Inquérito penal - o que fazer?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inquérito penal - o que fazer?"

Transcrição

1 Rechtsauskunft Anwaltskollektiv Rechtsauskunft ohne Voranmeldung Inquérito penal - o que fazer? O que você pelo menos deve saber: A folha de instrução - para baixar, imprimir e transmitir Um furto no armazém? Drogas? Lesão corporal? Acender um corpo explosivo no estádio de futebol? Ou violência contra um funcionário público? Você cometeu uma violação do lar, participou numa demontração proibída? Você conduziu alcoolisado e foi surpreendido? Se você ser a viseira da Justiça, você se encontra quase sozinho em frente a um aparelho bastante bem organizado. A polícia e o Ministério público poderão acusar e deter você. Porventura eles confiscam a sua propriedade; ameaças de multa e prisão, custas elevadas, anotação no cadastro judiciário e desvantagens sociais. A telenovela criminal do domingo de noite tem pouco haver com esta realidade. "Truques de moleque" como álibis falsos deveriam funcionar, a justiça nem sempre ganha e a sua advogada ou o seu advogado poderão fazer, somente excepcionalmente, coisas impossíveis - possíveis. Um processo penal a primeira vista é mais inofensivo do que o modelo do filme - e a segunda vista, frequentemente muito mais pérfido. Para você como pessoa acusada, conhecimentos sobre o processo penal não são solícitos, mas necessários. Esta folha de instrução descreve em poucas palavras, o que poderá acontecer e sobre que então poderá depender. Mais informações você poderá encontrar no nosso livro: "Strafuntersuchung - was tun?" ("Inquérito penal - o que fazer?"). Pois uma coisa está segura: Você deverá conhecer os seus direitos para poder se defender. Porque ajuda, se você dizer: eu recuso o testemunho Se a polícia suspeitar você, ela começará a averiguar e instruir um processo penal. Também uma pessoa particular ou um funcionário público poderão apresentar queixa contra você. Em consequência disto, na maior parte das vezes, você será citado e detido - e derepente, você se encontra no meio de uma averiguação. 1

2 A princípio, num inquérito penal, vale a presunção de inocência; enquanto ninguém poder provar que você é culpado, você vale como inocente. Note: Você tem diversos direitos. No centro se encontra a refutação de depoimento. Isto pode ser muito conveniente, pois a justiça por fim deverá provar que você é culpado, o que sem a sua declaração, por vezes, de modo algum é fácil. Bom de saber! Recusar a declaração significa: Você não faz nenhuma declaração. Isto significa: Você não diz "sim", você não diz "não". Você unicamente responde as perguntas com: "Eu não faço nenhum depoimento". Ou: "Eu não digo nada". Um "sim" ou um "não", ou "eu não sei mais" já é uma declaração com conteúdo para o situado em frente, que conforme, num período mais tarde, poderá ser utilizado contra você. Você não deverá subestimar a força que você necessita para perpassar a refutação de depoimento. E você não deverá avaliar a pressão da autoridade da maneira errada; muitas vezes, ela não é visível a primeira vista. Muitas vezes, a polícia e o Ministério público agem de maneira subtil, cordial e cortês - e não rude. No caso normal, se você mentir, não poderão surgir grandes desvantagens; fora por exemplo se você acusar um inocente de um delito. Mas tome cuidado: O provérbio "mentira tem perna curta" confirma-se frequentemente, mentiras na maior parte das vezes são descobertas. As suas declarações são provas e a justiça estima elas detalhadamente. No começo de um inquérito, você não sabe de nada sobre já provas existentes da autoridade (vestígios de ADN, vigilância por vídeo ou controle por telefone). Por causa dos meios de prova, o risco para um desacordo das declarações, é grande. Além disso é difícil, quase impossível, de resistir uma consequência a um edifício de mentiras. O risco de contradição com mentiras é muito, muito grande. As autoridades tem experiência e não são burras. O que nunca é errado: Eu não digo nada sem o meu advogado, a minha advogada Se você receber uma citação, você deverá clarificar com um advogado, uma advogada, se você necessita de um defensor para o processo e como você deve se comportar. Se você for detido, você deve recusar primeiramente da melhor maneira a sua declaração. E: você deve insistir no começo, de receber um advogado de primeira hora. Se possível, você deverá dar o nome de uma advogada, um advogado de confiança. No começo de um processo, frequentemente são definidos os parâmetros - justamente por esta causa é tão importante, de ter um defensor a tempo. 2

3 Note: Você tem direitos! Você pode recusar a declaração. Porém você também poderá por princípio deixar se defender em cada delito dês do começo. A sua advogada, o seu advogado defende os seus interesses de maneira unilateral dentro do prazo legítimo; você se encontra próprio no centro e aquilo, o que é importante para você. O seu defensor é independente, apenas obrigado perante você, e: Ele depende do segredo de advogado; você poderá confiar sem reservas. As custas para um primeiro diálogo de meia hora com uma advogada, um advogado do coletivo de advogados de Zurique (www.anwaltskollektiv.ch), são de CHf Nesta website (www.strafuntersuchung.ch) você encontra uma lista de todas as defensoras e defensores do colectivo de advogados para uma consulta jurídica. Além disso, existe em quase todos os cantões uma defesa penal local; os endereços você encontrará no anexo do nosso livro "Strafuntersuchung - was tun" ("Inquérito penal - o que fazer?") ou na internet. Lá você também receberá endereços de defensoras e defensores, com os quais você poderá entrar em contacto. O honorário você deverá discutir individual no primeiro encontro com o defensor. Note: Em certos casos, você até precisa deixar se defender por uma advogada, um advogado; aproximadamente se você ficar por um período mais longo na prisão preventiva, caso que você está iminente à uma pena delicada ou um caso, que uma prevenção estacionária durante algúm tempo esta iminente (por conseguinte, uma terapia numa instituição fechada). Ou se você não puder defender os seus direitos por sí. Se você nestes casos não poderá pagar um advogado e/ou encarregar um, você receberá um advogado oficial (um advogado necessário); isto significa: o estado pagará entretanto as custas da advogada, do advogado. Importante de saber: Também um defensor oficioso estará obrigado de defender os seus interesses. Você também tem o direito de solicitar um defensor oficial, se você não tem o dinheiro suficiente de pagar as custas do advogado. Informa-se com a sua advogada, seu advogado, se um tal requerimento terá chance. O seu desejo de receber certo advogado oficial, deverá por princípio ser tomado em consideração. Isto significa: A princípio você próprio poderá escolher o seu advogado oficial. Quem são os seus adversários: a polícia e o Ministério público No começo de um processo você terá haver principalmente com a polícia e o Ministério público. Estes investigam; a sua ambição é de "descobrir à verdade". Em sí, a polícia e o Ministério público deverão examinar os fatos que oneram e exoneram; isto pede a 3

4 presunção de inocência. A sua hipótese de trabalho é por causa do mandato de averiguação que algo acontecera. E precisamente não a sua inocência. Por isto, um defensor é tão importante: Ele "corrige" a seu favor, ele tenta pôr a salvo um processo correto e um certo acordo. Atenção: No caso que você não tiver um defensor no começo de uma averiguação, você deve, sem falta, anotar o nome do policial e o decurso do diálogo. Como decorre: o processo Se o processo foi aberto, a investigação começará através do Ministério público e da polícia. Se você foi detido, o tribunal de medida coerciva (juíz de detenção) deside na norma, dentro do período de quatro dias, sobre a medida da prisão preventiva; quando o Ministério público perguntar, você deve instistir de receber uma audição verbal perante este tribunal. Se você se encontrar na prisão preventiva, você poderá fazer um requerimento para uma anulação da detenção; consulte a sua advogada, seu advogado, quando isto for necessário. A princípio, o inquérito será terminado pelo Ministério público na seguinte sequência: - Através de um encerramento do processo, em caso que definitivo não tiver mais provas de uma suspeita ou em caso de um delito perseguido, só em virtude de uma querela penal não existente. - Se você obter um acordo com a vítima, muitas vezes a querela penal (queixacrime) é retirada. - Através de uma acusação para o tribunal - Através de um decreto de multa do Ministério público, se o assunto for resolvido por uma confissão ou suficientemente esclarecido por outros meios, e a pena de prisão não ultrapassar os seis mêses respectivamente a multa, ou o trabalho de utilidade pública for na altura comparável. Um decreto de multa é por assim dizer uma sentença do Ministério público, em casos mais leves. Contra um decreto de multa você poderá impor um recurso dentro do prazo de dez dias. Depois disto resultam outras provas. Em compensação, depois das provas, o Ministério público poderá terminar o processo com um encerramento, uma acusação ou um decreto de multa. Cuidado: Se você depois do recurso somente uma vez não comparecer a um interrogatório sem desculpa, o recurso vale como retirado. 4

5 Onde você especialmente deve prestar atenção: provas e sua estimacão Em muitos casos as provas mais importantes são as suas declarações como pessoa acusada, mas também as declarações de pessoas de informação, de testemunhas e testemunhos. Por isso, você deverá ler os protocolos dos interrogatórios sempre bem e cuidadosamente. Tome cuidado com contradições próprias! Outros meios importantes de provas: Parecerpérito, contrôle por telefone, vestígios de ADN, vigilância por vídeo, avaliação por computador, busca domiciliar. Graças a estes meios técnicos e a apreciação das declarações por rotina através dos tribunais e do Ministério público, mentiras frequentemente são descobertas. Por causa disto é conveniente, de não dizer nada. Pois: Cada pequena mentira poderá abalar toda a sua autenticidade. ("Ninguém acredita em um mentiroso, mesmo quando ele diz a verdade"). O termo de um processo: infelizmente nem sempre um final feliz No final de um debate judicial, o tribunal decreta uma sentença absolutória ou você é culpado; em todos os casos ele decreta uma sentença. Um processo encurtado seria um caso particular ("um acordo com o Ministério público"): Neste modo de processo é indispensável de ser representado por uma advogada, um advogado. Você se deve aconselhar por um defensor, se este meio é conveniente para você. Se o processo foi finalizado com uma sentença, você em princípio como pessoa acusada (mas também o Ministério público e as vítimas) tem a possibilidade, de continuar o processo num Tribunal de Segunda Instância do cantão (Tribunal superior, Tribunal do cantão). Depois disto, todos os participantes tem o direito de continuar o processo para o tribunal federal; pois este tribunal não investiga o caso como os tribunais do cantão, somente inspecciona certas questões jurídicas. Em volta de que se trata, e que poderá ocorrer: pena e medidas (disposição) O direito suiço conhece como consequência judicial de um delito, uma pena e/ou medidas. A pena privativa da liberdade, a multa, o trabalho de utilidade pública, assim como a pena contravencional são tomados em consideração de uma pena. Todas as penas, fora a pena contravencional, podem ser pronunciadas com uma fase provisória (tempo de prova) 5

6 entre dois e cinco anos condicional da pena. Porém uma pena privativa da liberdade apenas poderá ser pronunciada completamente com a prova (tempo de prova), se esta durar menos que dois anos; se a duração for entre dois e três anos, ela todavia poderá em parte receber uma prova. Caso que no período de prova não acontecer nada, a pena não será executada; isto significa: Você não terá que cumprir a pena. A altura da multa é avaliada por um aspecto da culpa, em segundo lugar conforme o rendimento e os bens; ela só é tomada em consideração, se a pena não durar mais de um ano de uma pena privativa da liberdade. O trabalho de utilidade pública somente se realisará, se a pena não durar mais de seis mêses da pena privativa da liberdade. Além disso, durante períodos mais curtos da pena privativa da liberdade, é possível de ficar detido por meio tempo. Fora das penas, o tribunal também tem a possibilidade de decretar uma medida terapêutica ou uma custódia. Uma custódia significa, uma contínua detenção em princípio por um período indeterminado; ela contudo só é botada em consideração em caso de delitos graves e deve ser controlada regularmente. Mas também já medidas terapêuticas, assim chamadas estacionárias, para tratamentos de vício ou tratamentos de perturbações psicológicas, podem durar muito tempo e afectar a liberdade de maneira delicada. Fora destas medidas terapêuticas, existe em casos leves medidas ambulantes terapêuticas, onde você poderá viver em casa. Para adultos jovens, existe medidas específicas, onde a capacidade é conciliada, de assumir a responsabilidade e viver sem cometer delitos. Além disso, poderão ser impostas outras medidas como uma proibição de exercer a profissão ou uma interdição de dirigir. Como consequência da condeção, estrangeiros poderão possivelmente até ser expulsados. O que é o mais importante: de conhecer os seus Direitos A justiça tem um arsenal a mão, para proceder em qualquer caso contra você. Quanto melhor você conhecer as possibilidades, mas também os truques e beliscos dos seus adversários, tanto melhor você poderá se defender. Por isso vale: é importante permitir-se o tempo necessário, para se informar. Busque o conselho que você necessita. Vale a pena! Bom de saber! Este folheto somente informa você sobre as partes mais importantes. Informações detalhadas você poderá encontrar no nosso livro "Strafuntersuchung - was tun?" - "Inquérito penal - o que fazer?"; Você poderá encomendar abaixo desta side (www.strafuntersuchung.ch) no coletivo de advogados de Zurique ou encomendar em todas as livrarias. Custa mais ou menos CHf O livro explica em aproximadamente 200 páginas de maneira prática, o decurso da investigação de um processo. Mostramos como a polícia funciona, o que o tribunal faz, onde se encontram os limites das 6

7 autoridades, mas também, como provas são julgadas e penas estipuladas. E, muito importante: Que direitos você e o seu defensor tem. Se você necessitar um diálogo pessoal, recomendamos um diálogo de meia hora para CHf em nosso coletivo de advogados na Kernstrasse 8/10, 8004 Zurique, Tel Um pré-aviso não é necessário. Todas às tardes entre h e h você poderá passar. Normalmente aconselhamos em língua alemã; muitos advogados e advogadas também podem dar conselhos em inglês, francês, alguns em italiano e espanhol. Se você falar exclusivamente uma outra língua, você deverá levar alguém para fazer a tradução. Nesta side (www.strafuntersuchungen.ch) você além disso encontrará uma lista de todas as defensoras e todos os defensores da consulta jurídica do coletivo de advogados. Em quase todos os cantões existe um advogado da defesa penal, os endereços você encontrará no anexo do nosso livro "Strafuntersuchung - was tun?" - "Inquérito penal - o que fazer?" ou na internet. Lá você encontrará endereços de defensores, com os quais você poderá entrar em contato. 7

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 Regula o Direito de Representação e o Processo de Responsabilidade Administrativa Civil e Penal, nos casos de abuso de autoridade. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Acerca deste folheto

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Acerca deste folheto O Papel do DPP Gabinete do Procurador-Geral Novembro 2015 O Papel do DPP 3 Acerca deste folheto Este livreto explica em linguagem clara o que o Escritório do Procurador-Geral (DPP) faz. O livreto tenta

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS Os Juizados Especiais foram criados para atender; de uma forma rápida e simples, problemas cujas soluções podem ser buscadas por qualquer cidadão. Antes deles,

Leia mais

Comparecendo em Juízo como Testemunha

Comparecendo em Juízo como Testemunha 3 Introdução Comparecer em juízo pode ser estressante para muitas vítimas e testemunhas. Se você precisar testemunhar em um julgamento criminal, esperamos que este livreto ajude você a compreender o que

Leia mais

Carta- Modelo UE dos Direitos das pessoas suspeitas e arguidos em processo penal

Carta- Modelo UE dos Direitos das pessoas suspeitas e arguidos em processo penal Portuguese Carta- Modelo UE dos Direitos das pessoas suspeitas e arguidos em processo penal Tem direito a guardar consigo esta carta de direitos durante a sua detenção Se a polícia o privou da sua liberdade

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL

2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL 2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL O inquérito policial é um procedimento (não é processo) que tem por escopo a produção de provas, tudo para abalizar a denúncia (se for o caso) do membro do Ministério Público.

Leia mais

* PROJECTO DE RELATÓRIO

* PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos 26.10.2009 2009/0101(CNS) * PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta de decisão-quadro do Conselho relativa

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

Informações práticas para denunciar crimes raciais

Informações práticas para denunciar crimes raciais Informações práticas para denunciar crimes raciais O que é racismo? Racismo é tratar alguém de forma diferente (e inferior) por causa de sua cor, raça, etnia, religião ou procedência nacional. Para se

Leia mais

Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Perguntas e Respostas

Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Perguntas e Respostas Tribunal Europeu dos Direitos do Homem Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas O que é o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem? Estas perguntas e respostas foram elaboradas pela Secretaria do Tribunal.

Leia mais

Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido

Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido Os direitos neste Aviso são-lhe garantidos ao abrigo da lei da Inglaterra e do Pais de Gales e estão em conformidade com a Directiva da UE 2012/13 nos

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas Riga 29-30 de Maio de 2015 Carlos Pinto de Abreu e Associados - Sociedade de Advogados RL (Responsabilidade Limitada) NIPC 509 828 990 - Registo na OA sob

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito de aplicação

Artigo 1.º Âmbito de aplicação Resolução da Assembleia da República n.º 54/2004 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, da República Popular da China, Relativo ao Auxílio

Leia mais

CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS. Artigo 1º Âmbito de aplicação

CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS. Artigo 1º Âmbito de aplicação PROPOSTA ESTATUTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES (Aprovada pelo Conselho Geral em reunião de 29.10.2012, órgão com competência para aprovar o regulamento, nos termos do disposto no artigo 90º, n.º 1 dos Estatutos

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

Neste documento, encontrará mais informações sobre os seus direitos e o modo como deverá ser tratado e cuidado pela polícia.

Neste documento, encontrará mais informações sobre os seus direitos e o modo como deverá ser tratado e cuidado pela polícia. Lei do Combate ao Terrorismo de 2000 Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido Os seguintes direitos e regalias são-lhe garantidos, ao abrigo da lei de Inglaterra e do País de Gales e estão em

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão?

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? PERGUNTAS FREQUENTES O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? A mulher em situação de violência doméstica poderá comparecer a uma delegacia de Defesa da Mulher mais próxima à sua casa para registrar

Leia mais

Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude. Regras de Beijing. *

Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude. Regras de Beijing. * Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude. Regras de Beijing. * PRIMEIRA PARTE. PRINCÍPIOS GERAIS 1. Orientações fundamentais 1.1. Os Estados Membros procurarão,

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

[Aguarda cumprimento de procedimentos legais para a entrada em vigor.]

[Aguarda cumprimento de procedimentos legais para a entrada em vigor.] [Aguarda cumprimento de procedimentos legais para a entrada em vigor.] TRATADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DO SURINAME SOBRE ASSISTÊNCIA JURÍDICA MÚTUA EM

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução 3 Introdução Este livreto explica em linguagem clara o que o (DPP) faz. O livreto tenta responder às perguntas que as pessoas nos fazem mais frequentemente. Ele não lida com cada situação possível e não

Leia mais

Informações sobre a lei da protecção contra a violência (LPV)

Informações sobre a lei da protecção contra a violência (LPV) Informações sobre a lei da protecção contra a violência (LPV) Protecção 1. A quem protege a lei da violência doméstica? A lei protege a pessoa vítima de violência ou que é ameaçada por outra, com quem

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Cidadão com Segurança Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público e Procurador-Geral da República Roberto Monteiro Gurgel Santos Comissão do Sistema Prisional,

Leia mais

PERGUNTAS RELATIVAS AOS INSTRUMENTOS BE RECONHECIMENTO MÚTUO:

PERGUNTAS RELATIVAS AOS INSTRUMENTOS BE RECONHECIMENTO MÚTUO: Ref. Ares(2012)18603-09/01/2012 PORTUGAL Comissão Europeia - Resposta a Questionário: Reforçar a confiança mútua no espaço judiciário europeu - Livro Verde sobre a aplicação da legislação penal da EU no

Leia mais

Para as Vítimas de Crime

Para as Vítimas de Crime Para as Vítimas de Crime Através deste documento, explicaremos a sequência da investigação e do julgamento e o sistema que a vítima poderá utilizar. Será uma satisfação poder ajudar a amenizar os sofrimentos

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec"

RtgukfípekcfcTgrûdnkec Página 1 de 8 Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec" Ecuc"Ekxkn" Uudejghkc"rctc"Cuuupvqu"Lutîfkequ NGK"P "340625."FG"6"FG"OCKQ"FG"42330 Vigência Altera dispositivos do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento Disciplinar é aplicável aos estudantes do ISAL - Instituto Superior de Administração e

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA CÓDIGO PENAL Artigo 154. Revelar alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem: Pena detenção,

Leia mais

Buscas e apreensões em escritórios dos advogados à luz do novo CPP Roberto Raposo Janeiro 2011 -o nível do desenvolvimento civilizacional -ser avaliado pelo grau de equilíbrio -poder dever punitivo do

Leia mais

CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA)

CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA) CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA) Pedido de indicação de medida provisória Resumo do Despacho de 17 junho de 2003 Aplicação e pedido de medida provisória

Leia mais

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU NOME LUIS FILIPE PERTENCENTE A ALGUMA ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL? ESTADO MUNICÍPIO RIO DE JANEIRO (RJ) NOVA FRIBURGO DESCRIÇÃO DO CASO QUALIFICAÇÃO SEXO MASCULINO IDADE 22 25 COR GRAU DE INSTRUÇÃO

Leia mais

REGRAS MÍNIMAS DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA, DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE (REGRAS DE BEIJING)

REGRAS MÍNIMAS DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA, DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE (REGRAS DE BEIJING) REGRAS MÍNIMAS DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA, DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE (REGRAS DE BEIJING) PRIMEIRA PARTE - PRINCÍPlOS GERAIS 1. Orientações fundamentais 1.1 Os Estados Membros procurarão,

Leia mais

Carta de Direitos. Os seus direitos:

Carta de Direitos. Os seus direitos: Carta de Direitos Este folheto fornece-lhe informações importantes sobre os seus direitos enquanto se encontra na esquadra da polícia. Por direitos, entendemos importantes liberdades e apoios que a lei

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

O advogado só poderá ser preso em flagrante, por motivo de exercício da profissão, em caso de crime inafiançável.

O advogado só poderá ser preso em flagrante, por motivo de exercício da profissão, em caso de crime inafiançável. ARTIGO: DOS DIREITOS DOS ADVOGADOS PARA EXAME DA OAB Dentre os temas mais importantes do Estatuto da Advocacia, sem dúvida alguma está o referente aos direitos dos advogados. Referido tema é de extrema

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 6, ANO III JUNHO DE 2011 1 TRIBUTOS COM EXIGIBILIDADE SUSPENSA NÃO PODEM SER DEDUZIDOS DA CSLL De acordo com o CARF, os valores provisionados

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE JAÚ CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ROTEIRO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA REAL E SIMULADA.

FACULDADES INTEGRADAS DE JAÚ CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ROTEIRO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA REAL E SIMULADA. FACULDADES INTEGRADAS DE JAÚ CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ROTEIRO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA REAL E SIMULADA 5º SEMESTRE Os alunos matriculados no 5º semestre do Curso de Direito terão que

Leia mais

omo ser um bom cidadão?

omo ser um bom cidadão? C omo ser um bom cidadão? Conhecer os processos para denunciar o crime Cooperação entre polícia e cidadãos 993 Prevenção e combate à criminalidade Índice Quando souber de um crime... P. 2 Como efectuar

Leia mais

ÍNDICE. BASTA! Violência Doméstica 4. Fatos e números 6. Violência Doméstica a polícia intervém imediatamente! 9

ÍNDICE. BASTA! Violência Doméstica 4. Fatos e números 6. Violência Doméstica a polícia intervém imediatamente! 9 ÍNDICE BASTA! Violência Doméstica 4 Fatos e números 6 Violência Doméstica a polícia intervém imediatamente! 9 O que eu, como vítima de Violência Doméstica, posso fazer? 13 O que fazer quando uso de violência?

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

3. Quais são as restrições existentes, se as houver, quanto ao tipo de provas que podem ser obtidas através de videoconferência?

3. Quais são as restrições existentes, se as houver, quanto ao tipo de provas que podem ser obtidas através de videoconferência? Itália 1. É possível a obtenção de provas através de videoconferência com a participação de um tribunal do Estado-Membro requerente ou directamente por um tribunal desse Estado-Membro? Em caso afirmativo,

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso CONTRATO DE TRABALHO Empregado Preso Muitas dúvidas surgem quando o empregador toma conhecimento que seu empregado encontra-se preso. As dúvidas mais comuns são no sentido de como ficará o contrato de

Leia mais

4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013

4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013 4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013 Transposição para Portugal da Diretiva 2010/64/UE Proposta de intervenção Exmas Senhoras e Senhores Caros colegas,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Como recorrer ao Julgado de Paz

Como recorrer ao Julgado de Paz A defesa em juízo é um princípio geral reconhecido pelo ordenamento jurídico italiano no artigo 24º da Constituição. De um modo geral, a representação é necessária, devendo, portanto, o requerente ser

Leia mais

(Atos legislativos) DIRETIVAS

(Atos legislativos) DIRETIVAS 6.11.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 294/1 I (Atos legislativos) DIRETIVAS DIRETIVA 2013/48/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de outubro de 2013 relativa ao direito de acesso a um advogado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional?

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? L F Ladir & Franco A D V O G A D O S RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? Túlio Arantes Bozola Advogado - Ladir & Franco

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

RECURSOS NO PROCESSO PENAL

RECURSOS NO PROCESSO PENAL ESTUDO RECURSOS NO PROCESSO PENAL RECURSOSRE Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia.

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia. Escrivao P.F Nível Superior DISCIPLINA:D.Proc.Penal Professor: Guilherme Madeira Aula 01 MATERIAL DE APOIO Processo Penal Professor Madeira Dicas: -Apenas caderno e lei na reta final! -Fazer uma prova

Leia mais

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Legislação Penal Especial Aula 02 Professor Sandro Caldeira Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Art. 1 o Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Moema, brasileira, solteira, natural e residente em Fortaleza, no Ceará, maior e capaz, conheceu Tomás, brasileiro, solteiro, natural do Rio de Janeiro, também maior

Leia mais

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA 16.12.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia C 310/261 7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA AS ALTAS PARTES CONTRATANTES, CONSIDERANDO QUE, ao abrigo do artigo III 434.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2009. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso

RESOLUÇÃO Nº 07/2009. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso RESOLUÇÃO Nº 07/2009 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROJETO JUSTIÇA CÉLERE E HUMANITÁRIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. de suas atribuições legais, O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso CONSIDERANDO

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO Decorrente do Dec.-Lei 316/97, de 19 de Novembro. CAPÍTULO I Das restrições ao uso de cheque Artigo 1. Rescisão da convenção de cheque

Leia mais

Convenção para a protecção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais com as modificações introduzidas pelo Protocolo n 11

Convenção para a protecção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais com as modificações introduzidas pelo Protocolo n 11 Portuguese version/version portugaise Tradução Convenção para a protecção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais com as modificações introduzidas pelo Protocolo n 11 acompanhada do Protocolo

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco

OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. José foi denunciado como incurso no art. 155, 4o,

Leia mais

Raphael Moscatelli Frankel Rogério Thron Pereira Colégio Stockler Prof. Ivan Paganotti. Direito

Raphael Moscatelli Frankel Rogério Thron Pereira Colégio Stockler Prof. Ivan Paganotti. Direito Raphael Moscatelli Frankel Rogério Thron Pereira Colégio Stockler Prof. Ivan Paganotti Direito Endireitando-se para o futuro As disciplinas estudadas na faculdade surgem ao longo do curso. No início, as

Leia mais

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação 12) Revisão criminal contra sentença condenatória que for contrária ao texto expresso de lei penal T foi condenado por apropriação indébita previdenciária,

Leia mais

PROVA DE DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PERÍODO VESPERTINO CADERNO DE QUESTÕES ORIENTAÇÕES GERAIS

PROVA DE DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PERÍODO VESPERTINO CADERNO DE QUESTÕES ORIENTAÇÕES GERAIS XXXIX CONCURSO DE INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROVA DE DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PERÍODO VESPERTINO CADERNO DE QUESTÕES ORIENTAÇÕES GERAIS 1 Mantenha seu documento de identificação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Decreto-Lei n.º 86/99/M de 22 de Novembro * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Na sequência da publicação do Decreto-Lei n.º 40/94/M, de 25 de Julho, que aprova o regime de execução das medidas

Leia mais

Processo n.º 13/2012 Data do acórdão: 2012-3-22

Processo n.º 13/2012 Data do acórdão: 2012-3-22 Processo n.º 13/2012 Data do acórdão: 2012-3-22 (Autos de recurso penal) Assuntos: abuso de confiança não descoberta do caso por ninguém situação exterior típica de crime continuado oportunidade favorável

Leia mais

GUIA PARA PROCESSOS CRIMINAIS NOS ESTADOS UNIDOS

GUIA PARA PROCESSOS CRIMINAIS NOS ESTADOS UNIDOS GUIA PARA PROCESSOS CRIMINAIS NOS ESTADOS UNIDOS Além do Guia para processos criminais nos Estados Unidos exposto a seguir, http://usinfo.state.gov/usa/infousa, http://thomas.loc.gov/ e www.uscourts.gov/understand02/

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais

Hugo Nigro Mazzilli AD V OG AD O OAB - SP n. 28.656

Hugo Nigro Mazzilli AD V OG AD O OAB - SP n. 28.656 As investigações do Ministério Público para fins penais (Artigo publicado na Revista APMP em Reflexão Ano 1, n. 4, p. 12, São Paulo, APMP, 2005) Hugo Nigro Mazzilli Advogado e consultor jurídico Procurador

Leia mais

C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012. PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA CAPÍTULO I

C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012. PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA CAPÍTULO I C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012 PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA AS ALTAS PARTES CONTRATANTES, CONSIDERANDO que, nos termos do artigo 343.

Leia mais

GABARITO SIMULADO WEB 1

GABARITO SIMULADO WEB 1 GABARITO SIMULADO WEB 1 PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL No dia 10 de outubro de 2014, Caio, na condução de um ônibus, que fazia a linha Centro Capão Redondo, agindo com imprudência, realizou manobra

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO JURÍDICA EM MATÉRIA PENAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A CONFEDERAÇÃO SUÍÇA

TRATADO DE COOPERAÇÃO JURÍDICA EM MATÉRIA PENAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A CONFEDERAÇÃO SUÍÇA TRATADO DE COOPERAÇÃO JURÍDICA EM MATÉRIA PENAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A CONFEDERAÇÃO SUÍÇA A República Federativa do Brasil e A Confederação Suíça (doravante denominados Estados Contratantes),

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

Delegação da Amadora 9 de julho de 2015

Delegação da Amadora 9 de julho de 2015 Dinâmica de Defesa em sede de Inquérito As buscas e as declarações do arguido Delegação da Amadora 9 de julho de 2015 Art.º 64º Obrigatoriedade de assistência Art.º 141º Primeiro interrogatório judicial

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Convenção para a Proteção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais

Convenção para a Proteção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Proteção Internacional dos Direitos Humanos Convenção para a Proteção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais (Alterada até o Protocolo

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 DUDH Artigo 5º Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante. ART. 5º DA CF Inciso III Ninguém será submetido à tortura nem

Leia mais

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta.

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. 1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. I. Por expressa determinação legal não se aplicam aos crimes praticados com violência

Leia mais

Violência doméstica: uma nova lei para um velho problema!

Violência doméstica: uma nova lei para um velho problema! Violência doméstica: uma nova lei para um velho problema! Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Entrou em vigor, no dia 22 de setembro, a Lei 11.340

Leia mais

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista 1 SUMÁRIO DEDICATÓRIAS E AGRADECIMENTOS 02 CARTA DE APRESENTAÇÃO 03 O QUE SERIA O SOFRIMENTO FÍSICO? 04 E O SOFRIMENTO MENTAL? 04 TORTURA-PROVA 05 TORTURA

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Teoria Geral do Processo; Direito Penal I; Direito Penal II; Direito Constitucional II.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Teoria Geral do Processo; Direito Penal I; Direito Penal II; Direito Constitucional II. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professora: Ms. Anna Karyne Turbay Palodetto anakaryne@uniarp.edu.br Período/ Fase: 6º Semestre:

Leia mais