Fita 1 1ª sessão lado A 1A AL - 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fita 1 1ª sessão lado A 1A AL - 1"

Transcrição

1 1A AL - 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS CENTRO DE ESTUDOS MINEIROS PROGRAMA DE HISTÓRIA ORAL PROJETO INTEGRADO VOZES DE MINAS, SUB PROJETO: A FALA DA DANÇA ENTREVISTADOR: ARNALDO LEITE DE ALVARENGA ENTREVISTADO: ANA LÚCIA DE CARVALHO FALANDO SOBRE A PROFESSORA NATÁLIA LESSA, GERAÇÕES DE BAILARINOS E SEU PRÓPRIO TRABALHO LOCAL: BALÉ ANA LÚCIA / RESIDÊNCIA DA ENTREVISTADA BELO HORIZONTE DATA: 12 DE MAIO DE 1999 Fita 1 1ª sessão lado A [Som de piano ao fundo, acompanhando uma aula de balé clássico.] A.A: [comentário do entrevistador] A entrevistada deu início à sua fala independente das perguntas do entrevistador, truncando a organização proposta pela entrevista e encontravase no momento da mesma, num delicado estado de saúde. A.L: Tá. Então, o que acontece é o seguinte: foi a Dulce que me preparou e eu fiquei lá no Carlos Leite pouco tempo porque ele já estava de mudança para o Palácio das Artes. Que ele mudou, o Palácio ainda não estava pronto ainda, não tinha as salas de aula não, não sei se você se lembra disso, era em um porão. // A.A: Sim. // É... então ele dava aula lá e tal. Mas ele começou lá dentro. Nessa época as coisas apertadas, que eu também estava dentro da escola e a escola cresceu muito. Eu comecei com uma escola já com um nível de alunos grande. Então, eu não tinha essa disponibilidade. Então, eu passei por, pelo Carlos Leite pouco tempo. Então, daqui, por exemplo, desta época que eu estou falando, aqui, 1964, é

2 1A AL - 2 lógico que eu não sou de [risos] Então, a partir da minha pessoa é que aqui estão os nomes de pessoas que foram da Natália Lessa, // A.A: Ah... // que vieram a ser professoras ou... ou se distinguiram na arte, entendeu. [As palavras da entrevistada referem-se a um texto escrito por ela própria com datas que cobrem os anos de 1934 até 1962, período em que a mesma estudou com a professora de dança Natália Lessa, pela qual ela organizava sua fala durante a entrevista.] É lógico que eu não tenho informação de todo mundo, mas aqui estão os nomes que realmente se distinguiram da Natália Lessa. Aqui, eu e minha irmã. Comecei assim, porque fica mais fácil. // A.A: Está certo. // Temos aqui o nosso balé. A Nora Vaz de Mello foi minha contemporânea, quer dizer, foi contemporânea da minha irmã, porque a Nora é mais novinha. Então, é, foi contemporânea da minha irmã. Aqui é o Balé Movimento. A Guiomar Vieira eu perdi o contato com ela [tosse], então eu não sei onde ela dava aula, mas foi um elemento que foi professora de balé. A Rosana Ziller // A.A: Conheço. // foi contemporânea de Nora e de minha irmã, que elas são novas. Nós fomos contemporâneas mas eu era mais velha. Então, foi do balé Le Papillon. A Marion Lessa também foi de lá, do Balé Marion. A.A: A Marion Lessa era parente da Natália Lessa? A.L: Eu acredito que não. Acho que a Marion não tem nada a ver, é outra família. A.A: Tá. A.L: A Iara Rodrigues, essa foi professora em Sete Lagoas, mas ela atuou muito aqui em Belo Horizonte porque ela trabalhava com o Joaquim [professor de balé Joaquim Ribeiro, falecido] também e realmente foi uma boa professora essa. Maria Helena Flores é professora em Goiás. Eu não sei exatamente o local, o nome da escola, mas sei que é professora lá porque me encontrava com ela fazendo aperfeiçoamento lá no Rio. Eline Renó, essa que teve uma importância fundamental porque ela foi pioneira em um curso de psicologia, mas ela foi pioneira em coreoterapia. //A.A: Coreoterapia! Olha que interessante! // Porque, como nós éramos das primeiras turmas a formar, eu acredito que ela foi a primeira em coreoterapia, sabe. Que hoje tem tanto nome, não sei se é psicodança,

3 1A AL - 3 umas coisas assim, não é. // A.A: Ahan. // Mas o dela chamava coreoterapia. Rosana Renó, essa que tem um parentesco com a Natália, teve uma escola aqui na Savassi [bairro de Belo Horizonte], mas também perdi contato com ela, não sei. A Cláudia Lessa foi que continuou a escola da Natália quando ela faleceu, que é sobrinha dela. A.A: Você sabe em que ano a Natália Lessa faleceu? A.L: Não lembro. Se não eu teria marcado pra você porque essas coisas, datas, são importantes. Mas possivelmente a Cláudia [sobrinha que deu continuidade ao trabalho de Natália Lessa]... A.A: Saiba. A.L: Deva saber, entendeu. Agora, pus um asterisco aqui: Lina Lapertosa. A Lina passou pela escola da Natália, mas nem todo mundo tem orgulho de ter passado por esse ou por aquele professor, eu não sei se é o caso dela. É... então, pus esse asterisco aqui, que seria bom consultá-la se ela... // A.A: Tudo bem. // né, gostaria de ser citada nesse caso, porque eu não sei, cada pessoa é uma pessoa. Mas, enfim, eu estou escrevendo a respeito de todos aqui, // A.A: Fantástico! // e estou fazendo uma declaração aqui para você. Aqui, oh!, tanto ela passou pela escola, mas como todas nós fez aperfeiçoamento em curso completo com outros professores. E é a primeira bailarina do Palácio das Artes. Porque todas nós tivemos que fazer curso de aperfeiçoamento porque a Natália era um curso de dança, estritamente livre, entendeu. A.A: Ela não trabalhava necessariamente a técnica clássica, Ana Lúcia? A.L: Não, não. Por isso que eu fiz questão de por A Dança em Minas Gerais. // A.A: Certo. // ela era uma professora de dança de salão. Como os atuais professores de dança de salão são. Só que... // A.A: Eu não sabia disso. // Ela aprendeu com um professor de dança de salão. [Sasha] não sei o que [D Estele], me parece, que era um negócio assim, um francês que apareceu por aqui, não sei, alguém que apareceu por aqui com esse... e ela era muito

4 1A AL - 4 talentosa, muito jeitosa, ela dançava dançava bem demais o tipo de dança de salão. Inclusive eu tive oportunidade de vê-la dançando com Juscelino Kubistchek. // A.A: É mesmo? // Os dois davam um show, entendeu. Mas, a partir dali, como ela viu que naquela época dança de salão, abrir uma escola de dança de salão seria um absurdo, né. Mas... então ela abriu uma escola em que ela adaptou danças: sapateado americano antigo, tudo isto que se faz hoje, dança espanhola, dança não sei o que, ginástica aeróbica, gi... isso tudo ela fazia, só que não tinha ainda o nome de ginástica aeróbica, não tinha o nome de sapateado não sei o que PEP, não sei o que. Então, ela foi muito perseguida, mas ela teve, ela teve um curso muito bonito. O curso dela, hoje, ela seria uma das grandes se fosse nessa época... // A.A: Em outro momento. // em outro momento. Ela seria uma das grandes. A.A: Dentro disso, deixa eu te fazer uma pergunta: Quais que eram, Ana Lúcia, as perspectivas de um bailarino naquela época aqui em Belo Horizonte? // A.L: Nenhuma, nenhuma. // Que período era este, que você está falando, quando vocês a estudar com a Natália? A.L: A.A: 1950? Como que era esse mundo da dança? A.L: Não, isso pra nós era só um hobby, era só uma diversão. Porque Belo Horizonte não tinha diversão nenhuma, nós não tínhamos teatro, nós não tínhamos... o máximo que nós tínhamos aqui em Belo Horizonte era opereta, entendeu. Tudo ruim, tudo muito fraco. É... o Carlos Leite começou com o balé, o balé não era muito bem aceito pela sociedade mineira. // A.A: Ah... isso é o que eu ia lhe perguntar. // Entendeu? Não é que ele não fosse um bom professor, ele era. Só que os mineiros não aceitavam. Um homem... A.A: Era uma visão preconceituosa. Essa coisa assim... A.L: Exatamente. Um homem dando balé, isso tudo era muito difícil, entendeu. Então, quer dizer, ela foi muito perseguida na época porque... não ex... eles conseguiram atacar aquele

5 1A AL - 5 ponto que ela não tinha técnica. // A.A: Ah! Entendi... // Mas se você analisar, hoje em dia, essas escolas de danças, você precisa pôr uma menina para fazer um rebolado dessa, dessa loira, como é que ela chama? A.A: A loira do Tchan. Carla Perez. A.L: Carla Perez. Existe técnica para isso? Toda criança não rebola, toda criança não faz? Então na época era a mesma coisa, era a mesma coisa, ela ensinava... // A.A: Era uma dança mais espontânea, né?! // É... era espontânea, ela ensinava sem técnica. Então, aproveitaram desse ponto fraco que era a técnica e ela foi muito perseguida, ela teve muita força para levar essa escola até o fim. E o mais interessante: é o feito... ela dizia que ela considerava a mim a melhor aluna que passou pela escola dela toda, entendeu. Ela teve mais de 10 mil alunos. Pelo menos é uma declaração que existe em um jornal aí, eu até tenho esse jornal. Então ela disse que a melhor aluna que passou... porque? Eu era aquele tipo de aluno seguinte, bastava me ensinar e eu já estava pronta. // A.A: Você já estava fazendo. // Então, quando a Dulce me ensinou, Dulce me deu, assim, uns dois ou três meses, eu entrei no corpo de baile do Carlos Leite, entendeu. Quer dizer, que em pouco tempo eu me preparei. Mas assim como eu, qualquer uma destas, destes elementos aqui era um elemento que se desse [estalar de dedos] // A.A: Ali já estava fazendo. Era passar uma vez... // Exatamente. Então, ela podia não dar a técnica mas ela sabia ensinar a dançar, entendeu. Então este período aqui, eu estou falando das minhas contemporâneas. // A.A: Contemporâneas, sei. // Eu não sei nem quem veio antes, como também não sei quem ficou depois. A.A: Eu queria lhe fazer uma pergunta, que foi uma informação que eu obtive da Dulce Beltrão, que Natália Lessa teria, talvez, estudado, isso é uma especulação da minha parte, teria estudado com uma professora chamada Guiomar Meireles, que seria uma professora de educação física. Você tem alguma informação, já ouviu falar disso? A.L: Não. Natália estudou, como eu estou te falando, com esses... foram dois professores que vieram de fora, professores de dança de salão. // A.A: De salão. // Um me parece que o

6 1A AL - 6 nome dele era Sasha] eu não sei se o sobrenome era Distel, mas... // A.A: Sasha Distel, acho que é um cantor francês, não tenho certeza. // Mas os... por isso que eu estou confundindo. Mas o primeiro nome é Sasha. // A.A: É Sasha // Isso eu tenho certeza. A.A: E você sabe, por exemplo, Natália era mineira? A.L: É de Diamantina. A.A: De Diamantina? A.L: É. Por isso que ela conhecia Juscelino, entendeu. Tinha... eles eram muito amigos, sabe. E eu os vi dançando e eles davam um show de dança de salão. Os dois. Ele dançava muito bem e ela também muitíssimo bem. E... como a gente, muitas vezes, se encontrava lá em Araxá, logo que as termas foram inauguradas, tudo, então, Juscelino ia muito para lá, ela também, porque as vezes ela viajava muito com a gente e... tanto é que eu dancei muito em homenagem a Juscelino, eu ia pra Diamantina e dançava em homenagem a Juscelino, ia pra Araxá e dançava... [risos] dancei em homenagem a Juscelino até falar chega. E... a Márcia, filha dele, chegou a estudar com ela também, sabe. E... só que a Márcia teve aperfeiçoamento fora, no exterior. A Márcia dançava muito bem, sabe. Uma vez eu a vi dançando uma dança... é... agora me falha. Mas era um show, sabe. Era muito talentosa, sabe. Era uma graça, sabe. Depois, quer dizer, o interesse foi tanto que ela veio ajudar a Dalau [Achcar, bailarina e coreógrafa carioca], né. Era uma pessoa fantástica! Bom, mas voltando aqui para não perder muito. Então, isso... aqui, oh, minhas con... eu pus aqui para você, minhas contemporâneas a partir de [19]51, [19]52, que é mais ou menos o período. Não sei informar sobre a época anterior a esta data e também não sei informar depois, sabe. // A.A: Tranqüilo. // Agora, quanto ao Carlos Leite, porque foram os dois professores, eles foram os dois primeiros, da mesma época. Eu não sei exatamente quando ele começou, entendeu, mas sei que eram os dois da mesma época. Alunos dele aqui, oh, eu pus para você: Jura Otero, que é professora em São Paulo de expressão corporal, pelo menos foi a última notícia que eu tive, ela era professora de expressão corporal; o Décio Otero, bailarino e diretor do Stagium, também é a última notícia que eu tive; Sigrid Ermani eu

7 1A AL - 7 conheci de nome, não sei exatamente, não a vi dançando, não sei; Deise também eu já vi, conheci ela como diretora do Balé Internacional; Klauss Vianna, esse aqui é o mais importante, no caso, né. Como aluno do Carlos Leite é o mais importante. Tanto é que eu pus aqui entre parênteses, ele, a Angel, Marilene Martins. Marilene Martins é o elemento que pode falar tudo sobre Klauss Vianna, porque ela acompanhou a carreira do Klauss. E... foi aluna dele muitos anos e seguiu aquela linha que o Klauss já começava com o moderno, contemporâneo porque ele logo se, foi se desligando do clássico, entrando no moderno, contemporâneo e a Marilene acompanhou muito bem. Então, Marilene é a pessoa que você vai pegar e saber tudo. // A.A: Marilene é a minha mentora. [risos] // É uma pessoa maravilhosa, viu. Essa aqui é muito. // A.A: Tenho muito carinho por ela. // É formidável, eu gosto muito dela também. Dulce Beltrão e Sílvia, essas duas aqui são diretoras, foram diretoras do Balé Anna Pavlova, né. Essas duas aqui também podem falar tudo sobre Carlos Leite. Porque elas foram as mais queridas, os elementos mais importantes da escola dele, a vida inteira. Porque Sílvia foi uma grande bailarina até recentemente no Palácio das Artes. A.A: Eu tive oportunidade de vê-la dançando Romeu e Julieta, uma coreografia da Dulce. // A.L: Da Dulce. // Eu não sabia que era ela que estava dançando. // A.L: Foi Romeu e Julieta ou foi... // Abertura do Tschaikovski, era uma síntese. Foi ela e um bailarino, acho que italiano, eu não me lembro agora. Quando eu vi que era Sílvia, gente, aí é que a emoção redobrou porque eu não sabia que era ela quem estava dançando. A.L: A Dulce montou uma coreografia para ela que foi uma coisa maravilhosa, foi... Otelo. // A.A: Ah!... Otelo. // Otelo e Desdêmona. Por isso que eu te perguntei se era Romeu e Julieta, porque Romeu e Julieta eu não vi, eu vi Otelo e Desdemona. Foi lindo, lindo, lindo. Uma vez eu pedi a Dulce para remontar, falou assim Ah!, mas eu vou remontar para a Sílvia outra vez e tal? e não remontou o balé não. Mas, enfim, elas duas, porque a Dulce foi coreógrafa do Carlos Leite. Então, são os elementos mais indicados para te dar toda a informação a respeito do Carlos Leite, entendeu. Porque eu era mais nova e, é como eu estou te falando eu fui preparada pela Dulce para entrar, quando entrei, entrei direto no corpo de baile e não pude ficar muito. Porque eu já comecei com a escola. // A.A: Com a escola. // Porque eu comecei a minha escola aqui com 16 anos.

8 1A AL - 8 A.A: Com 16 anos, Ana Lúcia? A.L: É. Então, quer dizer... A.A: Isso foi que ano? A.L: A.A: [19]61. A.L: Então, resultado da história, 16 e meio, 17, é... porque eu sou de julho, [risos] sou do meio de ano, né. Mas... quando eu comecei a escola, quer dizer, eu era muito nova e a responsabilidade era muito grande. E acontece que eu era muito conhecida em Minas por causa da Natália, eu viajava Minas Gerais inteirinha, eu viajei quase todas cidades, dancei quase toda Minas Gerais. Então, foi interessante que quando eu abri minha escola eu recebi mais aluna de fora, entendeu, do que daqui de Belo Horizonte. Embora que, de Belo Horizonte... eu comecei a escola com 150 alunos. Então, quer dizer, isso era uma coisa absurda! A.A: Nossa! E você era a única professora? A.L: A única professora de balé clássico. A.A: Ah, certo. A.L: Não, aqui da escola? A.A: É. A.L: Eu era a única professora.

9 1A AL - 9 A.A: Você está brincando?! A.L: Eu larguei os estudos logo, entendeu. Só acabei o curso clássico que eu fiz na época. E aí eu comecei, me dediquei mesmo, de corpo e alma, entendeu. Agora, isso pra mim era brincadeira, sabe, [risos] era como tomar um copo d água, sabe. // A.A: Eu imagino. // E... daí a escola cresceu demais da conta, sabe, e graças à Deus foi um sucesso, foi muito bom, sabe. Uma coisa muito boa. Voltando aqui ao Carlos Leite. Então, aqui, Maria Amália Noqui, ela foi bailarina no Rio. A Maria Amália, ela fez muita variedade de coisa, que ela trabalhava em televisão. Esse tipo de bailarina mais popular, sabe. O Joaquim Ribeiro, que você conheceu. O Joaquim também foi uma figura, né, importante para o Carlos Leite porque, afinal, foi um professor de nome também. O Emil Dotti, um bailarino, falecido, ele dançou a seqüência... A.A: O Emil eu o vi dançando Sonatta nº 1, de Paganini, do professor Carlos Leite, era um sexteto. Eu era criança. Muito isso, na década de 70 ou final dos anos 60. Olha, eu tive oportunidade de vê-lo dançar. A.L: Emil eu o vi dançando muito pouca coisa, eu só vi dançando Otelo, só. Foi muito bom. Mas eu não tive oportunidade de vê-lo... A.A: Otelo foi dançado por Sílvia, por Emil... A.L: Sílvia, Emil e... não lembro mais, realmente não me lembro. Agora, foi uma peça muito boa. Foi uma das boas... // A.A: Foi um balé importante aqui em Minas Gerais. // Foi. Foi... a Dulce fez uma coreografia... foi importante e não. Porque quan... nós, da nossa época, não sabíamos tirar proveito de coisa alguma. Pergunta quem é que viu essa coreografia, você vai ver que foi só eu. Não foi tirado proveito dessa coreografia, entendeu. Ela não se repetiu muitas vezes, muitas vezes, muitas vezes, feito hoje que você vê uma coreografia, ela é repetida mil vezes, mil vezes, mil vezes, até você... aquilo virar um

10 1A AL - 10 negócio na sua cabeça, cansativo, entendeu. Foi uma das belas coreografias, mas... eu acho que foi dançado uma vez só. A.A: Você se lembra o ano em que isso foi dançado? Ou mais ou menos o período? A.L: Não. Eu tenho. É o que eu te falei, aquilo que eu puder te ajudar, no que você precisar eu pesquiso para você, entendeu. Porque eu devo ter esses programas, mas assim, de pronto, eu não me lembro, sabe. É... Lúcia e Lídice Tristão. A.A: Tristão. A Lídice eu conheci, conheço aliás. A.L: Você conhece, né. A Lúcia foi um fenômeno. A.A: A Lúcia eu não conheci. A.L: Foi um fenômeno. Foi para os Estados Unidos, era... era uma boa bailarina, muito boa bailarina que o Carlos Leite teve. E Lídice também. Eram dois estilos completamente diferentes, uma era quente, fogosa e a outra era toda clássica, toda delicada, sabe. Muito boas também. Sônia Vaz e aqui tinha uma outra moça também, que eu acredito se você conversar com Dulce, ela vai se lembrar. Tinha uma outra Sônia que eu não me lembro. Eram duas Sônias, muito boas, entendeu, do corpo de baile. E Lina Lapertosa, novamente eu repito, era bailarina do Palácio. Matilde de Castro que veio a ser professora de balé também. A Matilde por muito pouco tempo. Bem, então, do Carlos Leite isto aqui já é uma época mais... eu acredito que mais antiga, aqui oh, está vendo? Depois Klauss Vianna. Agora, contemporâneos meus daqui para baixo, sabe. A.A: Foram momentos distintos, assim, né. A.L: É. Mais ou menos, porque de Carlos Leite eu não sei muita coisa, entendeu. Meu contato com ele foi pequeno, foi curto prazo, então eu acredito que você vai ter isso com a Dulce ou com a Sílvia, elas vão saber localizar essas coisas muito bem e te contar isso.

11 1A AL - 11 Agora, também tem aquela menina que teve uma escola muito boa, como é que ela chama? É... Sueli, não sei de que... [silêncio] Sueli [Freire, da Escola Maria Olenewa] Maria Olenewa. A.A: A Escola Maria Olenewa. Eu conheci também. [silêncio] A.L: Eu não me lembro dela, mas ela disse que se lembra de mim lá. [risos] Mas eu na realidade não me lembro. Então, eu pus aqui para você não sei informar quando se iniciou o balé do Carlos Leite. Quais os alunos que antecederam esses primeiros, que em alguns casos // A.A: Conheço de nome. // conheço de nome. Não sei informar... porque realmente isso aqui é gente que eu conheço de nome. Jura porque, dando aula aqui, mas Décio eu não conheço, Sigrid, entendeu. A gente sabe de nome. Não sei informar após o período de Lina Lapertosa, sabe. Quem é que veio, quem é... lembro que tinha algumas meninas muito bonitas, mas na realidade não sei mais. Então, eu aqui... como eu pus aqui muito pouco sobre Klauss, eu escrevi aqui foi a terceira escola em Minas. A.A: Ah... a primeira foi a de professor Carlos Lei... a de Natália... A.L: Natália, Carlos Leite. Porque eu não sei a época de Carlos Leite, entendeu, quando ele começou. Mas eu acredito que Natália foi primeiro. A.A: Depois foi a sua. A.L: Depois Klauss Vianna. Foi a terceira. A.A: Ah! Klauss Vianna foi antes. A.L: É. Foi a escola em Minas Gerais mais de curta duração. Eu cheguei a estudar com Klauss. O Klauss, ele começou uma escola, a escola estava indo de vento em polpa,

12 1A AL - 12 belíssima escola, mas ele recebeu o convite do Gelewski para trabalhar na Bahia e ele já estava com outra mentalidade, ele não queria clássico, né. Então... ele foi para Bahia. Foi a terceira escola em Minas Gerais com curta duração e poucas apresentações também. Isso é importante, porque... A.A: Você está criando um público, você está divulgando o trabalho. A.L: Exatamente. Então, é feito... o que que ficou do Klauss aqui em Minas Gerais?Foi aquele O Caso do Vestido, eu não sei se você se lembra... // A.A: Já ouvi falar, já ouvi falar. // Então, foi... ele se apresentava tão pouco que o que ele apresentou ficou na cabeça, porque... né... a gente acaba não esquecendo. Aqui pus para você outra vez: Marilene Martins é quem melhor pode falar sobre o trabalho dele. Estudaram com ele... aqui sim também, aqui oh, vem o aperfeiçoamento, porque, embora tenham passado pela Natália, aqui oh, fizeram aperfeiçoamento com ele: a Nora Vaz de Mello e Rosana Ziller, sabe. Agora, aqui vem sobre o meu balé também. A.A: Bom, é nesse ponto... [barulho do gravador] A.L: Bom... A.A: Ana Lúcia de Carvalho. A.L: Eu comecei sem saber que estava começando. Minha mãe me levou para uma aula de dança lá na Natália e eu me lembro que eu fui sem uniforme, eu estava de um vestidinho comum, um vestidinho bonitinho, tananá. Entrei lá na fila e a Nat... isso eu entrei no segundo semestre... // A.A: Você tinha que idade, Ana Lúcia? // 6 anos. // A.A: 6 anos. // E a Natália falou com minha mãe assim, olha, eu não sei se, se vou aceitá-la agora no..., porque Natália tinha muitos alunos, ela podia descartar aluno com muita facilidade. Então, ela falou assim eu não sei se vou poder aceitá-la, porque nós já vamos começar a ensaiar o

13 1A AL - 13 espetáculo de final de ano e agora não vai ter aula mais, a partir do segundo semestre. E, realmente, ela já estava ensaiando e era O Quebra-Nozes, de Tschaikovski. Então ela me pôs de chinês lá, acompanhando as meninas, né, que já estavam ensaiando só para eu não perder aquele dia de aula. Acontece que, realmente, eu acompanhei, dois dias depois eu fazia melhor do que qualquer chinês. [risos] Então, eu dancei no espetáculo e eu puxava a fila dos chineses, entendeu. Então, dali, quer dizer, já comecei a minha brilhante carreira. Meu pai não queria de jeito nenhum. Meu pai é do interior, de família muito religiosa e não aceitava. // A.A: Você é de onde? // Eu? Sou daqui de Belo Horizonte. // A.A: Você é de Belo Horizonte mesmo? // Sou, sou de Belo Horizonte. // A.A: Os seu pais são de onde? // A minha mãe é de Belo horizonte, o meu pai é de Dores do Indaiá. E... ele não queria não. Mas no momento em que ele viu a filha dele lá, achou um máximo! Era a melhor de todas, [risos] foi a melhor de todas. A.A: O incentivo, então, veio de sua mãe? A.L: O incentivo veio de mamãe. Mamãe me incentivou e até hoje me incentiva demais da conta, demais da conta. Eu vivo com a força desse incentivo. Porque o balé me deu muita alegria, mas dá muita decepção, você sabe disso. É... a gente precisa ter muita coragem para levar a frente. // A.A: Tem que amar muito, né. // Tem que amar demais, tem que se entregar demais, totalmente, entendeu. E eu tive momentos que eu pensava, realmente, gente! Não é isso o que eu quero para mim. Eu queria viver e realmente eu não vivi. Eu vivi só para o balé, só para o balé. Então, essa Ana Lúcia aqui ficou fechada em um ambiente de sala de aula do Balé Ana Lúcia. Trouxe muitos professores, tive contato com muita gente de fora, bailarinos de fora, gente de fora, mas da vida lá fora eu desconheço totalmente. Então, lá fora eu apanho da vida realmente, entendeu. Porque dentro... só sei viver dentro desse ambiente de dança, o resto não tem valor, entendeu. E na minha época de menina, de adolescente, não tinha essa coisa de barzinho, de saída, de, de, de, de muita folia, de muita coisa. Então, não havia muito com o que eu me interessasse. Eu era muito estudiosa e... realmente, assim, dessas primeiras alunas de classe, levava o estudo muito a sério e o balé mais ainda. O balé era primeira coisa e nada existia mais do que o balé. Então o que que aconteceu, não tinha muitos amigos, uma pessoa [risos], uma pessoa que vai... //

14 1A AL - 14 A.A: É uma entrega mesmo, né, Ana Lúcia. // Não tinha amigos, não tinha amigas, entendeu. Eu vivi a minha vida, aprendi a viver solitária. Agora, foi um bom aprendizado porque eu sou feliz com a minha solidão, eu não sou infeliz, entendeu. // A.A: Um universo que você construiu. // É, dentro desse universo que eu construí eu sou muito feliz. A vida inteira eu soube que eu era feliz, nunca tive, assim... tem decepções na vida, é lógico que a gente tem, mas... // A.A: Nunca teve dúvida de que era isso. // Não, eu nunca tive dúvidas de que eu era feliz, que era isso, entendeu. Nunca. Se me falassem assim, você passou por esse mal momento agora, está vendo! Toma vergonha nessa cara!, meu pai que falava isso de mim, [risos] entendeu. Mas, entre arriscar a outra, a outro problema, eu sabia que eu era feliz dentro do balé. Então, é... dentro do balé eu acredito até que eu tenha muito conhecimento e tal, mas conhecimento de vida, [risos] esse me faltou completamente, entendeu. Eu sou uma boba. Então, essa aí é a Ana Lúcia. A.A: E como que é a Ana Lúcia hoje? A.L: Ana Lúcia hoje é uma pessoa assim, continua amando o balé com todas as forças, mas sem ilusão. Nunca, quer dizer, ilusão eu já não tenho há muitos anos. Nunca fui essa professora de incentivar o aluno a ser bailarino, entendeu. Vai, enfrenta!, não. Há muitos anos que eu não faço isso. É uma carreira muito difícil, muito ingrata. A.A: Você se tornou realista, vamos dizer nesse sentido? A.L: Muito, muito, muito. Pé no chão, pé no chão. Adoro ensinar, adoro ensinar. Ensino com o máximo prazer, gosto de ensinar para criança, que eu não gostava, entendeu. Aprendi a gostar para a criança, mas gosto mais para a terceira idade. Gosto de ensinar para a terceira idade, gosto de ensinar para pessoas que tem dificuldades, para vencer suas dificuldades, adoro! Adoro quando eu tiro lucro disto. Quando eu vejo que aquela pessoa desenvolveu e estava com problema. // A.A: Venceu aquela etapa. // Venceu aquela etapa. Isso me dá o máximo prazer. São coisas que me dão prazer. E eu vou vendo as coisas longe e tenho vontade de fazer esse tipo de trabalho e vou fazendo, aos pouquinhos eu vou fazendo aqui dentro do balé. Aqui dentro do balé eu tenho muita aluna, assim, já mais

15 1A AL - 15 velha, que eu passo esse trabalho e me sinto felicíssima, entendeu. Gosto demais. E... mas essa ilusão de bailarino, não. Porque você vê, os nossos bailarinos do Palácio o que que ganham? E no mundo inteiro estão todos os bailarinos lutando e lutando e lutando. Bom, se a pessoa se preocupa só com a carreira de bailarino o que que depois vai arrumar? Na minha época foi mais fácil, né. Então, eu, hoje, eu não, realmente não ins... deixa que cada um... se uma aluna chega pra mim e fala assim, oh, eu não venho a aula amanhã porque eu tenho prova, não me incomodo. Porque antigamente eu não fazia isso, você vem sim! Você tem compromisso aqui comigo. Hoje não, hoje eu não faço isso jamais. // A.A: É um outro momento, né, Ana Lúcia. // É um outro momento. Mudou muito. E o balé tem mudado demais da conta, seu esquema, sua, sua, sua evolução é muito grande, entendeu. Eu, por exemplo, me choco cada vez que eu vejo balé atualmente, sabe. Antigamente o balé era... era feito futebol. Futebol não era uma arte, que a gente falava assim, nossa senhora! Gente, Pelé jogou muito bem! Olha o Garrincha dando aqueles nós nas pernas!. Era uma coisa linda da gente ver. O balé era também. Tanto é que você, por exemplo, gravou uma Sílvia Böermenvald, uma simples bailarina de Minas Gerais. A gente grava e não esquece mais. Hoje não, hoje você não grava mais ninguém. Hoje todo mundo é uma massa. // A.A: Uma massa, com certeza. // Hoje tudo é massa. Porque? Porque evoluímos excessivamente na técnica e não na arte. A arte morreu. Quando a gente vê uma estrela a gente tem que fazer reverência para ela, porque a estrela não está existindo. E estou falando não é em termos de Brasil não, é internacional. Não existe a estrela mais. Acabou. E as estrelas fazem falta. Faz falta aquele balé que você gravou para o resto da sua vida. Uma Anna Pavlova, você viu e nunca mais esqueceu. Porque eu conheci gente que a viu, diz que nunca eu vou ver mais uma bailarina, feito eu vi Nureyev. Eu quando vi Nureyev, falei nunca mais eu vou ver outro bailarino igual!. E não vi. Não vi Bujones, não vi Baryshnikov, não vi nada igual a Nureyev, nada. Então, o balé evoluiu demais. E não é que eu não aceite, não, aceito essa evolução. Acho lindo, por exemplo, ver essas meninas com essas pernas na cabeça, fazendo 10 fuéttes duplo [um movimento do balé clássico], de lá para cá, 10 piruetas pararã. // A.A: É ginástico, né. // É ginástico. Você falou em ginástica, com, eu não sei se você notou, por exemplo, tudo está se misturando, a ginástica olímpica, é... // A.A: Ginástica Olímpica hoje é uma grande balé, né. // É um grande balé. É, você olha assim nos estádios você vê que... chama ginástica artística, né. É um verdadeiro balé.

16 1A AL - 16 Sendo que quase todas dão um banho nas bailarinas, né, porque é um excesso de abertura, é um excesso de saltos perfeitos, pés lindos, físico maravilhoso. Então, quer dizer, o balé continua deslumbrante, só que não é o balé da minha época. Aquele balé artístico que o bailarino queria dar a sua alma e não era a sua perna, [risos] entendeu. Então, é muito diferente. Então, esse processo, eu vi esse processo acontecer praticamente em 3 etapas: antes de Nureyev, depois de Nureyev e... é como eu te falei, depois dos anos 80, que você falou que ia... depois dos anos 80 o balé virou [risos] uma outra coisa, sabe. Agora, realmente tem seus pontos bastante interessantes, né. Não resta menor dúvida. A.A: Você sente que, por exemplo, hoje a dança é mais divulgada, ela é mais accessível às pessoas frente ao tempo que você dançou? Como que você vê isso, assim. A.L: Não. A dança antigamente era mais divulgada, porque era divulgada. Hoje não, hoje ela é comercializada. Quem tem dinheiro, tem divulgação. Antigam... é o tal caso, antigamente divulgava a arte. Falava que ia ter um espetáculo de arte aquilo era badalado em tudo quanto é jornal, não precisava você pagar. Hoje, se você não tiver patrocinador você não faz nada. Naquela época não precisava isso. A.A: Agora, você considera que, por exemplo, você me disse no começo que as perspectivas do bailarino eram menores, mas você acha que nesse sentido, hoje em dia essas perspectivas não se abriram mais? Como que você vê esse lado? A.L: Não, não mudou nada. Nada mudou. É... a gente pensa que mesmo nos países de primeiro mundo, que a gente ouve assim, ah, é país de primeiro mundo, a cultura é isso, a cultura é aquilo, mas, meu filho em frente de tantos problemas que todos os países tem, você acha que o balé vai ser colocado em primeiro lugar? Você vê que nos Estados Unidos, eu não digo isso com muita certeza porque eu recebi a informação de terceiros, mas, só duas companhias eram assistidas pelo governo, que era o American Ballet Theatre e o New York, do Balanchine. Com a morte do Balanchine, não sei se ele continuou sendo apoiado pelo governo. Muito bem, então as outras escolas sobrevivem feito nós aqui no Brasil. E o que que acontece nos Estados Unidos, por exemplo, acabou aquela temporada os bailarinos

17 1A AL - 17 são mandados embora, contrata-se novos bailarinos, para uma nova temporada, para uma outra coisa, de acordo com a perspectiva financeira. Vamos supor, se você tem um patrocínio para 10 bailarinos, você vai contratar 10 bailarinos, se for para dois, só dois só. Então, é muito difícil. A situação é a mesma fora e a mesma aqui. Agora, os nossos bailarinos estão se dando bem porque, realmente, o talento brasileiro, ele está fluindo de tal forma que ele está abafando o estrangeiro. O estrangeiro continuou apenas... quer dizer, não é só a técnica, mas dentro daquelas... princípios básicos que eles tem, né. Aqui é o corifeu, aqui é a primeira bailarina, aqui a solista, etc, etc. E o Brasil não, o Brasil vai mandando brasa com a menininha de 12 anos para ser primeira bailarina. Então, muito bem... A.A: Você acha que existe um investimento no talento pessoal, alguma coisa assim? A.L: Acho. Mas é um talento que, se os pais não quiserem sustentar essa filha até ela aposentar... // A.A: A dança pára. // até ela aposentar. Não vai haver dinheiro, não vai haver um retorno financeiro porque não há emprego. Então... digo para bailarino. Então, é pai e mãe sustentando. A.A: A dança é uma arte cara para você? A.L: Ah é. Muito cara, muito cara. a dança é uma arte muito cara. Antigamente eu não aceitava bolsista, primeiro lugar porque eu não podia aceitar bolsista porque a escola era muito grande, tinha muito aluno. Mas não era por isso não, as pessoas me pediam e eu tinha que fazer, eu tinha que esclarecer o seguinte, escuta: põe sua criança aqui. Aqui as meninas tem uniforme alinhado. Essa criança não vai poder pagar o uniforme, uniforme eu não vou poder dar para ela. O sapato de ponta é um sapato caríssimo, ela não vai poder se manter com um sapato de ponta. Quando chegar a época de festival vai ter que pagar a sua roupa, ela não vai dar conta de pagar a sua roupa. Então vai virar uma criança frustrada e revoltada dentro de uma escola de balé. Por isso que eu não dou bolsa de balé. Bem, com o passar dos anos as coisas foram modificandos, foram modificando e a gente deixou, entendeu. Mas, é... é uma arte cara. Muito cara, continua cara da mesma forma, entendeu. Eu, por exemplo, adoraria, adoraria poder fazer algumas coisas pelas minhas sobrinhas.

18 1A AL - 18 Não posso, não tenho condição. Então, quer dizer, agora isso é aqui e é lá fora. Por exemplo, as meninas saem com a ilusão que vão chegar nos Estados Unidos e comprar um ponta baratinha, não, lá é tudo mais barato. Sapato de ponta lá é uma fortuna! Tão caro quanto aqui. Ou aqui se encontra até mais barato, entendeu. Então, é... [silêncio] é uma arte realmente bastante cara, bastante cara. Eu, por exemplo, quando quero levar um espetáculo eu tenho tudo. Tenho todos os guarda-roupas, entendeu. Eu... ah, vou levar a Bela Adormecida? Bela Adormecida está lá completo. Ah, vou levar Lago dos Cisnes? Lago dos Cisnes está lá completo. Porque as meninas, hoje, não fazem roupa, entendeu. Então tem que ter aqui em casa, continuamente as costureiras, o pessoal... é como se fosse um teatro aqui em casa, [risos] entendeu. Eu tenho que ter todo mundo que faz, // A.A: Tudo planejado. // toda equipe para adaptar as roupas, para consertar, para... entendeu. Porque hoje ninguém faz, porque não dá conta. Não dá conta mesmo. Hoje, levar um espetáculo é humanamente impossível. A.A: Ana Lúcia, como que é para você, ou melhor, não. Momentos que, para você, foram importantes na sua carreira, momentos que você lembra com alegria, acho que momentos importantes. A.L: Momentos importantes? São inúmeros, entendeu. Porque é uma carreira... // A.A: Alguns que você ressaltaria... // é uma carreira tão difícil que quando você... você tem que ter esses momentos importantes a toda hora, porque senão você não sobrevive. Mas, momentos importantes, assim, por exemplo, é... eu pude dançar com a Dalau, na companhia dela, nós viajamos o Brasil, entendeu. Isso pra mim foi importantíssimo porque eu conheci Margot Fontaine, dançamos ao lado de Margot Fontaine, de dez bailarinos de fora, Ciril Atanassoff. Então eu vi... Cínthya Gregori, entendeu. Então, eu dancei com aquele pessoal, assim, lado a lado e eu era solista. Então, isso pra mim foi uma honra muito grande, entendeu, de não ser de um corpo de baile... A.A: Você poderia citar os balés que você dançou?

19 1A AL - 19 A.L: Eu dancei Floresta Amazônica, onde eu era ninfa, a coreografia da Dalau. E dancei Grand Finale, que eu era solista também do Grand Finale. Dancei um balé... que esse eu fui solista realmente do balé, eu fazia o papel principal. Mas agora eu não me lembro o nome... engraçado eu não lembro o nome. Fiz o papel principal, mas não me lembro. Enfim, esse foi um momento muito grande. Outro momento que eu... // A.A: Isso foi em que época, Ana Lúcia? // [19]75. // A.A: [19]75... // É... outro momento que eu tive muito bom foi quando eu dancei nos Estados Unidos, sabe. Eu saí daqui de Belo horizonte eu estava com muita depressão, eu não fui nem pra fazer aula de balé, nem pra mexer com balé, mas fui levando minha turma para fazer aula lá. E... quando eu cheguei lá, eu resolvi fazer aula. E... o Bill que era muito... já tinha dado aula aqui, era conhecido meu e tal, falou assim Ana Lúcia, uma das bailarinas, uma mexicana, deveria dançar e ela quebrou o pé, não vai dançar. Queria saber se você não tinha condição de substituir?, eu quase morri porque eu estava gorda, enorme, eu tive que secar em um mês e me apresentar. Mas eu passei muito aperto, porque as americanas eram lindas, físicos maravilhosos... // A.A: É um outro corpo, né... // outro corpo, técnica belíssima, e eu ainda tinha que me pôr em forma. E as americanas não aceitaram aquilo de jeito nenhum, um monstro! [risos] Um monstro chegando! O fato é que eu cheguei e dancei no dia, e dancei muito bem, sabe. Então, eu fui muito solicitada, inclusive para dar aula lá nos Estados Unidos. A primeira bailarina do balé da Geórgia me fez esse convite. Mas a vida aqui no balé era muito tumultuada porque a escola era grande, exigente, a escola era grande, então, não havia como eu ir para os Estados Unidos para dar aula lá, não tinha condição. E... se bem que hoje, eu tenho esse arrependimento porque isso, pra mim, seria meu currículo, ô gente, eu dei aula lá! Afinal,..., mas eu não dei... não larguei a escola. Eu tinha muito respeito pela minha escola, sabe, meu trabalho e não abria mão fácil das coisas não. Depois... tive momentos muito bons, assim, muito alegres. É uma coisa muito interessante na vida da gente. Você às vezes estuda com vários professores, muitos anos, estuda com aquele professor ali, fica encantada com aquele, fica encantada com aquele outro e vai assimilando os trabalhos. Mas o trabalho que veio a dar pra mim a, meu caminho, abrir o meu caminho foi quando eu fiz aula com Zaraspe aqui no Corpo. // A.A: Professor Zaraspe, sim... // Ele deu aula aqui. De repente eu entendi uma coisa, assim, completamente diferente, abriu um campo pra mim completamente diferente e se eu tiver de formar uma bailarina, a minha bailarina vai ser

20 1A AL - 20 com aquele físico, com aquele tipo, com aquele trabalho americano do Zaraspe. Eu, a maneira que eu tomei pra mim, de trabalho, para o resto da minha vida, entendeu. Quer dizer, foi o que me deu o caminhar, sabe. E... tinha estudado com... eu estudei com professores maravilhosos, entendeu, muito bons professores. Mas, de repente... A.A: Você poderia citar alguns? Pessoas que você teve, que foram importantes para você? A.L: Olha, eu estudei com Tatiana Leskowa, que essa praticamente me fez, entendeu. Porque eu estudava... estudei com Jerzy Maretzk, que foi um show! A.A: Isso você estudou fora daqui de Belo Horizonte? A.L: Fora daqui de Belo Horizonte. Porque não sei... A.A: Você viajava muito para cursos, coisas assim... A.L: Viajava. Demais. Porque eu, a vida inteira, me senti a pessoa mais incompetente do mundo. Então, eu sempre tive esse complexo de incompetente. [risos] Então, eu tenho essa necessidade de estudar. Eu estudo muito, muito, até hoje eu estudo muito. O último curso de aperfeiçoamento que eu fiz foi esse curso do balé de Cuba, em Niterói, quando veio a primeira vez. Que eles vieram com a equipe toda lá de Cuba. E eu fui para fazer. Isso em [19]92. Então, foi o último curso que eu fiz para professores. Eu sempre fiz e sempre estudei, não paro um minuto. E estudo até hoje. Mas... é... eu fiz aula com muito bons professores, feito Jerzy, por exemplo. Jerzy tinha um estilo espetacular, sabe. Tanto é que Rodrigo Pederneiras quando abriu a escola veio aqui e me perguntou, foi a pessoa que eu indiquei para ele, procura Jerzy!. Jerzy é muito boa, sabe. E... peguei... trabalhei com muito professor estrangeiro, muito professor. Nós tivemos aqui a primeira bailarina do Royal, Georgina Parkson. Tivemos um mâitre de balé Alexander Bennet, também do Royal. Tivemos aqui o Chabelewsky, que tinha sido do Balé do Coronel du Basil. Tivemos muito professor estrangeiro aqui, entendeu. Tivemos aqui o Darius, você deve ter conhecido o Darius... // A.A: Darius... // Darius trabalhou uma temporada aqui conosco. E...

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br Esquemaria.com.br / Dicas de estudos / 4 mitos sobre estudos: saiba mais como evitar estes erros Talvez você conheça estes mitos sobre estudos, mas você sabe a verdade por trás deles? Hoje eu trago um

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho.

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho. 1 AMAR... dir: Carlos Gregório CASA DE LAURA... - Você não vai dizer nada? - O que você quer que eu diga? - Qualquer coisa. - Olha,... Não foi tão importante pra mim... - Não... foi!!? - É... É isso mesmo.

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS ALESSANDRA TEGONI

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS ALESSANDRA TEGONI CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS ALESSANDRA TEGONI (depoimento) 2013 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto: Garimpando

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Como conversar com possíveis iniciadas

Como conversar com possíveis iniciadas Como conversar com possíveis iniciadas Convidar outras mulheres a tornarem-se consultoras é uma atividade chave para quem quer tornar-se diretora. Aprenda como fazer a entrevista de iniciação, ou seja:

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

jornal encontros Janeiro de 2013 1

jornal encontros Janeiro de 2013 1 jornal encontros Janeiro de 2013 1 2 ENTREVISTA Entrevista com a professora de ballet Letícia Lemos O ballet tem a capacidade de emocionar as pessoas O primeiro Jornal Encontros de 2013 traz entrevista

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão Zeca Camargo foi o convidado da segunda edição do RBS Debates, dia 23 de Julho, em Florianópolis. O evento reuniu mais de mil estudantes e

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

O início de minha vida...

O início de minha vida... Relato 1 Memórias de minha vida Juliana Pedroso 1 O início de minha vida... Perceber com clareza é o mesmo que ter a visão iluminada pela Luz da Alma. Podemos ficar livres da ignorância e ver corretamente

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Este template é muito diferente e muito, mas muito especial!

Este template é muito diferente e muito, mas muito especial! Esta é nossa última sequência! Este template é muito diferente e muito, mas muito especial! Quero que você olhe para ele com olhos de águia e reflita, e muito, se ele realmente serve para o seu produto

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Na Internet Gramática: atividades

Na Internet Gramática: atividades Na Internet Gramática: atividades Dica: Antes de fazer as atividades abaixo, leia os documentos Modo subjuntivo geral e Presente do subjuntivo, no Banco de Gramática. 1. No trecho a seguir, extraído da

Leia mais

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos As colinas do outro lado do vale eram longas e brancas. Deste lado, não havia sombra nem árvores e a estação ficava entre duas linhas de trilhos sob o sol.

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar.

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. 16 Entrevista Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. Fotos e texto: Alessandra Anselmi Fotos:

Leia mais

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL WWW.SUPERVISORPATRIMONIAL.COM.BR SUPERVISOR PATRIMONIAL ELITE 1 OS 3 PASSOS PARA O SUCESSO NA CARREIRA DA SEGURANÇA PATRIMONIAL Olá, companheiro(a) QAP TOTAL. Muito prazer, meu nome e Vinicius Balbino,

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008 Meu nome é João Almeida Gonçalves, nasci em Macaé em12 de novembro de 1960. INGRESSO NA PETROBRAS Ingressei na Petrobras, antes de trabalhar na Petrobras.

Leia mais

1. Ouça o depoimento de Diana, sem acompanhar a transcrição, e complete as lacunas.

1. Ouça o depoimento de Diana, sem acompanhar a transcrição, e complete as lacunas. Todos os dias Gramática: atividades RESPOSTAS De olho no mercado 1. Ouça o depoimento de Diana, sem acompanhar a transcrição, e complete as lacunas. Diana: E o meu trabalho, eu trabalho numa empresa chamada

Leia mais

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1 Direitos Reservados - Pg 1 Aviso aos que se acham malandros, ou que querem ser processados ou parar na cadeia. Este livro é registrado com todos os direitos reservados pela Biblioteca Nacional. A cópia,

Leia mais

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre 1 Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre paraplégico, cortando-o ao meio, assim como a sua cadeira

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ANDRÉIA DOS SANTOS (MAYCON) (depoimento) 2014 FICHA TÉCNICA ENTREVISTA CEDIDA PARA PUBLICAÇÃO NO REPOSITÓRIO

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

Peça de Teatro Sinopse Argumento

Peça de Teatro Sinopse Argumento 1 Peça de Teatro Sinopse Duas crianças da comunidade...(comunidade local onde será encenada a peça) se encontram, conversam à respeito de limpar a rua e ser útil de alguma forma para o meio em que habitam.

Leia mais

Marcos Leôncio suka02@uol.com.br 1 VOTO VENDIDO, CONSCIÊNCIA PERDIDA. Escrita por: Marcos Leôncio. Elenco: Olga Barroso. Renato Beserra dos Reis

Marcos Leôncio suka02@uol.com.br 1 VOTO VENDIDO, CONSCIÊNCIA PERDIDA. Escrita por: Marcos Leôncio. Elenco: Olga Barroso. Renato Beserra dos Reis VOTO VENDIDO, CONSCIÊNCIA PERDIDA. Escrita por: Marcos Leôncio Elenco: Olga Barroso Renato Beserra dos Reis Zilânia Filgueiras Sérgio Francatti Dodi Reis Preparação de Atores e Direção: Dodi Reis Coordenação

Leia mais

Sr. Siderley: 1968 a 1971

Sr. Siderley: 1968 a 1971 Transcrição do Depoimento do Sr. Siderley Corrocher para a Comissão da Verdade da Câmara municipal de Araras realizado no dia 22/11/2013 (duração: 26min57s). Ver. Breno Cortella: Então o senhor foi...

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Quais eram os seus brinquedos? Ah... quando eu era bem pequeninim, sempre gostava de jogá bola, carrinho. Né?

Quais eram os seus brinquedos? Ah... quando eu era bem pequeninim, sempre gostava de jogá bola, carrinho. Né? Você vive há muito tempo aqui? Eu vivo aqui há quinze anos. Desde que você nasceu. Né? Isso. Como foi a sua infância? Ah... minha infância foi boa, foi muito divertida. Eu fiz de tudo. Sempre tive liberdade

Leia mais

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução Esta segunda sequência respeita a estrutura da sequência do Eben que analisamos.o template é adequado aos profissionais que podem (e querem) trabalhar com os três mosqueteiros, ou seja, apresentar uma

Leia mais

Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima

Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima Eu acho que não sofremos muito aqui, só a adaptação ao idioma e ao clima Meu nome é Carla Karen Quispe Lipa. Sou nascida na Bolívia, na cidade de La Paz e vim para o Brasil com nove anos de idade com os

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

"Busca pelo Envolvimento do Funcionário Parte Dois: O Poder do Reforço Positivo.

Busca pelo Envolvimento do Funcionário Parte Dois: O Poder do Reforço Positivo. "Busca pelo Envolvimento do Funcionário Parte Dois: O Poder do Reforço Positivo. Por Bill Sims, Jr. www.safetyincentives.com Na primeira parte desta história, expliquei sobre os três tipos de funcionários

Leia mais

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates 1º ano do Ensino Fundamental I O que você gosta de fazer junto com a sua mã e? - Dançar e jogar um jogo de tabuleiro. - Eu gosto de jogar futebol

Leia mais

Mestre Jelon Vieira: ... eu colaborei com a panela cultural de Nova York.

Mestre Jelon Vieira: ... eu colaborei com a panela cultural de Nova York. Mestre Jelon Vieira:... eu colaborei com a panela cultural de Nova York. Eu tenho que fazer uma volta muito grande. Eu estava morando na Europa, recebi um convite para participar de um show, em 1975, e

Leia mais

Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer

Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer Como tudo comecou ~ Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer Entrei com o fichário numa mão, a bolsa na outra, e todo mundo na minha sala ficou sem entender nada. Caraca, você

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA letreiro 1: Sem o modernismo dos tempos atuais, o samba sertanejo era uma espécie de baile rústico, que ia noite à dentro até o raiar do dia, com seus matutos dançando e entoando

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O

P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O L i s t a c o m p l e t a d o s p r e m i a d o s c o n t e m p l a d o s F O R M A N D O S D A S T U R M A S D E 2 0 1 3 / 2 ALINE AUXILIADORA

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

A arte na vida de Ariel Moshe

A arte na vida de Ariel Moshe minha vida na arte A arte na vida de Ariel Moshe Todos os grandes artistas (...) ajudaram-me com a sua vida de artista e pessoal a criar o ideal de ator que me propus em minha arte, exerceram importante

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias Ima Sempre em Frente Eric Peleias Baseado em uma história real CAPÍTULO 1 LETÔNIA, DÉCADA DE 1940. 8 PODEM PARAR DE CAVAR! QUERO TODOS ENFILEIRADOS! O QUE ESTÃO ESPERANDO? ENFILEIRADOS, ANDEM LOGO! MUITO

Leia mais

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança.

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança. Radicais Kids Ministério Boa Semente Igreja em células Célula Especial : Dia Das mães Honrando a Mamãe! Principio da lição: Ensinar as crianças a honrar as suas mães. Base bíblica: Ef. 6:1-2 Texto chave:

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Perdendo tempo e ganhando a vida

Perdendo tempo e ganhando a vida Perdendo tempo e ganhando a vida Me acordaram as sete e meia da manhã. Era sábado. Quando se mora de favor muitas vezes dormir é um luxo. Fui deitar umas três horas. Fiquei jogando conversa fora e fumando

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

PERSONAL SHOPPER MARY KAY

PERSONAL SHOPPER MARY KAY PERSONAL SHOPPER MARY KAY O QUE É? Personal shopping é uma ocupação, na qual se ajuda alguém a fazer suas compras, dando conselhos e fazendo sugestões para os clientes. A personal shopper vai dar ao cliente

Leia mais