PERCEPÇÃO DO PORTADOR DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA ACERCA DA PREVENÇÃO DA DOENÇA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERCEPÇÃO DO PORTADOR DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA ACERCA DA PREVENÇÃO DA DOENÇA"

Transcrição

1 519 PERCEPÇÃO DO PORTADOR DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA ACERCA DA PREVENÇÃO DA DOENÇA PERCEPTION OF PATIENTS WITH CHRONIC RENAL FAILURE ON PREVENTION OF DISEASE Denise Gonçalves de Oliveira Graduada em enfermagem pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG. William Luis Guerra Graduado em enfermagem pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG. Shirlei Barbosa Dias Enfermeira. Mestre em Saúde da Família. Docente do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais- Unileste MG. RESUMO Trata-se de uma pesquisa qualitativa descritiva, com objetivo de compreender a percepção do portador de insuficiência renal crônica em tratamento hemodialítico acerca da doença. As entrevistas foram realizadas em setembro e outubro de 2009, sendo gravadas e posteriormente transcritas para análise. A população alvo foi os indivíduos portadores de doença renal crônica que residem no município de Vargem Alegre, Minas Gerais. Da análise emergiram três categorias: Doença e Causa; Convivendo com a Doença Renal Crônica; Relação Doença e Prevenção. Verificou-se falta de informação dos participantes da pesquisa em relação à doença, não conseguem relacioná-la com suas causas ou com as formas de prevenção da mesma. Os entrevistados relataram também dificuldades para lidar com a patologia e principalmente com o processo de tratamento, identificando prejuízos em sua qualidade de vida. O estudo mostra a necessidade do emprego de uma assistência de enfermagem ao paciente portador de insuficiência renal crônica que valorize sua percepção acerca da patologia, buscando o desenvolvimento de estratégias que possibilitem a melhoria da qualidade de vida destes indivíduos. PALAVRAS CHAVE: Doença Renal Crônica. Percepção. Prevenção. ABSTRACT It is a qualitative and descriptive survey with the purpose of identifying the chronic renal failure patient perception, which is under treatment of hemodialysis, regarding his own illness. Interviews were carried on in September and October of 2009, being them recorded and later on transcribed for analyzes. The target population was composed by individuals with renal failure living in Vargem Grande Minas Gerais. Three categories emerged from the analyzes: cause and disease relation; disease and consequence relation; disease and prevention relation. It was verified the lack of information about the disease, among the survey participants, and therefore they cannot connect it with its possible cause and prevention. It was also said by the interviewees that they had difficulties to deal with the disease and mainly with the treatment process, which led to life quality loss. The survey shows the need of providing a nursing care assistance to the chronic renal failure patient which would enrich his perception regarding the disease, aiming the development of strategies that could enhance the life quality of these individuals.

2 520 KEY WORDS: Chronic renal failure. Perception. Prevention. INTRODUÇÃO A doença renal crônica (DRC) consiste em lesão renal e perda progressiva e irreversível das funções renais (glomerular, tubular e endócrina). Em sua fase mais avançada os rins não conseguem manter a normalidade do meio interno do paciente. A DRC é dividida em seis estágios funcionais de acordo com o grau de função renal do paciente. Estes estágios compreendem desde a fase zero onde estão incluídos os indivíduos que não apresentam lesão renal e mantêm sua função renal normal, porém se encaixam dentro do grupo de risco, até a fase cinco que inclui o indivíduo com lesão renal e insuficiência renal terminal ou dialítica (BRASIL, 2006). A DRC vem se constituindo um problema de saúde pública no Brasil e no mundo, devido a sua elevada morbidade e mortalidade. A taxa de incidência e prevalência, bem como a sua evolução para os estágios mais graves têm aumentado progressivamente, visto que a DRC é processo insidioso que evolui sem grandes sintomas durante muitos anos, até atingir suas fases finais (RIELLA, 2003). Em janeiro de 2006 a prevalência de pacientes em diálise por milhão da população (pmp) era de 383, tendo um aumento de cerca de 8% nos últimos dois anos (SESSO; GORDAN, 2007). No Brasil as atenções com a doença renal crônica são voltadas quase que exclusivamente aos seus estágios finais que seria quando o paciente necessita de terapia renal substitutiva (BASTOS G.; BASTOS R., 2005). Sendo assim, há necessidade de trabalhar as intervenções primárias para identificar os grupos de riscos, promoverem junto aos mesmos a prevenção de agravos para evitar a evolução desfavorável da doença. São múltiplos os fatores de risco que envolve a DRC (diabéticos, hipertensos, idosos, familiares de pacientes em terapia renal substutiva, portadores de outras doenças cardiovasculares, tabagismo, etilismo, obesidade) e normalmente esses grupos de risco estão inseridos na atenção básica. A atuação da equipe de enfermagem para identificar esses grupos e estabelecer ações para prevenir os agravos torna-se fator crucial para evitar o encaminhamento tardio para atenção nefrológica e, consequentemente, a evolução da DRC para estágios mais avançados e irreversíveis (RIELLA, 2003). As intervenções para diminuir ou reverter a progressão da doença renal terá maior impacto quando precocemente as ações preventivas forem implantadas em fases primárias da doença, então por entender que os portadores de DRC vivenciarão a experiência de fases primárias de acometimento da patologia buscouse saber o entendimento desses quanto à prevenção. Esse trabalho tem o objetivo de compreender a percepção do portador de insuficiência renal crônica acerca da doença. Procurou-se verificar o conhecimento do mesmo sobre as patologias de base que desencadearam a DRC, identificar as possíveis ações preventivas realizadas com os indivíduos antes da instalação da DRC e o que eles identificam como prevenção de complicações após a descoberta da doença.

3 521 METODOLOGIA Trata-se de um estudo descritivo e transversal, no qual os procedimentos metodológicos envolveram inicialmente uma revisão bibliográfica. Foi escolhida para a presente pesquisa a análise qualitativa de cunho exploratório por permitir obtenção de experiência do investigador acerca do objeto de estudo e descritivo, pois pretende escrever os fatos e fenômenos de determinada realidade (TRIVIÑOS, 1987). Rampazzo (2002) aborda o estudo de caso como sendo uma pesquisa realizada sobre um determinado indivíduo, família, grupo ou comunidade avaliando aspectos variados de sua vida, pois trabalha com dados e fatos colhidos da própria realidade tendo a utilização de formulários, entrevista, roteiro e outras técnicas. A pesquisa foi desenvolvida em Vargem Alegre, um município de pequeno porte localizado no interior de Minas Gerais, que possui uma população estimada de habitantes segundo o (IBGE) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Os sujeitos da pesquisa foram indivíduos portadores da doença renal crônica em tratamento hemodialítico moradores do município de Vargem Alegre/Minas Gerais que aceitassem voluntariamente participar da pesquisa. Tal escolha se deu por conveniência. Os critérios de inclusão foram: os participantes deveriam residir no referido município e serem portadores de doença renal crônica em tratamento de hemodiálise. Foi feito um levantamento prévio dos doentes renais crônicos em tratamento hemodialítico junto à secretaria municipal de saúde no mês de abril de A população de estudo era inicialmente composta por oito indivíduos portadores de insuficiência renal crônica no município em questão, segundo informações obtidas junto à secretaria saúde, porém três destes vieram a óbito no decorrer da formulação do projeto. A técnica utilizada para coleta de dados foi entrevista semi-estruturada, fundamentadas em Bogdan e Biklen (1994) e Minayo et al. (1994). Neste tipo de técnica fica aberto ao entrevistador explorar determinada questão conforme seu interesse na pesquisa, através de questões norteadoras que podem ser modificadas de acordo com situações e características do estudo. Com esta orientação, as entrevistas foram realizadas pelos pesquisadores, sendo muito produtivo para a qualidade dos dados coletados. Para testar os instrumentos de coleta de dados, foi realizado um pré-teste no período de agosto a setembro de 2009 com cinco indivíduos que possuíam características semelhantes ao do grupo que participaria da pesquisa, porém estes não eram do mesmo município, o qual favoreceu identificar que as questões formuladas precisavam de alterações na ordem de apresentação e possibilitou explicitar a dificuldade de compreensão acerca do documento utilizado para coletar dados. A pesquisa piloto tem por objetivo testar o instrumento de coleta de dados afim de que constatado falhas possa-se reformular esse instrumento (LAKATOS; MARCONI, 2001). Depois de realizada a pesquisa piloto, foram feitas modificações quanto a ordem das questões e oportunizou aos entrevistadores adquirir maior segurança com o roteiro construído e com a técnica de entrevista. Concomitante ao pré-teste, no dia 12 de setembro de 2009, foi realizada uma visita aos domicílios de cada um dos portadores da DRC a serem entrevistados afim

4 522 de apresentar o estudo e solicitar adesão ao mesmo, bem como a disponibilidade para quaisquer esclarecimentos. As entrevistas foram realizadas nos meses de setembro e outubro de 2009 nas respectivas residências dos participantes com data e horário previamente agendados com os mesmos. A duração variou de vinte e cinco a trinta e dois minutos e ocorreram duas idas infrutíferas aos locais de entrevistas: uma devido ao participante manifestar sinais de embriaguez alcoólica e outra devido ao entrevistado não se encontrar em sua residência no dia e horário agendados. As questões que nortearam esta fase foram embasadas na temática de estudo sobre causa da DRC, consequências ocasionadas pela DRC, prevenção à doença e prevenção das complicações da DRC já instalada. As entrevistas foram gravadas e transcritas para posterior análise de conteúdo. Todos os entrevistados assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, de acordo com a Resolução n. 196/96 do Conselho Nacional de Saúde (CNS) diretriz e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos (BRASIL, 1996). Os dados coletados receberam tratamento qualitativo utilizando a análise descritiva simples das narrativas obtidas nas entrevistas dos doentes renais crônicos em tratamento hemodialítico. O trabalho de análise foi iniciado por uma préanálise, com base na leitura flutuante das transcrições das entrevistas, com o objetivo de estabelecer um contato inicial com os dados obtidos. Esse tipo de leitura, de acordo com o método, permitiu a formulação de hipóteses analíticas para posterior verificação. Após a transcrição e leituras exaustivas das entrevistas gravadas, as falas foram agrupadas em diferentes caixas para facilitar a compreensão e análise dos dados. O próximo passo foi a caracterização dos indivíduos que fizeram parte da pesquisa quanto à idade, escolaridade, sexo, ocupação, tempo da DRC e tempo de hemodiálise. Os resultados foram separados de acordo com a fala de cada participante. A reunião dos significados emergidos deu origem às seguintes categorias: Causa e Doença, Convivendo com a Doença Renal Crônica, Relação Prevenção e Doença que se fundamentam nos referenciais teóricos apresentados. Os entrevistados foram identificados pela vogal E, seguida de um algarismo que identifica o numero da ordem de entrevista, sendo, portanto de E1 a E5 que possibilitara diferenciar os entrevistados. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foi realizada a caracterização dos participantes da pesquisa quanto a sexo, idade, escolaridade, ocupação de tempo de descobrimento da DRC e tempo de tratamento de hemodiálise. Foram cinco participantes da pesquisa, sendo a maioria idosa e apenas um com 59 anos de idade. Todos têm um grau de escolaridade baixo, somente um dos participantes é do sexo feminino, todos são aposentados e o tempo da DRC varia entre seis a 14 anos e o tempo de hemodiálise de quatro a 14 anos conforme é demonstrado na TAB.1:

5 523 TABELA 1 Caracterização dos participantes da pesquisa Sujeito Idade Escolaridade Gênero Ocupação Tempo da DRC Tempo de Hemodiálise E1 65 Nenhuma M Aposentado 06 anos 04 anos E2 66 Ensino fundamental incompleto E3 68 Ensino fundamental incompleto F Aposentado 14 anos 14 anos M Aposentado 06 anos 06 anos E4 60 Nenhuma M Aposentado 13 anos 13 anos E5 59 Ensino fundamental incompleto M Aposentado 07 anos 07 anos Legenda: M- masculino F- feminino Fonte: Dados da Pesquisa Como mencionado anteriormente, para a análise das entrevistas foram definidas categorias de análise com base na metodologia de Bardin (2004). Para facilitar a compreensão dos dados, foram recortadas as falas significativas dos sujeitos entrevistados a partir de aspectos que identificaram características análogas ou que se relacionavam entre si, com as respectivas análises. Causa e Doença A categoria Relação Causa e Doença, busca compreender o que o participante tem como concepção sobre o fator desencadeante da DRC. Pode-se verificar a partir de então que surgiram analogias da causa da doença com: religiosidade, patologia (anemia), hábitos (exposição ao sol por longos períodos), hereditariedade e idade. Verificou-se o aparecimento da concepção comum de saúde-doença como algo apreendido no decorrer da existência humana, neste caso, a doença se manifesta por soberania Divina. E2:... porque Jesus venceu pregado na cruz, Ele não fez nada, Ele não fez nada pra sofrer o que Ele sofreu, mas Ele venceu se Deus quiser nos vamos vencer também, porque igual o caso do outro, porque eu falo vencer porque, na hora que chamar, morrer vai mesmo. E4: o que tem de acontecer vai acontecer, entendeu, só Deus, só as misericórdias de Deus.

6 524 Para Rampazzo (2000), a busca de sentido e de significado é uma das necessidades fundamentais do ser humano, que o distingue, até onde se sabe das demais espécies. O ser humano é um ser em relação: consigo mesmo, com seus semelhantes, com a natureza, com a divindade. Essa relação com a divindade faz parte da natureza humana, uma vez que o contato com o mundo do sagrado permite ao homem vivenciar, de forma mais suave, sua condição de existência, já que não se encara a vida como um eterno construir que se esgota com a morte. Constatou-se ainda que os pesquisados relacionam a anemia como fator causador da DRC: E1: É era anemia... [O que causou] E2: Essa doença que já vem, por causa do, eu já tinha essa como é que fala é... eu tinha anemia, eu já tinha anemia... E3: Eles falam que é por causa da anemia... Estudos comprovam que a anemia é uma das complicações da doença e não a causa da mesma. Causada pela queda da eritropoietina, a doença é caracterizada por fadiga, debilidade das funções cognitivas, depressão e falta de ar, entre outros sintomas. Cerca de 75% dos pacientes com DRC e quase a totalidade de crianças desenvolvem anemia. Além do mal-estar, que prejudica a rotina do paciente, a anemia renal ainda contribui para a progressão da DRC e aumenta os riscos de desenvolver complicações cardiovasculares (RIELLA, 2003). Surgiu também a relação da causa doença com o hábito de ficar exposto por longos períodos ao sol: E3: pode ser muito sol nas costas, antigamente tomava, trabalhava, igual eu trabalhei na cerâmica aí, ficava, entrando naquele forno quente, tirando, tirando tijolo lá de dentro, pode ser isso também, pode ser outras coisas, não sei dizer o que é não. E5:... eu tomava pouca água e eu trabalhava em cima de laje de casa, que quentura em cima da laje de casa e dobrado né? E até que eu descer na escada pra tomar uma água, ai vinha àquela água boa pra molhar a boca aí agora num descia lá mais pra tomar água, ia entijolando lá, fazendo meu serviço. A eu acho que eu num tomava água quase nenhuma, passava muita sede que aí né, passar sede, o sol batendo nas costas né, aí o rim num aguentou né? Segundo Carter, Cheuvront e Sawka (2007), apesar de extremamente raras, há casos de doenças graves provocadas pelo calor mesmo em indivíduos de populações de baixo risco (em boa forma física, que já vivem em regiões de clima quente, ou trabalha em locais com temperaturas altas). Lesão provocada pelo calor é uma condição que pode ser moderada a grave, caracterizada pela lesão a um órgão (ex., fígado, rins, intestinos, músculos) e normalmente, mas nem sempre, com alta temperatura corporal maior que 40 C. O choque térmico é exemplo de um quadro grave caracterizado pela disfunção do sistema nervoso central como confusão, desorientação, comprometimento do julgamento e costuma ser acompanhada por um aumento da temperatura central

7 525 acima de 40,5 C. Algumas vezes, indivíduos que sofreram o choque térmico apresentam comprometimentos na função cerebral, marcados pelas alterações cognitivas que podem ser percebidas precocemente. Além disso, pode haver complicações e dentre essas aparece à insuficiência (CARTER; CHEUVRONT; SAWKA, 2007; HALL et al., 1999). Apenas um dos entrevistados relaciona a DRC ao fator hereditariedade e idade: E2:... e já veio da minha família a [DRC], anemia, eu fui aumentando a idade e tudo ai o trem foi acrescentando... E2:... por exemplo, igual eu tenho meu pai, meu pai já era velho, morreu todo inchado, com a pressão, negócio de problema de pressão, do coração né? Ele também, a anemia tava passada nele, e ele não agüentou, ai ele passou pra mim também, e é de família. Diversos estudos revelam que a história familiar de hipertensão, diabetes e DRC constituem um importante fator de risco para insuficiência renal crônica (BATISTA, et al., 2005; BRASIL, 2006; PACHECO; SANTOS; BREGMAN, 2006). Segundo Riella (2003), os idosos possuem um comprometimento renal da hipertensão arterial, principalmente com o espessamento das camadas musculares e elásticas das arteríolas renais que reduzem o fluxo de sangue, propiciando uma isquemia que agrava ainda mais a hipertensão arterial, pois provoca a liberação de renina e compromete a filtração glomerular. A consequência das lesões arteriolares e glomerulares leva a nefroesclerose, ou seja, há uma queda lenta e progressiva da filtração glomerular e uma correspondente perda da função renal. Convivendo com a Doença Renal Crônica Na categoria Relação Doença e Consequência há a reunião de todas as experiências que os participantes vivenciaram a partir da descoberta da DRC, surgindo então: a descrição da reação frente ao diagnóstico e da necessidade de fazer hemodiálise; restrições decorrentes da doença; lazer e sociabilidade. A reação de cada indivíduo ao descobrir a DRC e a necessidade da hemodiálise tornou-se um marco na vida de cada um deles, a falta de informação favoreceu o surgimento da insegurança quanto ao futuro mediante a ligação da doença com a morte e das incertezas quanto às complicações que poderão aparecer. As falas dos participantes têm muito dessa realidade. E1: eu chorei que eu num sabia que eu ia fazer isso, né? Se não eu tinha prevenido, né? Pra não fazer hemodiálise. É o doutor falou que era anemia, o doutor falou que era anemia, né? quando ele falou pra fazer hemodiálise, eu fui ao outro mundo e voltei, o será possível doutor? tem que fazer, num tem outro recurso, aí eu fui falei com ele assim então se for isso o senhor pode fazer, ele falou, não é pra salvar a sua vida! E2:... e é muito difícil não é brincadeira não, vai indo esse trem é muito pesado, tá, vai indo você não aguenta descobrir o que está acontecendo, aí a gente vai pelejando daqui pra li, mais você custa a descobri o que é, ah!

8 526 mais não tem nem jeito de falar o que é não! Vai indo a gente perde o rumo mesmo e vim pelejando 14 anos, e chegar a ficar igual eu assim ó, caba as veias tudo, isso aqui ó,( mostrou a fístula) foi enfiando agulha aqui, foi enfiando agulha, por resto virou uma pedra sabe como é que é, eu não tinha sangue pra jogar na maquina mais, cortou por aqui afora tudo (mostrou o braço esquerdo) deu a mesma coisa aí já deu pra corta aqui na virilha, achou uma veia aqui, que as outras veias já tava acabando não tinha força mais, perde a força das veias, aquilo seca, parece que seca, é triste demais. E4: Só que tem que não pensei nada, só chorei mais trinta dias pra frente, é isso aí, mais nada... Medo da minha família passar aperto, não é por nada não, porque se você morrer não tem nada haver não, agora você tem que pensar o que você vai deixar pra trás, entendeu, é isso o que a gente tem que pensar. E5: Ah menina! Fiquei bem triste! Fiquei bem triste que o negócio é quatro horas, em antes de quatro horas você num sai de lá mesmo. Segundo Lima e Gualda (2000), a pessoa portadora de insuficiência renal crônica em programa de hemodiálise convive com o fato de possuir uma doença incurável, que a obriga a submeter-se a um tratamento doloroso, de longa duração e que geralmente provoca limitações e alterações de grande impacto que repercutem na sua vida e nas vidas de seus familiares e amigos. Geralmente a DRC apresentase para o mesmo como um evento inesperado que o remete a uma relação de dependência a uma equipe especializada, a um esquema terapêutico rigoroso e a uma máquina. A vivência desta nova realidade parece ser experimentada de maneiras diferentes e permite a pessoa atribuir significado(s) à doença e ao tratamento. Os participantes relatam as limitações impostas pela DRC: E1: aí eu só penso em beber água, comer alguma coisa, salgado num pode né?. E5: nós não pode sair para passear, amanhã de qualquer maneira eu tenho que ir lá uai! Se eu deixar pra ir lá pra quarta feira chega lá eu to aquele água pura, então se tivesse jeito de evitar ir lá, o que eu puder fazer qualquer coisa se falar pra ficar sem comer eu ficava, ah cruzes credo nó. Eu num posso trabalhar por causa disso aqui, se eu pegar um peso, tem dia que pode pegar peso de até cinco quilos mais tem dia que se eu pegar um peso de um quilo o motorzinho aqui para, se ele parar vai fazendo em mim, agora aqui (mostrou o braço direito) já fez cá (mostrou braço esquerdo) já fez, agora vai ou no pé ou na virilha. Em contrapartida, outros participantes encaram a doença como forma de aprendizagem para o convívio interpessoal: E4: não sabia nem conversar com o médico menina, eu não sabia nem discuti, conversar com o médico o que era... Eu não sabia o que era conversar com os outros, qualquer um não conversava... aprendeu a conviver com os outros, aquilo ali que a gente vive, é a mesma coisa como uma família, lá na hemodiálise, é uma família que a gente tem, entendeu, tipo uma família, a gente aprendeu a viver, é isso que aprendi.

9 527 A insuficiência renal crônica e o tratamento hemodialítico provocam uma sucessão de situações para o paciente renal crônico, que traz consequências físicas, psicológicas, com repercussões pessoais, familiares e sociais. Assim estabelece-se um longo processo de adaptação a essa nova condição, no qual o indivíduo precisa identificar meios para lidar com o problema renal e com todas as mudanças e limitações que o acompanham sendo necessário um reaprender a viver, de uma maneira mais humana (REIS; GUIRARDELLO; CAMPOS, 2008). Relação Prevenção e Doença Na categoria Relação Prevenção e Doença, refere-se ao conhecimento quanto a prevenção da DRC e prevenção das complicações da DRC já instalada. Quando interrogados quanto ao que fazer para prevenir essa doença os participantes afirmaram não ter nenhum conhecimento e que não haviam sido orientados quanto a isso. Observa-se que dos participantes da pesquisa quatro descobriram a DRC já na fase de tratamento hemodialítico e apenas um dos entrevistados teve o início do tratamento antes da progressão da doença para esta fase. E1: Não, Não sabia, que tava sofrendo isso, que se soubesse que tava sofrendo tinha prevenido e tratado disso. Não é? E3: Eu não sei não, acho que não tem não (forma de prevenir a doença). Que eu saiba não. E4: Não sei não, não sei de nada, (gargalhou) até hoje eu não sei. Não sei não, já a gente soubesse era fácil né... E5: Num sei menina, prevenção? E num sei não. Nunca tinha falado não. Segundo Batista et al. (2005), as atenções com a DRC estão centradas apenas na fase da doença já instalada, ou seja, quando o paciente já necessita de hemodiálise, entretanto, a evolução da DRC depende da qualidade do atendimento ofertado muito antes da falência funcional renal. É preciso oferecer orientação a comunidade sobre a importância da mudança no estilo de vida, e os fatores de riscos relacionados à doença renal crônica. Agendar consultas com médicos e enfermeiros para os casos indicados, proceder às anotações devidas na ficha clínica Estabelece que seja competência do enfermeiro capacitar e supervisionar permanentemente as atividades dos auxiliares e dos agentes de saúde, realizar consulta de enfermagem abordando os fatores de risco, tratamento não medicamentoso, adesão e possível intercorrências ao tratamento, encaminhando o indivíduo ao médico quando necessário. Realizar atividades educativas de promoção à saúde junto à comunidade e junto aos portadores de hipertensão e diabetes. Estabelecer junto à equipe estratégias que possam favorecer a adesão dos grupos que possuem fatores de risco ao acompanhamento nas unidades de saúde (BRASIL, 2006).

10 528 Com relação à prevenção de agravos, embora citem depois as medidas para regredir a progressão da doença os participantes não fazem junção dessas com prevenção de agravos: E1: Eh, isso que eu não sei, né menina, evitar que a doença piore. E4:... não, pode é piorar né? Não, (não conhece medidas para prevenir) piora né? Piora! As medidas preventivas de agravos são importantes para redução do impacto devastador do diagnostico da DRC e da taxa de morbidade relacionada ao mesmo, medidas estas que devem ser implementadas a partir da primeira consulta com intuito de regredir os custos elevados com diálise de urgência e encaminhamento por falta de conhecimento por parte da DRC por parte da população. O enfermeiro como educador e incentivador tem uma atuação próxima desses indivíduos, o que favorece a implementação dessas medidas abrangendo temas como a realização da restrição alimentar, manutenção de veias do braço não dominante para acesso vascular, cuidado com ingestão de substância nefrotóxicas, manutenção do quadro vacinal preventivo de patologias oportunistas como gripe, hepatite B, pneumonia, esclarecer sobre formas de terapias renais substutiva além de fornecer apoio emocional (BASTOS et al., 2004; PACHECO; SANTOS; BREGMAN, 2006). Embora não correlacionem com prevenção de agravos conforme mencionado anteriormente, os participantes descrevem as ações que eles devem realizar afim de otimizar o tratamento e todas são voltadas para restrição alimentar e ingesta hídrica: E1: esse tratamento meu é muito pesado, num pode beber muita água. Tem que evitar todo mal que num pode comer, o doutor mesmo fala evita mesmo essa água, se beber água ta morto, tem que beber pouca água, tem que beber pouca água e se tiver muito com sede você molha só a boca e joga a água fora, que o rim não está funcionando. E2: não posso tomar muita água, eu não posso alimentar assim com muita gordura, não posso comer muito sal. E4: da outra fervura (no feijão) torna a jogar fora pra tirar o potássio dele, tudo que é coisa que tem o potássio demais a gente num pode comer, muito potássio prejudica a gente, que o potássio alto, o potássio é de 5,5 pra baixo se passa a mais a gente da muita dor, da pinicação no corpo da gente, só você vendo, e muito cálcio também num é bom não, igual leite, queijo, o cálcio puxa água demais o cálcio não, o fósforo, aí a gente tem que tomar remédio pra baixar o que tiver alto. Um dos principais cuidados com o paciente em tratamento hemodialítico é a constante orientação sobre o Ganho de Peso Interdialítico (GIPD). Para Riella (2003), a recomendação da ingestão hídrica na rotina é de 200 a 500 g/dia, porém essa recomendação pode não ser realista a todos os pacientes, pois é independente de sexo, peso seco, altura, entre outros fatores. Os mesmos autores recomendam, embora esse conceito ainda esteja em pesquisa, que a orientação quanto ao GIPD

11 529 deva ser em termos relativos, por exemplo, em porcentagem de peso, e nesses termos a orientação seria entre 2 a 5% do peso seco. Segundo Riella (2003), a insuficiência renal desencadeia alterações significativas no metabolismo de todos os nutrientes, entre eles estão o potássio, o fósforo e o sódio, a restrição desses contribui para evolução favorável da DRC. Quando os rins falham, o potássio acumula no sangue e esse aumento ocorre de forma aguda, ou seja, o indivíduo não percebe e subitamente pode provocar arritmia e parada cardíaca quando esse atinge em torno de 7meq/l. O fósforo é normalmente eliminado na urina, mas tende a acumular-se no sangue nos indivíduos que são portadores de DRC. Esse acumulo causa uma redução do cálcio sanguíneo que resulta no aumento da atividade da glândula paratireóide e isso pode levar a uma doença óssea, o efeito colateral do fósforo elevado pode ser o prurido por todo o corpo do indivíduo. O sódio é um dos maiores inimigos do doente renal crônico, a redução do mesmo na dieta pode auxiliar no controle da pressão arterial, assim como nos sintomas de retenção hídrica como o edema (RIELLA, 2003; SILVA, 2007). Além da restrição aos nutrientes acima citados alguns dos indivíduos envolvidos na pesquisa enfatizaram a restrição a carambola: E3: eu num posso, comer aquela fruta lá como é que chama? Até gente que não sofre de rins ela e perigosa comer, carambola aquilo lá, pessoa que tem problema renal beber suco daquilo pode procurar o medico de repente, ou ele morre ou ele sara por que ela e perigosa E4: É tem duas coisas na minha vida que eu não posso usar, é se eu usar com duas horas tô passando mal, explicar pro você é o seguinte, é carambola, leva pro buraco. E5: num pode comer de jeito nenhum é carambola, outras coisas num é proibido não, mas num põe carambola na boca não que é caixão, bate na sua úlcera vai até matar, tinha um pezão aqui, arranquei ele vivia só cheio de carambola, os outros chegava aqui, mais oh carambola gostosa! E eu olhava assim no, eu fui e arranquei ele pra num correr o risco de chupar uma, Deus ajudou que, depois que eu comecei o tratamento num pus aquilo na boca não. Segundo Moysés Neto et al. (2004), os efeitos da carambola (Averrhoa carambola) estão associados à alta concentração do oxalato presente na fruta. Sabe-se que a mortalidade por intoxicação pela carambola em pacientes com Insuficiência Renal Crônica (IRC) pode chegar a 40%. Os sintomas incluem soluços, vômitos, paresias (disfunção ou interrupção dos movimentos de um ou mais membros) e formigamento de membros superiores e inferiores com perda da força muscular, vários distúrbios da consciência em graus variados, tais como agitação psicomotora, confusão mental, convulsões podendo levar a óbito. Pacientes com insuficiência renal, mesmo em tratamento conservador, devem ser alertados para não ingerir carambola. CONSIDERAÇÕES FINAIS

12 530 No decorrer do estudo foi possível perceber o quanto a realidade dos portadores de DRC é complexa e repleta de limitação; a qual é agravada pela falta de informações aos mesmos, que favorece o surgimento da insegurança quanto ao futuro mediante a relação da doença com a morte e das incertezas quanto às complicações que poderão aparecer. Faz-se necessário realizar uma abordagem educativa envolvendo uma equipe multidisciplinar para esclarecimentos sobre a doença e o tratamento utilizando uma linguagem acessível, levando o indivíduo a entender seu estado, afim de contribuir para que eles possam ter condições de enfrentar os medos e ansiedades que surgem no decorrer da doença. O estudo mostra a necessidade do emprego de uma assistência de enfermagem ao paciente portador de insuficiência renal crônica que valorize sua percepção acerca da patologia, oferecendo ao portador da DRC as informações de forma clara e coesa, contemplado a realidade de cada um e buscando o desenvolvimento de estratégias que possibilitem a melhoria da qualidade de vida destes indivíduos. Essa pesquisa abre espaço a novos trabalhos na área já que expõe a carência de informações sobre a patologia e, sobretudo a prevenção. REFERÊNCIAS BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, BASTOS; Marcus G. et al. Doença Renal Crônica: Problemas e Soluções. J Bras Nefrol. v. 26, n.4, p , dez Disponível em:< Acesso em: 10 set BASTOS GOMES, Marcus; BASTOS RODRIGUES, Maria Rita. Inserção do programa saúde da família na prevenção de doença renal crônica. J Bras Nefrol. v.29, n.1, mar Não paginado. Disponível em: < Acesso em: 06 set BATISTA, Luciana C. K. et al. Manuseio da Doença Renal Crônica em Pacientes com Hipertensão e Diabetes. J Bras Nefrol. v. 27, n. 1, p , mar Disponível em: < >. Acesso em: 10 out BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma Introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto, BRASIL. Ministério da Saúde. Prevenção clínica de doença cardiovascular, cerebrovascular e renal crônica. Caderno de Atenção Básica n 14, Brasília: Ministério da Saúde, Disponível em: < Acesso em: 14 set

13 531 BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 196, de 10 de outubro de Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde, Disponível em: Acesso em: 17 ago CARTER, Robert; CHEUVRONT, Samuel N.; SAWKA, Michael N. Doenças Provocadas pelo calor. Gatorade Sports Science Institute (GSSI) traduzido e adaptado do original em inglês SSE 102. v 19, n 3 out. /dez Disponível em: < >. Acesso em: 14 set LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. 4 ed. São Paulo: Atlas, LIMA, Antônio Fernandes Costa; GUALDA, Dulce Maria Rosa. História oral de vida: buscando o significado da hemodiálise para o paciente renal crônico. Rev. esc. enferm. USP., v.35, n.3, p , Disponível em: < >. Acesso em: 14 set MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; NETO, O. C.; GOMES, R. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 23. ed. Petrópolis: Vozes, MOYSÉS NETO, Miguel et al. Intoxicação por carambola (Averrhoa Carambola) em quatro pacientes renais crônicos pré-dialíticos e revisão da literatura. J Bras Nefrol v. 26, n. 4, p , dez Disponível em:< >. Acesso em: 10 out PACHECO; Gilvanice de Sousa; SANTOS; Iraci dos; BREGMAN; Rachel. Características de Clientes com Doença Renal Crônica: Evidencias para o ensino do autocuidado. Rev Enfermagem da UERJ. v.14, n.3, p , jul./set. 2006, Disponível em: < >. Acesso em: 12 out RAMPAZZO, Lino. Metodologia Científica. São Paulo: Edições Loyola, RAMPAZZO, Lino. Antropologia, religiões e valores cristãos. 2. ed. São Paulo: Loyola, REIS, Carla Klava dos; GUIRARDELLO, Ednêis de Brito; CAMPOS, Claudinei José Gomes. O indivíduo renal crônico e as demandas de atenção. Rev. bras. enferm. 2008, v.61, n.3, p Disponível em:< >. Acesso em: 14 set RIELLA, Miguel Carlos. Princípios de Nefrologia e Distúrbios Hidroeletrolíticos. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

14 532 SESSO, Ricardo; GORDAN, Pedro. Dados disponíveis sobre doença renal crônica no Brasil. J Bras Nefrol., v. 29, n. 1, mar Disponível em :< >. Acesso em: 10 set TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: Pesquisa Qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, 1987.

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer Os estudos sobre mortalidade com freqüência enfatizam a importância das causas relacionadas às doenças

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE Marta Isabel Valente Augusto Moraes CAMPOS, Maria do Rosário Gondim PEIXOTO, Edna Regina Silva PEREIRA, Ana Tereza Vaz de

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA

ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA Jeferson Santos Araujo 1 Lucialba Maria Silva dos Santos 1 Ralrizônia Fernandes Sousa 1 Silvio Éder Dias

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert Demências na Terceira idade Enfª Mda Josiane Steil Siewert Grandes síndromes neuropsiquiatricas na terceira idade: Delirium Demencias Depressão Doenças Orgânicas do Cérebro Quando uma pessoa idosa de repente

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE Patrícia Keiko Saito 1 Roger Haruki Yamakawa 1 Sueli Donizete Borelli 2 O objetivo

Leia mais

Sentimentos do paciente portador de Doença Renal Crônica sobre a autoimagem

Sentimentos do paciente portador de Doença Renal Crônica sobre a autoimagem REVISÃO Sentimentos do paciente portador de Doença Renal Crônica sobre a autoimagem Silvania Geremias de Oliveira Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Isaac Rosa Marques Docente do Curso de Graduação

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático essenciais,

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ANÁLISE DO RISCO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM GRUPO DE TERCEIRA IDADE DUTRA, Janaína Ultado 1 ; SILVA, Luana Aparecida Alves da 2 ; EBERHARDT, Thaís Dresch 3 ; CAVALHEIRI, Jolana Cristina 3 ; SOUZA,

Leia mais

AUTOCONTROLE INEFICAZ DA SAÚDE EM PACIENTES VÍTIMAS DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA QUALIDADE DE VIDA

AUTOCONTROLE INEFICAZ DA SAÚDE EM PACIENTES VÍTIMAS DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA QUALIDADE DE VIDA AUTOCONTROLE INEFICAZ DA SAÚDE EM PACIENTES VÍTIMAS DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA QUALIDADE DE VIDA Ariane Alves Barros 1 ; Maria Vilaní Cavalcante Guedes 2 ; Ilse Maria Tigre de

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE FRANCA AUTOR(ES): RENATA DE OLIVEIRA PIMENTA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE FRANCA AUTOR(ES): RENATA DE OLIVEIRA PIMENTA TÍTULO: PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA E SUA RELAÇÃO COM A ESPIRITUALIDADE/RELIGIOSIDADE EM UM GRUPO DE PACIENTES SOB TRATAMENTO DE DIÁLISE PERITONEAL. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR

PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR CONSIDERAÇÕES INICIAIS WLLINGTON JORGE DOS SANTOS 1 - UFPI. IVONIZETE PIRES RIBEIRO 2 - NOVAFAPI As Infecções Hospitalares

Leia mais

TÍTULO AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA:

TÍTULO AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: PROJETO CONVERSANDO SOBRE SAÚDE COM A MULHER DA COMUNIDADE DE IBIRAQUERA AUTORES: Profa. Grácia Maria Salles Maciel Koerich - graciakoerich@uol.com.br; Ac. Patrícia Maria Marcon - patricimm@bol.com.br;

Leia mais

CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS

CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS UM COMPROMISSO COM A VIDA CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS AMBULATÓRIO DE DOENÇA DE CHAGAS UNIDADE DE INSUFICIÊNCIA CARDÍACA UNIDADE DE

Leia mais

SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo

SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 5 nº 9 Maio 2004 A dimensão oculta e a precocidade da morte masculina por doenças hepáticas Estudos de mortalidade com freqüência

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA

DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 196 201 DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA COSTA, Cláudia de Almeida¹; CANDIDO, Kézia de Jesus¹;

Leia mais

A EQUIPE DE ENFERMAGEM VISLUMBRANDO QUALIDADE DE VIDA AOS PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA¹

A EQUIPE DE ENFERMAGEM VISLUMBRANDO QUALIDADE DE VIDA AOS PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA¹ A EQUIPE DE ENFERMAGEM VISLUMBRANDO QUALIDADE DE VIDA AOS PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA¹ FONSECA, Graziele Gorete Portella da²; ZAMBERLAN, Cláudia³; PARCIANELLO, Márcio Kist 4 ; CARMO, Dilce

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA Priscila Rodrigues da Silva * Prof. Ms. Clovis E. Zanetti ** RESUMO: A doença renal crônica é considerada

Leia mais

ÉTICA NA PREVENÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA: OLHAR DA EQUIPE DE SAÚDE

ÉTICA NA PREVENÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA: OLHAR DA EQUIPE DE SAÚDE ÉTICA NA PREVENÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA: OLHAR DA EQUIPE DE SAÚDE FREITAS, P.S. (Acadêmica de Enfermagem - UEPG)¹ ALMEIDA, E.A. (Acadêmica de Enfermagem UEPG)² ZIMMERMANN, M.H. (Docente de Enfermagem

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of Economic

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Anemia e Insuficiência Renal Crônica. Estágios 1 a 4

Anemia e Insuficiência Renal Crônica. Estágios 1 a 4 Anemia e Insuficiência Renal Crônica Estágios 1 a 4 National Kidney Foundation s Kidney Disease Outcomes Quality Initiative (Iniciativa de Qualidade em Resultados de Insuficiência Renal da Fundação Nacional

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

sobre pressão alta Dr. Decio Mion

sobre pressão alta Dr. Decio Mion sobre pressão alta Dr. Decio Mion 1 2 Saiba tudo sobre pressão alta Dr. Decio Mion Chefe da Unidade de Hipertensão do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP)

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Homem

Política Nacional de Saúde do Homem Política Nacional de Saúde do Homem O Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Saúde do Homem. O objetivo é facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. A iniciativa

Leia mais

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica Diabetes e Insuficiência Renal Crônica O que é a diabetes? A diabetes mellitus, normalmente conhecida por diabetes (e em alguns países por sugar açúcar) é uma condição que ocorre quando o corpo não fabrica

Leia mais

AROMATERAPIA ALIADA À MASSAGEM: CONTRIBUIÇÕES À HIPERTENSÃO EM IDOSOS

AROMATERAPIA ALIADA À MASSAGEM: CONTRIBUIÇÕES À HIPERTENSÃO EM IDOSOS AROMATERAPIA ALIADA À MASSAGEM: CONTRIBUIÇÕES À HIPERTENSÃO EM IDOSOS AROMATHERAPY ALLIED TO MASSAGE: CONTRIBUTIONS TO HYPERTENSION IN ELDERLY Elizeth Germano Mattos Mestre Unisalesiano Lins-SP profelizeth_aprend@yahoo.com.br

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE Cristina Katya Torres Teixeira Mendes 1, Maria Adelaide Silva Paredes Moreira 2, Luípa Michele Silva 3, Antonia Oliveira Silva 4 INTRODUÇÃO O envelhecimento

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO.

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO. Faculdade de Ciências da Educação e Saúde- FACES Curso de Enfermagem QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO. Rachel Kreimer Raizer Serrate. Monografia em Forma de artigo

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Saiba mais sobre. Hipertensão

Saiba mais sobre. Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Dr. Marcus Vinícius Bolívar Malachias CRM-MG 16.454 Doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP. Diretor

Leia mais

QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA

QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA I. INTRODUÇÃO Cleonides Silva Dias Gusmão cleonides_silva@hotmail.com Ana Alayde Werba Saldanha Pichelli analayde@gmail.com Francisca Marina de Souza Freire

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

VIVÊNCIAS DE PORTADORES DE DOENÇA RENAL CRÔNICA

VIVÊNCIAS DE PORTADORES DE DOENÇA RENAL CRÔNICA VIVÊNCIAS DE PORTADORES DE DOENÇA RENAL CRÔNICA AUTORA: GRACIELE DOTTO CASTRO 1 E-mail: gracidotto@yahoo.com.br ORIENTADORA: ANA CRISTINA GARCIA DIAS 2 1. RESUMO: Este estudo investigou as vivências e

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE * Alves JS, * Santos EF, Moreira AGE, Poveda VB Faculdade de Ciências da Saúde/Curso de Enfermagem Universidade do Vale do

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

A INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA NA VISÃO DE PACIENTES EM HEMODIÁLISE: RESSIGNIFICANDO O CORPO E A VIDA 1

A INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA NA VISÃO DE PACIENTES EM HEMODIÁLISE: RESSIGNIFICANDO O CORPO E A VIDA 1 A INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA NA VISÃO DE PACIENTES EM HEMODIÁLISE: RESSIGNIFICANDO O CORPO E A VIDA 1 CAMARGO, Valéri P. 2 ; WOTTRICH, Shana H. 2 ; QUINTANA, Alberto M. 3 1 Trabalho de Conclusão de Graduação-

Leia mais

Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus

Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus SERGIO DE CARVALHO E SILVA Laboratório de Pesquisa em Ciências de Serviços (LaPCiS), Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS),

Leia mais

Tema: Informações técnicas sobre o NUTRI-RENAL para pacientes em tratamento dialítico 1. ANÁLISE CLÍNICA DA SOLICITAÇÃO 3. 1.1. Pergunta estruturada 3

Tema: Informações técnicas sobre o NUTRI-RENAL para pacientes em tratamento dialítico 1. ANÁLISE CLÍNICA DA SOLICITAÇÃO 3. 1.1. Pergunta estruturada 3 Consultoria 06/2012 Solicitante Dr. Enismar Kelley de Souza e Freitas Juiz de Direito - Comarca de Cristina MG Data:22/10/2012 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Tema: Informações técnicas sobre

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO:

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO: Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Saúde Área de Concentração Saúde Brasileira Niepen Núcleo Interdisciplinar de Estudos, Pesquisas e Tratamento em Nefrologia Disciplinas:

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença.

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Bruno Araújo da Silva Dantas¹ bruno_asd90@hotmail.com Luciane Alves Lopes² lucianesevla.l@gmail.com ¹ ²Acadêmico(a) do

Leia mais

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Renata Maciulis Dip Prof. Dr. Marcos A. Sarria Cabrera Maíra O. Furlan Sara L. Rodrigues UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Leia sem moderação. Alcoolismo

Leia sem moderação. Alcoolismo Leia sem moderação. Alcoolismo ALCOOLISMO O alcoolismo é uma doença grave causada pela ingestão contínua de bebidas alcoólicas. A pessoa torna-se prisioneira do ato de beber, sofrendo conseqüências sociais,

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS.

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS. Jair Oliveira Rodrigues; Matheus Gonçalves de Sousa; Mithally Suanne Ribeiro Rocha; Rodrigo da Silva Santos Instituto de Ciências da

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais