OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE"

Transcrição

1 Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 ( ) OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE Milton Francisco da SILVA (UFSC / UFPR-PG) ABSTRACT: When several referential expressions amalgamate to make only one objet de discour (Mondada e Dubois, 1995), it seems inadequate to think about co-reference. The new contextual information activated by each expression breaks the coreference: it's on check. To verify this hypothesis, it is considered the notion of référents évolutifs (Charolles e Schnedecker, 1993). KEYWORDS: referenciation; objet de discour ; coreference; référents évolutifs. 0 Introdução A discussão que norteia o presente estudo diz respeito a casos em que diferentes informações/predicações cotextuais são ativadas à medida que cada designação ocorre. Nesse caso, parece que a correferência encontra-se em xeque, isto é, não ocorreria, ou, seria irrelevante na atividade referencial (tomada como construção de objeto de discurso). Sob que argumento a correferência deixaria de ocorrer? Uma vez que o referente é construído à medida que é designado, as novas informações inseridas cotextualmente influenciam (e determinam) sua construção a ponto de quebrar a correferencialidade. E mais, quando várias expressões referenciais amalgamam-se na construção de um único objeto de discurso, parece que não cabe falar em relação de correferência (identidade entre referentes), pois não há mais de um referente inter-relacionando. Em tempo, este breve estudo tem um caráter especulativo sobre a correferencialidade. Os excertos tomados para análise são extraídos do Banco de Dados Lingüísticos do VARSUL, caracterizando-se como texto oral não planejado. Especificamente, esses excertos têm como interlocutores o entrevistador e um informante, na construção de narrativas concernentes a fatos familiares ao informante. 1 Os referentes como objetos de discurso Aqui, sobre a atividade referencial desenvolvida no discurso, orienta-se pelo conceito de referenciação defendido por Mondada e Dubois (1995:288): referenciação concebida como uma construção colaborativa de objetos de discurso quer dizer, de objetos cuja existência é estabelecida discursivamente. Nessa perspectiva, os referentes são entendidos como objetos que se manifestam no discurso, emergindo da negociação dos interlocutores. A referenciação é marcada por uma instabilidade em que o referente introduzido pode ser abandonado e, em seguida, reativado mediante diferentes expressões referenciais, pode ser revisto, corrigido, redirecionado, fragmentado ou enriquecido, pode ser reativado agregando novas propriedades ou dispensando parte das já agregadas. O referente, uma vez introduzido, fica a mercê dos interlocutores e do próprio discurso, ganhando, assim, um caráter dinâmico. A construção de objetos é um processo ad hoc que assume, ao lado das expressões referenciais (enquanto forma e enquanto conceito pré-discursivo), vários outros elementos integrantes do discurso, entre eles, as informações cotextuais que circundam cada expressão referencial, o contexto de situação que acolhe o discurso, os fatores sócio-ideológicos de falante/autor e ouvinte/leitor, o conhecimento de mundo desses indivíduos, seu conhecimento e uso de língua. Esses elementos, organizadamente, interrelacionam em favor da construção de objetos de discurso. Portanto, os recursos formais de que os interlocutores utilizam não são ignorados, mas sim, considerados como elementos indispensáveis na construção do referente, além de que, a forma lingüística empregada emerge dentre outras formas conhecidas do falante. Em outras palavras, essa perspectiva contrapõe-se àquela em que os referentes são identificados voltando-se os olhos apenas aos aspectos formais do texto, como se a inter-relação de elementos formais constituísse o todo textual, por exemplo, conforme a perspectiva de Halliday e Hasan (1976) acerca de coesão, sobretudo quando apontam as relações de correferencialidade. Isso posto, ao observar os objetos de discurso pode-se tomar como partida as expressões referenciais, para em seguida envolver os demais elementos que os constituem, inclusive as informações/predicações difusas no cotexto. Esse aspecto metodológico é aplicado no presente estudo.

2 1090 OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE Embora ocorra objeto de discurso centrado em apenas uma expressão; em geral, a construção de objeto envolve mais de uma, podendo as expressões inter-relacionarem de modos diversos. Dentre essa diversidade, o interesse aqui é pela ocorrência em que as diferentes expressões/denominações são amalgamadas em prol de um único objeto de discurso, sobretudo quando se recorre a informações/predicações cotextuais, o que possibilita a pensar que, conforme Mondada e Dubois (1995:285), a referenciação adequada pode ser vista como um processo de construção de um caminho ligando diferentes denominações aproximativas que não são apagadas pela última escola 1. Sobre essa ocorrência, postula-se que a inter-relação de diferentes referentes está comprometida por se tratar da construção de um só referente, embora ocorra um processo referencial em torno de cada expressão/denominação. Nesse sentido, evidencia-se a seguinte questão: cabe falar de correferência? Se sim, a correferência seria então uma etapa da construção de discurso. 2 Pensando a correferencialidade A correferencialidade é uma questão que tem preocupado os lingüistas de texto, seja atribuindo-lhe papel relevante na coesão textual, seja jogando-a para escanteio. A intenção aqui, antes que assumir um dado conceito, é de expor e confrontar o que diferentes autores dizem a respeito da correferência. Por exemplo, Brown e Yule (1983:202), observam que o reaparecimento de entidades identificadas com diferentes descrições apegadas a elas sugere que precisamos de algum modelo de processamento que permite às entidades acumularem propriedades ou mudarem de estados como progresso discursivo. Nas entrelinhas, lê-se a posição de xeque da correferencialidade. A perspectiva desses autores diverge da noção de referenciação por considerarem o referente como objeto do mundo, o qual se modificaria durante o evento discursivo; porém, vale o alerta que fazem: chamam a atenção para as alterações que o referente pode sofrer à medida que é designado. Mesmo que a abordagem aqui não se volte para a relação entre correferência e anáfora, vale citar o ensaio de Ilari (2001:107), onde o autor ressalta: o caso em que a anáfora veicula correferência não é nem o único possível nem o mais interessante ou instrutivo. É, na melhor das hipóteses, um caso limite, que nos impressiona pela sua simplicidade, mas por isso mesmo transmite uma impressão de segurança até certo ponto enganosa. Isso implica que o processo anafórico é amplo e não pressupõe correferencialidade Ver-se impressionado pela correferência (as palavras de Ilari não são exatamente essas) parece ser um bom motivo para investigá-la. O que haverá por trás dessa simplicidade? Como se safar dessa impressão de segurança? É freqüente nos estudos de texto enfocar a correferência como parte de um conceito maior, por exemplo, de anáfora, por conseguinte, um abandono casual desse conceito ao investigar a correferência pode conduzir a resultados questionáveis. Para a abordagem que se pretende na seqüência, o conceito eleito é o de referenciação (não se sabe os resultados, nem os riscos ). No quadro da referenciação, a correferência pode ocorrer uma vez que o referente não se altera necessariamente à medida que é designado, embora ele tende-se a se modificar. Nesse caso, em geral, não se fala puramente em ocorrência ou não de correferencialidade, mas em uma continuidade referencial, a qual implica algum tipo de relação direta, seja de identidade referencial (relação de correferência) ou não, conforme Koch (2002:84). Um trabalho orientado pelo conceito de referenciação é o de Costa (2001), para quem a retomada de um referente ao longo do texto mediante escolhas lexicais diversas não estabelece pura e simplesmente a correferência, mas pode mudar significativamente a forma de apresentação do referente. Sobre uma ocorrência em que diferentes expressões nominais referem-se a um mesmo objeto, a autora observa que as expressões usadas fazem mais do que indicar a correferência: mostram, ao longo do texto, diferentes categorizações adequadas a apresentação de um referente. Isso conduz a pensar a relação de correferência como insuficiente (e talvez irrelevante) na construção de objeto de discurso, por conseguinte, identificá-la em condição de xeque. Costa dialoga com Marcuschi (1998:6), para quem a correferência (remissão que retoma o referente como sendo o mesmo já introduzido (identidade de referentes): dá-se, no geral, com retomadas por repetição, sinônimos ou designações alternativas para o mesmo referente). A questão que ainda se apresenta é a seguinte, no caso de amálgama, há mais de um referente? Ou, retomar o mesmo referente acrescendo-lhe novas informações não quebraria a identidade de referentes? Quanto aos conceitos de correferência e de identidade de referentes, mesmo que semelhantes, se tratados como distintos, talvez conduzam a resultados interessantes, no entanto o presente estudo não os distingue. 1 Acerca do texto oral, lembra-se que há casos em que parte das denominações é proferida pelo falante e parte pelo ouvinte, o que enfatiza sobremaneira o aspecto negociação da produção de referentes e de discurso. O presente estudo não investe nessa particularidade da referenciação.

3 Milton Francisco da SILVA 1091 Parece consenso que a correferência ocorre entre referentes, e não entre expressões lexicais, embora essas sejam imprescindíveis para que a correferência se estabeleça. Conforme Schwarz (2000:54, grifo nosso) 2, a correferência não se dá diretamente no plano textual, mas surge no processo de referenciação pela correspondência de unidades lingüísticas com um mesmo referente e diz respeito a planos intratextuais e extratextuais. Uma leitura que se faz das palavras de Schwarz é que, em torno de cada expressão/unidade lingüística ocorre referenciação, voltando-se para um só referente. Frente a isso, pode-se considerar a correferência como etapa da construção (via amálgama) do objeto de discurso em foco. Outros autores que questionam a correferência são Charolles e Schnedecker (1993:106), para quem as informações acionadas quando da designação trazem grave prejuízo ao estado da entidade referida, a ponto de poder-se perguntar se, ao fim desses avatares, tem-se a mesma entidade, e se portanto, é ainda possível falar de correferência. Parece que a relação de correferência está comprometida até mesmo a nível discursivo, pois o referente evolui à medida que é designado, seja agregando novas propriedades ou descartando parte das já agregadas. Para Charolles e Schnedecker há no discurso referentes evolutivos (conceito que de certo modo surge como resposta à sugestão de Brown e Yule). Trata-se de uma perspectiva que tenta matar a noção de correferência, e que, ao menos no presente estudo, dialoga com o conceito de objeto de discurso. 3 Apostando na evolução de referentes Uma ressalva deve ser feita, a concepção de referente evolutivo está submetida a uma orientação mentalista de produção textual (e interpretação referencial), o que de certo modo desprivilegia os elementos do contexto situacional e extra-textuais que envolvem os interlocutores e o texto. A semelhança dessa concepção com a de objetos de discurso parece residir no fato de ambas reconhecerem que o referente é passivo de alterações motivadas pelo próprio discurso. Talvez isso seja o suficiente para lhe dedicar uma análise voltada à proposta do presente estudo. Outra ressalva: o conceito de referente evolutivo é criticado por Mondada e Dubois ao lhe fazerem referência dizendo que os fenômenos considerados são descritos como transformações de objetos do mundo, às quais correspondem, ou não, as transformações de seus rótulos verbais (p.275). Atenção devese dar a essas palavras por concernirem à divergência entre a evolução de referentes e a referenciação, no entanto, parece que vale a pena insistir na noção de referentes evolutivos (mesmo que fragmentada ou modificada), não só pela curiosidade estética que o esquema proposto por Charolles e Schnedecker possa despertar no leitor, mas sobretudo, pela possibilidade de se pensar a posição de xeque da correferencialidade, ou ainda, quando e como a correferência se sustenta. A tentativa aqui é mesmo pretensiosa: refinar a noção de correferência. Esse é o esquema proposto por Charolles e Schnedecker (1993:114), para representar a evolução de referentes: SNO...pro1...pro2...proN Ptr1 Ptr2 Ptrn Ot0 Ot1 Ot2 Otn Sendo que: SN0 sintagma nominal inicial; pro1 primeira forma (pronominal) da seqüência; e Ptr1 primeiro processo de transformação referencial. Deve-se ter em conta que, para a presente abordagem, Ptr representa o processo de transformação motivado exclusivamente pelas informações/predicações cotextuais pertinentes ao referente. E ainda, Ot1, Ot2 e Otn são representações diversas e evolutivas no modelo mental criado pelo referente inicial sugerido pelo SN0 [o qual] não seria de fato retomado, nem seria o gatilho único em cada caso, já que a relação se daria com o modelo anterior enriquecido, comenta Marcuschi (2000:31). O esquema pode ser aplicado com os elementos destacados no excerto abaixo. 2 Aqui, o trabalho de Schwarz é referido via Comunicação de Marcuschi (2000) no 4 o. Encontro do Celsul, realizado em Curitiba.

4 1092 OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE Excerto A E É, acontece. F É isso aí. (inint) eu sempre digo, Deus diz que fecha uma porta, abre uma janela, né? A gente teve um lado compensador, né? Agora hoje... minha mãe[1] também teve o lado compensador, porque ela[2], coitada, sofreu (inint) que ela[3] passou, não sei como ela[4] criou os filhos, né? São todos bem de vida (hes) bem de vida, não... não estou dizendo bem de vida rico, né? mas é uma vida digna, né? (est) a pior sou eu, mas eu agora tenho meus filhos também, né? (PRPBR a 915) 3 Cadeia A1: minha mãe[1] - ela[2] - ela[3] - ela[4] Minha mãe[1] ela[2] ela[3] ela[4] SNO...pro1...pro2...pro3 Ptr1 Ptr2 Ptr3 Ot0 Ot1 Ot2 Ot3 Nesse caso, a forma pronominal ela[2] concentra mais informações do que minha mãe[1], por exemplo, coitada e sofreu (Ptr1) convergem a [2], mas não a [1] diretamente. O elemento [3] não recebe claramente informações cotextuais (Ptr2) devido ao ruído representado por (inint) 4, no entanto, percebe-se que há a intenção do falante em dizer algo. Por sua vez, ela[4] é enriquecido por criou os filhos (Ptr3). Portanto, há uma evolução do referente estabelecida discursivamente (convém dizer que não há relação de correferência?). Embora Charolles e Schnedecker sirvam-se apenas de cadeias em que a expressão inicial (SN0) é uma forma nominal e as demais são formas pronominais, o processo de evolução pode também ser observado em cadeias constituídas apenas por formas nominais ou em cadeias em que formas nominais e pronominais alternam-se. Vale observar um exemplo, cadeia constituída por apenas formas nominais. Excerto B F Aí eu fiz o ginásio[1] lá em quatro anos e em sessenta e cinco eu voltei a Pato Branco[2]... voltei a Pato Branco[3], voltei procurar um emprego[4], saí, né? (est) eu tinha feito o ginásio[5]. Não era difícil, ver se arrumava uma coisa melhor[6]. (est) E aí acabei indo trabalhar de garçom, num bar[7] ali, um bar famoso[8] ali da época, que era o Bar Dezessete[9], aí a gente, era o ponto de todo[10] (inint) aí já comecei a conhecer funcionário do banco e tal, E Foi se enturmando. F Aí que começou a pintar que tinha uma vaga pra contínuo. Até um... (PRPBR a 413) Cadeia B1: um bar[7] - um bar famoso[8] - o Bar Dezessete[9] - o ponto de todo[10] Cadeia B2: um emprego[4] - uma coisa melhor[6] Parece que a construção do referente (por exemplo, na cadeia B1) não encontra informações complementares no cotexto. Ainda assim ocorreria o processo de evolução? A princípio não, uma vez que Ptr implica informações/predicações cotextuais. Para submeter a cadeia B1 ao esquema proposto, é necessário reconhecer a carga semântico-referencial ativada pelo próprio SN como integrante do Ptr. Isso é o que se faz aqui, amplia-se a noção de Ptr. Daí: 3 A identificação dos excertos segue orientação de Knies e Costa (1996). O excerto em questão corresponde às linhas 904 a 915, da entrevista n. 11 realizada em Pato Branco-PR, daí PRPBR. 4 Conforme Knies e Costa (1996), (inint) indica parte da entrevista ininteligível e, por conseguinte, não transcrita.

5 Milton Francisco da SILVA 1093 um bar[1] um bar famoso[2]...o Bar Dezessete[3] o ponto de todo[4] SNO...SN1...SN2...SN3 Ptr1 Ptr2 Ptr3 Ot0 Ot1 Ot2 Ot3 Nesse caso, a evolução do referente ocorre sobretudo mediante a carga semântico-referencial particular de [2], [3] e [4], ativando, assim, propriedades até então não contidas no objeto de discurso. Caso semelhante ocorre na cadeia B2. Ao dilatar a noção de Ptr não se deseja afirmar que as formas nominais não são influenciadas pelo cotexto, mas acredita-se que, nas cadeias B1 e B2, a influência cotextual não é determinante na evolução do referente. Frente a isso vale retomar a cadeia A1, inclui-se na discussão a seu respeito que o objeto de discurso é enriquecido também pela carga semântico-referencial ativada pela expressão um rapaz. Com a noção de Ptr ampliada, parece que a evolução de referentes manifesta-se em toda cadeia referencial. No entanto, ainda pode-se questionar sobre o conceito de evolução frente aos objetos de discursos representados por: Cadeia B3: o ginásio[1] - o ginásio[5] Cadeia B4: Pato Branco[2] - Pato Branco[3] Nesses casos, nem as informações cotextuais nem a carga semântico-referencial são acionadas de modo a apontar para uma evolução. De modo que, ao se perguntar se a correferência ocorre nessas cadeias, o conceito de referentes evolutivos não é o suficiente para uma resposta. Melhor assumir a presença de correferência, o que parece compatível com o conceito de referenciação, visto que, como já dito, conforme esse conceito, o referente não se modifica necessariamente à medida que é designado. Vale dizer que essa questão não gira em torno da repetição de formas nominais como apontam as cadeias B3 e B4, pois há ocorrências semelhantes em que se pode observar a evolução. Veja: Excerto C F E a outra foi num... comigo também, foi um bagre[1] que eu ganhei de pre... presente, lá no Quartel, o rapaz que mora perto lá do Quartel. E eu estava cortando bagre[2], mas não sabia que o... que o esporão estava fincado aqui. Quando eu corto, a cabeça vem junto com a minha mão. (est) (SCFLP a 202) 5 Cadeia C1: um bagre[1] - bagre[2] Nesse caso, há informações cotextuais (estava cortando) requeridas pela referenciação quando [2] é enunciado, mostrando, assim, uma evolução em relação a [1]. Antes de qualquer equívoco, vale dizer que a concepção de referentes evolutivos é apresentada aqui de modo muito breve, isso leva a postular que uma análise cuidadosa pode evidenciar, por exemplo, nuanças não identificadas nos casos expostos anteriormente, ou, até mesmo, aspectos que contrariem a evolução de referentes. Por fim, o conceito de referentes evolutivos desmonta de fato o conceito de correferência? Acredita-se que sim, pois trata-se de um único referente que evolui à medida que o discurso é enunciado. E ainda, a análise possibilita, em parte, delinear ( refinar ) a correferencialidade, sobretudo mediante as cadeias B3 e B4. 4 Buscando caminho(s) Certamente há outros caminhos a seguir. A construção de objeto de discurso mediante amálgama pode ser investigada, por exemplo, pela perspectiva dos produtores de texto, a qual é relevante nos estudos em lingüística de texto por se voltar para as condições de produção textual e por levar em conta enfaticamente a cooperação dos interlocutores e uma concepção sócio-interacionista de língua. Uma abordagem nesse sentido provavelmente questionaria se o amálgama é uma escolha do falante/autor ao construir referentes. O que talvez esteja ocorrendo para facilitar ao ouvinte/leitor a identificação 5 Excerto da entrevista 19 realizada em Florianópolis-SC

6 1094 OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE referencial. Ou, talvez, por falta, no buffet cognitivo-lingüístico, de uma expressão referencial capaz de referir o que se deseja. Um caminho seguro é questionar a construção referencial a partir do conceito de categorização. Nesse caso, antes que verificar se há correferência na construção do referente, verifica-se se o referente mantém-se sob a mesma categoria ou se é recategorizado. A categorização concerne diretamente ao discurso e a práticas sociais dos indivíduos, o que a torna, pertinente e instigante. Uma abordagem na perspectiva da categorização certamente coloca a correferência como um conceito secundário no processo referencial, além de realmente refiná-lo, o que talvez tornaria menor a impressão de segurança até certo ponto enganosa alertada por Ilari. Outra perspectiva possível para delinear a correferencialidade entre as expressões referenciais é a hipótese de que, quando o referente integra o núcleo tópico, as informações cotextuais quebram a correferencialidade, enquanto que, quando o referente não integra o núcleo, as informações cotextuais não lhe dizem respeito a ponto de modificá-lo. Para tanto, o que é um núcleo tópico? Sobre o que o falante está falando? Há referentes presentes no texto dispensáveis a essa resposta, enquanto há outros indispensáveis. Os indispensáveis, inevitavelmente, integrariam o núcleo. Esse poderia ser um critério para atribuir ou não a uma cadeia referencial o status de integrante de núcleo tópico. Todavia, isso é apenas apontamento. Os vários caminhos apontados e abandonados ao longo deste breve estudo poderiam ser reativados neste momento, como sugestão de novas leituras, novos estudos. Que sejam assim entendidos. A imagem que perdura é a posição de xeque da correferencialidade, sobretudo como conceito (ir)relevante na construção de objeto de discurso. RESUMO: Quando várias expressões referenciais amalgamam-se constituindo um único objeto de discurso (Mondada e Dubois, 1995) parece inadequado pensar em correferência. As novas informações cotextuais acionadas com cada expressão quebram a correferencialidade: ela encontrase em xeque. Para verificar essa hipótese, considera-se a noção de referentes evolutivos (Charolles e Schnedecker, 1993). PALAVRAS-CHAVE: referenciação; objeto de discurso; correferência; referentes evolutivos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BROWN, Gillian e YULE, George. Discourse analysis. Cambridge University Press, CHAROLLES, Michel e SCHNEDECKER, Catherine. Coréférence et identité. Le problème des référents évolutifs. Languages, 112, p , COSTA, Iara Bemquerer. Indicações para o estudo da referenciação no texto. Anais do 4 o. Encontro do Celsul. Curitiba: UFPR, HALLIDAY, M.A.K. e HASAN, R. Cohesion in English. Londres: Longman. p.1-29, ILARI, Rodolfo. Anáfora e correferência: por que as duas noções não se identificam?. Cadernos de Estudos Lingüísticos, (41):91-109, jul./dez Campinas: Ed. da Unicamp, KNIES, Clarice Bohn e COSTA, Iara Bemquerer. Banco de Dados Lingüísticos do VARSUL: Manual do usuário. Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre: UFPR, UFSC, UFRGS, PUC/RS, KOCH, Ingedore G.V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, MARCUSCHI, Luiz Antônio. Aspectos da progressão referencial na fala e na escrita no português brasileiro. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL A INVESTIGAÇÃO DO PORTUGUÊS EM ÁFRICA, ÁSIA, AMÉRICA E EUROPA: BALANÇO E PERSPECTIVAS Berlin, 23 a 25 de março, (mímeo), Quando a referência é uma inferência. XLVIII Seminário do GEL Grupo de Estudos Lingüísticos de São Paulo. Assis, 18 a 20 de maio. Versão preliminar. (mímeo), Anáfora indireta: o barco textual e suas âncoras. 4 o. Encontro do Celsul, Curitiba, novembro de Mimeo. MONDADA, Lorenza e DUBOIS, Danièle. Construction des objets de discours et categorisation: une approche des processus de référenciation. In: Berrendonner, A. / M-J Reichler-Béguelin (eds). TRANEL 23, pp , SCHWARZ, Monika. Indirekte Anaphern in Texten. Studien zur Domängebundenen Referenz und Kohärenz im Deutschen. Tübingen: Niemeyer, 2000.

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Marta Oliveira Barros¹ ORIENTADORA: Dra. Daniela Gomes de Araújo Nóbrega² INTRODUÇÃO

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A PROGRESSÃO REFERENCIAL EM DEPOIMENTOS DE ORKUT Lorena Santana Gonçalves (UFES) ls.goncalves@hotmail.com Maria da Penha Pereira Lins (UFES) penhalins@terra.com.br 1. Apresentação Inseridos numa perspectiva

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi TEXTO E DISCURSO Eni Puccinelli Orlandi RESUMO: Texte est un objet linguistique-historique qui établit des rapports avec soi même et l exteriorité. C est à dire: le texte est à la fois un objet empirique,

Leia mais

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE VER COMO A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO Ana Lúcia Monteiro Ramalho Poltronieri Martins (UERJ) anapoltronieri@hotmail.com Darcilia Marindir Pinto Simões (UERJ) darciliasimoes@gmail.com 1- Da noção

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS RESUMO Profa. Dra. Cinthya Torres de Melo (Universidade Federal de Pernambuco - NELFE - Campus do Agreste UFPE/CAA) Maria Sirleidy

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES PROBLEMAS POR ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA: IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA EDUCATIVA

ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES PROBLEMAS POR ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA: IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA EDUCATIVA IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES PROBLEMAS POR ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA:

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE Gilmara Gomes MEIRA 1 1 Departamento de Matemática Mestrado em Ensino de Ciências

Leia mais

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*)

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) Joilson Oliveira Malta Administrador público e Assistente técnico da Diretoria Legislativa da Câmara Municipal de Salvador Mat.2031 Este artigo tem

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE Márcia Gagliardi Núcleo de Estudos e Pesquisas: Formação de Professores

Leia mais

ProfMat 2014 TAREFAS PARA A SALA DE AULA DE MATEMÁTICA

ProfMat 2014 TAREFAS PARA A SALA DE AULA DE MATEMÁTICA TAREFAS PARA A SALA DE AULA DE MATEMÁTICA Maria Helena Marques Loth Professora da rede municipal de Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. maria.loth@terra.com.br Amarildo Melchiades da Silva Professor da

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR)

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) ABSTRACT: In this work, I intend

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

PO 06: Uma historiografia da Escola Normal Paraense na ótica da disciplina Matemática

PO 06: Uma historiografia da Escola Normal Paraense na ótica da disciplina Matemática PO 06: Uma historiografia da Escola Normal Paraense na ótica da disciplina Matemática Cibele Borges de Sousa UFPA cibele39sousa@yahoo.com.br Maria Lúcia Pessoa Chaves Rocha IFPA lucia.rocha@ifpa.edu.br

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

3 Definição da metodologia

3 Definição da metodologia 3 Definição da metodologia A Pesquisa-ação foi a metodologia escolhida para a realização desta pesquisa, por indicar a participação do autor e a interação de outros atores na produção de conhecimento a

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva.

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva. ARTIGO Paulo Lanes Lobato * RESUMO Considerando que o marketing é hoje integrante de grande parte das conversas relacionadas ao esporte e, principalmente, que se transformou na esperança do esporte em

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

O resultado da pesquisa realizada para responder às perguntas acima é apresentado em quatro capítulos.

O resultado da pesquisa realizada para responder às perguntas acima é apresentado em quatro capítulos. Frank USARSKI. O Budismo e as outras. Encontros e desencontros entre as grandes religiões mundiais. Aparecida: Ideias & Letras, 2009, 304 p. ISBN 978-85-7698-053-7 por Wagner Lopes Sanchez * [wagnersanchez

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

O olhar do professor para a formação contínua em um cenário de projetos

O olhar do professor para a formação contínua em um cenário de projetos O olhar do professor para a formação contínua em um cenário de projetos Cristiane Akemi Ishihara 1 cakemi@usp.br Resumo Este trabalho apresentado para a obtenção do título de mestre junto à Faculdade de

Leia mais

DISCUSSÕES A RESPEITO DA IMPORTÂNCIA DA CULTURA E DA IDENTIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS.

DISCUSSÕES A RESPEITO DA IMPORTÂNCIA DA CULTURA E DA IDENTIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

Joyce das Flores 1 1 Mestra em Saúde Coletiva pelo Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IESC/ UFRJ).

Joyce das Flores 1 1 Mestra em Saúde Coletiva pelo Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IESC/ UFRJ). As práticas do cuidado em saúde num serviço hospitalar de doenças infecciosas e parasitárias do Rio de Janeiro como principal destino do itinerário terapêutico das pessoas que vivem com HIV/aids. Joyce

Leia mais

SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO

SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO Danielle de Sousa Macena- UFCG danyellehta-@hotmail.com Januzzi Gonçalves Bezerra UFCG januzzigoncalves@gmail.com Janaina Gonçalves Bezerra - UFCG jgoncalves003@gmail.com Resumo

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA. Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA. Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA Cipriano Carlos Luckesi 1 Artigo publicado na Revista ABC EDUCATIO, nº 54, março de 2006, páginas 20 e 21. Estamos iniciando um novo ano letivo. Vale a pena olhar um pouco

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS

INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS PROJETO DE PESQUISA O LÉXICO NO LIVRO DIDÁTICO PROFA. ALBA VALÉRIA SILVA SALVADOR 2013.2 SUMÁRIO 1 RESUMO... 3 2 INTRODUÇÃO... 3 3 RELEVÂNCIA PARA A

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

30/07 Sessão de Experiência Pedagógica

30/07 Sessão de Experiência Pedagógica 30/07 Sessão de Experiência Pedagógica INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO FUNDAMENTAL II UM CAMINHO DE PESQUISA Profª Drª Cleuza Pelá (Escola Cidade Jardim SP) Introdução Quando o Projeto de Minimonografia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico.

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO Aula 3 META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno(a) deverá: ler

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ Introdução Quando se pretende elaborar um trabalho acadêmico e sua respectiva comunicação científica, é necessário que se faça inicialmente um planejamento, no qual devem constar os itens que permitirão

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução 1 Um estudo do vocabulário de crianças ouvintes de cinco anos como subsídio para elaboração de material didático para a iniciação à escrita de crianças surdas Introdução Daniele Marcelle Grannier, UnB

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

O Planejamento Participativo

O Planejamento Participativo O Planejamento Participativo Textos de um livro em preparação, a ser publicado em breve pela Ed. Vozes e que, provavelmente, se chamará Soluções de Planejamento para uma Visão Estratégica. Autor: Danilo

Leia mais

COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO

COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO 2686 COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO Contexto da Pesquisa Nagely Beatriz Hütner - ESAP O presente artigo versa sobre o relato de uma pesquisa de mestrado que teve como

Leia mais

Tudo Comunica. Alguns aspectos da comunicação em Relações com Investidores. IBRI-ABRASCA - Conferência Anual 2012 1

Tudo Comunica. Alguns aspectos da comunicação em Relações com Investidores. IBRI-ABRASCA - Conferência Anual 2012 1 Tudo Comunica Alguns aspectos da comunicação em Relações com Investidores IBRI-ABRASCA - Conferência Anual 2012 1 Role-Face em Earnings Conference Call (ECC) Implicações da intermediação tecnológica: campos

Leia mais

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 Resumo Indira Aparecida Santana Aragão 1 - FCT/UNESP Grupo de Trabalho Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS Neste número, a seção Crônicas e Controvérsias apresenta dois textos: o primeiro, de Sírio Possenti, acerca da resenha do livro de Alice Krieg- -Planque A noção de fórmula em análise

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 INFLUÊNCIAS MÚTUAS DE UMA MODALIDADE SOBRE A OUTRA NO INCONSCIENTE DE UM INDIVÍDUO COM UM ALTO GRAU DE LETRAMENTO José Mario Botelho (UERJ e ABRAFIL) botelho_mario@hotmail.com Marcela Cockell (UERJ) marcelacockell@hotmail.com

Leia mais

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO Jorge, A. M. UEM alinemjorge@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias Rosana do Carmo Novaes Pinto 1 Desde 1999, venho defendendo a relevância

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS DO INEP SOBRE A CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DA CIDADE DE SÃO CARLOS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO BÁSICA E, A BUSCA POR FORMAÇÃO CONTINUADA E INOVAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS INTERDISCIPLINARIDADE: DESAFIO NO ENSINO DAS LETRAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E PEDAGOGIA Luzinete Alves da Silva. Jeferson

Leia mais

MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL?

MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL? Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL? Ivanilde da SILVA (UFSC) ABSTRACT: Studies on syntactic variation

Leia mais

O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1

O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1 O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1 Palavras-chave: Avaliatividade. Análise de discurso. Formação continuada de professores

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO

Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO Introdução O auditor tem o dever de documentar, através de papéis de trabalho, todos os elementos significativos

Leia mais