Estudo da Refletividade de nuvens cúmulus com radar portátil operando na banda C.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo da Refletividade de nuvens cúmulus com radar portátil operando na banda C."

Transcrição

1 Anais do 15 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XV ENCITA / 2009 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 19 a Estudo da Refletividade de nuvens cúmulus com radar portátil operando na banda C. Giovano Bruno dos Santos Coelho Instituto Tecnológico de Aeronáutica Bolsista PIBIC-CNPq Inácio Malmonge Martin Instituto Tecnológico de Aeronáutica Resumo: O principal objetivo deste projeto é verificar experimentalmente a refletividade de nuvens cúmulus em estágio de formação e de precipitação de chuva a sinais de microondas na freqüência entre 5 a 7 GHz emitidos por um radar Doprad Fury de 100 kw de potência. O radar de estado sólido fabricado pela Rockwell Collins USA tem sensibilidade mínima de detecção de db m permitindo alcance teórico de até 400 km de distância. A medida da refletividade da precipitação das gotículas (chuva) a ser obtida pelo radar permitirá a execução de um software de calibração fornecendo o volume de gotículas produzidas por unidade de área observada numa nuvem em função do tempo. Sendo assim com todos esses dados podemos estimar a fórmula da refletividade em função da taxa de precipitação de chuva isto num valor médio para o tempo e para a região em estudo. Isto foi feito para o período da bolsa agosto de 2008 a julho de 2009 para a região de Atibaia Bragança Paulista Nazaré Paulista e vizinhanças. Palavras chave: radar precipitação refletividade microondas 1. Introdução Na região tropical e mesmo equatorial as nuvens predominantes são as cúmulus que após um processo de crescimento passam a cumulunimbus conhecidas como CB. Em geral essas nuvens provocam chuvas intensas ou até mesmo ventos fortíssimos ou ambos. Quando a nuvem inicia o processo de crescimento ela pode parar e retroceder sem acarretar chuvas ou aumentar enormemente o volume de gotículas no seu interior vindo a se transformar numa cumulunimbus (CB) que em geral acarretará muita chuva e ventos. A formação da nuvem cúmulus depende de uma força de pressão que é originada pela diferença de temperatura entre regiões e da radiação solar total (TSI). É o caso das frentes frias que se originam nas regiões polares e vem se deslocando para regiões quentes dos trópicos e até mesmo Equador. Esse gradiente de força originado pela diferença de pressão é bastante estudado e conhecido pelos físicos químicos e meteorologistas. No entanto a formação de nuvens cúmulos e CB nas regiões tropicais e equatoriais em condições de gradientes de pressão quase desprezíveis ou nulas ainda não são entendidas e estudadas com rigor. A precipitação é qualquer tipo de fenômeno que descreve a queda de água do céu é de grande importância para nosso planeta pois é ela a responsável por retornar a maior parte de água doce ao nosso solo. Sendo uma grandeza medida por pluviômetros ela nos mostra o volume de chuva em uma determinada região. Pode-se estudar a dimensão e volume de gotículas numa nuvem usando disdrômetros colocados a bordo de aeronaves. Através de radar na banda X é a melhor faixa eletromagnética para esse tipo de estudo. 2. Materiais e Métodos Primeiramente utilizaremos o radar Doprad Fury fabricado pela Rockwell Collins USA pertencente a Empresa ModClima em Bragança Paulista SP. Uma maneira de realizar esse estudo é analisar a refletividade de precipitação que o radar nos fornece. Através dela utilizamos um software que nos permite transformar essa refletividade vinda das nuvens em informações de precipitação medida em milímetros de água por hora (mm/h) em certa região. Existem teorias que seguimos na utilização do software:

2 O poder de espalhamento do objeto no caso a gotícula de água é dado em função do comprimento de onda. Se o tamanho da gotícula for menor que 1 comprimento de onda esta vai espalhar a radiação de acordo com a formulação de Rayleigh. Se o tamanho estiver entre 1 e 10 comprimentos de onda o espalhamento será de acordo com a formulação de Mie. A partir de 10 comprimentos de ondas adotamos a formulação óptica. Existe uma enorme diferença de tamanho das gotículas presentes numa nuvem para as gotículas presentes em uma precipitação uma gotícula de precipitação tem um tamanho de 100 vezes maior que uma gotícula de uma nuvem em formação. Uma gotícula de precipitação pode atingir uma velocidade de queda de até 65 m/s diferente da gotícula de nuvem que atinge 001 m/s. Considerando-se alvos esféricos com diâmetro máximo de 6 mm compostos por água líquida a potência retro-espalhada por um único alvo localizado no eixo do feixe do radar que chega ao receptor pode ser estimada pela forma geral da equação radar (Probert-Jones 1962; Sauvageot 1992 entre outros): (1) = potência recebida (mw) = potência transmitida (kw) = eficiência da antena [adimensional] = área efetiva da antena [m 2 ] = atenuação comparativa devida à largura finita da banda de recepção [adimensional] = comprimento de onda [m] = atenuação comparativa devido à propagação (ida e volta) [adimensional] = secção reta de retro-espalhamento de radar (específica do alvo) [m 2 ] = distância ao alvo [km] Para múltiplos alvos distribuídos homogeneamente em um pulso (volume) a seção reta de retro-espalhamento radar total é dada por: (2) = volume da resolução do pulso [m 3 ] = secção reta de retro espalhamento radar individual [m 2 ] = refletividade de radar [dbm]

3 Considerando os alvos como sendo hidrometeoros líquidos (gotas d água) cuja forma possa ser aproximada à de uma esfera com diâmetros máximos da ordem de 6 mm é válida a aproximação da lei de espalhamento Rayleigh. Assim define-se a secção reta de retro-espalhamento radar em função do comprimento de onda utilizado tamanho e material do alvo uma única gota de diâmetro D: (3) = secção reta de retro espalhamento radar [m 2 ] ou [cm 2 ] = comprimento de onda [cm ou m] = fator do dielétrico: para água líquida em temperaturas encontradas na atmosfera e da ordem de centímetros 093 (Gunn e East 1954) = diâmetro da gota [m] Com a presença de múltiplos alvos é preciso levar em consideração a diretividade da antena pois os alvos estão distribuídos ao longo do volume determinado pelo feixe e não somente na direção de maior ganho da antena (eixo da parábola). Essa diretividade da antena é determinada pelo diagrama de radiação. Considerando a distribuição da potência dentro do lóbulo principal (limiar de 3 db) possa ser aproximada por uma função Gaussiana (Nathanson e Reilly 1968) e desconsiderando o efeito dos lóbulos laterais a potência retroespalhada para múltiplos alvos contidos dentro do feixe do radar pode ser dada por: (4) = potência recebida [mw] = potência transmitida [kw] = comprimento de onda [m] = ganho da antena no eixo da parábola [adimensional] = largura do feixe considerando o ganho de 3 db [ ] = velocidade da luz no vácuo [m s -1 ] = duração do pulso [µs] = atenuação devida à largura finita da banda de recepção [adimensional] = atenuação devido à propagação (ida e volta) [adimensional] = refletividade do radar [dbm] = distância do alvo [km] Em um evento qualquer de precipitação são encontradas partículas de tamanhos diferenciados em um determinado instante. Mantendo-se a condição de que existam apenas hidrometeoros líquidos e conhecendo a distribuição geométrica dos hidrometeoros ou seja a distribuição dos tamanhos de gotas (DTG) é possível calcular o albedo daquele conjunto de gotas em relação ao sinal de um determinado sistema de radar. Esse albedo é a refletividade do alvo.

4 Ultimamente o disdrômetro é o instrumento mais utilizado pelos ciêntistas para avaliar a DTG. Seu objetivo consiste em transformar a energia cinética de uma gota em impulso elétrico por meio de um transdutor (equipamento responsável em transformar sinais de qualquer grandeza em sinais elétricos). A amplitude do sinal elétrico varia em função do tamanho da gota e uma calibração previamente efetuada permite relacionar as amplitudes dos sinais elétricos amostradas com o tamanho real da gota. O início da utilização do disdrômetro no Brasil teve como marco o trabalho de Zawadzki e Antonio (1988) que estudaram as DTGs na região de Bauru SP. No Nordeste do nosso país os pioneiros foram Tenório (2003) e Moraes (2003). Uma DTG é dada comumente pela função N(D) que descreve a quantidade de gotas com um diâmetro D em um determinado volume de ar. Portanto tendo em conhecimento a DTG pode-se calcular a refletividade η presente na equação 4 tendo como base a função N(D): (5) = refletividade do radar [dbm] = secção reta de retro espalhamento radar de uma gota de diâmetro D [m 2 ] ou [cm 2 ] = concentração de gotas por unidade de volume [gotas m -3 ] Das equações acima se obtém: (6) A integral define o fator de refletividade de radar Z: (7) = fator de refletivida de radar [dbz] Embasando-se nesse estudo o radar meteorológico utilizado observa apenas as gotículas presentes na precipitação. O mesmo é propriedade da empresa Modclima e é utilizado em nosso estudo de refletividade desde que foi adquirido agosto de 2008 se trata de um DOPRAD FURY fabricado pela Rockwell Collins USA sendo operado na banda C (freqüência de transmissão de 5 a 7 GHz) mais precisamente 59 GHz e com uma antena de 30 polegadas de diâmetro. Ele possui uma potência de 100 kw e uma sensibilidade mínima de -125 dbm permitindo um alcance teórico de até 400 km de distância. Foi instalado no aeroporto de Bragança Paulista de onde são realizados os experimentos periodicamente.

5 3. Atividades Realizadas Nosso estudo teve início em agosto de 2008 com a instalação do radar DOPRAD FURY operando na banda C no aeroporto de Bragança Paulista (veja Figura 4). Esse radar embora portátil foi instalado no alto do hangar onde opera a empresa Modclima com seus aviões e o radar com a antena colocada no topo do hangar como mostra a figura 1 abaixo: Fig. 1 - Vistas da sede da Modclima no aeroporto de Bragança Paulista. Assim diariamente fazemos análises da refletividade das precipitações que envolvem a região do Vale do Paraíba. Após esse processo entramos na fase onde transformamos essa precipitação gráfica em numérica sendo assim sabemos a quantidade de água produzida por uma nuvem. Esse trabalho é realizado manualmente com a ajuda de um software específico (Mauro A. Alves 2008) que analisa os pixels existentes em uma determinada precipitação. Em seguida é realizada a contagem destes pixels onde são classificados por cores em uma tabela de nível de precipitação. Cada pulso gerado é conduzido ao alimentador através das guias de ondas que compõem a linha de transmissão. Na antena os guias de onda estão conectados ao alimentador que espalha a energia eletromagnética contida no pulso em toda a superfície refletora da antena e essa reflete a energia do pulso que se propaga em uma direção paralela ao eixo da antena. Toma-se como referência a velocidade de propagação como sendo a velocidade de propagação de ondas eletromagnéticas no vácuo (velocidade da luz): c = 3x10 8 m s -1. Quando o pulso é interceptado por qualquer objeto parte da sua energia será absorvida refletida ou espalhada em todas as direções (dependendo da composição e tamanho do alvo). No caso de hidrometeoros é válida a aproximação Rayleigh que foi considerado logo acima e a energia do pulso absorvida pelo alvo se espalha em várias direções. Uma pequena fração da energia espalhada tem a mesma direção do eixo da antena e propaga-se no sentido de volta à origem. Esse efeito é denominado retro-espalhamento. Essa fração de potência ou sinal que retorna ao receptor é denominada eco do qual se obtém a refletividade desejada. Tendo a quantidade de pixels e sua quantização pela tabela de volume de água o próximo passo é utilizar a fórmula onde relaciona o índice pluviométrico a partir de cada imagem fazendo assim o seu produto com o intervalo de tempo entre cada imagem. Chuva = (mm/hr X tempo) (8) Em seguida catalogamos todas essas informações em um banco de dados de onde serão extraídas conclusões para análise desta metodologia utilizando um radar na banda C.. 5. Resultados Obtidos Durante o período da bolsa analisou-se da ordem de 100 precipitações na região do radar. No entanto mostramse aqui aquelas mais relevantes quanto seu aspecto intensidade e duração da nuvem. Os resultados apresentados a seguir foram obtidos no mês de novembro do ano de 2008 eles mostram precipitações dadas no monitor do radar e as trabalhadas no software. A figura 2 mostra uma precipitação muito intensa captada pelo radar a partir das 18h20min do dia 6 de novembro de 2008 terça-feira que teve uma duração de aproximadamente 2h com deslocamento para leste.

6 Fig. 2: Início da precipitação captada pelo radar. O início da precipitação foi muito turbulento onde foram constatados sérios danos em Taubaté e São José dos Campos no interior do estado de São Paulo. Fig. 3: Horário intermediário da precipitação captada pelo radar. Pode-se ver na imagem da Fig. 3 que o volume de precipitação após 1h19min do início do fato é mais ameno pois na figura anterior a região de Bragança Paulista estava totalmente coberta pela precipitação. Fig. 4: Fim da precipitação captada pelo radar.

7 Após 2h10min do início da precipitação tem-se um volume de água muito pequeno em relação ao começo onde foi constatado que seus pixels estão em uma escala que varia de 065 a 562 mm/h. Abaixo uma precipitação onde foi estudada a refletividade de apenas uma célula e com isso foi utilizado o software para determinar a quantidade de água produzida. A precipitação a seguir ocorreu no dia 26 de novembro de 2008 com seu início as 14h08min. Fig. 5: Início da célula de precipitação. A célula de precipitação considerada está com circulo branco. Notamos que no seu início a precipitação é considerada fraca. A imagem foi captada após 5 minutos do seu início. Fig. 6 - Imagem captada pelo radar após 22 minutos do início. Após 22 minutos do seu início é possível identificar que houve uma minimização na célula de precipitação onde seu volume é considerado menor.

8 Fig. 7 - Imagem recolhida após 36 minutos do início. Após 36 minutos de chuva podemos determinar a quantidade de água produzida por essa célula de precipitação: Tempo total: 36 minutos Quantidade de água produzida nestes 36 minutos: 122 m³ (metros cúbicos). Área máxima coberta pela célula de chuva: 33 km² (quilômetros quadrados). Índice pluviométrico médio local: 22 mm (milímetros). Com a teoria que foi descrita no início deste relatório foi possível determinar a fórmula que relaciona a precipitação de chuva em função da taxa de precipitação. O fator de refletividade radar não é representado por si só como uma grandeza meteorológica. Entretanto está claro que quanto maior a quantidade de gotas (e/ou maior o seu tamanho) maior será o valor da refletividade Z. Portanto é possível estabelecer uma relação entre a refletividade Z e a taxa de precipitação R. A relação Z-R tem a seguinte forma: = fator de refletividade [dbz] = taxa de precipitação [mm h-1] = coeficientes da relação em função da região. [dbz] (9) Os coeficientes a e b são determinados por meio de métodos estatísticos que consistem basicamente em: a) Medir Z e R independentemente usando um radar e um pluviômetro por exemplo ou; b) Usar apenas um espectrogranulômetro ou disdrômetro (Joss e Waldvogel 1967 e recentemente Tenório et al 2003 e Moraes 2003) para calcular os coeficientes a e b em função de Z e R fornecidos pelo instrumento. Qualquer que seja o método utilizado para se determinar os coeficientes a e b nota-se que ambos apresentam variabilidade quando se considera conjuntos distintos de dados para a determinação desses coeficientes. Sauvageot (1992) relaciona basicamente dois grupos de causadores da variabilidade dos coeficientes e da relação Z-R a saber: 1-Fatores relacionados com o local geografia e climatologia: altura da troposfera orografia efeitos de regiões litorâneas latitude umidade dentre outros que associados com época do ano dinâmica termodinâmica e processos da micro física das nuvens alteram a N(D). 2-Fatores relacionados com a estrutura das nuvens: para um mesmo local N(D) varia em função do tipo de nuvem e mesmo considerando um único tipo N(D) varia em função do andamento do processo de precipitação (em especial tem-se notado que a tende a aumentar e b diminuir com o aumento da intensidade da convecção presente no desenvolvimento da precipitação).

9 Inúmeros trabalhos publicados a respeito de relações Z-R destacam-se as relações a seguir: a) Chuvas do tipo estratiforme (Marshal e Palmer 1948): b) Chuvas convectivas (Sekhon e Srivastava 1971): c) Com os devidos estudos determinamos que para a região de Bragança Paulista: = 270; = 146 ; = a b logo Z = 270±30 R 146 ± 020 [dbz] O desvio de ~ 10% nos valores de a e de 020 no valor de b foram empiricamente obtidos do conjunto de um medidas efetuadas ao longo da bolsa no período de um ano. 4. Conclusões É de grande importância o estudo da formação de nuvens e da precipitação na região de Bragança Paulista e do Vale do Paraíba. Essa região tem bastante importância hidrológica para captação de águas para a região da grande São Paulo de São Jose dos Campos e Taubaté. Com as mudanças climáticas deve-se observar a tendência de formação de nuvens dessas regiões. Uma ferramenta muito importante para isso é o emprego de um radar moderno operando na banda C que nos fornece através da refletividade a quantidade de água que se precipita por nuvens na região. Este trabalho procura estabelecer a função correta para a região da intensidade de chuva (mm/h) usando apenas a refletividade das ondas eletromagnéticas transmitidas nas nuvens e recebidas delas em seguida isto na banda C. No estudo planejado e discutido na proposta inicial chegamos à fórmula representativa da região dada por: Z = 270±30 R 146±020 [dbz] Foi bastante difícil e trabalhoso determinar esta fórmula empírica para a região. Ainda necessita-se repetir mais tempo de medidas para ajustes e melhoria do desvio. Uma enorme quantidade de dados de nuvens e chuvas está gravada e pronta para análises das constantes a e b e posterior estudos físicos químicos e meteorológicos associando variabilidade do clima local com a mudança climática global. Salienta-se que o ano de 2008 no período outubro a dezembro e início de 2009 janeiro e fevereiro foi típico de tempestades extremas com ventos fortes 70 km/h presenciados pelo proponente e mesmo pelo orientador isto em Taubaté (UNITAU) e São José dos Campos SP. O radar da Modclima acompanhou a formação e a trajetória desses eventos e os estragos efetuados em seu percurso correlacionam muito bem com a intensidade dos sinais de refletividade observados. 6. Agradecimentos Agradeço a Deus por me ajudar a seguir minha vida a minha família que me ajuda em todos os momentos. Agradeço ao Prof. Dr. Inácio Malmonge Martin pois me ajuda desde o início da minha faculdade me orientando nos estudos agradeço ao Mauro Ângelo Alves que tanto me ajudou no período da bolsa e também ao ITA/CTA pelo apoio as pesquisas e ao CNPq que tanto ajuda nós estudantes e que possam utilizar nossos trabalhos para algo benéfico a todos no Brasil. 7. Referências Bibliográficas. PRUPPACHER H.R. and J.D. Klett 1978: Microphysics of Clouds and Precipitation. D. Reidel Publishing Company Boston p. 714; QUINTÃO A. D. Calibração de Sistema de Radar Meteorológico através de dados Disdrométricos dos campos de chuva no Nordeste e Leste do Brasil cap. 2. COTTON W.R. and Anthes R.A. 1989: Storm and Cloud Dynamics. Academic Press-Harcourt Brace Jovanovich p KWA CHUNGLING 1979 : Chapter 5 Changing the Atmosphere MIT Press 2001;

10 SAX R. I. CHANGNON S A. Grant L. O. Hitschfield W. F. Hobbs P. V. Karan and A. M. Simpson J. Weather Modification: Where Are We Now and Where Should We Be Going? An Editorial Overview Journal of Applied Meteorology Vol ; WEISBERG J. S. Meteorology The Earth and it s Weather Hougthton Miffin Co Boston 1976; SABESP Hydrology Department 2003Contractor s Assessment Document: grade 100 with 31% artificial rains in the period Eng. Rodolfo Baroncelli Jr. Gerente de Hidrologia site: GUNNR. G.D. Kinzer 1949; The Terminal Velocity of Fall for Water Droplets at Stagnant Air; J. Meteorol. vol.6 pp ; KESSLER E. 1969; On the Distributon and Continuity of Water Substance in Atmosphere Circulation; Meteorol. Monograph 10 n pages; GAVIRIA G. J. M. 2005; On the Continuos Growth Equation for Coalescence in Clouds and Precipitation Earth Sci. Res. J. vol. 9 n.1 pp IRVING LANGMIUR "Control of Precipitation from Cumulus Clouds by Various Seeding Techniques" Science Vol. 112 pp July TAKESHI IMAI. National and International Patent Pending; MORAN J.M. and M.D. MORGAN Meteorology the Atmosphere and the Science of Weather. 5th edition Upper Saddle River NJ: Prentice Hall 530p. T.Shivaji Rao 2001 Cloud Seeding Warm clouds-2 23/01/2008. CURRENT Science vol. 80 n February TAKESHI I. Martin I. M. Iha K.; Artificial rain & cloud growth: a new Brazilian process Cospar 36 Beijing 2006 China. T. Imai and I.M.Martin Artificial rain enhancement in warms cumulus clouds using aircraft sea water seeding accepted for publication in Cospar 37 in Montreal Canada July T. Imai Martin M. I.Imai. M M. IMAI R. R. Chuvas Artificiais Imitando a Natureza Tecnologia brasileira semeia nuvens e leva água a regiões áridas; Scientific American Brazil pág Setembro S. C. POL Scattering from Hydrometeors: Clouds Snow Rain Universidad de Puerto Rico Mauro A. Alves (comunicação privada) 2008.

ESTUDO DA MICRO FÍSICA DE NUVENS QUENTES CRESCIMENTO E PRECIPITAÇÂO

ESTUDO DA MICRO FÍSICA DE NUVENS QUENTES CRESCIMENTO E PRECIPITAÇÂO Anais do 13 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIII ENCITA / 2007 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 01 a 04 2007. ESTUDO DA MICRO FÍSICA

Leia mais

O Radar Meteorológico

O Radar Meteorológico O Radar Meteorológico Demilson Quintão PY2UEP Bauru, 2014 1 Previsão Meteorológica 1-Climática: indica tendência das estações em escalas regionais, continentais, globais. 2-Previsão Meteorológica comum

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA x = Como pode cair no enem (ENEM) Os radares comuns transmitem micro-ondas que refletem na água, gelo e outras partículas na atmosfera. Podem, assim,

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO Diego de Brito Piau, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG diegopiau@yahoo.com.br, gilberto@ufu.br

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA Caio Matheus Pereira Braga, Diego de Brito Piau, Heitor Ferreira Camargos Silva, Rafael Resende Moraes Dias, Yago Gomes Dos Santos Universidade

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Precipitações Professora: Mayara Moraes Água da atmosfera que atinge a superfície na forma de chuva, granizo, neve, orvalho, neblina ou geada

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R

QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R ZILDENE PEDROSA O. EMÍDIO 1, ROBERTO V. CALHEIROS² ¹Meteorologista, Ph.D., Instituto de Pesquisas

Leia mais

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM)

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) ( Missão para medição de chuva tropical ) Prof. Dr. Carlos Augusto Morales (DCA/IAG/USP) morales@model.iag.usp.br Dra. Rachel Ifanger Albrecht (DSA/CPTEC/INPE)

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

Questão 37. Questão 39. Questão 38. alternativa D. alternativa D

Questão 37. Questão 39. Questão 38. alternativa D. alternativa D Questão 37 Os movimentos de dois veículos, e, estão registrados nos gráficos da figura. s(m) 37 3 22 1 7 t(s) 1 1 2 Sendo os movimentos retilíneos, a velocidade do veículo no instante em que alcança é

Leia mais

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica 1. De acordo com as condições atmosféricas, a precipitação pode ocorrer de várias formas: chuva, neve e granizo. Nas regiões de clima tropical ocorrem

Leia mais

b)condução.- O vapor d água e os aerossóis aquecidos, aquecerão por contato ou condução o restante da mistura do ar atmosférico, ou seja, o ar seco.

b)condução.- O vapor d água e os aerossóis aquecidos, aquecerão por contato ou condução o restante da mistura do ar atmosférico, ou seja, o ar seco. 4.3. Temperatura e transporte de Energia na Atmosfera ( Troposfera ).- A distribuição da energia solar na troposfera é feita através dos seguintes processos: a)radiação.- A radiação solar aquece por reflexão

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO 1.0. O que é o El Nino? É o aquecimento anômalo das águas superficiais na porção leste e central do oceano Pacífico equatorial, ou seja, desde a costa da América do Sul até

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE

COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE Izabelly Carvalho da Costa 1 Carlos Frederico de Angelis 1 RESUMO Tendo em vista que a

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA 2 1 6 Ed. Cap. 10 268-294 6 Ed. Cap. 6 Pg.209-219 6 Ed. Cap. 28 Pg.756-829 6 Ed. Cap. 21 Pg.483-501 3 Separação Química Princípios de uma separação. Uma mistura

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg.

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg. UFSM-CTISM Comunicação de Dados - Exemplos práticos Aula-05 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Meio de é o caminho físico entre o transmissor e o receptor. Como visto numa aula anterior

Leia mais

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração Física IV Difração Sears capítulo 36 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Difração e a Teoria Ondulatória da Luz Difração e a Teoria Ondulatória da Luz A difração é um fenômeno essencialmente ondulatório, ou

Leia mais

Laboratório de Estrutura da Matéria I

Laboratório de Estrutura da Matéria I Laboratório de Estrutura da Matéria I Interferência e difração com microondas PRINCÍPIO E OBJETIVOS Fenômenos óticos de interferência e difração são investigados com uso de feixes de microondas e objetos

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

2 Fundamentos de Propagação

2 Fundamentos de Propagação 15 2 Fundamentos de Propagação 2.1.Propagação em Espaço Livre As ondas de rádio em propagação são afetadas pela presença da terra e da atmosfera. Para enlaces de microondas ponto a ponto a camada da atmosfera

Leia mais

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM-

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM- Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Componentes essenciais para uma comunicação Wireless Uso permitido por Luciano Valente Franz luciano@computech.com.br Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena

Leia mais

Materiais e Métodos Resultados e Discussões

Materiais e Métodos Resultados e Discussões Sistema de Informações Meteorológicas e Imagens de Satelites - SIMSAT Wagner de A. Bezerra¹; Ivanete M. D. Ledo¹; Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Maria G. R. De Oliveira²; Kleber R. da P. Ataide¹

Leia mais

Telefonia Celular. Renato Machado

Telefonia Celular. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 23 de Setembro de 2011 Sumário 1 2 3 Fórmula de Friis

Leia mais

Outros tipos de nuvens

Outros tipos de nuvens Outros tipos de nuvens Nuvens anexas Pileus é uma nuvem de contorno suave que cobre o topo de uma montanha ou o topo de Cumulus e Cumulonimbus. Palavra de origem latina que significa capacete. http://zenblog.skynetblogs.be/

Leia mais

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley)

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley) CAPÍTULO 8 CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA 1 CLIMA I 8.1 CIRCULAÇÃO GLOBAL IDEALIZADA Nosso conhecimento dos ventos globais provém dos regimes observados de pressão e vento e de estudos teóricos de movimento dos

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

Sistemas que incluem amplificação podem possuir grandes valores de g, é assim, é conveniente expressar o ganho de potência em decibéis (db): produto

Sistemas que incluem amplificação podem possuir grandes valores de g, é assim, é conveniente expressar o ganho de potência em decibéis (db): produto 3.33 Perdas de transmissão e Decibéis Além de distorção de sinal, um sistema de transmissão também reduz o nível de potência ou vigor do sinal de saída. Esta redução no vigor do sinal é expresso em termos

Leia mais

Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D

Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO entro Técnico Aerospacial CTA Instituto de Aeronáutica e Espaço Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D Mirabel Cerqueira

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny EFEITO FOTOELÉTRICO J.R. Kaschny Histórico 1886-1887 Heinrich Hertz realizou experimentos que pela primeira vez confirmaram a existência de ondas eletromagnéticas e a teoria de Maxwell sobre a propagação

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br ANÁLISE ESTATÍSTICA DA PREVISIBILIDADE DOS ÍNDICES TERMODINÂMICOS NO PERÍODO CHUVOSO DE 2009, PARA AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR/BA Deydila Michele Bonfim dos Santos 1 Carlos Alberto Ferreira Gisler

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%)

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) O CLIMA MUNDIAL E BRASILEIRO A Atmosfera Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) As camadas da atmosfera: Troposfera; Estratosfera; Mesosfera; Ionosfera; Exosfera.

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

Figura 2.1: Coordenadas esféricas

Figura 2.1: Coordenadas esféricas 2 Conceitos Radar Neste capítulo serão tratados os conceitos necessários para se entender um sistema radar. É preciso entender quais são as principais medidas que um radar detecta, quais são os componentes

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem Lista de exercícios -Fenômenos Física Dudu 1-Pedro está trabalhando na base de um barranco e pede uma ferramenta a Paulo, que está na parte de cima (ver figura). Além do barranco, não existe, nas proximidades,

Leia mais

SOLUÇÃO: RESPOSTA (D) 17.

SOLUÇÃO: RESPOSTA (D) 17. 16. O Ceará é hoje um dos principais destinos turísticos do país e uma das suas atrações é o Beach Park, um parque temático de águas. O toboágua, um dos maiores da América Latina, é uma das atrações preferidas

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL Correia, D.C. (1) ; Medeiros, R.M. (2) ; Oliveira, V.G. (3) ; Correia, D. S. (4) ; Brito, J.I.B. (5) dariscorreia@gmail.com (1) Mestranda

Leia mais

SIMULAÇÕES DE INTERAÇÃO OCEANO ATMOSFERA NO PACÍFICO OESTE POR UM MODELO ACOPLADO. PARTE II - PROPRIEDADES DE ANOMALIAS DE SALINIDADE

SIMULAÇÕES DE INTERAÇÃO OCEANO ATMOSFERA NO PACÍFICO OESTE POR UM MODELO ACOPLADO. PARTE II - PROPRIEDADES DE ANOMALIAS DE SALINIDADE SIMULAÇÕES DE INTERAÇÃO OCEANO ATMOSFERA NO PACÍFICO OESTE POR UM MODELO ACOPLADO. PARTE II - PROPRIEDADES DE ANOMALIAS DE SALINIDADE Alexandre Araújo Costa* e William R. Cotton Department of Atmospheric

Leia mais

Tópicos em Engenharia Tópicos em Telecomunicações

Tópicos em Engenharia Tópicos em Telecomunicações Tópicos em ngenharia Tópicos em Telecomunicações Aulas e 3 Conceitos Gerais (cont.) Desafios atuais e futuros das comunicações sem fio 1 Características gerais de comunicações segundo as faias de frequências

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA Prof. Fabio Reis 2004 FUNDAMENTOS BÁSICOS DA METEOROLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA pg.- 02 VAPOR DE ÁGUA - NUVENS pg.- 20 PRESSÃO CARTA SINÓTICA

Leia mais

MODELOS ESTATÍSTICOS DE QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO ASSOCIADA AS PASSAGENS FRONTAIS NO RIO GRANDE DO SUL. por

MODELOS ESTATÍSTICOS DE QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO ASSOCIADA AS PASSAGENS FRONTAIS NO RIO GRANDE DO SUL. por 503 MODELOS ESTATÍSTICOS DE QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO ASSOCIADA AS PASSAGENS FRONTAIS NO RIO GRANDE DO SUL por Emma Giada Matschinski e Prakki Satyamurty CPTEC - Instituto de Pesquisas Espaciais -

Leia mais

Massas de Ar e Frentes

Massas de Ar e Frentes Massas de Ar e Frentes Propriedades das Massas de Ar Massas de Ar adquirem as propriedades da superfície subjacente As massas de ar são classificadas de acordo com seu local de origem Características

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA

TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA Como já foi visto no estudo dos movimentos atmosféricos, a distribuição dos ventos na superfície deve ser aproximadamente as das Figuras da página seguinte. Os ventos

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12

LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12 LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12 Questão 01) Quando uma pessoa se aproxima de um espelho plano ao longo da direção perpendicular a este e com uma velocidade de módulo 1 m/s, é correto afirmar que

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

ANÁLISE DE TEMPESTADES SEVERAS COM O SOFTWARE TITAN USANDO OS DADOS DO RADAR METEOROLÓGICO DE BAURU

ANÁLISE DE TEMPESTADES SEVERAS COM O SOFTWARE TITAN USANDO OS DADOS DO RADAR METEOROLÓGICO DE BAURU ANÁLISE DE TEMPESTADES SEVERAS COM O SOFTWARE TITAN USANDO OS DADOS DO RADAR METEOROLÓGICO DE BAURU Adelmo Antonio Correia 1 e José Carlos Figueiredo Resumo: Este trabalho visa analisar ocorrência de precipitação

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin. Medida do comprimento de onda das ondas de rádio

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin. Medida do comprimento de onda das ondas de rádio Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin Medida do comprimento de onda das ondas de rádio Aluna: Laura Rigolo Orientador: Prof. Dr. Pedro C. de Holanda Coordenador Prof. Dr.

Leia mais

PROVA UPE 2012 TRADICIONAL(RESOLVIDA)

PROVA UPE 2012 TRADICIONAL(RESOLVIDA) PROVA UPE 2012 TRADICIONAL(RESOLVIDA) 33 - Sete bilhões de habitantes, aproximadamente, é a população da Terra hoje. Assim considere a Terra uma esfera carregada positivamente, em que cada habitante seja

Leia mais

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Como a luz, uma onda de rádio, perderia-se no espaço, fora do nosso planeta, se não houvesse um fenômeno que provocasse sua curvatura para

Leia mais

Sistemas Wireless: Comunicação via satélite. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Sistemas Wireless: Comunicação via satélite. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Sistemas Wireless: satélite. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Satélite Aspectos Gerais Os satélites de comunicação: Surgiram na década de 60. Contendo características

Leia mais

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico.

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO MONITORAMENTO DE NUVENS DE GELO E DE ÁGUA LÍQUIDA SUPER-RESFRIADA SOBRE AS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL UTILIZANDO-SE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO GOES-8 Nelson Jesus Ferreira Cláudia Cristina dos Santos

Leia mais

COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE. Prof. MSc. Sandro M Malta

COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE. Prof. MSc. Sandro M Malta COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE Prof. MSc. Sandro M Malta Satélite Definição É chamado de satélite todo objeto que gira em torno de outro objeto. Ele é classificado em dois tipos: satélite natural satélite artificial.

Leia mais

Análise de um cavado móvel no sul da América do Sul através da ACE (Aceleração Centrípeta Euleriana)

Análise de um cavado móvel no sul da América do Sul através da ACE (Aceleração Centrípeta Euleriana) Análise de um cavado móvel no sul da América do Sul através da ACE (Aceleração Centrípeta Euleriana) Alice dos Santos Macedo; Bianca Buss Maske; Roseli Gueths Gomes Faculdade de Meteorologia/ Universidade

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA.

Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA. Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA. Silvia Letícia Alves Garcêz¹, Maria Aurora Santos da Mota². ¹Estudante de Graduação da Universidade Federal do Pará,

Leia mais

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento Rávila Marques de Souza Mestranda em Engenharia do Meio Ambiente Setembro 2012 Bacia Hidrográfica

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Biologia

Biofísica Bacharelado em Biologia Biofísica Bacharelado em Biologia Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 4 Luz como uma onda, refração, polarização, difracão e interferência. Formação de imagens e instrumentos óticos. Objetivos: Nesta

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

MEDIDA DA VELOCIDADE DE FASE DA LUZ EM LINHAS DE TRANSMISSÃO

MEDIDA DA VELOCIDADE DE FASE DA LUZ EM LINHAS DE TRANSMISSÃO XIX Simpósio Nacional de Ensino de Física SNEF 2011 Manaus, AM 1 MEDIDA DA VELOCIDADE DE FASE DA LUZ EM LINHAS DE TRANSMISSÃO Walter S. Santos 1, Darlan O. S. Gomes 2, Antonio Carlos F. Santos 3, Carlos

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

MECÂNICA ONDULATÓRIA - IGL

MECÂNICA ONDULATÓRIA - IGL 1. (Enem 2011) Ao diminuir o tamanho de um orifício atravessado por um feixe de luz, passa menos luz por intervalo de tempo, e próximo da situação de completo fechamento do orifício, verifica-se que a

Leia mais

QUESTÃO 01. a) Qual a temperatura do forno? b) Qual a variação de energia interna do bloco do latão. QUESTÃO 02

QUESTÃO 01. a) Qual a temperatura do forno? b) Qual a variação de energia interna do bloco do latão. QUESTÃO 02 Quando necessário considere: g = 10 m/s 2, densidade da água = 1 g/cm 3, 1 atm = 10 5 N/m 2, c água = 1 cal/g. 0 C, R = 8,31 J/mol.K, velocidade do som no ar = 340 m/s e na água = 1500 m/s, calor específico

Leia mais

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais