SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS 01/01

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO 60.208 ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS 01/01"

Transcrição

1 SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS 01/01 ÍNDICE PÁGINA CAPÍTULO I - GENERALIDADES... 01/01 I - Objetivo II - Aplicação III - Definições CAPÍTULO II - PROCESSO DE ALIENAÇÃO... 01/04 I - Procedimentos II - Autorização III - Tipos de Alienação IV - Fixação do Preço Mínimo de Venda CAPÍTULO III - LICITAÇÃO PARA ALIENAÇÃO... 01/05 I - Princípios Básicos II - Modalidade III - Fases IV - Comissão de Licitação V - Edital VI - Aviso de Licitação VII - Procedimentos da Comissão de Licitação VIII - Recursos Administrativos IX - Homologação ou Anulação CAPÍTULO IV - DISPOSIÇÕES GERAIS... 01/01 CAPÍTULO V - ANEXO... 01/02 I - Laudo Técnico de Vistoria e de Avaliação de Imóveis Em: 09/ 06 / 98

2 09/07/91 09/04/ I 01/01 CAPÍTULO I GENERALIDADES I II - Objetivo este ato normativo os procedimentos operacionais para Alienação de Bens Imóveis. - Aplicação este ato normativo aplica-se a todas as unidades da Conab, obedecidas as limitações e competências nele estabelecidas, conforme a Lei nº 8.666, de III - Definições 01 - Alienação - é o ato contratual, a título gratuito ou oneroso, pelo qual alguém transfere a outrem a propriedade de um bem ou de um direito do qual é titular Administração - é o órgão, entidade ou unidade administrativa pelos quais a administração pública atua concretamente Administração Pública - é a administração direta e indireta da união, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, abrangendo as entidades com personalidade jurídica de direito privado sob o controle do poder público e das fundações por ele instituídas ou mantidas Imprensa Oficial - é o veículo oficial de divulgação dos atos da administração pública Comissão - permanente ou especial, criada pela administração, com a função de receber, examinar e julgar todos os documentos e procedimentos relativos às licitações e ao cadastramento de licitantes Licitação - é o procedimento administrativo pelo qual se seleciona, dentro de critérios fixados, a proposta mais vantajosa para a alienação de imóveis, propiciando igual oportunidade a todos os interessados Adjudicação - é a atribuição dada ao vencedor do objeto da licitação para a subseqüente efetivação do contrato e/ou lavratura da competente Escritura Pública de Compra e Venda Anulação - é a invalidação da licitação ou julgamento, proferida pelo Presidente da Conab, por motivo de ilegalidade Revogação - é a invalidação da licitação, proferida pelo Presidente da Conab, por motivo de interesse público Contratante - é o órgão ou entidade signatária do instrumento contratual Contratado - é a pessoa física ou jurídica signatária de contrato com a Administração Pública. Aprovado RECAD nº. 383ª Em: 06 / 04 / 99

3 II 01/04 CAPÍTULO II PROCESSO DE ALIENAÇÃO I II - Procedimentos 01 - Compete à área de Administração da Conab verificar constantemente a utilização e a situação em que se encontram os seus bens imóveis. Para tanto, cabe às áreas envolvidas, na Matriz e nas Regionais, adotar as seguintes providências: a) identificar e qualificar os imóveis passíveis de alienação, ouvindo, obrigatoriamente, a área operacional sobre o interesse na utilização dos mesmos; b) promover a regularização dos bens imóveis a serem alienados; c) manter em arquivo a documentação desses imóveis; c.1) no caso de imóveis jurisdicionados às Superintendências Regionais, encaminhar 1(uma) cópia do documento comprobatório de propriedade à área de Administração da Matriz As Regionais devem emitir relatórios semestrais, respectivamente em junho e dezembro, sobre os imóveis passíveis de alienação, constando a situação jurídico-patrimonial e as providências adotadas no período Cabe à área de Administração manter constante acompanhamento do assunto e, também, prestar efetivo apoio às Regionais A área de Administração deve encaminhar para deliberação da Diretoria Colegiada semestralmente, em janeiro e julho, relação dos imóveis da Conab passíveis de alienação. - Autorização - Cabe à Diretoria Colegiada apreciar e submeter a relação dos imóveis a serem alienados à aprovação do Conselho de Administração da Conab. III - Tipos de Alienação 01 - Venda A venda de imóveis da Companhia é sempre precedida de avaliação e realizada por intermédio de licitação, sob a modalidade de concorrência A licitação é dispensada no caso de venda de imóvel a outro órgão ou entidade da Administração Pública, de qualquer esfera do governo Os procedimentos referentes à licitação para venda de imóveis estão disciplinados no Capítulo III deste ato normativo Permuta Permuta é o contrato pelo qual as partes transferem e recebem bens, uma da outra, bens esses que se substituem reciprocamente no patrimônio dos permutantes. Em: 09 / 06 / 98

4 09/07/91 21/06/ II 02/ A permuta pressupõe igualdade de valor entre os bens permutáveis, mas é admissível a troca de imóveis que possuam valores desiguais, mediante reposição ou complementação em dinheiro Os imóveis da Conab poderão ser objeto de permuta por outros imóveis que atendam às finalidades precípuas da Conab, condicionando-se a escolha às necessidades de instalação e localização Exige-se, na permuta de imóveis a avaliação prévia na forma definida no subtítulo IV, item 01, para que a troca seja efetivada sem prejuízo para o patrimônio da Conab Não se exige licitação, uma vez que a determinação dos objetos da troca não admite substituição ou competição licitatória O contrato pode ser efetuado com órgãos e entidades públicas, particulares ou, ainda, com pessoas físicas Dação em Pagamento Neste procedimento, a Conab pode se liberar de uma dívida sem desembolsar dinheiro, mediante transferência do domínio de um imóvel a organismos e entidades públicas, privadas ou, ainda, a pessoas físicas A dação em pagamento é, obrigatoriamente, precedida de avaliação do imóvel na forma disciplinada neste ato normativo Os imóveis ofertados em dação de pagamento deverão ser submetidos à aprovação do Conselho de Administração Doação Somente é permitida a doação de bens imóveis da Companhia, exclusivamente, para outro órgão ou entidade da Administração Pública, de qualquer esfera de governo A doação é precedida, obrigatoriamente, de avaliação feita sob a forma disciplinada neste ato normativo, sendo dispensada a licitação para o contrato alienativo A doação pode ser efetivada com ou sem encargos para o donatário Em toda doação com encargos é necessária a cláusula de reversão, para a eventualidade de seu descumprimento Os imóveis doados para outros órgãos ou entidades da administração pública de qualquer esfera do governo, cessadas as razões que justificaram a sua doação, reverterão ao patrimônio da Conab, devendo ser incluída no contrato de doação, cláusula impeditiva da alienação dos imóveis por parte do donatário Venda sem Licitação A Conab poderá efetuar a venda de seus imóveis sem licitação, diretamente a outro órgão ou entidade da administração pública, Aprovado RECAD nº. 545ª Em: 13 / 06 / 02

5 09/07/91 31/10/ II 03/04 de qualquer esfera de governo, mediante autorização da Diretoria Colegiada A venda direta deverá obedecer às condições de pagamento em vigor na época de sua transação e será necessariamente precedida de avaliação. IV - Fixação do Preço Mínimo de Venda 01 - Da Avaliação O preço mínimo de venda é fixado com base no Laudo de Avaliação a ser expedido pela Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil ou por um ou mais engenheiros da Companhia com registro no CREA. Neste caso, os técnicos da Conab deverão utilizar o formulário "LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA E DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS" /065 (Anexo I) É de competência da Diretoria Colegiada a aprovação do Laudo de Avaliação, para efeito de fixação do preço mínimo de venda dos imóveis Os laudos de avaliação terão validade por 12(doze) meses, contados a partir da data de sua emissão Excepcionalmente, considerando-se o comportamento do mercado imobiliário, a localização, o estado de conservação do bem e o tipo de imóvel, a Diretoria Colegiada poderá aprovar o valor mínimo de venda do imóvel cujo Laudo de Avaliação esteja com validade superior a 12 (doze) meses Das Condições de Pagamento À Vista De acordo com a proposta do licitante vencedor é exigido, após a adjudicação da venda e da respectiva publicação no Diário Oficial da União, a título de sinal e princípio de pagamento, o depósito da quantia mínima correspondente a 10% (dez por cento) do valor proposto O saldo restante deve ser pago até a data da assinatura da escritura de compra e venda, a ser lavrada no prazo de até 30 (trinta) dias corridos, a partir da publicação da adjudicação do imóvel ao licitante vencedor no Diário Oficial da União A Prazo De acordo com a proposta do licitante vencedor é exigido, após a adjudicação da venda e da respectiva publicação no Diário Oficial da União, a título de sinal e princípio de pagamento, o depósito da quantia mínima correspondente a 10% (dez por cento) do valor proposto. Aprovado RECAD nº ª Em: 16 / 05 / 2012

6 09/07/91 06/07/ II 04/ O licitante poderá utilizar o plano de vendas parcelado da Conab, vigente à época da licitação, obedecida a legislação que regula a matéria e as condições previstas no Edital de Concorrência para a venda do imóvel Da Competência - as condições de pagamento são estipuladas em Voto da Diretoria Administrativa, aprovado em reunião da Diretoria Colegiada. Aprovado RECAD nº. 440ª Em: 01 / 06 / 2000

7 I II - Princípios Básicos CAPÍTULO III LICITAÇÃO PARA ALIENAÇÃO III 01/ Formalidade - estabelecimento de vínculos entre a licitação e as prescrições legais que regem os seus atos e fases Publicidade dos Atos de Licitação - abrange o Aviso e a Abertura da Licitação, o conhecimento do Edital e seus anexos, o exame da documentação e das propostas pelos interessados e/ou o fornecimento de certidões, pareceres e decisões relacionados à licitação Igualdade Entre os Licitantes - determinação impeditiva de discriminação entre os participantes da licitação, em qualquer fase do processo Sigilo na Apresentação das Propostas após a habilitação dos proponentes deve ser preservado o conteúdo de todas as propostas, até a data e horário designados para a abertura dos envelopes Vinculação ao Edital - diploma legal interno da licitação, que vincula aos seus termos os licitantes e a Conab Julgamento Objetivo - tem sustentação nos critérios estabelecidos no Edital e nos termos específicos das propostas, cujo objetivo básico é impedir a discricionariedade na escolha das propostas Adjudicação Compulsória - concluído o processo de licitação, e cumpridas todas as exigências do Edital, a adjudicação ao vencedor é obrigatória. - Modalidade - a modalidade de licitação é a de concorrência. III - Fases 01 - O procedimento da licitação será iniciado com a abertura de processo administrativo, devidamente autuado e numerado, contendo a autorização da Diretoria Administrativa, a especificação, o endereço completo e o Laudo de Avaliação do Imóvel a ser licitado, e terá, ainda, as seguintes fases: a) constituição da Comissão de Licitação; b) elaboração do Edital de Licitação; c) divulgação do Edital de Licitação; d) recebimento da documentação; e) recebimento das propostas; f) habilitação dos licitantes; g) julgamento das propostas; h) adjudicação; i) homologação; j) anulação/revogação. Em: 09 / 06 / 98

8 IV - Comissão de Licitação V III 02/ O processo de Alienação de Bens Imóveis da Companhia é coordenado pela Comissão Permanente de Licitação, designada pelo Presidente da Conab quando se tratar de imóveis da Matriz, e pelos Superintendentes Regionais quando a alienação tratar de imóveis jurisdicionados às Sedes O Presidente da Conab pode em casos especiais, a seu critério, constituir Comissão Especial de Alienação. - Edital 01 - Edital é o instrumento pelo qual a Conab torna pública a realização de licitação, fixando suas condições e convocando os interessados para a apresentação de propostas Da estrutura do Edital fazem parte: a) preâmbulo - parte introdutória destinada a apresentar a licitação, devendo conter: a.1) o número do Edital; a.2) a finalidade da licitação; a.3) o local, o dia e a hora para recebimento e abertura dos envelopes de documentação e propostas; b) texto - corpo do Edital onde é definido o objeto da licitação, estabelecendo condições de participação, critérios para julgamento das propostas e os requisitos para formalização do Contrato; c) fecho - encerramento do Edital, com as determinações finais sobre a sua divulgação, data e assinatura do Presidente da Comissão de Licitação Do conteúdo do Edital fazem parte: a) objeto da licitação - discriminação sucinta e clara do imóvel, de modo que os interessados possam entender e identificar o que se pretende alienar; b) local e horários são definidos para que os licitantes possam obter elementos, informações e esclarecimentos relativos à licitação, incluindo instruções para vistoriar o imóvel e conhecimento da documentação dominial; c) pagamento e reajuste de preços - são estabelecidas as condições do pagamento e, quando for o caso, de reajustamento de preços; d) caução - é exigida do participante uma caução correspondente a 5% (cinco por cento) do valor mínimo fixado para venda do imóvel, devendo o pagamento ser feito em moeda corrente nacional; e) condições para participar da licitação - são necessariamente estabelecidas de acordo com o vulto e a complexidade do objeto da licitação; f) critérios de julgamento - são estabelecidos os critérios de julgamento das propostas a partir dos fatores considerados vantajosos para a Conab; Em: 09 / 06 / 98

9 III 03/05 g) recursos admissíveis - são definidos os recursos administrativos que podem ser impetrados, tempestivamente, contra os atos e decisões relativas às licitações; a quem são dirigidos; o prazo de interposição e sua f orma de encaminhamento; h) sanções - para o caso de inadimplemento A elaboração da minuta de Edital para a alienação de imóveis da Conab é de responsabilidade da área de Administração Compete à área Jurídica da Matriz e das Regionais examinar a minuta apresentada e providenciar a chancela definitiva do Edital, assim como das minutas de escrituras. VI - Aviso de Licitação 01 - As licitações são efetuadas, preferencialmente, na Regional que detém a jurisdição do imóvel, podendo ser realizada em outro local, caso comprovada e justificada uma situação mais vantajosa para a Conab O disposto no item anterior não impede a habilitação de interessados residentes ou sediados em outras localidades do País O Aviso contendo o resumo da concorrência, mesmo que a licitação seja realizada na Matriz ou na Regional interessada, deve ser publicado - com antecedência - no mínimo por uma vez: a) no Diário Oficial da União; b) em jornal diário de grande circulação no estado ou no Distrito Federal e também, se existir, em jornal de circulação regular no município ou na região onde está localizado o imóvel A Comissão pode, caso entenda necessário, recomendar a utilização de outros meios de divulgação para ampliar a área de competição, tais como confecção de faixas, cartazes, distribuição de panfletos etc O Aviso publicado deve conter indicação do local em que os interessados podem ler e/ou obter o texto integral do Edital e as demais informações sobre a licitação O prazo mínimo de divulgação até a data de realização da licitação é de 30 (trinta) dias O prazo acima estabelecido é contado a partir da data da publicação do Aviso, excluindo-se o dia da publicação e incluindo-se o da licitação Para uma maior divulgação, com o objetivo de atrair possíveis interessados, a Comissão, caso entenda necessário, poderá solicitar a publicação em jornal de grande circulação, de nota sobre a venda do imóvel, com antecedência de 10(dez) dias da data marcada para recebimento dos envelopes de habilitação e proposta, mencionando, obrigatoriamente, o aviso original e a data em que o mesmo foi publicado Qualquer modificação no Edital exige dar conhecimento público pelos mesmos meios em que foi divulgado anteriormente, reabrindo-se o prazo inicialmente estabelecido. Em: 09/ 06 / 98

10 VII - Procedimentos da Comissão de Licitação III 04/ Recebimento da documentação para habilitação - no local, dia e hora estipulados, a Comissão de Licitação recebe a documentação, obedecendo às seguintes orientações: a) é recebida sempre em ato público; b) é apresentada em envelope fechado, distinto do das propostas; c) é vedada qualquer referência às propostas sob pena de nulidade; d) os documentos solicitados no Edital são apresentados no original ou cópias autenticadas; ou ainda, cópias para confrontação com o original no momento da abertura dos envelopes; e) é vedado à Comissão de Licitação: e.1) tomar conhecimento de documentos não solicitados; e.2) exigir mais do que foi solicitado; e.3) considerar completa a documentação falha; e.4) conceder prazo para a documentação faltante; f) os documentos produzidos em outros países são autenticados pelo Consulado Brasileiro e a versão para a língua portuguesa deve ser efetuada por tradutor juramentado; g) após a abertura do envelope contendo a documentação, a Comissão a examina e dá conhecimento a todos os licitantes; h) considera-se habilitado o licitante que atender integralmente às condições exigidas no Edital; i) julgada regular a documentação, a Comissão, juntamente com todos os licitantes, rubricará todos os documentos, elaborando Ata circunstanciada Propostas Recebimento - no local, dia e hora estipulados, a Comissão recebe as propostas obedecendo às seguintes orientações: a) são recebidas sempre em sessão pública; b) ao proponente é vedado modificar ou alterar sua proposta após a entrega; c) após a fase de habilitação, não cabe desistência de proposta, salvo por motivo justo decorrente de fato superveniente e aceito pela Comissão; d) se, após conhecido o resultado do julgamento e homologada a licitação, o vencedor resolver desistir da aquisição do imóvel, estará sujeito à perda da caução oferecida e às demais sanções administrativas previstas na legislação; e) caso sua proposta não seja vencedora, o licitante fica liberado após a homologação, salvo se houver compromisso de manutenção da oferta, por prazo determinado, para substituição de vencedor desistente; Em: 09/ 06 / 98

11 III 05/05 f) as cauções terão seus valores devolvidos aos licitantes tão logo a concorrência tenha sido homologada, com exceção daquela depositada pelo vencedor; g) as propostas devem ser apresentadas em envelopes distintos dos da documentação, opacos, fechados e rubricados pelos licitantes ou seus representantes legais; h) as propostas devem ser apresentadas em 01 (uma) via sem emendas ou rasuras, no idioma nacional, contendo todos os elementos exigidos no Edital; i) as propostas devem ser rubricadas por todos os participantes e membros da Comissão de Licitação Julgamento - levar em conta, entre outros aspectos, preços e condições, obedecendo às seguintes orientações: a) devem ser desclassificados os licitantes cujas propostas: a.1) estejam em desacordo com o Edital; a.2) revelem-se manifestamente inconvenientes por fatos conhecidos posteriormente ao julgamento e antes da adjudicação; a.3) ofertem valor inferior ao fixado na avaliação; b) se todos os licitantes forem inabilitados ou todas as propostas forem desclassificadas, a Comissão poderá fixar aos licitantes o prazo de 08 (oito) dias úteis para a apresentação de nova documentação ou de outras propostas escoimadas das causas que ocasionaram a inabilitação ou a desclassificação; c) devem ser lavradas pela Comissão Atas circunstanciadas das sessões de abertura da licitação, da habilitação ou inabilitação dos licitantes e do julgamento das propostas Relatório - a Comissão deve elaborar Relatório, que será anexado ao processo, contendo: a) relação nominal dos licitantes; b) análise da documentação de habilitação; c) consideração sobre a eliminação de licitantes, se for o caso. VIII - Recursos Administrativos 01 - Em qualquer fase do processo licitatório cabem os recursos previstos na Lei nº 8.666/93 ou outra legislação que vier a substituí-la, devendo ser interpostos mediante petição datilografada, devidamente arrazoada e subscrita pelo recorrente ou representante legal Havendo interposição de recursos, o mesmo é aceito com efeito suspensivo, tanto na habilitação e na inabilitação quanto no julgamento das propostas, devendo ser designada data para conhecimento da decisão. IX - Homologação ou Anulação - Cabe ao Presidente da Conab decidir pela homologação da proposta vencedora ou anulação do julgamento ou, ainda, no caso de detectar-se ilegalidade, pela anulação de todo o processo licitatório. Em: 09/ 06 / 98

12 IV 01/01 CAPÍTULO IV DISPOSIÇÕES GERAIS 01 - Quando não acudirem interessados na aquisição do bem imóvel, a Comissão efetuará o devido registro quando da elaboração da Ata de Abertura da Licitação, devendo todo o procedimento licitatório ser reexaminado, principalmente quanto ao valor da avaliação e às condições de pagamento Após reexaminado o procedimento licitatório, uma nova concorrência deve ser realizada, no prazo máximo de até 90 (noventa) dias, contados a partir da data da licitação anterior Após concluída a alienação e lavrada a escritura respectiva, o processo deve ser encaminhado à área de Patrimônio na Matriz, para a devida baixa do bem imobilizado Na contagem dos prazos estabelecidos nesta norma será excluído o dia do início e incluído o do vencimento, considerando-se os dias consecutivos, exceto quando for explicitamente disposto em contrário os prazos somente se iniciam e vencem em dia de expediente normal na Matriz ou na Superintendência Regional interessada Os casos omissos e não previstos nesta norma serão decididos pela Diretoria Administrativa, aprovado em reunião da Diretoria Colegiada. Em: 09/ 06 / 98

13 V 01/02 CAPÍTULO V ANEXO I - LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA E DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS Em: 09/ 06 / 98

14 V 02/02 I - LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA E DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS (CONTINUAÇÃO) Em: 09/ 06 / 98

Parágrafo Terceiro. O caixa do ICP não poderá conter valores elevados, mas somente o suficiente para realizar pequenas compras ou pagamentos.

Parágrafo Terceiro. O caixa do ICP não poderá conter valores elevados, mas somente o suficiente para realizar pequenas compras ou pagamentos. Regulamento interno para aquisição de bens e contratação de obras e serviços, do ICP, com fundamento na Lei nº 8.666 de 21 de junho de 1993, e na Instrução Normativa nº 01/97 da Secretaria do Tesouro Nacional.

Leia mais

INSTITUTO CHAPADA DE EDUCAÇÃO E PESQUISA. Regulamento de Compras e Contratos

INSTITUTO CHAPADA DE EDUCAÇÃO E PESQUISA. Regulamento de Compras e Contratos INSTITUTO CHAPADA DE EDUCAÇÃO E PESQUISA Regulamento de Compras e Contratos A presidente do ICEP no uso de suas atribuições e de acordo com lei 9.790/99 e decreto 3.100, torna público o Regulamento de

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO COORDENADORIA-GERAL DE LICITAÇÕES ATENÇÃO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO COORDENADORIA-GERAL DE LICITAÇÕES ATENÇÃO 1 ATENÇÃO As empresas interessadas em participar deste Convite, deverão passar um fax para a Coordenadoria Geral de Licitação (24) 3339-9038/3339-9071, confirmando a retirada deste edital pela internet.

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1 o Este Regimento Interno do Conselho Fiscal CONFI estabelece as normas que complementam

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO COORDENADORIA-GERAL DE LICITAÇÕES ATENÇÃO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO COORDENADORIA-GERAL DE LICITAÇÕES ATENÇÃO 1 ATENÇÃO As empresas interessadas em participar deste Convite, deverão passar um fax para a Coordenadoria Geral de Licitação (24) 3339-9038/3339-9071 ou email cgl@vr.rj.gov.br, confirmando a retirada

Leia mais

FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE TURVO - PR. Tomada de Preço N.º 001/2014.

FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE TURVO - PR. Tomada de Preço N.º 001/2014. FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE TURVO - PR. Tomada de Preço N.º 001/2014. Emissão: 09/12/2014. Abertura: 29/12/2014. Horário: 10:00 H. O Fundo de Previdência dos Servidores Municipais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MEDIANTE LICITAÇÃO, INCLUSIVE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE,

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS Nº 001/2006

TOMADA DE PREÇOS Nº 001/2006 ! " TOMADA DE PREÇOS Nº 001/2006 PROCESSO Nº 1.825/2005 Regime Jurídico: Lei nº 8.666/93, alterações e normas complementares Tipo de Licitação: MENOR PREÇO Modalidade: TOMADA DE PREÇOS O CONSELHO REGIONAL

Leia mais

Título I Do Colegiado e Seus Fins. Título II Da Constituição do Colegiado

Título I Do Colegiado e Seus Fins. Título II Da Constituição do Colegiado Regimento Interno do Colegiado do Curso de Graduação em Ciência da Computação da Faculdade Federal de Rio das Ostras do Pólo Universitário de Rio das Ostras Título I Do Colegiado e Seus Fins Art. 1º. O

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 612, DE 16 DE MARÇO DE 2007. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Registro de Preços nas compras, obras e serviços contratados pelos órgãos da

Leia mais

CÂMARA DE FISCALIZAÇÃO E REGISTRO. REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA CFA/CRAs

CÂMARA DE FISCALIZAÇÃO E REGISTRO. REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA CFA/CRAs CÂMARA DE FISCALIZAÇÃO E REGISTRO REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA CFA/CRAs JANEIRO DE 2015 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) C755r Conselho Federal de Administração. Regulamento

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PARA COTAÇÃO DE PREÇO

EDITAL DE CHAMAMENTO PARA COTAÇÃO DE PREÇO EDITAL DE CHAMAMENTO PARA COTAÇÃO DE PREÇO O Secretário Municipal de Saúde do Município de Araucária, Estado do Paraná, torna público, para conhecimento de todos os interessados, o CHAMAMENTO PÚBLICO,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º - Sob a denominação de MINASMÁQUINAS S/A,

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI A FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E CULTURAL DO SISTEMA DE CRÉDITO COOPERATIVO FUNDAÇÃO SICREDI, institui o presente

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS: Art. 1º As contratações de obras, serviços, compras e alienações da Associação Brasileira de

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

LICITAÇÃO Nº 238/2013 CONCORRÊNCIA

LICITAÇÃO Nº 238/2013 CONCORRÊNCIA LICITAÇÃO Nº 238/2013 CONCORRÊNCIA O Município de Eldorado do Sul, de conformidade com a Lei Federal nº 8.666/93 e Lei Municipal nº 3.907, de 05 de julho de 2013, torna público, para conhecimento dos interessados

Leia mais

Sistema CONFERE Conselho Federal dos Representantes Comerciais. CORE-MT Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Mato Grosso

Sistema CONFERE Conselho Federal dos Representantes Comerciais. CORE-MT Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Mato Grosso Sistema CONFERE Conselho Federal dos Representantes Comerciais CORE-MT Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Mato Grosso EDITAL DE LICITAÇÃO N 002/2011 MODALIDADE: CONCORRENCIA PÚBLICA

Leia mais

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005.

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no artigo 15, 3º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e artigo 11 da Lei Federal nº 10.520, de 17 de julho

Leia mais

Centro Universitário do Maranhão UNICEUMA CEPE

Centro Universitário do Maranhão UNICEUMA CEPE RESOLUÇÃO Nº 056/2010 Dispõe sobre a admissão à monitoria e seu exercício, e dá outras providências. A Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do Centro Universitário do Maranhão, no uso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011.

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. Dispõe sobre Criação de Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais - CEUA/URI. O Reitor da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI,

Leia mais

a) operações cobertas de venda de ações ou de lançamento de opções;

a) operações cobertas de venda de ações ou de lançamento de opções; Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes de Investimento. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão realizada nesta data, e de acordo com o

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL Nº 032, DE 17-02-2004 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP, previsto no art. 15, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de

Leia mais

2ª CHAMADA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015

2ª CHAMADA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SERVIÇOS BÁSICOS SEMUSB 2ª CHAMADA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015 Edital de chamamento público para formalização de convênio com

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º. O Colegiado do Curso de Graduação em Arquivologia é um órgão normativo e deliberativo, com sede no Centro de

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE MINAS GERAIS CODEMIG CONCURSO Nº 03/2015 - PROCESSO INTERNO Nº 385/15

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE MINAS GERAIS CODEMIG CONCURSO Nº 03/2015 - PROCESSO INTERNO Nº 385/15 COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE MINAS GERAIS CODEMIG CONCURSO Nº 03/2015 - PROCESSO INTERNO Nº 385/15 EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE FORTALECIMENTO E FOMENTO DOS FESTIVAIS GASTRONÔMICOS NO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Floriano Peixoto 01.612.289/0001-62 Avenida Alfredo Joahnes Dücker - 99.910-000 - Floriano Peixoto/RS EDITAL DE LICITAÇÃO

Prefeitura Municipal de Floriano Peixoto 01.612.289/0001-62 Avenida Alfredo Joahnes Dücker - 99.910-000 - Floriano Peixoto/RS EDITAL DE LICITAÇÃO Prefeitura Municipal de Floriano Peixoto 01.612.289/0001-62 Avenida Alfredo Joahnes Dücker - 99.910-000 - Floriano Peixoto/RS EDITAL DE LICITAÇÃO Processo...: 8/2015 Modalidade.: Convite Número...: 6/2015

Leia mais

PROCESSO Nº. 650081044 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº. 060/2011 RECEBIMENTO DAS PROPOSTAS DE CREDENCIAMENTO

PROCESSO Nº. 650081044 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº. 060/2011 RECEBIMENTO DAS PROPOSTAS DE CREDENCIAMENTO PROCESSO Nº. 650081044 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº. 060/2011 RECEBIMENTO DAS PROPOSTAS DE CREDENCIAMENTO Data: A partir do dia 22/06/2011 Local: FAPEU SETOR DE LICITAÇÃO (Campus Universitário s/nº, Trindade,

Leia mais

Art. 2º Este Ato Normativo entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Art. 2º Este Ato Normativo entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. ATO NORMATIVO Nº 92 13 de agosto de 2007 Aprova o Regulamento do Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. O Presidente do TRIBUNAL

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

Conselho Regional de Economia da Paraíba 21ª Região

Conselho Regional de Economia da Paraíba 21ª Região EDITAL DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE CONTADOR PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS CONTÁBEIS E DE ASSESSORIA CONTÁBIL PARA O CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 21ª REGIÃO PARAÍBA CONVITE Nº 002/2016

Leia mais

LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998

LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO DAS JUNTAS ADMINISTRATIVAS DE RECURSOS DE INFRAÇÕES JARI DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ MT. O prefeito Municipal de Cuiabá-MT,

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ. CONCORRÊNCIA No 01/03 EDITAL DE CREDENCIAMENTO

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ. CONCORRÊNCIA No 01/03 EDITAL DE CREDENCIAMENTO 1 SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ 1. DA CONVOCAÇÃO: CONCORRÊNCIA No 01/03 EDITAL DE CREDENCIAMENTO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO

Leia mais

Estado do Amazonas PREFEITURA MUNICIPAL DE TONANTINS CNPJ: 04.628.608/0001-16 Endereço: Rua Leopoldo Peres, s/n Centro, Tonantins AM

Estado do Amazonas PREFEITURA MUNICIPAL DE TONANTINS CNPJ: 04.628.608/0001-16 Endereço: Rua Leopoldo Peres, s/n Centro, Tonantins AM EDITAL CONVITE Nº 002/2015 1 PREÂMBULO 1.1. A, através da COMISSÃO MUNICIPAL DE LICITAÇÃO CML, adiante denominada simplesmente CML, CONVIDA essa firma para participar do certame licitatório, na modalidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição Art. 1º - O Conselho Regional de Economia da 1ª Região tem sede e foro na cidade do Rio de Janeiro e

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO

PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO ELABORAÇÃO: COMISSÃO DO CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO Presidente Antonio Augusto Silva Pereira de Carvalho Coordenador

Leia mais

ATO DELIBERATIVO 27/2015. O Conselho Deliberativo da Fundação CELESC de Seguridade Social - CELOS, no uso de suas atribuições e,

ATO DELIBERATIVO 27/2015. O Conselho Deliberativo da Fundação CELESC de Seguridade Social - CELOS, no uso de suas atribuições e, ATO DELIBERATIVO 27/2015 O Conselho Deliberativo da Fundação CELESC de Seguridade Social - CELOS, no uso de suas atribuições e, CONSIDERANDO a necessidade de atualizar as disposições do Ato Deliberativo

Leia mais

Tenham entre 18 e 35 anos completos.

Tenham entre 18 e 35 anos completos. De acordo com Portaria publicada no Diário Oficial da União em 15 de agosto 2012 EDITAL Bolsa de Aperfeiçoamento TÉCNICO E ARTÍSTICO em Música O Presidente da Fundação Nacional de Artes Funarte, no uso

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Física - Campus Curitiba Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia - PPGFA Regulamento Interno do Programa

Leia mais

Secretaria de Cultura / Fundação de Cultura CONVOCATÓRIA PROPOSTAS PARA O FESTIVAL CIRCO DO RECIFE 2014.

Secretaria de Cultura / Fundação de Cultura CONVOCATÓRIA PROPOSTAS PARA O FESTIVAL CIRCO DO RECIFE 2014. CONVOCATÓRIA PROPOSTAS PARA O FESTIVAL CIRCO DO RECIFE 2014. 1. DA FINALIDADE 1.1 Constitui objeto desta Convocatória, a habilitação e seleção de propostas de espetáculos para compor a programação do Festival

Leia mais

Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002

Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002 Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002 Ementa: Estabelece normas de organização, funcionamento e eleição, competências das Comissões de Ética Médica dos estabelecimentos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA)

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) Agosto/2011 CAPÍTULO I SEÇÃO I DA NATUREZA Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da União das Instituições de Serviço, Ensino

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA CULTURA Gabinete do Secretário

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA CULTURA Gabinete do Secretário EDITAL CONCURSO: PRÊMIO SÃO PAULO DE LITERATURA 2016 O Secretário da Cultura, Marcelo Mattos Araujo, torna público que, por um período de 45 (quarenta e cinco) dias, compreendido e entre 29 de março de

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Regulamento de Estágios Estágios Não Obrigatórios Remunerados (ENOR) e Estágios Curriculares Obrigatórios (ECO) de alunos dos cursos superiores da Universidade Positivo. Aprovado pela Resolução n o 53

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004.

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. (PUBLICADO NO DOE DE 26.04.04) Este texto não substitui o publicado no DOE Regulamenta a Lei nº 14.546, de 30 de setembro de 2003, que dispõe sobre a criação do

Leia mais

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8 PORTARIA JUCERJA N.º 1.408, DE 25 DE AGOSTO DE 2015. APROVA REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PERITOS GRAFOTÉCNICOS, NO ÂMBITO DA JUCERJA. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no

Leia mais

SP 22/2010-DF/DVCA-20 TOMADA DE PREÇOS PROCESSO 04.001301.10.48 ÍNDICE. PARTE I - Normas Especiais. PARTE II - Normas Gerais

SP 22/2010-DF/DVCA-20 TOMADA DE PREÇOS PROCESSO 04.001301.10.48 ÍNDICE. PARTE I - Normas Especiais. PARTE II - Normas Gerais SP 22/2010-DF/DVCA-20 TOMADA DE PREÇOS PROCESSO 04.001301.10.48 ÍNDICE ADVERTÊNCIAS PARTE I - Normas Especiais PARTE II - Normas Gerais ANEXO I - a) Planilha Orçamentária b) Especificação Técnica Material

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE CAPÍTULO 1 DAS FINALIDADES DE REGIMENTO INTERNO DA CEUA Art. 1 A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da Fundação Universidade Federal de

Leia mais

Apólice à Base de Ocorrências. define como objeto do seguro o pagamento, a

Apólice à Base de Ocorrências. define como objeto do seguro o pagamento, a Circ. SUSEP 235, de 21.10.03 Operacionalização. Dispõe sobre o seguro de responsabilidade civil com apólices à base de reclamações (claims made basis). Apólice à Base de Ocorrências define como objeto

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2013 PROCESSO SECOM Nº 0357/2012. Alterações e Normas complementares M I N U T A

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2013 PROCESSO SECOM Nº 0357/2012. Alterações e Normas complementares M I N U T A IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ PREENCHER O RECIBO DE RETIRADA DE EDITAL, CONSTANTE DO ANEXO I E DEVOLVER COM ATÉ 24 HS DE ANTECEDENCIA DO CERTAME PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2013

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS Nº. 002/2007 EDITAL

TOMADA DE PREÇOS Nº. 002/2007 EDITAL TOMADA DE PREÇOS Nº. 002/2007 EDITAL Prefeitura Municipal de Mundo Novo, Estado de Goiás, torna público, para conhecimento dos interessados que no dia 29.06.2007, às 13h:00min será aberta audiência de

Leia mais

CONVITE Nº 017/2006 Processo nº 05351/2006

CONVITE Nº 017/2006 Processo nº 05351/2006 CONVITE Nº 017/2006 Processo nº 05351/2006 O Tribunal de Contas do Estado do Tocantins, por intermédio da Comissão Permanente de Licitação, instituída pelas Portarias nº 1.262, de 14 de dezembro de 2005

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fax (27) 3132 8383 Telefone: (27) 3132-8351 - e-mail: artescenicas@secult.es.gov.br O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, pessoa jurídica de direito público interno, por intermédio

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos 1º Edição 01/2016 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - RECRUTAMENTO E SELEÇÃO CAPÍTULO II - TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO III CARGOS & SALÁRIOS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS CAPÍTULO

Leia mais

Considerando a necessidade de uniformização de procedimentos na formalização e instrução de processos de fiscalização no Crea-ES.

Considerando a necessidade de uniformização de procedimentos na formalização e instrução de processos de fiscalização no Crea-ES. Ato 015/2004 Dispõe sobre a formalização, trâmite, procedimentos, infringências e valores de multas das Notificações e Autos de Infração NAIs e da outras providências. O Presidente do Conselho Regional

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO Nº 014/2011 CONTRATO DE GESTÃO IGAM Nº 003/2009

ATO CONVOCATÓRIO Nº 014/2011 CONTRATO DE GESTÃO IGAM Nº 003/2009 ATO CONVOCATÓRIO Nº 014/2011 CONTRATO DE GESTÃO IGAM Nº 003/2009 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA DISPONIBILIZAR MOTORISTA PROFISSIONAL EM ATENDIMENTO AO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013 Edital de convocação de Pessoas Jurídicas para inscrição e atualização do Cadastro de Fornecedores do Município de Itaúna.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE TÉCNICOS EM RADIOLOGIA CRTR 3. a REGIÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE TÉCNICOS EM RADIOLOGIA CRTR 3. a REGIÃO 1 Edital de Licitação n.º 001/2015 Modalidade : Leilão Tipo: Maior Lance ou Oferta O 3ª REGIÃO, por sua Comissão Permanente de Licitação, Portaria n.º 006/2012, de 03 de outubro de 2012, torna público,

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 012/2007

CARTA CONVITE Nº 012/2007 IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP: 01405-001 - DEPTO DE COMPRAS - 8º ANDAR. CARTA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde REGULAMENTO DE COMPRAS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DAS UNIDADES SOB GERENCIAMENTO DA O.S.S. SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A SPDM

Leia mais

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e CIRCULAR 3.027/01 PROGRAMA NACIONAL DE DESBUROCRATIZAÇÃO - Institui e regulamenta o Registro Declaratório Eletrônico (RDE) de empréstimos entre residentes ou domiciliados no País e residentes ou domiciliados

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM.

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. ATIVIDADES DATAS Publicação do Edital 29 de agosto de 2015 Período de inscrições de 31 de agosto a 29 de setembro de 2015 Período de realização

Leia mais

REGULAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS - RLC SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - SENAR

REGULAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS - RLC SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - SENAR REGULAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS - RLC SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - SENAR CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art. 1º As contratações de obras, serviços, compras e alienações do SENAR serão necessariamente

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ÍNDICE CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede e Foro... 4 CAPÍTULO II - Dos Objetivos... 4 CAPÍTULO III - Do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética no Uso de Animais, da MercoLab Laboratórios Ltda. O conselho de pesquisa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS EDITAL DE LICITAÇÃO PÚBLICA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS EDITAL DE LICITAÇÃO PÚBLICA EDITAL DE LICITAÇÃO PÚBLICA PROCESSO LICITATÓRIO Nº014/2014 MODALIDADE: CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº001/2014 TIPO: MAIOR OFERTA GABINETE DO PREFEITO DATA, HORÁRIO, E LOCAL DE RECEBIMENTO DAS PROPOSTAS: 11 de

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações.

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações. ESTATUTO SOCIAL Pettenati S/A Indústria Têxtil Atualizado até 29/10/2010 ESTATUTO SOCIAL I Denominação, sede, objeto e duração da sociedade Art. 1º - A sociedade terá por denominação social Pettenati S/A

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 392, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre aceitação, registro, vinculação, custódia, movimentação e diversificação dos ativos garantidores das operadoras no âmbito do sistema

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora Considerando que cabe às instituições de ensino superior aprovar a regulamentação necessária

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 01/2011

CARTA CONVITE Nº 01/2011 CARTA CONVITE Nº 01/2011 O CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 10ª REGIÃO CREFITO-10, Estado de Santa Catarina, através de sua Comissão Permanente de Licitação, designada pela Portaria

Leia mais

EDITAL FAPERGS 02/2012 PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO NO INSTITUTO PASTEUR DA COREIA DO SUL

EDITAL FAPERGS 02/2012 PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO NO INSTITUTO PASTEUR DA COREIA DO SUL EDITAL FAPERGS 02/2012 PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO NO INSTITUTO PASTEUR DA COREIA DO SUL A FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FAPERGS torna público o presente Edital aos estudantes

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Comissão de Valores Mobiliários INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Estabelece normas e procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias. O

Leia mais

PORTARIA Nº 530, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº 530, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014 PORTARIA Nº 530, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014 (Publicada no D.O.U. de 25/11/2014) Disciplina o Processo Administrativo Previdenciário - PAP para análise e julgamento das irregularidades em Regime Próprio

Leia mais