Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com."

Transcrição

1 Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 Modalidad de trabajo: Eje temático: Palabras claves: Resultado de Investigação Trabalho na contemporaneidade, questão social, serviço social subsunção do trabalho ao capital, relações sociais e serviço social 1. Introdução As implicações da subsunção formal e real do trabalho ao capital nas relações sociais têm origem na base material e são condição sine qua non para o acúmulo e expansão do capital. Assim, analisando a subsunção do trabalho ao capital de forma geral e em seus momentos históricos, encontramos os nexos causais que decorrem desse processo e que o sustenta nas diversas mediações das relações sociais. A subsunção formal, a qual Marx se refere, é a primeira forma de subordinação do trabalho ao capital para valorização deste e que tem como pressuposto a separação do produtor direto de seus meios de produção e subsistência e a sua transformação em trabalhador assalariado, condição esta que impõe a subordinação deste ao capitalista que se apropria desses meios, monopolizando e transformando-os em capital, em forças de coerção contra os trabalhadores. Nesse processo dá-se início à contradição essencial do sistema capitalista, a produção social da riqueza e sua a apropriação privada. A partir daí, tem-se a desigualdade social como uma das principais implicações da subordinação formal do trabalho ao capital nas relações sociais. A subordinação formal do trabalho ao capital é o processo em que acontece a subsunção do trabalho ao processo de valorização do capital por meio da extração predominante da mais-valia absoluta. Dá-se, primeiramente, na cooperação, que é a forma de organização do trabalho em que muitos trabalham em processos combinados, o que permite um aumento da força produtiva social e uma maior exploração do maistrabalho para reprodução e acúmulo do capital. E em seguida na manufatura que é a forma clássica da cooperação e da qual a subsunção formal é característica. 1 Bacharel em Comunicação Social Habilitação em Jornalismo. Estudante de pós-graduação do mestrado da Faculdade de Serviço Social - Universidade Federal de Alagoas Brasil. Ponencia presentada en el XIX Seminario Latinoamericano de Escuelas de Trabajo Social. Universidad Católica Santiago de Guayaquil. Guayaquil, Ecuador. 4-8 de octubre

2 Com o desenvolvimento das forças produtivas, tem-se a subsunção real, como resultado do incremento da maquinaria e ciência no modo de produção capitalista. Tendo como expressão material a produção de mais-valia relativa e como uma das implicações, a intensa alienação do trabalho, pois na grande indústria o trabalhador passa a servir a máquina, seu trabalho é determinado por ela, a quem ele está subordinado. É a coisificação do trabalhador e personificação da máquina. Nesse momento histórico, consolidam-se algumas das implicações basilares de sustentação do sistema capitalista, como: a concentração de riqueza, o pauperismo, a exploração generalizada do trabalho assalariado, o aumento do exército industrial de reserva e o conseqüente rebaixamento de salários. As implicações socioeconômicas decorrentes do processo de subsunção real do trabalho ao capital colocaram em proeminência as contradições e mazelas do sistema capitalista. Ao longo desse processo histórico, os trabalhadores se uniram de diversas formas para encontrar saídas para garantir a própria sobrevivência. E quando a reação desses trabalhadores se constituiu numa ameaça a ordem burguesa, o Estado foi acionado para enfrentar as expressões da questão social. Porém, só quando há um acirramento destas contradições, no estágio do capitalismo monopolista, é que surge o Serviço Social, como atividade profissional com a função de contribuir com a subsunção real do trabalho ao capital. Sendo instrumentalizada pelo Estado para enfrentar as manifestações da questão social, por meio de políticas sociais. Nesses termos, buscaremos refletir sobre as implicações sociais decorrentes da subordinação do trabalho ao capital e os rebatimentos no Serviço Social. Para que cientes do funcionamento da sociedade capitalista e dos limites e funções impostos a profissão pela lógica do capital possamos pensar estratégias que venham a contribuir com a luta da classe trabalhadora na superação do capital. 2. Subsunção formal do trabalho ao capital: a produção social da riqueza e sua apropriação privada e a desigualdade social A relação antagônica e contraditória entre capital e trabalho tem sua gênese com a acumulação primitiva do capital, na qual os produtores diretos expulsos violentamente de suas terras e expropriados de suas condições de trabalho são convertidos em 2

3 trabalhadores assalariados, obrigados assim a vender a única coisa que lhes resta, a força de trabalho, para comprar os meios de sua subsistência. Esse movimento histórico de acumulação primitiva, período que antecede a consolidação do modo de produção capitalista, é marcado pelo processo de separação entre o produtor direto e seus meios de produção. Desse modo, sua efetivação criou duas classes principais 2, antagônicas, possuidoras de mercadorias distintas que se completam e se defrontam. Para Marx, [...] Com essa polarização do mercado estão dadas as condições fundamentais para produção capitalista. A relação-capital pressupõe a separação entre os trabalhadores e a propriedade das condições da realização do trabalho (1984:262). No entanto, essas duas mercadorias entram em contato e se defrontam numa aparente relação de igualdade, pois, reduzem a relação entre o possuidor 3 das condições de trabalho e subsistência e o trabalhador 4 a uma simples relação de compra e venda sob a qual se mascara a exploração fundamentada no trabalho assalariado, na propriedade privada e na extração da mais-valia. É nesse momento histórico que se dá a subsunção formal, quando a produção social torna-se capitalista e o valor de uso é subjugado ao valor de troca. Sendo o processo de trabalho subordinado ao capital o processo de valorização deste, no qual o capitalista passa a ser o dirigente, quem conduz e define a exploração do trabalho alheio. Para Marx, a subsunção formal do trabalho ao capital, [...] É a forma geral de todo processo capitalista de produção; mas é ao mesmo tempo uma forma particular, a par do modo de produção especificamente capitalista, desenvolvido [...] (1978:51). Ele também denomina a subsunção formal, como: Á forma que se funda no sobrevalor absoluto, posto que só se diferencia formalmente dos modos de produção anteriores, sobre cuja base surge (ou é introduzida) diretamente, seja porque o produtor (producer) atue como empregador de si mesmo (self-employing) seja porque o produtor direto deva proporcionar trabalho excedente a outros. (ibid:56) Assim, para a subsunção do trabalho ao capital é fundamental o estabelecimento de uma relação puramente monetária (p.56) entre quem compra a força de trabalho e quem a vende, ou seja, uma relação de dependência econômica, na qual o produtor com 2 Classe trabalhadora e a classe dominante, os capitalistas. 3 Capitalista que detém o monopólio dos meios de produção e subsistência e compra o trabalho alheio para que este transforme esses meios em capital, em mais-valia. 4 Que vende a única coisa que possui, a força de trabalho, em troca de sua subsistência que no modo de produção capitalista é paga em salário. 3

4 o trabalho está subordinado ao capitalista e este precisa do trabalho para gerar maisvalor. Essa subordinação é determinada pela expropriação das condições materiais de produção e subsistência do operário pelo capitalista. Tais condições aparecem para o vendedor (operário) como propriedade alheia, como forças monopolizadas pelo comprador (capitalista), que controla o operário. Segundo Marx, [...] Quanto mais plenamente se lhe defrontam tais condições de trabalho como propriedade alheia, tanto mais plenamente se estabelece como formal a relação entre capital e o trabalho assalariado, o que vale dizer: dá-se a subsunção formal do trabalho ao capital, condição e premissa da subsunção real (p.57). É importante apontar que a subsunção formal como forma geral de extração da mais-valia por meio do trabalho excedente, presente em todo processo do modo de produção capitalista, é também específica, pois é resultado de um dado momento histórico, no qual o capitalismo ainda não era hegemônico e o processo de trabalho continuava o mesmo do modo de produção anterior 5, no qual predominava a extração da mais-valia absoluta 6. Pois, o capital variável (força de trabalho) prevalecia fortemente sobre o constante (meios de trabalho). As bases materiais e o modo de trabalho neste primeiro momento de subsunção formal ainda são limitados tecnicamente, pois a produção se dá no mesmo espaço da oficina do mestre-artesão, só que agora no sentido de trabalho subordinado ao capital (p.57). Porém, já neste momento de subsunção formal, surgem diversas implicações sociais que são resultados e ao mesmo tempo sustentam o modo de produção capitalista, como a desigualdade social decorrente da contradição principal do sistema: a produção cada vez mais social da riqueza e sua apropriação cada vez mais privada. Com o desenvolvimento das forças produtivas e a possibilidade de inserir tecnologia, ou seja, ciência e maquinaria no processo de produção, tem-se um revolucionamento no modo de produção e nas relações sociais que emergem deste. Assim, com a subsunção real do trabalho ao capital, dá-se uma revolução total (que prossegue e se repete continuamente)ª no próprio modo de produção, na produtividade do trabalho e na relação entre o capitalista e o operário (p.66). 5 Produção nas oficinas de mestre-artesão, sem o uso de maquinaria. 6 Extração da mais-valia por meio do prolongamento da jornada de trabalho e da organização de uma grande quantidade trabalhadores em processos combinados de trabalho, a exemplo da cooperação. 4

5 3. Subsunção real do trabalho ao capital: concentração da riqueza, pauperismo e alienação do trabalhador Com a hegemonia e expansão do modo de produção capitalista consolidada pelo desenvolvimento das forças produtivas que tem como expressão material uma maior extração do trabalho excedente, agora com o uso de máquinas que permite também a extração de mais-valia relativa 7, tem-se a real subsunção do trabalho ao capital e com isso os aspectos negativos (as implicações nas relações sociais) desta subordinação tornam-se cada vez mais antagônicos e contraditórios. Pois, a contradição essencial do sistema capitalista está na produção de riqueza cada vez mais social, enquanto a apropriação desta é cada vez mais privada e com isso tem-se a desigualdade social, na qual se encontra a concentração da propriedade privada e da riqueza num pólo e no outro pólo o pauperismo, com uma intensa exploração do trabalho assalariado e a alienação do trabalho, já que quanto mais riqueza o trabalhador produz, mais miséria acumula para si. Segundo Marx, [...] A acumulação da riqueza num pólo é, portanto, ao mesmo tempo, acumulação de miséria, tormento de trabalho, escravidão, ignorância, brutalização, degradação moral no pólo oposto, isto é, do lado da classe que produz seu próprio produto como capital (1984:210). Essa desigualdade social e o pauperismo se intensificaram com o desenvolvimento da grande indústria, pois apenas uma parte da população expulsa do campo foi absolvida pelo mercado de trabalho, convertidos em trabalhadores assalariados, a outra grande parte passou a constituir o exército industrial de reserva, condição fundamental para o modo de produção capitalista, pois este exército permite a desvalorização da força de trabalho (rebaixamento dos salários) e sua profunda exploração tendo em vista a acumulação de capital. Sobre isso, Marx afirma: 7 Para Marx: Do mesmo modo porque se pode considerar a produção da mais-valia absoluta como expressão material da subsunção formal do trabalho ao capital, a produção da mais-valia relativa pode ser considerada como a de subsunção real do trabalho ao capital. De qualquer modo, as duas formas de mais-valia a absoluta e a relativa se consideradas isoladamente, como existências separadas (e a mais-valia absoluta precede sempre a relativa), correspondem as duas formas separadas no interior da produção capitalista, das quais a primeira é sempre precursora da segunda, embora a mais desenvolvida, a segunda, possa constituir, por sua vez, a base para introdução da primeira em novos ramos da produção. (pg.56) 5

6 Mas, se uma população trabalhadora excedente é produto necessário da acumulação capitalista, essa superpopulação torna-se, por sua vez, a alavanca da acumulação capitalista, até uma condição de existência do modo de produção capitalista. [...] Ela proporciona às suas mutáveis necessidades de valorização o material humano sempre pronto para ser explorado, independente dos limites do verdadeiro acréscimo populacional (p.200). Assim, uma parcela da classe trabalhadora é obrigada à ociosidade devido ao excesso de trabalho ao qual a outra parte é condenada, sendo tal condição fundamental para manutenção do exército industrial de reserva e este para a acumulação capitalista. Com isso, tem-se de um lado o enriquecimento dos capitalistas e de outro o empobrecimento da classe trabalhadora. Como assevera Marx, Quanto maior, finalmente, a camada lazarenta da classe trabalhadora e o exército industrial de reserva, tanto maior o pauperismo oficial. Essa é a lei absoluta geral, da acumulação capitalista (ibid:209). O uso da maquinaria no processo de trabalho possibilitou e impôs aos trabalhadores a inserção de mulheres e crianças na indústria e assim, a maquinaria (sob o comando do capital) aumentou o número de assalariados e de mais trabalho excedente para a valorização do capital e consequentemente desvalorização e exploração maior da força de trabalho. Como assevera Marx: O valor da força de trabalho era determinado pelo tempo de trabalho não só necessário a manutenção do trabalhador individual adulto, mas para a manutenção da família do trabalhador. A maquinaria, ao lançar todos os membros da família do trabalhador no mercado de trabalho, reparte o valor da força de trabalho do homem por toda sua família. Ela desvaloriza, portanto, sua força de trabalho. [...] Assim, a maquinaria desde o início amplia o material humano de exploração, o campo propriamente de exploração do capital, assim como ao mesmo tempo o grau de exploração (p.23). A grande indústria não só aumentou o grau de exploração como também o de alienação do trabalhador em sua atividade produtiva, no trabalho. Pois, com a substituição de ferramentas e do ofício (destreza do trabalhador no manuseio das ferramentas) na manufatura pela indústria baseada na maquinaria, é a máquina que determina as condições de trabalho às quais o trabalhador deve se subordinar, pois é ela agora que diz o que e como ele deve produzir (ritmo, movimentos, tempo etc.). Assim, para Marx: 6

7 Enquanto o trabalho em máquinas agride o sistema nervoso ao máximo, ele reprime o jogo polivalente dos músculos e confisca toda a livre atividade corpórea e espiritual. Mesmo a facilitação do trabalho torna-se um meio de tortura, já que a máquina não livra o trabalhador do trabalho, mas seu trabalho de conteúdo. Toda produção capitalista, à medida que ela não é apenas processo de trabalho, mas ao mesmo tempo processo de valorização do capital, tem em comum o fato de que não é o trabalho quem usa as condições de trabalho, mas, que, pelo contrário, são as condições de trabalho que usam o trabalhador: só, porém, com a maquinaria que essa inversão ganha realidade tecnicamente palpável (p.43). Com a maquinaria sob o comando do capital o trabalhador antes sujeito a exercer uma função unilateral e permanente, agora está condenado a servir por toda a vida à máquina, como se fosse um apêndice desta. Pois, [...] mediante sua transformação em autômato, o próprio meio de trabalho se confronta, durante o processo de trabalho, com o trabalhador como capital, como trabalho morto que domina e suga a força de trabalho viva (p.44). Visto que, a indústria erguida sobre a maquinaria impõe uma divisão do trabalho que exige um trabalhador capaz de manusear várias máquinas, não mais atrelado a uma única tarefa, porém facilmente substituível. Já que, é a máquina quem decide a dinâmica e o tempo da produção e não o trabalhador. Porém, convém ressaltar que o caráter negativo do uso da maquinaria e suas implicações antagônicas e alienantes para o trabalhador decorrem de seu comando sob a regência do capital e não de suas próprias qualidades, pois como afirma Marx: As contradições e os antagonismos inseparáveis da utilização capitalista da maquinaria não existem porque decorrem da própria maquinaria, mas de sua utilização capitalista! Já que, portanto, considerada em si, a maquinaria encurta o tempo de trabalho, enquanto utilizada como capital aumenta a jornada de trabalho; em si, facilita o trabalho, utilizada como capital aumenta sua intensidade; em si, é uma vitória do homem sobre as forças da Natureza, utilizada como capital submete o homem por meio da força da Natureza; em si, aumenta a riqueza do produtor, utilizada como capital o pauperiza etc. (p.57) Assim, a subsunção real do trabalho ao capital marcada pelo desenvolvimento da grande indústria na sociedade capitalista apresenta entre as principais implicações nas relações sociais: uma intensa exploração do trabalho para extração da mais-valia; a exploração de toda a família, contraditoriamente um aumento do exército industrial de reserva; a desigualdade social com uma generalização do pauperismo entre a classe trabalhadora em contraste com a concentração da riqueza produzida, por esta mesma classe, nas mãos dos capitalistas; a alienação do trabalho e do trabalhador por meio do trabalho assalariado e da apropriação privada da riqueza socialmente produzida. 7

8 4. Subsunção do trabalho ao capital, questão social e serviço social Em direção a um debate mais contemporâneo convém expor a relação contraditória e antagônica entre a subordinação do trabalho ao capital e suas implicações na questão social 8 e na atividade profissional do Serviço Social. Pois, entre as conseqüências decorrentes desta relação, encontramos como uma das mais gritantes o pauperismo da classe trabalhadora, considerado como uma das formas de expressão da questão social que tem sua raiz material na acumulação capitalista. O pauperismo é, portanto, conseqüência da acumulação do capital e ao mesmo tempo uma necessidade para manutenção dessa lógica capitalista. Mas, só se constituiu num problema para a classe dominante, no século XIX, quando houve uma reação da classe trabalhadora face às precárias condições de vida e de trabalho em que se encontravam, pondo em evidência as mazelas da exploração capitalista. Neste momento, a partir das primeiras décadas do século XIX, tal fenômeno adquire caráter político, pois a reação dos trabalhadores se constitui numa ameaça a ordem burguesa, sendo assim denominada de questão social. Porém, é no estágio monopólico do capital, quando há um acirramento das contradições do capital que o Serviço Social enquanto profissão surge para responder às expressões da questão social, por meio do controle da força de trabalho para garantir a reprodução e acúmulo do capital. Como assevera Netto, [...] A emergência profissional do Serviço Social é, em termos histórico-universais, uma variável da idade do monopólio; enquanto profissão, o Serviço Social é indivorciável da ordem monopólica ela cria e funda a profissionalidade do Serviço Social (2007:74). O Serviço Social emerge assim, atrelada ao Estado, comitê administrativo da burguesia 9, que passa a enfrentar as manifestações da questão social por meio de políticas sociais, para as quais são necessários agentes profissionais que possam implementá-las. Segundo Netto: O processo pelo qual a ordem monopólica instaura o espaço determinado que, na divisão social (e técnica) do trabalho a ela pertinente, propicia a profissionalização do Serviço Social tem sua base nas modalidades através das quais o Estado burguês se enfrenta com a questão social, tipificadas nas políticas sociais (ibidem). 8 Segundo Santos e Costa, questão social : é [...] um termo utilizado mais comumente pelo pensamento conservador, que incorporou inúmeras acepções em sua interpretação, mas sempre associado a expressão da precariedade de vida das classes populares e aos riscos que a luta dos trabalhadores contra a exploração representava para a sociedade (2006, p.3). 9 Expressão resumida da frase de Marx encontrada no Manifesto Comunista (2007:47) 8

9 Assim, o Serviço Social origina-se como uma profissão que contribui para legitimar a ordem burguesa, controlando e subordinando as demandas da classe trabalhadora à lógica de acúmulo e reprodução do capital, aos interesses da classe dominante. Como aponta Iamamoto: Poder-se-ia afirmar que o Serviço Social, como profissão inscrita na divisão social do trabalho, situa-se no processo da reprodução das relações sociais, fundamentalmente como uma atividade auxiliar e subsidiária no exercício do controle social e na difusão da ideologia dominante junto à classe trabalhadora. Assim, contribui como um dos mecanismos institucionais mobilizados pela burguesia e inserido no aparato burocrático do Estado, das empresas e outras entidades privadas, na criação de bases políticas que legitimem o exercício do poder de classe, contrapondo-se às iniciativas autônomas de organização e representação dos trabalhadores (2005: 93-4). Atualmente, as práticas do Serviço Social estão permeadas não só por idéias e ações conservadoras, mas também por um conteúdo crítico, questionador da ordem, capaz de problematizar a atividade profissional diante dos nexos causais da subsunção real do trabalho ao capital. Pois, ainda que, a profissão se constitua em um instrumento utilizado pela classe dominante em prol de seus interesses, o Serviço Social não se resume a isso, mas também, mesmo dentro de limites contraditórios, responde às necessidades de sobrevivência da classe dominada em suas determinadas condições históricas. 5. Conclusão Diante do exposto, verificamos que a subsunção do trabalho ao capital marca a consolidação do modo de produção capitalista, em que o trabalho é apropriado como meio de valorização e autovalorização do capital, com a extração de mais-valia. Na subsunção formal do trabalho ao capital já predominava o impulso à produção como meio de extrair o mais-trabalho e cada vez maior, mas dentro de seus limites técnicos, a forma de extração de trabalho excedente predominante era por meio da jornada de trabalho e da combinação desta em processos de trabalho, a exemplo da cooperação. Assim, tinha como expressão material, a mais-valia absoluta. Mas, essa característica inerente do sistema capitalista só se expande com o desenvolvimento das forças produtivas que permitem a extração da mais-valia relativa e a conseqüente subordinação real do trabalho ao capital. 9

10 Assim, ao longo das décadas o impulso à acumulação e expansão do capital tem intensificado, desenvolvido ou reestruturado formas de exploração que permitam não só uma maior extração de mais-valia, bem como a mercantilização de atividades que estão inseridas no âmbito da reprodução social. Com isso, as implicações socioeconômicas do processo de industrialização consolidaram e colocaram em evidência as contradições que sustentam o sistema capitalista. De um lado tem-se o desenvolvimento da capacidade produtiva e acúmulo de riqueza nas mãos de poucos, os capitalistas; e do outro lado, tem-se a exploração do trabalho e o acúmulo da miséria nas mãos de quem produz a riqueza, os trabalhadores. Portanto, a ofensiva do capital nos últimos 30 anos tem implicado num retrocesso social, pois para garantir a expansão e acúmulo do capital diante das crises estruturais do próprio sistema, diversas formas de exploração são aprofundadas e outras resgatadas de períodos pré-capitalistas. Como, o aumento da jornada de trabalho, trabalhos análogos ao trabalho escravo, trabalho infantil etc. Estas são características que nos remete ao passado pré-capitalista, mas que são parte, hoje, das relações de trabalho precarizado e informal que se encontram não só nos países periféricos, mas também, ainda que em menor medida, nas grandes potências. Assim, com a atual crise, uma das implicações nas relações sociais mais decorrentes dessa ofensiva do capital sobre o trabalho tem sido o desemprego e a intensa precarização do trabalho com o rebaixamento de salários e a flexibilização dos diretos trabalhistas. Portanto, para manter a ordem vigente, sendo o trabalho cada vez mais subordinado a uma intensa e expansiva exploração; para impedir a organização e a reação da classe trabalhadora em face de suas precárias condições de vida e de trabalho contra os ditames do capital, atividades profissionais como o Serviço Social, que contribuem com a subsunção real do trabalho ao capital, atuando no controle e reprodução da força de trabalho, são crescentemente demandadas nesse momento, pois as contradições intrínsecas ao sistema capitalista estão se aprofundando, acirrando, assim, os conflitos sociais. É para apaziguar esses conflitos que o Serviço Social é chamado a agir com a implementação de políticas sociais (fragmentadas e focalizadas) que surgem com a função de atenuar os conflitos e contribuir com legitimação da ordem burguesa. Mas, não podemos ignorar que embora os interesses da classe dominante predominem e decidam sobre as ações que devem ser implementadas pelos agentes 10

11 profissionais, não se pode negar que estes, dependendo de suas perspectivas políticas podem também configurar-se como mediadores dos interesses da classe trabalhadora, apoiando e reforçando a organização dos trabalhadores contra os ditames do capital e em prol de um projeto de superação do mesmo, ainda que sua atividade seja limitada pelo domínio do capital. Referências Bibliográficas IAMAMOTO, Marilda. Renovação e conservadorismo no serviço social. São Paulo, Cortez, MARX, Karl. Capítulos XIII Maquinaria e Grande Indústria; XXIII A Lei Geral da Acumulação Capitalista; XXIV A Assim Chamada Acumulação Primitiva. In: O Capital Crítica da economia política. Livro Primeiro, Tomo 2. São Paulo: Abril Cultural, Livro I, Capítulo VI (inédito) In: O Capital. São Paulo: Ciências Humanas Ltda, NETTO, José Paulo. Capitalismo Monopolista e serviço social. São Paulo, Cortez, SANTOS, E.P. & COSTA, G.M. da Questão Social e desigualdade: novas formas, velhas raízes. In: Revista Ágora: Políticas Públicas e Serviço Social, Ano 2, nº 4, julho de 2006 ISSN X. Disponível em http: 11

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE QUESTÃO SOCIAL E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE CAPITALISTA

RELAÇÃO ENTRE QUESTÃO SOCIAL E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE CAPITALISTA RELAÇÃO ENTRE QUESTÃO SOCIAL E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE CAPITALISTA Marcela Carnaúba Pimentel 1 Resumo: Este texto apresenta uma reflexão acerca da relação entre a questão social e o fenômeno da alienação

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes Fichamento: Karl Marx Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Higina Madalena

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Campus Regional de Ivaiporã. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

SERVIÇO SOCIAL. Campus Regional de Ivaiporã. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos SERVIÇO SOCIAL Campus Regional de Ivaiporã 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Serviço Social PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade

Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade No presente artigo pretende-se discutir os regimes de acumulação, especificamente o integral (Viana, 2009), as mudanças na organização do trabalho

Leia mais

Desafíos para la formación profesional en América Latina y Caribe

Desafíos para la formación profesional en América Latina y Caribe Fórum de supervisores e formação profissional: relato de uma experiência político-acadêmica e pedagógica na Faculdade de Mauá - SP 1 Maria Liduína de Oliveira e Silva 2 liduoliveira@ig.com.br Rodrigo José

Leia mais

EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL.

EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL. EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL. RESUMO STIVAL, Maria Cristina Elias Esper cristinaelias@terra.com.br

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO. Renato De Marchi

PLANEJAMENTO E GESTÃO. Renato De Marchi PLANEJAMENTO E GESTÃO Renato De Marchi Processo de Trabalho e Eficiência Produtiva Com o avanço da divisão do trabalho, a ocupação da maior parte daqueles que vivem do trabalho, isto é, da maioria da população,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

SOCIOLOGIA. Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan

SOCIOLOGIA. Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan SOCIOLOGIA Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan TRABALHO Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano

Leia mais

Desenvolvimento Social em Comunidades Costeiras: revisitando a pesquisaação

Desenvolvimento Social em Comunidades Costeiras: revisitando a pesquisaação Desenvolvimento Social em Comunidades Costeiras: revisitando a pesquisaação 1 Modalidade: Eixo: Maria das Graças e Silva 2 graça_pe@yahoo.com.br Nailsa Maria Souza Araújo 3 nayaraujo5@yahoo.com.br Apresentação

Leia mais

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL Luana Vianna dos Santos Maia Tatiane da Fonseca Cesar Resumo: O artigo apresentou uma

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Marx, Durkheim e Weber Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo; O capitalismo nasceu da decadência

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 RESUMO: O capitalismo financeiro está fortemente projetado na sociedade contemporânea,

Leia mais

Aquisição de competências para atuação na gestão do trabalho: as lacunas da formação profissional Modalidad de trabajo: Eje temático:

Aquisição de competências para atuação na gestão do trabalho: as lacunas da formação profissional Modalidad de trabajo: Eje temático: Aquisição de competências para atuação na gestão do trabalho: as lacunas da formação profissional 1 Ana Maria Ventura das Chagas 2 ana@petrobras.com.br Sandra Regina do Carmo 3 sandra.carmo@globo.com Modalidad

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL: A MODERNA LEI DOS POBRES EDNÉIA MARIA MACHADO edneia@idealnet.com.br

POLÍTICA SOCIAL: A MODERNA LEI DOS POBRES EDNÉIA MARIA MACHADO edneia@idealnet.com.br POLÍTICA SOCIAL: A MODERNA LEI DOS POBRES EDNÉIA MARIA MACHADO edneia@idealnet.com.br SUMÁRIO INTRODUÇÃO I II O TRABALHADOR NA SOCIEDADE CAPITALISTA O TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA A MERCADORIA FORÇA

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE INTRODUÇÃO BATISTA, Erika IFSP_Campinas/Unesp erikkabatista@gmail.com DE BLASI, Jacqueline

Leia mais

DA MANUFATURA À MAQUINARIA MODERNA: CONSOLIDAÇÃO DO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA

DA MANUFATURA À MAQUINARIA MODERNA: CONSOLIDAÇÃO DO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA DA MANUFATURA À MAQUINARIA MODERNA: CONSOLIDAÇÃO DO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA SOUZA, Osmar Martins, PG, UEM, msouza.32@gmail.com PEREIRA MELO, José Joaquim, PG, UEM, jjpmelo@hotmail.com INTRODUÇÃO Neste

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Programa Mais Educação e cultura: articulações de sentido na política curricular Camila Costa Gigante 1 - UERJ/CNPq

Programa Mais Educação e cultura: articulações de sentido na política curricular Camila Costa Gigante 1 - UERJ/CNPq Programa Mais Educação e cultura: articulações de sentido na política curricular Camila Costa Gigante 1 - UERJ/CNPq Introdução Como objeto de estudo, apresento o Programa Mais Educação, uma parceria instituída

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

Economia Industrial 1

Economia Industrial 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso de Economia Economia Industrial Análise Estrutural dos Mercados e da Concorrência em Oligopólios Conceitos Introdutórios Professor : Johnny Luiz Grando

Leia mais

O DESEMPREGO SOB A ÓTICA MARXIANA: revisitando a lei geral da acumulação capitalista

O DESEMPREGO SOB A ÓTICA MARXIANA: revisitando a lei geral da acumulação capitalista 1 O DESEMPREGO SOB A ÓTICA MARXIANA: revisitando a lei geral da acumulação capitalista Fátima da Silva Grave Ortiz * RESUMO A partir da análise da Lei Geral da Acumulação Capitalista, este trabalho pretende

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO GABARITO 3ª ETAPA INGLÊS COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax: 3272-1295 www.jovinianobarreto.com.br 1º ANO Nº TURNO:

Leia mais

O CFESS vem acompanhando e participando das Conferências da FIAS desde 1998.

O CFESS vem acompanhando e participando das Conferências da FIAS desde 1998. Ética profissional e Serviço Social. O debate internacional 1 Ana Maria de Vasconcelos 2 ana@3torres.com.br Valquiria Helena dos Santos Coelho 3 valquiria.coelho@yahoo.com.br Modalidad de trabajo: Eje

Leia mais

Educação infantil e cultura política: um estudo sobre o movimento interfóruns de educação infantil brasileiro - Mieib 1 Deise Gonçalves Nunes

Educação infantil e cultura política: um estudo sobre o movimento interfóruns de educação infantil brasileiro - Mieib 1 Deise Gonçalves Nunes Educação infantil e cultura política: um estudo sobre o movimento interfóruns de educação infantil brasileiro - Mieib 1 Deise Gonçalves Nunes Tanto trabalho, tanta agonia custa um menino. E mesmo que não

Leia mais

O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR

O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR Ana Paula S. Giroto ALVES 1 Resumo: o Estado é parte integrante, que foi e é determinado, pelas mudanças na estrutura da sociedade e pelas relações sociais

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE

BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE Francieli Martins Batista Licenciada em Ciências Sociais/UEM Resumo: O presente texto traz apontamentos a cerca da formação capitalista brasileira

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano 1. Apresente as ideias de Tese, antítese e síntese idealizados por Hegel. 2. Uma das faculdades mais importantes do ser humano é pensar. Nenhum homem conseguiria

Leia mais

Capitalismo e sociedade rural na Alemanha Capitalismo Agrário Ideal e Sociedade Agrária Conservadora

Capitalismo e sociedade rural na Alemanha Capitalismo Agrário Ideal e Sociedade Agrária Conservadora Capitalismo e sociedade rural na Alemanha Capitalismo Agrário Ideal e Sociedade Agrária Conservadora No texto "Capitalismo e Sociedade Rural na Alemanha", Marx Weber se propõe a refletir sobre a sociedade

Leia mais

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX Maria Catarina Ananias de Araujo Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Email: mariacatarinaan@gmail.com Prof.Dr. Valmir Pereira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Leia mais

Curso Wellington Sociologia Teorias Sociológicas Karl Marx Prof Hilton Franco

Curso Wellington Sociologia Teorias Sociológicas Karl Marx Prof Hilton Franco 1. Segundo Marx, o fator fundamental do desenvolvimento social assenta-se nas contradições da vida material, na luta entre as forças produtivas da sociedade e as relações sociais de produção que lhe correspondem.

Leia mais

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ 1 A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ Resumo O presente trabalho tem por proposição identificar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO. Eixo temático: Ciências Sociais DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO. Matheus Sousa Ribeiro 1 RESUMO:

Leia mais

UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO. Key-words: Social Work, Work Category, Work, Labour

UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO. Key-words: Social Work, Work Category, Work, Labour 1 UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO Patricia da Silva Monteiro *. Jocelina Alves de Souza Coelho ** Elaine Nunes da Silva *** RESUMO O Serviço Social não é uma profissão que

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre

Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre Colégio: Nome: Nº Sem limite para crescer! Professor (a): Série: 1º ano Turma: Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre Questão 01: Pela exploração do mercado mundial a burguesia imprime um caráter

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Mestranda em Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. ly_carol@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras chaves: Superexploração, opressão de gênero, economia brasileira.

Palavras chaves: Superexploração, opressão de gênero, economia brasileira. A SUPEREXPLORAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO FEMININA NO BRASIL TAMARA SIEMANN LOPES (autora) 1 CINTHIA DE SOUZA(coautora) 2 Resumo: A inserção da mulher nas atividades econômicas passou a ser uma variável relevante

Leia mais

A PERSPECTIVA HISTÓRICO-CRÍTICA NA PESQUISA SOCIAL 1. Maisa Miralva da Silva 2 maisasilva@uol.com.br

A PERSPECTIVA HISTÓRICO-CRÍTICA NA PESQUISA SOCIAL 1. Maisa Miralva da Silva 2 maisasilva@uol.com.br Boletín Electrónico Surá # 170, Setiembre 2010 Escuela de Trabajo Social - Universidad de Costa Rica www.ts.ucr.ac.cr Derechos Reservados a favor del autor del artículo A PERSPECTIVA HISTÓRICO-CRÍTICA

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE II Semana de Economia Política GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE Resumo Inaê Soares Oliveira 1 Lohana Lemos

Leia mais

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III 1 Funções como Dinheiro Funções básicas: a) medida de valores; b) meio de circulação. Funções próprias: a)

Leia mais

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI 1 Com muita honra e responsabilidade, falo uma vez mais em nome da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

A Administração e Suas Perspectivas. Unidade I

A Administração e Suas Perspectivas. Unidade I A Administração e Suas Perspectivas Unidade I ANTECEDENTES HISTÓRICOS DA ADMINISTRAÇÃO Filósofos Revolução Industrial Política Recursos? Quais são os antecedentes históricos da Administração? Exército

Leia mais

UFAL/2012 DIREITOS SOCIAIS E GESTÃO DOS SERVIÇOS SOCIAIS. ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu - 2012 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

UFAL/2012 DIREITOS SOCIAIS E GESTÃO DOS SERVIÇOS SOCIAIS. ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu - 2012 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEP ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu - 2012 PROVA TIPO 2 DIREITOS SOCIAIS E GESTÃO DOS SERVIÇOS SOCIAIS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Trabalho na contemporaneidade, questão social e Serviço Social. Reestruturação produtiva; precarização do trabalho; trabalho em domicílio.

Trabalho na contemporaneidade, questão social e Serviço Social. Reestruturação produtiva; precarização do trabalho; trabalho em domicílio. As transformações contemporâneas no mundo do trabalho e seu rebatimento na pequena produção familiar em Toritama- Brasil 1 Amanda Roberta Souza da Silva 2 amanda_roberta84@yahoo.com.br Modalidade de trabalho:

Leia mais

ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL?

ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL? ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL? Marilia Borges 1 INTRODUÇÃO Pretende-se apresentar o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) que teve como perspectiva compreender se as medidas de proteção

Leia mais

ARTIGO REFLEXÕES SOBRE A VIDA SENSÍVEL DO CORPO TRABALHADOR NO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA

ARTIGO REFLEXÕES SOBRE A VIDA SENSÍVEL DO CORPO TRABALHADOR NO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA ARTIGO REFLEXÕES SOBRE A VIDA SENSÍVEL DO CORPO TRABALHADOR NO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA Sandro de Mello Justo 1 sandro.mellojusto@gmail.com Resumo Falar em revolução hoje em dia está fora de moda.

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da Física

Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da Física Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da

Leia mais

Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal. Marco Antonio da Rocha

Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal. Marco Antonio da Rocha Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal Marco Antonio da Rocha O LUGAR DA ÉTICA NA SOCIEDADE FILOSOFIA: PRECISAMOS DE UMA PARA VIVER??? Ou uma breve reflexão sobre os

Leia mais

Resenha: McCOMBS, Maxwell. A Teoria da Agenda: a mídia e a opinião pública. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

Resenha: McCOMBS, Maxwell. A Teoria da Agenda: a mídia e a opinião pública. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. Resenha: McCOMBS, Maxwell. A Teoria da Agenda: a mídia e a opinião pública. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. Jerônimo de Camargo Milone 1 Maxwell McCombs, em seu livro A Teoria da Agenda, descreve os aspectos

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Objetivo Resolver exercícios de vestibulares sobre os clássicos da sociologia:

Leia mais

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique?

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? 27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? A implantação da informática em quase todos os campos de atividades humanas tem seu lado positivo, mas, por outro lado, a mão

Leia mais

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL Resumo Aparecida Marta Barbosa Costa Universidade Estadual de Alagoas UNEAL Marta_liz@hotmail.com Antônio Marcos Pontes

Leia mais

D ESEMPREGO EM UMA ABORDAGEM TEÓRICA:

D ESEMPREGO EM UMA ABORDAGEM TEÓRICA: D ESEMPREGO EM UMA ABORDAGEM TEÓRICA: NOTAS SOBRE NEOCLÁSSICOS, KEYNES E MARX * DURANTE A MAIOR parte do século XX, tanto a questão do desemprego quanto as demais questões afeitas à macroeconomia dividiram

Leia mais

O PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E A REFORMA UNIVERSITÁRIA:

O PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E A REFORMA UNIVERSITÁRIA: O PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E A REFORMA UNIVERSITÁRIA: o enfrentamento da categoria profissional e estudantil no período de contra-reforma do Estado 1 Andréa Alice Rodrigues Silva 2 Larisse

Leia mais

Segurança no Trabalho

Segurança no Trabalho O conjunto das profundas transformações econômicas, tecnológicas e sociais ocorridas na Europa a partir da segunda metade do século XVIII recebe o nome de Revolução Industrial. Fenômeno tipicamente inglês,

Leia mais

A REALIDADE SOCIAL DOS TRABALHADORES DO CORTE DE CANA E O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

A REALIDADE SOCIAL DOS TRABALHADORES DO CORTE DE CANA E O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL 1 A REALIDADE SOCIAL DOS TRABALHADORES DO CORTE DE CANA E O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Mirlaine Morais Da Silva RESUMO O presente trabalho tem o intuito de propor uma análise do trabalho rural, principalmente

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

Introdução. A nossa temática

Introdução. A nossa temática A assistência social e o direito à convivência familiar e comunitária: igualdade e universalização dos direitos sociais no contexto neoliberal brasileiro Joana Melo 1 jdnmelo@hotmail.com Modalidade do

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

Desafio mundial. Paralelamente a questões

Desafio mundial. Paralelamente a questões KPMG Business Magazine 31 Getty Images/Alexander Bryljaev Muitas tendências apontadas pelo estudo já são evidentes, e a lentidão na busca de soluções para mitigá-las trará sérias consequências para a população

Leia mais

Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo

Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo Michael Heinrich * Resumo Neste pequeno artigo 1, o autor introduz didaticamente o conceito de dinheiro que se encontra

Leia mais

1. Introdução. Página 1 de 7

1. Introdução. Página 1 de 7 O ESPAÇO DOS HOMENS PLENOS: FERNANDO SALINAS, A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ARQUITETURA DO ISPJAE / CUBA E A PERSPECTIVA DE FORMAÇÃO OMNILATERAL Fábio Fernandes Villela, Doutor em Sociologia

Leia mais

Desenvolvimento Integral na Primeira Infância

Desenvolvimento Integral na Primeira Infância apresentam Desenvolvimento Integral na Primeira Infância Agenda de ações para a região da América Latina Resultados da Oficina Construindo uma Agenda Regional para o Desenvolvimento na Primeira Infância,

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE Camila Emanuella Pereira Neves IE/UFMT- camilaemanuella@hotmail.com Orientador: Prof. Dr. Edson Caetano IE/UFMT caetanoedson@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Uma reflexão sobre o desenvolvimento capitalista na formação social brasileira e sua relação com o espaço rural: a desterritorialização

Uma reflexão sobre o desenvolvimento capitalista na formação social brasileira e sua relação com o espaço rural: a desterritorialização Uma reflexão sobre o desenvolvimento capitalista na formação social brasileira e sua relação com o espaço rural: a desterritorialização Resumo: ou a territorialização do capital monopolista Anderson Luiz

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís

ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís O PROFISSIONAL-PESQUISADOR. O PERFIL ATUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE SÃO LUÍS Mônica Cairrão Rodrigues* ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís acredita que o diferencial na postura do

Leia mais

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE 19 EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE Alexandre do Nascimento - FAETEC - RJ Resumo No Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação,

Leia mais

1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS

1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS cad_08.qxd:layout 1 5/13/11 10:02 AM Page 57 57 1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS TEMAS QUE DOMINAVAM A SUDENE RODRIGO SANTIAGO* O objetivo deste relatório é apontar os principais aspectos relacionados

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE LEME ATPS ÉTICA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL 3º SEMESTRE 2013 JONATHAS ROVERSI CUSTODIO RA: 5560123267

FACULDADE ANHANGUERA DE LEME ATPS ÉTICA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL 3º SEMESTRE 2013 JONATHAS ROVERSI CUSTODIO RA: 5560123267 FACULDADE ANHANGUERA DE LEME ATPS ÉTICA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL 3º SEMESTRE 2013 JONATHAS ROVERSI CUSTODIO RA: 5560123267 PROFESSOR EAD: PROF. ME. MAURÍCIO DIAS LEME SP 24.11.2013 INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

AVANÇAR PELA LEITURA E PELA CIDADANIA UM PLANO PARA O BRASIL

AVANÇAR PELA LEITURA E PELA CIDADANIA UM PLANO PARA O BRASIL AVANÇAR PELA LEITURA E PELA CIDADANIA UM PLANO PARA O BRASIL José Castilho Marques Neto 1 Procurarei explanar aqui o que considero lições essenciais da caminhada e do que entendo ser o essencial do Plano

Leia mais

Ministério de Ação Social, que tem a função de coletar todos os documentos oficiais referidos a essa área.

Ministério de Ação Social, que tem a função de coletar todos os documentos oficiais referidos a essa área. 1 Introdução O objetivo desta dissertação é analisar os Pressupostos políticoideológicos, determinantes e direção do terceiro setor no âmbito das políticas sociais no contexto de consolidação do neoliberalismo

Leia mais

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Como já dizia a importante historiadora Letícia Bicalho Canêdo, a Revolução Industrial não pode ser explicada somente a partir de uma aceleração

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade.

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade. O TRABALHO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DO SETOR PRODUTIVO PRIVADO: REFLEXÕES SOBRE OS NOVOS DISPOSITIVOS DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA MIRANDA, Aline Barbosa UFU alinebarbosas@yahoo.com.br SILVA, Maria Vieira UFU

Leia mais