Instituto Politécnico do Porto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Politécnico do Porto"

Transcrição

1 Instituto Superior de Engenharia do Porto Instituto Politécnico do Porto Projecto Licenciatura PDA e Telemóveis Ligação com PCs, Ferramentas, Programação e Aplicações 2001/2002 Projecto desenvolvido por: João Nuno Iria Orientado por: Filipe Pacheco

2

3 Agradecimentos Aos meus pais pelo apoio moral durante este 5 anos e por tornarem possível esta licenciatura. Tenho a agradecer o facto de terem, inicialmente, suportado os custos da Internet. Ao meu orientador, Filipe Pacheco, por toda a ajuda na selecção de informação e nível de aprofundamento em todos os temas abordados. Foi através a ele que tomei conhecimento do vasto campo que são os PDAs. Mesmo antes do desenvolvimento deste projecto, foi ele quem me iniciou este género de tecnologia. À empresa RebootSys, Sistemas Informáticos, Unipessoal Lda pelo patrocínio na ligação à Internet e fornecimento de equipamento. Ao Bruno Lobo Pereira e João Pedro Almeida pela ajuda na tradução e a investigação na Internet sobre todos os temas incluídos e outras informações, que apesar de úteis não puderam ser incluídas neste projecto. Ao Pedro Miguel Velho pelas excelentes revistas sobre tecnologia que me disponibilizou. Ao Filipe Marques Oliveira pelas valiosas indicações sobre alguns sites de PDAs e programação. I

4 II

5 Índice 1 Introdução Introdução às Tecnologias PDA 3 Handheld e Pocket PC 3 Categorias de dispositivos móveis e acessórios 4 Introdução de dados nos Pocket e Handheld Telemóveis 6 O Primeiro Telemóvel 6 Telefone ou rádio? 6 As Células 7 Processo de passagem entre células (Handoff) 7 O Roaming 7 Telemóveis Digitais 8 Os Aparelhos 8 Características Básicas 8 Funções dos Telemóveis 9 Operadoras: Serviços, Modalidades e Segurança Convergência entre PDA e telemóveis 12 Uma realidade cada vez mais necessária 12 Smartphones Tecnologias de Ligação ao Pc Via Cabo Série (RS232) 15 Problemas Comuns quando se usam Interfaces RS Simplificações Aceites do Standard USB 17 Perspectiva Histórica do Universal Serial Bus 18 Recapitulação de Operações USB Acréscimo com USB Operações USB Tecnologias de Ligação ao Pc sem fios IrDA 21 Layers 21 III

6 IrDA 1.0 e Bluetooth 23 Descrição Geral 23 Bluetooth nos Telemóveis 24 Frequências e Canais 24 Características do Transmissor 25 Características de Modulação 25 Características do Receptor 25 Performance de interferências 25 Definição de canais 25 PHYSICAL Links 26 SCO Link 26 ACL Link 26 Formato Payload 26 Correcção de erros 27 Canais Lógicos 27 Relógio Bluetooth 28 Procedimentos de inquérito 29 Estado da conexão 29 Scatternet 30 Áudio em Bluetooth 30 Códigos de Acesso 30 Active Member Address (AM_ADDR) 31 Parked Member Address (PM_ADDR) 31 Access Request Address (AR_ADDR) 31 Segurança Bluetooth 32 Passado da Sincronização no Bluetooth Ferramentas de Sincronização e Programação SyncML 35 A Iniciativa SyncML 35 Protocolo de Sincronização 36 O Problema da Sincronização 36 Benefícios de um Protocolo Comum 36 Características de um Protocolo Comum 37 Sincronização Remota 38 IV

7 Eficaz sobre Redes Wireless e Wireline 38 Arquitectura do Protocolo SyncML 40 Suporte Arbitrário a Dados em Rede 40 Limitações dos dispositivos móveis 40 Construção sobre Tecnologias Internet e Web 41 SyncML Usando Bluetooth 41 A Conexão OBEX Windows CE Platform Builder 41 Windows CE.NET e Platform Builder Beta 2 Emulation Edition 42 O IDE (Ambiente de Desenvolvimento) do PB Desenvolvimento para o Windows CE.NET Desenvolvimento em Palm OS 46 6 Aplicações Pocket PC 49 Programas Incluídos 49 Programas de Comunicação 50 Divertimento Handheld 53 Programas Incluídos 53 Programas de Comunicação 53 Divertimento 55 7 Conclusão 57 Glossário 59 Índice de Figuras 63 Índice de Tabelas 63 Bibliografia 65 V

8 VI

9 Introdução 1 Introdução Com a evolução dos tempos e dos negócios, tornou-se necessário o uso da tecnologia para acompanhar essa evolução, e o crescente uso da Internet teve um importante papel na evolução destas tecnologias. No nosso dia a dia, já estamos habituados ao uso de telemóveis, mas o uso destes para a Internet ainda é muito dispendioso ou até mesmo impossível com os modelos disponíveis e ao alcance de qualquer um. Assim sendo, surgiram tecnologias complementares, como por exemplo, pequenos "organizers", máquinas de calcular com funções de Agenda de Contactos, abrindo assim caminho para o surgir de um PC de pequenas dimensões e funções reduzidas ao necessário com a possibilidade de interligação com telemóveis e PCs portáteis ou de secretária. A esses dispositivos deram-se o nome de PCs de Bolso ou PCs de Mão. Estes PCs de Bolso vieram superar as dificuldades que por vezes surgia quando era necessário escrever pequenas notas, elaborar pequenos documentos ou até mesmo fazer alguns cálculos mais complexos, possíveis apenas nos PCs. Mas o uso de PCs portáteis em qualquer lugar é relativo devido ao facto de ter que se andar no mínimo com 2 Kg, considerando que se tem apenas o portátil e este é o mais leve do mercado, a espera de cerca de 1 minuto ou mais para que o portátil nos dê acesso às aplicações que precisamos e a limitação de uso pela duração da bateria. Tudo isto torna difícil a utilização de um portátil para as pequenas coisas. A outra solução era andarmos com blocos de apontamentos e canetas sempre prontos a tomar notas. Contudo, se usarmos o PC para trabalhar, as informações que temos no PC de bolso não estão disponíveis e então aí surgiu a necessidade de sincronização dos dados que pode ser conseguida de várias formas e topologias, como poderemos ver neste relatório, com Cabo: ligação Serie por RS232 ou USB; ou sem Cabo: ligação de Infra Vermelhos ou Bluetooth. A crescente evolução desta tecnologia levou ao desenvolvimento de aplicações para diversos usos, que vão desde jogar pequenos jogos até organizar a lista telefónica do telemóvel passando por substituir o comando da TV ou Vídeo. Podendo ser usado também para navegar na Internet, preparar correio electrónico, criar documentos em formato Word e Excel, entre muitas outras utilidades. 1

10 Introdução 2

11 Introdução às Tecnologias 2 - Introdução às Tecnologias 2.1 PDA Handheld e Pocket PC O Handheld PC e os Pocket PCs são categorias de dispositivos móveis baseados no sistema operacional Windows CE. Muito mais do que assistentes pessoais ou agendas electrónicas, estes dispositivos são computadores que podem ser facilmente levados a qualquer lugar, criados para atender profissionais em movimento que necessitem de rapidez, facilidade e segurança no acesso a informações corporativas e pessoais. Para aqueles que consomem grande parte do seu tempo trabalhando remotamente, estes equipamentos são versáteis, dedicados, multifuncionais e de uso genérico. Do ponto de vista empresarial, eles são óptimos geradores de informações, podendo ser utilizados desde a automação de processos até a colecta de informações estratégicas. Imagem Alguns Pocket PCs e Handheld existentes A escolha do equipamento adequado para equipas de profissionais depende de factores como tipo de actividade, modelo de captura e apresentação das informações e volumes de dados pretendidos. Estes aparelhos também representam vantagens em relação a outros computadores que podem ser envolvidos em processos de computação móvel. Dimensões Além de mais leves e simples de manusear, podem ser transportados em qualquer espaço vago devido aos tamanhos reduzidos Ligar e Trabalhar A duração de arranque das aplicações é inferior quando comparado a outros equipamentos. Consumo de Energia Por serem dispositivos mais compactos e económicos, o consumo de energia e tempo de recarga são menores, tendo uma autonomia maior, sem contar com o facto do Sistema Operacional desligar automaticamente quando não usado durante um curto período. 3

12 Introdução às Tecnologias Custos Operacionais e expansão Programada Por serem mais compactos e direccionados para actividades empresariais específicas, estes dispositivos não contam com vários circuitos e periféricos internos, como por exemplo disco rígido e discos flexíveis, diminuindo desta forma custos com manutenção, helpdesk, programas desnecessários e até mesmo vírus. Categorias de dispositivos móveis e acessórios Imagem Categorias de dispositivos móveis Actualmente, estes aparelhos contam com uma série de acessórios e dispositivos auxiliares que visam maior flexibilidade no trabalho e conforto adequado ao profissional em campo, como cartões PCMCIA, adaptadores infravermelho, expansões de armazenamento, impressoras portáteis, leitores de código de barras, carregadores para automóveis, entre outros. Especificações Normalmente estes dispositivos destacam-se pelas suas especificações como: Velocidade e tipo de processador; Numero de cores, tipo e resolução de ecrã; Memória RAM e ROM; Método de inputs; Tipo de portas suportadas; Software; Garantia; Entre outros. 4

13 Introdução às Tecnologias Aqui podemos ver algumas comparações: Modelo Memória Proc. Ecrã Expansões Compaq ipaq Pocket PC H3760 H3765 ROM 32MB RAM 64MB HP ROM 32MB Jornada RAM 32MB 560 series Compaq ROM 32MB ipaq RAM 64MB Pocket PC H3870 H3835 Toshiba ROM 32MB Pocket RAM 64MB PC e570 HP ROM 32MB Jornada RAM 64MB 928 WDA NEC ROM 32MB MobileP RAM 32MB ro P300 (MC/PG 5000A) Casio ROM 32MB Cassiop RAM 64MB eia E- 200 ipaq H3970 O2 XDA ROM 48MB RAM 64MB ROM 32MB RAM 32MB Fujitsu- ROM 32MB Siemens RAM 64MB Pocket LOOX Toshiba ROM 32MB e310 RAM 32MB Intel StrongARM 32-bit Intel StrongARM 32-bit Intel StrongARM 32-bit Intel StrongARM 32-bit Texas Instruments OMAP 710 Intel StrongARM 32-bit Intel StrongARM 32-bit T: Reflective TFT LCD C: 4,096 R: 240 x 320 T: Reflective TFT LCD C: 65,536 R: 240 x 320 T: Reflective TFT LCD C: 65,536 R: 240 x 320 T: A-Si reflective TFT LCD C: 65,536 R: 240 x 320 T: TFT LCD C: 65,536 R: 320 x 240 T: Reflective 3.8" QVGA TFT LCD C: 65,536 R: 240 x 320 T: Reflective TFT LCD C: 65,536 R: 240 x 320 SD card slot para expansão de mem. Adicionais: Bluetooth, CompactFlash(TM), GSM/GPRS para voz e dados wireless, PC card com bateria, Ruggedized CF Tipo 1 estendida Adicionais: Adaptador PC card com slot MMC/SD SD card slot para expansão de memória Adicionais: Bluetooth, CompactFlash(TM), GSM/GPRS para voz e dados wireless, PC card com bateria, Ruggedized Opções de Sincronização Bateria Tamanho Peso Infrared, cabo USB 9 hrs 84mm x 178g Adicionais: Cabo e 16mm x Cradle Serie, Cabo e 130mm Cradle USB Infrared, cradle USB 14 hrs 76mm x 173g e Serie 17mm x Adicionais: Cabo e 132mm Cradel Serie, Cabo USB USB/Serie cradle 12 hrs 84mm x 190g Adicionais: 16mm x USB/Serie cradle 135mm CF Card Slot Tipo II, SD card Infrared, USB/Serie 8 hrs 77.5mm x 180g slot para expansão de memória cradle 18mm x Adicionais: Cabo e Cradle Serie, Cabo USB 125mm CF Tipo 1 estendido GPRS, GSM, 14 hrs 77.8mm x 195 g Infrared, USB cradle 16.7mm x com Cabo 137mm CF Card Slot Tipo II, SD card slot para expansão de memória, USB Adicionais: PC card com bateria, Cabo de conversão USB Host I/F CF Card Slot Tipo II, SD card slot para expansão de memória, Infrared, Porta Serie, USB Adicionais: conversor 20pin/USB, unidade PC card Serie conexão, USB 10 hrs 78mm x 190g cradle com cabo 18mm x Adicionais: Cabo e 128mm Cradle USB, Cabo Serie Infrared, Cradle 10 hrs 82mm x 190g USB/Serie Adicionais: cabo de 17.5mm x 130mm interface USB Intel XScale T: SD card slot para expansão de Infrared, cradle 9 hrs 84mm x 190g Transflective memória USB/Serie 16mm x display Adicionais: Bluetooth, Adicionais: cabo 135mm C: 65,536 CompactFlash(TM), GSM/GPRS USB, cradle R: 320 x 240 para voz e dados wireless, PC card com bateria USB/Serie Intel T: Reflective SD/MMCard Slot Integrada GPRS, GSM, 3.5 hrs 73mm x 200g StrongARM TFT LCD Adicionais: Keyboard Infrared, Cradle com conv. 18mm x 32-bit C: 4,096 cabo USB 150 hrs 129mm R: 240 x 320 Adicionais: Cabos standby Serie e USB 15 hrs PDA Intel T: Reflective SD/MMCard Slot Integrada, CF Infrared, cradle 12 hrs 82mm x 175g PXA250 TFT LCD Card Slot Tipo II USB/Serie 17mm x C: 65,000 Adicionais: GSM/GPRS Plug-on 132mm R: 240 x 320 Intel T: A-Si SD card slot para expansão de Infrared, USB cradle 8 hrs 77.5mm x StrongARM reflective memória com cabo 17.5mm x 32-bit TFT LCD Adicionais: Cabo 125mm C: 65,536 Serie, cradle Serie, R: 320 x 240 Cabo USB Tabela Comparação de dispositivos móveis 5

14 Introdução às Tecnologias Introdução de dados nos Pocket e Handheld A introdução de dados nos diversos dispositivos pode ser efectuado de diversos modos. Os Pocket PCs vêm equipados com Touch Screen, e botões de atalho para as funções mais usadas. Deste modo o modo mais usado é uma caneta em Touch Screen havendo a possibilidade de ligação a um teclado. Reconhecimento de escrita manual, teclado por software, gravação de voz, escrita directa, uso de botões configuráveis para as funções de On/Off e retro-iluminação, Botões personalizáveis para aplicações Joystick de cinco direcções: cima, baixo, esquerda, direita e pressionar, calendário, contactos, correio electrónico, configurações e gravação de voz. Os Handheld possuem teclados incorporados, havendo a possibilidade de activação de Touch screens. Estes dispositivos têm suporte para leitores de código de barras, SmartCards, GPS, entre outros. 2.2 Telemóveis O Primeiro Telemóvel Em 1973, Martin Cooper, então a trabalhar na Motorola, carregou num botão, obteve sinal de marcação e fez a primeira chamada de um telemóvel do mundo. Cooper entrou para a história não só como sendo o primeiro utilizador, mas também por ser considerado como o inventor deste novo meio de comunicação. O conceito de comunicações móveis utilizando uma rede celular nasceu em 1947, dentro da Bell Laboratories, o departamento de Imagem Martin Cooper pesquisa da AT&T, a única operadora norte-americana nessa altura. Na altura, a ideia não era realizável devido a dificuldades na disponibilização de espectro de rádio por parte das autoridades. Mas a partir de 1960, a Bell Labs e a Motorola começaram a estudar o conceito e a procurar colocá-lo em prática. A corrida ao celular foi vencida pela Motorola a 3 de Abril de 1973, graças aos esforços de Cooper que pretendia que as pessoas fossem capazes de transportar e utilizar o seu telefone em todos os lugares. Nesse mesmo dia, Cooper encontrava-se na esquina de uma rua em Manhattan, a caminho de uma conferência de imprensa num hotel, quando decidiu tentar fazer uma chamada pessoal. Cooper pegou no seu terminal Dyna-Tac, carregou no botão para tirar o telemóvel do descanso e o aparelho conseguiu ligar-se à rede fixa através da estaçãobase instalado no topo de um edifício em Nova Iorque. Cooper então marcou o número do seu rival, Joel Engel, o responsável pelo departamento de pesquisa da Bell Labs. Telefone ou rádio? Tal como muitos outros aparelhos do nosso dia-a-dia, um telemóvel é um verdadeiro mistério para a maior parte das pessoas. Na verdade, um telemóvel não é realmente um telefone, mas um aparelho de rádio que funciona de um modo análogo a um rádio amador, ou um CB portátil. A grande diferença está no facto de a banda CB usar apenas uma frequência para falar e para ouvir, o que leva a que quando está alguém a falar o outro lado só pode ouvir e vice-versa. Um telemóvel utiliza duas frequências diferentes: uma para falar e outra para ouvir, permitindo uma conversa normal. Um 6

15 Introdução às Tecnologias rádio CB tem 40 canais, um telemóvel comunica através de milhares. No entanto, como os telemóveis funcionam num sistema de células, e um rádio CB transmite directamente para outro aparelho, o rádio tem de ser muito mais forte, apesar de ter um alcance de pouco mais de seis quilómetros. Antes da invenção das células, as pessoas usavam radiotelefones que transmitiam para uma antena central em cada cidade com talvez 25 canais disponíveis. Uma antena isolada desta maneira exigia um transmissor potente, o suficiente para transmitir a 60 ou 80 quilómetros. Tudo isto significava que nem toda a gente podia usar radiotelefones: não só era caro como simplesmente não havia frequências suficientes. As Células Nas décadas de 70 e 80 foi inventado o sistema de células. Alguém se lembrou, um dia, que as cidades poderiam ser divididas em espaços mais reduzidos, círculos de transmissão chamados células, o que permitia o uso extensivo das frequências em todas as cidades, sem problemas, através da reutilização. Como é que isto acontece? A operadora reparte a área em vários espaços, em várias células, normalmente hexagonais, como num jogo de mesa, criando uma imensa grelha de hexágonos. Em cada célula existe uma estação transmissora, tipicamente, uma antena simples. Cada célula consegue utilizar várias dezenas de canais, o que significa a possibilidade de várias dezenas de pessoas estarem a comunicar ao mesmo tempo em cada célula. Quando uma pessoa se movimenta de uma célula para outra, passa a utilizar a frequência da nova célula, deixando-a livre na célula anterior para ser usada por outra pessoa. Como as distâncias de transmissão não são muito grandes, os telemóveis podem transmitir com pouca energia, logo, com pequenas baterias que permitem um tamanho e um peso reduzido. São portanto, as células, que tornam possíveis os telemóveis como os conhecemos hoje. Daí a expressão: telefones celulares. Processo de passagem entre células (Handoff) Quando uma operadora recebe uma chamada, tentará encontrar o telemóvel ligado a que se destina. Antes do roaming, a operadora chamaria o telefone através de um sinal maciço para todas as células, da região que opera, até encontrar o telefone e diz então ao telemóvel e à estação da célula em que frequência operar. À medida que o telemóvel se aproximar do limite da célula, a estação apercebe-se que o sinal se está a tornar mais fraco, enquanto que a estação da célula seguinte descobre o sinal a tornar-se mais forte. Por fim, o telemóvel recebe a ordem de passar da frequência da primeira célula para outra frequência na célula seguinte. A esta operação chama-se: o handoff. O Roaming Nos sistemas modernos, o telemóvel recebe uma Identificação do Sistema da operadora quando é ligado. Se, nesta altura, o telemóvel detectar que a Identificação do Sistema não é a da sua operadora, é porque está em roaming, ou seja, está a usar os serviços emprestados de outra operadora, um sistema que permite usar o mesmo telemóvel em diferentes países. Na altura em que é ligado, o telemóvel também transmite um pedido de registo. A partir daí, a rede manterá o contacto e terá sempre presente em que célula está o telemóvel e não terá problemas em encontrá-lo em caso de receber uma chamada. À medida que o telemóvel passa de uma célula para outra, a rede fará um novo registo. Se 7

16 Introdução às Tecnologias o telemóvel descobrir que não está registado, é porque está fora do alcance da rede e dirá que «Não tem rede». Telemóveis Digitais O sistema analógico tem a tendência para o congestionamento. Apesar de várias dezenas de pessoas poderem partilhar a mesma célula, haveria sempre um limite para o número de pessoas, uma vez que há um número limite de frequências. Os telemóveis digitais, apesar de usarem a mesma tecnologia rádio já explicada, convertem a voz em códigos digitais binários e comprimem-na, de tal maneira que cada telefonema ocupa 3 a 10 vezes menos espaço do que um telefonema analógico, para além do que permite uma maior manipulação de dados para os encaixar em espaços adequados, o que aumenta drasticamente as capacidades dos sistemas. Os Aparelhos Os telemóveis são dos aparelhos mais complexos e sofisticados que encontramos no dia-a-dia. Para comprimir e descomprimir sinais digitais codificados, têm de processar milhões de cálculos por segundo. No entanto, como máquina, são compostos apenas de alguns componentes. São estes: um microfone microscópico; um altifalante; um mostrador de cristais ou plasma; um teclado; uma antena; uma bateria; e uma placa de circuitos. O telemóvel tem um microprocessador que processa cálculos a grande velocidade, chamado um DSP, ou «Digital Signal Processor» (Processador Digital de Sinais). Este processador fará toda a compressão e descompressão dos dados à velocidade média de 40 MIPS (Milhões de Instruções Por Segundo). O microprocessador trata de todas as tarefas do teclado e do monitor, lida com os comandos e controla os sinais da estação de base, para além de coordenar as restantes funções. Características Básicas Todos os telemóveis são constituídos por uma série de elementos, os quais influenciam a forma como são utilizados. Peso, dimensão, antena, autonomia, bateria e teclado são as características físicas que definem a facilidade de uso e a sua praticabilidade. Outra questão essencial é o preço, o qual varia conforme as qualidades do terminal. Regra a ter em atenção: quando mais recente for o modelo, mais leve e compacto será, mas também mais caro será. Autonomia: indica o tempo em que é possível utilizar o telemóvel, após ter sido totalmente carregado. Pode ser dividida em duas vertentes, a autonomia de conversação (o tempo durante o qual é possível falar ao telefone) e a autonomia em espera (o período no qual o telemóvel pode estar ligado, sem estar a ser utilizado). O estado e qualidade das baterias é um factor essencial na autonomia. Bateria: armazena a energia eléctrica necessária para o funcionamento do aparelho. Normalmente são usados três tipos de baterias: NiCd (Níquel/Cádmio), NiMH (Hidreto Metálico de Níquel) e Li-ion (Iões de Lítio). Cada telemóvel traz consigo um carregador. 8

17 Introdução às Tecnologias Peso: um valor superior a 200 gramas pode-se tornar um fardo para o utilizador. O peso deve ser medido tomando em conta a bateria. Antena: capta e emite as transmissões de rádio. Pode ser interna ou externa e, caso se encontre no exterior do terminal, ser fixa ou telescópica. Cartão SIM: é o elemento essencial de um telemóvel GSM. É necessário que este se encontre inserido dentro do terminal para que o telemóvel se possa ligar a uma rede GSM. O cartão SIM (Subscriber Identity Module) identifica o assinante do serviço móvel dentro da rede e armazena uma série de informações, como o número de telefone pessoal, a facturação, etc. Pode também ser usado para guardar mensagens SMS e outros números de telefone. É também o responsável por todas as funções de segurança, ao controlar o acesso através do PIN e de conter o código necessário para se ter acesso à rede GSM. Existem ainda toda uma série de acessórios disponíveis: bolsas de protecção, carregadores para isqueiros de carros, "kits" de mãos livres, cabos de ligação a computadores, teclados para escrita de mensagens SMS, entre outros. Funções dos Telemóveis Dependendo das marcas e modelos, existem várias funções dentro de um terminal. Em alguns casos, elas apenas se encontram acessíveis caso a operadora as autorize dentro da sua rede. As mais importantes são: Bloqueio de teclado: evita que um toque não intencional active o aparelho ou, pior ainda, faça uma chamada sem o utilizador se dar conta. Código PIN: número de identificação pessoal constituído por quatro ou mais algarismos que funciona como código de acesso. Impede o uso do cartão SIM em caso de furto ou de utilizadores não autorizados. Marcação Rápida: permite, ao se pressionar uma ou duas teclas, marcar automaticamente um número predefinido. Toque por vibração: ao invés de utilizar um sinal sonoro para assinalar que o telefone está a tocar, o terminal vibra, não fazendo barulho. T9: esta função também é chamada de escrita inteligente de mensagens. O terminal encontra-se equipado com software que, enquanto se vai escrevendo mensagens SMS ou correio electrónico, detecta qual a palavra que estamos a querer introduzir, bastando apenas um toque em cada tecla. Repetição dos últimos números marcados/recebidos: ao tocar-se numa tecla aparecem os números recentemente recebidos ou marcados. Controle de Som: permite ajustar o volume do som de uma chamada. Reconhecimento vocal: ao pronunciar-se um número ou um nome anteriormente memorizado junto do microfone, o terminal marca automaticamente esse número. Chamada em espera: quando o receptor está a utilizar o telefone, esta função indica-lhe se uma terceira pessoa o está a tentar contactar, podendo alternar as chamadas. Teclas programáveis: dão acesso rápido a funções que sejam utilizadas com muita frequência pelo utilizador do terminal. 9

18 Introdução às Tecnologias Reenvio de chamadas: pode-se dar um número alternativo para o qual são reencaminhadas todas as chamadas recebidas caso o telemóvel que se pretendia alcançar não esteja disponível. Outros: algumas das funções mais comuns que podem ser encontradas nos telemóveis incluem Jogos, Calculadora, Alarme, Agenda, entre outros. Operadoras: Serviços, Modalidades e Segurança Uma operadora móvel é uma empresa que possui uma rede GSM ou analógica, a qual pode ser utilizada pelos clientes para efectuar e receber chamadas. Existem actualmente três operadores de serviço móvel, a Vodafone, a TMN e a Optimus, que cobrem quase todo o país. Ao se ligar o telemóvel, este indica no visor qual o nome da operadora que está a utilizar. O pagamento da subscrição do serviço GSM varia, existindo várias modalidades, assim como os serviços que cada uma oferece. Serviços - As operadoras oferecem uma variedade de opções, juntamente com o serviço básico de telefone de voz. Para aceder a alguns destes serviços pode ser necessário contactar previamente a operadora para os activar, podendo ser também necessário pagar uma taxa adicional cada vez que são utilizados. As opções mais comuns incluem: Identificação de chamadas: Permite ver no visor o número da pessoa de quem lhe está a telefonar. Voic Também designado por outros nomes como mensagem vocal, esta função permite gravar mensagens quando o destinatário da chamada se encontra com o telemóvel desligado ou está indisponível para o atender. GSM (Global System for Mobile Communications): É um standard internacional de comunicações digitais celulares. A família de sistemas GSM inclui o GSM 1800 e GSM 900. Há diferentes fases de desenvolvimento do sistema GSM. Os telefones GSM podem ser neste momento conformes com a fase 1 ou fase 2. GSM eram originalmente as iniciais de "Groupe Speciale Mobile" tendo sido posteriormente alterado para Global System for Mobile Communications. GPRS (General Packet Radio Service): Permite que telemóveis estejam sempre on-line, permitindo a recepção e envio de informação através de WAP ou de Internet, de uma forma imediata e permanente. Para além de diminuir os custos actuais, o GPRS tem uma velocidade de transmissão de dados até 53,6 kbps, superior à existente nas redes móveis. UMTS (Universal Mobile Telecommunications System): É o protocolo da terceira geração de telefones celulares. Está a ser desenvolvido por um grupo de empresas sob o nome de ETSI. Um dos benefícios proporcionados por esta tecnologia será a unificação de todos os protocolos mundiais em uso actualmente. SMS: Serviço de mensagens escritas. Permite enviar mensagens escritas com até 160 caracteres para outros telemóveis. EMS: Corresponde a um desenvolvimento das actuais possibilidades do SMS, com a adição de imagens, melodias e animações. Os utilizadores poderão coleccionar e trocar os novos conteúdos melhorando assim as possibilidades de personalização das mensagens. Uma vez que o standard EMS, definido pelo 3GPP (Projecto de Parceria para a 3ª Geração) é um modelo aberto, os operadores e fornecedores de conteúdos 10

19 Introdução às Tecnologias poderão desenvolver novos serviços de valor acrescentado, como screensavers, imagens, melodias etc... susceptíveis de serem descarregados para os terminais móveis. MMS: É um serviço da chamada "terceira geração" que funcionará, desde já, na actual rede GPRS. Através deste é possível, por exemplo, tirar uma fotografia com o telefone móvel e enviá-la, de e para qualquer destino compatível, com um texto e som. Podem ser enviadas mensagens de texto com até aproximadamente caracteres e ainda enviar e receber mensagens multimédia de e para correio electrónico. Fax/Modem: Alguns telemóveis vêm equipados de forma a poderem receber e enviar faxes ou servirem de "modems" para computadores. Dual Band: Caso a rede da operadora e o telemóvel estejam equipados para tirar proveito desta função, o utilizador poderá desfrutar de uma maior qualidade da voz e cobertura da rede. Roaming: É um acordo estabelecido entre operadoras de países diferentes que possibilitam o uso do telemóvel em redes de países estrangeiros. WAP: Possibilita aceder vários serviços na Internet, entre os quais correio electrónico, operações bancárias, meteorologia, horários, entre outros. Difusão celular: A operadora possui uma série de canais de informação, a qual chega ao telemóvel através de mensagens SMS. Reconhecimento de célula: Permite saber qual a célula que o terminal está a utilizar e, dessa forma, o indicativo telefónico e a área geográfica na qual o utilizador se encontra. Modalidades de pagamento - As três operadoras nacionais possuem três opções de adesão, permitindo que o cliente escolha a que mais lhe convêm. Também existem diferenças dentro dos planos tarifários, caso as chamadas sejam efectuadas durante o dia, noite e fins de semana. Assinatura mensal: o cliente paga um custo mensal fixo, o qual não é reversível em chamadas e paga ainda as chamadas que efectua. O preço dos telefonemas realizados é mais baixo e existem mais serviços, em comparação com as outras opções. Cartão recarregável: não é preciso pagar uma assinatura, mas os preços das chamadas são superiores ao das assinaturas. Pode-se recarregar o cartão em qualquer máquina Multibanco. Pacote de minutos: é paga uma mensalidade que varia consoante o número de minutos que a pessoa prevê gastar num mês. Caso o cliente exceda esse tempo de conversa, paga os minutos adicionais. Segurança - Para além do PIN e do PUK, que impossibilitam o uso do cartão SIM por quem não conheça o código, as operadoras utilizam outras formas de segurança. Para assegurar que um telemóvel furtado não seja utilizado na rede, cada terminal possui um número de identificação próprio, denominado de IMEI. Quando um telemóvel se liga à rede, a operadora verifica se o equipamento foi dado como roubado, verificando o IMEI numa base de dados. 11

20 Introdução às Tecnologias Convergência entre PDA e telemóveis Uma realidade cada vez mais necessária Os sinais são por demais evidentes e a diferenciação entre telemóveis e PDA, dentro de poucos anos, será apenas mais uma recordação. Imagem PDA e Telemóvel Um desses sinais é a multiplicação de diversos acordos entre fabricantes de telemóveis para a criação de produtos que incluem ambas as funções. A Motorola, por exemplo, selou parceria com a Palm para desenvolver "smartphones" baseados no sistema operacional e no software da segunda. Os resultados dessa parceria já se começam a sentir. Por outro lado a Symbian, um consórcio liderado pela Psion, o maior construtor europeu de computadores, está já a desenvolver software para a próxima geração de telemóveis e computadores portáteis. Esse software será baseado no Epoc, um sistema operativo concorrente do Palm e estará a planear lançar vários telefones "híbridos". De referir que este consórcio abarca fabricantes como a Motorola, a Ericsson e a Nokia. Mas a questão central parece a necessidade cada vez maior de juntar a comunicação e a informação. E o grande optimismo em relação à terceira geração parece assentar neste princípio. As pessoas cada vez têm menos tempo para se repartir entre os diversos aparelhos, e por uma questão de poupança de tempo e de comodidade, esta parece ser uma das melhores alternativas. Mas até à chegada da terceira geração, a possibilidade de falar, tomar notas, marcar um número a partir da agenda do PDA, enviar correio electrónico e navegar na Internet parece atrair os amantes deste tipo de tecnologia, e os fabricantes já se aperceberam desse desejo. Smartphones Os Smartphones baseados em Windows abrem um novo capítulo na tecnologia de telefones móveis através da combinação do melhor das comunicações móveis e de dados de voz móvel com o melhor do software de gestão de informações pessoais. O Smartphone emprega um conjunto rico de aplicações, funcionalidade telefónica altamente integrada e uma plataforma em ambiente open source. Oferecem também aplicações de dados para transmissões wireless bastante ricas. Tal como o Pocket PC, o Smartphone é baseado em Microsoft Windows CE 3.0, um sistema operativo bastante Imagem Smartphone poderoso para sistemas embedded. O Smartphone integra funcionalidade de tipo PDA que os utilizadores usam e gostam devido à sua simplicidade num telefone móvel que se assemelha aos padrões de dimensão utilizados actualmente. Está optimizado para comunicações de texto e dados; acessos wireless a informações de Outlook, redes de empresas e Internet. 12

STC 5. Redes de Informação e Comunicação. Data: 18 de Agosto de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540

STC 5. Redes de Informação e Comunicação. Data: 18 de Agosto de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540 STC 5 Redes de Informação e Comunicação Data: 18 de Agosto de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540 STC 5 Redes de Informação e comunicação STC 5 Redes de informação

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Infrared Data Association

Infrared Data Association IRDA Infrared Data Association Jorge Pereira DEFINIÇÃO Define-se protocolo como um conjunto de regras que estabelece a forma pela qual os dados fluem entre transmissor e receptor, critérios para verificação

Leia mais

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Correcção da ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

Consulte a área Bancos Aderentes para saber em detalhe todas as informações relativas aos bancos aderentes.

Consulte a área Bancos Aderentes para saber em detalhe todas as informações relativas aos bancos aderentes. SERVIÇO MB Way O que é o MB Way? O MB Way é a primeira solução interbancária que permite fazer compras e transferências imediatas através de smartphone ou tablet. Basta aderir ao serviço num MULTIBANCO,

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

Guia de funcionamento do projector em rede

Guia de funcionamento do projector em rede Guia de funcionamento do projector em rede Tabela de conteúdos Preparação...3 Ligar o projector ao seu computador...3 Ligação sem fios (para alguns modelos)... 3 QPresenter...5 Requisitos mínimos do sistema...5

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas das Tecnologias

Leia mais

A mobilidade da HP em suas mãos

A mobilidade da HP em suas mãos Pocket PCs HP ipaq e Smartphones A mobilidade da HP em suas mãos A mobilidade em suas mãos Hoje em dia, os negócios exigem que você fique o tempo todo conectado. Mas não basta ficar conectado, é preciso

Leia mais

Destaques. Um único sistema de controlo para segurança e conforto; Desempenho elevado e tecnologia de futuro da Siemens;

Destaques. Um único sistema de controlo para segurança e conforto; Desempenho elevado e tecnologia de futuro da Siemens; 1 Não há nada melhor do que saber que a sua família está em casa e em segurança. Agora imagine se pudesse melhorar a segurança e conforto do seu lar apenas com a instalação de um sistema Impossível? Então

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z Bem-vindo ao mundo da Banda Larga Móvel 1 2 3 4 5 6 8 9 9 10 12 Bem-vindo Configuração da Connect Pen Iniciar a aplicação Ligar Janela Normal Definições

Leia mais

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma Aula 04 B Interfaces Prof. Ricardo Palma Interface SCSI SCSI é a sigla de Small Computer System Interface. A tecnologia SCSI (pronuncia-se "scuzzy") permite que você conecte uma larga gama de periféricos,

Leia mais

MODELO 827 CARACTERÍSTICAS. Controlador Trunking

MODELO 827 CARACTERÍSTICAS. Controlador Trunking MODELO 827 Controlador Trunking CARACTERÍSTICAS Obedece completamente ao Standard MPT1327/1343 e é compatível com os radiotelefones MPT1352/1327. Tem estrutura modular e o seu sistema de controlo com informação

Leia mais

1. O serviço de telefone digital da Nacacomunik está disponível na Madeira e nos Açores? Sim.

1. O serviço de telefone digital da Nacacomunik está disponível na Madeira e nos Açores? Sim. Serviço de Telefone Digital ACN Questões gerais 1. O serviço de telefone digital da Nacacomunik está disponível na Madeira e nos Açores? Sim. 2. Quais são os requisitos do serviço de telefone digital da

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen Concebido para a Vodafone 1 Bem-vindo ao mundo das comunicações móveis 1 2 3 4 5 6 8 9 9 10 13 2 Bem-vindo Configuração da sua Connect Pen Iniciar o software

Leia mais

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES 2010/2011 1 Equipamentos informáticos Hardware e Software Hardware refere-se aos dispositivos físicos (electrónicos, mecânicos e electromecânicos) que constituem

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571. Concebido para a Vodafone

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571. Concebido para a Vodafone Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571 Concebido para a Vodafone Bem-vindo ao mundo das comunicações móveis 1 Bem-vindo 2 Configuração da Connect Pen 3 Iniciar a aplicação 4 Ligar - Modo

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos... 2 Antes da instalação Motorola Phone Tools... 3 Instalar Motorola Phone Tools... 4 Instalação e configuração do dispositivo móvel... 5

Leia mais

Programa de Instalação do Lince GPS

Programa de Instalação do Lince GPS Esse programa instala o software Lince GSP em aparelhos portáteis que tenham GPS, como navegadores e celulares. O software Lince GPS é um programa destinado a alertar sobre a aproximação a pontos previamente

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS.

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS. INTRODUÇÃO BARRAMENTO EXPRESS. O processador se comunica com os outros periféricos do micro através de um caminho de dados chamado barramento. Desde o lançamento do primeiro PC em 1981 até os dias de hoje,

Leia mais

SISTEMAS INFORMÁTICOS

SISTEMAS INFORMÁTICOS SISTEMAS INFORMÁTICOS Nesta apresentação, aprenderá a distinguir Hardware de software, identificar os principais componentes físicos de um computador e as suas funções. Hardware e Software Estrutura de

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Barramento Também conhecido como BUS É um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos,

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Universal Serial Bus USB

Universal Serial Bus USB Universal Serial Bus USB Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Microprocessadores II Copyright (c) Walter

Leia mais

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express Tecnologia PCI express Introdução O desenvolvimento de computadores cada vez mais rápidos e eficientes é uma necessidade constante. No que se refere ao segmento de computadores pessoais, essa necessidade

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Sem fios (somente em alguns modelos)

Sem fios (somente em alguns modelos) Sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation nos EUA. Bluetooth

Leia mais

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Conceitos

Leia mais

Curso Técnico de Informática de Sistemas

Curso Técnico de Informática de Sistemas Curso Técnico de Informática de Sistemas Módulo: 772 Sistemas Operativos Formador: Henrique Fidalgo Objectivos da UFCD: Instalar e configurar sistemas operativos. Instalar e configurar utilitários sobre

Leia mais

CAPÍTULO 4 Interface USB

CAPÍTULO 4 Interface USB Interfaces e Periféricos 29 CAPÍTULO 4 Interface USB Introdução Todo computador comprado atualmente possui uma ou mais portas (conectores) USB. Estas portas USB permitem que se conecte desde mouses até

Leia mais

Programa de Atualização de Pontos do Lince GPS

Programa de Atualização de Pontos do Lince GPS Esse programa atualiza os pontos do software Lince GSP em aparelhos portáteis, como navegadores e celulares. A Robotron mantém um serviço de fornecimento de pontos de controle de velocidade aos aparelhos

Leia mais

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. INSTALAR O NOKIA MODEM OPTIONS...1 3. LIGAR O NOKIA 6600

Leia mais

Aviso de confidencialidade

Aviso de confidencialidade Aviso de confidencialidade A informação que consta desta apresentação é confidencial. Qualquer forma de divulgação, reprodução, cópia ou distribuição total ou parcial da mesma é proibida, não podendo ser

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Seu manual do usuário HP SLATE 10 HD 3500EF SILVER http://pt.yourpdfguides.com/dref/5512768

Seu manual do usuário HP SLATE 10 HD 3500EF SILVER http://pt.yourpdfguides.com/dref/5512768 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para HP SLATE 10 HD 3500EF SILVER. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a

Leia mais

Guia de telemóveis, tarifários e serviços Empresas e Profissionais

Guia de telemóveis, tarifários e serviços Empresas e Profissionais Guia de telemóveis, tarifários e serviços Empresas e Profissionais Vodafone Business O guia de telemóveis, tarifários e serviços para Empresas e Profissionais. Tudo o que necessita para facilitar a sua

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Barramento - Significado

Barramento - Significado Barramento - Significado Barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a ligação entre dispositivos, como a CPU, as memórias e outros periféricos. ricos. Barramento - Significado O Barramento,

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PLACAS DE EXPANSÃO... 3 PLACAS DE VÍDEO... 3 Conectores de Vídeo... 4 PLACAS DE SOM... 6 Canais de Áudio... 7 Resolução das Placas de Som...

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650. Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650. Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2 MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650 Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2 Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. INSTALAR O MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650...1 3. SELECCIONAR

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Manual do Utilizador

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Manual do Utilizador BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Manual do Utilizador Publicado: 2014-01-09 SWD-20140109134740230 Conteúdos 1 Como começar... 7 Acerca dos planos de serviço de mensagens para o BlackBerry Internet

Leia mais

Breve Introdução aos Computadores. Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto

Breve Introdução aos Computadores. Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto Breve Introdução aos Computadores Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto Introduzir Dados Processar Dados Apresentar Dados U. S. Army Photo Computador Sistema programável que permite armazenar,

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma Aula 04 A Barramentos Prof. Ricardo Palma Definição Em ciência da computação barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos, como o CPU, a memória e outros

Leia mais

MANUAL WIRELESS DOS PONTOS MUNICIPAIS DE BANDA LARGA

MANUAL WIRELESS DOS PONTOS MUNICIPAIS DE BANDA LARGA MANUAL WIRELESS DOS PONTOS MUNICIPAIS DE BANDA LARGA Introdução O Projecto Municipal dos Pontos Municipais de Banda Larga (PMBL) pretende dotar o Município de Almeida de equipamentos e infra-estruturas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Placas de Rede Modems Hubs e switches Router Prof. Hugo Rosa PLACAS DE REDE As placas de rede são periféricos de entrada e saída e são utilizadas para interligar um computador a uma

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

Sectores de aplicação: Estações de comunicação, repetidores telefónicos, parques eólicos, etc.

Sectores de aplicação: Estações de comunicação, repetidores telefónicos, parques eólicos, etc. novidades Comunicação segurança vía IP e Sectores de aplicação: UNIDADE EXTERIOR/BOTONEIRA ÁUDIO E VÍDEO A CORES ALEA VIA IP 1 BOTÃO DE CHAMADA. A botoneira PDV501SIP da GUINAZ permite uma gestão das comunicações

Leia mais

PHC Mensagens SMS CS

PHC Mensagens SMS CS PHC Mensagens SMS CS O potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC O envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo. Uma comunicação com sucesso: ganhos de tempo e de dinheiro

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

Com o smartmessage podemos de forma muito fácil e usando um qualquer cliente de email, como por exemplo:

Com o smartmessage podemos de forma muito fácil e usando um qualquer cliente de email, como por exemplo: O smartmessage torna muito fácil a tarefa de enviar ou receber mensagens de texto SMS (ou emails). Com o smartmessage podemos de forma muito fácil e usando um qualquer cliente de email, como por exemplo:

Leia mais

ConfigFree - Gestão simplificada de ligações

ConfigFree - Gestão simplificada de ligações ConfigFree - Gestão simplificada de ligações As ligações sem fios tornaram-se essenciais no estabelecimento de comunicações em qualquer parte em qualquer momento, permitindo aos utilizadores manterem-se

Leia mais

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL ARTIGO WWAN DE BANDA LARGA WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL Cada vez mais, a conectividade imediata de alta-velocidade é essencial para o sucesso dos negócios bem como para a eficiência

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

BREVE MANUAL WIRELESS

BREVE MANUAL WIRELESS BREVE MANUAL WIRELESS Introdução O Projecto Municipal Seixal Digital pretende dotar o município do Seixal de equipamentos e infraestruturas que permitam o acesso às tecnologias de informação e comunicação.

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

Introdução. Nokia N77-1 1ª Edição PT

Introdução. Nokia N77-1 1ª Edição PT Introdução Nokia N77-1 1ª Edição PT Teclas e componentes (frente e lateral) Número do modelo: Nokia N77-1. A seguir referido como Nokia N77. 1 Sensor de luz 2 Câmara secundária com menor resolução 3 Teclas

Leia mais

Introdução. à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático

Introdução. à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático Introdução à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático Estrutura básica de um sistema informático Componentes de um sistema informático O interior de um PC A placa principal ou motherboard O

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (Sistemas Computacionais Móveis) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240.

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Windows XP SP2, 2ª edição Colecção:

Leia mais

Nokia E5 (E5-00) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA HSDPA 10.2 / HSUPA 2.0 (850/1900/2100) GPS

Nokia E5 (E5-00) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA HSDPA 10.2 / HSUPA 2.0 (850/1900/2100) GPS Última versão de software homologada pela VIVO: 042.010 DESTAQUES DO APARELHO Nome Comercial: Nokia E5 (Número do Modelo: E5-00) Smartphone com sistema operacional: Symbian OS v9.3 e plataforma: S60 v3.2;

Leia mais

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento MÓDULO II Memórias e Processamento Esse módulo irá relatar sobre as memórias seus tipos e a ligação com os tipos variados de processamento. Leia atentamente todo o conteúdo e participe dos fóruns de discursão,

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Como montar uma rede Wireless

Como montar uma rede Wireless Como montar uma rede Wireless Autor: Cristiane S. Carlos 1 2 Como Montar uma Rede Sem Fio sem Usar um Roteador de Banda Larga Introdução Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível

Leia mais

Android. Escolhe o dispositivo Android certo!

Android. Escolhe o dispositivo Android certo! Android O Android é a plataforma mais popular do mundo das telecomunicações. Podemos usar todos os aplicativos do Google, existem mais de 600.000 aplicativos e jogos disponíveis no Google Play para nos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria 1. Apresentação O OnixMiniSpy é um rastreador portátil que utiliza a tecnologia de comunicação de dados GPRS (mesma tecnologia de telefone celular) para conectar-se com a central de rastreamento e efetuar

Leia mais

Organização e arquitetura de computadores Protocolos de barramento

Organização e arquitetura de computadores Protocolos de barramento Organização e arquitetura de computadores Protocolos de barramento Alunos: José Malan, Gustavo Marques, Johnathan Alves, Leonardo Cavalcante. Universal serial bus (USB) O USB é um padrão da indústria que

Leia mais

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO DOS RFID s O Um sistema de RFID é composto, basicamente, por uma antena, que funciona como receptor, faz a leitura do sinal

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Índice 1. Sobre o Guia... 4 1.1 Objectivo... 4 1.2 Utilização do Guia... 4 1.3 Acrónimos e Abreviações... 4 2. Introdução ao Extracto on Line Aplicação

Leia mais

Sociedade Tecnologia e Ciência

Sociedade Tecnologia e Ciência Centro de Formação Profissional de Alcoitão TAG 11 Formanda: Rute Luísa M. Maldonado Nº16 Sociedade Tecnologia e Ciência Formadora: Ana Freitas 1 / Maio / 2011 A Internet A influência da Internet na sociedade

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que é Internet? Apesar de muitas vezes ser definida como a "grande rede mundial de computadores, na verdade compreende o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam e que permitem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB

DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB AVISO PRÉVIO A partir de 1 de Janeiro de 2014 os data loggers deixam de ser fornecidos com CD-ROM com software. O software continua a ser gratuito

Leia mais

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Índice :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Pág. 1 Introdução O Pocket Genbeef Base é uma aplicação

Leia mais

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens:

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens: Introdução: Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível montar uma rede sem fio em casa ou no escritório sem usar um roteador de banda larga ou um ponto de acesso (access point),

Leia mais