s:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Emails: marciocovacic@uel.br, rgaino@uel.br, marcelo@dee.feis.unesp.br, aac@dee.feis.unesp.br, edvaldo@dee.feis.unesp.br, rcardim@dee.feis.unesp."

Transcrição

1 SISTEMAS ERP COM COMPENSADORES DINÂMICOS PARA CONTROLE DA POSIÇÃO ANGULAR DA PERNA DE PACIENTES PARAPLÉGICOS Márcio Roberto Covacic, Ruberlei Gaino, Marcelo Carvalho Minhoto Teixeira, Aparecido Augusto de Carvalho, Edvaldo Assunção, Rodrigo Cardim UEL - Universidade Estadual de Londrina Departamento de Engenharia Elétrica, Campus Universitário Rodovia Celso Garcia Cid km, 380, Londrina, PR, Brasil UNESP - Universidade Estadual Paulista Departamento de Engenharia Elétrica, Campus de Ilha Solteira Avenida Brasil, 56, Ilha Solteira, SP, Brasil s: Abstract This manuscript presents the design of a system, based on Linear Matrix Inequalities (LMIs), to control the position of the leg of a paraplegic patient, using a dynamic compensator of order m, where m is the number of input variables of the plant, and a static output feedback matrix K o, such that the complete system is Strictly Positive Real (SPR) The control system was resigned to vary the angle of the knee joint of paraplegic patients at 60 o, through electrical stimulation This study generalizes previous results obtained by the authors, where the output vector of the plant was considered available Keywords LMI, SPR Systems, Dynamic Compensators, Rehabilitation Engineering, Nonlinear Systems Resumo Neste trabalho, é apresentado o projeto, embasado em Desigualdades Matriciais Lineares (LMIs), de um sistema para controlar a posição da perna de um paciente paraplégico, com uso de um compensador dinâmico de ordem m, sendo m o número de variáveis de entrada da planta, e de uma matriz constante de realimentação da saída K o, de modo que o sistema completo seja Estritamente Real Positivo (ERP) No caso, o sistema de controle foi concebido para variar o ângulo da articulação do joelho de pacientes paraplégicos em 60 o, por meio de eletroestimulação Esse estudo generaliza resultados prévios, utilizando realimentação das variáveis de saída da planta Palavras-chave LMI, Sistemas ERP, Compensadores Dinâmicos, Engenharia de Reabilitação, Sistemas Não-Lineares 1 Introdução Sistemas Estritamente Reais Positivos (ERP) são sistemas passivos, assintoticamente estáveis, cujos zeros de transmissão possuem parte real negativa Além disso, a realimentação negativa de um sistema dinâmico passivo é internamente estável Existem resultados significativos a respeito de sistemas ERP, como a hiperestabilidade assintótica de Popov (Anderson, 1968) Esses resultados possuem várias aplicações, como no projeto de sistemas de controle adaptativo (Landau, 1979; Huang et al, 1999; Owens et al, 1987; Kaufman et al, 1994; Teixeira, 1989; Hsu et al, 1994), em sistemas de Controle com Estrutura Variável (DeCarlo et al, 1988; Teixeira, 1993; Teixeira, Lordelo and Assunção, 2000; Teixeira, Covacic, Assunção and Lordelo, 2002; Teixeira, 1990) e na estabilização de sistemas incertos com realimentação da saída (Cunha et al, 2003; Steinberg and Corless, 1985; Xiang et al, 2005) O primeiro passo nestas aplicações foi obter uma estrutura de compensação que torna o sistema ERP e, então, projetar uma lei de controle com a estrutura de compensação obtida Um problema relacionado com este método de projeto é chamado síntese ERP: dada uma planta linear invariante no tempo, {A, B, C}, controlável e observável, desejam-se encontrar matrizes constantes F e K o, tais que o sistema controlado {A BK o C,B,FC} seja ERP Em Teixeira (1989) e Teixeira (1990), foi demonstrado que este problema é equivalente a um problema de estabilização com realimentação da saída Para plantas com o mesmo número de variáveis de entrada e de saída, a condição necessária e suficiente para este problema é que todos os zeros de transmissão tenham parte real negativa e que det(cb) 0 (Owens et al, 1987; Kaufman et al, 1994; Teixeira, 1989) Para muitas plantas, entretanto, é impossível obter um sistema ERP somente com compensadores estáticos Nesses casos, podem ser utilizados compensadores dinâmicos, como em Teixeira (1993) e Teixeira et al (2006a) Em Covacic et al (2008), foi proposto o uso de compensadores dinâmicos de ordem m para a obtenção de sistemas ERP, para os casos em que o problema não possui solução com compensadores estáticos O primeiro passo foi projetar um sistema de fase mínima, isto é, com todos os zeros de transmissão com parte real negativa, utilizando um compensador dinâmico simples e uma matriz constante em série com a saída da planta O segundo passo foi obter o sis- 1700

2 tema ERP desejado, a partir do sistema projetado no primeiro passo Em Covacic et al (2008) e nas referências citadas no artigo, foi estudada a solução deste problema usando Inequações Matriciais Lineares (LMIs) A vantagem deste método é que as LMIs, quando factíveis, podem ser resolvidas facilmente através de programas computacionais como Matlab (Gahinet et al, 1995) e LMISol (de Oliveira et al, 1997) Estes métodos permitem, também, outras especificações de projeto, como taxa de decaimento, restrições na entrada e na saída (Teixeira, Lordelo and Assunção, 2000; Teixeira, Covacic, Assunção and Lordelo, 2002; Bernussou et al, 1999) Para o problema acima, com p > m, são conhecidas apenas condições suficientes embasadas em LMIs (Teixeira, Covacic, Assunção and Lordelo, 2002) Neste trabalho, o método proposto em Covacic et al (2008) é aplicado no controle do ângulo da articulação do joelho de um paciente paraplégico, por meio da eletroestimulação FES (Functional Electrical Stimulation) O projeto visa controlar a variação do ângulo da articulação do joelho de 60, mediante estimulação elétrica no músculo quadríceps A modelagem matemática da perna foi proposta em Ferrarin and Pedotti (2000) Esse modelo relaciona a largura do pulso aplicado com o torque gerado na articulação do joelho No controle, a perna sai do repouso até um ângulo de 60 e deve voltar à posição de repouso através da retirada da estimulação no músculo mencionado O estudo de sistemas de controle para controlar o movimento de pacientes paraplégicos por meio da estimulação elétrica é um assunto relevante dentro da engenharia de reabilitação Como exemplo, em Riener and Fuhr (1998), foi estudado esse problema e utilizado um controlador fuzzy do tipo Mamdani Em Teixeira et al (2006c), Teixeira et al (2006b) e Gaino et al (2007), foram realizados pela primeira vez estudos e simulações do controle da posição da perna de um paciente paraplégico, com eletroestimulação, FES e utilizando modelos fuzzy Takagi-Sugeno Os sistemas de controle apresentados estão embasados em LMIs Como a planta que caracteriza o paciente paraplégico possui não-linearidades, foram utilizados modelos fuzzy T-S (Taniguchi et al, 2001) No problema abordado em Taniguchi et al (2001), dado um ponto de operação, são considerados os valores máximos e mínimos da função não-linear, dentro de um intervalo desejado Esse método permite a representação exata de uma classe de sistemas não-lineares, através de modelos fuzzy Takagi-Sugeno Outros pontos de operação podem ser considerados no procedimento de projeto apresentado em Teixeira and Żak (1999) 2 Sistemas ERP Considere a planta linear, invariante no tempo, controlável e observável, representada por G p (s), cuja representação em espaço de estados é dada por: ẋ = Ax + Bu, y = Cx, (1) sendo x R n, u R m, y R p, p m, posto(c) = p e posto(cb) = posto(b) = m O conceito de sistemas ERP foi definido em Anderson (1968) O Lema 1, a seguir, fornece condições para os sistemas ERP Lema 1 Anderson (1968) A matriz de transferência do sistema (1), G(s) = C(sI A) 1 B, é ERP se e somente se existir uma matriz P = P T, tal que: PA + A T P < 0, B T P = C, P > 0 O Teorema 2 estabelece condições necessárias e suficientes para a existência de uma matriz K que torna ERP o sistema da Fig 1, com entrada V (s) e saída Y (s) V (s) + U(s) G(s) K Y (s) Figura 1: Sistema com realimantação da saída Teorema 2 (Teixeira, 1989; Kaufman et al, 1994): Existe uma matriz constante K, tal que o sistema da Fig 1, com entrada V (s) e saída Y (s), seja ERP, se e somente se as seguintes condições forem satisfeitas: (i) CB = (CB) T > 0; (ii) todos os zeros de transmissão da planta {A,B,C} apresentam parte real negativa Em muitos casos, é impossível obter um sistema ERP utilizando somente compensadores estáticos Na próxima seção, é apresentado um método de projeto de compensadores dinâmicos de ordem m, de modo a obter sistemas ERP para os casos em que o problema não tem solução com compensadores estáticos 3 Compensadores Dinâmicos para Sistemas Incertos Considere o sistema de malha aberta na Fig 2, com um compensador G c (s), de ordem m e uma matriz constante F em série com a saída da planta Nas situações práticas em geral, existem incertezas nos parâmetros da planta Desta forma, é importante levar em conta estas incertezas no projeto de sistemas de controle Considere, então, 1701

3 W(s) U(s) Gc(s) Y (s) Gp(s) F + Y o(s) + Figura 2: Sistema de malha aberta a planta G p (s), cuja representação em espaço de estados é descrita em (2): ẋ = A p (α)x + B p u, y = C p (α)x, (2) sendo x R n,u R m, y R p, p m e α R r dado por: α = α 1 α 2 α r 1 α r, (3) sendo α i 0, i = 1,2,,r 1,r, variáveis desconhecidas, com α 1 + α α r 1 + α r = 1 São admitidas as seguintes hipóteses: A1 O vetor x não está disponível para medição, mas o vetor y está disponível para medição; A2 As matrizes com incertezas A p (α) e C p (α) são desconhecidas e descritas por: A p (α) = r α i A pi e C p (α) = i=1 r α i C pi, i=1 sendo as matrizes A pi e C pi, i = 1,,r, conhecidas (incertezas politópicas) Considerando a representação da planta G p (s) em espaço de estados, dada por {A p (α), B p,c p (α)}, o subsistema FG p (s), no sistema da Fig 2, pode ser representado na forma: ẋ p = A p (α)x p + B p u, y o = FC p (α)x p + I m u, (4) sendo x p R n, u R m, y o R m, A p (α) R n n, B p R n m, C p (α) R p n, posto(b p ) = m e posto(c p (α)) = p, para todo α admissível Na Fig 2, o compensador G c (s) apresenta a seguinte representação em espaço de estados: ẋ c = A c x c + B c w, u = C c x c, (5) sendo x c R m m, w R m,u R m, A c R m m, B c R m m, C c R m m, posto(b c ) = m e posto(c c ) = m Observação 1 Considere G c (s) = C c (si m A c ) 1 B c = N c (s)(d c (s)) 1, sendo D c (s) = (s a)i m e N c (s) = N c A representação do compensador em espaço de estados é dada em (5), cujas matrizes A c, B c e C c podem ser definidas por: A c = ai m, B c = I m, C c = N c (6) Então, a representação em espaço de estados do sistema de malha aberta na Fig 2, com a planta G p (s) representada por (4) e o compensador G c (s) representado por (5), é dada por: sendo: x = B = xp ẋ = A(α)x + Bw, y o = C(α)x, x c, A(α) = Ap (α) B p C c, 0 A c (7) 0 B c, C(α) = FC p (α) C c, (8) sendo que as matrizes A(α) e C(α) obedecem à condição A2 Observação 2 Note que o sistema da Fig 2 tem o mesmo número de entradas e saídas Observação 3 O produto (C(α)B) é dado por: C(α)B = 0 FC p (α) C c = C B c B c c Observação 4 Os zeros de transmissão de {A(α),B,C(α)} são os autovalores de (A p (α) B p FC p (α)) Essa observação é a mesma encontrada em Covacic (2001) e Teixeira, Assunção, Covacic and Lordelo (2002) Teorema 3 Existe um compensador G c (s), de ordem m, e uma matriz de realimentação da saída K o que torna ERP o sistema da Fig 2 se e somente se existe uma matriz F tal que a matriz (A p (α) B p FC p (α)) seja Hurwitz, isto é, o sistema da Fig 3 é estável, para todo α admissível R(s) + U(s) Y Gp(s) (s) F Figura 3: Sistema com realimentação da saída Prova A prova deste teorema é baseada no Teorema 2 e nas Observações 3 e 4 31 Sistema ERP com Compensador de Ordem m e Realimentação da Saída para Sistemas Incertos Considere, agora, o sistema de malha fechada na Fig 4, com a matriz F em série com a saída da planta, de modo que (A p (α) B p FC p (α)) seja Hurwitz, para todo α admissível Teorema 4 (Covacic, 2001; Teixeira, Assunção, Covacic and Lordelo, 2002) Existe uma matriz K o tal que o sistema na Fig 4 seja ERP se e somente 1702

4 R(s) + W(s) U(s) Y (s) + Y Gc(s) Gp(s) F o(s) + K o Figura 4: Sistema de malha fechada se existirem matrizes P(α) = P(α) T e K o que satisfazem às seguintes LMIs: P(α)A(α) + A(α) T P(α) C(α) T (K o + K T o )C(α) < 0, (9) B T P(α) = C(α), (10) para todo α definido em (3) e A2 P(α) > 0 (11) Prova Similar ao mostrado em Covacic (2001) e Teixeira, Assunção, Covacic and Lordelo (2002) Observação 5 As expressões (9) (11), com as r matrizes P(α) = α i P i, A(α) e C(α), podem i=1 ser definidas em termos de LMIs Da hipótese A2, (10) e (11) são verificadas, para todo α i, i = 1,,r admissível, se e somente se B T P i = C i, i = 1,,r, (12) P i = P T i > 0, i = 1,,r (13) A condição (9) é equivalente a: α1 I α r I Q α 1 I α r I T < 0, sendo: Q = P 1 P r A 1 A r + C T 1 C T r A T 1 A T r P 1 P r (K o + K T o ) C 1 C r Portanto, uma condição suficiente para (9) é Q < 0 (14) Seguindo as idéias descritas em Teixeira, Pietrobom and Assunção (2000), a LMI (14) pode ser flexibilizada através do Teorema 5, proposto em Covacic (2001) Teorema 5 (Covacic, 2001; Teixeira, Assunção, Covacic and Lordelo, 2002) Considere a matriz Q dada em (14) Então, o ponto de equilíbrio x = 0 do sistema controlado {A(α) BK o C(α),B,C(α)} é globalmente assintoticamente estável se existirem matrizes simétricas P i > 0 e P ij 0 de modo que: 0 P 12 P 1r P 12 0 P 2r Q N = Q + < 0 (15) P 1r P 2r 0 Prova Ver Covacic (2001) e Teixeira, Assunção, Covacic and Lordelo (2002) 32 Restrição da Entrada Considere o sinal de entrada: com a restrição descrita abaixo: u = K o y, (16) max t 0 u(t) µ o, (17) sendo µ o uma constante conhecida, para uma dada condição inicial x(0) As condições apresentadas por Boyd et al (1994), que asseguram que a condição (17) é satisfeita para u dado em (16), são dadas por: P(α) K o C(α) C(α) T Ko T µ 2 oi 1 x(0) T P(α) P(α)x(0) P(α) Considerando que P(α) = > 0, (18) > 0 (19) r α i P i, então (18) i=1 e (19) são, respectivamente, equivalentes a: P i K o C i C T i KT o µ 2 oi 1 x(0) T P i P i x(0) P i i = 1,,r > 0, (20) > 0, (21) Essas LMIs devem ser utilizadas em conjunto com as condições que garantem a estabilidade do sistema 1703

5 4 Modelo da Articulação do Joelho de um Paciente Paraplégico O modelo matemático do membro inferior empregado nesse trabalho foi proposto em Ferrarin and Pedotti (2000) Esse modelo relaciona a largura do pulso aplicado com o torque gerado em torno da articulação do joelho Na modelagem (Ferrarin and Pedotti, 2000), o membro inferior foi considerado como uma cadeia cinemática aberta composta de dois segmentos rígidos: a coxa e o complexo canela-pé, conforme mostra a Figura 5 Estimulação Elétrica θ θ v mg M a Figura 5: Complexo Canela Tornozelo De Ferrarin and Pedotti (2000), pode-se constatar que a equação de equilíbrio, em torno da junção do joelho é: J θ v = mglsen(θ v ) M s B θ + M a, (22) sendo: J o momento inercial do complexo canelapé; θ o ângulo do joelho (ângulo entre a canela e a coxa no plano sagital); θ v o ângulo da canela (ângulo entre a canela e o eixo vertical no plano sagital); θ v a aceleração angular da canela; m a massa do complexo canela-pé; g a aceleração gravitacional; l a distância entre o joelho e o centro da massa do complexo canela-pé; B o coeficiente de atrito viscoso; M s o torque devido ao componente de rigidez; M a o torque ativo do joelho produzido pela estimulação elétrica; M g o torque devido à gravidade;m i o torque total inercial Define-se o momento de rigidez como: l M s = λe Eθ (θ ω), (23) sendo λ e E os coeficientes dos termos exponenciais e ω o ângulo elástico de repouso do joelho Em Ferrarin and Pedotti (2000), foi observado que o torque ao qual o músculo está sujeito (M a ) e a largura dos pulsos da estimulação elétrica (P) podem ser relacionados adequadamente pela função de transferência descrita em (24), sendo G e τ constantes positivas: H(s) = M a(s) P(s) = G 1 + sτ (24) Em Ferrarin and Pedotti (2000), os autores sugerem métodos para obtenção experimental dos parâmetros de interesse Nesse artigo foram adotados, os mesmos parâmetros adotados (Ferrarin and Pedotti, 2000): Considerando (22), (23) e (24), a equação resultante em variáveis de estado, demonstrada em Teixeira et al (2006b) e Teixeira et al (2006c), é dada por (4), com: A(α) = B = 0 0 G τ f 21 (x 1 ) B 1, J J τ T T, x = x1 x 2 x 3, C(α) = 1 0 0, u = P N (25) sendo por definição, x 1 = θ v = θ v θ v0, x 2 = θ v = x 1, x 3 = M a = M a M a0 A função f 21 (x 1 ) é uma não-linearidade do sistema e pode ser escrita como: f 21 (x 1 ) = 1 Jx 1 mglsen(x 1 + θ v0 ) λe E(x1+θv0+ π 2) ( x 1 + θ v0 + π 2 ω) + M a0 M a0 = mglsen(θ v0 ) +λe E(θv0+ π 2) ( θ v0 + π 2 ω) (26) Expandindo a equação (26) em série de Taylor, consegue-se eliminar o termo x 1 que está no denominador, evitando-se o problema de indeterminação em x 1 = 0 Utilizou-se uma série de Taylor com 11 termos É possível obter uma representação mais exata caso seja necessário, aumentando-se a ordem da série de Taylor 5 Controle do Ângulo da Articulação do Joelho de um Paciente Paraplégico Tomando como variável de saída o ângulo de articulação do joelho e considerando que esse ângulo varia entre 60 e 60, o sistema (25) pode ser representado na forma (1), sendo: A p (α) = α 1 A p1 + α 2 A p2, C p (α) = α 1 C p1 + α 2 C p2, A p1 = a 211 B 1 J J, τ A p2 = a 212 B 1 J J, τ B p = G T 0 0 τ, Cp1 = C p2 = 1 0 0, 1704

6 Tabela 1: Valores numéricos dos parâmetros J = 0362Kgm 2 m = 437Kg l = 238cm B = 027Nms/rad λ = 41208Nm/rad E = 20241/rad ω = 2918rad τ = 0951s G = 42500Nm/s θ v0 = 60 M a0 = 876Nm α 1 0, α 2 0, α 1 + α 2 = 1, sendo a 211 e a 212 os valores máximo e mínimo de f 21 (x 1 ), respectivamente Para θ 0 = 60, 60 x 1 60 e os parâmetros dados na Tabela 1, as matrizes A p1, A p2 e B são: A p1 = A p2 = B p = T,, Como CB = 0, não é possível obter um sistema ERP com compensadores estáticos Assim, será utilizado um compensador dinâmico de ordem m = 1 O primeiro passo foi determinar uma matriz F de maneira que o sistema realimentado {A p (α) B p FC p,b p,c p } seja estável, para qualquer α admissível Com o auxílio do lugar das raízes, a matriz F obtida foi a seguinte: F = (27) Os autovalores de (A p1 B p FC p ) são p 1 = j00330, p 2 = j00330 e p 3 = 11884, e os autovalores de (A p2 B p FC p ) são p 1 = j53925, p 2 = j53925 e p 3 = Nesse exemplo, foi adotado G c (s) = 1/s Assim, a representação do compensador em espaço de estados é dada por (5), sendo: A c = 0, B c = 1, C c = 1 (28) Desta forma, o sistema da Fig 2, com a planta G p (s) dada em (1), a matriz F dada em (27) e o compensador G c (s) dado em (28) é descrito em (7), com: 0 A 1 = , A 2 = B = T,, C 1 = C 2 = O segundo passo foi a determinação de uma matriz K o que torna ERP o sistema da Fig 4 Foi adicionada, também, uma restrição no sinal de entrada u(t) Utilizando o Matlab, a matriz K o obtida foi: K o = Adicionando-se a restrição na entrada µ 0 = 10, o valor de K 0 é alterado, assim como os autovalores de A BK o C Observação 6 Como o Matlab não resolve diretamente as LMEs, as mesmas foram aproximadas Como exemplo, a LME (12) foi aproximada para: B T P i C i < λ, que, de acordo com o complemento de Schur, equivale a: λ 2 I B T P i C i P i B Ci T > 0 I Neste caso, foi utilizado λ = 10 5 De fato, os autovalores de (A 1 BK o C), com a matriz K o acima são: p 1 = 92249, p 2 = j00627, p 3 = j00627 e p 4 = Os autovalores de (A 2 BK o C), com a matriz K o acima são: p 1 = j53919, p 2 = j53919, p 3 = e p 4 = Na Figura 6 é mostrada a resposta transitória da simulação do compensador dinâmico aplicado à dinâmica do paciente paraplégico 6 Conclusões É apresentada uma proposta de controladores ERP, baseados em LMIs, que consideram estabilidade, taxa de decaimento e restrição no sinal de entrada, para variar o ângulo da articulação do joelho de pacientes paraplégicos com uso a eletroestimulação aplicado ao músculo quadríceps O projeto utiliza um compensador dinâmico de ordem m, sendo m o número de variáveis de entrada da planta, e uma matriz constante de realimentação da saída Simulações digitais comprovam a validade do método proposto, no controle não-linear da posição da articulação do joelho com compensadores dinâmicos ERP proposto A partir do sistema ERP, pode ser implementado um sistema de controle com estrutura variável, considerando, por exemplo, distúrbios adicionados à entrada 1705

7 θv(rad) Ma(Nm) Posição Torque tempo(s) un(s) θv(rad/s) x 10 4 Lar de Pulso Velocidade Angular tempo(s) Figura 6: Simulação das equações dinâmicas do modelo do paraplégico para o ponto de operação de 60 Agradecimentos Os autores agradecem o apoio financeiro da FA- PESP, CNPq e CAPES Referências Anderson, B D O (1968) A simplified viewpoint of hyperstability, IEEE Transactions on Automatic Control 13: Bernussou, J, Geromel, J C and de Oliveira, M C (1999) On strict positive real systems design: Guaranteed cost and robustness issues, Systems & Control Letters 36: Boyd, S, Ghaoui, L, Feron, E and Balakrishnan, V (1994) Linear Matrix Inequalities in Systems and Control Theory, Society for Industrial and Applied Mathematics, Philadelphia Covacic, M R (2001) Controle Automático com Estrutura Variável Utilizando Sistemas ERP e LMI, Dissertação de mestrado, FEIS- UNESP, Ilha Solteira-SP, Brasil Covacic, M R, Teixeira, M C M, Assunção, E and Cardim, R (2008) Síntese de sistemas erp com compensadores dinâmicos, Anais do XVII Congresso Brasileiro de Automática, Juiz de Fora-MG, pp 1 6 Cunha, J P V S, Hsu, L, Costa, R R and Lizarralde, F (2003) Output-feedback modelreference sliding mode control of uncertain multivariable systems, IEEE Transactions on Automatic Control 48(12): de Oliveira, M C, Farias, D P and Geromel, J C (1997) LMISol, User s Guide, UNI- CAMP, Campinas-SP, Brasil DeCarlo, R A, Żak, S H and Mathews, G P (1988) Variable structure control of multivariable systems: a tutorial, Proceedings of IEEE 76(3): Ferrarin, M and Pedotti, A (2000) The relationship between electrical stimulus and joint torque: A dynamic model, IEEE Transactions on Rehabilitation Engineering 8(3): Gahinet, P, Nemirovski, A, Laub, A J and Chilali, M (1995) LMI Control Toolbox - For Use with Matlab, The Math Works, Inc Gaino, R, Teixeira, M C M, Carvalho, A A, Assunção, E and Silva, T I (2007) Reguladores e observadores fuzzy Takagi-Sugeno para variar o Ângulo da articulação do joelho de um paciente paraplégico, Anais do VIII Simpósio Brasileiro de Automação Inteligente, Florianópolis-SC, pp 1 6 Hsu, L, Araújo, A and Costa, R R (1994) Analysis and design of I/O based variablestructure adaptive-control, IEEE Transaction on Automatic Control 39(1): 4 21 Huang, C H, Ioannou, P A, Maroulas, J and Safonov, M G (1999) Design of strictly positive real systems using constant output feedback, IEEE Transactions on Automatic Control 44(3): Kaufman, H, Bar-Kana, I and Sobel, K (1994) Direct Adaptive Control Algorithms: Theory and Applications, Communications and Control Engineering Series, Springer Verlag, Berlin, Heidelberg Landau, I (1979) Adaptive Control - The Model Reference Approach, Marcel Dekker, New York, NY, USA Owens, D H, Pratzel-Wolters, D and Ilchmann, A (1987) Positive-real structure and high-gain adaptive stabilization, IMA Journal of Mathematical Control & Information 4(2): Riener, R and Fuhr, T (1998) Patient-driven control of FES-supported standing up: a simulation study, IEEE Transactions on Rehabilitation Engineering 6(2): Steinberg, A and Corless, M (1985) Output feedback stabilization of uncertain dynamical systems, IEEE Transactions on Automatic Control 30(10): Taniguchi, T, Tanaka, K, Ohatake, H and Wang, H O (2001) Model construction, rule reduction, and robust compensation for 1706

8 generalized form of Takagi-Sugeno fuzzy systems, IEEE Transactions on Fuzzy Systems 9(4): Teixeira, M C M (1989) Sistemas Reais Positivos e Controle Adaptativo, Tese de doutorado, PUC-RJ, Rio de Janeiro-RJ, Brasil Teixeira, M C M (1990) Condições para tornar um sistema estritamente real positivo e aplicação no controle com EVMD utilizando somente as saídas da planta, 8 o CBA, pp Teixeira, M C M (1993) Output control with dynamical compensators and strictly positive real systems, International Journal of Control 57(5): Teixeira, M C M, Assunção, E, Covacic, M R and Lordelo, A D S (2002) Síntese de sistemas incertos ERP baseada em LMI e controle com estrutura variável, 14 o Congresso Brasileiro de Automática, pp Teixeira, M C M, Covacic, M R and Assunção, E (2006a) Design of SPR systems with dynamic compensators and output variable structure control, Proceedings of the 2006 International Workshop on Variable Structure Systems, Alghero, Itália, pp Teixeira, M C M, Covacic, M R, Assunção, E and Lordelo, A D S (2002) Design of SPR Systems and Output Variable Structure Controllers Based on LMI, World Scientific Publishing Co Pte Ltd, Singapore, pp Teixeira, M C M, Deaecto, G S, Gaino, R, Assunção, E, Carvalho, A A and Farias, U C (2006b) Projeto de um controlador fuzzy Takagi-Sugeno para variar o Ângulo da articulação do joelho, Anais do XVI Congresso Brasileiro de Automática, Salvador-BA, pp 1 6 Teixeira, M C M, Deaecto, G S, Gaino, R, Assunção, E, Carvalho, A A and Farias, U C (2006c) Desing of a fuzzy Takagi-Sugeno controller to vary the joint knee angle of paraplegic patients, Lecture Notes Science Springer Berlin/Heidelberg 4234(2): Teixeira, M C M, Lordelo, A D S and Assunção, E (2000) On LMI Based Design of SPR Systems and Output Variable Structure Controllers, World Scientific Publishing Co Pte Ltd, Singapore, pp Teixeira, M C M, Pietrobom, H C and Assunção, E (2000) Novos resultados sobre a estabilidade e controle de sistemas Não- Lineares utilizando modelos fuzzy e LMI, Revista Controle & Automação 11(1): Teixeira, M C M and Żak, S H (1999) Stabilizing controller design for uncertain nonlinear systems using fuzzy models, IEEE Transactions on Fuzzy Systems 7(2): Xiang, J, Su, H and Chu, J (2005) Robust sliding mode output feedback control design using ilmi approach, Proceedings of 2005 American Control Conference, Portland, OR, USA, pp

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014 SISTEMAS ERP COM FUNÇÕES DE LYAPUNOV VARIANTES NO TEMPO, COM APLICAÇÃO EM ELETROESTIMULAÇÃO Márcio Roberto Covacic, Ruberlei Gaino Departamento de Engenharia Elétrica-Centro de Tecnologia e Urbanismo Universidade

Leia mais

CONTROLE NÃO-LINEAR FUZZY TAKAGI-SUGENO DO MOVIMENTO DE PARAPLÉGICOS UTILIZANDO ACELERÔMETROS

CONTROLE NÃO-LINEAR FUZZY TAKAGI-SUGENO DO MOVIMENTO DE PARAPLÉGICOS UTILIZANDO ACELERÔMETROS º Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica ISBN: 978-85-60064-3-7 CONTROLE NÃO-LINEAR FUZZY TAKAGI-SUGENO DO MOVIMENTO DE PARAPLÉGICOS UTILIZANDO ACELERÔMETROS Ruberlei Gaino* Marcelo Carvalho Minhoto

Leia mais

ANÁLISE DE ESTABILIDADE DE SISTEMAS FUZZY USANDO FUNÇÕES DE LYAPUNOV FUZZY

ANÁLISE DE ESTABILIDADE DE SISTEMAS FUZZY USANDO FUNÇÕES DE LYAPUNOV FUZZY ANÁLISE DE ESTABILIDADE DE SISTEMAS FUZZY USANDO FUNÇÕES DE LYAPUNOV FUZZY Flávio A. Faria 1, Geraldo N. Silva 1, Vilma A. de Oliveira 2 1 Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas, UNESP - Univ

Leia mais

FLÁVIO LUIZ ROSSINI PROJETO DE CONTROLADOR ROBUSTO APLICADO À CADEIRA DE RODAS MÓVEIS VIA ABORDAGEM POR LMIS

FLÁVIO LUIZ ROSSINI PROJETO DE CONTROLADOR ROBUSTO APLICADO À CADEIRA DE RODAS MÓVEIS VIA ABORDAGEM POR LMIS FLÁVIO LUIZ ROSSINI PROJETO DE CONTROLADOR ROBUSTO APLICADO À CADEIRA DE RODAS MÓVEIS VIA ABORDAGEM POR LMIS Londrina 2013 FLÁVIO LUIZ ROSSINI PROJETO DE CONTROLADOR ROBUSTO APLICADO À CADEIRA DE RODAS

Leia mais

CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES CHAVEADOS UTILIZANDO REALIMENTAÇÃO ESTÁTICA DA SAÍDA E FUNÇÕES DE LYAPUNOV-METZLER

CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES CHAVEADOS UTILIZANDO REALIMENTAÇÃO ESTÁTICA DA SAÍDA E FUNÇÕES DE LYAPUNOV-METZLER CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES CHAVEADOS UTILIZANDO REALIMENTAÇÃO ESTÁTICA DA SAÍDA E FUNÇÕES DE LYAPUNOV-METZLER E. I. Mainardi Júnior, M. C. M. Teixeira, R. Cardim, E. Assunção, Diogo R. de Oliveira,

Leia mais

IMPLEMENTAÇÕES DE CONTROLADORES ROBUSTOS, COM RESTRIÇÕES DE TAXA DE DECAIMENTO E OTIMIZADOS EM SISTEMAS SUJEITOS A FALHAS

IMPLEMENTAÇÕES DE CONTROLADORES ROBUSTOS, COM RESTRIÇÕES DE TAXA DE DECAIMENTO E OTIMIZADOS EM SISTEMAS SUJEITOS A FALHAS IMPLEMENTAÇÕES DE CONTROLADORES ROBUSTOS, COM RESTRIÇÕES DE TAXA DE DECAIMENTO E OTIMIZADOS EM SISTEMAS SUJEITOS A FALHAS Luiz Francisco S Buzachero 1, Edvaldo Assunção 1, Marcelo C M Teixeira 1,FlávioAFaria

Leia mais

Artigo Original. Derivative feedback and Takagi-Sugeno fuzzy model for knee joint angle control of paraplegic patients using accelerometers

Artigo Original. Derivative feedback and Takagi-Sugeno fuzzy model for knee joint angle control of paraplegic patients using accelerometers Volume 7, Número, p. 67-78, Artigo Original DOI:.43/rbeb..6 Realimentação derivativa e modelo fuzzy Takagi-Sugeno para controle da articulação do joelho de pacientes paraplégicos com o uso de acelerômetros

Leia mais

Controle Robusto H. 1. O problema de controle H. 2. Controle ótimo H por LMIs. 3. Patologia no controle H : altos ganhos. 3. Controle Misto H 2 /H

Controle Robusto H. 1. O problema de controle H. 2. Controle ótimo H por LMIs. 3. Patologia no controle H : altos ganhos. 3. Controle Misto H 2 /H Controle Robusto H 1. O problema de controle H 2. Controle ótimo H por LMIs 3. Patologia no controle H : altos ganhos 3. Controle Misto H 2 /H pag.1 Introdução ao Controle Robusto Aula 11 Controle H e

Leia mais

CONTROLE ROBUSTO DE VEÍCULO SOBRE PLATAFORMA COM RODAS E TRAÇÃO DIFE- RENCIAL UTILIZANDO LMIS

CONTROLE ROBUSTO DE VEÍCULO SOBRE PLATAFORMA COM RODAS E TRAÇÃO DIFE- RENCIAL UTILIZANDO LMIS CONTROLE ROBUSTO DE VEÍCULO SOBRE PLATAFORMA COM RODAS E TRAÇÃO DIFE- RENCIAL UTILIZANDO LMIS NILSON MOUTINHO DOS SANTOS 1, FLAVIO LUIZ ROSSINI 2, MARCIO ROBERTO COVACIC 3 E RUBERLEI GAINO 3. 1. Engenharia

Leia mais

SÍNTESE DE SISTEMAS ESTRITAMENTE REAIS POSITIVOS ATRAVÉS DO CRITÉRIO DE ROUTH-HURWITZ

SÍNTESE DE SISTEMAS ESTRITAMENTE REAIS POSITIVOS ATRAVÉS DO CRITÉRIO DE ROUTH-HURWITZ SÍNTESE DE SISTEMAS ESTRITAMENTE REAIS POSITIVOS ATRAVÉS DO CRITÉRIO DE ROUTH-HURWITZ Márcio Roberto Covacic marciocovacic@uel.br Edvaldo Assunção edvaldo@dee.feis.unesp.br Marcelo Carvalho Minhoto Teixeira

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO PRÁTICA DA D-ESTABILIDADE ROBUSTA VIA REALIMENTAÇÃO DERIVATIVA EM UM SISTEMA DE SUSPENSÃO ATIVA

IMPLEMENTAÇÃO PRÁTICA DA D-ESTABILIDADE ROBUSTA VIA REALIMENTAÇÃO DERIVATIVA EM UM SISTEMA DE SUSPENSÃO ATIVA IMPLEMENTAÇÃO PRÁTICA DA D-ESTABILIDADE ROBUSTA VIA REALIMENTAÇÃO DERIVATIVA EM UM SISTEMA DE SUSPENSÃO ATIVA Emerson R. P. da Silva, Heloise A. Fazzolari, Pedro C. de Oliveira, Edvaldo Assunção, Marcelo

Leia mais

Emails: jean@dee.feis.unesp.br, andrelexandre@bol.com.br, jpaulo@dee.feis.unesp.br, lizetega@mat.feis.unesp.br, giapolinario@yahoo.com.

Emails: jean@dee.feis.unesp.br, andrelexandre@bol.com.br, jpaulo@dee.feis.unesp.br, lizetega@mat.feis.unesp.br, giapolinario@yahoo.com. 18 a 21 de setembro de 211 CONTROLE EXPERIMENTAL DO PÊNDULO INVERTIDO CONSIDERANDO ATRASO COMPUTACIONAL Jean M. S. Ribeiro, André Luiz A. de Paula, José Paulo F. Garcia, Lizete Maria C. F. Garcia, Gisele

Leia mais

CONDIÇÕES CONVEXAS NECESSÁRIAS E SUFICIENTES PARA A ESTABILIZABILIDADE QUADRÁTICA DE SISTEMAS NEBULOSOS DE TAKAGI-SUGENO

CONDIÇÕES CONVEXAS NECESSÁRIAS E SUFICIENTES PARA A ESTABILIZABILIDADE QUADRÁTICA DE SISTEMAS NEBULOSOS DE TAKAGI-SUGENO CONDIÇÕES CONVEXAS NECESSÁRIAS E SUFICIENTES PARA A ESTABILIZABILIDADE QUADRÁTICA DE SISTEMAS NEBULOSOS DE TAKAGI-SUGENO Vinícius F. Montagner, Ricardo C. L. F. Oliveira, Pedro L. D. Peres Grupo de Eletrônica

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Retroação de estados: Projeto por alocação de pólos. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Retroação de estados: Projeto por alocação de pólos. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Retroação de estados: Projeto por alocação de pólos cassiano@ieee.org 1 Projeto por alocação de pólos Na abordagem convencional, usando por exemplo o método do lugar das

Leia mais

395480 Controle Robusto Tema: Análise e Controle via LMIs

395480 Controle Robusto Tema: Análise e Controle via LMIs 395480 Controle Robusto Tema: Análise e Controle via LMIs Sistemas Fuzzy Takagi Sugeno Prof. Eduardo Stockler Tognetti Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Eletrônicos e de Automação (PGEA)

Leia mais

SÍNTESE H PARA SISTEMAS COM RESTRIÇÕES ALGÉBRICAS NO ESTADO

SÍNTESE H PARA SISTEMAS COM RESTRIÇÕES ALGÉBRICAS NO ESTADO SÍNTESE H PARA SISTEMAS COM RESTRIÇÕES ALGÉBRICAS NO ESTADO K. A. Barbosa karinab@das.ufsc.br A. Trofino trofino@das.ufsc.br Depto. de Automação e Sistemas, Universidade Federal de Santa Catarina, 884-9

Leia mais

ROBUST, FRAGILE OR OPTIMAL? REVISITADO: UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A FRAGILIDADE DE CONTROLADORES. Marcos V. Moreira, João C.

ROBUST, FRAGILE OR OPTIMAL? REVISITADO: UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A FRAGILIDADE DE CONTROLADORES. Marcos V. Moreira, João C. ROBUST, FRAGILE OR OPTIMAL? REVISITADO: UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A FRAGILIDADE DE CONTROLADORES Marcos V. Moreira, João C. Basilio, Universidade Federal do Rio de Janeiro COPPE - Programa

Leia mais

METODOLOGIA PARA RASTREAMENTO COM MODIFICAÇÃO DOS ZEROS E REJEIÇÃO DE DISTÚRBIO APLICADA A SISTEMAS INCERTOS

METODOLOGIA PARA RASTREAMENTO COM MODIFICAÇÃO DOS ZEROS E REJEIÇÃO DE DISTÚRBIO APLICADA A SISTEMAS INCERTOS METODOLOGIA PARA RASTREAMENTO COM MODIFICAÇÃO DOS ZEROS E REJEIÇÃO DE DISTÚRBIO APLICADA A SISTEMAS INCERTOS Edvaldo Assunção edvaldo@dee.feis.unesp.br Marcelo Carvalho Minhoto Teixeira marcelo@dee.feis.unesp.br

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO

IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO Vlademir Aparecido Freire Junior vlad_freire@hotmail.com Alessandro do Nascimento Vargas avargas@utfpr.edu.br Cristiano Marcos

Leia mais

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014 REALIMENTAÇÃO DE ESTADO H 2 E H DE SISTEMAS MARKOVIANOS A TEMPO CONTÍNUO COM TAXAS DE TRANSIÇÃO INCERTAS Caetano B. Cardeliquio, André R. Fioravanti, Alim P. C. Gonçalves Av. Albert Einstein - 400 FEEC/UNICAMP,

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

COMPARANDO DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE CONTROLE PARA SISTEMAS NÃO LINEARES INCERTOS BASEADAS EM ESCALONAMENTO DE GANHOS

COMPARANDO DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE CONTROLE PARA SISTEMAS NÃO LINEARES INCERTOS BASEADAS EM ESCALONAMENTO DE GANHOS COMPARANDO DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE CONTROLE PARA SISTEMAS NÃO LINEARES INCERTOS BASEADAS EM ESCALONAMENTO DE GANHOS Mateus Paresqui Berruezo, Leonardo A B Tôrres, Reinaldo Martinez Palhares Programa

Leia mais

Departamento de Engenharia Eletrônica. Universidade Federal de Minas Gerais

Departamento de Engenharia Eletrônica. Universidade Federal de Minas Gerais CÁLCULO EXATO DOS CUSTOS H 2 E H ARA SISTEMAS COM INCERTEZAS OLITÓICAS Eduardo N. Goncalves, Reinaldo M. alhares, Ricardo H. C. Takahashi, Renato C. Mesquita Departamento de Engenharia Elétrica Centro

Leia mais

Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático

Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático Trabalho apresentado no CMAC-Sul, Curitiba-PR, 2014. Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático Claudio da S. dos Santos, Sandra E. B. Viecelli, Antonio C. Valdiero,

Leia mais

ESQUEMA PARA COMUNICAÇÃO COM SEGURANÇA BASEADO EM SINCRONIZAÇÃO ADAPTATIVA DE SISTEMAS CAÓTICOS UNIFICADOS

ESQUEMA PARA COMUNICAÇÃO COM SEGURANÇA BASEADO EM SINCRONIZAÇÃO ADAPTATIVA DE SISTEMAS CAÓTICOS UNIFICADOS ESQUEMA PARA COMUNICAÇÃO COM SEGURANÇA BASEADO EM SINCRONIZAÇÃO ADAPTATIVA DE SISTEMAS CAÓTICOS UNIFICADOS JOSÉ A. R. VARGAS 1, FÁBIO T. VITAL 2 1,2 Universidade de Brasília Departamento de Engenharia

Leia mais

Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle

Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle Espaço de Estados (CP1 www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 1 / 69 Roteiro 1 Modelo Não-Linear Modelo

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE II

SISTEMAS DE CONTROLE II SISTEMAS DE CONTROLE II - Algumas situações com desempenho problemático 1) Resposta muito oscilatória 2) Resposta muito lenta 3) Resposta com erro em regime permanente 4) Resposta pouco robusta a perturbações

Leia mais

RASTREAMENTO GLOBAL E EXATO DE SISTEMAS INCERTOS UTILIZANDO UM DIFERENCIADOR EXATO NÃO-HOMOGÊNEO

RASTREAMENTO GLOBAL E EXATO DE SISTEMAS INCERTOS UTILIZANDO UM DIFERENCIADOR EXATO NÃO-HOMOGÊNEO RASTREAMENTO GLOBAL E EXATO DE SISTEMAS INCERTOS UTILIZANDO UM DIFERENCIADOR EXATO NÃO-HOMOGÊNEO Paulo Victor N M Vidal, Andrei Battistel, Eduardo V L Nunes Dept de Eng Eletrônica e de Computação, Universidade

Leia mais

ESTUDO DA FOLGA PRESENTE NA TRANSMISSÃO MECÂNICA DE ROBÔS COM ACIONAMENTO ELÉTRICO 1

ESTUDO DA FOLGA PRESENTE NA TRANSMISSÃO MECÂNICA DE ROBÔS COM ACIONAMENTO ELÉTRICO 1 ESTUDO DA FOLGA PRESENTE NA TRANSMISSÃO MECÂNICA DE ROBÔS COM ACIONAMENTO ELÉTRICO 1 Angelo Fernando Fiori 2, Ismael Barbieri Garlet 3, Antonio Carlos Valdiero 4, Luiz Antonio Rasia 5, Leonardo Bortolon

Leia mais

SÍNTESE DE CONTROLADOR VIA LMIs E IMPLEMENTAÇÃO EM UM PÊNDULO INVERTIDO MODELO LINEAR DA QUANSER R

SÍNTESE DE CONTROLADOR VIA LMIs E IMPLEMENTAÇÃO EM UM PÊNDULO INVERTIDO MODELO LINEAR DA QUANSER R SÍNTESE DE CONTROLADOR VIA LMIs E IMPLEMENTAÇÃO EM UM PÊNDULO INVERTIDO MODELO LINEAR DA QUANSER R Emerson R. P. da Silva, Edvaldo Assunção, Marcelo C. M. Teixeira e Luiz Francisco S. Buzachero Faculdade

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL

ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL Aluno: João Henrique Carneiro Orientador: Carlos Frederico Palmeira Introdução Foi feito um estudo sobre dinâmica populacional a fim de buscar

Leia mais

Takagi-Sugeno fuzzy model for knee joint angle control of paraplegic patients

Takagi-Sugeno fuzzy model for knee joint angle control of paraplegic patients DOI: 10.5433/1679-0375.2012v33n2p215 Modelo Fuzzy Takagi-Sugeno para controle do ângulo de articulação do joelho de pacientes paraplégicos Takagi-Sugeno fuzzy model for knee joint angle control of paraplegic

Leia mais

SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA

SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA Zacarias Martin Chamberlain Pravia Professor - Faculdade de Engenharia e Arquitetura - Universidade de Passo Fundo/UFP zacarias@upf.br

Leia mais

Centro de Tecnologia e Urbanismo Departamento de Engenharia Elétrica. Nilson Moutinho dos Santos

Centro de Tecnologia e Urbanismo Departamento de Engenharia Elétrica. Nilson Moutinho dos Santos Centro de Tecnologia e Urbanismo Departamento de Engenharia Elétrica Nilson Moutinho dos Santos Projeto de Controladores Robustos em Modelos Não-lineares Utilizados em Engenharia Biomédica: Pacientes Paraplégicos

Leia mais

CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES SUJEITOS A SALTOS MARKOVIANOS APLICADO EM VEÍCULOS AUTÔNOMOS

CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES SUJEITOS A SALTOS MARKOVIANOS APLICADO EM VEÍCULOS AUTÔNOMOS CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES SUJEITOS A SALTOS MARKOVIANOS APLICADO EM VEÍCULOS AUTÔNOMOS Uma abordagem prática Apresentação preliminar Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos

Leia mais

Modelos Variáveis de Estado

Modelos Variáveis de Estado Modelos Variáveis de Estado Introdução; Variáveis de Estados de Sistemas Dinâmicos; Equação Diferencial de Estado; Função de Transferência a partir das Equações de Estados; Resposta no Domínio do Tempo

Leia mais

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS JOSÉ C. GEROMEL DSCE / Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP, CP 6101, 13083-970, Campinas, SP, Brasil, geromel@dsce.fee.unicamp.br Campinas, Janeiro de 2007

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno cassiano@ieee.org 1 Objetivos da aula Projeto de um controlador PID para o controle da tensão de saída de um inversor

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas Conceitos básicos As propriedades de matrizes apresentadas no material podem ser encontradas em vários livros como [Gan59], [Bel97], [HJ85], [HJ91]; em livros de sistemas lineares

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO

PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO JOSÉ C. GEROMEL e RUBENS H. KOROGUI DSCE / Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP, CP 6101, 13083-970, Campinas, SP, Brasil, geromel@dsce.fee.unicamp.br

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM TOOLBOX DE CONTROLE PREDITIVO DO TIPO CONTROLE PREDITIVO POR MATRIZ DINÂMICA (DMC) NO SCILAB

ELABORAÇÃO DE UM TOOLBOX DE CONTROLE PREDITIVO DO TIPO CONTROLE PREDITIVO POR MATRIZ DINÂMICA (DMC) NO SCILAB ELABORAÇÃO DE UM TOOLBOX DE CONTROLE PREDITIVO DO TIPO CONTROLE PREDITIVO POR MATRIZ DINÂMICA (DMC) NO SCILAB Mardoqueu de Oliveira Neto mardoqueu6@hotmail.com Gustavo Maia de Almeida gmaia@ifes.edu.br

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

Sistemas de Controle em Rede

Sistemas de Controle em Rede Sistemas de Controle em Rede Análise, Projeto e Aplicação Prática José C. Geromel FEEC UNICAMP XX CBA 2014 Belo Horizonte, 20-24 de Setembro de 2014 1/53 Conteúdo 1 Introdução 2 Preliminares Planta Controle

Leia mais

Root Locus (Método do Lugar das Raízes)

Root Locus (Método do Lugar das Raízes) Root Locus (Método do Lugar das Raízes) Ambos a estabilidade e o comportamento da resposta transitória em um sistema de controle em malha fechada estão diretamente relacionadas com a localização das raízes

Leia mais

Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas

Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas Biomatemática 22 (2012), 61 76 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas Thiago F. Ferreira 1, Rosana S. M.

Leia mais

TRABALHO: CONTROLE DE UM SISTEMA PÊNDULO-CARRO

TRABALHO: CONTROLE DE UM SISTEMA PÊNDULO-CARRO TRABALHO: CONTROLE DE UM SISTEMA PÊNDULO-CARRO Professor: Tiago Dezuo 1 Objetivos Desenvolver técnicas de controle por variáveis de estado clássicas e ótimas, realizando comparações de desempenho entre

Leia mais

Apresentação MATLAB Simulink & Toolboxes

Apresentação MATLAB Simulink & Toolboxes Apresentação MATLAB Simulink & Toolboxes Tel: (011)816-3144 / Fax:(011)816-7864 Email: info.vendas@opencadd.com.br 24.08.1999. Programa da Apresentação MATLAB 5.3: conceitos Toolboxes Symbolic Math Toolbox;

Leia mais

Fatores de Impacto para alguns Periódicos Base JCR-2003 /ISI 1

Fatores de Impacto para alguns Periódicos Base JCR-2003 /ISI 1 Fatores de Impacto para alguns Periódicos Base JCR-2003 /ISI 1 O Journal Citation Reports (JCR) publica anualmente o índice conhecido por fator de impacto de um periódico para medir a freqüência com que

Leia mais

Conservação de Massa. A quantidade de fluido entrando no cubo pela face y z intervalo t

Conservação de Massa. A quantidade de fluido entrando no cubo pela face y z intervalo t Conservação de Massa Em um fluido real, massa deve ser conservada não podendo ser destruída nem criada. Se a massa se conserva, o que entrou e não saiu ficou acumulado. Matematicamente nós formulamos este

Leia mais

Modelo Matemático no Espaço de Estados de uma Caldeira de Vapor Aquatubular

Modelo Matemático no Espaço de Estados de uma Caldeira de Vapor Aquatubular Trabalho apresentado no XXXV CNMAC, Natal-RN, 2014. Modelo Matemático no Espaço de Estados de uma Caldeira de Vapor Aquatubular Aline F. Bianco, Vinícius dos R. A. Ferreira, Leandro R. Mattioli Departamento

Leia mais

Curso de Introdução ao SIMULINK

Curso de Introdução ao SIMULINK 4.3 - Modelando Sistemas Não Lineares O SIMULINK fornece uma variedade de blocos para a modelagem de sistemas não lineares. Esses blocos estão na biblioteca Nonlinear. O comportamento destes blocos não

Leia mais

Problemas sobre Sistemas Não Lineares

Problemas sobre Sistemas Não Lineares Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo em Espaço de Estados Problemas sobre Sistemas Não Lineares Organizada por J. Miranda Lemos 0 J. M. Lemos IST P. (Construção do

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 1 a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 2... a n1 x 1 + a

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA. Integradora II T.02 SOBRE A ANÁLISE DINÂMICA MIEM. Integradora II. Elaborado por Paulo Flores - 2015

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA. Integradora II T.02 SOBRE A ANÁLISE DINÂMICA MIEM. Integradora II. Elaborado por Paulo Flores - 2015 MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA Elaborado por Paulo Flores - 2015 Departamento de Engenharia Mecânica Campus de Azurém 4804-533 Guimarães - PT Tel: +351 253 510 220 Fax: +351 253 516 007 E-mail:

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTUDO DO COMPORTAMENTO DA LINHA D ÁGUA EM UMA SEÇÃO DE TRANSIÇÃO DE UM CANAL COM MOVIMENTO GRADUALMENTE VARIADO, EM FUNÇÃO DA DECLIVIDADE DOS TALUDES. Rejane

Leia mais

Projeto e simulação de um controlador digital para um sistema aeroestabilizador

Projeto e simulação de um controlador digital para um sistema aeroestabilizador JAN. FEV. MAR. l 007 l ANO XIII, Nº 48 l 61-65 INTEGRAÇÃO 61 Projeto e simulação de um controlador digital para um sistema aeroestabilizador ALEXANDRE BRINCALEPE CAMPO* Resumo l Neste trabalho é descrito

Leia mais

Estabilidade Linear e Exponencial de Semigrupos C 0 e

Estabilidade Linear e Exponencial de Semigrupos C 0 e ERMAC 2: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL - 3 de Novembro de 2, São João del-rei, MG; pg 232-236 232 Estabilidade Linear e Exponencial de Semigrupos C e Aplicações Francis F.

Leia mais

Engenharia de Controle

Engenharia de Controle Engenharia de Controle Prof. Fernando de Oliveira Souza Contato: Sala 2523 (BLOCO 1) e-mail: fosouza@cpdee.ufmg.br www.cpdee.ufmg.br/ fosouza Terças-feiras (20h55 às 22h35) e Sextas-feiras (19h00 às 20h40)

Leia mais

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio.

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio. 1 Disciplina de Sistemas de Controle Prof. Luciano Menegaldo e-mail: lmeneg@ime.eb.br home-page: http://lmeneg-aulas.tripod.com Aula 1 Introdução 1. Idéias gerais e exemplos de sistemas de controle - Assunto

Leia mais

Identificação da Dinâmica Inversa de sistemas Não-Lineares Através de Redes Neurais Artificiais

Identificação da Dinâmica Inversa de sistemas Não-Lineares Através de Redes Neurais Artificiais I SBAI - UNESP - Rio ClarojSP - Brasil Identificação da Dinâmica Inversa de sistemas Não-Lineares Através de Redes Neurais Artificiais Sérgio R. J. Oliveira e Edilberto P. Teixeira Universidade Federal

Leia mais

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl 1. Apresentação Com o uso do conceito do Interruptor PWM apresentado por Vorpérian [1,2], torna-se extremamente simples

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

MODELAGEM DO CONVERSOR CC-CC BUCK-BOOST VIA FUZZY TAKAGI-SUGENO: SISTEMA DE CONTROLE E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

MODELAGEM DO CONVERSOR CC-CC BUCK-BOOST VIA FUZZY TAKAGI-SUGENO: SISTEMA DE CONTROLE E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL MODELAGEM DO CONVERSOR CC-CC BUCK-BOOST VIA FUZZY TAKAGI-SUGENO: SISTEMA DE CONTROLE E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL CRISTIANO QUEVEDO ANDREA, EDSON ANTONIO BATISTA, LUCIANA CAMBRAIA LEITE, JOÃO ONOFRE PEREIRA

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 1: Introdução Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013 Antes de

Leia mais

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara Equações Diferenciais Ordinárias Modelagem de Sistemas Dinâmicos Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle

Leia mais

Palavras-chave: Modelo de Lotka-Volterra, Lagarta do Cartucho do milho, Controle Biológico.

Palavras-chave: Modelo de Lotka-Volterra, Lagarta do Cartucho do milho, Controle Biológico. ISSN 177-9139 MODELAGEM MATEMÁTICA APLICADA AO CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS EM LAVOURAS DE MILHOS. Jéssica C. S. Bueno E-mail: jessica_bsaldivia@hotmail.com Universidade Federal de Pelotas, Departamento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES. Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2.

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES. Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2. DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2. 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professor

Leia mais

Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos

Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos J. Franco M. Amaral, M. A. C. Pacheco, R. Tanscheit DEE-PUC-Rio, CP 38063, 22452-970 Rio de Janeiro, RJ e-mail: [jfranco, marco, ricardo]@ele.puc-rio.br

Leia mais

EA616 - Análise Linear de Sistemas Aula 28 - Estabilidade do Estado

EA616 - Análise Linear de Sistemas Aula 28 - Estabilidade do Estado Aula 28 EA616 - Análise Linear de Sistemas Aula 28 - Estabilidade do Estado Prof. Ricardo C.L.F. Oliveira Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Estadual de Campinas 2 o Semestre

Leia mais

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Camila M. V. Barros 1, Luciano S. Barros 2, Aislânia A. Araújo 1, Iguatemi E. Fonseca 2 1 Mestrado em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

através do reticulado hexagonal

através do reticulado hexagonal Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Construção de códigos esféricos através do reticulado hexagonal Carina Alves UFU - Faculdade de Matemática Campus Santa Mônica 38408-100, Uberlândia, MG E-mail: carina

Leia mais

Introdução e Motivação

Introdução e Motivação Introdução e Motivação 1 Análise de sistemas enfoque: sistemas dinâmicos; escopo: sistemas lineares; objetivo: representar, por meio de modelos matemáticos, fenômenos observados e sistemas de interesse;

Leia mais

Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello 1 O que são sistemas de controle Um sistema de controle é um conjunto de componentes organizados de forma a conseguir a resposta desejada

Leia mais

Curvas Padrões de Tratamento do HIV

Curvas Padrões de Tratamento do HIV Biomatemática 17 (2007), 55 64 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Curvas Padrões de Tratamento do HIV Rosana Motta Jafelice 1, Faculdade de Matemática, UFU, 38.408-100

Leia mais

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Fábio Levy Siqueira 1 and Paulo Sérgio Muniz Silva 2 1 Programa de Educação Continuada da Poli-USP, São Paulo, Brazil 2 Escola Politécnica

Leia mais

Ótimo de Pragas: Modelos Linearizados, Funcional Quadrático 1. Controle

Ótimo de Pragas: Modelos Linearizados, Funcional Quadrático 1. Controle TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 5, No. 1 2004, 145-154. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Controle Ótimo de Pragas: Modelos Linearizados, Funcional Quadrático

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

IN0997 - Redes Neurais

IN0997 - Redes Neurais IN0997 - Redes Neurais Aluizio Fausto Ribeiro Araújo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática - CIn Departamento de Sistemas da Computação aluizioa@cin.ufpe.br Conteúdo Objetivos Ementa

Leia mais

CONTROLE NEURO-FUZZY DE PROCESSO DE NÍVEL MULTIVARIÁVEL

CONTROLE NEURO-FUZZY DE PROCESSO DE NÍVEL MULTIVARIÁVEL CONTROLE NEURO-FUZZY DE PROCESSO DE NÍVEL MULTIVARIÁVEL ALFREDO A. FREITAS, ADOLFO BAUCHSPIESS Grupo de Robótica, Automação e Visão Computacional Departamento de Engenharia Elétrica - Universidade de Brasília

Leia mais

Análise da Influência do Parâmetro de Hurst na Avaliação de Desempenho de Filas P/M/1

Análise da Influência do Parâmetro de Hurst na Avaliação de Desempenho de Filas P/M/1 Análise da Influência do Parâmetro de Hurst na Avaliação de Desempenho de Filas P/M/1 Wiliam H. Hisatugu & Anilton S. Garcia Resumo O uso de sistemas de filas com Distribuição de Pareto é uma das formas

Leia mais

Função de Transferência de Malha Fechada

Função de Transferência de Malha Fechada Função de Transferência de Malha Fechada R(s) B(s) + - E(s) Controlador Gc(S) U(s) Sensor G(S) Planta C(s) C(s)=G(s)*U(s) H(S) C(s)=G(s)*Gc(s)*E(s) C(s)=G(s)*Gc(s)*[ R(s)-B(s) ] C(s)=G(s)*Gc(s)*[ R(s)-H(s)*C(s)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS Ilmar Ferreira Santos Rodrigo Fernandes de Carvalho UNICAMP - Faculdade de Engenharia Mecânica Departamento de Projeto

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA ALUNA LENAMIRIA CRUZ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA ALUNA LENAMIRIA CRUZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DISCIPLINA - FÍSICA EXPERIMENTAL ІІ CURSO ENGENHARIA DE ALIMENTOS DOCENTE CALHAU ALUNA LENAMIRIA CRUZ PRINCÍPIO DE PASCAL FEIRA DE SANTANA-BA,

Leia mais

PLATAFORMA VIRTUAL DO CONTROLE ORIENTADO DE CAMPO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO ENSINO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

PLATAFORMA VIRTUAL DO CONTROLE ORIENTADO DE CAMPO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO ENSINO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS PLATAFORMA VIRTUAL DO CONTROLE ORIENTADO DE CAMPO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO ENSINO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Gustavo H. Bazan gu.bazan@gmail.com Sérgio C. Mazucato Jr. sergiomazucato@gmail.com

Leia mais

PROJETO DE CONTROLADORES PARA SISTEMAS CHAVEADOS AFINS COM APLICAÇÃO EM UM CONVERSOR CC-CC BUCK

PROJETO DE CONTROLADORES PARA SISTEMAS CHAVEADOS AFINS COM APLICAÇÃO EM UM CONVERSOR CC-CC BUCK PROJETO DE ONTROADORES PARA SISTEMAS HAVEADOS AFINS OM APIAÇÃO EM UM ONVERSOR - BUK E. I. Mainardi Júnior, M.. M. Teixeira, R. ardim, E. Assunção, J. M. de Souza Ribeiro, A. A. arniato IF - Instituto Federal

Leia mais

Controle de Veículos Aéreos

Controle de Veículos Aéreos 12, 13 e 14/11/2014, Parnaíba-PI Controle de Veículos Aéreos Prof. Dr. Mário Sarcinelli Filho Universidade Federal do Espírito Santo UFES Bolsista de Produtividade em Pesquisa PQ-2 do CNPq Orientador de

Leia mais

Controle de um Pêndulo Invertido

Controle de um Pêndulo Invertido Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Engenharia Departamento de Eletrônica e Telecomunicações Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Disciplina: Sistemas Lineares Professor:

Leia mais

REDUÇÃO DE ORDEM NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA BASEADA NA MINIMIZAÇÃO DA NORMA DOS COEFICIENTES POLINOMIAIS DO ERRO

REDUÇÃO DE ORDEM NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA BASEADA NA MINIMIZAÇÃO DA NORMA DOS COEFICIENTES POLINOMIAIS DO ERRO REDUÇÃO DE ORDEM NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA BASEADA NA MINIMIZAÇÃO DA NORMA DOS COEFICIENTES POLINOMIAIS DO ERRO José M. Araújo jomario@cefetba.br Eduardo T. F. Santos eduardo.telmo@terra.com.br Alexandre

Leia mais

O Método de Pontos Interiores Aplicado ao Problema do Despacho Hidrotérmico

O Método de Pontos Interiores Aplicado ao Problema do Despacho Hidrotérmico O Método de Pontos Interiores Aplicado ao Problema do Despacho Hidrotérmico Mariana Kleina, Luiz Carlos Matioli, Programa de Pós Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia, UFPR Departamento de Matemática

Leia mais

de Bordas em Imagens Digitais

de Bordas em Imagens Digitais Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Avaliação Quantitativa de um Método Automático de Extração de Bordas em Imagens Digitais Inês A. Gasparotto Boaventura Departamento de Ciências de Computação e Estatística,

Leia mais

Controlo Em Espaço de Estados. Exame

Controlo Em Espaço de Estados. Exame Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo Em Espaço de Estados 4/5 Eame 9 de Junho de 5, 5h horas salas F, F Duração horas Não é permitida consulta nem uso de calculadoras

Leia mais

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ.

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ. Leis de Conservação Em um sistema isolado, se uma grandeza ou propriedade se mantém constante em um intervalo de tempo no qual ocorre um dado processo físico, diz-se que há conservação d a propriedade

Leia mais

Emails: paulo.pras@hotmail.com, anderson_vargas@uol.com.br, luiz_fernandoh@hotmail.com, phcoelho@uerj.br

Emails: paulo.pras@hotmail.com, anderson_vargas@uol.com.br, luiz_fernandoh@hotmail.com, phcoelho@uerj.br CONTROLE DE NÍVEL EM TANQUES ACOPLADOS USANDO SISTEMAS INTELIGENTES Paulo R. A. da Silva, Anderson V. de Souza, Luiz F. Henriques, Pedro H. G. Coelho Departamento de Engenharia Eletrônica e Telecomunicações,

Leia mais

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Estabilidade Carlos Alexandre Mello 1 Introdução Já vimos que existem três requisitos fundamentais para projetar um sistema de controle: Resposta Transiente Estabilidade Erros de Estado Estacionário Estabilidade

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas de Controle pelo Método do Lugar das Raízes

Análise e Projeto de Sistemas de Controle pelo Método do Lugar das Raízes Análise e Projeto de Sistemas de Controle pelo Método do Lugar das Raízes Saulo Dornellas Universidade Federal do Vale do São Francisco Juazeiro - BA Dornellas (UNIVASF) Juazeiro - BA 1 / 44 Análise do

Leia mais

AVALIAÇAO ESTRUTURAL DE PEÇAS DE TUBULAÇÃO TIPO Y, CONFORME O CÓDIGO ASME, SECTION VIII, DIVISION 2

AVALIAÇAO ESTRUTURAL DE PEÇAS DE TUBULAÇÃO TIPO Y, CONFORME O CÓDIGO ASME, SECTION VIII, DIVISION 2 V CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA V NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 25 a 28 de agosto de 2008 Salvador Bahia - Brasil August 25 28, 2008 - Salvador Bahia Brazil AVALIAÇAO ESTRUTURAL

Leia mais

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Formulação A programação linear lida com problemas nos quais uma função objectivo linear deve ser optimizada (maximizada ou minimizada)

Leia mais