Joanne Purcell, S. Jorge. APFT(I) [A Madrinha]

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Joanne Purcell, S. Jorge. APFT(I) 6295 1. [A Madrinha]"

Transcrição

1 Joanne Purcell, S. Jorge APFT(I) [A Madrinha] Era uma vez um pai que tinha muitos filhos e era muito pobrezinho. E já tinha vergonha de ir convidar madrinhas para os filhos porque já tinha muitos. E olhou para a mulher e disse: Ó mulher, eu vou caminhar amanhã por essa estrada adiante. A pessoa que eu encontrar é que vou convidar ou velho ou novo, é a primeira pessoa que eu encontrar. Assim fez. Caminhou, foi andando, andando, chegou lá a um lugar a um portão, viu agora uma velhinha muito velha, diz ele bem consigo: Bem, eu dei palavra que era a primeira que eu encontrasse. Chegou ao pé: Ó senhora, a senhora quer ser madrinha de uma menina que eu tenho lá? era uma pequena. Sim, senhor, o senhor para que dia é que quer baptizar a criança? Pois, a senhora é que há-de dizer. Diz ela: Bem, olhe, então, fica para tal dia. Olhe, escusa de fazer enxovalho 1 que eu hei-de levar um enxovalho para se baptizar a criança e eu hei-de aparecer lá. Sim, senhor. O homenzinho virou para trás e veio-se embora para casa. Mas, já sabe, a sua casa era muita pobreza que viviam e ele disse à mulher assim que ele chegou: E então? Eu convidei uma velhinha muito feia, mas não interessa, ela diz que sim, tal dia que é o baptizado. Ela diz que trazia um enxovalho para a menina. E gente sempre há-de ver se faz para aí uns docezinhos para quando ela chegar. Chegou-se ao dia, a mulher fez lá uns docezinhos conforme podia que eram muito pobrezinhos e estavam com a pequena à espera, mas a madrinha não aparecia, a velhinha não aparecia. Dizia a mulher: Ó homem, só se tu... tu não convidaste ninguém? Ó mulher, convidei, ela há-de vir. Esperaram, esperaram, nada, não aparecia a madrinha, a velhinha. E a pobre da mulher vinha à janela vigiar, não aparecia. Ó homem, tu não convidaste foi ninguém? Ó mulher, convidei, ela há-de vir. Chegou-se lá a uma certa hora a mulher veio e vê vir agora uma carruagem muito linda, uma bela carruagem. Diz: Ó homem, bela carruagem vem ali, é uma princesa. E o homem vem à janela e disse: Eh, aquilo é uma carruagem de uma princesa, mas não penses que é a comadre que vem para se baptizar a pequena que era uma velha. Ó homem, eu também não digo isso mas viu que aquilo é uma bela carruagem. A carruagem chegou, quando foram da porta dos pobrezinhos e parou. Desapeou-se uma princesa, bateu à porta. Diz a mulher: 1 Enxovalho: Enxoval.

2 Ah, homem e trazia o enxovalho no braço Eh, homem, tu estás pegado de cabeça! Vais agora convidar uma princesa para ser madrinha da nossa filha e a gente na nossa casa tanto pobrezinho que até é uma vergonha! Ó mulher, convidei foi uma velhinha. Ó homem, tu estás a ver mas abriram a porta. A princesa olhou para ele e disse: Olhe, compadre, cá estou para a gente ir baptizar a pequena. E a mulher olhou para o marido, mas já não disse nada. Cá está o enxovalho para a minha afilhada vestir. Ora, enxovalho de luxo, vestiram a pequena foram para a igreja baptizar. Vieram para cá, mas ela trazia doces dentro da carruagem, a carruagem trouxe tudo quanto era necessário. Comeram, acabaram de comer, de fazer os festejos, diz ela, a princesa olhou e disse: Olhe, compadre, eu fui madrinha do seu filho [filha], mas é com um contrato, assim que ela tiver sete anos, vai-me a levar ao lugar de onde me convidou para eu ser madrinha, ao mesmo sítio, olhe bem. Sim, senhora, comadre. Ela pegou em si, meteu-se dentro da carruagem e foi-se embora. A mulher depois da comadre se ir embora diz: Ai, homem, mas que desgraça, e a gente vai ficar sem a nossa rica filha! Diz o homem: Ó mulher, não te agonies, ela vai com uma princesa e vai tanto bem que a gente aqui somos tão pobrezinhos e ela vai-se consolar. Bem, a pequena foi crescendo, foi crescendo e a mãe, já depois de ela ter entendimento e falar, a mãe olhava para a pequena e dizia: Olha, Maria o nome dela era Maria Olha, Maria, quando fores para casa de tua madrinha e tua madrinha te perguntar o que é que se passava aqui em nossa casa, como somos muito pobrezinhos não se diz. Dizes assim à madrinha: Eu nada vi e nada sei e nada tenho para dizer foi ensinando sempre aquilo à pequena. Bem, chegou aos sete anos. Ora, a mãe começou a chorar muito, despediu-se da filha, o pai vestiu-a, pegou nela pela mão e caminhou. Foi andando, andando, andando e chegou ao mesmo portão, lá estava a mesma velhinha, já não era a princesa era a mesma velhinha quando ele a tinha convidado. Bem, o compadre foi pontual, foi um homem de palavra. Deixe ver cá a sua filha e vaia-se embora descansado que ela fica muito bem. Ele despediu-se da filha e foi-se embora para casa. Bem, a madrinha pega nela pela mão e levou-a por ali dentro, chega a um palácio, um palácio muito lindo. Disse: Olha, Maria, anda cá, olha, este palácio é teu. Tens tudo quanto precisas aqui dentro, nada te falta. Ora bem, pega lá as chaves deste palácio todo. Mas olha, esta chave, anda cá, é daquela porta, nunca se vai acolá dentro. Sim, senhora. Ó Maria, e como é que em casa como é que tu passavas? Ó madrinha, eu nada vi, nada sei e nada tenho para dizer. Diz ela: Está bem. Olha, adeus, não me tornas a ver e desapareceu. Ela ficou sozinha dentro do palácio, mas levantava-se, água para se lavar, sabonete, toalha, tudo a modo. Ia para a mesa, a comida a modo para ela comer, a roupa, aparecia-lhe a roupa para ela se vestir, e ela corria o palácio todo, era seu. Ia para o jardim, um belo jardim. Corria aquilo tudo!

3 E um belo dia põe-se a imaginar e disse: Não, pois agora a minha madrinha deu-me as chaves do palácio todo e deu-me esta e diz que eu que não vá àquele quarto, mas eu vou ir ver. Tenho que ir ver o que é que está acolá dentro. Por curiosidade, pega em si, mete a chave à porta, abre a porta, empurra a porta e vê, agora, a princesa sentada numa cadeira e um príncipe sentado noutra, mas nisto faz um abalo muito grande e ela acha-se no meio de uma estrada. Achou-se no meio de uma estrada. Começa a olhar, uma estrada deserta, onde nunca tinha estado. Começa a olhar agora e vê agora vir a madrinha pela estrada para cá. A madrinha vem, chegou ao pé dela e disse: Bem, Maria, estás aqui, não é verdade? É verdade, madrinha. Eu não te avisei que não fosses àquele quarto? É verdade, a madrinha avisou-me! O que é que viste lá dentro? Ela disse à madrinha: Nada vi, nada sei e nada tenho para dizer. Diz ela: Sim, sim! Diz-me o que é que viste acolá dentro! Já disse à madrinha que nada vi, nada sei e nada tenho para dizer. Está bem. Olha, tu agora não tornas mais para o palácio. Tu agora caminhas e vais para tal lugar, para tal reinado, vais para lá porque têm falta de uma criada e tu vais para lá servir. E adeus e desapareceu. E ela caminhou por aquela estrada adiante, foi andando, andando, andou muito. Chegou lá aquele lugar, perguntou onde é que havia ali o reinado do rei, disseram-lhe e ela foi lá. E disse: Têm falta de uma criada? O rei disse que sim. Ela entrou ao serviço do rei. Bem, o rei tinha um filho, e o príncipe e começa-se a engraçar com a rapariga. Foi ter com o pai: Olhe, pai, eu gosto daquela nossa criada e eu gostava de casar. Diz o rei: Tu casares? Casares com uma criada? Não consinto isso. Sabe-se lá quem é e quem não é, e eu ia consentir? Ó pai, mas então eu gosto muito dela, com ela é que tenho de casar! Diz o rei: Não te arrependas. Deixar, eu gosto muito dela. Diz o rei: Pois casa. Ele vai e casou com a rapariga. Bem, ao cabo de tempos o marido, que era marido dela, e foi numa caçada. Durante essa caçada levou dias [e] a mulher teve um menino. Vai um ano para cuidar do menino e de noite a ama e pega no sono. O menino estava no berço, a ama pegou no sono e ela estava na cama acordada quando a madrinha aparece, diz: Ó Maria, tens um menino muito lindo. É verdade, madrinha. Olha, vais-me dizer o que é o que viste aquele dia naquele quarto, quarto que eu te avisei que não fosses lá ver.

4 Ela disse: Ó madrinha, nada vi, nada sei, nada tenho para dizer. Diz ela: Sim, olha, vou-te levar o teu filho diz a madrinha. Leve. Ela pega no pequeno, embrulhou o pequeno, e caminhou. Nisto a ama que estava acorda, e olha para o berço não vê o pequeno... mas ela deixou um rasto de sangue no quarto todo, e nas roupas, no berço, deixou tudo um rasto de sangue. Ora, a ama começou a gritar até que veio o sogro, o rei, e a rainha vêm cá e disse: Acordei, só passei pelo sono... acordei e está nesta maneira. E diz o rei: Bem, é uma gentia 2, comeu os meus filhos, tem que ir à morte, comeu o seu filho. Bem, bem disse ao meu filho que ele que não casasse com uma mulher sem a conhecer. Chega o marido. Diz o rei: Sabes, quando estiveste na caçada a tua mulher teve um filho uma coisa mais linda e comeu-o, matou-o e comeu. É uma gentia, portanto, tem que ir à forca. O marido gostava muito da mulher e vai ter com o pai e pede-lhe, e pediu-lhe, e pediu ao rei. O rei assim: Bem, eu por esta vez perdoo, mas por outra não, se tornar a acontecer outra. Ela vai, ficou perdoada. Dali a tempos, muito tempo, o marido outra vez, já sabe que a distracção dos reis era em caçadas, caçaram. A mulher, ele lá ausente na caçada [e] ela teve uma menina. Ora, o rei duas amas de vigilância para tomar conta, por causa para ver se ela não comia porque já tinha acontecido. Mas chegou-se às horas competentes, elas ambas pegam no sono. E a madrinha abre a porta do quarto e entrou, ela assim que viu a madrinha ficou... Ela foi, agasalhou a pequena e disse: Ah, linda menina, tens uma menina muito linda. É verdade, madrinha. Sempre me vais dizer o que é que viste naquele quarto, aquele dia que eu disse que não fosses lá, tu foste. Eu já disse à madrinha que nada vi, nada sei, nada tenho para dizer. Ela disse assim: Olha, eu vou-te levar agora a tua menina. Pega nela, ala, caminhou. Ora, deixou outro rasto de sangue outra vez. Elas ambas acordaram, já depois de ela ter caminhado, era prometido assim mesmo, viram aquilo uma gritaria, vem o rei disse: Não, isto não pode ser, já comeu por duas vezes, um filho, agora, uma filha, isto não pode ser. Tem que ir à forca, não pode ser! O marido chegou: Sabes, isto é assim ela teve agora uma menina muito linda, matou-a, portanto, não pode ser. Ora, o pobre do marido, como gostava muito da sua mulher e vai para de roda do rei e torna-lhe a fazer outra vez um pedido. E o rei, custou-lhe muito, mas o rei lá lhe perdoou outra vez, a segunda vez. Diz o rei: Ao fim das três vezes, já não lhe posso perdoar. 2 Gentia: gigante, selvagem.

5 Dali a tempos outra vez, ele ausente, o marido, outra vez numa caçada. E ela tem outro, um menino. O rei: Mais vigilância para tomar conta para ela não comer o outro filho mas não serviu de nada. Chegou-se à hora competente elas pegam no sono e a madrinha entrou e disse: Ah, Maria, agora é um menino muito lindo. Olha, sempre me vais dizer o que é que viste naquele dia, naquele quarto? E ela disse à madrinha que nada viu... Nada sei, nada tenho para dizer. Disse: Olha, diz-me o que é que viste que eu deixo-te o filho e ainda vou-te restituir os dois que te levei e venho-tos trazer. E tu diz-me o que é que viste. Já disse á madrinha que nada vi, nada sei, e nada tenho para dizer. Ela disse: Está bem, olha, então, vou-te levar outra vez o teu menino e pegou nele e levou-o. Deixou outra vez sinais de sangue. Ora, elas acordaram, assim que viram, oh, uma gritaria, vem o rei e disse: Não, agora eu não lhe posso perdoar. Prisão. Já não esperou até pelo filho, pegou nela, mandou-a meter na prisão. O filho chegou, diz o rei: Olha, perdoei-lhe duas vezes. Disse que ao fim das três que não lhe perdoava, ela está presa. Teve um filho, matou-o. Agora vai à forca. Bem, já o marido não podia fazer bem nenhum, já o pai não lhe perdoava. Bem, chegou-se o dia antes de ela ir para a forca, ela estava na prisão. A madrinha aparece-lhe dentro da prisão, diz: Olha, Maria, eu posso-te livrar da forca se quiser. Diz-me o que é que viste naquele dia naquele quarto. Disse à madrinha que nada vi, nada sei e nada tenho para dizer. E ela: Está bem, então, tu vais ir a enforcar. Olha, mas diz ao rei, pede ao rei que o rei é obrigado a fazer-te tudo, a uma pessoa que vai a enforcar eles fazem tudo quanto o enforcado lhe pede, diz ao rei que queres que ele arme a tua forca em tal sítio assim, assim. E que há-de ir assistir toda a gente que vais a enforcar, pedes isto ao rei. Sim, senhora. E adeus pegou em si foi-se embora. Bem, chegou-se ao dia da que era no outro dia lá, o rei foi fazer a forca onde ela tinha mandado, onde ela disse. Toda a gente, ora aquele povo toda a ver enforcar a princesa. E o rei disse... olhou para o marido, disse: Também tens que ir. O rei olhou para o marido e disse: Também tens que ir. Diz o marido que não queria e que o pai que o dispensasse. Ele disse: Não, tens que ir ver enforcar aquela mulher que comeu os filhos. Tens que ir. E ele não teve outro remédio e foi. Bem, depois de chegarem lá, dali a pedaço ela vinha entre o meio da tropa para vir para a forca. Começou a subir os degraus da forca, chegou ao último degrau da forca e olhou para ver o marido se estava ali entre o meio daquela multidão de gente, olhou. E nisto a

6 madrinha aparece. A madrinha apareceu-lhe, mas nem o rei nem ninguém a viu, só ela é que tinha o poder de a ver. A madrinha disse: Olha Maria, estás no último degrau da forca e eu livro-te aqui, do último degrau da forca. Tu diz-me o que é que viste naquele quarto que eu te disse que não fosses lá. Ela disse à madrinha que: Nada vi, nada sei, nada tenho para dizer. Diz ela assim: Então vais a enforcar, adeus. E assim que disse adeus, há um abalo muito grande e agora a forca fica em cheio em cima de um cais, armada em cima de um cais. E vê agora vir uma lancha para cá. O povo começou tudo a olhar porque ficaram abismados porque aquilo fez um abalo ali e ficou um cais formado. E vinha uma lancha de onde vinha a madrinha, o príncipe e três aias cada uma com a sua criança nos braços. E chegaram ao pé do rei e disseram: Cá está os seus netos, eu é que os levei ela não os comeu. Eu é que os levei! Mas se ela me diz o que é que tinha visto no quarto eu matava-a, porque eu fiquei desencantada agora e era debaixo de um segredo, ela aguentou este segredo sempre, desencantou-me. Portanto está aqui os seus porque eu já matei sete afilhadas, já tive sete e matei-as porque elas não guardavam um segredo e eu queria ser desencantada. Portanto, está aqui. E ela ficou livre da forca. 87; S. Jorge, lado A [informante masculino adulto] O informante aprendeu este conto com o seu avô. APFT(I) [A Menina e a Madrinha] Ca-Ch 710 A [ ] eram muito pobrinhos e, agora, já tinham vergonha de ir pedir quem fosse madrinha dos seus bebés, porque tinham muitos. E um belo dia a mulher teve um bebé e ele disse: - Ó mulher, quem é que eu agora vou convidar para padrinho e madrinha desta criança? Já temos tantos, já temos tanta família aqui metida juntamente com a gente. Essas nossas comadres e compadres são tantos! Disse ela: - Ó homem, não sei como é que vai ser... E ele: - Olha, não há nada. Eu vou pelo caminho para lá. O que encontrar, ou velho ou novo, é que há-de ser madrinha da nossa filha. E caminhou, foi. Bem, chegou-se lá muito longe e onde avista vir uma carroça a largar as rodas e uma velha, muito velha, mais um velho em cima da carroça, muito velhos, já a querer cair a baba já da boca, muito velhos e ele chega lá ao pé deles, diz: - Ó senhora, eu tenho um bebé em casa, uma menina, e queria-a baptizar, mas já tenho tantos filhinhos, que já me custa a convidar. A senhora, se quisesse, era madrinha, mais esse senhor, padrinho daquele bebé...

7 - Credo, pois sim, senhor. Que dia é que o senhor quer que ele seja baptizado? Disse: - Ó senhora, podia ser daqui a uns oito dias. - Pois quando o senhor espere por a gente. Ao fim de oito dias, a gente vai lá para baptizar o seu bebé. Ora, ele voltou para trás e foi dizer à mulher: - Ó mulher, tu não sabes! Eu convidei uns velhos para a nossa filha, para padrinhos, que eles metem nojo! Estão agora a deixar-se babar, já não têm dentes, a deixarem-se babar, com as caras muitos enrugadas, mas paciência, tinha que ser. E responde a mulher: - Ora, fica ela com a sua alminha... Quer dizer: a alminha já está, mas sempre fica... Não sei bem como é que se diz. A língua, agora, não chega. - Olha, pois já sei. Bem, ao fim dos oito dias eles vêm-se a aproximar para a casa um casal muito lindo, dentro da carroça, mas uma carroça boa e uns cavalos mais lindos, muito bem tratados. E ele disse: - Olha, vem aí um casal dentro daquela carroça, mas não devem ser os que são para padrinhos, porque não pode ser. Eles são muito perfeitos e eu convidei foi gente velha. E ela disse-lhe: - Ora, seja lá quem for. Eles se vierem à nossa porta, eles é que hão-de ser padrinhos. Chega o casal e bateu à porta e disse que era o dia de baptizado da menina, que estavam ali presentes. E eles trouxeram muita boda, uma boda muito forte para aquele dia. Bem, baptizaram a menina. Quando chegaram à casa do baptizado, estiveram a comer uma coisinha e disseram que o contrato que queriam fazer que era ao fim de sete anos ir buscar a menina para a sua casa. E eles disseram: - Ah, pois sim, senhora. Eu custa-me muito a apartar-me da minha filhinha, mas, para bem dela, deixo-a ir. Eles foram-se embora para o seu lugar, os velhos, e ela ficou mais a sua filhinha. Foi criando a filhinha, mas agora, por exemplo, a mãe foi-lhe ensinando a dizer: «Nada sei, nada vi, nada tenho para dizer». Ora, a filhinha foi aprendendo aquele estilo da mãe. Foi-se criando e, ao fim de sete anos, a madrinha veio buscá-la e levou-a agora para um lugar que... para entrarem no palácio ela viu a estrada, mas, depois de estar no palácio, não viu mais estrada. Era só o palácio e mais nada. Era só arvoredo e estava ali dentro. E só quem a servia era uma velha, mas tinha tudo quanto precisava: o comer pronto à hora de ela comer. Um belo dia, a madrinha chega e diz-lhe assim: - Olha, a madrinha vai a um lugar distante. Ficas aqui em casa sozinha, mas olha que não se vai àquele quarto. Olha bem. Ora, mas as crianças sempre são, às vezes, curiosas, até as mulheres, pessoas grandes. E ela disse assim: - Não, eu vou ver o que é que está naquele quarto. Abre a porta e vê um homem sentado numa cadeira, mas muito bem vestido, muito lindo, mas viu o homem e fechou a porta. Disse: - Está bem. Eu já sei o que é que está lá. Ora, a madrinha chegou a casa, foi ao tal quarto e essa criatura, esse homem, disse-lhe que ela tinha desobedecido, que tinha ido lá ao quarto. Ela vira-se para a afilhada e diz-lhe assim:

8 - Ó Maria, tu o que é que viste? - Ó madrinha, nada sei, nada vi, nada tenho para dizer. E ela disse-lhe: - Ó Maria, olha, se tu não me disseres o que viste naquele quarto, eu vou-te bater! - Ó madrinha, nada vi, nada sei, nada tenho para dizer. Ora, a madrinha todos os dias lhe perguntava o que é que ela tinha visto no quarto e ela dava sempre a mesma resposta. Um belo dia, a madrinha disse: - Não, tu, para teu castigo, vou-te deitar entre meio das silvas. Tu hás-de dizer o que é que viste. - Ó madrinha, a madrinha faça-me o mal que quiser, mas eu não posso dizer uma coisa que não sei! E a madrinha, para castigo dela, mete-a entre meio da silva, um monte de silvas. Ela ficou lá enterradinha na silva. Bem, havia lá um príncipe que vai caçar mais outros amigos e levava um cão de caça. E calhou a ir passar por pé desse silvado. Ora, o cão, assim que farejou gente no silvado e começa a farejar e a ladrar contra o silvado. O príncipe, que vê o jeito do cão, disse: - Não. Eu vou saber o que é que está ali entre o meio do silvado. Vê aquela menina, mas uma menina muito linda, e pega na menina e leva-a para o palácio. Ora, chegou lá, a menina, já se sabe, foi crescendo e, se ela era bonita, depois de crescer foi-se tornando sempre mais bonita. E o príncipe entusiasmou-se com ela e quis casar com ela. A mãe mais o rei não queriam, porque não sabiam de quem de que linhagem era aquela, não queriam que ele casasse nem por nada. Ele disse: - Não. O meu pai, se me quer ver feliz, é eu casando com aquela menina. E casou com a Maria. Ora, ao fim de meses de estar casado, [Maria] ficou agora à espera de bebé. E o príncipe tinha que ir a outro lugar qualquer em cata de negócios. E chegou lá, e enquanto ele foi lá em cata desses negócios, a mulherzinha teve uma menina. Ora, a madrinha, que soube que ela tinha uma menina e vem cá e furta-lhe a menina. E diz-lhe: - Olha, Maria, a madrinha leva a menina enquanto não me disseres o que é que viste naquele quarto. - Ó madrinha, a madrinha leva-me a menina, mas eu não posso dizer o que não sei. Nada vi, nada sei, nada tenho para dizer. Não sei de nada. - Bem, então levo a menina. Bem, a sogra vem cá dentro e não vê a menina. O que é que se lembra? - É ela que a comeu, mas ela está enganada, porque eu vou dizer ao meu filho e o meu filho vai-a mandar matar. Bem, o príncipe chega e vai ter com a mulher e não vê a menina. E a mãe dizlhe: - Estás enganado. É ela que a come. Ela é que come a menina, pois ninguém entra aqui no palácio. Foi ela que a comeu. E o príncipe disse: - Não, mãe. Eu não acredito que tenha sido a minha mulher que tenha comido a menina. Eu vou-me e de outra vez então que aconteça isso eu mando-a matar, mas por esta vez não.

9 Ora, calhou a ficar outra vez para bebé. E chegou-se a esse tempo próximo para ela o ter e ele sai do seu lugar. Por sorte, ela tem o bebé. A sogra vê o bebé muito lindo, que era um menino muito lindo, muito lindo e a sogra vai-se embora. E a madrinha chega e diz: - Maria, o que é que viste naquele quarto? - Madrinha, nada sei, nada vi, nada tenho para dizer. Ela disse: - Maria, tu diz-me o que é que viste no quarto senão eu levo-te o menino. - Ó madrinha, a madrinha leve, mas eu nada vi, nada sei, nada tenho para dizer. E a madrinha pegou nele, levou o menino. Ora, o príncipe chegou a casa e a mãe, antes de ele ir ver a mulher, a mãe fritou-o. Disse que ele não era bom, porque se fosse bom não tinha uma mulher que matava os filhos, que ela não era de boa raça. E começou a tratá-lo muito mal, ao filho. E o filho disse: - Não, a mãe escusa de estar a ver se me vira. Eu até à terceira vez de ela ter algum bebé, eu não a mato. Então, à terceira vez de ela ter o bebé e o comer, então eu mato-a, mando-a matar. Bem, chegou-se à terceira vez de ela ter o bebé e ele fora de casa. Não via o que se passava. Ela teve mais um menino, muito lindo, e a madrinha veio buscá-lo. Mas disse-lhe [antes]: - Maria, o que é que viste naquele quarto? - Madrinha, não vi nada. Nada sei, nada vi, nada tenho para dizer. Não lhe posso dizer nada. Disse [a madrinha]: - Olha, eu levo o teu menino e tu vais a morrer. - Deixá-lo, madrinha, mas eu não posso dizer o que não sei. O que sei é que ela, a madrinha levou-lhe o menino. Ora, isto já ao fim de dar os três anos. [A madrinha] já tinha os meninos. Já deviam de ter uns três anos quando isto aconteceu, o que lhe vou contar. Ela depois vai para a forca. O marido chega a casa e começa agora, já se sabe, que ela ia a morrer, porque tinha matado os seus filhos. Não queria uma mulher assim. E ela vai agora para a forca. Ela estava em cima da forca e quando avista vir um barquinho por mar, um barquinho, a chegar-se um barquinho para ela. E eles [os carrascos] já a quererem-lhe deitar a corda no pescoço para a enforcar. E ouve uma voz dizer: - Basta! Não lhe toquem! E o príncipe ficou assim desorientado para saber de onde é que vinha aquela voz e quando aparece a madrinha dela com os seus meninos no barco e disse: - Maria, não podes ir a morrer. Estão aqui os teus filhos. E eu vim buscar-te para ver se tu tinhas coragem de descobrir o que tinhas visto no quarto. Não tiveste coragem de descobrires. Devias ter morrido e não descobriste. Tu desencantaste-me a mim, desencantaste o teu padrinho, desencantaste todo aquele lugar. Ficas agora a viver com os teus filhos e com o teu marido. Sejam muito felizes. E eu vou terminar a minha vida mais o teu padrinho e nós todos lá naquela freguesia. E lá estão. 95A; S. Jorge, lado A [informante feminina adulta]

10 A informante diz que aprendeu este conto com a sua mãe.

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

O MENINO SEM OLHOS Consiglieri Pedroso

O MENINO SEM OLHOS Consiglieri Pedroso O Menino Sem Olhos, de Consiglieri Pedroso Fonte: Projeto Vercial Permitido o uso apenas para fins educacionais. Este material pode ser redistribuído livremente, desde

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE Lisboa 2014 A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE O MEU PAI SANGRA HISTÓRIA E AQUI COMEÇARAM OS MEUS PROBLEMAS Tradução de JOANA NEVES Fui visitar o meu pai a Rego Park. Há muito

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO. Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima

PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO. Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima PRIOR VELHO 12-05-2007 Cântico de Entrada: 1. A treze de Maio, na Cova da Iria, apareceu brilhando a Virgem Maria. Ave,

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Vai ao encontro! de quem mais precisa!

Vai ao encontro! de quem mais precisa! Vai ao encontro! 2ª feira, 05 de outubro: Dos mais pobres Bom dia meus amigos Este mês vamos tentar perceber como podemos ajudar os outros. Vocês já ouviram falar das muitas pessoas que estão a fugir dos

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

pinter 1/2/16 9:11 Página 11 O Quarto

pinter 1/2/16 9:11 Página 11 O Quarto pinter 1/2/16 9:11 Página 11 O Quarto The Room foi estreado pela primeira vez no Drama Studio da Universidade de Bristol em Maio de 1957, numa encenação de Duncan Ross e com interpretação de Claude Jenkins

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM

OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM Era o dia 22 de dezembro. O Natal aproximava-se e o Pai Natal estava muito atarefado a preparar os sacos com os brinquedos. Muito longe dali, em Portugal, um menino chamado João

Leia mais

O porco que veio no rio

O porco que veio no rio Ficha de transcrição / Esposende / O porco que veio no rio O porco que veio no rio Classificação: Episódio de vida Assunto: Numa época de grande escassez e dificuldade, uma mulher encontro um porco que

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

- Não me arrependo de nada. Quebrei o círculo. - Nem de ter assassinado uns cinco ou seis ou até mais, D. Eloisa?

- Não me arrependo de nada. Quebrei o círculo. - Nem de ter assassinado uns cinco ou seis ou até mais, D. Eloisa? A Quebra do Círculo Cristovam Buarque - Não me arrependo de nada. Quebrei o círculo. - Nem de ter assassinado uns cinco ou seis ou até mais, D. Eloisa? - Foi mais, e vou contar tudo. Mas não me arrependo.

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia,

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia, FICHA TÉCNICA Título: O Peixe Azul Autora: Margarida Fonseca Santos Copyright by Margarida Fonseca Santos e Editorial Presença, Lisboa, 2003 Capa: Lupa Design Danuta Wojciechowska Composição, impressão

Leia mais

A ovelhinha que veio para o jantar

A ovelhinha que veio para o jantar A ovelhinha que veio para o jantar Oh não! OUTRA VEZ sopa de legumes! queixou-se o lobo, que já era velhinho. Quem me dera ter uma ovelhinha aqui à mesa. Fazia já um belo ensopado de borrego! Eis senão

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm O LOBO E OS SETE CABRITINHOS Irmãos Grimm Era uma vez uma velha cabra que tinha sete cabritinhos, e os amava como as mães amam os filhos. Certo dia, ela teve de ir à floresta em busca de alimento e recomendou

Leia mais

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS Bom dia a todos. Preparados para mais um dia de aulas?! Muito bem! Hoje vamos falar como é importante dar comida a quem não

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

O príncipe rã. Cuaderrnillo de Actividades correspondiente a Maestra de Primaria N 0 65. curso

O príncipe rã. Cuaderrnillo de Actividades correspondiente a Maestra de Primaria N 0 65. curso O príncipe rã Há muitos anos vivia num majestoso castelo Amália, uma princesa muito bonita e divertida. Ela passava todas as tardes a brincar com o seu brinquedo preferido: uma bolinha de ouro maciço.

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

ANTES DE COMEÇAR ALMADA NEGREIROS PEÇA DE TEATRO. Esta obra respeita as regras. do Novo Acordo Ortográfico

ANTES DE COMEÇAR ALMADA NEGREIROS PEÇA DE TEATRO. Esta obra respeita as regras. do Novo Acordo Ortográfico ANTES DE COMEÇAR ALMADA NEGREIROS PEÇA DE TEATRO Esta obra respeita as regras do Novo Acordo Ortográfico A presente obra encontra-se sob domínio público ao abrigo do art.º 31 do Código do Direito de Autor

Leia mais

POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón. www.sisac.org.br POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón www.sisac.org.br "O texto bíblico escolhido está em Efésios 2:8-10: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras,

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 #93r Há uma grande semelhança entre a sequência dos acontecimentos do período da Tribulação, descritos no livro do Apocalipse, com relação a Mateus 24. Vamos hoje, analisar

Leia mais

Viagem de Santo António

Viagem de Santo António Ficha de transcrição / São Pedro do Sul / Viagem de Santo António Viagem de Santo António Classificação: Conto Assunto: No tempo das ceifas, em Manhouce, dois lavradores vão juntos colher o centeio confiando

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Autora: Tell Aragão Personagens: Cantor Apresentador Maluco Nino Nana Sapinho 1 Sapinho 2 Voz de locutor Cena 1 A cortina abre. As duas crianças estão na sala assistindo

Leia mais

GUIÃO DE RELAXAMENTO PARA CRIANÇAS

GUIÃO DE RELAXAMENTO PARA CRIANÇAS GUIÃO DE RELAXAMENTO PARA CRIANÇAS Sofia de Melo 2008 Regras para obter as melhores sensações e bem-estar com estes exercícios: Deves fazer exactamente aquilo que eu digo; Deves esforçar-te por fazer o

Leia mais

Areias 19 de Janeiro de 2005. Querida Mãezita

Areias 19 de Janeiro de 2005. Querida Mãezita Areias 19 de Janeiro de 2005 Querida Mãezita Escrevo-te esta carta para te dizer o quanto gosto de ti. Sem ti, eu não teria nascido, sem ti eu não seria ninguém. Mãe, adoro- -te. Tu és muito importante

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 5 Data: 21/10/2010 Hora: 11h00 Duração: 40:46 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Coluna África em Conto: "Mamedjane, um conto moçambicano"

Coluna África em Conto: Mamedjane, um conto moçambicano Coluna África em Conto: "Mamedjane, um conto moçambicano" por Por Dentro da África - domingo, fevereiro 22, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/coluna-africa-em-conto-mamedjane-um-conto-mocambicano-2

Leia mais

Análise de Conteúdo Entrevista nº 2 1

Análise de Conteúdo Entrevista nº 2 1 Análise de Conteúdo Entrevista nº 2 1 Dimensões Sub-dimensões D. Maria das Neves 2 A) Perfil Individual Características sócio-biográficas 80 anos Viúva Não frequentou a escola Católica não praticante Residente

Leia mais

FESTA DO PERDÃO. Igreja de S. José de S. Lázaro. 2º ano

FESTA DO PERDÃO. Igreja de S. José de S. Lázaro. 2º ano FESTA DO PERDÃO Igreja de S. José de S. Lázaro 2º ano 5 de Março de 2005 FESTA DO PERDÃO As crianças com o seu respectivo catequista estão sentadas nos bancos. Na procissão de entrada, o sacerdote segurando

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução Festa do Perdão Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste Cristo Jesus, tu me chamaste Eu te respondo: estou aqui! Tu me chamaste pelo meu nome Eu te respondo: estou aqui! Quero subir à montanha,

Leia mais

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro!

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro! Capítulo 3 N o meio do caminho tinha uma casa. A casa da Laila, uma menina danada de esperta. Se bem que, de vez em quando, Fredo e Dinho achavam que ela era bastante metida. Essas coisas que acontecem

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. Glauco Villas Boas. Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. Glauco Villas Boas. Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo Capítulo Um Você deve estar de saco cheio deles. Será que nunca vão parar de vir aqui? Tom O Connor, seu

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

O PROFETA ELISEU Lição 64. 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo.

O PROFETA ELISEU Lição 64. 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo. O PROFETA ELISEU Lição 64 1 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 2, 4, 5 (Base bíblica para a

Leia mais

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17 Capítulo 1 No qual o Mumintroll, o Farisco e o Sniff encontram o Chapéu do Papão; como aparecem inesperadamente cinco pe quenas nuvens e como o Hemulo arranja um novo passatempo. Numa manhã de primavera

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR ANO LETIVO 2012/2013 Era uma vez um peixinho azul muito pequenino, que nadava no fundo

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61. 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós.

O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61. 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós. O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61 1 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós. 2. Lição Bíblica: 1 Reis 11 a 14 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha um verde que saía da metade do casco e se espalhava manso até a beirada. Viviam dizendo que ela era lerda, preguiçosa até. É preciso reconhecer

Leia mais

ORAÇÃO. Hinário. Pad.Sebastião. www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1

ORAÇÃO. Hinário. Pad.Sebastião. www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1 ORAÇÃO Hinário Pad.Sebastião www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1 Abertura dos Trabalhos - Pai Nosso - Ave Maria - Chave de Harmonia - Despacho do SANTO DAIME - ORAÇÃO - Padrinho Sebastião -

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo]

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] [Visionamento das fotos] [Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] E- Então o que é que achaste das fotos? E7- Boas. Tá fixe. E- Faz-te lembrar coisas boas ou más? E7-

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09 BÃO OCÊ QUERIA O QUE, SALÁRIO PRESIDIARIO R$ 960,00 REAIS PROS BANDIDO, TRAFICANTE, ESTRUPADOR E ASSASINOS E UM PAI DE FAMILIA TRABALHADOR UM SALARIO MINIMO DE R$ 622,00 REAIS, AI JA É MAIS DA CONTA, ACHO

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

Nº34B 28º Domingo do Tempo Comum-11.10.2015 Partilhar o que temos

Nº34B 28º Domingo do Tempo Comum-11.10.2015 Partilhar o que temos Nº34B 28º Domingo do Tempo Comum-11.10.2015 Partilhar o que temos Ouvimos hoje, no Evangelho, Jesus dizer É mais fácil passar um camelo por um buraco de uma agulha, que um rico entrar no Reino dos Céus.

Leia mais

Bruto gravador, minha! Isso é para quê? Para um trabalho que queres fazer? Desculpa lá, mas tu já não tens assim muita idade para andares na escola.

Bruto gravador, minha! Isso é para quê? Para um trabalho que queres fazer? Desculpa lá, mas tu já não tens assim muita idade para andares na escola. CAPA 1 Bruto gravador, minha! Isso é para quê? Para um trabalho que queres fazer? Desculpa lá, mas tu já não tens assim muita idade para andares na escola. Para uma pesquisa? Uma tese? Usas palavras bué

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais