Resoluções das Atividades

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resoluções das Atividades"

Transcrição

1 Resoluções das Atividades Sumário Módulo 4 Prismas, dioptro plano e lâminas de aces paralelas... Módulo 5 Lentes eséricas... 4 Módulo 6 Óptica da visão e revisão de óptica geométrica E Módulo 4 Prismas, dioptro plano e lâminas de aces paralelas Atividades para Sala O ângulo de incidência, tanto para o raio azul quanto para o vermelho é 45º. Isso signiica que o vermelho não ultrapassa o limite, reratando-se, enquanto que o azul ultrapassa o limite e sore, na ace AC, relexão total. 05 D V água = γ água 2, = γ água γ água = 4,5 0-7 m. IV. Falsa, pois não importa a distância entre a onte de luz e a superície de separação, a não varia, mas V e γ variam. V. Falsa, explicações dadas em I, II, III e IV. A ilustração a seguir mostra o porquê do ato de acharmos que uma piscina limpa é mais rasa do que realmente é. Para isso, usamos a mesma explicação do ato de acharmos que um peixe está mais perto da superície do que realmente está. 02 C Como se trata de um dioptro plano, temos: 03 C De acordo com a teoria estudada, corpos no interior da água serão vistos por quem estiver no ar em um ponto pouco acima da posição verdadeira. Dessa orma, para atingir o peixe devemos mirar um pouco abaixo do ponto em que ele parece estar. Ar Água Imagem Objeto p' p' p p n' n S 04 C Fazendo o comentário item por item, obtém-se: I. Falsa, pois a requência é característica da onda (luz). Ela é sempre a mesma para cada cor, independente do meio onde estiver se propagando. II. Falsa, pois a justiicativa dada em I já é uma justiicativa para este item. III. Verdadeira, pois a requência permanece a mesma c (característica da onda). Na água n água = 4 v água 3 = 3 08 V V água = 9 água 4 08 = 2, m/s. Para azer o cálculo da requência utilizando o ar, tem- -se: V ar = γ ar ar = ar ar = Hz, porém ar = água = constante (independente do meio): Dessa orma, na água, encontra-se: 06 A Do problema, temos que: Logo: α = θ i β = θ r γ = θ i θ i θ r θ r θ r θ i θ r θ i Pré-Vestibular

2 07 E Quando um raio de luz incide obliquamente em uma superície, ele sore mudança na direção, onde a mesma é restabelecida ao retornar para o meio de origem. Ar 08 D 09 A 0 B Como o índice de reração do vidro é maior que o da água, a luz nele tem velocidade menor, ou seja, a velocidade varia do seguinte modo: v água v vidro v água. Como v vidro < v água, o gráico que mostra a variação correta é o da letra D. I. (V) Se a luz voltou ao mesmo meio, voltará a ter a mesma velocidade e o mesmo ângulo com normal. II. (F) Os ângulos com a normal têm que ser iguais, pois a luz está no mesmo meio. III. (V) Observar a explicação do item II. IV. (F) Observar a explicação do item I. V. (V) O raio incidente e o raio reletido em uma superície polida são simétricos em relação à normal (eixo perpendicular à ace inerior). Atividades Propostas I. (F) Quem sore menor desvio (vermelho), tem maior ângulo de reração. Vide igura a seguir. 03 B 04 A Imagem Peixe real Note que, devido à reração, caso o índio mire no rabo da imagem do peixe, ele poderá acertar a cabeça do animal. (F) Segundo a Teoria da Dualidade, em alguns enômenos a luz comporta-se como onda (onda-partícula). (F) O meio determina a velocidade de propagação da luz. (V) A luz proveniente da colher, para chegar até seus olhos, passa da água para o ar; com a reração há mudança na direção de propagação. (F) Meios dierentes; velocidades dierentes. (V) Reração é exatamente a mudança no meio de propagação da onda. Chamando o cão de ponto C e o peixe de ponto P, obtém-se: Imagem do peixe vista pelo cão. P P Água Ângulo de reração do vermelho P' = imagem do peixe. N Vermelho Violeta Nota-se que, do meio mais reringente para o menos reringente, a imagem tem uma aproximação aparente. Imagem do cão vista pelo peixe Ângulo de reração do violeta C C P 02 A II. (V) Observar a representação anterior. III. (F) A decomposição do eixe ocorre somente no interior do prisma. De acordo com a igura a seguir, o peixe real está em uma posição abaixo daquela vista pelo observador. 05 A C = Imagem do cão. Nota-se que, do meio menos reringente para o mais reringente, a imagem tem um aastamento aparente. A luz é, de ato, mais lenta na água do que no ar, como airmou Bruno. Entretanto, Tomás errou ao pensar que a requência da luz se altera na reração. 2 Pré-Vestibular

3 06 E 07 C 08 D 09 C 0 C A O pisca-pisca das estrelas no céu noturno é causado por turbulências na atmosera da Terra. A imagem de uma estrela é basicamente um ponto de luz no céu. Quando a atmosera se agita, a luz emitida por uma estrela sore um eeito de reração e é desviada em diversas direções. Por isso, a imagem da estrela sore leves alterações de brilho e posição, por isso parece estar "piscando". Essa é uma das razões que tornam o super-telescópio Hubble tão eiciente: em vez de estar situado na superície da Terra, ele orbita no espaço, por cima da atmosera terrestre, driblando a reração da luz e obtendo assim imagens mais nítidas. Para um dioptro plano, vale a expressão: 4 ná gua dreal m = 3 2 = daparente = 5, m n d d ar aparente aparente O peixe real se encontra em uma posição abaixo daquela que o observador enxerga. Portanto, o índio deverá jogar sua lança em direção à posição IV. a) Falsa. As estrelas cintilam porque a luz muda de direção ao passar por camadas dierentes da atmosera. O enômeno é reração. b) Falsa, pois ao mudar de meio, ou seja, reratar, a luz sore mudança obrigatória na velocidade, mas a requência não. c) Verdadeira, pois a reração da luz nos dá essa sensação. d) Falsa. Isso se deve à reração da luz e não da relexão. e) Falsa. Isso se deve à relexão total. Aplicando a relação que calcula a altura aparente, obtém-se: 3, x = x = 3 m 0 A ilustração a seguir mostra que, com a piscina cheia, o pássaro poderá ver a pedra durante um intervalo de tempo maior que o intervalo de tempo que a veria se a piscina estivesse vazia. Trajetória do pássaro Pedra 2 A 3 D 4 B 5 D 6 B Sabendo que a água é um meio mais reringente que o ar, obtém-se: Da deinição de índice de reração n = c v, ica claro que o índice de reração de um meio (n) e a velocidade de propagação da luz nesse mesmo meio (v) são grandezas inversamente proporcionais. Se n diamante > n vidro > n ar, pode-se airmar que v diamante < v vidro < v ar. A partir do gráico, vê-se que v 3 < v 2 < v. Por associação: meio 3 = diamante meio 2 = vidro meio = ar Como a imagem está acima do observador, ela estará mais próxima dele e, devido ao campo visual maior, dará ao observador a impressão de ser maior que o objeto. Calculando o ângulo de reração: nsen ˆi = n senrˆ sen60 = 3 sen rˆ ar v 3 = 3 senrˆ senrˆ = rˆ = Logo, o desvio lateral é dado por: ( ) d=e sen ˆ i r ˆ 2 sen 60º 30º = cosrˆ cos30º ( ) 2 sen 30º d= = d= cm î ˆr Quando a imagem de um objeto real é observada através de uma lâmina de aces paralelas, ela é vista direita, em relação ao objeto, e dessa orma caracteriza-se como uma imagem virtual. Basta seguir os conceitos desenvolvidos no estudo das lentes eséricas. ˆr î Pré-Vestibular 3

4 7 C 8 D 0 C 02 C A luz que vem da parte do corpo das nadadoras, que está no ar, é desviada ao penetrar na água e não converge para a câmara, principalmente porque a superície da água está agitada e, com isso, tem-se uma reração diusa. Cada cor corresponde a uma requência, e para cada uma há um comprimento de onda especíico, que por sua vez possui um índice de reração correspondente. Dessa orma, cada um sorerá um deslocamento paralelo particular. Módulo 5 Lentes eséricas Atividades para Sala Os conceitos de côncavo e convexo nos acompanham desde a 9ª série, quando somos apresentados ormalmente ao gráico representativo da unção do 2º grau: a parábola, que pode ter a concavidade para cima ou para baixo. Ou seja a parte côncava é a boca da parábola. Por meio desse breve comentário, queremos dissociar a necessidade do estudo prévio aproundado de lentes, para a compreensão do que se pede. Foi dito no enunciado que o ormato da gota ajuda a queimar a olha, então é porque está havendo uma concentração dos raios. E, da representação da gota, temos que uma ace é plana e a outra é convexa. Portanto, plano-convexa. Como o quadrado otograado está muito distante da lente (objeto impróprio), a imagem orma-se no oco. Portanto a distância ocal da lente objetiva é = 5 cm. A imagem do lado desse quadrado é projetada em um pixel. Calculando o lado (L ) de cada pixel. Dados: D= 700 km = m; d = 4 cm = m; L = 30 m. L L D Objetiva d Semelhança de triângulo: L d L 50 = = L D L = 240, m. 03 B Analisando cada uma das airmativas: 04 E 05 C I. (F) Do gráico dado, obtém-se que: para p = 20 cm = 0,2 m p = 20 cm = 0,2 m. Substituindo esses valores na equação dos pontos conjugados, e lembrando que a convergência (V), em dioptria, é igual ao inverso da distância ocal (), em metro, tem-se: p + p = + = p p pp pp 02, 02, 004, = = = p+ p 02, + 02, 04, = 0, m V = = V = 0 di. 0, II. (F) Analisando o gráico, conclui-se que, para objetos colocados de 0 a 0 cm da lente, a imagem é virtual (p < 0). III. (V) Dado: p = 50 cm = 0,5 m. Da airmativa I, a distância ocal da lente é = 0, m (0 cm). Sendo A o aumento linear transversal, h a altura do objeto e h a altura da imagem, da equação do aumento, vem: A h h 0, 0, = = = = h p h 0, 05, 04, h = h = h. h 4 4 O sinal negativo indica que a imagem é invertida. A equação dos abricantes nos ornece o valor de 0, a distância ocal da lente biconvexa: 0 =. R 2 0, 8 A equação dos abricantes é igualmente aplicável às duas lentes plano-convexas. Elas são iguais e têm raios R = R e R 2 =. Assim, pode-se escrever: n 8 R R2 R ou R = ( ) + = (, ), =. Portanto, = , Para que a imagem apresente o mesmo tamanho que o objeto, deve-se posicionar o objeto no ponto antiprincipal de uma lente convergente, icando a imagem com o mesmo tamanho e com a mesma distância da lente, comparado ao objeto. 4 Pré-Vestibular

5 p p 02 A Objeto Y A F F A Y O F o i Lente divergente imagem sempre: menos direita e virtual Imagem Y = Y O p = p = x Considerando que = 55 mm e a equação de conjugação das lentes eséricas delgadas = +, teremos: p p = + = + x = 0 mm p p 55 x x o F i 2 i 2 < i Aastando a lente a imagem diminui 06 D 0 C p = p = x = 0 mm Na airmação I, o autor diz que a imagem inal ormada pelo sistema é, além de invertida, virtual e maior que a própria bactéria. De acordo com a concordância empregada, ele está se reerindo à imagem ormada a partir do objeto bactéria. Dessa orma, I e III são corretas. A airmação II é incorreta, pois: sendo p = 4 cm e = 6 cm e pela equação dos pontos conjugados de Gauss: = p + p 6 = 4 + p 6 4 = p = p 2 24 = p p = 2 = 2 cm. 24 O aumento linear é dado por: A = p ' = 2 p 4 = 3. Atividades Propostas De acordo com as medidas ornecidas, o centro óptico (O) da lente divergente coincide com o ponto ocal imagem da lente convergente. As trajetórias dos raios de luz, ao atravessarem as duas lentes, estão representadas a seguir. Os triângulos em destaque são congruentes. Logo: R = 4 cm 03 A 04 B 05 A 06 B Conorme oi estudado nos casos de ormação de imagens em lentes convergentes, se a imagem passa a ser invertida é porque ela é real e para isso a lâmpada (objeto) estará situada além do oco da lente, e a imagem se encontrará entre a lente e o olho do observador. Para a inalidade em questão, há a necessidade de uma lente convergente (lente de bordas inas no ar), ou seja, a lente a ser utilizada seria a II. Para que a imagem seja projetável, ela precisa ser real. Imagens virtuais não podem ser projetadas. O espelho convexo E 2 e a lente divergente L conjugam imagens virtuais, logo, não resolvem a situação proposta pela questão. = + = + = = 95, p = p p 0, p 2 p 0, 2 95, A p 2 = = = 9 vezes p 95, 4 cm 8 cm 8 cm O F R =? 07 C a) (F) A lente usada para projeções de imagens (de objetos reais) é convergente, e para correção de miopia utiliza-se lente divergente. b) (F) Imagens virtuais não são projetáveis. c) (V) d) (F) As aces dos prismas são espelhos planos, ornecendo imagens de mesmo tamanho. e) (F) A lupa ornece imagem virtual, não podendo ser projetada. Pré-Vestibular 5

6 08 B hi h 09 B 0 C D 2 B o hi = = = 25cm p 3h 50 i Sendo < 0, temos uma lente divergente. Analisando cada uma das airmativas: a) (F) Os raios devem convergir para o ilme. b) (V) Esta é a deinição de oco. c) (F) = +. Se p diminui p deve aumentar para que p p a soma permaneça constante. d) (F) = + =. Se p aumenta, deve aumen- p p p p tar para que a dierença permaneça constante. e) (F) Precisamos de um resultado convergente. Uma lente divergente no ar pode ser convergente em outro meio. Pelo problema, tem-se: Face côncava R = 40 cm = 0,4 m. Face convexa R 2 = 20 cm = 0,2 m. Logo, tem-se: = ( n ) + 5 R R2 = (, ) + 04, 02, = 05, ( 25, + 5) = 25, = 08, m = 80 cm Como a imagem é virtual, direita e maior, a lente é convergente. O aumento linear transversal é: A y 0 = = = 25,. y 4 Mas: A = 25, = 25, 30 = 5, = 30 = 20 cm. p 2 Lentes que ornecem aumentos lineares dos objetos ( A > ) em que a imagem é maior do que o objeto são lentes convergentes, cuja nomenclatura termina com a palavra convexa. Portanto, a lente que pode representar a situação do enunciado é a lente côncavo-convexa. 0 E 02 E 03 D 04 E 05 E Módulo 6 Óptica da visão e revisão de óptica geométrica Atividades para Sala I. (V) Aqui se apresenta exatamente a deinição da miopia. I Imagem antes da retina. II. (V) Vide explicação I. III. (V) A imagem se orma após a retina I Correção lente divergente leva imagem até a retina. Correção lente convergente leva a imagem para a retina. A correção da miopia é eita com lente divergente, que possui vergência (V) negativa. Assim, da tabela dada: V = 3,00 di. A distância ocal () é o inverso da vergência. = = = m = 033, m V 3 3 Note que a pessoa em questão tem hipermetropia, pois o ponto próximo do olho normal vale 25 cm = 0,25 m, logo: = + = + p p 025, 075, 4 8 = 4 = v 27, di 3 3 o quadro A imagem é reduzida, produzida pela lente divergente, caracterizando é miopia. 2 o quadro A imagem é ampliada, produzida por uma lente convergente, sendo uma hipermetropia. 3 o quadro A imagem possui impereições em sua simetria, e as lentes são cilíndricas, conigurando um astigmatismo. I. (F) A moeda não está na posição vista aparentemente, devido ao enômeno da reração, que desvia os raios luminosos. II. (V) Pode-se acender o palito de ósoro colocando a cabeça dele no oco, ponto de encontro dos raios solares reratados pela lente convergente. III. (V) É uma das principais características da propagação de ondas eletromagnéticas. 6 Pré-Vestibular

7 06 C IV. (V) O número de imagens n ornecidas pela associação de dois espelhos planos é dado por: N = 360 θ, sendo θ o ângulo ormado entre os espelhos. Se os espelhos são colocados paralelamente entre si, θ = 0º, então n tende para ininito. No texto, quando o autor diz que com os óculos dele, a gente vê tudo atravessado, está azendo reerência ao distorcimento da imagem, característico de um astigmata, e no trecho a gente olha para os pés, parece que eles estão pertinho da cara..., está alando do que acontece com as lentes convergentes, usadas por hipermétropes. Estas podem ormar imagens virtuais, direitas e ampliadas em relação ao objeto. Dessa orma, a pessoa sore de astigmatismo e hipermetropia. 05 A c) Verdadeira. No presente item oi descrito de orma simpliicada o controle da abertura da pupila quando da incidência da luz. d) Falsa. O cristalino é uma lente biconvexa. No olho míope, a imagem se orma antes da retina. Miopia 0 A Atividades Propostas José tem astigmatismo (o sinal negativo está associado à miopia que ele tem) em ambos os olhos (lentes cilíndricas), presbiopia (diiculdade para enxergar de longe e de perto) e miopia no olho direito. 06 B A imagem dos olhos do proessor Elmo é virtual, direita e maior. A lente capaz de produzir esse tipo de imagem (para um objeto real) é convergente, conorme o esquema a seguir, sendo F e F os ocos da lente. 02 C Como a convergência é positiva, a lente é convergente e o deeito da visão é hipermetropia. Assim, pela equação de correção da hipermetropia, considerando p pp a distância mínima de visão distinta, obtém-se: C = 2 = ppp = 50 cm p p 025, p pp pp I F O Lente convergente F 03 A 04 C córnea cristalino P P Em uma pessoa adulta, o globo ocular normal apresenta vergência que varia de 5 di a 64 di. Os mais importantes responsáveis por essa vergência são a córnea, com vergência de 43 di, e o cristalino, com vergência que pode variar de 3 di a 26 di. Ambos uncionam como lentes convergentes, pois são de bordas inas, com índice de reração maior que o do meio. a) Falso. Apenas no olho normal, ou emétrope, os objetos localizados no ininito são ocalizados na retina sem acomodação do cristalino. b) Falsa. Os olhos não emitem luz. Eles recebem a luz reletida ou emitida pelos objetos. 07 A 08 E Lentes que são mais espessas no centro que nas bordas são convergentes e lentes que são mais espessas nas bordas que no centro são divergentes. Hipermétropes precisam usar lentes convergentes e míopes, lentes divergentes. Se o diâmetro do uro é 5 mm, o raio será 2,5 mm, ou ainda 2,5 0 3 m. Não se pode esquecer que a ace plana tem raio ininito. Substituindo os valores dados na equação de Halley, obtém-se: C = = n C R + R = ( ) (, ) 2, C= 05, 400 C= 200 di Pré-Vestibular 7

8 09 D Como se sabe, o índice de reração da água é maior que o do ar. Dessa orma, quando o raio luminoso passar da água para o ar, deverá se aastar da normal à superície da bolha. E, ao passar do ar para a água, o raio deverá se aproximar da normal à superície da bolha. Veja o esquema a seguir: Água Ar Ar Água Note que os dois lados da bolha são convexos. Poderíamos, então, considerá-la uma lente biconvexa. Para n lente < n meio, esse tipo de lente se comporta como uma lente divergente. 0 A E 2 B Quando a luz muda de meio de propagação, sore reração. No caso em que a luz vai da água para o ar, aasta-se da normal. O Princípio da Propagação Retilínea da Luz airma que a luz, em meios homogêneos, propaga-se em linha reta, o que explica os quatro primeiros enômenos. O Princípio da Reversibilidade explica porque o motorista e o passageiro no banco de trás se veem pelo mesmo espelho, pois a trajetória dos raios não depende do sentido de propagação. Para um espelho plano, a imagem conjugada de um objeto real será sempre virtual e de mesmo tamanho que o objeto. 8 Pré-Vestibular

FÍSICA E TECNOLOGIAS DA ÓPTICA 414EE TEORIA

FÍSICA E TECNOLOGIAS DA ÓPTICA 414EE TEORIA 1 TEORIA 1. O QUE ACONTECE QUANDO UM FEIXE DE LUZ ATINGE UMA SUPERFÍCIE? Aqui a luz, ao incidir sobre uma superície polida, sore relexão Figura 1 Figura 2 Aqui a luz, ao incidir sobre uma superície da

Leia mais

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A Física B Extensivo V. 4 Exercícios 0) V V V V F 0. Verdadeiro. Lentes, disositivos que ormam imagem usando essencialmente as leis da reração. 0. Verdadeiro. Eselhos vértice, oco, centro de curvatura. Lentes:

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

Aulas 09 a 12. Lentes Esféricas

Aulas 09 a 12. Lentes Esféricas Aulas 09 a 12 Lentes Esféricas Associação de dois meios com refringências diferentes separados por duas superfícies curvas ou uma plana e outra curva. 24/03/2013 Lentes Esféricas 2 Lentes Esféricas e Delgadas

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 4ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 4ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 4ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 0) No gráico abaixo, que representa uma máquina térmica ideal, temos uma seqüência de transormações gasosas que segue a ordem ABCDA. De acordo com

Leia mais

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Rua Almino Afonso, 478 - Centro Mossoró / RN CEP: 59.610-210 www.uern.br email: reitoria@uern.br ou Fone: (84) 3315-2145 3342-4802 Óptica Geométrica Dr. Edalmy

Leia mais

Apostila de Física 39 Lentes Esféricas

Apostila de Física 39 Lentes Esféricas Apostila de Física 39 Lentes Esféricas 1.0 Definições Lente Sistemas ópticos de maior importância em nossa civilização. Lente esférica Sistema óptico constituído por 3 meios homogêneos e transparentes

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Lentes Esféricas Lentes Esféricas: construção Biconvexa Lentes Esféricas: construção PLANO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção CÔNCAVO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção BICÔNCAVA

Leia mais

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Introdução Você já deve ter reparado que, quando colocamos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 10-1 RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 CONSTRUÇÃO DE SISTEMA ÓTICO A PARTIR DE LENTES DE ÁGUA Aluno: Rubens Granguelli Antoniazi RA: 009849 Professor

Leia mais

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO 1 DEFIJI Semestre2014-1 Ótica Lentes Esféricos Prof. Robinson 10:07:19 1 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO INTRODUÇÃO Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte Espelhos esféricos são superfícies refletoras muito comuns e interessantes de se estudar. Eles são capazes de formar imagens maiores ou menores, inversas ou direitas, dependendo do tipo de espelho, suas

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS 12. Num calorímetro de capacidade térmica 8,0 cal/ o C inicialmente a 10º C são colocados 200g de um líquido de calor específico 0,40 cal/g. o C. Verifica-se que o equilíbrio térmico se estabelece a 50º

Leia mais

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão.

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão. Biofísica da Visão O OLHO HUMANO: O olho humano é um órgão extremamente complexo, constituído de numerosas partes. Do ponto de vista físico, podemos considerar o olho humano como um conjunto de meios transparentes,

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Prof. Julio Cesar (JC) LENTES ESFÉRICAS

Prof. Julio Cesar (JC) LENTES ESFÉRICAS Prof. Julio Cesar (JC) LENTES ESFÉRICAS FRMAÇÃ DAS LENTES ESFÉRICAS Lente convergente Lente Divergente LENTES ESFÉRICAS As lentes são os sistemas mais utilizados atualmente. Ex.: Máquinas fotográficas,

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2012/2013 Ciências Físico-químicas 8º an o Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 Nome Nº Turma 1. A figura mostra um feixe de luz muito

Leia mais

Lentes esféricas delgadas

Lentes esféricas delgadas PRTE II Unidade E Capítulo 4 Lentes esféricas delgadas Seções: 4 Introdução 42 Propriedades das lentes delgadas 43 Estudo analítico das lentes ntes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas principais

Leia mais

Como representar uma lente convergente e uma lente divergente.

Como representar uma lente convergente e uma lente divergente. Lentes Esféricas Lente é todo meio transparente limitado por duas superfícies curvas ou uma curva e uma plana. São encontradas em lupas, microscópios, telescópios, máquinas fotográficas, projetores, filmadoras,

Leia mais

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos:

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos: Definições e Elementos: Calota Esférica. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das faces é refletora. Espelho Côncavo Superfície refletora interna. Espelho Convexo Superfície refletora externa.

Leia mais

Série 3ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2013

Série 3ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2013 Disciplina FÍSICA Curso ENSINO MÉDIO Professor ANDRÉ ITO Série 3ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2013 Aluno (a): Número: 1 - Conteúdo: Espelhos esféricos e lentes; 2 -

Leia mais

O aluno deverá refazer os seguintes exercícios propostos pelo livro adotado:

O aluno deverá refazer os seguintes exercícios propostos pelo livro adotado: O aluno deverá refazer os seguintes exercícios propostos pelo livro adotado: Capítulo 10. Páginas do livro adotado: Exercícios propostos de Introdução ao estudo da Óptica; 310, 311, 317, 318, 321. No estudo

Leia mais

1- LENTES ESFÉRICAS. a) INTRODUÇÃO. d) RAIOS NOTÁVEIS. b) NOMENCLATURA. c) VERGÊNCIA DE UMA LENTE AULA 04 LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA DA VISÃO

1- LENTES ESFÉRICAS. a) INTRODUÇÃO. d) RAIOS NOTÁVEIS. b) NOMENCLATURA. c) VERGÊNCIA DE UMA LENTE AULA 04 LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA DA VISÃO - LENTES ESFÉRICAS a) INTRODUÇÃO AULA 04 LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA DA VISÃO extremidades finas serão divergentes e as extremidades grossas Lentes de extremidades finas Lentes de extremidades grossas n Lente

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: DISCIPLINA: FÍSICA II PROFESSOR: EDSON JOSÉ LENTES ESFÉRICAS 1. (FGV/2012) Uma estudante usou uma lupa para pesquisar a formação

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE II ÓPTICA GEOMÉTRICA Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J.

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo.

1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo. 1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo. I. Se uma vela é colocada na frente de um espelho plano, a imagem dela localiza-se atrás do espelho. II. Usando um espelho

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ Exercícios Lentes Esféricas 1- Analise as afirmações a seguir e assinale a correta. A) É impossível obter uma imagem maior que o objeto com uma lente divergente. B) Quando um objeto está localizado a uma

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

Instrumentos Ópticos. Associação de Lentes. Lentes Justapostas:

Instrumentos Ópticos. Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. Aberração Cromática. A Lente equivalente à associação de duas lentes Justapostas, apresenta vergências das lentes associadas:

Leia mais

FÍSICA. Professor Felippe Maciel Grupo ALUB

FÍSICA. Professor Felippe Maciel Grupo ALUB Revisão para o PSC (UFAM) 2ª Etapa Nas questões em que for necessário, adote a conversão: 1 cal = 4,2 J Questão 1 Noções de Ondulatória. (PSC 2011) Ondas ultra-sônicas são usadas para vários propósitos

Leia mais

O que é uma lente esférica?

O que é uma lente esférica? O que é uma lente esférica? É um sistema constituído de dois dioptros esféricos ou um dioptro esférico e um plano, nos quais a luz sofre duas refrações consecutivas. Classificação das lentes 1. Quanto

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS LENTES

EXERCÍCIOS EXTRAS LENTES EXERCÍCIOS EXTRAS LENTES 1) Qual a lente que deve ser usada para a correção da miopia? 2) Como se poderia queimar uma folha seca, com gelo e sol? 3) Utilizando-se a luz solar e uma lente podemos queimar

Leia mais

c V n = Alguns efeitos da refração da luz REFRAÇÃO LUMINOSA Índice de Refração Absoluto

c V n = Alguns efeitos da refração da luz REFRAÇÃO LUMINOSA Índice de Refração Absoluto REFRAÇÃO LUMINOSA Refração é o fenômeno que ocorre quando a luz muda de meio de propagação, causando mudança na sua velocidade. Alguns efeitos da refração da luz Miragens Objetos quebrados Profundidade

Leia mais

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 Óptica da Visão Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 O Olho Humano Partes do Olho Humano Córnea: Transparente. Serve para a passagem da luz. Umedecida pelas lágrimas. Humor Aquoso: Líquido incolor

Leia mais

Exercícios de Óptica

Exercícios de Óptica Exercícios de Óptica PROFESSOR WALESCKO 22 de dezembro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 UFRGS 11 3 Gabarito 24 1 Exercícios 1. A figura abaixo representa um raio de luz que incide no espelho plano E e

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS. João Paulo I

Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS. João Paulo I Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS 1) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do enunciado abaixo, na ordem em que aparecem. Para que os seguranças possam controlar o movimento dos

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ. Neste capítulo estudaremos as leis da refração, a reflexão total e a formação de imagens nas lentes esféricas.

REFRAÇÃO DA LUZ. Neste capítulo estudaremos as leis da refração, a reflexão total e a formação de imagens nas lentes esféricas. AULA 18 REFRAÇÃO DA LUZ 1- INTRODUÇÃO Neste capítulo estudaremos as leis da refração, a reflexão total e a formação de imagens nas lentes esféricas. 2- A REFRAÇÃO A refração ocorre quando a luz ao passar

Leia mais

Roteiro de estudo Recuperação Final. Física. Professor Geraldo Barbosa

Roteiro de estudo Recuperação Final. Física. Professor Geraldo Barbosa Roteiro de estudo Recuperação Final Física Professor Geraldo Barbosa 1 Ano Assuntos: 1. Espelho Plano Lista 01 2. Espelho esférico Lista 02 3. Leis da refração Lista 03 4. Reflexão e refração Lista 04

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM15 LENTES PARE II

LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM15 LENTES PARE II Aparecida de Goiânia, de de 205. Aluno (a): nº Série: 2 Ano Turma: Professor (a): Cristiano C. Gonçalves (cristiano_fisica@hotmail.com) LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM5 LENTES PARE II Vergência

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS DELGADAS

LENTES ESFÉRICAS DELGADAS COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA CMJF DISCIPLINA: Física 2 a Série Ensino Médio / 2007 Professor: Dr. Carlos Alessandro A. da Silva Notas de Aula: Lentes Delgadas LENTES ESFÉRICAS DELGADAS Elementos geométricos

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 006 QUESTÕES OBJETIVAS FÍSICA 0 - Um trem de passageiros executa viagens entre algumas estações. Durante uma dessas viagens, um passageiro anotou a posição do trem e o instante de tempo

Leia mais

Lentes. Parte I. www.soexatas.com Página 1

Lentes. Parte I. www.soexatas.com Página 1 Parte I Lentes a) é real, invertida e mede cm. b) é virtual, direta e fica a 6 cm da lente. c) é real, direta e mede cm. d) é real, invertida e fica a 3 cm da lente. 1. (Ufg 013) Uma lente convergente

Leia mais

Unidade 7. Ondas, som e luz

Unidade 7. Ondas, som e luz Unidade 7 Ondas, som e luz ONDA É uma perturbação ou oscilação que se propaga pelo meio (ar, água, sólido) e no vácuo (ondas eletromagnéticas). Ex: Abalos sísmicos, ondas do mar, ondas de radio, luz e

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Kit de ótica laser de demonstração U17300 e kit complementar Manual de instruções 1/05 ALF Índice de conteúdo Página Exp - N Experiência Kit de aparelhos 1 Introdução 2 Fornecimento

Leia mais

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Objeto muito distante Objeto muito distante Objeto

Leia mais

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e A U A UL LA Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e Alberta. O almoço acabou e todos conversam em torno da mesa. - Eu soube que você está interessado em ótica - diz Gaspar a Ernesto.

Leia mais

Imagem real e virtual Espelho plano Constando fatos que ocorrem num espelho plano Espelho Esférico Espelhos côncavos e convexos

Imagem real e virtual Espelho plano Constando fatos que ocorrem num espelho plano Espelho Esférico Espelhos côncavos e convexos Imagem real e virtual Pode-se dizer que uma imagem real é aquela que podemos projetar num anterparo (tela,parede...), já a imagem virtual não pode ser projetada. Ainda pode-se dizer, de acordo com os raios

Leia mais

Instrumentos Ópticos

Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. A lente equivalente à associação de duas lentes justapostas, apresenta vergência dada por: C res = C 1

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II LISTA 18 - RESUMO E EXERCÍCIOS DE LENTES E INTRUMENTOS ÓPTICOS PROF. SERGIO TOBIAS 3ª SÉRIE LENTE DIVERGENTE

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II LISTA 18 - RESUMO E EXERCÍCIOS DE LENTES E INTRUMENTOS ÓPTICOS PROF. SERGIO TOBIAS 3ª SÉRIE LENTE DIVERGENTE COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II LISTA 18 - RESUMO E EXERCÍCIOS DE LENTES E INTRUMENTOS ÓPTICOS PROF. SERGIO TOBIAS 3ª SÉRIE LENTES ESFÉRICAS Tipos de lentes Para a nomenclatura das lentes, o critério

Leia mais

Exercícios sobre Espelhos Esféricos

Exercícios sobre Espelhos Esféricos Exercícios sobre Espelhos Esféricos 1-Quando colocamos um pequeno objeto real entre o foco principal e o centro de curvatura de um espelho esférico côncavo de Gauss, sua respectiva imagem conjugada será:

Leia mais

Tópicos de óptica geométrica:

Tópicos de óptica geométrica: Tópicos de óptica geométrica: espelhos eséricos O tópico vai nos apresentar o estudo dos dioptros curvos reletores. Serão também apresentados os elementos e raios notáveis para espelhos eséricos, nas aces

Leia mais

Índice de Refração. c v. n =

Índice de Refração. c v. n = Refração da Luz O que é Refração? É um fenômeno que ocorre quando a luz passa através da interface que separa dois meios, ocasionando uma mudança na direção de propagação. A refração é decorrente de uma

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Halley Fabricantes de Lentes

LENTES ESFÉRICAS Halley Fabricantes de Lentes LENTES ESFÉRICAS Halley Fabricantes de Lentes 1. (Fuvest 2013) A extremidade de uma fibra ótica adquire o formato arredondado de uma microlente ao ser aquecida por um laser, acima da temperatura de fusão.

Leia mais

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR EXERCÍCIOS LENTES E VISÃO

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR EXERCÍCIOS LENTES E VISÃO PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: EXERCÍCIOS LENTES E VISÃO 01. Sherlock Holmes neste dia usava seu cachimbo e uma instrumento ótico que permitia uma análise ainda mais nítida

Leia mais

Física: Óptica. c) preto. d) violeta. e) vermelho. Resp.: c. Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof.

Física: Óptica. c) preto. d) violeta. e) vermelho. Resp.: c. Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Física: Óptica Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Alex Regis Questão 01 Com relação às afirmações: I. A luz amarelada e a luz verde têm a mesma freqüência. II. No interior

Leia mais

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES FÍSICA Prof. Bruno Roberto LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES 1. (Unicamp 2013) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015

ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Nome: 2ª série: n o Professor: Luiz Mário Data: / / 2015. ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Orientações: - Este estudo dirigido poderá ser usado para revisar a matéria que será cobrada

Leia mais

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente.

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. LENTES Objetivos: Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. Teoria: As lentes são formadas por materiais

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Instrumentos Ópticos Lupa Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Luneta Astronômica Luneta ou Telescópio Refrator Instrumentos Ópticos Telescópio Refletor Telescópio Refletor

Leia mais

Material Extra de Física

Material Extra de Física Material Extra de Física ÓPTIA 01 (UFG GO) Em abril de 2010, o telescópio espacial Hubble completou 20 anos em órbita O avanço na obtenção de imagens permitiu descobertas de novas galáxias e inormações

Leia mais

Nx = C / Vx FISICA PARA O ENSINO MÉDIO - EJA PARTE-3: ÓPTICA GEOMÉTRICA REFRAÇÃO DA LUZ

Nx = C / Vx FISICA PARA O ENSINO MÉDIO - EJA PARTE-3: ÓPTICA GEOMÉTRICA REFRAÇÃO DA LUZ FISICA PARA O ENSINO MÉDIO - EJA PARTE-3: ÓPTICA GEOMÉTRICA REFRAÇÃO DA LUZ 3.1 Introdução a) Refração é propriedade ou fenômeno no qual a luz muda de velocidade ao passar de um meio para outro. Pode ocorrer

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA GABARITO 4ª Chamada Bim. DISCIPLINA: FÍS. I E II / GEO. COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do

Leia mais

2. (UFAL) O esquema a seguir representa o eixo principal (r) de um espelho esférico, um objeto real O e sua imagem i conjugada pelo espelho.

2. (UFAL) O esquema a seguir representa o eixo principal (r) de um espelho esférico, um objeto real O e sua imagem i conjugada pelo espelho. 1. (UNESP) Isaac Newton foi o criador do telescópio refletor. O mais caro desses instrumentos até hoje fabricado pelo homem, o telescópio espacial Hubble (1,6 bilhão de dólares), colocado em órbita terrestre

Leia mais

Visual axis. Cristalline. Optic axis

Visual axis. Cristalline. Optic axis Óptica Geométrica OpE - MIB 2007/2008 Óptica Geométrica (2ª aula) Instrumentos Ópticos O olho humano Os óculos A lupa O microscópio O telescópio A máquina otográica O espectrootômetro InstOpt 2 O olho

Leia mais

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central.

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central. Lentes Esféricas Uma lente é um meio transparente que tem duas faces curvas ou uma face curva e outra plana. Na figura temos os tipos usuais de lentes,sendo as faces curvas esféricas. Lentes de bordas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Mestrando Patrese Coelho Vieira Porto Alegre, maio de 0 O presente material é uma coletânea sobre

Leia mais

(D) A propriedade que permite reconhecer dois sons correspondentes à mesma nota musical, emitidos por fontes sonoras diferentes, é a frequência.

(D) A propriedade que permite reconhecer dois sons correspondentes à mesma nota musical, emitidos por fontes sonoras diferentes, é a frequência. Escola Físico-Química 8. Ano Data Nome N.º Turma Professor Classificação 1. O som é produzido pela vibração de uma fonte sonora. Essa vibração, ao propagar-se num meio material, como, por exemplo, o ar,

Leia mais

Prof. Rodrigo Luis Rocha

Prof. Rodrigo Luis Rocha Futuro papiloscopista, Modelo corpuscular da luz Este material foi elaborado baseado no último edital de papiloscopista da PF organizado pela CESPE/UNB. A ordem de apresentação dos conteúdos difere propositalmente

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES 1. (G1 - cps 2012) Nas plantações de verduras, em momentos de grande insolação, não é conveniente molhar as folhas, pois elas podem queimar a não ser que se faça uma irrigação

Leia mais

1- REFRAÇÃO LUMINOSA é a variação de velocidade da luz devido à mudança do meio de propagação. refração do meio em que o raio se encontra.

1- REFRAÇÃO LUMINOSA é a variação de velocidade da luz devido à mudança do meio de propagação. refração do meio em que o raio se encontra. REFRAÇÃO - LENTES - REFRAÇÃO LUMINOSA é a variação de velocidade da luz devido à mudaça do meio de propagação. - Ídice de refração absoluto: é uma relação etre a velocidade da luz em um determiado meio

Leia mais

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos Construção Geométrica com Espelhos Esféricos 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

Curso Wellington Física Óptica Espelhos Esféricos Prof Hilton Franco. 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem:

Curso Wellington Física Óptica Espelhos Esféricos Prof Hilton Franco. 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: (1) A reta definida pelo centro de curvatura e pelo vértice do espelho é denominada de eixo secundário. (3) O ponto de encontro

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.2 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. 2 Habilidade: Compreender os conceitos das propriedades da óptica geométrica

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

Física B Extensivo V. 1

Física B Extensivo V. 1 Física B Extensivo V. 1 Exercícios 01) 38 01. Falsa. f Luz > f Rádio 02. Verdadeira. Todas as ondas eletromagnéticas são transversais. 04. Verdadeira. Do tipo secundária. 08. Falsa. Do tipo secundária.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Mestrando Patrese Coelho Vieira Porto Alegre, maio de 2012 O presente material é uma coletânea

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

Refração da Luz Prismas

Refração da Luz Prismas Refração da Luz Prismas 1. (Fuvest 014) Um prisma triangular desvia um feixe de luz verde de um ângulo θ A, em relação à direção de incidência, como ilustra a figura A, abaixo. Se uma placa plana, do mesmo

Leia mais

Espelhos Esféricos Gauss 2013

Espelhos Esféricos Gauss 2013 Espelhos Esféricos Gauss 2013 1. (Unesp 2012) Observe o adesivo plástico apresentado no espelho côncavo de raio de curvatura igual a 1,0 m, na figura 1. Essa informação indica que o espelho produz imagens

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Física Experimental IV Lentes Delgadas Objetivo Determinar as distâncias focais de lentes delgadas convergentes e divergentes.

Leia mais

Escola Secundária Manuel Cargaleiro

Escola Secundária Manuel Cargaleiro Escola Secundária Manuel Cargaleiro Técnicas Laboratoriais de Física Trabalho elaborado por: Nuno Valverde nº12 Pedro Correia nº16 10ºD Índice Página AS LENTES...3 LENTES CONVEXAS...4 LENTES CÔNCAVAS...5

Leia mais

3 (Fuvest-SP) Uma colher de plástico transparente, cheia de água. Resposta: a. 4 Um escoteiro, contrariando a orientação do chefe que recomendava

3 (Fuvest-SP) Uma colher de plástico transparente, cheia de água. Resposta: a. 4 Um escoteiro, contrariando a orientação do chefe que recomendava 300 PRTE III ÓPTIC GEMÉTRIC Tópico 4 (UFRN) s raios de luz e, representados na igura, atravessam elementos ópticos que estão escondidos pelos anteparos, numa região em que o ar atmosérico é homogêneo Estes

Leia mais

Aula 01. Revisão Final. Julio Cesar

Aula 01. Revisão Final. Julio Cesar Aula 01 Revisão Final Julio Cesar 07. (ENEM/2010) As ondas eletromagnéticas, como a luz visível e as ondas de rádio, viajam em linha reta em um meio homogêneo. Então, as ondas de rádio emitidas na região

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO Ao incidir em uma lente convergente, um feixe paralelo de luz, depois de passar pela lente, é concentrado em um ponto denominado foco (representado por

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO ÍNDICE DE REFRAÇÃ INTRDUÇÃ Ótica Lentes Esféricos DEFIJI Semestre204-2 Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças das estruturas atômicas das duas

Leia mais

Lentes esféricas. Introdução. Materiais Necessários

Lentes esféricas. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Algumas lentes são chamadas convergentes e outras divergentes, mas você já viu alguma delas em ação? Mãos a obra para verificar esse fenômeno! Cadastrada por Xambim Baldez Material

Leia mais

Resoluções. 1. E Da figura obtemos: E 1. 50 a b 120. i =? E 2

Resoluções. 1. E Da figura obtemos: E 1. 50 a b 120. i =? E 2 Resoluções Segmento: Pré-vestibular oleção: Alfa, eta e Gama. Disciplina: Física aderno de xercícios 1 Unidade VIII Óptica Geométrica Série 2: studo da reflexão e dos sistemas refletores 1. Da figura obtemos:

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin F 609 - Tópicos de Ensino de Física Relatório Parcial Aluna: Luciene O. Machado Orientador:Antonio Carlos da Costa Coordenador: José

Leia mais

TC 6 Revisão UECE 1 a. fase Física Prof. João Paulo

TC 6 Revisão UECE 1 a. fase Física Prof. João Paulo 1. (IFSP 2011) Os fenômenos luminosos são estudados há muito tempo. A luz, como qualquer onda eletromagnética, tem grandes aplicações na engenharia e na medicina, entre outras áreas. Quando a luz atinge

Leia mais