OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE"

Transcrição

1 Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 ( ) OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE Milton Francisco da SILVA (UFSC / UFPR-PG) ABSTRACT: When several referential expressions amalgamate to make only one objet de discour (Mondada e Dubois, 1995), it seems inadequate to think about co-reference. The new contextual information activated by each expression breaks the coreference: it's on check. To verify this hypothesis, it is considered the notion of référents évolutifs (Charolles e Schnedecker, 1993). KEYWORDS: referenciation; objet de discour ; coreference; référents évolutifs. 0 Introdução A discussão que norteia o presente estudo diz respeito a casos em que diferentes informações/predicações cotextuais são ativadas à medida que cada designação ocorre. Nesse caso, parece que a correferência encontra-se em xeque, isto é, não ocorreria, ou, seria irrelevante na atividade referencial (tomada como construção de objeto de discurso). Sob que argumento a correferência deixaria de ocorrer? Uma vez que o referente é construído à medida que é designado, as novas informações inseridas cotextualmente influenciam (e determinam) sua construção a ponto de quebrar a correferencialidade. E mais, quando várias expressões referenciais amalgamam-se na construção de um único objeto de discurso, parece que não cabe falar em relação de correferência (identidade entre referentes), pois não há mais de um referente inter-relacionando. Em tempo, este breve estudo tem um caráter especulativo sobre a correferencialidade. Os excertos tomados para análise são extraídos do Banco de Dados Lingüísticos do VARSUL, caracterizando-se como texto oral não planejado. Especificamente, esses excertos têm como interlocutores o entrevistador e um informante, na construção de narrativas concernentes a fatos familiares ao informante. 1 Os referentes como objetos de discurso Aqui, sobre a atividade referencial desenvolvida no discurso, orienta-se pelo conceito de referenciação defendido por Mondada e Dubois (1995:288): referenciação concebida como uma construção colaborativa de objetos de discurso quer dizer, de objetos cuja existência é estabelecida discursivamente. Nessa perspectiva, os referentes são entendidos como objetos que se manifestam no discurso, emergindo da negociação dos interlocutores. A referenciação é marcada por uma instabilidade em que o referente introduzido pode ser abandonado e, em seguida, reativado mediante diferentes expressões referenciais, pode ser revisto, corrigido, redirecionado, fragmentado ou enriquecido, pode ser reativado agregando novas propriedades ou dispensando parte das já agregadas. O referente, uma vez introduzido, fica a mercê dos interlocutores e do próprio discurso, ganhando, assim, um caráter dinâmico. A construção de objetos é um processo ad hoc que assume, ao lado das expressões referenciais (enquanto forma e enquanto conceito pré-discursivo), vários outros elementos integrantes do discurso, entre eles, as informações cotextuais que circundam cada expressão referencial, o contexto de situação que acolhe o discurso, os fatores sócio-ideológicos de falante/autor e ouvinte/leitor, o conhecimento de mundo desses indivíduos, seu conhecimento e uso de língua. Esses elementos, organizadamente, interrelacionam em favor da construção de objetos de discurso. Portanto, os recursos formais de que os interlocutores utilizam não são ignorados, mas sim, considerados como elementos indispensáveis na construção do referente, além de que, a forma lingüística empregada emerge dentre outras formas conhecidas do falante. Em outras palavras, essa perspectiva contrapõe-se àquela em que os referentes são identificados voltando-se os olhos apenas aos aspectos formais do texto, como se a inter-relação de elementos formais constituísse o todo textual, por exemplo, conforme a perspectiva de Halliday e Hasan (1976) acerca de coesão, sobretudo quando apontam as relações de correferencialidade. Isso posto, ao observar os objetos de discurso pode-se tomar como partida as expressões referenciais, para em seguida envolver os demais elementos que os constituem, inclusive as informações/predicações difusas no cotexto. Esse aspecto metodológico é aplicado no presente estudo.

2 1090 OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE Embora ocorra objeto de discurso centrado em apenas uma expressão; em geral, a construção de objeto envolve mais de uma, podendo as expressões inter-relacionarem de modos diversos. Dentre essa diversidade, o interesse aqui é pela ocorrência em que as diferentes expressões/denominações são amalgamadas em prol de um único objeto de discurso, sobretudo quando se recorre a informações/predicações cotextuais, o que possibilita a pensar que, conforme Mondada e Dubois (1995:285), a referenciação adequada pode ser vista como um processo de construção de um caminho ligando diferentes denominações aproximativas que não são apagadas pela última escola 1. Sobre essa ocorrência, postula-se que a inter-relação de diferentes referentes está comprometida por se tratar da construção de um só referente, embora ocorra um processo referencial em torno de cada expressão/denominação. Nesse sentido, evidencia-se a seguinte questão: cabe falar de correferência? Se sim, a correferência seria então uma etapa da construção de discurso. 2 Pensando a correferencialidade A correferencialidade é uma questão que tem preocupado os lingüistas de texto, seja atribuindo-lhe papel relevante na coesão textual, seja jogando-a para escanteio. A intenção aqui, antes que assumir um dado conceito, é de expor e confrontar o que diferentes autores dizem a respeito da correferência. Por exemplo, Brown e Yule (1983:202), observam que o reaparecimento de entidades identificadas com diferentes descrições apegadas a elas sugere que precisamos de algum modelo de processamento que permite às entidades acumularem propriedades ou mudarem de estados como progresso discursivo. Nas entrelinhas, lê-se a posição de xeque da correferencialidade. A perspectiva desses autores diverge da noção de referenciação por considerarem o referente como objeto do mundo, o qual se modificaria durante o evento discursivo; porém, vale o alerta que fazem: chamam a atenção para as alterações que o referente pode sofrer à medida que é designado. Mesmo que a abordagem aqui não se volte para a relação entre correferência e anáfora, vale citar o ensaio de Ilari (2001:107), onde o autor ressalta: o caso em que a anáfora veicula correferência não é nem o único possível nem o mais interessante ou instrutivo. É, na melhor das hipóteses, um caso limite, que nos impressiona pela sua simplicidade, mas por isso mesmo transmite uma impressão de segurança até certo ponto enganosa. Isso implica que o processo anafórico é amplo e não pressupõe correferencialidade Ver-se impressionado pela correferência (as palavras de Ilari não são exatamente essas) parece ser um bom motivo para investigá-la. O que haverá por trás dessa simplicidade? Como se safar dessa impressão de segurança? É freqüente nos estudos de texto enfocar a correferência como parte de um conceito maior, por exemplo, de anáfora, por conseguinte, um abandono casual desse conceito ao investigar a correferência pode conduzir a resultados questionáveis. Para a abordagem que se pretende na seqüência, o conceito eleito é o de referenciação (não se sabe os resultados, nem os riscos ). No quadro da referenciação, a correferência pode ocorrer uma vez que o referente não se altera necessariamente à medida que é designado, embora ele tende-se a se modificar. Nesse caso, em geral, não se fala puramente em ocorrência ou não de correferencialidade, mas em uma continuidade referencial, a qual implica algum tipo de relação direta, seja de identidade referencial (relação de correferência) ou não, conforme Koch (2002:84). Um trabalho orientado pelo conceito de referenciação é o de Costa (2001), para quem a retomada de um referente ao longo do texto mediante escolhas lexicais diversas não estabelece pura e simplesmente a correferência, mas pode mudar significativamente a forma de apresentação do referente. Sobre uma ocorrência em que diferentes expressões nominais referem-se a um mesmo objeto, a autora observa que as expressões usadas fazem mais do que indicar a correferência: mostram, ao longo do texto, diferentes categorizações adequadas a apresentação de um referente. Isso conduz a pensar a relação de correferência como insuficiente (e talvez irrelevante) na construção de objeto de discurso, por conseguinte, identificá-la em condição de xeque. Costa dialoga com Marcuschi (1998:6), para quem a correferência (remissão que retoma o referente como sendo o mesmo já introduzido (identidade de referentes): dá-se, no geral, com retomadas por repetição, sinônimos ou designações alternativas para o mesmo referente). A questão que ainda se apresenta é a seguinte, no caso de amálgama, há mais de um referente? Ou, retomar o mesmo referente acrescendo-lhe novas informações não quebraria a identidade de referentes? Quanto aos conceitos de correferência e de identidade de referentes, mesmo que semelhantes, se tratados como distintos, talvez conduzam a resultados interessantes, no entanto o presente estudo não os distingue. 1 Acerca do texto oral, lembra-se que há casos em que parte das denominações é proferida pelo falante e parte pelo ouvinte, o que enfatiza sobremaneira o aspecto negociação da produção de referentes e de discurso. O presente estudo não investe nessa particularidade da referenciação.

3 Milton Francisco da SILVA 1091 Parece consenso que a correferência ocorre entre referentes, e não entre expressões lexicais, embora essas sejam imprescindíveis para que a correferência se estabeleça. Conforme Schwarz (2000:54, grifo nosso) 2, a correferência não se dá diretamente no plano textual, mas surge no processo de referenciação pela correspondência de unidades lingüísticas com um mesmo referente e diz respeito a planos intratextuais e extratextuais. Uma leitura que se faz das palavras de Schwarz é que, em torno de cada expressão/unidade lingüística ocorre referenciação, voltando-se para um só referente. Frente a isso, pode-se considerar a correferência como etapa da construção (via amálgama) do objeto de discurso em foco. Outros autores que questionam a correferência são Charolles e Schnedecker (1993:106), para quem as informações acionadas quando da designação trazem grave prejuízo ao estado da entidade referida, a ponto de poder-se perguntar se, ao fim desses avatares, tem-se a mesma entidade, e se portanto, é ainda possível falar de correferência. Parece que a relação de correferência está comprometida até mesmo a nível discursivo, pois o referente evolui à medida que é designado, seja agregando novas propriedades ou descartando parte das já agregadas. Para Charolles e Schnedecker há no discurso referentes evolutivos (conceito que de certo modo surge como resposta à sugestão de Brown e Yule). Trata-se de uma perspectiva que tenta matar a noção de correferência, e que, ao menos no presente estudo, dialoga com o conceito de objeto de discurso. 3 Apostando na evolução de referentes Uma ressalva deve ser feita, a concepção de referente evolutivo está submetida a uma orientação mentalista de produção textual (e interpretação referencial), o que de certo modo desprivilegia os elementos do contexto situacional e extra-textuais que envolvem os interlocutores e o texto. A semelhança dessa concepção com a de objetos de discurso parece residir no fato de ambas reconhecerem que o referente é passivo de alterações motivadas pelo próprio discurso. Talvez isso seja o suficiente para lhe dedicar uma análise voltada à proposta do presente estudo. Outra ressalva: o conceito de referente evolutivo é criticado por Mondada e Dubois ao lhe fazerem referência dizendo que os fenômenos considerados são descritos como transformações de objetos do mundo, às quais correspondem, ou não, as transformações de seus rótulos verbais (p.275). Atenção devese dar a essas palavras por concernirem à divergência entre a evolução de referentes e a referenciação, no entanto, parece que vale a pena insistir na noção de referentes evolutivos (mesmo que fragmentada ou modificada), não só pela curiosidade estética que o esquema proposto por Charolles e Schnedecker possa despertar no leitor, mas sobretudo, pela possibilidade de se pensar a posição de xeque da correferencialidade, ou ainda, quando e como a correferência se sustenta. A tentativa aqui é mesmo pretensiosa: refinar a noção de correferência. Esse é o esquema proposto por Charolles e Schnedecker (1993:114), para representar a evolução de referentes: SNO...pro1...pro2...proN Ptr1 Ptr2 Ptrn Ot0 Ot1 Ot2 Otn Sendo que: SN0 sintagma nominal inicial; pro1 primeira forma (pronominal) da seqüência; e Ptr1 primeiro processo de transformação referencial. Deve-se ter em conta que, para a presente abordagem, Ptr representa o processo de transformação motivado exclusivamente pelas informações/predicações cotextuais pertinentes ao referente. E ainda, Ot1, Ot2 e Otn são representações diversas e evolutivas no modelo mental criado pelo referente inicial sugerido pelo SN0 [o qual] não seria de fato retomado, nem seria o gatilho único em cada caso, já que a relação se daria com o modelo anterior enriquecido, comenta Marcuschi (2000:31). O esquema pode ser aplicado com os elementos destacados no excerto abaixo. 2 Aqui, o trabalho de Schwarz é referido via Comunicação de Marcuschi (2000) no 4 o. Encontro do Celsul, realizado em Curitiba.

4 1092 OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE Excerto A E É, acontece. F É isso aí. (inint) eu sempre digo, Deus diz que fecha uma porta, abre uma janela, né? A gente teve um lado compensador, né? Agora hoje... minha mãe[1] também teve o lado compensador, porque ela[2], coitada, sofreu (inint) que ela[3] passou, não sei como ela[4] criou os filhos, né? São todos bem de vida (hes) bem de vida, não... não estou dizendo bem de vida rico, né? mas é uma vida digna, né? (est) a pior sou eu, mas eu agora tenho meus filhos também, né? (PRPBR a 915) 3 Cadeia A1: minha mãe[1] - ela[2] - ela[3] - ela[4] Minha mãe[1] ela[2] ela[3] ela[4] SNO...pro1...pro2...pro3 Ptr1 Ptr2 Ptr3 Ot0 Ot1 Ot2 Ot3 Nesse caso, a forma pronominal ela[2] concentra mais informações do que minha mãe[1], por exemplo, coitada e sofreu (Ptr1) convergem a [2], mas não a [1] diretamente. O elemento [3] não recebe claramente informações cotextuais (Ptr2) devido ao ruído representado por (inint) 4, no entanto, percebe-se que há a intenção do falante em dizer algo. Por sua vez, ela[4] é enriquecido por criou os filhos (Ptr3). Portanto, há uma evolução do referente estabelecida discursivamente (convém dizer que não há relação de correferência?). Embora Charolles e Schnedecker sirvam-se apenas de cadeias em que a expressão inicial (SN0) é uma forma nominal e as demais são formas pronominais, o processo de evolução pode também ser observado em cadeias constituídas apenas por formas nominais ou em cadeias em que formas nominais e pronominais alternam-se. Vale observar um exemplo, cadeia constituída por apenas formas nominais. Excerto B F Aí eu fiz o ginásio[1] lá em quatro anos e em sessenta e cinco eu voltei a Pato Branco[2]... voltei a Pato Branco[3], voltei procurar um emprego[4], saí, né? (est) eu tinha feito o ginásio[5]. Não era difícil, ver se arrumava uma coisa melhor[6]. (est) E aí acabei indo trabalhar de garçom, num bar[7] ali, um bar famoso[8] ali da época, que era o Bar Dezessete[9], aí a gente, era o ponto de todo[10] (inint) aí já comecei a conhecer funcionário do banco e tal, E Foi se enturmando. F Aí que começou a pintar que tinha uma vaga pra contínuo. Até um... (PRPBR a 413) Cadeia B1: um bar[7] - um bar famoso[8] - o Bar Dezessete[9] - o ponto de todo[10] Cadeia B2: um emprego[4] - uma coisa melhor[6] Parece que a construção do referente (por exemplo, na cadeia B1) não encontra informações complementares no cotexto. Ainda assim ocorreria o processo de evolução? A princípio não, uma vez que Ptr implica informações/predicações cotextuais. Para submeter a cadeia B1 ao esquema proposto, é necessário reconhecer a carga semântico-referencial ativada pelo próprio SN como integrante do Ptr. Isso é o que se faz aqui, amplia-se a noção de Ptr. Daí: 3 A identificação dos excertos segue orientação de Knies e Costa (1996). O excerto em questão corresponde às linhas 904 a 915, da entrevista n. 11 realizada em Pato Branco-PR, daí PRPBR. 4 Conforme Knies e Costa (1996), (inint) indica parte da entrevista ininteligível e, por conseguinte, não transcrita.

5 Milton Francisco da SILVA 1093 um bar[1] um bar famoso[2]...o Bar Dezessete[3] o ponto de todo[4] SNO...SN1...SN2...SN3 Ptr1 Ptr2 Ptr3 Ot0 Ot1 Ot2 Ot3 Nesse caso, a evolução do referente ocorre sobretudo mediante a carga semântico-referencial particular de [2], [3] e [4], ativando, assim, propriedades até então não contidas no objeto de discurso. Caso semelhante ocorre na cadeia B2. Ao dilatar a noção de Ptr não se deseja afirmar que as formas nominais não são influenciadas pelo cotexto, mas acredita-se que, nas cadeias B1 e B2, a influência cotextual não é determinante na evolução do referente. Frente a isso vale retomar a cadeia A1, inclui-se na discussão a seu respeito que o objeto de discurso é enriquecido também pela carga semântico-referencial ativada pela expressão um rapaz. Com a noção de Ptr ampliada, parece que a evolução de referentes manifesta-se em toda cadeia referencial. No entanto, ainda pode-se questionar sobre o conceito de evolução frente aos objetos de discursos representados por: Cadeia B3: o ginásio[1] - o ginásio[5] Cadeia B4: Pato Branco[2] - Pato Branco[3] Nesses casos, nem as informações cotextuais nem a carga semântico-referencial são acionadas de modo a apontar para uma evolução. De modo que, ao se perguntar se a correferência ocorre nessas cadeias, o conceito de referentes evolutivos não é o suficiente para uma resposta. Melhor assumir a presença de correferência, o que parece compatível com o conceito de referenciação, visto que, como já dito, conforme esse conceito, o referente não se modifica necessariamente à medida que é designado. Vale dizer que essa questão não gira em torno da repetição de formas nominais como apontam as cadeias B3 e B4, pois há ocorrências semelhantes em que se pode observar a evolução. Veja: Excerto C F E a outra foi num... comigo também, foi um bagre[1] que eu ganhei de pre... presente, lá no Quartel, o rapaz que mora perto lá do Quartel. E eu estava cortando bagre[2], mas não sabia que o... que o esporão estava fincado aqui. Quando eu corto, a cabeça vem junto com a minha mão. (est) (SCFLP a 202) 5 Cadeia C1: um bagre[1] - bagre[2] Nesse caso, há informações cotextuais (estava cortando) requeridas pela referenciação quando [2] é enunciado, mostrando, assim, uma evolução em relação a [1]. Antes de qualquer equívoco, vale dizer que a concepção de referentes evolutivos é apresentada aqui de modo muito breve, isso leva a postular que uma análise cuidadosa pode evidenciar, por exemplo, nuanças não identificadas nos casos expostos anteriormente, ou, até mesmo, aspectos que contrariem a evolução de referentes. Por fim, o conceito de referentes evolutivos desmonta de fato o conceito de correferência? Acredita-se que sim, pois trata-se de um único referente que evolui à medida que o discurso é enunciado. E ainda, a análise possibilita, em parte, delinear ( refinar ) a correferencialidade, sobretudo mediante as cadeias B3 e B4. 4 Buscando caminho(s) Certamente há outros caminhos a seguir. A construção de objeto de discurso mediante amálgama pode ser investigada, por exemplo, pela perspectiva dos produtores de texto, a qual é relevante nos estudos em lingüística de texto por se voltar para as condições de produção textual e por levar em conta enfaticamente a cooperação dos interlocutores e uma concepção sócio-interacionista de língua. Uma abordagem nesse sentido provavelmente questionaria se o amálgama é uma escolha do falante/autor ao construir referentes. O que talvez esteja ocorrendo para facilitar ao ouvinte/leitor a identificação 5 Excerto da entrevista 19 realizada em Florianópolis-SC

6 1094 OBJETO(S) DE DISCURSO: A CORREFERENCIALIDADE EM XEQUE referencial. Ou, talvez, por falta, no buffet cognitivo-lingüístico, de uma expressão referencial capaz de referir o que se deseja. Um caminho seguro é questionar a construção referencial a partir do conceito de categorização. Nesse caso, antes que verificar se há correferência na construção do referente, verifica-se se o referente mantém-se sob a mesma categoria ou se é recategorizado. A categorização concerne diretamente ao discurso e a práticas sociais dos indivíduos, o que a torna, pertinente e instigante. Uma abordagem na perspectiva da categorização certamente coloca a correferência como um conceito secundário no processo referencial, além de realmente refiná-lo, o que talvez tornaria menor a impressão de segurança até certo ponto enganosa alertada por Ilari. Outra perspectiva possível para delinear a correferencialidade entre as expressões referenciais é a hipótese de que, quando o referente integra o núcleo tópico, as informações cotextuais quebram a correferencialidade, enquanto que, quando o referente não integra o núcleo, as informações cotextuais não lhe dizem respeito a ponto de modificá-lo. Para tanto, o que é um núcleo tópico? Sobre o que o falante está falando? Há referentes presentes no texto dispensáveis a essa resposta, enquanto há outros indispensáveis. Os indispensáveis, inevitavelmente, integrariam o núcleo. Esse poderia ser um critério para atribuir ou não a uma cadeia referencial o status de integrante de núcleo tópico. Todavia, isso é apenas apontamento. Os vários caminhos apontados e abandonados ao longo deste breve estudo poderiam ser reativados neste momento, como sugestão de novas leituras, novos estudos. Que sejam assim entendidos. A imagem que perdura é a posição de xeque da correferencialidade, sobretudo como conceito (ir)relevante na construção de objeto de discurso. RESUMO: Quando várias expressões referenciais amalgamam-se constituindo um único objeto de discurso (Mondada e Dubois, 1995) parece inadequado pensar em correferência. As novas informações cotextuais acionadas com cada expressão quebram a correferencialidade: ela encontrase em xeque. Para verificar essa hipótese, considera-se a noção de referentes evolutivos (Charolles e Schnedecker, 1993). PALAVRAS-CHAVE: referenciação; objeto de discurso; correferência; referentes evolutivos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BROWN, Gillian e YULE, George. Discourse analysis. Cambridge University Press, CHAROLLES, Michel e SCHNEDECKER, Catherine. Coréférence et identité. Le problème des référents évolutifs. Languages, 112, p , COSTA, Iara Bemquerer. Indicações para o estudo da referenciação no texto. Anais do 4 o. Encontro do Celsul. Curitiba: UFPR, HALLIDAY, M.A.K. e HASAN, R. Cohesion in English. Londres: Longman. p.1-29, ILARI, Rodolfo. Anáfora e correferência: por que as duas noções não se identificam?. Cadernos de Estudos Lingüísticos, (41):91-109, jul./dez Campinas: Ed. da Unicamp, KNIES, Clarice Bohn e COSTA, Iara Bemquerer. Banco de Dados Lingüísticos do VARSUL: Manual do usuário. Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre: UFPR, UFSC, UFRGS, PUC/RS, KOCH, Ingedore G.V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, MARCUSCHI, Luiz Antônio. Aspectos da progressão referencial na fala e na escrita no português brasileiro. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL A INVESTIGAÇÃO DO PORTUGUÊS EM ÁFRICA, ÁSIA, AMÉRICA E EUROPA: BALANÇO E PERSPECTIVAS Berlin, 23 a 25 de março, (mímeo), Quando a referência é uma inferência. XLVIII Seminário do GEL Grupo de Estudos Lingüísticos de São Paulo. Assis, 18 a 20 de maio. Versão preliminar. (mímeo), Anáfora indireta: o barco textual e suas âncoras. 4 o. Encontro do Celsul, Curitiba, novembro de Mimeo. MONDADA, Lorenza e DUBOIS, Danièle. Construction des objets de discours et categorisation: une approche des processus de référenciation. In: Berrendonner, A. / M-J Reichler-Béguelin (eds). TRANEL 23, pp , SCHWARZ, Monika. Indirekte Anaphern in Texten. Studien zur Domängebundenen Referenz und Kohärenz im Deutschen. Tübingen: Niemeyer, 2000.

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR)

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) ABSTRACT: In this work, I intend

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A PROGRESSÃO REFERENCIAL EM DEPOIMENTOS DE ORKUT Lorena Santana Gonçalves (UFES) ls.goncalves@hotmail.com Maria da Penha Pereira Lins (UFES) penhalins@terra.com.br 1. Apresentação Inseridos numa perspectiva

Leia mais

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi TEXTO E DISCURSO Eni Puccinelli Orlandi RESUMO: Texte est un objet linguistique-historique qui établit des rapports avec soi même et l exteriorité. C est à dire: le texte est à la fois un objet empirique,

Leia mais

Apresentação/Presentation

Apresentação/Presentation Apresentação/Presentation Desde a publicação da tese de doutorado de Lorenza Mondada, em 1994, intitulada Verbalisation de l espace et fabrication du savoir: Approche linguistique de la construction des

Leia mais

MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL?

MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL? Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL? Ivanilde da SILVA (UFSC) ABSTRACT: Studies on syntactic variation

Leia mais

Palavras. chave: texto; poesia; recorte; enunciação; Manuel Bandeira.

Palavras. chave: texto; poesia; recorte; enunciação; Manuel Bandeira. 197 Eduardo Guimarães 1 Resumo esumo: Este texto tem como objetivo analisar o poema Andorinha, de Manuel Bandeira, a partir de um dispositivo de análise semântica do texto. Para isso, apresenta uma posição

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A INTERCULTURALIDADE E SEUS REFLEXOS NA PRODUÇÃO DE TEXTOS DE ALUNOS DESCENDENTES DE POMERANOS Tatiani Ramos (UFES) tateletras@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Segundo Costa Val (1997), o texto é uma unidade de

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

A possibilidade de intercâmbio entre Lingüística Textual e o ensino de língua materna *

A possibilidade de intercâmbio entre Lingüística Textual e o ensino de língua materna * A possibilidade de intercâmbio entre Lingüística Textual e o ensino de língua materna * Ingedore G. Villaça Koch ** Este texto discute criticamente as postulações teóricas dos PCNs no que tange a conceitos-chave

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL Ederson Henrique de Souza Machado 1 Introdução Os fenômenos textuais ingressam essencialmente no âmbito epistemológico

Leia mais

ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS NO ENSINO MÉDIO. Sueli Cristina MARQUESI 1. Considerações iniciais

ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS NO ENSINO MÉDIO. Sueli Cristina MARQUESI 1. Considerações iniciais ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS NO ENSINO MÉDIO Considerações iniciais Sueli Cristina MARQUESI 1 Neste capítulo, temos por objetivo discutir o processo de escrita e reescrita que deve orientar a produção

Leia mais

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes Juliana Abuzaglo Elias Martins Doutoranda em Filosofia pela UFRJ

Leia mais

A SUBSTITUIÇÃO HIPERONÍMICA: O PAPEL ARTICULADOR NA CONTINUIDADE DO TEXTO

A SUBSTITUIÇÃO HIPERONÍMICA: O PAPEL ARTICULADOR NA CONTINUIDADE DO TEXTO A SUBSTITUIÇÃO HIPERONÍMICA: O PAPEL ARTICULADOR NA CONTINUIDADE DO TEXTO Amanda Luiza Vizoto de Oliveira Jhonatas Garagnani de Souza Juliano Cesar Teixeira Paula Fernanda Leite de Carvalho Robson Aparecido

Leia mais

A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES

A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES Roseli Cabral Calil (Unifran) Juscelino Pernambuco (Unifran) Introdução Esta pesquisa terá como objetivo analisar a construção dos versos desse poeta, buscando

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

O DISCURSO NOS QUADRINHOS: ANALISANDO CAPITÃO BRASIL

O DISCURSO NOS QUADRINHOS: ANALISANDO CAPITÃO BRASIL O DISCURSO NOS QUADRINHOS: ANALISANDO CAPITÃO BRASIL CASSILHAS, Cristiano FIOROT, João Victor LORDES, Antonio Wallace RESUMO: O principal objetivo do trabalho é analisar as divisões básicas do tópico discursivo

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

REFERENCIAÇÃO ANAFÓRICA: UM PRINCÍPIO DE INTERPRETABILIDADE EM ARTIGOS CIENTÍFICOS Elizete Inês Paludo (UNIOESTE) eipaludo@seed.pr.gov.

REFERENCIAÇÃO ANAFÓRICA: UM PRINCÍPIO DE INTERPRETABILIDADE EM ARTIGOS CIENTÍFICOS Elizete Inês Paludo (UNIOESTE) eipaludo@seed.pr.gov. 1 REFERENCIAÇÃO ANAFÓRICA: UM PRINCÍPIO DE INTERPRETABILIDADE EM ARTIGOS CIENTÍFICOS Elizete Inês Paludo (UNIOESTE) eipaludo@seed.pr.gov.br 1. Introdução Esta pesquisa teve início em 2011, com um grupo

Leia mais

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Marta Oliveira Barros¹ ORIENTADORA: Dra. Daniela Gomes de Araújo Nóbrega² INTRODUÇÃO

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS Fátima Christina Calicchio (PG-UEM) calicchiofc@hotmail.com Rosângela Nunes Pereira (PG UEM) rosenpereira@yahoo.com.br Introdução Este estudo está organizado em três

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A PRODUÇÃO DA "HIPERCORREÇÃO", EM TEXTOS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REFLETINDO SOBRE A PRODUÇÃO DA HIPERCORREÇÃO, EM TEXTOS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REFLETINDO SOBRE A PRODUÇÃO DA "HIPERCORREÇÃO", EM TEXTOS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Elizete Beatriz Azambuja (UNICAMP e UEG) liazambuja@ibest.com.br Este texto faz parte das reflexões que estou fazendo

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

ANÁFORAS INDIRETAS E SUA ANCORAGEM A ANTECEDENTES IMPLÍCITOS

ANÁFORAS INDIRETAS E SUA ANCORAGEM A ANTECEDENTES IMPLÍCITOS SIMONE LESNHAK KRÜGER ANÁFORAS INDIRETAS E SUA ANCORAGEM A ANTECEDENTES IMPLÍCITOS Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre. Curso de Pós-Graduação em Letras, Setor de

Leia mais

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS RESUMO Profa. Dra. Cinthya Torres de Melo (Universidade Federal de Pernambuco - NELFE - Campus do Agreste UFPE/CAA) Maria Sirleidy

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

A SÁTIRA (MENIPÉIA): RUÍDO NA REDE OU REDE-RUÍDO? VIII CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIC - Belo Horizonte, 26/07/02

A SÁTIRA (MENIPÉIA): RUÍDO NA REDE OU REDE-RUÍDO? VIII CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIC - Belo Horizonte, 26/07/02 A SÁTIRA (MENIPÉIA): RUÍDO NA REDE OU REDE-RUÍDO? VIII CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIC - Belo Horizonte, 26/07/02 Marco Antônio de Oliveira - UFMG O problema básico na leitura de um texto, qualquer

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DA CALCULADORA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

LIMITES E POSSIBILIDADES DA CALCULADORA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA LIMITES E POSSIBILIDADES DA CALCULADORA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Autor (a): Beatriz Santos Batista ; Co-autor (a) Nínive de Sousa Medeiros; Orientador(a) Valéria Borba Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

COESÃO TEXTUAL EM CONTRASTE:

COESÃO TEXTUAL EM CONTRASTE: RABAIOLLI, Maristela. Coesão textual em contraste: alunos de escola pública e privada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V., n. 6, março de 006. ISSN 678-893 [www.revel.inf.br]. COESÃO TEXTUAL

Leia mais

A seleção de textos para o ensino de português-por-escrito a surdos em diferentes níveis de aprendizagem

A seleção de textos para o ensino de português-por-escrito a surdos em diferentes níveis de aprendizagem A seleção de textos para o ensino de português-por-escrito a surdos em diferentes níveis de aprendizagem Daniele Marcelle Grannier e Regina Maria Furquim-Freire da Silva, UnB Introdução O conhecimento

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Língua Francesa. Polidez. Ensino Fundamental.

PALAVRAS-CHAVE Língua Francesa. Polidez. Ensino Fundamental. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A CONSTRUÇÃO DO ETHOS FRONTEIRIÇO BRASIL VENEZUELA EM AMBIENTE ECOLINGUÍSTICO Maria Ivone Alves da Silva (UERR) profivonesilva@gmail.com Odileiz Sousa Cruz (UFRR) 1. A fronteira Brasil/Venezuela: o ambiente

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

A planificação de atividades para a leitura e educação literária:

A planificação de atividades para a leitura e educação literária: A planificação de atividades para a leitura e educação literária: Apresentação do professor-leitor ao leitor em formação Um percurso de leitura Maria Vitória de Sousa Do professor ao aluno 1. Ler o texto

Leia mais

CHATS EDUCACIONAIS: FUNCIONALIDADE EM DEBATE

CHATS EDUCACIONAIS: FUNCIONALIDADE EM DEBATE CHATS EDUCACIONAIS: FUNCIONALIDADE EM DEBATE Jackelinne Maria de A. Aragão (UFPB/IFPB/GPLEI) jackelinnearagao@yahoo.com.br Com o avanço das tecnologias, necessário se faz um maior conhecimento no que tange

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

1 A surdez e algumas implicações na produção de textos escritos

1 A surdez e algumas implicações na produção de textos escritos 1709 ASPECTOS DO SISTEMA COESIVO DE TEXTOS ESCRITOS POR SURDOS UNIVERSITÁRIOS USUÁRIOS DE LIBRAS Gláucia R. P. do Nascimento FACHO / FAFIRE Os surdos constituem uma minoria lingüística que vive em contextos

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

FUNÇÕES COGNITIVO-DISCURSIVAS DE EXPRESSÕES REFERENCIAIS EM NARRATIVAS DE CRIANÇAS DE 7 ANOS

FUNÇÕES COGNITIVO-DISCURSIVAS DE EXPRESSÕES REFERENCIAIS EM NARRATIVAS DE CRIANÇAS DE 7 ANOS FUNÇÕES COGNITIVO-DISCURSIVAS DE EXPRESSÕES REFERENCIAIS EM NARRATIVAS DE CRIANÇAS DE 7 ANOS Profa. Dra. Graziela ZAMPONI Universidade de Taubaté Resumo Este trabalho focaliza os processos referenciais

Leia mais

ORGANIZAÇÃO TÓPICA: ANÁLISE DE UMA REDAÇÃO DO ENEM

ORGANIZAÇÃO TÓPICA: ANÁLISE DE UMA REDAÇÃO DO ENEM ORGANIZAÇÃO TÓPICA: ANÁLISE DE UMA REDAÇÃO DO ENEM Simone Maria Rossetto i () A temática deste trabalho baseia-se no estudo da organização tópica, através da análise de uma das redações do Enem (Exame

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ )

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) Ediene Pena-Ferreira Marcela de Lima Gomes Universidade Federal do

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA

CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA Introdução Com o objetivo de que as universidades se tornem instituições-guia para a construção de cenários sociais

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR Marta Aline Buckta (G-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) Introdução Motivada pelo desejo e pela necessidade,

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA QUADROS, Emanuel Souza. Resenha de Manual de morfologia do português, de Maria Nazaré de Carvalho Laroca. ReVEL, vol. 7, n. 12, 2009. [www.revel.inf.br]. RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE HUMANIDADES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE HUMANIDADES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE HUMANIDADES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA O PROCESSO REFERENCIAL DA DÊIXIS: por uma proposta de recategorização Abniza Pontes de Barros Leal Fortaleza

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 RESPOSTAS AOS RECURSOS Cargo: ART - PROFESSOR P2 / ARTE Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA (LPO) 5 - Gab.:V B 5 - Gab.:W C 5 - Gab.:X D 8 - Gab.:V

Leia mais

Sustentabilidade x Seguros

Sustentabilidade x Seguros 6 JOSÉ ELI DA VEIGA Professor titular de economia da Universidade de São Paulo (USP), pesquisador do Núcleo de Economia Socioambiental (NESA) e orientador em dois programas de pós-graduação: Relações Internacionais

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS

A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS Palavras-chave: Afasia, Provérbios, Cognição Esta pesquisa teve como objetivo analisar

Leia mais

LÉXICO E SEMÂNTICA CADERNOS DO CNLF, VOL. XI, N 11

LÉXICO E SEMÂNTICA CADERNOS DO CNLF, VOL. XI, N 11 LÉXICO E SEMÂNTICA A RELEVÂNCIA DA SEMÂNTICA NOS ESTUDOS DA ANÁLISE SINTÁTICA DE ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS: DESVIOS SINTÁTICO-SEMÂNTICOS Giovana Fernandes Dantas (UERJ) Marco Aurélio Lourenço (UERJ)

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS*

ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS* 287 ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS* Sulemi Fabiano 1 Resumo: A questão que norteia a pesquisa é: como um aluno em formação, ao se apropriar de uma teoria, utiliza os conectores

Leia mais

PROCESSO DE RECATEGORIZAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDO NO TWITTER

PROCESSO DE RECATEGORIZAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDO NO TWITTER 1 PROCESSO DE RECATEGORIZAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDO NO TWITTER Silvana Maria Calixto de Lima (UESPI/UFPI) scalixto2003@yahoo.com.br Introdução Neste trabalho, a partir de uma perspectiva sociocognitiva

Leia mais

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Resumo Jéssica Danieli Ramos da Rosa 1 - UNÍNTESE Grupo de trabalho - Psicopedagogia Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

REFERIR E ARGUMENTAR: DUAS FUNÇÕES DOS PROCESSOS DE REFERENCIAÇÃO INDIRETA NO TWITTER

REFERIR E ARGUMENTAR: DUAS FUNÇÕES DOS PROCESSOS DE REFERENCIAÇÃO INDIRETA NO TWITTER REFERIR E ARGUMENTAR: DUAS FUNÇÕES DOS PROCESSOS DE REFERENCIAÇÃO INDIRETA NO TWITTER Jaqueline Barreto Lé Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) jaquelinele@uol.com.br RESUMO: Este artigo tem por

Leia mais

LÍNGUA, LITERATURA E ENSINO, Outubro/2011 - Vol. VI

LÍNGUA, LITERATURA E ENSINO, Outubro/2011 - Vol. VI LÍNGUA, LITERATURA E ENSINO, Outubro/2011 - Vol. VI ANÁLISE DA GESTÃO DO TÓPICO DISCURSIVO EM ENTREVISTA SOBRE TEMA SOCIAL CONTROVERSO: A MANIPULAÇÃO ESTILÍSTICA DE RECURSOS DO NÍVEL TEXTUAL NA FALA DO

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

As atividades colaborativas no processo de ensino/aprendizagem da língua inglesa 24

As atividades colaborativas no processo de ensino/aprendizagem da língua inglesa 24 As atividades colaborativas no processo de ensino/aprendizagem da língua inglesa 24 Assis, Eleone Ferraz de 25 RESUMO: Este trabalho se propõe investigar os efeitos das atividades colaborativas no 3º ano

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA

A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA Aline Fabiana Amorim Santos 1 (Graduanda/UFS) Evellin Heide Souza Aragão (graduanda/ufs) Laura Camila Braz de Almeida

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira Gedeon Santos de Medeiros Gerley Machado de Oliveira 1. Introdução A escolha de determinadas experiências de aprendizagem em qualquer contexto educacional,

Leia mais

PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS

PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS Novo Código código anterior Nome da disciplina Ementa Bibliografia Pré-requisitos C/H Equivalências LEM1001 ----- Metodologia de Ensino de (Português como) Língua Estrangeira

Leia mais

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS Neste número, a seção Crônicas e Controvérsias apresenta dois textos: o primeiro, de Sírio Possenti, acerca da resenha do livro de Alice Krieg- -Planque A noção de fórmula em análise

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE LETRAS OS PROCESSOS ANAFÓRICOS NO GÊNERO RELATO ESPORTIVO MARGARETH ANDRADE MORAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE LETRAS OS PROCESSOS ANAFÓRICOS NO GÊNERO RELATO ESPORTIVO MARGARETH ANDRADE MORAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE LETRAS OS PROCESSOS ANAFÓRICOS NO GÊNERO RELATO ESPORTIVO MARGARETH ANDRADE MORAIS RIO DE JANEIRO JULHO DE 2012 2 OS PROCESSOS ANAFÓRICOS NO GÊNERO RELATO

Leia mais

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado.

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. 1. COESÃO 1.1. O que é? É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. Dito de forma mais simples: a coesão textual tem a ver com a maneira como se processa a ligação entre

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO NO ENSINO DE INGLÊS: LÍNGUA E CULTURA

A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO NO ENSINO DE INGLÊS: LÍNGUA E CULTURA Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (516-520) A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO NO ENSINO DE INGLÊS: LÍNGUA E CULTURA Eulia Rejane SILVA (Universidade Federal de Uberlândia) ABSTRACT: This paper aims

Leia mais

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (465-469) A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Elaine Teresinha Costa CAPELLARI (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) ABSTRACT:

Leia mais

A FUNÇÃO DE ANTROPÔNIMOS NA CONSTRUÇÃO REFERENCIAL

A FUNÇÃO DE ANTROPÔNIMOS NA CONSTRUÇÃO REFERENCIAL A FUNÇÃO DE ANTROPÔNIMOS NA CONSTRUÇÃO REFERENCIAL Lívia Maria Turra BASSETTO (UNESP São José do Rio Preto) Introdução Este artigo tem a perspectiva de referência e, consequentemente, de referente apresentada

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS RECURSOS COESIVOS NAS PROPAGANDAS DA BOMBRIL

ANÁLISE COMPARATIVA DOS RECURSOS COESIVOS NAS PROPAGANDAS DA BOMBRIL ANÁLISE COMPARATIVA DOS RECURSOS COESIVOS NAS PROPAGANDAS DA BOMBRIL Flávia Barbosa Ilidio Luciana Garcia Monica M. M. Trindade Vinicius Ezau da Silva Michelle Ap.dos Santos Jenyffer S. S. Pereira (G-CLCA-UENP/C

Leia mais

ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1

ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1 ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1 Gil Roberto Costa Negreiros (PUC-SP, UNIVERSITAS) 2 Nesta comunicação, temos como objetivo analisar as correções,

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

MARCAS DE POLIFONIA EM REVISTA DE PSIQUIATRIA: RETOMADAS DE PESQUISAS/DIÁLOGOS DE RESULTADOS

MARCAS DE POLIFONIA EM REVISTA DE PSIQUIATRIA: RETOMADAS DE PESQUISAS/DIÁLOGOS DE RESULTADOS Introdução MARCAS DE POLIFONIA EM REVISTA DE PSIQUIATRIA: RETOMADAS DE PESQUISAS/DIÁLOGOS DE RESULTADOS Aparecida Feola Sella 1 A discussão aqui apresentada nasce de análises sobre ocorrência de polifonia

Leia mais

A (RE)CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DOCENTE NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM LÍNGUA INGLESA

A (RE)CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DOCENTE NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM LÍNGUA INGLESA A (RE)CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DOCENTE NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM LÍNGUA INGLESA Sandra Maria Araújo Dias UFERSA - Campus Caraúbas sandra.dias@ufersa.edu.br Maria Isabela Tavares de Freitas

Leia mais

Marcas de monitoramento na enunciação da linguagem da criança

Marcas de monitoramento na enunciação da linguagem da criança Revista de Linguística e Teoria Literária ISSN 2176-6800 Marcas de monitoramento na enunciação da linguagem da criança Markers in monitoring in the enunciation of child language Marlete Sandra Diedrich

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Palavras Chave: Libras; Braille; Língua Portuguesa; Linguística; Estudos de Tradução; Interpretação; surdo; cego.

Palavras Chave: Libras; Braille; Língua Portuguesa; Linguística; Estudos de Tradução; Interpretação; surdo; cego. REFLEXÕES SOBRE AS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICAS NA FORMAÇÃO DO INTÉRPRETE DE LIBRAS E DO BRAILLISTA NO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM COMUNICAÇÃO ASSISTIVA: LIBRAS E BRAILLE/PUCMINAS/BH. Profa. Dra. Denise

Leia mais