UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CREDANALYSIS FERRAMENTA DE DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM BASE DE DADOS APLICADA À ANÁLISE DE CRÉDITO DA HAVAN LOJAS DE DEPARTAMENTOS Área de Inteligência Artificial por Tiago Alexandre Vailati Elisangela Maschio de Miranda, M.Sc. Orientadora Benjamin Grando Moreira, Bel. Co-orientador Itajaí (SC), novembro de 2008

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CREDANALYSIS FERRAMENTA DE DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM BASE DE DADOS APLICADA À ANÁLISE DE CRÉDITO DA HAVAN LOJAS DE DEPARTAMENTOS Área de Inteligência Artificial por Tiago Alexandre Vailati Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciência da Computação para análise e aprovação. Orientadora: Elisangela Maschio de Miranda, M.Sc. Itajaí (SC), novembro de 2008

3 DEDICATÓRIA Aos meus pais, em nome de um amor recíproco. ii

4 AGRADECIMENTOS Meus sinceros agradecimentos àqueles que acreditaram na idéia e não mediram esforços para contribuir com sua elaboração. Incluem-se aqui, professores, colegas de trabalho, amigos e familiares. Em especial, aos meus orientadores e profissionais da Havan, parceiros fundamentais nesta jornada, pela excelência com a qual desempenharam seus papéis nestes mais de 12 meses de trabalho. E, por fim, a Deus, por direcionar os ventos sempre ao meu favor. iii

5 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS... vi LISTA DE FIGURAS... vii LISTA DE TABELAS... viii RESUMO... ix ABSTRACT... x 1. INTRODUÇÃO Problematização Formulação do problema Solução proposta Objetivos do trabalho Objetivo geral Objetivos específicos Metodologia Estrutura do trabalho FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Inteligência Artificial Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados Conceitos gerais Caracterização do processo de DCBD Etapas do processo de DCBD Identificação do problema Pré-processamento Mineração de Dados Pós-processamento Tarefas de Mineração de Dados Descoberta de Associações Descoberta de associações generalizadas Descoberta de seqüências Descoberta de seqüências generalizadas Classificação Regressão Sumarização Clusterização Previsão de séries temporais Detecção de desvios Clusterização Classificação Clusterização Sumarização Ferramentas de auxílio à Mineração de Dados Microsoft SQL Server WEKA Concessão de crédito Os Cs do crédito iv

6 Os riscos de crédito e sua gestão Classificação de risco (Risk Rating) Pontuação de crédito (Credit Scoring) Ferramentas similares Autorizador de Crédito Serasa Equifax Click Crivo Análise comparativa DESENVOLVIMENTO Projeto O processo de concessão de crédito na Havan Especificação de requisitos Requisitos funcionais (RF) Requisitos não-funcionais (RNF) Regras de negócio (RN) Modelagem da ferramenta Casos de uso Diagramas de seqüência Diagrama entidade-relacionamento Elaboração da base de dados para Mineração de Dados Desenvolvimento dos algoritmos de análise de crédito Desenvolvimento do webservice para integração Desenvolvimento do painel administrativo Integração CredAnalysis e Itlsys Testes e validação Implantação e avaliação dos resultados CONCLUSÕES Dificuldades encontradas Trabalhos futuros REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS v

7 LISTA DE ABREVIATURAS BI CASE DLL DW ERP GNU HTML HTTP IA IDE KDD OLAP PDV RF RNF RN SPC SQL UML WEKA XML Business Inteligence Computer-Aided Software Engineering Dynamic-Link Library Data Wareshouse Enterprise Resoure Planning General Public License Hypertext Markup Language Hypertext Transfer Protocol Inteligência Artificial Integrated Development Environment Knowledge Discovery in Databases On-line Analytical Processing Ponto de venda Requisito funcional Requisito não-funcional Regra de negócio Serviço de Proteção ao Crédito Structured Query Language Unified Modeling Language Waikato Environment for Knowledge Analysis Extensible Markup Language vi

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Etapas do processo de análise com auxílio da ferramenta proposta Figura 2. Hierarquia entre dado, informação e conhecimento Figura 3. Etapas do processo de Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados Figura 4. Relacionamento entre as áreas de conhecimento e a mineração de dados Figura 5. Representação de um contexto de análise de crédito em um plano cartesiano Figura 6. O processo de classificação de registros Figura 7. Interface do SQL Server 2005 Business Inteligence Development Studio Figura 8. Resultado da aplicação do algoritmo de regras de associação sobre um conjunto de dados no WEKA Figura 9. Recomendação da operação após análise do Autorizador de Crédito Serasa Figura 10. Fragmento do resultado da análise do Autorizador de Crédito Serasa Figura 11. Apresentação da pontuação após análise do Autorizador de Crédito Serasa Figura 12. Relatório do Equifax Click, com uma análise demonstrativa de uma pessoa física Figura 13. Relatório do Equifax Click, com uma análise demonstrativa de uma pessoa jurídica. 45 Figura 14. Diagrama de seqüência de uma solicitação ao Crivo com saída em HTML Figura 15. Fluxo atual de uma solicitação de crédito a partir do cadastramento/atualização do cliente Figura 16. Fluxo de uma solicitação de crédito a partir do cadastramento/atualização do cliente contando com a ferramenta CredAnalysis Figura 17. Modelo de casos de uso da ferramenta proposta Figura 18. Diagrama de seqüência do caso de uso Parametriza ambiente Figura 19. Diagrama de seqüência do caso de uso Solicita análise Figura 20. Diagrama de seqüência do caso de uso Gerencia usuários Figura 21. Diagrama de seqüência do caso de uso "Consulta scorecards anteriores" Figura 22. Diagrama entidade-relacionamento da ferramenta proposta Figura 23. XML de uma solicitação de análise de crédito à ferramenta CredAnalysis Figura 24. XML de retorno de uma solicitação à ferramenta CredAnalysis Figura 25. Interface de acesso ao painel administrativo do CredAnalysis Figura 26. Interface de parametrização dos indicadores do scorecard vigente Figura 27. Interface de parametrização das faixas para sugestão de limite de crédito Figura 28. Tabela de distribuição de pontos do scorecard parametrizado na ferramenta Figura 29. Interface para solicitação de análise de crédito do painel administrativo Figura 30. Relatório com o resultado da análise de crédito processada Figura 31. Interface de análise de crédito do Itlsys integrado ao CredAnalysis Figura 32. Histórico de consultas realizadas ao CredAnalysis vii

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Créditos concedidos pela Havan no período de dezembro/07 a novembro/ Tabela 2. Estrutura de dados de clientes Tabela 3. Conjunto de dados de clientes Tabela 4. Relação de vendas de um supermercado em um período Tabela 5. Classes de um sistema de classificação de risco de crédito (risk rating) Tabela 6. Tabela de score Tabela 7. Tabela de distribuição de score Tabela 8. Análise comparativa entre as ferramentas similares avaliadas Tabela 9. Médias de solicitações de crédito realizadas mensalmente pelas lojas da Havan Tabela 10. Variáveis qualitativas do modelo entidade-relacional da ferramenta proposta Tabela 11. Relação entre os atributos do modelo entidade-relacionamento e os "Cs do crédito" 65 Tabela 12. Análises de crédito de entidades físicas e jurídicas na Havan em Tabela 13. Testes realizados com a ferramenta CredAnalysis Tabela 14. Perfis de clientes utilizados para os testes da ferramenta viii

10 RESUMO VAILATI, Tiago Alexandre. Ferramenta de inteligência artificial aplicada à análise de crédito da Havan Lojas de Departamentos. Itajaí, f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, Estando inseridas num ambiente de forte tendência competitiva, as empresas de comércio necessitam de processos bem fundamentados e que sejam desempenhados com excelência. As práticas de concessão de crédito são utilizadas visando o acréscimo das vendas pela melhor aderência dos preços dos produtos ao orçamento dos clientes. Entretanto, as empresas carecem de políticas de crédito sólidas e coerentes, pois a má aplicação da liberação de crédito para compras a prazo pode gerar enormes prejuízos financeiros. Em se tratando de empresas com um grande volume de vendas a prazo, como é o caso da Havan Lojas de Departamentos, os riscos envolvidos nas operações de crédito são mais evidentes. Com isso, surge a necessidade de ferramentas que auxiliem o analista de crédito na tomada de decisão de concessão de crédito, tornando-se possível a utilização de consolidadas técnicas estatísticas e computacionais para isto. O objetivo deste trabalho foi a elaboração de uma ferramenta para Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados (DCBD) que auxilie a tomada de decisão de concessão de crédito na Havan Lojas de Departamentos. Com a aplicação de algoritmos de DCBD foi possível dimensionar os riscos pertinentes às análises de crédito da Havan, através da análise comportamental de seus clientes ativos, bem como pela aplicação de técnicas de credit scoring. Palavras-chave: Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados. Credit scoring. Risco de crédito. ix

11 ABSTRACT Being inserted in an environment of strong competitive trend, the commerce companies need well based processes and that they are played with excellence. The practical ones of concession of credit are used aiming the addition of sales for the best tack of the prices of the products at the budget of the customers. However, the companies need of solid and coherent credit policies, therefore the bad application of the release of credit for sales, can generate enormous financial damages. For companies with a great volume of sales on credit, as it is the case of the Havan Department Stores, the involved risks in the operations of credit become more obvious. With this, the necessity of tools that assist the analyst of credit in the taking of decision of credit concession appears, becoming possible the use of consolidated statistical and computational techniques for this. The objective of this work was the elaboration of a tool for Knowledge Discovery in Databases (KDD), that assists the taking of decision of concession of credit at the Havan Department Stores. With the application of the KDD algorithms was possible to scale the pertinent risks to the analyses of credit of the Havan, through the behavioral analysis of its active customers, as well as for the application of techniques of credit scoring. Keywords: Knowledge Discovery in Databases. Credit scoring. Risk of credit. x

12 1. INTRODUÇÃO O comércio varejista brasileiro está inserido num cenário de forte competitividade, onde é necessária a excelência nas atividades desempenhadas para manter-se como um jogador ativo. Cada vez mais se procura oferecer ao consumidor facilidades para a aquisição de produtos e serviços, desde variedade, preços mais baixos, e até condições de parcelamento compatíveis com o orçamento do cliente. Entretanto, as estratégias aplicadas podem oferecer riscos para o empreendedor, fazendo-se necessária a utilização de ferramentas que os auxiliem nas tomadas de decisão. Visando uma atuação mais estratégica, a captação de novos clientes e mercados, e uma posição de destaque em seus ramos de negócios, as empresas têm buscado cada vez mais alinhar a tecnologia da informação com seus objetivos. Contudo, a tecnologia da informação não deve ser apontada isoladamente como elemento fundamental para obtenção dos resultados esperados. Outros fatores como: recursos humanos, marketing e a própria estrutura organizacional, também merecem devida atenção. A Havan é uma rede de lojas de departamentos atuante no ramo do comércio varejista, contando hoje com 12 lojas, localizadas nos estados de Santa Catarina e Paraná. Além das lojas, a Havan possui outros canais de venda como: e-commerce, tele-vendas e catálogo eletrônico. Atualmente, trabalha-se num programa de expansão com o objetivo de atingir 45 pontos físicos de venda até o ano de Seu principal atrativo é a diversificação e a qualidade dos produtos e serviços oferecidos. Destacam-se os departamentos de cama, mesa e banho, confecções, utilidades domésticas, brinquedos, eletroeletrônicos, ferramentas, tapetes, móveis e artigos de decoração, além de departamentos sazonais como material escolar, artigos de páscoa e natalinos. O grupo das atividades primárias desempenhadas pela Havan é composto pelas funções de vendas, pós-vendas, marketing, compras e logística; e as atividades de apoio que merecem destaque são: financeiro (contas a pagar, contas a receber, caixa e bancos), recursos humanos, tecnologia da informação e processos, controladoria (contabilidade, livros fiscais e patrimônio), suprimentos e jurídico. A cadeia de valor é um conceito definido por Porter (1989), que permite com que se classifiquem as atividades de uma empresa de acordo com a contribuição das mesmas na agregação de valor e potencialidade para o seu negócio. Sendo assim, a empresa obtém

13 vantagens competitivas executando estas atividades estrategicamente importantes de maneira eficaz. Para Porter (1989), toda empresa é uma reunião de atividades que são executadas para projetar, produzir, comercializar, entregar e sustentar seu produto. Todas estas atividades podem ser representadas, fazendo-se uso de uma cadeia de valores. A cadeia de valores de uma empresa e o modo como ela executa suas atividades individuais são um reflexo de sua história, de sua estratégia, de seu método de implementação de sua estratégia, e da economia básica das próprias atividades. A classificação das atividades é feita em duas categorias: atividades primárias e atividades de apoio. As atividades primárias estão relacionadas ao fluxo dos produtos, desde a origem dos recursos (compra) até chegarem ao cliente e os processos inerentes a pós-venda. Já as atividades de apoio são aquelas que dão suporte à execução das atividades primárias. Muitas destas atividades secundárias são tão críticas quanto as atividade principais, embora algumas existam apenas para fornecer apoio às principais. Na Havan, pode ser citado como exemplo o departamento de crédito, responsável pelo cadastramento de clientes e pela análise e liberação de crédito para compras a prazo, onde foi iniciado no segundo semestre de 2007 um projeto de reformulação da estrutura e organização. Na primeira etapa foram implementadas mudanças em alguns processos, resultando na criação de uma central única de análise, localizada na loja de Brusque. A concessão de crédito é uma tarefa complexa e de grande importância para o negócio da Havan. Dessa forma, requer processos bem definidos, pessoal capacitado e ferramentas que auxiliem na tomada de decisão. Segundo análise do Indicador Serasa (2008b), a inadimplência dos consumidores aumentou 6,9% no primeiro mês do ano em comparação ao mesmo período de A maior representatividade está nas dívidas com bancos e nas dívidas com cartões de crédito e financeiras, com uma participação de 42,6% e 31% no indicador, respectivamente. Os resultados obtidos pelo levantamento do Serasa apontam reflexos do endividamento acumulado pelo consumidor durante o ano de As facilidades de crédito com o relaxamento em sua concessão, no ano anterior, podem ter contribuído para os atuais problemas de inadimplência, ressalta. As análises realizadas pelo Indicador Serasa refletem o 2

14 comportamento da inadimplência em âmbito nacional, por considerar eventos ocorridos em todo o país. Para o ano de 2008 está prevista a implementação da segunda etapa do projeto na área de crédito e cobrança. Será contemplada a integração do ERP (Enterprise Resource Planning) da empresa com ferramentas de credit scoring e consultas a órgãos de proteção ao crédito de terceiros que atualmente já fazem parte da rotina dos analistas de crédito, porém de maneira não automatizada. Pode-se dizer que o ERP é um sistema integrado, que possibilita um fluxo de informações único, contínuo e consistente por toda a empresa, sob uma única base de dados. É um instrumento para a melhoria de processos de negócios, como a produção, compras ou distribuição, com informações on-line e em tempo real. Em suma, o sistema permite visualizar por completo as transações efetuadas pela empresa, desenhando um amplo cenário de seus negócios (CHOPRA; MEINDL, 2003). A Tabela 1 apresenta o volume de análises de crédito que resultaram na concessão na Havan, no período de dezembro de 2007 a novembro de Vale ressaltar que no mês de novembro de 2007 iniciaram-se as atividades da central de crédito da empresa, centralizando os processos de análise de crédito. Tabela 1. Créditos concedidos pela Havan no período de dezembro/07 a novembro/08. Mês e ano Concessões manuais Concessões automáticas Dez/ Jan/ Fev/ Mar/ Abr/ Mai/ Jun/ Jul/ Ago/ Set/ Out/ Nov/ Tendo em vista o elevado número de solicitações de limite de crédito atendido diariamente pelos analistas de crédito da Havan, identificou-se a necessidade de ferramentas que agreguem segurança e agilidade à análise de risco de crédito. O número de solicitações pode aumentar consideravelmente em dias de grande movimento e em épocas festivas e promocionais. Desta forma, foi implantado um aplicativo para realizar a liberação automática de crédito a partir de parâmetros fornecidos por ferramentas comerciais de terceiros. Embora tal aplicativo apresente bons resultados, elevaram-se as despesas com a utilização das ferramentas acessórias. 3

15 Pretendendo diminuir os custos envolvidos nas consultas às ferramentas comerciais atualmente utilizadas pela central de crédito da empresa, propõem-se o desenvolvimento de uma ferramenta para análise de risco das concessões de crédito, utilizando uma base de conhecimento própria e técnicas de gestão de risco. Com isso, a Havan estará tornando mais eficiente seu processo de liberação de crédito, pois além de estar sendo assistida por ferramentas bem conceituadas oferecidas pelo mercado, permitindo obter detalhes a respeito do comportamento do cliente perante o mercado financeiro e comercial de todo o país, estará fazendo uso de dados próprios, que se bem trabalhados podem apresentar informações valiosas e com alto valor estratégico. A ferramenta será desenvolvida de acordo com a metodologia convencional praticada pelo mercado, incrementada pela utilização de inteligência artificial sob as informações históricas do comportamento do cliente e comparações com outros clientes que possuam perfil semelhante ao analisado. Segundo Luger (2004), podemos definir a Inteligência Artificial (IA) como o ramo da ciência da computação com enfoque na automação do comportamento inteligente, utilizando-se de estruturas de dados, algoritmos, linguagens e técnicas de programação para a aplicação e representação do conhecimento. A técnica a ser utilizada é denominada Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados (KDD - Knowledge Discovery in Databases), sendo a mais indicada para análise e tratamento do amplo volume de dados disponível. Tal técnica abrange conhecimentos adquiridos durante o Curso de Ciência da Computação, nas disciplinas de Inteligência Artificial, Banco de dados, Engenharia de software e Algoritmos e programação. Conforme Goldschmidt e Passos (2005), a Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados é um processo composto pelas etapas de pré-processamento, mineração de dados e pósprocessamento. No pré-processamento os dados são captados, organizados e tratados, preparando-os para aplicação dos algoritmos de mineração de dados, na fase seguinte, onde é realizada a busca efetiva por conhecimentos úteis. O conhecimento adquirido durante a mineração dos dados tem sua utilidade analisada durante a última etapa, de pós-processamento. 4

16 O termo KDD foi formalizado em 1989 em referência ao amplo conceito de procurar conhecimento a partir de bases de dados. Umas das definições mais populares foi proposta em 1996 por um grupo de pesquisadores (Fayyad et al. 1996a): KDD é um processo, de várias etapas, não trivial, interativo e iterativo, para identificação de padrões compreensíveis, válidos, novos e potencialmente úteis a partir de grandes conjuntos de dados. (GOLDSCHMIDT; PASSOS, 2005). A ferramenta proposta funcionará integrada ao Itlsys, sistema de ERP utilizado pela empresa, comercializado pela Intelidata Informática e customizado pela equipe interna de tecnologia da informação, adequando-o aos processos executados pela empresa Problematização Formulação do problema Procurando um melhor desempenho em suas tarefas de concessão de crédito, a Havan Lojas de Departamentos iniciou no segundo semestre de 2007 uma reformulação de sua estrutura de cadastramento de clientes e liberação de crédito. Além de uma completa reformulação nos processos foi implantada uma central única para realização das atividades de análise e concessão de crédito, onde trabalham os analistas de crédito responsáveis pelo atendimento de grande parte das solicitações de crédito. A concessão de limite de crédito pode ser realizada sem a necessidade de interação com os analistas, através de regras aplicadas sob informações obtidas através de serviços de terceiros, utilizados pela Havan, como o Credit Scoring do Serasa e a consulta de ocorrências do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Entretanto, é atendida uma elevada quantidade de solicitações de limite de crédito, podendo aumentar consideravelmente em dias de grande movimento e em épocas festivas e promocionais. Isto faz crescer as despesas com as consultas às ferramentas de auxílio à análise, tendo em vista sua necessidade a cada atendimento de solicitação de crédito, tanto ao analista de crédito como ao algoritmo automático. Com isso, identifica-se a carência de uma ferramenta própria que forneça informações auxiliares à tomada de decisão de liberação de crédito, agilizando o atendimento das solicitações de crédito e promovendo uma diminuição dos gastos com as ferramentas comerciais atualmente utilizadas pela central de crédito da empresa. 5

17 Solução proposta Pretendendo diminuir os custos envolvidos nas consultas às ferramentas comerciais atualmente praticadas pelos atendentes de crédito, propõem-se o desenvolvimento de uma ferramenta que fará a análise de risco das concessões de crédito. Será utilizada a metodologia convencional praticada pelo mercado, incrementada pela utilização de inteligência artificial sob as informações históricas do comportamento do cliente e comparações com outros clientes que possuam perfil semelhante ao analisado. Durante o atendimento de uma solicitação de concessão de crédito, o analista de crédito invocará a ferramenta, integrada ao Itlsys, sistema de ERP adotado pela Havan, enviando os dados daquela concessão. A ferramenta receberá informações do cliente, bem como os dados referentes à solicitação de concessão de crédito sendo tratada pelo analista, consultando em seguida a base de conhecimento, visando à obtenção de casos já ocorridos no histórico dos clientes da empresa e efetuando a análise dos dados do cliente para definir seu credit scoring, conforme pode ser observado na Figura 1. O credit scoring utiliza-se de técnicas estatísticas para estabelecer o comportamento dos clientes nas operações financeiras, gerando assim uma pontuação que representa o risco da liberação de crédito, podendo ser aplicado para pessoas físicas ou jurídicas (TECTO CRÉDITO, 2008). Figura 1. Etapas do processo de análise com auxílio da ferramenta proposta. Ao receber os dados relacionados à concessão de crédito em análise, a ferramenta aplicará os algoritmos sob as informações contidas na base de conhecimento, e juntamente com a determinação da pontuação do cliente por meio de técnicas de credit scoring, estabelecerá o risco envolvido na operação. 6

18 Em seguida, os resultados obtidos serão retornados para o analista de crédito que definirá se o cliente terá seu crédito liberado ou recusado. Neste momento, se ainda restarem dúvidas na tomada de decisão, fica a critério do analista a utilização das outras ferramentas de suporte adotadas pela Havan Objetivos do trabalho Objetivo geral Desenvolver uma ferramenta para Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados que auxilie a tomada de decisão no processo de concessão de crédito aos clientes da Havan Lojas de Departamentos Objetivos específicos Estudar e descrever os conceitos de Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados; Estudar a gestão de risco de crédito; Analisar ferramentas similares; Pesquisar e analisar ferramentas que auxiliem na etapa de mineração de dados; Elaborar a especificação e modelagem da ferramenta proposta; Realizar a implementação da ferramenta de acordo com a modelagem desenvolvida; Efetuar testes visando à validação das funcionalidades e o atendimento aos requisitos especificados; Implantar e analisar os resultados obtidos com a aplicação da ferramenta nas atividades da empresa; e Documentar o trabalho desenvolvido através do relatório final e artigo científico Metodologia A execução deste trabalho foi realizada em cinco etapas principais. São elas: (i) fundamentação teórica; e (ii) especificação da ferramenta, (iii) desenvolvimento, (iv) validação; e (v) documentação. 7

19 Na etapa de fundamentação teórica (i) procurou-se estudar e compreender os conceitos de Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados, necessários para o desenvolvimento da ferramenta proposta, bem como a gestão de risco de concessão de crédito. Foram realizadas pesquisas em artigos, monografias e livros das áreas de Inteligência Artificial e Concessão de Crédito, em livros específicos voltados ao processo de Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados e Data Mining, além de sites na Internet, cujas referências encontram-se no capítulo destinado às referências bibliográficas. Complementando a etapa de fundamentação teórica, foram pesquisadas ferramentas para auxílio na etapa de mineração de dados e ferramentas que desempenham funções similares à ferramenta a ser desenvolvida neste trabalho. Na etapa de especificação da ferramenta (ii) foi realizada a definição exata da ferramenta a ser desenvolvida, contemplando a especificação dos requisitos, bem como a elaboração do diagrama de casos de uso, diagramas de seqüência e diagrama entidade-relacionamento. A etapa de desenvolvimento (iii) foi dedicada à implementação da ferramenta proposta, juntamente com o ambiente satélite para sua gestão; e à integração da ferramenta com o sistema computacional utilizado pelo Havan. Após o desenvolvimento da ferramenta, foram realizados procedimentos de testes e validações, durante a etapa de validação (iv), objetivando assegurar a integridade do produto desenvolvido e a avaliação de sua aderência aos processos de análise de crédito da empresa. Durante todo o ciclo de desenvolvimento deste trabalho, deu-se a etapa de documentação (v), cujo foco foi a elaboração do documento textual do TCC II Estrutura do trabalho Este documento está estruturado em 4 capítulos: (i) Introdução; (ii) Fundamentação Teórica; (iii) Desenvolvimento; e (iv) Conclusões. Na introdução, Capítulo 1, o projeto foi contextualizado sucintamente, onde foi formulada a questão problema e apresentada a proposta de solução, juntamente com o objetivo geral e os específicos a serem atingidos, além da metodologia utilizada para sua execução. No Capítulo 2 (Fundamentação Teórica) foram apresentados os conceitos relevantes à compreensão do processo de Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados e do processo de 8

20 Concessão de Crédito. Também foram explanadas ferramentas para auxílio na etapa de mineração de dados, além de ferramentas de auxílio à tomada de decisão na concessão de crédito, contendo características similares às da ferramenta proposta neste trabalho. No projeto, Capítulo 3, a ferramenta desenvolvida foi especificada e detalhada, através do levantamento dos requisitos e da elaboração dos diagramas de casos de uso, diagramas de seqüência e diagrama entidade-relacionamento. As atividades referentes ao ciclo de implementação da ferramenta, tais como, desenvolvimento, testes, implantação, além da análise dos resultados, também estão documentados no Capítulo 3. Por fim, no Capítulo 4 (Conclusões), expressaram-se as conclusões obtidas com o desenvolvimento do projeto, além das dificuldades encontradas, bem como levantadas sugestões cabíveis a futuras implementações para o produto desenvolvido. 9

21 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo são apresentados os conceitos relevantes ao processo de Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados e ao processo de Concessão de Crédito relacionados com os objetivos deste trabalho de conclusão de curso. A primeira seção contempla as definições a respeito de Inteligência Artificial. Em seguida, na seção Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados, são descritos os conceitos gerais, a caracterização e as etapas do processo de DCBD. Para complementar, são citadas algumas tarefas de Mineração de dados, juntamente com a apresentação de algumas ferramentas que auxiliam na sua execução. Finalizando o capítulo, a seção Concessão de Crédito traz conceitos relacionados ao processo de Concessão de Crédito e credit scoring, também contendo explanações sobre ferramentas que desempenham funções semelhantes às da ferramenta proposta Inteligência Artificial Russell e Norvig (2004) apresentam definições para Inteligência Artificial em duas dimensões principais: uma relacionada a processos de pensamento e raciocínio, e outra se referindo ao comportamento dos sistemas. Sob o aspecto da compreensão do processo de pensamento e raciocínio, define-se Inteligência Artificial, como [Automatização de] atividades que associamos ao pensamento humano, atividades como a tomada de decisões, a resolução de problemas, o aprendizado... (Bellman, 1978 apud RUSSEL; NORVIG, 2004). Quando se analisa o comportamento de sistemas cujas características assemelham-se com a atuação de seres humanos, pode ser conceituada como: A arte de criar máquinas que executam funções que exigem inteligência quando executadas por pessoas. (Kurzweil, 1990 apud RUSSEL; NORVIG, 2004) Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados Conceitos gerais Para Rezende (2005), a descoberta de conhecimento em bases de dados é um campo de pesquisa que vem crescendo constantemente e de maneira veloz. Tal fato está associado,

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO Fernanda Delizete Madeira 1 ; Aracele Garcia de Oliveira Fassbinder 2 INTRODUÇÃO Data

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila O que é Data Mining? Mineração de dados (descoberta de conhecimento em bases de dados): Extração de informação interessante (não-trivial, implícita, previamente desconhecida

Leia mais

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA Lizianne Priscila Marques SOUTO 1 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES ENTRE PRODUTOS DE UMA BASE DE DADOS REAL

IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES ENTRE PRODUTOS DE UMA BASE DE DADOS REAL Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

4. Que tipos de padrões podem ser minerados. 5. Critérios de classificação de sistemas de Data Mining. 6. Tópicos importantes de estudo em Data Mining

4. Que tipos de padrões podem ser minerados. 5. Critérios de classificação de sistemas de Data Mining. 6. Tópicos importantes de estudo em Data Mining Curso de Data Mining - Aula 1 1. Como surgiu 2. O que é 3. Em que tipo de dados pode ser aplicado 4. Que tipos de padrões podem ser minerados 5. Critérios de classificação de sistemas de Data Mining 6.

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

Data Mining: Conceitos e Técnicas

Data Mining: Conceitos e Técnicas Data Mining: Conceitos e Técnicas DM, DW e OLAP Data Warehousing e OLAP para Data Mining O que é data warehouse? De data warehousing para data mining Data Warehousing e OLAP para Data Mining Data Warehouse:

Leia mais

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Pollyanna Carolina BARBOSA¹; Thiago MAGELA² 1Aluna do Curso Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática 2006.2 Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Acadêmico: Diego Vicentini Orientador: Prof. Paulo R. Dias FURB Universidade Regional de Blumenau Julho/2007 Roteiro da apresentação Introdução

Leia mais

7.3.1 Identificação das Condições para Realização dos Subprocessos

7.3.1 Identificação das Condições para Realização dos Subprocessos CAPÍTULO 07 MODELAGEM DO PROCESSO Simplificação Administrativa Planejamento da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Administrativa Elaboração do Plano de Trabalho Mapeamento do Processo Mapeamento

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS... 4 04 TEORIA

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Estudo e Análise da Base de Dados do Portal Corporativo da Sexta Região da Polícia Militar com vista à aplicação de Técnicas de Mineração de Dados1

Estudo e Análise da Base de Dados do Portal Corporativo da Sexta Região da Polícia Militar com vista à aplicação de Técnicas de Mineração de Dados1 Estudo e Análise da Base de Dados do Portal Corporativo da Sexta Região da Polícia Militar com vista à aplicação de Técnicas de Mineração de Dados1 Rafaela Giroto, 10º módulo de Ciência da Computação,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CST SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: Algoritmo e Programação I A disciplina aborda o estudo de algoritmos, envolvendo os conceitos fundamentais: variáveis, tipos de dados, constantes,

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Determinar o Tipo de Contagem. Identificar o Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação. Contagem das Funções de Dados. Calcular os PFs Ajustados

Determinar o Tipo de Contagem. Identificar o Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação. Contagem das Funções de Dados. Calcular os PFs Ajustados Análise de Pontos de Função (Hazan, 2001) A Análise de Pontos de Função (APF) é um método-padrão para a medição do desenvolvimento de software, visando estabelecer uma medida de tamanho do software em

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS.

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Sobre o MedOne GESTÃO SIMPLIFICADA, EFICIÊNCIA GARANTIDA. Gestão simplificada, segurança

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

AUTOR(ES): IANKSAN SILVA PEREIRA, ALINE GRAZIELE CARDOSO FEITOSA, DANIELE TAMIE HAYASAKA, GABRIELA LOPES COELHO, MARIA LETICIA VIEIRA DE SOUSA

AUTOR(ES): IANKSAN SILVA PEREIRA, ALINE GRAZIELE CARDOSO FEITOSA, DANIELE TAMIE HAYASAKA, GABRIELA LOPES COELHO, MARIA LETICIA VIEIRA DE SOUSA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TECNOLOGIA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de

Leia mais

Data Mining. Origem do Data Mining 24/05/2012. Data Mining. Prof Luiz Antonio do Nascimento

Data Mining. Origem do Data Mining 24/05/2012. Data Mining. Prof Luiz Antonio do Nascimento Data Mining Prof Luiz Antonio do Nascimento Data Mining Ferramenta utilizada para análise de dados para gerar, automaticamente, uma hipótese sobre padrões e anomalias identificadas para poder prever um

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL O SIAC é a solução integrada de automação comercial da Itautec para frente de loja. Um sistema que integra toda a área de vendas, fazendo com que a loja trabalhe

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos + APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos Requisitos Requisitos 2 n Segundo Larman: n São capacidades e condições às quais o sistema e em termos mais amplos, o projeto deve atender n Não são apenas

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE INTRODUÇÃO Na intenção de realizar um novo sistema financeiro para a gestão de recursos de convênios celebrados pela Academia Brasileira de Ciências, o setor de informática juntamente com o setor financeiro

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO por Fernando Sarturi Prass 1 1.Introdução O aumento das transações comerciais por meio eletrônico, em especial as feitas via Internet, possibilitou as empresas armazenar

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Tipos de SAD Orientados por modelos: Criação de diferentes

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida:

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida: 1. Ementa Gerenciamento e desenvolvimento de um projeto que acompanhe as etapas do ciclo de vida do software e ou hardware, com ênfase em: documentação, determinação dos requisitos, projeto lógico, projeto

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Análise de Dados e Data Mining Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining Inscrições Abertas Início das Aulas: 24/03/2015 Dias e horários das aulas: Terça-Feira 19h00 às 22h45 Semanal Quinta-Feira 19h00

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES Os aplicativos financeiros da MPS - Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa - são utilizados por diversos clientes e possuem todas as funcionalidades operacionais necessárias, além de opções

Leia mais