Relatório sobre o curso Qualidade da água no cultivo de camarões marinhos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório sobre o curso Qualidade da água no cultivo de camarões marinhos"

Transcrição

1 Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias Departamento de Aquicultura Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International Development Agency University of Victoria, Canadá) Relatório sobre o curso Qualidade da água no cultivo de camarões marinhos (03 a 08 de outubro de 2011 na Escola Superior de Ciências Marinhas e Costeiras de Quelimane, Zambézia, Moçambique) Luis Alejandro Vinatea Arana, Dr. Outubro de

2 1. Introdução Com o patrocínio do Southern Oceans Education and Development Project (CIDA, University of Victoria, Canadá), foi celebrado um curso concentrado sobre qualidade da água no cultivo de camarões marinhos na Escola Superior de Ciências Marinhas e Costeiras de Quelimane (Zambézia), ligada à Universidade Eduardo Mondlane, de 03 a 08 de outubro de O referido curso contou com a participação de quem subscreve, docente do Departamento de Aquicultura da Universidade Federal de Santa Catarina, e da acadêmica do curso de Engenharia de Aquicultura da mesma universidade, Scheila Anelise Pereira, em qualidade de monitora. 2. Deslocamento A viagem de Florianópolis a São Paulo foi realizada no dia sábado 01/10 às 14:45 h, e a mesma transcorreu dentro do esperado, sem nenhum atraso por parte da companhia aérea. Uma vez em São Paulo, a empresa South Africa Airways recomendou que o certificado de vacinação da febre amarela da Scheila fosse transformado para o modelo internacional, o qual pôde ser feito sem contratempos na ANVISA (Agencia Nacional de Vigilância Sanitária) do aeroporto de Guarulhos. A aeronave partiu pontualmente, sendo que no domingo 02/10, as 07:30 h, pousamos no aeroporto O. R. Tambo da cidade de Johanesburgo, na África do Sul, onde pegamos a conexão para Maputo, capital de Moçambique. Chegamos a Maputo por volta da 11:00 h, mas não pudemos embarcar para Quelimane no horário previsto, às 12:45 h, devido a que a aeronave da LAM se encontrava com cinco horas de atraso. Este intervalo foi aproveitado para conhecer um pouco mais a bela cidade de Maputo. Perto das 18:00 h partimos em companhia da Dra. Helena Gonçalves, técnica do INAQUA (Instituto Nacional de Desenvolvimento da Aquicultura), que se apresentou no aeroporto de Maputo manifestando que iria participar do curso. Chegamos a Quelimane após uma hora e meia de vôo, para então sermos recebidos pela Dra. Ana Cristina, quem nos levou até o hotel Flamingo, localizado no centro da cidade. 3. Aulas As aulas começaram na segunda feira 03 de outubro as 08:30 h, contando com a ajuda do Sr. Simão Zacarias, que também assistiu ao curso. Tivemos ao redor de 35 participantes, sendo a maioria deles alunos e docentes da própria Escola. Houve, também, a participação de membros do INAQUA e de técnicos das fazendas Aquapesca e Aquacquel. 3.1 Conteúdo O curso esteve composto por sete unidades, a saber: a água e o seu uso pelo homem; o camarão marinho (Biologia); a qualidade da água no cultivo de camarões; fatores físicos, químicos e biológicos; manejo do ambiente de cultivo; boas práticas de manejo; e, cultivos 2

3 super intensivos, além de uma breve aula sobre o sistema imune do camarão, ministrada pela monitora Scheila. 3.2 Dinâmica do curso O curso foi dividido em aulas teóricas e práticas. Nos dias 03, 05, 06 e 08 de outubro aconteceram as aulas teóricas, de manhã e de tarde; já na sexta feira 07 foi realizada a aula prática (o dia todo). Cabe mencionar que a terça feira 04 não houve aulas por ser feriado nacional (Dia da Paz). No período da manhã, as aulas começaram sempre às 08:30 h e terminaram as 12:30 h, reservando um breve período de 15 minutos a media manhã para o café. Depois do almoço, que aconteceu na própria Escola, às 14:00 h as aulas eram retomadas e iam até as 17:00 h, concedendo neste período também um intervalo de 15 minutos para o café. No inicio das aulas os participantes se mostraram muito tímidos e sem a manifestação de perguntas ou inquietudes referentes ao conteúdo ministrado. Entretanto, uma vez que a monitora Scheila começou a intervir no reforço de certos conceitos, os alunos ficaram desinibidos e as aulas se tornaram interativas, com um volumoso e desejável fluxo de informações docente discente (Figura 1). Figura 1. Dinâmica das aulas teóricas e participação dos alunos Nos intervalos, curiosamente, os alunos aproveitavam de tirar as suas dúvidas com a monitora, tal vez pela idade semelhante ou pela familiaridade com o português (a língua materna de quem subscreve é o espanhol). Foi observada grande dificuldade por parte dos alunos com todo o referente aos cálculos matemáticos e químicos. Durante os exercícios de transformação de unidades e 3

4 determinação da eficiência dos aeradores, a monitora desempenhou um papel fundamental no reforço destes conhecimentos. Devemos confessar que muitos dos artifícios matemáticos usados por ela, que facilitaram o entendimento, eram desconhecidos da maioria (inclusive do ministrante). A certa altura, a demanda pela explanação de certos conhecimentos básicos relativos à Biologia, Química e Matemáticas fez com que o desenvolvimento do conteúdo do curso ficasse comprometido. Foi necessário reformular os tópicos a fim de que o principal fosse transmitido. Pela falta de tempo, dois tópicos importantes não puderam ser atendidos: o vírus da mancha branca e aqüicultura sustentável. 3.3 Aula prática Conforme mencionado acima, a aula prática foi realizada na sexta feira 07 de outubro durante o dia todo (Figura 2). Os tanques de tilápia adjacentes à Escola foram utilizados como estudo de caso. Nestes foram verificadas a transparência da água, temperatura, ph, salinidade, alcalinidade relativa, respiração do fundo e da coluna de água, fotossíntese e concentração de clorofila a. Figura 2. Diferentes momentos da aula prática (campo e laboratório) Devido à falta de um aerador mecânico foi feita uma simulação em volume pequeno de água, sobre como seria uma teste in situ para determinar a Taxa Padrão de Transferência de Oxigênio (SOTR, Kg/L), usando se para tal fim dois reagentes químicos: metabisulfito de sódio (doado pela empresa Aquapesca) e cloreto de cobalto (doado pela UFSC). Na parte laboratorial foram determinadas a reatividade e o poder neutralizante do carbonato de sódio. Para o primeiro teste, peneiras de aço inox (adquiridas no Brasil com recursos do SOED) foram usadas e deixadas na Escola para futuros testes. Para a prova do 4

5 poder neutralizante do calcário foram usados equipamentos e reagentes existentes na própria Escola. Com relação à alcalinidade relativa, parâmetro fundamental da qualidade da água, foi usado um kit de análise da Alfa Tecnoquímica (Florianópolis, Brasil) adquirido também no Brasil com recursos do SOED. O mesmo ficou igualmente a disposição da Escola. No último dia (sábado 08 de outubro) os alunos receberam um certificado de participação e um CD com todo o conteúdo das aulas, incluso os dois capítulos que não conseguimos desenvolver pela falta de tempo. 4. Doação de equipamentos Deve ser mencionado que em esta oportunidade a UFSC dou três equipamentos, a saber: um oxímetro digital Hanna, um ph metro digital Hanna e uma salinómetro ótico (refratômetro) da marca Aquafauna. 5. Livros Com recursos do SOED, foram adquiridos no Brasil três livros em português e elevados para a Escola: Aquicultura, meio ambiente e legislação; Fisiologia de peixes aplicada à piscicultura; e Dinâmicas de desenvolvimento da piscicultura. 6. Visita técnica à localidade de Chilembene No domingo 09 de outubro, a convite da Dra. Helena Gonçalves, e com a colaboração da Dra. Isabel Omar, diretora do INAQUA, fizemos uma visita à localidade de Chilembene (Gaza), onde nos foi possível percorrer dois projetos de piscicultura: Centro de Conhecimento e Desenvolvimento Samora Machel e Vila de Milênio de Lionde. No primeiro centro fomos recebidos pelo Dr. Cláudio Bonga, técnico do INAQUA, quem nos mostrou os viveiros de cultivo de Oreochromis niloticus. Nesta visita foi possível atender várias dúvidas que os técnicos deste projeto tinham em relação à qualidade da água, qualidade da ração e a própria piscicultura. Em termos gerais, nos foi possível constatar que o manejo era adequado e que os parâmetros de qualidade da água dos tanques estavam dentro do normal (Figura 3). Já no segundo centro, a Vila de Milênio de Lionde, constatamos erros básicos em relação ao manejo da qualidade da água, a saber: proliferação de plantas aquáticas de fundo, transparência excessiva da água (com ausência quase total de fitoplâncton), entrada de predadores e uso inadequado do alimento artificial (Figura 4). Na ocasião, foram feitas umas quantas recomendações no intuito de tentar neutralizar os problemas mais urgentes, como a instalação de pesos nas hapas (para que não flutuassem), a fim de evitar o sobre aquecimento da água, a retirada da vegetação de fundo e a imediata fertilização da água com uréia e superfosfato. 5

6 Figura 3. Visita às instalações do Centro de Conhecimento e Desenvolvimento Samora Machel Figura 4. Visita a Vila de Milênio de Lionde. Nas fotos inferiores: transparência excessiva e uso de ração de má qualidade. 6

7 7. Recomendações Foi nos possível constatar a necessidade que a Escola Superior de Ciências Marinhas e Costeiras de Quelimane tem em relação a um curso de capacitação referente à Química Analítica (relativa aos principais parâmetros de qualidade da água) e manejo e manutenção de laboratórios, no qual estejam incluídos tópicos relativos à segurança pessoal, conservação de equipamentos e de reagentes químicos. Nesse sentido, a nossa recomendação é realizarmos um curso, principalmente prático, com duração de cinco dias, sobre estes tópicos. Na experiência de Chilemebele constatamos que há muita carência em relação a informações relativas á qualidade da água para piscicultura. Embora em 2010 tenha sido oferecido um curso de um dia e meio sobre Aquicultura e Meio Ambiente para os técnicos do INAQUA, o mesmo foi extremamente curto e sem a realização de aulas práticas, as quais são consideradas fundamentais para a sedimentação de conhecimentos. A nossa recomendação e realizarmos um curso teórico prático sobre qualidade da água em piscicultura de água doce, com duração de cinco dias e preferencialmente na cidade de Maputo, tentando captar a maior quantidade possível de técnicos e piscicultores da região. Por questões de tempo e economia de recursos, sugerimos que os próximos cursos de Quelimane e de Maputo aqui recomendados sejam feitos na seqüência. Uma boa data para a realização destes seria final de junho e inícios de julho, período em que a UFSC entra em recesso escolar, o que facilitaria a ausência prolongada do Brasil de quem subscreve. Prof. Dr. Luis Alejandro Vinatea Arana Departamento de Aquicultura Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil 7

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias - Departamento de Aquicultura Florianópolis - Santa Catarina - Brasil Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International

Leia mais

RELATÓRIO. Curso Aquicultura geral. Curso Metodologia da pesquisa científica em aquicultura

RELATÓRIO. Curso Aquicultura geral. Curso Metodologia da pesquisa científica em aquicultura Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias - Departamento de Aquicultura Florianópolis - Santa Catarina - Brasil Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International

Leia mais

Departamento de Tecnologia e Extensão RELATÓRIO DO CURSO SOBRE O CULTIVO DE TILÁPIA

Departamento de Tecnologia e Extensão RELATÓRIO DO CURSO SOBRE O CULTIVO DE TILÁPIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS PESCAS INSTITUTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA AQUACULTURA Departamento de Tecnologia e Extensão RELATÓRIO DO CURSO SOBRE O CULTIVO DE TILÁPIA Maputo, Outubro de

Leia mais

CURSO INTERNACIONAL SOBRE CULTIVO DE CAMARÕES PROJETO SOED SOUTHERN OCEAN EDUCATION AND DEVELOPMENT RELATÓRIO FINAL

CURSO INTERNACIONAL SOBRE CULTIVO DE CAMARÕES PROJETO SOED SOUTHERN OCEAN EDUCATION AND DEVELOPMENT RELATÓRIO FINAL CURSO INTERNACIONAL SOBRE CULTIVO DE CAMARÕES PROJETO SOED SOUTHERN OCEAN EDUCATION AND DEVELOPMENT RELATÓRIO FINAL Coord. : Prof. Edemar Roberto Andreatta - UFSC Francisco de Oliveira Neto - EPAGRI Florianópolis

Leia mais

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011)

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011) PROJETO SOED Relatório do primeiro ano de formação na UFSC Genyess R.A.S.Vieira (Março - Dezembro de 2011) Florianópolis, 2012 A cidade de Florianópolis, é a cidade capital do estado Santa Catarina, localizado

Leia mais

Relatório da deslocação ao Distrito de Angoche Província de Nampula- Angoche no âmbito do Projecto de aquacultura de camarão de pequena escala

Relatório da deslocação ao Distrito de Angoche Província de Nampula- Angoche no âmbito do Projecto de aquacultura de camarão de pequena escala REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS PESCAS INSTITUTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA AQUACULTURA Relatório da deslocação ao Distrito de Angoche Província de Nampula- Angoche no âmbito do Projecto de

Leia mais

PROJECTO SOED Relatório de Actividades no Canada Jan-Jul 2010. Por Edson José

PROJECTO SOED Relatório de Actividades no Canada Jan-Jul 2010. Por Edson José PROJECTO SOED Relatório de Actividades no Canada Jan-Jul 2010 Por Edson José Background Southern Oceans Education and Development (SOED) é um projecto financiado pela Agência Canadiana para o Desenvolvimento

Leia mais

Acompanhamento de um Projeto Didático

Acompanhamento de um Projeto Didático Acompanhamento de um Projeto Didático Carlos Eduardo de Brito Novaes carlos.novaes@usp.br Universidade de São Paulo, Escola Politécnica Av. Professor Luciano Gualberto, travessa 3, n 380 05508-010 São

Leia mais

Relatório sobre o XVII SNBU 2010 Observador Internacional Nicholas Cop, copn@bellsouth.net 21 setembro 2012

Relatório sobre o XVII SNBU 2010 Observador Internacional Nicholas Cop, copn@bellsouth.net 21 setembro 2012 Relatório sobre o XVII SNBU 2010 Observador Internacional Nicholas Cop, copn@bellsouth.net 21 setembro 2012 Tema: A Biblioteca Universitária como Laboratório na Sociedade da Informação. Eixos principais:

Leia mais

www.telecelula.com.br MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO, TERMO DE GARANTIA E SUPORTE Telecelula Magic LCD

www.telecelula.com.br MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO, TERMO DE GARANTIA E SUPORTE Telecelula Magic LCD www.telecelula.com.br MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO, TERMO DE GARANTIA E SUPORTE Telecelula Magic LCD INDÍCE MANUAL UTILIZAÇÃO MAGIC LCD 1. INTRODUÇÃO INSTALAÇÃO, GARANTIA... 3 1.1 COMO INSTALAR MAGIC

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE GERBER, Andrea Colman¹; RICORDI, Vanessa Gentil²; MILANI, Idel Cristiana Bigliardi³; NEBEL, Álvaro Luis Carvalho 4

Leia mais

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA Demanda do Governo do Estado Elaborar um PROGRAMA com oobjetivodeotimizar o uso dos recursos hídricos existentes

Leia mais

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP HTU UTH INFLUÊNCIA DAS FONTES DIFUSAS DE OLUIÇÃO HÍDRICA NO COMORTAMENTO DO H NAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DO RIO OCOÍ, TRIBUTÁRIO DO RESERVATÓRIO DE ITAIU BACIA DO ARANÁ III atrícia C. Cervelin, Victor Hugo

Leia mais

Caracterização dos sistemas solares térmicos instalados nas residências do programa Minha Casa Minha Vida no município de Teresina

Caracterização dos sistemas solares térmicos instalados nas residências do programa Minha Casa Minha Vida no município de Teresina Caracterização dos sistemas solares térmicos instalados nas residências do programa Minha Casa Minha Vida no município de Teresina Mateus de Melo Araujo (Aluno de ICV), Marcos Antonio Tavares Lira (Orientador,

Leia mais

Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN)

Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN) Instituto Superior Técnico Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN) Núcleo de Engenharia Biológica Em primeiro lugar, a direcção do NEB gostaria de deixar claro que a resposta de forma

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: LBE BIOTECNOLOGIA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: LBE BIOTECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO ENGENHARIA QUÍMICA E ALIMENTOS EQA 5611: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS PROFESSOR ORIENTADOR: JOSÉ CARLOS CUNHA

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Maputo, Maio de 2014 Regulamento do Conselho Pedagógico 2 REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Capítulo I Disposições

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

Como Passar em Química Geral*

Como Passar em Química Geral* 1 Como Passar em Química Geral* por Dra. Brenna E. Lorenz Division of Natural Sciences University of Guam * traduzido livremente por: Eder João Lenardão; acesse o original em : http://www.heptune.com/passchem.html

Leia mais

Relatório da Deslocação a Angoche no Âmbito do Projecto de Aquacultura de Pequena Escala

Relatório da Deslocação a Angoche no Âmbito do Projecto de Aquacultura de Pequena Escala REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS PESCAS INSTITUTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE AQUACULTURA INAQUA Relatório da Deslocação a Angoche no Âmbito do Projecto de Aquacultura de Pequena Escala Angoche,

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

JOGO ELETRÔNICO FACILITA APRENDIZADO DE GENÉTICA E BIOTECNOLOGIA NO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

JOGO ELETRÔNICO FACILITA APRENDIZADO DE GENÉTICA E BIOTECNOLOGIA NO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS JOGO ELETRÔNICO FACILITA APRENDIZADO DE GENÉTICA E BIOTECNOLOGIA NO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS ISSN: 1981-3031 RESUMO O estudo de genética e biotecnologia é um dos temas da Biologia que mais atrai o

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Alessandro Trazzi, Biólogo, Mestre em Engenharia Ambiental. Diretor de Meio Ambiente - CTA VI Seminário de Aqüicultura Interior, Cabo Frio Rio de Janeiro. Introdução

Leia mais

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO Autores : Josué Rubens Schmoeller¹, Cesar Ademar Hermes² Identificação autores: 1 Bolsista

Leia mais

CIRCULAR 2014 Imperatriz, 16 de Setembro. Supervisão Pedagógica

CIRCULAR 2014 Imperatriz, 16 de Setembro. Supervisão Pedagógica Será oportunizado um novo momento avaliativo no período de 23/09 a 26/10 (Recuperação 3º bimestre). A Sugerimos aos alunos que aproveitem o período de 22 a 26 de setembro para tirar as dúvidas nas aulas

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

Direcção do Registo Académico

Direcção do Registo Académico 1 Direcção do Registo Académico EDITAL MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES PARA OS NOVOS INGRESSOS ANO LECTIVO DE 2016 1. Introdução A Universidade Eduardo Mondlane (UEM) informa ao público que a matrícula para os

Leia mais

Regras de procedimento para a implementação e cumprimento do Plano de Contingência ARC/COP2/D010.2211_13. Segunda Conferência das Partes da ARC

Regras de procedimento para a implementação e cumprimento do Plano de Contingência ARC/COP2/D010.2211_13. Segunda Conferência das Partes da ARC Regras de procedimento para a implementação e cumprimento do Plano de Contingência ARC/COP2/D010.2211_13 Segunda Conferência das Partes da ARC Quénia 26-28 de Novembro de 2013 Antecedentes O Acordo de

Leia mais

ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA OCORRIDA EM ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM LONDRINA

ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA OCORRIDA EM ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM LONDRINA ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA OCORRIDA EM ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM LONDRINA GODOY,Shirley Alves -NRE/Londrina 1 shirley.alvesgodoy@gmail.com Eixo Temático: Pedagogia

Leia mais

Uma análise ergonômica de levantamento de cargas utilizando o método NIOSH

Uma análise ergonômica de levantamento de cargas utilizando o método NIOSH Uma análise ergonômica de levantamento de cargas utilizando o método NIOSH João Antônio de Castro FERNANDES¹; Wemerton Luís EVANGELISTA² ¹ Aluno do curso de Engenharia de Produção do IFMG campus Bambuí

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) CAPÍTULO I - DA NATUREZA E OBJETIVOS CAPÍTULO II - DA DIREÇÃO CAPÍTULO III - DA

Leia mais

Relatório das Segundas Jornadas Científicas da Faculdade de Educação - 2013

Relatório das Segundas Jornadas Científicas da Faculdade de Educação - 2013 Relatório das Segundas Jornadas Científicas da Faculdade de Educação - 2013 Maputo, Outubro de 2013 ABREVIATURAS AGE CTA FACED II JC MCNM MESD PSIC RC-UEM UEM Administração e Gestão da Educação Corpo Técnico

Leia mais

Iniciativa: Vistorias de Aeronaves Centralização do Planejamento e Controle

Iniciativa: Vistorias de Aeronaves Centralização do Planejamento e Controle Iniciativa: Vistorias de Aeronaves Centralização do Planejamento e Controle Superintendência de Aeronavegabilidade Agência Nacional de Aviação Civil Responsável: Mário Igawa, Gerente Geral de Aeronavegabilidade

Leia mais

Gabriela Zilioti, graduanda de Licenciatura e Bacharelado em Geografia na Universidade Estadual de Campinas.

Gabriela Zilioti, graduanda de Licenciatura e Bacharelado em Geografia na Universidade Estadual de Campinas. Relato de Experiência Eixo temático: Direitos Humanos - inclusão Gabriela Zilioti, graduanda de Licenciatura e Bacharelado em Geografia na Universidade Estadual de Campinas. A importância de maquetes para

Leia mais

FORMANDO PEDAGOGOS PARA ENSINAR CIÊNCIAS NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

FORMANDO PEDAGOGOS PARA ENSINAR CIÊNCIAS NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL FORMANDO PEDAGOGOS PARA ENSINAR CIÊNCIAS NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Erika Zimmermann 1 Universidade de Brasília Faculdade de Educação Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino Paula Cristina

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-003- ANÁLISE TEMPORAL DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

Produção nas Alturas

Produção nas Alturas Produção nas Alturas No dia 29 de maio de 2015, durante a aula de Introdução a Engenharia de Produção, a professora Tatiane Lazari passou uma dinâmica de caráter pedagógico, que se tratava da produção

Leia mais

Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN)

Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN) Instituto Superior Técnico Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN) Núcleo de Engenharia Biológica Em primeiro lugar, a direcção do NEB gostaria de deixar claro que a resposta de forma

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA E AMBIENTAL Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção de Alimentação Complementar Saudáveis/ENPACS Oficina de Formação de Tutores do Estado do Piauí.

Estratégia Nacional de Promoção de Alimentação Complementar Saudáveis/ENPACS Oficina de Formação de Tutores do Estado do Piauí. Esta oficina tem por objetivos Divulgar e aplicar o conteúdo dos Dez Passos para uma alimentação saudável Guia alimentar para menores de dois anos nas comunidades do Estado do Piauí, e formar Tutores do

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

Quimesp Comercial Ltda.

Quimesp Comercial Ltda. Quimesp Comercial Ltda. FICHA DE INFORMAÇÕES E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Produto : Acetato de Sódio 3H 2 O Cristal Código nº. : 1.01.044 Fispq nº. : 1.01.044 Página nº. : 01/08 Data da Última

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil SIMÕES, Jacqueline; GENOVESE, Paulo; DARÉ, Vânia; CASTRO,

Leia mais

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100 Manual de Operação Balança UR10000 LIGHT 300/100 1 - INTRODUÇÃO Este equipamento foi projetado para atender aos mais rigorosos requisitos de precisão em pesagem, possuindo componentes de altíssima qualidade,

Leia mais

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis Gilberto Carlos Fidélis Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis CECT Florianópolis 2010 Direitos desta edição reservados ao CECT - Centro de Educação, Consultoria e Treinamento em Metrologia, Sistema

Leia mais

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Define as normas internas

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Carcinicultura. (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA. José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES

Carcinicultura. (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA. José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES Carcinicultura (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES Carcinicultura Carcinicultura O Camarão Espécie: Macrobrachium rosenbergii Popular: camarão da Malásia

Leia mais

Sarmento Concursos Ltda.

Sarmento Concursos Ltda. JULGAMENTO DE RECURSOS REFERENTE ÁS PROVAS PRÁTICAS CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 01/2011 A Comissão Examinadora do Concurso Público Edital nº 01/2011, da Companhia de Informática de Jundiaí CIJUN-SP, no

Leia mais

Parcerias Público Privadas em Moçambique

Parcerias Público Privadas em Moçambique Parcerias Público Privadas em Moçambique Ronald Fischer CEA-DII, Universidad de Chile V. Nhabinde Universidade Eduardo Mondlane Dezembro, 2012 Maputo, Moçambique Estrutura da Apresentação Princípios para

Leia mais

Página1. Guia do Turista Inteligente

Página1. Guia do Turista Inteligente Página1 Guia do Turista Inteligente www.malanasmaos.com.br Guia do Turista Inteligente Entre arrumar as malas e chegar ao destino, existe um grande caminho a ser percorrido para que sua viagem não seja

Leia mais

Turma 10º ano C/D. Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40 Duração: 90. 14 Bolas de rítmica

Turma 10º ano C/D. Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40 Duração: 90. 14 Bolas de rítmica Escola Secundária Frei Heitor Pinto da Covilhã PLANO DE AULA Turma 10º ano C/D Aula nº: 34 Unidade Didáctica Atletismo lançamento do peso Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40

Leia mais

DESERTO DO ATACAMA 4 DIAS / 3 NOITES

DESERTO DO ATACAMA 4 DIAS / 3 NOITES ** CALAMA SAN PEDRO DE ATACAMA DIA 01 TRASLADO AEROPORTO CALAMA HOTEL SAN PEDRO DE ATACAMA Recepção no aeroporto e traslado ao hotel. EXCURSÃO DE MEIO DIA VALE DA LUA O Vale da Lua, instituído santuário

Leia mais

Políticas Públicas e Qualidade de Vida na Baía de Sepetiba (RJ): modernização infraestrutural afetando a população carioca

Políticas Públicas e Qualidade de Vida na Baía de Sepetiba (RJ): modernização infraestrutural afetando a população carioca Departamento de Geografia e Meio Ambiente Políticas Públicas e Qualidade de Vida na Baía de Sepetiba (RJ): modernização infraestrutural afetando a população carioca Introdução/Justificativa: Aluna: Izânia

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES PROJECTO SOED RELATÓRIO DE ACTIVIDADES (Março Dezembro 2008) Por: Eulália Domingos Mugabe Florianópolis, 5 de Janeiro de 2009 RESUMO Durante o período compreendido entre Março e Dezembro de 2008, em Florianópolis,

Leia mais

Edital 2/2015 PROGRAD

Edital 2/2015 PROGRAD Edital 2/2015 PROGRAD A Pró-Reitoria de Graduação da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PROGRAD/PUC Goiás), com sede à Avenida Universitária, 1.440, CEP 74605-900 - S. Universitário, Goiânia -

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

Programa Peixe Vivo - Cemig

Programa Peixe Vivo - Cemig Programa Peixe Vivo - Cemig 4º Seminário Estratégias para Conservação de Peixes em Minas Gerais. 40 anos Uma Trajetória Ambiental no Setor Elétrico Vasco Campos Torquato Novembro 2014 Com muito orgulho

Leia mais

EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA

EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA Aluno: Stephanie Dexheimer Caplan Orientador: Fernando Betim Paes Leme Introdução As fibras de bananeira (Musa sp) se destacam por ser de cultivo

Leia mais

PORTARIA DETRAN-459, DE 05-11-2015

PORTARIA DETRAN-459, DE 05-11-2015 PORTARIA DETRAN-459, DE 05-11-2015 Trata da nova carga horária, estrutura curricular do processo de aprendizagem para a obtenção e adição de habilitação na categoria B e dos requisitos de integração de

Leia mais

1. Introdução... 2 2. Objectivos... 3 2.1 Objectivo Geral... 3. 3. Desenvolvimento... 3 3.1 Temas abordados... 3

1. Introdução... 2 2. Objectivos... 3 2.1 Objectivo Geral... 3. 3. Desenvolvimento... 3 3.1 Temas abordados... 3 Índice 1. Introdução... 2 2. Objectivos... 3 2.1 Objectivo Geral... 3 2.2. Objectivos Específicos... 3 3. Desenvolvimento... 3 3.1 Temas abordados... 3 3.1.1. Questões gerais e globais das mudanças climáticas...

Leia mais

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório.

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. 40 Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. Nesse capítulo chega-se ao ponto de partida para o pleno desenvolvimento desse trabalho, após um processo complicado de liberação

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução das questões de Matemática e Raciocínio Lógico da prova para o cargo de Oficial de Promotoria do Ministério

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS Evandro Marcelo da Silva 1 - PUCPR Kauana Domingues 2 PUCPR Edinéia Aranha 3 Grupo de Trabalho Educação e Direitos Humanos Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

ICC 110 15. 20 março 2013 Original: inglês P. Conselho Internacional do Café 110. a sessão 4 8 março 2013 Londres, Reino Unido

ICC 110 15. 20 março 2013 Original: inglês P. Conselho Internacional do Café 110. a sessão 4 8 março 2013 Londres, Reino Unido ICC 110 15 20 março 2013 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 110. a sessão 4 8 março 2013 Londres, Reino Unido Relatório sucinto do Seminário sobre tendências nos novos mercados consumidores

Leia mais

O Rio Feito Pelo Homem

O Rio Feito Pelo Homem O Rio Feito Pelo Homem The Great Libyan Man-Made River Project O 1 de setembro marca o aniversário da abertura do principal palco do Great Libyan Man-Made River Project. Este esquema de água enorme e incrivelmente

Leia mais

AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE

AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE. INTRODUÇÃO Eng. Agr. Eduardo C. de Araújo As discussões relacionadas à proteção ao meio ambiente, em que pese sua inquestionável importância, são, infelizmente, frequentemente

Leia mais

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957.

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. FORMAÇÃO

Leia mais

As relações entre grandezas no dia a dia

As relações entre grandezas no dia a dia Reforço escolar M ate mática As relações entre grandezas no dia a dia Dinâmica 1 9º Ano 3º Bimestre Aluno DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Fundamental 9º Simbólico Funções Primeira Etapa

Leia mais

Viagem a Dornes e Sertã

Viagem a Dornes e Sertã Viagem a Dornes e Sertã (19 e 20 de Março de 2011) Por: RuckFules 1 No fim de semana, aproveitando os belos dias de Sol com que a chegada da Primavera nos presenteou, decidi dar uma volta pelo interior,

Leia mais

SOUTHERN OCEANS EDUCATION DEVELOPMENT (SOED) PROJECT RELATÓRIO DE ESTUDO AND EVELOPMENT (SOED) P

SOUTHERN OCEANS EDUCATION DEVELOPMENT (SOED) PROJECT RELATÓRIO DE ESTUDO AND EVELOPMENT (SOED) P SOUTHERN OCEANS EDUCATION AND EVELOPMENT (SOED) P DEVELOPMENT (SOED) PROJECT RELATÓRIO DE ESTUDO Quelimane, Moçambique 17 de julho a 17 de agosto, 2009 Por Jessica Anderson Page 2 ATIVIDADES Semana 1 Chegada

Leia mais

Em direção a Samsun, tiramos excelentes fotografias do avião a sobrevoar as águas serenas do Mar Negro.

Em direção a Samsun, tiramos excelentes fotografias do avião a sobrevoar as águas serenas do Mar Negro. Reunião de projeto na Turquia No dia 19 de abril de 2015, pelas 6 horas da manhã partimos do Aeroporto Sá Carneiro rumo à Turquia. Ao aterrarmos em Frankfurt, a surpresa foi enorme. Este aeroporto é uma

Leia mais

Informações Acadêmicas - Intercâmbio

Informações Acadêmicas - Intercâmbio Destino (Cidade/País): Waltham, Estados Unidos Nome: Renato Barroco Informações Acadêmicas FEA Administração Graduação Diurno Economia Pós Noturno Contabilidade Atuaria Informações Acadêmicas - Intercâmbio

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br Orientações para Arraçoamento (Ração) O consumo

Leia mais

ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO 2 PARA QUE SERVE O ATERRAMENTO ELÉTRICO? 3 DEFINIÇÕES: TERRA, NEUTRO, E MASSA.

ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO 2 PARA QUE SERVE O ATERRAMENTO ELÉTRICO? 3 DEFINIÇÕES: TERRA, NEUTRO, E MASSA. 1 INTRODUÇÃO O aterramento elétrico, com certeza, é um assunto que gera um número enorme de dúvidas quanto às normas e procedimentos no que se refere ao ambiente elétrico industrial. Muitas vezes, o desconhecimento

Leia mais

Interpretação de Texto - Exercícios de Português

Interpretação de Texto - Exercícios de Português Interpretação de Texto - Exercícios de Português 01. Considere o seguinte trecho: Em vez do médico do Milan, o doutor José Luiz Runco, da Seleção, é quem deverá ser o responsável pela cirurgia de Cafu.

Leia mais

Direitos Humanos em Angola: Ativista é detido na entrada do Parlamento

Direitos Humanos em Angola: Ativista é detido na entrada do Parlamento Direitos Humanos em Angola: Ativista é detido na entrada do Parlamento por Por Dentro da África - quinta-feira, outubro 15, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/noticias/direitos-humanos-em-angola-ativista-e-detido-na-entrada-doparlamento

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA Anexo I PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. Título: Estação hidrometeorológica automatizada com microcontrolador Arduíno 1.2. Grande Área do Conhecimento: ( x )1. Exatas e

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA:

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: Uma retomada da história do Curso de Geografia da UFU a partir de uma entrevista com a Profa. Dra. Suely Regina Del Grossi Revista OBSERVATORIUM: Qual (ais) a (s) razão (ões)

Leia mais

BRINCANDO DE ATOR: UMA PEÇA DE TEATRO SOBRE A ÁGUA

BRINCANDO DE ATOR: UMA PEÇA DE TEATRO SOBRE A ÁGUA BRINCANDO DE ATOR: UMA PEÇA DE TEATRO SOBRE A ÁGUA Elvis Alves de Oliveira 1 Maria José Mourato 1 Ana Patrícia Santos da Silva 1 Lisângela Costa dos Santos 2 1-Bolsistas PIBID Ciências-CAV 2- Supervisora

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Capítulo I - Definição Artigo 1º. O Estágio, como componente curricular obrigatório no Curso de Graduação

Leia mais

Ajuda para os familiares

Ajuda para os familiares Por isso, é preciso expulsar estas células daninhas do nosso corpo, simplesmente tirar de alguma maneira. Para se conseguir isto, os médicos desenvolveram várias possibilidades. A mais fácil é simplesmente

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

PARECER NP 677/93 CÂMARA ou COMISSÃO APROVADO EM: 10/11/93

PARECER NP 677/93 CÂMARA ou COMISSÃO APROVADO EM: 10/11/93 M I N I S TÉ R I O DA EDUCAÇÃO CONSELHO F E D E R A L DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARA UF CE ASSUNTO: Recredenciamento do corso de pós-graduação em Química, com área de

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB LINS SANTOS 1, Carlos Augusto MARINHO DA SILVA FILHO 2, Carlos Roberto ARAÚJO SILVA 3, Débora

Leia mais

Escorregamentos de terra O Evento de SC

Escorregamentos de terra O Evento de SC ISBN 92-5-100276-2 Seminário Deslizamentos em SC: causas, consequências, medidas emergenciais e ações futuras 12/02/2009 Joinville - SC Escorregamentos de terra O Evento de SC Fernando A. M. Marinho Universidade

Leia mais

WWW.PONTODEPARTIDA.TUR.BR

WWW.PONTODEPARTIDA.TUR.BR ROTEIRO: ITÁLIA - FRANÇA. TRANSPORTE: AVIÃO - ÔNIBUS. SAÍDA: 12 DE SETEMBO DE 2016. RETORNO: 22 DE SETEMBRO DE 2016. DESTINO: EUROPA. CLIMA: OUTONO. DURAÇÃO: 11 DIAS E 10 NOITES. 01º Dia 12/09/16 - SEGUNDA

Leia mais

Cores, para que te quero?

Cores, para que te quero? Cores, para que te quero? Maria Helena da Silva LEAL Resumo O trabalho foi desenvolvido na Escola Estadual Marilene T. Longhim, com 36 crianças da 2ª série do ensino fundamental, com idades entre 7 e 9

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Alojamento no Ensino Superior

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Alojamento no Ensino Superior Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Alojamento no Ensino Superior Francisco Campos José Pedro Conde José Rodrigues Miguel Fernandes Miguel Silva Rafael Cardoso Relatório do Trabalho Prático

Leia mais

O mito da estiagem de São Paulo

O mito da estiagem de São Paulo TRABALHO GEOGRAFIA: Formar grupos de no máximo 4 integrantes. Preparar apresentação do texto para próxima 5 a feira(16/06). O mito da estiagem de São Paulo Costa do Sudeste brasileiro Embora as fontes

Leia mais

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus Cristhian Roberto Hartmann¹, Anderson Sloboda 1, Álvaro Célio Grocholski 1, Luiz Henrique da Silva 2, Moreira, Luiz Sérgio 3, Adolfo JATOBÁ 4. ¹Bolsista 170/2014

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Setor de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Economia REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS O aluno do Curso de Ciências

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012 Rio+20: oceanos, mares e zonas costeiras Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria Tarciso Dal Maso Jardim A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais