Entrevista com Pedro (nome fictício), egresso do sistema prisional.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entrevista com Pedro (nome fictício), egresso do sistema prisional."

Transcrição

1 Entrevista com Pedro (nome fictício), egresso do sistema prisional. 1) (Cristiano) Pedro, é o seguinte, estamos construindo aqui um livro falado, e é um livro sobre o exame criminológico. E nós estivemos na penitenciária feminina, estive em Bangu também, enfim, a gente está percorrendo os locais e conversando com todas as pessoas que, de alguma maneira, estão envolvidas com o exame criminológico. Desde quem esteve no cárcere até o juiz. Por quê? Porque estamos querendo entender um pouco mais o que é essa prática, pois teoricamente podemos pegar um livro, estudar e ver o que é. Mas a gente quer entender o que é de fato essa prática, o que se faz com esse tal de exame criminológico, o que ele é, para que serve... Você passou por esse exame criminológico? Quantas vezes? Uma vez. Uma só. 2) (Felipe) E era com uma pessoa que você já conhecia? Com uma pessoa que já conhecia. 3) (Felipe) Como foi essa experiência? A experiência é simples, você responde a algumas perguntas sobre a sua vida. Na realidade, foram três pessoas, a assistente social, o psicólogo e o psiquiatra. Então você responde a perguntas sobre sua vida, sobre seu comportamento antes e durante seu período preso e o que você pretende fazer depois.

2 4) (Cristiano) Mais concretamente, eles perguntam sobre o que? Sobre sua vida pregressa? Sim, sobre a vida antes, durante... Então, geralmente, você comenta se o relacionamento é bom, se não é, e o que você pretende fazer depois. Basicamente o exame criminológico é isso. O problema não é o exame em si, o relacionamento com o examinador, não é isso. A questão é a burocracia que existe até você chegar ao exame. O tempo que leva até você conseguir que um psiquiatra vá à sua unidade fazer um exame. Você já tem o direito de progressão, você já tem todas as condições para progredir e isso acaba sendo atrasado demais por causa do exame criminológico. 5) (Cristiano) Você acha que o exame é capaz de prever o que a pessoa vai fazer quando sair da prisão, se ela vai voltar a cometer algum delito ou não? Não! De forma alguma! Não tem como! É impossível! Como é que você vai prever que alguém vai tomar uma determinada atitude diante de uma determinada situação? 6) (Cristiano) Você acha, então, que o exame avalia o que? (longa pausa) Nada. 7) (Cristiano) Nada? Nada.

3 8) (Felipe) E as pessoas que demonstram não estarem bem no cotidiano, como é que você acha que pode ser o comportamento delas em um exame? Vai ser normal. Vai ser normal. A pessoa demonstra essa atitude quando está em um pequeno grupo, começa a gritar, a falar sozinho, às vezes a rir, mas na hora da entrevista ela vai falar normalmente. Eu vi isso. Não em exame criminológico, mas conversando com diretor, com advogado, a pessoa fala normalmente. Ah, mas quando você sair você vai... Vou, vou me comportar, claro que vou..., enfim, a pessoa vai dissimular. Você não tem como medir. 10) (Cristiano) Quanto tempo durou o seu exame? O contato mesmo com esses profissionais? Ah, cada um deles talvez meia hora... Meia hora cada um. Psicóloga e assistente social. Com o psiquiatra foi mais rápido ainda. 11) (Felipe) Foi em separado os três, então. Separado. 12) (Cristiano) Você antes de passar pelo exame, você ouviu falar, as pessoas comentam sobre exame? Comentam.

4 13) (Cristiano) E o que dizem? Pô, é absurdo isso, esse exame não adianta nada, só pra atrasar... 14) (Cristiano) Acham que vai atrasar? Acham que vai atrasar. Eu não estou a par da situação, não posso dizer com certeza, mas dizem que ele não é obrigatório. Que fica a critério do juiz pedir ou não, segundo cada caso. Mas parece que no Rio de Janeiro essa coisa está um pouco mais incisiva porque, pelas condições de violência mais aguda em determinados pontos da cidade. Então eu não sei se é esse o critério... Ah, a pessoa que é presa por um determinado tipo de delito ou em uma determinada região, vamos mandar fazer o exame nele... Até para o juiz se resguardar, para não dizerem que o juiz o liberou por um motivo ou por outro. Tem muita política também por aí. 15) (Cristiano) Você quando fez o exame, você ganhou um benefício ou você já tinha cumprido a pena objetiva, o tempo? Eu não cumpri toda a pena não. Eu cumpri mais de dois terços e tive direito à progressão. Então, a juíza pediu o exame. Eu não tive o direito a dois quintos, pelo o crime ter sido considerado hediondo. Eu deveria ter saído bem antes, mas porque o ministério recorreu, houve um aumento de pena, isso tudo atrasou muito a minha progressão. Quando o processo chegou às mãos da juíza concluído, já tinha passado até os dois terços de direito à condicional.

5 16) (Felipe) E quanto tempo foi isso? Eu três anos e cinqüenta dias preso. Minha condenação era de quatro anos e meio. 17) (Cristiano) O exame te ajudou ou atrapalhou nessa questão? O exame atrapalhou... Não chegou a atrapalhar tanto, pois no meu caso o exame não chegou a demorar muito não. No meu caso eu fiquei dois meses, mais ou menos, até o psiquiatra chegar. Mas com o assistente social e psicólogo foi rápido. Mas a questão do psiquiatra prejudicou um pouco. 18) (Cristiano) Concretamente, o que é o exame do ponto de vista do psiquiatra, do psicólogo, do assistente social? Acho que para eles é uma burocracia, é um cumprimento de um ritual burocrático. Estou falando isso mais em relação ao psiquiatra. Também por excesso de trabalho. Eu falei pra ele, Poxa, Doutor, eu estou esperando há dois meses!, e ele disse olha, estou sozinho, sou eu para atender cerca de 20 mil presos!. Um psiquiatra, gente! Como é que querem que um homem faça exames numa quantidade de presos como essa? Isso se torna inviável. Fica muito burocrático. 19) (Felipe) Eles só trabalham fazendo esse exame? Só trabalham fazendo esse exame. Agora, assistente social e psicólogo não, tem uma série de outras atividades.

6 20) (Cristiano) E você teve, então, contato com assistente e a psicóloga fora do exame? Sim, elas atendem em Bangu 8, o psiquiatra é de todo o complexo. E por isso eu creio que o exame com elas foi mais cuidadoso. 21) (Cristiano) E já te conheciam? Já, eu trabalhava com elas. Nesse caso eu acho que elas podem ter uma avaliação melhor do meu estado emocional. Mas ainda assim não podem dizer se eu vou cometer um crime. 22) (Felipe) Isso você fala de sua experiência particular, por ter trabalhado com elas, ou também dos demais detentos? Dos demais! Eu vi muitos colegas que passaram por exame, outros não. Engraçado. Vou contar o exemplo de um colega que era também funcionário do estado, da área de segurança, estava com a gente em Bangu 8, na ala de policiais, o crime dele era de tráfico e ele não precisou passar por exame, foi a critério da juíza. É critério do juiz. 23) (Cristiano) Você tem uma ideia de como isso é definido, por que uns são chamados pra exame e outros não? No meu caso teve muita imprensa. Eu fiquei três meses na mídia. O caso desse colega, nada, não saiu nem no jornal.

7 24) (Cristiano) Você acredita, então, que há uma pressão da sociedade por uma certa resposta? Com certeza! 25) (Felipe) E por que seu caso teve tanto destaque na mídia? Ah, porque teve muita repercussão. Eu, como sou policial, fui acusado de um suposto envolvimento com o tráfico. Na realidade eu não estava envolvido, estava recebendo informações do meu informante, então repercutiu demais na mídia. Eu sei que meu caso foi isso, essa repercussão na mídia. 26) (Cristiano) Está previsto na lei que tem como verificar uma certa periculosidade, o exame seria capaz de pegar ou detectar algo desse tipo. O que você acha disso? Na cabeça de algumas pessoas o exame pode detectar alguma periculosidade, mas eu acho que não. Tem pessoas extremamente perigosas que não demonstram nada. Você olha e pensa esse cara não vai fazer nada com ninguém!. Como policial, eu conheci casos absurdos. Então a gente não tem como saber, prever. Por exemplo, um sujeito que prendi, que era gerente do tráfico na favela Tabajara, que aparentemente era absurdamente violento, na hora que eu fui prendê-lo parou, não ofereceu resistência. E ele era muito forte. Então, é difícil você prever a reação da pessoa. Você tem casos, por exemplo, no trânsito, de um alto funcionário do estado, do Governo Federal, seja lá de onde for, por causa de uma fechada, uma confusão no trânsito, tira uma arma e então... Um sujeito normalíssimo, não tem nada, nenhum resquício de comportamento violento, de ser psicopata, nada disso.

8 27) (Cristiano) Você acha que a psicologia, a assistência social teriam outros papéis a cumprir dentro da prisão. Com certeza! Gente, pelo amor de Deus! Só os governantes não enxergam isso! Tem que haver uma presença constante de muitos profissionais da área de psicologia, da área de assistência social, da área de pedagogia, todas essas áreas para transformar aquela pessoa, e estou falando de pessoas que cometem crimes, não dos casos fortuitos, de algo que aconteceu. A pessoa que convive com uma facção criminosa, que pertence a um bando qualquer, mesmo que não seja do tráfico, aquela pessoa que está sendo oprimida durante muito tempo, é preciso fazer um trabalho com essa pessoa. Mostrar para ela que existe um outro caminho. Alguns trabalhos são feitos, como, por exemplo, aula de pintura. Mas estou dando exemplo de Bangu 8, porque não sei se existe isso em outras unidades prisionais. Mas esse trabalho tem que ser maciço! Por quê? Porque aquele sujeito que não é realmente recuperado com certeza vai voltar a cometer crimes. Então, o trabalho não é o exame criminológico, o trabalho que tem que ser feito é o trabalho de mudar a cabeça da pessoa. Trabalhar e mostrar para o sujeito que ele tem um outro caminho, e isso não é feito de forma nenhuma. Só quem faz isso são as igrejas. Toda semana vai um pessoal da igreja, que não ganha absolutamente nada, para fazer esse trabalho, que deveria ser do estado, de detectar quem é que está precisando, quem é que está angustiado, quem é que tem problemas na família, o que ele vai fazer depois que sair. Isso é feito de uma forma muito tímida quando o preso trabalha na faxina, depois quando sai para o semiaberto e tem a oportunidade de trabalhar na Cedae. É preciso preparar aquela pessoa para quando ela sair ter uma opção para sobrevivência. Essa criminalidade, hoje, é, em grande parte, reflexo do abandono do preso. 28) (Cristiano) Na unidade que você estava, tinha alguma atividade além do exame realizada por psicólogos? Sim, debates, grupos de ideias, grupo de leitura. O trabalho feito em Bangu 8 era muito bom.

9 29) (Felipe) E como era a resposta dos detentos? Excelente! Muita gente não queria participar, não ia e tal, mas quando ia dizia Legal, gostei, vou em outros!. A gente tentava incentivar. Por outro lado, tem aquela coisa da opressão do dia a dia. Ah, não vou não.... Às vezes a pessoa marca de ir a um debate, mas na hora diz que não vai mais, fala que está desanimada pela falta de contato com a família, falta de contato com advogado, pela opressão, pois toda hora entram em sua cela para saber se tem alguma coisa. Enfim, aquilo tudo marca muito. 30) (Cristiano) Você participava desses grupos? Foi voluntariamente? A gente é convidado. Primeiro é convidado a participar como ouvinte e também a falar, dar opinião nos debates. Depois, quando passei a trabalhar diretamente com uma psicóloga eu participava de todos. 31) Você trabalhou fazendo o que na penitenciária Bangu 8? A área de psicologia e assistência social faz um trabalho lá dentro. Todo preso que chega tem um atendimento inicial. Então pra isso eles necessitam de um contato. A denominação é faxina, e é o preso que trabalha na faxina. Mas na realidade meu trabalho era fazer contato com quem chegava, para acalmar a pessoa, que fica extremamente nervosa, apresentá-la aos demais e levá-la para uma reunião com a psicóloga e com a assistente social. Nessa reunião, a psicóloga junto com a assistente social, entrega uma cartilha que elas fizeram para explicar a estrutura que existe ali, de atendimento, dentista, advogado, defensoria pública, enfim, toda a estrutura que existe de atendimento a quem está preso. Era também meu trabalho organizar o auditório, que era uma sala de cultura pra exibir vídeos, serve de igreja também, tem uma biblioteca lá. Então eu organizava lá, deixava tudo arrumadinho.

10 32) (Felipe) Essa unidade em que você estava ela é específica para pessoas de ocupação como a sua? Policiais e pessoas de nível superior. Uma ala para policiais e outra para pessoas de nível superior. 33) (Felipe) Você chegou a ter contato com pessoas de outras alas? Sim, até por esse trabalho que eu fazia, eu tinha que ir às outras alas. 34) (Felipe) E você nota diferença no contato de vocês com essas outras? Não... Aliás, não vou te dizer que não há diferenças, há sim, até porque os policiais têm uma cultura diferente. Ali tem muitos policiais com curso superior, no meu caso, por exemplo, sou administrador de empresas. Hoje a polícia, e até a polícia civil, está exigindo nível superior. Existe aquela cultura da polícia que faz ter um comportamento um pouquinho diferenciado do pessoal do nível superior, o policial é um pouquinho mais rebelde, pois não aceita a situação e querer negociar mais as regalias. Essa coisa de o funcionário do estado estar ali sob custódia do estado. 35) (Felipe) Mas e as pessoas que estão em outros pavilhões, que não Bangu 8, pessoas que não são policiais e não têm curso superior, você teve contato com elas? Não, a gente não tem contato.

11 36) (Felipe) E você acredita que a resposta deles seria a mesma? Até por sua experiência como policial, você conheceu muitas vezes essas pessoas... Claro, lógico! Eles estão totalmente abertos, a tudo! Se você chega para alguém que não tem nada e oferece alguma coisa, essa pessoa se agarra a isso, àquilo que está sendo oferecido. O que eles têm ali é nada, é ficar pensando no que vai fazer quando sair, se volta para o crime ou se não volta. 37) (Cristiano) Pedro, você procurou a psicologia por alguma razão? Procurei. Primeiro, com todos esses debates. Então, um dia, um colega que trabalhou com a psicóloga antes de mim, falou: olha, se você quiser, pode ir lá conversar com ela, expor, se tiver algum problema, e aí eu fui. A minha angústia maior era com a minha companheira. Eu tinha medo de ela me deixar, porque eu gostava muito dela. 38) (Cristiano) E você levou esse assunto ao psicólogo, foi uma terapia? Foram vários contatos. Ela disse que não tinha condição de fazer uma terapia, pois são muitas pessoas. Ela disse olha, a gente faz um atendimento de orientação, mas não tem como fazer uma terapia. Mas eu me sentia fazendo uma terapia. Eu conversava com ela, expunha e ela me ouvia. Eu achei até que eu estava fazendo uma análise. E ela é uma pessoa extremamente educada, compreensiva, me atendia sempre, e eu me acalmava. Acalmava essa minha angústia. Porque é uma angústia não saber o que sua família está passando lá fora. Isso em relação à minha companheira, pois a estrutura familiar que eu tenho me atendeu com toda a tranqüilidade.

12 39) (Cristiano) O serviço social fez algum trabalho com a sua família? Quando era necessário, eles entravam em contato com a minha família, quando eu ficava preocupado porque alguém não tinha ido me visitar. Então, eles iam e verificavam, mas acredito que isso era feito para todos. 40) (Cristiano) Qual é a necessidade do exame. Você acha que ele é necessário? Necessidade eu só vejo no caso de identificação de uma patologia, um caso de psicopatologia, uma coisa mais grave, quando a pessoa tem necessidade de tomar remédios porque não se controla. Nesses casos, talvez haja necessidade. Mas uma pessoa que teve uma vida normal, que se identificou que ela teve um comportamento normal, eu acho que não vai resolver nada. 41) (Cristiano) E você diferencia exame criminológico de avaliação psicológica? Eu acho que sim. A avaliação psicológica é feita no longo prazo, com uma série de entrevistas, até de testes. Agora, o exame, que é feito em questão de minutos, com apenas uma entrevista, acho que não vai detectar coisa nenhuma. 42) (Cristiano) Você acha que é necessário maior tempo, maior acompanhamento para a avaliação? Exatamente. O exame é rápido, uma coisa que tem apenas algumas perguntas. No acompanhamento, elas não obrigam ninguém a ir lá para conversar. Então, é iniciativa da pessoa. Mas às pessoas que vão, certamente elas perguntam o que você vai fazer

13 quando sair?. Então, elas têm essa noção. Quando você entra, elas fazem uma entrevista e colocam se a pessoa quer falar do problema. 43) (Cristiano) Isso é exame criminológico também? Não. Isso é uma iniciativa da psicóloga e da assistente social de Bangu 8. Elas fazem esse trabalho por iniciativa própria, e eu não sei se todas as unidades fazem isso. 44) (Cristiano) Da mesma maneira que é difícil o contato inicial quando se entra na prisão, também deve ser difícil na hora de sair. A readaptação é um grande problema? No meu caso, por exemplo, eu tinha uma estrutura fora da cadeia, eu tenho cursos na área de segurança, instalo sistemas, tenho meus clientes, tenho algumas possibilidades agora para o início do ano em Vargem Grande, no Recreio, que é uma área carente disso, e com condomínios de grande porte, que vão permitir que recupere parte da minha renda. Minha renda não era feita apenas com salário de policial, era meu salário policial e meus clientes da área de segurança. Então, eu estou recuperando isso. É devagar, é lento, sei que é lento, mas minha família me ajuda quando eu preciso. Então, eu tenho minhas necessidades já supridas, de alguma forma. 45) (Cristiano) Isso deve ser muito difícil para quem não tem... Exatamente. Se a pessoa sai, sem emprego, sem uma estrutura familiar, sem nada, absolutamente nada, quem está por muito tempo, sai sem nenhuma referência, pois perde o contato com todo mundo. O estado tinha que receber essa pessoa. Tinha que orientar. Tinha que acompanhar melhor. Conforme o tempo vai passando, cada vez fica

14 pior. E tem uma palavra que ouvi na prisão que caracteriza tudo isso: Ah, o fulano está institucionalizado, ou seja, ele não quer nem sair de lá. 46) (Felipe) E a palavra é essa, não querer? É. Eu tinha um colega que saía e voltava, ou seja, era preso de novo. Sempre por homicídio ou por tentativa. Esse colega está institucionalizado, ele mandou a família embora, ele é atendido por um defensor público, não tem mais advogado. E ele fala para o defensor que não quer mais nada, que não quer mais saber de nada. Enfim, ele não tem nem como trabalhar, pois não há vagas. Apenas 10% do efetivo carcerário pode trabalhar. Então, não há vagas pra todo mundo. O sujeito quer trabalhar, mas não tem vaga. Quer dizer, o estado quer ressocializar, mas não oferece nada, como é que vai ressocializar se o cara passa o dia inteiro sem fazer nada?. 47) (Cristiano) E o seu amigo, ele reincidiu? Ele saiu e voltou acho que três vezes. 48) (Cristiano) Sabe se ele passou por exame criminológico? Acho que ele fez exame com psiquiatra. 49) (Cristiano) Ele ganhou a liberdade? Ele não ganhou a liberdade porque ele, num determinado dia, ele se comportou mal, ofendeu a enfermeira, foi penalizado, e teve que ficar no mínimo seis meses para

15 cumprir aquela penalidade administrativa. Mas era uma pessoa que estava desequilibrada. 50) (Cristiano) E o exame criminológico não pegou isso? Não pegou e eu vou te dizer por que: na frente do médico ele fica certinho, se comporta, responde as questões dizendo que vai refazer a vida dele. Ele é uma pessoa que constrói imóveis, então fica recortando jornais sobre material de construção, mas eu não sei se quando ele sair ele vai continuar fazendo isso ou se ele vai cometer algum crime, ninguém sabe. 51) (Cristiano) Você acha que o exame criminológico é um papel desse tipo? Claro! 52) (Cristiano) Meramente um papel? Meramente um papel. 53) (Cristiano) Você quer comentar mais alguma coisa? Só que esse trabalho de vocês é fundamental. Tem que ser feito. Se quiserem melhorar a situação de violência nas cidades, é com esse trabalho de vocês, de assistente social, de pedagogia, de orientação educacional, de orientação de trabalho. Caso contrário, o sujeito volta para rua, alicia quatro, cinco, seis, dez adolescentes que vão cometer crimes. Então, a meu ver, o combate à criminalidade hoje está ligada a isso.

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 APMP: Como surgiu a ideia de prestar concurso para o MP? Desde

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45 Egressos e mercado de trabalho Imagens externas de presídios no Rio de Janeiro. Imagem Édio Araújo Cooperativa eu quero Liberdade. Gráfico e imagens de apoio. Imagem Maíra Fernandes Presidente do conselho

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Projetos sociais. Criança Futuro Esperança

Projetos sociais. Criança Futuro Esperança Projetos sociais Newsletter externa ABB - Projetos sociais Criança Futuro Esperança Maria Eslaine conta sobre o início de seu curso profissionalizante 02 De ex-aluno do projeto a funcionário da ABB 04

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS Minhas áreas de atuação são, pela ordem de número de eventos: Gestão de Projetos; Gestão de Ativos; Gestão de Segurança Industrial e Gestão Estratégica de empresas. Considero-me,

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

DEPOIMENTO DE DONA IZAR NASCIMENTO ALVES IZAR NASCIMENTO ALVES *

DEPOIMENTO DE DONA IZAR NASCIMENTO ALVES IZAR NASCIMENTO ALVES * DEPOIMENTO DE DONA IZAR NASCIMENTO ALVES AO DO JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO SUL Diz-se que o Júri é o Tribunal do Povo. E é o que o depoimento de Izar Nascimento Alves revela com todas as letras. O relato

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais

Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido

Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido Você já pensou alguma vez que é possível crescer 10 vezes em várias áreas de sua vida e ainda por cima melhorar consideravelmente sua qualidade

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel Elaboração Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude e Coordenadoria de Comunicação Social do Ministério Público do Estado de Santa Catarina. Contato Rua Bocaiúva, 1.750, 4º andar - Centro -

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU NOME LUIS FILIPE PERTENCENTE A ALGUMA ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL? ESTADO MUNICÍPIO RIO DE JANEIRO (RJ) NOVA FRIBURGO DESCRIÇÃO DO CASO QUALIFICAÇÃO SEXO MASCULINO IDADE 22 25 COR GRAU DE INSTRUÇÃO

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL WWW.SUPERVISORPATRIMONIAL.COM.BR SUPERVISOR PATRIMONIAL ELITE 1 OS 3 PASSOS PARA O SUCESSO NA CARREIRA DA SEGURANÇA PATRIMONIAL Olá, companheiro(a) QAP TOTAL. Muito prazer, meu nome e Vinicius Balbino,

Leia mais

internetsegura.fde.sp.gov.br

internetsegura.fde.sp.gov.br PROJETO: HISTORIA: PÁGINA: ANO:! internetsegura.fde.sp.gov.br Internet Segura. Bom para você! Olá! A campanha Internet Segura. Bom para você! apresenta duas histórias em quadrinhos em que seus personagens

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Como fazer contato com pessoas importantes para sua carreira?

Como fazer contato com pessoas importantes para sua carreira? Como fazer contato com pessoas importantes para sua carreira? - Tem alguém com quem você gostaria de fazer contato? - Porque você não o fez até agora? - Por que é importante aprender a fazer esses contatos?

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

Relato de parto: Nascimento do Thomas

Relato de parto: Nascimento do Thomas Relato de parto: Nascimento do Thomas Dia 15 de dezembro de 2008, eu já estava com 40 semanas de gestação, e ansiosa para ter meu bebê nos braços, acordei as 7h com uma cólica fraca, dormi e não senti

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 2

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 2 Sexo Idade Grupo de docência Feminino 40 Inglês (3º ciclo/secundário) Anos de Escola serviço 20 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Inglês, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA:

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Fundo Perpétuo de Educação PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Os depoimentos, ensinamentos e metas dos participantes mais bem sucedidos. A escolha da escola fez a diferença na sua colocação

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS Desânimo total Acho que minhas forças estão indo abaixo, ando meio desmotivado!!!! Não quero desanimar, mas os fatores externos estão superando minha motivação... cobrança

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS FORTES, Gilse Helena Magalhães PUCRS GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora: não contou com financiamento A escola por ciclos,

Leia mais

Todos a favor da agilidade

Todos a favor da agilidade Todos a favor da agilidade Você sabia que agora os inventários, partilhas, separações e divórcios podem ser feitos no cartório? Pois é! Agora os cidadãos tiveram suas vidas facilitadas! Esses atos podem

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

"Busca pelo Envolvimento do Funcionário Parte Dois: O Poder do Reforço Positivo.

Busca pelo Envolvimento do Funcionário Parte Dois: O Poder do Reforço Positivo. "Busca pelo Envolvimento do Funcionário Parte Dois: O Poder do Reforço Positivo. Por Bill Sims, Jr. www.safetyincentives.com Na primeira parte desta história, expliquei sobre os três tipos de funcionários

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA

OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA Fátima Borges Silva 1ª Edição 2014 OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA,

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Ivo Barcelos Assumpção, nasci dia 13 do doze de 1954 em Rezende, Estado do Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu estudei engenharia química na UFRJ, entrei

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

carles santamaria y pere pérez

carles santamaria y pere pérez comics as aventuras de por carles santamaria y pere pérez Prepare-se para conhecer Rock Rivers, um agente secreto cuja missão é deter o maquiavélico Hellvansinger e a bela Ina - cantora de voz e curvas

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Teste sua empregabilidade

Teste sua empregabilidade Teste sua empregabilidade 1) Você tem noção absoluta do seu diferencial de competência para facilitar sua contratação por uma empresa? a) Não, definitivamente me vejo como um título de cargo (contador,

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Crianças e Meios Digitais Móveis Lisboa, 29 de novembro de 2014 TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Educação para o uso crítico da mídia 1. Contexto

Leia mais

análise da sequência de

análise da sequência de Laila Vanetti - Setembro de 2014 Laila Vanetti - Setembro de 2014 último encontro análise da sequência de vendas de Conrado adolpho 1º E-mail Conrado adolpho Assunto: O que fizemos aqui na Webliv... Oi,

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro!

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro! Capítulo 3 N o meio do caminho tinha uma casa. A casa da Laila, uma menina danada de esperta. Se bem que, de vez em quando, Fredo e Dinho achavam que ela era bastante metida. Essas coisas que acontecem

Leia mais

Como fazer seu blog se destacar dos outros

Como fazer seu blog se destacar dos outros Como fazer seu blog se destacar dos outros Fama. Tráfego. Reconhecimento. Muito dinheiro no bolso. Esses itens certamente estão presentes na lista de desejos de quase todos os blogueiros. Afinal, ninguém

Leia mais

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com a presidente do Chile, Michelle Bachelet, após encerramento do seminário empresarial Brasil-Chile

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais