TUDO MUDA E NADA MUDA: AS IMPLICAÇÕES DO USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO SOBRE O TRABALHO DAS MULHERES NO SETOR ELETROELETRÔNICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TUDO MUDA E NADA MUDA: AS IMPLICAÇÕES DO USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO SOBRE O TRABALHO DAS MULHERES NO SETOR ELETROELETRÔNICO"

Transcrição

1 TUDO MUDA E NADA MUDA: AS IMPLICAÇÕES DO USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO SOBRE O TRABALHO DAS MULHERES NO SETOR ELETROELETRÔNICO Pilar Carvalho Guimarães 1 Marcia de Paula Leite 2 Resumo: Neste artigo apresentaremos uma pesquisa de campo realizada na RMC no âmbito de projeto da Cepal denominado Estudio sobre el impacto de las tecnologías en el empleo, la productividad y el bienestar de las mujeres. Los casos del sector de la industria electro-electrónica en Brasil, los call centers en Panamá y los emprendimientos de mujeres en Perú. Na análise do caso brasileiro, a inserção das mulheres enquanto trabalhadoras assalariadas, submetidas à gestão empresarial, baseada na incessante busca de aumento da produtividade e do controle da força de trabalho feminina, é o elemento chave para a compreensão de porque a utilização das tecnologias da informação não têm significado um trabalho mais qualificado que permita inserir essas mulheres na sociedade do conhecimento. A percepção de uma planta de fábrica inteiramente baseada em relações hierárquicas e a permanência de atividades femininas voltadas à minúcia, justificadas pela natureza delicada e atenciosa das mulheres, nos leva a destacar a importância de políticas públicas para o trabalho assalariado que incentivem as empresas a adotar formas de organização do trabalho baseadas na qualificação da força de trabalho, de modo a propiciar um uso da TIC que seja mais favorável aos trabalhadores e, sobretudo, às trabalhadoras. Palavras chave: Gênero. Divisão sexual do trabalho. Tecnologias de Informação e Comunicação. Introdução Este texto é resultado de uma pesquisa realizada com o apoio da CEPAL 3 : Estudio sobre el impacto de las tecnologías en el empleo, la productividad y el bienestar de las mujeres 4, que ocorreu simultaneamente no Brasil (Setor eletroeletrônico), Panamá (Call Centers) e Peru (Empresárias). Nele discutiremos o resultado do trabalho de campo no Brasil, realizado numa empresa da Região Metropolitana de Campinas (RMC), tendo como preocupação central averiguar quais as implicações do uso das novas tecnologias da informação sobre o trabalho das mulheres no setor eletroeletrônico. O estudo de caso foi realizado a partir de visitas à fábrica e entrevistas com dirigentes sindicais, trabalhadoras, supervisores e gerente de recursos humanos. Os resultados serão comentados nos tópicos a seguir, dedicados à discussão da divisão sexual do trabalho na indústria, do setor eletroeletrônico no Brasil e na RMC, e aos achados da pesquisa. Um último tópico será dedicado à conclusão. 1 Mestranda, Universidade Estadual de Campinas 2 Professora titular, colaboradora plena da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas 3 Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. 4 Consultoras responsáveis: Lucía Pittaluga, Maria Goñi e Lucía Scuro 1

2 A discussão sobre as implicações das novas tecnologias sobre o trabalho de homens e mulheres não é nova na Sociologia do Trabalho. Desde as contribuições clássicas de Daniele Kergoat (1981, 1984), Cinthia Cockburn (1985) e Helena Hirata (1988), entre outras, têm sido sinalizadas as implicações desiguais dos usos das tecnologias para o trabalho masculino e feminino, com destaque para as questões da qualificação, emprego e condições de trabalho em geral. Em um importante estado da arte dessa discussão, Helena Hirata concluía em 1988 que o avanço tecnológico não significava uma melhoria na divisão sexual do trabalho industrial, tendo em vista que as tecnologias eram introduzidas especialmente nos postos de trabalho masculinos e as mulheres permaneciam segregadas nos trabalhos manuais, repetitivos e taylorizados. Essa é a mesma conclusão a que nos remete o presente estudo de caso, realizado 25 anos depois, conforme veremos a seguir. A Divisão Sexual do Trabalho na indústria Os estudos sobre a divisão sexual do trabalho têm destacado que a divisão do trabalho na sociedade, que responsabiliza a mulher pelo trabalho reprodutivo e o homem pelo trabalho produtivo, está na base da divisão do trabalho remunerado entre homens e mulheres seja entre os vários setores da economia, seja no interior de cada um deles, incluindo a indústria. Isso significa que a divisão social do trabalho entre homens e mulheres se reproduz na divisão sexual do trabalho no interior das fábricas. Já não são poucos os estudos 5 que têm apontado a segregação das mulheres em atividades menos qualificadas, exercendo trabalhos com pouco conteúdo tecnológico, baixa remuneração e praticamente nenhuma possibilidade de ascensão na carreira, inclusive em indústrias altamente sofisticadas em termos tecnológicos. Relegadas a postos de trabalho manuais e repetitivos, que exigem destreza, agilidade e delicadeza, elas normalmente têm pouco contato com as novas tecnologias, em geral concebidas e manejadas pelos homens. Essa apropriação masculina da tecnologia foi claramente elucidada por Cinthia Cockburn (1985) ao explicar a apropriação da esfera tecnológica por eles e a construção social do feminino como incompetente em termos tecnológicos. Essa realidade faz com que o trabalho feminino desenvolvido na indústria em geral não seja significativamente modificado com o desenvolvimento tecnológico das empresas e a introdução das tecnologias da informação e comunicação (TIC s). Esse processo pode ser encontrado também no 5 Kergoat (1984), Kergoat e Hirata (2008), Maruani e Hirata (2003), Leite (2003), Lobo (1991). 2

3 setor eletroeletrônico, que constitui um setor em que não só a produção se destina a aparelhos de alto conteúdo tecnológico, como a utilização das TIC s na produção tende a ser bastante alta. Na verdade, contrariamente ao que se poderia esperar a segregação das mulheres em trabalhos absolutamente manuais e destituídos de conteúdo faz com que a utilização das TIC s só sirva para simplificar e controlar as atividades das trabalhadoras aí alocadas, conforme veremos adiante. A pesquisa A fábrica visitada no Brasil foi inaugurada em 1996 e conta, em sua unidade situada na Região Metropolitana de Campinas, com 1900 trabalhadores no setor de produção. O empreendimento foi recentemente incorporado a uma rede de capital internacional e sofreu algumas alterações na organização de suas funções; ainda assim, os supervisores entrevistados 6 atestaram não ter havido mudanças significativas na estrutura interna da unidade de São Paulo, assim como um número, considerado mínimo, de demissões. Com a nova administração, algumas inovações foram relatadas tais como maiores possibilidades de promoção de funcionários dentro da empresa e espaços de lazer. As relações de trabalho entre funcionários foram avaliadas como abertas ao diálogo pelos supervisores que disseram "eles nem têm problema aqui, falou em restaurante legal a gente tem, transporte legal a gente tem, ergonomia a gente tem, é uma relação tranquila" e também fizeram questão de frisar as grandes possibilidades de plano de carreira no interior da fábrica, informação esta que foi contestada por 7 das 8 trabalhadoras entrevistadas; para elas, as possibilidades de ascensão são mínimas, se não inexistentes. O layout da fábrica comporta uma grande quantidade de cartazes, sinais, dizeres e slogans que remetem à produtividade e à dedicação à empresa, tanto no saguão quanto no restaurante, corredores e chão de fábrica. As trabalhadoras relataram ainda que o Sindicato dos Trabalhadores ligado a esta empresa é mais patronal do que operário, sendo condizente com as decisões da direção da empresa e não atuando como agente formador e potencializador de discussões entre os trabalhadores. Vale destacar que as lideranças sindicais que entrevistamos estão ligadas a outra entidade, o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos da Região Metropolitana de Campinas, notoriamente 6 A pesquisa, realizada em setembro de 2012, contemplou oito entrevistas com trabalhadoras da produção; uma entrevista com um supervisor de produção e outra do setor de saúde no trabalho; uma entrevista com a gerente de recursos humanos. Entrevistamos ainda o presidente, uma diretora e uma trabalhadora sindicalizada da base do Sindicato de Trabalhadores Metalúrgicos da RMC. 3

4 mais engajado politicamente no debate sindical do Estado 7. As informações que temos sobre os trabalhadores sindicalizados advêm destas entrevistas com o Sindicato da Região Metropolitana de Campinas, cujo presidente informou que 59% dos trabalhadores do setor eletroeletrônico são mulheres. Para esse diretor sindical, o uso de novas tecnologias não traz efeitos sobre a qualificação dos trabalhadores do setor, o que pôde ser constatado nas entrevistas com as trabalhadoras e com a gerente de recursos humanos que afirma: na linha de produção tudo é informatizado para que o trabalhador aperte um botão e a coisa já saia pronta (...) as tecnologias estão na empresa inteira, mas são concebidas para facilitar o trabalho dos operadores; os procedimentos operacionais são todos definidos anteriormente.. Para o Diretor do Sindicato o avanço das tecnologias não está trazendo melhorias sociais, acarretando, pelo contrário, um aumento da carga de trabalho. O processo de trabalho a seu ver continua sendo desvalorizado e o trabalhador atua mais como personagem do que como sujeito, o que seria uma das razões da alta rotatividade do setor e da dificuldade do processo de formação e do despertar da consciência crítica destes trabalhadores. Ainda de acordo com ele, as empresas trazem consigo o idioma e a práxis do seu país de origem, contratam jovens em seus primeiros empregos, hoje com vigor, possivelmente descartáveis no futuro, não oferecendo assim, em sua opinião, melhores condições de trabalho e nem de maior qualificação. Para uma das Diretoras entrevistadas, a preocupação dos militantes agora é o fortalecimento de um Coletivo de Gênero para direcionar a luta por melhores condições de trabalho, especialmente as relacionadas às condições de saúde. Para ela: não há formação, nem capacitação. Não há possibilidade de diálogo, mas há cargos de liderança, nos quais as mulheres são maioria; agora, as possibilidades de ascensão existem, se você obedecer as regras e não for do Sindicato. Isso foi confirmado pela gerente de recursos humanos da fábrica, que afirma que os treinamentos são mais para líderes e funcionários da área administrativa. De acordo com esta diretora o Coletivo vem também trabalhando pelo aumento da licença paternidade e pela concessão de licença de casamento para casais homoafetivos. A estratégia para contratar as trabalhadoras não estão relacionadas com carreira, qualificação, possibilidade de ascensão profissional mas a outros critérios que se baseiam, por 7 Essa não coincidência entre o Sindicato entrevistado e o Sindicato ao qual a empresa em questão está relacionada, explica-se pela dificuldade de acesso às fábricas no início da pesquisa devido à complexa conjuntura marcada, de um lado, pelas campanhas eleitorais municipais e estaduais e, de outro, pela negociação coletiva do setor. Este último fato foi responsável por uma forte mobilização dos trabalhadores, inclusive com paralisação da produção em algumas empresas. Frente a essas dificuldades, decidiu-se começar a pesquisa com as entrevistas junto à direção do Sindicato, que por ser uma entidade da Região Metropolitana de Campinas, imaginávamos que abarcava todas as empresas da região. Só quando começamos as entrevistas com as trabalhadoras é que nos demos conta de que a empresa fazia parte de outra base sindical. 4

5 exemplo, nas responsabilidades femininas como a manutenção da sua família. De acordo com a gerente de recursos humanos, um dos mais importantes critérios da seleção de pessoal é de privilegiar mulheres casadas ou solteiras com filho, que têm necessidade do trabalho, para evitar o absenteísmo. (...) o que é mais valorizado nas entrevistas de seleção e de promoção é o comportamento, ambições e aspirações. No treinamento comportamental frisamos que é o trabalho que propicia a realização dos sonhos, porque às vezes eles não percebem isso". Além disso, a única exigência para as contratações é o segundo grau completo e apesar de a maioria das operadoras contratadas serem mulheres não há nenhum programa no sentido de auxiliar a compatibilização entre o trabalho reprodutivo realizado no âmbito privado da vida dessas mulheres e o trabalho realizado na empresa; "são três turnos de trabalho e as pessoas devem organizar sua vida em função disso", diz a gerente de recursos de humanos. Voltando à empresa investigada, grande parte de seu abastecimento é composto por insumos originários de países asiáticos, como Japão e China. São eles: microssensores inseridos nas placas de rede, chips que compõem os aparelhos celulares, componentes eletrônicos inseridos nas placas de circuito. As matérias-primas (minério de ferro, cobre e outros minerais) são nacionais, mas são enriquecidas fora do Brasil. Empresas brasileiras exportam esses minérios para os países asiáticos, que os transformam em componentes eletroeletrônicos e os vendem novamente ao país. A planta da fábrica está dividida em três grandes áreas: front end, back end e centro de recuperação de componentes e aparelhos (CAR). A inclusão do trabalhador em determinado setor da produção é evidenciada através da cor de seu avental. Há um rígido protocolo a ser seguido para viabilizar sua entrada no setor de produção, todo ele direcionado para o cuidado de não interferir no equilíbrio estático do ambiente. Para a entrada dos funcionários e de quaisquer visitantes no chão de fábrica, são utilizados aventais, toucas, calcanheiras e pulseiras. Em seguida passa-se por um detector de metal e por testes realizados em computador para verificar o uso correto desses protetores. Linhas coloridas coladas ao chão indicam os únicos caminhos possíveis dentro da planta e por todo o lado há o plano de carreira em grandes cartazes, como incentivo para o crescimento dos trabalhadores dentro da empresa, apesar de que, conforme já esclarecido, as entrevistadas tenham relatado uma enorme dificuldade para ascensão na carreira. No front end, chamado pelo supervisor que direcionou nossa visita de gargalo da produção - aquele setor que determina o volume da produção da unidade, pois seria mais oneroso produzir a placa do que montar os aparelhos -, trabalham homens majoritariamente. É neste setor que são produzidas as placas que comporão os aparelhos eletrônicos. Cada linha do front end conta 5

6 com 4 operadores e produz em média 90 placas por hora, de forma totalmente automatizada; cada tipo de placa será inserida posteriormente em celulares, nextel, tablets ou modens. Do front end, as placas seguem para o warehouse, onde são catalogadas e armazenadas e seguem para abastecer o back end, constituído por postos de trabalhos para a montagem e encaixe dos componentes. Cada linha do back end conta com 60 operadoras e produz em média de 300 a 350 aparelhos por hora; trabalham nestes postos majoritariamente mulheres em operações completamente manuais, distribuídas em linhas de montagem seccionadas. Cada uma executa uma função rápida e repetitiva, utillizando menos de cinco minutos em média em cada aparelho, contando com instruções logo acima da linha dos olhos, para evitar qualquer lapso da memória. Uma das trabalhadoras entrevistadas relata: "Como é um trabalho muito repetitivo, às vezes a gente precisa fazer força pra não fechar os olhos". Essas trabalhadoras trocam de função de 2 em 2 horas com o objetivo de prevenir as lesões por esforço repetitivo. Essa rotação de funções não significa qualquer enriquecimento do trabalho, tendo em vista que todos os postos do back end são manuais e absolutamente destituídos de conteúdo, revelando uma alienação das operadoras em relação ao trabalho que realizam. O último posto do back end é o de testes, aplicados por softwares computadorizados. Caso seja evidenciado nos testes mencionados algum dano ou problema no aparelho produzido no back end, seja ele um aparelho celular, nextel, modem ou tablet, o produto é encaminhado ao CAR, centro de reparos da fábrica, onde o equipamento será analisado por um técnico eletroeletrônico (quase sempre homem) que identifica o problema e encaminha para uma reparadora (quase sempre mulher), que irá reparar o componente específico danificado. Cabe destacar que a preferência por mulheres nesta função, tal qual em todos os postos do back end, foi justificada pela natureza delicada e atenciosa das mulheres, pois o CAR exige uma coordenação fina, de acordo com a gerente de recursos humanos da fábrica. Uma vez aprovado pelo controle de qualidade, o equipamento produzido será encaminhado para uma empresa terceirizada, localizada dentro da planta, que embalará e programará o equipamento, deixando-o pronto para a comercialização. O repasse dessa operação para uma empresa terceirizada foi realizado em A empresa trabalha por demanda, pois os tipos de aparelhos produzidos não permitem grande armazenamento. Dessa forma, a produção da fábrica oscila bastante, assim como suas contratações. Esta rotatividade foi apontada por uma das operadoras como um fator que aumenta a 6

7 competição entre os funcionários que veem assim o seu posto de trabalho em constante ameaça, com o receio de perder o emprego sempre presente. Houve muitas menções à terceirização da contratação de operadores. De acordo com a gerente de recursos humanos, 80% da mão de obra da fábrica até muito recentemente, era contratada por uma terceira empresa especializada em contrações 8. Esta estratégia da empresa foi confirmada pelas entrevistas realizadas com as trabalhadoras. Segundo elas, estes trabalhadores indiretos passariam por um estágio probatório de três meses, e caso fossem efetivados, teriam um estágio de treinamento de outros três meses e somente depois disso passariam a ser contratados definitivamente pela empresa em questão. Todas as trabalhadoras que entrevistamos foram contratadas, inicialmente, através desta empresa terceira. Esta empresa chegou a ter, em 2011, 80% dos trabalhadores contratados por uma terceira, nessa época todo mundo entrava por esta empresa internacional de contratação de mão de obra temporária e depois passava para o contrato por tempo determinado para chegar a efetivo depois de dois anos na empresa pesquisada. O empreendimento sofreu um TAC (Termo de Ajuste de Conduta) do Ministério do Trabalho que o obrigou a baixar esta porcentagem para 20%. A explicação da gerente de Recursos Humanos do porquê eles se utilizavam desta estratégia foi a seguinte: os temporários e trabalhadores por tempo determinado ganhavam o mesmo que os efetivos, mas a empresa ganhava flexibilidade numérica, o que é importante por causa da sazonalidade do produto". Uma das trabalhadoras lembra: "quando eu entrei eu acho que era 70% de temporário e era uma minoria de efetivo, quando eu entrei em 2010, parece que tinha tido alguma coisa no Sindicato, que parece que eles cortaram isso e que a empresa tinha que ter mais efetivo do que temporário. Mas eu já trabalhei aqui de tipo assim chegar uma certa hora e você ver uma linha inteira saindo porque era temporário, mas agora já melhorou bastante". Outra operadora pondera: o ambiente de trabalho é competitivo por causa da rotatividade, as pessoas entram sempre como terceiras e ficam muito inseguras e "a maior parte da força de trabalho quem contrata é a empresa terceirizada, ela contrata por 3 meses e pode renovar por mais três meses e aí efetiva ou manda embora. Aí tipo assim, se você é efetivada, você passa a trabalhar para a empresa e tem mais três meses de experiência. Vai entender né...". Segundo a própria gerente de recursos humanos, o absenteísmo aumentou muito durante esse período, assim como o envolvimento dos trabalhadores diminuiu; por isso, e por causa do TAC, a porcentagem de trabalhadores terceirizados diminuiu. 8 De acordo com este supervisor, a empresa estava tentando diminuir o número de trabalhadores contratados pela terceira, em virtude do alto índice de absenteísmo dos trabalhadores indiretos. A atual porcentagem de terceirizados não foi todavia declarada. 7

8 Essas características da fábrica pesquisada evidenciam as observações anteriores sobre a divisão sexual do trabalho: mesmo quando alocadas no trabalho industrial, as mulheres são segregadas em postos menos qualificados, onde muito comumente desenvolvem trabalhos manuais, pouco complexos, repetitivos e com escassas possibilidades de qualificação 9. O alerta da gerente de recursos humanos corrobora a análise: "é uma empresa muito tecnológica, mas na hora da produção é tudo muito facilitado, é tudo programado pra facilitar o trabalho do operador. Os testes que ele faz lá quando ele vai montar o celular, é tudo muito facilitado, ele tem os procedimentos já definidos na bancada de trabalho, os procedimentos operacionais pra aquele modelo, pra aquele produto. Então realmente é tudo muito fácil, quando o produto vai pra linha, é muito fácil de fazer acontecer (...) Como é um trabalho rotineiro...". No mesmo sentido vão os relatos das trabalhadoras entrevistadas: "a atividade do posto de trabalho é muito fácil, nem precisa de treinamento; mas é muito chato, muito repetitivo" "a gente até troca de função na linha, de 2 em 2 horas, mas o trabalho é quase igual, num muda muita coisa não" "quando a gente vai mudar de aparelho, aí vem uma pessoa e passa pra gente, é esse o treinamento que a gente tem, é rápido porque é pouca coisa que você faz nos postos, é uns cinco minutos, porque ou você coloca o parafuso, ou a borrachinha, o display, então é rápido. Eu acho que seria bom mais qualificação porque você faz mas não sabe por que, aí você não sabe se tá bom, se vai falhar. Fica meio vago o que a gente faz." Esses relatos das trabalhadoras evidenciam que ainda que o resultado do trabalho que elas realizam seja altamente tecnológico, elas não fazem uso dessa tecnologia e quase não têm contato com ela. Além disso as condições de trabalho não propiciam oportunidades de conhecimento e ascensão, conforme demonstram as declarações a seguir: "eles esquecem que a gente é uma pessoa" "eles falam que tem bastante curso aqui, mas a gente mesmo não fica sabendo quando vai ter, só sabemos quando aparece alguém com o diploma" 9 Helena Hirata(1988, 2002), Elizabeth Lobo (1991), Marcia Leite (2003), Marcia Leite e Cibele Rizek (1998). 8

9 "eu vou lá, eu conheço as pecinhas, eu monto, agora não me fala o que ele faz 10 que eu não sei, não me fala pra que ele serve que eu não sei, eu não procuro saber, eu faço o meu "ah, o treinamento é assim: elas vêm, faz, te ensina como faz; em questão de cinco minutos. Você vê fazendo... o treinamento aqui nos postos são de minutos, não são difíceis de aprender, os postos" "aqui eu acho que não tem possibilidade de mudar de posto não" "eu não consigo enxergar grandes possibilidades aqui dentro de crescer, se quer crescer tem que ir fazer outra coisa". "o plano de trabalho, sinceramente, é mais pra quem é o queridinho, que tá sempre ali do lado, que faz sempre o que ele pede. Porque quem realmente trabalha direito e não gosta dessas 'puxa-saquices', continua no que tá, no máximo operador 2." Faz-se necessário destacar o importante papel do conceito de divisão sexual do trabalho 11 na distribuição das tarefas desta fábrica. É extremamente nítida a separação do trabalho entre homens e mulheres na produção, em modelo bastante taylorizado. Homens manejando máquinas pesadas, e mulheres na montagem, fazendo movimentos rápidos e repetitivos. As mulheres cumprem funções que não exigem nenhuma qualificação, não são ensinadas a manejar equipamentos mais modernos, e quando o são, a justificativa é a sua destreza, gentileza, atenção ao detalhe. Foi possível presenciar a naturalização e reprodução da noção social de sensibilidade feminina levada ao extremo, seja na assignação das tarefas de montagem às mulheres no back end, seja na segregação nas atividades de reparação no CAR. Vê-se, portanto, neste estudo de caso a nítida divisão do trabalho masculino e feminino, entre tarefas dos homens e das mulheres, entre as atividades que lidam com a tecnologia e as manuais, a qual, ao se apoiar na naturalização de características femininas, se baseiam na separação social entre trabalho reprodutivo e produtivo, evidenciando a apropriação masculina do uso das tecnologias, conforme explicitado no primeiro tópico deste texto. Ou seja, a sexualidade das funções passa necessariamente por um mecanismo cultural, construído historicamente. Assim como se definem atividades femininas e masculinas, 10 A trabalhadora se refere aqui aos aparelhos que ela monta. 11 Divisão sexual do trabalho seria a forma de divisão do trabalho social decorrente das relações sociais entre os sexos; mais do que isso, [como] um fator prioritário para a sobrevivência da relação social entre os sexos. Essa forma é modulada histórica e societalmente. Tem como características a designação prioritária dos homens à esfera produtiva e das mulheres à esfera reprodutiva e, simultaneamente, a apropriação pelos homens das funções com maior valor social adicionado. (KERGOAT e HIRATA, 2008, p. 266). 9

10 inscrevem-se relações de hierarquia, de qualidade e qualificação, com representações distintas de responsabilidade, adequação, possibilidade ou não de aprendizado, as quais remetem às relações de poder fundidas na sociedade. A divisão do trabalho existente na fábrica visitada configura-se como um forte testemunho deste modelo. Conclusão A análise da visita à fábrica, assim como das entrevistas realizadas, nos revela uma realidade onde não só o uso das TIC s vem tendo pouquíssimas consequências sobre as trabalhadoras no que se refere à utilização de um trabalho mais qualificado e criativo, como, o que é pior, vem reforçando a divisão sexual do trabalho. A divisão do trabalho na fábrica se dá de tal forma que quem efetivamente trabalha com as novas tecnologias são os homens; o trabalho das mulheres dentro da fábrica é absolutamente manual, de montagem e elas não têm acesso à tecnologia das máquinas. O produto de seu trabalho é de alta tecnologia, mas o seu trabalho não. No front end, gargalo da produção, são os homens que mexem e dominam grandes máquinas, as mulheres são alocadas nas linhas de montagem em razão da naturalização de uma delicadeza e atenção. Essa divisão sexual do trabalho também se dá na hierarquização das funções, por exemplo, na área do CAR (de reparo dos aparelhos com falhas) a maioria absoluta é de mulheres, entretanto são homens que detém os cargos de chefia, são eles os engenheiros chefes ou os líderes que têm grau técnico em eletrônica e que detectam os problemas nos aparelhos com defeito; a elas são relegados os postos de trabalho manual de substituição das peças com defeito ou de remontagem de peças mal montadas. Outra questão a ser levantada relaciona-se com o fato de que ao não produzir insumos de alta tecnologia (microssensores, chips, componentes eletrônicos), a fábrica importa a tecnologia ao invés de desenvolvê-la internamente. Os efeitos desse processo sobre a qualificação da mão de obra são evidentes: a parte da produção desenvolvida na fábrica não exige trabalhos mais complexos. De acordo com o Diretor do Sindicato: Eles querem que os trabalhadores tenham maior escolaridade, mas isso não tem a ver com a prática desses trabalhadores, tem mais a ver com a propaganda das empresas de que estão contratando trabalhadores mais escolarizados. (...) Usam novas tecnologias, mas isto não tem efeitos sobre os trabalhadores. A gerente de Recursos Humanos da fábrica confirma e complementa ao explicitar que a exigência de escolaridade de segundo grau completo é mais uma tradição, mas não precisa disso. O mais importante é alguma vivência em chão de fábrica, mesmo que seja em outros setores. Ou seja, alguma disciplina de trabalho. 10

11 Isso significa que continua havendo na produção deste setor uma divisão internacional do trabalho que dificulta a utilização de trabalho mais qualificado no Brasil. De acordo com uma das operadoras da empresa visitada "sempre que vem uma máquina nova vem alguém de fora pra ensinar o técnico aqui como é que usa, mas eles num consertam não, quando dá algum problema tem que vir alguém de fora de novo e pra ensinar pra gente não é os daqui que passa, é os que vem de lá que passa pra gente". Finalmente, outra conclusão importante do estudo refere-se aos três trabalhos de campo que compuseram esta pesquisa. Ela se relaciona com o fato de que o lugar que as mulheres ocupam no processo de produção é fundamental na explicação dos diferentes efeitos da tecnologia sobre o trabalho feminino. Tanto é assim que o estudo revelou uma situação mais ou menos semelhante para o caso do Brasil e do Panamá, apesar de terem sido abordados trabalhos tão diferentes como o desenvolvido na indústria eletroeletrônica (Brasil) e nos call-centers (Panamá). De fato, em ambos os casos, a inserção das mulheres enquanto trabalhadoras assalariadas, submetidas à gestão empresarial baseada na incessante busca de aumento da produtividade e do controle da força de trabalho feminina, é o elemento chave para a compreensão de porque as TIC s não têm significado um trabalho mais qualificado que permita inserir essas mulheres na sociedade do conhecimento. A situação é bastante distinta para as pequenas empresárias do Peru, cujo acesso a uma qualificação mais adequada a uma utilização da tecnologia baseada no interesse em entender seu funcionamento de forma a buscar o aproveitamento maior possível da mesma, dependeu delas mesmas e não dos interesses de patrões e supervisores. Essa conclusão nos leva a destacar a importância de políticas públicas para o trabalho assalariado que incentivem as empresas a adotar formas de organização do trabalho baseadas na qualificação da força de trabalho, de modo a propiciar um uso da TIC que seja mais favorável aos trabalhadores e, sobretudo, às trabalhadoras. Bibliografia ANSANELLI, Stela Luiza de Mattos. Exigências Ambientais Europeias: Novos Desafios Competitivos para o Complexo Eletrônico Brasileiro. Revista Brasileira de Inovação. V 10. N BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha. Trabalho e Gênero no Brasil nos últimos dez anos. Seminário Internacional Gênero e Trabalho. FCC: São Paulo e Rio de Janeiro BRUSCHINI, Cristina; LOMBARDI, Maria Rosa. Mulheres e homens no mercado de trabalho brasileiro: um retrato dos anos IN: MARUANI, Margareth; HIRATA, Helena. As novas 11

12 fronteiras da desigualdade: Homens e Mulheres no Mercado de Trabalho. São Paulo: Editora SENAC, COCKBURN, Cinthia. Machinery of dominance. Women, men and technical knowhow,london, Pluto Press DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) & CNM/CUT. O setor eletroeletrônico no Brasil HIRATA, Helena. ROGERAT, Chantal. Technologie, qualification et division sexuelle du travail. In: Revue française de sociologie. 1988, pp HIRATA, Helena. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade, Coleção Mundo do Trabalho. São Paulo: Boitempo páginas. KERGOAT, Danièle. Technologie et travail, document de travail mimeo. KERGOAT, Danièle. Division sexuelle du travail et qualification, Cadres, cfdt, n KERGOAT, Danièle; HIRATA, Helena. Divisão sexual do trabalho profissional e doméstico: Brasil, França e Japão. BRUSCHINI, Cristina; COSTA, Albertina; HIRATA, Helena; SORJ, Bila (orgs). Mercado de trabalho e Gênero comparações internacionais. Rio de Janeiro: FGV Editora, p LEITE, Marcia. Trabalho e Sociedade em Transformação. Mudanças produtivas e atores sociais. 1a.. ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, p. LEITE, Marcia; RIZEK, Cibele. Cadeias, complexos e qualificações. In: Marcia de Paula Leite; Magda de Almeida Neves. (Org.). Trabalho, Qualificação e Formação Profissional. 01ed. São Paulo/Rio de Janeiro: Alast (Associação Latino-Americana de Sociologia do Trabalho)/SERT-SP, 1998, v. 01, p LOBO, Elizabeth Souza. A classe operária tem dois sexos Trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Editora Brasiliense LOMBARDI, Maria Rosa. Anotações sobre desigualdades de gênero no mercado de trabalho. Seminário Brasil-França Economia Solidária. Unicamp, agosto MARUANI, Margaret; HIRATA, Helena (Orgs). As novas fronteiras da desigualdade: Homens e mulheres no mercado de trabalho. Senac, São Paulo, SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre: Everything changes, nothing changes. Implications for the use of information technology on women's work in electronics sector Abstract: In this article we present a field study conducted in the RMC within CEPAL project called 'Estudio sobre el de las impact technologies en el empleo, la productivity y el de las mujeres 12

13 bienestar. Los cases del sector de la industria electro-electronic en Brazil, call centers en los Panameá emprendimientos y los de mujeres en Perú'. In the analysis of the Brazilian case, we understand that the place that women occupy in the production process is fundamental in explaining the different effects of technology on women's work.the inclusion of women as wage workers, subject to business management, based on the relentless pursuit of increased productivity and control of female labor force, is the key to understanding why the use of information technology does not mean a more qualified insertion for these women in the knowledge society.the perception of a factory entirely based on hierarchical relations and retention of female activities focused on minutia, justified by the 'gentle nature and caring of women' leads us to highlight the importance of public policies for employment that encourage companies to adopt forms of work organization based on the qualification of the workforce, in order to provide a use of tecnologie that is more favorable to workers and especially women workers. Keywords: Gender. Sexual division of labor. Technologies. 13

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

Mulheres e memórias: cotidiano e trabalho

Mulheres e memórias: cotidiano e trabalho Mulheres e memórias: cotidiano e trabalho Sueli de Araújo Montesano 1 Esta pesquisa resgata o trabalho feminino, dos anos 50 a 70, numa metalúrgica, em uma pequena cidade no interior de São Paulo. As trabalhadoras

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

GRUPO FIAT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT

GRUPO FIAT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT DIEESE - DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS SUBSEÇÃO CNM/CUT GRUPO FIAT Mundo A FIAT iniciou suas atividades em

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR 225 Pratique os 10 instrumentos; e você verá os resultados! OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR Lição 4.3 Uma vez definido e assimilado

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas)

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO ANGELA MARIA RUIZ (MBA em marketing e gestão de pessoas) MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) NILDA APARECIDA NUNES DOS REIS (MBA em marketing e gestão

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Um ótimo serviço pode se tornar ruim se os funcionários não confiam em si mesmos. Uma endoentrevista sobre endomarketing. Troquemos de lugar! O título é, sem dúvida,

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação!

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação! Resultado da pesquisa feita no dia 10/03/2014, através do Site do Conselho Regional de Relações Públicas 4ª Região, a respeito da Lei 6601/13. Foi disponibilizado uma enquete, com a seguinte pergunta:

Leia mais

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI O que os trabalhadores do call center e de programação e produção de software têm em comum? Esta é uma das questões que o sociólogo

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE Tópicos a serem apresentados: O que é? Para que serve? Objetivos do Curso. Conteúdo Programático. Empresa As Pessoas O Produto O serviço Atendimento Competitividade Tipos de Clientes

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência de Pesquisa Mensal PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PME 1.0 QUESTIONÁRIO DE MÃO-DE-OBRA

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

FERREIRA, Maria da Luz Alves. Universidade Estadual de Montes Claros UNIMONTES. mariadaluz@oi.com.br. Resumo

FERREIRA, Maria da Luz Alves. Universidade Estadual de Montes Claros UNIMONTES. mariadaluz@oi.com.br. Resumo Mulheres no lugar de homens? Impactos da inserção de mulheres em ocupações consideradas masculinas: frentistas e policiais femininas de Montes Claros MG Resumo FERREIRA, Maria da Luz Alves. Universidade

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para QUAL NEGÓCIO DEVO COMEÇAR? No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para então definir seus objetivos e sonhos.

Leia mais

Quando as mudanças realmente acontecem - hora da verdade

Quando as mudanças realmente acontecem - hora da verdade Quando as mudanças realmente acontecem - hora da verdade Pergunte a um gestor de qualquer nível hierárquico qual foi o instante em que efetivamente ele conseguiu obter a adesão de sua equipe aos processos

Leia mais

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA Aluna: Tatiana de Alemar Rios Orientador: Magda Pischetola Introdução A partir do estudo realizado pelo Grupo

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação Jairo Martins da Silva FOTOs: divulgação E N T R E V I S T A Disseminando qualidade e cultura Superintendente-geral da Fundação Nacional da Qualidade, Jairo Martins da Silva fala sobre o desafio da qualidade

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens.

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens. Brasil A pesquisa em 2015 Metodologia e Perfil 111.432 respostas na América Latina 44% homens 67.896 respostas no Brasil 0,5% Margem de erro 56% mulheres * A pesquisa no Uruguai ainda está em fase de coleta

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação População conhece pouco a atual lei de cotas, mas acha que os partidos que não cumprem a lei deveriam ser punidos A maioria da população

Leia mais

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013 Isabella Assunção Cerqueira Procópio Janeiro de 2013 1 Sumário 1. Dados Básicos de Identificação...3 2. Histórico

Leia mais

Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil

Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil Débora de Fina Gonzalez Introdução A consolidação da participação feminina no mercado de trabalho coloca em pauta

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

Gestão de carreiras nas organizações

Gestão de carreiras nas organizações Gestão de carreiras nas organizações A expressão "Plano de carreira", nas organizações, sempre corre o risco de ser interpretada como algo antiquado, retrógrado, que interessa aos funcionários e, principalmente,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Ano 3 / N 16. 37ª Convenção dos Lojistas do Estado de São Paulo reúne empresários lojistas.

Ano 3 / N 16. 37ª Convenção dos Lojistas do Estado de São Paulo reúne empresários lojistas. Ano 3 / N 16 37ª Convenção dos Lojistas do Estado de São Paulo reúne empresários lojistas. Artigo MÃO DE OBRA: HÁ COMO MELHORAR? Uma das principais reclamações dos lojistas, é a qualidade da mão de obra,

Leia mais

Problemas, todos temos. Os chefes PONTO. direto ao

Problemas, todos temos. Os chefes PONTO. direto ao Se você usa alguma delas, entre imediatamente em estado de alerta; você pode não ser um líder tão capaz quanto imagina Problemas, todos temos. Os chefes então, nem se fale. Mas, se aqueles que são terríveis

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade.

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. 1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. Todos nós da AGI Soluções trabalhamos durante anos

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) Roteiro de áudio. Programa: Hora de Debate. Campanhas.../ Monica G. Zoppi-Fontana 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 Combatendo o preconceito: argumentação e linguagem Programa Hora de Debate. Campanhas de

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO AULA 01: PESSOAS: INTRODUZINDO OS SUBSISTEMAS E CONCEITOS TÓPICO 02: AS VÁRIAS FACES DA GESTÃO DE PESSOAS Quando falamos em gestão de pessoas é automático nos referirmos

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

S E M A N A D O COACHING

S E M A N A D O COACHING Para que você perceba todas as possibilidades que o mercado oferece, precisa conhecer as 3 leis fundamentais para o sucesso no mercado de coaching: 1 É muito mais fácil vender para empresas do que pra

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

SIG Capítulo 3 - Parte 1

SIG Capítulo 3 - Parte 1 SIG Capítulo 3 - Parte 1 Estudo de caso: Textron Fabrica de tudo: de aviões corporativos e sistemas de transmissão automotivos até aparadores de grama. Outra área industrial e uma financeira Vai de bem

Leia mais

Estudo sobre Rotatividade de Funcionários no Brasil Ano I - 2008

Estudo sobre Rotatividade de Funcionários no Brasil Ano I - 2008 Estudo sobre Rotatividade de Funcionários no Brasil Ano I - 2008 Marco A. Quége* INTRODUÇÃO A rotatividade de funcionários (turnover) é sem dúvida um elemento que demanda atenção constante por parte de

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais