Madness relocated and adolescence: Discussion of a psychoanalytically oriented interview

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Madness relocated and adolescence: Discussion of a psychoanalytically oriented interview"

Transcrição

1 A loucura deslocalizada e a adolescência: Discussão de uma entrevista de Orientação Psicanalítica Madness relocated and adolescence: Discussion of a psychoanalytically oriented interview Maria Rachel Botrel Psicóloga pela Universidade Fumec (1996) Psicanalista - Escola Brasileira de Psicanálise - seção Minas Gerais Endereço para Correspondência: Rua Piauí, 69/502, Santa Efigenia - Belo Horizonte MG CEP: Resumo: O artigo refere-se a um comentário realizado em uma conversação clínica sobre uma entrevista com adolescente. Trata-se de se deparar com formas de uso da linguagem e do sintoma na invenção do sujeito, no sentido de fazer laço e vínculo com o Outro. Palavras-chave: Conversação Clínica; linguagem; psicanálise; adolescente. Abstract: The article refers to a comment made in a conversation on a clinical interview with a teenager. It is faced with forms of language use and symptom in the subject invention, in order to make bond and bond with the Other. Keywords: Clinical Conversation, language, psychoanalysis, and adolescent. 1

2 O convite para participar da VI Conversação clínica me faz produzir sobre minhas inserções institucionais mais recentes e interrogar sobre as consequências dos limites do simbólico na nossa prática. Constatamos que na clinica, cada vez mais, nos deparamos com sujeitos que nos chegam sem uma questão. Eles nos são trazidos pelas famílias, encaminhados pelas escolas (com seus termos de condicionalidade), pelas instituições em geral por motivos que, muitas vezes, não lhes causam sofrimento. As crianças e adolescentes, contudo, têm nos mostrado as soluções que têm encontrado para além do simbólico, o que muito têm nos surpreendido. São sintomas que não encontram, no laço social, uma forma de articulação com o Outro. Sintomas que são denunciados pelo Outro que, frequentemente, não querer se implicar no enfrentamento do caso. O Outro denuncia como algo está fora de ordem, mas o sujeito não se vê representado pelo sintoma, e nem mesmo faz uma tentativa de vinculação. Os sintomas atuais colocam em primeiro plano, como nos indica Miller, uma vertente da linguagem que toca a pulsação mais intima da experiência analítica. Lá onde a palavra perde sua função de comunicação, de informação, para não ser outra coisa que a palpitação de um gozo. Nessa direção, o simbólico deixa de se articular ao sentido e sua função passa a ser a de aparelhar o gozo, quer dizer, dar-lhe corpo, substância, materialidade. Quando nos apoiamos no seminário sobre o sinthoma, percebemos que o Nome-do-Pai trazia a crença humana de que há sentido no real. A partir do momento que o Nome-do-Pai deixa de ser a garantia de que, gozo e sentido não se separam, surge o Outro barrado, ou seja, o Outro marcado pela inconsistência ou pela incompletude. Ao barrar o Outro, Lacan aponta para a impossibilidade de uma relação de alteridade estabelecida nos moldes de problemasolução. Nem todo problema encontrará uma solução no campo do Outro; trata-se de um ordenamento simbólico repleto de restos que são excluídos de qualquer sentido. Há a constatação de que as respostas do Outro são insuficientes. É possível identificar um percurso que vai de uma clinica lacaniana que tem o Nomedo-pai como garantia simbólica suficientemente consistente, que diferencia neurose e psicose com base no Nome-do-Pai e sua foraclusão, para a clínica lacaniana que reconhece a inconsistência do Outro, vacilando profundamente o modo como o sujeito constrói uma resposta para sua existência. A inexistência do Outro condiciona, nos diz Miller (2003), o sujeito a se tornar inventor. O sujeito é particularmente levado a instrumentalizar a linguagem. 2

3 O termo invenção está profundamente ligado à noção de que o Outro não existe, profundamente ligado à idéia de que o Outro é uma invenção. O meu convite hoje é para conversarmos sobre a questão que o caso Lucas suscitou em mim: qual a invenção que tem ancorado este sujeito? Poderíamos pensar que o modo como Lucas se apresenta na entrevista seria uma invenção, uma maneira de fazer uso da linguagem? Isso eu não posso falar não, sô. Tem nem como falar não. Tem nem como falar isso não, sô. Não lembro não. Não lembro. Tem um tempão A droga acaba com os neurônios. Não! Aí não, né? Esquecer onde eu morava? Não tem como falar não. Tem um tempão já. Não sei o que ele tava fazendo não. Não sei nada da vida dela não, sô! Não gosto, não converso, não faço nada. Lógico que não! Nada. Não gosto de nada Não posso explicar isso não. Não gosto de conversar. Não posso explicar isso não Tenho (lembrança) não, sô. Nem lembro não. Tem um tempão. Não lembro do passado não, sô. A droga comeu os neurônios. 3

4 Eu não gosto de comentar não. Não penso no futuro não. Ao me deparar com essa pulsação cadenciada fui remetida a algumas discussões com Célio Garcia, em que ele propõe uma leitura do livro Bartleby, o escrivão de Herman Melville ( ), onde o protagonista, que é escrivão, introduz a frase preferiria não às demandas do chefe do escritório em que trabalhava. Uma escuta apressada poderia tomar o preferiria não como marca de abandono, de desistência, como mero enfrentamento ou demonstração de revolta. No entanto, Célio entende que o preferiria não apontava para uma invenção a ser explorada - invenção comentada por Miller como "uma criação a partir de materiais existentes - uma bricolagem." O desafio colocado seria sair do campo relacional do laço social, relacionamento social, da inserção, para entender o enunciado de modo literal. Ele diz preferiria não e não prefiro não ou não me importo. A resposta de Bartleby ao chefe, não nega o predicado; antes, afirma um não-predicado: ele não diz que não quer fazer, diz que prefere não fazer tal coisa, reservando-se a possibilidade futura, mantida em suspenso. Uma leitura apressada da resposta de Bartleby, poderia nos remeter, nos adverte Célio, a uma posição marginal que não leva a nada. Trabalhando o caso Lucas nessa perspectiva, pensamos que ao responder com várias modalidades linguísticas às perguntas da entrevistadora, ele não recusa o dispositivo da entrevista. Não se nega a dizer e serve-se do simbólico para dizer que tem nem como falar isso não. Quando interrogado sobre outras coisas ele nos mostra que não sustenta uma posição débil. Explica-nos muito bem o que estava fazendo ali, e o que tem que fazer para sair dali, e considera a complexidade que é "mudar de vida". Utiliza de certo cinismo ao enfatizar que "é obvio" que ele sabe de muitas coisas e que não está em uma posição de não saber: Não, aí não, né!? Esquecer de onde eu morava? É importante observar que a posição de Lucas não faz apelo à tolerância, nem tão pouco à inclusão. Lucas não me parece adepto de uma "pedagogia corretiva". Ele se mantém firme na posição em que se instalou. Célio Garcia nos convida a imaginar as variedades desse gesto no espaço público atual. Os chamados espaços da contemporaneidade. Há grandes oportunidades de uma nova carreira aqui! Junte-se a nós. 4

5 Ou também: Descubra as profundezas do seu verdadeiro eu, encontre a paz interior! Ao que Lucas parece responder "aí não, né", ou como escutamos na voz dos meninos: me inclui fora dessa, e assim por diante. Assim, o tem nem como falar isso não, seria o gesto de Lucas que poderia ser escutado como o que resta do complemento da Lei quando seu lugar é esvaziado de todo conteúdo superegóico obsceno? Laurent (2011) nos adverte que a estrutura de linguagem não mais dá conta de tocar o sujeito em sua invenção, no entanto é preciso, como acompanhamos o esforço de Ana Lydia, insistir por meio da fala, pois não temos outro instrumento para articular essa invenção. A condução da entrevista demonstra o cuidado em não procurar algo que saciaria um furor terapêutico, mas em poder encontrar e se interessar pela invenção deste adolescente. Laurent (2011) enfatiza que o fato do tratamento analítico se orientar pelo Real não quer dizer que ele se oriente para o real. Antes se trata de que o real seja o que dirige o tratamento, assim como o que dirige nossas vidas e nossas instituições. E há que saber localizá-lo e lidar com ele a cada vez, sem deixar-se aspirar por completo. E nos orienta que se por um lado, ninguém mais sabe do que ele ou ela fala, por outro, o único limite, ou seja, o único momento em que toda essa atividade ganha um sentido, é o momento de angustia. Ou seja, o ponto de real só é alcançado quando o sujeito dá testemunho de sua angústia. Extraímos o momento da entrevista em que supomos que foi possível localizar um ponto de angustia de Lucas. AL: Dá pra você me contar alguma? (do que ele não gosta na mãe). L: Dá não. AL: Por quê? Nossa você guarda muita coisa com você. L: De ruindade eu guardo mesmo. AL: De ruindade? Assim você acaba virando um cofre de ruindade, tem que soltar um pouquinho. Não tem ninguém aqui para você falar sobre essas coisas? E essas ruindades? O que acontecia? O que acontecia de ruindade? L: Ah, muitas coisas. 5

6 AL: O quê? Conta uma. É difícil falar disso? L: Eu não gosto de comentar não. AL: Mas você sabe que é importante você comentar isso com a pessoa que te atende aqui? Com a psicóloga que te acompanha. É, mas é dessas coisas que te incomodam que a gente conversa. Por que lá, aqui tudo bem, tem muita gente. Mas lá, o que você for falar com ela vai ficar entre você e ela. Que o que você conversar com ela vai ficar entre vocês dois? Que ela não vai falar para ninguém? L: Ela já me falou esses trens. AL: Então, é importante você comentar, se não, só fica guardando essas coisas ruins, sendo que as coisas poderiam ser diferentes para você... Isso que você está chamando de as maldades. É assim mesmo que você chama? E desse lado das maldades tem mais alguém? Tem as professoras, tem sua mãe. Tem mais alguém que seja colocado por você? Quem? L: A polícia me confundiu com outra pessoa, com os meninos lá perto de casa. O cara fez de ruindade. AL: De novo as maldades, confundiram você com outro. Então tem as maldades da polícia também. Tem mais alguma? L: Polícia. Já apanhei demais. Meu irmão também estava envolvido. AL: Seu irmão? A polícia pegou seu irmão e você apanhou também? L: Foi. Covardia demais. AL: Covardia? L: É, bateu em nós. Deu tiro lá. AL: É, algumas vezes você foi confundido com outra pessoa. E quase pagou o pato. L: Quase. AL: Falaria que essas são as maldades, é? E teve mais alguma coisa que aconteceu com você? L: Não sei, porque se não eu vou morrer lá. 6

7 AL: Alguém já morreu? Porque iria acontecer isso com você, iriam dar um tiro para o seu lado? L: O cara chegou lá na boca e deu um tiro para o meu lado. AL: Ah é? Mas ele sabia o que estava fazendo? L: Sabia o que estava fazendo, ué. AL: Você acha que ele tinha algum motivo para fazer isso? L: Ele gostava de incomodar, ué. Mas posso buscar um revolver e matar ele. Lógico, ele me matou e eu vou matar ele. AL: Mas ele te matou? L: Não, se ele me matar, vou matar ele... Se não eu vou morrer. Não matou porque fui acautelado lá no CEIP. AL: Bom, então agora já são três maldades. Tem mais alguma? L: Ah, matar os outros lá, ué. AL: Como que é? L: Dá uma briga e ter que matar os outros. Eu fui lá, mas ele não tava lá não. AL: Agora você está falando das suas maldades? L: Isso. AL: E que cara que é esse, que você quer matar? L: Um cara lá. AL: Que cara? Que ele fez para você? L: Queria me dar facadas. AL: Então essa é uma maldade, ele queria te dar facadas. L: Por isso fui atrás dele. 7

8 AL: Bom, dessas quatro situações que você me contou, tem sempre alguém te ameaçando e você se sente ameaçado e acha que a única solução é acabar com a pessoa. L: É lógico, vai tirar a minha vida. AL: Alguém querendo tirar a sua vida e você vai e tenta tirar a vida da outra pessoa. L: É lógico. O que para Lucas é lógico? Qual a lógica de Lucas? A pontuação fundamental que nos guia, segundo Laurent (2011), é a da angustia, seja da alucinação, seja do acting-out, é aquela que assinala os momentos nos quais a enunciação vem se inscrever num texto do qual, de repente, ela emerge quando, normalmente, ela não deveria ter podido fazê-lo. E podemos perguntar do que se trata quando Lucas nos diz:"ele me matou eu vou matar ele". Minha leitura é que Lucas nos mostra sua lógica. Ele se dispõe a "comentar" dessas coisas que ele "não gosta de comentar não". Nos diz então, do que o aflige. Sejam estas maldades ou bondades, ele nos diz que a aflição é sempre um ponto difícil de dizer. Algo do qual sempre faltam palavras. Principalmente para Lucas que talvez tenha tido poucas oportunidades de dizer desta falta de palavras, com as suas palavras. Podemos acompanhar que o momento mais confuso da entrevista, é quando ele tenta dizer. É um momento difícil de entender. Nestes momentos onde muitos adolescentes se exibem, mostrando ao público suas "ruindades", Lucas se embaraça. Ele nos mostra que é difícil para ele falar "não tem como falar isso não, so" e que talvez esta seja sua invenção, sua forma de fazer um laço, mesmo que precário, com o Outro. Um novo laço como o produzido por Bartleby e havemos que escutalo mesmo com toda a dificuldade de reconhecer o que ele esta falando. Talvez seja tão difícil reconhecermos, (como os autores se debateram com a posição de Bartleby) por ser um laço que não conhecemos, não é nossa forma de enlaçamento. Penso que devemos estar atentos a armadilha de, ao não entendermos o que Lucas e tantos outros jovens estão dizendo, cairmos no equivoco de tentar compreende-los. Referências Bibliográficas: GARCIA, Celio; "Laço social e Lei: eu preferiria não!" testo inédito apresentado no Núcleo de Psicanálise e Direito. LACAN, J. O Seminário, Livro 23: O Sinthoma. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,

9 MILLER A invenção psicótica in: Opção Lacaniana nº 36, São Paulo 2003 MILLER, J.- A. Seminário de Orientação Lacaniana: Coisas de Fineza. 2009, (divulgação interna da EBP) LAURENT, Éric "O programa de gozo não virtual" in: Correio Revista da Escola Brasileira de Psicanálise, São Paulo, abril, Recebido em Setembro de 2011 Aceito em Setembro de

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

O que dizem os autistas?

O que dizem os autistas? Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 11 julho 2013 ISSN 2177-2673 1 Iván Ruiz Acero (ELP) Quem escuta hoje os sujeitos autistas? De que maneira escutamos seu saber silencioso? Atualmente a palavra

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

Há um acontecimento de corpo

Há um acontecimento de corpo Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ram Avraham Mandil Para uma discussão sobre a lógica do tratamento a partir do Seminário...ou pior, de Jacques Lacan, gostaria

Leia mais

O sinthome no autismo é o corpo

O sinthome no autismo é o corpo O sinthome no autismo é o corpo M. Aparecida Farage Osorio Na origem do autismo, está a dissociação entre a voz e a linguagem, como proteção da presença sonora real do Outro angustiante. A voz, assim,

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6 Psicanálise e Saúde Mental Helenice Saldanha de Castro Resumo: Este artigo faz um contraponto entre dois textos de Jacques Alain Miller, a saber, Saúde Mental e Ordem Pública e A salvação pelos dejetos,

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Entrevista com Dr. Alcides de Souza

Entrevista com Dr. Alcides de Souza Entrevista com Dr. Alcides de Souza sexta-feira, fevereiro 04, 2011 http://nucleotavola.com.br/revista/entrevista-com-dr-alcides-de-souza/ por Lucas Arantes e Luis Fernando S. Souza-Pinto A entrevista

Leia mais

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL?

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL? 1 Autora: Juliana Ribeiro Câmara Lima Eixo Temático: AT e instituição de educação Pertinência Institucional: IECE- Instituto Educacional Casa Escola Domicílio: R Raimundo Chaves, 1652. Casa H 03, Candelária,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Na Internet Gramática: atividades

Na Internet Gramática: atividades Na Internet Gramática: atividades Dica: Antes de fazer as atividades abaixo, leia os documentos Modo subjuntivo geral e Presente do subjuntivo, no Banco de Gramática. 1. No trecho a seguir, extraído da

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7. Safar-se com a loucura

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7. Safar-se com a loucura Entrevista com Marcus André Vieira 1 Safar-se com a loucura Almanaque: O tema do V ENAPOL A saúde para todos não sem a loucura de cada um a se realizar em junho próximo enfatiza o singular dentro do universal.

Leia mais

Negar é no fundo querer recalcar

Negar é no fundo querer recalcar Negar é no fundo querer recalcar Jorge A. Pimenta Filho Introdução A Negativa 1 artigo de Freud escrito em 1925 se refere à metapsicologia e também à técnica psicanalítica. (FREUD, 1976). A primeira indicação

Leia mais

A PSICOSE E OS SEMBLANTES DO ANALISTA

A PSICOSE E OS SEMBLANTES DO ANALISTA 1 A PSICOSE E OS SEMBLANTES DO ANALISTA P, 26 anos, natural de SP, solteira, foi encaminhada para o ambulatório do IPq- HC-FMUSP em função de um TOC grave e da refratariedade à terapêutica. Após curta

Leia mais

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança O ponto central da investigação que, atualmente, a Nova Rede Cereda realiza,

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda:

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: A Marca do Medo Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: Ficou lugar comum declarar a morte da psicanálise porque está desatualizada ou fora de moda ou, o

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

Autores: Katia Cherix, Cintia Honda, Liliana Prado, Eloisa Roncaratti

Autores: Katia Cherix, Cintia Honda, Liliana Prado, Eloisa Roncaratti Autores: Katia Cherix, Cintia Honda, Liliana Prado, Eloisa Roncaratti Resumo Este trabalho usa alguns fragmentos clínicos de acompanhamentos terapêuticos (AT) para falar sobre a importância de se ter um

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Luis Francisco Espíndola Camargo 1 lfe.camargo@gmail.com Resumo: A noção de sujeito do desejo não inclui a substância gozante. Na clínica, tal característica

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho.

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho. 1 AMAR... dir: Carlos Gregório CASA DE LAURA... - Você não vai dizer nada? - O que você quer que eu diga? - Qualquer coisa. - Olha,... Não foi tão importante pra mim... - Não... foi!!? - É... É isso mesmo.

Leia mais

Sanitary measures to measures of psychosis: the recycled object

Sanitary measures to measures of psychosis: the recycled object Das medidas sanitárias à medida da psicose: o objeto reciclado Sanitary measures to measures of psychosis: the recycled object Cláudia Maria Generoso Doutoranda em Estudos Psicanalíticos/ UFMG, sob orientação

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL QUANDO A CLÍNICA ENCONTRA A ESCOLA: O TRATAMENTO DO AUTISMO E AS SAÍDAS POSSÍVEIS DE UMA INCLUSÃO Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL Rua Divinópolis, 318/201,

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

A Urgência Subjetiva na Saúde Mental 1 (Uma introdução)

A Urgência Subjetiva na Saúde Mental 1 (Uma introdução) A Urgência Subjetiva na Saúde Mental 1 (Uma introdução) Palavras-chave: Urgência; Saúde Mental; Fragmentos clínicos Francisco Paes Barreto Para introduzir a questão da urgência no campo da saúde mental

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais.

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. Cristianne Spirandeli Marques 1 Iralva Moreira Soares Milagre 2 Introdução Alguns autores

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar?

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Aline Cerdoura Garjaka Encontrei, no seminário de 1976-77, Como viver junto, de Roland Barthes, a seguinte passagem (cito): Portanto, eu dizia É com essas palavras

Leia mais

O diagnóstico diferencial na clínica das toxicomanias Julia Reis

O diagnóstico diferencial na clínica das toxicomanias Julia Reis Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 na clínica das toxicomanias Julia Reis Os descompassos da psiquiatria O DSM Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

A QUESTÃO DO SUJEITO NA CLÍNICA DA PSICOSE RESUMO

A QUESTÃO DO SUJEITO NA CLÍNICA DA PSICOSE RESUMO Gabriela Rinaldi Meyer Psicanalista; Mestre em Teoria Psicanalítica pela UFRJ; Doutora em Psicologia Clínica pela USP; Pos-doutoranda no Laboratório de Psicopatologia Fundamental, PUC/SP ; Psicóloga do

Leia mais

Título da mesa: Questões teóricas para uma clínica nas conexões da psicanálise

Título da mesa: Questões teóricas para uma clínica nas conexões da psicanálise Título da mesa: Questões teóricas para uma clínica nas conexões da psicanálise Trabalho 2-: Elisabeth da Rocha Miranda Título: A Debilidade Mental: uma posição subjetiva diante do Outro Materno Este trabalho

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

Violência Doméstica contra Crianças sob a

Violência Doméstica contra Crianças sob a Apresentação Maria Alice Barbosa de Fortunato Autores: Kássia Cristina C. Pereira* Maria Alice B. Fortunato* Marilurdes A. de M. Álvares* Orientadora: Lygia Maria Pereira da Silva** * Fiocruz CPQAM/ NESC

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

O CASO E. Eu não consigo nem fazer um dia inteiro... Apresentação de pacientes passagem ao ato clínica lacaniana psicose ordinária

O CASO E. Eu não consigo nem fazer um dia inteiro... Apresentação de pacientes passagem ao ato clínica lacaniana psicose ordinária O CASO E. Eu não consigo nem fazer um dia inteiro... Apresentação de pacientes passagem ao ato clínica lacaniana psicose ordinária Carmen Silvia Cervelatti A construção deste caso foi provocada por uma

Leia mais

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Fídias Gomes Siqueira 1 Andréa Maris Campos Guerra 2 [...] a gente carecia de querer pensar somente nas coisas

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." 2-Meditação da semana:

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também. 2-Meditação da semana: 10º Plano de aula 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." Provérbio Turco 2-Meditação da semana: Mestre conselheiro- 6:14 3-História da semana: AS três peneiras

Leia mais

PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA Fabiana Camara 1 A partir da experiência de supervisão em dois, dos 22 SRTs pertencententes à rede de saúde mental da prefeitura

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA

POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA Cybelle Weinberg Eles saem com os amigos, "a turma é a sua família", mas quando a coisa aperta lá fora eles voltam para a segurança da casa. Por

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

8 O silêncio na psicanálise

8 O silêncio na psicanálise Apresentação O silêncio está sempre presente numa sessão de análise, e seus efeitos são tão decisivos quanto os de uma palavra efetivamente pronunciada. Silêncio do paciente ou do analista, silêncio crônico

Leia mais

Toxicomanias - Introdução

Toxicomanias - Introdução Toxicomanias - Introdução Curso de Gerenciamento de Casos Rede SUS e SUAS Patrícia Rachel Gonçalves Psicóloga Clínica CETAD/UFBA Coordenação Núcleo de Clínica Coordenação Programa de Estágio Posição Discursiva

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael 1 INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael Sabemos que, antes dos 6 meses, o bebê ainda tem de seu corpo a idéia de uma imagem despedaçada. Suas relações com um outro diferenciado dela mesma, ou seja, suas

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6 O que não cessa de não se atualizar Loren Alyne Costa Resumo O presente artigo tem por objetivo questionar de que forma se dá a temporalidade do inconsciente. Nos dias de hoje, percebemos as novas formas

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre 1 Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre paraplégico, cortando-o ao meio, assim como a sua cadeira

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Entrevista com Petra Costa por Tânia Abreu

Entrevista com Petra Costa por Tânia Abreu ADiretoria Boletim da Escola Brasileira de Psicanálise! na Rede Outubro 2013 Boletim eletrônico das Bibliotecas da EBP Maria Josefina Fuentes (Diretora Secretária da EBP) Tânia Abreu (Coordenadora da Comissão

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

Florbela Espanca nas figurações poéticas do feminino Lídia de Noronha Pessoa

Florbela Espanca nas figurações poéticas do feminino Lídia de Noronha Pessoa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 nas figurações poéticas do feminino Lídia de Noronha Pessoa Conheci Florbela, poetisa portuguesa do século XIX, através do livro

Leia mais

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais:

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais: Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL Declaração de cessão de direitos autorais: Eu Luciano Bregalanti Gomes, autor do trabalho intitulado O amor de transferência no trabalho

Leia mais

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo Juliana DUARTE Resumo O presente trabalho tem o objetivo de mostrar o trabalho realizado

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

Não temos tempo a perder 1

Não temos tempo a perder 1 Não temos tempo a perder 1 Ana Martha Wilson Maia Em entrevista concedida a uma revista brasileira, o filósofo Carl Honoré 2 descreve a pressão exercida sobre os pais para oferecerem uma infância perfeita

Leia mais

A criança objetalizada

A criança objetalizada A criança objetalizada Cristina Drummond Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise A posição de objeto da criança Para ler as evidências, em nosso mundo contemporâneo, de que os sujeitos

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais