Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises:"

Transcrição

1 Unidade Auditada: SENAC-ADMINISTRACAO REGIONAL EM SERGIPE Exercício: 2011 Processo: Município - UF: Aracaju - SE Relatório nº: UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SERGIPE Análise Gerencial Senhor Chefe da CGU-Regional/SE, Em atendimento à determinação contida na Ordem de Serviço n.º , e consoante o estabelecido na Seção III, Capítulo VII da Instrução Normativa SFC n.º 01, de 06/04/2001, apresentamos os resultados dos exames realizados sobre a prestação de contas anual apresentada pelo (a) SENAC-ADMINISTRACAO REGIONAL EM SERGIPE. 1. Introdução Os trabalhos de campo conclusivos foram realizados no período de 21/05/2012 a 01/06/2012, por meio de testes, análises e consolidação de informações coletadas ao longo do exercício sob exame e a partir da apresentação do processo de contas pela Unidade Auditada, em estrita observância às normas de auditoria aplicáveis ao Serviço Público Federal. Nenhuma restrição foi imposta à realização dos exames. Não se aplica à entidade a avaliação quanto aos itens nº 17 (Bens de Uso Especial) e nº 18 (Renúncias Tributárias) da parte "A" do Anexo III da DN TCU nº 117/ Resultados dos trabalhos Verificamos na Prestação de Contas da Unidade a existência das peças e respectivos conteúdos exigidos pela IN-TCU-63/2010 e pelas DN TCU 108/2010 e 117/2011. Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises: 2.1 Avaliação dos Resultados Quantitativos e Qualitativos da Gestão O desempenho do SENAC/SE em relação às suas metas previstas para o exercício de 2011, em termos de número de matrículas por cursos agrupados em eixos tecnológicos, está demonstrado na tabela adiante:

2 Qtde. Qtde. Eixo Tecnológico Matrículas Matrículas % Planejadas Realizadas Ambiente, Saúde e Segurança (5,37) Desenvolvimento Educacional e Social ,63 Gestão e Negócios ,83 Turismo, Hospitalidade e Lazer ,23 Informação e Comunicação (11,28) Infraestrutura (19,72) Produção, Cultural e Design ,16 TOTAL (0,76) AÇÕES EXTENSIVAS ,35 TOTAL ,87 O desempenho do SENAC/SE em relação às suas metas previstas para o exercício de 2011, em termos de número de matrículas por cursos agrupados em eixos tecnológicos, está demonstrado na tabela adiante: Eixo Tecnológico Matrículas Planejadas Matrículas Realizadas % Ambiente, Saúde e (5,37) Segurança Desenvolvimento Educacional e Social ,63 Gestão e Negócios ,83

3 Turismo, Hospitalidade ,23 e Lazer Informação Comunicação e (11,28) Infraestrutura (19,72) Produção, Cultural e ,16 Design TOTAL (0,76) AÇÕES EXTENSIVAS ,35 TOTAL ,87 E o desempenho do SENAC/SE em relação às suas metas previstas para o exercício de 2011, em termos de número de atendimentos realizados em três das seis unidades operativas, está demonstrado na tabela adiante: Unidade Operativa Qtde Planejado Atendimento Qtde Atendimento Realizado Centro de Formação Profissional de Aracaju Empresa Pedagógica de Hotelaria Unidade Móvel Os atendimentos e matrículas realizados foram comprovados por meio de exames físicos realizados pela equipe de auditoria e demonstraram, de forma geral, a efetividade do Programa de Qualificação Profissional do Trabalhador no exercício de Avaliação dos Indicadores de Gestão da UJ Os indicadores de gestão adotados, durante o exercício de 2011, pelo SENAC/SE nas áreas finalísticas, financeira e orçamentária são revestidos de compreensibilidade, acessibilidade, suficiência e denotam utilidade às tomadas de decisões da entidade.

4 2.3 Avaliação da Gestão de Recursos Humanos No exercício de 2011, inexistiu movimentação (cessão ou requisição) de funcionários do SENAC/SE, não havendo, dessarte, como avaliar este aspecto da gestão de Recursos Humanos da entidade. No que concerne à análise da folha de pagamento, a análise amostral da remuneração do mês de dezembro de 15 funcionários efetivos/contratados da entidade, não indicou inconsistências ou incompatibilidades nos pagamentos remuneratórios, concluindo-se, dessa maneira, pela regularidade dos correspondentes controles internos. De acordo com informações prestadas pela entidade, o número ideal de colaboradores do SENAC/SE é 293. Em 2011, o quadro de pessoal da entidade contava com 284 colaboradores, apontando uma carência de nove colaboradores, o que significa aproximadamente 3% do quadro. Ressalta-se o caráter dinâmico do quadro de pessoal da unidade, uma vez que pode ocorrer variação em função dos convênios e contratos firmados. Foram verificadas falhas nos processos de recrutamento e seleção e também na contratação de funcionários, como, por exemplo, incompatibilidade de horário de trabalho de funcionário do SENAC/SE que ocupa simultaneamente cargo público no âmbito do Poder Executivo Federal. Em que pese as fragilidades, considerando os testes aplicados, avaliou-se pela adequação dos controles internos vinculados à área de Recursos Humanos. 2.4 Avaliação do Funcionamento do Sistema de Controle Interno da UJ Controle Interno é o conjunto de atividades, planos, métodos, indicadores e procedimentos interligados, utilizado com vistas a assegurar a conformidade dos atos de gestão e a concorrer para que os objetivos e metas estabelecidos para as unidades jurisdicionadas sejam alcançados (IN TCU nº 63/2010). Com objetivo de avaliar a estrutura de controles internos instituída pelo Senac-AR/SE, com vistas a garantir que seus objetivos estratégicos para o exercício fossem atingidos, nas áreas de licitação e recursos humanos, foram analisados os seguintes componentes do controle interno: ambiente de controle, avaliação de risco, procedimentos de controle, informação e comunicação e monitoramento. a) Ambiente de Controle O ambiente de controle estabelece a fundação para o sistema de controle interno da Unidade, fornecendo disciplina e estrutura fundamental (COSO, 2006). Deve demonstrar o grau de comprometimento em todos os níveis da administração com a qualidade do controle interno em seu conjunto (Resolução nº 1.135/2008, do Conselho Federal de Contabilidade). Conforme registrado no Quadro XXXVI de seu Relatório de Gestão do Exercício de 2011, a Unidade indicou na maioria de suas respostas que o ambiente de controle é parcialmente válido. Este resultado foi confirmado por evidências obtidas durante a execução dos trabalhos de Auditoria Anual de Contas do Exercício de 2011 e encontra-se sintetizado na tabela a seguir: AVALIAÇÃO DO ITEM Nº DE ITENS % 3 - NEUTRA 1 3% 4 - PARCIALMENTE VÁLIDA 17 57% 5 - TOTALMENTE VÁLIDA 12 40% TOTAL % b) Avaliação de Risco Avaliação de risco é o processo de identificação e análise dos riscos relevantes para o alcance dos objetivos da entidade para determinar uma resposta apropriada.

5 da entidade para determinar uma resposta apropriada. Em relação a este componente, a Unidade Jurisdicionada indicou na maioria das respostas do Relatório de Gestão de 2011 também como parcialmente válida. Neste sentido, observou-se uma preocupação da Unidade, especialmente pelo setor de Auditoria Interna, em adotar práticas que auxiliem na detecção de riscos. c) Informação e Comunicação O sistema de informação e comunicação da entidade do setor público deve identificar, armazenar e comunicar toda informação relevante, na forma e no período determinados, a fim de permitir a realização dos procedimentos estabelecidos e outras responsabilidades, orientar a tomada de decisão, permitir o monitoramento de ações e contribuir para a realização de todos os objetivos de controle interno (Resolução nº 1.135/2008, do Conselho Federal de Contabilidade). Em relação à adoção de práticas para divulgação e tratamento de informações relacionadas a atividades necessárias ao alcance dos objetivos da Unidade, destaca-se a implementação de sistema de trâmite processual que agilizará a comunicação entre os seus diversos setores. d) Monitoramento Monitoramento é um processo que avalia a qualidade do desempenho dos controles internos ao longo do tempo. Envolve a avaliação do desenho e da tempestividade de operação dos controles, a verificação de inconsistências dos processos ou implicações relevantes e a tomada de ações corretivas. A sistemática de monitoramento utilizada pela Unidade é sintetizada na utilização de dois instrumentos, quais sejam, a atuação do setor de auditoria interna e do Conselho Fiscal. A Unidade avaliou positivamente o monitoramento do sistema de controle interno, o que foi corroborado por esta Controladoria diante do conteúdo do relatório do Conselho Fiscal que integra o Processo de Contas da Unidade relativo ao exercício e) Procedimentos de Controle Procedimentos de controle são as políticas e procedimentos estabelecidos pela administração da Unidade que ajudam a assegurar que as diretrizes estejam sendo seguidas. Em relação ao cotejamento das informações prestadas pela Unidade em seu Relatório de Gestão que avaliou positivamente os seus procedimentos de controle e as obtidas por esta Controladoria, verifica-se a coerência da avaliação da Unidade no tocante aos aspectos de contribuição dos mecanismos de controle interno para o seu desempenho. Os trabalhos realizados na Unidade nas áreas de licitação e recursos humanos tiveram por objetivo avaliar se os procedimentos estão efetivamente instituídos e se tem contribuído para o alcance dos objetivos estratégicos fixados pela Administração do SENAC-SE, conforme detalhado na tabela a seguir: Área Estrutura dos controles internos administrativos selecionada Parcialmente Adequada, ressaltando-se a necessidade de adoção de mecanismos que Licitações assegurem a correta identificação das modalidades a serem adotadas e os casos que caracterizem dispensa e inexigibilidade de licitação. Recursos Humanos Parcialmente Adequada, ressaltando-se a necessidade de obediência ao disposto no edital dos processos seletivos e de um melhor acompanhamento do prazo contratual máximo regulamentar de auxiliares de serviços gerais. Na área de licitações, citem-se como pontos negativos: a) inexistência de fluxogramas ou checklists para correta identificação de todas as fases da licitação e definição de competências; b) ausência de um

6 correta identificação de todas as fases da licitação e definição de competências; b) ausência de um cadastramento de licitantes, tendo sido evidenciado que algumas empresas que participaram de licitação no exercício 2011 não têm infraestrutura adequada para os serviços que prestaram ou inexistem no endereço constante das propostas, mesmo no caso da modalidade convite, ressaltando-se que não foram evidenciados prejuízos diante de tal situação; c) falhas no procedimento de identificação do preço de mercado para os casos de inexigibilidade, tendo em vista que é realizada pesquisa de preços com empresas diversas, desnaturando a justificativa para inviabilidade de competição. Destacam-se as ações positivas implementadas pela Unidade, a exemplo da edição de normativo exigindo a designação de fiscais de contratos, especialmente para aqueles de natureza educacional. Em relação à área de Recursos Humanos, destacam-se as seguintes fragilidades: a) Ausência de processo seletivo específico para Instrutor da disciplina Libras; e b) Deficiência no acompanhamento do prazo contratual máximo regulamentar de auxiliares de serviços gerais. Dentre os aspectos favoráveis, ressaltam-se: a) Regulamentação do Plano de Cargos e Salários dos funcionários; b) Fluxo de informações para a tomada de decisões do SENAC/SE com o uso de três comitês consultivos: Comitê de Gestão, Comitê Pedagógico e Comitê Socioambiental; c) Regularidade nas comunicações entre chefias e subordinados por corporativo e intranet; d) Instituição de Código de Ética. 2.5 Avaliação da Sustentabilidade Ambiental em Aquisições de Bens e Serviços A avaliação da Gestão Ambiental da Unidade, realizada com base nas informações constantes no item 8 - Gestão Ambiental e Licitações Sustentáveis do Relatório de Gestão 2011 e no resultado dos trabalhos de auditoria anual de contas do exercício de 2011, permite concluir que a Unidade iniciou um processo de adoção dos critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens e contratação de serviços ou obras, bem como inserção de uma política voltada para a preservação ambiental junto aos seus funcionários e o seu público alvo, em que pese o Decreto nº 5.940/2006 não ser aplicável às entidades paraestatais. A Unidade implantou um Comitê Socioambiental, composto por seus empregados, visando a criar uma cultura organizacional de preservação do meio ambiente e ações dela decorrentes, a ser contemplada em seu Plano de Ações para o exercício Tendo em vista que as ações foram iniciadas em 2011 e serão implementadas a partir de 2012, constatou-se que nas licitações 2011, ainda não havia a inclusão de critérios de sustentabilidade nos editais. Acrescente-se que a Unidade ainda não implementou uma política de coleta seletiva de lixo. 2.6 Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação A avaliação da gestão de Tecnologia da Informação - TI está estruturada a partir da abordagem dos seguintes aspectos: definição de um planejamento estratégico de TI e de uma política de Segurança da Informação; existência de um comitê diretivo de TI formalmente designado e atuante; estrutura de pessoal envolvida com TI; adequação dos procedimentos inerentes ao desenvolvimento e produção de sistemas; e adequação e gestão dos bens e serviços adquiridos. I) Planejamento Estratégico de TI A Unidade ainda não possui um planejamento estratégico de TI (PETI) e Comitê Gestor de TI devidamente formalizados. Não obstante tal fato, foram incluídos recursos no orçamento da Unidade destinados à área de tecnologia da informação e, em manifestação contida no AR nº 398/2012, de 29 de maio de 2012, a Unidade informou que se encontra em processo de estudo a elaboração de um Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação. II) Política de Segurança da Informação A Unidade não possui uma Política de Segurança da Informação - PSI implementada, conforme informação

7 A Unidade não possui uma Política de Segurança da Informação - PSI implementada, conforme informação apresentada mediante o AR nº 364/2012, de 21 de maio de Não obstante tal fato, cumpre informar que aquela manifestou-se no sentido da adoção de medidas para elaboração e implementação de um Plano Diretor de Tecnologia da Informação - PDTI e Plano Estratégico de Tecnologia da Informação - PETI. Além disto, a Unidade vem adotando boas práticas relativas à segurança da informação, pois as ações do Núcleo de Informática têm previsto políticas que objetivam a segurança, disponibilidade, integridade e confidencialidade dos dados, a exemplo dos softwares adquiridos e monitoramento da utilização dos recursos de tecnologia da informação por parte dos colaboradores da Unidade. III) Recursos Humanos de TI Conforme planilha de distribuição da força de trabalho do Senac/AR-SE relacionada com a Tecnologia da Informação, observa-se que existem 07empregados de seu quadro permanente, não havendo terceirizados. Destaque-se que os empregados possuem formação específica em Tecnologia da Informação. IV) Desenvolvimento e Produção de Sistemas Em relação aos softwares utilizados pela Unidade, em que pese a relevância da utilização dos mesmos, percebe-se que não há uma política sistematizada de absorção do conhecimento e tecnologia utilizada e instalada pelas empresas contratadas, havendo a necessidade permanente de contratação para manutenção e atualização dos sistemas. V) Contratação e Gestão de Bens e Serviços de TI As soluções de Tecnologia da Informação do SENAC-AR/SE são, em sua maioria, desenvolvidas por empresas contratadas, o que gera o risco de dependência de pessoas sem vínculo com a Unidade. Nos contratos de aquisição de bens e serviços de TI celebrados em 2011, em face da inexistência de um Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação, constatou-se que não há a celebração de contrato com adoção parcial de acordo de níveis de serviço com os fornecedores. Essa falta de definição, entre a Unidade e a Empresa fornecedora de soluções de TI, demonstra fragilidade na condução do contrato. Um reflexo disso pode se dar na dificuldade em se ajustar expectativas, ou seja, os esforços e investimentos dispendidos poderão não se mostrar sintonizados com as necessidades e expectativas dos clientes. 2.7 Avaliação da Situação das Transferências Voluntárias Face à inocorrência de transferências de recursos no âmbito do SENAC/SE em 2011, não foi possível avaliar à regularidade da sua concessão e monitoramento das prestações de contas. 2.8 Avaliação da Regularidade dos Processos Licitatórios da UJ A análise dos processos licitatórios realizados pelo Senac/AR-SE no exercício de 2011 teve por objetivo avaliar a regularidade das contratações efetuadas pela Unidade de acordo com as seguintes diretrizes: apurar se o objeto da licitação atende a real necessidade da Unidade; verificar a consonância do objeto com a missão e metas da Instituição, bem como com os objetivos das ações dos programas contidos no orçamento; verificar o enquadramento do objeto à adequada modalidade de licitação; e verificar as razões de fundamentação da dispensa ou inexigibilidade de licitação. Nesse contexto, foram utilizados os critérios de materialidade, relevância e criticidade como metodologia para escolha da amostra, resultando em uma amostragem não probabilística, a qual não possibilita a extrapolação das conclusões obtidas a partir dos processos analisados para o universo das contratações realizadas pelo SENAC no exercício em análise. A partir das informações prestadas pela Unidade referentes ao exercício de 2011, verifica-se a realização das seguintes quantidades e montantes contratados, conforme demonstrado na tabela a seguir:

8 seguintes quantidades e montantes contratados, conforme demonstrado na tabela a seguir: Compras e Demais Serviços Quantidade de Processos Valor (R$) Part. (%) Concorrência Convites 2, ,00 1,78 Pregão 28, ,10 63,92 Dispensas de Licitação 152, ,44 21,87 Inexigibilidades Licitação de 6, ,68 7,57 Obras e Serviços de Engenharia. Quantidade de Processos Valor (R$) Part. (%) Concorrência Convites 2, ,49 1,11 Dispensas de Licitação 3, ,66 3,17 Inexigibilidades de 4, ,73 0,59 Licitação Total ,10 100,00 Com efeito, a tabela seguinte resume o resultado das análises realizadas no Senac, no que se refere à regularidade, modalidade licitatória, fundamentação legal da Dispensa e Inexigibilidade: Convite Quantidade de processos Licitatórios (Oport. e Conveniênc. do motivo da Lic.) Valor Empenhado em 2011 (Oport. e Conveniênc. do motivo da Lic.) Quantidade de Processos licitatórios com Oport. e Conveniênc. do motivo da Lic indevida. Volume de recursos de processos licitatórios com Oport. e Conveniênc. do motivo da Lic indevida.

9 Lic.) Lic indevida. motivo da Lic indevida , Convite Quantidade de processos Licitatórios (Modalidade da Licitação). Valor Empenhado em 2011 (Modalidade da Licitação). Quantidade de Processos licitatórios com Modalidade indevida. Volume de recursos de processos licitatórios com Modalidade indevida , ,49 Pregão Quantidade de processos Licitatórios (Oport. e Conveniênc. do motivo da Lic.) Valor Empenhado em 2011 (Oport. e Conveniênc. do motivo da Lic.) Quantidade de Processos licitatórios com Oport. e Conveniênc. do motivo da Lic indevida. Volume de recursos de processos licitatórios com Oport. e Conveniênc. do motivo da Lic indevida , Pregão Quantidade de processos Licitatórios (Modalidade da Licitação). Valor Empenhado em 2011 (Modalidade da Licitação). Quantidade de Processos licitatórios com Modalidade indevida. Volume de recursos de processos licitatórios com Modalidade indevida , ,49 Quantidade de processos Licitatórios por dispensa Valor Empenhado em dispensa Quantidade de Processos licitatórios com dispensa indevida. Volume de recursos de processos licitatórios com dispensa indevida.

10 indevida. dispensa indevida. 5, ,20 3, ,90 Quantidade de processos Licitatórios por inexigibilidade. Valor Empenhado em 2011 inexigibilidade Quantidade de Processos licitatórios com inexigibilidade indevida. Volume de recursos de processos licitatórios com inexigibilidade indevida. 4, ,98 1, ,00 Por oportuno, cabe destacar que a avaliação quanto à estrutura de controles internos da Unidade Jurisdicionada com vistas a garantir a regularidade das contratações e encontra-se consignada na análise presente no item 5 avaliação dos controles internos deste relatório. Face ao exposto, a análise da amostra permite concluir pela inadequação parcial dos procedimentos adotados pelo Senac nos certames analisados, com relação à regularidade dos procedimentos de contratação, evidenciando a necessidade de aprimoramento dos controles internos aos ditames legais, com vistas a conseguir maior aderência às disposições contidas em seu Regulamento de Licitações e Contratos (Resolução nº 845/ SENAC) e na jurisprudência do Tribunal de Contas da União.

11 2.9 Avaliação da Gestão de Passivos sem Previsão Orçamentária Não existem passivos sem a consequente previsão orçamentária de créditos ou recursos no âmbito dessa Unidade do Sistema S, motivo pelo qual não foi realizada análise sobre as causas que ensejaram a ocorrência de passivos Avaliação do Cumprimento das Determinações/Recomendações do TCU A análise quanto às providências adotadas visando ao atendimento das determinações emanadas pelo Tribunal de Contas da União restou prejudicada em face de que, no exercício de 2011, inexistiu Acórdão daquela Corte de Contas, direcionado ao SENAC/SE, com menção expressa para a Controladoria-Geral da União ou Secretaria Federal de Controle Interno proceder à verificação de seu cumprimento Ocorrência(s) com dano ou prejuízo: Entre as análises realizadas pela equipe, não foi constatada ocorrência de dano ao erário. 3. Conclusão Eventuais questões formais que não tenham causado prejuízo ao erário, quando identificadas, foram devidamente tratadas e as providências corretivas a serem adotadas, quando for o caso, serão incluídas no Plano de Providências Permanente ajustado com a UJ e monitorado pelo Controle Interno. Tendo sido abordados os pontos requeridos pela legislação aplicável, submetemos o presente relatório à consideração superior, de modo a possibilitar a emissão do competente Certificado de Auditoria. Aracaju/SE, 20 de setembro de 2012.

12 Relatório supervisionado e aprovado por: Chefe da Controladoria Regional da União no Estado de Sergipe Achados da Auditoria - nº SENAC-GESTÃO POLÍT EXECUÇÃO FINANC, CONT E CI 1.1. Subárea - SENAC-GESTÃO POLÍT EXECUÇÃO FINANC, CONT E CI Assunto - AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Informação O procedimento de verificação de passivos sem a consequente previsão orçamentária de créditos ou recursos não se aplica ao âmbito do SENAC/SE Informação As Demonstrações da Execução Orçamentária da Despesa e da Receita para o exercício em exame não evidenciaram a existência de diferenças relevantes entre os valores estimados/previstos e os efetivamente arrecadados/despendidos para o exercício de 2011 em relação às contas contábeis de receitas e despesas do SENAC/SE. Do exame e validação dos dados contidos no Relatório de Gestão do SENAC/SE, verificou-se, de forma geral, a regularidade no cumprimento das metas de matrículas estabelecidas para cada eixo tecnológico Assunto - ATUAÇÃO DO TCU/SECEX - NO EXERCÍCIO Informação Inexistiu, no exercício de 2011, Acórdão emanado pelo Tribunal de Contas da União direcionado ao SENAC/SE, com menção expressa para a Controladoria-Geral da União ou à Secretaria Federal de Controle Interno proceder à verificação de seu cumprimento Assunto - MOVIMENTAÇÃO Informação Por intermédio do AR nº 364/2012 de 21/05/2012, o SENAC/SE informou que, em 2011, não houve casos de cessão ou requisição de funcionários de ou para outras unidades Informação

13 Informação O Núcleo de Gestão de Pessoas do SENAC/SE produziu estudo a respeito do dimensionamento do quadro de pessoal da entidade, tendo como escopo o exercício de Este estudo, intitulado 'Quadro de Lotação', discrimina o quantitativo existente em 2011 e o número ideal de funcionários por setor/divisão. Concluiu haver 284 colaboradores em atividade no exercício e a quantidade necessária ao desempenho das atribuições institucionais da entidade seria de 293 colaboradores, havendo, portanto, uma diferença de 9 funcionários. No intuito de eliminar esta carência, o SENAC/SE informou, por meio do AR nº 398/2012 de 29/05/2012, que foram realizados alguns remanejamentos internos e processo seletivo para contemplar o quantitativo ideal, cujo número se trata de reposição de alguns colaboradores que deixaram a instituição Assunto - REMUNERAÇÃO, BENEFÍCIOS E VANTAGENS Informação Da análise da folha de pagamento dos funcionários do SENAC/SE referente ao mês de dezembro de 2011, esta equipe de auditoria não detectou inconsistências que denotassem desrespeito aos Princípios Gerais que norteiam a Administração Pública, em especial os da Moralidade, Razoabilidade e Impessoalidade. Outrossim, verificou-se consonância dos valores pagos aos seus dirigentes com aqueles pagos por outra entidade pertencente ao Sistema "S" Assunto - PROCESSOS LICITATÓRIOS Constatação Contratação de serviços de publicidade com enquadramento indevido da dispensa de licitação em relação ao RLC da Entidade. O SENAC/SE realizou, no período de 01/03/2011 a 30/06/2011, contratação de serviços de publicidade, conforme demonstrado a seguir: Nº do Processo Data contratação da Objeto Valor R$ 24/ /04/11 Anúncio publicitário das ações do SENAC/SE ,80 25/ /04/11 Contratação de empresa especializada para anúncio ,00 28/ /04/11 Divulgação dos produtos e serviços ofertados pelo SENAC/SE ,00 31/ /04/11 Contratação de empresa para encartação de programações 2.500,00

14 encartação de programações de cursos do SENAC/SE. 41/ /05/11 Publicação de anúncios referente ao Banco de oportunidades do SENAC/SE, bem como da Sala do Empresário ,00 56/ /07/11 Publicação de 05 anúncios da Nona Edição (2011) do Guia de Sergipe Trate Tour 2.200,00 57/ /06/11 Anúncio publicitário das ações do SENAC/SE ,00 TOTAL ,80 Todas as contratações de serviços elencadas foram realizadas por meio de dispensa de licitação. Os Expedientes Internos nºs 24/2011, 25/2011, 28/2011, 31/2011, 41/2011 e 56/2001 apresentam como enquadramento legal o Art. 9º, Inciso I da Resolução nº 845/2006, que trata do limite estabelecido na Resolução SENAC 929/2011 de R$ ,00 para contratação de serviços. Verifica-se, todavia, que houve inobservância na utilização deste artigo, tendo em vista que somente no trimestre analisado há um montante de R$ ,80 de despesas com o mesmo objeto. Neste prisma, cumpre ressaltar que, até 28/04/2011, o valor limite para dispensa de licitação ainda era R$25.000,00, ou seja, somando-se os valores das dispensas de nº 24/2011, n.º 25/2011, n.º 28/2011 e n.º 31/2011, que totalizaram R$35.490,80, o valor já era superior ao limite de dispensa (R$25.000,00) disposto na Resolução 845/2006. Já nas contratações cadastradas no Expediente Interno nº 57/2011, utilizou-se como motivação o inciso XI, do Art. 9º, da Resolução 845/2006. Entretanto, nesta situação também se observa um entendimento indevido ao utilizar este dispositivo, tendo em vista que o mesmo trata dos casos de urgência, que deve ser utilizado em atendimento de situações comprovadamente imprevistas ou imprevisíveis em tempo hábil para realizar licitação, não sendo, contudo, a situação destas contratações, uma vez que os serviços destes ajustes se relacionam com ações da programação orçamentária anual. A Unidade foi instada a se manifestar por meio da Solicitação de Auditoria nº /012, de 13 de junho de 2012, não apresentando qualquer esclarecimento novo sobre os fatos ora apontados. Causa: Ausência de planejamento para aquisições de serviços de publicidade e fundamentação inadequada realização de dispensa de licitação. na Manifestação da Unidade Examinada: O SENAC/SE apresentou resposta aos questionamentos relacionados à motivação inadequada do

15 O SENAC/SE apresentou resposta aos questionamentos relacionados à motivação inadequada do Regulamento da Entidade na Solicitação de Auditoria nº /004 por meio do documento AR nº 921/2011, descritos a seguir: Item E - " As contratações decorrentes das DISPENSAS Nºs 24, 25, 28, 31, 41, 56 e 57/2011 cumpriram as normas insertas na RESOLUÇÃO 845/2006, não existindo qualquer ilegalidade no enquadramento das despesas, até porque os objetos contratados foram executados diretamente por empresas qualificadas e nesse caso específico a escolha não poderia ser outra, a não ser a de menor preço; Item F - Caso o SENAC/SE tivesse contratado os serviços através de uma agência de publicidade, ai sim o julgamento seria do tipo TÉCNICA E PREÇO, conforme preceitua o INCISO II ART. 8º da RESOLUÇÃO 845/2006-SENAC; Item G - Como pode ser evidenciado não existe qualquer ilegalidade no enquadramento das despesas oriundas das DISPENSAS de nº. 24, 25, 28, 31, 41, 56 e 57/2011, realizadas por ainda se encontrar em curso a CONCORRÊNCIA Nº. 03/2011; Item H - É imprescindível destacar que 5 (cinco) empresas apresentaram seus envelopes de HABILITAÇÃO, PROPOSTA TÉCNICA e PROPOSTA DE PREÇO para participarem da CONCORRÊNCIA Nº. 03/2011, as quais foram habilitadas e estão competindo entre si. São elas: I - INSIGHT PROPAGANDA E MARKETING LTDA; II - INTER MARKETING E PROPAGANDA LTDA; III - CASA PUBLICIDADE LTDA; IV - CONCEITO COMUNICAÇÃO INTEGRADA LTDA; V - AGW NEGÓCIOS E PUBLICIDADE LTDA ME; Item I - Com relação a mencionada CONCORRÊNCIA Nº. 03/2011, informamos que nesse instante os envelopes de PROPOSTA TÉCNICA já estão sendo devidamente analisados e avaliados pela COMISSÃO TÉCNICA, que emitirá Parecer contendo as notas, conforme condições estabelecidas no próprio edital; Item J - Decorrido o prazo de recurso para fase de proposta técnica, a CPL/SENAC-SE abrirá os envelopes de PROPOSTAS DE PREÇOS; Item K - Ultrapassado o prazo de recurso da fase de PROPOSTA DE PREÇOS, caberá a CPL/SENAC-SE encaminhar os autos para autoridade competente, cabendo a mesma ADJUDICAR e HOMOLOGAR a despesa decorrente da CONCORRÊNCIA Nº. 03/2011; Item L - Após adjudicação e homologação deste certame e conseqüentemente assinatura do contrato a ser firmado entre as partes (contratante e contratada), o SENAC/SE deixará de efetuar despesas através de DISPENSA DE LICITAÇÃO, com objetos apresentados nas DISPENSAS de nºs 24, 25, 28, 31, 41, 56 e 57/2011; Por todo exposto, não há como questionar a atitude tomada pela autoridade competente do SENAC/SE, quando CANCELOU a CONCORRÊNCIA Nº. 45/2010, onde havia somente uma empresa HABILITADA, haja vista que na atual concorrência estão participando 5 (cinco) empresas. No universo de qualquer processo licitatório, quanto maior o número de empresas concorrendo, melhor é a escolha do serviço contratado, ainda mais quando o tipo da licitação é de TÉCNICA e PREÇO, vez que somente o preço não é fator preponderante, ao contrário, será a técnica aliada ao preço que determinará o sucesso da execução do futuro contrato a ser firmado. Por meio do AR nº 595/2012 de 01/08/2012, o SENAC apresentou os seguintes esclarecimentos adicionais: "Concordamos com a recomendação apresentada pela auditoria da CGU e informamos que já estamos editando normativo interno para estabelecer procedimentos de trabalho voltados à realização de licitações e compras, adequados à realidade do Senac/SE, que está em perfeita consonância com a Resolução Senac/DN n 845/2006. A norma que está sendo editada já fora encaminhada para análise da auditoria do Conselho

16 n 845/2006. A norma que está sendo editada já fora encaminhada para análise da auditoria do Conselho Fiscal, tendo recebido as considerações positivas quanto a sua edição. Apesar de concordarmos com a recomendação supra, salientamos que as contratações dos serviços de publicidade através das dispensas de licitação se deram durante o período em que se encontrava em andamento a contratação da Agência de Publicidade, através da Concorrência n 03/2011, que estava sendo realizada após o cancelamento da Concorrência n 45/2010. Não havia como não classificar as contratações como urgentes, pois a Administração Regional do Senac em Sergipe entendeu que a divulgação de suas ações educacionais e de cursos profissionalizantes ofertados estava sim revestida do caráter de necessidade e urgência necessários a embasar as dispensas, apesar da previsibilidade das ações e divulgação. Outra forma não vislumbramos para contratar tais serviços de divulgação, durante o andamento do certame respectivo, não fosse através das dispensas." Análise do Controle Interno: Verificou-se que as assertivas apresentadas pela entidade não elidem as falhas apontadas posto que as contratações decorrentes das dispensas nºs 24, 25, 28, 31, 41, 56 e 57/2011 não cumpriram as normas insertas na RESOLUÇÃO 845/2006, dado que houve inobservância na utilização do Inciso I do Art. 9º desta Resolução, em particular, verificou-se somente no trimestre analisado um montante de R$ ,80, ocasionando fracionamento de despesa com o mesmo objeto. Da mesma forma, não elide o apontamento sobre a utilização indevida do Inciso XI da Resolução 845/2005, poiso Gestor não pode alegar emergência pelo fato de deixar de tomar tempestivamente as providências necessárias à realização da licitação previsível. Cabe registrar, ainda, que houve procedimento licitatório, Concorrência nº SRP 45/2010, cujo objeto refere-se à contratação, pelo SENAC/SE, de Assessoria Técnica através de agência de publicidade e propaganda para prestar serviço de planejamento, conceituação, concepção, criação, produção, distribuição, veiculação, controle e acompanhamento de peças e campanhas publicitárias, contemplando propaganda e publicidade legal, comercial, mercadológica e institucional prestados por agência de publicidade e propaganda. No entanto, há despacho, de 11 de fevereiro de 2011, cancelando o certame, apesar de a comissão de licitação ter registrado na Ata de Julgamento da Habilitação que a empresa Conceito Comunicação Integrada Ltda estava habilitada. Este questionamento encontra-se no item deste relatório. Destarte, a Unidade deve realizar suas aquisições de produtos de mesma natureza dentro da modalidade licitatória pertinente observando o princípio da anualidade da despesa, a fim de evitar fracionamento de despesas, nos termos do Regulamento de Licitações e Contratos próprio do órgão e na Jurisprudência do TCU, a exemplo do Acórdão 943/2010 Plenário. Recomendações: Recomendação 1: Planejar criteriosamente as compras a serem realizadas ao longo do exercício, de forma que as aquisições de bens e serviços similares, cujo montante anual ultrapasse o limite estabelecido para a dispensa de licitação, sejam precedidas de devido procedimento licitatório e enquadradas na modalidade adequada, em cumprimento ao estabelecido no art. 7º do Regulamento de Licitações e Contratos da Entidade Constatação Cancelamento indevido da Concorrência nº 45/2010 referente à contratação de serviços de publicidade a ser prestados por agência de publicidade e propaganda.

17 O SENAC/SE realizou procedimento licitatório (Concorrência nº 45/2010) cujo objeto refere-se à contratação de serviços de planejamento, concepção, criação, produção, veiculação, controle e acompanhamento de peças e campanhas publicitárias, contemplando propaganda e publicidade legal, comercial, mercadológica e institucional prestados por agência de publicidade e propaganda, estimado em R$ ,00. Verificou-se que ocorreu a devida publicação dos avisos contendo os resumos dos instrumentos convocatórios e indicação do local em jornal de grande circulação conforme prevê o Art. 5º da Resolução 845/2006. Neste certame, três empresas apresentaram propostas, em 11/02/2011. A empresa de CNPJ nº / foi desclassificada do certame por não cumprir a exigência do item do Edital, conforme Ata de Recepção dos envelopes de Proposta - Proposta Técnica e Habilitação - 23/11/2010. A empresa de CNPJ nº / também foi desclassificada conforme Ata de julgamento do Recurso Administrativo do dia 10/02/2011. A Comissão de Licitação, em 17/12/2010, registrou na Ata de Julgamento da Habilitação referente à Concorrência nº. 45/2010 que a empresa CNPJ nº / até aquele momento estava habilitada. Após esta ocorrência, os gestores do SENAC/SE, por meio do despacho, de 11 de fevereiro de 2011, cancelaram o certame, sem que fosse devidamente formalizado no processo licitatório os motivos do cancelamento. A partir disto, verificou-se que a entidade vem realizando todas as contratações por meio de dispensa, conforme demonstrado no item deste relatório. No entanto, a Resolução 845/2006 não apresenta dispositivo que impeça a continuidade do procedimento licitatório caso haja uma empresa que atenda os requisitos solicitados no Edital. Instada a se manifestar por meio da Solicitação de Auditoria nº /2012, de 13 de junho de 2012, a Unidade não apresentou esclarecimentos adicionais. Causa: Ausência de mecanismos de controle sobre a formalização dos processos de licitatório, possibilitando o cancelamento da Concorrência 45/2010, sem a devida motivação. Manifestação da Unidade Examinada: O SENAC/SE apresentou resposta aos questionamentos relatados na Solicitação de Auditoria nº /004 por meio do documento AR nº 921/2011, descritos a seguir: 1) SOBRE A CONCORRÊNCIA Nº. 45/2010: A) No dia ocorreu à recepção dos envelopes de HABILITAÇÃO, PROPOSTA e PROPOSTA TÉCNICA; B) 3 (três) empresas, abaixo elencadas, manifestaram interesse em participar da CONCORRÊNCIA Nº. 45/2010 e assim apresentaram seus envelopes; I. CONCEITO COMUNICAÇÃO INTEGRADA LTDA; II. UP COMUNICAÇÃO E EXPANSÃO LTDA; III. INSIGHT PROPAGANDA E MARKETING LTDA

18 C) De imediato, a Comissão Permanente de Licitações do SENAC (CPL) desclassificou a empresa INSIGHT PROPAGANDA E MARKETING LTDA, pois a mesma não havia realizado a visita técnica, condição indispensável para participar da referida licitação; D) Percebe-se que a partir desse momento somente 2 (duas) empresas estão competindo no âmbito da CONCORRÊNCIA Nº. 45/2010; E) Na mesma data ( ) ocorreu a abertura dos envelopes de HABILITAÇÃO das duas empresas concorrentes (CONCEITO COMUNICAÇÃO INTEGRADA LTDA e UP COMUNICAÇÃO E EXPANSÃO LTDA); F) A empresa UP COMUNICAÇÃO E EXPANSÃO LTDA foi devidamente inabilitada, pois descumpriu o item d do edital Concorrência nº. 45/2010; G) Após inabilitação da empresa UP COMUNICAÇÃO E EXPANSÃO LTDA, foi observada a ausência do caráter da ampla competitividade, uma vez que nesse instante só uma empresa estava concorrendo; H) Vale destacar que a CPL/SENAC-SE havia aberto os envelopes de habilitação, faltando ainda ocorrer às sessões públicas de abertura dos envelopes de PROPOSTA TÉCNICA e PROPOSTA DE PREÇO, ou seja, não houve a quebra do sigilo das informações contidas nesses envelopes; I) Ora, o SENAC/SE poderia ter continuado com o certame, todavia, a manutenção do caráter da ampla competitividade é algo imprescindível, ainda mais quando estamos tratando de uma licitação onde o critério de julgamento é o de melhor técnica e preço; J) Na busca da melhor proposta para o SENAC/SE, a autoridade competente decidiu CANCELAR a CONCORRÊNCIA Nº. 45/2010; K) É imperioso destacar que o CANCELAMENTO da CONCORRÊNCIA Nº. 45/2010 teve total amparo no edital, mais especificamente no item 22.7, conforme transcrição abaixo: 22.7 O SENAC/SE poderá, a qualquer tempo, cancelara presente licitação, sem que caiba qualquer direito aos licitantes, desde que esse ato seja praticado antes da assinatura do respectivo contrato. L) Observa-se que o ato da promoção do cancelamento da CONCORRÊNCIA Nº. 45/2010 não só teve amparo legal no edital, como também preservou o erário do SENAC/SE, até porque naquele instante era totalmente obscuro e temerário dar continuidade ao certame com somente uma empresa licitante. Além disso, o cancelamento ocorreu no tempo bastante oportuno, pois as informações contidas nos envelopes de PROPOSTA TÉCNICA e PROPOSTA DE PREÇO não haviam sido divulgadas, demonstrado claramente que o SENAC/SE teve respeito para com os profissionais que tiveram trabalho para elaborar tais documentos; M) Ressalte-se ainda que o motivo de ter habilitado a empresa CONCEITO COMUNICAÇÃO INTEGRADA LTDA não quer dizer que a mesma tinha direito garantido para uma futura contratação. Ao contrário, visualizando melhores condições de competição, a autoridade competente expediu a decisão de forma coerente e correta, ordenando o cancelamento da CONCORRÊNCIA Nº. 45/2010 e ao mesmo tempo determinando abertura de um novo certame; N) Por fim, a Direção do SENAC/SE encaminhou Oficialmente para as empresas licitantes os seguintes documentos: I. FOTOCÓPIA DA ATA DE JULGAMENTO DO RECURSO ADMINISTRATIVO APRESENTADO PELA EMPRESA UP COMUNICAÇÃO E EXPANSÃO LTDA, DATADA DE ; II. FOTOCÓPIA DO DESPACHO DETERMINANDO O CANCELAMENTO DA CONCORRÊNCIA Nº. 45/2010, DATADO DE ;

19 III. FOTOCÓPIA DO PARECER JURÍDICO DATADO DE ; IV. ENVELOPES DE PROPOSTA TÉCNICA E PROPOSTA DE PREÇOS. RESSALTE-SE QUE ESSES ENVELOPES ESTÃO LACRADOS E NÃO TEM QUALQUER INDÍCIO DE VIOLAÇÃO. O) Mais uma vez ficou evidenciada a lisura dos atos praticados, bem como, todas as empresas licitantes tiveram conhecimento das decisões decorrentes da CONCORRÊNCIA Nº. 45/2010." Por meio do AR nº 595/2012 de 01/08/2012, o SENAC apresentou os seguintes esclarecimentos adicionais: "Apesar de não concordarmos com as considerações apresentadas pela equipe de auditoria, principalmente porque o cancelamento do certame não se deu em vão e foi realizado mediante a discricionariedade do administrador do Senac, por julgar temerário o andamento da licitação com apenas uma empresa, atitude não vedada pela Resolução interna corporis, acatamos a recomendação. Iremos adotar medidas, desde que adequadas a cada caso concreto, para atender à recomendação do TCU, por meio do informativo mencionado." Análise do Controle Interno: Os esclarecimentos apresentados não ilidem a constatação, uma vez que o 2º do art. 5º da Resolução SENAC 845/2005 dispõe especificamente sobre a quantidade de propostas para a modalidade convite e a licitação em comento foi realizda na modalidade concorrência. Para esta modalidade, não há dispositivo na Resolução que exija uma quantidade mínima de licitantes, ou que autorize o seu cancelamento no caso de haver apanas uma proposta válida. Quanto aos demais aspectos, cumpre esclarecer que a análise desta Controladoria limita-se apenas a ausência de comprovação dos motivos que justificaram o cancelamento da referida licitação. Diante do exposto, mantém-se na íntegra a constatação. Recomendações: Recomendação 1: Observar, doravante, as orientações e determinações do Tribunal de Contas da União nos casos de cancelamento de procedimentos licitatórios, a exemplo da Contida no Informativo TCU nº 58 ("A revogação de processo licitatório é condicionada à ocorrência de fato superveniente, devidamente comprovado, que justifique tal medida") Constatação Contratação de materiais/serviços/obras com motivação insuficiente que demonstrasse a necessidade do gasto e fundamentação para a contratação na quantidade contratada. Da análise dos processos licitatórios na modalidade pregão de nº. 05, 07, 11, 14, 15,16,19, 20, 33, 34, 35, 38, 41, 43, 46, 48 e 51, no valor total de R$ ,98, para contratação de materiais e serviços, verificouse que a motivação apresentada pelo gestor não demonstra a real necessidade da aquisição do objeto, tendo em vista que não há quaisquer estudos (nem mesmo comparativos com os últimos exercícios) nos autos do

20 em vista que não há quaisquer estudos (nem mesmo comparativos com os últimos exercícios) nos autos do processo comprovando que as quantidades a ser adquiridas efetivamente correspondem às demandas que justificam a contratação pela Unidade. Causa: Falhas nos mecanismos de controle interno administrativo, em face de não previsão de atribuição do setor de licitações para exigir comprovação da necessidade de aquisição das necessidades demandadas. Manifestação da Unidade Examinada: Por meio do AR-414/2012, a Unidade apresentou os seguintes esclarecimentos: "Em atenção à Controladoria da União no Estado de Sergipe CGU, seguem as justificativas referentes aos procedimentos do SENAC/SE, adotados para motivar a realização dos Pregões Presenciais: O Pregão Presencial nº 05/2011, cujo objeto foi a aquisição de Ampola para Garrafa, Avental, Calças e outros, foi realizado para atender as necessidades dos alunos e instrutores dos cursos da Empresa Pedagógica de Hotelaria. Os materiais adquiridos, salvo aqueles voltados para uso pessoal dos alunos como fardamento, são cedidos a título de empréstimo, sendo entregues no início do curso e devolvidos no final para reaproveitamento em turmas futuras, caso tenham condições de uso. Saliente-se que os materiais em análise integram o uniforme dos alunos, que desenvolvem atividades pedagógicas na área de gastronomia, com fulcro de atender às normas constantes na RDC 216 Anvisa que dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Manipulação, mas especificamente no item o qual estabelece que Os manipuladores devem ter asseio pessoal, apresentando-se com uniformes compatíveis a atividade, conservados e limpos, os uniformes devem ser trocados, no mínimo diariamente e usados exclusivamente nas dependências internas do estabelecimento. As ampolas são utilizadas para substituir aquelas danificadas durante o manuseio das garrafas térmicas, usadas para servir cafés nos setores, em coffee break e demais atividades do SENAC/SE. O Pregão Presencial nº. 007/2011, que tem como objeto a DEDETIZAÇÃO E LIMPEZA DE CAIXA D ÁGUA, foi motivado pela necessidade de manutenção das condições de limpeza e higiene das instalações do SENAC/SE, exigência essa fiscalizada permanentemente pela Vigilância Sanitária Municipal para manutenção da autorização de funcionamento. Contemplava a dedetização, desinsetização, desratização, descupinização e limpeza dos reservatórios de água de todas as unidades do SENAC/SE. Salientamos que os serviços contratados visaram atender os 05 ambientes pedagógicos com manipulação de alimentos no município de Aracaju, 02 ambientes pedagógicos relacionados à área de imagem pessoal também em Aracaju, 01 ambiente pedagógico relacionado à área de imagem pessoal no município de Itabaiana, 02 ambientes pedagógicos da área de imagem pessoal no município de Lagarto e outros 02 ambientes pedagógicos ligados a mesma área no município de Tobias Barreto, além do fato de o SENAC/SE, em suas unidades, atender a cerca de 20 mil alunos devendo, portanto, disponibilizar infraestrutura de higiene, asseio pessoal e necessidades fisiológicas capaz de atender a todos. Pregão Presencial n 11/2011 Conforme informamos através do AR n 383, de 25 de maio de 2012, o quantitativo de camisas confeccionadas para atender ao Programa Aprendizagem Comercial, realizado em atendimento à Lei n /2000, tem-se por base o planejamento de realização das turmas para o exercício de 2011, cuja tabela de planejamento seguiu anexada ao mencionado documento. Pregões Presenciais n 14/2011 e n 15/2011- O Núcleo de Tecnologia da Informação é responsável pelo suporte e manutenção técnica preventiva e corretiva (software e hardware) de todo o parque computacional das Unidades do Senac no Estado de Sergipe, inclusive dos 12 (doze) laboratórios de informática que são utilizados pelos cursos da área, razão pela qual não se utiliza mão de obra, serviços ou peças de terceirizados na realização destas manutenções de computadores. Além disso, destacamos que os itens e as quantidades

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 00209000031/2007-17 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO N.º

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 04972.000579/2007-59 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 532 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos Unidade Auditada: DEPARTAMANTO REGIONAL DO SENAI NO M.GROSSO Exercício: 2011 Processo: 00212.000375/2012-26 Município - UF: Cuiabá - MT Relatório nº: 201204081 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 71000.010766/2007-25

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2013 PROCESSO : 09144.000037/2014-14 RELATÓRIO : 06/2014 UNIDADE

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2011 PROCESSO:

Leia mais

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos Unidade Auditada: DEPARTAMENTO REGIONAL DO SESC NO M.GROSSO Exercício: 2011 Processo: 00212.000376/2012-71 Município - UF: Cuiabá - MT Relatório nº: 201203978 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

file://l:\sfc\ds\dsseg\exercício 2010\TC-PC 2010\RELATÓRIOS PARA PUBLICAÇÃO\DPF-...

file://l:\sfc\ds\dsseg\exercício 2010\TC-PC 2010\RELATÓRIOS PARA PUBLICAÇÃO\DPF-... Página 1 de 7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25351.072087/2007-42 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000795/2012-63 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO 1 1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO 530 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL - CONSOLIDADA RELATÓRIO Nº : 189892 UCI EXECUTORA : 170961 EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO Fl. 1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25004.005767/2007-09 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 04600.001267/2008-71 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 08280.007347/2008-51 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO TOCANTINS EDITAL CONCORRÊNCIA 011/2014 ASSUNTO: Impugnação oferecida pela empresa RECORDS PROPAGANDA

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO TOCANTINS EDITAL CONCORRÊNCIA 011/2014 ASSUNTO: Impugnação oferecida pela empresa RECORDS PROPAGANDA SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO TOCANTINS EDITAL CONCORRÊNCIA 011/2014 ASSUNTO: Impugnação oferecida pela empresa RECORDS PROPAGANDA DECISÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO A empresa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA 1 de 5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº : 201109414 UNIDADE AUDITADA :225001 - CIA.DE ENTREPOSTOS E ARMAZENS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

Nova Lei de Contratação de Serviços de Publicidade Lei Federal nº 12.232/10

Nova Lei de Contratação de Serviços de Publicidade Lei Federal nº 12.232/10 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS Secretaria Municipal de Gestão e Controle Departamento de Auditoria Nova Lei de Contratação de Serviços de Publicidade Lei Federal nº 12.232/10 LEI FEDERAL 12.232, DE 29

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : NÚCLEO ESTADUAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE/PE CÓDIGO UG : 250029 RELATÓRIO Nº : 189831 UCI EXECUTORA : 170063 Chefe da CGU-Regional/PE, RELATÓRIO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO CÓDIGO UG : 170106 RELATÓRIO Nº : 208865 UCI EXECUTORA : 170113 RELATÓRIO DE AUDITORIA Chefe da CGU-Regional/MS, Em atendimento à determinação contida na Ordem de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas NOTA TÉCNICA Nº 04/2012/DENOR/SGCN/SECOM-PR Brasília, 20 de abril de 2012. Referência:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO : 00181.000687/2010-82 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA 1 de 10 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº :201108660 UNIDADE AUDITADA :110008 - MINISTERIO DA PESCA E

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Presidência da República - Controladoria-Geral da União - Secretaria Federal de Controle Interno

Presidência da República - Controladoria-Geral da União - Secretaria Federal de Controle Interno Presidência da República - Controladoria-Geral da União - Secretaria Federal de Controle Interno Certificado: 201203352 Unidade Auditada: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2013-2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BIÊNIO 2013-2014: ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 3 2.1 Apoio ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo...

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23087.000109/2007-14 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

Análise Gerencial. Senhor Chefe da CGU-Regional/AM,

Análise Gerencial. Senhor Chefe da CGU-Regional/AM, Unidade Auditada: SESCOOP-AM Exercício: 2013 Processo: 00203.000711/2014-10 Município: Manaus - AM Relatório nº: 201408004 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO AMAZONAS Análise Gerencial

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 00201.000061/2007-95 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti Contratação de Serviços de TI Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti O antigo modelo de contratação de serviços de TI 2 O Modelo antigo de contratação de serviços de TI Consiste na reunião de todos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015344/2011-94

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : HOSPITAL DE IPANEMA CÓDIGO UG : 250103 RELATÓRIO Nº : 208073 UCI EXECUTORA : 170130 Senhor Chefe da CGU-Regional/RJ,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015345/2011-39

Leia mais

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos Unidade Auditada: SENAC-ADMINISTRACAO REGIONAL EM SAO PAULO Exercício: 2011 Processo: 00225.000700/2012-10 Município - UF: São Paulo - SP Relatório nº: 201203960 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Relatório de Demandas Externas n 00190.012047/2013-59 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 08/2006 Comentários sobre Auditoria do TCU nos gastos com Cartões Corporativos Núcleo Trabalho, Previdência e Assistência Social Elisangela M. S. Batista 15/Mar/2006 Endereço na Internet:

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23117.000076/2007-16 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos. Senhor Coordenador-Geral,

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos. Senhor Coordenador-Geral, 1 of 71 01/02/2013 10:04 Unidade Auditada: SEBRAE/DF Exercício: 2011 Processo: 00190.020919/2012-71 Município - UF: Brasília - DF Relatório nº: 201204051 UCI Executora: SFC/DEDIC - Coordenação-Geral de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23066.006011/07-66 UNIDADE AUDITADA :

Leia mais

Não houve, para a BB CORRETORA, ocorrência para o item 18 Avaliação das Renúncias Tributárias consignado no Anexo III Parte A da DN TCU 117/2011.

Não houve, para a BB CORRETORA, ocorrência para o item 18 Avaliação das Renúncias Tributárias consignado no Anexo III Parte A da DN TCU 117/2011. Unidade Auditada: BB CORRETORA DE SEG. E ADM. DE BENS S/A Exercício: 2011 Processo: 00190.014543/2012-66 Município - UF: Brasília - DF Relatório nº: 201203885 UCI Executora: SFC/DEFAZ - Coordenação-Geral

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

DECISÃO DE JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL DAS RAZÕES DO IMPUGNANTE

DECISÃO DE JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL DAS RAZÕES DO IMPUGNANTE Pregão Eletrônico 002/2012-SRP. DECISÃO DE JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Aos vinte dias do mês de agosto de 2012, horas, reuniram-se a Pregoeira, os Integrantes da Equipe de Apoio e o Responsável

Leia mais

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39 Curso de Licitações, Contratos e Sistema de Registro de Preços (SRP) - 20 e 21 de Março Módulo i- licitação Definição O dever de licitar Quem pode licitar Pressuposto Natureza jurídica e fundamentos Legislação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE DE ALTO RENDIMENTO CÓDIGO UG : 180009 RELATÓRIO Nº : 209307 UCI EXECUTORA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : 16A.SPRF/MJ/CE CÓDIGO UG : 200112 RELATÓRIO Nº : 208291 UCI EXECUTORA : 170044 RELATÓRIO DE AUDITORIA Senhor Chefe da CGU-Regional/CE, Em atendimento

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Item do Anexo do Relatório de Auditoria: 6.1.1.1 Manutenção do risco de pagamentos a empresas cujos sócios sejam servidores da UNIFESP.

Item do Anexo do Relatório de Auditoria: 6.1.1.1 Manutenção do risco de pagamentos a empresas cujos sócios sejam servidores da UNIFESP. PLANO DE PROVIDÊNCIASDOS ITENSRELACIONADOS À COMPRAS Item do Anexo do Relatório de Auditoria: 6.1.1.1 Manutenção do risco de pagamentos a empresas cujos sócios sejam servidores da UNIFESP. Recomendação:

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015.

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. Atualiza o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações, instituído no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da

Leia mais

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA PROCESSO : 03b UNIDADE GESTORA : Embaixada em Buenos Aires OBJETIVO DA AUDITORIA : Tomada de Contas Anual EXERCÍCIO

Leia mais