Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto"

Transcrição

1 Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta Monsanto 11 de junho de

2 Objetivo do trabalho 2

3 Objetivo do presente trabalho é demonstrar a importância econômica da utilização da tecnologia no aumento da produtividade da cultura da soja no Brasil 3

4 Fatores que influenciam a economia agrícola internacional e o posicionamento do Brasil como potência agrícola mundial 4

5 Brasil x Agricultura mundial Área agrícola maior que 30 milhões de hectares Argentina EUA Rússia Brasil População urbana maior que 80 milhões de pessoas Indonésia Canadá Austrália China Índia Japão México PIB maior que US$ 1 trilhão Reino Unido Alemanha Espanha França Itália 5

6 19 EUA 7 7 Brasil -34 Balança agrícola: déficitis e superávtis (bilhões de US$, WTO data) 1990 UE27-6 Oriente Médio 5 Tailândia 2 China 2 Indonésia -7 Coréia do Sul -47 Japão Argentina EUA UE 27 Oriente Médio Tailândia 32 China Coréia do Sul Japão Brasil Indonésia Argentina Fonte: WTO. Elaboração MB Agro. 6

7 Vantagens Naturais do Brasil 4.1 Índices de precipitação nacionais 4.2 Temperaturas globais acumuladas (Tmédia> 0 C) 4.3 Relevo 4.4 Produção Potencial de Biomassa no Mundo * Áreas em amarelo e verde são mais planas 7

8 Brasil USA EU Russia India China Congo Australia Canada Argentina Sudan Angola Indonesia Nigeria ha Terra disponível Existem duas grandes regiões com disponibilidade de terras: América do Sul e África. Europa Oriental também tem potencial de terras aráveis disponíveis, mas sofre restrições de clima. Na América do Sul, o Brasil representa a maior parte das terras disponíveis. É importante notar que hoje, o Brasil planta uma área muito menor do que a China, Índia e EUA Sem Floresta Amazônica Área agricultável potencial Área agricultável atual (2005) Fonte: FAO. Elaboração: MB Agro 8

9 Participação do Brasil na produção e exportação mundial Participação do Brasil 2011 Produção Posição Exportação Posição Principal comprador* Açúcar 24% 1 46% 1 Russia Etanol 31% 2 61% 1 EUA Soja 29% 2 41% 1 China Farelo de soja 15% 4 24% 2 Europa Milho 7% 3 9% 3 Japão Arroz 2% 9 2% 9 Nigéria Suco de Laranja 57% 1 81% 1 Europa Café 40% 1 32% 1 EUA Algodão 7% 5 10% 4 China Suínos 3% 4 9% 4 Ucrânia Aves 16% 3 36% 1 Arábia Saudita Bovinos 16% 2 17% 2 Russia Fonte: USDA * volume A competitividade do setor agrícola do Brasil é demonstrada pelo seu posicionamento como um dos principais produtores e fornecedores de alimentos do mundo, tendo destaque mundial em diversos produtos. 9

10 A importância da soja no desenvolvimento econômico e social do Brasil 10

11 A Saga da Soja no Brasil Primeiros cultivos na Estação Agropecuária de Campinas atual IAC Soja é introduzida no RS Soja alcança importância do trigo no Sul Produção de suínos e aves gera demanda pelo farelo Aumento do uso de insumos e da mecanização Tecnologia de correção de solos do Cerrado Embrapa Soja Manejo Integrado de Pragas Variedades adaptadas às baixas latitudes Expansão para o Cerrado Inseticida biológico Baculovirus Expansão para o Nordeste Massificação do Plantio Direto Qualidade da Semente Lei de Biossegurança Zoneamento Agroclimático Primeira variedade de soja transgênica Atualização da Lei de Biossegurança 52 Embrapa lança Soja resistente à Ferrugem 75 Brasil alcança os EUA, maior produtor mundial Milhões de Toneladas Fonte: IBGE. Elaboração MB Agro

12 dez/74 dez/75 dez/76 dez/77 dez/78 dez/79 dez/80 dez/81 dez/82 dez/83 dez/84 dez/85 dez/86 dez/87 dez/88 dez/89 dez/90 dez/91 dez/92 dez/93 dez/94 dez/95 dez/96 dez/97 dez/98 dez/99 dez/00 dez/01 dez/02 dez/03 dez/04 dez/05 dez/06 dez/07 dez/08 dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 Dez 74 = 1 Queda no preço dos alimentos 1,2 Dez 1989 Dez 1999 Ago ,8 0,6 0,4 0,2 0 Fonte FIPE. Elaboração MBAgro Fonte: FIPE (Artigos Efeitos da Pesquisa Agrícola para o Consumidor e o Fim do Alimento Barato por José Roberto Mendonça de Barros e Juarez Baldini Rizzieri). (*) Leite, carne bovina, frango, arroz, feijão, laranja, tomate, cebola, batata, banana, açúcar, café, cenoura, mamão, ovo, óleo de soja. 12

13 dez/74 mar/76 jun/77 set/78 dez/79 mar/81 jun/82 set/83 dez/84 mar/86 jun/87 set/88 dez/89 mar/91 jun/92 set/93 dez/94 mar/96 jun/97 set/98 dez/99 mar/01 jun/02 set/03 dez/04 mar/06 jun/07 set/08 dez/09 mar/11 jun/12 Preço da Cesta de Alimentos: Frango - Óleo de Soja - Ovos 1,6 1,4 1,2 1 Índice frango Índice óleo de soja Índice ovos 0,8 0,6 0,4 0,2 0 Fonte: FIPE Elaboração MBAgro 13

14 dez/74 mar/76 jun/77 set/78 dez/79 mar/81 jun/82 set/83 dez/84 mar/86 jun/87 set/88 dez/89 mar/91 jun/92 set/93 dez/94 mar/96 jun/97 set/98 dez/99 mar/01 jun/02 set/03 dez/04 mar/06 jun/07 set/08 dez/09 mar/11 jun/12 Índice Geral de Alimentos X Índice da Soja 1,2 1 Índice Geral de Alimentos Índice Soja 0,8 Taxa Soja: -4,0% aa Taxa Alimentos: -3,4% aa 0,6 0,4 0,2 0 Fonte: FIPE Elaboração MBAgro 14

15 ALIMENTOS EM R$ DE MAIO/1995 jan/75 jun/76 nov/77 Poder de compra do salário mínimo pelo custo da cesta básica de alimentos em R$ de maio/ media móvel de 12 meses abr/79 set/80 fev/82 jul/83 dez/84 mai/86 out/87 mar/89 ago/90 jan/92 jun/93 nov/94 abr/96 set/97 fev/99 jul/00 dez/01 mai/03 out/04 mar/06 ago/07 jan/09 jun/10 nov/ Fonte: FIPE Elaboração MBAgro 15

16 1976/ / / / / / / / / /13 Milhões ha/ton Evolução na produção e área plantada com grãos no Brasil Produção Grãos Área Fonte: CONAB - Elaboração: MB Agro Os ganhos de produtividade tem permitido o aumento da produção brasileira de grãos sem a necessidade de expansão na área cultivada. 16

17 Produção de Soja e Milho (duas safras) Soja x Milho 1ªSafra Soja x Milho 2ªSafra Soja Soja e Milho Milho Devido ao ciclo mais curto da soja precoce, em várias regiões do Brasil onde o clima permite, existe a possibilidade do plantio de diversas culturas após a primeira safra da soja. A mais comum é o milho, mas outras culturas como algodão, sorgo, girassol, também são utilizadas. Mais recentemente, alguns produtores tem plantado duas safras de soja no mesmo ano. Fonte: IBGE. Elaboração MB Agro. 17

18 Milhões de Toneladas Evolução da Produção de Soja e Milho 2ª Safra no Brasil Produção de Soja e Milho 2ª Safra Soja Milho 2ª Safra / / / / / / / / / / /13 Fonte: IBGE. Elaboração MB Agro. O plantio do milho após a primeira safra de soja propicia um melhor aproveitamento do solo e é uma vantagem comparativa do país em relação aos seus competidores. Atualmente a produção de milho na segunda safra já é superior ao produzido na primeira safra. 18

19 Integração Lavoura-Pecuária A soja tem sido a cultura base nos sistemas de produção nas áreas de integração lavoura-pecuária. Nestes sistemas, o plantio da soja e outras culturas em rotação com as áreas de pasto, permite a recuperação da fertilidade e o aumento da produção das pastagens. Uma outra vantagem é o cultivo de lavouras, após a colheita da soja, que permitam o pastejo do gado. Estes sistemas fornecem alimento aos animais na seca, o momento de maior escassez de forragem, elevando significativamente a produtividade da atividade pecuária. 19

20 Soja - MM de Ton Carnes - MM de Ton Evolução da Produção de Soja e de Carnes no Brasil Produção de Soja x Carne de Frango e Suína 80 Soja Carnes Fonte: IBGE e Conab. Elaboração MB Agro. O aumento na disponibilidade de farelo de soja e do milho propiciaram os insumos básicos para o desenvolvimento da indústria de produção de carnes de frango e suínos. Atualmente o Brasil é o maior exportador de carne frango e o quarto maior exportador de carne suína do mundo. 20

21 Milhões de Toneladas Evolução da Produção de Soja Evolução da Produção de Soja Brasil EUA Argentina Fonte: USDA. Elaboração MB Agro. Os avanços tecnológicos e a expansão do cultivo de soja levaram o país a uma posição de destaque, aumentando sua participação na produção mundial. atualmente o Brasil é o maior exportador de soja do mundo, sendo também o segundo maior exportador de farelo de soja. 21

22 Comércio Mundial de Soja (MM de ton): período 2012/13 Exportações Mundiais 97,8 Importações Mundiais 95,4 25,5 54,2 26,56 53, / / / / / / ,0 27,1 15,2 EUA 1,4 4,4 3,6 México 2,5 1,0 2,5 5,0 Paraguai 4,5 38,0 15,5 Brazil 7,3 10,3 17,6 U E 11,8 1,0 1,3 13,2 China 1,9 Tailandia 0,5 Japão 2,2 2,3 2,4 Taiwan 1,3 1,9 Indonesia 4,4 4,8 2,8 Fonte: USDA, MB Agro. Elaboração MB Agro Argentina 22

23 Produtividade (kg/ha) Evolução produtividade no Brasil e nos EUA Mato Grosso Illinois Fonte: Conab, USDA. Elaboração: MB Agro O avanço da tecnologia desenvolvida para as condições do cerrado permitiram que o Mato Grosso atingisse os mesmos níveis de produtividade que as regiões mais produtivas dos EUA. No entanto observamos uma redução nos incrementos obtidos nos últimos anos. A soja Intacta, por ter um efeito maior sobre a produtividade no Brasil, permitiria um ganho competitivo importante para os produtores brasileiros em relação aos americanos, uma vez que a incidência de lagartas nas regiões tropicais é maior que nos EUA. 23

24 Variação do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) entre e Var. (%) -4,7-4,6 4,7-10,0 10,1-14,2 14,3-18,8 18,9-24,1 24,2-31,1 31,2-67,4 Municípios com Soja: IDH médio em = 0,752 Municípios sem Soja: IDH médio em = 0,678 Fonte: PNUD. Elaboração MB Agro. 24

25 Variação média por estado no IDH municipal a O gráfico mostra que, além de ter um IDH superior, os municípios onde existe o cultivo de soja também tiveram um crescimento relativo maior no período analisado, evidenciando a importância da cultura na elevação da renda e seus efeitos sobre as condições da população nas regiões de cultivo. 14,2% 0,660 0,750 11,5% Sem soja Com soja IDH 91 IDH 00 IDH 91 IDH 00 26,3% 21,6% 0,634 0,626 10,9% 0,700 0,779 8,1% 0,638 12,4% 12,8% 0,742 0,722 0,660 0,639 0,577 0,580 0,500 0,504 0,510 Com soja Sem soja Com soja Sem soja Com soja Sem soja Com soja Sem soja MT BA RS PR Fonte: PNUD Elaboração MBAgro 25

26 A complexidade da cadeia da Soja Insumos Agrícolas Máquinas Equipamentos Fertilizantes Defensivos Sementes Produção Agrícola Indústria Exportação Farelo de Soja Alimentos e Bebidas Óleo de Soja Produção Animal Carnes Leite Ovos Exportação Farinha Extrato Solúvel Proteína Texturizada Lecitina Tocoferol Tofu Missô Massas Cereais Bebidas Nutritivas Misturas preparadas Alimentos dietéticos Consumo Humano Biodiesel Exportação Elaboração MB Agro. 26

27 Participação dos elos da cadeia da soja em 2012 Insumos Farelo de Soja 26 milhões t Exportação 14,2 milhões t Soja Área: 25 milhões ha Indústria 37 milhões t Consumo Interno 13,9 milhões t Produção de carnes Produção: 66 milhões t Exportação 33 milhões t Óleo de Soja 6,6 milhões t Consumo Interno 5,5 milhões t Exportação 1,8 milhões t Alimento (3,7 mi t) e Biocombustível (1,8 mi t) Fonte: Secex, Conab, MB Agro 27

28 Evolução no Uso dos Transgênicos no Brasil Adoção da Biotecnologia Agrícola no Brasil, por cultura. Soja: maior área de adoção da biotecnologia no Brasil, com 23,9 milhões de hectares ou 88,1% da área total. Milho inverno: adoção de 87,8% da área, sendo 6,9 milhões de hectares. Milho verão: taxa de adoção de 62,6% ou 5,2 milhões de hectares. Milho total: considerando as duas safras, a área com transgênicos deve totalizar 12,1 milhões de hectares ou 74,9% da área total. Fonte: Céleres,

29 Evolução no Uso dos Transgênicos no Brasil Adoção da Biotecnologia Agrícola no Brasil, por tratamento. A tolerância a herbicida ocupa a maior parte da área com biotecnologia no Brasil, com 25,3 milhões de hectares. Em seguida vem a resistência a insetos, com 5,7 milhões de hectares. As tecnologias com genes combinados (stack genes) atingem 5,6 milhões de hectares, se aproximando da tecnologia de resistência a insetos (single gene). Fonte: Céleres,

30 Os benefícios da Soja Intacta 30

31 A Tecnologia Intacta 6,95 sc/ha Roundup Ready 64,2 INTACTA 5,84 sc/ha 60,5 57,3 54,7 Safra 11/12 Safra 12/ Produtores Produtores Renda: 5,84sc x R$ 50/sc = R$ 292/ha A tecnologia Intacta combina a resistência ao herbicida glifosato com genes de proteção ao ataque das lagartas. Na safra 2011/12, o teste comercial foi realizado com 500 produtores que obtiveram ganho médio de 6,95 sc/ha. Neste trabalho utilizamos os resultados dos testes comerciais com produtores de diversas regiões do Brasil que mostraram ganhos de produtividade equivalentes a 5,84 sc/ha na safra 2012/13, o que significaria um aumento de renda de R$ 292/ha. Outros benefícios indiretos ligados a tecnologia seriam menor utilização do maquinário, com um melhor aproveitamento do tempo do produtor e o menor impacto ambiental pela redução no uso de inseticidas e combustível. 31

32 Ganho de produção com uso da Soja Intacta em 50% da área (mil toneladas) 5,8% NORTE Brasil: 5,9% (82,1 para 86.9 MT) ,9% NORDESTE ,0% ,7% SUDESTE ,9% CENTRO-OESTE Elaboração MB Agro SUL 32

33 Estimando o ganho com o uso da soja Intacta O ganhos econômicos e sociais derivados do aumento de produtividade obtido com a utilização da soja Intacta foram estimados da seguinte forma: 1) A partir dos dados de ganhos de produtividade obtidos no campo com produtores de diversas regiões, calculou-se o aumento na produção brasileira de soja por consequência do uso da tecnologia; 2) Com base neste ganho foi calculado o ganho no Valor Bruto da Produção (VBP); 3) A partir do ganho econômico e fazendo uso do instrumental da matriz insumoproduto foi calculada a renda do trabalho direto, indireto e induzido. 4) Levando-se em consideração a matriz insumo-produto estimaram-se os ganhos de empregos de modo direto, indireto e induzido por consequência do aumento da produção esperada; 5) Por fim, com base na relação da soja com o PIB agro, do PIB agro com o PIB total e da elasticidade deste com a tributação federal foi estimado o aumento na arrecadação federal por consequência do incremento de safra a ser obtido com a utilização da soja Intacta. 33

34 Estimando o ganho com o uso da soja Intacta O instrumental da matriz insumo-produto permite calcular o efeito multiplicador na economia em três níveis: 1) Direto: diz respeito as variações no setor que se está estudando, no caso, a produção de soja. 2) Indireto: são as variações dos setores dos quais a agricultura compra os insumos necessários a sua produção. 3) Induzido: representa as diferenças no emprego e na renda dos trabalhadores derivados da alteração no consumo de todos os produtos da economia em consequência da variação de renda dos trabalhadores envolvidos direta ou indiretamente na produção de soja. Os cálculos de VBP e da matriz insumo-produto foram realizados sobre as estimativas de safra 2.012/13 e os efeitos no PIB e arrecadação de impostos sobre os dados efetivos de que correspondem a safra 2.011/12. 34

35 Efeito do nível de adoção da tecnologia no Valor Bruto da Produção Produção (milhões toneladas) Valor Bruto da Produção (R$ bilhões) % 20% 40% 60% 80% Fonte: Dados do estudo, MB Agro. Elaboração: MB Agro Produção - 50% de adoção (1000 t) Tecnologia Atual Tecnologia Intacta Aumento de Produção Renda - 50% adoção (R$ milhões) Tecnologia Atual Tecnologia Intacta Aumento de Renda Estimamos que a adoção de 50% da tecnologia aumentaria a produção em 4,8 milhões de toneladas e a renda em R$ milhões para o produtor. 35

36 1000 pessoas Impactos no emprego decorrentes do uso da tecnologia Impactos no emprego TOTAL DIRETOS INDIRETOS INDUZIDOS Percebe-se que os efeitos sobre o emprego induzidos são significativamente maiores que para os trabalhadores envolvidos na cadeia da soja, mostrando a importância da cadeia sobre a atividade no restante da economia. De acordo com a matriz insumo-produto, o impacto no emprego, decorrente da utilização da soja Intacta em 50% da área total, seria positivo em 295 mil empregos, distribuídos em diretos, indiretos e induzidos conforme ilustra o gráfico. 36

37 1000 pessoas Impacto sobre o EMPREGO ponderado pelo grau de adoção TOTAL Direto Indireto Induzido 124 Efeito sobre o emprego % 40% 60% 80% % da área utilizada com soja Intacta 496 O gráfico mostra as estimativas de elevação no emprego decorrentes do aumento na adoção da soja Intacta. 37

38 R$ milhões Impactos na renda dos trabalhadores decorrentes do aumento da produção Impactos na renda TOTAL DIRETOS INDIRETOS INDUZIDOS A estimativa do impacto do aumento de produtividade na renda nacional seria positivo em R$ 4,08 bilhões, caso 50% da produção utilizasse a soja intacta. 38

39 R$ Bilhões Impacto sobre a renda dos trabalhadores TOTAL Direto Indireto Induzido 1,63 Efeito sobre a renda 3,26 4,89 1,43 0,53 2,86 2,14 0,71 0,35 0,71 2,96 2,22 0,18 1,48 0,74 20% 40% 60% 80% % da área utilizada com soja Intacta 6,52 Efeitos sobre a renda dos trabalhadores são proporcionais ao nível de adoção da tecnologia pelos produtores. 39

40 Impactos na Arrecadação Federal derivados de variações nas safras agrícolas Podemos estimar o ganho na arrecadação federal em consequência da maior produtividade obtida com uso da tecnologia. O processo obedece a seguinte lógica: um aumento da produção de soja implica em aumento no PIB Agropecuário. Este aumento significará também crescimento no PIB Total, proporcional à participação do PIB Agropecuário no PIB Total. A partir da elasticidade da tributação em relação ao PIB, podemos calcular o ganho adicional na arrecadação federal em função do aumento no PIB Total. PIB Agro - MB Agro Aumento na Produção de soja Aumento no PIB Agro Aumento no PIB Total Arrecadação Adicional 40

41 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 R$ bilhões Estimativa do ganho da soja Intacta no PIB Agropecuário Impacto do aumento da produtividade da soja Intacta no PIB Agropecuário Safra 2011/12 Produção (t) Área colhida (ha) Produtividade (kg/ha) Ganho médio de produtividade (kg/ha) 350 Adoção da tecnologia (% da área) 50% Produção potencial Caso 50% da soja plantada na safra 2.011/12 tivesse sido Intacta, a produção total seria de 70,07 milhões de t, um aumento de 6,7% Valor Adicionado - PIB Agropecuário sem Intacta com Intacta Este impacto positivo da produção significaria um aumento de 1,1% no PIB Agropecuário de 2.012, o que equivaleria a um acréscimo de R$ 2,34 bilhões a preços de

42 R$ bilhões (preços de 2012) Crescimento do PIB Agropecuário decorrente do uso da soja Intacta Considerando 50% da soja sendo Intacta 3,00 2,50 0,9% 0,3% 1,1% 2,0% 0,0% 2,00 2,57 2,34-2,0% 1,50-4,0% 1,00-6,0% 0,50 0,00 0,23 Valor Prod. Despesa VA (PIB) -8,0% -10,0% Caso 50% da soja plantada em 2011/12 tivesse sido Intacta, o Valor da Produção seria 0,9% maior (2,57 bilhões) e o Valor Adicionado (PIB) Agropecuário seria 1,1% maior, ou 2,34 bilhões a mais. 42

43 R$ bihões Efeito do ganho de produtividade na arrecadação de impostos Impacto na Arrecadação Federal R$ 951 milhões Atual Com Intacta Fonte: MB Agro Extrapolando-se o ganho obtido com a soja Intacta para toda a produção da oleaginosa da safra 2011/12, haveria um ganho de 1,1% no PIB Agropecuário e por sua vez de 0,05% no PIB total. Em termos de arrecadação federal, o impacto positivo estimado seria de R$ 951 milhões a preços de 2012, levando em consideração a elasticidade da arrecadação em relação ao PIB. Neste cálculo não foram considerados os possíveis impactos na arrecadação de impostos estaduais e municipais por falta de informações estatísticas. 43

44 Principais Benefícios Aumento de produtividade 5,84 sc/ha Aumento na receita do produtor 292 R$/ha Aumento na produção de soja 4,8 milhões t Aumento no valor bruto da produção 4,2 R$ bilhões Geração de empregos 310 mil postos Aumento da renda de salários dos trabalhadores 4,1 R$ bilhões Aumento no PIB Agropecuário 1,1 % Aumento na Arrecadação Federal 951 R$ milhões Fonte: Dados da pesquisa, MB Agro IMPACTOS DA SOJA INTACTA Considerando 50% de adoção da tecnologia sobre os dados referentes a safra 2.012/13, exceto a arrecadação e o PIB que foram estimados sobre a safra 2.011/12. 44

45 Consequências do atraso na adoção da Soja Intacta PREJUÍZOS DO ATRASO NA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA INTACTA Ano 1 Ano 2 Total Unidade Nível de adoção da tecnologia 10% 20% % da área Área potencial com Intacta ha Perda de receita por hectare R$/ha Redução na produção de soja mil t Redução no valor bruto da produção R$ milhões Postos de emprego perdidos* mil postos Redução na renda de salários dos trabalhadores R$ milhões Impacto negativo no PIB Agropecuário 0,2 0,4 % Redução na Arrecadação Federal R$ milhões 45

46 Principais Benefícios Aceleração dos ganhos de produtividade da cultura da soja no Brasil. Redução no uso de inseticidas e no custo operacional de sua aplicação. Elevação do valor da produção e da rentabilidade do produtor. Os ganhos de produtividade e de produção tem efeitos positivos sobre as condições sócio econômicas da população como medido pelo IDH. Elevação da arrecadação de impostos. Aumento nas exportações e incremento da balança comercial do país. 46

47 Redução no impacto ambiental da cultura da soja pela menor área e pela redução na utilização de defensivos e maquinários. Principais Benefícios Aumento da competitividade do produtor brasileiro de soja em relação aos produtores de regiões temperadas (EUA), com possibilidade elevação da participação do Brasil na produção mundial. Maior oferta de alimentos com a redução dos custos de produção de carnes e óleos. A queda do preço dos alimentos beneficiou diretamente os consumidores urbanos nas últimas décadas, dada a persistente elevação de produtividade. Os produtos que se utilizam de derivados da soja caíram ainda mais do que a média. 47

48 R. Henrique Monteiro, andar São Paulo SP Telefone: (011) Fax: (011) mbagro.com.br 48

49 Por País Evolução no Uso dos Transgênicos Por Cultura Por Tratamento Taxa de Adesão Fonte: ISAAA,

50 Eventos de Soja Aprovados no Brasil. Evolução no Uso dos Transgênicos no Brasil Empresa Tratamento Evento Liberação Monsanto Resistência a insetos e tolerância a herbicida MON x MON (INTACTA RR2 PRO) 2010 Bayer CropScience Tolerância a herbicida A (Liberty Link) 2010 Bayer CropScience Tolerância a herbicida A (Liberty Link) 2010 BASF/Embrapa Tolerância a herbicida AtAHASL BPS-CV127-9 (CV127) 2009 Monsanto Tolerância a herbicida CP4 EPSPS (GTS Soja RR) 1998/2003 A soja foi a primeira cultura GM cultivada no Brasil, em Porém medidas judiciais proibiram o cultivo, só sendo liberado a partir de 2003, através de uma medida provisória, aprovando o cultivo de GMO no Brasil. A partir daí, foi criada a Lei de Biossegurança, em 2005, regulamentando o cultivo da transgenia no país. No segundo semestre de 2010, o primeiro evento stack de soja foi aprovado no mundo, combinando eventos tolerante a herbicida e resistente a insetos. Fonte: Céleres,

51 A interligação da cadeia produtiva do agronegócio com o restante da economia A matriz insumo-produto representa a economia como um todo, abrangendo as interligações e transmissões que existem entre os diferentes setores e a complexidade de elos que compõem a cadeia de produção. Insumos Produção Distribuição Processamento Consumo Final Sementes Máquinas e Equipamentos Ind. Biotecnologia Defensivos Adubos Ind. Máquinas Agrícolas Indústria Química Alimentação Animal Pecuária Empregos Lucro do Produtor Transporte e logística Armazenagem Comércio Ind. Automobilística Ind. de Processamento Alimentação Animal Matéria Prima para Ind. Alimentícia Consumo Final Indústria Alimentícia Consumidor Final Pecuária Demanda de Produtos e Serviços de Outros Setores da Economia Empregos 51

Soja Intacta. Uma visão econômica dos benefícios da adoção da nova tecnologia.

Soja Intacta. Uma visão econômica dos benefícios da adoção da nova tecnologia. Soja Intacta Uma visão econômica dos benefícios da adoção da nova tecnologia. Junho de 2013 Coordenador José Roberto Mendonça de Barros Equipe MB Agro Alexandre Mendonça de Barros Ana Laura Menegatti Cesar

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015 AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016 Carlos Cogo Outubro/2015 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 115 110 105 100 95 90 85 80 75 70 65 60 55 CARNES: EVOLUÇÃO

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros 21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo Alexandre Mendonça da Barros 20 de Outubro de 2014 Índice As transformações da economia agrícola

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR A SOJA NO BRASIL Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR O que vamos abordar nesta apresentação 1. Desenvolvimento da soja no Brasil. 2. Razões do deu rápido desenvolvimento. 3. Importância

Leia mais

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA Holambra, 25 de Outubro de 2007 Fertilizantes: Análise Mercadológica Produto: Insumo Bem homogêneo Bem

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 A Evolução do Mercado de Soja no Brasil Avanços da genética, mais e melhores opções de insumos (sementes, máquinas, fertilizantes e defensivos)

Leia mais

TECNOLOGIA E PRODUTIVIDADE. Eng. Agr. Irineo da Costa Codrigues Diretor Presidente Cooperativa LAR / COODETEC / COTRIGUAÇU

TECNOLOGIA E PRODUTIVIDADE. Eng. Agr. Irineo da Costa Codrigues Diretor Presidente Cooperativa LAR / COODETEC / COTRIGUAÇU TECNOLOGIA E PRODUTIVIDADE Eng. Agr. Irineo da Costa Codrigues Diretor Presidente Cooperativa LAR / COODETEC / COTRIGUAÇU Área dos principais produtos agrícolas no Mundo (Mi ha) 2010 Cevada 55.1 6% Algodão

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades 1 São Paulo, 16 de fevereiro de 2016 NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades A partir de janeiro de 2016, o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: A MODIFICAÇÃO

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 4 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre produção, área e produtividade de algodão

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Agronegócios: momento e perspectivas.

Agronegócios: momento e perspectivas. Agronegócios: momento e perspectivas. Perfil das propriedades rurais brasileiras. Familiares Patronais Região Estabelecimentos Familiares (a) Norte 380.895 Nordeste 2.055.157 Centro-Oeste 162.062 Sudeste

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Fertilizantes no Brasil Para um Mundo mais bem nutrido Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Alimentando os 10Bi O crescimento da população irá aumentar a demanda mundial por alimentos. Até 2050

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00 13/2 15/2 17/2 19/2 21/2 23/2 25/2 27/2 1/3 3/3 5/3 7/3 9/3 11/3 13/3 15/3 Contratos Negociados (x 1000) Cents de US$/bu Análise Estatística de Algodão Algodão PREÇOS CAEM: Assim como no cenário de âmbito

Leia mais

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais

UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA

UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: H

Leia mais

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Marcelo Alves Pereira, Bunge Fertilizantes Novembro - 2009 Estimativas da ONU indicam que a população mundial em 2050 será de

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman. Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.com Começa a segunda onda prevista de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

Reunião Pública Dezembro de 2015

Reunião Pública Dezembro de 2015 Reunião Pública Dezembro de 2015 Cenário Macroeconômico Arlindo de Azevedo Moura CEO 2 Cenário Macroeconômico 3 COMMODITIES Pressão de queda nos preços Menor preço dos últimos 16 anos TAXA DE CÂMBIO RESTRIÇÃO

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Apresentação O consumo de óleos vegetais tem aumentado no mundo todo, substituindo parte do consumo de gorduras animais. Embora tenham

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental - CAR-IMA Encontros com Parceiros Estratégicos

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental - CAR-IMA Encontros com Parceiros Estratégicos Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental - CAR-IMA Encontros com Parceiros Estratégicos 16h30 às 18h30h Mesa 1: Dinâmicas territoriais, biodiversidade,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2014 Vitória, dezembro de 2014 Cesta Básica

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 3 O 11º Levantamento de Grãos da Conab, divulgado em 11 de agosto de 2015, manteve suas estimativas para a safra 2014/15, de algodão em pluma

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2015 Vitória, dezembro de 2015 Cesta Básica

Leia mais

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO Leonardo Sologuren Céleres Junho de 2008 Cresce o consumo de proteína animal no BRIC BRASIL RÚSSIA 108 4,000 60 3.000 kg/habitante/ano 90 72 54 36 18 3,800

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola Primeiro e Pecuário Relatório de Avaliação Nacional PAP 2013/2014 sobre Mudanças Climáticas ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Nelson

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida XXIII FÓRUM ABAG INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA Maringá, 18 de maio de 2012. João Kluthcouski joaok@cnpaf.embrapa.br Produtividade (kg ha -1 ) Evolução da

Leia mais

PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE

PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE Ano V Abril de 2011 Nº 05 INFORME RURAL ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação - AEPA PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$ 47,20. 22-jun R$ 151,95

BOLETIM SEMANAL R$ 47,20. 22-jun R$ 151,95 4-jun 6-jun 11-jun 13-jun 15-jun 19-jun 21-jun 4-jun 6-jun 8-jun 10-jun 12-jun 14-jun 16-jun 18-jun 20-jun 22-jun BOLETIM SEMANAL Análise Estatística de Algodão NOVA SAFRA CHEGANDO: A área plantada de

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro

A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro Robson Mafioletti Eng. Agr., MSc. Economia Aplicada - Diretor da AEAPR-Curitiba, Conselheiro Titular do CREA/PR Atua na Getec/Ocepar

Leia mais

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO 31 de agosto de 2015 Sindirações 1 1. Cenário macroeconômico 2. Economia Implicações Brasileira para empresas 3. Um roteiro estratégico para o agronegócio

Leia mais

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades 1 São Paulo, 04 de setembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Valor da cesta básica diminui em 15 cidades Das 18 cidades em que o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - realiza

Leia mais

Assessoria Técnica da Liderança da Bancada do PT na Câmara dos Deputados

Assessoria Técnica da Liderança da Bancada do PT na Câmara dos Deputados Assessoria Técnica da Liderança da Bancada do PT na Câmara dos Deputados Transgênicos - Aspectos Econômicos e Comerciais Mitos e Manipulações Gerson Teixeira Brasília, em 06.03.2003 Competição no Mercado

Leia mais

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Dr. Guilherme Cunha Malafaia Embrapa Gado de Corte Estruturação do Debate A Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte e seus Agentes;

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM MERCADO FUTURO Soja Diego Marafon Edemir Miotto Júnior Felipe Patel Prof. Dr. Miguel Ângelo Perondi INTRODUÇÃO Na atualidade, a soja apresenta-se como um produto em evidência Grão muito proveitoso, devido

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

Agronegócio Sul-mato-grossense

Agronegócio Sul-mato-grossense Agronegócio Sul-mato-grossense (cenário atual, perspectivas e desafios) Eduardo Riedel Presidente do Sistema Famasul Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul Sistema Sindical

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr.

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Amazônia legal 350 Milhões ha 41% Área útil 350 Milhões hectares

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi);

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi); Abril / 2014 Resultados de Abril de 2014 - Exportação: US$ 19,7 bi em valor e média de US$ 986,2 milhões, 5,2% acima da média de abr-13 (US$ 937,8 milhões); 2ª maior média de exportação para abril (1º

Leia mais

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro O agronegócio brasileiro Setor estratégico para a economia brasileira, grande motor do seu desempenho Representa 23% do PIB brasileiro Responde por 40%

Leia mais

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas Seminário de Avaliação de Impacto sobre as Adaptações da Agricultura Dakar, 26 a 29 de abril de 2011 Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas KLEBER SANTOS Brasília, 27 de abril de 2011

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Alessandro Albino Fontes 1. INTRODUÇÃO Definição O carvão vegetal é um subproduto

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita Segundo estimativas da ONU, A população mundial atingirá 9,3 bilhões de habitantes em 2050; O maior crescimento populacional ocorrerá nos países em desenvolvimento, onde é esperado incremento do consumo

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios José Ricardo Severo Superintendência Técnica CNA Março 2010 1 Objetivos: 1. Importância do Agronegócio; 2. Alavanca exportadora como fator de crescimento;

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise 21/6 23/6 25/6 27/6 29/6 1/7 3/7 5/7 7/7 9/7 11/7 13/7 15/7 17/7 19/7 Contratos Negociados (x 1000) Cents de US$/bu ** Relatório produzido pelo IMEAMT e divulgado pela CERRADO INVEST www.cerradocorretora.com.br

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 0 INTRODUÇÃO Para Filgueira, Fernando Reis, Olericultura é um termo técnico-científico, muito preciso, utilizado no meio agronômico. Derivado

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Canola. Informação sobre a. Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel DF 03.07.2013

Canola. Informação sobre a. Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel DF 03.07.2013 Produção de mel Informação sobre a Produção de Canola Raízes profundas Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel Brasília DF 03.07.2013 Engº Agrº Msc Valdir Zonin SEAPA Coordenador

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO - ECA NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICO-SOCIAIS NUPES

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO - ECA NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICO-SOCIAIS NUPES UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO - ECA NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICO-SOCIAIS NUPES 1. CESTA BÁSICA FAMILIAR No mês de dezembro 2014,

Leia mais

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte,

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

Soja Transgênica no Brasil: situação atual e perspectivas para os próximos anos

Soja Transgênica no Brasil: situação atual e perspectivas para os próximos anos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Soja Transgênica no Brasil: situação atual e perspectivas para os próximos anos Antonio Carlos Roessing Joelsio José Lazzarotto 2

Leia mais

Balança Comercial. Manoela Oliveira E-mail: manoela.teixeira@agricultura.mg.gov.br Tel: (31) 3915-8603 - Belo Horizonte/MG

Balança Comercial. Manoela Oliveira E-mail: manoela.teixeira@agricultura.mg.gov.br Tel: (31) 3915-8603 - Belo Horizonte/MG Edição 01 Janeiro Balança Comercial Manoela Oliveira E-mail: manoela.teixeira@agricultura.mg.gov.br Tel: (31) 3915-8603 - Belo Horizonte/MG 3 Exportações As exportações do agronegócio mineiro totalizaram

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi

Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi I Introdução Um estudo organizado por técnicos do Departamento de Agricultura dos

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais