DIVERSIDADE FITOGEOGRÁFICA DA CAATINGA EM ÁGUA BRANCA E DELMIRO GOUVEIA ALAGOAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIVERSIDADE FITOGEOGRÁFICA DA CAATINGA EM ÁGUA BRANCA E DELMIRO GOUVEIA ALAGOAS"

Transcrição

1 DIVERSIDADE FITOGEOGRÁFICA DA CAATINGA EM ÁGUA BRANCA E DELMIRO GOUVEIA ALAGOAS Jilyane Rouse Pauferro da Silva Especialista em Geografia: Análise Ambiental, Universidade Federal de Alagoas-UFAL Eixo temático 5: Cenários territoriais da conservação territorial Resumo A pesquisa constituiu de análise da caracterização do estado de conservação da Caatinga em função de sua diversidade nos municípios de Água Branca e Delmiro Gouveia Alagoas. O processo de desenvolvimento teve embasamento no estudo Fisionômico-Ecológico e fundamentado nas Teorias do Geossistema e do Refúgio Ecológico. Os procedimentos metodológicos abrangem: levantamentos bibliográficos e cartográficos; interpretação preliminar de imagem de satélite; classificação preliminar da vegetação e levantamentos de campo. O estudo constatou que o desmatamento da vegetação nativa pode ser explicado, em grande parte, pela expansão das atividades da pecuária e da agricultura no sertão alagoano, além do extrativismo vegetal para produção de lenha e carvão. Palavras-chave: conservação - degradação - potencialidade Introdução Desde o período da colonização do território alagoano, através da expansão para ocupação do sertão que a vegetação da caatinga vem sofrendo alteração em sua área de origem, sendo intensificada ao longo do tempo pela ação antrópica com o desenvolvimento da pecuária, da agricultura e da extração de vegetação para produção de lenha e carvão voltados para o abastecimento de indústrias. Diante da questão do desmatamento, muitas espécies que compõe a Caatinga não chegam a ser reconhecidas devido ao desequilíbrio ecológico ocorrido nos ecossistemas, que provoca a extinção de espécies e a redução do potencial lenhoso e florístico, além da fauna da região. Assim, definiu-se como objetivo de nosso trabalho a caracterização do estado de conservação da Caatinga nos municípios de Água Branca e Delmiro Gouveia; como recurso que compõe este ambiente para a sociedade local que depende da vegetação como fonte de renda e para a manutenção do equilíbrio ecológico. 1

2 Água Branca O município de Água Branca está situado entre os paralelos 09º20'00 e de latitude Sul e entre os meridianos 38 '00 00 e de longitude Oeste de Greenwich. Está localizado na Mesorregião Região do Sertão Alagoano e na Microrregião Geográfica Serrana do Sertão, limita-se ao norte com mata Grande; ao sul com Delmiro Gouveia; a leste com Ianhi e Olho d Água do Casado e a oeste com Pariconha e Pernambuco (Figura 1). Figura: 1 Localização da área de estudo. Fonte: Andrade (2010). Possui uma área de 455 km² (IBGE, 2005) e está distante 304km de Maceió, tendo como principais vias de acesso as rodovias BR-316, BR-423, BR-101, Al-220, AL-145 (op. cit.). A população estimada do município de Água Branca é de habitantes (IBGE, 2009). Delmiro Gouveia Delmiro Gouveia está situado entre os paralelos 09º30'00 e de latitude Sul e entre os meridianos 38 '10 00 e de longitude Oeste de Greenwich. Faz parte da Mesorregião Região Geográfica do Sertão Alagoano e integra 2

3 a Microrregião Geográfica do Sertão do São Francisco, tendo como limite norte os municípios de Pariconha e Água Branca; ao sul o Rio São Francisco; a leste Olho d Água do Casado e a oeste os Estados da Bahia e Pernambuco. Possui uma área de 605km² (IBGE, 2005) e está distante 294km de Maceió, tendo com principais vias de acesso as rodovias BR-316, BR-101, AL-200, AL-145, BR-423 que o ligam a Pernambuco, e a BR-110 que liga o município de Paulo Afonso, no Estado da Bahia (op. cit.). A população estimada do município de Delmiro Gouveia é de habitantes (IBGE, 2009). Diversidade do Bioma Caatinga A vegetação pode ser classificada em caatinga hiporxelófila é menos seca, pois predomina na faixa bioclimática entre 120 a 150 dias biologicamente secos (dbs) sendo a área mais atingida pela degradação da vegetação através da ação antrópica. E a caatinga hiperxelófila é mais seca estando inserida na faixa bioclimática entre 150 a 180 dias biologicamente secos (dbs) onde constitui a vegetação do semi-árido (ASSIS, 2000) apud (PACHÊCO et al., 2006). Segundo Drumond et al. (2000) não existe uma lista completa para as espécies da caatinga. Apesar dos desmatamentos ocorridos no decorrer dos anos foram visualizados nos pontos checados no trabalho de campo 44 espécies destacadas na listagem a seguir na (Tabela 1). Gillett Amburana cearensis (Allemão)S.C.Sm. Fabaceae Ameixa Ximenia americana Olacaceae Angico-de-caroço Angico-manjola Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan Parapiptadenia zehntneri (Harms)M.P. Lima & Lima Nome Popular Nome Científico Família Amburana-decambão Commiphora Burseraceae leptophloeos (Mart.)J.B. Amburana-decheiro Fabaceaemimosoideae Fabaceaemimosoideae 3

4 Aroeira Myracrodruon urundeuva Allem. Anacardiaceae Babosa Aloe sp. Asphodelaceae Barriguda Ceiba glaziovii Malvaceae K.Schum Bom-nome Maytenus rígida Celastraceae Mart. Burra-leiteira Sapium glandulatum Euphorbiaceae (Vell.) Pax. Braúna Schinopsis brasiliensis Engl. Anacardiaceae Cansanção Cnidoscolus urens Euphorbiaceae (L.) Arthur Carcarazeiro Pithecellobium diversifolium Benth. Fabaceae- Mimosoideae Catingueira Poincianella Fabaceae pyramidales (Tul.) L.P.queiroz Coroa-de-frade Melocactus bahiensis Cactaceae Craibeira Tabebuia aurea (Silva Manso) S. Moore Bignoniaceae Cont. Nome Popular Nome Científico Família Croá Neoglaziovia Bromeliaceae variegata (Arruda da Camara ) Mez. Facheiro Pilosocereus Cactaceae pachycladus Ritter Faveleiro Cnidoscolus Euphorbiaceae phyllacanthus (Mull.Arg.)Pax&L.H offm. Feijão-bravo Capparis flexuosa L. Capparaceae Iço Capparis jacobinae Capparaceae Moric. ex Eichler Ipê-amarelo Tabebuia Bignoniaceae Ipê-roxo Tabebuia Bignoniaceae Jericó Selaginella convolula Seleginellaceae Juazeiro Ziziphus joazeiro Rhamnaceae Jurema-preta Mimosa hostilis Benth. Fabaceae - mimosoideae Macambira-decambão Bromelia laciniosa Bromeliaceae Macambira-deflecha Encholirium Bromeliaceae spectabile Mandacaru Cereus jamacaru DC. Cactaceae 4

5 Maniçoba Manihot glaziovii Euphorbiaceae Muell. Arg. Mororó Bauhinia cheilantha Fabaceae (Bong.)D. Dietr. Palmatória Opuntia palmadora Cactaceae Pau d arco Tabebuia sp. Bignoniaceae Pau-ferro (jucá) Caesalpinia férrea Caesalpiniaceae Pereiro Aspidosperma Apocynaceae pyrifolium Pinhão-bravo Jatropha mollissima Euphorbiaceae (Pohl.) Baill Quipá Tacinga inamoena Cactaceae Quixabeira Sideroxylon Sapotaceae obtusifolium Umbuzeiro Spondias tuberosa Anacardiaceae Arruda Unha-de-gato Bauhinia integerrima Fabaceae Mart. Ex. Benth. Xique-xique Pilosocereus Cactaceae gounellei Tabela 1- Listagem Florística das espécies registradas. Fonte: - acesso em (12/11/2020) Apresenta características da vegetação de porte (arbóreo, arbóreo-arbustivo e arbustivo) e a densidade com árvores (densa, pouco-densa e aberta); com raízes (bem desenvolvidas, grossas e perenes) para aumentar adaptação às condições de semi-aridez da região; as espécies vegetais são (lenhosas, decíduas e espinhentas) em sua maior parte das famílias são Malvaceae (Figura 7), Caesalpiniaceae (Figura 6), Mimosaceae, Fabaceae (Figuras: 8 e 11), Bromeliaceae (figuras: 2 e 13), Euphorbiaceae e Cactaceae (figuras: 3, 5, 9, 10 e 12) (SUDENE, 1975) apud (PACHÊCO et al., 2006). Além de outras famílias como: Bignoniaceae (Figura 4). Em destaque espécies encontradas em Água Branca AL 5

6 Figura: 2 Croatá (Neoglaziovia variegata). Fonte: Conceição (25/09/2008). Figura: 3 Quipá (Opuntia inamoena). Fonte: Conceição (27/09/2008). Figura: 4 Craibeira (Tabebuia caraiba). Fonte: Conceição (01/11/2008). Figura: 5 Facheiro (Pilosocereus piauhiensis). Fonte: Conceição (11/11/2008). Figura: 6 Pau - Ferro ou Jucá (Caesalpinia ferrea) Fonte Figura: 7 Barriguda (Chorisia flaziovii) Fonte: Conceição (14/11/2008). Em destaque espécies encontradas em Delmiro Gouveia AL : Conceição (14/11/2008). 6

7 Figura: 8 Catingueira (Caesalpinia piramidoles) Fonte: Silva (11/03/2009). Figura: 9 Xique-xique (Pilosocereus gounellei) Fonte: Silva (11/03/2009). Figura: 10 Mandacaru (Cereus jamacaru) Fonte: Silva (11/03/2009). Figura: 11 A(I)mburana de cheiro (Amburana cearensis) Fonte: Silva (25/03/2009). Figura: 12 Coroa de frade (Melocactus bahiensis) Fonte: Silva (25/03/2009). Figura: 13 Macambira de cambão (Bromelia laciniosa) Fonte: Silva (26/03/2009). 7

8 Degradação e Conservação do Bioma Caatinga em Alagoas Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE (1993) apud Leal (2005) calculou que Km² (27,5%) da Caatinga tinham sido transformados em pastagens, terras agricultáveis e outros tipos de uso intensivo do solo (IBGE, 1993). Diante dos indicadores apresentados apontam que entre 30,4% e 51,7% da área da Caatinga foi alterada por atividades antrópicas. Os resultados revelam que na primeira estimativa coloca a Caatinga como o terceiro ecossistema mais degradado do Brasil, ficando após da Mata Atlântica e do Cerrado. E na segunda estimativa coloca a Caatinga destaca-se em segundo lugar como ecossistema mais degradado do Brasil, ultrapassando à frente do Cerrado (LEAL, 2005). A área que abrange o bioma caatinga apresenta-se em fragmentos de remanescentes da vegetação distribuídos na paisagem em diferentes tamanhos, tornando evidente a alteração na qual era constituído um único e grande bloco. Segundo Assis [...] dos seus 8.170Km² de área cartografada pelo RADAMBRASIL, apenas 623,0Km² forma constatados como remanescentes. Valor esse que corresponde a um percentual de 7,63% em relação à sua classe de vegetação, e 2,15% em relação ao total da área estadual. [ ] já foram dizimadas 8.047,0Km² de sua área, ou o equivalente a 92,37% do total (2000, p. 81). Esses remanescentes da vegetação caatinga em Alagoas são representados pelos inselbergues, serras e áreas do pediplano; sendo que em áreas planas algumas espécies arbóreas são isoladas na paisagem. Segundo Assis (2000, p. 81) a distribuição dos remanescentes testemunhos da caatinga se concentra nas margens dos rios Moxotó e São Francisco. Nas condições de desmatamento em que se encontram, pode - se dizer que algumas manchas são menos expressivas em termos de área contínua. Desmatamento da caatinga em Água Branca Alagoas O flagrante do desmatamento e queimada da caatinga foi identificado durante o deslocamento entre os pontos dentro da vegetação, localizado na área do Assentamento Chupete na parte rural do município de Água Branca - AL, sendo que este ponto não 8

9 estava previsto na programação nos levantamentos de campo, tendo em vista o agravamento da situação da vegetação, o caso foi denunciado na Diretoria de Fiscalização do Instituto do Meio Ambiente - IMA Al, para tomada de providências cabíveis (Figuras: 14 e 15). Figura 14 Desmatamento da caatinga para extração de madeira Água Branca AL. Fonte: Silva. (17/02/2009). Figura 15 Queimada caatinga Água Branca AL. Fonte: Silva. (17/02/2009). A regeneração da vegetação na área desmatada leva certo tempo sem que haja a interferência humana, mas pode ser acelerada através de reflorestamento, na ausência de conhecimento das espécies naturais da caatinga em alguns casos são implantadas espécies exóticas descaracterizando o ambiente e não ocorrendo a reposição da vegetação o solo fica desprotegido e propício a desertificação com perda da fertilidade do solo (SILVA, 2003). Após a análise dos efeitos da desertificação na região do semi-árido, em Alagoas, a situação em termos de desertificação se apresenta através das duas formalidades: a natural e a antropogênica (ASSIS, 2007, p. 93). No estágio natural 64 municípios alagoanos são áreas susceptíveis à desertificação, entre eles Água Branca, que estão na faixa moderada com clima subúmido e suas conseqüências são menos severas, no caso do agravamento nos aspectos agro-econômicos e sócio-ambientais (ASSIS, 2007). Em relação ao estágio antropogênico são atribuídos ao desmatamento e uso inadequado do solo com pecuária extensiva e lavouras de subsistência, no caso dos municípios que abrangem áreas com nível muito grave de degradação ambiental estão Água Branca e Delmiro Gouveia, em encostas das serras e nos pediplanos do 9

10 embasamento cristalino, apresentando desmatamento e solo exposto em ambientes rochosos ou arenosos em erosão (ASSIS, 2007). Devido a grande pressão antrópica que o Bioma Caatinga vem sofrendo no Estado de Alagoas, o Instituto do meio Ambiente do Estado de Alagoas - IMA, vem realizando estudos para o reconhecimento de áreas como Unidades de Conservação no Sertão Alagoano. Atualmente existem três propostas em fase de estudos técnicos, a Serra da Caiçara, no município de Maravilha, a Serra da Taborda e Pilão, no município de São José da Tapera e Serra do Padre e do Craunã no município de Água Branca (IMA - AL, 2010). Nas serras do município de Água Branca que abrange a área do presente estudo, representa importante remanescente de caatinga e brejos de altitude 1 em bom estado de conservação, áreas de transição ecológica e registros da presença de macacos, jaguatiricas e possível local de reprodução de águia chilena (B. Melanoleucus) e outras espécies endêmicas do bioma caatinga, com área de 1.170ha (IMA - AL, 2010) (Figuras: 16 e 17). Figura: 16 Serra do Padre Água Branca AL. Fonte: Silva (19/02/2009). Área localizada na Rota AGB 06 - Ponto 68, nas coordenadas geográficas: 09º18 50 S e 37º54 00 W, densidade baixa, porte baixo, solo argiloso, geomorfologia - encosta e estágio - pouco avançado. 1 Fazenda Cobras no município de Água Branca AL. Os fragmentos localizam-se em altitudes a partir de 600 metros e variam de 10 a 250 hectares. São áreas praticamente desconhecidas botanicamente em Alagoas e com alto grau de degradação e vulnerabilidade pela pressão antrópica constante que coloca em risco sua permanência (LEMOS, 2006). 10

11 Figura: 17 Serra do Craunã Água Branca AL. Fonte: Silva (09/03/2009). Área localizada na Rota DGV 01 - Ponto 72, nas coordenadas geográficas:09º S e 37º W, densidade média, porte - alto, solo - argiloso, geomorfologia - encosta-inferior e estágio - pouco avançado. Conclusão A pesquisa apresentou um acelerado processo do nível de desmatamento da vegetação da Caatinga, restando apenas fragmentos da área que cobria a vegetação nativa. Em geral, a causa desse problema tem relação com o corte e a queimada da vegetação em maior evidência na parte rural dos municípios de Água Branca e Delmiro Gouveia. Entretanto, os efeitos da retirada da vegetação não ficam restritos à ausência da cobertura vegetal, mas traz consequências negativas que repercute em vários fatores para a sociedade, como no caso de ambientais e socioeconômicos. Diante desse cenário, seguem algumas sugestões: criação de áreas protegidas e de corredores ecológicos, monitoramento e fiscalização ambiental, projetos que tratem da educação ambiental, conhecimento da diversidade da Caatinga em Alagoas, práticas de manejo ecológico que aproveite o potencial natural voltado para atividades econômicas que gerem renda para a população no campo; colaborando através de programa de reflorestamento com espécies nativas em parceria com a população local, órgãos públicos e ONGs. 11

12 Referências Bibliográficas ALAGOAS. Enciclopédia Município de Alagoas. Maceió: Moura Ramos, ASSIS, José Santino de. Biogeografia e conservação da biodiversidade. projeções para Alagoas. Maceió: Edições Catavento, DRUMOND, M. A. et. al. Avaliação e identificação de ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade do bioma caatinga. Disponível em: <http://www.biodiversitas.org.br/caatinga/relatorios/uso_sustentavel.pdf> - acesso em 11/02/2010. LEAL, Inara R. et. al. Mudando o curso da conservação da biodiversidade na caatinga do nordeste do Brasil. - Disponível em: <http://www.conservation.org.br/publicacoes/megadiversidade/19_leal_et_al.pdf>acesso em 13/08/2010. OLIVEIRA, V. S. de et. al. Uso e ocupação humana em área de corredor ecológico no bioma caatinga: políticas públicas como meio de satisfação do desenvolvimento sustentável. Disponível em: <http://www.ecoeco.org.br/conteudo/publicacoes/encontros/vii_en/mesa4/trabalhos/uso _e_ocupacao_humana.pdf> - acesso em 11/02/2010. SAMPAIO, Everardo V.S.B. et. al. (org.). Vegetação & flora da caatinga. - Recife-PE: Associação Plantas do Nordeste APNE; Centro Nordestino de Informações sobre Plantas CNIP, SILVA, J. M. C. da et. al. (orgs). Biodiversidade da caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente: Universidade Federal de Pernambuco,

FLORA DA REGIÃO DO SERTÃO NORDESTINO

FLORA DA REGIÃO DO SERTÃO NORDESTINO FLORA DA REGIÃO DO SERTÃO NORDESTINO Na região do sertão nordestino o clima é árido e semi-árido, e o que predomina é a caatinga, tanto na seca quanto no período de chuvas. Esse bioma se destaca pela biodiversidade,

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A VEGETAÇÃO NATIVA DO PARQUE ESTADUAL DO PICO DO JABRE, NA SERRA DO TEIXEIRA, PARAÍBA

UM ESTUDO SOBRE A VEGETAÇÃO NATIVA DO PARQUE ESTADUAL DO PICO DO JABRE, NA SERRA DO TEIXEIRA, PARAÍBA UM ESTUDO SOBRE A VEGETAÇÃO NATIVA DO PARQUE ESTADUAL DO PICO DO JABRE, NA SERRA DO TEIXEIRA, PARAÍBA 1 José Ozildo dos Santos; 1 Rosélia Maria de Sousa Santos; 2 Patrício Borges Maracajá RESUMO 1Centro

Leia mais

ANTÔNIO LUIZ DÓRIA NETO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DE UMA ÁREA DE CAATINGA EM PORTO DA FOLHA

ANTÔNIO LUIZ DÓRIA NETO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DE UMA ÁREA DE CAATINGA EM PORTO DA FOLHA ANTÔNIO LUIZ DÓRIA NETO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DE UMA ÁREA DE CAATINGA EM PORTO DA FOLHA Monografia apresentada ao Núcleo de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Sergipe, como requisito

Leia mais

FLORISTIC AND PHYTOSOCIOLOGY COMPOSITION OF A CAATINGA FRAGMENT IN MONTEIRO, PB ABSTRACT

FLORISTIC AND PHYTOSOCIOLOGY COMPOSITION OF A CAATINGA FRAGMENT IN MONTEIRO, PB ABSTRACT COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLÓGICA DE UM FRAGMENTO DE CAATINGA EM MONTEIRO, PB L. R. Pereira Júnior¹; A. P. de Andrade 2 ; K. D. Araújo 3 ¹Centro de Ciências Universidade Federal do Ceará 2 Centro

Leia mais

AÇAÍ AGROPECUÁRIA E SERVIÇOS LTDA

AÇAÍ AGROPECUÁRIA E SERVIÇOS LTDA COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO - CHESF DIRETORIA DE ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO - DE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO - SPE DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA DIVISÃO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Avaliação do uso de madeira como fonte energética em estabelecimentos comerciais no Município de Petrolina, PE

Avaliação do uso de madeira como fonte energética em estabelecimentos comerciais no Município de Petrolina, PE 25 Avaliação do uso de madeira como fonte energética em estabelecimentos comerciais... Avaliação do uso de madeira como fonte energética em estabelecimentos comerciais no Município de Petrolina, PE Evaluation

Leia mais

Novembro /SN - Centro - 58175000 / Cuité-PB. email:pro.kleyton21@gmail.com.br

Novembro /SN - Centro - 58175000 / Cuité-PB. email:pro.kleyton21@gmail.com.br EDUCAÇÃO PARA A CONSERVAÇÃO DA CAATINGA: UMA EXPERIÊNCIA PRATICO-METODOLÓGICA JUNTO A ESTUDANTES DA ESCOLA ESTADUAL ORLANDO VENÂNCIO DOS SANTOS, CUITÉ-PB Helena Cabral dos Santos 1 ; Kleyton Samuel Lima

Leia mais

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Brito de Melo Trovão, Dilma Maria; Silva Costa, Silvokleyo da; Silva Barbosa, Aldeni;

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

APRENDENDO SOBRE A CAATINGA ATRAVÉS DO FUTEBOL E DE POEMAS: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS

APRENDENDO SOBRE A CAATINGA ATRAVÉS DO FUTEBOL E DE POEMAS: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS APRENDENDO SOBRE A CAATINGA ATRAVÉS DO FUTEBOL E DE POEMAS: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS Clélia de Almeida Agra Albuquerque Secretaria de Estado da Educação no Estado

Leia mais

FLORA VASCULAR DE UMA ÁREA DE CAATINGA NO ESTADO DA PARAÍBA - NORDESTE DO BRASIL 1

FLORA VASCULAR DE UMA ÁREA DE CAATINGA NO ESTADO DA PARAÍBA - NORDESTE DO BRASIL 1 Universidade Federal Rural do Semiárido PróReitoria de Pesquisa e PósGraduação http://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/sistema ISSN 0100316X (impresso) ISSN 19832125 (online) FLORA VASCULAR DE UMA ÁREA

Leia mais

Fuvest 2014 Geografia 2ª Fase (Segundo Dia) A região metropolitana do litoral sul paulista é constituída pelos municípios representados no mapa:

Fuvest 2014 Geografia 2ª Fase (Segundo Dia) A região metropolitana do litoral sul paulista é constituída pelos municípios representados no mapa: QUESTÃO 3 (Ocupação do território brasileiro) A região metropolitana do litoral sul paulista é constituída pelos municípios representados no mapa: Ao longo do tempo, essa região conheceu diferentes formas

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO PRELIMINAR DA SERRA DA FORMIGA EM CAICÓ RN

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO PRELIMINAR DA SERRA DA FORMIGA EM CAICÓ RN LEVANTAMENTO FLORÍSTICO PRELIMINAR DA SERRA DA FORMIGA EM CAICÓ RN Resumo expandido - Proteção da Biodiversidade Neusiene Medeiros da Silva¹, (neusienegeo@yahoo.com), Manoel Cirício Pereira Neto¹, Ubirajara

Leia mais

Palavras-chave: Riqueza florística, ecossistemas ribeirinhos, região semiárida

Palavras-chave: Riqueza florística, ecossistemas ribeirinhos, região semiárida 1 ANÁLISE DO PERFIL FLORÍSTICO EM UM ECOSSISTEMA CILIAR NA CAATINGA: SUBSÍDIOS PARA A CONSERVAÇÃO E A SUSTENTABILIDADE DOS RECURSOS NATURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO Azenate Campos Gomes - Graduanda UFCG/CDSA/UATEC

Leia mais

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério Biomas Brasileiros FLORESTA AMAZÔNICA Solos com limitações quanto à fertilidade natural. Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PIBEX 2013-2014 ANEXO 02 PROJETO

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN.

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. Elisângelo Fernandes da Silva (E-mail: elisangelo.silva@bol.com.br);

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

DESMATAMENTO EM ÁREAS PROTEGIDAS DA CAATINGA

DESMATAMENTO EM ÁREAS PROTEGIDAS DA CAATINGA DESMATAMENTO EM ÁREAS PROTEGIDAS DA CAATINGA Laura Sabbatini Trebbi 1,2, Bianca Vigo Groetaers Vianna 1,2, Bruno Mariani Piana 1,2, Daniel Moraes de Freitas 3, Rodrigo Antônio de Souza 3 1 Empresa Júnior

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

ARQUEOLOGIA BOTÂNICA, UMA METODOLOGIA DE PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL

ARQUEOLOGIA BOTÂNICA, UMA METODOLOGIA DE PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL ARQUEOLOGIA BOTÂNICA, UMA METODOLOGIA DE PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL o caso da Praça Euclides da Cunha Joelmir Marques da Silva 1 RESUMO O jardim moderno foi criado na cidade do Recife

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DGEO PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA Caicó/RN 2015 UNIVERSIDADE

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

ANALYSIS OF THE MANAGEMENT OF BIODIVERSITY IN ARBOREAL CAATINGA BEE IN SETTLEMENT PURPOSES RENASCER, SERTÃO OF CARIRI - PB

ANALYSIS OF THE MANAGEMENT OF BIODIVERSITY IN ARBOREAL CAATINGA BEE IN SETTLEMENT PURPOSES RENASCER, SERTÃO OF CARIRI - PB ANÁLISE DA BIODIVERSIDADE ARBÓREA EM MANEJO DA CAATINGA PARA FINS APÍCOLAS NO ASSENTAMENTO RENASCER, SERTÃO DO CARIRI - PB Nielsen Christianni Gomes da Silva 1 ; Fábio dos Santos Santiago 2 ; Gabrielle

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA EM UMA ÁREA DE CAATINGA NO SERIDÓ PARAIBANO PHYTOSOCIOLOGICAL STRUCTURE IN AN AREA IN CAATINGA SERIDÓ PARAIBAN

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA EM UMA ÁREA DE CAATINGA NO SERIDÓ PARAIBANO PHYTOSOCIOLOGICAL STRUCTURE IN AN AREA IN CAATINGA SERIDÓ PARAIBAN Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior - ABEAS - v.27, n.1, p.25-29, 2012. ISSN - 0101-756X - DOI: http://dx.doi.org/10.12722/0101-756x.v27n01a04 ESTRUTURA

Leia mais

A ORIGEM, EVOLUÇÃO E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO DO BIOMA CAATINGA. Luciano Paganucci de Queiroz Universidade Estadual de Feira de Santana - BA

A ORIGEM, EVOLUÇÃO E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO DO BIOMA CAATINGA. Luciano Paganucci de Queiroz Universidade Estadual de Feira de Santana - BA A ORIGEM, EVOLUÇÃO E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO DO BIOMA CAATINGA Luciano Paganucci de Queiroz Universidade Estadual de Feira de Santana - BA ESTRUTURA DA PALESTRA 1 - Caracterização do bioma e principais

Leia mais

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE O Território do Sertão do Araripe é formado por 10 municípios: Araripina,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS LEIA AS INFORMAÇÕES, CONSULTE O LIVRO PARA ADQUIRIR MAIS CONHECIMENTO E RESPONDA OS EXERCÍCIOS EM SEU CADERNO. 1- Quente e frio: um país de extremos O Brasil é

Leia mais

Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest

Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest Lucas Cardoso Marinho & Filipe Ribeiro Sá Martins Lucas C. Marinho [lcmarinho@gmail.com] # 452 version

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - Julho 2005-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 GEOGRAFIA QUESTÃO 21

Processo Seletivo/UFU - Julho 2005-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 GEOGRAFIA QUESTÃO 21 Observe a tabela. GEOGRAFIA QUESTÃO 21 POPULAÇÃO DE CONSUMIDORES NOS PAÍSES, EM 2002 País População da Classe de Participação nototal da Consumidores (em milhões) População (em %) Estados Unidos 242,5

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

Análise da degradação da caatinga no núcleo de desertificação do Seridó (RN/PB)

Análise da degradação da caatinga no núcleo de desertificação do Seridó (RN/PB) Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.13, (Suplemento), p.961 974, 2009 Campina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 041.08 25/02/2008 Aprovado em 22/04/2009 Análise

Leia mais

Composição florística de um fragmento de caatinga do município de Itapetim, Pernambuco

Composição florística de um fragmento de caatinga do município de Itapetim, Pernambuco SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 2012 www.scientiaplena.org.br Composição florística de um fragmento de caatinga do município de Itapetim, Pernambuco E. C. A. Silva 1 ; I. S. Lopes 1 ; J. L. Silva 1 1 Programa

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos

Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos LOCALIZAÇÃO BRASILEIRA O Brasil é um país que integra a América do Sul e apresenta extensão territorial de 8.514.876 km². É o quinto

Leia mais

Atendimento as recomendações solicitas para UHE de Xingó

Atendimento as recomendações solicitas para UHE de Xingó Atendimento as recomendações solicitas para UHE de Xingó Atendendo a recomendação: Apresentar em até 90 dias, uma análise crítica dos trabalhos existentes sobre fauna e flora ocorrentes na região da UHE

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO PARA ESTUDOS ECOLÓGICOS DA REGIÃO DA SUB-BACIA DO RIO CAPIVARI-BA NOS MUNICÍPIOS DE CRUZ DAS ALMAS, MURITIBA E SÃO FÉLIX. Autor: Gabriel Barbosa Lobo Instituição: Escola

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 3ª Etapa 2014. Ano: 7º Turma: 7.1

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 3ª Etapa 2014. Ano: 7º Turma: 7.1 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 7º Turma: 7.1 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO FINAL GEOGRAFIA (1ª SÉRIE A)

LISTA DE RECUPERAÇÃO FINAL GEOGRAFIA (1ª SÉRIE A) 1. (Unesp 2013) Analise os climogramas dos principais tipos climáticos do Brasil e as fotos que retratam as formações vegetais correspondentes. Identifique o climograma e a respectiva foto que representa

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

Revista do CERES Volume 1, Número 2 2015 http://www.cerescaico.ufrn.br/ceres/

Revista do CERES Volume 1, Número 2 2015 http://www.cerescaico.ufrn.br/ceres/ Revista do CERES Volume 1, Número 2 2015 http://www.cerescaico.ufrn.br/ceres/ A IMPORTÂNCIA BIOGEOGRÁFICA DAS ÁREAS ALAGADIÇAS NA REGIÃO SEMIÁRIDA: O CASO DO GEOSSISTEMA DA DEPRESSÃO SERTANEJA DOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO A caatinga é um bioma que se concentra na região nordeste do Brasil. Ocupando

Leia mais

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB Roseana Barbosa da Silva Graduada em Geografia, Universidade Estadual do Vale do Acaraú UVA/UNAVIDA E-mail: roseanabsilva@gmail.com.br

Leia mais

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Na área dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, existem as seguintes unidades de conservação (Anexo II): Parque Nacional de Monte Pascoal Parque Nacional

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA ECOLOGICA MATA DO PAU- FERRO (AREIA-PB) COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA ECOLOGICA MATA DO PAU- FERRO (AREIA-PB) COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO A IMPORTÂNCIA DA RESERVA ECOLOGICA MATA DO PAU- FERRO (AREIA-PB) COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO Edilaine da Silva Trajano (1); David Holanda de Oliveira (1); Sibelle Williane Dias dos Santos Inocêncio Alves

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

FUVEST Resolvida 12/Janeiro/2016

FUVEST Resolvida 12/Janeiro/2016 pra quem faz questão das melhores faculdades Resolvida 12/Janeiro/2016 2 a Fase - 3 o Dia - Geografia Observe o mapa a seguir. Considere o trabalho análogo à escravidão no meio rural brasileiro. a) Indique

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Manutenção e recuperação da capacidade produtiva da região do Médio e Baixo Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas com espécies adaptadas a região (fauna e flora) Identificar as potencialidades

Leia mais

ISSN 1808-9992 Julh, 2008 o. Levantamento Florístico da Reserva Legal do Projeto Salitre, Juazeiro-BA

ISSN 1808-9992 Julh, 2008 o. Levantamento Florístico da Reserva Legal do Projeto Salitre, Juazeiro-BA on line ISSN 1808-9992 Julh, 2008 o 209 Levantamento Florístico da Reserva Legal do Projeto Salitre, Juazeiro-BA ISSN 1808-9992 Julho, 2008 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Semi-Árido

Leia mais

ANEXO III DO PARECER ÚNICO

ANEXO III DO PARECER ÚNICO GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD ANEXO III DO PARECER ÚNICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Tipo de Requerimento de Intervenção

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM RECURSOS GENÉTICOS VEGETAIS CARLOS ANDRE CIRQUEIRA QUEIROZ CARACTERIZAÇÃO DA VEGETAÇÃO CILIAR

Leia mais

Levantamento florístico do componente arbustivo-arbóreo da vegetação ciliar na bacia do rio Taperoá, PB, Brasil

Levantamento florístico do componente arbustivo-arbóreo da vegetação ciliar na bacia do rio Taperoá, PB, Brasil Acta bot. bras. 19(3): 647-656. 2005 Levantamento florístico do componente arbustivo-arbóreo da vegetação ciliar na bacia do rio Taperoá, PB, Brasil Alecksandra Vieira de Lacerda 1,3, Nivaldo Nordi 2,

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

2 o Relatório VERSÃO FINAL

2 o Relatório VERSÃO FINAL COMPANHIAA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF Departamento de Meio Ambientee DMA Divisão de Meio Ambiente de Geração DEMG Serviços de Recuperação das Áreas Degradadas no Entorno da Usina Hidrelétrica

Leia mais

O que você deve saber sobre BIOMAS MUNDIAIS

O que você deve saber sobre BIOMAS MUNDIAIS O que você deve saber sobre Elementos do clima, como temperatura e umidade, interferem na formação de diferentes ecossistemas, e em cada um deles há um equilíbrio dinâmico. As regiões polares - Tundra

Leia mais

GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus

GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus Comentário Geral Prova com estruturação clássica com divisão entre questões de geografia física, econômica e humana com maior peso para os conceitos envolvendo o

Leia mais

Caatinga na Cartilha

Caatinga na Cartilha Caatinga na Cartilha Prof. Ms. Lúcio Roberto Galvão de Araújo 1 Esta cartilha básica tem como objetivo informar ao sertanejo, da caatinga cearense, sobre o uso racional da mesma, no que diz respeito ao

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 Institui o Novo Código Florestal.... Art. 3º Consideram-se, ainda, de preservação permanentes, quando assim declaradas por ato do Poder Público, as florestas e demais

Leia mais

Palavras-chave Ferramenta computacional, Cariri paraibano, Degradação da vegetação.

Palavras-chave Ferramenta computacional, Cariri paraibano, Degradação da vegetação. 52 USO DE SIG NA ANÁLISE QUALITATIVA DO USO DO BIOMA CAATINGA NA BACIA DO RIO SUCURU Maria Leide Silva de ALENCAR¹ Erinaldo Irineu dos SANTOS² Professora Universidade Federal de Campina Grande, Centro

Leia mais

ÍNDICE. 6.2.9 - Desertificação... 1/9. 6.2.9.1 - Núcleo de Desertificação de Gilbués... 4/9. 6.2.9.2 - Considerações Finais... 9/9

ÍNDICE. 6.2.9 - Desertificação... 1/9. 6.2.9.1 - Núcleo de Desertificação de Gilbués... 4/9. 6.2.9.2 - Considerações Finais... 9/9 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 6.2.9 - Desertificação... 1/9 6.2.9.1 - Núcleo de Desertificação de Gilbués... 4/9 6.2.9.2 - Considerações Finais...

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA UFRGS 2010

PROVA DE GEOGRAFIA UFRGS 2010 PROVA DE GEOGRAFIA UFRGS 2010 51. Ainda é 31 de dezembro no Brasil quando a televisão noticia a chegada do Ano Novo em diferentes países. Entre os países que comemoram a chegada do Ano Novo antes do Brasil,

Leia mais

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Formações Florestais: Coníferas, Florestas Temperadas, Florestas Equatoriais e Florestas Tropicais. Formações Herbáceas e Arbustivas: Tundra, Pradarias Savanas,

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Efeitos da latitude e da altitude sobre os biomas. Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de ; Coriáceas folhas, e normalmente ; Decíduas antes de secas ou invernos rigorosos; Latifoliadas

Leia mais

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73.

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73. 1 de 27 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA PROJETO: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE AGROECOSSISTEMAS EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORTE-NOROESTE FLUMINENSE - RIO RURAL/GEF

Leia mais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais BRASIL NO MUNDO: Linha do Equador: 93% Hemisfério Sul 7% Hemisfério Norte Trópico de Capricórnio: 92% zona Tropical 8% Zona temperada do Sul Nossas fronteiras-problema : ( FARC ) Colômbia: Narcotráfico

Leia mais

Plano Anual de Aplicação Regionalizada

Plano Anual de Aplicação Regionalizada Plano Anual de Aplicação Regionalizada PAAR - 2015 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL Introdução PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO REGIONALIZADA

Leia mais

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado.

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. 136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. Em relação às regiões marcadas na figura, observa-se que A) a existência de áreas superáridas,

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos

O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos Escola Estadual Desembargador Floriano Cavalcanti PIBID-UFRN Geografia 6º ano O ESTADO DE TEMPO O ESTADO DE TEMPO VARIA: 11H 30M AO LONGO DO DIA

Leia mais

2- (0,5) O acúmulo de lixo é um grave problema dos ambientes urbanos. Sobre o lixo responda: a) Quais são os principais destino do lixo?

2- (0,5) O acúmulo de lixo é um grave problema dos ambientes urbanos. Sobre o lixo responda: a) Quais são os principais destino do lixo? Data: /11/2014 Bimestre: 4 Nome: 7 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 9 1- (0,5) Sobre o ecossistema da caatinga do sertão do Nordeste, responda.

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Revista Caatinga ISSN: 000-36X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil DANTAS ARAUJO, KALLIANNA; NUNES PARENTE, HENRIQUE; ÉDER-SILVA, ÉRLLENS; RAMALHO, CÍCERA IZABEL; TARGINO

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF José Bento da Rocha Farmacêutico graduado pela Universidade Estadual de Goiás UEG,

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

Áreas degradadas: métodos de recuperação no semi-árido brasileiro. Paulo César Fernandes Lima

Áreas degradadas: métodos de recuperação no semi-árido brasileiro. Paulo César Fernandes Lima Áreas degradadas: métodos de recuperação no semi-árido brasileiro. Paulo César Fernandes Lima Pesquisador da Embrapa Semi-Árido, C.P. 23, Petrolina-PE, 56302-970. pcflima@cpatsa.embrapa.br 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais