Gabriel Girnos Elias de Souza*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gabriel Girnos Elias de Souza*"

Transcrição

1 O design da mídia livro na construção de um discurso projetual: o caso da Villa Dall Ava de Rem Koolhaas em S.M.L.XL. The design of the book in the making of a project discourse: the case of Rem Koolhaa s Villa Dall Ava in S,M,L,XL Gabriel Girnos Elias de Souza* *Arquiteto e mestre em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo pela Universidade de São Paulo (EESC-USP), foi professor do Curso de Design da Universidade Estadual de Maringá (UEM), e desde 2009 é professor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (DAU- -UFRRJ), lecionando nas áreas da expressão gráfica e da plástica e estudo da forma. Fez pesquisas nas áreas de arte urbana, design e comunicação visual na arquitetura e urbanismo, e publicou em 2011 o livro Territórios Estéticos: a experiência do Projeto Arte/Cidade em São Paulo ( ). No momento, é doutorando do Programa de Pós-Graduação em Design da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), desenvolvendo a pesquisa Ficções projetuais: projeto gráfico e discurso profissional em livros contemporâneos de escritórios internacionais de arquitetura e urbanismo, a ser concluída em Resumo O tema do artigo é o papel cognitivo e retórico do design de livros nas apresentações gráficas de projetos de arquitetura. Mais especificamente, interessa ao estudo um tipo de publicação que proliferou a partir dos anos noventa: livros de auto-apresentação produzidos por escritórios de arquitetura internacionais, que misturam elementos de portfolio ou compêndio com os de um manifesto profissional, e que exploram a linguagem visual e a configuração do objeto livro de forma a estabelecer uma identidade discursiva do escritório, superando a condição de simples compilações de textos e representações gráficas. O texto adota como estudo de caso o livro S,M,L,XL, o compêndio-manifesto pioneiro do Office for Metropolitan Architecture, escrito pelo arquiteto Rem Koolhaas e projetado pelo designer Bruce Mau. Após uma caracterização sucinta da organização geral de forma e conteúdo do livro, o estudo se deterá nas operações visuais e narrativas desenvolvidas na apresentação do projeto da Villa Dall Ava, como exemplo da variedade e riqueza de efeitos e significados adicionáveis à experiência das informações arquitetônicas por meio dos recursos de representação e encadeamento disponíveis na mídia livro. Palavras-chave: larquitetura; expressão gráfica; design de livros. Abstract This paper s subject is the cognitive and rhetorical play of book design in the graphical presentations of architecture projects. More precisely, its focuses a kind of publication that proliferated since the nineties: self-presentation books by international architecture offices, which merge features of portfolios or compendiums with those of a professional manifesto, and which explore the language and configuration of the book-object as a way of establishing a discursive identity for the office, overcoming the simple accumulation of texts and graphic representations. This paper takes as a case study S,M,L,XL, the pioneer manifest-compendium of Office for Metropolitan Architecture, written by architect Rem Koolhaas and designed by designer Bruce Mau. After a short characterization of the book s general organization of form and content, the study will focus on the visual and narrative operations developed in the presentation of the Villa Dall Ava project, as an example of the richness of effects and significations that can be achieved in the experience of architectural information through the representative and sequential resources of the book medium. Keywords: architecture; graphic expression; book design. 7

2 Introdução Publicações são, por excelência, a mídia do discurso da arquitetura e do urbanismo, constituindo o principal meio de promoção, reprodução e reflexão sobre suas práticas e valores e, portanto, de sua constituição como profissão e como corpo disciplinar. As publicações fundamentam o que é reconhecido como boa arquitetura, principalmente tendo-se em vista que grande parte das obras que servem de referência a estudantes e profissionais só é visitada em primeira mão muito tardiamente ou nunca. Essa imbricação entre a arquitetura e seus meios de representação e difusão é profundamente arraigada em nossa cultura. Autores como Kester Rattenbury (2002), Michael Hays (2001) e Gannon e Hayles (2009), estão entre os que destacam que a própria atividade da arquitetura se distinguiria da pura construção civil justamente por seu aspecto discursivo, conceitual; nessa concepção, a intervenção material e semiótica que a atividade da arquitetura traz ao mundo empírico se estenderia por uma variedade de mídias, das quais a edificação construída seria mais uma: a principal, via de regra, mas nunca a única. Autores como Beatriz Colomina (2002, p. 213), por outro lado, ressaltam que a própria emergência da arquitetura moderna do século XX é inseparável da exploração das mídias de massa por parte de arquitetos como outro contexto de produção paralelo à prancheta de projeto e ao sítio de construção. A progressiva midiatização da sociedade contemporânea, por sua vez, aparentemente só tem tornado essas relações mais complexas e profundas. A crescente globalização de mercados e culturas do fim do século XX trouxe a proliferação de escritórios atuantes em escala internacional; mais ainda, assistiu à ascensão de starchitects, profissionais mundialmente conhecidos e com certo status de celebridade mediática. Tais fenômenos, por sua vez, parecem coincidir com 8

3 um crescente investimento em mídia e publica- lisadas a fundo. Nesse contexto, cabe colocar a ções por parte de escritórios internacionais. Nes- questão de como, em certos compêndios-ma- se contexto, ocorreu a proliferação de um tipo nifesto, o design do livro ou seja, tanto sua particular de publicação, que chamarei aqui de forma física quanto a estruturação da experiência compêndio-manifesto : livros extensos escritos de informação projetual proporcionada por ele e produzidos pelos próprios estúdios de arquite- foi e pode ser trabalhado como signo de uma tura e dedicados à exibição de obras e projetos prática e uma concepção de arquitetura. desses grupos à maneira dos portfolios mas que procuravam afirmar-se como obras de Dentro desta questão maior, o presente texto se densidade própria, mesclando ensaios, manifes- volta especificamente para como o design gráfi- tos, narrativas e pesquisas; condensando, enfim, co de uma apresentação de projeto contida num elementos de uma identidade intelectual e profis- livro pode construir retoricamente leituras e per- sional. Tais livros, por outro lado, com frequência cepções diferenciadas dos projetos retratados. apresentaram uma exploração distintiva dos re- Como estudo de caso para este texto, optou-se cursos e potenciais expressivos do design grá- pelo compêndio-manifesto mais vendido, conhe- fico, principalmente nas apresentações de pro- cido e discutido da história editorial de arquite- jetos; não por acaso, por vezes são compostos tura das últimas décadas 1 : S,M,L,XL (Small, Me- e pensados em parceria com designers. Pode-se dium, Large, Extra-Large); dentro deste, o artigo citar entre esse grupo de publicações S,M,L,XL irá se dedicar à análise de uma apresentação 1. Como disse Rattenbury (2004), S,M,L,XL é provavelmente o único best-seller da área da arquitetura até hoje, esgotando cada edição já feita. Um pequeno indicador dessa popularidade pode ser visto nos dados da exposição Publishing Practices, organizada em 2009 por Michael Kubo (então doutorando em arquitetura e urbanismo no Massachussets Institute of Technology e diretor da filial nova-iorquina da editora Actar). Exibindo resultados de uma pesquisa sobre os 10 livros mais importantes (que recebeu respostas de 150 profissionais e acadêmicos dos E.U.A.), S,M,L,XL teria se destacado como o livro mais citado de todos, com enorme vantagem de número sobre quaisquer outros citados. (WES- SELER, 10 Out 2009). 2. Esse apelido veio da exposição OMA Book Machine: The Books of OMA organizada pela Architectural Association, e apresentada entre 8 de maio e 4 de junho de 2010 na AA School Gallery, Londres. (1995) e Content (2003), de Rem Koolhaas e OMA (Office for Metropolitan Architecture); FARMAX (1999) e KM3 (2003), do grupo MVRDV; Move (1999), de UNStudio; Agenda (2010), do JDS Architects; e Yes is More, do grupo BIG (2010). A emergência desses livros já foi apontada por autores norte-americanos interessados nas novas relações entre a prática e o discurso da arquitetura e suas mídias de difusão pública, como Charles Jencks (2002), Christine Boyer (2006) e K. Rattenbury (2004); no entanto, as estratégias de representação e retórica dessas publicações de auto-apresentação ainda não têm sido ana- de projeto em particular: a renomada residência apelidada Villa Dall Ava. S,M,L,XL: Características gerais OMA (Office for Metropolitan Architecture), dirigido por Rem Koolhaas, é considerado um grupo pioneiro da relação entremeada entre produção a de livros e prática arquitetônica que se desenvolveu a partir dos anos noventa, sendo que o sucesso de S,M,L,XL é reconhecido como a ponta de lança que abriu espaço tanto à máquina de livros 2 de OMA quanto à moda dos big books de arquitetura no mercado editorial e entre os escritórios internacionais. 9

4 De modo geral, pode-se afirmar que S,M,L,XL foi concebido não só como veículo de divulgação da obra de Koolhaas e OMA, mas com a ambição de ser em si mesmo uma obra com sua própria proposta estética e intelectual. Lançado em 1995, o livro já se tornaria digno de atenção simplesmente pela avassaladora torrente de imagens, informações, especulações e declarações que reúne bem como pelo consequente tamanho colossal de 1380 páginas, atingindo 2,7 kg de massa impressa (figura 1). Além disso, porém, S,M,L,XL também apresentava vários elementos de conteúdo e retórica relativamente incomuns aos compêndios de arquitetura. Há nele uma invulgar mistura de reflexão, análise, confissão e humor expondo, por exemplo, aspectos triviais, falhos, surpreendentes ou cômicos da atividade profissional da arquitetura construído num trânsito tranquilo entre cultura erudita e a cultura comercial, entre referências internas ao campo profissional da arquitetura e outras do mundo midiático de domínio geral. Tudo isso urdido com a sagacidade retórica e ensaística particular de Koolhaas, que dotou o livro de um viés ambiguamente literário provocativamente definido na contracapa como um romance sobre arquitetura que investe na ideia pós- -moderna de hibridação cultural na variedade de gêneros de linguagem empregados: texto puro, texto ilustrado, texto de estilo dicionário, diário, poesia, sequência de fotos, história em quadrinhos, e outras variedades. Figura 1. Exterior de S,M,L,XL, 1ª Edição. Fonte: montagem de fotos do autor do artigo, feitas a partir do livro de KOO- LHAAS e MAU, Do ponto de vista gráfico, saltava aos olhos a riqueza visual com que as reflexões, narrativas, propostas e ironias eram transformadas, nuançadas e expandidas pelas escolhas em diagramação, tipografia e, principalmente, imagens; e chamava a atenção o reconhecimento do designer gráfico Bruce Mau como coautor na capa do livro. A predominância de imagens de arquitetura perspectivas, plantas, croquis e, principalmente, fotos é intercalada por imagens variadas e não relacionadas à área: anúncios publicitários, reportagens jornalísticas, fotos científicas, fotos etnográficas, pornografia, obras de arte, catástrofes e muito mais (figura 2). Um exame rápido do livro revela a recorrência não de fotos que ocupam todo o campo visual, e de sequências contínuas destas e às vezes longas, com muitas páginas. O termo cinemático, por sua vez, já foi repetidamente usado por críticos variados e pelos próprios autores para descrever esses efeitos; a declarada inspiração de Bruce Mau nos efeitos de intensidade e temporalidade do cine- 10

5 ma declaradamente moldou muito da concepção do livro (MAU, 2000, p.338). utópica, uma análise, um ensaio, um manifesto ou uma sequência de impressões (e, por vezes, misturas desses itens); e cada um é visualmente tratado como um acontecimento narrativo particular e independente, possuindo uma caracterização particular no estilo do texto, na diagramação e tipografia, no estilo e tamanho das imagens, no emprego de cores, na quantidade de páginas ou de informações dedicadas aos projetos, e mesmo no ritmo e duração impostos à leitura. Toda essa heterogeneidade, contudo, é firmemente estruturada por critério de organização praticamente inédito e discursivamente simbólico para o livro: a escala. Projetos e textos dividem-se em seis seções ou famílias principais: Foreplay (textos e projetos provocativos, anteriores à profissionalização do grupo), Small (projetos pequenos, sobretudo residências), Medium (edifícios coletivos ou multifuncionais), Large (edificações de grande porte, como centros de convenções), Extra Large (projetos urbanísticos) e P.S. (um último projeto não-realizado). O nome-sigla do livro, assim, reproduz a organização de seu conteúdo. Figura 2: Páginas-duplas variadas de S,M,L,XL, respectivamente: p , , , , e Fonte: montagem de fotos do autor do artigo, feitas a partir do livro de KOOLHAAS e MAU, A variedade visual se deve, em grande parte, ao fato do livro ser composto em uma série de episódios autônomos, bem diferenciados tanto em termos de encadeamento quanto de caracterização visual. Cada episódio pode apresentar uma edificação já construída, um projeto irrealizado, um projeto em vias de realização, uma proposta Mas S,M,L,XL tem mais um diferencial marcante: um sistema de conteúdo independente dos episódios, que atravessa o livro descontinuamente. Trata-se de um conjunto independente de citações textuais e visuais que, ao invés de ocupar uma seção própria, invade as páginas dos capítulos e outras seções, de forma esporádica e predominan- 11

6 Figura 3: Exemplos de páginas duplas com os três tipos de citações invasivas : 1) os verbetes (páginas 70-71, ); 2) as obras de arte (respectivamente, páginas estatuária romana e fotomontagem de Man Ray); e 3) as imagens de mídia e cotidiano (respectivamente, páginas a reprodução de um tabloide sensacionalista e um amontoado de anúncios de prostituição), as quais também incluem verbetes. Fonte: montagem de fotos do autor do artigo, feitas a partir do livro de KOOLHAAS e MAU, temente aleatória. Isso acarreta à leitura dos episódios particulares efeitos variados ora simples ruído, ora interrupção, ora reverberação de sentidos, ora inusitadas combinações de significado. A análise dessa estrutura transversal de informações, por sua vez, mostra três tipos de citação: 1. Verbetes: a mais abundante e identificável forma do Dicionário é a referida série de verbetes que, de Abolish (p.xviii) a Zoom ratio (p.1302), são citações de dezenas de autores diferentes, indo de considerações teóricas complexas até inside jokes. Como as referências estão discretamente locadas perto do fim do livro, a multiautoria não é evidente: o leitor encontra inicialmente apenas um fluxo textual esquizofrênico em sua variedade de tons e temas. Em contraste a essa diversidade, a ordenação alfabética, a tipografia e a largura do bloco de texto do dicionário são rigorosamente mantidas, e suas invasões se dão quase sempre como uma única coluna no canto da página esquerda (há alguns pontos de exceção). 2. Obras de arte: a segunda forma de citação invasiva adotada pelo livro é a de imagens de obras de arte que invadem, esporadicamente, as páginas dos capítulos. Apresentam vários tipos de arte (escultura, pintura, fotografia, instalação), de épocas, autores, nacionalidades e temas distintos. Estas são imagens relativamente pequenas (as maiores não ocupam nem um quarto da área da página), na maioria verticais, que sangram o canto inferior e a margem externa das páginas (quase sempre as esquerdas), nunca aparecendo mais que uma por página. 3. Mídia e cotidiano: a terceira, maior e mais escassa manifestação do Dicionário é composta de reproduções variadas de imagens mundanas de fotojornalismo, de páginas e reportagens de jornais, de ciência, de publicidade e etc. Quando tais imagens aparecem, há uma ocupação completa da página-dupla: com grandes dimensões, elas são posicionadas de forma a sangrar as bordas superiores e a borda externa da página direita, deixando espaço branco na borda inferior e na borda externa esquerda que, nesse caso, é sempre ocupada com os verbetes escritos. 12

7 Figura 4: Esboços para o design preliminar de S,M,L,XL, presente em From OMA by OMA, livreto não publicado, 1989, veiculado na exposição OMA Book Machine: The Books of OMA organizada pela Architectural Association. Autor: OMA. Fonte: /preliminary-concept-sketches-for-s-m-l-xl-by-rem Tais características básicas, por sua vez, teriam sido concebidas em diálogo entre Koolhaas e Mau desde o início do projeto, em O diagrama da figura 4, creditado ao OMA, resume vários pontos principais do livro: o volume; o agrupamento e divisão em famílias por escala; a constituição de episódios autônomos; a inspiração cinemática de encarar cada página-dupla como um momento ou quadro paralisado de cinema; e a presença do dicionário como outra estrutura de conteúdo. Análise de apresentação no livro: Obstacles (Villa Dall Ava) Nas 62 páginas entre a numeração de 132 e 193, está a apresentação da Villa Dall Ava, residência unifamiliar de dois quartos num bairro afastado de Paris; um projeto já razoavelmente bem conhecido antes do lançamento de S,M,L,XL, e muito relevante para a o reconhecimento do OMA dentro da cultura arquitetônica internacional. Intitulada Obstacles, esta apresentação se inicia com uma página-dupla dividida: no lado esquerdo, uma única imagem ocupa toda a página, enquanto no direito só há palavras escritas em branco sobre um fundo preto (figura 5). De fato, essa página-dupla dividida exibe o padrão do restante do capítulo: texto e fotos do edifício se apresentam completamente separados, duas modalidades autônomas de discurso sem sobreposição visual e sem nenhuma relação direta de ilustração das palavras pelas figuras, ou de comentário das figuras pelas palavras. Do ponto de vista das interações entre imagem, palavra e sequenciamento, este capítulo em particular não é nem de longe um dos mais experimentais do livro; de forma geral, ela parece a princípio reproduzir um tipo de encadeamento relativamente comum em apresentações projetos construídos: a separação estanque entre texto de apresentação inicial, fotografias da edificação e projeções ortogonais técnicas. Porém, nenhum dos três aspectos é trabalhado de maneira pro- 13

8 priamente convencional, como se verá a seguir. Primeira parte: narrativa A foto da primeira página (figura 5) mostra o sítio da casa de um ponto de vista superior, com a silhueta da edificação recortada em branco, de forma a sugeri-la sem mostrá-la. Após esse pequeno momento de mistério imagético, o texto do capítulo é apresentado quase por inteiro, sem interrupções. Com a fonte sem-serifa padrão do livro, as palavras correm sem o acompanhamento de imagem alguma, num espaço preto puramente tipográfico; o texto se desenvolve em pequenos trechos de poucas linhas, cada um com um título centralizado de tipografia idêntica ao corpo do texto. Essas breves frases, por sua vez, não se destinam a descrever a residência e seu projeto, mas a narrar acontecimentos e situações ligados a sua elaboração: a paixão dos clientes por arquitetura e suas exigências, a situação de entorno, os principais problemas técnicos e projetuais como a conciliação de uma piscina suspensa com uma casa envidraçada, por exemplo, os problemas legais e de mão de obra, os muitos atrasos e revisões e as transformações que o tempo trouxe ao projeto e à vida pessoal dos envolvidos (o crescimento dos filhos dos clientes, a amizade entre estes e os arquitetos). Trata-se, enfim, de esboçar os principais obstáculos do que Koolhaas descreveu em sua peculiar ironia como empreitada mitológica (p.133). Tudo sem entrar em detalhes sobre o projeto: de maneira análoga à foto da primeira página, que só mostra o que está em volta da edificação, o texto delineia a casa em negativo, falando dos acontecimentos que a envolvem e não do objeto em si. Figura 5: Abertura do capítulo Obstacles e páginas da narrativa verbal, p e Fonte: Montagem de fotos do autor do artigo, feitas a partir do livro de KOOLHAAS e MAU,

9 Segunda parte: percurso Após o término dessa narrativa aforística de três páginas, o objeto em si é mostrado silenciosamente : inicia-se uma longa sequência de fotografias da residência construída, de autoria do fotógrafo Hans Werleman, em 38 páginas contínuas. Com a maioria delas ocupando individualmente páginas- -duplas 3, quase como a capturar instantâneos de um percurso exploratório pela casa, quase numa promenade architecturale corbusiana. Contudo, apesar da evidente conexão dos momentos selecionados nessa sucessão, não há preocupação em simular perfeitamente um percurso literalmente realizado: há fotografias noturnas e diurnas, coloridas e em preto e branco; nesse sentido, como na arte do cinema, a sequência de imagens é revelada em sua condição de montagem: não são fragmentos extraídos de um percurso factual, e sim a construção de um percurso ficcional e da arquitetura que ele desvela a partir de fragmentos diferentes; a continuidade do caminho mental pelo espaço se constrói assim em meio à evidente descontinuidade temporal e visual das imagens. ou refletida nas superfícies de vidro, e/ou colocada perifericamente na composição pessoas, afinal, não são protagonistas nessa apresentação, mas figurantes destinados a contextualizar a situação/objeto casa, como se pode ver nos detalhes da figura 7. Mas os elementos de ocupação, por vezes, são manipulados deliberadamente para produzir estranhamento: o principal caso, visível no canto da figura 7, é o da girafa sendo levada por uma correia pela rota de estacionamento do terreno, na página 150 (aparentemente, estacionar um carro seria prosaico demais). 3.Da sequência, 12 páginas- -duplas (ou seja, 24 páginas individuais) têm uma única imagem; 6 páginas individuais têm uma imagem cada; e 7 páginas individuais estão divididas em duas imagens. As primeiras sete páginas-duplas são do exterior da casa; depois se percorre seu interior, subindo-se de um andar a outro. As fotos enfatizam sutilmente ora vistas, ora o efeito da luz, ora os materiais, ora o espaço externo. São cuidadosamente feitas para capturar a casa habitada; há sempre sinais e vestígios de uso humano, quando não a própria presença humana, geralmente pequena, e/ou borrada, e/ou como vulto, e/ Figura 6: Excertos do trajeto cinemático pela Villa Dall Ava (páginas-duplas ; ; ; ; ; e ). Fonte: montagem de fotos do autor do artigo, feitas a partir do livro de KOOLHAAS e MAU,

10 Figura 7: Elementos indicadores da ocupação humana da casa nas fotografias de Hans Werleman. Respectivamente, detalhes das páginas 174, 167, 164,141 e 150. Fonte: montagem de fotos do autor do artigo, feitas a partir do livro de KOO- LHAAS e MAU, Figura 8: A imagem-síntese ao final do percurso (p.174) e a retomada e fechamento da narrativa escrita (p. 175). À direita, ampliação de detalhe da foto (a Torre Eiffel) e do texto. Fonte: montagem com fotos do autor do artigo, feitas a partir do livro de KOOLHAAS e MAU, A foto final desse passeio (figura 8) é como aquela que abre o capítulo, uma vista externa de uma altura superior; só que, enquanto a primeira mostra a frente e enfatiza a casa em seu terreno, a última revela a visão dos fundos da casa, e sintetiza sua locação podendo-se ver, na paisagem ao fundo, o skyline noturno de Paris, com destaque para a Torre Eiffel alinhada com o eixo longitudinal da casa. Não é um fim gratuito: juntamente com a piscina suspensa e as faces envidraçadas, a possibilidade de avistar a torre a partir da cobertura foi anunciada na narrativa inicial como uma das exigências expressas do cliente; ao condensar a piscina, a transparência da casa e a vista parta a torre, a imagem tem uma clara conotação de missão cumprida. Não por acaso, página-dupla em que ela se encontra dialoga com a página de abertura do episódio (ver figura 5), dividindo o espaço entre essa imagem- -síntese à esquerda e uma página preta à direita em que a voz do narrador (Koolhaas) é brevemente retomada com um irônico eles viveram felizes para sempre. Terceira parte: registro processual Depois do comentário aparentemente final, inicia-se uma nova sequência de imagens, agora desenhos técnicos sequenciados na tradicional ordem de plantas por pavimento, depois cortes, depois fachadas (figura 9). Um leitor que seguisse a apresentação até esse ponto provavelmente teria a expectativa inicial de haver chegado finalmente às informações propriamente arquitetônicas, técnicas, através das quais poderia ler a configuração da casa. Contudo, logo perceberia que as peças gráficas apresentadas nesse trecho não foram feitas especialmente para o livro, e nem mesmo têm o desenho final da edificação: os autores optaram por reproduzir plantas, cortes e fachadas de fases intermediárias do projeto, com certos elementos diferentes dos vistos na casa final. Os desenhos estão comentados, rasurados e corrigidos à mão com tinta vermelha, no que seriam (supostamente) marcas do diálogo projetual entre os arquitetos e destes com os clientes. 16

11 Interações e interferências da configuração do livro Figura 9: Desenhos técnicos comentados, rasurados e complementados à mão. Respectivamente, plantas (páginas ) e cortes ( ). Fonte: montagem de fotos do autor do artigo, feitas a partir do livro de KOOLHAAS e MAU, O termo está sendo usado aqui no sentido específico dado por LWEEN e KRESS (2006, p.93): de um determinado regime de representação que invoca uma determinada sensação de realidade e é dotado de verossimilhança interna particular, estabelecendo uma determinada interação com o observador. Por exemplo: perspectivas fotorrealistas, desenhos técnicos geometrizados e cartuns cômicos compartilham mídias e técnicas de produção semelhantes, mas possuem índices de modalidade distintos, criando diferentes efeitos de realidade e imersão. Após texto puro primeiro e imagem silenciosa em segundo, essa terceira sequência é um conjunto mais híbrido na relação entre verbal e visual. Por um lado, desenhos técnicos normalmente costumam combinar elementos pictóricos e verbais (números, indicação de materiais, etc.) numa modalidade 4 semelhante; por outro, os comentários e desenhos feitos à mão em tinta vermelha sobre as plantas também parecem formar um conjunto coerente em sua gestualidade, e emprestam certa vida e voz a essas imagens normalmente tão estáticas. Peças originalmente feitas para a compreensão geométrica da edificação tornam-se, então, testemunho documental do longo e laborioso processo de projeto sugerido pelo texto. Após a sequência de desenhos, o capítulo termina com uma única imagem ocupando uma página-dupla: uma foto da construção da casa, outro testemunho de seu processo de realização. No decorrer das páginas de Obstacles, há cinco interferências do dicionário. A primeira, do dicionário verbal, se dá na segunda página preta de texto (p.134): aqui se faz, então, a convivência entre duas ordens de texto distintas (ver primeiro detalhe da figura 10). Embora estejam espacialmente muito perto uma da outra, a diferença tipográfica ajuda a caracterizar a separação entre essas camadas de informação (o dicionário usa uma fonte serifada e pequena, e seus títulos, outra fonte sem-serifa e em caixa-alta). Os verbetes presentes são classic, cleft, cliches¹, cliches², climates, clímax, clothes¹ e clothes². Enquanto os respectivos textos destes não se relacionam à narrativa, seus títulos produzem por vezes efeitos curiosos: classic está alinhado à frase da narrativa que menciona a existência de casas projetadas por Le Corbusier nas vizinhanças do local do projeto; cleft (rompido) está alinhado com o texto que informa a vontade contraditória do casal de clientes de quererem ao mesmo tempo uma casa de vidro (marido) e uma piscina na cobertura (esposa) e ruptura é facilmente relacionável tanto os desencontros entre os desejos de cônjuges quanto a uma piscina sustentada por vidro. Pode-se traçar ainda outras relações entre os dois grupos de texto, mas não se quer sugerir aqui que sejam necessariamente 17

12 planejadas pelos autores: pelo contrário, acredita-se aqui que tais sobreposições sejam predominantemente aleatórias em S,M,L,XL. O que se quer destacar com essa interpretação pontual é que essa convivência naturalmente produz significados e conotações, o que seria uma intenção expressa dos autores do livro. Em contraste, a segunda invasão (p.142) se dá puramente entre imagens: no canto inferior esquerdo de uma página-dupla que mostra uma lateral da casa e o volume suspenso por pilotis irregulares na parte frontal é alocada a reprodução de uma célebre pintura de Johannes Vermeer Senhora diante do Virginal ( ). Nesse caso específico, a tonalidade e as linhas verticais da pintura se harmonizam e fundem à área da foto da casa que a margeia diretamente uma massa que ocupa boa parte da metade esquerda da página-dupla, e cuja luminosidade amarelada contrasta, por um lado, com a escuridão azulada do extremo direito da foto (ver figuras 6 e 10). O clima doméstico e a ênfase na luz lateral da pintura do pintor holandês combinam tanto com a luminosidade particular da foto que ocupa a página-dupla quanto com a natureza do edifício apresentado. A terceira invasão (p ) interrompe a sequência silenciosa de fotos da residência com uma página-dupla em que se vê uma foto jornalística de duas mulheres ao telefone, uma das duas vociferando, e uma legenda (parte da própria imagem) explicando tratar-se de uma imagem da Bolsa de Valores de Paris em Como em todas as ocorrências invasivas do que chamamos aqui de imagens mundanas, o extremo esquerdo do conjunto possui verbetes do dicionário. Dessa vez fica mais difícil traçar relações entre o construído do texto e a imagem, ou mesmo entre qualquer um dos dois e o passeio arquitetônico das páginas anteriores e posteriores exceto pelo fato de se mostrar algo que também se passaria em Paris, a cidade da residência em questão. A quarta e quinta invasões (respectivamente, páginas 182 e 188) são novamente apenas textuais, agora se sobrepondo às pranchas técnicas. No entanto um novo efeito tem lugar aqui: pela primeira vez no capítulo, as citações estão por cima das informações do projeto, comprometendo parcialmente a legibilidade de ambas. A confusão visual com os verbetes é acentuada pelo fato dos desenhos técnicos serem apenas linhas pretas sobre fundo branco e também possuírem palavras (ainda que em outra fonte tipográfica). De fato, algumas anotações em vermelho sobre as pranchas técnicas dão a impressão momentânea de comentar e destacar as palavras do dicionário, e não os desenhos do projeto (figura 10). 18

13 Figura 10: detalhes das invasões do dicionário na apresentação da Villa Dall Ava. Respectivamente: páginas 134, 142, e 182. Fonte: Montagem de fotos do autor do artigo, feitas a partir do livro de KOOLHA- AS e MAU, Considerações Finais O caso da apresentação da Villa Dall Ava é particularmente interessante para ilustrar o efeito de aspectos básicos da concepção de S,M,L,XL, em especial por ser uma das mais longas e por condensar uma boa variedade de efeitos possíveis do dicionário sobre os outros conteúdos do livro. A sequência fotográfica também manifesta de maneira muito explícita a inspiração cinemática referida pelo designer Bruce Mau e, nesse sentido, também se mostra a adequação do formato do livro à fruição desejada: seu tamanho permite imagens grandes o suficiente para envolver o olhar, mas ao mesmo tempo é contido o suficiente para que o leitor não tenha que se afastar do livro 19

14 para ver o todo, e nem tenha que ver cada página- -dupla em movimentos muito longos do olhar (o que repartiria sua fruição em várias tomadas ). Antes de S,M,L,XL, provavelmente nem o compêndio mais ufanista do mais consagrado arquiteto mundial dispensou sessenta páginas para mostrar uma única residência de dois quartos, como Koolhaas e Mau fazem com a Villa Dall Ava; a massiva Oeuvre Complète de Le Corbusier, por exemplo, não gasta mais que nove páginas com a clássica Villa Savoye. De uma perspectiva estritamente econômica, não é exagero dizer que com metade das 1380 páginas o conteúdo essencial de S,M,L,XL já poderia ser comunicado de maneira eficiente, detalhada e ainda assim graficamente instigante. Além das inserções constantes de imagens, textos e elementos (aparentemente) sem relação direta com os conteúdos das apresentações de projeto, a grande quantidade de imagens ocupando sozinhas páginas-duplas inteiras como no caso do capítulo aqui analisado é completamente desnecessária do ponto de vista da eficiência elementar de comunicação das informações pictóricas. Esse tamanho, ainda por cima, tampouco se deve à busca pela descrição e discussão exaustiva e inteligível de projetos: S,M,L,XL raramente esmiúça os projetos nele incluídos. Paradoxalmente, há ao mesmo tempo excesso e falta de informações. Essa abundância, porém, não é simples prodigalidade: relaciona-se à possibilidade de exploração de efeitos, pausas, gradações, continuidades e choques. O exame geral do interior de S,M,L,XL dá indícios da preocupação em constituir múltiplas experiências sensoriais que possibilitem imersão pela adição de temporalidade e espacialidade ao livro. Essa configuração, por sua vez, parece se preocupar menos com construir uma intelecção clara dos conteúdos projetuais do que com estabelecer certa intensidade de fruição dessa informação e com agregar significados através dessa fruição. Na apresentação da Villa Dall Ava, é marcante a disjunção do conjunto de representações: a edificação exibida nas fotos não é exatamente aquela representada em desenhos; o texto, por sua vez, não fornece descrições propriamente ditas. Toda leitura de projeto demanda naturalmente um esforço de montagem mental a partir de várias peças gráficas; mas aqui o leitor interessado em compreender a configuração precisa do objeto-casa necessitará de um esforço excepcional para deduzi-la, a partir dos desenhos, correções e anotações feitas nestes (e elas não são de fácil legibilidade), em cruzamento com o que viu na longa sequência de fotos. Tal processo é factível, mas a opção por ele indica que os autores do livro estão menos interessados na intelecção completa do projeto em questão do que em fornecer, entremeada aos meios de representação, uma amostra da prática intelectual envolvida em sua elaboração. 20

15 Mas aqui é importante notar que esse esforço tampouco se trata de uma tentativa de explicar e sistematizar um determinado processo projetual: o próprio caso dessa residência, afinal, é narrado menos como a resolução engenhosa de um problema (um padrão comum em explicações projetuais) do que como um longo desenvolvimento em contato contínuo com contingências múltiplas. Assim como o tour cinemático das fotos oferece mais impressões do que explicações da casa, os desenhos técnicos colocados ao final parecem destinar-se a provocar uma impressão a respeito da prática dialógica que gerou aquele produto. Uma comparação pode ser traçada: assim como croquis de arquitetos são tradicionalmente utilizados em publicações como tentativas de conjurar a presença da mão do autor capturar algo do gesto, concepção pessoal ou personalidade os comentários rasurados dos desenhos técnicos e o tom do texto escrito parecem querer capturar e oferecer a presença da prática arquitetônica envolvida. Por diferentes que sejam, em ambas as situações a mão do arquiteto é menos algo a ser decifrado que uma presença a ser manifestada. O exemplo de apresentação destacado aqui, enfim, parece dedicado a expandir significados e impressões do projeto e edificação. Volta-se menos a fazer uma tradução dos caracteres do edifício do que a criar outras experiências da arquitetura através da mídia livro. Apresentações de arquitetura costumam ter funções intrinsecamente persuasivas a respeito de seus objetos; no exemplo estudado, porém, a apresentação parece tão interessada na qualidade particular do projeto quanto em sua própria qualidade como experiência de leitura pela qual o leitor dificilmente passa inconscientemente, já que interrupções e interações (com o dicionário verbal e visual) e mesmo detalhes inesperados (como fotos mais feias e sem foco e os desenhos técnicos rasurados) redirecionam a atenção ao próprio ato de enunciação e representação empreendido pelos autores do livro. Não por acaso, essa experiência pode ser igualmente persuasiva a respeito da engenhosidade de seu produtor: o uso criativo da linguagem, afinal, é componente decisivo da construção do ethos do discurso, da imagem daquele que enuncia. S,M,L,XL não é, afinal, uma análise sobre OMA feito por outros (como este texto é), mas um produto do escritório, como seus projetos; assim, tudo nele é não apenas representação, mas em si mesmo uma amostra das atividades, atitudes e, principalmente, da inteligência de OMA, de Koolhaas e de Bruce Mau (que se tornou talvez o designer gráfico mais conhecido entre arquitetos). Não é uma apresentação destinada a convencer um público acerca da qualidade de uma obra em particular, como uma prancha de concurso o é; como todo portfolio, S,M,L,XL tem intenção de convencer o público da criatividade do projetista. Esse, afinal, seria o objetivo central do papel da configuração desses livros contemporâneos 21

16 de auto-apresentação: usar a engenhosidade da linguagem consubstanciada no design e no texto para atestar e manifestar a habilidade criativa e intelectual de seus autores. JENCKS, C. Post-Modernism and the revenge of the book. In RATTENBURY, K (org.). This is Not Architecture: Media Constructions. London: Routledge, 2002, pp Referências Bibliográficas BOYER, C. and HAUPTMANN, D. The big books and sundry cyber-matters: an Interview with M. Christine Boyer. In BEKKERING, H. and HAUPT- MANN, D. (Eds.). The architecture annual , Delft University of Technology. Rotterdam: 010 Publishers, 2006, pp COLOMINA, B. Architectureproduction. In RAT- TENBURY, K (org.). This is Not Architecture: Media Constructions. London: Routledge, 2002, pp HAYLES, K. e GANNON, T. Virtual Architecture, Actual Media. Disponível em: Página do Institute for the Arts and Humanities da UNC College for Arts & Sciences da The University of North Carolina, Chapel Hill. Url: <http://iah.unc.edu/calendar/ hayles. article>. Acesso em 15/03/2009. KOOLHAAS, R., MAU, B. S,M,L,XL (Small, Medium, Large, Extra-Large). New York: Monacceli Press, 1998 (3ª Ed.). KRESS, G. e VAN LEEUWEN, T. Reading images: the grammar of visual design. London: Routledge, 2. Ed., MAU, Bruce. Life Style. London: Phaidon Press Limited RATTENBURY, K. Architecture Books. Icon Magazine, nº 015, September URL: icon-015-%7c-september-2004/architecture- -books-%7c-icon-015-%7c-september Acesso em 12/09/2011. RATTENBURY, K (org.). This is Not Architecture: Media Constructions. London: Routledge, HAYS, K. Michael. Architecture s Desire: reading the avant-garde. Cambridge: The MIT Press, p. 1 WESSELER, Sarah. AD Interviews: Michael Kubo on Architectural Publishing 10 Oct ArchDaily. Acesso em 19 agosto de <http:// 22

Etapas do Projeto de Arquitetura. Normas técnicas. Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura. Folhas de desenho

Etapas do Projeto de Arquitetura. Normas técnicas. Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura. Folhas de desenho Etapas do Projeto de Arquitetura Normas técnicas Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - FAU Departamento de Projeto,

Leia mais

Gabriel Girnos Elias de Souza Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brasil gabrielgirnos@gmail.com

Gabriel Girnos Elias de Souza Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brasil gabrielgirnos@gmail.com Narrativa, diagrama e database: considerações sobre a experiência da informação de apresentações de arquitetura e urbanismo em websites Narrative, diagram and database: considerations about information

Leia mais

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão Neste teste, a resolução da questão 1 exige a audição de uma sequência de três músicas que serão executadas sem interrupção: uma vez, no início do teste; uma vez, dez minutos após o término da primeira

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB Local: Itacaré - BA Ano: 2005 Local: Bragança Paulista - SP Ano: 2008 Local: Fazenda Boa Vista - SP Ano: 2008 Local: Porto Feliz - SP Ano: 2011 Bernardes e Jacobsen Arquitetura

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

Internacional. Singular geometria

Internacional. Singular geometria Internacional Singular geometria Escultórica e geometricamente complexa, a Casa da Música, criação do arquiteto holandês Rem Koolhaas, torna-se o mais novo edifício-ícone de Portugal. Criticada por sua

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de LÍNGUA PORTUGUESA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de LÍNGUA PORTUGUESA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Aptidão Arquitetura e Urbanismo APTIDÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1. INTRODUÇÃO Considerando que o trabalho do arquiteto é na verdade a articulação de inúmeras variáveis que se materializam e se configuram

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO

EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO VI COLOQUIO DE LA REDLAD Bogotá, 15 e 16 de setembro de 2011 LOS DISCURSOS DE LA EXCLUSIÓN EN AMERICA LATINA EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO Viviane de Melo Resende María

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP Contacto: erisson.pitta@mj.gov.br Telefono: 5561 2025 8991 Prezado(a)

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Legibilidade. Buracos brancos. Entrelinhas

Legibilidade. Buracos brancos. Entrelinhas A única coisa capaz de atrair o leitor é uma informação transmitida de maneira clara, pertinente e envolvente. A ilustração e o título atraem sua atenção, mas é o texto que encerra toda a informação que

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares.

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares. O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da exposição Entre Silêncio e Paisagem, de Daniel Neto e Elenir tavares. Abertura 23 de outubro, às 19 horas.

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO

Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO Definição de Desenho Técnico O desenho técnico é uma forma de expressão gráfica que tem por finalidade a representação de forma, dimensão e posição de

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS 1960 01 GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS HISTÓRIA 02 O edifício Metrópole e Centro Metropolitano de Compras, projetado pelos arquitetos Salvador Candia e Gian Carlo Gasperini, é um importante

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico Conceitos de Design Gráfico Disciplina de Design Gráfico Índice Projeto de Design Gráfico Layouts Efetivos Elementos de Design Princípios de Design Referências Bibliográficas 2 Projeto de Design Gráfico

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Marly de Menezes Gonçalves, Doutoranda em Arquitetura pela FAU/USP FASM - Faculdade Santa Marcelina professora do

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1

O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1 O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1 Paulo Souza dos SANTOS JUNIOR 2 Maria Carolina Maia MONTEIRO 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho apresenta uma produção multimídia

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Í n d i c e Apresentação........................................................................................ Uso do Manual.....................................................................................

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015 REGULAMENTO I - AS CATEGORIAS São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 11 de Matéria Completa 3 de Texto 4 de Arte 4 de Fotografia 5 Digitais 2 Especiais Prêmio Roberto Civita Prêmio Matéria

Leia mais

Palavras-chave: metodologia, linguagem, projeto arquitetônico

Palavras-chave: metodologia, linguagem, projeto arquitetônico æ ensaios A linguagem ideogrâmica como elemento de intermediação reflexiva entre o programa de necessidades e o estudo preliminar Arquiteto, Prof. Dr. Paulo Corrêa O artigo traz, à discussão sobre metodologia

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda a turma crie categorias de classificação. Grupos então

Leia mais

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens 2 Transversalidade Design Linguagens Marcos Rizolli ARTISTAS-DESIGNERS DO SÉCULO XX: UM INVENTÁRIO SEMIÓTICO 2 RESUMO O presente estudo apresenta as relações semióticas entre Arte e Design, percebidas

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Formatação de documentos: mais qualidade e produtividade

Formatação de documentos: mais qualidade e produtividade Formatação de documentos: mais qualidade e produtividade Judith Adler Levacov Diretora da JAL Design, pós-graduada em Design de Interfaces pela Unicarioca judith@jaldesign.com.br Introdução Com a informatização

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações História da arte Evolução das expressões artísticas, a constituição

Leia mais

Aula 2 - Especi cidades do design. professor Rafael Ho mann

Aula 2 - Especi cidades do design. professor Rafael Ho mann Aula 2 - Especi cidades do design professor Rafael Ho mann Especi cidades do design Design de produto/industrial Trabalha com a criação e produção de objetos e produtos (bens de consumo) tridimensionais

Leia mais

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo 1. INTRODUÇÃO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP tem o propósito de preparar o arquiteto para ser um profissional capaz de compreender

Leia mais

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE SILVA,HENRIQUE CÉSAR DA 1 Universidade Católica de Brasília Palavras chave: Imagens; Realismo crítico; Iconicidade. INTRODUÇÃO Imagens

Leia mais

ANEXO IV RELATO DE EXPERIÊNCIA TÍTULO DO TRABALHO

ANEXO IV RELATO DE EXPERIÊNCIA TÍTULO DO TRABALHO ANEXO IV RELATO DE EXPERIÊNCIA TÍTULO DO TRABALHO Nome Sobrenome 1 Nome Sobrenome 2 RESUMO Este trabalho apresenta os elementos que constituem a estrutura do relato de experiência para o programa de apoio

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento

O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento O que mobiliza esta aula é a vida cotidiana, o significado da casa e da vida doméstica, da rua e do espaço público como conformadores de nosso

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

O PROJETO PASSO A PASSO

O PROJETO PASSO A PASSO O PROJETO PASSO A PASSO 4ª ETAPA: Elaboração do Texto Ao concluir a Etapa 3, você já reúne todas as informações necessárias para elaborar seu projeto de pesquisa. O texto do projeto terá a mesma estrutura

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Cópia Este capítulo inclui: Cópia básica na página 3-2 Ajustando as opções de cópia na página 3-4 Configuração básica na página 3-5 Ajustes de imagem na página 3-9 Ajustes de posicionamento de imagem na

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis. A casa # 8 1

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis. A casa # 8 1 A casa # 8 1 Marta Peixoto 2 1 Este trabalho se insere em uma pesquisa desenvolvida aqui no UniRitter - junto com o professor da FAU Sergio Moacir Marques - intitulada Domesticidade, tecido e o gosto neoplástico:

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

Este foi o título que dei a um primeiro importante trabalho em serigrafia.

Este foi o título que dei a um primeiro importante trabalho em serigrafia. [ensaio de imagem] Mônica Schoenacker 1967. Artista plástica, Mestre em Printmaking (gravura) no Royal College of Art (RCA) em Londres como bolsista da Capes (1999), quando foi agraciada com o Tim Mara

Leia mais

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA PIM II Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: O aluno deverá escolher uma empresa de qualquer porte ou segmento e, com base no cenário

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

Design e criação em e-mail marketing

Design e criação em e-mail marketing Design e criação em e-mail marketing 17 de junho de 2008, 07:34 E-commerce obteve sucesso em uma campanha de e-mail marketing, que repetiu este ano em versão aperfeiçoada Conheça as decisões de design

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1 Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO O presente trabalho apresenta a experiência de produção laboratorial

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Normas da ABNT para Desenho Técnico

Normas da ABNT para Desenho Técnico UFMG - Curso de Graduação em Engenharia Metalúrgica Disciplina: DESENHO D Prof. Marcelo Borges Mansur (DEMET-UFMG) Normas da ABNT para Desenho Técnico Associação Brasileira de Normas Técnicas TERMINOLOGIA

Leia mais

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS Neste número, a seção Crônicas e Controvérsias apresenta dois textos: o primeiro, de Sírio Possenti, acerca da resenha do livro de Alice Krieg- -Planque A noção de fórmula em análise

Leia mais

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. RESENHA/REVIEW ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. Resenhado por/by: Acir Mario KARWOSKI (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15287 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação Information and documentation Research project Presentation

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

6. Discussão sobre as análises

6. Discussão sobre as análises 6. Discussão sobre as análises Meu objetivo neste capítulo é rever as questões de pesquisa propostas no trabalho e procurar respondê-las com base nas análises dos textos dos aprendizes, associadas aos

Leia mais

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução:

Capítulo 1 - Introdução: Capítulo 1 - Introdução: Todo desenho comunica uma ideia e a expressão gráfica é uma linguagem que passa o pensamento para o papel ou computador, facilitando a comunicação de quem envia ou recebe uma informação.

Leia mais

II ELPED - ENCONTRO DE LICENCIATURAS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO

II ELPED - ENCONTRO DE LICENCIATURAS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO II ELPED - ENCONTRO DE LICENCIATURAS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO Tema: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E CURRÍCULO: ABORDAGENS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DATA: 31 de março e 1º de abril de 2016 1. OBSERVAÇÕES GERAIS a)

Leia mais

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE.

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. A Casa Tomada abre inscrições para a seleção de projetos da residência

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais