Apectos jurídicos da informática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apectos jurídicos da informática"

Transcrição

1 Apectos jurídicos da informática Direito e Informática Abril de 2015 Sofia Geraldes

2 Agenda Noções gerais do direito Definição de direito Características da norma jurídica Blá, blá, blá Podem fazer perguntas Autotutela e Tutela do Estado A Organização do Estado Os Tribunais Protecção de software Evolução e enquadramento internacional A Directiva 91/250/CEE e o DL n.º 252/94 Contratos sobre sistemas informáticos Dra. Sofia Geraldes 2

3 O que é a LEI? Licenciatura em Engenharia Informática Estão relacionadas! Norma Jurídica LEI Dra. Sofia Geraldes 3

4 Definição tradicional de direito Definição Sistema de normas de conduta assistidas de protecção coactiva Características Sistema Normas de conduta Protecção coactiva heterotutela Objectivos Segurança Justiça Paz social Dra. Sofia Geraldes 4

5 Características da Ordem Jurídica Características da norma jurídica Bilateralidade Generalidade Abstracção Imperatividade Violabilidade Coercibilidade Protecção institucionalizada Tribunais Força = monopólio do Estado Dra. Sofia Geraldes 5

6 Heterotutela Vs. autotutela Tutela Privada Princípio de excepção Só nas situações expressamente previstas na lei, na exacta medida dessa previsão Colisão de direitos Acção directa Legítima defesa Estado de necessidade Consentimento do lesado Dra. Sofia Geraldes 6

7 Da justiça privada à justiça pública 4. Proibição da justiça privada intervenção do Estado através de um processo Sistema de justiça pública Estado de Direito Dra. Sofia Geraldes 7

8 A organização do Estado O estado de direito = Estado limitado apenas por normas jurídicas A lei previsibilidade e segurança jurídica Divisão de poderes controlo recíproco Processos justos Órgãos de soberania: PR Presidente da República AR Assembleia da República Governo Tribunais Dra. Sofia Geraldes 8

9 Os Tribunais como órgão de soberania A competência jurisdicional é a competência fundamental dos tribunais. Competência é exclusiva dos tribunais. Na administração da justiça os tribunais asseguram a defesa dos direitos e interesses legalmente protegidos dos cidadãos, reprimem a violação da legalidade democrática e dirimem os conflitos de interesses públicos e privados (art.º 2O2.º, nº 2 CRP) de harmonia com a Constituição e a lei (art.º 203.º CRP). Decisões obrigatórias para todas as entidades públicas e privadas, prevalecendo sobre as de quaisquer outras autoridades (art.º 2O5.º, n.ºs 2 e 3 CRP). Os Tribunais são independentes e apenas estão sujeitos à lei (art.º 203.º CRP). os tribunais são autónomos relativamente aos restantes órgãos de soberania, partidos políticos, grupos ou interesses, os quais não podem influenciar as suas decisões. Dra. Sofia Geraldes 9

10 Categorias de Tribunais Tribunal Constitucional Tribunais Judiciais TAF Compete especificamente administrar a justiça em matérias de natureza jurídico-constitucional. STJ Tribunais da Relação Tribunais de comarca competência genérica ou especializada (exs. Instrução criminal, família, menores, propriedade intelectual, marítimos, comércio, trabalho Tribunal de Contas Fiscaliza a legalidade das despesas públicas e de julgamento das contas que a lei manda submeter-lhe. Tribunais Arbitrais Não são órgãos de soberania Julgados de Paz Não são órgãos de soberania Dra. Sofia Geraldes 10

11 Génese do programa de computador Ideia Algoritmo Linguagem de alto nível Código-fonte Linguagem binária O programa de computador como conjunto de instruções que têm por base um algoritmo Dra. Sofia Geraldes 11

12 Evolução histórica 1940s: Programa de computador = exclusivamente acessório à máquina 1970: 1º programa independente da máquina Necessária protecção independente da que era conferida à máquina Uma tutela que recompensasse: O elevado esforço intelectual O tempo e o investimento monetário; E assegurasse o monopólio da exploração económica, sancionando o seu uso ilegítimo. Dra. Sofia Geraldes 12

13 Nova categoria de direitos Necessidade de adaptação do direito existente Formas possíveis de protecção Concorrência Desleal Sanciona condutas desleais de concorrentes no mercado Exemplos Actos passíveis de criar confusão com produtos/serviços concorrentes; Falsas descrições ou indicações sobre a natureza, qualidade ou utilidade dos produtos ou serviços; Técnicas de venda agressivas. Estas situações podem representar contra-ordenações Patentes Regime sancionatório que não atribui direitos Necessidade de um regime específico Dra. Sofia Geraldes 13

14 Nova categoria de direitos Necessidade de adaptação do direito existente Formas possíveis de protecção Concorrência Desleal Definição Características Direito exclusivo à exploração de uma inovação susceptível de aplicação industrial, durante um tempo determinado (20 anos), com a contrapartida da sua divulgação. Novidade Inovação Patentes Critério e requisitos Novidade; Actividade inventiva; Aplicabilidade industrial; Uma invenção implica actividade inventiva se, para um perito na especialidade, não resultar de uma maneira evidente do estado da técnica Critério de não evidência por parte de um perito na matéria Dra. Sofia Geraldes 14

15 Actividade Inventiva 3 conceitos-chave Estado da técnica Tudo o que foi tornado acessível ao público por qualquer meio de divulgação (art. 56º CPI) Óbvio O que não vai além do normal progresso da tecnologia, ou seja, o que se deduz simples e logicamente da técnica anterior, por exemplo, algo que não envolva o exercício de qualquer competência ou capacidade além do que seria de esperar do perito na especialidade (Guia de procedimento para direitos de incidência tecnológica) Peritos na especialidade Alguém que trabalha num determinado campo da tecnologia, que está a par do que é o conhecimento geral nesse campo e que se presume ter ao seu dispor os meios normais e a capacidade para trabalho de rotina e experimentação. (Guia de procedimento para direitos de incidência tecnológica) Dra. Sofia Geraldes 15

16 Avaliação da actividade inventiva Abordagem problema-solução Método que procura resposta para 5 questões: Abordagem problema-solução 1. Qual é o estado da técnica mais próximo? 2. Qual a diferença, em termos de características técnicas, entre a invenção reivindicada e o estado da técnica mais próximo? 3. Que efeito técnico é causado por esta diferença? 4. Qual é o problema técnico objectivo resolvido pela invenção? 5. Seria um perito na matéria capaz de resolver este problema da forma indicada com base na totalidade do estado da técnica, sem em alguma altura aplicar capacidades inventivas? Há sempre uma solução Dra. Sofia Geraldes 16

17 Avaliação da actividade inventiva 3 etapas de resposta 3 etapas de resposta 1. Determinar o estado da técnica mais próximo; 2. Estabelecer o problema técnico objectivo a ser resolvido; 3. Averiguar se a invenção reivindicada, partindo do estado da técnica mais próximo e do problema técnico objectivo, seria óbvia para o perito na especialidade Dra. Sofia Geraldes 17

18 Avaliação da actividade inventiva Óbvio vs. Não Óbvio (1/2) Objecto Estado da técnica Invenção Comentários Máquina de barbear 1 lâmina 2 lâminas As máquinas de barbear com uma só lâmina são conhecidas do público, pelo que a introdução de mais uma lâmina não implica actividade inventiva. Neste caso considera-se que a invenção (a máquina com duas lâminas) é óbvia pois se uma lâmina já corta bem é evidente que duas cortam melhor. Tesoura dextros canhotos As tesouras comuns, conhecidas do público, só estão adaptadas para utilização de uma pessoa dextra. A inversão da sua configuração, de forma a poder ser utilizada por canhotos, não implica actividade inventiva. É uma simples inversão da tesoura, o que é algo evidente. Mas a produção de uma tesoura funcional tanto para dextros como para canhotos não seria evidente. Dra. Sofia Geraldes 18

19 Avaliação da actividade inventiva Óbvio vs. Não Óbvio (2/2) Objecto Estado da técnica Invenção Comentários Até há alguns anos só existiam ratos com dois botões. Se alguém fizesse um pedido de patente com a mesma Rato 2 botões 3 botões tecnologia, mas em vez dos dois botões apresentasse três, tal apesar de novo não teria actividade inventiva. Contudo, se fosse apresentado o mesmo rato mas com um botão central com uma pequena roda que permitisse ao utilizador navegar de forma descendente e ascendente pela página, tal produziria um efeito técnico não evidente até à altura por um perito na matéria e como tal teria actividade inventiva. Dra. Sofia Geraldes 19

20 Evolução Internacional Convenção de Berna para a Protecção das Obras Literárias e Artísticas Protecção de trabalhos literários e artísticos através dos direitos de autor: Considerou-se que os termos obras literárias e artísticas abrangeriam todas as produções do domínio literário, científico e artístico, qualquer que fosse a forma de expressão. 1/3 Convenção de Munique sobre a Patente Europeia Livro Verde sobre os Direitos de Autor Dra. Sofia Geraldes 20

21 Evolução Internacional Convenção de Berna para a Protecção das Obras Literárias e Artísticas Convenção de Munique sobre a Patente Europeia Livro Verde sobre os Direitos de Autor 1. The expression literary and artistic works shall include every production in the literary, scientific and artistic domain, whatever may be the mode or form of its expression, such as books, pamphlets and other writings; lectures, addresses, sermons and other works of the same nature; dramatic or dramaticomusical works; choreographic works and entertainments in dumb show; musical compositions with or without words; cinematographic works to which are assimilated works expressed by a process analogous to cinematography; works of drawing, painting, architecture, sculpture, engraving and lithography; photographic works to which are assimilated works expressed by a process analogous to photography; works of applied art; illustrations, maps, plans, sketches and three-dimensional works relative to geography, topography, architecture or science. 2. It shall, however, be a matter for legislation in the countries of the Union to prescribe that works in general or any specified categories of works shall not be protected unless they have been fixed in some material form. 2/3 Dra. Sofia Geraldes 21

22 Evolução Internacional Convenção de Berna para a Protecção das Obras Literárias e Artísticas O Acordo TRIPS (Agreement on Trade-Related Aspects of Intellectual Property Rights), publicado em 1994, estabeleceu no seu artigo 10.º que os programas de computador, em código fonte ou objecto, serão protegidos como obras literárias pela Convenção de Berna 3/3 Convenção de Munique sobre a Patente Europeia Livro Verde sobre os Direitos de Autor A generalidade dos países envolvidos adoptou a protecção dos programas de computador através dos direitos de autor, entendendo que os programas de computador são de considerar criações intelectuais. Dra. Sofia Geraldes 22

23 Evolução Internacional Convenção de Berna para a Protecção das Obras Literárias e Artísticas As patentes concedidas, no âmbito desta Convenção designam-se Patentes Europeias. Convenção que cria o Instituto Europeu de Patentes (IEP), o qual tem como principal função a análise dos pedidos e a atribuição de patentes aos Estados Contratantes. 1/6 Convenção de Munique sobre a Patente Europeia Livro Verde sobre os Direitos de Autor São patenteáveis as invenções que obedeçam a 3 requisitos principais: 1. Invenção nova = fora do estado da técnica, não se incluindo em nada do que já era acessível ao público, nesse domínio; 2. Tem de configurar uma actividade inventiva = não pode ser óbvia para um perito nesse domínio, devendo traduzir alguma complexidade; 3. Aplicabilidade industrial = o objecto da patente poder ser utilizado em qualquer tipo de indústria, inclusive na agricultura. Dra. Sofia Geraldes 23

24 Evolução Internacional Convenção de Berna para a Protecção das Obras Literárias e Artísticas Harmonização das legislações nacionais em matéria de requisitos de patenteabilidade, do direito à patente e da duração da patente Proibiu a patenteabilidade do programa de computador, como tal 2/6 Convenção de Munique sobre a Patente Europeia Livro Verde sobre os Direitos de Autor a computer program claimed by itself or as a record on a carrier, is not patentable irrespective of this content. ( ) If, however, the subject-matter as a claimed makes a technical contribution to the known art, patentability should not be denied merely on the ground that a computer program is involved in its implementation. Os programas não patenteáveis poderiam ser protegidos através dos direitos de autor MAS, o algoritmo é patenteável Dra. Sofia Geraldes 24

25 Evolução Internacional Convenção de Berna para a Protecção das Obras Literárias e Artísticas Convenção de Munique sobre a Patente Europeia São invenções que recorrem a um computador, a uma rede de computadores ou a qualquer outro dispositivo programável para implementar o método ou o processo que a enforma admite-se a patenteabilidade de um programa de computador apenas no contexto de uma invenção. Requisitos de Patenteabilidade Invenções Implementadas por Computador (IIC) Constituir uma solução técnica para um problema técnico e representar um contributo técnico num domínio tecnológico 3/6 Livro Verde sobre os Direitos de Autor Não são Patenteáveis Métodos matemáticos, métodos de negócio ( ) que não apresentem qualquer contributo técnico. Programas de computador Dra. Sofia Geraldes 25

26 Evolução Internacional Convenção de Berna para a Protecção das Obras Literárias e Artísticas Convenção de Munique sobre a Patente Europeia Métodos Matemáticos Invenções Implementadas por Computador (IIC) Não é patenteável um algoritmo simplificado enquanto tal, pois não apresenta qualquer contributo técnico 4/6 É patenteável uma calculadora construída de maneira a operar de acordo com o método matemático, pois seria uma solução técnica para um problema técnico Livro Verde sobre os Direitos de Autor Jogos Não é patenteável um programa que consista numa mesa de jogo virtual que inclua uma representação da mesa, com um método de jogo inovador, pois o método de jogar é não-técnico, e o novo método é apenas uma regra de jogo Dra. Sofia Geraldes 26

27 Evolução Internacional Convenção de Berna para a Protecção das Obras Literárias e Artísticas Convenção de Munique sobre a Patente Europeia Jogos Invenções Implementadas por Computador (IIC) É patenteável um jogo implementado num sistema de hardware, em que se reivindicam os meios para jogar (processador, memória volátil, barramento de comunicação), mas nunca o jogo em si Não é patenteável um processo ou método para apresentar informações de qualquer natureza quando envolva apenas hardware e software convencionais, pois não apresenta qualquer contributo técnico e limita-se ao conteúdo da informação, ou seja, é uma apresentação de informação, enquanto tal. 5/6 Livro Verde sobre os Direitos de Autor Gestão da Informação É patenteável um processo para exibição de informação relativa a um determinado evento que ocorra num certo dispositivo programável, pois constitui uma solução técnica para um problema técnico relacionado com o funcionamento interno do próprio aparelho Dra. Sofia Geraldes 27

28 Evolução Internacional Convenção de Berna para a Protecção das Obras Literárias e Artísticas Convenção de Munique sobre a Patente Europeia Livro Verde sobre os Direitos de Autor Processamento de Texto Invenções Implementadas por Computador (IIC) Não é patenteável uma rotina que, quando executada, formate parte ou todo o texto dum documento com determinado tipo e tamanho de letra, pois não é uma solução técnica para um problema técnico, apenas produzindo um efeito gráfico ou estético É patenteável um programa de processamento de texto que apresente vantagens em termos de melhor interacção com o utilizador e funcionalidades apresentadas, se aumentar a eficiência do seu utilizador Um programa de computador não é, como tal, patenteável, mas a funcionalidade nova que lhe esteja associada pode sê-lo. 6/6 Dra. Sofia Geraldes 28

29 Evolução Internacional Convenção de Berna para a Protecção das Obras Literárias e Artísticas Convenção de Munique sobre a Patente Europeia Veio estabelecer um conjunto de aspectos a explorar e a desenvolver numa Directiva: A necessidade de o programa de computador ser tutelado independentemente da sua fixação; A originalidade do programa deveria ser vista como o resultado do esforço intelectual do seu autor; Protocolos de acesso, interfaces, e os métodos essenciais para a sua realização deveriam estar afastados da tutela conferida ao programa de computador; ( ) Livro Verde sobre os Direitos de Autor Dra. Sofia Geraldes 29

30 Pausa Dra. Sofia Geraldes 30

31 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utilização dos programas Registo Protecção dos direitos Dra. Sofia Geraldes 31

32 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos Aos programas com carácter criativo é atribuída protecção equivalente à conferida às obras literárias Criações intelectuais que não podem ser simples representações de carácter óbvio nem simples representações da realidade Requisito de criatividade mínima Dra. Sofia Geraldes 32

33 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro 1 2 Objecto Âmbito Protecção A expressão da ideia ( ideia) Liberdade de Ideias 3 Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos A ideia-base do programa não é protegida Liberdade que se aplica aos algoritmos e a lógica subjacentes ao programa Dra. Sofia Geraldes 33

34 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos O direito é atribuído ao criador intelectual da obra: Abrange herdeiros e transmissários, mas não quem financia ou subsidia a criação da mesma; Quando o programa é criado numa empresa presume-se colectiva; É um direito de reconhecimento automático. Excepções à regra da Autoria O criador é trabalhador por conta de outrem e cria o programa no âmbito dessas funções; O programa é criado ou adaptado por encomenda; O trabalho é feito segundo instruções de um terceiro; Nestes casos, os titulares do direito podem introduzir alterações no programa sem pedir autorização ao criador do mesmo Dra. Sofia Geraldes 34

35 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos 70 anos após a morte do criador; 70 anos após a primeira publicação ou divulgação ao público. Dra. Sofia Geraldes 35

36 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos Fazer/ autorizar a reprodução/ transformação, permanente / transitória, total / parcial do programa O que significa a reprodução do programa? Multiplicação de exemplares? Execução ( loading ) do programa? Dra. Sofia Geraldes 36

37 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos Cópias de apoio; Observação; Estudo ou ensaio do funcionamento do programa com o objectivo de determinar as ideias e princípios que estiveram na base da sua criação. Descompilação Legítima quando necessária para permitir a interacção de todos os elemento do sistema informático, incluindo: Interoperabilidade de dados; Interoperabilidade entre diferentes fabricantes, de forma a poderem funcionar conjuntamente. Restrições: A desestruturação do programa só se justifica para fins e interoperabilidade; As informações recolhidas não podem ser utilizadas para o desenvolvimento, produção ou comercialização de um programa substancialmente semelhante na sua expressão. 1/4 Dra. Sofia Geraldes 37

38 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos 6 requisitos para ser legítima: 1. Ser realizada por detentor de licença de utilizador ou outra pessoa habilitada para usar o programa; 2. Ser indispensável para obter informação necessária para a interoperabilidade; 3. Actos que se limitem a certas partes do programa original necessárias para a interoperabilidade; 4. A informação recolhida não pode ser usada para outro fins; 5. A informação recolhida não pode ser transmitida a terceiros, excepto quando tal seja necessário para a interoperabilidade de programas independentes; 6. A informação não pode ser usada para o desenvolvimento, produção e promoção de programas substancialmente semelhantes na sua expressão ou em qualquer acto que viole direitos de autor. 1/4 Dra. Sofia Geraldes 38

39 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro 1 2 Objecto Âmbito Dificuldade na detecção de programas contrafeitos 2/ Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos Contrafacção Apropriação pelo contrafactor do resultado de um trabalho intelectual de outrem e do investimento deste em tempo e meios, dissimulando uma obra independente. Requisitos: A semelhança entre os programas tem de ser substancial; Estrutura essencialmente semelhante. Imitação fraudulenta Dra. Sofia Geraldes 39

40 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro 1 Objecto A detecção de programas contrafeitos assenta em 3 etapas 3/ Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos 1. Abstracção Descoberta de elementos não literais, através de um processo semelhante ao do reverse engineering ; Processo de descoberta dos princípios tecnológicos de um sistema através da análise da sua estrutura, função e operação; Baseia-se na análise do seu funcionamento em detalhe. 2. Filtragem Separação entre a expressão do programa passível de protecção e a que não o é; 3. Comparação Verificar se parte substancial da expressão protegida é copiada Dra. Sofia Geraldes 40

41 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro 1 Objecto Que critérios usar? 4/4 2 Âmbito Critério do look and feel 3 4 Autoria Duração Semelhança ao nível de cores, formas, layout, menus, estrutura 5 Direitos do beneficiário O caso 6 7 Direitos dos utentes Circulação Apple Inc. Vs. Microsoft Corporation 8 Direitos morais 9 10 Livre utiliz. programas Registo Critério da identidade virtual 11 Protecção dos direitos Dra. Sofia Geraldes 41

42 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos Direito a pôr em circulação Aplica-se a cópias e originais; Abrangerá o direito à retirada de circulação? Dra. Sofia Geraldes 42

43 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos Vai para além da Directiva, que só prevê os direitos económicos Direitos Morais de 3 tipos Escolher e mencionar o nome do programa; Incluir o seu nome no programa, como autor; Reivindicar a autoria do programa. Dra. Sofia Geraldes 43

44 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos Situações em que os programas são livremente utilizáveis Livre utilização das criações intelectuais para fins científicos e de ensino, sem lesar os direitos do autor ou a normal utilização da obra Dra. Sofia Geraldes 44

45 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos Reconhecimento independente de registo, mas este pode ser requerido Dra. Sofia Geraldes 45

46 A Directiva 91/250/CEE, de 14 de Maio e o DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Objecto Âmbito Autoria Duração Direitos do beneficiário Direitos dos utentes Circulação Direitos morais Livre utiliz. programas Registo Protecção dos direitos Meios de protecção Civil Penal Regime da concorrência desleal Patentes Outros Vigência Novos Programas Programas já existentes, contando-se o tempo como se o diploma estivesse em vigor à data da sua criação Dra. Sofia Geraldes 46

47 A protecção de software nos EUA Antes da década de 80: Patenteabilidade recusada pelo Supremo 1980 Computer Software Copyright Act = consagração do regime dos direitos de autor Começaram a surgir excepções Diamond Vs. Diehr O Supremo declarou a patenteabilidade de uma invenção onde foi utilizado um programa de computador Dra. Sofia Geraldes 47

48 A protecção de software nos EUA Controlar a execução de um processo físico através de um programa de computador não prejudica a patenteabilidade da invenção como um todo. A simples presença de um elemento de software não inviabiliza a patenteabilidade de um processo Aumento exponencial da atribuição de patentes a invenções que utilizavam programas de computador Dra. Sofia Geraldes 48

49 A protecção de software nos EUA 1995 e directrizes de apoio aos examinadores de patentes The claimed invention as a whole must be useful and accomplish a practical application. That is, it must produce a useful, concrete and tangible result. Patenteabilidade de todo o tipo de invenções, desde que estivessem cumpridos todos os requisitos e tivessem um efeito útil Dra. Sofia Geraldes 49

50 A protecção de software nos EUA Critério que potenciou o uso fraudulento do mecanismo das patentes Críticas ao facilitismo na concessão de patentes O efeito útil é um meio inadequado e insuficiente para determinar o que constitui matéria patenteável Actualmente Retrocesso na atribuição massiva de patentes O critério do efeito útil deixou de ser suficiente Dra. Sofia Geraldes 50

51 Contratos e sistemas informáticos O contrato de licença é a matriz negocial de exploração económica dos programas de computador Acordo pelo qual o titular dos direitos concede a outrem a autorização de utilização do programa ou de uma cópia do mesmo Forma de exploração económica do programa Sem abdicar da fruição exclusiva que a sua qualidade de titular lhe confere Monopólio da dimensão dos direitos licenciados Dra. Sofia Geraldes 51

52 Contratos e sistemas informáticos Atipicidade Contratos de licença contratos de distribuição Contrato de concessão comercial Contrato de agência Contrato de franchising O princípio da liberdade contratual e as suas limitações A protecção dos consumidores Questões de concorrência tying clauses Dra. Sofia Geraldes 52

53 Contratos e sistemas informáticos Contratos de licença direitos mínimos Operações de carregamento e funcionamento necessárias à correcta utilização; Direito de adaptação e correcção para a correcta utilização; Execução de cópia de segurança quando necessário e a mesma não é fornecida com o contrato: Possibilidade de descompilação, nos termos previstos na lei Dra. Sofia Geraldes 53

54 Contratos de licença Aspectos essenciais -- > Identificação do objecto e âmbito da licença: Modalidades de utilização (distribuição, fabrico, ) Território; Duração do contrato; Entidade licenciada; Grau de exclusividade; Contrapartida económica; Modalidades de pagamento; Lei aplicável; Foro competente. Dra. Sofia Geraldes 54

55 Contratos de licença Problemas fundamentais: Utilização de minutas pré-elaboradas por uma das partes; Garantias prestadas; Cláusulas de exclusão/limitação de responsabilidade; Cláusulas Penais; Prazos e procedimento a adoptar em caso de mora, cumprimento defeituoso ou incumprimento. Dra. Sofia Geraldes 55

56 Contratos e sistemas informáticos 1 Contratos chave na mão Uma das partes obriga-se a fornecer à outra um sistema informático composto por: Equipamento Programa de computador Serviços de instalação, assistência e manutenção do sistema Objectivo: Informatização das actividades do cliente Caracterização do contrato: Contrato de engineering Compra e venda e empreitada E se houver subcontratação? Normalmente, é o fornecedor do programa que avalia as necessidades da empresa Dra. Sofia Geraldes 56

57 Contratos e sistemas informáticos 2 Leasing informático Uma das partes (locadora) obriga-se, mediante retribuição, a ceder à outra (locatária) o gozo temporário de um sistema informático que a empresa pode comprar no fim do contrato, por um valor residual. Obrigações da sociedade de leasing: Adquirir ou mandar realizar o sistema informático (SI) contratação com fornecedores; Conceder o gozo do SI à empresa locatária para os fins a que se destina e durante o prazo acordado; Vender à locatária o SI no fim do prazo, se esta optar por comprar o programa. Obrigações da empresa locatária: Pagar a renda acordada amortização do bem locado + lucro Suportar as despesas de instalação, reparação e seguro Não ceder a sua posição contratual sem a autorização da locadora Restituir o SI no fim do contrato, quando não opte pela sua aquisição. Por quem corre o risco? Questão Quando o SI apresenta um problema técnico? Responsabilidade do fornecedor Dra. Sofia Geraldes 57

58 Contratos de compra e venda de equipamento informático Contratos de compra e venda de equipamento informático A fase pré-contratual deve ser caracterizada pela colaboração entre as partes. Deveres de colaboração, informação e conselho Deveres de conformidade dos equipamentos com as características publicitadas e comunicadas; Deveres de garantia do vendedor responsabilidade pelos defeitos do equipamento/software; Direito à qualidade dos bens e serviços; Garantia do bom estado e funcionamento dos equipamentos por período nunca inferior a 1 ano. Dra. Sofia Geraldes 58

59 e contratos de manutenção Contratos de compra e venda de equipamento informático e contratos de manutenção Garantia do bom estado e funcionamento dos equipamentos serviços de assistência e manutenção Casos de cumprimento defeituoso direitos do comprador Contratos de manutenção Correcção dos erros ou defeitos existentes; Adaptação do software a um novo enquadramento empresarial; Actualização do software instalado Dra. Sofia Geraldes 59

60 Cláusulas importantes dos contratos de manutenção de equipamentos Determinação da data de início da prestação de serviços de manutenção; Duração; Previsão da possibilidade de sub-contratação, nomeadamente através de distribuidores; Natureza das acções de assistência e acompanhamento; Tipo de intervenções abrangidas; Intervenções excluídas; Fornecimento ou não de novas versões do programa; Localização e horário da prestação dos serviços; Tempos de resposta; Obrigações pecuniárias envolvidas. Dra. Sofia Geraldes 60

61 Obrigada! Sofia Geraldes Dra. Sofia Geraldes 61

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias.

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias. PROTECÇÃO JURÍDICA DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR - DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Contém as seguintes alterações: - Rectif. n.º 2-A/95, de 31 de Janeiro - DL n.º 334/97, de 27 de Novembro O presente diploma

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador L 111/16 Jornal Oficial da União Europeia 5.5.2009 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador (Versão

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a directiva do Parlamento Europeu e do Conselho nº 96/9/CE, de 11 de Março, relativa à protecção jurídica

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE UNISINOS Unidade 07 Professora Liz Beatriz Sass 2010/II O direito brasileiro e a informática Lei nº 7.232/84 Política Nacional de Informática Criou

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROCEDE À ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DOS DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ÀS NOVAS REALIDADES CRIADAS PELA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Exposição de motivos O presente projecto de

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programa de Computador Victor Pimenta M. Mendes Fortaleza - CE Setembro- 2010 Propriedade Intelectual Propriedade Intelectual Propriedade Industrial

Leia mais

Invenções Implementadas por Computador (IIC) Patentes

Invenções Implementadas por Computador (IIC) Patentes Invenções Implementadas por Computador (IIC) Patentes O que é uma IIC? Uma IIC é uma invenção que recorre a um computador, a uma rede de computadores ou a qualquer outro dispositivo programável (por exemplo

Leia mais

Empreendedorismo de Base Tecnológica

Empreendedorismo de Base Tecnológica Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores (LEIC) Alameda 2005-2006 1º Semestre Empreendedorismo de Base Tecnológica Rui Baptista http://in3.dem.ist.utl.pt/pp/rbaptista/0506ebt/

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade A A protecção das invenções ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade 1 A protecção das invenções Sumário rio: 1. Modalidades de protecção 2. O que

Leia mais

Implementadas por Computador

Implementadas por Computador «Título Dia Aberto da Acção» da PI «Nome Ricardo Formador» Pereira «Título Invenções do Módulo» Implementadas por Computador «Função Desempenhada» Examinador de Patentes Universidade de «Local» Évora «dd.mm.aaaa»

Leia mais

Questões sobre a reprodução e utilização não autorizadas. Lisboa, 25 de Fevereiro de 2010

Questões sobre a reprodução e utilização não autorizadas. Lisboa, 25 de Fevereiro de 2010 Questões sobre a reprodução e utilização não autorizadas Lisboa, 25 de Fevereiro de 2010 O que são licenças de utilização? Uma licença de utilização de software é um contrato pelo qual o autor do programa

Leia mais

CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING

CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING O presente Código de Deontologia Europeu do Franchising corresponde à versão actualizada do Código inicialmente elaborado em 1972 pela Federação Europeia da

Leia mais

PROTECÇÃO DAS MARCAS, PARA DEFESA DAS EMPRESAS ÍNDICE. Introdução. Terminologia e informações úteis

PROTECÇÃO DAS MARCAS, PARA DEFESA DAS EMPRESAS ÍNDICE. Introdução. Terminologia e informações úteis ÍNDICE Introdução Terminologia e informações úteis Recomendações para ajudar a prevenir a prática de actos ilegais Contactos úteis Diplomas legais mais relevantes 1/7 Introdução A protecção da propriedade

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Preâmbulo Tendo em conta que a UFP: É titulada pela Fundação Ensino e Cultura Fernando Pessoa, sua entidade Instituidora e a quem

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Ideia Empresarial/Protecção da Ideia José Paulo Rainho Coordenador do UAtec Universidade de Aveiro Curso de Empreendedorismo e Valorização

Leia mais

Código dos Contratos Públicos

Código dos Contratos Públicos Código dos Contratos Públicos DL 18/2008 (18.01.2008) A que contratos se aplicam as regras da contratação pública As regras da contratação pública previstas no CCP aplicam-se a todo e qualquer contrato

Leia mais

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo.

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. 1. Registo Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. O registo das modalidades da Propriedade Industrial, compete a todos operadores das actividades económicas que nisso

Leia mais

Licença Pública da União Europeia

Licença Pública da União Europeia Licença Pública da União Europeia V.1.0 EUPL Comunidade Europeia 2007 A presente licença pública da União Europeia ( EUPL ) 1 aplica-se a qualquer obra ou software (como definido abaixo) que seja fornecido

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 254/IX CONTRA AS PATENTES DE SOFTWARE NA UNIÃO EUROPEIA EM DEFESA DO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 254/IX CONTRA AS PATENTES DE SOFTWARE NA UNIÃO EUROPEIA EM DEFESA DO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 254/IX CONTRA AS PATENTES DE SOFTWARE NA UNIÃO EUROPEIA EM DEFESA DO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO 1 Está actualmente em curso na União Europeia o procedimento de co-decisão

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Ficha Informativa 1 Janeiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Compras na Internet:

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira 1/13 Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira JusNet 40/1995 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 144, Série I-A, 24 Junho 1995;

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Jurídicos. 10.6.2005 PE 360.003v01-00

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Jurídicos. 10.6.2005 PE 360.003v01-00 PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão dos Assuntos Jurídicos 2009 10.6.2005 PE 360.003v01-00 ALTERAÇÕES 1-17 Projecto de recomendação para segunda leitura Michel Rocard Patenteabilidade das invenções

Leia mais

TP.100. Política de Segurança da Informação

TP.100. Política de Segurança da Informação Manual do utilizador TP.100 Política de Segurança da Informação Órgão: Versão: 1.0 Data inicial: 2006/05/25 Última alteração: 2006/05/25 (referência) 2/8 Índice de conteúdos 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- INFORMAÇÃO...

Leia mais

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados no sitio Home Page Jurídica (www.euricosantos.pt)

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Preâmbulo O Instituto Politécnico de Viana do Castelo, doravante designado IPVC, considera que a proteção e valorização dos direitos intangíveis resultado

Leia mais

carácter intencional ou não intencional da sua violação.

carácter intencional ou não intencional da sua violação. NOVAS MEDIDAS, PROCEDIMENTOS E RECURSOS PARA ASSEGURAR O RESPEITO DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL No passado dia 1 de Abril foi publicado o Decreto-Lei nº 16/2008, que transpôs para a nossa ordem

Leia mais

Aplicação em concurso

Aplicação em concurso Marcelle Franco Espíndola Barros (TRF-3 2011 CESPE objetiva) André, Bruno e César realizaram uma mesma invenção, respectivamente, nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2011. As invenções foram depositadas

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO Preâmbulo A Universidade do Porto, doravante designada UP, considera que a protecção e valorização dos resultados de I&D e de outras actividades

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Departamento de Informação e Promoção da Inovação Lisboa 9 Maio 2012 O que é a Propriedade Industrial?

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução Lei n. o 7/2013 Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção Breve introdução 1. O que regula essencialmente o Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção?

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 171 da Organização Internacional

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro.

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos

Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos Para assegurar os direitos dos consumidores relativos à informação dos produtos e identidade do vendedor, as empresas têm de cumprir regras sobre

Leia mais

Patentes absurdas. Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154)

Patentes absurdas. Escada spider para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Patentes absurdas Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Leia mais em: As patentes mais absurdas da história http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=21894

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini IME USP Outubro/2007 Direitos Autorais Lei nº 9.610/98 Propriedade imaterial Direitos autorais Propriedade industrial Direitos

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

CRIAÇãO DE GABINETE SOCIAL DE APOIO JURíDICO A UTENTES CARENCIADOS

CRIAÇãO DE GABINETE SOCIAL DE APOIO JURíDICO A UTENTES CARENCIADOS CRIAÇãO DE GABINETE SOCIAL DE APOIO JURíDICO A UTENTES CARENCIADOS Parecer do Conselho Geral N.º 11/PP/2011, de 18 de Junho de 2012 Relator: Dr. Marcelino Pires Parecer A Comissão Social de Freguesias

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS Cláudia Trabuco Centro Português de Fotografia, Porto, 30.10.2007 Plano da exposição 1. Direitos de autor e direitos

Leia mais

Regime jurídico do contrato de locação financeira

Regime jurídico do contrato de locação financeira Regime jurídico do contrato de locação financeira www.odireitodigital.com REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA Decreto-Lei n.º 149/95 de 24 de Junho. - Altera o regime jurídico do contrato

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

Última actualização em 01/03/2007

Última actualização em 01/03/2007 Decreto-Lei n.º 149/95 de 24 de Junho. - Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira, Ministério das Finanças, S.I-A, DR n.º 144, p. 4091-4094 alterado pelo Decreto-Lei n.º 265/97 de 2 de

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL:

PROPRIEDADE INTELECTUAL: PROPRIEDADE INTELECTUAL: LEGISLAÇÃO - 2 Profa. Dra. Suzana Leitão Russo Prof. Gabriel Francisco Silva Profa. Dra. Ana Eleonora Almeida Paixão Art. 1º Esta Lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade

Leia mais

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO TMT N.º 1/2009 MAR/ABRIL 2009 NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO A informação divulgada pelas Instituições de Crédito relativamente aos produtos que estas oferecem tem sido

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

Os Direitos do Consumidor:

Os Direitos do Consumidor: DIREITOS E DEVERES Segundo a legislação, consumidores são todas as pessoas que compram bens para uso pessoal, a alguém que faça da venda a sua profissão. A Lei n.º 24/96, de 31 de Julho estabelece os direitos

Leia mais

Legislação de Protecção de Direitos de Autor e Propriedade em Software (www.fe.up.pt/~ei97024/es.pdf)

Legislação de Protecção de Direitos de Autor e Propriedade em Software (www.fe.up.pt/~ei97024/es.pdf) Legislação de Protecção de Direitos de Autor e Propriedade em Software (www.fe.up.pt/~ei97024/es.pdf) Autores: André Amaral Semblano de Azevedo Teixeira ei97024@fe.up.pt Filipe José Passos Pinto ei97018@fe.up.pt

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA PARA USO DE MARCA PEFC

CONTRATO DE LICENÇA PARA USO DE MARCA PEFC CONTRATO DE LICENÇA PARA USO DE MARCA PEFC Aos.., dias do mês de... do ano de 200.. Entre: PRIMEIRO: CONSELHO DA FILEIRA FLORESTAL PORTUGUESA, designado por CFFP, pessoa colectiva número, com sede na Rua

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS Procedimento por Ajuste Directo n.º DSTD/01/2009 Cláusula 1.ª Objecto O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Regulamenta a lei que proíbe as discriminações no exercício de direitos por motivos baseados na raça, cor, nacionalidade ou origem étnica A Lei n.º 134/99, de 28

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

Que tipo de trabalhadores se encontra abrangido pelo seguro de acidentes de trabalho por conta de outrem?

Que tipo de trabalhadores se encontra abrangido pelo seguro de acidentes de trabalho por conta de outrem? Qual a importância do seguro de acidentes de trabalho? Desde 1913 que é reconhecida em Portugal a obrigatoriedade de as entidades empregadoras repararem as consequências dos acidentes de trabalho sofridos

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA A propriedade intelectual abrange duas grandes áreas: Propriedade Industrial (patentes,

Leia mais

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia (Regulamento) Preâmbulo A promoção do desenvolvimento económico no Concelho de Gouveia está intimamente ligada à implementação de medidas de

Leia mais

REGULAMENTO DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO REGRAS DE UTILIZAÇÃO DOS BENS DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO

REGULAMENTO DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO REGRAS DE UTILIZAÇÃO DOS BENS DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO REGULAMENTO DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO REGRAS DE UTILIZAÇÃO DOS BENS DO MUSEU DO CARRO ELÉCTRICO Mário Castro Marques 26.11.2002 Regulamento de Utilização do Museu do Carro Eléctrico Título I Da Propriedade

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial.

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial. 1 O que é patente? Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

3. Quais são as restrições existentes, se as houver, quanto ao tipo de provas que podem ser obtidas através de videoconferência?

3. Quais são as restrições existentes, se as houver, quanto ao tipo de provas que podem ser obtidas através de videoconferência? Itália 1. É possível a obtenção de provas através de videoconferência com a participação de um tribunal do Estado-Membro requerente ou directamente por um tribunal desse Estado-Membro? Em caso afirmativo,

Leia mais

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos A candidatura é um processo de prospecção e avaliação de projectos inovadores e tem como objectivo promover a realização de investimentos através do

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Acordo. A - Nota informativa

Acordo. A - Nota informativa Acordo A - Nota informativa ANTES DE UTILIZAR ESTE SOFTWARE E OS SEUS SERVIÇOS WEB, DEVE LER E ACEITAR OS TERMOS E CONDIÇÕES DESTE ACORDO, CASO CONTRÁRIO NÃO O PODERÁ UTILIZAR. B) Entidade licenciante

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto Caderno de encargos Parte I Do contrato Artigo 1.º Objecto O presente caderno de encargos tem por objecto a aquisição, ao abrigo do Acordo Quadro Nº 10 para serviços de comunicações de voz e dados em local

Leia mais

A presente Declaração Local de Privacidade explica como iremos recolher e utilizar os seus Dados Pessoais.

A presente Declaração Local de Privacidade explica como iremos recolher e utilizar os seus Dados Pessoais. Declaração Local de Privacidade: O responsável pelo tratamento de dados para efeitos da presente Declaração Local de Privacidade de Dados é a CATERPILLAR FINANCIAL CORPORACIÓN FINANCIERA, E.F.C., S.A.

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais