Relatório de atividades 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de atividades 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ"

Transcrição

1 Relatório de atividades 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RELATÓRIO 2009

2 A UTORIDADES Reitor da UFPR Zaki Akel Sobrinho Vice-Reitor da UFPR Rogério Andrade Mulinari Diretora Geral do Hospital de Clínicas Heda Maria Barska dos Santos Amarante Diretor de Corpo Clínico Flávio de Queiroz Telles Filho Diretor de Ensino, Pesquisa e Extensão Ângelo Luiz Tesser Diretora da Assistência Mariângela Honório Pedrozo Diretor Administrativo Aristheu Lopes Negrão Diretora Financeira Vera Bandeira do Nascimento Assessora de Marketing Institucional Mônica Cristofoletti Budni UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

3 Falando um pouco do HC 7Assistência Unidades Funcionais Unidades em Implantação 27 Unidade de Hematologia, Hemoterapia e Oncologia 28 Unidade de Neurologia, Neurocirurgia e Psiquiatria Coordenação de Enfermagem Serviços de Referência 30 Serviço de Transplante Hepático 31 Oftalmologia 31 Banco de Tecidos Músculo-Esqueléticos 32 Unidade de Endocrinologia Pediátrica 32 Centro de Genética Molecular e Pesquisa do Câncer em Crianças 33 Centro de Neuropediatria 33 Ambulatório de Síndrome de Down 34 Serviço de Endocrinologia e Metabologia 34 Serviço de Hematopediatria Unidade de Ambulatórios 10 Unidade de Apoio e Diagnóstico 12 Unidade de Atendimento Multiprofissional de Diagnóstico e Terapêutica 14 Unidade Cardiovascular e Pneumologia 16 Unidade de Centro Cirúrgico 18 Unidade de Farmácia Hospitalar 20 Unidade da Mulher e do Recém-Nascido 22 Unidade de Nutrição e Dietética 24 Unidade de Urgência e Emergência Adulto 26 Unidade de Diagnóstico por Imagem e Terapia por Radiação

4 S UMÁRIO Administrativa 36 Unidade de Abastecimento 37 Comissão de Licitação 38 Unidade de Informação 40 Unidade de Infraestrutura 42 Unidade de Hotelaria Hospitalar 44 Unidade de Administração de Pessoas 46 Unidade de Contabilidade e Finanças Assessoria de Marketing HC em Números Associações e Fundação que Apoiam o HC Ensino e Pesquisa Corpo Clínico Comitê de Ética e Pesquisa em Seres Humanos Epidemiologia Controle de Infecção Hospitalar Gerenciamento de Resíduos Humanização Ouvidoria Voluntariado Social Qualidade 59 Pesquisa: Avaliação da Satisfação do Usuário Esterno e Interno

5 A PRESENTAÇÃO Esta publicação apresenta o Relatório de Atividades de 2009 do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná. Ano que registrou um marco histórico, pois, às vésperas de completar 50 anos, uma mulher assume a Direção Geral do Hospital pela primeira vez em sua história. Aborda o processo de mudança da estrutura organizacional iniciado, em 2002, com a implantação de um novo modelo de gestão que visa atender as necessidades de modernização administrativa e apresenta a atuação do HC dentro da nova estrutura administrativa. PALAVRAS DA DIRETORA É uma honra ser a primeira mulher, em 50 anos, a representar milhares de profissionais do sexo feminino, frente a esta conceituada Instituição. É com orgulho que apresento esta publicação que traz o relato das atividades realizadas com o apoio das esferas governamentais e que traduz o trabalho e empenho dos profissionais do HC, em sua busca constante pela melhoria da qualidade dos serviços prestados. Heda Maria Barska dos Santos Amarante

6 F ALANDO UM POUCO DO HC Hospital de Clínicas é um órgão O suplementar da Universidade Federal do Paraná (UFPR). É o maior hospital público do Paraná e um dos cinco maiores hospitais universitários federais do país. Nasceu do anseio da UFPR em ter um hospital para o treinamento dos alunos do curso de medicina e, também, da necessidade do Estado ter um hospital geral que atendesse a população. Foi inaugurado em 05 de agosto de 1961 pelo presidente Jânio Quadros. Atualmente, possui infraestrutura e instrumental técnico com equipamentos de ponta para dar suporte a realização de exames avançados de diagnósticos e procedimentos cirúrgicos. Conta com um corpo funcional formado por professores, médicos, profissionais da área de saúde, funcionários, voluntários e colaboradores, que trabalham incansavelmente nesta cidade, cuja estrutura física é de, aproximadamente, 66 mil m2 de área construída, por onde circulam, diariamente, cerca de 11 mil pessoas que vão construindo ou realizando sonhos e desenhando trechos da história. O HC, em sua trajetória, passou por diversas mudanças, mas procurou sempre se adequar às necessidades, sem, no entanto, mudar sua essência e missão. E, entendendo que, atualmente, as organizações demandam de novas formas de gestão e de processos de trabalho visando uma melhor produtividade, melhor índice de desempenho no atendimento ao cliente e, também, que os hospitais públicos devem ser gerenciados com o objetivo de alcançarem o melhor resultado com os recursos públicos disponíveis para o seu custeio, o HC optou por uma mudança organizacional e gerencial em sua estrutura de forma a atender as necessidades de modernização administrativa através de um trabalho multiprofissional e interdisciplinar focado no cliente.

7 U NIDADES FUNCIONAIS HC adotou o modelo de gestão de Unidades Funcionais, proposto pelo Ministério da Saúde para os hos- O pitais federais, estaduais e municipais, baseado na descentralização administrativa e na corresponsabilidade do corpo funcional. Neste sentido, a estrutura administrativa do Hospital está passando, desde 2002, por uma ampla reforma de conceitos, ideias, cargos e organograma. O novo modelo divide o hospital por áreas afins, agregando serviços, esforços e confluindo para atingir os objetivos com mais eficiência e eficácia. Tratase de um conceito de gestão participativa e democrática que envolve os funcionários nas tomadas de decisões, por meio dos colegiados de suas unidades. Nesses espaços coletivos são pactuados compromissos e responsabilidades e definidas as metas a serem alcançadas. O processo de implantação de Unidades Funcionais foi iniciado, ainda em 2002, com a proposta de se criarem 22 unidades que abarcariam todos os serviços da estrutura anterior sob o critério de afinidade. Até dezembro de 2009, foram implantadas 16 unidades que já estão em pleno funcionamento, duas se encontram em fase de implantação, a serem concluídas até o final de 2010 e está prevista a formação das cinco últimas em Em Pesquisa de Avaliação de Satisfação do Cliente das Unidades Funcionais já implantadas, realizada pela Assessoria de Marketing, verificou-se que a maioria atingiu as metas institucionais propostas para o ano de 2009 e, as que ainda não atingiram, se encontram em vias de conseguir. Isso poderá ser conferido em maiores detalhes, adiante no ícone Qualidade. Vejam, ao lado, o organograma do HC no modelo de gestão adotado.

8 A SSISTÊNCIA Hospital de Clínicas da UFPR O tem por missão prestar assistência hospitalar acreditada à comunidade, garantindo campo apropriado para o ensino, a pesquisa e a extensão e, no intuito de cumpri-la vem empreendendo esforços para executar padrões de excelência no atendimento ao paciente e segurança nas ações de saúde, pois aspira ser um hospital Acreditado, conquistando referência máxima da Organização Nacional de Acreditação (ONA). As ações na área da assistência hospitalar vêm sendo desenvolvidas pela Diretoria da Assistência, com 10 Unidades Funcionais implantadas, que reúnem grande parte dos serviços de assistência. A seguir, são apresentadas as Unidades da Assistência.

9 U NIDADE DE AMBULATÓRIOS responsável pelos Ambulatórios e É Central de Agendamento. Disponibiliza estrutura física, equipes de enfermagem e administrativa, possibilitando condições de assistência adequada aos usuários na realização de consultas ambulatoriais. É também responsável pelo gerenciamento dos módulos informatizados de consultas e exames ambulatoriais. Conta com 18 ambulatórios (SAM s), que oferecem atendimento em 27 especialidades, contidas em 181 consultórios. Em 2009, inaugurou mais um ambulatório, o de Procedimentos, um espaço destinado pequenas a cirurgias para diversas especialidades. Como resultado, as equipes médicas receberam melhores condições para realização dos procedimentos cirúrgicos e de pulsoterapia, que consiste na aplicação de medicamentos endovenosos e consequente melhora na qualidade da assistência ao paciente. Outras ações voltadas à qualidade do atendimento foram empreendidas pela Unidade, como a realização, em parceria com a Unidade de Administração de Pessoas, de treinamento para a equipe administrativa que atua nos ambulatórios, através de encontros que oportunizaram abordagens de questões como, qualidade do atendimento ao cliente, atendimento a portadores de necessidades especiais, postura profissional e pessoal, gerenciamento de crises e qualidade de vida profissional e pessoal. Como resultado, teve 70% da equipe administrativa treinada.

10 A Unidade realizou também um amplo controle de consultas no Sistema de Informações Hospitalares (SIH) através de acompanhamento quinzenal. Esse trabalho resultou na redução de 49% do número de consultas pendentes no sistema, impactando, diretamente, no faturamento do Hospital.

11 U NIDADE DE APOIO E DIAGNÓSTICO A Unidade de Apoio e Diagnóstico (UAD) agrega dois serviços, o de Análises Clínicas, que atua nas áreas de Biologia Molecular, Bioquímica, Imunologia, Hormônios, Imunogenética, Bacteriologia, Micologia, Parasitologia, Hematologia e Urinálise; e o de Anatomia Patológica, que realiza diagnósticos de alto padrão a partir das biópsias, que resultam no diagnóstico definitivo para a grande maioria das neoplasias e outros grupos de doenças. Possui uma equipe com cerca de 265 profissionais, entre farmacêuticos, biólogos, médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de laboratório e funcionários administrativos. Sua produção em média/mês é de 105 mil exames para prestar assistência acerca de pacientes. 10 Em 2009, a Unidade teve sua atenção voltada a infraestrutura e condições de trabalho dos profissionais, visando a melhoria da qualidade dos serviços prestados. Nesse sentido, realizou uma ampla reforma no segundo andar do laboratório, abrangendo todas as seções, unificando áreas como a Bioquímica, Hormônios e Sorologia, o que resultou na eliminação de tarefas repetidas, diminuição do tempo de liberação dos resultados de exames e redução de custos. Foram feitas adequações nas áreas das Seções de Virologia e Citogenética. A instalação de aparelhos de ar condicionado em várias seções melhoraram as condições de trabalho e adequaram o ambiente para receber equipamentos que necessitam de área climatizada.

12 A Unidade implantou um fluxo para gerenciar os equipamentos visando obter todas as informações necessárias para avaliar a performance de cada um deles, o que possibilitou reunir informações de empresas com contratos vigentes, de manutenções corretivas e preventivas, além do controle interno. Investiu na qualificação da equipe proporcionando o Curso 5S s com o objetivo de melhorar o ambiente de trabalho e otimizar o potencial de recursos humanos da Unidade, resultando na melhora da qualidade, da produtividade e da organização, bem como, no aumento da autoestima de seus colaboradores. 11 A UAD participa do Programa Nacional de Indicadores Laboratoriais (ControlLab) da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica, que compara diversas atividades entre os laboratórios e envia, trimestralmente, relatórios com o posicionamento de cada estabelecimento, o que possibilita, a partir da análise dos indicadores, desenvolver estratégias para ações de melhoria.

13 U NIDADE DE ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA Implantada no final de 2009, com a finalidade de prestar serviços de qualidade ao usuário do Hospital de Clínicas nas áreas que agrega, une-se às demais Unidades da Assistência, de forma a atender o paciente integralmente nas necessidades de restauração da saúde. 12 É formada pelos Serviços de Reabilitação (que abrange as áreas de fisioterapia, fonoaudiologia, musicoterapia e educação física), Serviço de Psicologia, Serviço Social e Serviço de Terapia Ocupacional, reunindo uma equipe de 116 profissionais altamente qualificados, que prestam atendimento aos pacientes nas Unidades de Internação e Ambulatórios. Possui, ainda, equipe administrativa e supervisão técnica que é exercida por uma comissão formada por um profissional de cada Serviço que a compõe. Os profissionais atendem em todas as especialidades, promovendo o tratamento dos pacientes e atenção à família. O atendimento é interdisciplinar, sendo realizados projetos de diagnóstico e acompanhamento de alfabetização, desenvolvimento e dificuldades de aprendizagem e, também, de humanização hospitalar.

14 Na área de ensino, a Unidade integra o Programa de Residência Multiprofissional e realiza supervisão de estágio de estudantes de Psicologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Também está ofertando o curso de extensão universitária de Qualificação Profissional em Psicologia Hospitalar, destinado a psicólogos e estudantes de psicologia. Realiza cursos, seminários, palestras e outros eventos, cumprindo a missão institucional de transmitir conhecimento. 13

15 U NIDADE CARDIOVASCULAR E PNEUMOLOGIA Tem por finalidade prestar atendimento a pacientes nas áreas de cardiologia clínica, pneumologia, cirurgia cardiovascular, torácica e vascular periférica, nas unidades de internação e nos ambulatórios. Realiza exames avançados utilizando métodos diagnósticos. Agrega serviços que conquistaram referência nacional, como o Centro de Pesquisas em Células-Tronco na área de Cardiologia e o Laboratório da Função Pulmonar, estruturado com equipamentos de última geração. Tem se destacado na formação acadêmica nas áreas de cardiologia, pneumologia, cirurgia cardíaca e vascular com a titulação anual de vários médicos com cursos de pós-graduação, além de proporcionar extenso campo para a pesquisa científica. 14 Com a aquisição de vários equipamentos, como Ergometria e Transdutor de Ecocardiografia, Polígrafo e aparelho de Radiofrequência para o Laboratório de Eletrofisiologia, possibilitará a Unidade a realizar de estudos eletrofisiológicos invasivos e ablação por radiofrequência. Adquiriu também ventiladores pulmonares para o Centro de Terapia Intensiva Cardiológica, em substituição aos antigos. Realizou ampla modificação da área física da Eletrocardiografia, com a confecção de móveis para otimizar o espaço físico, proporcionando maior conforto aos pacientes e funcionários.

16 15 Implantou o módulo EC-Exames Complementares no SIH-Sistema de Informação Hospitalar para o Laboratório de Hemodinâmica e no Serviço de Métodos Cardiológicos para assegurar maior agilidade na requisição e controle de exames agendados e realizados, bem como, para o faturamento dos mesmos. Implantou também um balcão para atendimento ao público, com informações gerais e orientações também de outras Unidades, proporcionando acolhimento aos pacientes que transitam no 2º andar do prédio central. A Unidade realizou também ações voltadas especialmente aos pacientes internados, como a transferência da Unidade de Dor Torácica, que era localizada na Unidade de Urgência e Emergência, para o Centro de Terapia Intensiva Cardiológica, ampliando a capacidade em número de leitos, o que resultou na agilidade do atendimento aos pacientes com dor precordial. Alterou o horário de visitas aos pacientes internados na Unidade Clínica para o mesmo horário em que os médicos dão alta, possibilitando ao acompanhante estar presente no momento da alta do paciente, o que além de diminuir o tempo de espera, evita aglomerações e retorno do visitante no mesmo dia para buscar o paciente com alta.

17 U NIDADE DE CENTRO CIRÚRGICO Seu objetivo é proporcionar condições para a realização de procedimentos cirúrgicos e afins, bem como o processamento de materiais, adequação e manutenção do ambiente dentro dos padrões de exigências da Vigilância Sanitária. 16 A Unidade de Centro Cirúrgico conta com 150 profissionais, entre enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, técnicos de farmácia, médicos e equipe administrativa. Mantém nove salas equipadas para atender a demanda de todas as especialidades, realizando em média 800 cirurgias por mês e um Centro de Material Esterilizado cuja produção mensal é cerca de 30 mil volumes esterilizados. Primando pela qualidade do atendimento e também pelo conforto e tranquilidade da equipe, realiza, anualmente, o Encontro da Unidade de Centro Cirúrgico. Evento que é calcado sobre dois pilares. O primeiro trata de aspectos técnicos voltados à assistência aos pacientes, como os cuidados relacionados à infecção hospitalar, entre outros. O segundo se constitui num momento voltado especialmente aos funcionários da Unidade, abordando questões de bem-estar, área pessoal e motivacional.

18 Em 2009, a Unidade realizou ações voltadas à qualidade da assistência e melhoria nas condições de trabalho e segurança dos profissionais, como aquisição, em parceria com a Unidade de Apoio e Diagnóstico, de um Gasômetro, equipamento que viabiliza a realização de exames essenciais em pacientes submetidos a cirurgias de grande porte, melhorando a qualidade da assistência prestada. Também foi adquirido um Carrinho de Emergência com Cardioversor para atendimento a pacientes em recuperação anestésica imediata, proporcionando à equipe médica e de enfermagem da REPAI (Recuperação Pós-Anestésica Imediata) rapidez, agilidade e segurança no atendimento em casos de parada cardio-respiratória. 17 A Unidade, atenta para a humanização na assistência, teve sua atenção voltada para a criança submetida à cirurgia e, com o objetivo de amenizar o estresse que antecede o momento da cirurgia, adquiriu um carrinho infantil para transportar a criança da recepção até a sala de cirurgia, o que resultou significativamente na melhoria das condições das crianças que se submetem a um procedimento cirúrgico.

19 U NIDADE DE FARMÁCIA HOSPITALAR responsável pela gestão medicamentosa É no HC, que compreende a seleção, distribuição e controle de medicamentos em todo o hospital, bem como o acompanhamento e avaliação da utilização dos mesmos, observando os padrões de conservação, controle de qualidade, segurança e eficácia terapêutica. 18 Dispensa, em média, 420 mil unidades de medicamentos por mês a, aproximadamente três mil pacientes ambulatoriais e internados, sendo 50% por sistema de código de barras que propicia maior segurança ao paciente e rastreabilidade do medicamento. Possui uma Central de Misturas Intravenosas que produz em média/mês 450 Bolsas de Nutrição Parenteral e que realiza a manipulação e dispensação de aproximadamente itens Quimioterápicos Antineoplásicos, além da produção da Farmacotécnica que realiza, mensalmente, cinco mil adequações de formas farmacêuticas e também o trabalho realizado pelo Controle de Qualidade que avalia em média 60 produtos/mês. A unidade foi a primeira farmácia, no Estado, a realizar a diluição do medicamento Oseltamivir para utilização no tratamento de crianças com a gripe Influenza A H1N1, cujo processo foi repassado às farmácias de outros hospitais do Paraná, por solicitação das Secretarias Municipais e Estadual da Saúde. Com o intuito de alcançar as metas propostas para 2009, a Unidade empreendeu várias ações como a revisão e/ou atualização de 195 POP s (Procedimentos Operacionais Padrão).

20 Realizou o I Simpósio da Unidade de Farmácia Hospitalar: Segurança do Paciente Viabilidade em Hospitais Universitários. Na oportunidade, foram discutidas novas metodologias de trabalho na área de Gerenciamento de Risco visando identificar, qualificar e quantificar os perigos envolvidos na assistência à saúde e, na área de Farmacoterapia, foi abordada outra metodologia que consegue pontuar os riscos dos pacientes, de acordo com a patologia e a terapêutica adotada, o que permite que as intervenções farmacêuticas sejam mais efetivas e beneficiem os pacientes de maior risco. O evento reuniu cerca de 110 participantes, entre farmacêuticos, enfermeiros, residentes, estudantes e outros profissionais de saúde. Outras ações foram realizadas também, como a tabulação de dados encontrados de não conformidades na etiquetagem de medicamentos para o código de barras, com o registro das respectivas ações corretivas e a resolução de 100% das não conformidades pontuadas pelo Programa de Acreditação e Gerenciamento de Resíduos. 19 A Unidade de Farmácia Hospitalar alcançou 90% de satisfação do usuário interno e 99% do externo, em pesquisa de avaliação da satisfação do cliente. E, ainda, tem projetos aprovados, como a reestruturação da área física da Unidade para atendimento da legislação vigente, cujas obras já foram iniciadas em setembro/09; e, a Organização e Execução da Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar do Hospital de Clínicas.

21 U NIDADE DA MULHER E DO RECÉM-NASCIDO Tem por objetivo a assistência hospitalar multiprofissional à mulher na área de saúde sexual, reprodutiva e ginecológica, bem como ao recém-nascido. Presta atendimento humanizado de qualidade ao recém-nascido de baixo, médio e alto risco, tanto em alojamento conjunto como na UTI Neonatal, onde são atendidos os bebês prematuros e com doenças graves. O HC é referência nesse tipo de serviço, pois realiza exames avançados nos recém-nascidos, como Bilirrubina Sérica Total, Capilar e Transcutânea que diagnóstica de forma precoce a doença Hemolítica do recém-nascido (Icterícia) e a Ecografia Cerebral Transfontanela, que mostra se o recém-nascido tem hemorragia cerebral devido a prematuridade. 20 Mantém em sua estrutura um Banco de Leite Humano que é referência no Paraná e se configura como um dos maiores do país em volume, produzindo cerca de 250 litros por mês. Oferece atendimento de enfermagem, nas primeiras 72 horas, à mulher vítima de violência sexual e acompanhamento ambulatorial por seis meses. Esse atendimento é estendido também à adolescentes. A Unidade da Mulher teve sua implantação concluída em dezembro último e, para fazer frente à demanda de seus clientes, realizou a aquisição de diversos equipamentos e materiais para os Serviços de Pronto Atendimento Tocogi-

22 necológico, Centro Cirúrgico Obstétrico e Ginecológico, Central de Materiais e Esterilização, Alojamento Conjunto e inaugurou o Serviço de Medicina Fetal, que totalizam 91 leitos, tudo para dar condições de melhoria na qualidade do atendimento e segurança às pacientes; para humanizar o atendimento às gestantes de alto risco com fetos mal-formados e, também, para dar maior segurança aos profissionais na realização dos procedimentos necessários. A Unidade, com apoio da AAHC (Associação de Amigos do Hospital de Clínicas), inaugurou uma enfermaria para o Projeto Mãe Canguru, que resultou na redução do tempo de separação mãe-filho, evitando longos períodos sem estimulação sensorial e melhoria na qualidade do desenvolvimento neurocomportamental e psico-afetivo do recém-nascido de baixo peso. Investiu também em sua equipe, aplicando a metodologia de Investigação Apreciativa envolvendo colaboradores das equipes de enfermagem, médica e administrativa, o que levou à melhoria no relacionamento interpessoal. Oferecendo atendimento humanizado e de qualidade aos seus clientes, a Unidade mantém a distinção conquistada de Hospital Amigo da Criança. 21

23 U NIDADE DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA Tem como missão a promoção da assistência à saúde dos diversos clientes do HC por meio de nutrição adequada às suas necessidades, bem como contribuir para a pesquisa e formação acadêmica na área de saúde. Constituída pelas áreas de Nutrição Enteral, Produção Nutricional e Nutrição Clínica/Distribuição, a Unidade conta com 200 profissionais entre nutricionistas, cozinheiros e auxiliares, garantindo a aplicação de boas práticas de produção. 22 Na Unidade, são preparadas, mensalmente, cerca de 63 mil refeições, entre dietas prescritas aos pacientes e refeições normais. No refeitório, são atendidos mensalmente em média 20 mil pessoas em horários de desjejum, lanches da manhã e tarde, almoço, jantar e ceia, em ambiente cordial e acolhedor. Em 2009, prezando pela qualidade dos serviços, realizou ampla reforma em sua área física, desde a pintura do refeitório, cozinha geral, almoxarifado e área administrativa, até a troca total do forro e luminárias das salas da Gerência e Secretaria. Adquiriu materiais e equipamentos como adipômetros, paquímetros, balanças, cubas, purificadores de água, entre outros, o que resultou na melhoria das condições de trabalho das equipes, como também na otimização e agilidade dos serviços prestados.

24 A Unidade de Nutrição e Dietética vem experimentando, como resultado de sua atuação no novo modelo de gestão, um considerável aumento de público no refeitório, atraídos pela melhora do sabor das refeições e inovações como a inclusão de dois tipos de saladas e a diversificação do cardápio, além do sistema self service. 23 As ações e projetos implantados são frutos das discussões no colegiado da Unidade, cujos funcionários participam ativamente das decisões e encontram satisfação em poder opinar, além de esses encontros se constituírem em oportunidade para melhor conhecimento e entrosamento entre as equipes. Foi essa atuação que levou a Unidade a conquistar, em pesquisa realizada, satisfação de 79% do cliente interno e 88% do cliente externo, atingindo as metas propostas para 2009.

25 U NIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA ADULTO Constituída em 2004, esta Unidade presta assistência hospitalar de urgência e emergência ao adulto, não resultante de trauma, ao paciente crítico, terciário e referendado, de forma humanizada e acreditada. Com estrutura de Pronto Atendimento (PA), Centro de Terapia Intensiva (CTI), Centro de Terapia Semi-Intensiva (CTSI) e 48 leitos, centraliza suas atividades em uma linha de cuidados, em níveis crescentes de complexidade, a qual se inicia nos CMUM s (Centros Municipais de Urgências Médicas) Boa Vista e Fazendinha, para os quais o HC é referência acordada no convênio UFPR/SMS (Secretaria Municipal da Saúde); no HC/UFPR, pacientes são referenciados ao PA-Emergência, com atendimento humanizado segundo os critérios de estratificação de risco, sendo encaminhados ao Centro de Terapia Semi-Intensiva, ou ao Centro de Terapia Intensiva, segundo sua complexidade e necessidade de assistência ventilatória, drogas vaso- 24

26 ativas, em bomba infusora e outros recursos de alta complexidade. Para aqueles pacientes que necessitem de investigação para elucidação diagnóstica em até 72 horas, ou de tempo para sua estabilização clínica, tem os leitos do PA-Observação. A qualidade do atendimento terciário aos pacientes graves do SUS levou a indicação da Unidade de Urgência e Emergência Adulto (UUEA) como referência em Curitiba para o atendimento dos casos graves da gripe H1N1 na epidemia de Para tanto, a Unidade se organizou com estrutura física, 300 profissionais e tecnologia de ponta para o enfrentamento da pandemia. Com isso, o HC/UFPR se tornou Centro de Referência no manejo destes pacientes, com experiência e capacidade reconhecida nos Congressos de Medicina Intensiva e Infectologia desde então. Primando pela qualidade no controle de infecção hospitalar e respeito à privacidade dos pacientes, a Unidade realizou uma ampla reforma na área física do CTSI, proporcionando ainda maior conforto nas acomodações com instalação de cortinas para individualizar os leitos no CTSI e no PA. Investiu também em tecnologia adquirindo monitores cardíacos, respiradores, bisturi cirúrgico, camas elétricas, cardioversores e eletrocardiógrafos para garantir a assistência segura e com qualidade a pacientes críticos da Unidade. As equipes médica e de enfermagem também foram alvo de atenção da Unidade recebendo capacitação em Curso de Urgência/Emergência que envolveu médicos, enfermeiros, auxiliares e técnicos de enfermagem. Ainda para garantia da assistência segura e com qualidade a pacientes de todo o hospital, a Unidade acompanha o Plano de Aplicação do Convênio, entre o Hospital de Clínicas e Prefeitura Municipal de Curitiba de atendimento exclusivo a paciente SUS. 25

27 U NIDADE DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM E TERAPIA POR RADIAÇÃO responsável pela realização de É exames e terapias complementares. Tem por objetivo subsidiar a área médica através da disponibilização de serviços para a execução de exames e terapias, possibilitando o diagnóstico e tratamento adequado ao paciente. 26 A Unidade reúne os Serviços de Litotripsia, Mamografia, Medicina Nuclear, Radioterapia e Radiologia, que abrange os exames de Radiologia Geral (RX), Tomografia Computadorizada e Ultrassonografia. Possui uma equipe com 149 profissionais qualificados e tecnologia de ponta para atendimento às demandas das diversas especialidades existentes em cerca de 40 Unidades de Internação e de 19 ambulatórios.

28 U NIDADES EM IMPLANTAÇÃO UNIDADE DE HEMATOLOGIA, HEMOTERAPIA E ONCOLOGIA Em processo de implantação, a Unidade já possui o objetivo definido de prestar assistência acreditada e humanizada ao paciente hematológico, oncológico e tratamento hemoterápico. Contando com 245 profissionais, agrega o Serviço de Hematologia e Oncologia, juntamente com o Ambulatório Hemato/ Onco e Unidade de Quimioterapia de Alto Risco, Serviço de Hemoterapia e Serviço de Transplante de Medula Óssea (STMO), reconhecido nacional e internacionalmente como centro de excelência nos transplantes de medula óssea e que, em 2009, completou 30 anos de atividade ininterrupta. O STMO foi o primeiro da América Latina em realizar transplante de medula óssea (1979), a utilizar células de cordão umbilical (1992) e a ser referenciado pelo National Marrow Donor Program (NMDP) - órgão de cadastro mundial de doadores de medula - por utilizar medula óssea de doadores não aparentados (1995). O mesmo órgão que condedeu, em 2007, a primeira deferência no Brasil pelo fato de o Serviço cumprir 100% dos requisitos exigidos para esse tipo de transplante, sendo, ainda, agraciado com outras distinções pela atuação na área. Com quase 2 mil transplantes, atualmente, é responsável por, aproximadamente, 16% dos transplantes de alogênicos do País. 27 Ações de adequação e melhoria da infraestrutura tem sido o principal alvo de atenção da Unidade, como a realização de reformas na área física, adaptações de espaços e aquisição de materiais e equipamentos.

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental).

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). 1 de 9 ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). CARGO PERFIL PRÉ REQUISITO NÍVEL SUPERIOR Administrador Curso Superior

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais.

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais. ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Cód. Cargo 1 Ajudante de Carga e Descarga Vagas Vagas Reservadas Deficientes Vencimento Inicial

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Ensino. Principais realizações

Ensino. Principais realizações Principais realizações Reestruturação dos Programas de ; Início do Projeto de Educação à Distância/EAD do INCA, por meio da parceria com a Escola Nacional de Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ; Três novos Programas

Leia mais

1. AÇÕES ESTRATÉGICAS E METAS

1. AÇÕES ESTRATÉGICAS E METAS 1. AÇÕES S E S 1.1. Quadro de Ações Estratégicas e Metas para 2013 AÇÃO Criar filial da EBSERH ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Registrar nos órgãos federais, estaduais e municipais Delegar competências e definir

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2008 ANEXO 2 ATIVIDADES, ESCOLARIDADE E REQUISITOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2008 ANEXO 2 ATIVIDADES, ESCOLARIDADE E REQUISITOS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2008 ANEXO 2 ATIVIDADES, ESCOLARIDADE E REQUISITOS A. CARGOS DE ADMINISTRAÇÃO GERAL NÍVEL SUPERIOR CARGO: PROFESSOR DE ATIVIDADES MUSICAIS

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

Acupuntura AMN 3º andar

Acupuntura AMN 3º andar Relação de Setores e Serviços Setor / Serviço Unidade Localização Acupuntura 3º andar Aleitamento Materno CPPHO 1º andar Alergia 1º pav., ala 2 Alergo Imunologia Pediátrica CPPHO Térreo Almoxarifado 1º

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente

Manual de Orientação ao Cliente Manual de Orientação ao Cliente Prezado Cliente O Hospital IGESP reúne em um moderno complexo hospitalar, os mais avançados recursos tecnológicos e a excelência na qualidade do atendimento prestado por

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 0 Médico Pediatra 1 Médico de Estratégia PSF 3 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 2 Auxiliar de Saúde Bucal 2 Fonoaudiólogo

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE 1 ATENÇÃO PRIMÁRIA 1.1 MÉDICO CLINICO GERAL Medicina. ATRIBUIÇÕES: Atendimento aos pacientes em área

Leia mais

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA 21 3891 7000 816+Ramal DIREÇÃO Gabinete do Diretor 21 Tel. Direto 3860-6570 Gabinete do Diretor (FAX) 21 Tel. Direto

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são

Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são fundamentais no processo de um laboratório, levando até cada

Leia mais

Instituto Sócrates Guanaes

Instituto Sócrates Guanaes Instituto Sócrates Guanaes Instituição de direito privado sem fins lucrativos; Fundado em 13 de julho de 2000; Qualificado como Organização Social; Reconhecido como instituição de utilidade pública municipal

Leia mais

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes. [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

Leia mais

Plano Diretor do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora

Plano Diretor do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora Plano Diretor do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora Missão Formar recursos humanos, gerar conhecimentos e prestar assistência de qualidade na área da saúde à comunidade da região.

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. Rua Visconde de Paranaguá, nº 24 Campus Saúde CEP: 96.200-190 Bairro Centro Rio Grande Rio Grande do Sul/RS Brasil Acesso

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 801 Médico Alergia

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS UNIDADE DE SAÚDE - SANTO ANDRÉ Diretora: Juliana da Conceição Fagundes E-mail: dussandre@correio1.vitoria.es.gov.br Endereço: Rua da Coragem, 200 Telefone: (27) 3323-7222 / 3332-7825 Funcionamento: 7h

Leia mais

O primeiro Planejamento Estratégico em 2003.

O primeiro Planejamento Estratégico em 2003. Missão Desenvolver ações de promoção, proteção e reabilitação da saúde em nível ambulatorial, com equipe multiprofissional e interdisciplinar, propondo e implementando políticas de saúde articuladas em

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha.

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. Qualidade máxima e confiança são fundamentais no momento de escolher um hospital, e você precisa do que há de melhor na área médica. Por isso, prepare-se para

Leia mais

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0 1. FUNCIONÁRIOS EFETIVOS Cirurgião dentista clínico geral 0 1.1 Cirurgião dentista endodontista 6 1.2 Cirurgião dentista periodontista 16h 0 1.3 Cirurgião dentista periodontista 20h 3 1.4 Cirurgião dentista

Leia mais

ANEXO I. Centro de Saúde nº 1 Unidade Mista 508/509 Sul. Ortopedia e Traumatologia. Ortopedia e Traumatologia. Radiologia e Diagnóstico por Imagem

ANEXO I. Centro de Saúde nº 1 Unidade Mista 508/509 Sul. Ortopedia e Traumatologia. Ortopedia e Traumatologia. Radiologia e Diagnóstico por Imagem ANEXO I QUADRO DE VAGAS - Processo Seletivo para Preceptoria dos Programas de Residência Médica Seleção 2014/1 Opção de Vaga Unidade de Saúde/SES Programa de Residência de Cargo Local de execução das atividades

Leia mais

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A (UnB) CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE) HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO Processo Seletivo Simplificado GABARITOS OFICIAIS PRELIMINARES

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL AUFLA foi uma das instituições mapeadas por uma pesquisa realizada em 2010 pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), que resultou

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL ANEXO I DEMOSTRATIVO DE CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO,, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: TECNOLOGISTA JUNIOR Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE ÁREA 32 Arquitetura 12 Conservação e restauração de conjuntos

Leia mais

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Conteúdo DISPOSIÇÕES GERAIS 3 APOIO AO APRIMORAMENTO DE RECURSOS HUMANOS 4 Participação em congressos e eventos científicos

Leia mais

Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO"

Seminário: TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO" FLEURY LINHA DO TEMPO Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Sugerir propostas não contempladas na proposta do Plano Conferência Municipal de

Leia mais

GOVERNO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA Centro Estadual de Oncologia. Salvador, 14 de março de 2013

GOVERNO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA Centro Estadual de Oncologia. Salvador, 14 de março de 2013 GOVERNO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA Centro Estadual de Oncologia Salvador, 14 de março de 2013 ROTEIRO O CICAN Breve Histórico Missão Perfil Ambulatórios Quimioterapia Centro Cirúrgico

Leia mais

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA ANEXO DO EDITAL Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA Outubro - 2012 Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA INTRODUÇÃO O presente ANEXO tem como

Leia mais

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo Conhecendo o Grupo 18 COLÉGIOS - PR / SC / RJ / SP/ RS 1 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - HUSF FUNCLAR FUNDAÇÃO CLARA DE ASSIS UNIFAG UNIDADE DE PESQUISA

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS 1) PAB FIXO Podem ser custeados com o PAB-FIXO, todos os procedimentos pertinentes à atenção básica da saúde (ambulatorial),

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192) Página 1 de 17 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192) Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM nº 1.666/2003, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO Responsável: Adriana dos Santos Leandro Endereço: Rua Fenelon Gomes, 112 Bairro: Ilha do Principe CEP:

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino

Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino A experiência do NHE do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Curitiba, 16 de abril de 2015 Hospital das Clínicas

Leia mais

Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 *****

Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 ***** Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 ***** Ementa: Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM n.º 1.634/2002, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH DIRETRIZES PEDAGÓGICAS DO PROGRAMA ESTÃO BASEADAS NAS AÇÕES QUE COMPORTAM ATIVIDADES Multiprofissionalidade e interdisciplinaridade:

Leia mais

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM 2015/1 * EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM 2015/1 * EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO Administração da Enfermagem na Atenção Primária a Saúde Enfermagem Administração de Produção Administração Administração de Produção II Administração Administração de Sistemas de Informação Administração/

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

VITAH A R Q U I T E T U R A

VITAH A R Q U I T E T U R A EXPERTISE EM PROJETOS ARQUITETÔNICOS na área da saúde SOBRE A ARQUITETURA sócios MARCIO WELLINGTON, Arquiteto/Diretor Formado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Anhembi Morumbi em 2003 e pós-graduado

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Resolução nº 12/2009 fls. 1 RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Altera a Resolução 06/2007 que trata do Regimento do Restaurante Escola da UFPel. O Presidente do Conselho Coordenador do Ensino, da

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões:

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões: SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: o Pronto Socorro Adulto de Taubaté teve seu funcionamento aprovado pela Vigilância Sanitária Estadual. O documento

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Missão 03 Valores Institucionais 03 Escola Especial de Educação Básica 04 Clínica de Audição, Voz e Linguagem Prof. Dr. Mauro Spinelli

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

Produtos Unimed Grande Florianópolis

Produtos Unimed Grande Florianópolis Produtos Unimed Grande Florianópolis A Unimed é o plano de saúde que oferece os melhores médicos do Brasil. Vamos além para que sua saúde seja plena e de qualidade. Para nós, o importante é ver você bem

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - CURITIBA Unidade

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013.

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013. PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM Santa Maria, 06 de Junho de 2013. INTRODUÇÃO Trata-se de uma proposta de Plano de Saúde no sistema de pré-pagamento para atender os associados da ASSUFSM de Santa Maria/RS,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

Curso Superior Completo em Medicina com especialização reconhecida pelo CRM em Cardiologia e registro no órgão competente

Curso Superior Completo em Medicina com especialização reconhecida pelo CRM em Cardiologia e registro no órgão competente ANEXO DEMONSTRATVO DE VAGAS, REQUSTOS E DESCRÇÃO DAS ATVDADES DOS CARGOS DO PLANO DE CARRERA DA SECRETARA MUNCPAL DE SAÚDE (Lei n.º 7.403 de 28/12/94) Cargo / Nível Função Especialidade N.º de Vagas Requisitos

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

CONSULTA PÚBLICA MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE A Organização Nacional de Acreditação, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 5º, inciso II, do seu Estatuto, aprovado em 21 de janeiro de 2008, adotou a seguinte e eu, Presidente da ONA, determino

Leia mais

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS FUNDAÇÃO HOSPITALAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO REGIDO PELO EDITAL FHEMIG Nº. 01/2009, PARA PROVIMENTO DE CARGOS DAS CARREIRAS DE MÉDICO, PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM, ANALISTA DE GESTÃO E

Leia mais

ANEXO I - QUADRO DE CARGOS

ANEXO I - QUADRO DE CARGOS COD NÍVEL ELEMENTAR CARGO CARGA HORÁRIA SEMANAL ANEXO I - QUADRO DE CARGOS VAGAS ÓRGÃO REQUISITO SALÁRIO BASE INICIAL E0 Auxiliar de Serviços Gerais Perfil Serviço de Copa e DAE Fundamental Incompleto

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA PROPOSTA DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 4 28

PORTFÓLIO: UMA PROPOSTA DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 4 28 PORTFÓLIO: UMA PROPOSTA DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 4 28 ORIENTAÇÃO SOBRE PREPARAÇÃO DE ALIMENTOS 4 17 AS LINGUAGENS DA CRIANÇA E O SABER FAZER NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONTRIBUIÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

ENFERMAGEM DO TRABALHO - TURMA VII

ENFERMAGEM DO TRABALHO - TURMA VII Rua Rio Branco, 216, Centro, CEP 650-490, São Luís /MA - Fone: (98) 3878.21 Credenciado pela Portaria Ministerial nº 1764/06, D.O.U. 211 de 03.11.06, Seção 01, Folha14 ENFERMAGEM DO TRABALHO - TURMA VII

Leia mais