ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003"

Transcrição

1

2 ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003 Brasília - Brasil Julho 2004

3 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 09 2 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS Objetivo geral Objetivo específico Amostra Pesquisa de campo Tabulação e processamento dos dados 16 3 PERFIL DO TURISTA ESTRANGEIRO ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS 3.1 Sumário executivo Características de Viagem Motivo de viagem Tipo de alojamento utilizado Meio de comunicação que influenciou a decisão da viagem Hábito de viajar Forma de organização da viagem Freqüência de visita ao Brasil Nível de satisfação com a viagem Intenção de voltar ao Brasil Cidades mais visitadas Permanência média global Indicadores econômicos Gasto médio per capita dia Renda média per capita ano Perfil sócio-econômico Idade Grau de instrução Profissão Sumário 3

4 Estudo da Demanda Turística Internacional da infra-estrutura urbana, equipamentos e serviços Infra-estrutura urbana e turística Restaurantes Guias de turismo Informações Turísticas Rodovias 45 4 PERFIL DO TURISTA BRASILEIRO - ANÁLISE DOS RESULTADOS Sumário Executivo Informações Complementares 49 5 ANEXOS FICHAS SINTÉTICAS Perfil do turista estrangeiro - Síntese Brasil Perfil do turista estrangeiro Síntese dos principais emissores Argentina Estados Unidos Alemanha Paraguai Uruguai França Itália Portugal Inglaterra Chile Espanha Perfil do turista Síntese das cidades mais visitadas Rio de Janeiro São Paulo Salvador Fortaleza Recife 74 4

5 5.3.6 Foz do Iguaçu Búzios Porto Alegre Florianópolis Belo Horizonte Perfil do turista brasileiro Síntese emissivo 83 Sumário 5

6 APRESENTAÇÃO 1 Apresentação 7

7 A criação de uma base de dados gerenciais sobre o setor de turismo com o objetivo de orientar as políticas públicas e subsidiar a tomada de decisão da iniciativa privada se coloca entre os eixos estratégicos de ação do Instituto Brasileiro de Turismo EMBRATUR e se integra ao Macroprograma Sete, de Informação Turística. É um instrumento essencial para a geração de indicadores de avaliação do cumprimento das metas definidas pelo Plano Nacional de Turismo no período Assim, com o objetivo de enriquecer informações sobre as características da demanda turística internacional, a EMBRATUR realiza, anualmente, nos principais portões de entrada e de saída de turistas do País, a pesquisa sobre o turismo receptivo e emissivo internacional. Tal pesquisa busca identificar as principais motivações e interesses desses turistas, apontar as características de sua viagem, tais como, meio de hospedagem, gasto, permanência e cidades mais visitadas, além de revelar o perfil sócio-econômico desses turistas. Apresentação Em suma, com este estudo busca-se ampliar e atualizar a base de dados existente sobre o perfil da demanda turística internacional, oferecendo informações que contribuam para o melhor conhecimento do mercado turístico brasileiro e que, de alguma forma, contribuam para orientar a melhoria dos produtos e serviços colocados à disposição dos turistas. 9

8 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS 2 Apresentação Considerações Metodológicas 11

9 2.1 - Objetivo Geral Traçar o perfil do turista internacional em visita ao Brasil e do turista brasileiro em viagem ao exterior Objetivo Específico Identificar e analisar informações sobre o perfil do turista internacional (receptivo e emissivo) 1 relativas às seguintes variáveis: RECEPTIVO País de residência permanente; Motivações de viagem; Tipo de alojamento utilizado; Meio de comunicação que influenciou a decisão da visita; Hábito de viajar; Forma de organização da viagem; Freqüência de visita ao Brasil; Nível de satisfação; Intenção de voltar ao País; Cidades mais visitadas; Permanência média global; Gasto médio per capita dia (US$); Renda média per capita ano (US$); Apresentação Considerações Metodológicas 1 A definição de fluxo receptivo e emissivo é caracterizado pela residência permanente do visitante: o fluxo receptivo é composto por todo estrangeiro e brasileiros residentes no exterior em visita ao Brasil. Já o fluxo emissivo é composto por todo brasileiro e estrangeiro residente no Brasil em visita ao exterior. 13

10 Estudo da Demanda Turística Internacional Perfil sócio econômico dos turistas; dos atrativos, da infra-estrutura urbana e turística; da viagem de acordo com as expectativas do turista. EMISSIVO Países mais visitados; Estado de residência permanente Motivo de viagem; Tipo de alojamento utilizado; Hábito de viajar; Forma de organização da viagem; Viagem pelo Brasil nos últimos 12 meses; Viagem ao exterior; Permanência média global; Gasto médio per capita dia (US$); Renda média per capita mês (R$); Perfil sócio econômico; AMOSTRA O universo pesquisado foi constituído por turistas estrangeiros no momento de sua saída do país, e por brasileiros chegando do exterior. Para efeito da pesquisa foi utilizada a definição de turista da Organização Mundial de Turismo OMT que caracteriza como turistas as pessoas que viajam a lugares distintos do seu entorno habitual, aí 2 Recomendações da ONU e da OMT sobre Estatísticas do Turismo, 5 14

11 permanecendo pelo menos 24 horas ou um pernoite e no máximo um ano no local visitado, com fins de lazer, negócios e outros 2. Destaque-se que foi necessária adequação do conceito em relação ao período máximo de permanência estabelecido, por conta da legislação brasileira que estipula o prazo de visto de turista em até 90 dias. Observese ainda, que, de acordo com as recomendações da OMT, os brasileiros residentes no exterior foram considerados turistas. O modelo de amostragem utilizado foi o da amostra aleatória simples 3, tendo como variável dimensionante a renda do turista. Ou seja, partiu-se do pressuposto que a propensão a consumir está diretamente relacionada ao nível de renda das pessoas. Deste modo, tem-se a renda como principal fator determinante da realização de uma viagem. Para assegurar a representatividade e a confiabilidade do universo pesquisado adotou-se um erro relativo máximo de 5% com um nível de confiança de 95% que possibilita inferências estatísticas para o universo de turistas internacionais que entram e saem do País. Apresentação Considerações Metodológicas Com base nos parâmetros acima, o cálculo para dimensionar o tamanho da amostra baseou-se em dados sobre o fluxo de entrada e saída de turistas do país. Isso resultou em uma amostra de entrevistas para o turismo receptivo e de para o turismo emissivo. Note-se que, com o intuito de garantir a representatividade da amostra no que diz respeito às variações qualitativas provocadas pela sazonalidade da demanda turística, a aplicação do questionário foi realizada em duas épocas distintas, caracterizadas como alta (fevereiro) e baixa (setembro/outubro) estações de turismo. 3 Segundo esse método, cada elemento da população de turistas tem a mesma probabilidade de ser entrevistado e, portanto, de estar incluído na amostra, permitindo a realização de inferências representativas para o universo. 15

12 Estudo da Demanda Turística Internacional PESQUISA DE CAMPO O trabalho de campo foi realizado durante sete dias consecutivos, de forma a abranger todos os dias da semana, nos seguintes pontos de coleta: AEROPORTOS INTERNACIONAIS Antônio Carlos Jobim Rio de Janeiro RJ; Cumbica Guarulhos SP; Guararapes Recife PE; Luís Eduardo Magalhães Salvador BA; Val de Cans Belém PA; Confins Belo Horizonte MG; Pinto Martins Fortaleza CE; Salgado Filho Porto Alegre RS; Hercílio Luz Florianópolis SC. FRONTEIRAS TERRESTRES Sant Ana do Livramento, Uruguaiana e Chuí RS; Foz do Iguaçu (Ponte da Amizade e Tancredo Neves) PR TABULAÇÃO E PROCESSAMENTO DOS DADOS Após a coleta dos dados, todos os questionários foram submetidos a teste de consistência, isto é, todas as informações foram verificadas e criticadas pela equipe de supervisão para validação das entrevistas. 16 Na seqüência dos trabalhos de campo, os questionários aprovados foram digitados e tabulados de acordo com plano anteriormente definido para classificação e análise dos dados em diversos níveis de cruzamento.

13 Ressalte-se que a classificação dos principais países emissores, utilizada para vários cruzamentos, foi obtida por meio dos dados do Anuário Estatístico 2003, na seção referente ao fluxo de entrada de turistas estrangeiros no Brasil, conforme especificado a seguir: Argentina; Estados Unidos; Alemanha; Paraguai; Uruguai; França; Itália; Portugal; Inglaterra; Chile; Espanha. A lista das cidades mais visitadas é resultado da apuração das respostas dos entrevistados à questão Que cidades visitou no Brasil?. Note-se que esta relação independe do tempo de permanência em cada um dos destinos. Em ordem decrescente, as cidades mais visitadas foram: Rio de Janeiro RJ São Paulo SP Salvador BA Fortaleza CE Recife PE Foz do Iguaçu PR Búzios RJ Porto Alegre RS Florianópolis SC Belo Horizonte MG Apresentação Considerações Metodológicas 17

14 PERFIL DO TURISTA ESTRANGEIRO ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS 3 Apresentação Considerações Metodológicas 19

15 3.1 - SUMÁRIO EXECUTIVO A análise das informações coletadas junto aos turistas estrangeiros, durante a realização das duas etapas (alta e baixa estações de turismo) da pesquisa, permitem enumerar as principais características dos turistas estrangeiros em visita ao Brasil no ano de 2003: O lazer foi o principal motivo de viagem de mais da metade dos entrevistados (53,9%); Os hotéis ( 63,7%) foram o tipo de alojamento mais utilizado; 61,9% declararam ter sido influenciados por informações repassadas por amigos sobre o País; 45,1% viajaram acompanhados da família; 76,8% afirmaram não ter utilizado serviços de agências para organizar sua viagem; 67,1% responderam que haviam visitado o País anteriormente; 97,2% manifestaram seu desejo de retornar ao Brasil; A permanência média global apurada foi de 13,5 dias; US$ 87,99 foi o valor do gasto médio per capita dia; Mais de 90% declararam estar satisfeitos com a visita ao Brasil; A renda média per capita ano situou-se em US$ ,60; 48,8% concentraram-se na faixa etária de 28 a 45 anos; Mais de 70% declararam possuir nível de educação universitária; Os engenheiros (9,3%) destacaram-se como o principal grupo profissional entre os turistas que visitaram o Brasil; As maiores críticas dos turistas em relação à infra-estrutura básica e turística das cidades onde eles permaneceram mais tempo concentraram-se nas deficiências de sinalização turística (10,3%), limpeza pública (10,1%) e segurança pública (9,3%). Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados 21

16 3.2 - CARACTERÍSTICAS DA VIAGEM Motivo da Viagem Estudo da Demanda Turística Internacional A motivação Lazer manteve-se como principal razão da viagem de mais da metade dos turistas (53,9%), seguida da opção Negócios / Congressos e Convenções (26,0%) e de Visita a familiares / Amigos (17,1%). Os percentuais apurados para os demais motivos foram pouco significativos, situando-se em índices abaixo de 2%. Tabela 1 Motivo da viagem Motivo da Viagem Ano Lazer 77,6% 57,0% 55,5% 51,2% 53,9% Negócios / Congressos /Convenções 21,2% 27,9% 34,9% 28,3% 26,0% Visitar familiares / amigos (1) - 10,9% 10,6% 15,6% 17,1% Estudo / Ensino / Pesquisa (1) - 1,5% 1,1% 1,6% 1,1% Religião / Peregrinação (1) - 0,2% 0,1% 0,5% 0,5% Tratamento de saúde (1) - 1,5% 0,1% 0,3% 0,5% Outros 1,2% 1,0% 2,2% 2,5% 0,9% (1) Motivações incluídas na pesquisa a partir do ano Gráfico 1 Motivo de viagem 22

17 Os dados apurados para os principais países revela que a motivação Lazer foi responsável por mais de 60% das citações entre os procedentes da Argentina, Paraguai e Portugal. Note-se que a maior freqüência da motivação Negócios / Congressos / Convenções foi registrada entre os turistas vindos de Uruguai (42,6%), Chile (30,8%) e Estados Unidos (30,3%). Os alemães (31,6%) foram responsáveis pelo maior percentual de citação relativo à motivação Visitar familiares / Amigos. País de Residência Tabela 2 Motivo da viagem por país de residência Lazer Negócios / Congressos/ Convenção Motivo da Viagem Visitar Estudo / familiares Ensino / /Amigos Pesquisa Religião / Peregrinação Outros Argentina 65,0% 26,2% 7,7% 0,3% 0,1% 0,7% Chile 52,0% 30,8% 14,9% 1,7% 0,6% - Paraguai 78,9% 9,1% 8,0% 1,5% - 2,5% Uruguai 44,2% 42,6% 9,6% 2,9% - 0,7% Estados Unidos 41,1% 30,3% 25,9% 0,6% 0,9% 1,2% Alemanha 43,7% 21,8% 31,6% 1,4% 0,5% 1,0% Espanha 50,5% 24,5% 22,3% 0,5% - 2,2% França 57,4% 21,3% 18,3% 2,0% - 1,0% Inglaterra 56,1% 19,9% 19,1% 3,5% 1,4% - Itália 58,7% 14,1% 21,6% 1,1% 0,8% 3,7% Portugal 76,0% 12,5% 10,1% 0,7% - 0,7% Média global (1) 53,9% 26,0% 17,1% 1,1% 0,5% 1,4% (1) Média para todos os emissores pesquisados. Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados Tipo de alojamento utilizado O Hotel manteve-se como o tipo de alojamento mais utilizado pela maioria dos turistas em 2003, apesar da tendência decrescente registrada em seu uso a partir de Em contrapartida, observa-se o crescimento da utilização de Casa de amigos / Parentes, opção de hospedagem de 24% dos visitantes. 23

18 Estudo da Demanda Turística Internacional Tabela 3 Tipo de alojamento utilizado Tipo de alojamento utilizado Ano Hotel 73,5% 72,8% 69,8% 67,0% 63,7% Casa de amigos /Parentes 17,5% 16,9% 19,8% 22,3% 24,0% Apartamento/Casa alugada 7,4% 3,2% 6,6% 4,0% 5,1% Apartamento/Casa própria - 1,9% 1,9% 3,8% 5,4% Camping - 1,5% 0,2% 0,5% 0,6% Outros 1,6% 3,7% 1,7% 2,3% 1,2% Gráfico 2 Tipo de alojamento utilizado Analisando-se a distribuição do tipo de alojamento utilizado por país emissor verifica-se que, com percentuais acima de 70%, os argentinos e chilenos foram os visitantes que mais se utilizaram dos hotéis. O menor índice ficou entre os paraguaios (37,2%). 24

19 Tabela 4 Tipo de alojamento utilizado por país de residência País de Residência Hotel Casa de amigos / Parentes Tipo de alojamento Apartamento / Casa alugada Apartamento / Casa própria Camping Outro Argentina 73,3% 14,5% 6,9% 1,9% 1,8% 1,6% Chile 72,7% 19,9% 3,4% 0,6% 2,8% 0,6% Paraguai 37,2% 21,6% 29,1% 11,6% - 0,5% Uruguai 69,8% 19,9% 7,4% 2,2% - 0,7% Estados Unidos 54,9% 30,9% 3,3% 9,8% 0,3% 0,8% Alemanha 48,9% 37,4% 1,8% 8,7% 0,5% 2,7% Espanha 62,7% 27,0% 6,5% 2,2% 0,5% 1,1% França 60,6% 28,6% 4,4% 4,4% - 2,0% Inglaterra 59,6% 31,9% 0,7% 4,3% 0,7% 2,8% Itália 54,8% 30,5% 7,1% 6,8% - 0,8% Portugal 77,4% 17,4% 1,5% 3,3% - 0,4% Média global 63,7% 24,0% 5,1% 5,4% 0,6% 1,2% (1) Média para todos os emissores pesquisados. Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados Meio de comunicação que influenciou a decisão da viagem Mais de 60% dos turistas, em sua primeira visita ao País, apontaram a Informação de amigos como o principal fator de influência para escolher o Brasil como destino de sua viagem. Destaque-se o expressivo crescimento das citações obtidas na opção Internet, que atingiu 13,4%, seguida de Folders / Guias impressos, que se manteve estável em 11,8%. 25

20 Estudo da Demanda Turística Internacional Tabela 5 Meio de comunicação que influenciou a decisão da viagem Meio de Comunicação Ano Informação de amigos 45,0% 44,1% 47,4% 51,8% 61,9% Internet 5,6% 6,8% 3,1% 12,8% 13,4% Folders / Guias 16,1% 16,9% 6,2% 11,7% 11,8% Televisão 10,5% 13,6% 8,2% 5,5% 7,2% Revista 5,5% 5,1% 4,6% 4,3% 3,9% Jornal 2,7% 3,3% 2,6% 2,0% 1,5% Outros 14,6% 10,2% 27,9% 11,9% 0,3% As citações apuradas para Informações de Amigos variou entre 49,9% dos chilenos e 68,5% dos alemães. O índice de utilização de internet por argentinos, chilenos, americanos, alemães e italianos superou 14%. Tabela 6 Meio de comunicação que influenciou a decisão da viagem por país de residência País de Residência Informação de amigos Meio de comunicação Folders / Guias Internet Televisão Revista Outros impressos Argentina 55,0% 18,9% 14,4% 7,2% 3,6% 0,9% Chile 49,9% 19,4% 14,5% 9,7% 6,5% - Estados Unidos 67,1% 5,7% 14,0% 5,3% 6,4% 1,5% Alemanha 68,5% 8,1% 14,0% 4,7% 3,5% 1,2% Espanha 61,4% 17,1% 10,2% 5,7% 4,5% 1,1% França 67,1% 9,1% 13,6% 4,5% 3,4% 2,3% Inglaterra 67,5% 2,6% 5,2% 15,6% 7,8% 1,3% Itália 59,5% 12,5% 14,3% 7,7% 3,6% 2,4% Portugal 63,5% 16,0% 7,1% 9,6% 2,6% 1,2% Média Global (1) 61,9% 11,8% 13,4% 7,2% 3,9% 1,8% (1) Média para todos os emissores pesquisados.

21 3.2.4 Hábito de viajar Em relação ao hábito de viajar, percebe-se que grande parte dos turistas que estiveram no Brasil costumam viajar com a família (45,1%). Esse hábito pode estar possivelmente associado à motivação Lazer (53,9%) da maioria das viagens realizadas pelos estrangeiros que visitaram o País. Afirmaram viajar sozinho 27,1% dos turistas, enquanto 25,2% responderam que viajavam com amigos. Tabela 7 Hábito de viajar Hábito de viajar Ano Com amigos 17,3% 27,1% 27,6% 25,2% Com família 44,4% 41,9% 43,1% 45,1% Sozinho 34,2% 27,1% 26,4% 27,1% Outros 4,1% 6,2% 2,9% 2,6% Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados A análise da distribuição do hábito de viajar por país emissor revela que mais de 80% dos visitantes procedentes de Argentina e Uruguai viajavam com a família ou amigos. O maior percentual dos que viajavam sozinhos (37,9%) foi apurado entre os que vieram da França. 27

22 Estudo da Demanda Turística Internacional Tabela 8 Hábito de viajar por país emissor País de Residência Hábito de viajar Com família Com amigos Sozinho Outros Argentina 61,1% 20,7% 16,0% 2,2% Chile 49,2% 25,4% 21,2% 4,2% Paraguai 73,4% 15,3% 10,3% 1,0% Uruguai 61,9% 20,4% 16,3% 1,4% Estados Unidos 42,2% 20,5% 36,0% 1,3% Alemanha 43,5% 28,4% 25,0% 3,1% Espanha 36,6% 36,5% 25,4% 1,5% França 31,9% 27,2% 37,9% 3,0% Inglaterra 39,2% 34,3% 25,9% 0,6% Itália 29,6% 40,4% 28,9% 1,1% Portugal 49,4% 26,2% 17,7% 6,7% Média global (1) 45,1% 25,2% 27,1% 2,6% (1) Média para todos os emissores pesquisados Forma de organização da viagem Mais de 75% dos entrevistados afirmou viajar de maneira independente. O índice dos turistas que utilizaram serviços de agências de viagens para organizar sua viagem foi de 23,2%. Forma de Organização Não organizada por agência Tabela 9 Forma de organização Ano ,9% 64,8% 78,3% 77,0% 76,8% Organizada por agência 18,1% 35,2% 21,7% 23,0% 23,2% 28

23 Gráfico 3 Forma de organização da viagem A análise da utilização de agência de viagem por país emissor revela que os portugueses (44%) foram os turistas que mais organizaram viagens dessa forma, seguidos dos argentinos, com 34,3%, e dos chilenos, com 33,5%. Tabela 10 Utilização de agência de viagem por país emissor Emissores Ano Chile 26,8% 56,8% 23,5% 40,9% 33,5% Portugal 33,1% 73,2% 41,4% 39,4% 44,0% Argentina 19,7% 38,8% 24,4% 30,5% 34,3% França 9,9% 19,3% 13,8% 29,7% 18,7% Espanha 20,7% 48,3% 12,5% 25,0% 22,7% Inglaterra 16,3% 30,3% 18,3% 23,7% 17,0% Itália 13,8% 27,4% 17,4% 19,7% 15,6% Estados Unidos 13,9% 30,4% 14,1% 16,9% 16,4% Alemanha 6,0% 43,6% 18,9% 10,7% 12,8% Uruguai 32,2% 21,0% 25,7% 9,0% 18,4% Paraguai - 6,9% 4,6% 3,4% 6,5% Média Global (1) 18,1% 35,2% 21,7% 23,0% 23,2% (1) Média para todos os emissores pesquisados. Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados 29

24 3.2.6 Freqüência de visita ao Brasil Estudo da Demanda Turística Internacional A freqüência de visita ao Brasil é uma variável que mantém relativa estabilidade através dos anos, sendo que mais de 65% dos turistas entrevistados em 2003 declararam haver visitado o País anteriormente. Pode-se dizer que esse índice denota um considerável grau de fidelidade dos visitantes ao destino Brasil, favorecido talvez pela diversidade de produtos e serviços oferecidos, capaz de motivar mais de uma visita ao País. Frequência de visita Tabela 11 Freqüência de visita ao Brasil Ano Primeira Visita 36,7% 34,9% 35,2% 34,7% 32,9% Não era a primeira 63,3% 65,1% 64,8% 65,3% 67,1% Nível de satisfação com a viagem A maioria dos turistas (56,5%) respondeu que suas expectativas em relação à viagem feita ao Brasil foram plenamente atendidas, sendo que para 31,7% foram superadas. Apenas 2,2% disseram-se decepcionados. Ressalte-se a importância da avaliação positiva da viagem ao Brasil para a formação da imagem do País e para a atração de novos visitantes. Em especial, quando se lembra do peso da influência dos amigos para a decisão da viagem. 30

25 Nível de satisfação com a viagem Tabela 12 Nível de Satisfação com a viagem Ano Superou 17,2% 28,5% 31,0% 31,7% Atendeu plenamente 67,5% 59,8% 55,1% 56,6% Atendeu em parte 14,0% 10,2% 11,8% 9,6% Decepcionou 1,2% 1,6% 2,1% 2,2% Gráfico 4 Nível de Satisfação com a viagem Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados Intenção de voltar ao Brasil A quase totalidade dos turistas entrevistados (97,2%) manifestou sua intenção de voltar ao Brasil, sendo pouco significativo o número dos que manifestaram ao contrário. 31

26 Estudo da Demanda Turística Internacional Tabela 13 Intenção de voltar ao Brasil Opções Ano Voltar ao Brasil 91,9% 96,4% 97,1% 96,1% 97,2% Não voltar ao Brasil 2,1% 3,6% 2,9% 3,9% 2,8% Indecisos 6,0% Cidades mais visitadas O Rio de Janeiro (RJ) manteve, em 2003, o posto de cidade mais visitada pelos turistas estrangeiros (36,9%), seguido de São Paulo (SP), com 18,5%, Salvador (BA), com 15,8%, e Fortaleza (CE), com 8,5%. Destaque-se que o ranking das cidades mais visitadas, ao longo do período 1999 a 2003, apresenta pouca variação. Observe-se, contudo, o decréscimo na participação de Florianópolis (SC), como reflexo do desaquecimento da economia argentina, iniciado em 2001 e agravado em Esse país foi tradicionalmente o principal emissor de turistas para aquela cidade. Note-se, ainda, o crescimento contínuo da participação de Fortaleza (CE) entre essas cidades. 32 Tabela 14 Cidades mais visitadas Cidades Ano Rio de Janeiro RJ 32,5% 34,1% 28,8% 38,6% 36,9% São Paulo SP 13,7% 19,7% 17,0% 20,8% 18,5% Salvador BA 12,7% 13,5% 11,1% 12,8% 15,8% Fortaleza CE 4,7% 5,4% 5,6% 7,2% 8,5% Recife PE 6,4% 5,8% 7,3% 8,2% 7,5% Foz do Iguaçu PR 11,8% 12,9% 11,5% 9,3% 7,4% Búzios RJ 4,6% 4,0% 3,9% 3,6% 6,0% Porto Alegre RS 6,0% 5,9% 7,1% 7,9% 5,9% Florianópolis SC 17,7% 18,7% 15,8% 6,4% 5,3% Belo Horizonte MG 4,9% 6,6% 4,9% 3,7% 5,1%

27 Permanência média global A permanência média global dos turistas foi de 13,5 dias. Ressaltese que este cálculo engloba todo o período de permanência dos visitantes durante sua estada no Brasil, independentemente do meio de hospedagem utilizado, motivo de viagem ou locais visitados. Tabela 15 Permanência média Ano Permanência Média (dias) , , , , ,5 A permanência média entre os principais emissores variou entre 9,6 dias, dos uruguaios, e 19,4 dias, dos italianos. Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados Tabela 16 Permanência média por país emissor País de Residência Permanência média (dias) Argentina 9,8 Chile 10,6 Paraguai 12,0 Uruguai 9,6 Estados Unidos 11,9 Alemanha 19,3 Espanha 17,0 França 16,8 Inglaterra 16,9 Itália 19,4 Portugal 13,0 Média Global (1) 13,5 (1) Média para todos os emissores pesquisados. 33

28 Estudo da Demanda Turística Internacional Em relação ao motivo de viagem, apurou-se que os turistas que viajaram em função de Negócios / Congressos e Convenções permaneceram em média 9,7 dias, enquanto a estada dos que viajaram para Visitar amigos / Parentes situou-se em torno de 19 dias. Tabela 17 Permanência média por motivo de viagem Motivo da viagem Permanência média (dias) Negócios / Congressos / Convenções 9,7 Lazer 13,6 Visitar familiares / Amigos 19,2 Tratamento de saúde 22,0 Média Global (1) 13,5 (1) Média para todos os emissores pesquisados. A permanência média apurada entre os visitantes hospedados em hotéis foi de 6,2 dias. Já o período médio de estada dos que se hospedaram em casa de amigos e parentes foi 19 dias. Tabela 18 Permanência média global por tipo de alojamento Tipo de Alojamento Utilizado Permanência média (dias) Hotel 6,2 Casa de amigos / Parentes 19,1 Apartamento / Casa alugada 17,0 Apartamento / Casa própria 18,5 Camping 12,0 Outros 16,8 Média Global (1) 13,5 (1) Média para todos os emissores pesquisados. 34

29 3.3 - INDICADORES ECONÔMICOS Gasto médio per capita dia O gasto médio per capita dia dos turistas foi de US$ 87,99 e manteve a tendência de elevação iniciada em Tabela 19 Gasto médio per capita dia (US$) Ano Gasto médio per capita(us$) , , , , ,99 Dentre os maiores emissores de turistas para o Brasil o valor do gasto médio per capita dia apurado oscilou entre US$ 106,56, gasto pelos americanos, e US$ 48,32, pelos paraguaios. Os valores declarados pelos visitantes de outros países mantiveram-se em torno da média global de gastos de US$ 87,99. Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados Note-se que o gasto dos visitantes alemães, portugueses, franceses e italianos, apesar de perfazer valor inferior ao gasto médio global, apresentou variação positiva em relação ao ano de Destaquese, também, a recuperação do poder de compra dos argentinos, nosso principal país emissor, com valor superior à média. 35

30 Estudo da Demanda Turística Internacional Tabela 20 Gasto médio per capita dia por país emissor (US$) Maiores Emissores Ano Estados Unidos 115,57 122,35 125,72 106,08 106,56 Espanha 97,56 94,19 107,13 85,96 92,41 Chile 79,87 114,90 69,37 91,38 91,55 Argentina 60,51 69,44 63,96 85,24 90,46 Inglaterra 80,68 106,71 88,57 81,22 89,16 Portugal 84,99 79,01 88,71 75,25 81,24 Alemanha 77,03 85,73 85,11 56,01 80,09 França 101,16 66,07 73,16 72,06 75,15 Itália 93,72 77,19 95,43 74,21 75,10 Uruguai 67,26 80,84 73,68 85,62 72,18 Paraguai 50,94 36,02 41,10 68,41 48,32 Média Global (1) 79,08 84,38 81,21 86,17 87,99 (1) Média para todos os emissores pesquisados. Considerando-se o motivo de viagem e os maiores volumes de gasto médio per capita dia, apurou-se que os visitantes que vieram tratar da saúde (US$ 120) foram os que registraram maior gasto médio. Os turistas de negócios, congressos e convenções tiveram US$ 106,46. As menores cifras foram encontradas entre os que vieram visitar parentes e amigos (US$ 61,10). 36 Tabela 21 Gasto médio per capita dia por motivo de viagem (US$) Motivo da viagem Gasto médio per capita dia(us$) Negócios / Congressos /Convenções 106,46 Lazer 84,63 Visitar familiares / Amigos 61,10 Tratamento de saúde 120,00 Média Global (1) 87,99 (1) Média para todos os emissores pesquisados.

31 O maior gasto per capita dia foi apurado entre os turistas que se hospedaram em hotel e atingiu a cifra de US$ 107,35. Os visitantes hospedados em imóveis alugados foram os que menos gastaram US$ 51,03. Tabela 22 Gasto médio per capita dia por tipo de alojamento (US$) Tipo de alojamento utilizado Gasto médio per capita dia(us$) Hotel 107,35 Casa de amigos / Parentes 58,58 Apartamento / Casa alugada 51,03 Apartamento / Casa própria 76,74 Outros 78,89 Média Global (1) 87,99 (1) Média para todos os emissores pesquisados Renda média per capita ano A renda média individual atingiu o valor de US$ ,60. Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados Tabela 23 Renda média per capita/ano (US$) Ano Renda média per capita/ano (US$) , , , , ,60 Entre os principais emissores, o maior nível de renda individual foi apurado entre os turistas procedentes dos Estados Unidos (US$ ,31) e da Inglaterra (US$ ). Próximos da média global, agruparam-se os alemães e espanhóis. Os residentes na Argentina, Paraguai e Chile registraram as menores rendas. 37

32 Estudo da Demanda Turística Internacional Tabela 24 Renda média per capita ano por país emissor (US$) Países Emissores Ano Estados Unidos , , , , ,31 Inglaterra , , , , ,06 Alemanha , , , , ,91 Espanha , , , , ,86 França , , , , ,80 Itália , , , , ,38 Portugal , , , , ,06 Uruguai , , , , ,00 Chile , , , , ,92 Paraguai , , , , ,94 Argentina , , , , ,05 Média Global (1) , , , , ,03 (1) Média para todos os emissores pesquisados. Analisando-se a renda associada a motivo de viagem observa-se que a maior renda média anual individual (US$ ,80) foi observada entre os estrangeiros que vieram a Negócios / Congressos e Convenções. Em seguida, apareceram os que vieram para Tratamento de saúde. A menor renda foi apurada entre os que viajaram por motivo de Estudo / Ensino / Pesquisa. 38 Tabela 25 Renda média per capita ano por motivo de viagem Motivo da viagem Renda média per capita ano (US$) Negócios / Congressos / Convenções ,80 Lazer ,90 Visitar familiares / Amigos ,81 Tratamento de Saúde ,20 Religião / Peregrinação ,60 Estudo / Ensino / Pesquisa ,00 Média Global (1) ,60 (1) Média para todos os emissores pesquisados.

33 Os visitantes hospedados em imóvel próprio, seguido dos hospedados em hotéis, apresentam o maior nível de renda na distribuição dos visitantes por tipo de alojamentos. Tabela 26 Renda média per capita ano por tipo de alojamento Tipo de alojamento utilizado Renda média per capita ano (US$) Hotel ,00 Casa de amigos / Parentes ,01 Apartamento / Casa alugada ,60 Apartamento / Casa própria ,86 Outros ,31 Média Global (1) ,60 (1) Média para todos os emissores pesquisados PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO Idade A faixa etária entre 28 a 45 anos (48,8%) concentrou o maior volume de turistas estrangeiros, seguida da faixa entre 46 a 65 anos, com 29,7% do total dos visitantes entrevistados. Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados Tabela 27 Idade Idade Ano De 18 a 27 anos 12,2% 15,7% 17,2% 17,4% De 28 a 45 anos 41,6% 47,5% 47,8% 48,8% De 46 a 65 anos 38,2% 33,0% 30,9% 29,7% 66 anos e mais 8,0% 3,8% 4,1% 4,1% Nota: A questão foi inserida no questionário somente no ano de

34 3.4.2 Grau de instrução Estudo da Demanda Turística Internacional Mais de 70% dos turistas declararam possuir nível de escolaridade superior. Tabela 28 Grau de instrução Grau de instrução Ano Fundamental 3,3% 4,7% 3,9% 2,6% Médio 21,7% 29,1% 26,7% 25,1% Superior 75,0% 66,2% 69,4% 72,3% Nota: A questão foi inserida no questionário somente no ano de 2000 Gráfico 5 Grau de instrução Profissão Uma grande diversidade profissional caracteriza o perfil dos turistas. Destacam-se entre os grupos profissionais os engenheiros (9,3%), ao qual se agregam outros profissionais liberais como os professores (5,3%), administradores (4,2%), médicos (2,7%) e advogados (2,4%). Ressaltese, ainda, o percentual de 7% alcançado pela classe dos estudantes. 40

35 Tabela 29 Profissão Profissão Ano Engenheiro 9,1% 11,6% 10,2% 9,6% 9,3% Estudante 5,6% 5,8% 6,1% 6,1% 7,0% Comerciante 11,5% 9,7% 10,4% 5,5% 6,6% Professor 6,0% 5,5% 5,6% 4,4% 5,3% Empresário 5,3% 6,3% 4,7% 6,3% 4,9% Administrador 3,4% 4,4% 3,3% 4,0% 4,2% Aposentado/ Pensionista 3,8% 7,7% 2,4% 4,6% 4,1% Prendas do Lar 3,4% 4,4% 1,4% 2,2% 3,5% Médico 3,9% 5,0% 3,8% 2,5% 2,7% Advogado 2,7% 2,1% 2,3% 2,1% 2,4% Funcionário Público 4,7% 5,0% 2,5% 3,1% 2,0% Vendedor 2,4% 2,8% 2,6% 2,3% 2,0% Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados 3.5 AVALIAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA URBANA, EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS Para se conhecer o grau de satisfação dos turistas em relação a aspectos relativos a infra-estrutura urbana, equipamentos e serviços turísticos foi avaliada a opinião dos visitantes sobre as cidades onde eles permaneceram mais tempo Infra-estrutura urbana e turística A avaliação dos turistas em relação à infra-estrutura urbana e turística das cidades onde eles permaneceram mais tempo foi positiva, uma vez que o somatório dos conceitos Excelente e Bom para cada item atingiu sempre índices superiores a 50%. 41

36 Estudo da Demanda Turística Internacional Gráfico 6 da infra-estrutura urbana e turística Contudo, os índices apurados para o conceito Ruim mostram que o maior grau de insatisfação dos turistas concentrou-se nos itens Sinalização turística (10,3), Limpeza pública (10,1%) e Segurança pública (9,3%), reconhecidas deficiências de muitas cidades brasileiras. Tabela 30 Crítica dos turistas Itens Avaliados Sinalização turística 15,8% 8,3% 10,3% Limpeza pública 12,1% 10,2% 10,1% Segurança pública 9,0% 10,3% 9,3% Comunicações 10,5% 7,4% 8,6% Transporte urbano 7,7% 5,1% 7,9% Táxi 5,8% 4,2% 5,0% Diversões noturnas 3,2% 2,7% 3,4% (1) Percentual apurado para o conceito Ruim 42

37 O somatório dos conceitos Excelente e Bom, apurados na avaliação dos aspectos relativos à hospedagem, atingiu percentual acima de 85%, o que mostra a satisfação dos turistas com os padrões de atendimento, higiene e limpeza e preços praticados. Note-se, contudo, que o item preço recebeu a mais baixa avaliação dos visitantes, totalizando 13% para os conceitos Regular e Ruim. Gráfico 7 dos meios de hospedagem Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados Restaurantes No caso dos restaurantes, a melhor avaliação foi verificada para Comida Típica, tradicional argumento de venda de vários destinos brasileiros. O maior índice de reprovação apurado no somatório dos conceitos Regular e Ruim foi direcionado para os itens Preço (17%), Higiene / Limpeza (13%). 43

38 Estudo da Demanda Turística Internacional Gráfico 8 dos restaurantes brasileiros Guias de Turismo A maioria dos turistas avaliou como Excelente ou Boa a qualidade do atendimento e a pontualidade dos guias de turismo, totalizando índice próximo a 90% no somatório desses conceitos. A pontualidade no cumprimento do itinerário (10%) foi a principal queixa dos visitantes. Gráfico 9 Gráfico 10 44

39 3.5.4 Informações Turísticas Apesar da maioria dos turistas mostrar-se satisfeita (+80%) com a existência e a precisão das informações, observa-se que o maior índice de reprovação foi direcionado para disponibilidade da informação (17%) procurada. Gráfico 11 Gráfico Rodovias A maioria dos entrevistados que deixou o Brasil por via terrestre classificou as rodovias como boas. O índice mais alto de reprovação observado para o conceito Ruim foi dirigido para a conservação das estradas. Perfil do Apresentação Turista Estrangeiro - Análise dos Principais Resultados Gráfico 13 das rodovias 45

40 PERFIL DO TURISTA BRASILEIRO ANÁLISE DOS RESULTADOS 4 Perfil Apresentação do Turista Brasileiro - Análise dos Resultados 47

41 4.1 - SUMÁRIO EXECUTIVO A análise das informações coletadas junto aos turistas brasileiros, durante a realização das duas etapas (alta e baixa estações) da pesquisa, permitem enumerar as principais características dos turistas brasileiros em visita ao exterior. Os Estados Unidos apareceram como o destino de viagem preferido de 32% dos brasileiros entrevistados; São Paulo (32,4%), Rio de Janeiro (20,2%) e Rio Grande do Sul (11,2%) detém o posto de principais mercados emissores; Lazer foi o principal motivo de viagem de mais de 40%; A maioria dos turistas (57,8%) optou pela hospedagem em hotel durante sua viagem; Mais de 40% viajaram acompanhados da família ; 64,7% afirmaram não ter contado com o auxílio de agência de viagem; Cerca de 70% dos turistas já haviam viajado pelo Brasil nos últimos doze meses que precederam a pesquisa; A permanência média global foi de 15,1 dias; O gasto médio per capita dia foi de US$ 90,90; A renda média per capita mensal situou-se em R$ 4.896,57; A faixa etária entre 28 e 45 anos (44,8%) concentrou o maior volume de turistas brasileiros; Mais de 75% declararam possuir nível de educação universitária; Perfil Apresentação do Turista Brasileiro - Análise dos Resultados 4.2 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Os cruzamentos de variáveis de caracterização da viagem (motivo de viagem e tipo de alojamento) com indicadores econômicos permitem conhecer com mais detalhes o perfil do turista brasileiro em viagem ao exterior: 49

42 Estudo da Demanda Turística Internacional Tabela 31 Motivo da viagem por permanência, gasto e renda Motivo da viagem Permanência média (dias) Gasto médio per capita dia (US$) Renda média per capita mês (R$) Lazer 15,4 87, ,29 Negócios/Congressos Convenções 11,8 117, ,92 Visitar familiares 20,6 47, ,32 Religião/Peregrinação 18,9 51, ,67 Estudo/Ensino 23,2 62, ,06 Tratamento Saúde 12,6 85, ,00 Outros 14,0 108, ,62 Média Global 15,1 90, ,57 Tabela 32 Tipo de alojamento utilizado por permanência, gasto e renda Tipo de alojamento utilizado Permanência média (dias) Gasto médio per capita dia (US$) Renda média per capita mês (R$) Hotel 12,5 114, ,83 Apartamento / casa de amigos 19,9 55, ,10 Apartamento / casa própria 22,0 60, ,62 Apartamento / casa alugada 24,9 52, ,55 Camping 13,0 87, ,09 Outros 18,0 62, ,46 Média Global 15,1 90, ,57 A série com a síntese do perfil do turista brasileiro em viagem ao exterior, entre 2001 e 2003, possibilita acompanhar o comportamento do turismo emissivo no período: 50

43 Tabela 33 Síntese do perfil do turista brasileiro a 2003 Perfil Países mais visitados Ano Estados Unidos 34,0% 33,1% 32,0% França 11,1% 7,3% 7,3% Espanha 10,5% 5,7% 6,3% Alemanha 10,5% 6,1% 4,5% Argentina 9,6% 5,7% 6,8% Portugal 8,2% 4,8% 7,3% Itália 6,4% 5,0% 6,8% Inglaterra 6,2% 3,2% 3,0% Motivo da viagem Lazer 38,7% 37,9% 40,7% Negócios / Congressos / Convenções 39,9% 41,2% 34,2% Visitar Familiares / amigos 13,5% 12,2% 16,0% Forma de organização da viagem Não organizada por agência 66,7% 62,9% 64,7% Organizada por agência 33,3% 37,1% 35,3% Hospedagem utilizada no exterior Hotel 62,8% 65,8% 57,8% Casa de amigos/parentes 27,5% 25,7% 32,0% Permanência (dias) 15,6 14,7 15,1 Gasto Médio Per Capita Dia (US$) 89, ,90 Anexos Apresentação - Fichas Sintéticas 51

44 ANEXOS - FICHAS SINTÉTICAS 5 Anexos Apresentação - Fichas Sintéticas 53

45 PERFIL DO TURISTA ESTRANGEIRO SÍNTESE BRASIL 5.1 Anexos Apresentação - Fichas Sintéticas 55

46 SÍNTESE BRASIL 2003 Estudo da Demanda Turística Internacional CARACTERÍSTICAS DA VIAGEM Motivo da viagem (%) Lazer 53,9 Negócios / Congressos / Convenções 26,0 Visitar familiares / Amigos 17,1 Estudo / Ensino / Pesquisa 1,1 Tratamento de saúde 0,5 Religião / Peregrinação 0,5 Outros 0,9 Tipo de alojamento utilizado (%) Hotel 63,7 Casa de amigos / Parentes 24,0 Apartamento / Casa alugada 5,1 Apartamento / Casa própria 5,4 Camping 0,6 Outros locais 1,2 O que influenciou a decisão da visita (%)* Informação de amigos 61,9 Internet 13,4 Folders / Guias 11,8 Televisão 7,2 Revista 3,9 Jornal 1,5 Outros meios de comunicação 0,3 Hábito de viajar (%) Sozinho 27,1 Com a família 45,1 Com amigos 25,2 Outros 2,6 Forma de organização da viagem (%) Não organizada por agência 76,8 Organizada por agência 23,2 Freqüência da visita ao Brasil (%) Não era a primeira vez 67,1 Era a primeira vez 32,9 Nível de satisfação com a viagem (%) Superou 31,7 Atendeu plenamente 56,5 Atendeu em parte 9,6 Decepcionou 2,2 Intenção de voltar ao Brasil (%) Pretendiam voltar ao Brasil 97,2 Não pretendiam voltar ao Brasil 2,8 Cidades mais visitadas (%) Rio de Janeiro RJ 36,9 São Paulo SP 18,5 Salvador BA 15,8 Fortaleza CE 8,5 Recife PE 7,5 Foz do Iguaçu PR 7,4 Búzios RJ 6,0 Porto Alegre RS 5,9 Florianópolis SC 5,3 Belo Horizonte MG 5,1 Permanência média no país (dias) 13,5 INDICADORES ECONÔMICOS Gasto médio per capita dia (US$) 87,99 Renda média per capita ano (US$) ,60 * 1ª viagem PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO Idade (%) De 18 a 27 anos 17,4 De 28 a 45 anos 48,8 De 45 a 65 anos 29,7 66 anos e mais 4,1 Grau de instrução (%) Fundamental 2,6 Médio 25,1 Superior 72,3 Profissão (%) Engenheiro 9,3 Estudante 7,0 Comerciante 6,6 Professor 5,3 Empresário 4,9 Administrador 4,2 Aposentado / Pensionista 4,1 AVALIAÇÃO INFRA-ESTRUTURA URBANA, EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS Serviços de hotel (%) Higiene / Limpeza Atendimento Preço Excelente 42,7 43,9 31,1 Bom 48,9 48,7 55,6 Regular 7,0 6,1 11,2 Ruim 1,4 1,3 2,1 Restaurantes Higiene/ Qualidade Comida Atendimento Preço Limpeza da comida típica Excelente 25,5 33,5 35,8 32,4 44,0 Bom 62,2 58,3 56,2 51,3 50,4 Regular 10,7 7,1 7,3 13,6 4,9 Ruim 1,6 1,1 0,7 2,7 0,7 Informações turísticas Existência da informação Precisão da informação Excelente 28,1 29,2 Bom 55,7 55,3 Regular 12,6 11,3 Ruim 3,6 4,2 Guias de turismo Atendimento Pontualidade no cumprimento do itinerário Excelente 42,8 42,7 Bom 49,9 47,3 Regular 5,3 7,0 Ruim 2,0 3,0 Rodovias Conservação Sinalização Postos de serviço de apoio Excelente 26,2 27,1 27,2 Bom 57,0 59,0 56,3 Regular 9,7 10,8 14,9 Ruim 7,1 3,1 1,6 Maiores críticas dos turistas (%) Sinalização turística 10,3 Limpeza pública 10,1 Segurança pública 9,3 Comunicações 8,6 Transporte urbano 7,9 Táxi 5,0 Diversões noturnas 3,4

47 PERFIL DO TURISTA SÍNTESE PRINCIPAIS PAÍSES EMISSORES 5.2 Anexos Apresentação - Fichas Sintéticas 57

48 ARGENTINA Estudo da Demanda Turística Internacional CARACTERÍSTICAS DA VIAGEM Motivo da viagem (%) Lazer 65,0 Negócios / Congressos / Convenções 26,2 Visitar familiares / amigos 7,7 Estudo / Ensino 0,3 Religião / Peregrinação 0,1 Tratamento de saúde 0,1 Outro 0,6 Tipo de alojamento utilizado (%) Hotel 73,3 Casa de amigos / Parentes 14,5 Apartamento / Casa alugada 6,9 Apartamento / Casa própria 1,9 Camping 1,8 Outro 1,6 O que influenciou a decisão da visita(%)* Informação de amigos 55,0 Folders / Guias 18,9 Internet 14,4 Televisão 7,2 Revista 3,6 Jornal 0,9 Hábito de viajar (%) Com a família 61,1 Com amigos 20,7 Sozinho 16,0 Outros 2,2 Forma de organização da viagem (%) Não organizada por agência 65,7 Organizada por agência 34,3 Freqüência da visita ao Brasil (%) Não era a primeira vez 87,0 Era a primeira vez 13,0 Nível de satisfação com a viagem (%) Superou 29,8 Atendeu plenamente 60,1 Atendeu em parte 9,5 Decepcionou 0,6 Intenção de voltar ao Brasil (%) Pretendiam voltar ao Brasil 98,2 Não pretendiam voltar ao Brasil 1,8 Cidades mais visitadas (%) Rio de Janeiro RJ 24,4 Búzios RJ 16,9 São Paulo SP 12,8 Florianópolis SC 12,2 Porto Alegre RS 8,1 Balneário Camboriú SC 7,6 Foz do Iguaçu PR 7,0 Salvador BA 3,9 Angra dos Reis RJ 3,1 Permanência média no país (dias) 9,82 INDICADORES ECONÔMICOS Gasto médio per capita dia (US$) 90,46 Renda média per capita ano (US$) ,05 * 1ª viagem PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO Idade (%) De 18 a 27 anos 15,1 De 28 a 45 anos 45,9 De 46 a 65 anos 34,5 66 anos e mais 4,5 Grau de instrução (%) Fundamental 1,0 Médio 20,5 Superior 78,5 Profissão (%) Comerciante 11,0 Engenheiro 10,6 Estudante 6,9 Professor 6,9 Empresário 5,1 Aposentado / Pensionista 4,1 Contador 3,7 Médico 3,5 AVALIAÇÃO INFRA-ESTRUTURA URBANA Maiores críticas dos turistas (%) Táxi 11,3 Comunicações 8,0 Transporte urbano 4,5 Sinalização turística 3,8 Limpeza pública 3,7 Diversões noturnas 2,7 Segurança pública 2,6

49 ESTADOS UNIDOS CARACTERÍSTICAS DA VIAGEM Motivo da viagem (%) Lazer 41,1 Negócios / Congressos / Convenções 30,3 Visitar familiares / Amigos 25,9 Tratamento de saúde 1,0 Religião / Peregrinação 0,9 Estudo / Ensino 0,6 Outro 0,2 Tipo de alojamento utilizado (%) Hotel 54,9 Casa de amigos / Parentes 30,9 Apartamento / Casa própria 9,8 Apartamento / Casa alugada 3,3 Camping 0,3 Outros 0,8 O que influenciou a decisão da visita(%)* Informação de amigos 67,1 Internet 14,0 Revista 6,4 Folders / Guias 5,7 Televisão 5,3 Jornal 1,5 Hábito de viajar (%) Com a família 42,2 Sozinho 36,0 Com amigos 20,5 Outros 1,3 Forma de organização da viagem (%) Não organizada por agência 83,6 Organizada por agência 16,4 Freqüência da visita ao Brasil (%) Não era a primeira vez 67,8 Era a primeira vez 32,2 Nível de satisfação com a viagem (%) Superou 35,9 Atendeu plenamente 52,1 Atendeu em parte 8,3 Decepcionou 3,7 Intenção de voltar ao Brasil (%) Pretendiam voltar ao Brasil 96,9 Não pretendiam voltar ao Brasil 3,1 Cidades mais visitadas (%) Rio de Janeiro RJ 56,3 São Paulo SP 29,4 Belo Horizonte MG 10,9 Salvador BA 6,6 Búzios RJ 5,1 Foz do Iguaçu PR 4,7 Porto Alegre RS 4,4 Permanência média no país (dias) 11,90 INDICADORES ECONÔMICOS Gasto médio per capita dia (US$) 106,56 Renda média per capita ano (US$) ,31 * 1ª viagem PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO Idade (%) De 18 a 27 anos 13,2 De 28 a 45 anos 48,1 De 46 a 65 anos 32,5 66 anos e mais 6,2 Grau de instrução (%) Fundamental 1,5 Médio 17,2 Superior 81,3 Profissão (%) Engenheiro 8,1 Aposentado / Pensionista 6,6 Administrador 5,4 Estudante 4,0 Dona de Casa 3,9 Professor 3,5 Advogado 3,4 AVALIAÇÃO INFRA-ESTRUTURA URBANA Maiores críticas dos turistas (%) Segurança pública 15,7 Sinalização turística 12,7 Limpeza pública 10,8 Transporte 10,0 Comunicações 9,3 Táxi 3,1 Diversões Noturnas 2,6 Anexos Apresentação - Fichas Sintéticas 59

50 ALEMANHA Estudo da Demanda Turística Internacional CARACTERÍSTICAS DA VIAGEM Motivo da viagem (%) Lazer 43,7 Visitar familiares / Amigos 31,6 Negócios / Congressos / Convenções 21,8 Estudo / Ensino 1,4 Tratamento de saúde 0,5 Religião 0,5 Outro 0,5 Tipo de alojamento utilizado (%) Hotel 48,9 Casa de amigos / Parentes 37,4 Apartamento / Casa própria 8,7 Apartamento / Casa alugada 1,8 Camping 0,5 Outros 2,7 O que influenciou a decisão da visita(%)* Informação de amigos 68,5 Internet 14,0 Folders / Guias 8,1 Televisão 4,7 Revista 3,5 Outros 1,2 Hábito de viajar (%) Sozinho 25,0 Com a família 43,5 Com amigos 28,4 Outros 3,1 Forma de organização da viagem (%) Não organizada por agência 87,2 Organizada por agência 12,8 Freqüência da visita ao Brasil (%) Não era a primeira vez 62,8 Era a primeira vez 37,2 Nível de satisfação com a viagem (%) Superou 27,9 Atendeu plenamente 60,5 Atendeu em parte 7,4 Decepcionou 4,2 Intenção de voltar ao Brasil (%) Pretendiam voltar ao Brasil 98,6 Não pretendiam voltar ao Brasil 1,4 Cidades mais visitadas (%) Rio de Janeiro RJ 37,0 Salvador BA 28,8 Foz do Iguaçu PR 14,6 São Paulo SP 12,8 Recife PE 12,3 Porto Alegre RS 9,6 Fortaleza CE 8,2 Florianópolis SC 7,8 Permanência média no país (dias) 19,28 INDICADORES ECONÔMICOS Gasto médio per capita dia (US$) 80,09 Renda média per capita ano (US$) ,91 * 1ª viagem PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO Grau de instrução (%) Fundamental 7,8 Médio 23,4 Superior 68,8 Idade (%) De 18 a 27 anos 21,5 De 28 a 45 anos 49,7 De 46 a 65 anos 25,6 66 anos e mais 3,2 Profissão (%) Estudante 13,9 Engenheiro 13,4 Professor 8,3 Dona de Casa 6,5 Médico 3,7 Administrador 3,7 AVALIAÇÃO INFRA-ESTRUTURA URBANA Maiores críticas dos turistas (%) Sinalização turística 17,1 Limpeza pública 10,6 Segurança pública 9,6 Comunicações 9,4 Transporte urbano 7,1 Táxi 3,0

51 PARAGUAI CARACTERÍSTICAS DA VIAGEM Motivo da viagem (%) Lazer 78,9 Negócios / Congressos / Convenções 9,1 Visitar familiares / Amigos 8,0 Tratamento de saúde 1,5 Estudo / Ensino 1,5 Outro 1,0 Tipo de alojamento utilizado (%) Hotel 37,2 Apartamento / Casa alugada 29,1 Casa de amigos / Parentes 21,6 Apartamento / Casa própria 11,6 Outros 0,5 O que influenciou a decisão da visita(%)* Informação de amigos 70,0 Folders / Guias 30,0 Hábito de viajar (%) Com a família 73,4 Com amigos 15,3 Sozinho 10,3 Outros 1,0 Forma de organização da viagem (%) Não organizada por agência 93,5 Organizada por agência 6,5 Freqüência da visita ao Brasil (%) Não era a primeira vez 94,4 Era a primeira vez 5,6 Nível de satisfação com a viagem (%) Superou 34,5 Atendeu plenamente 61,9 Atendeu em parte 2,6 Decepcionou 1,0 Intenção de voltar ao Brasil (%) Pretendiam voltar ao Brasil 100,0 Não pretendiam voltar ao Brasil 0 Cidades mais visitadas (%) Balneário de Camboriú SC 34,7 Florianópolis SC 16,1 São Paulo SP 15,1 Rio de Janeiro RJ 7,5 Bombinhas SC 6,5 Itapema SC 6,0 Curitiba PR 6,0 Permanência média no país (dias) 11,98 INDICADORES ECONÔMICOS Gasto médio per capita dia (US$) 48,32 Renda média per capita ano (US$) ,94 * 1ª viagem PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO Idade (%) De 18 a 27 anos 18,1 De 28 a 45 anos 47,7 De 46 a 65 anos 31,7 66 anos e mais 2,5 Grau de instrução (%) Fundamental 0,5 Médio 18,7 Superior 80,8 Profissão (%) Comerciante 16,7 Estudante 9,6 Engenheiro 8,1 Contador 6,1 Advogado 6,1 Dona de casa 5,1 Administrador 4,5 AVALIAÇÃO INFRA-ESTRUTURA URBANA Maiores críticas dos turistas (%) Segurança pública 2,6 Táxi 2,6 Limpeza pública 2,5 Diversões noturnas 2,3 Transporte urbano 2,2 Sinalização turística 1,9 Anexos Apresentação - Fichas Sintéticas 61

52 URUGUAI Estudo da Demanda Turística Internacional CARACTERÍSTICAS DA VIAGEM Motivo da viagem (%) Lazer 44,2 Negócios / Congressos / Convenções 42,6 Visitar familiares / Amigos 9,6 Estudo / Ensino 2,9 Tratamento de saúde 0,7 Tipo de alojamento utilizado (%) Hotel 69,8 Casa de amigos / Parentes 19,9 Apartamento / Casa alugada 7,4 Apartamento / Casa própria 2,2 Outros 0,7 O que influenciou a decisão da visita(%)* Informação de amigos 83,3 Internet 16,7 Hábito de viajar (%) Com a família 61,9 Com amigos 20,4 Sozinho 16,3 Outros 1,4 Forma de organização da viagem (%) Não organizada por agência 81,6 Organizada por agência 18,4 Freqüência da visita ao Brasil (%) Não era a primeira vez 97,0 Era a primeira vez 3,0 Nível de satisfação com a viagem (%) Superou 18,5 Atendeu plenamente 68,9 Atendeu em parte 11,9 Decepcionou 0,7 Intenção de voltar ao Brasil (%) Pretendiam voltar ao Brasil 98,5 Não pretendiam voltar ao Brasil 1,5 Cidades mais visitadas (%) Porto Alegre RS 22,8 São Paulo SP 22,8 Rio de Janeiro RJ 18,4 Florianópolis SC 14,0 Balneário de Camboriú SC 8,8 Salvador BA 5,9 Maceió AL 5,9 Curitiba PR 5,1 Permanência média no país (dias) 9,60 INDICADORES ECONÔMICOS Gasto médio per capita dia (US$) 72,18 Renda média per capita ano (US$) ,00 * 1ª viagem PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO Idade (%) De 18 a 27 anos 13,2 De 28 a 45 anos 44,9 De 46 a 65 anos 33,8 66 anos e mais 8,1 Grau de instrução (%) Fundamental 2,2 Médio 19,3 Superior 78,5 Profissão (%) Comerciante 15,4 Engenheiro 10,3 Empresário 7,4 Funcionário público 6,6 Professor 5,1 Aposentado / Pensionista 5,1 AVALIAÇÃO INFRA-ESTRUTURA URBANA Maiores críticas dos turistas (%) Sinalização turística 5,4 Segurança pública 3,8 Limpeza pública 3,8 Táxi 2,7 Comunicações 1,6 Transporte urbano 1,5 Diversões noturnas 1,3 62

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2007-2013

Estudo da demanda turística internacional 2007-2013 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2007-2013 Brasília, novembro de 2014 Sumário 1 Perfil da

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Brasília, agosto de 2013 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

368 municípios visitados

368 municípios visitados TURISTAS INTERNACIONAIS 60,3% visitaram o Brasil pela primeira vez 91,4 % Copa como o principal motivo da viagem 83% o Brasil atendeu plenamente ou superou suas expectativas 95% tem intenção de retornar

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Brasília, outubro de 2012 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

PESQUISA DE IMPACTOS ECONÔMICOS DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL. Brasília, agosto de 2014

PESQUISA DE IMPACTOS ECONÔMICOS DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL. Brasília, agosto de 2014 PESQUISA DE IMPACTOS ECONÔMICOS DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL Brasília, agosto de 2014 2 Informações gerais da pesquisa Público-alvo: visitantes internacionais que participam de eventos

Leia mais

Economia do turismo da cidade do Rio de Janeiro - 2003

Economia do turismo da cidade do Rio de Janeiro - 2003 ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Economia do turismo da cidade do Rio de Janeiro - 2003 Nº 20051201 Dezembro - 2005 SETUR/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, EBAPE/Fundação

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS FEVEREIRO / 2009 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2009 - N 02 Para 55,6%

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014)

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) Os resultados a seguir são baseados em 2.257 entrevistas realizadas com turistas no período de 14 de junho a

Leia mais

TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE

TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE Relatório de Pesquisa Demanda Turística via Natal: Estrutura e Características do Fluxo Turístico Receptivo de 2009 Natal - Rio Grande do Norte Brasil (maio de 2010) RIO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO NORTE

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO NORTE CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO NORTE São Paulo Outubro de 2009 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1 ACRE RIO BRANCO AEROPORTO PRESIDENTE MÉDICI...

Leia mais

A empresa fica na feira de Sapatilha?

A empresa fica na feira de Sapatilha? A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (FECOMÉRCIO-SC), com o intuito de mapear o perfil do turista e o impacto do festival para o empresário do município, realizou um projeto

Leia mais

Apresentação da operação piloto do turismo internacional Operação piloto do turismo internacional

Apresentação da operação piloto do turismo internacional Operação piloto do turismo internacional Apresentação da operação piloto do turismo internacional Operação piloto do turismo internacional Palestrantes: Décio Kadota e Ewerton Monti (Consultores Consórcio FGV/FIPE) Operação Piloto do Turismo

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 29 de dezembro de 2014 GASTOS TURÍSTICOS INTERNACIONAIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ANO DE 2013 Nota introdutória O Inquérito aos Gastos Turísticos Internacionais (IGTI) foi uma operação estatística

Leia mais

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s Roteiro I. Metodologia II. III. IV. Segmentação do mercado Caracterização dos entrevistados Percepções sobre o turismo no Brasil V. Hábitos e comportamentos sobre turismo VI. VII. VIII. Prioridade de investimento

Leia mais

PERFIL DA DEMANDA DOMÉSTICA NO RIO DE JANEIRO SEMANA SANTA 2008

PERFIL DA DEMANDA DOMÉSTICA NO RIO DE JANEIRO SEMANA SANTA 2008 PERFIL DA DEMANDA DOMÉSTICA NO RIO DE JANEIRO SEMANA SANTA 2008 FAIXA ETÁRIA Acima de 66 4% Entre 46 a 65 anos 24% 18 a 27 anos 36% 28 a 45 anos 36% SEXO Feminino 50% Masculino 50% Separado 5% Solteiro

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO TURISMO DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO RELATÓRIO DA OFERTA DE VOOS PARA O RIO GRANDE DO SUL

SECRETARIA DE ESTADO DO TURISMO DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO RELATÓRIO DA OFERTA DE VOOS PARA O RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DO TURISMO DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO RELATÓRIO DA OFERTA DE VOOS PARA O RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre Março de 2013 RESUMO: O Boletim de Horário Previsto

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 31 de julho de 2014 Gastos Turísticos Internacionais 2013 O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 O gasto médio diário per capita (GMD pc ) dos visitantes

Leia mais

Minas levará o legítimo sabor do Estado à BTL. Haverá degustação de pão de queijo para os visitantes que passarem pelo estande brasileiro.

Minas levará o legítimo sabor do Estado à BTL. Haverá degustação de pão de queijo para os visitantes que passarem pelo estande brasileiro. De 21 a 25 de janeiro, a Secretaria de Estado de Turismo divulga os principais roteiros do turismo de Minas Gerais na 21ª edição da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), realizada em Lisboa, em Portugal. Em

Leia mais

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional:

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Avaliações para o desenho amostral em rodovias segundo a metodologia proposta para a PTI Palestrante: Alfredo García Ramos (Consultor

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A análise do setor de Turismo

Leia mais

Análise das Mudanças de Pesos no Cálculo do INPC - 2007 a 2012

Análise das Mudanças de Pesos no Cálculo do INPC - 2007 a 2012 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Como a Copa do Mundo vai movimentar o turismo brasileiro

Como a Copa do Mundo vai movimentar o turismo brasileiro Como a Copa do Mundo vai movimentar o turismo brasileiro 10 dias para a copa O estudo Destaques Principais mercados emissores Chegadas internacionais nas cidades sede Saídas do Brasil Junho-Julho 2014

Leia mais

ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO. Ministério do Turismo

ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO. Ministério do Turismo ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL EXECUÇÃO FIPE APOIO INFRAERO DPF RECEITA ÓRGÃOS OFICIAS DE TURISMO Caracterizar e dimensionar o turismo internacional receptivo

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR

RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR Julho 2013 COPA DAS CONFEDERAÇÕES - CONSUMIDOR Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram realizadas 620 entrevistas, com um erro máximo de

Leia mais

SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro

SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia, 685 6º, 7º e 9º andares Centro Rio de Janeiro RJ CEP: 20030-041 Presidente do Conselho Deliberativo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO SUL

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO SUL CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO SUL São Paulo Outubro de 2009 SUMÁRIO 1. PARANÁ CURITIBA AEROPORTO AFONSO PENA... 4 1.1 Perfil do Entrevistado...

Leia mais

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza.

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza. A atividade do setor de no Ceará, tem apresentado um expressivo crescimento ao longo dos últimos anos. De fato, tendo recebido 970.000 turistas em 1997, este fluxo alcançou 1.550.857 em 2003 e 1.784.354

Leia mais

Turismo do Rio em números

Turismo do Rio em números 1 2 APRESENTAÇÃO A indústria do turismo tanto no Brasil como no Rio de Janeiro enfrenta um grande carência de indicadores estatísticos e econômicos, que possibilitem mensurar de maneira confiável e precisa

Leia mais

ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2001

ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2001 ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2001 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL FERNANDO HENRIQUE CARDOSO Presidente MINISTÉRIO DO ESPORTE E TURISMO CAIO LUIZ DE CARVALHO Ministro INSTITUTO BRASILEIRO DE

Leia mais

Pesquisa sobre Turismo Receptivo e Estudo da Demanda Turística da 46ª AGROPEC

Pesquisa sobre Turismo Receptivo e Estudo da Demanda Turística da 46ª AGROPEC Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado de Turismo SETUR Companhia Paraense de Turismo - PARATUR Pesquisa sobre Turismo Receptivo e Estudo da Demanda Turística da 46ª AGROPEC Belém PA 2012 GOVERNO

Leia mais

Taxa de Ocupação atinge 80,69% e registra o melhor resultado para um mês de abril

Taxa de Ocupação atinge 80,69% e registra o melhor resultado para um mês de abril TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, em parceria com Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro Abril de 2012 Taxa

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave:

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave: 1995: OMT IFSP Profa. Rafaela Malerba O turismo compreende as atividades que realizam as pessoas durante suas viagens e estadas em lugares diferentes ao seu entorno habitual, por um período consecutivo

Leia mais

TURISMO, MEIO AMBIENTE E A SAÚDE SOCIAL DO BRASIL

TURISMO, MEIO AMBIENTE E A SAÚDE SOCIAL DO BRASIL 1 10 e 11 de setembro de 2004 TURISMO, MEIO AMBIENTE E A SAÚDE SOCIAL DO BRASIL Hildemar Silva Brasil 1 Melissa Nechio 2 Resumo: A promoção da saúde na América Latina busca a criação de condições que garantam

Leia mais

MERCADO DE PASSAGEIROS

MERCADO DE PASSAGEIROS 2 ANAC/SRI/GAMI MERCADO DE PASSAGEIROS Os Estados Unidos representam o principal mercado aéreo internacional do Brasil, tendo respondido por 25,7% do total do volume de passageiros transportados com origem

Leia mais

PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008. Evento: World Congress of Epidemiology

PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008. Evento: World Congress of Epidemiology PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008 SETEMBRO 2008 Informações do Evento. Evento: World Congress of Epidemiology Período: 20 a 24 de setembro de 2008

Leia mais

SÍNTESE DOS INDICADORES DE TURISMO DO AMAZONAS 2003/2014

SÍNTESE DOS INDICADORES DE TURISMO DO AMAZONAS 2003/2014 SÍNTESE DOS INDICADORES DE TURISMO DO AMAZONAS 2003/2014 GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Governador JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO INVERNO NA SERRA

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO INVERNO NA SERRA PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO INVERNO NA SERRA INTRODUÇÃO A Serra Catarinense apresenta características únicas dentro do território brasileiro. Enquanto a grande parte do país vive um inverno bastante

Leia mais

do turismo DA CIDADE DE DEMANDA TURÍSTICA Nacional e Internacional para a Cidade de São Paulo Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos

do turismo DA CIDADE DE DEMANDA TURÍSTICA Nacional e Internacional para a Cidade de São Paulo Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos observatório do turismo DA CIDADE DE SÃO PAULO são paulo turismo DEMANDA TURÍSTICA Nacional e Internacional para a Cidade de São Paulo Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos Ano-Base 2011 CRÉDITOS

Leia mais

PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008. Consolidado 6 Eventos - Rio de Janeiro

PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008. Consolidado 6 Eventos - Rio de Janeiro PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008 JUNHO 2008 Informações do Evento Consolidado 6 Eventos - Rio de Janeiro EVENTO CIDADE PERÍODO Nº DE PARTICIPANTES

Leia mais

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS

O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS Eline Tosta Felipe Jaciel Gustavo Kunz RESUMO: Intercâmbio cultural consiste em uma viagem ao exterior motivado pelo estudo e cultura.

Leia mais

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 PRESIDENTE: Marciano Gianerini Freire EQUIPE TÉCNICA: Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: Heike Duske César Melo

Leia mais

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO IV PERFIL DO TURISTA TABELAS JOÃO PESSOA-PB, JUNHO 2004 TABELA Nº01 PROCEDÊNCIA DOS TURISTAS JANEIRO/1999

Leia mais

3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo

3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo PRODETUR NE-II PDITS Salvador e Entorno3.10.1 Capacitação da Comunidade para o Turismo 410 3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo Introdução O objetivo deste capítulo é analisar o nível de conscientização

Leia mais

Sobre o FOHB Nossa missão:

Sobre o FOHB Nossa missão: 20 de maio de 2014 Sobre o FOHB Criado em 2002, o FOHB Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil é uma entidade associativa sem fins lucrativos que representa importantes redes hoteleiras, nacionais e internacionais,

Leia mais

OFERTA DE VOOS PARA O RS JUNHO 2013

OFERTA DE VOOS PARA O RS JUNHO 2013 OFERTA DE VOOS PARA O RS JUNHO 2013 Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Julho 2013 EQUIPE TÉCNICA Governador do Estado

Leia mais

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM MINISTÉRIO DO TURISMO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS SUMÁRIO EXECUTIVO PESQUISA REALIZADA /2013, EM GRANDES CIDADES BRASILEIRAS, REFERENTE À PERSPECTIVA DE INTENÇÃO DE

Leia mais

FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA

FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA RESUMO Leandro Carvalho 1 Maximilianus Andrey Pontes Pinent 2 Marcia Colao Merllo 3 Este artigo tem o objetivo de analisar a evolução

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 4º Trimestre 2012 02 maio de 2013 Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes No 4º trimestre de 2012, os residentes efetuaram

Leia mais

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010 Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre Outono 2010 Pesquisa realizada pela SMTur, em parceria com a FARGS e com apoio da Infraero e da Veppo. 22 a 28 de abril Aeroporto área de embarque

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO PERFIL TURÍSTICO: UM ESTUDO DE CASO DA ATIVIDADE TURÍSTICA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR A PUNTA DEL DIABLO

A PERCEPÇÃO DO PERFIL TURÍSTICO: UM ESTUDO DE CASO DA ATIVIDADE TURÍSTICA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR A PUNTA DEL DIABLO A PERCEPÇÃO DO PERFIL TURÍSTICO: UM ESTUDO DE CASO DA ATIVIDADE TURÍSTICA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR A PUNTA DEL DIABLO Miguel Angel Jacques Ribeiro Priscila Rosa da Silva RESUMO: O projeto de pesquisa

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro O estudo Destaques Os 10 principais emissores 10 Chegadas internacionais Viagens domésticas Cidades sedes Viagens dos brasileiros ao exterior

Leia mais

Apresentação. configura, hoje, cidades e territórios da sofisticada vida contemporânea.

Apresentação. configura, hoje, cidades e territórios da sofisticada vida contemporânea. 1 Caderno de Dados Agosto.14 1 APRESENTAÇÃO 3 2 METODOLOGIA 4 3 MENSAGEM DA BELOTUR 5 4 AMBIENTE MACRO 7 5 SONDAGEM DO CONSUMIDOR 9 6 RECEITA CAMBIAL E GASTOS 10 7 Indicadores 65 destinos indutores 12

Leia mais

INQUÉRITO À PERMANÊNCIA DE HÓSPEDES NOS ALOJAMENTOS PARTICULARES

INQUÉRITO À PERMANÊNCIA DE HÓSPEDES NOS ALOJAMENTOS PARTICULARES R e g i ã o A u t ó n o m a d o s A ç o r e s V i c e - P r e s i d ê n c i a d o G o v e r n o S E R V I Ç O R E G I O N A L D E E S T A T Í S T I C A D O S A Ç O R E S INQUÉRITO À PERMANÊNCIA DE HÓSPEDES

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA

AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA JANEIRO DE 2010 INTRODUÇÃO Este relatório contém os resultados de um estudo realizado pela MDA PESQUISA junto aos turistas em 19 Circuitos

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil

Estatísticas básicas de turismo. Brasil Estatísticas básicas de turismo Brasil Brasília, outubro de 2010 Estatísticas básicas de turismo Índice Páginas I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas internacionais

Leia mais

Anexo 7. Questionário on line para a comunidade externa

Anexo 7. Questionário on line para a comunidade externa Anexo 7. Questionário on line para a comunidade externa Anexo 8. Padrão de respostas do questionário do estudante aplicados aos alunos do ENADE 2009 e 2010. Os dados foram estimados a partir do relatório

Leia mais

PESQUISA MERCADOLÓGICA ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS. SINOPSE COMPARATIVA 2006, 2007 e 2008 janeiro/fevereiro

PESQUISA MERCADOLÓGICA ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS. SINOPSE COMPARATIVA 2006, 2007 e 2008 janeiro/fevereiro PESQUISA MERCADOLÓGICA ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS SINOPSE COMPARATIVA 2006, 2007 e 2008 janeiro/fevereiro Convênio: Santur/Prefeitura Municipal Execução: Gerência de Planejamento/Santur

Leia mais

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Turismo de Negócios, Congressos e Eventos 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Visão, Acordos, Compromissos, Estratégias e Ações Porto Alegre,

Leia mais

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional:

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Alternativas Metodológicas em Foz do Iguaçu Palestrante: Alfredo García Ramos (Consultor Consórcio FGV/FIPE) ANTECEDENTES: As entradas

Leia mais

3.12. Gastos Turísticos

3.12. Gastos Turísticos PRODETUR NE-II PDITS Pólo Litoral Sul 3.12. Gastos Turísticos 451 3.12. Gastos Turísticos Introdução Nesse capítulo o padrão e o volume dos gastos dos turistas do Pólo serão avaliados. Outro objetivo é

Leia mais

SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO BRASIL

SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO BRASIL Área Temática: Turismo e Desenvolvimento Regional SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO BRASIL Wilson Abrahão Rabahy 1 José Roberto de Lima Andrade 2 1. Professor Doutor da Pós-Graduação em

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO ESTUDANTE

QUESTIONÁRIO DO ESTUDANTE Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior Coordenação Geral do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes

Leia mais

INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO, DOS PRINCIPAIS DESTINOS LITORÂNEOS DA BAHIA, NO PERÍODO DE 1998 A 2008

INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO, DOS PRINCIPAIS DESTINOS LITORÂNEOS DA BAHIA, NO PERÍODO DE 1998 A 2008 CULTUR, ano 05 - nº 01/Especial - Jan/2011 www.uesc.br/revistas/culturaeturismo Licença Copyleft: Atribuição-Uso não Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO,

Leia mais

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Resultados gerais Dezembro 2010 Projeto Community-based resource management and food security in coastal Brazil (Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP)

Leia mais

Com 10º maior fluxo de passageiros, Viracopos terá 2º maior investimento para a Copa

Com 10º maior fluxo de passageiros, Viracopos terá 2º maior investimento para a Copa Com 10º maior fluxo de passageiros, Viracopos terá 2º maior investimento para a Copa 44Hanrrikson de Andrade Do UOL, no Rio 21/05/201310h00 Michel Filho/Agência O Globo Viracopos, em Campinas, recebe investimentos

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Comércio e Serviços Andréa Bastos da Silva Guimarães. Contas-satélites

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Comércio e Serviços Andréa Bastos da Silva Guimarães. Contas-satélites Diretoria de Pesquisas Coordenação de Comércio e Serviços Andréa Bastos da Silva Guimarães Contas-satélites 24/06/2015 Fontes e referências Manual de Contas Nacionais SNA 1993. Manual de Contas Nacionais

Leia mais

Pesquisa Fecomércio de Turismo. 7ª Parada da Diversidade de Florianópolis. Pesquisa com o turista. Perfil do turista

Pesquisa Fecomércio de Turismo. 7ª Parada da Diversidade de Florianópolis. Pesquisa com o turista. Perfil do turista Pesquisa Fecomércio de Turismo 7ª Parada da Diversidade de Florianópolis A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (FECOMÉRCIO), com o intuito de mapear o perfil do turista e o impacto da Parada

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 1 PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Carlos Eduardo Cadoca) Altera a Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980, Estatuto do Estrangeiro, visando à criação de procedimento alternativo para a obtenção de visto

Leia mais

Caderno de dados do Turismo

Caderno de dados do Turismo EDIÇÃO 5 CADERNO D E DAD OS Caderno de dados do Turismo Maio - 2013 Apresentação Mineirão - Fotógrafo Alberto Andrich e Ilustrador digital Felipe Coutinho Nesta edição 1 Apresentação 1 Metodologia 2 Mensagem

Leia mais

MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO

MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO Ministério do Turismo MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO INDICADORES 2012 MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO INDICADORES maio - 2013 Lagoa Azul, Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA Mais Turismo

Leia mais

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 1 Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 Porto Alegre, 07 de julho de 2014. NOTA À IMPRENSA Em junho de 2014, a Cesta Básica de Porto Alegre registrou queda de 4,00%, passando

Leia mais

Relatório de Pesquisa 2012. Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo RCVB

Relatório de Pesquisa 2012. Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo RCVB Relatório de Pesquisa 2012 Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo RCVB PERFIL DO TURISTA GÊNERO E FAIXA ETÁRIA Gênero Neste ano, ao contrário do registrado no ano Mulher

Leia mais

Apresentação dos Resultados da Pesquisa de Demanda: Internacional Doméstica/Nacional Estadual. Comparação do Turista Lazer x Negócios

Apresentação dos Resultados da Pesquisa de Demanda: Internacional Doméstica/Nacional Estadual. Comparação do Turista Lazer x Negócios Apresentação dos Resultados da Pesquisa de Demanda: Internacional Doméstica/Nacional Estadual Comparação do Turista Lazer x Negócios Gilce Zelinda Battistuz Curitiba, 28/06/2015 Turismo Internacional -

Leia mais

Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil

Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil 40ª RAPv Reunião Anual de Pavimentação Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil INFRAERO Superintendência de Obras Ricardo Ferreira ricardof@infraero.gov.br 26 Outubro

Leia mais

Censo do Samba é apresentado nesta terça pela Prefeitura de São Paulo e SPTuris

Censo do Samba é apresentado nesta terça pela Prefeitura de São Paulo e SPTuris Censo do Samba é apresentado nesta terça pela Prefeitura de São Paulo e SPTuris Projeto inédito mapeou o samba paulistano e traz diagnóstico de sua importância sociocultural Foi lançado nesta terça-feira

Leia mais

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM MINISTÉRIO DO TURISMO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS SUMÁRIO EXECUTIVO PESQUISA REALIZADA /2015, EM GRANDES CIDADES BRASILEIRAS, REFERENTE À PERSPECTIVA DE INTENÇÃO DE

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS VISITANTES NOS JOGOS DA COPA DO MUNDO 2014 ARENA PERNAMBUCO Junho de 2014

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS VISITANTES NOS JOGOS DA COPA DO MUNDO 2014 ARENA PERNAMBUCO Junho de 2014 PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS VISITANTES NOS JOGOS DA COPA DO MUNDO 2014 ARENA PERNAMBUCO Junho de 2014 APRESENTAÇÃO A Secretaria de Turismo do Estado de Pernambuco, através da EMPETUR, apresenta os resultados

Leia mais

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa EM IMBITUBA Praia do Rosa SUMÁRIO Perfil do turista e avaliação do destino...3 Perfil dos meios de hospedagem - Praia do Rosa...16 Perfil do turista e avaliação do destino Pesquisa com o turista Buscando

Leia mais

200 4 Anuário Estatístico

200 4 Anuário Estatístico 2004 Anuário Estatístico REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente MINISTÉRIO DO TURISMO WALFRIDO SILVINO DOS MARES GUIA Ministro INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO EMBRATUR EDUARDO

Leia mais

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte 19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte ESTATÍSTICAS DO TURISMO MINEIRO -Perfil da Demanda -Estudo de Competitividade -Dados Econômicos RAFAEL OLIVEIRA

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ Mossoró, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando

Leia mais

PERFIL DOS FOLIÕES carnaval de Natal 2015

PERFIL DOS FOLIÕES carnaval de Natal 2015 PERFIL DOS FOLIÕES carnaval de Natal 2015 Natal, fevereiro de 2015 Sumário 1 Aspectos Técnicos da Pesquisa... 3 2 Principais Resultados... 4 2.1 Perfil dos foliões... 4 2.2 Aspectos específicos... 5 2.3

Leia mais

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Boletim PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama

Leia mais

HOTELARIA ADAPTADA PARA ANIMAIS: UMA NOVA TENDÊNCIA NO MERCADO TURÍSTICO HOTELEIRO

HOTELARIA ADAPTADA PARA ANIMAIS: UMA NOVA TENDÊNCIA NO MERCADO TURÍSTICO HOTELEIRO HOTELARIA ADAPTADA PARA ANIMAIS: UMA NOVA TENDÊNCIA NO MERCADO TURÍSTICO HOTELEIRO Karla Cristinni Canteri 1 Larissa Mongruel Martins De Lara 2 RESUMO O presente resumo visa apresentar as novas tendências

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais