2º Bimestre. Disciplina: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2º Bimestre. Disciplina: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA EM PRODUÇÃO DE MODA CAMPUS V - DIVINÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM PRODUÇÃO DE MODA 2º Bimestre Disciplina: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO PROF. ANTÔNIO GUIMARÃES CAMPOS DIVINÓPOLIS-MG 2012

2 SUMÁRIO UNIDADE 1 VÍNCULO DA ADMINISTRAÇÃO X TECNOLOGIA TECNOLOGIAS NO COTIDIANO REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DEFINIÇÃO DE INFORMAÇÃO INFORMAÇÃO CONHECIMENTO ASSIM COMO O AR, A INFORMAÇÃO ESTÁ EM TODO LUGAR A GESTÃO DA INFORMAÇÃO - CONSENSOS E CONTROVÉRSIAS O RECORTE DA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS O RECORTE DA TECNOLOGIA O RECORTE DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO... 5 UNIDADE 2 INOVAÇÃO O QUE É INOVAÇÃO TIPOS DE INOVAÇÃO... 6 UNIDADE 3 DEFINIÇÃO DE SISTEMAS CONCEITOS INICIAIS DEFINIÇÃO DE SISTEMAS ESTRUTURA HIERÁRQUICA DOS SISTEMAS CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS TIPOS DE SISTEMAS COMPONENTES DE UM SISTEMA CONCEITO DE INFORMAÇÃO CARACTERÍSTICAS IDEAIS DE UMA INFORMAÇÃO: QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES: ALGUNS CONCEITOS: UNIDADE 4 Fundamentos do uso de Tecnologia da Informação INTRODUÇÃO CLASSIFICAÇÃO DOS COMPUTADORES E REDES INTERNET X INTRANET X EXTRANET UNIDADE 5 Os novos usos da tecnologia da informação na empresa E-BUSSINESS COMÉRCIO ELETRÔNICO SUCESSO E AMEAÇAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO A Tecnologia do Vestuário - Processo de Produção ANEXO B - Tecnologia da Confecção: da protótipo à confecção (etapas e conceito) ANEXO C Estudo de caso: E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS...28 CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos ii

3 UNIDADE 1 VÍNCULO DA ADMINISTRAÇÃO X TECNOLOGIA Os computadores são incrivelmente rápidos, precisos e burros; os homens são incrivelmente lentos, imprecisos e brilhantes; juntos, seu poder ultrapassa os limites da imaginação. Albert Einstein 1. TECNOLOGIAS NO COTIDIANO A tecnologia faz parte da cultura. A invenção da escrita dissociou tempo e espaço e possibilitou a comunicação à distância. A imprensa ampliou a difusão do conhecimento. As informações chegaram a leitores distantes do autor. A evolução registrou som e imagem. Fotografia, rádio, cinema e imprensa incorporaram-se à vida diária. Tecnologias modernizaram-se, ganham memória, mobilidade. O telefone continua importante; transforma-se, desempenha novas funções. A informática permite usar o computador como suporte de televisão, rádio, Internet, imprensa. Comunicar-se e inserir-se profissionalmente significa saber ler, escrever, calcular, utilizar terminal eletrônico, fax, microcomputador. São novas formas de comunicação, de acesso e produção de conhecimento. Abrem-se espaços de diversão e aprendizagem. As informações chegam sem passar pela escola. Utilizam-se outras linguagens. A da televisão, a linguagem do audiovisual mobiliza a emoção, toca a sensibilidade. Exige outro modo de ler. O texto da Internet é um novo tipo de texto escrito. Exige a modalidade de leitura chamada navegação. Ao explorar os múltiplos caminhos, cada leitor cria uma ordem lógica própria para encontrar as informações que deseja. As possibilidades de comunicação estabelecem novas relações e situações. A escola não é mais o único espaço de informação. TV/vídeo, impressos e outras mídias consagram a perspectiva atual de educação multimídia. A ênfase no audiovisual não substitui a palavra escrita, nem intenciona fazê-lo. O material impresso integra, complementa. Ao serem utilizadas várias mídias, surgem diferentes abordagens, representações e focos. Potencializa-se a aprendizagem. As tecnologias invadem nosso cotidiano. Essa é uma das frases mais utilizadas hoje em dia para se referir aos equipamentos com os quais lidamos em nossas atividades rotineiras. Pensadores contemporâneos e a mídia em geral falam que estamos em plena sociedade tecnológica. A sociedade tecnológica é baseada nas possibilidades de informação e comunicação da mídia, caracterizase por uma articulação global do mercado econômico mundial e por mudanças significativas na natureza do trabalho e sua organização, na produção e no consumo de bens. Mas é sobretudo no papel atribuído ao conhecimento científico e às NTIC (Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação) e nas formas de acesso, aquisição e utilização dessas informações que é possível observar os novos fatores de mudança e dinamismo econômico e social. Sociedade Agrícola Sociedade Industrial Sociedade do Conhecimento Sociedade? Agricultura Produção Industrial Informação? Comunicação/Tecnologia Essas referências encaminham-nos para um pensamento de oposição entre a nossa natureza e a máquina, forma concreta com que a tecnologia é reconhecida. Os romances e os filmes de ficção científica exploram esse antagonismo e assustam-nos com ameaças de domínio do homem e da Terra por robôs e outros equipamentos sofisticados, dotados de um alto grau de inteligência, em muito superior à do homem comum. Se olharmos à nossa volta, boa parte daquilo que utilizamos em nossa vida diária, pessoal e profissional utensílios, livros, apagador, giz, papel, caneta, lápis, sabonetes, escovas de dentes, talheres, televisor, telefone, máquina fotográfica, computador são formas diferenciadas de ferramentas. Quando falamos da maneira como utilizamos cada ferramenta para realizar determinada ação, referimo-nos à técnica. A TECNOLOGIA é o conjunto de tudo isso: a ferramenta e os usos que destinamos a ela, em cada época. Ela transforma a maneira de pensar, sentir, agir. Muda também a forma de comunicar e de adquirir conhecimentos. A evolução social do homem confunde-se com as tecnologias desenvolvidas e empregadas em cada época. Essa relação apresenta-se até na forma como as diferentes épocas da história da humanidade são reconhecidas pelo avanço tecnológico correspondente. Idades da pedra, do bronze, do ferro, correspondem, na verdade a momentos em que esses recursos foram transformados e utilizados como tecnologias pelos homens. O avanço da humanidade amplia o conhecimento sobre esses recursos e cria tecnologias cada vez mais sofisticadas. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 1

4 A evolução tecnológica impõe-se e transforma os comportamentos individual, social e empresarial. A economia, a política, a divisão social do trabalho, em diferentes épocas, refletem os usos que os homens fazem das tecnologias que estão na base do sistema produtivo. As NTIC articulam várias formas eletrônicas de armazenamento, tratamento e difusão da informação. Tornam-se mediáticas após a união da informática com as telecomunicações e os audiovisuais. Geram produtos informacionais que têm, como algumas de duas características, a possibilidade de interação comunicacional e a linguagem digital. Vivemos num tempo em que o avanço dos transportes, da urbanização, da comunicação de massa, da tecnologia e da informática coloca o ser humano em maior contato com o mundo, com a sua própria nação e consigo mesmo. 2. REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA Os grandes impulsos de desenvolvimento na sociedade sempre foram reflexo de revoluções decorrentes da necessidade de suprir limitações humanas. Por exemplo, o sistema de numeração decimal baseado nos algarismo de dedos das mãos do homens. Atualmente vivemos na era da Revolução Tecnológica, e é fundamental que nossa economia e a sociedade se comportem de maneira semelhante à da época da Revolução Industrial. As grandes mudanças que ocorrem hoje são fruto direto de limitações humanas atuais. A revolução Industrial foi essencialmente a argumentação do poder físico dos homens, uma amplificação dos músculos humanos em forma de equipamentos. É certo afirmar que algumas atividades físicas humanas foram substituídas por máquinas, principalmente tarefas repetitivas, no processo chamando de mecanização. Essa revolução foi responsável principalmente pela mudança das formas de produção existentes na época e teve impacto em todos os aspectos da sociedade. Seguindo essa analogia, a revolução tecnológica, que enfatiza o uso de computadores e equipamentos de automação, é uma argumentação do poder mental dos homens, uma amplificação do poder cerebral humano no processo chamado de automação. É importante salientar que a automação ocorre de maneira muito mais consciente do que a mecanização, pois sua função principal é aumentar a produtividade humana e deslocar as pessoas para as tarefas muito mais nobres, como o uso da criatividade e do poder de tomada de decisões, sem a preocupação com tarefas repetitivas do dia-a-dia. Essa revolução de que ainda estamos participando, na chamada Era da Informação, é responsável por diversas mudanças de conceitos da sociedade. Alterando as forma de produção, de entretenimento, de comunicação, de educação e de comercialização. O simples ato de pressionar um botão pode levar o computador c desenvolver cálculos intrínsecos, sugerir decisões complexas e recuperar grandes quantidades de informações. Esse fato permite às empresas responder de maneira ágil às pressões exercidas pelo mercado. O efeito da globalização introduziu duas características que devem ser motivo de preocupação para qualquer empresa. Em primeiro lugar, superou a distância entre os países, rompendo as fronteiras físicas existentes, aproximando as culturas e os diferentes valores pessoais. Essa característica e é muito importante para as empresas que têm como objetivo ampliar seus mercados, pois aquelas que antes tinham algum tipo de limitação agora podem facilmente atingir outros mercados sem muito esforço. Vale lembrar que em muitos casos é necessária a adequação dos produtos a novas realidades e valores, ou seja, é necessária uma regionalização do produto. Em contrapartida, a globalização impôs um aspecto muito mais dinâmico aos processos de negócios, uma vez que pequenas flutuações da economia em qualquer parte do mundo podem afetar quase diretamente qualquer país. Esse quadro de interdependência econômica leva a uma posição de desconfiança contínua da empresa em relação ao mercado em que opera, causando a necessidade de obter muito mais informações desse mercado antes da tomada de alguma decisão importante. A nova ordem econômica mundial, que junto com a globalização representa integração econômica entre os diversos países, pode propiciar quantidade muito grande de flutuações passíveis de alterarem por completo os rumos de uma empresa. Esse fatores causaram considerável mudança de paradigma por parte das empresas, dos profissionais e do ensino em seus diversos níveis. O processo decisório passou a verificar que informações antes consideradas irrelevantes agora podem ser cruciais para a tomada de decisões de uma empresa. As características impostas por esse quadro definiram que a empresa necessita constantemente manipular grandes quantidades de informações para a definição de um bom planejamento estratégico e operacional; isso exige uma tomada de decisões diárias que levem ao aumento da sua produtividade e, no mínimo, proporcionem certa estabilidade de sua posição no mercado. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 2

5 A nova área denominada telemática que incorpora todas as ferramentas computacionais para o processo de engrandecimento da informática (informação automática) e sua união com as tecnologias das telecomunicações possibilitaram o desenvolvimento de aplicações empresarias de alto desempenho para auxiliar o administrador de empresas. Nesse quadro, surge a necessidade de um novo profissional que possa administrar corretamente todos o fluxo de informações da empresa. Esse profissional, escasso no mercado de trabalho, já é considerado peçachave dentro de qualquer empresa. Dessa maneira, o denominado diretor-executivo de informações. Analista de informações, administrador de sistemas de informação ou CIO 1 é considerado um dos profissionais deste novo milênio. Esse profissional tem como função principal analisar a organização, definir corretamente o problema, identificar missões, campos de atuação e relações internas por meio de instrumentos como a informática. Ele também deve desenvolver estudos e alternativas na coletas de dados, armazenamento e utilização das informações dentro da organização. Critério, visão estratégica, organização e criatividade são requisitos básicos para a carreira desse profissional cuja característica principal é a antecipação com relação ao concorrente por intermédio do estudo das informações geradas internamente na empresa e no ambiente no qual está inserida. Segundo Peter Drucker, até o momento, a tecnologia da informação tem atuado como produtora de dados, e não como de informações, e muito menos de novas e diferentes questões e estratégias; os altos executivos não vêm usando as novas tecnologias porque elas não oferecem as informações de que eles precisam para suas próprias tarefas. Será simplesmente impossível operar mesmo uma pequena empresa com eficiência sem investimentos significativos em sistemas. Mesmo do ponto vê vista estritamente profissional, devemos ter consciência de que nossa carreira e, principalmente, nossa renda dependerão de como estamos compreendendo e utilizando os sistemas de informação que fazem parte de nosso dia-a-dia. Independentemente de sua profissão (você pode ser um artista gráfico, um músico profissional, um advogado, um administrador de empresas ou dono de uma pequena empresa), você estará sempre trabalhando como um sistema de informações: a Internet, por exemplo. Sendo assim, fica clara a necessidade de uma ligeira intimidade com a tecnologia da informação em conjunto como os sistemas de informação dos bancos, das empresas fornecedoras, das empresas concorrentes, das instituições de ensino, etc. 3. DEFINIÇÃO DE INFORMAÇÃO O conceito de informação deriva do latim e significa um processo de comunicação ou algo relacionado com comunicação (ZHANG, 1988), mas na realidade existem muitas e variadas definições de informação, cada uma mais complexa que outra. Podemos também dizer que Informação é um processo que visa o conhecimento, ou, mais simplesmente, Informação é tudo o que reduz a incerteza. Um instrumento de compreensão do mundo e da ação sobre ele" (ZORRINHO, 1995). A informação tornou-se uma necessidade crescente para qualquer setor da atividade humana e lhe é indispensável mesmo que a sua procura não seja ordenada ou sistemática, mas resultante apenas de decisões casuísticas e/ou intuitivas. Uma empresa em atividade é, por natureza, um sistema aberto e interativo suportado por uma rede de processos articulados, onde os canais de comunicação existentes dentro da empresa e entre esta e o seu meio envolvente são irrigados por informação. Atualmente as empresas estão rodeadas de um meio envolvente bastante turbulento com características diferentes das habituais e os gestores apercebem-se de que, em alguns casos, a mudança é a única constante. Já Heráclito dizia não há nada mais permanente do que a mudança" e Drucker (1993a) "desde que me lembro, o mundo dos gestores tem sido turbulento,... certamente até muito turbulento, mas nunca como nos últimos anos, ou como será nos mais próximos." Por conseguinte, o turbilhão de acontecimentos externos obriga as organizações a enfrentar novas situações, resultado de mudanças nas envolventes do negócio e que constituem ameaças e/ou oportunidades para as empresas, fazendo com que tomar decisões hoje, exija a qualquer empresário ou gestor estar bem informado e conhecer o mundo que o rodeia. O aumento da intensidade da concorrência e da complexidade do meio ambiente fazem sentir, no mundo empresarial, a necessidade de obter melhores recursos do que os dos seus concorrentes e de otimizar a sua utilização. O aumento do comércio internacional, fruto da crescente interligação entre nações, a expansão do investimento no exterior e a tendência da homogeneização dos padrões de consumo fazem com que o mundo seja encarado como um só mercado, em que as empresas têm de conviver com a competição internacional 1 CIO (Chief Information Officer). Em português, diretor-executivo de informações ou diretor de TI. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 3

6 dentro dos seus mercados e ao mesmo tempo tentarem penetrar nos mercados externos por forma a aproveitar as novas oportunidades de negócio. Assim, a empresa ao atuar num mundo global está em estado de "necessidade de informação" permanente, a vários níveis, pelo que a informação constitui o suporte de uma organização e é um elemento essencial e indispensável â sua existência. A aceitação deste papel, pelos dirigentes de uma organização, pode ser um fator peremptório para se atingir uma situação de excelência: quem dispõe de informação de boa qualidade, fidedigna, em quantidade adequada e no momento certo, adquire vantagens competitivas, mas a falta de informação dá asa a erros e á perda de oportunidades. A informação tornou-se tão importante que Drucker (1993 a,b) defende o primado da informação como a base e a razão para um novo tipo de gestão, em que a curto prazo se perspectiva a troca do binômio capital/trabalho pelo binômio informação/conhecimento como fatores determinantes no sucesso empresarial. Caminha-se para a sociedade do saber onde o valor da informação tende a suplantar a importância do capital. A informação e o conhecimento são a chave da produtividade e da competitividade. A gestão moderna exige que a tomada de decisão seja feita com o máximo de informação. O conhecimento adquirido pelo savoir faire deixa de ser suficiente, uma vez que o meio ambiente empresarial onde as empresas operam apresenta características diferentes daquelas a que estavam habituados e é bastante turbulento. Se em ambientes mais estáveis a informação assumia o papel de redutora de incerteza, cada vez mais a atualização se apresenta como um fator crítico de sucesso. Da observação deste cenário, somos levados a afirmar que todas as empresas deverão fazer uma reestruturação organizacional em torno da informação. Tal como acontece num jogo de uma modalidade desportiva, em que só há um primeiro lugar para o mais forte, apesar de todos os concorrentes terem a oportunidade de o poder ocupar, no mundo do negócio só é possível auferir dessas oportunidades, saindo vitorioso, se houver uma conjugação coerente de tempo, perícia e esforços que garantam uma seleção de informação adequada e uma otimização da sua utilização. É aqui que deve ter lugar a gestão de tecnologias de informação, consideradas como uma nova e importante fonte de vantagem competitiva. 4. INFORMAÇÃO Hoje, dificilmente se consegue encontrar a definição para o conceito informação, tal é o âmbito multidisciplinar com que é usado. Por exemplo, na disciplina de economia, a informação reveste-se de um caráter essencialmente orientado a agentes que determinam as condições de mercado; a um nível bancário, a informação está associada a uma envolvente que, para além de refletir todo um ambiente específico, tem como pressuposto o sigilo das respectivas contas; a um nível informático, informação representa essencialmente pelo objeto de trabalho, nuclear ao desenvolvimento e suporte de atividades processadas eletronicamente de acordo com um significado. Este é, portanto, um tema de difícil abordagem, tal sendo a inerente complexidade de manuseamento, que serve de base ao desenvolvimento de dissertações acadêmicas, apoiadas em rigorosa investigação científica de forma a alcançar o conhecimento para cenários atuais e futuros. Com base neste enquadramento, podemos olhar a informação como um objeto, ao qual são associadas características próprias, dependendo do âmbito disciplinar de aplicação, e com reações também particulares, dependendo do objetivo com que é usada e do conhecimento que permite construir. Tem por base e objetivo, a redução de incertezas perante o Mundo, viabilizando a movimentação no sentido da sua compreensão e da geração de conhecimento, disponível como um instrumento facilitador, que pode ser considerado como ingrediente básico do qual depende um processo de decisão. Toda a informação tem uma intenção ou um objetivo a ser alcançado, estando-lhe sempre agregado o princípio da transformação do seu ativo em conhecimento. No entanto, o fato de ter informação não significa que se tenha conhecimento. 5. CONHECIMENTO Constitui-se como um outro tema cuja abordagem, atualmente, se torna também complexa. Poderemos olhar o conhecimento como o ingrediente fundamental para a orientação de cada passo que se dá, traduzindose por uma espécie de matéria-prima que está presente na construção da decisão de cada movimento. Informação e conhecimento constituem-se como as armas competitivas da atualidade. O conhecimento é algo mais precioso e poderoso que os próprios recursos naturais. O conhecimento é um fluído composto por experiências, valores, informações do contexto e apreensão sobre o próprio domínio de atuação que fornece uma aparelhagem cognitiva para avaliar e incorporar novas experiências e informação. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 4

7 6. ASSIM COMO O AR, A INFORMAÇÃO ESTÁ EM TODO LUGAR Independentemente de consensos de definição ou de limitações da prática social e profissional, a informação existe, se multiplica e se expande à revelia de qualquer tentativa de controle e disseminação orientada ou seletiva. Embora pareçam curiosos, alguns termos, tais como "overdose", "ansiedade", "fadiga", "anorexia" ou mesmo "bulimia" de informação, já demonstram a necessidade de um enfoque diferenciado nos processos de geração, coleta, processamento, distribuição e uso da informação. Ao mesmo tempo, vários profissionais advogam para sua especialidade, algumas (ou muitas) das capacidades necessárias para o trabalho racional e produtivo com a informação. A expansão tecnológica e o crescente reconhecimento da informação como insumo e não apenas como 'bem cultural", ampliaram as possibilidade de trabalho com a informação. Esta, identificada como um continuum, envolve a noção de dado, informação, conhecimento e inteligência (ou sabedoria). Uma fusão da pirâmide informacional de URDANETA com o espectro de valor agregado de TAYLOR - citados respectivamente por PONJUAN (p.2, 1998) e pela International Federation for Information and Documentation (1994, p.1) - exemplifica o exposto acima. Tal encadeamento de conceitos e atividades reforça a percepção empírica de que a potencialidade de trabalho com o que se chama de "informação", engloba distintas habilidades profissionais. Sob esta perspectiva, existe, potencialmente, um amplo leque de ações a serem desenvolvidas por diferentes grupos de indivíduos, que concorrem e "lutam" permanentemente por postos de trabalho no campo (ou área, ou setor) de atividades de informação. Tais "profissionais da informação" devem e podem manter e/ou conquistar posições neste mercado, ao investirem e explicitarem a força de seu conjunto de "capitais" políticos, socioeconômicos, culturais, e profissionais (MARCHIORI, p.90-96, 1996). 7. A GESTÃO DA INFORMAÇÃO - CONSENSOS E CONTROVÉRSIAS As distintas percepções e interpretações do continuum dado-conhecimento, refletem-se em diferentes enfoques teóricos, práticos e metodológicos de diferentes profissões que concorrem para exercer suas práticas neste contexto. De certa forma, e independentemente de sua orientação acadêmica, tais profissionais competem entre si, ao mesmo tempo em que têm alto grau de interdependência e intercomplementaridade, necessárias para a garantia da sobrevivência, integridade, crescimento e reconhecimento social do próprio campo em que atuam. Tal situação, e como na realidade já ocorre entre as chamadas "tradicionais profissões da informação" (KLING, 1990), passa a ser mais crucial e dinâmica devido a um febril surgimento e fragmentação de outras profissões na área (HORTON, p.32, 1992). Entre muitos perfis e denominações, destaca-se o Gestor da Informação. 7.1 O RECORTE DA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Sob este enfoque, a gestão da informação visa incrementar a competitividade empresarial e os processos de modernização organizacional, capacitando profissionais na administração de tecnologias da informação em sintonia com os objetivos empresariais. A intenção é formar o chamado Chief Information Officer (CIO) e habilitá-lo, além das tradicionais disciplinas da área de Administração de Empresas, ao planejamento e uso estratégico das tecnologias da informação e às especificações de qualidade e segurança da informação empresarial. 7.2 O RECORTE DA TECNOLOGIA Sob esta perspectiva a informação é vista, ainda que dentro de um contexto organizacional, como um recurso a ser otimizado via diferentes arquiteturas de hardware, software e de redes de telecomunicações, adequadas aos diferentes sistemas de informação - em especial aos empresariais. 7.3 O RECORTE DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO De maneira geral, a Ciência da Informação se ocupa do estudo da informação em si, isto é, a teoria e a prática que envolve sua criação, identificação, coleta, validação, representação, recuperação e uso, tendo como princípio o fato de que existe um produtor/consumidor de informação que busca, nesta, um "sentido" e uma "finalidade". Uma formação profissional em gestão da informação, sob o ponto de vista deste recorte, volta-se para o contexto social onde há fornecimento e demandas de informação, assim como a necessidade do gerenciamento de recursos de informação (eles mesmos e em relação à instituição e/ou indivíduos aos quais eles vão servir), o monitoramento, a localização, a avaliação, a compilação e a disponibilidade de fontes de informação que, potencialmente, podem suprir a solicitação, e que devem ser descritas, analisadas, compiladas e apresentadas para sua utilização imediata. Neste contexto, tanto os processos administrativos, como a utilização de tecnologias são mecanismos facilitadores para otimização de processos que levam, idealmente, à comunicação efetiva da informação entre indivíduos e grupos. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 5

8 UNIDADE 2 INOVAÇÃO Inovação é a exploração com sucesso de novas ideias. Não tenha medo de crescer lentamente. Tenha medo apenas de ficar parado. Provérbio chinês A primeira coisa que você tem que fazer para ter sucesso na vida é decidir que tipo de pessoa você é: aquela que faz as coisas acontecerem, aquela que olha as coisas acontecerem ou aquela que se pergunta como aquilo foi acontecer. Autor desconhecido 1. O QUE É INOVAÇÃO O conceito de inovação é bastante variado, dependendo, principalmente, da sua aplicação. De forma sucinta, considera-se que inovação é a exploração com sucesso de novas ideias. E sucesso para as empresas, por exemplo, significa aumento de faturamento, acesso a novos mercados, aumento das margens de lucro, entre outros benefícios. Dentre as várias possibilidades de inovar, aquelas que se referem a inovações de produto ou de processo são conhecidas como inovações tecnológicas. Outros tipos de inovações podem se relacionar a novos mercados, novos modelos de negócio, novos processos e métodos organizacionais. A inovação é a exploração de novas ideias para melhorar negócios, criando vantagens competitivas às empresas. Essa inovação pode acontecer através de grandes alterações em produtos, serviços e processos ou em pequenos detalhes que possam ser percebidos pelo consumidor, fazendo com que ele consiga distinguir o produto quando este for comparado ao da concorrência. Uma inovação percebida pelo cliente seria, por exemplo, lançar uma camisa com um tecido que controla o nível de acidez no sangue, ou até mesmo uma roupa com um design diferente, que encante o consumidor. É importante que a empresa do vestuário esteja atenta ao que está acontecendo em termos tecnológicos. Acompanhar e analisar cada acontecimento com a expectativa de poder ser o primeiro a dispor de uma nova solução para o potencial usuário pode significar um novo impulso comercial e a consolidação de novos negócios para a empresa. Numa época em que a guerra de preços dos países asiáticos está preocupando as empresas do vestuário de todo o mundo, é importante conseguir se diferenciar pela inovação, já que, aquelas que forem capazes de inovar, se distinguirão dos concorrentes - o que gera um novo ciclo comercial, um novo modelo de negócios. 2. TIPOS DE INOVAÇÃO As diferentes formas de inovação podem ser classificadas de diversas maneiras. Destaca-se aqui duas destas visões, quanto ao objeto focal da inovação e quanto ao seu impacto. Objetivos focais da inovação Inovação de produto: Consiste em modificações nos atributos do produto, com mudança na forma como ele é percebido pelos consumidores. Exemplo: automóvel com câmbio automático em comparação ao convencional. Inovação de processo: Trata de mudanças no processo de produção do produto ou serviço. Não gera necessariamente impacto no produto final, mas produz benefícios no processo de produção, geralmente com aumentos de produtividade e redução de custos. Exemplo: automóvel produzido por robôs em comparação ao produzido por operários humanos. Inovação de modelo de negócio: Considera mudanças no modelo de negócio. Ou seja, na forma como o produto ou serviço é oferecido ao mercado. Não implica necessariamente em mudanças no produto ou mesmo no processo de produção, mas na forma como que ele é levado ao mercado. Exemplo: automóvel é alugado ao consumidor, que passa a pagar uma mensalidade pelo uso do veículo, com direito a seguro, manutenção e troca pelo modelo mais novo a cada ano; em comparação ao modelo de negócio tradicional, em que o veículo é vendido. Impacto da inovação Inovação Incremental: Reflete pequenas melhorias contínuas em produtos ou em linhas de produtos. Geralmente, representam pequenos avanços nos benefícios percebidos pelo consumidor e não modificam de forma expressiva a forma como o produto é consumido ou o modelo de negócio. Exemplo: evolução do CD comum para CD duplo, com capacidade de armazenar o dobro de faixas musicais. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 6

9 Inovação Radical: Representa uma mudança drástica na maneira que o produto ou serviço é consumido. Geralmente, traz um novo paradigma ao segmento de mercado, que modifica o modelo de negócios vigente. Exemplo: evolução do CD de música para os arquivos digitais em MP3. A importância de inovar Considerando que as inovações são capazes de gerar vantagens competitivas a médio e longo prazo, inovar torna-se essencial para a sustentabilidade das empresas e dos países no futuro. Dessa forma, a inovação pode estar no produto, no desenho do mesmo, na forma de comercializar bens e serviços, nas técnicas de marketing utilizadas, no relacionamento e nos serviços prestados aos clientes, na forma de organização do trabalho e nos métodos de gestão da organização. As condições dos mercados brasileiros e globais apontam, para o segmento do vestuário, que, cada vez mais, as inovações se constituem como uma estratégia relevante para a competitividade e sobrevivência das empresas. As empresas estão em uma fase em que o maior risco do processo inovativo é, certamente, não fazê-lo e, tardiamente descobrir que perderam mercados para empresas mais inovadoras. Aqueles que inovam ficam em posição de vantagem em relação aos demais. A inovação tem a capacidade de agregar valor aos produtos de uma empresa, diferenciando-a, ainda que momentaneamente, no ambiente competitivo. Ela é ainda mais importante em mercados commoditizados. Ou seja, com alto nível de competição e cujos produtos são praticamente equivalentes entre os ofertantes. Aqueles que inovam neste contexto, seja de forma incremental ou radical, de produto, processo ou modelo de negócio, ficam em posição de vantagem em relação aos demais. As inovações são importantes porque permitem que as empresas acessem novos mercados, aumentem suas receitas, realizem novas parcerias, adquiram novos conhecimentos e aumentem o valor de suas marcas. Obviamente, os benefícios da inovação não se limitam às empresas. Para os países e regiões, as inovações possibilitam o aumento do nível de emprego e renda, além do acesso ao mundo globalizado. As inovações oferecem novos produtos, que passam a contar com mais benefícios dos produtos oferecidos. A dinâmica da inovação De um modo geral, as empresas são o centro da inovação. É por meio delas que as tecnologias, invenções, produtos, enfim, ideias, chegam ao mercado. A grande maioria das grandes empresas possuem áreas inteiras dedicadas à inovação, com laboratórios de pesquisa e desenvolvimento (P&D) que contam com diversos pesquisadores. Apesar deste papel central exercido pelas empresas, a interação entre parceiros é fundamental. Sem ela, as inovações são dificultadas. As empresas são o centro da inovação. É por meio delas que as tecnologias, invenções, produtos, enfim, ideias, chegam ao mercado. Esses parceiros têm diversas funções, desde a realização externa de pesquisa e de desenvolvimento de produtos e processos, até a aplicação de investimentos ou subsídios, passando por desenvolvimento de prototipação, de pesquisa de mercado e de escalonamento de produção. Dessa forma, um conjunto de instituições formam o que conhecemos como sistema de inovação: universidades, centros de pesquisa, agências de fomento, investidores, governo e empresas com seus clientes, fornecedores, concorrentes ou outros parceiros. Uma tendência que está se tornando cada vez mais forte é um modelo inovação aberta (ou open innovation), onde as empresas vão buscar fora de seus centros de P&D ideias e projetos que podem ajudá-las a agregar diferenciais competitivos. Como inovar Para que as empresas realizem inovações é necessário que elas, em primeiro lugar, tomem consciência da importância de inovar no cenário competitivo vigente. Não há como se tornar uma empresa inovadora sem dar a devida importância ao tema. Não há como se tornar uma empresa inovadora sem dar a devida importância ao tema. Em seguida, as empresas devem entender o que é inovação e qual é a sua dinâmica. A partir daí, elas podem definir uma estratégia que deve estar alinhada aos objetivos da organização e à sua visão de futuro. Assim, é possível identificar outro conceito essencial para que as empresas se tornem inovadoras: a atenção para o futuro é uma premissa para a empresa inovar. O próximo passo é desenvolver e internalizar ferramentas de gestão do processo de inovação. Essas soluções devem ser customizadas para cada realidade. Para isso, devem ser levados em consideração o tamanho da empresa, o setor de atuação, a cultura e a estrutura organizacional, o sistema de agentes no qual ela está inserida, a visão de futuro e suas ambições. O tema em torno da inovação é complexo. Permite interpretações e também adaptações. Inovar envolve uma série de competências tecnológicas, mercadológicas e gerenciais. Entender o conceito de inovação e praticá-lo demanda tempo, dedicação e investimentos. Entretanto, o que se pode perceber é que as empresas que se tornam verdadeiramente inovadoras não se arrependem de ter tomado esse caminho. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 7

10 UNIDADE 3 DEFINIÇÃO DE SISTEMAS Os analfabetos do próximo século não são aqueles que não sabem ler ou escrever, mas aqueles que se recusarem a aprender, reaprender e voltar a aprender. ALVIN TOFFLER 1. CONCEITOS INICIAIS Por que os sistemas de informação assumiram papel de relevância na vida das organizações modernas? Hoje em dia a informação tornou-se um ativo essencial às empresas e todas elas necessitam de um eficiente sistema de informações para sobreviver e prosperar. De acordo com Laudon & Laudon (1999) três mudanças globais alteraram o modo com o qual as empresas fazem negócios: O surgimento da Economia Globalizada A transformação das Economias Industriais A transformação do conceito de empresa Globalização Segundo o Dicionário Aurélio, a globalização é um processo típico da segunda metade do séc. XX que conduz a crescente integração das economias e das sociedades dos vários países. Segundo Laudon e Laudon (1999), a globalização ocasionou as seguintes alterações no ambiente empresarial: Administração e controle em um mercado global; Concorrência em mercados mundiais Grupos de trabalhos globais Sistemas de entregas globais Transformação das Economias Industriais Diversas foram as transformações sofridas pelas economias industrializadas no decorrer do século XX, que afetaram o modo pelo qual as empresas atuam. Dentre outros, Laudon e Laudon apontam os seguintes: As economias modernas são baseadas no conhecimento e na informação; Alterações no conceito de produtividade ; Novos produtos e serviços; Conhecimento encarado como um ativo estratégico; Concorrência baseada no tempo; Redução no ciclo de vida dos produtos; Turbulência no ambiente em que as empresas operam; Redução na base de conhecimento da força de trabalho Transformações Sofridas pelas Empresas Como parte integrante, porque não dizer mola propulsora, das economias, as empresas também sofreram transformações importantes em decorrência do processo de globalização. Laudon e Laudon (1999) apontam as seguintes transformações: Redução de tamanho; Descentralização; Flexibilização; Independência de Localização; Baixos custos de transação e de gestão; Maior delegação de poder; Trabalho colaborativo mais do que individualizado. A tabela 1 apresenta, sucintamente, a evolução da sociedade dos tempos mais remotos até os dias de hoje. Tabela 1: Evolução da sociedade humana 1 a onda 2 a onda 3 a onda Agrícola Industrial Informação Terra Capital e tecnologia Informação e conhecimento anos 300 anos? Rev. Industrial Computador Fonte: Toffler, A. A Terceira Onda, Record, CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 8

11 Como forma de melhor entender o construto Sistema + Informação + Gerencial, faremos uma análise de cada um dos conceitos (ou grupo de conceitos) envolvidos. Começamos pela Teoria dos Sistemas, em seguida abordaremos o papel da Informação e finalizaremos com as principais funções gerenciais. 2. DEFINIÇÃO DE SISTEMAS Na década de 50, o biólogo alemão Ludwig Von Bertalanffy, estudando organismos vivos, observou que quaisquer organismos vivos pesquisados, embora se diferenciassem uns dos outros em enorme gama de características, mantinham sempre algumas características comuns que sempre se encontravam presentes quaisquer que fossem os organismos em estudo. Von Bertalanffy estendeu as suas observações a outros tipos de organismos, quais sejam, organismos mecânicos, organismos sociais, etc., e constatou que algumas características se mantinham, não importando a natureza do organismo. A mais importante característica que sempre se podia destacar era a identidade desses organismos, ou seja, o objetivo (propósito) que o organismo atingia. Embora o organismo em observação fosse composto de uma série de elementos, percebia-se claramente a interação desses elementos com vistas a atingir um objetivo, que seria a finalidade daquele organismo. Desses estudos e observações, Von Bertalanffy propôs a chamada Teoria Geral dos Sistemas, chamando de sistema a esses organismos, visando, portanto, a um objetivo (CAUTELA e POLLONI, 1986, p.15). Podemos destacar algumas definições de sistemas: "Um conjunto de elementos interdependentes em interação, com vistas a atingir um objetivo"(cautela e POLLONI, 1986, p.15). "Qualquer entidade, conceitual ou física, composta de partes inter-relacionadas, interatuantes ou interdependentes" Caravantes (1999, p.61). "Um conjunto de objetos unidos por alguma forma de interação regular ou interdependência". "Um conjunto ou combinação de coisas ligadas ou interdependentes, e que interagem de modo a formar uma unidade complexa; um todo composto de partes de uma forma organizada, segundo um esquema ou plano". (KOONTZ; O'DONNELL e WEIHRICH, 1986, p.180) "Os sistemas são constituídos de conjuntos de componentes que atuam juntos na execução do objetivo global do todo. O enfoque sistêmico é simplesmente um modo de pensar a respeito desses sistemas totais e seus componentes" (CHURCHMAN, 1971). Qualquer conjunto de partes unidas entre si pode ser considerado um sistema, desde que as relações entre as partes e o comportamento do todo seja foco de atenção (CHIAVENATO, 2004). 3. ESTRUTURA HIERÁRQUICA DOS SISTEMAS A definição de um sistema depende do interesse da pessoa que pretenda analisá-lo. Uma organização, por exemplo, poderá ser entendida como um sistema ou subsistema ou ainda um supersistema, dependendo da análise que se queira fazer: que o sistema tenha um grau de autonomia maior do que o subsistema e menor do que o supersistema. Aos elementos interdependentes, interatuantes, inter-relacionados, chamamos de subsistemas, que podem ser sistemas sob outro foco, dependendo do interesse de quem analisa, ou seja, depende da abordagem. Exemplos de sistema: Automóvel Quais os objetivos? transportar passageiros e carga; locomoção mecanizada. Quais os subsistemas que compõem o sistema automóvel? subsistema motor; subsistema caixa de marchas; subsistema suspensão, etc. Computador Quais os objetivos? Processar e armazenar informações. Quais os subsistemas que compõem o sistema computador? Subsistema teclado; Subsistema CPU; Subsistema monitor de vídeo, etc. CPU Quais os subsistemas que compõem o sistema CPU? Disco rígido (HD); placa de vídeo; placa de som; placa de memória RAM, etc. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 9

12 4. CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS Segundo Chiavenato (2004) as características dos sistemas são decorrências de dois conceitos: o de propósito (ou objetivo) e o de globalismo (ou totalidade). a) Propósito ou objetivo: Os elementos ou unidades, bem como os relacionamentos, definem um arranjo que visa sempre a um objetivo a alcançar. b) Globalismo ou totalidade: todo o sistema tem uma natureza orgânica, pela qual uma ação que produza mudança em uma das unidades do sistema, com muita probabilidade deverá produzir alterações em todas as demais unidades deste. c) Entropia : é a tendência que os sistemas têm para o desgaste, para desintegração, para o afrouxamento dos padrões e para um aumento da aleatoriedade. A medida em que a entropia aumenta, os sistemas se decompõem em estados mais simples. A entropia aumenta com o decorrer do tempo. À medida que aumenta a informação, diminui a entropia, pois a informação é a base da configuração e da ordem. * Negentropia a informação como meio ou instrumento de ordenação do sistema. d) Homeostasia : é o equilíbrio dinâmico entre as partes do sistema. Os sistemas têm uma tendência a se adaptarem a fim de alcançarem um equilíbrio interno em face das mudanças externas do meio ambiente. 5. TIPOS DE SISTEMAS a) Quanto à sua constituição: a.1) Sistemas físicos ou concretos quando compostos de equipamentos, maquinaria, objetos e coisas reais. Hardware. a.2) Sistemas abstratos quando compostos de conceitos, planos, hipóteses e ideias. Os símbolos representam atributos e objetos, que muitas vezes só existem no pensamento das pessoas. Software. ** Em certos casos, o sistema físico opera em acordo (consonância) com o abstrato: Ex: Centro de processamento de dados o equipamento (com seus circuitos) processa programas de instruções ao computador. b) Quanto à natureza: b.1) Sistemas fechados aqueles que não apresentam intercâmbio com o meio ambiente onde estão, pois são isolados das influências ambientais. A rigor, literalmente, não existem sistemas fechados. O termo é empregado à sistemas cujo comportamento é plenamente determinístico e programado, e que opera com um intercâmbio muito pequeno de matéria e energia com o meio ambiente. b.2) Sistemas abertos são os que apresentam relações de intercâmbio com o meio ambiente, através de entradas e saídas. Os sistemas abertos trocam matéria e energia regularmente com o meio ambiente, são adaptativos, e evitam o aumento da entropia através da interação ambiental. O conceito de sistema aberto pode ser aplicado a diversos níveis de abordagem indo de um microssistema até um supra-sistema, ou seja, vai da célula ao universo. 6. COMPONENTES DE UM SISTEMA a) Entrada ou insumo (input) é a força de arranque(ou de partida) do sistema que fornece o material, energia ou informação importantes para a operação do sistema. b) Saída, resultado ou produto (output) é a finalidade para a qual se reuniram elementos e relações do sistema. A saída deve ser coerente com o objetivo do sistema. c) Processamento, processador ou transformador (throughput) é o fenômeno que produz mudanças, é o mecanismo de conversão das entradas em saídas. d) Retroalimentação, retroação ou retroinformação (feedback) é a função de sistema que visa a saída com um critério ou padrão previamente estabelecido. A retroalimentação tem por objetivo o controle. melhoramento do processo; manter a estabilidade do sistema; e controlar a entropia do sistema. e) Ambiente (environment) é o meio que envolve o sistema.o ambiente serve como fonte de energia para o sistema. Sistema e ambiente estão em constante interação. O ambiente estando em constante mudança, o processo de adaptação do sistema é um processo dinâmico. O feedback é um mecanismo regulador dos sistemas. Ele opera com o objetivo de controlar os resultados do sistema, produzindo informações que serão utilizadas no processo. O mecanismo de processamento do sistema é também conhecido como caixa preta em virtude das peculiaridades que alguns sistemas apresentam. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 10

13 ambiente entradas processamento saídas retroalimentação Figura 1: Diagrama Representativo de um Sistema 7. CONCEITO DE INFORMAÇÃO A Teoria da informação é um ramo da teoria da probabilidade e da matemática estatística que lida com sistemas de comunicação, transmissão de dados, criptografia, codificação, teoria do ruído, correção de erros, compressão de dados, etc. Ela não deve ser confundida com tecnologia da informação e biblioteconomia. Claude E. Shannon ( ) é conhecido como "o pai da teoria da informação". Sua teoria foi a primeira a considerar comunicação como um problema matemático rigorosamente embasado na estatística e deu aos engenheiros da comunicação um modo de determinar a capacidade de um canal de comunicação em termos de ocorrência de bits. A teoria não se preocupa com a semântica dos dados, mas pode envolver aspectos relacionados com a perda de informação na compressão e na transmissão de mensagens com ruído no canal. Quem fez pela primeira vez uma análise mais rigorosa da transmissão da informação foi Claude Shannon, criador da teoria da informação. A medida de entropia de Shannon passou a ser considerada como uma medida da informação contida numa mensagem, em oposição à parte da mensagem que é estritamente determinada (portanto previsível) por estruturas inerentes, como por exemplo, a redundância da estrutura das linguagens ou das propriedades estatísticas de uma linguagem, relacionadas às frequências de ocorrência de diferentes letras (monemas) ou de pares, trios, (fonemas) etc., de palavras. A entropia como definida por Shannon está intimamente relacionada à entropia definida por físicos. Boltzmann e Gibbs fizeram um trabalho considerável sobre termodinâmica estatística. Este trabalho foi a inspiração para se adotar o termo entropia em teoria da informação. Há uma profunda relação entre entropia nos sentidos termodinâmico e informacional. Por exemplo, o demônio de Maxwell necessita de informações para reverter a entropia termodinâmica e a obtenção dessas informações equilibra exatamente o ganho termodinâmico que o demônio alcançaria de outro modo. Dado é qualquer elemento identificado em sua forma bruta que por si só não conduz a uma compreensão de determinado fato ou situação. Informação é o dado trabalhado que permite a tomada de decisão. Dado e informação: Exemplos de dados em uma empresa: quantidade de produção, custo da matéria-prima, número de funcionários. Como resultado da análise de tais dados tem-se as informações: capacidade de produção, custo de venda do produto, produtividade do funcionário. Essas informações, ao serem utilizadas pelo executivo de uma empresa, podem afetar ou modificar o comportamento existente na empresa, bem como o relacionamento entre as suas várias unidades organizacionais. O propósito básico da informação é o de habilitar a empresa a alcançar seus objetivos pelo uso eficiente dos recursos disponíveis, nos quais se inserem pessoas, materiais, equipamentos, tecnologia, dinheiro além da própria informação. A eficiência na utilização do recurso informação é medida pela relação do custo para obtê-la e o valor do benefício derivado do seu custo. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 11

14 8. CARACTERÍSTICAS IDEAIS DE UMA INFORMAÇÃO: A informação precisa ser (CAUTELA e POLLONI, 1986, p.23): a) Clara apresentar o fato com clareza, não o mascarando entre os fatos acessórios. b) Precisa deve ter um alto padrão de precisão e nunca apresentar termos como: "por volta de...", "cerca de...", "mais ou menos...". c) Rápida chegar ao ponto de decisão em tempo hábil para que gere efeito na referida decisão. Uma informação pode ser clara e precisa mas chegar atrasada, perdendo a sua razão de ser. d) Dirigida a quem tenha necessidade dela e que irá decidir com base nessa informação. 9. QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES: O número de veículos (meios) de informação influencia de maneira fundamental na qualidade da informação. A qualidade tende a decrescer à medida que se aumenta o número de veículos de informação. Vejamos: a) 2 fontes e 1 veículo Situação ideal, basta um único veiculo para ligar as duas fontes. F 1 V F 2 b) 5 fontes e 10 veículos Em função do aumento do número de fontes e, consequentemente de veículos, já não há segurança absoluta da fidedignidade das informações em sua totalidade. F5 V4 F1 V3 V1 V7 V2 V6 F2 V5 V10 F4 V9 V8 F3 Informação é a medida de redução da incerteza, sobre um determinado estado de coisas, por intermédio de uma mensagem. Mensagem é uma estrutura organizada de sinais que serve de suporte à comunicação. Comunicação é transmissão de mensagens entre uma fonte e o destinatário distintos no tempo e/ou no espaço. 10. ALGUNS CONCEITOS: Redundância É a repetição da mensagem para que sua recepção correta seja mais garantida. A redundância introduz no sistema de comunicação uma certa capacidade de eliminar o ruído e prevenir distorções e enganos na recepção da mensagem. Entropia Vem de Grego Transformação é um conceito controvertido nas ciências da comunicação. A entropia é a segunda lei da termodinâmica e refere-se a perda de energia em sistemas isolados, levando-os à degradação, à desintegração e ao desaparecimento. A entropia significa que partes do sistemas perdem sua integração e comunicação entre si, fazendo com que o sistema se decomponha, perca energia e informação, e se degenere. Como a entropia é um processo pelo qual o sistema tende à exaustão, desorganização, desintegração e, por fim à morte; para sobreviver, o sistema precisa abrir-se e reabastecer-se de energia e de informação para manter a sua estrutura. Sinergia Vem do grego Trabalho significa literalmente trabalho conjunto; este conceito também é controvertido. Existe sinergia quando duas ou mais causas produzem, atuando conjuntamente, um efeito maior do que a soma dos efeitos que produziriam atuando individualmente. Comunicação O termo comunicação é usado não somente para focalizar o relacionamento pessoa-pessoa, pessoa-grupo, grupo-pessoa e grupo-grupo, mas também para indicar o fluxo de informação no processo decisório da organização e o relacionamento entre a organização e seus membros, bem como o seu ambiente externo. A comunicação significa também informação. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 12

15 UNIDADE 4 FUNDAMENTOS DO USO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A vida só pode ser compreendida olhando-se para trás; mas só pode ser vivida olhando-se para frente. Sören Kierkegaard OBJETIVOS - Compreender de forma geral as tecnologias inovadoras utilizadas nos sistemas de informação. - Conhecer os principais significados de termos técnicos usuais da área de tecnologia e sua aplicabilidade no auxílio do administrador de empresas. - Conhecer as principais características e vantagens dos sistemas de telemática e seu grande crescimento em face da popularização da Internet. - Saber as características das Internets empresariais e suas oportunidades de serviços. - Conhecer as novas filosofias de aplicação de tecnologia nas atividades empresariais. 1. INTRODUÇÃO A tecnologia da informação é parte integrante do nosso cotidiano com os computadores espalhados em bancos, em bibliotecas, ao fazermos exames de tomografia computadorizada, quando alugamos um filme na locadora ou quando vamos fazer uma aposta na loteria. Esse perfil de ferramenta para todas as atividades define a grande aplicabilidade da tecnologia da informação em todas as áreas. Dificilmente alguma área não pode utilizar a tecnologia para melhorar alguma atividade. Hoje, com o advento da telemática e o exponencial desenvolvimento da Internet em conjunto com as necessidade dinâmicas imposta pela globalização, criou-se um ambiente em que os proprietários e administradores de empresas necessitam de razoável conhecimento sobre o universo tecnológico para estarem cientes dos novos prováveis aliados ao desenvolvimento de sua empresa. Conceitos que antigamente eram necessários apenas para os responsáveis por tecnologia hoje precisam ser evidentes para os envolvidos com a tomada de decisão da organização, de modo a ajudá-los no seu relacionamento com as empresas ou com funcionários que dominam o assunto. 2. CLASSIFICAÇÃO DOS COMPUTADORES E REDES Os computadores são classificados conforme o seu porte (tamanho e velocidade de processamento) e são divididos como: Mainframe: equipamento potente, geralmente utilizado para processamento centralizado de rotinas comerciais, científicas ou militares, muito usado na época dos grandes CPD s; Minicomputadores: computadores de médio porte, muito utilizados em universidades, fábricas e laboratórios, onde são necessários processamentos longos e com grande precisão; Computadores Pessoais (PC s): também conhecidos como microcomputadores. Apesar do intuito inicial de serem equipamentos residenciais para usuários comuns, são responsáveis pela revolução da computação descentralizada; Estações de Trabalho (Workstation): máquinas que possuem grande capacidade de processamento local, principalmente gráfico e matemático, e capacidade de processamento multitarefa; Supercomputadores: computadores altamente sofisticados e potentes, utilizados para resolver problemas de alta complexidade e com milhares de variáveis. Essa classificação era muito utilizada quando existiam os verdadeiros CPD s, com sua estrutura centralizadora, momento em que o usuário da informação não possuía controle sobre ela. As redes de computadores corporativas são o conjunto de acessórios e componentes responsáveis pelo tráfego dos dados por toda a organização. Quanto ao seu porte, as redes podem ser classificadas como: Grupo de trabalho (Workgroup): normalmente redes de pequeno porte, em que todas as máquinas são clientes e servidores ao mesmo tempo. Redes características de micro, pequenas e médias empresas. O nível de segurança é baixo. Domínio (Domain): redes de maior porte, em geral possuem um servidor central que permite ou não que um usuário se conecte à rede. O domínio permite ainda o estabelecimento de políticas de rede, que definem os privilégios de cada usuário que se conectar à rede. Garante um nível maior de segurança á corporação. Todos podem trocar dadas entre si, mas a centralização das tarefas de maior responsabilidade fica a cargo de um servidor. Elas também podem ser classificada quanto á capacidade de abrangência: LAN (Local Area Network, ou redes de área locais): são aquelas que interligam todos os computadores em um mesmo local físico, mesmo um prédio ou mesma instalação industrial; WAN (Wide Area Network, ou redes remotas): são aquelas que interligam computadores de vários locais geográficos, várias instalações industriais, várias filiais. Podem, inclusive, interligar as várias LANs de uma organização. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 13

16 3. INTERNET X INTRANET X EXTRANET O desenvolvimento da Internet pode ser resumido em duas importantes décadas: 1960 e Na década de 1960, o Departamento de defesa dos Estados Unidos desenvolveu um sistema de comunicação com o uso de redes de computadores. Essa comunicação com o uso de redes de computadores. Essa comunicação tinha como principal meta manter as bases militares em contato constante, na tentativa de evitar ataques nucleares. Nesse momento, a Guerra Fria trouxe um grande benefício à humanidade por meio da tecnologia que serviu de berço para a Internet. Durante a década de 1970, esse sistema de comunicação foi expandido, incorporando universidades e, um pouco depois, incluindo qualquer pessoa que possuísse um computador e desejasse estar conectado à grande rede. Do ponto de vista técnico, a Internet é um conexão de todas as redes do mundo, mas, do ponto de vista do usuário, ela representa a possibilidade, quase infinita, de acesso a serviços online, comunicação entre pessoas ou troca de dados entre computadores. A melhor definição para a Internet é uma rede de redes, ou seja, uma interligação de várias redes em todo o mundo utilizando os mesmo padrões de comunicação, o que resultou em uma revolução nas telecomunicações. Para perceber melhor a revolução causada pela Internet perante as telecomunicações, basta que se comparem a expansão da telefonia e a da Web: Tabela 8: Comparação da expansão da telefonia com a da Web TELEFONE Demorou 74 anos para atingir 50 milhões de WEB Demorou 4 anos para atingir usuários Fonte: BATISTA, 2004: p.70 O crescimento exponencial desse tipo de rede juntamente com a popularização dos computadores pessoais, e a necessidade de usuários residenciais e pequenos escritórios acessarem-na trouxeram a obrigatoriedade da criação de uma nova linha de empresas prestadoras de serviços. A internet conecta cientistas e professores de universidades ao redor do mundo. Para se conectar à Internet, o usuário necessita de um computador, um modem e pagar uma taxa a um Provedor de Serviço de Internet (ISP Internet Service Provider). A Internet é uma tecnologia baseada na tecnologia servidor/cliente. Todos os dados, incluindo as mensagens de , são armazenados em servidores. Segundo Laudon & Laudon (1999), os principais recursos da Internet são correios eletrônicos, grupos de notícias, bate-papos, Telnet, FTP, World Wide Web (WWW), dentre outros. Para um estudo mais profundo sobre Internet consulte o livro de Laudon & Laudon (1999). Como a maioria dos recursos da Internet é de domínio comum ao usuário, focaremos naqueles mais desconhecidos. O Telnet é um protocolo que estabelece um link rápido entre dois computadores, permitindo que estes se conectem remotamente. O protocolo de transferência de arquivos (FTP file transfer protocol) é usado para acessar um computador remoto e recuperar arquivos dele. O mais importante e conhecido protocolo da Internet é, sem dúvida alguma, o HTTP (Hyper Text Transfer Protocol) que é um protocolo internacionalmente aceito de exibição de informações. O HTTP é baseado em uma linguagem de hipertexto denominada Hypertext Markup Language (HTML). De acordo com uma empresa especializada em análise de mercado, a Nua.com, o número de cibernautas em todo o mundo já ultrapassou 580,7 milhões. Este estudo indica que a região europeia ocupa o primeiro lugar em termos de utilizadores de Internet, com um número de 185,83 milhões de usuários conectados. Os Estados Unidos e o Canadá seguem em segundo lugar, com 182,83 milhões. Na Ásia/Pacífico são 167,86 milhões; na América Latina, 32,99 milhões; a África contabiliza 6,31 milhões e o Médio Oriente, 5,12 milhões 2. A realidade latino-americana é um pouco diferente em decorrência da problemática estrutura de linhas telefônicas, baixa popularização de PCs e baixa renda per capita. No Brasil, segundo a Regtistro.br (http://www.registro.br), o número de domínios registrados já chega a aproximadamente 420 mil, conforme a tabela abaixo: Tabela 9: Número de domínios registrados no Brasil Tipo de Documento Quantidade Entidades Universidade 1699 Pessoas físicas 2353 Profissionais liberais Fonte: BATISTA, 2004: p.71 2 IDG Now! 10% da população mundial está online. Disponível em: <http://idgnow.terra.com.br/idgnow/internet/2002/08/0021>. Acesso em: 18 ag CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 14

17 O Brasil é o primeiro no ranking latino-americano de usuários de Internet, seguido pelo México e pela Argentina; possui um crescimento exponencial que cria um forte estímulo para o mercado de eletrônicos desenvolver produtos voltados à conexão de redes e telecomunicações. O tráfego gerado por brasileiros na Internet aumentou 56,2% em uma ano, apesar de o Brasil continuar na 16 a posição no ranking mundial classificada pela empresa norte-americana especializada em medições WebsideStory. Em resumo, a Internet: - torna mais rápido o acesso às informações; - melhora a comunicação e a colaboração entre pessoas e organizações; - acelera a divulgação de novos conhecimento; e - facilita as novas técnicas de comércio. UNIDADE 5 OS NOVOS USOS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EMPRESA Os talentosos atingem metas que ninguém mais pode atingir; os gênios atingem metas que ninguém mais consegue ver. Artur Schopenhauer 1. E-BUSSINESS A Internet e seu comportamento inovador está impondo ao mercado novos padrões de funcionamento e novos métodos comerciais. É evidente que as eficiências propostas por ela são muito poderosas para serem ignoradas. Um dos grupos de ferramentas inovadoras da Internet é o e-business (negócios eletrônicos) uso da tecnologia da informação, como computadores e telecomunicações, para automatizar a compra e venda de produtos, bens e serviços entre empresa-consumidor e empresa-empresa. Do ponto de vista administrativo, o e-business é o planejamento da imersão da organização na Internet com o propósito de automatizar suas diversas atividades, como a comunicação interna e externa, a transmissão de dados, o contato com clientes e fornecedores, o treinamento de pessoal, etc. O aparecimento, o desenvolvimento e crescimento exponencial da Internet permitiram que novas modalidades de fazer negócios entre as empresas surgissem para tirar proveito das tecnologias inovadoras existentes. O e-business não compreende apenas o comércio, mas também qualquer tipo de prestação de serviços, troca de informações, disponibilização de informação. Quando essa área é alvo de estudo, centenas de siglas e termos em inglês causam certo desconforto no correto entendimento do processo; além disso, é importante salientar a comum confusão de definições que se estabelece entre o e-business e o e-commerce. O e-business pode ser definido como a estratégia de posicionamento da empresa na Internet; já o e- commerce é um dos componentes do e-business com o intuito de controlar a atividade de vendas pelo uso de meios eletrônicos. O e-commerce ou comércio eletrônico, é considerado uma atividade promissora, pois a administração de um negócio na Internet permite atingir mercados antes não atendidos. A venda direta aos consumidores resulta em considerável aumento dos lucros da empresa devido à redução da quantidade de atravessadores e um controle maior das operações. Na realidade, o processo de comércio eletrônico significa que vários conceitos administrativos e tecnológicos devem interagir. Esses conceitos focam uma parte do relacionamento da empresa (empresafornecedores, empresas-cliente, etc.). Dependendo do tipo de negócio e da cultura empresarial, tais conceitos ganham maior ou menor importância, exigindo níveis distintos de implantação. O comércio eletrônico faz com que as organizações sejam mais eficientes e flexíveis em suas operações internas. Entre as melhorias de caráter externo podemos destacar a aproximação dom seus fornecedores e uma maior agilidade para atender às necessidade e às expectativas de seus clientes. Quando se fala em comércio eletrônico, qualquer empresa passa, normalmente por cinco fases no posicionamento do negócio na Web, que representam amadurecimento e uma quebra escalonada de paradigmas no que diz respeito ao uso dessas tecnologias para alavancar os negócios da organização. Elas podem ser definidas como: Presença on-line: colocação no ar de um site da empresa. Negócios on-line: o website da empresa se transforma em uma maneira alternativa de fazer negócios, podendo apenas utilizar troca de dados na função logística para substituir outros meios, como telefone e fax. Negócios on-line integrados: o canal eletrônico passa a ser uma peça-chave nos negócios da empresa, tendo integração com os seus sistemas e processos internos. Nesse ponto, a relação com o cliente é fortalecida, e operações de retenção do cliente e fortalecimento da marca são percebidas Negócios on-line avançados: nessa fase, a empresa procura estabelecer uma reformulação dos seus processos de negócios para ampliar seus mercados. A fusão de elementos da organização com o relacionamento como o cliente e com a cadeia de suprimentos é encarada como uma vantagem CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 15

18 competitiva. Aplicações de marketing one-to-one são uma característica relevante desse tipo de negócio. Com os fornecedores são estabelecidas relações estreitas, como controle de estoque pelo fornecedor ou reposição contínua de produtos (just-in-time). E-Business total: nessa fase, as relações de negócios entre consumidor-empresa-fornecedor passam a ser de parceria completa. São perceptíveis nas empresas um modelo virtual, produção específica para um cliente e compartilhamento de informações e receitas com outras organizações. As mudanças nessa área são muito dinâmicas, e os dados estatísticos demonstram uma necessidade natural de as organizações planejarem o seu futuro nessa nova realidade. Segundo estudos recentes do Ibope eratings, existem cerca de 14 milhões de internautas brasileiros. A potencialidade desse mercado pode ser evidenciada pela grande presença de computadores e linhas telefônicas na maior parte dos domicílios. Esses estudos também demonstraram que o maior número de acessos é feito por pessoas na faixa de 18 a 54 anos, e que os internautas economicamente ativos possuem grau superior, integrando as classes socioeconômicas A e B. De acordo com o IDG (International Data Group), a América Latina tende a ser o mercado em maior crescimento no mundo pelos próximos anos em número de usuários, publicidade online e atividades envolvendo comércio eletrônico. O número de usuários na rede cresceu 211% desde 1997, e o comércio eletrônico deve crescer muito. O Brasil representou 88% das vendas online em 1999 na América Latina. A freqüência de uso e os hábitos dos usuários forma modificados em consequência da Internet, destaque para os seguintes fatos: Tabela 10: Mudança de hábitos dos internautas e freqüência de uso 64% acessam a Internet pelo menos uma por dia 70% navegam pelo menos uma hora a cada acesso 60% dos internautas mudaram seus hábitos diários: 28% reduziram o tempo que passam vendo televisão 12% reduziram as horas de sono Fonte: BATISTA, 2004: p.101 Além disso, muitos internautas preferem realizar suas operações pela Web, desde compras de vários gêneros, consulta e operações bancárias e entrega de imposto de renda até investimentos financeiros. Como benefícios do comércio eletrônico, podemos destacar: papel: redução do uso e armazenamento de papel, sejam informativos ou documento, dando lugar aos formatos digitais de armazenamento; tempo: o tempo das transações é muitas vezes um fator significativo para o sucesso da empresa, e as transações eletrônicas podem economizar um tempo valioso; distância: a Internet permite a redução das fronteira físicas; custos com pessoal: a manipulação de grandes quantidades de papel para resolver as transações necessárias ao funcionamento da empresa exige a utilização de um grande nu erro de pessoal. As transações eletrônicas e, em consequência, a economia de papel permitem uma redução significativa de funcionários; relações com os clientes: o comércio eletrônico resulta em uma relação muito mais estreita entre a empresa, seus clientes e fornecedores; facilidade de uso e melhor controle: as empresas e, mesmo os usuários, estão optando pela realização de suas operações no modo eletrônico, pois essa modalidade permite o controle mais apurado dos acontecimentos, além da extrema facilidade de operação. Uma das maiores heranças da Internet é a redução de processos burocráticos, ou seja, os processos ficam mais simples. As pequenas e microempresas começam a descobrir as oportunidades da Internet, que possibilitam a ampliação de sues mercados sem a necessidade de ampliar a sua estrutura física. O comércio eletrônico possui formas diferentes de implementação, sendo que cada tipo tem características específicas e alvos diferentes. Algumas empresas atacadistas estão até usando essas diferenças para atingir mercados antes cobertos pelos seus revendedores, o que lhes permite reduzir o número de atravessadores e efetuar a comercialização a preços mais baixos. 2. COMÉRCIO ELETRÔNICO SUCESSO E AMEAÇAS A demasiada agilidade com que se estabeleceu o comércio eletrônico e as notícias veiculadas quase todos os dias sobre 2E (empresas eletrônicas) que encerraram suas atividades definem um quadro preocupante em que CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 16

19 se encontram as organizações que ainda não optaram por tal meio de comercialização, que podem assumir o risco de fechar ao optarem por entre no comércio eletrônico. Muitos dos erros que levaram as empresas eletrônicas ao fechamento foram em consequência da falta de planejamento ou até de conhecimento dos elementos-chave que regem essa modalidade de comércio. Como ponto principal devemos observar que os concorrentes podem se desenvolver muito mais rapidamente, deixando para trás, em muito, a organização que não se preocupa com tais elementos. As organizações acreditam que as principais desvantagens do comércio eletrônico são: Tabela 11: Desvantagens do comércio eletrônico na visão das empresas Falta de sistemas seguros na Web 61% Dificuldade em atingir as classes mais baixas (caráter elitista) 48% Dificuldade do consumidor no processo de tirar dúvidas 41% Serviços de telecomunicações ainda caros 33% Falta de mão de obra especializada 30% Maior investimento em mídia segmentada 22% Pagamento sem ser à vista 20% Fonte: BATISTA, 2004: p.110 Muitas organizações que dizem possuir um sistema de comércio eletrônico na verdade estão apenas recebendo solicitações de produto por correio eletrônico. Esse erro, apesar de parecer insignificante, deve ser repensado quando de entende que o correio eletrônico é uma das maneiras menos seguras de tráfego de informações. Somente empresas e usuários que tenha uma assinatura digital 3 podem enviar informações por correio eletrônico utilizando a criptografia. A estrutura de um comércio eletrônico exige um alto investimento em tecnologia; no Brasil os números impressionam. No desenvolvimento do site Americanas.com foram gastos 2 milhões de reais. O Amélia.com.br, criado para estabelecer a operação B2C do Grupo Pão de Açúcar, investiu em 2000 cerca de 235 milhões de reais em tecnologia. O site de leilão Lokau.com gastou US$800mil em equipamento de tecnologia. Um grande problema que envolve as empresas eletrônicas é o serviço de logística, pois, mesmo com a terceirização dessa atividade, muitas empresas ainda fazem esse tipo de solicitação de serviço manualmente, sem planejamento, e, como consequência, aparecem os prejuízos de trabalhos refeitos. O comércio eletrônico deve ter como alicerce alguns procedimentos que minimizem a burocracia e persigam a excelência da atividade de comércio. Transações como informações do cliente, por exemplo os contatos com a instituição financeira e com a transportadora, devem ocorrer eletronicamente, mantendo o sigilo da operação e permitindo a integração com um sistema CRM para definição do perfil do cliente. O uso dessas ferramentas integra os dados existentes nos sistemas ERP e CRM, proporcionando a fidelização de clientes, a otimização de alocação de recursos, o aumento de vendas cruzadas e casadas e a melhoria de qualidade de produtos e serviços prestados. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BATISTA, Emerson O. Sistemas de Informação O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento São Paulo, Editora Saraiva, BRAGA, Ascenção, A Gestão da Informação. Disponível em: Portugal. Acesso em: 15 de ag DAVENPORT, Thomas H. Ecologia da Informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Editora Futura, LAUDON, K.C., LAUDON, J.P. Sistemas de informação. São Paulo: LTC, MELO, I.S. Administração Sistemas de Informação. São Paulo: Pioneira, O`BRIEN, James A. Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet, São Paulo, Editora Saraiva, POTTER, Richard. Administração da Tecnologia da Informação. São Paulo: Campus, ZORRINHO, C., Gestão da Informação, Condição para Vencer. Iapmei, Assinatura digital é um método de aluguel de uma chave privada de criptografia para a troca de dados e informações pela Internet. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 17

20 ANEXO A TECNOLOGIA DO VESTUÁRIO - PROCESSO DE PRODUÇÃO COMO FUNCIONA UMA CONFECÇÃO Ciclo Básico de Produção CRIAÇÃO Definição Área responsável por traduzir nas roupas de uma grife ou marca de confecção, uma tendência direcionada para o mercado de atuação que a empresa pré estabeleceu. Buscando atender a faixa etária, conforto, custo, estilo, etc. Pode ser representada por um profissional que chamamos de estilista ou por um setor composto por uma equipe. Definição de Mercado de Atuação Estilista de criação; Buscam tendências, viagens, pesquisas, etc. Estilistas Copistas; Buscam referências de revistas, fotos, vitrines, etc. ELABORAÇÃO E LEVANTAMENTO DE CUSTOS: Ficha Técnica das Peças A ficha técnica de uma peça, tem por objetivo detalhar todas as etapas e necessidades de um modelo definindo coleção, matéria prima, fornecedores, custos, grade de tamanho, entre outras informações técnicas. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 18

21 Modelo Ilustrativo Ficha Técnica Peça Piloto É a peça de referência, ela tem como objetivo avaliar e mostrar informações técnicas como, gargalo produtivo, caimento, seqüência operacional de montagem, custo geral, tempo de produção, entre outras informações. Análise de Compras: Este setor esta diretamente ligada ao setor de criação, sua principal função é preparar a logística técnica e financeira de todos os insumos necessários para suprir os modelos aprovados para a coleção. Estratégia de Produção: Função responsável por definir várias etapas para a produção como, definição dos modelos que serão montados internamente ou externamente, a melhor seqüência de produção por modelo, oficinas externas, entre outras. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 19

22 MODELAGEM Interpretação do Modelo: É a discriminação criteriosa do modelo apresentado, através de desenho, fotografia ou peça confeccionada, verificando qual é o diagrama, o tecido, o tamanho, formas de montagem e os aviamentos necessários. Diagrama ou traçado: É a representação gráfica, figurada da morfologia do corpo humano, que mostra esquematicamente o plano de uma estrutura, com a posição e relação de suas partes. Obs.: Para a construção de um molde, é necessário conhecer medidas e proporções. Diagrama Molde: É a reprodução das partes do diagrama, em papel ou fibra, no tamanho real que possuíra a peça depois de pronta. Molde para corte: É a colocação de uma margem de costura e marcações, de acordo com o tipo de tecido, tipo de costura, tipos de máquinas, tipo de embanhados. Molde para corte: 1. Parta da peça (manga); 2. Tamanho da peça (n. 4); 3. Ordem ou referência (coleção verão, ref. n.1); 4. Número de partes a ser cortada (9 vezes); 5. Quantas partes compõem a peça (7 partes); 6. Posição do fio de urdume; 7. Assinatura; 8. Data; Prova e correção: Faz-se o encaixe para levantamento do consumo de tecido, e confecciona-se uma peça para averiguá-la o caimento. Depois de provada, havendo necessidade, fazem-se as devidas correções no molde. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 20

23 Ampliação e redução: Após os moldes estarem testados, faz-se a reprodução dos outros tamanhos com as devidas variações de medidas para os outros tamanhos com as mesmas formas e marcações. Pronta a ampliação e redução, se possível, confecciona-se um tamanho ampliado e outro reduzido para verificar o tamanho CORTE SETOR DE CORTE: Definição: O setor de corte é uma das principais etapas do processo produtivo, dentro da área industrial da confecção e um dos responsáveis direto pela transformação da matéria-prima, fazendo dele um setor de extrema importância, a ponto de colocar em risco todo o processo produtivo, quando mal planejado ou executado, causando sérios prejuízos à empresa. Etapas do Corte Encaixe; Risco; Enfesto; Corte; Preparação; ENCAIXE: Definição: O encaixe é a distribuição de uma determinada modelagem sobre um papel ou tecido, cuja prioridade é a economia de matéria-prima. Sendo também conhecido como plano de corte ou mapa, pode ser realizado manualmente, mais comumente utilizado pela maioria das empresas devido a seu baixo custo, ou automático, através do sistema CAD, ( Computer Aided Design - planejamento auxiliado por computador). É válido destacar que a aquisição do sistema CAD, não dispensa o profissional da área, pois para operá-lo ele é imprescindível. Encaixe Convencional Encaixe Automático CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 21

24 RISCO: O risco é o contorno de todas as partes de uma modelagem, observando a disposição correta dos moldes com relação ao fio de urde-me do tecido. Em outras palavras é contornar os moldes do encaixe, obedecendo todas as marcações e denominações que ele apresenta, para que o cortador possa segui-las e enviar para a costura as peças com piques e furos corretamente marcados. ENFESTO: Definição: O enfesto é a operação para designar as camadas sobrepostas de tecidos a serem cortados, obedecendo a uma metragem pré-estabelecida. Essa colocação de folha sobre folha, formando um bloco de tecido também é conhecida como colchão ou estendida. Esta operação pode ser realizada manualmente, com uma enfestadeira mecânica ou automatizada, de três maneiras: TIPOS DE ENFESTO: Enfesto Par; Enfesto Impar; Enfesto Escada; CORTE: Definição: O corte, propriamente dito, é a ação ou efeito de cortar, esta etapa exige muita atenção. Os equipamentos utilizados nesta etapa vão desde uma simples tesoura, passando por máquinas mecânicas até chegar a um corte automatizado por jato de água. Porém, a máquina mais utilizada na realização do corte, é a máquina de faca vertical, indicada para todos os tipos de tecidos, possuindo tipos variados de facas, para atender a situações diversas. È importante que o cortador saiba qual a mais adequada para o material a ser cortado, excluindo assim, qualquer hipótese de comprometer o corte. Corte Manual CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 22

25 Corte Manual Máquina Automatizada de Corte - NeoCut Audaces Máquina de Corte Convencional Vertical de 6, 8 ou 10 polegadas PREPARAÇÃO: Definição: Após o corte é necessário preparar o produto para a costura. Esta preparação requer atenção, para que o processo possa fluir em seu ritmo normal. A preparação para costura deve ser feita em três etapas: Etiquetagem; Separação; Embalagem; COSTURA Etapa fundamental da cadeia produtiva da confecção. Podemos dizer que a costura é fator determinante para determinar a produtividade, qualidade e seus processos. Tudo começa e acaba em função da costura. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 23

26 Imagem de uma confecção em trabalho Itens importantes: Profissionalização do processo; Dependência de mão de obra especializada; Dependência de máquinas e equipamentos; Otimização do processo produtivo; Mudança de perfil do profissional de costura; Comprometimento produtivo; ANEXO B - TECNOLOGIA DA CONFECÇÃO: DA PROTÓTIPO À CONFECÇÃO (ETAPAS E CONCEITO) Criação e Desenvolvimento de Produto É a primeira etapa da confecção, também chamada de concepção. Realizada por um estilista, requer o conhecimento tanto das tendências da moda quanto das características da estratégia da empresa, de modo a desenvolver modelos que facilitem a comercialização. Consiste no design dos modelos e na escolha dos tecidos. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 24

27 Modelagem Executada pelo modelista, consiste na concretização das ideias do estilista de modo a criar um protótipo de papel a partir do qual se elabora o molde básico. A modelagem consiste em criar todas as partes que compõem um protótipo de produto de vestuário em papel e pode ser executado por um processo manual ou computadorizado pelo sistema CAD. Faz parte da modelagem, também, o sistema de redução e ampliação, ou seja, o desdobramento da modelagem básica nos diferentes tamanhos a serem fabricados. É importante lembrar que as modelagens para tecido plano, em geral, são marcadas com tamanhos em número, como 36, 38, 40, 42, etc. e as de malharia são marcadas com letras, como PP, P, M, G, GG ou S, M,L, XL (padrão internacional). Sistema CAD Desenho auxiliado por computador na modelagem e encaixe dos diferentes tamanhos com otimização das perdas no risco do tecido, o que gera uma perda menor nos restos dos tecidos cortados. O acrônimo CAD (Computer Aided Desing Projeto Assistido por Computador) utilizado pela primeira vez no inicio dos anos 60 pelo pesquisador do Massachussetes Institute of technology (M.I.T) Ivan Sutherland. O termo CAD pode ser definido como sendo: o processo de projeto que se utiliza de técnicas gráficas computadorizadas, através da utilização de programas (software) de apoio, auxiliando na resolução dos problemas associados ao projeto. Leia mais sobre modelagem no sistema CAD e veja alguns comandos do programa no blog Modelagem. CAM Manufatura auxiliada por computador. Por sua vez, a sigla CAM (Computer Aided Manufacturing Fabricação Assistida por Computador) refere-se a todo e qualquer processo de fabricação controlado por computador. Sua origem remonta-se ao desenvolvimento das máquinas controladas numericamente (C.N.) no final dos CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 25

28 anos 40 e inicio dos 50. Quando estas máquinas começaram a ser controladas por computador, no fim dos anos 50 inicio dos 60, surgiu o termo C.N.C. Atualmente a sigla (CNC) engloba diversos processos automáticos de fabricação, tais como; fresamento, torneamento, oxicorte, corte a Laser, entre outros. Assim sendo, o termo CAM é empregado para todas estas disciplinas e para qualquer outra que possa surgir. A tecnologia CAD/CAM corresponde à integração das técnicas CAD e CAM num sistema único e completo. Isto significa, por exemplo, que pode-se projetar um componente qualquer na tela do computador e transmitir a informação por meio de interfaces de comunicação entre o computador e um sistema de fabricação, onde dito componente pode ser produzido automaticamente numa máquina CNC. Os equipamentos desse sistema são de custo elevado. Vantagens da introdução do sistema CAD/CAM: Na utilização do tecido: o custo do tecido representa em média de 40 a 60% do custo total da roupa, tornando relevante qualquer redução no seu gasto. Na mão de obra: o custo da mão de obra nas atividades de gradeamento e encaixe é pequeno em relação ao custo total da mão de obra. Na redução de tempo e no aumento da flexibilidade: a redução do tempo de produção e a flexibilidade. Na reorganização e no gerenciamento: a introdução do sistema CAD requer a reorganização da produção. Imagens do site Kabriolli. Corte com Controle Numérico O sistema de corte começa com a elaboração do gradeamento para encaixe e risco de toda a modelagem já ampliada e reduzida, que em seguida passa pelo enfesto. Grade: Significa a quantidade de peças que são cortadas por tamanho e cor. Enfesto: É a quantidade de tecido usada para se fazer um corte gradeado. No final dos anos 70, surgiram novas técnicas para o processo de corte. Em 1970, o corte a laser foi desenvolvido para a indústria do vestuário. Corte Automático A utilização de sistemas de corte com controle numérico permite redução do número de trabalhadores envolvidos nessa tarefa. Máquina de corte CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 26

29 Para que a implantação do sistema de corte automatizado tenha resultado positivo, normalmente é preciso centralizá-lo em um único local juntamente com o gradeamento e o encaixe realizados com auxílio do sistema CAD. Costura É aparte do processo onde a peça de fato é montada, suas partes unidas geralmente por meio da máquina de costura. O bom desempenho desta etapa depende da escolha do sistema de fabricação e da adaptação do maquinário à matéria prima e aos modelos. Evolução da Tecnologia de Costura 1 geração: máquinas de costura simples. 2 geração: máquinas dotadas de acessórios para corte de linha, posicionamento de agulha e arremates automáticos. 3 geração: máquinas semi-automatizadas em que a operação de costura é controlada por microprocessador. 4 geração: as operações são totalmente automáticas, dispensando o operador. 5 geração: as operações são integradas entre si. A fase da costura é a mais importante do processo produtivo. Acabamento Consiste na limpeza e passadoria das peças já costuradas, de modo a deixá-las prontas para a embalagem e a comercialização. São executadas tarefas como corte de linhas, corte de sobras de panos. O empacotamento e o envio das encomendas fazem parte dessa etapa. CEFET-MG / Campus Divinópolis Curso Técnico em Produção de Moda Prof. MSc. Antônio G. Campos 27

Diferenciação de Valor

Diferenciação de Valor Diferenciação de Valor 1 Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias Sucesso para as empresas significa aumento de faturamento, acesso a novos mercados, aumento das margens de lucro, entre outros

Leia mais

TGS TEORIA GERAL DE SISTEMAS 17/09/2015 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA

TGS TEORIA GERAL DE SISTEMAS 17/09/2015 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA TEORIA GERAL DE SISTEMAS TGS Fundamentos Prof. Reginaldo Brito Egípcios e Babilônios (3000 a. C) Jacó e Labão (4000 a.c.) Frederick Taylor (1856-1915) 1890 - Modelo de Administração científica (taylorismo)

Leia mais

Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas:

Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas: Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas: Sistema é um conjunto de elementos dinâicamente relacionados entre si, formando

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Material adicional: Sistemas de Informação livro Osistema de Informação : Enfoque Gerencial... livro O Analista de Negócios e da Informação... 1. Conceito de Sistema A palavra sistema envolve, de fato,

Leia mais

Introdução aos Fundamentos de Sistemas de Informação

Introdução aos Fundamentos de Sistemas de Informação Introdução aos Fundamentos de Sistemas de Informação aula01_t04 Aula 1: Introdução aos Fundamentos de Sistemas de Informação CONCEITUAÇÃO DE SISTEMA Cotidianamente convivemos com alguns sistemas. O sistema

Leia mais

Introdução: Conceitos de Processamento de Dados. Curso Técnico em Informática Eduardo Amaral

Introdução: Conceitos de Processamento de Dados. Curso Técnico em Informática Eduardo Amaral Introdução: Conceitos de Processamento de Dados Curso Técnico em Informática Eduardo Amaral Sociedade agrícola Sociedade industrial Tempos Modernos satiriza a vida industrial: Carlitos é um operário de

Leia mais

Introdução ao Sistemas de Informação. Parte 1 Aula 2 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr

Introdução ao Sistemas de Informação. Parte 1 Aula 2 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr Introdução ao Sistemas de Informação Parte 1 Aula 2 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr 1 Sociedade agrícola / artesanal Sociedade agrícola / artesanal Até aproximadamente até 1780 Artesanato

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Sociedade da Informação

Sociedade da Informação Sociedade da Revolução Tecnológica Revolução industrial: ampliação dos músculos m dos homens em forma de equipamentos Mecanização ão. Responsável por mudanças as nas formas de produção existentes Revolução

Leia mais

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO QUALIDADE DA INFORMAÇÃO CONHECIMENTO

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO QUALIDADE DA INFORMAÇÃO CONHECIMENTO QUALIDADE DA INFORMAÇÃO Qualidade da informação (QI) tornou-se um ponto crítico em empresas e em pesquisas da área de Sistemas de Informação. A falta de qualidade nas informações pode impactar severamente

Leia mais

Processamento. Armazenamento

Processamento. Armazenamento Introdução Sistemas Informática aplicada Nos tempos atuais a competitivida, a busca por resultados ($$ $$) e o planejamento são stões fundamentais em qualr organização, seja ela qualr tamanho, s estabelecimento

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

Introdução à Análise de Sistemas

Introdução à Análise de Sistemas Introdução à Análise de Sistemas Sistemas - 02 brodbeck@inf.ufrgs.br http://www.inf.ufrgs.br/~brodbeck UFRGS - Instituto de Informática 1 Tópicos Visão Sistêmica e Abordagem Sistêmica O Sistema Empresa

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Aula 02

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Aula 02 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 02 SOCIEDADE PÓS-INDUSTRIAL Valorização das características humanas; Querer Fazer (atitude, determinação, interesse); Saber como fazer (habilidade, técnica); Saber o que e porque

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão I

Sistema Integrado de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Integrado de Gestão I Aulas 3 e 4 Administração da Empresa Digital Parte I Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Objetivos Qual é o papel

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação

Introdução aos Sistemas de Informação Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Introdução aos Sistemas de Informação DISCIPLINA: Fundamentos de SI Sociedade agrícola Sociedade industrial

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

Teoria Geral de Sistemas TGS Parte 1. Disciplina: Sistemas de Informação - UNIP Professor: Shie Yoen Fang Agosto 2011

Teoria Geral de Sistemas TGS Parte 1. Disciplina: Sistemas de Informação - UNIP Professor: Shie Yoen Fang Agosto 2011 Teoria Geral de Sistemas TGS Parte 1 Disciplina: Sistemas de Informação - UNIP Professor: Shie Yoen Fang Agosto 2011 1 Conteúdo Exercício de Folha de Ponto Levantar os impactos em várias instâncias organizacionais

Leia mais

2. As Empresas. Conteúdo

2. As Empresas. Conteúdo 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos

Leia mais

Unidade II. Quando os homens das cavernas faziam desenhos nas paredes das mesmas, eles já guardavam informações.

Unidade II. Quando os homens das cavernas faziam desenhos nas paredes das mesmas, eles já guardavam informações. Unidade II 2 A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A tecnologia de informação existe desde os primórdios da civilização. Quando os homens das cavernas faziam desenhos nas paredes das mesmas, eles já guardavam informações.

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1 Os sistemas de informação (SI) utilizam hardware, software, redes de telecomunicações, técnicas de administração de dados computadorizadas e outras formas de

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Cristiane Mello 1, Maria F. Marinho 1, Antônio Luiz S. Cardoso 1,2 1 Escola de Administração Universidade Federal da Bahia (UFBA) 41.100-903 Salvador

Leia mais

Teoria Geral dos Sistemas

Teoria Geral dos Sistemas Prof. Carlos Zeve Apresentação Origem Histórico Conceito de Sistema Componentes de um Sistema Hierarquia de Sistemas Tipologia de Sistemas Propriedades dos Sistemas Sistemas e Empresa Sistemas de Informação

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS. Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968

TEORIA GERAL DE SISTEMAS. Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968 TEORIA GERAL DE SISTEMAS Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968 Critica a visão de que o mundo se divide em áreas como física, biologia, química, psicologia, sociologia pregando

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Composição da nota Serão 3 notas. Trabalho apresentado. Prova conteúdo Prova livro e trabalhos www.proflucas.com www.facebook.com/prof.lucascruz Livro Sistema

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO. ORIGENS DA TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO A Teoria dos Sistemas foi introduzida na Administração, a partir da década de 1960, tornando-se parte integrante da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

TEORIA GERAL DOS SISTEMAS

TEORIA GERAL DOS SISTEMAS TEORIA GERAL DOS SISTEMAS 2 HISTÓRICO Gottfried Leibniz (1646-1716) chamava de Sistema: Repertório de conhecimentos que não se limitasse a ser um simples inventário, mas que contivesse suas razões ou provas

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Sistemas e Sistemas de Informação

Sistemas e Sistemas de Informação Sistemas e Sistemas de Informação 1) Defina pensamento sistêmico. É pensar na empresa como um sistema. A empresa não é vista como um conjunto de partes independentes, buscando alcançar objetivos isolados,

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 ASPECTOS DE MUDANÇA CULTURAL

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Um conjunto de elementos interdependentes em interação, com vistas a atingir um objetivo (Cautela; Polloni, 1986, p.15).

Um conjunto de elementos interdependentes em interação, com vistas a atingir um objetivo (Cautela; Polloni, 1986, p.15). INTRODUÇÃO Os sistemas de informação vêm tendo uma grande evolução desde que foram criados. A partir da década de 1940, quando surgiram as primeiras iniciativas ligadas à computação e os equipamentos que

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão I

Sistema Integrado de Gestão I Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Integrado de Gestão I Aula - 2 A evolução da sociedade da era agrícola à era do conhecimento Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Objetivos Conhecer

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA A tecnologia da informação como suporte à gestão estratégica da informação na pequena empresa 1 Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação Journal of Information Systems and Technology Management

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO E S C O L A D E A R T E S, C I Ê N C I A S E H U M A N I D A D E

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO E S C O L A D E A R T E S, C I Ê N C I A S E H U M A N I D A D E UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO E S C O L A D E A R T E S, C I Ê N C I A S E H U M A N I D A D E Trabalho proposto pela disciplina de Orientado por Professor Dr. Fernando Coelho Mário Januário Filho 5365372

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

1. Conceitos de sistemas. Conceitos da Teoria de Sistemas. Conceitos de sistemas extraídos do dicionário Aurélio:

1. Conceitos de sistemas. Conceitos da Teoria de Sistemas. Conceitos de sistemas extraídos do dicionário Aurélio: 1. Conceitos de sistemas Conceitos da Teoria de Sistemas OPTNER: É um conjunto de objetos com um determinado conjunto de relações entre seus objetos e seus atributos. TILLES: É um conjunto de partes inter-relacionadas.

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 3 Sistema de Informação Conceito, Componentes e Evolução Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Conceito: Um Sistema de Informação (SI) é um sistema cujo elemento

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento Prof. Msc. Christien Lana Rachid Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia 2. Introdução a sistemas 3. Empresas e Sistemas

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 1º SEMESTRE Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 8 Créditos Desenvolver a lógica de programação através da construção de algoritmos utilizando português estruturado Representar a solução de problemas

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Introdução ao Sistema de Informação

Introdução ao Sistema de Informação Introdução ao Sistema de Informação Prof.: Luiz Mandelli Neto Conhecer sistemas de informação é essencial para os administradores. Sobreviver Prosperar O sistema de informação auxilia as empresas: Estender

Leia mais

44723-02 ORGANIZAÇÃO EMPRESARIALPARA A ENGENHARIA. Prof. Sérgio Brião Jardim

44723-02 ORGANIZAÇÃO EMPRESARIALPARA A ENGENHARIA. Prof. Sérgio Brião Jardim 44723-02 ORGANIZAÇÃO EMPRESARIALPARA A ENGENHARIA Prof. Sérgio Brião Jardim Apresentação Assunto 08 Abordagem Sistemática da Administração Observação importante: o presente texto é uma síntese do capítulo

Leia mais

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Dado Informação Conhecimento Sistemas de Informação DADO O DADO consiste

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

MPA 015 Fundamentos de Sistemas de Informação

MPA 015 Fundamentos de Sistemas de Informação MPA 015 Fundamentos de Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Mestrado Profissional em Administração Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho Prof. Dr. Fábio Favaretto 1 Informações

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http:// Teoria de Sistemas A Teoria Geral dos Sistemas tem por finalidade identificar as propriedades, princípios e leis

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

5. Teoria Geral de Sistemas x Sistemas de Informações Empresariais

5. Teoria Geral de Sistemas x Sistemas de Informações Empresariais 5. Teoria Geral de Sistemas x Sistemas de Informações Empresariais Texto-5 Profº Braulio TEORIA GERAL DE SISTEMAS Surgiu com Ludwig von Bertalanffy 1950/1968 A TGS afirma que se deve estudar os sistemas

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais