DIALÉTICA DE HEGEL A MARX

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIALÉTICA DE HEGEL A MARX"

Transcrição

1 Gregório Henrique Silva Duarte Graduando em Ciências Sociais - UFCG Resumo: O objetivo do presente trabalho, é abordar as mais abrangentes perspectivas filosóficas que se propõe a utilizar o método dialético, ou seja, escolas filosóficas que se apropriam da tradição metodológica dialética. A partir da compreensão dialética, surgem maneiras de explicar os atos humanos, tratarei de apresentar aqui, através das categorias filosóficas marxistas, como deram-se as determinações hegelianas e marxistas, no desencadear dos processos históricos. Procurarei apresentar seus determinados conceitos, estabelecendo relações e co-relações entre elas, caracterizarei as diferenciações existentes entre a dialética idealista hegeliana e a dialética materialista marxista. Palavras-chave: Dialética; Determinações; Idealismo; Materialismo.

2 GREGÓRIO HENRIQUE SILVA DUARTE A dialética é também uma teoria engajada. Ao contrário da metafísica, é questionadora, contestadora. Exige constantemente o reexame da teoria e a crítica da prática. Não existe nenhum critério de relevância (nem científico, social, teórico, nem prático) que possa determinar que um ponto de vista é relativamente mais válido que outro. O professor pensador de sua práxis, deverá manter uma crítica e uma autocrítica constante, uma dúvida levada à suspeita, e a humildade de que fala Paulo Freire, para reconhecer cotidianamente as limitações do pensamento e da teoria. Concluindo, a dialética opõe-se ao dogmatismo, ao reducionismo, portanto, é sempre aberta, inacabada, superando-se constantemente. (CARVALHO, Jaciara de Sá, 2011) A partir da perspectiva de trabalho, ou seja, processo pelo qual o homemse faz homem, diante dessas relações, o trabalho exige do homem novas posições acerca da realidade, tendo em vista, Engels em O papel do trabalho na transformação do macaco em homem, afirma que o anseio da fala, isto é, a comunicação é uma necessidade posta pelo trabalho. Fazendo uso dessa perspectiva, abordarei aqui, a dialética de Hegel a Marx, partindo de uma análise etimológica de dialética: Do latim diaectica, do grego dialektike(tekhne), (a arte de) discussão filosófica ou discurso, de dialektos, conversa, assunto. Do L. diálogus, do G. diálogos, conversação relacionado adialogesthai falar, conversar, formado por dia através + legein falar Tendo como conseqüência da análise etimológica, me cabe explicar os fundamentos dialéticos, entretanto, sinto a necessidade de conceituar novamente dialética. Tendo dialética, enquanto a ação humana que utiliza-se do debate ideológico, que ocorre nas discussões. Neste artigo, tentarei transmitir filosoficamente, apresentando e explicando a dialética de Hegel e Marx. Ou seja discussões voltadas para o campo do idealismo hegeliano e o materialismo segundo Marx. Dando continuidade, esboçarei aqui acerca do idealismo alemão e da dialética hegeliana, entretanto faz-se necessário situar historicamente Hegel, modo pelo qual facilitará a compreensão de suas obras. Hegel vivencia o século XVI, cria uma estrutura filosófica que procura contemplar a lógica, a natureza e o espírito. É preciso ressaltar que Hegel sofre inúmeras influências de Kant, de modo que o idealismo alemão parte do próprio Kant. Acerca do o idealismo alemão, este é oriundo das correntes pós-kantianas, isto é, a parti de Johann GotthedFicthe( ) até Hegel. Destaque-se da filosofia neo-kantiana ainda, a presença do Eu transcedental, a filosofia subjetiva. Ainda referente ao idealismo em Hegel trabalhando com a ciência do espírito, o idealista Hegel vê o espírito em três momentos: - Espírito subjetivo: quando refere-se ao indivíduo a consciência individual. - Espírito objetivo: quando refere-se as instituições e costumes historicamente produzidos pelo homem: - Espírito absoluto: que se manifesta na arte, na religião e na filosofia como espírito que se compreende a si mesmo. (REDYSON, DEYVE, 2011) 12

3 A partir da conceituação dada por Deyve e Redyson, conseguimos compreender a estrutura idealista, sobretudo pelo modo como Hegel aborda as ciências do Espírito, entretanto, busco apresentar o amadurecimento, ou seja, a raiz do pensamento dialético, com isso estabeleço o giro desde o contexto histórico que Hegel viveu, transitando para o campo do idealismo alemão, analisando as ciências do espírito, para enfim poder adentrar a lógica idealista e a dialética hegeliana. Quando aborda a lógica enquanto condição que antecede o pensamento dialético, Hegel divide o conceito lógico em duas perspectivas: a lógica objetiva e a lógica subjetiva (no que se refere a lógica objetiva, Hegel diferencia essa estrutura lógica, da estrutura lógico formal(tradicional), definindo-a através de dois campos filosóficos, isto é, o campo da doutrina do ser e a da doutrina da essência, onde é possível caracterizar o campo da doutrina do ser, pelas análises voltadas para a oralidade, quantidade, medida) e na doutrina da essência, destaca-se o contraponto entre a realidade e aparência, discussão, isto que só se faz presente na abordagem kantiana, quando Kant utiliza-se do Eu transcedental. Ainda apresentando o campo da lógica hegeliana, por fim, chego a lógica subjetiva, Hegel assim como na caracterização da lógica objetivo, usa a doutrina, entretanto, a doutrina pertinente no campo da lógica subjetiva é a doutrina do conhecimento, discussão presente no choque filosófico entre o idealismo kantiano a a metafísica, de tal forma que Kant afirma que a metafísica não produz conhecimento, voltando para a doutrina do conhecimento, essa área lógica trabalhará com a subjetividade, objetividade e a idéia. Depois desse longo giro acerca da lógico, remete-me ao conceito dado por Hegel: Até hoje, o conceito de lógica se baseia na separação definitiva pressuposta na consciência comum do conteúdo do conhecimento e da forma do mesmo, ou da verdade da certeza. Pressupõe-se primeiro, que a matéria do conhecimento existe como o mundo pronto em si e para si fora do pensar, que o pensar para sim é vazio, que se acrescenta como forma externa à aquela matéria, completando-se com ela, só então adquirindo conteúdo e tornando-se um conhecimento real. (44) A partir dessa conceituação dada por Hegel, podemos perceber o rompimento entre o sujeito e o objeto, mas procurarei não me ater a essa discussão, de modo que, o que quero deixar claro é que na Lógica Objetiva, é onde Hegel lança o conceito geral da lógica, apresentando a divisão desta ciência da lógica em lógica do ser, lógica da essência e finalmente a lógica do conceito. Diante dessas considerações, antes de adentrar a dialéticahegeliana, preciso dissertar sobre a doutrina da essência, haja visto que a mesma é parte constitutiva da lógica objetiva, elemento da qual, relativamente origina as elucubrações dialéticas. Partindo do pressuposto da reflexão, enquanto condição dialética, Hegel diz: A essência é em primeiro lugar reflexão. A reflexão se determina: suas determinações são um ser posto que ao mesmo tempo é reflexão em si. Em segundo lugar, temos que considerar destas determinações, as reflexões que 13

4 GREGÓRIO HENRIQUE SILVA DUARTE querem se dizer essencialidades. Em terceiro lugar a essência, como reflexão do determinar em si mesmo, converte-se em fundamento e transpassa na existência e na aparência. (45) Essa discussão, pode ser considerada o principal entrave entre Hegel e Feuerbach, onde percebe-se a interrogação acerca de que por que não começar com o ser mesmo? Por que ter que criar um começo do começo para somente depois verdadeiramente começar. Adentrando agora, de fato, na dialética, a priore é importante mostrar como Hegel define a dialética,a partir de então, tentarei explicar como funciona a dialética idealista, para Hegel a definição de dialética é: A conciliação dos contrários nas coisas e no espírito (67). Desse modo, afirmo que a dialética trabalha com as contradições, ou seja, o método dialético é o método de contrapor-se. Para que aja essa compressão, é preciso perceber que a realidade não estática, ao contrário, ela é dinâmica, ou seja, ela está em constante mudança (movimento) e o que, de fato, caracteriza e singulariza a dialética hegeliana é a percepção através do desdobramento das idéias, logo, para Hegel, Todo real é racional..., a partir disso, pode-se observar que a realidade está posta no campo das idéias, portanto, a idéia e o espírito é o que está na raiz do movimento dialético idealista. No tocante ao processo dialético em si, Hegel apresenta três momentos desse processo. - Tese / É a afirmação geral sobre o ser, por exemplo: a cadeira é de madeira.tal afirmação pode ser negada. - Antítese Constitui a negação da tese, por exemplo a cadeira não é feita só de madeira,mas produto de árvores destruídas pelo trabalho humano e pelos instrumentos utilizados pelo homem. A antítese é a primeira negação que também pode ser negada. - Síntese / Constitui a negação da negação, nela se encontram a tese e antítese repensadas, no caso reformuladas: a cadeira é produto do trabalho humano com o auxilio de instrumentos. A síntese constitui uma nova tese a ser desenvolvida. Esta em constante movimento, não é estanque em momento nenhum. Depois de apresentar a perspectiva dialética hegeliana, ou seja, idealista, tentarei aqui apresentar os desdobramentos filosóficos oriundos dessa teoria. Tratarei agora da dialética marxista. Para facilitar a compreensão dessa teoria é preciso situar Marx historicamente. Marx baseia sua teoria a partir da análise de produção capitalista, na nascente sociedade burguesa do século XVIII. A tradição metodológica que esse teórico segue é o método dialético, embora ele faça inúmeras questionamentos à filosofia hegeliana, tentarei aqui discorrer sobre a dialética marxista e, de certo modo, confrontar a dialética marxista e a idealista. Marx desenvolve enquanto seu método, o materialismo histórico dialético, maneira pela qual, investiga a realidade. Desse modo a teoria marxista não é uma teoria conceitualista, ou seja, Marx não trabalha com definições e sim com determinações. Partindo para a lógica do materialismo histórico dialético, observamos as três maneiras que o movimento pode vir a manifestar-se. 14

5 A dialética da natureza, dialética inteiramente objetiva, ou seja, independente da existência de projetos, de intenções ou de motivações do homem, que não age diretamente sobre a história humana. Isso não exclui que o desenvolvimento das forças produtivas, a humanidade possa utilizar as leis da natureza para remodelar o seu meio natural. Continuando,Mandel assim se expressa: A dialética da história, dialética largamente objetiva à partida, mas na qual a irrupção do projeto proletariado para reconstruir a sociedade segundo um programa pré-estabelecido, constitui uma viragem revolucionária, mesmo se a elaboração e a realização desse projeto estão ligadas a condições materiais, objetivas, pré existentes e independentes da vontade dos homens; Com relação a dialética do conhecimento, Mandel, diz: A dialética do conhecimento que é uma dialética objeto- sujeito por excelência o resultado de uma inter-ação constante entre os objetos a conhecer (os objetos de cada uma das ciências) e a ação dos sujeitos que procuram compreende-las (e que são condicionados pela sua situação social, os meios de investigação herdados e a seu alcance tanto os meios de trabalho quanto os conceitos a transformação destes meios pela atividade social corrente). Marx por ser materialista compreende os atos humanos de maneira oposta a Hegel. Ao desenvolver uma teoria voltada para a classe trabalhadora, ele avança Hegel principalmente nas diferenciações de lógica, isto é, para Marx diferentemente de Hegel, a lógica formal assenta-se em três elementos fundamentais. A dialética ou lógica do movimento, distingue-se da lógica formal ou da lógica estática. A lógica formal assenta em três elementos fundamentais,mandel assim define: A lei da identidade: A é igual a A; uma coisa permanece sempre igual a si mesma.a lei da contradição: A é diferente de não A, A não pode jamais ser igual a não A; A lei do terceiro excluído: Ou bem A, ou bem não A; nada pode ser nem A nem não A. Refletindo sobre a abordagem de Mandel, concluímos que o caracteriza a lógica formal é a orientação que consiste em colocar (o movimento e a mudança). Precisei explorar um pouco sobre as diferenciações residentes na filosofia dialética de Marx, quando comparado a de Hegel, entretanto, abordarei agora de modo bem dialético o passo a passo, para compreender as categorias dialéticas marxista. Buscarei referências nos intelectuais Sérgio Lessa e Ivo Tonet, haja vista anteriormente um pequeno estudo acerca do que é dialética, até a abordagem idealista, nessa pesquisa vou me ater as quatro categorias dialéticas marxista, que são: a totalidade, a contradição, a mediação e as fluidificação dos conceitos. Primeiramente, para compreender a dialética é necessário ter a noção de totalidade em Marx. Para ele totalidade é todo e qualquer objeto que o homem possa perceber ou criar é parte de um todo... 15

6 GREGÓRIO HENRIQUE SILVA DUARTE Nesse trecho, LESSA ao explicar totalidade deixa claro que as interligações constituem a estrutura de todos os atos humanos, portanto, dialeticamente pensando todo e qualquer objeto é parte de uma totalidade. É importante ressaltar, que essa característica transcende o plano material, ou seja, também é uma categoria filosófica que podemos encontrar no idealismo alemão. Acerca da contradição e da mediação, posso dizer que para Marx, a contradição é o princípio básico para a movimentação dialética, de modo que, através dela terá surgimento a antítese enquanto oposição à tese e acarretará na síntese. Quando abordo as mediações refirome ao método de Marx, a mediação pode ser considerada a reflexão acerca das totalidades, no sentido de que nela reside as concretudes da dialética. As mediações é que nos permite afirmar que a contradição é a manifestação de um defeito do raciocínio, entretanto,nem Marx nem Hegel vêem a contradição enquanto defeito, vêem enquanto condição básica para reprodução do movimento humano. Para encerrar a discussão acerca da dialética marxista, apresento as leis gerais da dialética: - Lei da passagem da quantidade à qual idade (e vice-versa) - Lei da interpretação dos contrários - Lei da negação da Negação Diante dessa amostra filosófica de Marx, sinto a necessidade de apresentar as contradições existentes entre a filosofia idealista e a filosofia marxista, tendo em vista que vou me ater as discussões referentes a filosofia marxista e a hegeliana, utilizando o método dialético, enquanto, ferramenta para compreensão do mesmo. Antes disso, busco referência para a contradição referente a consciência a partir da seguinte afirmação de Hegel: Tudo que é real é racional. Digo, que essa problemática levantada por Hegel, resolve-se a partir das regras do método de pensamento de Hegel, isto é, o próprio Hegel diz que Tudo o que existe merece perecer, de fato, reside aí, a significação real e o caráter revolucionário da filosfia hegeliana, de modo que, podemos perceber o encerramento do caráter definitivo de todos os resultados do pensamento e da ação do homem, a partir disto, é o período em que Marx, aproxima-se da filosofia Hegeliana. Mais adiante, nas considerações finais, procurarei estabelecer contrapontos entre o pensamento idealista e o materialista. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Diante do exposto, compreendo um pouco mais acerca da dialética hegeliana e marxista, as diferenciações que posso apontar reside inicialmente no modo dialético de compreender a realidade, ou seja, Hegel defende enquanto dialética o desdobramentos das idéias, portanto, a realidade é fruto da imaginação, Marx materialista, vai dizer que é o contrário, a realidade é a mediação, dialeticamente pensando, haja vista que mediação é o concreto da dialética. A partir dessas abordagens entre a filosofia moderna e o materialismo, dialeticamente, remete-se 16

7 a constituição da existência, logo podemos observar as diferenças de abordagem, Hegel dirá que todo real é racional, Marx, dirá acerca da existência e da consciência social, voltando a discussão filosófica sobre o eu transcendental, Marx dirá que: Não é a consciência quem determina o ser social, ao contrário, o ser social é quem determina sua consciência. Analisando o contraponto, observamos á virada filosófica que Marx propõe, ou seja, uma abordagem materialista superando o idealismo, logo, torna-se notória que as idéias são oriundas da existência, então, penso que sem a (mediação) existência não haveria pensamento (idéia). Nessa mesma linha de raciocínio, procurando concluir o artigo, um ótimo exemplo para compreendermos à virada filosófica materialista, é a partir da afirmação de René Descartes. Descartes este, que foi umfilósofo, físico e matemático francês. Considerado um dos primeiros pensadores modernos, ou seja, influenciou grandemente toda a filosofia idealista alemã. René Descartes, afirma, penso, logo existo. Apropriando-me da perspectiva materialista, logo, veremos que a existência antecede o pensamento, de modo que, o pensar é um desdobramento da realidade, das concretudes humanas, isto é, pensar é uma condição dada pela existência. Desse modo, torna-se mais simples, a compreensão de uma nova abordagem filosófica, de modo que, o materialismo histórico dialético revoluciona a filosofia e transita em várias outras vertentes, como a Sociologia, Pedagogia e a História. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: DANTAS, Gilson (org). LudwingFeuerbach e o fim da filosofia clássica alemã.textos universidade aberta nº 2. Brasília, DF: centelha cultural, KONDER, Leandro. O que é dialética. Brasiliense, 25 ed. Brasília (DF): 1980 MAGALHAES, Fernando. 10 lições sobre Marx. Petrópolis, 3 ed. RJ: Vozes, MANDEL, Ernest. Introdução ao socialismo. Nova imprensa, 2 ed. RJ, 1978, MARX, Karl. Manuscritos econômicos filosóficos, Martin Claret. 1 ed. RJ, REDYSON, Dayve. 10 Lições sobre Hegel. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011 HEGEL, G.W.F. Textos dialéticos / G.W.F. Hegel Rio de Janeiro: Zahar,

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO Dennys Rodrigues de Sousa* (Graduando em psicologia pela Faculdades Metropolitanas de Maringá - UNIFAMMA, Maringá-PR, Brasil); André Henrique Scarafiz,

Leia mais

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO Sandra Maria Zanello de Aguiar, e-mail:szaguiar@gmail.com. Universidade Estadual do Centro-Oeste/Setor de Ciências Sociais Aplicadas.

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Autor(es) PAULA CRISTINA MARSON. Co-Autor(es) FERNANDA TORQUETTI WINGETER LIMA THAIS MELEGA TOMÉ. Orientador(es) LEDA R.

Autor(es) PAULA CRISTINA MARSON. Co-Autor(es) FERNANDA TORQUETTI WINGETER LIMA THAIS MELEGA TOMÉ. Orientador(es) LEDA R. 9º Simposio de Ensino de Graduação INVESTIGANDO OS CONHECIMENTOS PRÉVIOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Autor(es) PAULA CRISTINA MARSON

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano 1. Apresente as ideias de Tese, antítese e síntese idealizados por Hegel. 2. Uma das faculdades mais importantes do ser humano é pensar. Nenhum homem conseguiria

Leia mais

A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE

A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE Maria Aristé dos Santos 1, Danielli Almeida Moreira 2, Janaina Rufina da Silva 3, Adauto Lopes da Silva Filho 4 ¹ Alunas do Curso de Licenciatura em Filosofia da

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO HOFFMANN, Mara Lúcia Schuster Bolsista do Capes - PIBID/UNIFRA Acadêmica do Curso de Filosofia UNIFRA Email: maraluciahoffmann@yahoo.com.br

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre.

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre. PLANO DE AULA ÁREA: Ética TEMA: Existencialismo HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Contemporânea INTERDISCIPLINARIDADE: Psicologia DURAÇÃO: 4 aulas de 50 cada AUTORIA: Angélica Silva Costa OBJETIVOS: Refletir sobre

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID Heloisa Braga dos Santos Christian Vieira de Souza RESUMO Este artigo foi elaborado com o objetivo de relatar a

Leia mais

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO E INCLUSÃO

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO E INCLUSÃO A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO E INCLUSÃO Schirley de Fátima Rietow Artur Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná. Atual aluna de especialização em Gestão

Leia mais

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1280 OS HISTORIADORES, SEUS LUGARES E SUAS REGIÕES: A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA UNICENTRO SOBRE A REGIÃO PARANAENSE Darlan Damasceno Universidade Estadual de Londrina Resumo.

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

FILOSOFIA E MATEMÁTICA EM PLATÃO, UMA PROPOSTA CURRICULAR PARA O ENSINO MÉDIO

FILOSOFIA E MATEMÁTICA EM PLATÃO, UMA PROPOSTA CURRICULAR PARA O ENSINO MÉDIO FILOSOFIA E MATEMÁTICA EM PLATÃO, UMA PROPOSTA CURRICULAR PARA O ENSINO MÉDIO Odair da silva Guimarães Graduando em Licenciatura em Filosofia Universidade Federal do Recôncavo da Bahia RESUMO: A discussão

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO.

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. Marcelo Lira Silva Tentarei neste breve ensaio levantar alguns aspectos da construção gnósioontológico de um dos pensadores marxistas

Leia mais

LOSSO, Adriana Regina Sanceverino, UDESC 1 MELO, Sônia Maria Martins de, UDESC 2

LOSSO, Adriana Regina Sanceverino, UDESC 1 MELO, Sônia Maria Martins de, UDESC 2 A FACE TEÓRICA E METODOLÓGICA DA CATEGORIA DE MEDIAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR -TUTOR: CONTRIBUIÇÃO À FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO LOSSO, Adriana Regina Sanceverino, UDESC 1 MELO,

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012 EP107 Introdução à Pedagogia Organização do Trabalho Pedagógico Ementa: O objetivo das ciências da educação. O problema da unidade, especificidade e autonomia das ciências da educação. A educação como

Leia mais

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS Roberta A. dos Santos 1* (IC), Karen.L. Cruz 1 (IC) Verno Krüger 2 (PQ) beta x@hotmail.com 1-

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

SABERES E PRÁTICAS DOCENTES: REPENSANDO A FORMAÇÃO CONTINUADA

SABERES E PRÁTICAS DOCENTES: REPENSANDO A FORMAÇÃO CONTINUADA SABERES E PRÁTICAS DOCENTES: REPENSANDO A FORMAÇÃO CONTINUADA Maria Cristina Ribas Rosinksi/Mestranda PPGE-UFSM Valeska Fortes de Oliveira/Orientadora PPGE-UFSM As pesquisas realizadas na área de Formação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Onde o comunicador não é considerado protagonista da história da organização, não pode haver comunicação eficaz. Paulo Nassar No mundo da comunicação

Leia mais

REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ)

REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ) REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ) *Profa. Ms. Maria Celeste de Sousa Resumo: A filosofia de Lima Vaz é profundamente influenciada por Hegel e os dois conceitos que

Leia mais

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Thayssa Stefane Macedo Nascimento Graduanda do curso de Pedagogia da UFPI RESUMO O presente trabalho discute acerca da avaliação na educação infantil tendo como

Leia mais

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Helker Silva Paixão 2 Universidade Federal de Lavras helkermeister@gmail.com Patrícia Nádia Nascimento Gomes 3 Universidade Federal de Lavras paty.ufla@yahoo.com.br

Leia mais

IMPLICAÇÕES HUMANAS DO CUIDADO HOLÍSTICO NA ODONTOLOGIA: UM ESTUDO A PARTIR DA PERSPECTIVA DE MARTIN BUBER

IMPLICAÇÕES HUMANAS DO CUIDADO HOLÍSTICO NA ODONTOLOGIA: UM ESTUDO A PARTIR DA PERSPECTIVA DE MARTIN BUBER IMPLICAÇÕES HUMANAS DO CUIDADO HOLÍSTICO NA ODONTOLOGIA: UM ESTUDO A PARTIR DA PERSPECTIVA DE MARTIN BUBER Enoque Fernandes de Araújo (autor); Wanderley Fernandes de Araújo; Margarida Fernandes de Araújo;

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

Palavras-chave: Marx; Ernst Bloch; Teses sobre Feuerbach. Financiamento: Fundação Araucária.

Palavras-chave: Marx; Ernst Bloch; Teses sobre Feuerbach. Financiamento: Fundação Araucária. AS TESES DE MARX SOBRE FEUERBACH: UMA REFLEXÃO A PARTIR DE ERNST BLOCH Larissa Klosowski de Paula Prof. Dr. Roberto Leme Batista (Orientador) Universidade Estadual do Paraná UNESPAR Campus de Paranavaí

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

Características do texto Académico-Científico

Características do texto Académico-Científico Características do texto Académico-Científico Algumas noções breves Ana Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa Essencial para uma adequada indexação posterior em bases de dados; Nem muito abrangentes

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

Kant Uma Filosofia de Educação Atual?

Kant Uma Filosofia de Educação Atual? juliana_bel@hotmail.com O presente trabalho retoma as principais ideias sobre a pedagogia do filósofo Immanuel Kant dentro de sua Filosofia da Educação, através dos olhos de Robert B. Louden, professor

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO Angela Maria Souza Martins /UFRJ-UNIRIO Introdução Realizamos essa pesquisa porque percebemos

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias Denice Aparecida Fontana Nisxota MEMEGAIS 1 denice@unemat.br, Adriana Cristina da SILVA 2 crystinaadri@hotmail.com Cleyton Borges dos SANTOS 3 cleyton.borges@gmail.com

Leia mais

Discovery [Descoberta] como um Meio de Prova que se Admite na Arbitragem

Discovery [Descoberta] como um Meio de Prova que se Admite na Arbitragem Discovery [Descoberta] como um Meio de Prova que se Admite na Arbitragem Prof. Me. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise, vantagens, desvantagens e o uso e costume, em relação

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética Sartre: razão e dialética Vinícius dos Santos Doutorado UFSCar Bolsista FAPESP Em 1960, Sartre publica o primeiro tomo de sua Crítica da razão dialética. O objetivo destacado da obra era conciliar o marxismo,

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 AS PROPOSTAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTADAS NOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRONHOS FRANCO, C.

Leia mais

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco.

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco. VI Encontro Nacional da Anppas 18 a 21 de setembro de 2012 Belém - PA Brasil Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

SEGUNDA PARTE. A dialética em Piaget

SEGUNDA PARTE. A dialética em Piaget SEGUNDA PARTE A dialética em Piaget Se considerarmos a multiplicidade das pesquisas empíricas e a elaboração epistemológica da obra piagetiana, é possível propor a presença de, pelo menos, dois níveis

Leia mais

AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Rúbia Emmel, UNIJUÍ Alexandre José Krul, UNIJUÍ RESUMO: Este recorte de pesquisa em educação tem por objetivo refletir sobre

Leia mais

O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO SANTIN, Rafael Henrique (PIBIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO Neste texto pretendemos analisar o método escolástico

Leia mais

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 1 OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Leordina Ferreira Tristão Pedagogia UFU littledinap@yahoo.com.br Co

Leia mais

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT Jéssica de Farias Mesquita 1 RESUMO: O seguinte trabalho trata de fazer uma abordagem sobre o que se pode considerar uma filosofia

Leia mais

Como as instruções maçônicas mudaram minha vida

Como as instruções maçônicas mudaram minha vida 1 TEMA Como as instruções maçônicas mudaram minha vida Paulo Cesar de Freitas Machado - A M CAD. Nº 8064 2 A Glória do Grande Arquiteto do Universo Como as instruções maçônicas mudaram minha vida INTRODUÇÃO:

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ 1 A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ Resumo O presente trabalho tem por proposição identificar

Leia mais

Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire)

Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire) Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire) Diego Chabalgoity 1 Resumo A pesquisa de doutorado aqui relatada apresentou como objetivo a realização

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS

O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS Fabiana Maria das Graças Soares de Oliveira 1 Com o tema O Futuro se faz com a conscientização das Diferenças 2, a Federação Nacional das APAEs, em

Leia mais

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Teoria do conhecimento - David Hume e os limites do conhecimento Objetivos Compreender as principais escolas da teoria do conhecimento da modernidade. Discutir a

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da Física

Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da Física Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA?

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? Rodrigo Janoni Carvalho 1 A atitude filosófica se remete ao ato de pensar, questionar o óbvio, criticar, enfim, filosofar. Toda filosofia deve ser radical, não se contentando

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais. Marcelo Jacques de Moraes

A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais. Marcelo Jacques de Moraes A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais Marcelo Jacques de Moraes Historicamente, os Programas de Pós-Graduação da Faculdade

Leia mais

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras Entrevista Margarida Kunsch Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras no campo das relações públicas e da comunicação

Leia mais

Trabalho, logo existo!

Trabalho, logo existo! Trabalho, logo existo! Maurício Santos da Luz Graduando em filosofia pela Unioeste Introdução A filosofia se debateu durante muitos séculos, e ainda se debate, para responder a seguinte questão: de onde

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção?

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? 1 PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? Gissele Carraro 1 Nilda Stecanela 2 RESUMO O artigo discute alguns elementos imprescindíveis da gestão do planejamento

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Fala cidadão: promovendo o direcionamento social, educacional e profissional do aluno da E.J.A, visando à transformação de sua realidade, na construção da cidadania Mostra Local

Leia mais

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Danilo Pereira Munhoz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho danilomunhoz@gmail.com Fabrícia Lélis Universidade

Leia mais

KANT E A FACULDADE DE JULGAR

KANT E A FACULDADE DE JULGAR KANT E A FACULDADE DE JULGAR 1 KANT E A FACULDADE DE JULGAR Em reflexäo, a dupla funåäo do JuÇzo e a relaåäo entre entendimento, sentimento e razäo. Por Ulisses da Silva Vasconcelos* A RELAÄÅO ENTRE NATUREZA

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Objetivo Resolver exercícios de vestibulares sobre os clássicos da sociologia:

Leia mais