BENJAMIN MARTIN: PROFESSOR ITINERANTE, FABRICANTE DE INSTRUMENTOS CIENTÍFICOS E DIVULGADOR DA CIÊNCIA NEWTONIANA NA INGLATERRA DO SÉCULO XVIII.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BENJAMIN MARTIN: PROFESSOR ITINERANTE, FABRICANTE DE INSTRUMENTOS CIENTÍFICOS E DIVULGADOR DA CIÊNCIA NEWTONIANA NA INGLATERRA DO SÉCULO XVIII."

Transcrição

1 BENJAMIN MARTIN: PROFESSOR ITINERANTE, FABRICANTE DE INSTRUMENTOS CIENTÍFICOS E DIVULGADOR DA CIÊNCIA NEWTONIANA NA INGLATERRA DO SÉCULO XVIII. LUIZ CARLOS SOARES * 1) ASPECTOS DA TRAJETÓRIA DE VIDA DE BENJAMIN MARTIN. Entre os anos 1740 e 1780, Benjamin Martin foi reconhecido, pelos meios intelectuais ingleses, como um dos mais importantes Filósofos Naturais Newtonianos e o mais importante divulgador da obra de Sir Isaac Newton. 1 Para os padrões do século XVIII, Martin teve uma longa vida (viveu de 1704 a 1782) e também a felicidade de ter grande parte da sua obra publicada e reconhecida pelo público em meados daquele século, que correspondeu ao momento culminante do movimento ilustrado (na Grã-Bretanha e na Europa Continental) e se constituiu num período de enorme interesse e fascinação pela Filosofia Mecânica e Experimental Newtoniana e pela Ciência Aplicada, particularmente na Inglaterra. 2 Nos anos 1730, Benjamin Martin dirigiu uma escola na cidade de Chichester e também iniciou sua atividade de fabricação instrumentos científicos. Sua escola era uma espécie de internato (boarding school) ou academia (que correspondia a uma escola de ensino médio), recebendo alunos das mais diversas origens, para os quais era oferecido um plano de estudos bastante variado, mas que já enfatizava o ensino de Matemática, Astronomia, Geografia e outros campos da Filosofia Natural, além de procurar iniciar seus estudantes no uso e fabricação de instrumentos científicos. (MARTIN, 1735: p. xxx) No início dos anos 1740, Martin fechou a sua escola em Chichester e se lançou na atividade de professor independente e itinerante de Filosofia Natural e Experimental Newtoniana, percorrendo diversas cidades do Sul, Centro e Oeste da Inglaterra e adquirindo * Professor Titular Aposentado da Área de História Moderna e Contemporânea do Departamento de História da UFF, Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em História da UFF e Professor Colaborador do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia da UFRJ. 1 Um estudo detalhado e aprofundado sobre a vida e a trajetória intelectual de Benjamin Martin é o livro de John R. MILLBURN Benjamin Martin: author, instrument-maker, and country showman. Leyden, Noordhoff International Publishing, Sobre o enorme interesse pela Ciência Aplica e o clima de fascinação que esta exercia, em meados do século XVIII, ver: Paul Langford The eighteenth century ( ), in Paul Langford and Christopher Harvie The 18 th century and the age of industry. The Oxford History of Britain. Oxford, Oxford University Press, 1992, p

2 grande respeitabilidade nesta sua nova atividade profissional. Martin se tornou um grande divulgador da Filosofia Natural e Experimental Newtoniana através dos inúmeros cursos que ministrou no interior do país até a primeira metade dos anos Martin procurou atrair uma diversificada clientela para seus cursos de 12 aulas, ilustrados por muitos experimentos, com um esquema eficiente de propaganda que tinha suas publicações (manuais e libretos) como principais elementos de divulgação de suas atividades didáticas, que eram vendidas por ele mesmo, em suas andanças pelo interior do país, ou por livreiros autorizados. 3 Por volta de 1756, já com 52 anos e cansado de suas andanças pelo interior, como professor itinerante, Martin abriu uma loja e oficina de instrumentos matemáticos e científicos na movimentada Fleet Street, de Londres, onde ele produzia e comercializava muitos de seus inventos e aperfeiçoamentos, entre os quais se encontravam diversos tipos e tamanhos de telescópios e microscópios cilíndricos, além de óculos para a correção da visão. A Fleet Street era um ponto tradicional dos mais importantes fabricantes de instrumentos matemáticos e científicos de Londres, o que obrigou Martin a desenvolver métodos empresariais ousados e inovadores, como a formação de grande e variado estoque para atendimento da sua potencial clientela, e técnicas de propaganda e divulgação de suas atividades bastante sofisticadas, para a época, que incluíam anúncios em jornais, a publicação de catálogos detalhados e libretos explicativos dos instrumentos oferecidos e cursos de Filosofia Natural e Experimental, com número de aulas variado em função da maior ou menor complexidade dos temas abordados. Ao final de seus livros e libretos, Martin sempre procurava reproduzir estes catálogos, de modo parcial ou integral, com a seguinte chamada: UM CATÁLOGO de Instrumentos Filosóficos, Ópticos e Matemáticos, Elaborado e Vendido por BENJAMIN MARTIN, em sua Loja, (...) duas Portas abaixo de Crane-Court, Fleet Street. (MARTIN, 1756: pp ) Nos anos 1770, Martin entregou a administração direta de seus negócios ao filho, Joshua Lover Martin, que não soube, no entanto, administrá-los competentemente, e, no início de janeiro de 1782, foi declarada a falência da loja de Fleet Street, o que deixou o velho Martin bastante deprimido e com um forte sentimento de desonra. O estado de depressão e desonra levou à tentativa de suicídio mal sucedida, mas as seqüelas pioraram seu estado de saúde e ele veio falecer um mês depois, em 9 de fevereiro de 1782, sendo boa parte de seu patrimônio (estoques de livros, libretos e instrumentos matemáticos e científicos) colocada em 3 Sobre a importância de Benjamin Martin como professor itinerante de Filosofia Natural e Experimental Newtoniana, ver também: Luiz Carlos SOARES O mecanicismo newtoniano e a ideia de ciência aplicada na Inglaterra do século XVIII ( Capítulo II), em A Albion revisitada: ciência, religião, ilustração e comercialização do lazer na Inglaterra do século XVIII. Rio de Janeiro, FAPERJ Editora 7 Letras,

3 leilão para pagamento de seus credores. Seus obituários, nos jornais londrinos, reconheceram a importância de suas atividades e sua trajetória intelectual, considerando-o como um filósofo que era um honra para este país (Inglaterra) ou o matemático mais eminente da sua época. (MILLBURN, 1976: pp. 1 e ) 2) BENJAMIN MARTIN E A DIVULGAÇÃO DA FILOSOFIA NATURAL E EXPERIMENTAL NEWTONIANA: SUAS PRINCIPAIS OBRAS. Em nossa opinião, pode-se creditar a Martin o título de maior divulgador do Newtonianismo na Inglaterra do século XVIII, principalmente em virtude da grande diversidade de sua obra, pois ele tanto escrevia para um público de especialistas ao falar dos aspectos técnicos mais intrincados dos seus inventos e aperfeiçoamentos e dos fundamentos matemáticos e metafísicos mais abstratos das teorias Newtonianas, como também para aqueles que pretendiam se iniciar nesta perspectiva da Filosofia Natural. Entre 1735 e 1782 (ano de sua morte), Martin publicou desde diversos opúsculos e livros de divulgação de seus inventos e aperfeiçoamentos, até compêndios, livros e dicionários acerca dos assuntos mais variados: Filosofia Natural (incluindo aqui a Física e a Óptica Newtonianas), Matemática, Navegação, Geografia, Cartografia, Química, História Natural e Língua Inglesa. Evidentemente, não poderemos indicar toda a diversidade da produção de Benjamin Martin, o que faremos apenas com as suas obras que julgamos mais importantes nos âmbitos da sua atividade como professor itinerante e da divulgação da Filosofia Natural Newtoniana. O primeiro grande livro de Martin foi The Philosophical Grammar; being a view of the present state of experimental physiology, or natural philosophy. In four parts, que teve a sua primeira edição publicada em Londres, em Este livro, talvez, possa ser considerado o maior sucesso da carreira editorial do autor, que, até 1778, chegou a publicar 18 edições da obra, sempre com grande sucesso comercial, constituindo-se num dos grandes best sellers do século XVIII, na Inglaterra. Inclusive, The Philosophical Grammar chegou a receber uma tradução francesa (de 384 páginas) Grammaire des Sciences Philosophiques, ou analyse abregée de la philosophie moderne, appuyée sur les expriences, feita por Philippe Florent 3

4 de Puisieux e publicada em 1749, num momento em que Paris vivia a grande efervescência cultural da Ilustração. 4 (MARTIN, 1735) Na dedicatória da primeira edição de The Philosophical Grammar, Martin explicitava claramente o seu objetivo de fornecer, com este livro, à Juventude Britânica de Ambos os Sexos, os Rudimentos, ou Primeiros Princípios da Filosofia Natural, sendo ele Destinado ao seu Deleite e Diversões Racionais, seu Benefício e Uso Real, e no Aperfeiçoamento de suas Mentes no que se relaciona à Parte mais Nobre do Conhecimento. Martin considerava ainda esta obra como um compêndio ou uma síntese, cujo conteúdo era extraído das obras dos maiores Naturalistas do passado e do presente, elaborado através do Modo familiar do Diálogo, adaptado apropriadamente às Capacidades da Juventude de ambos os Sexos; e adornado e ilustrado com uma Variedade de Ilustrações, Mapas, etc., muitos deles são inteiramente novos, e muito fáceis de serem entendidos. (MARTIN, 1735: pp. s/nº) De modo geral, Martin procurou abarcar na The Philosophical Grammar as quatro grandes partes em que, segundo ele, estava dividida a Filosofia Natural (ou a Fisiologia, como também Martin gostava de denominá-la), que eram: Parte I. Somatologia, tratando a Natureza universal e as Propriedades da Matéria, ou Substância, e as Qualidades específicas dos Corpos naturais. Parte II. Cosmologia, exibindo uma Visão geral do Universo, e suas grandes Partes constituintes; o Sol, a Lua, os Planetas, Cometas, Estrelas fixas, etc. Parte III. Aerologia, relativa à Filosofia da Atmosfera, apresentando a Natureza maravilhosa e as Propriedades do Ar, os Ventos, os Meteoros, e outros Fenômenos pertinentes. Part IV. Geologia, contendo uma Visão Filosófica do Globo terrestre, em todas as suas Partes e Produções; tais como Minerais, Metais, Pedras, etc. As Leis dos Fluídos; o Mar, suas Marés, etc. Os Rios, Fontes, etc. A Vegetação e a Natureza das Plantas, Árvores, etc. As Partes dos Corpos dos Animais; e uma Amostra da Natureza dos Animais, Peixes, Insetos, Répteis, Animais de Conchas, etc. (MARTIN, 1735: p. s/nº) O segundo grande livro de Martin foi a Bibliotheca Technologica: or, a philosophical library of literary arts and sciences, publicado primeiramente em 1737, em Londres, com 652 páginas. Mais três edições deste livro foram publicadas, nesta mesma cidade, em 1740, 1747 e Nesta obra, Martin procurou indicar e fazer comentários de livros que abarcavam os diversos campos do conhecimento humano, numa dimensão mais enciclopédica, e também 4 Para informações sobre as diversas edições desta obra, ver o catálogo geral on line da British Library. 4

5 refletia sobre as possibilidades de aplicação dos conhecimentos relativos à natureza, através das artes mecânicas. Nos sete primeiros capítulos, Martin abordava desde a Teologia até a Mitologia, passando pela Ética, Moral, Religiões (Paganismo, Judaísmo, Cristianismo e Maometismo). Do capítulo oito ao treze, os campos do conhecimento abordados são os seguintes: Linguagem, Gramática, Retórica, Lógica, Metafísica (ou Ontologia), Poesia e Crítica. Do capítulo quatorze ao dezesseis, os campos tratados são a Geografia, a Cronologia e a História. As Ciências da Natureza e o conhecimento médico são tratados do capítulo dezessete ao vinte e três, abordando a Fisiologia ou Filosofia Natural, a Botânica ou Fitologia, a Anatomia, a Farmácia, a Química, a Física ou Teoria da Medicina e das Doenças e a Cirurgia. Do capítulo vinte e quatro ao vinte e seis, são abordadas a Política, a Economia, a Jurisprudência e a Heráldica. O capítulo vinte e sete, que é o último do livro, apresenta um conjunto do que o autor chama de Miscelâneas Filológico-Matemáticas. (MARTIN, 1737) Em 1740, Martin lançou, em Londres, seu compêndio sobre a Óptica Newtoniana, intitulado A new compendious system of optics. In three parts (310 páginas). Martim dedicou este livro a Martin Folkes, que era então vice-presidente da Royal Society de Londres, como parte de sua campanha (mal sucedida) para ser eleito membro (Fellow) daquela respeitável instituição filosófico-científica. Na realidade, as três partes do campo da Óptica, abordadas no livro, são: PARTE 1. CATOPTRICA, ou Doutrina da Visão através dos Raios refletidos a partir dos Espelhos, ou Superfícies polidas. PARTE II. DIOPTRICA, ou Teoria da Visão a partir dos Raios refletidos atravésmde Lentes, ou Substancias transparentes. PARTE III. Uma Descrição Prática de um grande Número dos Instrumentos ópticos e Máquinas mais Úteis, e sua Construção apresentada a partir da Teoria; viz. O Olho, a Câmra Obscura, Microscópios simples e duplos, Telescópios refratores e refletores, Lentes Perspectivas, a Lanterna Mágica, etc. A maneira de adaptação de Micrometros para Microscópios e Telescópios de todo o Tipo de reflexo. (MARTIN, 1740: p. s/nº) Em 1843, seria a vez do seu manual sobre Física, Astronomia e Geografia, na perspectiva Newtoniana, ser lançado em Reading, destinado diretamente àqueles que assistiam aos seus cursos em diversas cidades e também aos professores independentes e/ou itinerantes que ministravam cursos de Filosofia Natural e Experimental, além do público em geral. O título completo deste manual (de 123 páginas) era A Course of Lectures in Natural and Experimental Philosophy, Geography and Astronomy: in which the Properties, 5

6 Affections, and Phaenomena of Natural Bodies, hitherto discover'd, are exhibited and explain'd on the Principles of the Newtonian Philosophy, &c. Martin dedicou este livro ao jovem Earl of March, que era o filho mais velho do Duque e da Duquesa de Richmond, de quem o autor procurava se aproximar e garantir apoio de possíveis patronos para ingressar na Royal Society, o que acabou não acontecendo. (MARTIN, 1743) Este livro estava organizado em 12 capítulos, que correspondiam ao conteúdo de cada uma das aulas ministradas por Martin em todo o seu curso, e abordavam: 1) Das Propriedades dos Corpos; Os diferentes Tipos de Atração; Da Atração da Eletricidade; Da Atração do Magnetismo; Da Atração da Gravitação. 2) Mecânica (Movimento; e Lei do Movimento). 3) Mecânica (Centros de Magnitude, Movimento, e Gravitação de Corpos). 4) Hidrostática (Natureza, Gravidade e Pressão dos Fluídos). 5) Hidraúlica (The Motion of Fluids, viz. their Descent or Rise). 6) Pneumática (Natureza, Propriedades e Efeitos da Atmosfera, ou Corpo de Ar que envolve a Terra). 7) A Doutrina dos Ventos e Sons. 8) Da Luz e Cores. 9 e 10) Óptica ("A Visão, e os vários Fenômenos dos Objetos Visíveis, através de Raios de Luz refletidos a partir de Espelhos, e transmitidos através de Lentes, que constitui o Objeto da encantadora Ciência da Óptica ). 11) O Sistema Copernicano ou Solar, explicado através do Planetário e do Cometarium. 12) "O Uso dos Globos. (MARTIN, 1743, p. s/nº) Entretanto, ao invés de lançar uma segunda edição de A Course of Lectures in Natural and Experimental Philosohphy, Martin procurou ampliá-lo e escreveu uma nova obra, em 2 volumes, também destinada a seus alunos mais avançados, aos professores independentes e/ou itinerantes de Filosofia Natural e Experimental e ao grande público. Esta obra teve sua primeira edição lançada em Reading, em 1747 e se intitulava Philosophia Britannica: or, a new and comprehensive system of the Newtonian philosophy, astronomy, and geography. Mais três edições deste livro (de grande sucesso de público) ainda seriam lançadas em 1752 (esta edição foi reproduzida em 1759, com um suplemento apresentando novos experimentos sobre eletricidade e magnetismo artificial), em 1771 (a qual incorporava o referido suplemento) e em Esta teve uma tradução para o alemão, publicada em três volumes, 6

7 em Leipzing, numa primeira edição de 1772 e numa outra de Martim dedicou a este livro a Sir William Lee, que era o Chefe de Justiça da Corte de Sua Majestade e membro do Conselho Privado do Rei George II, numa clara tentativa de se aproximar de indivíduos poderosos e influentes, que pudessem trazer uma maior chancela a sua atuação profissional e maiores rendimentos em virtude do aumento de seu prestígio pessoal. (MARTIN, 1747) De fato, desde a primeira edição de Philosophia Britannica, Martin procurou tratar dos assuntos de seu curso de 12 aulas de forma mais profunda, procurando ilustrar seus experimentos com maiores detalhes descritivos e setenta e cinco ilustrações. O primeiro volume de Philosophia Britannica (com 343 páginas) correspondia aos conteúdos das cinco primeiras aulas do curso: "Aula I As Regras do Filosofar, O Método da Filosofia Newtoniana, A Natureza da Matéria ou Substância, Os Elementos dos Corpos Naturais (Sobre a Propriedade dos Corpos), Argumento acerca do Vácuo, Divisibilidade da Matéria (ad infinitum), Sobre a Atração e Repulsão em Geral, A Lei Geral da Gravidade, Sobre a Atração e Coesão; Eletricidade; Magnetismo. Aula II Mecânica. Atração da Gravitação, Movimento e Repouso (especialmente, as Leis da Natureza de Sir I. Newton); as Leis do Movimento em Corpos cadentes, etc. Sobre os Pêndulos; Doutrina dos Projéteis; Movimento Circular. Aula III Mecânica. Forças Mecânicas, Carruagens de Roda. Aula IV Hidrostática. Aula V Hidráulica. Bombeamento, Motores Hidráulicos e a Vapor, As Marés". (MARTIN, 1747: Volume I) O segundo volume de Philosophia Britannica (com 526 páginas) correspondia aos conteúdos das sete últimas aulas do curso: "Aula VI Pneumática. Aula VII Sobre os Ventos e Sons, Fundamentos da Música. Aula VIII Sobre a Luz e as Cores. Sobre a Luz. Sobre as Cores Aulas IX e X Óptica. Sobre Espelhos e Lentes. Sobre o Olho e a Visão. Instrumentos Ópticos. Aula XI Astronomia. Aula XII O Uso de Globos". (MARTIN, 1747: Volume II) 5 Para informações sobre as demais edições desta obra, ver catálogo on line da British Library. 7

8 Como nem todos os frequentavam suas aulas tinham formação aprofundada para entender os conteúdos dos dois volumes de Philosophia Britannica, Martin foi obrigado a publicar um livro mais reduzido e sintético (com apenas 63 páginas) em que, ao mesmo tempo em que apresentava os tópicos gerais de suas aulas, fazia uma defesa enfática da Filosofia Natural e Experimental Newtoniana. O título deste livro é A Panegyrick on the Newtonian Philosophy e sua primeira edição foi lançada em 1749, em Londres e em Bath simultaneamente. Em 1754, uma segunda edição do livro também foi lançada em Londres. 6 Martin dedicou livro a seus subscritores, ou seja, os cavalheiros e damas que formavam a audiência de seus cursos e procurou conscientizá-los não apenas acerca da Natureza e Dignidade da Ciência, como também procurava refletir sobre a sua dimensão ética e moral, enfatizando Sua absoluta Necessidade para a Perfeição da Natureza Humana; o Aperfeiçoamento das Artes e das [próprias] Ciências; a Promoção da verdadeira Religião; o Aumento da Riqueza e da Honra; e a Completa Felicidade Humana. (MARTIN, 1749: p. s/nº) No início dos anos 1750, Martin começou a sentir os esforços de mais de uma década percorrendo as cidades do interior da Inglaterra ministrando cursos ininterruptamente durante boa parte do ano. Há claros indícios de que ele adotou uma nova metodologia de ensino baseada em cursos mais rápidos de seis sessões ou aulas, com conteúdos mais sintéticos. Para compensar a redução do número de aulas, Martin sentiu necessidade de ampliar um pouco mais seu texto-base para estes cursos e publicou, em 1751, em Londres, o manual (de 164 páginas) intitulado A Plain and Familiar Introduction to the Newtonian Philosophy, in Six Sections. Uma segunda edição revisada deste manual também foi publicada em 1754, na capital inglesa. 7 Na sua página de rosto, Martin assinalava o caráter introdutório do livro e indicava quem era seu público alvo: Destinado ao Uso daqueles Cavalheiros e Damas, sem um Aprendizado Matemático, que gostariam de adquirir um conhecimento competente desta Ciência; E mais especialmente aqueles que assistem, ou poderão assistir, o Curso do Autor com Seis Aulas e Experimentos acerca destes Conteúdos. (MARTIN, 1751: p. s/nº) As seis sessões ou aulas de A Plain and Familiar Introduction to the Newtonian Philosophy eram as seguintes: 6 Para informações sobre a segunda edição deste livro, ver catálogo on line da British Library. 7 Para informações sobre a segunda edição desta obra, ver catálogo on line da British Library. 8

9 SEÇÃO I FÍSICA. Contendo uma Descrição de Instrumentos, Preparações e Experimentos que explicam e ilustram as Forças da Atração e Repulsão; as Propriedades dos Corpos naturais; os Princípios das Artes Mecânicas; Operações Químicas; Natureza dos Meteoros; Doutrina da Vegetação; Magnetismo, etc. (...) SEÇÃO II A Natureza da Luz explicada; as Leis do Reflexo e da Refração da Luz; a Natureza e Efeitos de Espelhos e Lentes; as Cores Prismáticas da Luz; a Natureza da Visão através do Olho Natural e Artificial; sobre o Microscópio comum; o Microscópio solar; sobre os Telescópios refletores e refratores; os Experimentos com a Câmara e Instrumentos. (...) SEÇÃO III A Natureza e as Propriedades do Ar explicadas; a Produção artificial do Ar; sobre a Transparência, Elasticidade e Gravidade do Ar; sobre os Barômetros, Termômetros e Higrômetros; a Construção e o Uso de uma Nova Bomba de Ar Portátil; um Número selecionado dos principais Experimentos para ilustrar as Qualidades e Usos do Ar. (...) SEÇÃO IV Sobre os vários Sistemas de Mundo; o Sistema Copernicano ou Solar provado como o único verdadeiro; o mesmo explicado largamente; A Disposição, Número, Magnitudes, Movimento e Distância dos Corpos Celestes; a Natureza do Dia e da Noite; a Vicissitude das Estações; a Natureza dos Eclipses; a Teoria dos Cometas; tudo ilustrado através de um curioso Planetário Mecânico, um Planetário comum e um Cometarium. (...) SEÇÃO V A Natureza da Fluidez e dos Corpos Fluídos explicada, a Paradoxo Hidrostático; a Natureza do Afundamento e da Natação; As Gravidades específicas dos Corpos através da Balança Hidrostática; o Uso do Hidrômetro; sobre Aquedutos e Fontes, a Teoria do Bombeamento; diversos tipos curiosos de Bomba; a Teoria das Marés; o Motor hidráulico de Newsham. (...) SEÇÃO VI Sobre o Movimento e o Repouso; as Leis do Movimento explicadas; sobre a Composição e Resolução das Forças; a Natureza e o Uso de Pêndulos explicados; sobre a descrição de um novo Pirômetro para medir a Expansão de Metais; sobre os Centros de Magnitude, Movimento e Gravidade; sobre o Centro comum de Gravidade no sistema de Corpos Celestes; os Princípios da Mecânica explicados; sobre as diversas Forças Mecânicas; a Alavanca, a Roda e o Eixo, a Polia, o Plano inclinado; o Calço, e o Parafuso; o Arco mais forte para construção; a Doutrina das Carruagens de Roda, etc. (MARTIN, 1751: pp. 26, 54, 82, 109 e 137) 9

10 O projeto de divulgação filosófico-científica desenvolvido por Benjamin Martin seria lançado em Londres, entre os anos 1755 e 1764, como parte de uma coleção periódica publicada em fascículos mensais, intitulada The General Magazine of Arts and Sciences. Entretanto, este monumental esforço editorial não seria possível se Martin não se associasse ao editor londrino William Owen, que atuava também em Fleet-Street e publicara algumas de suas obras anteriores. Durante nove anos, Martin escreveu e publicou mensalmente as diversas partes do The General Magazine of Arts and Sciences, que, ao final do projeto (1764), constituiu-se de uma grande obra geral com quatro livros que cobriam diversos assuntos relativos ao conhecimento e um quinto livro dedicado a correspondências, ensaios, poesia, etc. Eis os títulos completos (em inglês) de cada um dos cinco livros: I. The young GENTLEMEN S and LADIES PHILOSOPHY; or a particular and accurate SURVEY of the WORKS of NATURE, by way of DIALOGUE; illustrated by Experiments, and embellish d with Poetical Descriptions; with an exact Account of all the Instruments used in the Philosophical Sciences. II. The NATURAL HISTORY of the WORLD; containing a just and particular Account of all that is remarkable in the animal, Vegetable, and Mineral Productions of every Part of the Earth and Seas. III. A compleat SYSTEM of all the PHILOLOGICAL SCIENCES, viz. theology, Ethics, Mythology, Grammar, Rhetoric, Logic, Poetry, Geography, Chemistry, Botany, Anatomy, Physic, &c. according to the modern Theories and Improvements. IV. A BODY of MATHEMATICAL INSTITUTES, or PRINCIPLES of SCIENCE; from whence the various Mathematical and Mechanical Arts and Sciences will be deduced and applied to the manifold Purposes of Life. V. MISCELLANEOUS CORRESPONDENDE, ESSAYS, POETRY, Remarkable Occurrences in the Month, Catalogue of Books, Prices of Stocks, &c. (MARTIN, : Volume I, p. s/nº) O livro da coletânea The General Magazine of Arts and Sciences que mais nos interessa é The young gentleman and lady s philosophy, in a continued survey of the works of nature and arts; by way of dialogue. Na realidade, trata-se de um livro de fôlego publicado em dois volumes (o primeiro deles com 410 páginas e o segundo com 412 páginas), com caráter introdutório em relação à Filosofia Newtoniana e também elaborado na forma de diálogos educativos, sendo destinado principalmente aos jovens de ambos os sexos, tal como o primeiro grande sucesso de Martin, o livro The philosophical Grammar. Os diálogos fictícios são travados entre os irmãos Cleonicus (um estudante universitário que se 10

11 considerava muito industrioso no aperfeiçoamento de [seu] Tempo e Habilidades na Universidade e Euprhosyne (uma jovem inteligente e com notável Disposição para a leitura e um gosto elegante, que lhe tornavam capaz de entender e conversar com as Pessoas sobre tais Objetos filosóficos). Mas, efetivamente é Cleonicus que procura dar a direção dos diálogos com ensinamentos de Filosofia Natural a Euprhosyne, que, por seu turno, está sempre atenta e demonstra curiosidade e vontade de aprender, fazendo sempre perguntas e comentários pertinentes. (MARTIN, : Volume I, p. 1) The young gentleman and lady s philosophy foi, sem dúvida nenhuma, o título de maior sucesso da coletânea The General Magazine of Arts and Sciences. Em 1772, ainda em associação com o editor William Owen, Martin publicou a segunda edição daquela obra, conservando o formato original dos dois volumes. Uma terceira edição viria a publico entre 1781 e 1782, um pouco antes da morte de Martin, que assumiu totalmente a responsabilidade pela sua impressão. Martin aproveitou para modificar o formato editorial do The young gentleman and lady s philosophy, que foi publicado em três volumes. 8 3) CONCLUSÃO. Benjamin Martin jamais conseguiu obter a mesma reputação que John Theophilus Desaguliers, que exerceu durante décadas o cargo de Curador da Royal Society de Londres e manteve intensas relações com os círculos aristocráticos e próximos do poder. Entretanto, suas publicações foram mais numerosas do que a de seu antecessor de maior prestígio e atingiram um público muito mais amplo. Pode-se dizer que Martin teve uma atuação fundamental para a disseminação do Newtonianismo no interior da Inglaterra, sobretudo nas regiões Central, Sul e Oeste, e na própria região de Londres, a partir de meados dos anos 1750, quando resolveu fixar residência e abrir uma loha de fabricação e venda de instrumentos matemáticos e científicos. Além disso, Martin contribuiu enormemente para que os professores itinerantes de Filosofia Natural e Experimental Newtoniana tivessem reconhecimento e respeitabilidade, abrindo portas para estes num vasto mercado cultural que se formava e propiciava um clima de fascinação, cada vez maior, pela nascente Ciência Aplicada ou Tecnologia. 8 Para informações sobre as demais edições do The young gentleman and lady s philosophy, in a continued survey of the works of nature and arts; by way of dialogue, ver catálogo on line da British Library. 11

12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS - MARTIN, Benjamin The Philosophical Grammar; being a view of the present state of experimented physiology, or natural philosophy. In four parts. Primeira Edição. Londres, J. Noon, MARTIN, Benjamin Bibliotheca Technologica: or, a Philological Library of Literary Arts and Sciences. Primeira Edição. Londres, S. Idle & John Noon, MARTIN, Benjamin A New and Compendious System of Optics. In Three Parts. Primeira Edição. Londres, James Hodges, MARTIN, Benjamin A Course of Lectures in Natural and Experimental Philosophy, Geography and Astronomy: in which the Properties, Affections, and Phaenomena of Natural Bodies, hitherto discover'd, are exhibited and explain'd on the Principles of the Newtonian Philosophy, &c. Primeira Edição, Reading, J. Newbery & C. Micklewright, MARTIN, Benjamin An Essay on Vulgar Glasses (Vulgarly called SPECTACLES). Primeira Edição. Londres, Editada pelo Autor, MARTIN, Benjamin Philosophia Britannica: or, a new and comprehensive system of the Newtonian philosophy, astronomy, and geography, 2 Volumes. Primeira Edição. Reading, C. Micklewright & Cia., MARTIN, Benjamin A Panegyrick on the Newtonian Philosophy. Primeira Edição. Londres Bath,, William Owen, J. Leake & J. Frederick, MARTIN, Benjamin A Plain and Familiar Introduction to the Newtonian Philosophy, in Six Sections. Illustrated by Six Copper-Plates. Primeira Edição. Londres, William Owen, MARTIN, Benjamin The General Magazine of Arts and Sciences, Philosophical, Philological, Mathematical, and Mechanical. Londres, William Owen, MARTIN, Benjamin The young gentleman and lady s philosophy, in a continued survey of the works of nature and arts; by way of dialogue, 2 Volumes. Londres, William Owen, LANGFOR, Paul The eighteenth century ( ), em LANGFORD, Paul e HARVIE, Christopher The 18 th century and the age of industry. The Oxford History of Britain. Oxford, Oxford University Press,

13 - MILLBURN, John R. Benjamin Martin: author, instrument-maker, and country showman. Leyden, Noordhoff International Publishing, SOARES, Luiz Carlos A Albion revisitada: ciência, religião, ilustração e comercialização do lazer na Inglaterra do século XVIII. Rio de Janeiro, FAPERJ Editora 7 Letras,

BENJAMIN MARTIN: PROFESSOR ITINERANTE, FABRICANTE DE INSTRUMENTOS CIENTÍFICOS E DIVULGADOR DA CIÊNCIA NEWTONIANA NA INGLATERRA DO SÉCULO XVIII

BENJAMIN MARTIN: PROFESSOR ITINERANTE, FABRICANTE DE INSTRUMENTOS CIENTÍFICOS E DIVULGADOR DA CIÊNCIA NEWTONIANA NA INGLATERRA DO SÉCULO XVIII BENJAMIN MARTIN: PROFESSOR ITINERANTE, FABRICANTE DE INSTRUMENTOS CIENTÍFICOS E DIVULGADOR DA CIÊNCIA NEWTONIANA NA INGLATERRA DO SÉCULO XVIII Luiz Carlos Soares Professor Departamento de História/UFF

Leia mais

Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007

Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 XVIII. 1 O historiador Robert E. Schofield também mencionou a atuação dos professores Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 Ciência Aplicada e Ilustração na Inglaterra

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar as informações, antes é preciso

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

A BÚSSOLA COMO INSTRUMENTO DE ORIENTAÇÃO NO ESPAÇO GEOGRÁFICO

A BÚSSOLA COMO INSTRUMENTO DE ORIENTAÇÃO NO ESPAÇO GEOGRÁFICO 183 A BÚSSOLA COMO INSTRUMENTO DE ORIENTAÇÃO NO ESPAÇO GEOGRÁFICO 1 INTRODUÇÃO Willian Samuel Santana da Roza 1 Selma Regina Aranha Ribeiro 2 Mario Cezar Lopes 3 A Ciência Geográfica apresenta uma diversidade

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Bolsas Templeton para Professores Visitantes

Bolsas Templeton para Professores Visitantes Bolsas Templeton para Professores Visitantes Ciência, Filosofia e Teologia na América Latina Ian Ramsey Centre (IRC) for Science and Religion University of Oxford Chamada Objetivo e Resumo As Bolsas Oxford

Leia mais

O Ensino da Astronomia

O Ensino da Astronomia O Ensino da Astronomia Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) indicam o estudo da Astronomia no 3o e 4o ciclos do Ensino Fundamental, na área de Ciências Naturais, no eixo temático "Terra e Universo"

Leia mais

OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA

OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA Autores : Edson KARSTEN; Irene WEHRMEISTER. Identificação autores: Acadêmico do curso Física Licenciatura, IFC-Campus

Leia mais

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares.

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares. NOSSA META Que todos os alunos entendam todas as nossas aulas! TUDO GIRA EM TORNO DA AULA COMO? Aula bem proposta (autor) Aula bem preparada (professor) Aula bem dada (professor) Aula bem assistida (aluno)

Leia mais

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Exatas Departamento de Física Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Aula 09 Leis de Newton e gravitação As três leis de Newton. Histórico.

Leia mais

LEIS DE CONSERVAÇÃO NA MECÂNICA CLÁSSICA

LEIS DE CONSERVAÇÃO NA MECÂNICA CLÁSSICA LIS D CONSRVAÇÃO NA MCÂNICA CLÁSSICA 1 Na Física um método muito usado para se estudar propriedades que variam com o tempo, consiste em considerar as propriedades que NÃO variam com o tempo. Ao longo da

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA A MENTE DE UM GÊNIO. RODRIGO SANTIAGO Acadêmico do Curso Física- Licenciatura, rsantiago10@hotmail.

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA A MENTE DE UM GÊNIO. RODRIGO SANTIAGO Acadêmico do Curso Física- Licenciatura, rsantiago10@hotmail. I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA A MENTE DE UM GÊNIO RODRIGO

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

UNIVERSITY PREPARATORY TOUR

UNIVERSITY PREPARATORY TOUR ST. PAUL S SCHOOL UNIVERSITY PREPARATORY TOUR 8 DIAS FEVEREIRO 2015 O STB 1.000 FUNCIONÁRIOS + 70 LOJAS + 60 MIL PASSAGEIROS TRANSPORTADOS EM 2013 + 40 ANOS EM TURISMO JOVEM E EDUCAÇÃO INTERNACIONAL RECRUTADOR

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Entrevista a Galileu Galilei

Entrevista a Galileu Galilei Escola Secundária Emidio Navarro 2009/2010 Disciplina: Físico-Quimica Entrevista a Galileu Galilei Trabalho realizado por: Cristiana Monteiro nº5 Francisco Pinto nº9 11ºCT2 Entrevista a Galileu Galilei

Leia mais

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II Aprendendo a ESTUDAR Ensino Fundamental II INTRODUÇÃO Onde quer que haja mulheres e homens, há sempre o que fazer, há sempre o que ensinar, há sempre o que aprender. Paulo Freire DICAS EM AULA Cuide da

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. ARARIBÁ HISTÓRIA O livro tem oito unidades, divididas

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DE ASTRONOMIA COM O USO DE SOFTWARE LIVRE FILHO, Valdinei Bueno Lima 1, PRADO, Valdiglei Borges 2, SOARES, Fabrízzio Alphonsus A. M. N. 3, MARTINS, Alessandro

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Entre cursos com maior reprovação estão pedagogia, jornalismo e turismo. Falta de leitura e hábitos gerados pela internet são fatores motivadores.

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques Cap 1 A teoria e a prática da Educação Ramiro Marques Aristóteles dedica um espaço importante de A Política ao tema da educação, preocupando-se com a discussão de vários assuntos: fim pacífico da Educação,

Leia mais

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades Nesta página eu apenas traduzi podendo ter introduzido, retirado ou não alguns tópicos, inclusive nas simulações. A página original, que considero muito boa é: Autor: (C) Ángel Franco García O Sistema

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Astronomia/Kepler. As hipóteses de Kepler [editar] Colaborações com Tycho Brahe [editar]

Astronomia/Kepler. As hipóteses de Kepler [editar] Colaborações com Tycho Brahe [editar] Astronomia/Kepler < Astronomia Astronomia Uma das importantes personagens da Astronomia foi Johannes Kepler.. Como muitos astrônomos de sua época, Kepler era também um astrólogo e uma de suas crenças fundamentais

Leia mais

Ada Merritt: um exemplo de escola de excelência Beatriz Cariello Florida International University

Ada Merritt: um exemplo de escola de excelência Beatriz Cariello Florida International University Ada Merritt: um exemplo de escola de excelência Beatriz Cariello Florida International University As instituições de ensino hoje têm um enorme desafio: formar cidadãos que saibam ler o mundo, alunos que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

JORNAL DE MATEMÁTICA Uma experiência de estágio

JORNAL DE MATEMÁTICA Uma experiência de estágio JORNAL DE MATEMÁTICA Uma experiência de estágio Darcy de Liz Biffi (Prof.ª de Prática de Ensino e Supervisora de Estágio), darcy@uniplac.net; Lisiane Lazari Armiliato; Naira Girotto (Estagiárias da 7ª

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos Cursos humanizados - A Educar e Transformar se dedica ao sonho de gerar cursos para lideranças profissionais de recursos humanos, com mentalidade de humanização na administração, cursos para líderes, motivação,

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

Pressupostos e diferenciações em relação ao senso comum

Pressupostos e diferenciações em relação ao senso comum Pressupostos e diferenciações em relação ao senso comum 1- O que distingue a atitude científica da atitude costumeira ou do senso comum? Antes de qualquer coisa, a ciência desconfia da veracidade de nossas

Leia mais

yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc

yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwe rtyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyui opasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO DE EXTENSÃO GRUPO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA HISTÓRICA

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO DE EXTENSÃO GRUPO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA HISTÓRICA 1 UFF Universidade Federal Fluminense Pólo de Campos dos Goytacazes ESR Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional SFC - Departamento de Fundamentos de Ciências da Sociedade RELATÓRIO

Leia mais

CURSOS ONLINE NORMA REGULAMENTADORA NR 10 SEGURANÇA NO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA (SEP) E EM SUAS PROXIMIDADES

CURSOS ONLINE NORMA REGULAMENTADORA NR 10 SEGURANÇA NO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA (SEP) E EM SUAS PROXIMIDADES CURSOS ONLINE NORMA REGULAMENTADORA NR 10 SEGURANÇA NO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA (SEP) E EM SUAS PROXIMIDADES A Quem se destina O curso destina-se a todo profissional que direta ou indiretamente executa

Leia mais

Joseph Priestley. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Joseph Priestley. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Camila Welikson Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode Mudança

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SALÁRIO NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

A INFLUÊNCIA DO SALÁRIO NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br A INFLUÊNCIA DO SALÁRIO NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo

Leia mais

Newton e a teoria da gravitação: perguntas e respostas ao Globo Ciência

Newton e a teoria da gravitação: perguntas e respostas ao Globo Ciência Newton e a teoria da gravitação: perguntas e respostas ao Globo Ciência Fernando Lang da Silveira Instituto de Física UFRGS lang@if.ufrgs.br No dia 28 de maio de 2010, conforme previamente agendado com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

BROCANELLI, Cláudio Roberto. Matthew Lipman: educação para o pensar filosófico na infância. Petrópolis: Vozes, 2010. RESENHA

BROCANELLI, Cláudio Roberto. Matthew Lipman: educação para o pensar filosófico na infância. Petrópolis: Vozes, 2010. RESENHA 1 BROCANELLI, Cláudio Roberto. Matthew Lipman: educação para o pensar filosófico na infância. Petrópolis: Vozes, 2010. RESENHA Francieli Nunes da Rosa 1 No livro Matthew Lipman: educação para o pensar

Leia mais

DESCUBRA a evolução do conteúdo educacional

DESCUBRA a evolução do conteúdo educacional DESCUBRA a evolução do conteúdo educacional Química Aprenda química de forma super interativa e inovadora. Explore diversos conteúdos da disciplina: os elementos químicos, tabela periódica, modelos atômicos

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO

GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO Preletora: Antônia dos Santos Alves Quem é o Gestor? Ajustar a mente no início do dia. Escola é uma empresa com características próprias O ato de orar antes das

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Ciclo: 3º Ano: 7º Disciplina: Físico-Química. Atividades / Estratégias. Nº aulas previstas. Avaliação

Ciclo: 3º Ano: 7º Disciplina: Físico-Química. Atividades / Estratégias. Nº aulas previstas. Avaliação código 171608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa Ciclo: º Ano: 7º Disciplina: Físico-Química Conteúdos I - O Universo 1. O que existe no Universo 1.1 Estrutura

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 42 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 42 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 42 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) II CICLO A IDADES: 09/10 PLANO DE AULA 1. TEMA: Missionários da Terceira Revelação. 2. OBJETIVO:

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 Educação Matemática Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO Escolas da Antiguidade Geometria Aritmética Música Elementos de Euclides (300 a.c.) Geometria

Leia mais

Um ensino forte e bilíngue é o passaporte do seu filho para um mundo de oportunidades. É por isso que propomos uma cultura internacional, com

Um ensino forte e bilíngue é o passaporte do seu filho para um mundo de oportunidades. É por isso que propomos uma cultura internacional, com Um ensino forte e bilíngue é o passaporte do seu filho para um mundo de oportunidades. É por isso que propomos uma cultura internacional, com disciplinas ministradas em português e inglês, e uma metodologia

Leia mais

Início 15.09.11 03.01.12 10.04.12 Final 16.12.11 23.03.12 08.06.12 Interrupções - 20 22 Fev 2012 -

Início 15.09.11 03.01.12 10.04.12 Final 16.12.11 23.03.12 08.06.12 Interrupções - 20 22 Fev 2012 - TOTAL Outras Atividades Tema B: Terra em Transformação Tema A: Terra no Espaço Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANIFICAÇÃO 7º Ano de Ciências Físico-Químicas Ano Letivo 2011 / 2012

Leia mais

O QUE ACONTECEU COM PLUTÃO?

O QUE ACONTECEU COM PLUTÃO? Telescópios na Escola 1 O QUE ACONTECEU COM PLUTÃO? Preâmbulo Um dos grandes desafios em ciência é encontrar a semelhança de coisas que são aparentemente diferentes e estabelecer a diferença entre coisas

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

PARA A CIÊNCIA PARA A TECNOLOGIA PARA A SOCIEDADE

PARA A CIÊNCIA PARA A TECNOLOGIA PARA A SOCIEDADE PARA A CIÊNCIA PARA A TECNOLOGIA PARA A SOCIEDADE Essas são atividades de grande influência no desenvolvimento humano. Procura entender os fenômenos e criar teorias adequadas que possam explicar os acontecimentos.

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014

3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014 3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014 Doutrinas Filosóficas Propõe-se a responder às questões transcendentais: Quem somos? De onde

Leia mais

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Valinhos, setembro de 2014 1 JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Relato do Projeto

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 4 o ano Ensino Fundamental Data da entrega: 17/04/2015. Nome: n o :

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 4 o ano Ensino Fundamental Data da entrega: 17/04/2015. Nome: n o : Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 4 o ano Ensino Fundamental Data da entrega: 17/04/2015 Nome: n o : Créditos distribuídos: 8,0 Créditos obtidos: 1) A personagem Gabriela, que conta a história do planetário,

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Aula 11 O Efeito Pigmalião

Aula 11 O Efeito Pigmalião Aula 11 O Efeito Pigmalião Objetivos da aula: Conhecer o chamado Efeito Pigmalião. Compreender a importância do conhecimento do Efeito Pigmalião pelo líder,l quando ele está envolvido no desenvolvimento

Leia mais

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM De visita à Biblioteca do Professor José Mattoso: o que não sabemos e devemos saber Judite A. Gonçalves de Freitas FCHS-UFP Mértola- 16. Março.

Leia mais

Dicas para elaborar um relatório científico

Dicas para elaborar um relatório científico Dicas para elaborar um relatório científico Prof. Dr. Jean Jacques Bonvent Laboratório de Física Geral Universidade de Mogi das Cruzes A elaboração de um relatório científico é um exercício bastante importante

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

PODER LEGISLATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE VEREADORA VILMA QUEIROZ

PODER LEGISLATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE VEREADORA VILMA QUEIROZ PROJETO DE LEI Nº. 138/2012. PODER LEGISLATIVO INSTITUI a disciplina extracurricular Oratória, destinada ao Ensino Fundamental, no município de Manaus e dá outras providências. Art. 1º - Fica instituído

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

SEU INGLÊS ESTÁ PRONTO PARA O CANADÁ?

SEU INGLÊS ESTÁ PRONTO PARA O CANADÁ? SEU INGLÊS ESTÁ PRONTO PARA O CANADÁ? Se você quer aplicar para conseguir o visto de residência permanente no Canadá, vai precisar, antes de mais nada, de um certificado que ateste a sua proficiência na

Leia mais

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 Resumo: Delane Santos de Macedo 2 Universidade Federal do Recôncavo da Bahia delayne_ba@hotmail.coml Gilson Bispo de Jesus

Leia mais

Lendas da Ciência. Episódio: Queimar

Lendas da Ciência. Episódio: Queimar Lendas da Ciência Episódio: Queimar Resumo A série Lendas da Ciência é uma produção francesa escrita pelo filósofo francês Michel Serres e por Robert Pansard-Besson. Essa série, constituída de doze episódios,

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Processos Físicos. Episódio: Magnetismo

Processos Físicos. Episódio: Magnetismo Processos Físicos Episódio: Magnetismo Resumo A série Processos Físicos é uma produção da Yorkshire Television e possui dois episódios: Magnetismo e Máquinas e Força. A partir de situações cotidianas,

Leia mais

Unidade IV. Aula 18.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde

Unidade IV. Aula 18.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 18.1 Conteúdo Óptica geométrica: Raios de luz convergentes, divergentes e paralelos, Princípios da óptica geométrica; princípio de Fermat; o olho humano. 2 Habilidade

Leia mais

Proposta interdisciplinar de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Proposta interdisciplinar de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática Disciplina de Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Proposta

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Departamento de Geografia Programa Institucional de Iniciação à docência (PIBID) Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke Instituto Federal do Paraná Licenciatura em Física Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Justificativa... 4

Leia mais

TEMPO DE APRENDER EM CLIMA DE ENSINAR: UMA PROPOSTA PARA MELHORIA DO ENSINO EM ESCOLAS PÚBLICAS

TEMPO DE APRENDER EM CLIMA DE ENSINAR: UMA PROPOSTA PARA MELHORIA DO ENSINO EM ESCOLAS PÚBLICAS TEMPO DE APRENDER EM CLIMA DE ENSINAR: UMA PROPOSTA PARA MELHORIA DO ENSINO EM ESCOLAS PÚBLICAS Taísa Das Dores Pereira; Maria Gertrudes Alvarez Justi Da Silva. Universidade Federal Fluminense, taisaddp@id.uff.br;

Leia mais