Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? Katia O. Carvalheiro Girolamo D. Treccani Christiane Ehringhaus Pedro Alves Vieira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? Katia O. Carvalheiro Girolamo D. Treccani Christiane Ehringhaus Pedro Alves Vieira"

Transcrição

1

2

3 TRILHAS DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA PARA POPULAÇÕES NAS FLORESTAS AMAZÔNICAS Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? Katia O. Carvalheiro Girolamo D. Treccani Christiane Ehringhaus Pedro Alves Vieira Belém 2008

4 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? 2008, CIFOR e FASE CIFOR - Centro de Pesquisa Florestal Internacional FASE- Gurupá CIM- Centro para Migração e Desenvolvimento Internacional CDS - Comitê de Desenvolvimento Sustentável de Porto de Moz Créditos e Edição Autores: Katia O. Carvalheiro, Girolamo D. Treccani, Christiane Ehringhaus, Pedro Alves Vieira Revisores: Paulo Roberto Vieira, Jomabá Pinto Torres, Agostinho Tenório Filho, Carlos Augusto Ramos, Paulo Amaral, Westphalen Nunes e Glaucia Barreto Edição e Revisão Final: Katia Carvalheiro Mapa: Ana Cristina F. Salim Desenhos: João Henrique Lopes de Souza e Christiane Ehringhaus Design Editorial e diagramação: RL 2 Propaganda e Publicidade Projeto Comunidades e Florestas Colaboradores: CDS - Comitê de Desenvolvimento Sustentável de Porto de Moz FAE Fórum de Articulação do Manejo Florestal Comunitário do Estuário Amazônico LASAT - Laboratório Sócio-Agronômico do Tocantins

5 APRESENTAÇÃO Na Amazônia, além da vasta riqueza e heterogeneidade em termos de fauna, flora, hidrografia, minerais, clima, encontra-se também uma diversidade de etnias e grupos sociais (índios, remanescentes de quilombo, seringueiros, castanheiros, babaçueiros, roceiros, vazanteiros, vaqueiros, pescadores e ribeirinhos) que são importantes segmentos de camponeses que dependem da floresta e de seus recursos naturais. Assim, devido às diferentes formas de apropriação e uso dos recursos naturais, foram sendo elaborados diversos mecanismos jurídicos para regularizar a situação fundiária dos diversos grupos sociais que precisam da terra e dos recursos naturais (principalmente a floresta e água) para sobreviver física e culturalmente. No Pará, onde a posse e a violência rural são elementos de acesso aos recursos naturais, a consolidação da propriedade rural passa a ser uma política importante de consolidação da democracia, do respeito aos direitos humanos e da proteção ambiental. A institucionalização da propriedade privada se constitui também em uma condição para a consolidação de um modelo democrático e participativo de distribuição e de gestão da terra e dos recursos naturais e, conseqüentemente, de proteção do meio ambiente. É dentro deste contexto que deve ser colocada a criação de assentamentos e o reconhecimento da posse das populações tradicionais. Na política de regularização fundiária, deve-se assegurar a pluralidade de concepções de propriedade, considerando a instituição de diferentes modalidades que favoreçam as variadas formas de acesso e de uso dos recursos naturais.

6 Com isso, objetiva-se diminuir a violência rural e o desrespeito aos direitos humanos, em assegurar o direito de propriedade aos diferentes segmentos sociais, em diminuir o desmatamento e em garantir a sustentabilidade ambiental. A importância do presente Manual sobre Regularização Fundiária está em ressaltar a lógica das etapas básicas a se seguir para a legalização do uso da terra e seus recursos, ajudando a compreender as diferentes categorias jurídicas para o reconhecimento dos direitos dos camponeses e das populações tradicionais. De forma clara e objetiva, explica cada uma delas, facilitando a compreensão e a reivindicação da sociedade civil. Desse modo, o Manual contribuirá na ampliação da cidadania e consolidação do processo democrático, especialmente por buscar instrumentalizar a luta pela terra, uma vez que possibilitará aos movimentos sociais que apresentem suas propostas de regularização fundiária, sabendo de antemão quais são os instrumentos jurídicos disponíveis para assegurar o direito à terra e a uma vida mais digna. Está de parabéns toda a equipe que elaborou o texto e produziu um material muito bem escrito. José Heder Benatti Advogado, doutor, professor de direito da Universidade Federal do Pará, pesquisador do CNPq e presidente do Instituto de Terras do Pará (ITERPA).

7 SIGLAS RELACIONADAS À REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA ADCT Ato das Disposições Constitucionais Transitórias APP Área de Preservação Permanente ARL Área de Reserva Legal AUAS Área para Uso Alternativo do Solo CAR-PA Cadastro Ambiental Rural (Estado do Pará) CDS Comitê de Desenvolvimento Sustentável de Porto de Moz CDRU Concessão de Direito Real de Uso CEPAF Conselho Estadual de Política Agrícola, Agrária e Fundiária CNPT Centro Nacional das Populações Tradicionais (IBAMA/ICMBio) CNIR Cadastro Nacional de Imóveis Rurais CIFOR Centro Internacional de Pesquisa Florestal DISAM Diretoria Sócio Ambiental, que era o antigo CNPT (IBAMA/ICMBio) FASE Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional FCP Fundação Cultural Palmares FUNAI Fundação Nacional do Índio GRPU Gerência Regional do Patrimônio da União IBAMA Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ICMBio Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade IDEFLOR Instituto de Desenvolvimento FlorestaI IEB Instituto Internacional de Educação do Brasil IMAZON Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária ITERPA Instituto de Terras do Pará ITR Imposto Territorial Rural IDEFLOR Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará

8 LAR LIO LP PDA PDS PDS PEA PEAS PEAEX PEE PRA PROA MDA MMA SEJUDH SEMA SFB SNUC SPU TEQ TRARL Licenciamento Ambiental em Propriedade Rural na Amazônia Licença de Instalação/Operação Licença Prévia Plano de Desenvolvimento do Assentamento (INCRA) Plano de Desenvolvimento Sustentável (ITERPA) Projeto de Desenvolvimento Sustentável (INCRA) Projeto de Exploração Anual (INCRA) Projeto Estadual de Assentamento Sustentável Projeto Estadual de Assentamento Agroextrativista Plano Ecológico Econômico Plano de Recuperação do Assentamento (INCRA) Pró-Assentamento Estadual (Pará) Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Pará) Secretaria de Estado de Meio Ambiente Serviço Florestal Brasileiro Sistema Nacional de Unidades de Conservação Secretaria do Patrimônio da União Território Estadual Quilombola Termo de Averbação da Reserva Legal

9 ÍNDICE Cordel da Regularização Fundiária Pra que este Manual? Porque é tão Importante Regularizar a Terra? Caminhos para Regularizar sua Terra PASSO 1: Essa Terra é de Quem? Fatos, Boatos e Mentiras: Qual Documento Vale? PASSO 2: Que Órgão do Governo Pode Documentar a Terra? PASSO 3: Individual ou Coletivo: Que História é Essa? PASSO 4: Título ou Concessão: Que História é Essa? PASSO 5: Quais as Modalidades de Regularização? Compra Usucapião Doação Terrenos de Marinha e Várzea RESEX Reserva Extrativista RDS Reserva de Desenvolvimento Sustentável PA Projeto de Assentamento PAE Projeto de Assentamento Agro-Extrativista PDS Projeto de Assentamento Sustentável PAF Projeto de Assentamento Florestal Terras de Quilombo TEQ Território Estadual Quilombola PEAS Projeto Estadual de Assentamento Sustentável PEAEX Projeto Estadual de Assentamento Agro-Extrativista Passos Gerais para a Regularização da Terra Contatos Importantes As Leis Mais Importantes Pequeno Dicionário da Regularização Fundiária Conclusão Agradecimentos

10 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas CORDEL DA REGULARIZAÇÃO Ao abrir esta cartilha você vai querer saber, o rastro, o rumo, ou a trilha da conversa que vai ler. Por isso peço atenção ao senhor e à senhora que a REGULARIZAÇÃO é o nosso tema agora. Todos sabemos que a terra, apesar de ser enorme, é motivo de mil guerras tristeza e também fome. Mas o povo organizado começou a reclamar e agora tem um bocado de novidades no ar. Além, é claro, de tudo o que já existia antes. E não carece de estudo pra me entender, nesse instante vou explicar as maneiras para REGULARIZAR sua terra, e a primeira, se lembre, pode guardar, é a tal da DOAÇÃO, que pro Pará não tem mais, mesmo assim faço questão de não deixar para trás. E na segunda maneira de se regularizar, eles põem a terra à venda e você pode COMPRAR. Seguindo o mesmo argumento vamos para outra maneira, falo agora da terceira, PROJETO DE ASSENTAMENTO. Não perca o rumo, sem tombo, a quarta que vem agora, é a TERRA DE QUILOMBO. Em frente, sem fazer hora. Vou falar então da quinta maneira, mais um projeto de assentamento, um certo PROJETO AGRO-EXTRATIVISTA. SUSTENTÁVEL esse texto fala em DESENVOLVIMENTO, e o PDS é o sexto PROJETO que lhe apresento. Mas o sétimo PROJETO que agora vou relatar é o de ASSENTAMENTO FLORESTAL, tente lembrar. Pois a oitava que se avista a gente pode chamar, de RESERVA EXTRATIVISTA ou RESEX, pra encurtar. E não vá se encurralar, vamos dar a nona pista 10

11 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? pra se regularizar, RDS entra na lista, que é a RESERVA SUSTENTÁVEL e de DESENVOLVIMENTO. Se parece interminável Esta lista eu lamento, mas os TERRENOS da beira, DE VÁRZEA E DE MARINHA são a décima maneira da terra ser legalzinha. Chega o USUCAPIÃO, como a décima primeira luz pra documentação da terra, e a derradeira maneira, pois finda a lista da REGULARIZAÇÃO, mas o humilde cordelista pede ainda sua atenção pra dizer TOME CUIDADO NA HORA DE ESCOLHER o jeito mais adequado de o documento obter. Reúna a comunidade, para lutar em conjunto pela terra e com vontade defender os seus assuntos Pois se cada um quiser, se a luta for coletiva, e todo mundo fizer a sua parte efetiva logo vai se apresentar uma terra libertada, sem sangue, morte ou pesar, mas toda delimitada, com respeito e com ternura, pra pescar, plantar, colher, pra criança correr e a vida ser mais segura. Agora, sim, me despeço, e agradeço a atenção dos que leram esses versos que fiz com dedicação. Autor: Paulo Vieira 11

12 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas 1. PRA QUE ESTE MANUAL? Neste Manual, queremos responder algumas dessas perguntas e também apresentar as principais maneiras para os pequenos produtores regularizarem a sua terra. Isso porque, quando se trata de documentação da terra, é comum que as pessoas tenham muitas dúvidas. Por exemplo: Será que vou atrás dos documentos sozinho, ou vou junto com meus vizinhos? Onde devo ir primeiro? Qual a diferença entre Reserva e Projeto de Assentamento? Vou poder vender a minha terra depois? Apesar dos avanços pelos direitos da terra das populações nas florestas da Amazônia, o caminho para a regularização fundiária continua sendo bastante difícil de compreender. São tantas leis, tantos documentos e coisas a se fazer, que até quem está acostumado a lidar com leis tem dificuldade de entender os chamados processos fundiários. Processo fundiário é a trilha que se precisa seguir para se chegar ao documento final da terra. 12

13 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? Então, este Manual procura ajudar, trazendo informações sobre os passos a se seguir e as leis que fazem parte. Ficaremos felizes se, no fim da leitura, vocês conseguirem entender as diferentes maneiras de regularização fundiária que existem atualmente, qual a melhor maneira de regularização para suas famílias, sua comunidade, para a mata e os rios de onde vocês vivem e os principais caminhos a se seguir para buscar essa solução. Este Manual foi feito especialmente para a realidade do Estado do Pará. Mesmo assim, esperamos que as pessoas de outros Estados também possam utilizar estas informações nas lutas pela segurança em suas terras. Finalmente, esperamos que este Manual traga várias novas perguntas e que vocês saibam os caminhos para buscar essas respostas. Boa caminhada nas trilhas da regularização fundiária!!! 13

14 Sem a regularização da terra os produtores e a mata correm muitos perigos...

15

16 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas 2. PORQUE É TÃO IMPORTANTE REGULARIZAR A TERRA? Sem o documento da terra, as posses podem ficar pior que banana madura na beira da estrada, onde qualquer pessoa chega e tira os frutos. Assim pode acontecer com suas caças, suas árvores, seus frutos, seus peixes e a água. Sem regularização da terra, suas famílias e comunidade correm vários perigos: Invasão das suas terras por madeireiros, fazendeiros, geleiras e outros querendo tirar o que não lhes é de direito; Entrada de madeireiros com balsa e trator, quebrando a sua mata; Ver a mata ser engolida pelos pastos muito grandes; Não ter mais caça porque a mata acabou, ou a caça se espantou com a zoada dos madeireiros na floresta; Serem expulsos da terra por algum espertinho que quer tomá-la de vocês. Em alguns casos, os moradores até correm perigo de vida... Serem proibidos de usar a floresta por um fazendeiro e seus pistoleiros, ficando sem poder caçar, quebrar castanha, tirar cipó; Terem que usar produtos da floresta com medo das autoridades, não sabendo se serão multados ou mesmo presos; Brigarem com os vizinhos por causa dos limites da terra; Não poderem ter Planos de Manejo aprovados; Grande dificuldade de planejar o uso da floresta e dos rios para seus filhos e netos. Com a regularização da terra: Vocês têm mais apoio para impedir a invasão de madeireiros, fazendeiros, geleiras e outros invasores; 16

17 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? Vocês começam a ter mais oportunidades para conseguirem autorização pra manejar a floresta e conseguirem a certificação do manejo; Fica mais fácil receberem os benefícios sociais como o crédito, aposentadoria e outros benefícios da previdência social; Vocês vivem mais sossegados, sabendo que vão ter um lugar para suas famílias, seus filhos e netos produzirem a sua comida e viverem a sua vida. 3. CAMINHOS PARA REGULARIZAR SUA TERRA A primeira questão para poder ser atendido pelos programas de reforma agrária do governo, que inclui todos os Projetos de Assentamento, é saber se a pessoa que quer a terra pode ser classificada como CLIENTE DA REFORMA AGRÁRIA. Para ser CLIENTE DE REFORMA AGRÁRIA, tem que: Ser família de baixa renda; Não possuir outra propriedade rural; Estar morando na terra; Praticar o cultivo de lavoura e extrativismo; Não ter sido beneficiado antes pela reforma agrária; Não ser funcionário público; Não ter impedimento legal (dívidas com a lei). 17

18 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas A DOCUMENTAÇÃO DA TERRA: Para obter a documentação da terra, existem várias possibilidades, cada uma com suas diferenças, vantagens e dificuldades. É importante conhecerem estas diferenças, para poderem decidir qual o melhor tipo de regularização a ser procurada para a situação de suas famílias e de sua comunidade. Aqui vamos descrever 14 tipos diferentes, que vão do individual ao coletivo, do título de propriedade à concessão de uso, do estadual ao federal, da terra firme à várzea. São as diferentes formas de regularização, que aqui chamamos de MODALIDADES DE REGULARIZAÇÃO, que serão explicadas uma por uma. Assim, vocês vão ter mais informações para decidirem qual a melhor MODALIDADE para sua terra. 18

19 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? PASSO 1 - ESSA TERRA É DE QUEM? A PRIMEIRA COISA é saber se a terra que vocês ocupam é pública ou de um particular. Vocês precisam saber de quem é a terra porque a ORIGEM DA TERRA vai indicar as portas que vocês terão que bater e as modalidades de regularização que vocês vão poder escolher. Por exemplo, se for terra pública da UNIÃO, vocês terão que ir atrás do INCRA ou da SPU/GRPU. Mas se for terra pública do ESTADO do Pará, vocês terão que ir atrás do ITERPA. Todas essas siglas e seus significados estão explicados nas páginas 28 à 32. Se for TERRA PÚBLICA, quer dizer que pertence à SOCIEDADE e é de responsabilidade do GOVERNO. A terra pública pode ser da União, e neste caso quem cuida é o Governo Federal. Se for terra pública do Estado, quem cuida é o Governo Estadual. Também tem terra pública do município, mas neste Manual não vamos falar sobre elas. Toda terra pública pode ter, em princípio, duas situações: ser DE- VOLUTA ou ser ARRECADADA. TERRA DEVOLUTA é quando a terra pú- 19

20 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas blica ainda não foi devidamente identificada, demarcada e registrada no cartório pelo governo. Quando essa terra pública é registrada no cartório pelo órgão do governo, ela muda de nome e passa a se chamar TERRA ARRECADADA. Esta diferença é importante, pois o governo só vai dar documentos da terra que já foi arrecadada. Quem deve dar essa informação é o cartório de registro de imóveis da comarca ou o próprio governo, nos escritórios do ITERPA ou do INCRA. Também pode ser terra de um PARTICULAR, por exemplo, um fazendeiro ou uma empresa. Para promover a Reforma Agrária, o governo federal tem duas maneiras para fazer que terras de particulares se tornem públicas: pela desapropriação por interesse social e pela compra. Já que a regularização fundiária é bastante complicada, nós vamos usar esta árvore como nossa guia, e por isso a chamaremos de ÁRVORE-GUIA. Com ela vamos aprender algumas das diferenças mais importantes entre as diferentes formas de regularizar a terra. 20

21 UNIÃO (Federal) ESTADO TERRAS PÚBLICAS TERRAS Particulares 21

22 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas FATOS, BOATOS E MENTIRAS: QUAL DOCUMENTO VALE? Durante toda a história do Brasil, houve diferentes tipos de documentos e papéis ligados com a posse da terra. São tantos diferentes papéis que muitas pessoas ficam sem saber a verdadeira validade que o documento tem. Isso é mais verdade ainda quando entendemos que nem todos os documentos garantem o direito da terra. Esses documentos serão apresentados nas páginas seguintes. Para ajudar a esclarecer, vamos resumir os TIPOS DE DOCUMENTOS da terra em 3 GRANDES CASOS: 22

23 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? É importante examinar cada caso e cada documento para entender em qual situação vocês estão. No CASO 1, a pessoa ou associação tem um papel que é VERDA- DEIRO e VALE como prova de documento da terra. Neste caso, a questão da documentação da terra já está resolvida. Os documentos que VALEM como documento da terra são os seguintes: a) Título Definitivo de Propriedade: documento que tem validade definitiva e dá ao dono o direito do uso e venda daquele bem. Pode ficar de herança. b) Título de Reconhecimento de Domínio Quilombola: documento que tem validade definitiva e dá aos moradores reunidos pela Associação o direito de propriedade. Esse documento não pode ser vendido ou subdividido, mas mesmo assim garante aos seus descendentes os mesmos direitos dos atuais quilombolas. 23

24 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas c) Contrato de Concessão de Direito Real de Uso: documento que tem validade pelo tempo previsto no contrato assinado pelo Poder Público Federal (ou Estadual) e pela Associação que representa os moradores. Essa validade pode ser renovada de acordo com as condições escritas no Contrato. Esse documento dá o direito de uso sobre a terra, mas não de venda. Os herdeiros dos sócios podem continuar o uso das terras, desde que cumpram as regras do Contrato. Por isso, o Contrato é muito importante para poder garantir quanto tempo as famílias terão de uso da terra e também como esse tempo pode ser renovado no futuro. d) Autorização de Uso têm duas possibilidades: d.1) Autorização de Uso feita pelo Poder Público: permite explorar os recursos naturais de uma determinada terra (açaí, frutos, madeira etc.). d.2) Autorização de Uso feita pela Associação: é o documento que a Associação faz depois de ter assinado com o governo o Contrato de Concessão de Direito Real de Uso. A Associação tem que seguir as regras previstas no Contrato. Por isso que, antes de assinar o Contrato, a Associação tem que garantir que as regras do Contrato estejam de acordo com os interesses das famílias que fazem parte da Associação. E isso tem que ser feito com muita conversa e reunião, para que todos estejam bem esclarecidos e que cada pessoa tenha compromisso pelo que foi acordado. 24

25 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? No CASO 2, a pessoa ou associação tem um papel que é VERDA- DEIRO mas que NÃO VALE como prova de documento da terra. Muitas famílias acabam passando por uma grande decepção por causa de documentos errados assim é importante saber quais que não valem. Os documentos que NÃO VALEM como documento da terra são: a) Cadastro de terra no INCRA Cadastro Nacional de Imóveis Rurais - CNIR e o Cadastro Ambiental Rural CAR: Os governos federal e estadual exigem o cadastro de todas as pessoas que ocupam uma terra, sendo proprietário ou não. Fazer um destes cadastros é obrigatório, mas não quer dizer que a pessoa tenha direitos sobre a terra. b) Protocolo no ITERPA: é um papel que comprova que uma pessoa entregou informações no escritório do ITERPA pedindo que a terra seja registrada em seu nome ou em nome de uma empresa ou associação. O governo dá um comprovante de recebimento, o chamado protocolo, que significa que foi iniciado um processo de pedido de direito sobre uma terra. Não tem validade como documento da terra. c) Comprovante de Pagamento de Imposto Territorial Rural ITR: é um documento feito pela Receita Federal que comprova que o imposto da terra foi pago. Mas o ITR não tem nenhuma validade como documento de propriedade da terra. Acontece que ele é obrigatório para todos os que são proprietários ou ocupam, a qualquer título, um imóvel rural. 25

26 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas d) Escritura Pública no Cartório: é um documento para autenticar um papel que foi apresentado ao cartório e dizer para a sociedade que este documento foi registrado. A escritura pública em si não dá nenhum direito sobre a terra, mesmo que esteja carimbada pelo cartório. e) Autorização de Detenção de Imóvel Público ADIP: é um documento que dá a uma pessoa ou empresa o direito de usar os recursos naturais, como a madeira, de uma terra pública, por um tempo certo, podendo ser renovado conforme o contrato. Não tem validade como documento da terra. Uma ADIP é cancelada ou concluída quando (1) a madeira é explorada fora da área autorizada, (2) os trabalhadores não têm carteira assinada, (3) a terra já está ocupada por famílias que moram e vivem desta floresta ou (4) causam conflitos com outros que também usam a terra. f) Contrato de Concessão Florestal: É um documento que autoriza uma empresa ou associação a manejar a floresta de uma terra pública, seguindo as regras de uso que estão no Contrato, válido pelo tempo que diz no Contrato. Não poderá ser feito em áreas de floresta onde as populações rurais vivem ou retiram seus produtos. Não tem validade como documento da terra. 26

27 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? No CASO 3, a pessoa tem um papel que É FALSO. Mesmo que parece que vale alguma coisa, este documento não vale para nada, a não ser servir como prova de CRIME. Mas como saber quando um título é falso? Não é fácil saber se um título é falso ou não. Só pessoas com conhecimentos na área agrária e de cartografia podem ter clareza de que o documento não foi assinado por um falsário, ou perceber se o registro foi realizado legalmente. Outra forma de tentar saber é verificar se o local que o documento diz que a terra fica está correto ou não. Quando estes erros são feitos com intenção de enganar, chamamos isso de Grilagem de terra. Mas podem acontecer erros por falta de informação, ou por acreditar só no papel, sem ir conhecer a realidade. Os ERROS mais comuns que podem ocorrer em um TÍTULO FALSO são: a) A localização da terra é confusa: A localização da terra num documento falso pode dar bem em cima de uma outra terra que já estava documentada; b) O documento não diz onde a terra fica: No documento não aparece a informação da localização da terra; c) O órgão do governo não é o correto: A terra se localiza numa região onde o responsável de fazer a documentação é o INCRA, mas o papel diz que quem fez o documento da terra foi o ITERPA. 27

28 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas PASSO 2 - QUE ÓRGÃO DO GOVERNO PODE DOCUMENTAR A TERRA? Há diferentes órgãos que cuidam da documentação e administração das terras. Buscar o órgão errado pode resultar em meses ou até anos de espera em filas compridas, sem conseguir nada. Mas COMO SABER QUAL O ÓRGÃO CERTO? Tudo depende de saber ONDE A TERRA SE LOCALIZA: se é terra do Estado, quem é responsável é o Governo do Estado; se a terra é da União, então quem é o responsável é o Governo Federal. 28

29 ICMBio INCRA SPU INCRA/ITERPA UNIÃO (Federal) ESTADO ITERPA SEMA TERRAS PÚBLICAS TERRAS particulares 29

30 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas Cada órgão tem suas regras e suas responsabilidades. Vamos conhecê-las um pouco: GOVERNO FEDERAL GOVERNO DO ESTADO ÓRGÃO PODE TIPO DE DOCUMENTAR? DOCUMENTO INCRA SIM Título, CDRU SPU SIM Título, CDRU ICMBio SIM CDRU IBAMA NÃO - FUNAI NÃO - FCPalmares NÃO - SFB NÃO - ITERPA SIM Título, CDRU SEMA SIM CDRU EMATER NÃO - IDEFLOR NÃO - CDRU = Concessão de Direito Real de USO ÓRGÃOS FEDERAIS QUE PODEM DOCUMENTAR 1. INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária: é um órgão ligado diretamente ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Este instituto tem a responsabilidade de ADMINISTRAR AS TERRAS que foram desapropriadas para o Programa Nacional de Reforma Agrária e as que estão nas margens de algumas rodovias federais (as BRs), contando 100 quilômetros para cada lado, que ainda não foram transferidas a particulares, e também as terras que se localizam na faixa de fronteira. O INCRA tem também outra função, que é a de ORGANIZAR O CADASTRO de todas as terras, sejam elas tituladas ou não, sejam terras federais ou estaduais SPU Secretaria de Patrimônio da União: é ligada ao Ministério de Orçamento, Planejamento e Gestão e REGULARIZA e ADMINISTRA as

31 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? terras que estão sob sua responsabilidade: as ILHAS e VÁRZEAS federais, as terras que estão nas margens dos rios que estão sob a influência das MARÉS; e os terrenos nas margens dos rios navegáveis. Como atualmente a SPU e o INCRA possuem um Termo de Cooperação, a ação de regularização dessas áreas é feita em conjunto. Em cada Estado existe uma GRPU, que quer dizer Gerência Regional do Patrimônio da União. 3. ICMBio Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade: criado recentemente pela divisão do IBAMA, o ICMBio é o responsável pelas chamadas UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, sendo do interesse deste Manual a Reserva Extrativista - RESEX e a Reserva de Desenvolvimento Sustentável - RDS. O trabalho do ICMBio é RECEBER OS DOCUMENTOS com a solicitação da criação da Reserva, REALIZAR OS ESTUDOS necessários e encaminhar todos os documentos para a Casa Civil, para que o Presidente do Brasil assine o decreto de criação. Depois que a Reserva está decretada, o ICMBio passa a ter responsabilidade de APOIAR A ASSOCIAÇÃO na administração e promoção do desenvolvimento sustentável da Reserva. O ICMBio é também responsável pelas atividades de comando, controle e monitoramento das reservas. O Contrato de Direito Real de Uso (CDRU) é assinado entre o ICMBio e a Associação representante dos moradores. Entre as unidades de conservação de uso sustentável o ICMBio também cuida das FLORESTAS NACIONAIS (FLONA) e faz contratos de concessão com populações tradicionais que lá vivem. O mapa que se segue apresenta, de modo simplificado, a distribuição das terras no Estado do Pará. O arquipélogo do Marajó tem muitas áreas de várzea e terrenos de marinha sob jurisdição federal. Nas áreas que não estão sujeitas às marés, a SPU-GRPU, INCRA, Procuradoria Geral do Estado e ITERPA estão dialogando para verificar quais os melhores caminhos para que os processos de regularização fundiária se tornem mais rápidos. 31

32 32 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas

33 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? ÓRGÃOS FEDERAIS QUE NÃO PODEM DOCUMENTAR 1. IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis: é um órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente. Ao contrário do que muitos pensam, o IBAMA NÃO TEM NENHUMA responsabilidade sobre a REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Uma das responsabilidades do IBAMA é de cuidar para que as leis ambientais sejam cumpridas, monitorando e fiscalizando o uso do meio ambiente. 2. FUNAI Fundação Nacional do Índio: este é um órgão ligado ao Ministério da Justiça, que tem a tarefa de identificar, demarcar e administrar as terras ocupadas por Populações Indígenas. 3. FCPalmares Fundação Cultural Palmares: é um órgão vinculado ao Ministério da Cultura, que é responsável por acompanhar os processos de reconhecimento de domínio das terras ocupadas pelos Remanescentes das Comunidades de Quilombos. Esta Fundação emite uma Certidão de Registro no Cadastro Geral de Remanescentes de Comunidades de Quilombos. 4. SFB Serviço Florestal Brasileiro: é o órgão do governo federal que atua na gestão das florestas públicas, apoiando programas de treinamento, pesquisa e assistência técnica para o manejo da floresta. ÓRGÃOS ESTADUAIS QUE PODEM DOCUMENTAR 1. ITERPA Instituto de Terras do Pará: cada Estado do Brasil tem suas leis que dizem como será feita a titulação ou concessão das suas terras. Cada Estado tem um órgão que cuida desta questão. No Estado do Pará é o ITERPA que é o RESPONSÁVEL PELA DOCUMENTAÇÃO DAS TERRAS ESTADUAIS. No caso paraense, a lei permite a doação, venda e concessão das terras públicas estaduais. 33

34 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas 2. SEMA Secretaria de Estado de Meio Ambiente: Cada Estado tem uma secretaria ambiental. No Pará é a SEMA a responsável pelas UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO. Para os que moram na floresta, as modalidades de interesse são RESERVAS EXTRATIVISTAS ESTA- DUAIS e RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL ESTADUAIS. O Contrato de Concessão de Direito Real de Uso (CDRU) para estas terras é assinado entre a SEMA e a Associação que representa os moradores. A SEMA também assina Contrato de Concessão com populações tradicionais que vivem em áreas de FLORESTAS ESTADUAIS (FLOTA). A SEMA também é responsável pelo Cadastro Ambiental Rural - CAR, pela aprovação do Licenciamento Ambiental Rural, o LAR, que toda terra tem que ter, e também por licenciar as atividades de manejo dos recursos florestais. ÓRGÃOS ESTADUAIS QUE NÃO PODEM DOCUMENTAR 3. EMATER - Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural dos governos estaduais: NÃO TEM RESPONSABILIDADE DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA em si, mas pode ser PARCEIRA das Associações na elaboração dos diagnósticos e dos Planos de Desenvolvimento ou de Recuperação dos Projetos Estaduais de Assentamento, que são documentos necessários para se ter o licenciamento ambiental dessas terras. 4. IDEFLOR Instituto Florestal do Pará: é o responsável pela política florestal do Estado; pela assistência técnica no manejo dos produtos da floresta; pela concessão de florestas estaduais; e pela administração do Fundo Florestal. O IDEFLOR NÃO tem responsabilidades de REGULARIZAÇÃO DAS TERRAS. 34

35 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? PASSO 3 - INDIVIDUAL E COLETIVO: QUE HISTÓRIA É ESSA? Uma vez que deram um grande passo e descobriram de quem eram a terra que ocupam e quais os órgãos responsáveis por elas, vocês devem dar o TERCEIRO GRANDE PASSO: decidir se querem a regularização da terra de maneira individual ou coletiva. Mas qual a diferença? Quais as vantagens de cada um? A regularização INDIVIDUAL busca conseguir um documento para cada lote. Isso pode ser feito por cada família separadamente ou pela comunidade, através da Associação. Como cada lote é feito separadamente, todos os estudos e processos são feitos para cada família, e por isso é mais DE- MORADO e pode CUSTAR BASTANTE DI- NHEIRO. Outra coisa é que o tamanho da terra acaba sendo bem menor que nas modalidades coletivas. Em geral, será de no máximo 100 hectares. 35

36 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas Nas MODALIDADES COLETIVAS, todas as famílias de uma comunidade ou de várias comunidades tentam conseguir juntas um documento que comprove que a terra é de todos, através de uma Associação. Neste caso, o documento da terra valerá para todas as famílias que a ASSOCIAÇÃO diz que são moradores daquela terra. No sistema COLETIVO, o documento vai indicar as extremas/limites de toda a terra. Mas as extremas entre as terras das famílias são os limites acordados entre elas, com apoio da Associação. Toda área usada pelas famílias pode ser requerida, inclusive as florestas onde caçam, retiram frutos, cipós e madeira. Neste sistema, o governo não diz qual o tamanho da posse de cada família, nem os técnicos do governo vão cortar piques dentro da comunidade. Portanto, quem vai dizer onde são os limites das terras de cada família são os próprios moradores junto com a Associação. Existem partes das terras ocupadas pela comunidade que são para uso de todos, conforme as regras acordadas, que podemos chamar de leis locais sobre como usarem as florestas, os rios e campos. Essa marcação dos limites das posses é feita respeitando-se os limites que tradicionalmente já vinham sendo usados por cada família, e por isso recebe o nome de LIMITES DE RESPEITO. 36 Neste sistema, para usar as florestas, os rios, usar o fogo, todos devem respeitar essas REGRAS DA COMUNIDADE organizadas pela Associação. Dá pra ver que a Associação e a organização da comunidade têm um papel muito importante.

37 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? Passo 4 - TÍTULO OU CONCESSÃO: QUE HISTÓRIA É ESSA? Existem dois tipos principais de documentos: o TÍTULO e a CONCES- SÃO. Titulo: Uma família sozinha pode receber um TÍTULO INDIVIDUAL de propriedade através de modalidades INDIVIDUAIS. Com esse Título, após aguardar o tempo necessário por lei, a pessoa se quiser pode VEN- DER sua terra. Mas preste bem atenção: se vendê-la, a pessoa NUNCA MAIS poderá receber terras do governo. É que as terras para reforma agrária são doadas somente uma vez para a pessoa, tanto faz se pela modalidade individual ou coletiva. A única modalidade que tem TÍTULO COLETIVO é a dos Territórios QUILOMBOLAS. 37

38 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas Concessão: O nome completo é CONCESSÃO DE DIREITO REAL DE USO, ou simplesmente CDRU. A Concessão ocorre em algumas modalidades individuais, como nos Terrenos de Marinha e Várzea, e em QUA- SE TODAS as COLETIVAS. A palavra CONCESSÃO vem da palavra CONCEDER, que quer dizer PERMITIR, DEIXAR, AUTORIZAR. E como estamos falando de terra, concessão de uso significa DEIXAR USAR A TERRA. Assim, o governo (Estado ou União) permanece dono da terra e não vende nem dá a terra, mas deixa usar por um TEMPO que depende do CONTRATO que vai ser feito entre o governo e a Associação que representa os moradores. Com esse Contrato, cada família recebe uma autorização para viver naquela terra, podendo morar e usar os seus recursos naturais. Esse sistema de CONCESSÃO das terras para populações tradicionais nasceu da luta dos movimentos sociais para que se respeitassem os modos de vida das famílias da Amazônia. Assim, a CONCESSÃO serve também para se evitar o comércio das terras da regularização fundiária. As próprias lideranças do movimento social têm lutado para que as terras conquistadas para a agricultura familiar continuem nas mãos das famílias e não sejam vendidas para fazendeiros, que a maioria das vezes nem moram na terra e não participam da comunidade. Quando uma família beneficiada pela reforma agrária vende essa terra, não pode mais participar do Programa Nacional de Reforma Agrária, pois o governo entrega terra para a família UMA SÓ VEZ. Depois disso, só comprando. 38

39 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? PASSO 5: QUAIS AS MODALIDADES DE REGULARIZAÇÃO? Agora vamos mostrar as MODALIDADES DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA ou, em outras palavras, OS TIPOS DE LEGALIZAÇÃO ou MANEI- RAS DE DOCUMENTAR que podem ser acessadas por populações tradicionais na floresta e por agricultores familiares. E são bastante!! Para não nos perdermos, vamos seguir a nossa árvore-guia, que aparece na próxima página, com todas as modalidades que vamos percorrer. Vamos começar da mesma maneira que a gente começa quando sobe numa árvore, se agarrando no galho mais baixo, onde está escrito: TERRAS PARTICULARES. 39

40 PAE PDS RDS PAF PA RESEX TQ Doação Terrenos de Marinha e Várzea ICMBio SPU INCRA TEQ PEAS PEAEX Compra INCRA/ITERPA UNIÃO (Federal) ESTADO ITERPA SEMA Usucapião TERRAS PÚBLICAS RESEX TERRAS PRIVADAS RDS Compra 40

41 COMPRA COMPRA A COMPRA é uma forma individual de se conseguir a terra. Podem ser de dois tipos: a compra de TERRAS PARTICULARES ou a compra de TERRAS PÚBLICAS ESTADUAIS OU FEDERAIS. COMPRA DE TERRAS PARTICULARES Quem já possui um documento válido de propriedade (um TÍTULO) pode vender sua terra à outra pessoa. Tem que prestar atenção, pois as terras com preço maior do que trinta vezes o salário mínimo só podem ser passadas para outro dono através de escritura pública. Outro cuidado: se a pessoa recebeu o documento de propriedade da terra através de um projeto de REFORMA AGRÁRIA ou de DOAÇÃO, ela só pode vender essa terra depois de DEZ ANOS. Esta venda deverá ser realizada no Cartório de Registros de Imóveis, após o pagamento dos impostos de transmissão. É importante saber que nesta modalidade, o dono tem que pagar todos os custos do LICEN- CIAMENTO AMBIENTAL e de demarcação da terra com GEOREFERENCIAMENTO/Mapeamento, e pagar pelo registro da RESERVA LEGAL e por todos os impostos necessários. E isso pode ser bem caro. COMPRA DE TERRAS PÚBLICAS Há dois tipos de Terras Públicas que podem ser compradas: Terras Públicas Estaduais e Terras Públicas Federais. Estas duas modalidades de acesso à propriedade da terra só podem ser feitas por PESSOAS FÍ- 41

42 COMPRA SICAS, isto é não podem ser pedidas por associações ou empresas. Os funcionários públicos também NÃO PODEM comprar terras públicas. Só podem pedir este benefício aqueles que têm como principal atividade a agricultura, a agroindústria, o extrativismo, o manejo florestal ou a pesca. A lei determina que não podem ser legitimadas, regularizadas ou licitadas as posses que se localizem em: 1. Áreas protegidas por lei; 2. Áreas ocupadas ou requisitadas por comunidades quilombolas; e 3. Áreas ocupadas ou requisitadas por populações tradicionais. COMPRA DE TERRAS PÚBLICAS ESTADUAIS Quando alguém estiver ocupando um imóvel localizado em áreas administradas pelo Estado, poderá comprar a terra e se tornar seu dono seguindo algumas regras, de acordo com o tamanho da terra: Até 500 hectares: o ITERPA terá que ouvir o Conselho Estadual de Política Agrícola, Agrária e Fundiária (CEPAF). De 500 a hectares: precisa da aprovação de um plano de exploração econômica pelo CEPAF. De até hectares: além da aprovação do CEPAF depende também da aprovação da Assembléia Legislativa do Estado; O processo administrativo que irá regulamentar esta transferência de domínio (do Estado para um particular) está previsto num Projeto de Lei, que está sendo discutido na Assembléia Legislativa do Estado do Pará. Para adquirirem-se terras públicas estaduais acima de 100 hectares, o interessado tem que apresentar um Plano de Exploração Econômica. 42

43 COMPRA DE TERRAS PÚBLICAS FEDERAIS COMPRA As leis que permitem a regularização fundiária das terras localizadas em áreas sob responsabilidade do INCRA variam conforme o tamanho dessas terras, em três casos principais: 1. Até 100 hectares (legitimação de posses). 2. Acima de 100 hectares e até o máximo de 15 módulos fiscais (regularização fundiária). 3. Acima de 15 Módulos Fiscais: só será permita a venda por meio de licitação. 4. Acima de hectares é necessária uma autorização prévia do Congresso Nacional. Nos casos (1) e (2), os posseiros terão que comprovar que são moradores dessa terra, que possuem plantações, que trabalham essa terra de maneira contínua, sem conflitos há pelo menos um ano. Além disso, a pessoa e seu companheiro ou companheira precisam seguir as regras abaixo: Não podem ser donos de outra terra em qualquer parte do Brasil; Não podem ter sido beneficiados pelo Programa de Reforma Agrária, a não ser que o INCRA permita, e Devem usar essa terra de acordo com as leis do meio ambiente. ATENÇÃO: Quem recebe um título definitivo de propriedade deve registrá-lo no Cartório de Registro de Imóveis da comarca onde se localiza o imóvel. Se este imóvel se localizar em mais de uma comarca, o registro deve ser feito em todas elas. 43

44 COMPRA 44 * Tamanho da Terra da União: Permitido acima de hectares com a autorização do Congresso Nacional

45 USUCAPIÃO USUCAPIÃO USUCAPIÃO tem que ver com o tempo que uma família ou comunidade ocupa uma área de TERRA PARTICULAR, e com o que essas pessoas fizeram nessa área ao longo do tempo. Vejam como acontece... No usucapião uma pessoa tem que PROVAR NA JUSTIÇA que: (1) mora na terra por um tempo que pode variar de 5 a 15 anos; (2) que não tem outra terra e que sempre usou aquela terra para garantir o sustento da família; (3) que durante todo esse tempo que diz que a terra é sua, a pessoa ficou ocupando como se fosse mesmo o dono dela, sem ficar fora da terra por muito tempo; e (4) tem que provar que o proprietário dessa terra não discordou da ocupação. Nossa legislação apresenta VÁRIAS MODALIDADES de USUCAPIÃO. Pode inclusive ter USUCAPIÃO COLETIVO, dependendo do tempo de ocupação. Para quem tiver interesse em saber mais, procure a Lei do Código Civil que apresenta três modalidades diferentes: USUCAPIÃO EXTRAORDINÁRIO (Artigo 1.238), USUCAPIÃO ORDINÁRIO (Artigo 1.242) e USUCAPIÃO ESPECIAL (Artigo1.239). No Usucapião Extraordinário e no Ordinário, a área a ser usucapida é a área efetivamente ocupada. Já no Usucapião Especial, a área máxima é até 50 hectares. Este instrumento de acesso à propriedade pode ser usado também em caso de terras urbanas que tenham área de até duzentos e cinqüenta metros quadrados (250 m 2 ), desde que essa terra seja utilizada pelo ocupante para sua moradia ou moradia de sua família. 45

46 USUCAPIÃO Mas veja bem: o Usucapião só pode acontecer EM TERRA PARTICU- LAR. Não existe Usucapião em terras públicas, sejam elas devolutas ou arrecadadas (Veja página 17 para entender o que é terra pública). Por ter que provar na justiça, o usucapião pode ficar difícil de conseguir, CARO e DEMORADO para produtores rurais e população tradicional que decidirem ir por este caminho, mesmo tendo o direito ao seu lado. 46

47 USUCAPIÃO 47

48 DOAÇÃO DOAÇÃO Todos nós conhecemos a palavra DOAÇÃO, que vem da palavra DAR. A Doação é uma modalidade que só existe na LEGISLAÇÃO ESTADUAL. Para uma doação, a terra deve ter o tamanho máximo de 100 hectares para cada posseiro ou família (marido e mulher), e eles têm que ser CLIENTES DE REFORMA AGRÁRIA. No Pará, atualmente, nos imóveis de até 100 hectares, o ITERPA não faz mais a doação com Título Definitivo de Propriedade, mas permite o uso das terras com a aprovação de um Contrato de Concessão de Direito Real de Uso (CDRU). Como o trabalho de demarcação da terra precisa ser mapeado com GEOREFERENCIAMENTO (veja página 84), dificilmente uma pequena propriedade será regularizada sozinha, porque é caro. Assim, o governo dá preferência de fazer este trabalho nas áreas de comunidades, pois assim atende várias famílias juntas. 48

49 DOAÇÃO 49

50 TERRENOS DE MARINHA E VÁRZEA TERRENOS DE MARINHA E VÁRZEA VÁRZEAS são as áreas localizadas ao longo dos rios, que são influenciadas por épocas de cheia e vazante. A Várzea é considerada como um BEM PÚBLICO, que pode ser federal ou estadual. Se a várzea fizer parte de um rio que cruza mais de um Estado, será terra federal. Se o rio que se liga à várzea começar e acabar dentro de um Estado, a várzea será deste Estado. Os TERRENOS DE MARINHA são as terras que contornam rios, lagos, ilhas e o mar, que estão influenciados pelas marés. Medem 33 metros a partir da LPM Linha da Preamar Média, que é definida pela SPU (Secretaria do Patrimônio da União). Tanto a VÁRZEA quanto os TERRENOS DE MARINHA são SEMPRE considerados TERRAS PÚBLICAS, e nunca poderão ser vendidas ou doadas. A única forma de regularização dessas áreas, seja COLETIVA ou INDI- VIDUAL, se dá por CONCESSÃO DE DIREITO REAL USO. Isso quer dizer que o governo sempre será o dono, mas pode deixar que os moradores usem a terra. Outro exemplo de concessão nestas terras tem sido a criação de PAE - Projeto de Assentamento Agroextrativista, possibilitada pela parceria entre a SPU e o INCRA. O órgão do governo responsável nos Estados por estas terras é a GRPU, que quer dizer Gerência Regional da Secretaria do Patrimônio da União. Pode acontecer de SPU dar uma AUTORIZAÇÃO DE USO até que a Concessão de Direito Real de Uso fique pronta. 50

51 TERRENOS DE MARINHA E VÁRZEA O pedido de uso das terras pode ser para uso COLETIVO, através de uma ASSOCIAÇÃO, ou para uso INDIVIDUAL, por qualquer pessoa. No entanto, conseguir regularizar sozinho é bem mais difícil. Para regularizar a terra desta forma os interessados devem apresentar uma proposta de Plano de Uso, na qual devem explicar quem são as pessoas que querem a terra, quais os limites da área requerida, como trabalharão a terra e os rios, e as regras desses usos. 51

52 52 TERRENOS DE MARINHA E VÁRZEA

53 RESEX RESEX RESEX quer dizer RESERVA EXTRATIVISTA e nasceu da luta das famílias seringueiras e extrativistas para defenderem as suas florestas contra os fazendeiros, pra que o uso da floresta fosse feito sem destruição. Chico Mendes, junto com várias companheiras e companheiros, foi o grande criador da idéia das RESEX. Essa modalidade é uma UNIDADE DE CONSERVAÇÃO DE USO SUSTEN- TÁVEL que pode ser criada pelo governo federal ou pelo governo estadual. As RESEX são só para as populações tradicionais que já moram na área há muito tempo e tiram da floresta o seu sustento principal. Numa RESEX é permitida a extração de madeira, mas esta não pode ser a principal renda das famílias. Além disso, tem que ter um PLANO DE MANEJO FLORESTAL aprovado. É uma modalidade COLETIVA, sendo que as famílias devem estar organizadas em uma ASSOCIAÇÃO. O Governo faz um Contrato de CON- CESSÃO DE DIREITO REAL DE USO (CDRU) com a Associação, e a Associação emitirá uma autorização de uso para cada família, o que pode demorar. Sendo COLETIVA, os técnicos do governo não fazem a demarcação dos limites de cada família dentro da RESEX, mas somente a demarcação dos limites da reserva com os vizinhos de fora. Dentro, a divisão é de acordo com a ocupação tradicional das terras. Quem diz onde são os limites de respeito e áreas de uso coletivo são os moradores. Toda a área utilizada pelas comunidades pode ser requerida para a RESEX. Como o governo não precisa demarcar cada lote separadamente, o processo para sua criação sai mais rápido. Entretanto, a conclusão desse processo tem demorado muito por falta de elaborar e colocar na prática os Planos de Manejo da reserva. Os custos são os mais baixos para se 53

54 RESEX conseguir uma terra, pois o governo faz o georeferenciamento, o diagnóstico e subsidia a formulação de um PLANO DE MANEJO PARTICIPATIVO (ver página 86 para saber mais sobre planos) que é financiado pelo ICMBio e feito com muito apoio técnico. Neste plano de manejo também tem um PLANO DE UTILIZAÇÃO nos quais são definidas as regras de convivência e de uso de recursos entre os moradores. Após a criação da Reserva, é formado o CONSELHO DELIBERATIVO, composto pelos moradores, ICMBio e instituições convidadas. Este é responsável pela organização e pelas decisões dos rumos da RESEX. As famílias só poderão vender as benfeitorias para outra família extrativista ou ribeirinha, mas não podem vender as terras. A família que receber a terra uma vez, nunca mais vai poder receber outras terras do governo. 54

55 RESEX 55

56 RDS RDS RDS quer dizer RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, uma maneira de regularizar a terra muito parecida com a RESEX. Como a RESEX, essa modalidade é uma UNIDADE DE CONSERVAÇÃO DE USO SUSTENTÁVEL que dá a concessão de uso a populações tradicionais que residem nesta terra. A RDS pode ser criada tanto pelo Governo Federal quanto pelos governos estaduais. Nas terras federais, sua criação é responsabilidade dos órgãos de meio ambiente e do ICMBio. Nas terras estaduais, a Secretaria de Meio Ambiente é a principal responsável. Nos últimos anos, o governo do Estado do Amazonas destacou-se por criar dezenas de RDS. A diferença principal entre as duas é que se existir alguma TERRA PARTICULAR LEGALIZADA dentro da área onde vai ser criada a RDS, esse proprietário NÃO PRECISA SAIR, pois a RDS pode ser criada com ele dentro mesmo. Mas para isso acontecer, esse proprietário deve garantir que a terra e as atividades dele não vão prejudicar nem os moradores da RDS nem seus bens e se comprometer a respeitar o Plano de Manejo da RDS. Às vezes isto pode resultar em problemas e conflitos. Também se trata de uma modalidade COLETIVA, sendo que as famílias devem estar organizadas em uma ASSOCIAÇÃO. O Governo faz um Contrato de CONCESSÃO DE USO com a Associação, e a Associação emitirá uma autorização de uso para cada família. Após a criação da Reserva, será formado um CONSELHO DELIBERATIVO, responsável pela organização e pelas decisões dos rumos da RDS, sempre considerando o Plano de Manejo Participativo aprovado pelos moradores e o governo. 56 Como a organização é COLETIVA, os técnicos do governo não fazem a demarcação dos limites de cada família dentro da RDS, mas somente a demarcação dos limites da reserva com os vizinhos de fora. Dentro

57 RDS da área, quem diz onde são os limites de respeito e áreas de uso coletivo é a Associação junto com as famílias. Toda a área utilizada pelas comunidades pode ser requerida para a RDS, deixando de fora áreas de terra particular. Os custos são os mais baixos para se conseguir uma terra, pois o governo faz o georeferenciamento, o diagnóstico e subsidia a formulação do PLANO DE MANEJO PARTICIPATIVO. As famílias só poderão vender as benfeitorias para outra família extrativista ou ribeirinha, mas não podem vender as terras. A família que receber a terra uma vez, nunca mais vai poder receber terras do governo novamente. 57

58 58 RDS

59 PA PA PA quer dizer Projeto de Assentamento. É outra maneira de RE- GULARIZAÇÃO INDIVIDUAL que muita gente se acostumou a chamar de PA, que foi muito usado na época da colonização pelas estradas na Amazônia, e continuam a ser criados dentro do Plano Nacional de Reforma Agrária. Eles são criados em terras previamente arrecadadas, desapropriadas ou compradas pelo governo federal e que não tenham muita floresta. A terra pode ter no máximo 100 hectares por família. E pra receber um desses lotes, a família tem que querer trabalhar na terra, se comprometer a morar no lote e não ter outro pedaço de chão. Esta modalidade é a mais comum para assentar famílias de produtores rurais que não viviam nesta terra antes. Mesmo que os lotes sejam individuais, as famílias vão precisar se organizar em uma ASSOCIAÇÃO. O governo fará um Plano de Desenvolvimento do Assentamento, onde estarão determinadas as regras de uso das terras, principalmente sobre desmatamento (quanto pode desmatar, aonde tem que preservar). A família recebe um TÍTULO DE PROPRIEDADE INDIVIDUAL. Se depois de receber a terra, a família quiser vender o lote, só poderá vendê-lo depois de 10 anos que recebeu o título. E essa mesma família não pode nunca mais receber outra terra da reforma agrária. Muitos produtores valorizam os projetos de assentamento porque a terra é deles mesmos, por causa do título de propriedade individual. Porém, este tipo de regularização traz alguns problemas: 59

60 PA Muitos acham que os lotes são pequenos para a Amazônia. Têm no máximo 100 hectares e muitas vezes menos que isso. Por causa disso, o desmatamento muitas vezes é maior do que nas outras modalidades. É mais difícil de se trabalhar em comunidade, pois cada um pode trabalhar sem se organizar com os outros, sem entrar em acordo sobre os usos da floresta, do fogo, dos rios, da criação dos animais. Como o controle feito pelo governo é menor, porque são muitas famílias, fica mais fácil pra alguns venderem suas terras, tentarem a sorte em outro canto, e quando vai ver a comunidade está virando uma grande fazenda, com a terra na mão de fazendeiros. Para diminuir esses problemas, vão ter que precisar de muita organização e força de vontade. 60

61 PA 61

62 PAE PAE PAE é um Projeto de Assentamento Agro-Extrativista que serve para regularizar a terra para populações tradicionais, extrativistas e ribeirinhas, que já moram em uma área e que usam a floresta para sua sobrevivência. O PAE pode ser criado nas terras de jurisdição do INCRA, dos Estados ou da União, nos terrenos de várzea e em ilhas. Nesta modalidade os PRODUTOS DA FLORESTA são os principais, como seringueira, castanha, outros frutos, sementes, artesanatos, óleos e essências medicinais. Também é permitido que as famílias usem a MADEIRA, desde que seguindo um PLANO DE MANEJO FLORESTAL. As famílias também podem fazer suas roças, principalmente para o consumo familiar. Diferente do PA, o PAE é uma modalidade de regularização fundiária COLETIVA, sendo que as famílias devem estar organizadas em uma ASSOCIAÇÃO. O Governo faz um Contrato de CONCESSÃO DE USO com a Associação, e a Associação emitirá uma autorização de uso para cada família. Como a organização é COLETIVA, os técnicos do governo não fazem a demarcação dos limites de cada família dentro do Projeto, mas somente a demarcação dos limites do Projeto com os vizinhos de fora. Dentro quem diz onde são os limites de respeito e áreas de uso coletivo são os moradores. O tamanho da terra varia. Vai depender do que as famílias utilizam. Toda a área utilizada pelas comunidades pode ser requerida para o PAE. 62

63 PAE As famílias só poderão vender as benfeitorias para outra família extrativista ou ribeirinha, mas não podem vender as terras. A família que receber a terra uma vez, nunca mais vai poder receber terras do governo novamente. Como o governo não precisa demarcar cada lote separadamente, o processo sai mais rápido que um PA. Os custos são os mais baixos para se conseguir uma terra, pois o governo faz o georeferenciamento e o diagnóstico para a criação e subsidia a formulação de um PLANO DE UTILIZAÇÃO pelos moradores no qual a regras de convivência e de uso de recursos são definidas. 63

64 64 PAE

65 PDS PDS PDS quer dizer Projeto de Desenvolvimento Sustentável. Este modelo é muito parecido com o PAE, com a organização COLETIVA das terras, mas com a diferença de que os moradores podem estar nas terras a poucas gerações, e não precisam ser população extrativista. No PDS, além de praticarem agricultura, os moradores também usam a floresta para sua sobrevivência. O trabalho dos moradores deve ser apoiado pelo governo com políticas para que eles usem os recursos da natureza de forma sustentável, com acesso a melhores mercados, compradores de confiança e valorização dos seus produtos. Assim, eles terão condições de cuidarem e defenderem suas florestas. As famílias precisam estar organizadas em ASSOCIAÇÃO. A Associação vai assinar com o governo um CONTRATO de CONCESSÃO DE USO das terras. Com isso, a Associação emite uma autorização de uso para cada família. Como a organização é COLETIVA, os técnicos do governo não fazem a demarcação dos limites de cada família dentro do Projeto, mas somente a demarcação dos limites do Projeto com os vizinhos de fora. Dentro, quem diz onde são os limites e áreas de uso coletivo é a Associação junto com as famílias, que são os Limites de Respeito. O tamanho da terra varia. Vai depender do que as famílias utilizam, seja para a agricultura, criação de animais e produtos da floresta. Toda a área utilizada pelas comunidades pode ser requerida para o PDS. 65

66 PDS As famílias só poderão vender as benfeitorias para outra família de pequeno produtor, mas não podem vender as terras. A família que receber a terra uma vez, nunca mais vai poder receber terras do governo novamente. Como o governo não precisa demarcar cada lote separadamente, o processo sai mais rápido. Os custos são os mais baixos para se conseguir uma terra, pois o governo faz o georeferenciamento, o diagnóstico e subsidia a formulação de um PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO ASSENTAMENTO. 66

67 PDS 67

68 PAF PAF PAF significa Projeto de Assentamento Florestal. Ele também é bem parecido com o Projeto de Assentamento Agro-Extrativista, o PAE. A diferença maior está na questão da MADEIRA. Enquanto no PAE o extrativismo de produtos não-madeireiros está em primeiro lugar, no Projeto de Assentamento Florestal a ATIVIDADE MADEIREIRA é a PRIN- CIPAL atividade. Além da madeira, utilizam-se também OUTROS PRO- DUTOS DA FLORESTA, como seringueira, castanha, frutos, essências medicinais, plantas ornamentais, óleos, resinas, sementes e material para artesanato. As famílias podem fazer suas roças para o consumo familiar. Por esses motivos, essa modalidade só pode ser criada em ÁREAS QUE AINDA TÊM BASTANTE FLORESTA. Podem ser criados para populações extrativistas ou agricultores familiares, mas sempre com o compromisso do uso sustentável dos recursos florestais. As famílias que escolherem fazer um PAF em suas terras têm que apresentar algum tipo de organização comunitária, que pode ser uma ASSOCIAÇÃO ou COOPERATIVA. A organização é COLETIVA, e a Associação assinará com o Governo um documento de CONCESSÃO DE USO das terras. A Associação emitirá uma autorização de uso para cada família. 68

69 PAF Como a organização é COLETIVA, os técnicos do governo não fazem a demarcação dos limites de cada família dentro do Projeto, mas somente a demarcação dos limites do Projeto com os vizinhos de fora. Dentro quem diz onde são os limites de respeito e áreas de uso coletivo é a Associação junto com as famílias. O tamanho da terra varia. Vai depender do que as famílias utilizam. Toda a área utilizada pelas comunidades pode ser requerida para o PAF. As famílias só poderão vender as benfeitorias outros produtores familiares, mas não podem vender as terras. A família que receber a terra uma vez, nunca mais vai poder receber terras do governo novamente. Como o governo não precisa demarcar cada lote separadamente, o processo sai mais rápido. Os custos são os mais baixos para se conseguir uma terra, pois o governo faz o georeferenciamento, o diagnóstico e subsidia a formulação de um PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO ASSENTAMENTO. 69

70 70 PAF

71 TERRAS DE QUILOMBOS TERRAS DE QUILOMBOS Os QUILOMBOS nasceram ainda no tempo da escravidão, quando muitos negros conseguiam fugir do trabalho escravo e se embrenhavam pela floresta até encontrarem um lugar seguro onde suas famílias pudessem viver com liberdade. Nesses lugares formavam comunidades, conhecidas como QUILOMBOS, cujos descendentes ainda existem até hoje, e em vários lugares do Brasil, com costumes e tradições próprias. O reconhecimento dos direitos dos quilombolas pela legislação brasileira é relativamente novo. Começou com a Constituição Federal de O reconhecimento de domínio dos territórios quilombolas está previsto no artigo 68 do Ato das Disposições Transitórias (ADCT) da Constituição Federal. A União, os Estados e os municípios têm competência para reconhecer este direito. O processo de regularização inicia-se com as famílias se auto-reconhecendo como quilombolas. A FUNDAÇÃO PALMARES ajuda nos estudos iniciais que mostram como as famílias vivem, além de continuar apoiando as famílias mesmo depois de regularizado. Nesta modalidade, as famílias devem estar organizadas em uma ASSOCIAÇÃO, e a organização da terra é COLETIVA. Isso quer dizer que os técnicos do governo não fazem a demarcação dos limites da terra de cada família dentro da área do quilombo, mas somente a demarcação dos limites com os vizinhos de fora. Dentro quem diz onde são os limites de respeito e áreas de uso coletivo são as famílias. 71

72 TERRAS DE QUILOMBOS No processo de regularização, o governo federal expede um TÍTULO COLETIVO em nome da Associação. Mesmo com o título, as famílias só poderão vender as benfeitorias para outro quilombola e não se pode vender a terra. Esse tipo de regularização da terra custa pouco e sai mais rápido, pois tem o apoio do governo na demarcação das terras, essa demarcação que é mais rápida porque é coletiva. 72

73 TERRAS DE QUILOMBOS 73

74 TEQ TEQ TEQ quer dizer Território Estadual Quilombola. Ele é bem parecido com os TERRITÓRIOS QUILOMBOLAS feitos pelo governo federal (INCRA), mas este é feito em terras estaduais. O Estado do Pará se destaca por ser aquele que mais beneficiou comunidades quilombolas, tendo titulado, até o final de 2008, cerca de 450 mil hectares, beneficiando famílias. Nesta modalidade, a organização da terra é COLETIVA. Isso quer dizer que os técnicos do governo não fazem a demarcação dos limites de cada família dentro do Projeto, mas somente a demarcação dos limites do Projeto com os vizinhos de fora. Dentro quem diz onde são os limites de respeito e áreas de uso coletivo é a Associação, junto com as famílias moradoras. 74

75 TEQ No processo de regularização, o governo estadual expede um TÍTU- LO COLETIVO em nome da Associação. As famílias só poderão vender as benfeitorias para outro quilombola. Esse tipo de regularização da terra CUSTA POUCO e sai MAIS RÁPI- DO, pois tem o apoio do governo na demarcação das terras e na produção do Diagnóstico das comunidades. No prazo máximo de 120 dias após a expedição do título de reconhecimento de domínio é criado o TEQ. A Associação tem que apresentar um Plano de Uso, que neste caso se chama PLANO DE DESENVOLVI- MENTO SUSTENTÁVEL (ver página 86 para mais informações). 75

76 76 TEQ

77 PEAS PEAS PEAS significa Projeto Estadual de Assentamento Sustentável. Ele é parecido com o famoso PA, o Projeto de Assentamento do INCRA, mas só que feito pelo ITERPA, que é estadual, e não dá o Título da terra, mas a Concessão de Direito Real de Uso (CRDU). Neste modelo, as famílias em geral são principalmente agricultores e têm seus lotes INDIVIDUAIS demarcados separadamente dentro do Projeto de Assentamento. O tamanho máximo do lote será de 100 hectares. Cada família assina um Contrato de CONCESSÃO REAL DE DIREITO DE USO (CRDU). Assim, só poderão vender as benfeitorias para outro pequeno produtor, desde que autorizado pelo ITERPA e até o limite máximo de quatro módulos fiscais. Esta regra é para evitar que se criem grandes lotes no assentamento. A família que receber a terra uma vez, nunca mais vai poder receber terras do governo novamente. Mesmo sendo uma forma INDIVIDUAL de se organizarem na terra, é preciso que as famílias se organizem em ASSOCIAÇÃO para poderem receber os créditos da reforma agrária. Essa maneira é mais demorada do que os projetos de assentamento coletivos, porque são os técnicos do governo que fazem a demarcação com georeferenciamento, e o diagnóstico. E como eles têm que fazer para cada família por vez, isso demora mais. 77

78 PEAS É uma forma mais barata, porque o governo não cobra os impostos e faz o LICENCIAMENTO. O custo é que a Associação tem que apresentar o PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Se a terra onde se vai criar o Projeto está mais de 20% desmatada, a família, através da Associação, deve apresentar um PLANO DE RECU- PERAÇÃO AMBIENTAL. A EMATER pode ajudar nesses trabalhos. 78

79 PEAS 79

80 PEAEX PEAEX PEAEX quer dizer Projeto Estadual de Assentamento Agroextrativista. Ele é muito parecido com os PAEs (Projeto Agro-Extrativista) do INCRA, criados especialmente para as realidades das populações tradicionais extrativistas e que também têm a sua roça com produtos agrícolas. Assim, as atividades principais a serem desenvolvidas nos PEAEX são a extração de produtos da floresta como seringueira, castanha, óleos, sementes, talas, cipós e essências, e a AGRICULTURA FAMILIAR. Também pode se extrair a MADEIRA, desde que seguindo as regras do manejo florestal. É importante que para se criar um PEAEX o desmatamento da área não pode ter passado de 20%. A organização da terra é COLETIVA. Isso quer dizer que os técnicos do governo não fazem a demarcação dos limites de cada família dentro do Projeto, mas somente a demarcação dos limites do Projeto com os vizinhos de fora. Dentro quem diz onde são os limites de respeito e áreas de uso coletivo são os moradores. Como o governo não precisa demarcar cada lote separadamente, o processo sai mais rápido. O tamanho da terra varia e vai depender do que as famílias utilizam como, por exemplo, uso de produtos da floresta, agricultura, pesca, criação de animais e lazer. Todas as áreas utilizadas pelas comunidades podem ser requeridas para fazer parte do PEAEX. O governo assina com a ASSOCIAÇÃO um Contrato de CONCESSÃO DE USO. A Associação emitirá uma autorização de uso para cada família. 80

81 PEAEX Os custos são os mais baixos para se conseguir uma terra, pois o governo faz o georeferenciamento, o diagnóstico e encaminha para conseguir o LICENCIAMENTO. As comunidades devem fazer o seu próprio PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL com regras de uso. As famílias só poderão vender as benfeitorias para outro extrativista, mas não podem vender as terras. A família que receber a terra uma vez, não vai poder receber terras do governo novamente. 81

82 82 PEAEX

83 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? 4. Passos Gerais para a Regularização Fundiária Como nós vimos, existem diferentes formas de se regularizar a terra. Cada uma dessas formas tem suas regras de como prosseguir para regularizar. Neste Manual apresentamos um resumo geral. É preciso depois ir atrás de mais informações para saber dos detalhes para cada modalidade. Mesmo assim, têm PASSOS que servem para a MAIORIA DAS MODALI- DADES. São elas: a) ORGANIZAÇÃO da comunidade b) MAPEAMENTO das terras c) DIAGNÓSTICO d) PLANOS DE USO e) GESTÃO DO PROJETO ou DA RESERVA Vamos falar sobre esses passos. a) O primeiro e MUITO IMPORTANTE é a ORGANIZAÇÃO DA COMUNIDADE. A comunidade precisa se reunir para discutir o que quer e qual a melhor maneira para enfrentar este caminho difícil e cheio de batalhas. Mesmo que técnicos do governo ou de organizações de apoio façam parte do processo de regularização, as famílias precisam estar organizadas para saberem o que querem e fazer acontecer do jeito que acham melhor. Para se organizar, pode se passar pelos seguintes passos: 1. Buscarem apoio em suas organizações, como sindicatos, associações, conselhos e federações, para ajudarem na discussão das opções 83

84 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas de regularização e terem ajuda na hora de fazer o pedido (requerimento) ao governo. 2. Reunirem as famílias para discutirem e decidirem a melhor opção de regularização de suas terras (coletivo ou individual, título ou concessão, modalidades). Discutirem também qual seria o tamanho da área a ser regularizada, e quem deveria fazer parte e quem deverá ficar de fora; 3. Buscarem apoio com possíveis parceiros que poderão auxiliar nos estudos de mapeamento, diagnósticos e planos, como a EMATER, universidades, institutos de pesquisa e extensão, secretarias do município, pastorais e outros; 84

85 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? 4. Buscarem apoio para realizarem, de forma participativa, o mapeamento e os estudos necessários (diagnósticos); 5. Protocolarem (entregarem oficialmente) o requerimento e os documentos no órgão fundiário (INCRA ou ITERPA) ou no órgão ambiental (ICMBio, SEMA); 6. Discutirem entre as famílias o que se pode fazer e o que não se pode fazer na comunidade na hora de usarem os recursos, criarem animais, usarem o fogo, tirarem produtos da floresta e dos rios e lagos, criando as regras e acordos locais, que são os Planos de Uso; 7. Acompanharem de perto o processo. b) O MAPEAMENTO das terras pode ser bem simples ou mais elaborado. 85

86 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas O MAPA SIMPLES é aquele em que se passa para o papel o desenho da terra como ela está em nosso pensamento. Fica ainda melhor se puder ser desenhado sobre uma imagem de satélite. Fica um desenho com o formato das terras traçado por uma linha (polígono) e mostrando onde se localizam os rios, a vila, estradas, partes que a comunidade acha importantes, e os limites com os vizinhos. Esse mapa é importante PARA PROTOCOLAR o pedido de terra no ITERPA ou no INCRA. Os técnicos do governo terão que ir nas terras para checarem todas as medidas a fim de verificarem o mapa. O MAPA ELABORADO é aquele que começa com o mapa simples. Depois, as pessoas vão andar nas terras com um aparelho chamado GPS (Sistema de Posicionamento Global). Esse aparelho se liga aos satélites que estão rondando o planeta, e diz qual o endereço geográfico das suas terras. A isso chamamos de Georeferenciamento. Assim, se pode fazer o mapa da terra e encaixar no mapa do Pará, com esse endereço. Com essa informação se fazem os mapas de forma que os técnicos dos ITERPA ou do INCRA vão saber direitinho onde a sua terra fica. 86

87 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? c) O DIAGNÓSTICO é como uma fotografia de uma comunidade ou da região no momento da regularização. É um estudo que deve mostrar quem são as pessoas que vivem lá, quantos homens e mulheres, suas idades, a educação, a saúde, a infraestrutura, o que os moradores produzem na roça, quando as atividades são feitas, os animais que são criados, os usos da floresta, rios e lagos, a história das comunidades, os costumes das famílias, sua cultura. Os técnicos do governo coletam fotocópias de documentos pessoais (Carteira de Identidade ou de Trabalho, CPF, comprovante de votação nas últimas três eleições e, quando é homem, certificado de serviço militar). Este trabalho é feito através de entrevistas e reuniões com a comunidade. Com o resultado dessas informações produz-se um documento chamado Diagnóstico. 87

88 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas O Diagnóstico é necessário para a regularização das terras, mas pode também servir para as famílias, na busca de melhorias para a comunidade. Por exemplo, com as informações sobre o número de crianças, jovens e adultos sem estudo, pode-se ir à secretaria de educação do município e provar a necessidade de mais professores, ou mais escolas, ou mais merenda, ou ainda de novas classes para os alunos mais avançados que estão sem estudar. E assim, para saúde, produção agrícola, extrativismo... O momento do diagnóstico também pode ser aproveitado para coletar as informações necessárias para futuros FINANCIAMENTO e CRÉDITOS (Crédito Instalação e Fomento, PRONAF, FNO etc.) que beneficiários da reforma têm direito em muitas das modalidades que descrevemos. Enfim, é a realidade de vocês no papel e vocês buscando as soluções para as suas necessidades. d) PLANO PRA CÁ, PLANO PRA LÁ TANTOS PLANOS!! Quase todas as modalidades e órgãos do governo têm algum tipo de plano para gestão e o licenciamento das áreas regularizadas. Infelizmente todos eles têm nomes diferentes, mesmo que sejam bem parecidos e aí causa bastante confusão. Mas o PLANO DE USO, não importa o nome exato é uma estória que dá PANO pra manga. O que todos os Planos devem mostrar são as regras de convivência e uso do recursos pelas famílias que vivem naquelas terras. Como? O Plano aproveita informações do diagnóstico e trás informações sobre o tamanho das terras, número de famílias, formas de organiza- 88

89 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? ção da terra (individual ou coletiva), informações sobre como a comunidade se organiza hoje e como esperam viver no futuro. O Plano fala da produção das famílias e identifica aonde andam para tirar os produtos da floresta, que produtos são esses (como óleos, cipós, caça, peixes, madeira para vários usos, frutos, folhas e outros), para que são importantes (uso da família e venda), o que é permitido, qual o máximo que cada família pode tirar, qual o tamanho da roça, qual o tamanho do pasto, como pode se usar o fogo, quantos animais grandes cada família pode ter, e outras REGRAS de uso que a comunidade decide ter. Como as coisas mudam com o tempo e todo mundo vai aprendendo, o que é importante é definir quando será feita a revisão do plano para melhorar regras, incluir novas e tirar outras. Por exemplo, a cada ano ou a cada três anos ou mais. Sem uma revisão de vez em quando o plano só fica na teoria. IMPORTANTE: Todo Plano DEVE SER PEN- SADO E CONCORDADO PELAS FA- MÍLIAS. Isso porque são as famílias que assumem o compromisso de fazer o que está escrito lá. Se o governo entender que as regras do Plano não estão sendo cumpridas, as famílias correm o risco de perder o direito pelas terras! 89

90 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas Quais os tipos de Planos? Tipo de Plano Modalidades Órgão do governo Para quê? Plano de Manejo Participativo com Plano de Utilização PU - Plano de Utilização PDA Plano de Desenvolvimento do Assentamento PDS Plano de Desenvolvimento do Assentamento PU - Plano de Uso PRA Plano de Recuperação Ambiental Plano de Manejo (Florestal) RESEX, RDS ICMBio, SEMA Gestão da área como um todo PAE Parte do Plano de Manejo de RESEX/ RDS INCRA ICMBio Gestão da área como um todo PA, PDS, PAF INCRA Gestão da área como um todo PEAS, PEAEX, TEQ ITERPA Gestão da área como um todo Terrenos de Marinha e Várzea PA, PDS, PEAS SPU INCRA, ITER- PA Gestão da área como um todo Recuperação de áreas desmatadas e conservação de Áreas de Preservação Permanente (APP) Todos IBAMA, SEMA Manejo da extração de produtos da floresta Uma confusão que muita gente faz é que o Plano de Manejo da RESEX e da RDS não é o mesmo que o Plano de Manejo para o manejo florestal. São dois planos diferentes. Mas isso é assunto para outros manuais. 90

91 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? e) A GESTÃO DO PROJETO ou da RESERVA. Gestão é uma palavra usada de muitas formas, e significa tomar conta de um lugar, como uma loja, ou uma terra, ou uma casa. Pois é, GESTÃO DO PROJETO ou GESTÃO DA RESERVA tem que ver com isso. Em geral, a ASSOCIAÇÃO é o GERENTE, sendo o principal responsável pela GESTÃO das terras para as famílias. Mas a terra não é para a Associação, e sim para TODAS AS FAMÍLIAS que moram lá. E cada família deve ter sua responsabilidade em participar das discussões e decisões dos ACORDOS LOCAIS (os Planos) e ser responsável para que os acordos sejam cumpridos. Se a terra é um direito, cuidar dela é um dever. Não tem receita única para esta gestão e estão acontecendo muitas experiências em todo tipo de modalidade. Participe você também!! CADA LOCAL DEVE DESCOBRIR A SUA SOLUÇÃO! 91

92

93

94 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas 5. CONTATOS IMPORTANTES 94 A grande maioria dos órgãos do governo se localiza na capital do Estado. Alguns, como o IBAMA, o Instituto Chico Mendes e o INCRA, têm escritórios regionais, que pelo tamanho da Amazônia, também pode ser bem difícil e custoso para se chegar até eles. Para ajudar nas informações de números de telefones, endereços e horários de funcionamento, a Internet é uma boa alternativa. Nos endereços de cada órgão, encontram-se informações bem úteis. Com paciência e insistência, vamos colocar essa turma jovem que gosta de lidar com computadores para descobrir boas informações. INSTITUIÇÕES DO GOVERNO ENDEREÇO EMATER Pará Fundação Cultural Palmares IBAMA ICMBio IDEFLOR IDESP INCRA ITERPA MMA SEMA SFB SPU INSTITUTOS DE TERRAS DE OUTROS ESTADOS DA AMAZÔNIA Acre - ITERACRE Amapá - TERRAP Amazonas - ITEAM Mato Grosso - INTERMAT Rondônia - ITERON Roraima - ITERAIMA Tocantins - ITERTINS

95 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? 6. AS LEIS MAIS IMPORTANTES Têm muitas, muitas, muitas leis. Claro que também têm muitas leis que lidam com a regularização fundiária. Para facilitar um pouco, aqui tem uma lista só das mais importantes: ASSUNTO Critérios para Seleção de Candidatos ao Programa Nacional de Reforma Agrária Legitimação de posse de terras federais (até 100 hectares) Regularização fundiária de terras federais (acima de 100 hectares até 15 módulos fiscais) Regulamentação da venda de terras de projeto de reforma agrária ou doação (venda somente após 10 anos) LEIS mais importantes Norma de Execução INCRA n.º 45, de 2005 IN INCRA n.º 45, de 2008 IN INCRA n.º 46, de2008 Artigo 189 da Constituição Federal Compra de terras federais Artigo 17 da Lei n.º 8.666, de 1993 Compra de terra particular Compra de terras públicas Usucapião (individual e coletivo) Artigos 108 e do Código Civil Artigos 241 e 242 da Constituição do Estado do Pará Artigos 1.238, 1.239, e do Código Civil. Ilhas, Terra de Marinha e Várzea Portaria SPU n.º 284, de 2005 RESEX Reserva Extrativista Artigo 18 da Lei n.º 9.985, de 2000 RDS Reserva de Desenvolvimento Sustentável Artigo 20 da Lei n.º 9.985, de

96 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas PA Projeto de Assentamento Norma de Execução INCRA n. 37, de 2004 PAE Projeto de Assentamento Agroextrativista PDS Projeto de Desenvolvimento Sustentável PAF Projeto de Assentamento Florestal TQ Terras de Quilombo (União) Portarias INCRA n.º 268 e 269, de 1996 Portaria INCRA n.º 477, de 1999 Portaria INCRA n.º 1.141, de 2003 Artigo 68 do ADCT da Constituição Federal, decreto n.º 4.887/2003 e IN INCRA n.º 49, de 2008 TEQ Território Estadual Quilombola PEAS Projeto Estadual de Assentamento Sustentável PEAEX Projeto Estadual de Assentamento Agroextrativista Artigo 322 da Constituição do Estado, Lei estadual n.º 6.165, de 1998, Decreto Estadual n.º 3.572, de 1999, Instrução Normativa ITERPA n.º 2, de 1999, Instrução Normativa ITERPA n.º 1, de 2007 e pela Resolução n.º 1 ITERPA, de 2007 Instrução Normativa ITERPA n.º 1, de 2007 e pela Resolução ITERPA n.º 1, de 2007 Instrução Normativa ITERPA n.º 1, de 2007 e pela Resolução ITERPA n.º 1, de PEQUENO DICIONÁRIO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA Palavras que são muito utilizadas pelas pessoas que trabalham com a regularização fundiária: ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP): São as florestas e a vegetação natural que se encontram nas beiras dos rios, igarapés, lagos e nascentes, no topo dos morros e nas encostas bem inclinadas, nas 96

97 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? restingas dos manguezais e na beira das chapadas. Por lei, esta mata não pode ser derrubada, pois ela está protegendo as águas e a terra. BENEFICIÁRIO: A pessoa que recebe benefícios do governo, como terra e créditos. BENS AMBIENTAIS: São o ar, as águas, o mar, abaixo da terra (subsolo), os animais e plantas silvestres. São bens da sociedade, para que sirvam a todos, garantido uma vida saudável para hoje e para o futuro. BENS IMÓVEIS: São a terra e tudo que se junta a ela, natural ou feito pelas pessoas. Assim, sua terra com as benfeitorias são seu imóvel. BENS PÚBLICOS: São os bens que pertencem ao governo, federal, estadual ou municipal. Incluem os bens de uso comum, que são os bens de uso coletivo, como os rios, o mar, os lagos, as estradas. Têm também os bens de uso especial, como os prédios do governo. E os bens dominiais, que incluem as terras públicas, que devem ser utilizados para o bem da sociedade. Todos esses bens são administrados pelo governo, seja federal, estadual ou municipal. BENS IMÓVEIS PÚBLICOS: Em poucas palavras, são as terras do governo (federal, estadual ou municipal), os lagos, os rios, as ilhas, o mar dentro dos limites do território do Brasil, os terrenos de marinha e os recursos minerais. CADASTRO DA TERRA: Todos os moradores de áreas rurais devem ir aos órgãos de regularização fundiária para apresentar os documentos da terra, provando assim seus direitos. Esse trabalho é feito em conjunto com o INCRA e os Institutos de Terras de cada Estado. No caso do Pará, no ITERPA. CONCESSÃO DE DIREITO REAL DE USO (CDRU): CONCESSÃO vem da palavra conceder, que quer dizer PERMITIR, DEIXAR. Como estamos falando de terra, concessão de uso significa DEIXAR USAR A TERRA. Assim, o Estado ou a União não vende nem dá a terra, mas deixa usar por um tempo que depende de um contrato que vai ser feito entre o governo e a Associação dos moradores. 97

98 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas CONSTITUIÇÃO FEDERAL: É a lei mais importante que devem guiar a vida em nosso país. DEMARCAÇÃO: É o processo de mapear os limites de uma área na terra, identificando as coordenadas (a localização exata, o endereço ) dos limites, e depois passar para um mapa. DIAGNÓSTICO: É como uma fotografia de uma comunidade ou região. Através de entrevistas e reuniões, produz-se um documento que mostra quem são as pessoas que vivem lá, quantos homens e mulheres, suas idades, a educação, saúde, infraestrutura, o que produzem na roça, animais que criam, os usos da floresta, rios e lagos, sua história, seus costumes, sua cultura. DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS: São todos os direitos dos trabalhadores, como aposentadoria, pensão por morte, salário maternidade e outros. A Lei também criou o tipo do segurado especial, que são os trabalhadores rurais, os pescadores artesanais, os garimpeiros. GEOREFERENCIAMENTO: é o processo de coletar informações sobre os pontos-chave do mapa da sua área e obter o endereço para todos estes pontos através do aparelho de GPS (Sistema de Posicionamento Global). GRILAGEM: Grilar é fazer um documento falso da terra. Por isso, uma terra grilada é uma terra roubada, sem documento verdadeiro. A palavra surgiu de pessoas que falsificavam os documentos de terra com datas antigas e guardavam o papel numa caixa com uma porção de grilos. Em poucos dias, os grilos faziam o papel ter uma cor amarelada, parecendo com um documento muito velho. HECTARES: É uma unidade de área que é usado por muitas organizações. Cada hectare corresponde a 100 metros de frente por 100 metros de fundo. A abreviação para hectare é ha. INTER-VIVOS : É quando a terra é passada para outra pessoa, por vontade das duas partes. Diferente da causa mortis que é quando essa mudança de dono da terra é feita porque a pessoa que era dona da terra morreu. 98

99 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? JURISDIÇÃO: é o limite até onde um órgão público deve atuar. Por exemplo, se você mora numa área que pertence ao Estado do Pará, a JURISDIÇÃO é do ITERPA, e não do INCRA. LÉGUA: Uma légua é metros ou 6 quilômetros e 600 metros. Uma légua quadrada é hectares.. Por exemplo, se um terreno tem uma légua de frente, quer dizer que ele tem 5 quilômetros e meio de frente. LIMITES DE RESPEITO: São as extremas de uma terra utilizada por uma família, onde os vizinhos reconhecem e respeitam aquele limite como sendo de direito da família. MÓDULO FISCAL: o tamanho de um módulo fiscal é uma medida de área em hectares, e é diferente para cada município. Quem pode informar é o INCRA. MORADIA HABITUAL: É o lugar onde uma família vive. PATRIMONIAL: É qualquer coisa material relativa a um bem, que é o patrimônio. Por exemplo, SEGURANÇA PATRIMONIAL trata então da segurança do bem material. POLÍGONO: É a delimitação de toda área (seja individual ou coletiva) que é mapeada. PROTOCOLAR: Entregar documentos na secretaria dos órgãos do governo. Esta entrega é feita em duas cópias, que são carimbadas pelo órgão, com a data do recebimento. Esta cópia carimbada recebe um número de processo, que é oficial, e significa que aquela Associação está requerendo aquela terra. No caso de terras, se outra pessoa ou Associação protocolar outros documentos pedindo a mesma área, o governo para o processo até decidir-se qual dos dois tem mais direito a receber a terra. REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA: Reconhecer nas formas da Lei que as pessoas que ocupam uma terra têm direitos sobre ela. Esse reconhecimento se dá quando o governo emite um documento que tem valor como documentação da terra. 99

100 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas RESERVA LEGAL: Na Amazônia, é a área de uma propriedade ou posse que não pode ser desmatada. Não contando as Áreas de Preservação Permanente, a Reserva Legal deve ser em 80% das terras. Uma vez que se define essa Reserva Legal, sua localização deve ser aprovada pelo órgão ambiental estadual (SEMA) e averbada à margem da matrícula do imóvel no Cartório. Este registro se chama AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL e é de graça para os pequenos produtores. Importante saber que uma vez que se definiu a área da Reserva Legal, ela não poderá virar pasto ou roça, pois deve sempre continuar como vegetação nativa. Isso não quer dizer que não podem ser utilizadas. Essas áreas podem ser manejadas para frutos, cipós, óleos, madeira e outros usos, desde que tenha um Plano de Manejo aprovado pela SEMA. TÍTULO: É o documento da terra que dá direitos ao seu possuidor sobre essa terra. Se o título for individual, pode vender a terra. TRANSFERÊNCIA DO BEM PÚBLICO: É quando o governo vende ou faz doação de uma coisa que é pública para uma pessoa, uma Associação ou uma empresa (chamado de particular). 8. CONCLUSÃO Este Manual percorreu uma longa trilha para chegar até aqui, passando por vários formatos, sendo revisado por várias pessoas. Isso levou a um amadurecimento, que acreditamos venha a contribuir com esse tema tão importante e complexo para a Amazônia, e principalmente para o Pará, que é a regularização fundiária. 100 Temos consciência que, assim, estamos tirando uma casca desta grande cebola, que é a informação básica sobre o processo de regularização fundiária. Existem as outras cascas a serem tiradas, para se chegar a esse miolo desejado, que é o documento final da terra. Mas como estamos lidando com produtores e beneficiadores de recursos naturais, pessoas acostumadas a trabalhar de sol-a-sol, temos certeza que vocês vão chegar lá.

101 Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? 9. AGRADECIMENTOS Este Manual teve um longo processo de inspiração e impulsos. Primeiramente, ele se baseia em muitos anos de experiência com regulamentação fundiária da FASE em Gurupá. A cartilha de Pedro Alves Vieira (Como documentar a terra) que explica alguns roteiros de regularização fundiária para diferentes modalidades serviu como ponto de partida para o presente Manual. Em 2007, a experiência de definição de diferentes propostas de regularização fundiária por mais de 20 comunidades em Porto de Moz ajudou esclarecer o tipo de informações necessárias para este processo difícil de entendimento e tomada de decisão. Assim, gostaríamos muito agradecer a todas as famílias que participaram dos dois Seminários de Regularização Fundiária da Margem Direita do Baixo Rio Xingu em 2007 e contribuíram com suas reflexões e perguntas. Neste contexto também gostaríamos agradecer o Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Porto de Moz pela articulação dos seminários e pela mobilização das propostas de regularização fundiária no município. Agradecemos para realização deste trabalho à delegação da Comissão Européia no Brasil. Nossos agradecimentos também a contribuição de Westphalen Nunes e Romy Sato para a concepção deste trabalho. 101

102 Trilhas da Regularização Fundiária para Populações nas Florestas Amazônicas Agradecemos pela paciência de terem nos acompanhado até aqui. Críticas e sugestões: Se vocês tem sugestões para melhorar este Manual ou querem fazer qualquer correção, por favor, entrem em contato com: Katia Carvalheiro, no endereço eletrônico: Christiane Ehringhaus no endereço eletrônico: 102

103

AMAZÔNICAS TRILHAS DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. BRASIL e PARÁ PARA COMUNIDADES NAS FLORESTAS

AMAZÔNICAS TRILHAS DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. BRASIL e PARÁ PARA COMUNIDADES NAS FLORESTAS TRILHAS DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA PARA COMUNIDADES NAS FLORESTAS AMAZÔNICAS 2ª Edição ATUALIZADA Como decidir qual a melhor solução para regularizar sua terra? BRASIL e PARÁ TRILHAS DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL Implantação e gestão territorial das UCs REGULARIZAÇÃO DA SITUAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE. Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental. Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE. Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental. Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental O QUE É O Cadastro Ambiental Rural - CAR-PA é um dos instrumentos

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural

Cadastro Ambiental Rural Cadastro Ambiental Rural E suas possíveis contribuições para a gestão de bacias hidrográficas Botucatu 28/06/2013 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

www.mda.gov.br MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS

www.mda.gov.br MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS Patrocínio: www.mda.gov.br MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS Realização: Secretaria do Patrimônio da União Ministério do Planejamento Ministério das Cidades Ministério do Desenvolvimento Agrário

Leia mais

Pendências fundiárias no Pará

Pendências fundiárias no Pará Pendências fundiárias no Pará Brenda Brito*, Sara Baima, Jamilye Salles No Estado do Pará, a situação fundiária é confusa e associada a conflitos no campo. Apesar de avanços nos últimos anos com a criação

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE ÉO CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

OFICINA Observatório Litoral Sustentável. Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União

OFICINA Observatório Litoral Sustentável. Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União OFICINA Observatório Litoral Sustentável Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União Cristiane Siggea Benedetto Coordenação Geral de Habitação e Regularização Fundíária Secretaria Nacional

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Luis Carrazza Apresentação no encontro temático do CONSEA Água, soberania e segurança alimentar e nutricional São Paulo/SP

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

ACT entre OCB e MMA CAR REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL. Brasilia, 13 maio de 2013.

ACT entre OCB e MMA CAR REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL. Brasilia, 13 maio de 2013. entre OCB e MMA CAR REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL Brasilia, 13 maio de 2013. Fato motivador Lei 12.651/2012 Desoneração da regularização ambiental das propriedades, através da metodologia do cadastro ambiental

Leia mais

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC 1ª edição 2005 Realização Apoio CRÉDITOS Produção Ethnos estratégias socio ambientais - ethnosconsultoria@uol.com.br

Leia mais

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios 30 anos da FLONA do Jamari História e desafios Porto Velho- RO Outubro/2014 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio Autarquia Federal vinculada ao MMA Missão: Proteger o patrimônio

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário. Regularização Fundiária na Amazônia Legal TERRA LEGAL AMAZÔNIA

Ministério do Desenvolvimento Agrário. Regularização Fundiária na Amazônia Legal TERRA LEGAL AMAZÔNIA Ministério do Desenvolvimento Agrário Regularização Fundiária na Amazônia Legal TERRA LEGAL AMAZÔNIA Neste material Primeira parte: O que é o Terra Legal? Situação atual Mudanças no marco legal (MP 458-

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária e o Licenciamento Ambiental.

O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária e o Licenciamento Ambiental. Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Incra O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária

Leia mais

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011 DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS Junho/2011 CONTEXTO Das 310 Ucs Federais, 251 são domínio público DOMÍNIO TERRAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS DOMÍNIO TERRAS PÚBLICAS

Leia mais

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial:

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: 1. ETAPA CADASTRANTE Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: Endereço do Cadastrante: Logradouro Número: Complemento: Bairro:

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli LEI 11.284/2006 LEI DA CONCESSÃO DE FLORESTAS SUMÁRIO 1 Introdução 2 Serviço

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 31-03-2010 SEÇÃO I PÁG 105-106 RESOLUÇÃO SMA- 029 DE 30 DE MARÇO DE 2010 Dispõe sobre estudos técnicos para subsidiar alteração de limites e mudança de categorias

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável José Humberto Chaves Gerência de Planejamento Florestal Setembro, 2010-1 - Sumário 1. As florestas no Brasil. 2. O Setor Florestal

Leia mais

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR 1. MÓDULO DE IDENTIFICAÇÃO DO IMÓVEL Nome do Imóvel: Município: Imóvel em Zona: [ ] Rural [ ] Expansão Urbana [ ] Urbana Referência de acesso: Endereço

Leia mais

Edição: Centro de Cultura Luiz Freire - Aldenice Teixeira Instituto Sumaúma - Maria das Dores Barros. Revisão: Fotos:

Edição: Centro de Cultura Luiz Freire - Aldenice Teixeira Instituto Sumaúma - Maria das Dores Barros. Revisão: Fotos: Expediente Edição: Centro de Cultura Luiz Freire - Aldenice Teixeira Instituto Sumaúma - Maria das Dores Barros Coordenação de Edição: Texto: Revisão: Fotos: Rogério Barata Projeto gráfico e Diagramação:

Leia mais

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros Sumário Executivo Maio de 2015 Este sumário executivo apresenta um panorama nacional

Leia mais

BALANÇO DE GOVERNO (2003/2010): AÇÃO DA SPU NA AMAZÔNIA LEGAL

BALANÇO DE GOVERNO (2003/2010): AÇÃO DA SPU NA AMAZÔNIA LEGAL BALANÇO DE GOVERNO (2003/2010): AÇÃO DA SPU NA AMAZÔNIA LEGAL Eixo: Desenvolvimento Sustentável com Redução de Desigualdades Desenvolvimento regional o PROPOSTA DO PLANO DE GOVERNO: Atuar nas áreas com

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro do Meio Ambiente Carlos Minc. Secretária-Executiva Izabella Teixeira

FICHA TÉCNICA. Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro do Meio Ambiente Carlos Minc. Secretária-Executiva Izabella Teixeira FICHA TÉCNICA Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Meio Ambiente Carlos Minc Secretária-Executiva Izabella Teixeira Diretor Geral do Serviço Florestal Brasileiro Tasso Resende

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

Divisão de. Avaliação e Perícia

Divisão de. Avaliação e Perícia Divisão de Avaliação e Perícia índice 3 5 6 a scot consultoria serviços de avaliação e perícia avaliação de imóveis rurais SUgestão de divisão de propriedades rurais Laudo de comprovação de produtividade

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

As vantagens de partilhar seus bens em vida

As vantagens de partilhar seus bens em vida As vantagens de partilhar seus bens em vida Antecipar a herança por meio de doações pode sair mais em conta e protege a família de preocupações Planejar a partilha da herança poupa a família de gastos

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las! 3 Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO PARÁ:

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO PARÁ: REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO PARÁ: Afinal, qual o problema? Brenda Brito Dário Cardoso Jr. Regularização Fundiária no Pará: Afinal, qual o problema? Brenda Brito Dário Cardoso Jr. Maio de 2015 Copyright

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

O INCRA E O ASSENTAMENTO

O INCRA E O ASSENTAMENTO O INCRA E O ASSENTAMENTO É um conjunto de medidas que visa promover a melhor distribuição da terra, mediante modificação no regime de sua posse e uso, a fim de atender aos princípios da justiça social

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Motivação. Capacitar para transformar. O desempenho do agronegócio no Brasil tem apresentando rendimentos significativos na

Motivação. Capacitar para transformar. O desempenho do agronegócio no Brasil tem apresentando rendimentos significativos na FAZENDA LEGAL Motivação O desempenho do agronegócio no Brasil tem apresentando rendimentos significativos na formação do PIB nacional. Grande parte desses resultados credita-se aos produtores e trabalhadores

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara Setorial de Hortaliças

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara Setorial de Hortaliças Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara Setorial de Hortaliças O QUE ÉCAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como criá-las e como negociá-las ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS

Leia mais

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras Programa 2066 - Reforma Agrária e Ordenamento da Estrutura Fundiária Número de Ações 11 Tipo: Operações Especiais 0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos -

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural. Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas

Sistema de Cadastro Ambiental Rural. Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas Sistema de Cadastro Ambiental Rural Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas CAR - Lei 12.651/2012: Cadastro Ambiental Rural Lei 12.651/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR,

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL 1. DISPENSA AOS PROPRIETÁRIOS DE ÁREAS CONSOLIDADAS DE RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL Art. 61 a. Área rural consolidada: é a área de imóvel rural com ocupação

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

Análise da Legislação para o Manejo Florestal por Produtores de Pequena Escala na Amazônia Brasileira

Análise da Legislação para o Manejo Florestal por Produtores de Pequena Escala na Amazônia Brasileira Projeto ForLive Manejo florestal por pequenos produtores rurais na Amazônia - Uma oportunidade para melhorar a estabilidade ambiental e os meios de vida na área rural Estudo comparativo Análise do Marco

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998 PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998 Dispõe sobre as terras de domínio do Estado de Roraima e sua atuação no processo de Reforma Agrária, Regularização Fundiária

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

TÍTULO: ANOTAÇÕES SOBRE A LEI DE GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS E AS LICITAÇÕES PARA CONCESSÃO FLORESTAL

TÍTULO: ANOTAÇÕES SOBRE A LEI DE GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS E AS LICITAÇÕES PARA CONCESSÃO FLORESTAL Página112 TÍTULO: AS LICITAÇÕES PARA CONCESSÃO FLORESTAL Vanderson Roberto Vieira 1 SUMÁRIO: 1- INTRODUÇÃO; 2- FNDF; 3- PLANO ANUAL DE OUTORGA FLORESTAL - PAOF; 4- CONCESSÃO FLORESTAL ONEROSA; 5- A LICITAÇÃO

Leia mais

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas!

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Os povos indígenas Kaingang, Guarani, Xokleng, comunidades Quilombolas do Rio Grande

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2008. (Do Sr. Geraldo Resende)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2008. (Do Sr. Geraldo Resende) 1 REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2008. (Do Sr. Geraldo Resende) Requer informações ao Senhor Gilberto Passos Gil Moreira, Ministro de Estado da Cultura - MinC, sobre a Certificação de Auto-reconhecimento

Leia mais

05/06/2006. Discurso do Presidente da República

05/06/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de comemoração do Dia Mundial do Meio Ambiente e de lançamento de ações para o desenvolvimento sustentável da Amazônia Palácio do Planalto, 05 de junho de 2006

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

Sistema de Controle Ambiental do Amazonas SCAAM - VERSÃO 1.0

Sistema de Controle Ambiental do Amazonas SCAAM - VERSÃO 1.0 Sistema de Controle Ambiental do Amazonas SCAAM - VERSÃO 1.0 Manaus Agosto 2012 2 MANUAL OPERACIONAL DO MÓDULO - CAR 3 SOLICITAÇÃO DO PRODUTO A metodologia foi desenvolvida de acordo com o contrato de

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior.

Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior. Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior. 1- Promover o acesso igualitário das mulheres ao programa

Leia mais

Interessantíssima pesquisa fez Benedito Ferreira Marques 1, que em sua obra muito bem lembrou que:

Interessantíssima pesquisa fez Benedito Ferreira Marques 1, que em sua obra muito bem lembrou que: 1 CADASTRO AMBIENTAL RURAL, CONTAGEM REGRESSIVA: Definições Importantes e a Demanda do Agronegócio Sul-Mato-Grossense 1. SOBRE O CAR, DEFINIÇÕES, VANTAGENS E DESVANTAGENS Em 06 de Maio deste ano de 2014,

Leia mais

Senado Federal. Senador. Brasília DF

Senado Federal. Senador. Brasília DF Senado Federal Senador Brasília DF Apresentação O Cadastro Ambiental Rural CAR é um instrumento de reconhecimento e regularização das propriedades rurais. Foi criado pelo novo Código Florestal Brasileiro,

Leia mais

APRESENTA. bolsa07.indd 1 18/11/14 21:42

APRESENTA. bolsa07.indd 1 18/11/14 21:42 APRESENTA bolsa07.indd 1 18/11/14 21:42 bolsa07.indd 2 18/11/14 21:42 MINHA AVÓ QUE ME CONTAVA, QUE LÁ PRA ANTIGAMENTE, A NOITE ERA CHEIA DE MUITA ESTRELA, TINHA MAIS BICHO DO QUE GENTE E AS ÁRVORES MAIS

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União

Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União Seminário Nacional de Gerenciamento Costeiro Brasília, 4 de novembro de 2014 Reinaldo Redorat A área pública não é do Estado e sim, de todos!

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 350/2015, DE 29 DE JUNHO DE 2015.

LEI COMPLEMENTAR Nº 350/2015, DE 29 DE JUNHO DE 2015. LEI COMPLEMENTAR Nº 350/2015, DE 29 DE JUNHO DE 2015. CRIA O CONSELHO E O FUNDO MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL CONREDES/FUMREDES, E CRIA O PROGRAMA MUNICIPAL

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

Atividades. Caro professor, cara professora,

Atividades. Caro professor, cara professora, Atividades Caro professor, cara professora, Apresentamos mais uma nova proposta de atividade sobre alguns dos temas abordados pelo programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil*. Ela inaugura a

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Desafios da regularização Fundiária em Mato Grosso

Desafios da regularização Fundiária em Mato Grosso 1 Desafios da regularização Fundiária em Mato Grosso Afonso Dalberto Presidente do Instituto de Terras de Mato Grosso INTERMAT Cuiabá - MT, 19 de agosto de 2009 2 A atual situação fundiária do Estado de

Leia mais

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal ASCOM t ru ir l e g a legal construir cons Quero l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Elaboração: Lilian Márcia Neves Haddad Arquiteta Urbanista, CREA 90.776/D MG - Especialista em Planejamento

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS:

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS: O mais importante Do novo Código Florestal Engª Agrônoma Carla Beck- FAEP/DTE As propriedades rurais ocupadas até 22 de julho de 2008, terão que cumprir as seguintes regras estabelecidas pelo novo Código

Leia mais

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras Programa 2066 - Reforma Agrária e Ordenamento da Estrutura Fundiária Número de Ações 34 Tipo: Operações Especiais 0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos -

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

AGROEXTRATIVISTAS DO CERRADO: ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO REALIZAÇÃO: APOIO:

AGROEXTRATIVISTAS DO CERRADO: ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO REALIZAÇÃO: APOIO: REALIZAÇÃO: Centro de Desenvolvimento Agroecológico do Cerrado AVALIANDO E UTILIZANDO INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO APOIO: 2005 CARTILHA: AVALIANDO E UTILIZANDO

Leia mais

Projeto de Zoneamento Ecológico Econômico Participativo Diretrizes, estratégias e ações para a sustentabilidade

Projeto de Zoneamento Ecológico Econômico Participativo Diretrizes, estratégias e ações para a sustentabilidade 1 Projeto de Zoneamento Ecológico Econômico Participativo Diretrizes, estratégias e ações para a sustentabilidade Realização: Prefeitura de Nova Bandeirantes - MT Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011 Regula, no âmbito do Instituto Chico Mendes, as diretrizes,

Leia mais

Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável

Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável Com a aceleraça o do aquecimento global e o crescimento populacional, cada

Leia mais

A Cooperação UE no Estado de Pará

A Cooperação UE no Estado de Pará A Cooperação UE no Estado de Pará Informações gerais: Superficië (km²): 1.247.689,515 População (IBGE 2012): 7.792.561 Produto Interno Bruto - PIB (2008) em R$ milhões: 58.519 Indice de Desenvolvimento

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 Altera o Decreto-Lei nº 1.876, de 15 de julho de 1981, e o Decreto-Lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987, para isentar da cobrança de laudêmio, foro e taxa de

Leia mais

Resultados, lições e desafios para o desenvolvimento sustentável na Amazônia

Resultados, lições e desafios para o desenvolvimento sustentável na Amazônia Seminário O Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil: Resultados, lições e desafios para o desenvolvimento sustentável na Amazônia Santarém, 21 a 24 de junho de 2005 Mesa Temática

Leia mais

49201 - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - Incra

49201 - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - Incra 49201 - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - Incra Quadro Síntese - Função, Subfunção e Programa Total Órgão Total Unidade Função Total Subfunção Total Programa Total 09. Previdência

Leia mais

TERRA LEGAL E NOSSA VÁRZEA: DUAS CONCEPÇÕES DIVERSAS DE POLÍTICAS DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E ACESSO À TERRA

TERRA LEGAL E NOSSA VÁRZEA: DUAS CONCEPÇÕES DIVERSAS DE POLÍTICAS DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E ACESSO À TERRA TERRA LEGAL E NOSSA VÁRZEA: DUAS CONCEPÇÕES DIVERSAS DE POLÍTICAS DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E ACESSO À TERRA Alexandre Arbex Valadares* Nos últimos anos, o Estado brasileiro tem empreendido uma política

Leia mais

SERFAL Secretaria Extraordinária ria de Regularização Fundiária da Amazônia Legal

SERFAL Secretaria Extraordinária ria de Regularização Fundiária da Amazônia Legal SERFAL Secretaria Extraordinária ria de Regularização Fundiária da Amazônia Legal SIPAM INCRA Ministérios do Desenvolvimento Agrário e da Defesa Programa Terra Legal Em 2009: Programa Terra Legal é criado,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal Prazos para o Poder Público Artigo Obrigação Prazo 11, 5º 13, 2º 29 47 59 59, 1º 78-A 82 Conclusão do Zoneamento Ecológico- Econômico da Zona Costeira ZEEZOC

Leia mais

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL RESUMO PARA POLÍTICA PÚBLICA NOVO CÓDIGO FLORESTAL PARTE I: DECIFRANDO O NOVO CÓDIGO FLORESTAL QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL O novo Código Florestal dispõe sobre o uso e a proteção da vegetação

Leia mais