IP é uma arquitetura de rede que foi criada com o objetivo de conectar várias redes ao mesmo tempo sendo a base da Internet e composto de 4 camadas: Física/Enlace de dados, Rede (inter-rede), Transporte e Aplicações, conforme Figura 4. I. A camada física - primeira camada, consiste em rotinas de acesso à rede física, interagindo com o hardware e permitindo que as demais camadas sejam independentes do meio físico. Sua função é conectar a uma rede utilizando um protocolo e que seja possível enviar pacotes IP.

Estudo e Implantação de Solução de Voz Sobre IP Baseadas em Softwares Livres

Estudo e Implantação de Solução de Voz Sobre IP Baseadas em Softwares Livres Estudo e Implantação de Solução de Voz Sobre IP Baseadas em Softwares Livres Felipe Nogaroto Gonzalez Bacharelado em Sistemas de Informação Instituto Superior Tupy Orientador:

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÃO TELEFONIA IP E CORDLESS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE VEÍCULOS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÃO TELEFONIA IP E CORDLESS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE VEÍCULOS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÃO TELEFONIA IP E CORDLESS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE VEÍCULOS Felipe Tozetto Costa¹; Luis Miguel Schiebelbein², Rafael Scoczynski Ribeiro³ ¹ Faculdades Ponta Grossa Ponta Grossa

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar?

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar? 1 Conheça o sistema de Voz sobre IP (ou VOIP) O que é Voz sobre IP / Voz sobre Internet Protocolo? R. Voz sobre IP permite que você faça ligações telefônicas utilizando uma rede de computadores, como a

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Apresentação Epaminondas de Souza Lage Epaminondas de Souza Lage popo@planetarium.com.br Formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas Industriais

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito GUIA RÁPIDO DARUMA Viva de um novo jeito Dicas e Soluções para IPA210 Leia atentamente as dicas a seguir para configurar seu IPA210. Siga todos os tópicos para que seja feita a configuração básica para

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia A EMPRESA A ROTA BRASIL atua no mercado de Tecnologia nos setores de TI e Telecom, buscando sempre proporcionar às melhores e mais adequadas soluções aos seus Clientes. A nossa missão é ser a melhor aliada

Leia mais

LINKSYS SPA3102 E PAP2T

LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO TELEFONE PONTO A PONTO COM LINKSYS SPA3102 E PAP2T Infottecnica Telecom & infor www.infottecnica.com.br Pirapora MG Tel. 38 8404-4430 1 CONFIGURANDO SPA3102 e PAP2T Conteúdo: 1 Apresentação

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

LINKSYS SPA3102 E PAP2T

LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO TELEFONE PONTO A PONTO COM LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO SPA3102 e PAP2T Conteúdo: 1 Apresentação pag 3 2 Estudo de caso pag 4 3 Conexão dos ATAs pag 6 4 Configurando pag 8 5 SPA 3102

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES.

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. v8.art.br LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. www.liguetelecom.com.br 0800 888 6700 VOIP FIXO INTERNET LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO

Leia mais

Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes.

Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes. Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes. A revolução na comunicação da sua empresa. mobilidade mobilidade Voz Voz vídeo vídeo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Unidade I GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade I GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade I GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Objetivo Sistemas para redução de custos e aprimoramento de produção. Diferenciais de processos em seus negócios. Melhores práticas de gestão de tecnologia

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Motivação Camadas do modelo OSI Exemplos de protocolos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Para que dois ou mais computadores possam se comunicar, é necessário que eles

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

PABX IP. Newtec Soluções Av. Deusdedith Salgado 1292, Teixeiras, Juiz de Fora, MG (32)3083-5409 (32)3025-5409 www.newtecsolucoes.com.

PABX IP. Newtec Soluções Av. Deusdedith Salgado 1292, Teixeiras, Juiz de Fora, MG (32)3083-5409 (32)3025-5409 www.newtecsolucoes.com. Informações O sistema O sistema foi desenvolvido com Asterisk, em uma plataforma OpenSource da Sangoma Company. Além das funcionalidades de um PABX convencional, o possibilita inúmeras tarefas, além de

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS GANASCIM, R.; FERNANDES, F. N. RESUMO O artigo apresenta um estudo relacionado a tecnologias de voz sobre IP, ou telefonia IP, que tratam do roteamento

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Conexões mais Fortes. Novas Possibilidades. www.level3.com

Conexões mais Fortes. Novas Possibilidades. www.level3.com Conexões mais Fortes. Novas Possibilidades. www.level3.com Hoje em dia, as empresas valorizam mais os resultados. E procuram tecnologia de próxima geração para gerar ganhos tanto na produtividade como

Leia mais

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA Pioneirismo tecnológico e FLEXIBILIDADE na migração O é uma plataforma de comunicação convergente, aderente às principais necessidades das

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

REDE IP WAVENET INFRA-ESTRUTURA MULTISERVIÇOS IP WIRELESS

REDE IP WAVENET INFRA-ESTRUTURA MULTISERVIÇOS IP WIRELESS REDE IP WAVENET INFRA-ESTRUTURA MULTISERVIÇOS IP WIRELESS TÓPICOS - INTRODUÇÃO - HISTÓRICO - INTERNET PONTO A PONTO - INTERNET PONTO MULTIPONTO - TECNOLOGIA WI-MESH - REDE MULTISERVIÇOS IP - CASOS PRÁTICOS

Leia mais

Comunicação interligando vidas

Comunicação interligando vidas Comunicação interligando vidas APRESENTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento contém o projeto técnico comercial para prestação dos serviços de locação, suporte, consultorias da área

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução à tecnologia de redes Redes de Computadores Século XX - Era da Informação -> invenção do computador. No início, os mainframes

Leia mais

MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS.

MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS. MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS. MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. Caro cliente, Para reduzir

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente Sistema M75S Sistema de comunicação convergente O sistema M75S fabricado pela MONYTEL foi desenvolvido como uma solução convergente para sistemas de telecomunicações. Com ele, sua empresa tem controle

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais